Divulgação científica no Twitter: a representação da ciência em ambientes de comunicaça o interpessoal on-line.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Divulgação científica no Twitter: a representação da ciência em ambientes de comunicaça o interpessoal on-line."

Transcrição

1 Divulgação científica no Twitter: a representação da ciência em ambientes de comunicaça o interpessoal on-line. Alessandro Mancio de Camargo 1 Resumo: A Divulgação Científica passa a articular novas propriedades discursivas ao ser realizada nas Mídias Sociais na Internet, como o Twitter. Nesses ambientes midiáticos é insuficiente divulgar conteúdos originais, tendo em vista que o público espera uma coparticipação na comunicação. Assim, torna-se importante a cooperação entre emissor e receptor nos atos comunicativos, mantendo conversações em tempo real, ou assíncronas, por exemplo. Recomenda-se, portanto, que para representar a ciência no Twitter o divulgador científico desenvolva sua competência semiótica. A começar pela razão, vontade e sentimento, tríade que faz parte do conceito filosófico de Mundividência, e é descrita pelo autor Jorge de Albuquerque Vieira como fase importante dos atos de criação e de busca do conhecimento nos sistemas psicossociais. Palavras-chave: Divulgação científica, mídia social, internet, Twitter. Abstract: The public science communication develops new discursive properties in Social Media on the Internet. It is insufficient releases original content at Twitter, for example, because in this media the public wants coparticipation on the comunication acts. Thus, it is important the cooperation between science writers and public through on chat or asynchronous comunication. Therefore, the science writers should improve his semiotic competence in order to represent science at Twitter. The author Jorge de Albuquerque Vieira, for example, highlights three important phases for psychosocial systems involved in the acts of creation and pursuit of knowledge: cognition, will and feeling, triad that is part of the philosophical concept of "world outlook". Keywords: Public science communication, social media, internet, Twitter. 1 - Eu posso dizer agora que eu sou a primeira missão a Marte a tocar e depois provar a água 2 Discutir como a Divulgação Científica (DC) pode ser realizada no Twitter 3, um exemplo de aplicativo das Mídias Sociais na Internet 4 (MSIs), é o propósito deste artigo. Ele foi escrito como parte de uma pesquisa mais abrangente, sobre a DC nas MSIs, que está em desenvolvimento no projeto de mestrado do autor. 1 Pesquisador, em nível de mestrado, do Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica da PUC-SP, onde é orientado pelo Prof. Dr. Jorge de Albuquerque Vieira. O autor atua também como consultor nas áreas de jornalismo, de marketing e de comunicação social. 2 Dessa forma, a NASA (agência espacial dos Estados Unidos) anunciou no Twitter, antes de qualquer outro veículo de comunicação de massa, que a sonda Phoenix Mars Lander encontrou água congelada no solo marciano. O tweet foi publicado em 31 de julho de Outros projetos da NASA, como a Estação Espacial Internacional, também usam o Twitter para anunciar suas novidades. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u shtml>. Acesso em: 03 jun Rede social na internet e microblogging, cujos enunciados são limitados a até 140 caracteres de texto cada. O Twitter foi lançado em 2006 em São Francisco, Califórnia (EUA), por Jack Dorsey, Evan Williams e Biz Stone, através da empresa de mesmo nome. Seu uso requer o domínio de um vocabulário específico, com diversas expressões em inglês. Ao ser lançado, o lema do negócio era: What are you doing?. Atualmene, foi alterado para: Twitter is the best way to discover what s new in your world. Distingue-se por unir mobilidade do acesso à temporalidade always on [...] entrelaçamento de fluxos informacionais e o design colaborativo de ideias (SANTAELLA; LEMOS, 2010, p. 66). Mais informações sobre a tecnologia, e o detalhamento do vocabulário usado no Twitter, disponíveis em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/twitter>. Acesso em: 3 jun Mídias Sociais na Internet (MSIs) são ferramentas de tecnologia de comunicação utilizadas pela estrutura social baseada em redes (conjunto de nós interconectados) descrita por Castells (2006) como sistema aberto altamente dinâmico suscetível de inovação sem ameaças ao seu equilíbrio (ibidem, p. 566). Blogs, Facebook, Twitter são exemplos de aplicações das MSIs. Seus usuários compartilham os mesmos códigos de comunicação. 1

2 Trata-se de um artigo exploratório, cujas principais etapas são: a) identificar o que ja foi publicado acerca do tema; b) analisar material discursivo e intersemiótico de DC publicado no 5. As ideias discutidas neste artigo foram elaboradas por meio do método racional indutivo 6, apoiado na Teoria Geral dos Sistemas (desenvolvida por Mario Bunge e outros autores) e seu encontro com a Semiótica de Charles S. Peirce, conforme visto na obra de Jorge de Albuquerque Vieira (ver referências). Considera também noções sobre redes sociais, vistas em Lucia Santaella, Renata Lemos e Rogério da Costa. Em linhas gerais, o artigo discute a comunicação social da ciência; a interação entre os divulgadores científicos e o público nas MSIs; e alguns requisitos para divulgação no Twitter. 2 - Comunicação social da ciência A publicação de artigos científicos cresceu entre os séculos XVIII e XX (HELLMAN, 1999, p ). Cresceu tanto, que a comunicação pública da ciência ganhou muito valor. Para o sociólogo Robert K. Merton (1979, p ), por exemplo, é imperativo que os conhecimentos e resultados alcançados pela ciência sejam comunicados à sociedade. O físico e filósofo Mario Bunge (1973, p. 29) tem a mesma opinião: o saber científico não só é, como deve ser, comunicável, sendo isto um princípio da ciência. Até meados do século XIX, a especialização da linguagem científica aparentemente não limitava a compreensão da ciência por parte do público educado. Nessa época, Humphry Davy e Michael Faraday [ ] faziam demonstrações populares sobre suas descobertas mais recentes em química e eletromagnetismo (GAZZINELLI, 2005). Mas o processo de especialização da ciência completou-se no século XX. Desde então: As comunicações científicas são [...] escritas tendo-se em vista os especialistas de um pequeno canto do saber. Até pesquisadores de uma mesma ciência, mas de diferentes especialidades, são afetados pela dificuldade de comunicação, porque são diversos os instrumentos, as técnicas de medidas, os métodos matemáticos de análise e os conceitos usados. A ligação dos conhecimentos em cadeia, o maior grau de abstração e a linguagem hermética da ciência moderna criam barreiras intransponíveis para o homem comum, o que acaba constituindo uma ameaça à 5 Disponível em: <http://twitter.com/miguelnicolelis>. Acesso em: 6 abr Trata-se do Twitter de Miguel Nicolelis, neurocientista brasileiro. No dia 15 de março de 2011, Nicolelis publicou 89 comentários (tweets) na sua conta de Twitter na internet, tendo em vista a promoção do livro "Beyond Boundaries: The New Neuroscience of Connecting Brains with Machines and How It Will Change Our Lives". 6 A indução é o processo pelo qual, a partir de um certo número de observações, se faz uma generalização sob a forma de uma lei ou regra geral (ALVES-MAZZOTTI, GEWANDSZNAJDER, 2000, p.111). 2

