TIAGO JOSIE KOHUT ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL: UMA FERRAMENTA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL NO PARANÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TIAGO JOSIE KOHUT ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL: UMA FERRAMENTA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL NO PARANÁ"

Transcrição

1 0 UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CURSO MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL TIAGO JOSIE KOHUT ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL: UMA FERRAMENTA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL NO PARANÁ CANOINHAS 2014

2 1 TIAGO JOSIE KOHUT ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL: UMA FERRAMENTA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL NO PARANÁ Trabalho apresentado como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Desenvolvimento Regional, pelo Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional da Universidade do Contestado UnC - Campus Canoinhas, sob orientação do professor Dr. Reinaldo Knorek. CANOINHAS 2014

3 2 ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL: UMA FERRAMENTA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL NO PARANÁ TIAGO JOSIE KOHUT Esta Dissertação foi submetida ao processo de avaliação pela Banca Examinadora como requisito parcial para a obtenção do Título de: Mestre em Desenvolvimento Regional. E aprovado na sua versão final em 18 de julho de 2014, atendendo às normas da legislação vigente da Universidade do Contestado UnC e Coordenação do Curso do Programa de Desenvolvimento Regional. Coordenador do Curso Sandro Luiz Bazzanella BANCA EXAMINADORA: Presidente da banca: Prof. Dr. Reinaldo Knorek Membro externo: Profa. Dra. Ana Paula Silva Yamauti Membro: Prof. Dr. Walter Marcos K. Birkner Suplente: Prof. Dr. Sandro Luiz Bazzanella

4 3 LISTA DE SIGLAS ACE ABNT CACB CEPUnC EUA FACIAP IBGE IPARDES ONG PIB PR SEBRAE UnC Associação Comercial e Empresarial Associação Brasileira de Normas Técnicas Confederação Brasileira de Associações Comerciais e Empresariais Comitê de Ética e Pesquisa da UnC Estados Unidos Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado do Paraná Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social Organização não Governamental Produto Interno Bruto Paraná Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Universidade do Contestado

5 4 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Cenário pós-tocquevilliano... 27

6 5 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Como é a infraestrutura da ACE Posicionamento Gráfico 2 Como é a infraestrutura da ACE Atratividade Gráfico 3 Serviços da ACE Posicionamento Gráfico 4 Serviços da ACE Atratividade Gráfico 5 Treinamentos ofertados pela ACE Posicionamento Gráfico 6 Treinamentos ofertados pela ACE Atratividade Gráfico 7 Empreendedorismo Posicionamento Gráfico 8 Empreendedorismo Atratividade Gráfico 9 Desenvolvimento Posicionamento Gráfico 10 Desenvolvimento Atratividade Gráfico 11 Função social das ACEs Posicionamento Gráfico 12 Função social das ACEs Atratividade... 56

7 6 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Autores e definições de capital social Quadro 2 Resultado da Pesquisa Realizada pelo SEBRAE-PR, referente as Características Empreendedoras... 32

8 7 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Descrição da capital Curitiba PR Tabela 2 Municípios associados à FACIAP, com população entre e habitantes Tabela 3 Municípios associados à FACIAP, com população entre e habitantes Tabela 4 Municípios associados à FACIAP, com população acima de habitantes... 41

9 8 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO DO TEMA PROBLEMA JUSTIFICATIVA HIPÓTESE OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos REFERENCIAL TEÓRICO O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO FORMAÇÃO DE CAPITAL SOCIAL CAPITAL SOCIAL E CULTURA ASSOCIATIVISMO EMPREENDEDORISMO MATERIAIS E MÉTODOS DESCRIÇÃO DO LOCAL DA PESQUISA ECONOMIA FEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS DO ESTADO DO PARANÁ RESULTADOS E DISCUSSÃO INFRAESTRUTURA SERVIÇOS TREINAMENTOS EMPREENDEDORISMO DESENVOLVIMENTO FUNÇÃO SOCIAL DAS ACEs CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE - QUESTIONÁRIO PESQUISA DE CAMPO... 64

