SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO"

Transcrição

1 IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Manuela Mil-Homens Comando Distrital de Operações de Socorro de Aveiro

2 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO ANTECEDENTES DAS MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Dec-lei 239/86 de 19 de Agosto Normas de Segurança contra Riscos de Incêndio a aplicar em Estabelecimentos Comerciais n.º 1.8 Deverá entregar o Plano de Emergência para obtenção do Certificado

3 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO ANTECEDENTES DAS MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Dec-lei 64/90 de 21 de Fevereiro Regulamento de Segurança contra Incêndio em Edifícios de Habitação Para edifícios com mais 28m O edifício deve dispor, em permanência, de um encarregado de segurança, que poderá acumular estas funções com as de porteiro art. 79º

4 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO ANTECEDENTES DAS MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Dec-lei 66/95 de 8 de Abril Regulamento de Segurança contra Incêndio em Parques de Estacionamento Cobertos Art. 51 Instruções de Segurança Art. 52º - Registos de Segurança

5 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO ANTECEDENTES DAS MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Portaria 1063/97 de 21 de Outubro Medidas de Segurança contra Riscos de Incêndio aplicáveis na construção, instalação e funcionamento dos Empreendimentos Turísticos e estabelecimentos de Restauração e Bebidas n.º9 Plano de Emergência n.º 10 Formação de Pessoal

6 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO ANTECEDENTES DAS MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Portaria 1275/02 de 19 de Setembro Normas de Segurança Contra Incêndio a observar na exploração de estabelecimentos de tipo hospitalar Art Plano de prevenção Art.17 - Vigilância e protecção dos estabelecimentos Art.18 - Plano de emergência Art.19 - Instrução, formação e exercícios de segurança

7 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO ANTECEDENTES DAS MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Portaria 1276/02 de 19 de Setembro Normas de Segurança Contra Incêndio a observar na exploração de estabelecimentos de tipo administrativo Art Plano de prevenção Art.16 - Vigilância e protecção dos estabelecimentos Art.17 - Plano de emergência Art.18 - Instrução, formação e exercícios de segurança

8 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO ANTECEDENTES DAS MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Portaria 1444/02 de 7 de Novembro Normas de Segurança Contra Incêndio a observar na exploração de estabelecimentos Escolares Art Plano de prevenção Art.17 - Vigilância e protecção dos estabelecimentos Art.18 - Plano de emergência Art.19 - Instrução, formação e exercícios de segurança

9 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO dec-lei 220/2008 de 12 de Novembro RJ-SCIE Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios e Recintos art. 21º - Medidas de Autoproteção art. 22º - Implementação das Medidas de Autoproteção portaria 1532/2008 de 29 de Dezembro RT-SCIE Regulamento Técnico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios e Recintos Titulo VII art. 193º ao art. 207º

10 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Categoria de Risco Registos de Segurança Procedimentos de Prevenção Plano de Prevenção Procedimentos em caso de Emergência Plano de Emergência Interno Acções de Sensibilização e Formação em SCIE Exercícios e Simulacros (art. 201º) (art. 202º) (art. 203º) (art. 204º) (art. 205º) (art. 206º) (art. 207º) a) o o b) o o o o c) o o o o o d) o o o o o a) 1ª CR todas as UT b) 2ª UT II e 3ª UT I c) 1ª UT IV, V, VII com locais de risco D ou E 2ª UT IV, V, VII sem locais de risco D ou E 2ª UT III, VI, VIII a XII d) 2ª UT IV, V, VII com locais de risco D ou E 3ª UT IV, V, VII sem locais de risco D ou E 4ª CR todas as UT

11 CATEGORIA DE RISCO FACTORES DE RISCO PARA A CLASSIFICAÇÃO Efetivo Efetivo em Locais de Risco D ou E Saídas diretas ao Exterior Altura do edifício / Estabelecimento Número de Pisos abaixo do Plano de Referência Área Integrado em Edifício ou Ar Livre Carga de Incêndio Modificada Fabricação ou Armazenagem

12 EFECTIVO art. 2º do RJ-SCIE J) Efectivo é o número máximo estimado de pessoas que pode ocupar em simultâneo um dado espaço de um edifício ou recinto; l) Efectivo de público é o número máximo estimado de pessoas que pode ocupar em simultâneo um edifício ou recinto que recebe público, excluindo o número de funcionários e quaisquer outras pessoas afectas ao seu funcionamento; Nota: art. 51º do RT-SCIE, Quadro XXVII Cálculo do efetivo em locais de risco. Mesmo quando na empresa trabalham menos pessoas, calcula-se o mínimo de 3% da área para o dimensionamento das saídas, etc.

13 LOCAIS DE RISCO a) Local de risco A local que não apresenta riscos especiais, b) Local de risco B local que não apresenta riscos especiais e o efetivo ultrapassa os valores de local de risco A c) Local de risco C local que apresenta riscos agravados de eclosão e de desenvolvimento de incêndio devido, quer às atividades nele desenvolvidas, quer às características dos produtos, materiais ou equipamentos nele existentes, designadamente à carga de incêndio, tais como oficinas, armazéns (V>100m 3 ), serviços técnicos (P>70kW), entre outros; d) O e) O f) Local de risco F local que possua meios e sistemas essenciais à continuidade de atividades sociais relevantes, nomeadamente os centros nevrálgicos de comunicação, comando e controlo.

14 Altura da utilização-tipo art. 2º do RJ-SCIE a) A altura da utilização-tipo é a diferença de cota entre o plano de referência e o pavimento do último piso acima do solo, susceptível de ocupação por essa utilização-tipo; h p) Plano de referência é o plano de nível, à cota de pavimento do acesso destinado às viaturas de socorro, medida na perpendicular a um vão de saída direta para o exterior do edifício;

15 RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA (art. 6º, n.º4 do RJ-SCIE) Durante todo o ciclo de vida dos edifícios ou recintos (excepto o interior das habitações), a responsabilidade pela manutenção das condições de segurança contra risco de incêndio aprovadas e a execução das medidas de autoprotecção aplicáveis é das seguintes entidades: a) Do proprietário, no caso do edifício ou recinto estar na sua posse; b) De quem detiver a exploração do edifício ou do recinto; c) Das entidades gestoras no caso de edifícios ou recintos que disponham de espaços comuns, espaços partilhados ou serviços colectivos, sendo a sua responsabilidade limitada aos mesmos.

16 1. Introdução Capítulos Fundamentais das Medidas de Autoprotecção 2. Caracterização do edifício ou recinto 3. Prevenção 4. Emergência 5. Formação em SCIE 6. Exercícios e Simulacros Anexos Caderno de Registos de Segurança

17 1. Introdução Conceito Instrumento simultaneamente preventivo e de gestão operacional que sistematiza um conjunto de procedimentos. Razões - Reduzir a probabilidade de ocorrência de incêndio; - Limitar o desenvolvimento de eventuais incêndios; - Facilitar a evacuação e o salvamento dos ocupantes em risco; - Permitir a intervenção eficaz e segura dos meios de socorro. Características Simples, Flexível, Dinâmico, Adequado e Preciso. Objetivos - Dotar o recinto de um nível de segurança eficaz; - Sensibilizar para a necessidade de conhecer e sistematizar procedimentos de autoproteção a adotar, por parte de todos os ocupantes do edifício; - Co-responsabilizar todos os ocupantes no cumprimento dos procedimentos de segurança; - Corrigir as situações e desconformidades detetadas; - Maximizar a resposta, através dos meios de 1.ª intervenção; - Organizar os meios humanos, para garantir a salvaguarda de pessoas e bens em situação de emergência.

18 2. Caracterização do edifício ou Recinto 2.1. Classificação do recinto 2.2. Descrição do espaço Aspectos humanos Aspectos físicos Identificação das desconformidades 2.3. Identificação dos Riscos Riscos internos e pontos nevrálgicos Riscos externos Condições exteriores Resistência ao fogo de elementos de construção Reação ao fogo de materiais Evacuação Instalações técnicas Equipamentos e sistemas de segurança

19 3. Prevenção 3.1. Instruções de Segurança nos locais de riscos C e F (Anexo D1) 3.2. Procedimentos de exploração e utilização dos espaços 3.3. Procedimentos de exploração e de utilização das instalações técnicas, equipamentos e sistemas de segurança 3.4. Procedimentos de conservação e de manutenção instalações técnicas, dispositivos, equipamentos e sistemas de segurança 3.5. Procedimentos de prevenção na execução de trabalhos 3.6. Posto de Segurança Localização Documentação 3.7. Zonas de refúgio 3.8. Inspecções regulares e extraordinárias Periodicidade Entidade competente Relatórios de inspecção 3.9. Fiscalização Plantas de Prevenção (Anexo E)

20 4. Emergência 4.1.Organograma de Segurança (Anexo F) 4.2. Procedimentos de Alarme 4.3. Procedimentos de Alerta 4.4. Plano de Atuação Instruções de Segurança nos locais de risco C e F (Anexo D2) 4.5. Plano de Evacuação 4.6. Procedimentos de receção e encaminhamento do Corpo de Bombeiros 4.7. Procedimentos de reposição das condições de segurança

21 5. Formação em SCIE 5.1. Programa das ações para todos os ocupantes da utilização-tipo 5.2. Programa de formação específica para os ocupantes que trabalham com situações de maior risco de incêndios (locais de risco C e F) 5.3. Programa de formação para os ocupantes com atribuições especiais em caso de emergência 5.4. Relatório da formação em SCIE

22 6. Exercícios e Simulacros 6.1. Exercícios práticos 6.2. Periodicidade dos simulacros 6.3. Planeamento dos simulacros 6.4. Execução e avaliação dos simulacros 6.5. Relatório dos simulacros 6.6. Relatórios de intervenção dos Bombeiros

23 Anexos Anexo A Apresentação dos cálculos Anexo B Planta de Localização, escala 1:2000 ou de 1:5000 Anexo C Planta de Implantação/Enquadramento, escala 1:200 ou de 1:500 Anexo D1 Instruções de Segurança de Prevenção, locais de risco C, D, E e F Anexo D2 Instruções de Segurança de Emergência, locais de risco C, D, E e F Anexo E Planta de Prevenção Anexo F Organograma de Segurança Anexo G Lista das entidades externas Anexo H Planta de Emergência.

24 Anexo F RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA DELEGADO DE SEGURANÇA 1ª INTERVENÇÃO EVACUAÇÃO ALARME / ALERTA CONCENTRAÇÃO E CONTROLO

25 Anexo G RS DS Outros: SMPC CBV (da área de atuação) GNR ou PSP (da área de atuação)

26 Anexo B

27 Anexo C

28 PLANTA DE PREVENÇÃO Anexo E Símbolos NP 4303

29 Anexo H Símbolos NP 4386 AZUL INFORMAÇÕES AO UTILIZADOR VERDE INDICAÇÃO DAS VIAS DE EVACUAÇÃO AMARELO ADVERTÊNCIAS E PERIGOS VERMELHO - EQUIPAMENTOS DE COMBATE A INCÊNDIO E DISPOSITIVOS DE ALARME

30 Anexo D

31 Caderno de Registos de Segurança -Relatórios de vistoria, inspeções e fiscalizações; -Relatórios de anomalias relacionadas com as instalações técnicas, equipamentos e sistemas de segurança; -Relação das ações de manutenção nas instalações técnicas, equipamentos e sistemas de segurança; -Relatórios de modificações, alterações e trabalhos perigosos efetuados; -Relatórios de ocorrências -Cópia dos relatórios de intervenção dos bombeiros; -Relatórios das ações de formação; - Relatórios dos simulacros.

32 Elementos necessários para as Medidas de Autoprotecção Requerimento preenchido e assinado Promulgação do Responsável de Segurança 1ª e 2ª Categoria de Risco Declaração do Autor 3ª e 4ª Categoria de Risco Termo de Responsabilidade do Autor Declaração da Associação Profissional Registo na ANPC como Técnico Habilitado (Planta esquemática, se não for exigida nenhuma no RT-SCIE)

33 Elaboração de projeto de SCIE (em simultâneo com o projeto de arquitetura) Se for 1ª Categoria de Risco pode ser substituído por uma ficha de Segurança entregue na Câmara Municipal Excepto utilizações-tipo IV e V Execução da obra Entrega de telas finais no caso de existirem ligeiros acertos ou Aditamento no caso de alterações Para a emissão da Licença de utilização entregar na Câmara Municipal Auto de Vistoria Aprovado Cópia do requerimento CDOS carimbada pelo Nos Estabelecimentos tutelados pela Segurança Social será entregue Declaração de conformidade Cópia do requerimento carimbada pelo CDOS 1ª Categoria de Risco das UT IV e V a cada 3 anos 2ª Categoria de Risco a cada 2 anos 3ª e 4ª Categoria de Risco anualmente Vistoria Elaboração das Medidas de Autoproteção (ou Plano de Segurança Interno) Implementação das Medidas de Autoproteção Inspeções Regulares

34 CONTACTOS: Gabinete Técnico do CDOS AVEIRO Manuela Mil-Homens

ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO

ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO Praça Nove de Abril, 170. 4200 422 Porto Tel. +351 22 508 94 01/02 www.jct.pt SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO JCT - Consultores de Engenharia, Lda tem como

Leia mais

Legislação em Segurança contra Incêndios em. António Mascarenhas Diretor EIPC

Legislação em Segurança contra Incêndios em. António Mascarenhas Diretor EIPC Legislação em Segurança contra Incêndios em Edifícios António Mascarenhas Diretor EIPC 8 Bombeiros morreram em 2013 Incêndios Urbanos Mais de 200 pessoas morreram nos últimos cinco anos em incêndios Urbanos

Leia mais

MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Paulo Pinto Obrigações legais e metodologias para a sua implementação Conteúdo 2 Medidas de Autoprotecção O que são? Enquadramento legal Responsabilidades Coimas e sanções acessórias

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte de papel ou em suporte digital, conforme a legislação

Leia mais

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores Cenário 1 Alarme de reconhecimento Responsável Bloco faz o reconhecimento Atuação Equipa 1ª Intervenção Alarme Parcial Bloco A Atuação Equipa Evacuação Bloco A Situação Controlada? Sinistro? Sim Não Reposição

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS INDUSTRIAIS

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS INDUSTRIAIS SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS INDUSTRIAIS PRINCIPAIS DIFICULDADES PROJETOS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Elaboração de projeto de SCIE (em simultâneo com o projeto de arquitetura)

Leia mais

ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA

ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA ISEP INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA Projecto de Licenciamento de Segurança Contra Incêndio António Gomes aag@isep.ipp.pt 1 3 Enquadramento As implementação dos sistemas de segurança contra incêndios

Leia mais

PLANTAS DE EMERGÊNCIA

PLANTAS DE EMERGÊNCIA OBJETIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte físico ou em suporte digital, conforme a legislação em vigor (RJ-SCIE e RT-SCIE) e a NP4386, aqui entendidas como

Leia mais

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO. Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro (RJ-SCIE).

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO. Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro (RJ-SCIE). Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro (RJ-SCIE). Regulamento Técnico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios - Portaria n.º 1532/2008,

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES PERGUNTAS MAIS FREQUENTES REGIME JURÍDICO DA (RJ-SCIE) (Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro) REGULAMENTO TÉCNICO DE SCIE (RT-SCIE) (Portaria n.º 1532/2008, de 29 de Dezembro) E LEGISLAÇÃO/DOCUMENTOS

Leia mais

Responsabilidades do Responsável de Segurança na implementação das Medidas de Autoprotecção (MAP) LOGO

Responsabilidades do Responsável de Segurança na implementação das Medidas de Autoprotecção (MAP) LOGO Responsabilidades do Responsável de Segurança na implementação das Medidas de Autoprotecção (MAP) 1 Francisco Ideias Martins - Assistant Director of Engineering Introdução Hotel Ritz Four Seasons Lisboa

Leia mais

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVIII Plano de Emergência um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ESCOLARES

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ESCOLARES SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ESCOLARES ELABORAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DAS MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO NOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO RJ-SCIE Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios

Leia mais

ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS

ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS PLANOS DE SEGURANÇA A sociedade é feita por todas as pessoas, em todas as idades NÚCLEO DE CERTIFICAÇÃO E FISCALIZAÇÃO ALEXANDRA SANTOS E MARIA ANDERSON

Leia mais

Escola Primária da Mexilhoeira da Carregação. Planta de Emergência. Formandos: Dário Afonso, Fernanda Piçarra e Sérgio Inácio. [01 de Março de 2011]

Escola Primária da Mexilhoeira da Carregação. Planta de Emergência. Formandos: Dário Afonso, Fernanda Piçarra e Sérgio Inácio. [01 de Março de 2011] Escola Primária da Mexilhoeira da Carregação Planta de Emergência Formandos: Dário Afonso, Fernanda Piçarra e Sérgio Inácio [01 de Março de 2011] A Planta de Emergência Segundo a norma NP 4386 define a

Leia mais

RISCO DE INCÊNDIO. Risco mais frequente

RISCO DE INCÊNDIO. Risco mais frequente RISCO DE INCÊNDIO (RJ-SCIE / RT-SCIE) Risco mais frequente Fonte: André Kosters / Lusa 29 Abril 2008 (2 mortos) Incêndio no Centro de Recolhimento da Segurança Social no Convento da Encarnação, em Lisboa.

Leia mais

Alojamento Local no Município de Albufeira

Alojamento Local no Município de Albufeira Sessão de Esclarecimento Ricardo Sena/Dinis Alves Departamento de Planeamento e Gestão Urbanística Agenda Enquadramento Ponto de Situação Procedimentos Requisitos Enquadramento Noção de Estabelecimentos

Leia mais

3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas

3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas 3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas Segurança Contra Incêndios em Edifícios Decreto-Lei 220/2008 Portaria 1532/2008 ISEP- Porto - 2010 ISEP - Abril 2010 Cap Eng Luís Bispo 1 Sumário

Leia mais

Regime Jurídico de SCIE (Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de novembro) Regulamento Técnico de SCIE (Portaria n.º 1532/2008, de 29 de dezembro)

Regime Jurídico de SCIE (Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de novembro) Regulamento Técnico de SCIE (Portaria n.º 1532/2008, de 29 de dezembro) OBJETIVO Especificar as características e os requisitos para a elaboração de considerando estes como a associação dos Registos de Segurança, do Plano de Prevenção (ou Procedimentos de Prevenção) e do Plano

Leia mais

COMPETÊNCIAS E RESPONSABILIDADES EM SCIE

COMPETÊNCIAS E RESPONSABILIDADES EM SCIE OBJETIVO Descrever detalhadamente as competências e responsabilidades de cada interveniente, em cada fase do processo construtivo, designadamente no âmbito da coordenação e conceção dos diversos projetos,

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 08 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 08 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 08 Complementar do Regime Jurídico de SCIE RESUMO Definir o tempo de resposta exigido ao socorro e os meios humanos e materiais adequados ao combate a incêndios (grau de prontidão), para

Leia mais

Definir os locais de risco conforme artigos 10º e 11ºdo RJ-SCIE (Classificação dos locais de risco e Restrições do uso em locais de risco).

Definir os locais de risco conforme artigos 10º e 11ºdo RJ-SCIE (Classificação dos locais de risco e Restrições do uso em locais de risco). OBJETIVO Definir os locais de risco conforme artigos 10º e 11ºdo RJ-SCIE (Classificação dos locais de risco e Restrições do uso em locais de risco). Listar todos os locais de risco indicados não só no

Leia mais

Semana da Proteção Civil Seminário Incêndios Urbanos. PREVENÇÃO E RESPOSTA 27 Fevereiro 2015

Semana da Proteção Civil Seminário Incêndios Urbanos. PREVENÇÃO E RESPOSTA 27 Fevereiro 2015 Semana da Proteção Civil Seminário Incêndios Urbanos PREVENÇÃO E RESPOSTA 27 Fevereiro 2015 Riscos tecnológicos Incêndios estruturais: da prevenção ao combate Pedro Miguel de Araújo Comandante dos Bombeiros

Leia mais

CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL E SEGURANÇA NA REDE 13º ENCONTRO VALORPNEU

CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL E SEGURANÇA NA REDE 13º ENCONTRO VALORPNEU CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL E SEGURANÇA NA REDE 13º ENCONTRO VALORPNEU Ana Lima, Environment & Safety SGS Portugal 20 Novembro 2015 A SGS NO MUNDO Fundada em 1878 Atualmente presente em mais de 140 países Mais

Leia mais

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna 27.02.2015 Apresentação do Hospital de Cascais Plano de Catástrofe Externa Plano de Emergência Interna Hospital de Cascais - Caracterização

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

Nova Regulamentação Portuguesa de Segurança contra Incêndios em Edifícios. Nuevo Reglamento Portugués de Seguridad contra Incendios en Edificios

Nova Regulamentação Portuguesa de Segurança contra Incêndios em Edifícios. Nuevo Reglamento Portugués de Seguridad contra Incendios en Edificios Carlos Ferreira de Castro Nova Regulamentação Portuguesa de Segurança contra Incêndios em Edifícios Nuevo Reglamento Portugués de Seguridad contra Incendios en Edificios New Portuguese Code Requirements

Leia mais

Contributo da protecção passiva para a segurança contra incêndio em edifícios

Contributo da protecção passiva para a segurança contra incêndio em edifícios Contributo da protecção passiva para a segurança contra incêndio em edifícios Carlos Ferreira de Castro 30 Setembro 2014 1 O que é a protecção passiva contra incêndio? Conjunto integrado de meios físicos

Leia mais

TABELA ANEXA DE TAXAS

TABELA ANEXA DE TAXAS TABELA ANEXA DE TAXAS Actualizada de acordo com o artigo 80º (De Fev. 2008 a Fev. 2009) QUADRO I Emissão de alvará de licença ou autorização de loteamento e de obras de urbanização 1. Emissão do alvará

Leia mais

SIMBOLOGIA GRÁFICA PARA PLANTAS DE SCIE

SIMBOLOGIA GRÁFICA PARA PLANTAS DE SCIE OBJETIVO Listar os símbolos gráficos a utilizar nos projetos e planos de Segurança Contra Incêndios (SCIE) a que se refere o Regime Jurídico de SCIE (n.º 1 do artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 220/2008, de

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares Título 1 Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares 2 Sumário Breve caracterização do risco de incêndio Medidas de segurança de natureza física Projecto de

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DE POMARES

CENTRO ESCOLAR DE POMARES CENTRO ESCOLAR DE POMARES Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação de emergência

Leia mais

PROJECTO INDIVIDUAL. Plano de Segurança Interno

PROJECTO INDIVIDUAL. Plano de Segurança Interno MESTRADO EM SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (23.ª Edição do Curso de Técnico Superior de SHT) PROJECTO INDIVIDUAL Plano de Segurança Interno Orientador: Professor Doutor Paulo Lima Discente: Sara Cristina

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO DA ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS DE SETÚBAL

PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO DA ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS DE SETÚBAL MESTRADO EM SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO (7ª Edição) - PROJETO INDIVIDUAL EM CONTEXTO REAL DE TRABALHO - PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO DA ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS DE SETÚBAL ORIENTADOR:

Leia mais

Entre: rua dos Bombeiros Voluntários 5370-206 Mirandela. Largo do Município 5379-288 Mirandela. Em conjunto designadas por Partes,

Entre: rua dos Bombeiros Voluntários 5370-206 Mirandela. Largo do Município 5379-288 Mirandela. Em conjunto designadas por Partes, PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO COM VISTA AO MELHORAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO COM VISTA AO MELHORAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS Entre: DELEGAÇÃO

Leia mais

TABELA DE TAXAS PARTE B - OPERAÇÕES URBANÍSTICAS QUADRO I. Taxa devida pela apreciação de projectos de loteamento

TABELA DE TAXAS PARTE B - OPERAÇÕES URBANÍSTICAS QUADRO I. Taxa devida pela apreciação de projectos de loteamento TABELA DE TAXAS PARTE B - OPERAÇÕES URBANÍSTICAS Loteamento sem obras de urbanização QUADRO I Taxa devida pela apreciação de projectos de loteamento 1 Informação prévia 95,00 d) 2 Licenciamento 142,00

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE EVACUAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO

PROCEDIMENTOS DE EVACUAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO PROCEDIMENTOS DE EVACUAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO 16 de Outubro 2013 Escola Secundária de Penafiel A CULTURA DE SEGURANÇA A segurança na Escola deve ser uma preocupação comum a todos os membros da

Leia mais

INTRODUÇÃO. Este caderno é um anexo ao Plano de Segurança, segundo a Portaria nº1444/2002 de 7 de Novembro, no Artigo 16º, ponto3, alínea c).

INTRODUÇÃO. Este caderno é um anexo ao Plano de Segurança, segundo a Portaria nº1444/2002 de 7 de Novembro, no Artigo 16º, ponto3, alínea c). INTRODUÇÃO Este caderno é um anexo ao Plano de Segurança, segundo a Portaria nº1444/2002 de 7 de Novembro, no Artigo 16º, ponto3, alínea c). 1 Escola E. B. 2,3 Cardoso Lopes Morada: Prolongamento da Av.

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

PLANO DE SEGURANÇA MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO ÍNDICE Agradecimentos... 5 1. INTRODUÇÃO... 6 2. DISPOSIÇÕES ADMINISTRATIVAS... 8 2.1 Promulgação e Aprovação... 8 2.2 Lista de páginas em vigor... 8 2.3 Entrada em vigor... 8 2.4 Lista de Revisões e Alterações...

Leia mais

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos.

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos. egurança Segurança Segurança A segurança deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais, encarregados de educação e representantes

Leia mais

GUIA PARA EXPEDIDORES CONHECIDOS 1

GUIA PARA EXPEDIDORES CONHECIDOS 1 GUIA PARA EXPEDIDORES CONHECIDOS 1 O presente guia permitirá às empresas avaliar as medidas de segurança tomadas em cumprimento dos critérios aplicáveis aos expedidores conhecidos, conforme previsto no

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1

MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1 MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1 Nota Justificativa A simplificação do exercício de atividades decorrente da publicação e entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 48/2011, de 1 de abril

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE

Leia mais

Novas disposições regulamentares aplicáveis à Instalação e Manutenção de sistemas de SCIE

Novas disposições regulamentares aplicáveis à Instalação e Manutenção de sistemas de SCIE Novas disposições regulamentares aplicáveis à Instalação e Manutenção de sistemas de SCIE Seminário A Emergência [ANTESHT] 4 de Junho, EXPONOR 1 Equipamentos e sistemas de segurança Maria João Conde Conteúdos

Leia mais

Seminário Técnico Riscos Tecnológicos

Seminário Técnico Riscos Tecnológicos Autoridade Nacional de Protecção Civil Comando Distrital de Operações de Socorro do Porto Seminário Técnico Riscos Tecnológicos A Segurança Contra Incêndio em Estabelecimentos Industriais Porto, 15 de

Leia mais

TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS. Laura Caldeira

TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS. Laura Caldeira TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS Laura Caldeira Índice 1. Conceitos de segurança estrutural 2. Conceitos de risco 3. Utilização de sistemas de classificação 4. Considerações finais 2 1. Conceitos

Leia mais

Município de Estarreja 1

Município de Estarreja 1 Apreciação de pedidos I 0 0 0 0 I 1 0 0 0 I 1.1 0 0 0 I 1.1 a) 0 0 I 1.1 b) 0 0 I 1.2 0 0 0 I 2 0 0 0 I 2.1 0 0 0 I 2.2 0 0 0 I 3 0 0 0 I 3.1 0 0 0 I 3.2 0 0 0 I 3.3 0 0 0 Informação Prévia Loteamentos

Leia mais

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança.

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança. OBJETIVO De acordo com o Artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 220/2008 (Regime Jurídico de SCIE), descrever e detalhar como devem ser instruídos e apresentados os Projetos de SCIE (com o conteúdo descrito no

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXXI Trabalhos com segurança em telhados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho.

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho. Guia de Segurança do Operador PORTUGAL: Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança

Leia mais

NOVO REGIME DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS COM CARÁCTER NÃO SEDENTÁRIO

NOVO REGIME DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS COM CARÁCTER NÃO SEDENTÁRIO NOVO REGIME DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS COM CARÁCTER NÃO SEDENTÁRIO CONCEITO: «Prestação de serviços de restauração ou de bebidas com carácter não sedentário», a prestação, mediante

Leia mais

POSTO DE SEGURANÇA OBJETIVO APLICAÇÃO ÍNDICE REFERÊNCIAS SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS NOTA TÉCNICA N.º 20 POSTO DE SEGURANÇA

POSTO DE SEGURANÇA OBJETIVO APLICAÇÃO ÍNDICE REFERÊNCIAS SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS NOTA TÉCNICA N.º 20 POSTO DE SEGURANÇA OBJETIVO Em cumprimento do prescrito no RT-SCIE caracterizar as diversas configurações possíveis do Posto de Segurança, alargando a sua funcionalidade a outras áreas da segurança, não perdendo de vista

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 RESUMO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE,

Leia mais

Organização e Gestão da Segurança. Contra Incêndios

Organização e Gestão da Segurança. Contra Incêndios Organização e Gestão da Segurança Contra Incêndios Dissertação Instituto Superior de Engenharia do Porto Mestrado em Engenharia Civil - 2º ano Ramo de Infraestruturas e Ambiente Nuno Filipe Martins da

Leia mais

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro O artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 410/98, de 23 de Dezembro, que aprovou o Regulamento de Segurança contra Incêndio em Edifícios de Tipo Administrativo, determina

Leia mais

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO firesafetybrasil@gmail.com RELAÇÃO ENTRE OS FATORES CONDICIONANTES DE RISCO E AS DISTINTAS CATEGORIAS DE RISCO RELAÇÃO DE INTERDEPENDÊNCIA ENTRE AS CINCO CATEGORIAS

Leia mais

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE 1/17 Índice 1. Introdução... 3 2. Formação... 4 2.1 Objectivos gerais do curso... 4 2.2. Conteúdos programáticos... 4 2.3. Equipa formativa...

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO DE UM EDIFÍCIO

PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO DE UM EDIFÍCIO PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO DE UM EDIFÍCIO RAQUEL DIAS BAPTISTA Dissertação submetida para satisfação parcial dos requisitos do grau de MESTRE EM ENGENHARIA CIVIL ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÕES

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) O Decreto-Lei n.º 134/2005, de 16 de Agosto, que permite a venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Leia mais

SISTEMAS DE PROTEÇÃO PASSIVA PORTAS RESISTENTES AO FOGO

SISTEMAS DE PROTEÇÃO PASSIVA PORTAS RESISTENTES AO FOGO PORTAS RESISTENTES AO FOGO OBJECTIVO Definir as características e condições técnicas a que devem obedecer as portas resistentes ao fogo (portas corta-fogo), não só para cumprimento do RJ-SCIE mas, também,

Leia mais

ÂMBITO Aplica-se à instalação e ao funcionamento dos recintos com diversões aquáticas.

ÂMBITO Aplica-se à instalação e ao funcionamento dos recintos com diversões aquáticas. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL RECINTOS COM DIVERSÕES AQUÁTICAS CAE REV_3: 93210

Leia mais

Regras de procedimentos para transporte de bens e

Regras de procedimentos para transporte de bens e Regras de procedimentos para transporte de bens e Os Sistemas de Gestão Técnica na nova regulamentação para a eficiência energética mercadorias em edifícios Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

Plano de Formação SIPRP 2016

Plano de Formação SIPRP 2016 Plano de SIPRP 2016 VISÃO SIPRP A SIPRP é uma empresa que agrega competências técnicas e experiências profissionais associadas à prevenção de riscos profissionais, saúde ocupacional e segurança contra

Leia mais

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Tudo o que Precisa Saber 1 Definição Enquadramento Requisitos 4 Legislação 5 Fiscalização Procedimentos Definição ALOJAMENTO LOCAL Denominações Consideram-se

Leia mais

Lagos. Nome:... Coletiva

Lagos. Nome:... Coletiva REGISTO DE ENTRADA Requerimento n.º de / / Processo n.º / Pago por Guia n.º,. Ao Serviço O Funcionário, Exm.º Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos 1. REQUERENTE Nome:...... NIF Singular Coletiva

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas

Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO ANEXO Declaração de Instalação, Modificação e de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração ou de Bebidas abrangidos pelo

Leia mais

6488 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 217 19 de Setembro de 2002

6488 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 217 19 de Setembro de 2002 6488 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 217 19 de Setembro de 2002 MINISTÉRIOS DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, DA SAÚDE E DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E HABITAÇÃO Portaria n. o 1275/2002 de 19 de Setembro

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7 Directivas Técnicas 01-02/2007 Prevenção de incêndios em hospitais Ficha técnica Número 01-02/2007 Data de publicação MAI 2007 Data última revisão MAI 2008 Revisão obrigatória MAI 2009 Autoria e edição

Leia mais

Vencemos juntos. Apresentação da Empresa

Vencemos juntos. Apresentação da Empresa Vencemos juntos Apresentação da Empresa @ 2014 Quem Somos Missão Fornecer ferramentas e recursos, que juntos, colmatam as necessidades dos nossos Clientes tornando-os mais competitivos e eficazes. Visão

Leia mais

Lei n.º 1/2005 de 10 de Janeiro.

Lei n.º 1/2005 de 10 de Janeiro. Lei n.º 1/2005 de 10 de Janeiro. Regula a utilização de câmaras de vídeo pelas forças e serviços de segurança em locais públicos de utilização comum A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea

Leia mais

Regulamento de acesso de viaturas aos arruamentos geridos através de pilaretes retráteis automáticos no Município do Funchal Enquadramento

Regulamento de acesso de viaturas aos arruamentos geridos através de pilaretes retráteis automáticos no Município do Funchal Enquadramento Regulamento de acesso de viaturas aos arruamentos geridos através de pilaretes retráteis automáticos no Município do Funchal Enquadramento Na Cidade do Funchal existem diversos arruamentos destinados apenas

Leia mais

Portaria n.º 1444/2002 de 7 de Novembro Aprova as normas de segurança contra incêndio a observar na exploração de estabelecimentos escolares

Portaria n.º 1444/2002 de 7 de Novembro Aprova as normas de segurança contra incêndio a observar na exploração de estabelecimentos escolares A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo da Portaria n.º 1444/2002, de 7 de Novembro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Portaria n.º 1444/2002 de 7 de Novembro

Leia mais

Referencial do Curso de Técnico de Equipamento e Sistemas de Segurança Contra- Incêndios (Extintores e SADI) 1. MÓDULOS:

Referencial do Curso de Técnico de Equipamento e Sistemas de Segurança Contra- Incêndios (Extintores e SADI) 1. MÓDULOS: Referencial do Curso Técnico de Equipamento e Sistemas de Segurança Contra-Incêndios (Extintores e SADI) [2011] 1. MÓDULOS: Unidade 1 - Introdução e enquadramento da actividade de Técnico de Equipamento

Leia mais

Escola Secundária Martins Sarmento GUIMARÃES. Medidas de Auto Proteção Plano de Segurança Interno UT IV - 3ª CATª DE RISCO

Escola Secundária Martins Sarmento GUIMARÃES. Medidas de Auto Proteção Plano de Segurança Interno UT IV - 3ª CATª DE RISCO GUIMARÃES Medidas de Auto Proteção Plano de Segurança Interno UT IV - 3ª CATª DE RISCO Nota: Este estabelecimento tem um parecer do projeto de segurança contra riscos de incêndio favorável datado de of.20948-cdos03-23/11/2010

Leia mais

MUNICÍPIO DE PORTEL CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE PORTEL CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE PORTEL CÂMARA MUNICIPAL Sistema da Industria Responsável _ SIR Projeto de alteração à Tabela de taxas e licenças municipais decorrente da aplicação do SIR _ Sistema da Industria Responsável

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06 Extintores de Incêndio Portáteis. Revisão: 00 Folha: 1 de 7 1. Objetivo Assegurar que todos os canteiros de obras atendam as exigências para utilização dos extintores de incêndio portáteis de acordo com

Leia mais

CADERNOS TÉCNICOS PROCIV. 4 Estabelecimentos de Apoio Social a Pessoas Idosas Manual para a Elaboração de Planos de Segurança

CADERNOS TÉCNICOS PROCIV. 4 Estabelecimentos de Apoio Social a Pessoas Idosas Manual para a Elaboração de Planos de Segurança CADERNOS TÉCNICOS PROCIV 4 Estabelecimentos de Apoio Social a Pessoas Idosas Manual para a Elaboração de Planos de Segurança EDIÇÃO: AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL DEZEMBRO DE 2008 02 Cadernos

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

Temas abordar. Workshop 2010 03 10. Situações causadoras de emergência. Quais são os constituintes de um PEI. Regulamentação associada ( novo RGSCIE)

Temas abordar. Workshop 2010 03 10. Situações causadoras de emergência. Quais são os constituintes de um PEI. Regulamentação associada ( novo RGSCIE) Workshop 2010 03 10 Temas abordar Situações causadoras de emergência O que é um Plano de Emergência Interno PEI Quais são os constituintes de um PEI Regulamentação associada ( novo RGSCIE) Como fazer ACIB

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS L 115/12 Jornal Oficial da União Europeia 27.4.2012 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) N. o 363/2012 DA COMISSÃO de 23 de fevereiro de 2012 respeitante às normas processuais

Leia mais

Entrevista n.º 5. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança?

Entrevista n.º 5. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança? Entrevista n.º 5 Empresa: Aurélios Sobreiros Lda. Encarregado 1. A segurança e a higiene do trabalho, bem como a protecção da saúde fazem parte integrante dos princípios que regem a empresa? Quais são

Leia mais

Duração da Prova de conhecimentos 90 minutos. Grupo II Conhecimentos específicos

Duração da Prova de conhecimentos 90 minutos. Grupo II Conhecimentos específicos Procedimento concursal comum para constituição de relação jurídica de emprego público por tempo indeterminado, tendo em vista o preenchimento de um posto de trabalho, da categoria de Técnico Superior,

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

FUNCHAL CAE Rev_3: 88101/88102 SERVIÇOS DE APOIO DOMICILIÁRIO. Instituto da Segurança Social I.P. e Câmara Municipal competente.

FUNCHAL CAE Rev_3: 88101/88102 SERVIÇOS DE APOIO DOMICILIÁRIO. Instituto da Segurança Social I.P. e Câmara Municipal competente. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 88101/88102 SERVIÇOS DE APOIO DOMICILIÁRIO

Leia mais

Licenciamento de Instalações Desportivas

Licenciamento de Instalações Desportivas Licenciamento de Instalações Desportivas 1 Finalidade O licenciamento dos projetos de Instalações Desportivas Especializadas e Especiais para Espetáculos (Artigos 8º e 9º do D.L. n.º 141/2009, de 16 de

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO EXTERNA 2015. Qualidade

PLANO DE FORMAÇÃO EXTERNA 2015. Qualidade (Isento IVA) Qualidade Norma ISO 9001 Qualidade (nova versão ) Gestores da Qualidade 7 outubro Formar acerca do conteúdo da Norma de referência ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade: requisitos Conhecer

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA OBJETIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE, apresentando soluções disponíveis de possível aplicação.

Leia mais

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados:

Nota Técnica. Requisitos Gerais para a armazenagem de óleos usados: Nota Técnica ARMAZENAGEM DE ÓLEOS USADOS Para efeitos do presente documento, considera-se a definição de óleos usados constante na alínea b) do artigo 2.º do Decreto-lei n.º 153/2003. Define-se reservatório

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 10 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir as características e condições técnicas a que devem obedecer as portas resistentes ao fogo (portas corta-fogo), não só para

Leia mais

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A.

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2010 ÍNDICE

Leia mais