3 própria ciência, por tornar impossível o exame de suas aplicações pela sociedade que a mantém (GAZZINELLI, 2005). Em resposta à especialização da linguagem da ciência, a Divulgação Científica (DC) tornou-se, a partir do século XX, uma prática psicossocial muito valorizada, inclusive no Brasil (MELO, 1986, p. 7-9). Pode-se descrevê-la, por meio da Semiótica (SANTAELLA, 2005), como um signo que representa, ao menos em parte, certo conhecimento ou objeto científico à mente de um intérprete não-cativo à ciência, produzindo nessa mente, por semiose (ação do signo), um interpretante que gera algum efeito ou até a efetiva representação do objeto. Assim, a DC resulta de um agregado de elementos discursivos que conecta a linguagem da ciência, mais restrita, a outras, mais populares. Conforme Leibruder (2003, p. 229), ela é fruto da conexão entre os discursos científico e jornalístico. Segundo Mora (2003 p ), trata-se de um gênero discursivo que conecta as linguagens da ciência e da literatura. Tal diversidade, verificada em outros sistemas abertos e dinâmicos (VIEIRA, 2007), sugere uma postura sistêmica e semiótica como boa escolha ontológica para estudá-la. Estudar e incentivar a DC é importante para garantir a própria permanência 7 da ciência na sociedade moderna. Afinal, as suas condições de renovação dependem da incorporação do saber científico pelo público. Segundo Vogt (2009), há hoje uma verdadeira espiral de cultura científica, aonde o quadrante da DC sempre avança em relação ao ponto de partida, entendido como o momento de produção e de disseminação da ciência entre os cientistas. A partir desta amplificação, provocada pelas diversas formas de DC, que faz a divulgação dos novos conhecimentos à sociedade, cria-se um ambiente propício para apoiar as políticas de promoção da ciência e da tecnologia, incentivando ainda mais os investimentos na área. Nesse cenário, pode-se dizer que a comunicação social da ciência é um objetivo para todos os países que a financiam com dinheiro público. Isso passa pelo incentivo à DC, tal qual ocorre no Brasil, por exemplo, por meio da Fapesp no programa CEPID, e o CNPq no PRONEX 8 (HAMBURGUER, 2004, p. 138). Nos editais desses programas, os órgãos de fomento à pesquisa destacam que os investimentos em novos conhecimentos devem ter, como contrapartida, a difusão e a aplicabilidade para sociedade do desenvolvimento científico e 7 Parâmetro básico atribuído a todo sistema. Leva em conta que todas as coisas ou objetos, a partir do momento em que tornam-se existentes, tendem a durar, permanecer, sobreviver (VIEIRA, 2000). 8 FAPESP - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo; CEPID - Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão; CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico; PRONEX - Programa de Apoio a Núcleos de Excelência. O PRONEX foi criado em 1995, e o CEPID, no ano

4 tecnológico gerados. Para o pesquisador que recebe recursos públicos, a divulgação do seu trabalho torna-se um compromisso. Vale assinalar que essa lógica está em sintonia com a chamada economia/sociedade baseada no conhecimento, como fica patente no relatório Knowledge-based Economy distribuído pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em 1996 (COSTA, 2011, p. 8). Esse relatório já ressaltava, inclusive, a necessidade de interação entre produtores e usuários na troca entre conhecimento explícito e tácito (ibidem, p.8). Mas o que soa diferente na proposta do relatório é exatamente aquilo que só poderia ser dito por alguém que estivesse já em plena era da comunicação globalizada: ampliar o poder de distribuição do conhecimento na economia através das redes colaborativas e da difusão da tecnologia. [ ] A questão das redes colaborativas e sua força em propagar conhecimento, o fato de que é a interação entre os agentes da sociedade o que garante a inovação, na troca de conhecimentos tácitos e explícitos, isso só veio a ganhar destaque, clareza, com a ampliação das redes de comunicação globalizadas. (COSTA, 2011, p. 8) 3 - Interação entre os divulgadores científicos e o público No caso da DC em redes colaborativas, como blogs, Twitter e Facebook (exemplos de aplicações das MSIs), o senso comum pode indicar que qualquer sistema psicossocial com acesso à internet assumiria o lugar do divulgador científico, tendo em vista que as facilidades para se lançar uma publicação na web são, sem sombra de dúvida, infinitamente maiores do que na mídia tradicional (VIEIRA DE MELO, 2004). Mas se a DC já motiva controvérsias 9 na mídia tradicional, os problemas só aumentam com o advento das MSIs. Num estudo de caso ainda anterior a emergência delas, Macedo-Rouet (2003, p. 103) informava que o acesso a informações divulgadas em mídias inovadoras provoca desorientação em certos leitores, devido ao excesso de links e múltiplas referências a imagens, sons etc. presentes na hipermídia. Isso prejudica a compreensão do conteúdo divulgado em revistas eletrônicas, em comparação às impressas. Com as MSIs surge um novo veículo, misturando formas de comunicação que antes eram separadas em diferentes domínios da mente humana (CASTELLS, 2006, p. 448). Além disso, 9 Em 1959, por exemplo, o cientista e novelista britânico C. P. Snow alertava, no livro The two cultures, sobre o afastamento da ciência e da literatura, que contribuiu para tornar o discurso científico ininteligível para sociedade. Por sua vez, entre as críticas à cobertura jornalística da ciência, cita-se a angulagem sensacionalista muitas vezes presente na DC. Tal viés desfigura, na opinião da comunidade científica, a essência dos fatos registrados (MELO, 1986, p. 39.). Para evitar este tipo de problema existe, inclusive, códigos deontológicos que visam equilibrar a conjugação dos discursos jornalísticos e científicos na DC, como podem ser classificados alguns decálogos escritos com essa finalidade (VENANCIO, 2007, p. 92). 4

5 [...] os coletivos inteligentes que as redes planetárias de comunicação colocaram em ação, mentes distributivas, exibem características que são próprias dos sistemas adaptativos complexos, ou seja, processos emergentes que operam à semelhança dos sistemas de enxames, cujas principais características são as seguintes: a. ausência de controle centralizado; b. natureza autônoma das subunidades; c. alta conectividade entre as subunidades; d. causalidade em rede não-linear de iguais que exercem influência sobre iguais. A semelhança dessas propriedades com o comportamento das Redes Sociais na Internet [...] salta à vista, especialmente o modo como se acessa, na troca de ideias, sentimentos e informações (SANTAELLA; LEMOS, 2010, p.21). O quadro descrito por Castells (2006), Santaella e Lemos (2010) traz implicações para a DC. No Twitter, e nas outras MSIs, a divulgação se torna interativa, num processo marcado por constante negociação entre emissores e receptores. Comparativamente ao que Costa (2008) descreve como efervescência da inteligência coletiva, a DC vai se ver dentro de uma rede de relações onde se depende da composição com outros indivíduos e que, simultaneamente, entende-se que eles também dependem de sua participação (COSTA, 2008, p. 66). Nas redes sociais, independentemente de serem digitais ou não, é importante tanto a busca e oferta de informações, a construção e partilha de conhecimentos quanto a troca afetiva (COSTA, 2008, 62). Isso significa que para a DC permanecer numa rede social como o Twitter é importante que a interação entre o divulgador científico e o público também leve em conta os aspectos afetivos da comunicação. Não para fortalecer os laços dessa relação, ou seja, criar laços fortes, perenes. E sim para que haja cooperação entre eles (COSTA, 2005). Como se vê, a competência semiótica 10 do divulgador será colocada à prova no Twitter. Nesse aplicativo das MSIs, o discurso da DC tende a articular novas propriedades discursivas ao entrar em contato com a comunicação interpessoal on-line 11, também chamada de buzz marketing (LIMA, 2004, p. 44). Tal comunicação deve ser tomada não pelos diálogos dos consumidores isoladamente, mas pela soma destes diálogos (LIMA, 2004, p. 46). Numa situação como essa, parafraseando Guattari (1992, p. 162), a subjetividade coletiva [...] é engendrada por componentes semióticos irredutíveis a uma tradução em termos 10 Ambientes interativos exigem a competência semiótica do usuário para lidar com as interfaces computacionais [...]. Essa competência semiótica implica vigilância, receptividade, escolha, colaboração, controle, desvios, reenquadramentos em estados de imprevisibilidade, de acasos, desordens, adaptabilidade, que são, entre outras, as condicões exigidas para quem prevê um sistema interativo e para quem o experimenta (SANTAELLA, 2003, p ). 11 Gênero discursivo mais subjetivo, pouco estudado, e que envolve a interação de pessoas por meio de qualquer aplicação baseada na internet. É usado como canal de comunicação em ações mercadolo gicas (LIMA, 2004, p ). Também pode ser equiparado ao chamado buzz (burburinho; boca-a-boca, numa tradução livre), tema estudado pelo autor Emanuel Rosen (2009). Este artigo leva em consideração que, no Twitter e em outros aplicativos das MSIs, os gêneros discursivos que compõem a DC (discurso científico associado ao jornalístico; e/ou discurso científico associado ao literário) conectam-se à comunicação interpessoal on-line. 5

6 de significantes estruturais ou sistêmicos. Dessa forma, não se pode mais falar do sujeito em geral e de uma enunciação perfeitamente individuada, mais de componentes parciais e heterogêneos de subjetividade e de Agenciamentos coletivos de enunciação que implicam multiplicidades humanas (ibidem, p. 162). Premonitória, as constatações feitas por Guattari (1992) parecem, a primeira vista, um obstáculo para a DC no Twitter. Sem dúvida que é difícil conciliar processos de subjetivação e agenciamentos de sentido à univocidade e ao objetivismo da ciência, de onde, vale lembrar, o divulgador extrai as informações para o seu trabalho. Realmente, acredita-se que nas MSIs corre-se o risco de o conhecimento científico ser transformado, pelo capitalismo cognitivo 12, apenas em valor econômico, menosprezando o seu comprometimento com a educação, a difusão e a transferência da cultura científica para sociedade. Mas sem deixar de lado a autocrítica, acredita-se também que o bom entendimento e domínio da semiose (ação dos signos, inerente a toda forma de comunicação), pode promover a auto-organização 13 da DC no Twitter. Dessa forma, o divulgador e o público, participantes da rede social, poderiam escolher em seus espaços de estados 14 os limites (impostos pelos atratores 15 presentes na interação) dentro dos quais vão ou não se posicionar. A próxima parte deste artigo discutirá alguns requisitos necessários para o planejamento e inserção nos fluxos informacionais do Twitter. 4 - Alguns requisitos para divulgação no Twitter 12 Dado que toda atividade que produz conhecimento e informação é produtora de riqueza, a conversão dessa riqueza em valor econômico é o que caracteriza [...] o atual capitalismo cognitivo (COSTA, 2008, p. 63). 13 Conforme Vieira (2000), a auto-organização promove, de forma espontânea, a organização de um sistema aberto e dinâmico depois de ele ter sido afastado do seu equilíbrio termodinâmico (por aumento ou diminuição excessiva da entropia), devido a uma crise/flutuação provocada por fatores internos ou externos. Por fatores externos entenda-se aqueles vindos por meio dos canais de comunicação que fazem a conexão do sistema com o ambiente que o envolve. Durante o processo de auto-organização os sistemas abertos evoluem para um nível mais complexo e com redundância/entropia média (que é a ideal). Ou seja: redundância no sentido da teoria da informação de Shannon, onde ela aparece associada à entropia/diferença (caso em que, vale destacar, a representação de redundância/entropia média equivale à representação de informação média; ou seja, informação que faz diferença/sentido, e tem coerência para permanência do sistema no seu ambiente). Para Semiótica, redundância mede o vigor gramatical. Aparece associada à Integralidade, logo à Organização, e da mesma forma associada à ( ) gramaticalidade (ibidem, p. 22). Em sistemas abertos e complexos há uma tendência ao processo de auto-organização, tendo em vista alcançar a metaestabilidade. 14 Espaço matemático construído com eixos ortogonais, escalonados com as intensidades das propriedades representativas do sistema, aonde surge uma trajetória representativa da sua história (VIEIRA, 2007). 15 Subespaço do espaço de estados que contém a trajetória histórica do sistema, gerada pelo deslocamento do ponto estado ao longo do tempo (VIEIRA, 2007). 6

7 O Twitter está posicionado, como o Facebook, entre os representantes das chamadas redes sociais Nesse segmento, as MSIs se destacam por articular num único ambiente aplicativos desenvolvidos por diversas empresas, os quais estão sempre conectados e disponíveis em qualquer lugar. No caso do Twitter, favorece-se ainda mais a mobilidade. Bastam cerca de cinco segundos para ler suas mensagens, de até 140 caracteres cada. Ideal para consulta em telas menores e sensíveis ao toque, como a dos cada vez mais populares smartphones e tablets. Mas ao utilizar o Twitter é importante ter em mente que a lógica dele continua baseada em três quesitos que lhe são precursores: interatividade; hipermídia, integração de diversas mídias e linguagens na internet; código digital, que rompe com a linearidade ao possibilitar que grandes quantidades de informação e comunicação sejam recebidas e processadas livremente. Já os aspectos específicos de funcionamento do Twitter são menos evidentes. Geralmente são descobertos na prática. O neurocientista Miguel Nicolelis, que a imprensa informa ser o brasileiro mais próximo de receber o prêmio Nobel de Medicina 17, deparou-se com características importantes do aplicativo logo em sua estreia na mídia. Em janeiro de 2011 foi preciso provar que o seu perfil no microblogging não era fake 18, ou seja, que era atualizado por ele mesmo. Nesse sentido é original. Criado pelo cientista que hoje se divide entre São Paulo, Bahia, Estados Unidos e Rio Grande do Norte. Depois da confirmação, bastaram dois dias para o neurocientista superar a marca de mil seguidores no Twitter (em 03 de junho de 2011 já tinha superado o número de followers). É possível induzir, portanto, que a inserção bem-sucedida no Twitter é um processo complexo 19. [Mas] Existem, é claro, algumas exceções a essa regra: celebridades e experts (SANTAELLA; LEMOS, 2010, p. 69). O que também vale para instituições de pesquisa, como a NASA, citada na Introdução e que possui mais de 1 milhão de seguidores. 16 a. Redes 1.0: coordenação em tempo real entre os usuários (ICQ, MSN); b. Redes 2.0: entretenimento, contatos profissionais, marketing social (Orkut, Myspace); c. Redes 3.0: aplicativos e mobilidade (Facebook, Twitter (SANTAELLA; LEMOS, 2010, p. 58). 17 Disponível em: <http://www.jcnet.com.br/cadernos/detalhe_ciencias.php?codigo=203208>. Acesso em: 03 jun Conforme post NADA DE FAKE - Miguel Nicolelis: cientista interage com potiguares em seu twitter, publicado em 17 de janeiro de Disponível em: <http://www.thaisagalvao.com.br/tg/visualizar/21464/blog>. Acesso em: 03 jun As autoras fazem referência a uma lista bem humorada, publicada na internet, que narra os 46 estágios para quem deseja se inserir no Twitter. Disponível em: <http://www.shanenickerson.com/nickerblog/2009/06/the-46- stages-of-twitter.html>. Acesso em: 03 jun

8 Mas mesmo as celebridades e experts precisam respeitar as características próprias do Twitter. Santaella e Lemos (2010) abordam esse assunto. Relatam, por exemplo, que qualquer usuário para se posicionar eficientemente no Twitter deverá planejar de forma adequada quatro tipos de fluxo informacional: a) conteúdos originais; b) referências e pointers 20 ; c) RT s selecionados de seu fluxo de inflow 21 ; d) conversações em tempo real (ibidem, p. 79). Costa (2008) indica algo correlato ao tratar das redes sociais, como pode ser lido em citação feita anteriormente neste artigo. Relembrando: para construir uma rede social é importante a busca e oferta de informações (ou seja, conteúdos originais), a construção e partilha de conhecimentos (por exemplo, as referências e pointers) e a troca afetiva, que está presente nas conversações em tempo real e RT s selecionados do fluxo de inflow. Na análise realizada no Twitter de Miguel Nicolelis, esses fluxos informacionais foram encontrados. A título de exemplo, serão reproduzidos alguns tweets veiculados em 15 de março de Neles, o neurocientista brasileiro conversa com seus seguidores (exemplos b e c ); faz referência a conteúdo relevante, não se furtando a interagir (exemplo b ); divulga conteúdo original e faz indicação de link (exemplo a ). Confira a seguir: a) menção ao lançamento do livro Beyond Boundaries E hj! Beyond Boundaries sendo lanc ado em todo os EUA. Três anos depois do inićio do projeto, mto bom ver o filho na prateleira! Como prometido, vamos ter a noite de auto grafo pelo twitter! Aviso a data e hora rio por E aqui esta o link do site que acabou de ser inaugurado nos EUA : beyondboundariesnicolelis.net b) destaque à notícia publicada em revista científica sobre comissão brasileira de Artigo na Nature Medicine vai mencionar Comissa o do Futuro da Ciência Brasileira! Quem pensaria nisso ha 10 anos?science e Nature olho quando? em qual edição posso achar? e temos acesso Nature Medicine, próxima edição. N creio que ache em bancas! :) 20 Indicar conteúdo relevante por meio do Twitter, incluindo na sequência a sua referência por meio de um link. 21 Conteúdo informacional do fluxo interno de um usuário [...] proveniente das suas escolhas de alimentação (SANTAELLA; LEMOS, 2010, p. 73). 22 Como o Twitter é uma mídia de fluxo contínuo, que valoriza o tempo presente (o aqui e a agora; hic et nunc) em detrimento do passado, a timeline da sequência de tweets foi invertida, para facilitar a leitura. 8

9 rs... então vou precisar achar uma forma de lêla! Me diga, tem alguma referência de "melhor lugar" para eu fazer neuro? c) troca de mensagens relacionadas ao terremoto, seguido de tsunami, que atingiu o Japão em março Com um terremoto 9.0, seguido de uma tsunami devastadora e a emine ncia de um desastre nuclear, estamos falando de uma sem precedentes histo ricos. N entendi como apguém pode achar que a ciência e a tecnologia japonesa se comprometem se qquer coisa foram a cience ncia e tecnologia de construc a o civil q salvaram dezenas de milhares Imaginem o que um tremor 9.0 faria em NYC, ou Roma, ou Paris ou Sa @coresenomes Perdoe -me, sem ciencia e tecnologia teriam sido milho es de mortos! Nesses fluxos informacionais também se pode dizer que há acolhimento, por parte do cientista, ao responder à estudante de neuro (exemplo b ); e que há @coresenomes, que participam da conversa descrita no exemplo c. Não por acaso, acolhimento e identidade são 2 dos 3 requisitos necessários para a pertinência de um indivíduo à um sistema psicossocial (VIEIRA, 2007, p. 115). Acolhimento equivale à aceitação de alguém no grupo, sem criticar ou duvidar de suas intenções. Identidade é o sentimento de se pertencer ao grupo. O terceiro requisito corresponde à gratificação, demonstrada pelo reconhecimento, valor, respeito (VIEIRA, 2007, p. 118). Acredita-se, por exemplo, que receber um RT de quem se acompanha no Twitter seria equivalente a uma forma de gratificação. 5 - Conclusões Este artigo procurou apresentar alguns exemplos de como a DC no Twitter é uma atividade interativa, que rompe com a linearidade da divulgação verificada em mídias tradicionais, e que passa a articular novas propriedades discursivas ao entrar em contato com um canal de comunicação mais usado em ações mercadolo gicas, comparada ao buzz marketing. 9

10 Como toda linguagem ao surgir traz consigo novos modos de pensar, agir, sentir (SANTAELLA, 2009, p. 392), a complexidade da DC no Twitter só tende a aumentar. Recomenda-se, portanto, que para representar a ciência nesses ambientes midiáticos o divulgador científico desenvolva sua competência semiótica. A começar pela razão, vontade e sentimento 23, fases descritas por Vieira (2006) como importantes para os atos de criação e de busca do conhecimento nos sistemas psicossociais. Vale observar que essas fases, recomendadas a quem deseja se relacionar com o público por meio do Twitter, estão em sintonia com o crescimento do trabalho imaterial incentivado pelo capitalismo cognitivo. Segundo Negri e Michael Hardt (2005 apud Costa, 2008, p. 62), o trabalho imaterial também envolve três dimensões essenciais: a cognição (conhecimento), a comunicação (informação) e o afeto (cuidado). Mais um indício de que a participação nos fluxos informacionais do Twitter requer planejamento adequado por parte do divulgador. Tais observações são importantes para que o divulgador científico possa manejar de forma correta as múltiplas matrizes (sonora, visual e verbal) de linguagem e pensamento possíveis de serem usadas na hipermídia (SANTAELLA, 2009). Com planejamento adequado, acredita-se, é possível vencer as resistência às MSIs 24 e experimentá-las. Sugestão especialmente indicada para aqueles que realizam a comunicação pública da ciência. Afinal: Los periodistas del área científica y tecnológica debemos estar en vanguardia en el uso de tecnologías de información y comunicaciones electrónicas. Es el periodista científico el que debe abrir caminos y explorar nuevos recursos para su trabajo de divulgación informativa (HERNANDO, 2004, p. 167). 6 - Referências Livros: ALVES-MAZZOTTI. Alda J.; GEWANDSZNAJDER, Fernando. O método nas ciências naturais e sociais: Pesquisa quantitativa e qualitativa. 2. ed. São Paulo: Pioneira, Tríade que faz parte do conceito filosófico de Mundividência (VIEIRA, 2006, p. 75). 24 De acordo com levantamento sobre as razões que levam os chefes de laboratório de pesquisa resistir à adoção de mídias sociais na internet. Disponível em: <http://www.labmanager.com/?articles.view/articleno/4496/>. Acesso em: 3 maio

11 BUNGE, Mario. La Ciencia, su Método y su Filosofía. Buenos Aires: Ed. Siglo Veinte, CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede - A era da informação: economia, sociedade e cultura; v ed. São Paulo: Editora Paz e Terra, GUATTARI, Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. 1. ed. Rio de Janeiro: Ed. 34, HELLMAN, Hal. Grandes debates da ciência: dez das maiores contendas de todos os tempos. 1. ed. São Paulo: Editora Unesp, MORA, Ana María Sánchez. A Divulgação da Ciência como Literatura. 1. ed. Rio de Janeiro: Casa da Ciência Centro Cultural de Ciência e Tecnologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro: Editora UFRJ, ROSEN, Emanuel. The anatomy of buzz revisited: real-life lessons in world-of-mouth marketing. New York: Doubleday, SANTAELLA, Lúcia. Semiótica Aplicada. 2. reimpr. da 1. ed. de São Paulo: Pioneira Thomson Learning, SANTAELLA, Lúcia. Matrizes da Linguagem e Pensamento: sonora, visual, verbal. 3.ed. São Paulo: Iluminuras: FAPESP, SANTAELLA, Lúcia. A ecologia pluralista da comunicação: conectividade, mobilidade, ubiquidade. São Paulo: Paulus, SANTAELLA, Lúcia; LEMOS, Renata. Redes sociais digitais: a cognição conectiva do Twitter. 1. ed. São Paulo: Paulus, VENANCIO, Rafael Duarte Oliveira. Difusão metropolitana e divulgação científica. 1. ed. São Paulo-SP: Plêiade,

12 VIEIRA, Jorge de Albuquerque. Ciência: formas de conhecimento: Arte e ciência, uma visão a partir da complexidade. 1. ed. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, VIEIRA, Jorge de Albuquerque. Teoria do conhecimento e arte - formas de conhecimento: arte e ciência uma visão a partir da complexidade. 1. ed. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, Capítulos de livros: LEIBRUDER, Ana Paula. O discurso de divulgação científica. In: BRANDÃO, Helena Nagamine (org.). Gêneros do discurso na escola. 4. ed. São. Paulo: Cortez Editora, p MERTON, R. K. Os imperativos institucionais da ciência. In: J. D. Deus (org). A Crítica da Ciência. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979, p SANTAELLA, Lúcia. A heterologia da interação no ciberespaço. In: LEÃO, Lucia (org.). Cibercultura ed. São Paulo: Nojosa Edições, VIEIRA DE MELO, Cristina Teixeira. A ana lise do discurso em contraponto a noça o de acessibilidade ilimitada da internet. In: MARCUSCHI, Luis Anto nio ; XAVIER, Antonio Carlos (org). Hipertexto e ge neros textuais : novas formas de construção de sentido. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Lucerna, Disponível em: <http://bit.ly/feyawv>. Acesso em: 08 abr Artigos publicados em revistas: COSTA, Rogério da. Inteligência Coletiva: comunicação, capitalismo cognitivo e micropolítica. In: Revista FAMECOS, v. 3, p , COSTA, Rogério da. Por um novo conceito de comunidade: redes sociais, comunidades pessoais, inteligência coletiva. In: Interface. Comunicação, Saúde e Educação, São Paulo, v. 9, n. 17, p ,

13 GAZZINELLI, Ramayna. A divulgação científica como instrumento de cidadania. In: Diversa, Revista da Universidade Federal de Minas Gerais / UFMG, Ano 3 - nº. 8 - out. de Disponível em: <http://www.ufmg.br/diversa/8/artigoadivulgacaocientificacomoinstrumentodecidadania.htm>. Acesso em: 08 abr MACEDO-ROUET, Mônica. Legibilidade de revistas eletrônicas de divulgação científica. In: Ci. Inf., Brasília, v. 32, n. 3, p , set./dez Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ci/v32n3/19029.pdf>. Acesso em: 17 fev VIEIRA, Jorge de Albuquerque. Organização e Sistemas. In: Revista Brasileira de Informática na Educação, Porto Alegre, v. 3, n. 1, 2000, p Dissertação e pesquisa: LIMA, Alessandro Barbosa. Comunicação interpessoal on-line: um estudo sobre a utilização das redes sociais em ações de comunicação viral. São Paulo: USP, p. Dissertação (Mestrado) - Escola de Comunicaço es e Artes (ECA), USP, MELO, José Marques de. Quando a ciência é notícia. São Paulo: ECA/USP, Anais de Congresso / Foro: COSTA, Rogério da. A Sociedade do Conhecimento e o Neocapitalismo. In: XX COMPÓS. Porto Alegre/RS: Disponível em: < Acesso em: 24 jun HAMBURGUER, Ernst. Um panorama da difusão da ciência. In: KREINZ, Glória; PAVAN, Crodowaldo (orgs.). Congresso Internacional de Divulgação Científica (Anais). 1. ed. São Paulo: NJR/ECA/USP, 2004, p

14 HERNANDO, Manuel Calvo. La divulgación científica y los desafios del nuevo siglo. In: KREINZ, Glória; PAVAN, Crodowaldo (orgs.). Congresso Internacional de Divulgação Científica (Anais). 1. ed. São Paulo: NJR/ECA/USP, 2004, p VOGT, Carlos. Comunicação e divulgação científicas no Brasil: algumas iniciativas institucionais. In: I FORO IBERO-AMERICANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA. Campinas: Unicamp et al., informação verbal,

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** O TWITTER COMO FERRAMENTA DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE RESUMO Este artigo trata da utilização do Twitter como uma ferramenta de ensino e aprendizagem de Matemática. A experiência

Leia mais

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA Resumo: O programa traz uma síntese das questões desenvolvidas por programas anteriores que refletem sobre o uso de tecnologias

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO

GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO CONVERSA DE ELEVADOR Sendo um empreendedor social, você sabe como é importante ser capaz de descrever sua organização, definindo o que diferencia seu trabalho e detalhando o

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino.

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino. A TERCEIRA EDIÇÃO DA CAMPUS PARTY BRASIL, REALIZADA EM SÃO PAULO ENTRE OS DIAS 25 E 31 DE JANEIRO DE 2010, REUNIU QUASE 100 MIL PARTICIPANTES PARA DISCUTIR AS TENDÊNCIAS DA INTERNET E DAS MÍDIAS DIGITAIS.

Leia mais

Mídias sociais: novo modelo de marketing e comunicação

Mídias sociais: novo modelo de marketing e comunicação Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Mídias sociais: novo modelo de marketing e comunicação Maria Fazanelli Crestana (USP) - crestana@usp.br Eidi Raquel Franco Abdalla (FMUSP) - eidi@biblioteca.fm.usp.br Fabiola

Leia mais

Quem ainda não tem um, provavelmente já pensou ou está pensando em ter, seja para fins pessoais ou profissionais.

Quem ainda não tem um, provavelmente já pensou ou está pensando em ter, seja para fins pessoais ou profissionais. Você sabia que o Whatsapp está presente em quase 50% dos smartphones no Brasil? O aplicativo virou febre rapidamente, seguindo a tendência de crescimento anual das vendas de smartphones no país. Quem ainda

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Jornalismo Interativo

Jornalismo Interativo Jornalismo Interativo Antes da invenção da WWW, a rede era utilizada para divulgação de informações direcionados a públicos muito específicos e funcionavam através da distribuição de e-mails e boletins.

Leia mais

ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM

ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM INTRODUÇÃO/DESENVOLVIMENTO Bruna Vieira de Oliveira Ricardo Rigaud Salmito 1 Esta pesquisa pretende analisar se a criação do site da rádio São Francisco

Leia mais

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP Movimentos sociais e internet: uma análise sobre as manifestações de 2013 no Brasil Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista,

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Morgana Hamester História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Contexto atual Modelização digital contemporaneidade;

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005 http://www.bvs.br/ Projeto 4 18 de janeiro de 2005 Introdução Diante dos novos desafios e contínuas mudanças, as organizações precisam ser ágeis na tomada de decisão. Coordenar esforços de comunicação

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2B

Mídias sociais como apoio aos negócios B2B Mídias sociais como apoio aos negócios B2B A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

Museu virtual e redes sociais: Uma possibilidade de interação com a comunidade

Museu virtual e redes sociais: Uma possibilidade de interação com a comunidade 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Educação além dos limites da sala de aula

Educação além dos limites da sala de aula Educação além dos limites da sala de aula Como a Brightspace passou a fazer parte da vida de 20.000 alunos da Universidade Tiradentes Visão Geral Com mais de 50 anos de tradição e reconhecido pioneirismo

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

O que você está lendo? Prêmio para leitoras e leitores de 15 a 17 anos

O que você está lendo? Prêmio para leitoras e leitores de 15 a 17 anos O que você está lendo? Prêmio para leitoras e leitores de 15 a 17 anos CONVOCATÓRIA 2015 A Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI), com o apoio dos Ministérios

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

Blogs corporativos: uma inovação na Comunicação Organizacional 1

Blogs corporativos: uma inovação na Comunicação Organizacional 1 Blogs corporativos: uma inovação na Comunicação Organizacional 1 Ediane Barbosa Oliveira 2 ECOS/UCPel Resumo: O trabalho busca um estudo sobre uma ferramenta estratégica do ciberespaço no meio da comunicação

Leia mais

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda Diretrizes Curriculares ENADE 2012 Curso de: Publicidade e Propaganda MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA MEC Nº207 DE 22 DE JUNHO DE

Leia mais

Social Media em 5 etapas

Social Media em 5 etapas Como estruturar seu sistema de Social Media em 5 etapas O que é este guia? O Guia de inicialização em social media foi criado pela G&P como uma forma de ajudar e incentivar as mais diversas empresas do

Leia mais

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail...

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... FACEBOOK Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... 8 Características do Facebook... 10 Postagens... 11

Leia mais

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA PRODEB-UFBA PRODEB/DSS Diretoria de Sistemas e Serviços UFBA/LCAD

Leia mais

Monitoramento de Marcas no Twitter: Instituições de Ensino Superior Privadas de Salvador. Monitoramento de Marcas no Twitter: Inst.

Monitoramento de Marcas no Twitter: Instituições de Ensino Superior Privadas de Salvador. Monitoramento de Marcas no Twitter: Inst. Monitoramento de Marcas no Twitter: Instituições de Ensino Superior Privadas de Salvador Introdução A web contemporânea nos revela aspectos importantes no comportamento de seus usuários: produção e compartilhamento

Leia mais

C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S

C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S A MELHOR OPORTUNIDADE PARA O SEU NEGÓCIO ESTÁ AO SEU ALCANCE NAS REDES SOCIAIS... O MUNDO É FEITO DE REDES SOCIAIS

Leia mais

Intranets e Capital Intelectual

Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual As mídias sociais ultrapassaram os limites da vida privada. Os profissionais são 2.0 antes, durante e depois do expediente. É possível estabelecer

Leia mais

PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA. Ensino Fundamental (séries finais)

PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA. Ensino Fundamental (séries finais) PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA Ensino Fundamental (séries finais) O Clickideia é um portal educacional (www.clickideia.com.br), desenvolvido com o apoio do CNPq e da UNICAMP, que apresenta conteúdos didáticos

Leia mais

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015.

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. 1 OBJETIVO O objetivo deste documento é estipular um plano de ação para criar e gerenciar perfis do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

para imprensa Brand Book

para imprensa Brand Book para imprensa Brand Book Release Passei Direto Uma ferramenta que vem para revolucionar a experiência dos estudantes universitários O Passei Direto (www.passeidireto.com) é uma rede social com foco acadêmico

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida profissionais

Leia mais

O Portal de Periódicos da Capes Katyusha Madureira Loures de Souza Novembro de 2014

O Portal de Periódicos da Capes Katyusha Madureira Loures de Souza Novembro de 2014 O Portal de Periódicos da Capes Katyusha Madureira Loures de Souza Novembro de 2014 Breve histórico 1986 - Plano Nacional de Bibliotecas Universitárias Programa de Aquisição Planificada de Periódicos 1990

Leia mais

Redes Sociais como ferramenta fundamental para a comunicação institucional atual 1

Redes Sociais como ferramenta fundamental para a comunicação institucional atual 1 Redes Sociais como ferramenta fundamental para a comunicação institucional atual 1 Jaqueline ECLISSI 2 Jesse James dos SANTOS 3 Sergio RODRIGUES 4 Daniele DOMINGOS 5 Drielle Ferreira de LIMA 6 Adriana

Leia mais

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br MIDIA KIT Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br Sobre nosso site O Notícias de Alagoinhas hoje é o portal mais completo da cidade. Somos um Canal de comunicação online que integra

Leia mais

FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA

FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA Figura 1 - Francisco Paoliello Pimenta, professor na Universidade Federal de Juiz de Fora acervo pessoal de Francisco Paoliello Pimenta Não há separação entre o conhecimento

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. Resumo INCLUSÃO DIGITAL Leandro Durães 1 A inclusão digital que vem sendo praticada no país tem abordado, em sua

Leia mais

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS Carlos Jerônimo da Silva Gueiros Um mundo em transformação 1998 / 1999 Mutirão Digital apoiar as escolas públicas no acesso à Internet 2010-12 anos depois...

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1

A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1 A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1 Isabela LOURENÇO 2 Caio Cardoso de QUEIROZ 3 Francisco José Paoliello PIMENTA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora,

Leia mais

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. 1 RESENHA Mónica Santos Pereira Defreitas 1 SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. O livro de Lúcia Santaella, Por que as comunicações e as artes estão

Leia mais

XX Foro Iberoamericano de Sistemas de Garantía y Financiación para las Pymes

XX Foro Iberoamericano de Sistemas de Garantía y Financiación para las Pymes XX Foro Iberoamericano de Sistemas de Garantía y Financiación para las Pymes PLATAFORMAS/HERRAMIENTAS TECNOLOGICAS PARA LA GESTION Y COMUNICACION DE LOS SISTEMAS DE GARANTIA NEWSLETTER NORGARANTE Presentado

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Construindo Comunidades Virtuais de Aprendizagem : TôLigado O Jornal Interativo da sua Escola Brasilina Passarelli Brasília 2004 Artigo publicado,

Leia mais

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br PROPOSTA DE PROPAGANDA - ANUNCIE NO JDC Apresentação de Plano de Publicidade Online no Site O JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ atende com o nome de JDC, porque é uma empresa que tem como sua atividade

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace.

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace. O Twitter Como Ferramenta de Divulgação Para As Empresas: Um Estudo De Caso do GREENPEACE 1 Jonathan Emerson SANTANA 2 Gustavo Guilherme da Matta Caetano LOPES 3 Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

Tabela de Preços Sugeridos

Tabela de Preços Sugeridos WEBSITE Estrutura básica Área institucional Área estática: quem somos, o que fazemos, onde estamos etc. Área de contato E-mail, telefone, formulário etc. Área core Gerenciador de conteúdo para cadastro

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais

Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais A campanha do prefeito de Duque de Caxias Alexandre Aguiar Cardoso, natural de Duque de Caxias, cidade da região metropolitana do Rio de Janeiro,

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

p3k.com.br contato@p3k.com.br

p3k.com.br contato@p3k.com.br p3k.com.br contato@p3k.com.br Rua Irmã Pia, 422, salas 302/303/1307 Edifício Green Office Jaguaré - São Paulo - SP Tel.: 11 3719.3149 FACEBOOK TWITTER VIMEO SLIDESHARE /p3kcomunicacao @p3kcomunicacao /p3kcomunicacao

Leia mais

Um mercado de oportunidades

Um mercado de oportunidades Um mercado de oportunidades Como grandes, pequenas e médias empresas se comunicam? Quem são os principais interlocutores e como procurá-los? Como desenvolver uma grande campanha e inovar a imagem de uma

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

O guia completo para uma presença. online IMBATÍVEL!

O guia completo para uma presença. online IMBATÍVEL! O guia completo para uma presença online IMBATÍVEL! Sumário Introdução 3 Capítulo 1 - Produção de Conteúdo: Por que e Como produzir 5 Capítulo 2 - Distribuição e Divulgação 8 Capítulo 3 - Monitoramento

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

O ser humano é comunicação

O ser humano é comunicação O ser humano é comunicação Sem. Andrey Nicioli anicioli@hotmail.com Catequese Arqudiocesana Pouso Alegre 14/11/2015 Primeira certeza O termo comunicação é abrangente e não se restringe aos meios midiáticos.

Leia mais

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular.

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular. Trabalha de Conclusão do Curso Educação a Distância : Um Novo Olhar Para a Educação - Formação de Professores/Tutores em EaD pelo Portal Somática Educar Ferramentas de informações e comunicações e as interações

Leia mais

MANUAL DE PUBLICAÇÕES E COMUNICAÇÃO

MANUAL DE PUBLICAÇÕES E COMUNICAÇÃO MANUAL DE PUBLICAÇÕES E COMUNICAÇÃO Conselho de Direção do Departamento de Psicanálise gestão 2012-2014 Articuladora: Gisela Haddad Da publicação de livros Com o objetivo de facilitar aos membros do Departamento

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Prof. Msc Alice Selles 24/11 Aula inicial apresentação e visão geral do módulo. Proposição

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Introdução à Comunicação Visual 40 horas Não tem Desenho I 40 horas Não

Leia mais

Thursday, October 18, 12

Thursday, October 18, 12 O Site Legado do IFP é uma comunidade online e global dos ex-bolsistas do programa. É um recurso e um lugar para você publicar notícias profissionais, recursos e teses para a comunidade global do IFP,

Leia mais

ESTRATÉGIA DIGITAL. Prof. Luli Radfahrer

ESTRATÉGIA DIGITAL. Prof. Luli Radfahrer ESTRATÉGIA DIGITAL Prof. Luli Radfahrer - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

POSSIBILIDADES E LIMITAÇÕES DA INTERAÇÃO ORAL EM AULAS DE CONVERSAÇÃO ONLINE Vivian Ferreira Figueiredo Ramos 1 Orientadora: Estrella Bohadana

POSSIBILIDADES E LIMITAÇÕES DA INTERAÇÃO ORAL EM AULAS DE CONVERSAÇÃO ONLINE Vivian Ferreira Figueiredo Ramos 1 Orientadora: Estrella Bohadana POSSIBILIDADES E LIMITAÇÕES DA INTERAÇÃO ORAL EM AULAS DE CONVERSAÇÃO ONLINE Vivian Ferreira Figueiredo Ramos 1 Orientadora: Estrella Bohadana RESUMO Este artigo apresenta um projeto de pesquisa para elaboração

Leia mais

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil Após um mais de ano de trabalho e experiências adquiridas a CRIC apresenta à diretoria regional as diretrizes que regem

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

SocialDB Social Digital Library

SocialDB Social Digital Library Social Digital Library Laboratório L3P NARRATIVA DO PROJETO SOCIALDB 06/2015 Gestor de uma coleção "Sou produtor cultural (ou fotógrafo) e quero criar um lugar na internet com uma seleção de obras artísticas

Leia mais

Os tempos mudaram. Campanha de valorização

Os tempos mudaram. Campanha de valorização Campanha de valorização Os tempos mudaram Terceira fase da Campanha de Valorização do Marketing Direto enfatiza a revolução nas formas de conquistar o público e a proximidade da disciplina com as novas

Leia mais

Resumo. 1 - Introdução

Resumo. 1 - Introdução Este artigo, disponível em http://www.nied.unicamp.br/oea/, refere-se ao curso de construção de páginas para a Internet desenvolvida para professores, realizado por pesquisadores da PUCSP em 2000, junto

Leia mais

GESTÃO E ACESSO À INFORMAÇÃO

GESTÃO E ACESSO À INFORMAÇÃO GESTÃO E ACESSO À INFORMAÇÃO Juliana Fachin Bacharel em Biblioteconomia pela UFSC. Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UFSC. E-mail: julianfachin@gmail.com Resumo: A obra

Leia mais

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo.

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO CULTURAIS A Fundação Cultural do Estado da Bahia tem como missão fomentar o desenvolvimento das Artes Visuais, Dança, Música, Teatro, Circo, Audiovisual, Culturas

Leia mais

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica João Luiz F. Azevedo Apresentação preparada como parte do processo de seleção do Reitor do ITA São José dos Campos, 23 de outubro de 2015 Resumo da

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Lygia de Assis Silva Sérgio Paulino Abranches Universidade Federal de Pernambuco lygia1@hotmail.com/ Este

Leia mais

Participação política na internet: o caso do website Vote na web

Participação política na internet: o caso do website Vote na web Participação política na internet: o caso do website Vote na web Lívia Cadete da Silva 1 Lucas Arantes Zanetti 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM Justificativa ABREU,Tamires de Sá 1 BARRETO, Maria de Fátima Teixeira² Palavras chave: crenças, matemática, softwares, vídeos.

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção.

Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção. estratégias online Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção. serviços consultoria Benchmark Planejamento

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica Inteligência em redes sociais corporativas Como usar as redes internas de forma estratégica Índice 1 Introdução 2 Por que uma rede social corporativa é um instrumento estratégico 3 Seis maneiras de usar

Leia mais

Fluxo de Mídias Sociais Integradas

Fluxo de Mídias Sociais Integradas Fev/ 2011 FETAMCE Fluxo de Mídias Sociais Integradas Ivonísio Mosca de Carvalho Filho Panorama / Cenário Qual o cenário atual da Internet? Você sabia que o que você imagina para daqui a 10 anos provavelmente

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais