ECO-OIL T R A T A M E NTO DE ÁGUAS. Estrada da Mitrena, EN10-4, km Setúbal. Endereço: PLANO DE SEGURANÇA PS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ECO-OIL T R A T A M E NTO DE ÁGUAS. Estrada da Mitrena, EN10-4, km 19 2910-738 Setúbal. Endereço: PLANO DE SEGURANÇA PS"

Transcrição

1 ECO-OIL T R A T A M E NTO DE ÁGUAS C O NTAMINADAS, S.A. Endereço: Estrada da Mitrena, EN10-4, km Setúbal PLANO DE SEGURANÇA PS PQAS12 _ Edição 00 Outubro 2014

2 Página: 2/48 ÍNDICE Promulgação do Plano de Segurança... 4 PARTE 1: GESTÃO ADMINISTRATIVA DO PLANO DE SEGURANÇA 5 1 INTRODUÇÃO Âmbito Identificação da utilização-tipo e categoria de Risco Glossário de termos Lista de abreviaturas Revisão e alteraçãodo Plano de Segurança Lista de distribuição SITUAÇÃO Caracterização das instalações Infraestruturas Utilidades Rede de comunicações Data de entrada em funcionamento Atividade e ocupação dos espaços Locais de risco Responsável de Segurança, Delegado de Segurança e Equipa de Segurança Posto de Segurança PLANTAS DE SEGURANÇA 15 PARTE 2: REGISTOS DE SEGURANÇA 16 1 ORGANIZAÇÃO DOS REGISTOS DE SEGURANÇA 17 PARTE 3: PLANO DE PREVENÇÃO 19 1 PROCEDIMENTOS DE EXPLORAÇÃO, UTILIZAÇÃO E OPERAÇÃO Procedimentos de exploração e utilização dos espaços Procedimentos de exploração e utilização das instalações técnicas Procedimentos de operação dos equipamentos e sistemas de segurança PROGRAMAS DE CONSERVAÇÃO E MANUTENÇÃO 22 3 INSTRUÇÃO DO PESSOAL 23 4 EXERCÍCIOS DE SEGURANÇA 24 PARTE 4: PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS Riscos Tecnológicos... 26

3 Página: 3/ Diretor de Emergência(DE) PLANO DE ATUAÇÃO PLANO DE EVACUAÇÃO Evacuação Parcial Evacuação do Edifício Evacuação Geral INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA 46 PARTE 5: ANEXOS 48 A. Glossário de termos B. Lista de abreviaturas C. Lista de revisões e alterações do Plano de Segurança D. Lista de distribuição E. Plantas do Plano de Segurança F. Registos de segurança G. Registo de ocorrências H. Procedimentos de exploração e utilização dos espaços I. Procedimentos das instalações técnicas J. Procedimentos dos equipamentos e sistemas de segurança K. Plano de Conservação e Manutenção L. Substâncias perigosas M. Entidades autorizadas a entrar nas instalações em emergência N. Meios humanos O. Instruções de segurança P. Organismos de apoio Q. Recursos materiais R. Planos de atuação em emergência

4 Página: 4/48 PROMULGAÇÃO DO PLANO DE SEGURANÇA A ECO-OIL Tratamento de Águas Contaminadas, S.A. elaborou o Plano de Segurança com o objetivo de assegurar a necessária prevenção das instalações a fim de prevenir a ocorrência de incidentes e assegurar uma resposta pronta e adequada às situações de emergência suscetíveis de ocorrer e que possam de alguma forma afetar as suas instalações, minimizando as consequências, de modo a limitar os danos pessoais, patrimoniais e ambientais. O presente documento está amplamente divulgado por todos os intervenientes e é periodicamente testado na vertente da gestão da emergência com vista a validar a sua adequabilidade. Todos os intervenientes possuem a formação e o treino adequados de forma a cumprir com as instruções de atuação em emergência preconizadas neste documento. O Responsável pela Segurança

5 Página: 5/48 PARTE 1: GESTÃO ADMINISTRATIVA DO PLANO DE SEGURANÇA

6 Página: 6/48 1 INTRODUÇÃO O presente Plano de Segurança tem por objetivo limitar os riscos de ocorrência e o desenvolvimento de incêndios e de outras situações que possam afetar significativamente as instalações, tendo sido elaborado de forma a dar cumprimento aos requisitos legais de segurança contra incêndios em edifícios em vigor. O presente documento integra as seguintes secções: 1) Gestão Administrativa do Plano de Segurança; 2) Registos de Segurança; 3) Plano de Prevenção; 4) Plano de Emergência Interno; 5) Anexos do Plano de Segurança. 1.1 ÂMBITO O âmbito do presente Plano de Segurança é a ECO-OIL Tratamento de Águas Contaminadas, S.A., localizada na Estrada da Mitrena, EN10-4, km 19, em Setúbal, no Distrito de Setúbal. 1.2 IDENTIFICAÇÃO DA UTILIZAÇÃO-TIPO E CATEGORIA DE RISCO Atendendo ao tipo de atividade associada a cada espaço, conclui-se que estes se inserem na utilização-tipo (UT) referida abaixo de acordo com os critérios de classificação dos edifícios e recintos constantes no Regime Jurídico da Segurança Contra Incêndios em Edifícios: XII Espaços destinados ao exercício de atividades industriais e ao armazenamento de materiais, substâncias, produtos e equipamentos, oficinas de reparação e todos os serviços auxiliares e complementares destas atividades. (1) (1) Incluem-se os respetivos espaços de apoio (áreas administrativas, laboratório, copa, vestiários e instalações sanitárias) com área bruta inferior a 20% da área bruta afeta à utilização-tipo XII. Na determinação da categoria de risco, foram ponderados os elementos referenciados no quadro 1, de acordo com os critérios constantes no quadro X, do Decreto-lei n.º 220/2008.

7 Página: 7/48 Da análise do quadro seguinte conclui-se que a instalação da ECO-OIL, S.A. que desenvolve atividade exclusiva de armazenagem ao ar livre, insere-se na 2ª categoria de risco. Quadro 1 - Demonstração da determinação da categoria de risco UT Características Quadro do Decreto-lei n.º 220/2008 Categoria de risco Área da UT=8342m 2 XII Instalações com atividade de armazenagem; Carga de incêndio modificada de q=77175 MJ/m 2 (*) 2ª A densidade de carga de incêndio modificada da totalidade da UT XII, de acordo com o Despacho n.º 2074/2009, de 15 de Janeiro, é indicadano quadro 2. Quadro 2 Carga de incêndio modificada Utilização-tipo (UT) Área da UT (m 2 ) q (MJ/m 2 )* Categoria de Risco XII ª * - Densidade de carga de incêndio modificada da totalidade da utilização-tipo. 1.3 GLOSSÁRIO DE TERMOS O glossário de termos técnicos utilizados no presente documento encontra-se no anexo A. 1.4 LISTA DE ABREVIATURAS A lista de abreviaturas utilizadas no presente documento consta do anexo B.

8 Página: 8/ REVISÃO E ALTERAÇÃODO PLANO DE SEGURANÇA O Plano de Segurança deve ser revisto sempre que ocorram alterações nas atividades e instalações que tenham potencial para gerar novos cenários de acidente e para os quais tenham de ser definidos ou alterados os meios de atuação e os modos de proceder existentes. As alterações a efetuar, assim como as revisões são da responsabilidade do Delegado de Segurança. As revisões e alterações do presente documento serão indicadas no quadro do anexo C. 1.6 LISTA DE DISTRIBUIÇÃO A lista de distribuição dos exemplares e anexos do Plano de Segurança encontra-se no anexo D.

9 Página: 9/48 2 SITUAÇÃO 2.1 CARACTERIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES A ECO-OIL é uma empresa com instalações na área sudeste do Terminal da Mitrena, no qual está sedeada a empresa Tanquisado Terminais Marítimos S.A.. A ECO-OIL tem por missão providenciar instalações de receção e tratamento de águas oleosas e águas de lavagem de tanques provenientes da atividade marítima, industrial e comercial. A ECO-OIL, detentora da licença ambiental n.º 8/2003, dispõe de instalações adequadas à receção de: Águas oleosas e águas de lavagem de tanques de petroleiros e outros navios; Águas oleosas e emulsões de óleo em água provenientes das atividades comercial e industrial de origem terrestre. Os resíduos recebidos são tratados de forma a recuperar, sempre que possível, a mistura de óleos minerais e assegurar um efluente cumprindo a legislação ambiental aplicável. Os navios atracam numa ponte cais com fundos de 7,5m, que consiste em três duques d Alba, sendo o central utilizado como plataforma de serviço. Essa plataforma está dotada com uma torre de acesso e uma grua de 55 m, com capacidade de elevação de 1,5 t.

10 Página: 10/48 As águas oleosas e de lavagem são descarregadas através de mangueiras de 6 (500 m 3 /h) ou de 8 (950 m 3 /h), com a pressão máxima de descarga limitada a 7 bar, para dois tanques de armazenagem (T1.1, T1.2) de 5000 m 3. As misturas de hidrocarbonetos (fuelóleo) recuperadas são transferidas para o tanque de expedição (T1.3) de 2500 m 3. Estes três tanques encontram-se dentro duma bacia de segurança de 1ª classe. A separação das fases oleosa e aquosa, por ação do campo gravítico, pode ser acelerada através de aquecimento num permutador de calor. A fase aquosa é tratada, sequencialmente, por filtração, floculação e flotação por ar dissolvido. A água pré-tratada é armazenada num tanque de arejamento intermédio, sendo encaminhada, de seguida, para o tratamento biológico em reatores de filme fixo. O tratamento de lamas processa-se em três tanques de decantação de 150 m 3 centrifugação a 3250 G. e por Compreende, também, um sistema de separação centrífuga de emulsões oleosas, coadjuvada com aquecimento e adição de floculante e desemulsionantes. Conforme exigência da licença ambiental, a qualidade do efluente é continuamente controlada por um analisador de carbono orgânico total e por um medidor de ph. A condução da instalação é assegurada a partir de um posto central, localizado na Sala de Controlo. No extremo sul do Terminal encontra-se a ponte-cais. É neste local que se efetuam as operações de carga e descarga de produtos dos navios, quer da ECO-OIL, quer da Tanquisado. A ponte-cais tem capacidade para receber dois navios em simultâneo e está equipada com uma grua que presta auxílio às manobras de ligação das mangueiras aos navios. Esta grua é comandada à distância, através de um sistema de controlo remoto. A ponte-cais possui dois manifold, a nascente e poente da sua extremidade, para ligação das mangueiras flexíveis, às tubagens dos circuitos, respetivamente, de saída e entrada de produto nos reservatórios de armazenagem. Na ponte-cais está instalada a central de bombagem do serviço de incêndios do Terminal. Na torre da grua estão instalados dois canhões de espuma, comandados por controlo

11 Página: 11/48 remoto, a partir da sala de controlo sul, existindo também uma torre com canhão instalado. Este sistema permite acompanhar as operações na ponte-cais e atuar rapidamente em caso de uma emergência. O acesso principal ao Terminal é rodoviário, através da Estrada da Mitrena-EN10-4, que circunda a zona ribeirinha desta península do sado. O Terminal está munido de um acesso fluvial através da ponte-cais. Não se preveem dificuldades no acesso ao local, estando apenas condicionado pelo tráfego em vias anexas. A mobilização dos intervenientes no PEI do Terminal está estimada em 5 minutos. Dada a localização dos Bombeiros de Setúbal, o tempo máximo de resposta desta corporação é de 10 minutos. Encontra-se na cartografia do anexo E a representação detalhada dos vários espaços INFRAESTRUTURAS As instalações dispõem de sistemas e equipamentos de proteção e intervenção que se revelam fundamentais em situação de emergência, encontrando-se no anexo Q, uma descrição dos recursos materiais existentes UTILIDADES O Terminal, através da empresa Tanquisado Terminais Marítimos, S.A., fornece as seguintes utilidades, para assegurar os seus serviços: Água potável, alimentada pela rede geral da empresa Águas do Sado. Serve as instalações sanitárias, os balneários e outros serviços; Água da rede incêndios, obtida a partir da captação direta do furo de captação e de um reservatório do serviço de incêndios de 1000 m 3 ; Energia Elétrica recebida da rede pública, a partir de três subestações. Estas subestações possuem os seguintes equipamentos e respetivas características: o Subestação Elétrica 1: Transformador 1 - Potência: 1600 kva; Tensão: V / 6000 V Transformador 3 - Potência: 500 kva; Tensão: 6000 V / 380 V Quadros Elétricos

12 Página: 12/48 o Subestação Elétrica 2: Transformador - Potência: 1000 kva; Tensão: 6000 V / 380 V Quadros Elétricos o Subestação Elétrica 3: Transformador - Potência: 1000 kva; Tensão: 6000 V / 380 V Quadros Elétricos Central de ar comprimido, que inclui um compressor de ar com motorização elétrica; Dois geradores de energia elétrica: o Um gerador de emergência, que fornece energia aos equipamentos do serviço de incêndios, incluindo a consola de controlo remoto dos canhões de espuma da central de controlo sul e as válvulas motorizadas dos reservatórios das bacias de retenção. O gerador de emergência consiste num motor diesel que aciona um gerador com uma potência de 150 kva. Junto encontra-se um tanque de 400 litros de gasóleo; o O segundo gerador de energia tem como objetivo manter o funcionamento mínimo das atividades do parque, no caso de falha do fornecimento da rede elétrica pública. Este gerador tem uma potência de 185 kva. Central de fluido térmico: é constituída por duas caldeiras de aquecimento de fluido térmico, para fornecer os circuitos de aquecimento dos reservatórios de fuel óleo. As características das caldeiras são: o Combustível: gasóleo de aquecimento; o Potência: kcal/h; o Temperatura máxima de saída: 250 C REDE DE COMUNICAÇÕES Em situação de emergência, as comunicações são feitas por: Via telefone A instalação dispõe de telefone com acesso à rede externa, permitindo comunicações com o exterior em caso de emergência; Via rádio O Terminal está equipado com rádios portáteis, para comunicações durante as operações de trasfega de resíduos por descarga de navio, enchimento e/ou descarga de veículos cisterna ou outras.

13 Página: 13/ DATA DE ENTRADA EM FUNCIONAMENTO A ECO-OIL, S.A.iniciou a atividade em ATIVIDADE E OCUPAÇÃO DOS ESPAÇOS A atividade desenvolvida nas instalações é de recolha e tratamento de resíduos oleosos. O horário de funcionamento é das 08h00 às 17h00, todos os dias úteis (TDU). 2.3 LOCAIS DE RISCO Os locais das instalações com exceção das vias de evacuação (horizontais e verticais) são classificados de acordo com a natureza do risco numa das categorias seguintes: A ou C. Os critérios de classificação encontram-se resumidos no quadro 3. Quadro 3 - Critérios para a classificação dos locais de risco das instalações A C Locais de risco Local que não apresenta riscos especiais, no qual se verifiquem simultaneamente as seguintes condições: i) O efetivo não exceda 100 pessoas; ii) O efetivo de público não exceda 50 pessoas; iii) Mais de 90 % dos ocupantes não se encontrem limitados na mobilidade ou nas capacidades de perceção e reação a um alarme; iv) As atividades nele exercidas ou os produtos, materiais e equipamentos que contém não envolvam riscos agravados de incêndio. Local que apresenta riscos agravados de eclosão e de desenvolvimento de incêndio devido, quer às atividades nele desenvolvidas, quer às características dos produtos, materiais ou equipamentos nele existentes, designadamente à carga de incêndio. Exemplos Sala de Reuniões; Escritórios Salas de Quadros; Sala da Caldeira Os locais de risco encontram-se representados na cartografia do anexo E.

14 Página: 14/ RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA, DELEGADO DE SEGURANÇA E EQUIPA DE SEGURANÇA A responsabilidade de garantia das condições de segurança dos edifícios, no decurso da sua exploração, pertence ao seu órgão de gestão/administração, denominado por Responsável pelasegurança (RS), que pode delegar competências e autoridade no(s) Delegado(s) de Segurança (DS) por si designado(s), que age(m) em sua representação. De forma a constituir uma capacidade credível para implementar as medidas de autoproteção encontra-se constituída, uma Equipa de Segurança de, no mínimo, 3elementos, de acordo com o quadro XL, da Portaria n.º1532/2008, com a seguinte composição: 1 Delegado de Segurança; 2 Elementos da Equipa de Segurança. Os elementos anteriormente referidosencontram-senomeados no anexo N. 2.5 POSTO DE SEGURANÇA O Posto de Segurança, destinado a centralizar toda a informação e coordenação dos meios logísticos em caso de emergência, localiza-se na sala de reuniões (sala de crise) do edifício administrativo. No Posto de Segurança encontram-se: Chaveiro de segurança que permitirá aceder a todos os espaços do estabelecimento; Plano de Segurança; Rádio portátil; Linha telefónica ligada à rede interna e externa; Log-book.

15 Página: 15/48 3 PLANTAS DE SEGURANÇA As plantas de segurança foram elaboradas à escala adequada e possuem os seguintes elementos (ver anexo E): Classificação de risco e efetivo calculado para cada local (em conformidade como o definido no Quadro XXVII Número de ocupantes por unidade de área em função do uso dos espaços), de acordo com o disposto no Regulamento Técnico de Segurança contra Incêndio em Edifícios (RTSCIE); Localização de todos os dispositivos e equipamentos ligados à segurança contra incêndio; Vias horizontais e verticais de evacuação, incluindo os eventuais percursos em comunicações comuns; Localização do Ponto de Encontro; Localização dos cortes de energia e fluidos.

16 Página: 16/48 PARTE 2: REGISTOS DE SEGURANÇA

17 Página: 17/48 1 ORGANIZAÇÃO DOS REGISTOS DE SEGURANÇA Os registos relacionados com a segurança contra incêndio compreendemos seguintes elementos: Os relatórios de vistoria e de inspeção ou fiscalização de condições de segurança realizadas por entidades externas, nomeadamente pelas autoridades competentes; Informação sobre as anomalias observadas nas operações de verificação, conservação ou manutenção das instalações técnicas, dos sistemas e dos equipamentos de segurança, incluindo a sua descrição, impacte, datas da sua deteção e duração da respetiva reparação; A descrição sumária das modificações, alterações e trabalhos perigosos efetuados, com indicação das datas de início e finalização; Os relatórios de ocorrências, direta ou indiretamente relacionados com a segurança contra incêndio, tais como alarmes intempestivos ou falsos, princípios de incêndio ou atuação de equipas de emergência; Relatórios de intervenção dos bombeiros, em incêndios ou outras emergências; Relatórios sucintos das ações de instrução e de formação, bem como dos exercícios de treino e simulacro, com menção dos aspetos mais relevantes; A relação de todas as ações de manutenção efetuadas em instalações técnicas, dos sistemas e dos equipamentos de segurança, com indicação do elemento intervencionado, tipo e motivo de ação efetuada, data e responsável. Os registos de segurança são devidamente organizados, encontrando-se no anexo F a referência à sua localização e acessibilidadee são arquivados durante um período de 10 anos, de acordo com o artigo 201º da Portaria n.º 1532/2008. O anexo G inclui os modelos destinados ao registo de ocorrências relevantes e às informações associadas, nomeadamente: Registo de ocorrências (ex.: incidente, inspeção, anomalias, avarias etc.) Ficha de receção de ameaça de bomba. O registo dos simulacros/exercícios de segurança implica a elaboração de um relatório, que embora não tenha um modelo associado, deverá incluir os principais itens: Identificação do edifício/instalação; Objetivos a atingir com a realização da simulação; Descrição da simulação (local, tipo e caracterização da situação de emergência, estado de evacuação (local, parcial, total), as equipas e meios envolvidos e etc.);

18 Página: 18/48 Fita de tempo; Aspetos para intervenção imediata; Avaliação do desempenho da estrutura de emergência interveniente; Aspetos positivos; Oportunidades de melhoria; Conclusões; Anexos (fotos, guião do exercício e etc.). O estabelecimento está sujeito a inspeções de dois em dois anos, a realizar pela ANPC ou por entidades credenciadas, no âmbito do artigo 19º do Decreto-lei n.º 220/2008, estando os registos indicados no anexo F, disponíveis para verificação.

19 Página: 19/48 PARTE 3: PLANO DE PREVENÇÃO

20 Página: 20/48 1 PROCEDIMENTOS DE EXPLORAÇÃO, UTILIZAÇÃO E OPERAÇÃO 1.1 PROCEDIMENTOS DE EXPLORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DOS ESPAÇOS Foram desenvolvidos e implementados os procedimentos de exploração e utilização dos espaços na forma de Procedimentos de Prevenção (PP). Os Procedimentos de Prevenção aplicáveis são os que se indicam no quadro 4 e encontram-se no anexo H. Quadro 4 - Procedimentos de Prevenção aplicáveis Referência PP 1 PP 2 PP 3 PP 4 PP 5 PP 6 PP 7 PP 8 PP 9 PP 10 Denominação Acessibilidade dos meios de socorro ao edifício. Acessibilidade dos meios de socorro aos meios de abastecimento de água, designadamente hidrantes exteriores. Praticabilidade dos caminhos de evacuação. Acessibilidade aos meios de alarme e de intervenção em caso de emergência. Eficácia da estabilidade ao fogo e dos meios de compartimentação, isolamento e proteção. Vigilância dos espaços, em especial os de maior risco de incêndio e os que estão normalmente desocupados. Conservação dos espaços em condições de limpeza e arrumação adequadas. Segurança na manipulação e no armazenamento de matérias e substâncias perigosas. Segurança em todos os trabalhos de manutenção, recuperação, beneficiação, alteração ou remodelação de sistemas ou das instalações, que impliquem um risco agravado de incêndio, introduzam limitações em sistemas de segurança instalados ou que possam afetar a evacuação dos ocupantes. Gestão das alterações.

21 Página: 21/ PROCEDIMENTOS DE EXPLORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES TÉCNICAS Para as instalações técnicas, referidas no título V do RTSCIE, foram elaboradas Instruções Operacionais as quais se encontram disponíveis na respetiva instalação técnica. As Instruções Operacionais aplicáveissão as que se referem no quadro 5 e encontram-se no anexo I. Quadro 5 - Instrução Operacionalda instalação técnica aplicável Referência Denominação IO.IT.01 Instalações de Aquecimento IO.IT.02 Evacuação de Efluentes de Combustão IO.IT.03 Instalações de Armazenamento de Líquidos Combustíveis 1.3 PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS DE SEGURANÇA Para os equipamentos e sistemas de segurança, relacionados com a segurança contra incêndio, referidos no título VI do RTSCIE, foram elaboradas Instruções Operacionais as quais se encontram disponíveis junto de cada um dos dispositivos ou equipamentos a que dizem respeito ou quando não for praticável, em local de fácil consulta. As Instruções Operacionais aplicáveis são as que se referem no quadro 6e encontram-se no anexo J. Quadro 6 - Instruções Operacionais dos equipamentos e sistemas de segurança aplicáveis Referência Denominação IO.ESS.01 Sinalização (sinais de segurança) IO.ESS.02 Iluminação de emergência IO.ESS.03 Meios de intervenção

22 Página: 22/48 2 PROGRAMAS DE CONSERVAÇÃO E MANUTENÇÃO A manutenção de equipamentos e sistemas instalados é efetuada por recurso a empresas especializadas, que se encontram registadas na ANPC de acordo com a Portaria n.º773/2009, com base em contratos de prestação de serviços, ou através dos técnicos de manutenção próprios, procedendo-se ao registo de todas as intervenções efetuadas, quer sob o ponto de vista da manutenção preventiva quer sob o ponto de vista da manutenção corretiva. A manutenção é controlada através de planosespecíficos que contêm as ações de manutenção, incluindo inspeções e testes, a efetuar de forma planeada a todos os equipamentos e sistemas relevantes sob o ponto de vista da segurança, sendo mantidos em arquivo digital. Neste sentido foram desenvolvidos programas de conservação, manutenção e inspeção para os dispositivos e equipamentos de segurança e cuja gestão é efetuada em suporte informático, apresentando-se em anexo K a periodicidade de realização e respetivas ações de teste e verificação. Os registos resultantes são analisados e estão disponíveis em suporte eletrónico e/ou papel, sendo as situações relevantes relacionadas com as instalações técnicas e equipamentos de segurança, no âmbito do presente Plano, comunicadas de acordo com a hierarquia localmente definida e quando pertinente ao Delegado de Segurança.

23 Página: 23/48 3 INSTRUÇÃO DO PESSOAL O pessoal que trabalha no edifício está familiarizado com o mesmo e esclarecido sobre as suas regras de exploração, nomeadamente: Os funcionários e colaboradores afetos à instalação; Todos as pessoas que exerçam atividades profissionais por períodos superiores a 30 dias por ano nos espaços afetos à instalação. Para este efeito são realizadas sessões informativas e de prática do pessoal abrangendo: Familiarização com os espaços e identificação dos respetivos riscos de incêndio; Regras de comportamento estipuladas no plano de prevenção; Procedimentos de alarme; Procedimentos gerais de atuação em caso de emergência, nomeadamente dos de evacuação; Instrução de técnicas básicas de manipulação dos meios de primeira intervenção, nomeadamente os extintores portáteis. São ainda realizadas sessões de formação e treino do pessoal interveniente na emergência, nomeadamente: Formação específica destinada aos elementos que, na sua atividade profissional normal, lidam com situações de maior risco de incêndio, nomeadamente, em locais de risco C; Formação específica para os elementos que possuem atribuições especiais de atuação em caso de emergência, nomeadamente para: i) A emissão do alerta; ii) A evacuação; iii) A utilização dos comandos de meios de atuação em caso de incêndio; iv) A receção e o encaminhamento dos socorros externos; v) A direção das operações de emergência; vi) Instruções especiais de segurança, que definem a atuação em emergência. Para além destas ações, são ainda efetuadas ações de formação e de treino, as quais incidem sobre os seguintes aspetos: Utilização dos meios de intervenção; Condução e coordenação da evacuação; Primeiros Socorros. Os registos da formação e treino integram a folha Registos de Segurança concebida para o efeito (ver modelo em Anexo F), gerida pelo Delegado de Segurança.

24 Página: 24/48 4 EXERCÍCIOS DE SEGURANÇA O Plano de Emergência Interno é testado com recurso a simulacros, realizados anualmente, servindo estes para treino dos intervenientes e dos ocupantes, com vista à criação de rotinas de comportamento e de atuação e ainda ao aperfeiçoamento do referido Plano, conforme o artigo 207º, da Portaria n.º 1532/2008, de 29 de dezembro. O relatório decorrente dos simulacros é elaborado de acordo com o definido na organização dos registos de segurança (parte 2). Os registos decorrentes destas ações são organizados de acordo com o descrito no anexo F.

25 Página: 25/48 PARTE 4: PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO

26 Página: 26/48 1. IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS 1.1. RISCOS TECNOLÓGICOS Fontes de Risco Internas Nas instalações existem locais cujas atividades estão associadas a um agravamento dos riscos, na perspetiva do incêndio, dos quais se destacam os seguintes: Salas de quadros; Sala da caldeira; Contentor biológico; Sala de ventiladores. A substância perigosa presente nas instalações de forma permanente é o fuelóleo. A Ficha de Dados de Segurança (FDS) deste produto está disponível no anexo L Fontes de Risco Externas Os elementos mais importantes na envolvente industrial são aqueles que se encontram junto do Parque da Mitrena: Complexo Industrial da Portucel em Setúbal Constituído pelas fábricas de produçãodepastaepapel.estecomplexolocaliza-sea cercade1400metrosanorte; CITRI(CentroIndustrialdeTratamentodeResíduosIndustriais)-Aterrode resíduos industriais banais (RIB s), sediado no parque industrial da SAPEC, a cerca de 1800manoroestedoParque; Alstom AntigaSorefame.Indústriadeconstruçãometalomecânica,situadajuntoao estuáriodo Sado,com cais próprioutilizadopara receçãoe enviode materiais, localizadaa1600metrosanoroeste; Lisnave EstaleirosNavais,acerca de1200metrosaeste.esteestaleiroéconstituído porumconjunto dedocasinstaladas namargemdoriosadoepordocassecas.nestas instalaçõesefetuam-setrabalhosdelimpeza,manutençãoe reparaçãodenavios, incluindotrabalhosmetalomecânicos; Eurominas Exploração e transformação de minérios, a cerca de 2 km a este; SAPEC Fábricadeaduboseraçõesparaanimais,acercade3kmanoroeste.Em frentedestafábrica,juntodorio,encontra-seumcaispertencenteaestaunidadefabril. OParqueIndustrialdaSAPECpossuiaindaumaeródromo,exploradoporumaempresa deultraleves; Central Termo elétrica de Setúbal(EDP),acercade4,5kmanoroeste (atualmente desativada).

27 Página: 27/48 Outras instalações potencialmente relevantes são: Linha do Sado Linha dos caminhos-de-ferroa cercade5 km a norte; Merloni Fábrica de eletrodomésticos a cerca de 5km a noroeste; Instalações Navais de Tróia, na península de Tróia, virado para o rio Sado, a 6 km a oeste do Parque da Mitrena; Cais do Porto de Setúbal, a cerca de 10 km a nor oeste RISCOS DA NATUREZA Risco de Inundação A queda de chuva intensa e repentina pode dar origem a inundações, impedindo a acessibilidade aos espaços e equipamentos Riscos Sísmicos A figura A, representa a carta de intensidades sísmicas máximas observadas em Portugal Continental entre 1901 e 1972, podendo verificar-se que Famões é caracterizado por

28 Página: 28/48 sismos com uma intensidade máxima previsível de grau IX - Desastroso, de acordo com a Escala de Mercalli modificada, o que se traduz nas seguintes ocorrências: Edifícios bem construídos sofrem danos consideráveis; Deslocamento de casas simplesmente apoiadas nas fundações; Rotura de algumas canalizações subterrâneas; Abertura de fendas relevantes no solo. Em complemento, tendo em conta o Regulamento de Segurança e Ações para Estruturas de Edifícios e Pontes (RSAEEP), a instalação em análise, encontra-se inserida na zona sísmica A, que, no território de Portugal Continental corresponde à zona de risco sísmico mais elevada RISCOS SOCIAIS Ameaça de bomba/pacote suspeito A concretização de uma ameaça de bomba e de ações de sabotagem constituirão sempre uma situação grave, dado que podem causar danos pessoais e materiais significativos. A ameaça de bomba apesar de normalmente corresponder a uma falsa indicação, origina sempre o desencadear de uma emergência para a qual a organização deve estar preparada para responder de forma organizada Manifestações/distúrbios sociais A ocorrência deste tipo de situações poderá criar constrangimentos na atividade, nomeadamente, ao nível da circulação de pessoas. Ao mesmo tempo, a concentração de grande número de pessoas, impõe necessariamente maior vigilância às instalações e particular cuidado nos procedimentos de evacuação em situação de emergência Intrusão e roubo Associado às ações anteriormente descritas aponta-se como fator relevante, a intrusão no perímetro da instalação Urgência Médica Este tipo de emergência, derivada de acidentes pessoais, pode ser consequência de algum dos acontecimentos anteriores ou constituir uma ocorrência isolada.

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores Cenário 1 Alarme de reconhecimento Responsável Bloco faz o reconhecimento Atuação Equipa 1ª Intervenção Alarme Parcial Bloco A Atuação Equipa Evacuação Bloco A Situação Controlada? Sinistro? Sim Não Reposição

Leia mais

Regime Jurídico de SCIE (Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de novembro) Regulamento Técnico de SCIE (Portaria n.º 1532/2008, de 29 de dezembro)

Regime Jurídico de SCIE (Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de novembro) Regulamento Técnico de SCIE (Portaria n.º 1532/2008, de 29 de dezembro) OBJETIVO Especificar as características e os requisitos para a elaboração de considerando estes como a associação dos Registos de Segurança, do Plano de Prevenção (ou Procedimentos de Prevenção) e do Plano

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Manuela Mil-Homens Comando Distrital de Operações de Socorro

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança.

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança. OBJETIVO De acordo com o Artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 220/2008 (Regime Jurídico de SCIE), descrever e detalhar como devem ser instruídos e apresentados os Projetos de SCIE (com o conteúdo descrito no

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 1 9 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 (S00537-201301) Nos termos do Artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

Plano de Emergência Externo de Ílhavo

Plano de Emergência Externo de Ílhavo Plano de Emergência Externo de Ílhavo 2012 Conteúdo Parte I Enquadramento Geral do Plano... 12 1. Introdução... 12 2. Âmbito de aplicação... 14 3. Objetivos gerais... 15 4. Enquadramento legal... 16 5.

Leia mais

MODELO DE PLANO DE EMERGÊNCIA DO AERÓDROMO

MODELO DE PLANO DE EMERGÊNCIA DO AERÓDROMO MODELO DE PLANO DE EMERGÊNCIA DO AERÓDROMO (Artigo 3.º do Anexo III ao Regulamento n.º 36/2013 do INAC, I.P., publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 14, de 21 de janeiro de 2013) CLASSES I E

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO

ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO Praça Nove de Abril, 170. 4200 422 Porto Tel. +351 22 508 94 01/02 www.jct.pt SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO JCT - Consultores de Engenharia, Lda tem como

Leia mais

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro O artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 410/98, de 23 de Dezembro, que aprovou o Regulamento de Segurança contra Incêndio em Edifícios de Tipo Administrativo, determina

Leia mais

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL Usina Termelétrica Gov. LEONEL BRIZOLA/TERMORIO Informe de recursos internos LIMITES DA ÁREA INDUSTRIAL COMPOSIÇÃO DA UTE GLB Planta Outras instalações Rota de fuga ATIVAÇÃO DO PEL Qualquer empregado ou

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna 27.02.2015 Apresentação do Hospital de Cascais Plano de Catástrofe Externa Plano de Emergência Interna Hospital de Cascais - Caracterização

Leia mais

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu A ESCOLA é um bem público. Plano de Segurança Ela é o centro de convergência

Leia mais

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVIII Plano de Emergência um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 Nos termos e para efeitos do disposto no n.º 2 do artigo 110.º do Decreto Legislativo Regional n.º 30/2010/A, de 15 de novembro, que estabelece

Leia mais

MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Paulo Pinto Obrigações legais e metodologias para a sua implementação Conteúdo 2 Medidas de Autoprotecção O que são? Enquadramento legal Responsabilidades Coimas e sanções acessórias

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio INTRODUÇÃO Ambos a experiência e o bom senso nos dizem que as ações tomadas durante uma emergência são mais eficazes

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ORGANIZAÇÃO DO ESTALEIRO 2 DESCRIÇÃO Face à legislação em vigor, estaleiros temporários ou móveis são os locais onde se efectuam trabalhos de

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Zona Franca Industrial Plano de Emergência Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Plano de Emergência da Zona Franca Industrial Nota de Divulgação

Leia mais

Prevenção de incêndios

Prevenção de incêndios Prevenção de incêndios 1 Prevenção de incêndios Entre 2008 e 2013, os falsos alarmes de incêndio nos centros comerciais da Sonae Sierra dispararam entre 5.000 a 7.000 vezes por ano. Mesmo não pondo em

Leia mais

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ Autores: Aguinaldo Lima de Moraes Jr. José Natalino Bezerra Luiz Tomohide Sinzato CESP - Companhia Energética

Leia mais

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24:203.002-004 da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer

Leia mais

Curso de Especialização Pós-Graduada em Sistemas de Segurança, Gestão Técnica e Domótica

Curso de Especialização Pós-Graduada em Sistemas de Segurança, Gestão Técnica e Domótica 1. Designação do Curso: Curso de Especialização Pós-Graduada em Sistemas de Segurança, Gestão Técnica e Domótica 2. Denominação do Diploma ou Certificado Diploma de Pós-Graduação em Sistemas de Segurança,

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS Página 1/5 INSTALAÇÃO ELETRICA CONTADOR ENERGIA / ACE Verificação da não violação do selo do contador Verificação da existência de limitador de potência do distribuidor / Fatura QUADRO ELECTRICO Verificação

Leia mais

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC) Global Health Security Agenda (GHSA) Enquadramento A Plataforma de Resposta

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E RESÍDUOS 2 DESCRIÇÃO O trabalho preventivo no armazenamento de produtos perigosos, visa não só a protecção

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte de papel ou em suporte digital, conforme a legislação

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE,

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA OLIVEIRA JÚNIOR

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA OLIVEIRA JÚNIOR ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA OLIVEIRA JÚNIOR PLANO DE SEGURANÇA INTERNO GATENGEL Projectos de Engenharia, Lda. ÍNDICE Promulgação do Plano de Segurança 1. Introdução 8 2. Caracterização do estabelecimento

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DE POMARES

CENTRO ESCOLAR DE POMARES CENTRO ESCOLAR DE POMARES Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação de emergência

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República

Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República Despacho n.º 1/93, de 19 de março publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 22 de 22 de

Leia mais

2 Organização da resposta

2 Organização da resposta 2 Organização da resposta 2.1 Conceito de actuação No exercício de funções de responsável municipal da política de protecção civil, o Presidente da Câmara Municipal, para cumprimento da sua missão, deverá

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 SEGURANÇA FÍSICA Introdução Recomendações para o controle do acesso físico Política de segurança

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7 Directivas Técnicas 01-02/2007 Prevenção de incêndios em hospitais Ficha técnica Número 01-02/2007 Data de publicação MAI 2007 Data última revisão MAI 2008 Revisão obrigatória MAI 2009 Autoria e edição

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA OBJETIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE, apresentando soluções disponíveis de possível aplicação.

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 RESUMO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos

Leia mais

NECESSIDADE DE UM PLANO DE CONTINGÊNCIA DE TIC

NECESSIDADE DE UM PLANO DE CONTINGÊNCIA DE TIC CI-206 Adm. de TI & IT Prof. Antonio URBAN Referência: Plano de Contingência para Recursos de Tecnologia de Informação e Comunicação Palavras-chave: Tecnologia de Informação, Tecnologia de Comunicação,

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES PROFESSORES Competências dos professores Quando os professores se encontram numa sala de aula com um grupo de alunos, devem: 1. Ao ouvir o sinal de alarme, avisar os alunos para não tocarem nos interruptores

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP DPS 38.008-13 EDP Natureza do documento Versão Data Emissor Procedimento de Segurança (DPS) R4 14-12-2012

Leia mais

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal MAIO 2011 4. Informação complementar 4.1 Secção I 4.1.1 Mecanismos da estrutura de Protecção Civil Estrutura de Operações

Leia mais

ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL

ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL A: Tel:( ) Em caso de emergência somente: ( ) Fax: ( )...ou (...)... Correio eletrônico: Internet: http://www. De: Nome:

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE 1. OBJETIVO: Este Termo de Referência têm como objetivo estabelecer diretrizes para elaboração do Plano de Emergência para Transporte de Produtos Perigosos. O plano deverá garantir de imediato, no ato

Leia mais

Plano de Contingência para Serviços e Empresas

Plano de Contingência para Serviços e Empresas Plano de Contingência para Este documento contém: Lista de Verificação de Medidas e Procedimentos para O Plano de Contingência consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente,

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO Cria e regulamenta a Brigada de Incêndio e Emergência do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE

Leia mais

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação

Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Questionário para Subscrição de Seguro de Responsabilidade Ambiental e por Contaminação Este questionário deve ser preenchido pelo Segurado ou por um representante autorizado, devendo dar-se resposta completa

Leia mais

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO. Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro (RJ-SCIE).

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO. Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro (RJ-SCIE). Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro (RJ-SCIE). Regulamento Técnico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios - Portaria n.º 1532/2008,

Leia mais

Sinalização de Segurança e Saúde

Sinalização de Segurança e Saúde 1) Introdução No mundo do trabalho, a sinalização desempenha um papel importante como forma de informar os trabalhadores dos vários riscos inerentes às suas atividades, conduzindoos a atitudes preventivas

Leia mais

Megaexpansão - Silves

Megaexpansão - Silves 2010 Megaexpansão - Silves DÁRIO AFONSO FERNANDA PIÇARRA [ 21 09 2010 ] ÍNDICE Objectivos (pág. 3) Caracterização do Estabelecimento (pág. 3 a 6) Organização de Emergência (pág. 6 a 8) Plano de Intervenção

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br PERFIL DOS ACIDENTES ATENDIDOS PELA FEPAM Emergências Ambientais no RS - Geral TIPO

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Atuação em Situações de Crise

Atuação em Situações de Crise 1 Atuação em Situações de Crise Enf. José Magalhães INEM Delegação Regional do Porto Porto, 11 de Abril de 2014 2 INEM O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) é o organismo do Ministério da Saúde

Leia mais

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

MANUTENÇÃO AOS SISTEMAS DOS TÚNEIS RODOVIÁRIOS DA A23 CONCESSÃO DA BEIRA INTERIOR

MANUTENÇÃO AOS SISTEMAS DOS TÚNEIS RODOVIÁRIOS DA A23 CONCESSÃO DA BEIRA INTERIOR MANUTENÇÃO AOS SISTEMAS DOS TÚNEIS RODOVIÁRIOS DA A23 CONCESSÃO DA BEIRA INTERIOR Paulo Pereira 1, Nelson Baltazar 2 e Bruno Romão 3 1 Scutvias Autoestradas da Beira Interior SA, Direção de Sistemas e

Leia mais

TERMINAIS FERROVIÁRIOS DE MERCADORIAS DE LEIXÕES E DA BOBADELA REGULAMENTO DE ACESSO E TARIFA DE UNIDADES DE TRANSPORTE INTERMODAL (UTI)

TERMINAIS FERROVIÁRIOS DE MERCADORIAS DE LEIXÕES E DA BOBADELA REGULAMENTO DE ACESSO E TARIFA DE UNIDADES DE TRANSPORTE INTERMODAL (UTI) TERMINAIS FERROVIÁRIOS DE MERCADORIAS DE LEIXÕES E DA BOBADELA REGULAMENTO DE ACESSO E TARIFA DE UNIDADES DE TRANSPORTE INTERMODAL (UTI) Artigo 1.º Objeto Pelo presente estabelece-se as condições que regem

Leia mais

TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA SINTESE DAS ATIVIDADES TOTAL DE VAGAS REQUISITO

TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA SINTESE DAS ATIVIDADES TOTAL DE VAGAS REQUISITO TABELA DE CARGOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO CARGO Assistente Operacional Assistente Administrativo PRÉ- REQUISITO completo completo TOTAL DE VAGAS VENCIMENTO BASE CARGA HORÁRIA 01 R$ 1.813,45 40 horas 02 R$

Leia mais

Arranjo Unidades Físico Típicas de Indústria. Unidades de Produção e Instalações Auxiliares

Arranjo Unidades Físico Típicas de Indústria. Unidades de Produção e Instalações Auxiliares O cina de Manutenção A localização deve obedecer os seguintes princípios: - Proximidade das unidades de maior concentração de equipamentos e das instalações sujeitas a manutenção mais freqüente; - Proximidade

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA A IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS

LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA A IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS SUBSTÂNCIAS PERIGOSAS: Inflamáveis A substância está catalogada como facilmente inflamável. Ponto de inflamação: 10ºC. Tóxicas O metanol está considerado como tóxico por ingestão e inalação Perigosa para

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente. Histórico de Alterações

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente. Histórico de Alterações Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR-4.3.2 e várias PGR s. 2-No

Leia mais

SEGURANÇA & SAÚDE NO LOCAL DE TRABALHO. Conheça os seus direitos! UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES. Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho

SEGURANÇA & SAÚDE NO LOCAL DE TRABALHO. Conheça os seus direitos! UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES. Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES Direito à prestação de trabalho em condições de Segurança e Saúde O direito de todos os/as trabalhadores/as à prestação do trabalho em condições de Segurança e Saúde encontra-se

Leia mais

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A.

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2010 ÍNDICE

Leia mais

DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS

DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS Geodetect, Lda. DETEÇÃO DE INFRAESTRUTURAS ENTERRADAS INSPEÇÃO TERMOGRÁFICA POR INFRAVERMELHOS Travessa do Governo Civil, Nº4 2ºDrt. Sala 5 3810-118 Aveiro PORTUGAL (+351) 967 085 701 (+351) 963 829 703

Leia mais

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA NICOBELO&ART FINAL Nicobelo@hotmail.com BRIGADAS DE EMERGÊNCIA GRUPO INCÊNDIO DE SOROCABA 1 OBJETIVO É estabelecer Programa de Prevenção e levar a cabo medidas que se implementem para evitar ou mitigar

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207)

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) 1 5 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) Nos termos do Artigo 32º do Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro, com a redação conferida

Leia mais

Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos

Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos IMPLEMENTAÇÂO DO DECRETO LEI 173/2005 Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos Algumas orientações para a construção e beneficiação das instalações bem como para o armazenamento de produtos fitofarmacêuticos

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO GERAL DA SEGURANÇA ESPACIAL

REGULAMENTO TÉCNICO GERAL DA SEGURANÇA ESPACIAL REGULAMENTO TÉCNICO GERAL DA SEGURANÇA ESPACIAL SUMÁRIO RESUMO...4 1 INTRODUÇÃO...5 1.1 ESCOPO DO DOCUMENTO...5 1.2 APLICABILIDADE DO DOCUMENTO...5 1.3 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA...6 1.4 TERMINOLOGIA -

Leia mais

Escola Secundária Martins Sarmento GUIMARÃES. Medidas de Auto Proteção Plano de Segurança Interno UT IV - 3ª CATª DE RISCO

Escola Secundária Martins Sarmento GUIMARÃES. Medidas de Auto Proteção Plano de Segurança Interno UT IV - 3ª CATª DE RISCO GUIMARÃES Medidas de Auto Proteção Plano de Segurança Interno UT IV - 3ª CATª DE RISCO Nota: Este estabelecimento tem um parecer do projeto de segurança contra riscos de incêndio favorável datado de of.20948-cdos03-23/11/2010

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Revisão 0

Leia mais

Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C

Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C Designação do estabelecimento: MegaExpansão LDA. Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C 8300-135 Silves Telefone: 282441111 Localização geográfica Sul Estrada Nacional 124 Norte Este

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

RISCO DE INCÊNDIO. Risco mais frequente

RISCO DE INCÊNDIO. Risco mais frequente RISCO DE INCÊNDIO (RJ-SCIE / RT-SCIE) Risco mais frequente Fonte: André Kosters / Lusa 29 Abril 2008 (2 mortos) Incêndio no Centro de Recolhimento da Segurança Social no Convento da Encarnação, em Lisboa.

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Considerações gerais...2 1.1 - Introdução...2 2 - Actuação em caso de emergência...2 2.1 - Esquema geral de actuação...2 2.2 - Procedimento gerais de actuação...3 2.2.1 - Em caso de incêndio

Leia mais

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO TÍTULO DA APRESENTAÇÃO DEVERES GERAIS DO EMPREGADOR DEVERES GERAIS DO TÍTULO EMPREGADOR DA APRESENTAÇÃO Admissão de trabalhadores

Leia mais

Apresentação Wintek.Center... 4. Programa das Ações de Formação... 3. Básico de Refrigeração e Climatização... 6

Apresentação Wintek.Center... 4. Programa das Ações de Formação... 3. Básico de Refrigeração e Climatização... 6 ÍNDICE Apresentação Wintek.Center... 4 Programa das Ações de Formação... 3 Básico de Refrigeração e Climatização... 6 Automação, Controlo e Instrumentação... 7 Electricidade de Sistemas de Refrigeração

Leia mais

NOVO REGIME DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS COM CARÁCTER NÃO SEDENTÁRIO

NOVO REGIME DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS COM CARÁCTER NÃO SEDENTÁRIO NOVO REGIME DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS COM CARÁCTER NÃO SEDENTÁRIO CONCEITO: «Prestação de serviços de restauração ou de bebidas com carácter não sedentário», a prestação, mediante

Leia mais

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos.

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos. egurança Segurança Segurança A segurança deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais, encarregados de educação e representantes

Leia mais

SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO

SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO Prezados Srs. Transportadores O Sistema de Registro Eletrônico faz parte de um composto ( Averbação Eletrônica + Registro Eletrônico ), que propicia a Transportadora um rápido

Leia mais

Questionário Preliminar de Risco

Questionário Preliminar de Risco Questionário Preliminar de Risco MULTIRISCOS PME Identificação interna Sucursal Comercial Técnico Agente / Corretor Data da visita Referência Proponente Nome Morada Ocupação do risco Código Postal DESCRIÇÃO

Leia mais

Portaria n.º 1444/2002 de 7 de Novembro Aprova as normas de segurança contra incêndio a observar na exploração de estabelecimentos escolares

Portaria n.º 1444/2002 de 7 de Novembro Aprova as normas de segurança contra incêndio a observar na exploração de estabelecimentos escolares A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo da Portaria n.º 1444/2002, de 7 de Novembro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Portaria n.º 1444/2002 de 7 de Novembro

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA

GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA Infomail GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA Índice Prestação do serviço de abastecimento de água Está sujeita a regras especiais? É obrigatória? O que é necessário? Como se processa a ligação à rede pública? Quem

Leia mais

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n. ANEXO I da NR-20 1 e 2.... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.º 9: a) o inventário e características dos inflamáveis

Leia mais

Informação para Visitantes

Informação para Visitantes Informação para Visitantes Informação e orientações para visitantes Bem-vindo ao Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), um instituto público de investigação, dedicado à ciência e tecnologia,

Leia mais

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Formulário de Entrada de Dados - PARTE A - IDENTIFICAÇÃO DO SISTEMA OU SOLUÇÃO ALTERNATIVA

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto executivo nº. 80/04 de 27 de Julho Havendo necessidade de estabelecer as condições a que devem obedecer os meios de transporte aéreo de produtos petrolíferos; Sendo necessário

Leia mais

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio.

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio. OBJETIVO O PGR - Programa de Gerenciamento de Risco e PAE - Plano de Ação de Emergências são parte integrante do PBA Plano Básico Ambiental da Estrada-Parque Visconde de Mauá, que compreende a identificação,

Leia mais

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio GESTÃO DA CONTINUADE DOS NEGÓCIOS E DE PGI 002 Incêndio INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio As informações existentes neste documento e em seus anexos são para uso exclusivo

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE PARELHAS, ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, usando das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município.

O PREFEITO MUNICIPAL DE PARELHAS, ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, usando das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município. DECRETO Nº 011/2014, DE 09 DE ABRIL DE 2014. Altera o Anexo I do Decreto n 007/2014, que dispõe sobre as atribuições, escolaridade e salários dos cargos destinados ao Concurso Público do Município de Parelhas/RN.

Leia mais

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código:

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código: CÓDIGO INTERNACIONAL PARA O TRANSPORTE SEGURO DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR IRRADIADO, PLUTÔNIO E RESÍDUOS COM ELEVADO NÍVEL DE RADIOATIVIDADE, SOB A FORMA EMBALAGEM, A BORDO DE NAVIOS (Código INF) Capítulo 1

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO

PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO O Plano de Segurança é um documento que sistematiza um conjunto de normas e regras, enquadradas nas modalidades de segurança ativa e passiva e destinadas a minimizar os

Leia mais