10 9 1 APRESENTAÇÃO DO TEMA O tema central dessa dissertação é uma análise sobre o associativismo como uma ferramenta de desenvolvimento empresarial, destacando-se, sobretudo a Associação Comercial e Empresarial do Paraná (ACEs-PR). Esse tema tem sido um dos focos crescente em debates acadêmicos e empresariais, e até mesmo em discussões do senso comum, pois representa um fenômeno recente no desenvolvimento social, embora não se constitua em uma ideia recente, haja vista que o conceito de associações é empregado na teoria organizacional desde o começo do século XX, partindo do princípio básico de que uma vez unidas e confiando umas nas outras, tornam-se mais fortes, e essa união faz com que encontrem as soluções para problemas comuns. As associações são instituições que buscam promover a educação, cultura, política e os interesses de determinadas classes. O propósito das associações é reunir atributos que permitam uma adequação ao ambiente competitivo em uma única estrutura, sustentada por ações uniformizadas, porém descentralizadas e independentes, que possibilitem ganhos em escala, sem perda de flexibilidade das empresas associadas; nelas a iniciativa, a criatividade e a diversidade são molas propulsoras do trabalho, permitindo-lhes funcionar como verdadeiras escolas de cidadania, em busca das transformações que a sociedade exige. De acordo com o Código Civil, em seu artigo 53, as associações são pessoas jurídicas constituídas pela união de pessoas que se organizam para fins não econômicos. Não há, entre os associados, direitos e obrigações recíprocos, mas entre os associados e a associação. A união de empresários tem sido analisada por meio dos conceitos de fusão empresarial, clusters e outras formas de redes, todavia, para a presente pesquisa, a abordagem será a do associativismo competitivo empresarial, organizado por meio das ACE (Associações Comerciais e Empresariais) do Estado do Paraná. Dessa forma, buscou-se focar o fato confiança, como condição sine qua non para o agrupamento das empresas, e, por meio dela, a geração de capital social. Nessa abordagem, foram utilizados os conceitos dos principais teóricos nessa temática: Tocqueville, Putnam, Fukuyama e Peyrefitte, buscando explicações necessárias

11 10 para o fortalecimento da economia paranaense e sua importância no contexto regional. A Associação Comercial do Paraná, uma entidade de classe sem fins lucrativos, fundada em 1890, pelo Barão do Serro Azul, oferece aos seus associados, micro e grandes empresas uma série de benefícios, tais como: análise de crédito (pessoa física e jurídica), certificação digital, nota fiscal eletrônica, cursos livres, locação de auditório e salas para treinamento, plano de previdência, planos de saúde, publicações, além de outros serviços. 1.1 PROBLEMA Uma das principais tendências que se intensifica na economia moderna, sob o marco da globalização e do processo de reestruturação industrial é a que diz respeito às formas de relações intra e interempresas, particularmente, aquelas envolvendo pequenas e médias organizações (AMATO NETO, 2000). As Associações Comerciais e Empresariais são entidades corporativistas, não meramente representantes de determinados setores da economia, mas entidades prestadoras de serviços, desde a simples reprodução de documentos a consultas de proteção ao crédito, treinamentos, parcerias, convênios e, principalmente, o fomento de discussões socioeconômicas sobre questões gerais e de âmbito municipal, estadual ou federal. Nesse ambiente, o associativismo pode tornar-se um diferencial competitivo, uma das formas de competição e diferenciação do processo produtivo, dos produtos e serviços. De certa forma, desenvolve apoio e incentivo aos empresários para inovar e gerar mudanças, tanto no processo produtivo quanto ao relacionamento, fortalecendo, dessa forma, a confiança entre eles. Por outro lado, Pereira et al (2005) apud Silva (2007) ressaltam que todas as empresas não devem, necessariamente, participar de associações para crescer, no entanto, acredita-se que essa forma de associação alavancaria a sua estrutura. Para compreender a importância da confiança para o desenvolvimento de ações coletivas, primeiro é necessário compreender como se comportam as pessoas ao se agruparem, quais são suas motivações e expectativas. Ao fazer parte de uma associação, existe a cooperação e o alinhamento de interesses em uma ação

12 11 coletiva, constatando-se que os indivíduos têm necessidades comuns, que só podem ser atendidas por meio de ações conjuntas (PEREIRA; PEDROSO, 2005). As ações conjuntas para suprir os interesses individuais geram, de forma natural, problemas que circundam o não entenderem da realidade do outro, formas de pensar, atitudes e ações incompatíveis, resultando um desequilíbrio no relacionamento comercial. Fukuyama (1996), ao analisar a confiança, destaca como fundamental a questão cultural, que pode ser caracterizada pelos hábitos e tradições de determinada sociedade. Para ele [...] o bem-estar de uma nação, bem como sua capacidade de competir, é condicionado a uma única, abrangente característica cultural: o nível de confiança inerente à sociedade (p.21). A necessidade de confiar é tão importante quanto a vontade de ser confiável, porém hábitos e tradições muitas vezes falam mais alto. Pode-se considerar que a cultura regional gera relacionamentos entre empresários que formam as associações. Um dos fatores que influenciam esse aspecto é a falta de confiança e pensamento independente de alguns empresários quanto à inovação de produtos; redução de preço no produto disponibilizado no mercado, aquisição de máquinas e equipamentos. Tocqueville, em sua obra A Democracia na América, atribuiu grande importância à propensão dos americanos a formar organizações civis e políticas, e essas associações não são apenas de caráter comercial e industrial, mas associações com várias outras finalidades, associações formadas com base na confiança e no apoio mútuo. Em sua viagem aos Estados Unidos, EUA, Tocqueville tinha como principal objetivo identificar empiricamente o modelo de organização da sociedade que estava sendo formado. A democracia foi caracterizada como a melhor forma de governo, por incentivar a igualdade e a liberdade dos povos, que podem e devem agir para que o Estado não se torne despótico, autoritário e centralizador do poder, permitindo-se, assim, que a população participe das decisões que afetam os seus interesses e a forma de conduzir sua vida. Diante do contexto social que se formava nos EUA, com tão poucos ignorantes, em que a população tinha oportunidades e acesso à educação, foi criado um ambiente propício à defesa dos seus direitos individuais e coletivos. Tocqueville (2005), concluiu que a participação popular, assim como a descentralização administrativa e a organização de associações contribuíram para a defesa da cidadania e manutenção das instituições públicas. Outro dos seus pressupostos é que a melhor

13 12 democracia é aquela que permite o maior número de facções de interesses presentes na sociedade, ou seja, aquelas que ampliam as possibilidades de geração de capital social. Putnam (1996, p.179) afirma que a confiança é uma das formas de capital social, [...] cuja oferta aumenta com o uso, em vez de diminuir, e que se esgotam se não forem utilizados. Ou seja, quanto mais os empresários confiarem uns nos outros, maior será a confiança mútua, aumentando, dessa forma, a cooperação e alcançando melhores resultados. Já Fukuyama (2000) coloca como centro da sua discussão o individualismo, sendo a virtude básica das sociedades modernas. Quanto mais tornam-se autosuficientes, menos disposição apresentam para associar-se, e quanto menos se associam, menores são as possibilidades de produzirem cooperando, afinal, uma condição sine qua non para confiança é o coletivismo, como o autor afirma: A confiança é um subproduto vital das normas sociais cooperativas que constituem o capital social. Se pode contar que as pessoas mantenham seus compromissos, respeitem normas de reciprocidade e evitem o comportamento oportunista, então os grupos irão se formar mais facilmente e aqueles que se formarem estarão aptos para atingir fins comuns de forma mais eficiente (FUKUYAMA, 2000, p.60). Fazer parte de uma associação requer que cada parceiro dê sua contribuição para agregar valor, requer comprometimento, cooperação mútua, confiança entre os parceiros, tendo em mente que todos os associados estão do mesmo lado e possuem objetivos semelhantes. As relações de confiança permitem à comunidade superar mais facilmente o que os economistas chamam de oportunismo, no qual os interesses comuns não prevalecem, porque o indivíduo, por desconfiança, prefere agir isolada e, não, coletivamente (PUTNAM, 1996). Existe uma relação direta entre o grau de engajamento das pessoas em relação ao agrupamento, com a eficácia das organizações a que eles representam; quanto mais participativos e operantes forem os empresários numa associação, melhores serão seus resultados. Putnam (1996, p. 8), referindo-se ao envolvimento dos indivíduos, agrega a confiança como fator fundamental para que exista a cooperação, a solidariedade e o espírito público. Estabelece relações claras entre o capital social e sua importância para a cooperação espontânea, assinalando que a confiança se alimenta da própria

14 13 confiança, potencializando-se, tanto quanto mais é utilizada. Partindo desse pressuposto, tendo a confiança como base para a formação de capital social, questiona-se: como as ACEs-PR podem ser uma ferramentas de desenvolvimento que contribui para a promoção do capital social e da ampliação das atividades comerciais e empresariais no Estado Paraná? 1.2 JUSTIFICATIVA Justifica-se a relevância teórica deste estudo ao contribuir para o debate sobre o desenvolvimento regional, sob a ótica do cenário atual de crescimento econômico, caracterizado pela expansão das atividades produtivas, pelas fusões e incorporações, capitaneadas por investimentos de empresas estrangeiras, pelas privatizações e, principalmente, pela formação de associações, com objetivo de agregar valor aos produtos e serviços por meio da cooperação. A preocupação com o desenvolvimento sustentável das regiões e das comunidades atrelado à necessidade de promoção do crescimento econômico adaptado às novas realidades do mercado, e suas necessidades tecnológicas e de conhecimentos cada vez mais distintos, faz com que as empresas encontrem nas associações o suporte necessário para manterem-se proativas e inovadoras. Dessa forma, é condição básica estudar a formação de capital social, por meio das associações, sua formação, estrutura e a forma com que atuam junto aos seus associados. Em termos práticos, o estudo buscará trazer à luz dos estudos econômicos a importância das associações para o desenvolvimento regional, bem como a atuação dessas associações, e, quantitativamente, constatar a influência desse tipo de agrupamento nas regiões em que são atuantes. 1.3 HIPÓTESE Para que este trabalho se fundamente com pesquisa, levanta-se a seguinte hipótese: a) Se as ferramentas de apoio ao desenvolvimento comercial e industrial do Paraná utilizadas pelas ACEs nas atividades comerciais e empresarias são

15 14 eficazes e eficientes, então é verificável uma melhora na promoção do capital social e econômico nos municípios onde elas estão inseridas. 1.4 OBJETIVOS Objetivo Geral Investigar a importância das ACEs no desenvolvimento comercial e empresarial no Estado do Paraná Objetivos Específicos a) Classificar as ACEs no Estado do Paraná; b) Identificar as ferramentas de desenvolvimento comercial e empresarial utilizadas pelas ACEs no Estado do Paraná; c) Analisar a contribuição das ACEs para o desenvolvimento da indústria e comércio no Estado do Paraná. d) Analisar a percepção os empresários associados sobre a importância no posicionamento e na atratividade da função das ACEs no Estado do Paraná.

16 15 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Desenvolvimento econômico é um tema que começou a ser teorizado somente no início do século XX, haja vista que a preocupação daqueles que se ocupavam das finanças das nações era melhorar as condições de vida de sua população, que sofria com o analfabetismo, com os surtos de fome, já que dependiam única e exclusivamente daquilo que plantavam, ficavam à mercê das intempéries climáticas. Também a necessidade de segurança superava os objetivos econômicos e sociais, as viagens eram longas e perigosas, as guerras pela posse das terras eram frequentes. Foi com o surgimento do Estado moderno e as grandes descobertas marítimas que se iniciou uma preocupação constante com as relações econômicas, que, por sua vez, propiciavam o desenvolvimento econômico das regiões. A partir da década de 1970, vários estudiosos apontaram as diferenças entre desenvolvimento e crescimento, sendo o desenvolvimento caracterizado pelo aumento ou redução da pobreza, desemprego e desigualdade e o crescimento pela geração de riquezas. Souza (2005) acredita que a origem da questão do desenvolvimento econômico encontra-se no pacto social, derivado do pensamento mercantilista, principalmente no século 18, com o surgimento das escolas fisiocráticas na França, e clássica na Inglaterra. De fato, constata-se que não existe uma definição universalmente aceita de desenvolvimento. Porém uma primeira corrente de economistas (pode-se citar dois autores neoclássicos Meade e Solow; e outros teóricos keynesianos, como Harrod, Domar e Kaldor) de inspiração mais teórica considera crescimento como sinônimo de desenvolvimento; já uma segunda corrente (destacam-se economistas com Lewis, Hisrschman, Myrdal e Nurkse), voltada para a realidade empírica, entende que o crescimento é condição indispensável para o desenvolvimento, mas não é condição suficiente (SOUZA, 2005). Nessa segunda corrente podem-se citar também: Prebish, Furtado, e Singer, além de outros autores de tradição cepalina e marxista. Segundo essa corrente, o

17 16 desenvolvimento econômico implica mudanças de estruturas econômicas, sociais, políticas e institucionais, com a melhoria da produtividade e da renda média da população, como bem afirma Chenery (1981, p.9, apud SOUZA, 2005, p.6): Pode-se considerar que o desenvolvimento econômico é um conjunto de transformações intimamente associadas, que se produzem na estrutura de uma economia, e que são necessárias à continuidade de seu crescimento. Essas mudanças concernem à composição da demanda, da produção e dos empregos, assim como da estrutura do comércio exterior e dos movimentos de capitais com o estrangeiro. Consideradas em conjunto, essas mudanças estruturais definem a passagem de um sistema econômico tradicional a um sistema econômico moderno. Dessa forma, Souza (2005) acrescenta que existem algumas condições básicas para que o desenvolvimento econômico aconteça: a) existência de crescimento contínuo, superior ao crescimento demográfico; b) mudanças estruturais e melhoria de indicadores econômicos, sociais e ambientais; c) fortalecimento da economia local, regional e nacional; d) ampliação da economia de mercado; e) elevação da produtividade e do nível de bem-estar da população; f) preservação ambiental e desenvolvimento de consciência ecológica da população. Com o desenvolvimento, a economia adquire maior estabilidade e diversificação, o progresso tecnológico e a formação de capital tornam-se progressivamente fatores endógenos, isto é, gerados no interior do país, embora a integração internacional seja um processo gradual e irreversível. Para Boisier (1999), o conceito de desenvolvimento econômico tem suas raízes na economia neoclássica, fundamentada no pós-guerra, inicialmente, associado ao crescimento, mensurado pelo PIB, como pode ser observado na afirmação de Echevérnia, espanhol considerado o pai da Sociologia lationoamericana do desenvolvimento, que relata que o desenvolvimento econômico é um processo contínuo, cujo mecanismo essencial é a aplicação repetida do excedente em novos investimentos, o que também resulta na melhoria da qualidade de vida da população (citado por BOISIER, 1999, p.2). A pobreza e o desemprego são dois fatores passíveis de mensuração, porém as desigualdades existentes em determinados locais é um fator que vai além. Para

18 17 que se possa traçar o perfil de determinada região, é necessário que seja feita uma análise particular e pontual dessa realidade, buscando identificar as razões que ocasionam as desigualdades. Em relação ao bem-estar da população, Vazquez-Basquero (2000, p.5) define desenvolvimento regional da seguinte forma: [...] como um processo de crescimento e mudança estrutural através do uso de potencial de desenvolvimento no território leva a melhorar o bem-estar da população de uma localidade ou região. Quando a comunidade local é capaz de liderar o processo de mudança estrutural, a forma de desenvolvimento pode concordar com o chamado desenvolvimento local endógeno. O processo de crescimento e mudança estrutural a que o autor se refere, tende a ser o principal obstáculo ao desenvolvimento, haja vista que disso depende a visão dos gestores das políticas públicas. Boisier (1999, p.6) afirma que El desarrollo es la utopía social por excelência, pois quando uma determinada comunidade alcança status de desenvolvida, logo traça novas metas, e será necessário empreender novos esforços, o que mostra o dinamismo da economia, que evita a estagnação. Boisier (1999) afirma que o desenvolvimento regional consiste em um processo de mudança estrutural localizado (em um âmbito territorial denominado região), que se associa a um permanente processo de progresso e da própria região, de uma comunidade ou sociedade que habita nela e de cada individuo membro dessa comunidade e habitante desse território (tradução nossa). O processo de desenvolvimento regional se produz pela utilização eficiente do potencial econômico local, que é facilitado pelo bom funcionamento das instituições e por eficientes políticas públicas, que promovam as mudanças estruturais necessárias para mudar a visão da região, de mero suporte físico dos objetos, atividades e processos econômicos, para uma agente de transformação social. A economia de cada região está vinculada ao sistema de relações econômicas do país, em função de sua especificidade territorial, e de sua identidade econômica, política, social e cultural (VAZQUEZ-BARQUERO, 2000). Boisier (1999) traz duas dimensões do desenvolvimento, o humano e o social, ficando clara a ideia de que não existe desenvolvimento de uma região, se as pessoas que dela fazem parte não se desenvolverem da mesma forma. Nesse sentido, encontra-se na formação de capital social uma alternativa para agregar valor às regiões.

19 FORMAÇÃO DE CAPITAL SOCIAL O conceito de capital social é atualmente utilizado em pesquisa de campos disciplinares variados, unindo os interesses da sociologia, da economia, da ciência política e das áreas relacionadas à saúde, desenvolvimento econômico e educação. Dessa forma, faz-se necessário trazer à luz do conhecimento científico a definição de vários autores, elencados no quadro a seguir por Matos (2009, p.42): Quadro 1 Autores e definições de capital social AUTOR ENFOQUE Robert Putnam Destaca aspectos das organizações sociais que facilitam a coordenação das ações coletivas e a cooperação entre elas: redes, normas de confiança, bem comum, coesão social e participação. Perspectiva microssociológica (relações intergrupais). Bordieu Capital social é um conjunto de relações sociais que o indivíduo ou um grupo mobiliza a seu favor, com o intuito de obter lucros e ter acesso, ou manter-se no polo dominante de um determinado campo. James Coleman Função ou efeito do capital social e ênfase em redes densas e fechadas. O capital social é definido por sua função, sendo composto de uma variedade de aspectos ligados à estrutura social e que facilitam certas ações dos indivíduos que fazem parte dessa estrutura (relações intragrupais). Pierre Bordieu O conjunto de recursos reais ou potenciais disponíveis aos integrantes de uma rede durável de relações mais ou menos institucionais. Agregação de recursos mobilizados por meio das redes sociais. Alexis de A capacidade associativa e o aperfeiçoamento das instituições geram Tocqueville ampliação da vida democrática. Ronald Burt Ressalta a importância das redes abertas e cheias de lacunas estruturais. O posicionamento estratégico de certos atores nas redes (amigos, colegas e conhecimentos) os permite colocar pessoas em contato, sendo possível mediar a atuação dos participantes nas redes. Francis Fukuyama A habilidade das pessoas em trabalharem juntas com base em propósitos comuns em grupos e organizações. A existência de um conjunto de valores informais e normas compartilhadas que facilitam a cooperação. Peyrrefitte O desenvolvimento é um florescimento resultante convergência de fatores culturais favoráveis. Não é o subdesenvolvimento que é preciso explicar, mas o desenvolvimento. Fonte: Matos (2009, p.42) O capital social pode ser compreendido de duas formas distintas, em seu sentido individual, conceito trabalhado por Bordieu, e em seu sentido comunitário, conceito desenvolvido por Putnam (cujo precursor foi Coleman). Bordieu (1998) relata: [...] o exemplo dos recursos atuais ou potenciais que são ligados à posse de uma rede durável de relações mais ou menos institucionalizadas de interconhecimentos e de inter reconhecimento, ou em outros termos, o pertencimento a um grupo como exemplo de agentes que são também unidos através de ligações permanentes e úteis (BORDIEU, 1998, p.2).

20 19 De modo geral, pode-se considerar que capital social é o conjunto de recursos provenientes das relações sociais, pode-se citar como exemplo de formação de capital social os fenômenos coletivos, como: sindicatos, cooperativas, partidos políticos e associações em geral. Paiva (2010) relata que, em seu entendimento, capital social é todo recurso econômico, no sentido de que alavanca a produção e a produtividade econômica do sistema, que resulta na interação social e que não é apropriável de forma privada. Para ele, o capital social melhora a capacidade do sistema de superar as soluções perversas que caracterizam uma economia mercantil competitiva, garantindo a conquista de boas soluções, a partir da negociação ganha-ganha. Dessa forma, a base do capital social é a constituição de um sólido sistema de intercâmbio de signos e informações. Para Putnam (2006), o capital social diz respeito a características da organização social, como confiança, normas e sistemas, que contribuam para aumentar a eficiência da sociedade, facilitando, dessa forma, a ações coordenadas, afirma: Assim como outras formas de capital, o capital social é produtivo, possibilitando a realização de certos objetivos que seriam inalcançáveis se ele não existisse [...] Por exemplo, em um grupo cujos membros demonstrem confiabilidade e que depositem ampla confiança uns nos outros é capaz de realizar muito mais do que outro grupo que careça de confiabilidade e confiança [...] Numa comunidade rural, onde o agricultor ajuda o outro a enfardar o seu feno e onde os implementos agrícolas são reciprocamente emprestados, o capital social permite a cada agricultor realizar o seu trabalho com menos capital físico sob a forma de utensílios e equipamentos (PUTMAN, 2006, p.177). Sendo assim, o capital social facilita a cooperação espontânea, efetivando um relacionamento baseado na confiança e no companheirismo, sendo os participantes perfeitamente cientes dos riscos do descumprimento das regras impostas, fazendo com que a aceitação de novos participantes nesse grupo, esteja condicionada a uma reputação de honestidade e confiabilidade. Outra característica própria do capital social, baseado na confiança, normas e cadeias de relacionamentos, é o fato de que ele normalmente constitui um bem público, ao contrário do capital convencional, que normalmente é constituído de um bem privado: Por ser um atributo da estrutura social em que se insere o indivíduo, o capital social não é propriedade particular de nenhuma das pessoas que dele se beneficiam (PUTNAM, 2006, p.190), porém a participação ativa em associações e

21 20 outras formas de organização contribuem sobremaneira para a visibilidade individual, tornando-se um passaporte para outra atividade da vida social. De acordo com Fernandes (2002), Putnam estudou durante mais de 20 anos o processo de formação de capital social na Itália, sua incidência por meio da descentralização do governo (iniciado a partir de 1970), analisando o desenvolvimento desigual das regiões. Em seu estudo, utilizou uma metodologia comparativa em 20 regiões daquele país, e, a partir de análise fatorial e regressão múltipla, entre os anos de 1976 e 1989, realizou mais de 700 entrevistas com conselheiros regionais, líderes comunitários (como banqueiros, líderes rurais, prefeitos, jornalistas, líderes sindicais e empresários), além da sondagem eleitoral, e criou um índice de desempenho institucional, estabelecendo 12 variáveis a saber: 1) Estabilidade do gabinete; 2) Presteza orçamentária; 3) Serviços estatísticos e de informação; 4) Legislação reformadora; 5) Inovação legislativa; 6) Creches; 7) Clínicas familiares; 8) Instrumentos de política industrial; 9) Capacidade de efetuar gastos na agricultura; 10)Gastos com saneamento local; 11)Habitação e desenvolvimento urbano; 12)Sensibilidade da burocracia. Com base nessas variáveis, Putnam buscou avaliar o produto e não os resultados dos indicadores, com intenção de trazer o foco ao modo como eram desenvolvidas as políticas, e não, necessariamente, ao resultado destas, pois, para ele, encontrar o caminho do desenvolvimento das políticas era mais importante que simplesmente o resultado. Dessa forma seria possível utilizar o estudo como fórmula para desenvolvimento de outras regiões do país e de outros países. A partir do resultado do seu estudo, Putnam pôde constatar que as regiões localizadas ao norte da Itália tinham padrões e sistemas dinâmicos de engajamento cívico, com cidadãos mais participativos nas questões políticas e tais confiantes uns nos outros. Já as regiões localizadas ao sul não apresentavam uma política estruturada, a vida social era caracterizada pela fragmentação, isolamento e uma

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA PÓLOS DE CIDADANIA CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL MIRACY BARBOSA DE SOUSA GUSTIN MARIANNA VIEIRA

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Nossos. Princípios. de Atuação

Nossos. Princípios. de Atuação Nossos Princípios de Atuação O cumprimento de nossos Princípios de Atuação nos ajuda a tomar decisões e atuar com integridade e profissionalismo. CARTA DO PRESIDENTE O Grupo Telefônica passou por mudanças

Leia mais

O surgimento de associações de agricultores ocorre em função de três movimentos sociais importante:

O surgimento de associações de agricultores ocorre em função de três movimentos sociais importante: 1. ASSOCIATIVISMO 1.1. Introdução As formas associativas de trabalho no campo já eram encontradas há muito tempo atrás entre os primitivos povos indígenas da América. As grandes culturas précolombianas

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381 GESTÃO DE PESSOAS APLICADA ÀS UNIDADES DE INFORMAÇÃO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Profª M.Sc. Luciana Moreira

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

Portugal Brasil Moçambique Polónia

Portugal Brasil Moçambique Polónia www.promover.pt www.greatteam.pt Portugal Brasil Moçambique Polónia QUEM SOMOS - Prestamos serviços técnicos de consultoria de gestão e formação nos diversos setores da economia. - Presentes em Lisboa,

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo Perfil de Competências de Gestão Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 Perfil de Competências de Gestão Introdução Este perfil resume como é provável que o estilo preferencial ou os modos típicos de comportamento

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa

Os fundos de confiança como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa César Jaramillo Avila - aurbana@quito.gov.ec Coordenador do Programa Municipal de Agricultura Urbana da

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

Quer tirar seu projeto do fundo do baú?

Quer tirar seu projeto do fundo do baú? Quer tirar seu projeto do fundo do baú? Sumário 1. PATROCÍNIO... 2. SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL... 3. INSTITUTO BRASILEIRO DE TURISMO... 4. FUND. COORD. DE APERF. DE PESSOAL

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO DOCUMENTO PROPOSITIVO Página 1 1. IMPORTÂNCIA DO TEMA PARA A II CONFERÊNCIA NACIONAL 1.1. A construção de um novo Brasil pautado na justiça, equidade e

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social Ana Paula P. Mohr Universidade do Vale do Rio dos Sinos ana.mohr@gerdau.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0 CÓDIGO DE ÉTICA Aprovado pelo Conselho Consultivo da Saúde BRB Caixa de Assistência em sua 37ª Reunião Extraordinária, realizada em 10.12.2010. Brasília, 22 de fevereiro de 2011 I - APRESENTAÇÃO CÓDIGO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Missão Capacitar Administradores, propiciando uma base técnico-científica que lhes permita um aprendizado hábil a absorver, processar e adequar informações

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

Lei de Bases da Economia Social

Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick A competitividade das Micro e Pequenas Empresas Bruno Quick Indicadores TOTAL ME e EPPs Empresas formais em operação (2005) Cenário Nacional Part.% ME e EPPs 5.134.934 5.083.585 99% Empregos formais (2005)

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de um projeto (técnico, científico, empresarial). Tem

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD

2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD Instrumento de Solicitação de Manifestação de Interesse- Qualificação de Parceiros para a Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva 2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD 1. OBJETO DO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro DAVE ULRICH, JON YOUNGER, WAYNE BROCKBANK E MIKE ULRICH Qualquer bom profissional de RH quer ser melhor. Isto começa com um desejo

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

A filosofia ganha/ganha

A filosofia ganha/ganha A filosofia ganha/ganha Interdependência Talvez nunca tenha existido, na história da humanidade, uma consciência tão ampla sobre a crescente interdependência entre os fatores que compõem nossas vidas,

Leia mais

Cursos, Assessoria e Consultoria na Área de Administração de Empresas, para Micros e Pequenos Empresários de Maracaju, MS

Cursos, Assessoria e Consultoria na Área de Administração de Empresas, para Micros e Pequenos Empresários de Maracaju, MS Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Cursos, Assessoria e Consultoria na Área de Administração de Empresas, para Micros e Pequenos Empresários

Leia mais

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO EMPREENDEDORISMO SOCIAL NO DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE SUSTENTÁVEL

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO EMPREENDEDORISMO SOCIAL NO DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE SUSTENTÁVEL CONSIDERAÇÕES ACERCA DO EMPREENDEDORISMO SOCIAL NO DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE SUSTENTÁVEL Renata Foltran MANCINI 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo apresentar o Empreendedorismo

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

Comunidades preparadas e comprometidas com a superação de seus desafios.

Comunidades preparadas e comprometidas com a superação de seus desafios. Apresentação O Instituto Camargo Corrêa, criado em dezembro de 2000 para orientar o investimento social privado das empresas do Grupo Camargo Corrêa, é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

A Importância da Propriedade Intelectual no Contexto do Desenvolvimento Tecnológico e Industrial

A Importância da Propriedade Intelectual no Contexto do Desenvolvimento Tecnológico e Industrial A Importância da Propriedade Intelectual no Contexto do Desenvolvimento Tecnológico e Industrial Jorge Avila INPI Presidente Florianópolis, 12 de maio de 2009 Cenário Geral Aprofundamento do processo de

Leia mais

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR.

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR. NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR Área: ECONOMIA LOPES, Janete Leige PEREIRA, Kelli Patrícia PONTILI, Rosangela

Leia mais

Empreendedora. Inovação e Gestão. Introdução ao empreendedorismo

Empreendedora. Inovação e Gestão. Introdução ao empreendedorismo Inovação e Gestão Empreendedora atuação empreendedora no brasil desenvolvimento da teoria do empreendedorismo diferenças entre empreendedores, empresários, executivos e empregados Introdução ao empreendedorismo

Leia mais

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Camila Cristina S. Honório 1 Maristela Perpétua Ferreira 1 Rosecleia Perpétua Gomes dos Santos 1 RESUMO O presente artigo tem por finalidade mostrar a importância de ser

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil

A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil Seminário Gestão Municipal e os Fundos de Previdência A Conjuntura dos Regimes Próprios de Previdência Social no Brasil Reflexos na Gestão Municipal Certificado de Regularidade Previdenciária CRP e Certidão

Leia mais

Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa

Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa 1 Introdução Este documento tem como objetivo apresentar um conjunto de reflexões sobre a implementação das disposições

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Democracia e Cidadania 1

Democracia e Cidadania 1 Democracia e Cidadania 1 Orlando Alves dos Santos Junior (Fase) * Será que o Brasil é um país democrático? Sob muitos aspectos não resta dúvida que sim, mas sob outros podemos levantar diversas dúvidas.

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE S (ÁREA: GESTÃO) TECNÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização:A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO

Leia mais

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DA CIDADANIA E DA DIVERSIDADE CULTURAL PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL Brasília, Novembro de 2014. APRESENTAÇÃO A primeira Semana

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais