O SELF MARCÁRIO: IDENTIDADE, AUTO-APRESENTAÇÃO E GERENCIAMENTO DE IMPRESSÃO DE MARCAS EM SITES DE REDES SOCIAIS 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O SELF MARCÁRIO: IDENTIDADE, AUTO-APRESENTAÇÃO E GERENCIAMENTO DE IMPRESSÃO DE MARCAS EM SITES DE REDES SOCIAIS 1"

Transcrição

1 Performances Interacionais e Mediações Sociotécnicas Salvador - 10 e 11 de outubro de 2013 O SELF MARCÁRIO: IDENTIDADE, AUTO-APRESENTAÇÃO E GERENCIAMENTO DE IMPRESSÃO DE MARCAS EM SITES DE REDES SOCIAIS 1 André Bomfim dos Santos 2 Resumo: Dentre as estratégias usadas pela publicidade para se adaptar ao contexto das mídias sociais está o estabelecimento de interações entre marcas e indivíduos. Essas interações são aqui investigadas através da análise da atuação no Facebook, de uma das marcas brasileiras líderes em números de seguidores e engajamento nos sites de redes sociais. Utilizamos como abordagem teórica conceitos basilares da psicologia social de orientação sociológica, a exemplo da abordagem dramatúrgica, auto-apresentação, gerenciamento de impressão (Goffman) e interacionismo simbólico (Mead). A análise demonstra um mutualismo entre marcas e pessoas no processo de auto-apresentação e construção dos seus selves on-line. Palavras-chave: Publicidade. Mídias sociais. Interações sociais. Psicologia social. Abstract: Among the strategies used by advertising to adapt itself to the context of social media is the establishment of interactions between brands and individuals. These interactions are investigated here by analyzing the performance on Facebook of one of the leading brazilian brands in numbers of followers and engagement in social networking sites. We used as theoretical frame foundational concepts of sociological social psychology, such as the dramaturgical approach, self-presentation, impression management (Goffman) and symbolic interactionism (Mead). The analysis reveals mutualism between brands and people in the process of self-presentation and construction of their selves online. Keywords: Advertising. Social networks sites. Social interactions. Social Psychology. 1. INTRODUÇÃO Na era das tecnologias de participação social (Chaka, 2010), a audiência das mídias de massa é cada vez mais vilipendiada por plataformas ubíquas, multimodais e policontextuais, como o Facebook. Na tentativa de se adequar a esse novo contexto, em que a interação social 1 Artigo submetido ao NT 2 Sociabilidade, novas tecnologias, consumo e estratégias de mercado - do SIMSOCIAL Trabalho realizado com apoio do CNPq, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Brasil. 2 Mestrando no Programa de Comunicação e Cultura Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia UFBA.

2 é a palavra de ordem, a publicidade desenvolve novas estratégias de sedução, pautadas no engajamento dos usuários e em interações entre marcas e indivíduos. Sendo as marcas entidades institucionais e abstratas, elas são muitas vezes revestidas de um caráter humano, para que essas interações ocorram. Para tanto, têm sua identidade delineada através de parâmetros que se aproximam de traços de personalidade dos indivíduos. Todas essas transformações parecem apontar para a diluição das fronteiras não só entre o que é público e privado, mas também entre o que é estratégia comercial e interação social, assim como entre perfis de marcas e de pessoas. Buscamos aqui uma melhor compreensão da natureza das interações entre marcas e indivíduos nas plataformas de participação social, guiados por algumas questões fundamentais. De que forma marcas e pessoas convivem nesses ambientes? Qual a natureza das suas relações? E de que forma as interações entre elas tornam-se possíveis? Utilizamos como abordagem teórica para a empreitada conceitos basilares da psicologia social de orientação sociológica, que tem entre seus principais expoentes, autores como George Hebert Mead e Erving Goffman. Seus estudos são a base para as ideias de self social, papel social, performance, auto-apresentação, gerenciamento de impressão e interacionismo simbólico. Todas conduzem a uma visão relacional e contextual do self. Exemplificamos essas relações através do estudo do perfil no Facebook da marca brasileira vice-líder tanto em número de seguidores quanto em engajamento dessa audiência: a cerveja Skol 3. Além do alto desempenho em ambos os índices, a outra razão para a escolha da marca é a sua identidade bem delineada, elaborada a partir de características essencialmente humanas como juventude e sociabilidade. O estudo foi baseado na observação, pelo período de um mês, das postagens da marca e da reação dos seguidores. Estas últimas, em forma de comentários nas próprias postagens ou embutidos em compartilhamentos, compondo, no segundo caso, quase sempre um ato de apropriação para a apresentação de seus próprios selves on-line. Dessa forma, o estudo de caso se bifurcou em duas instâncias: produção e recepção de conteúdo. Na primeira, estão as postagens diárias da marca em sua fanpage no Facebook, produção sobre a qual operamos os conceitos de auto-apresentação, coerência e 3 Fonte: indexsocial. De acordo com a plataforma, a marca Skol alcançou até o mês de abril de 2013, 10,9 milhões de seguidores no Facebook e uma taxa de engajamento de 0,08%, o que a coloca como vice-líder nos dois índices. Disponível em <http://www.indexsocial.com.br>. Acesso em: 20 abril 2013.

3 gerenciamento de impressão, frutos da abordagem dramatúrgica de Goffman (1959). Na segunda, estão as reações da audiência, interpretadas através dos conceitos de interacionismo simbólico (Mead) e relações simétricas (Barnes, 2003). Oriundos da psicologia social, os conceitos se ajustaram apropriadamente ao estudo da performance da Skol no Facebook, o que reafirma de um lado a dimensão cada vez mais espiritual das marcas (Klein, 2008) e, de outro, a utilização dos conteúdos publicitários como matéria-prima simbólica para a construção da identidade e do self contemporâneo. O texto é dividido em seções que conduzem o estudo de uma abordagem mais ampla e teórica até a operacionalização dos conceitos no estudo de caso. A seção 2 é um breve passeio sobre os conceitos e autores que lhe servem de base. A seção 3 aprofunda a relação entre consumo e a construção do self, baseada no interacionismo simbólico. A de número 4 apresenta o conceito de dimensão espiritual das marcas. A seção 5 traz o estudo de caso. E na de número 6, os conceitos teóricos são emparelhados com a presença on-line da marca estudada no Facebook. 2 O SELF CONTEMPORÂNEO E OS AMBIENTES DIGITAIS Ainda que evitemos aqui as armadilhas do determinismo tecnológico, é inegável a inter-relação entre a constituição do self pós-moderno e as potencialidades trazidas a esse processo pelos ambientes digitais, pela comunicação mediada por computador e, mais recentemente, pelas tecnologias de participação social (Chaka, 2010), entre as quais se situam as plataformas de redes sociais. Para o autor supracitado, tecnologias de participação social (TPSs) representam a nova geração das comunicações mediadas por computador (CMCs) e se distinguem por permitir aos usuários participação coletiva, colaboração em massa e interatividade social (Ibid., p.628, tradução nossa 4 ). Outro importante ponto de distinção é o fato de que elas também possibilitam aos usuários registrar ou representar suas emoções, pensamentos, visões e opiniões de forma escrita, oral, gráfica, pictórica, visual, icônica, digital ou numérica, ou numa combinação de duas ou mais formas. Elas também permitem que eles registrem ou representem aspectos de suas próprias características reais ou não em qualquer uma dessas formas. Nesse sentido, elas são tecnologias representacionais. (Ibid. p. 629). 4 A tradução de todas as citações de originais em língua inglesa do presente texto foram realizadas pelo próprio autor.

4 Algumas particularidades das tecnologias de participação social são fundamentais para o embasamento no presente estudo. A primeira delas, é que as TPSs tornaram-se ponto de convergência de outras mídias, inclusive aquelas de massa. Através delas são distribuídos conteúdos como música, vídeos, notícias, mensagens síncronas e assíncronas, por exemplo. Outro ponto importante é a sua ubiquidade: espalhadas por aparelhos móveis, elas podem estar disponíveis 24 horas por dia em qualquer lugar. Chaka (Ibid., p. 629) as define também como multimodais e policontextuais, no sentido de que operam em diversos modos comunicativos (textos, gráficos, imagens etc.) e envolvem múltiplos contextos digitais (mensagens instantâneas, compartilhamento de conteúdos, bate-papo, jogos etc.), respectivamente. Esse conjunto de atributos faz com que as TPSs se tornem o berço de novas formas de expressão, interações sociais e construção do self. Para Burkitt (2008, p. 163), chegamos a uma situação de saturação social, que tem como uma de suas principais características o espectro de mídias a que estamos expostos, transmitindo-nos uma babel de diferentes conhecimentos, culturas, religiões, visões de mundo, ideias, valores, estilos de vida e pessoas. Partindo do pressuposto de que a construção do self é um processo relacional e interacional, a exposição do homem a esse intenso fluxo de conteúdos, composto também de fartas doses de símbolos e modelos identitários, contribuiria para a constituição de um self múltiplo, fragmentado e, até mesmo, inconsistente. Paradoxalente, a despeito de toda a liberdade conquistada em relação a tradições, posições sociais e trajetória biográfica, a atuação nas TPSs demanda aos indivíduos a manutenção de uma narrativa contínua de auto-identidade (Ibid., p. 171). A noção de um self moldável, fluido e/ou negociável nos conduz a duas correntes de pensamento basilares para o presente estudo: a abordagem dramatúrgica (Goffman) e o interacionismo simbólico (Mead). Segundo Goffman (2002, p. 231), nos estabelecimentos sociais 5, que aqui associamos aos sites de redes sociais, o self é como um personagem representado ou um efeito dramático, que surge diretamente de uma cena apresentada, e a questão característica, o interesse primordial, está em saber se será acreditado ou desacreditado. Dessa premissa, surgem os conceitos de papel, auto-representação e gerenciamento de impressão. 5 Um estabelecimento social é qualquer lugar limitado por barreiras estabelecidas à percepção, no qual se realiza regularmente uma forma particular de atividade. (GOFFMAN, 2002, p. 218).

5 Também oriundo da psicologia social de orientação sociológica, o interacionismo simbólico segue a ideia de que personalidade e estrutura social são fatores interdependentes. De acordo com Simon (2004, p. 22), o interacionismo simbólico foi moldado por George Hebert Mead (1934/1993) através dos seus conceitos inter-relacionados de mente, self e sociedade. Para Mead (apud Simon, 2004, p. 21), a mente é, portanto, um produto de ações sociais simbólicas mediadas pela linguagem, assim como o self, que se desenvolve da mesma forma. Mais especificamente, o self é um resultado da atividade reflexiva e cognitiva do desempenho de papéis durante atividades sociais cooperativas. Todos estes conceitos ganham novo fôlego como arsenal interpretativo para as novas dinâmicas de interação social nos ambientes digitais, espaços onde as tecnologias representacionais oferecem condições inéditas para o jogo de papéis e performances sociais. 3 A RELAÇÃO ENTRE SELF E CONSUMO A ideia de saturação social permeia a realidade do homem moderno desde a era das mídias de massa e se intensifica com a expansão das mídias digitais emergentes. Para Burkitt (2008, p. 163), hoje somos surpreendidos por um clamor de diferentes vozes, falando de diferentes ideias e valores, e representando diferentes estilos de vida muitas vezes distantes da nossa realidade imediata. Essa multitude de vozes, discursos e símbolos habita o pensamento e imaginário contemporâneo de forma indelével. Eu quero ser um Cristão ou um Budista, um socialista ou um conservador, um compositor ou um cantor, loira ou morena, vestir-me como George Clooney ou Brad Pitt?, provoca Burkitt (Ibid., p. 164). A publicidade permeia esse fluxo de forma pervasiva e ainda sustenta economicamente a produção da maior parte desse conteúdo. Para Adorno (2002, p. 66), referindo-se à indústria cultural, a publicidade é o seu elixir da vida. [...] Ela reforça o vínculo que liga os consumidores às grandes firmas. McCracken (2012, p. 116) explica que a publicidade opera exatamente na transferência de significados do mundo culturalmente constituído para os bens de consumo. Para o mesmo autor, o processo se completa na recepção. Nesse caso, o movimento dos significados dos bens de consumo para o consumidor individual é alcançado por meio de esforços do consumidor. Assim o significado circula pela sociedade de consumo.

6 O processo exemplificado por McCracken, porém, vai de encontro à ideia de consumidores passivos ou vitimados pelo assédio da publicidade. Pelo contrário, eles estão empenhados no processo de forma ativa, utilizando estes significados para a construção de suas próprias identidades. Ainda segundo McCracken (Ibid., p. 122), o mundo material dos bens de consumo oferece um inventário vasto de personalidades possíveis e mundos imagináveis. Os consumidores estão sempre nessa procura. A publicidade é perspicaz em captar anseios coletivos e devolvê-los em forma de micronarrativas e modelos de comportamentos esquemáticos. Torna-se, portanto, fonte dos significados mais simples, imediatos e prontos para o uso. Os consumidores buscam algo para usar na construção do self, da família, da comunidade. Não procuram significados com S maiúsculo ou a noção existencial do termo. Buscam pequenos significados, conceitos do que é ser homem ou mulher, conceitos do que é ser de meia-idade, conceitos do que é ser pai, conceitos do que é ser criança e o que uma criança está se tornando, conceitos do que é ser membro da comunidade e do país. Esses são os projetos que nos preocupam numa base contínua. Essas são nossas preocupações num tempo e espaço que tem dado ao indivíduo liberdade para a definição do self. (McCRACKEN, 2012, p. 177). Essa perspectiva parece mais adequada para a compreensão da relação entre marcas e consumidores contemporâneos. Conscientes e até mesmo cínicos em relação à linguagem persuasiva publicitária, eles aderem ao jogo de acordo com suas conveniências. A publicidade, por sua vez, empenha-se em oferecer cada vez mais conteúdo simbólico para seu bel-prazer, ocultando o quanto possível o caráter promocional em matérias informativas ou de entretenimento. 4 A DIMENSÃO ESPIRITUAL DAS MARCAS Como potenciais geradores de símbolos, as marcas têm evoluído historicamente para uma existência cada vez mais transcendente dos produtos que representam. Em sua obra Sem logo: a tirania das marcas em um planeta vendido, a canadense Naomi Klein elabora um manifesto contra o crescente poder corporativo em todas as esferas sociais, simbolizado por logomarcas estrategicamente arquitetadas para obter uma dimensão mais que comercial: humana. A tarefa central das grandes corporações desloca-se cada vez mais da produção de bens, para a gestão dessas entidades simbólicas, num esforço multidisciplinar conhecido

7 internacionalmente na literatura do marketing como branding. Para Klein (2005), as grandes marcas atuais ultrapassam o caráter simbólico de outrora e atingem uma dimensão espiritual. Segundo o velho paradigma, tudo o que o marketing vendia era um produto. De acordo com o novo modelo, contudo, o produto é sempre secundário ao verdadeiro produto, a marca, e a venda de uma marca adquire um componente adicional que só pode ser descrito como espiritual. A publicidade trata de apregoar o produto. O branding, em suas encarnações mais autênticas e avançadas, trata da transcendência corporativa. (KLEIN, 2005, p. 27). De acordo com essa lógica, o marketing passa a inventar persistentemente novas formas de contato e relacionamento entre as marcas e as pessoas. Kevin Roberts, CEO da agência de publicidade Saatchi & Saatchi, é o autor de Lovemarks: o futuro além das marcas. Uma cartilha voltada para profissionais do setor, onde enumera uma série de estratégias com o objetivo de estabelecer conexões afetivas entre marcas e consumidores, que [sic] ultrapassem os limites da razão. Entre as lições está o que ele chama de toque humano, que consiste basicamente em envolver os consumidores através dos cinco sentidos. Já em perto de você, Roberts recomenda a criação de laços de intimidade entre marcas e consumidores. Todas as lições apontam para o desenvolvimento de uma dimensão humana das marcas e o estabelecimento de relações afetivas e sensualistas entre elas e os seres humanos. Poderia essa dimensão humana ou espiritual ser comparada à personalidade humana como parece propor o título deste estudo? Certamente trata-se muito mais de uma provocação do que uma constatação, como o próprio termo dimensão espiritual cunhado por Klein. Para McCracken (2012, p. 197), não está claro, de fato, que o consumidor pensa as marcas como uma personalidade ou pessoa cujos significados são tomados de empréstimo [como nos casos de endosso por celebridades]. As marcas são mais como conjuntos ou, usando a metáfora do momento, baldes de significado, agregações mais que associações. De um lado, marcas como a própria Skol, se autodefinem em seus manuais de branding através de personas imaginárias, que funcionam como guias para linguagem e atitudes de suas interações com os consumidores. De outro, a atuação dos indivíduos nos sites de redes sociais se aproxima cada vez mais do processo de construção de marcas. Como revela Cavanagh (2007, p. 23),

8 para obter audiência, indivíduos devem de alguma forma se envolver ou se orientar de acordo com estratégias de marketing para seus próprios sites [no presente caso, seus perfis], e a identidade é um princípio fundamental nesse processo. Para atrair audiência ou se tornar o núcleo de uma comunidade, o self que apresentamos on-line deve ser inteligível para essa audiência, e isto requer certa coerência. Em essência, para alcançar a visibilidade on-line, devemos nos organizar como uma marca facilmente reconhecível. É dessa imprecisão de fronteiras, que tende a se intensificar com o desenvolvimento das TPSs, que tratamos aqui. E a expressão self marcário, proposta no título, deve ser interpretada mais como um sinal desses construtos cada vez mais humanos adotados por certas marcas, do que como um conceito formal de personalidade. Desde o advento das tecnologias de participação social, a internet se tornou o éden para o desenvolvimento dessa dimensão humana ou espiritual das marcas. Através de perfis nos sites de redes sociais, elas estabelecem interações cada vez mais personalizadas com indivíduos, impensáveis na era da comunicação de massa. No caso estudado, essas interações obtém a forma de microdiálogos, comentados e compartilhados no Facebook. Hoje, as mídias sociais são laboratórios prolíficos onde a publicidade experimenta uma série de estratégias, que povoam de novos termos o glossário do marketing on-line: advertainment, advergame, viral, branded content, appvertising, search mkt, entre uma infinidade de outros. O TNS Digital Life 6, estudo mundial sobre comportamento on-line, revela que blocos emergentes como América do Sul, África e Ásia são os mais abertos ao contato com marcas nos ambientes digitais. No Brasil, 40% da população on-line pesquisa por marcas e produtos na internet. Além disso, o brasileiro possui uma das mais altas taxas de relacionamento em redes sociais digitais. Tudo isso aponta para uma utilização cada vez maior pelas marcas das tecnologias de participação social, em práticas interativas que as aproximam e as assemelham cada vez mais aos indivíduos. O BrandZ Latin America Report traz dados reveladores sobre a relação dos brasileiros com a internet, as mídias sociais e as marcas. Entre eles, destacamos: a) A internet já é o segundo meio de comunicação mais significante do país, após a TV, e o mais influente em termos de compras; b) Os brasileiros são ávidos consumidores de mídias sociais, com 86 por cento dos usuários de internet acessando regularmente sites de redes sociais; c) Os 6 Pesquisa global sobre comportamento e atitude on-line. Disponível em: <http://tnsdigitallife.com/view/socialbrands/talk/both/all/interested>. Acesso em 14 abril Disponível em: <http://www.wpp.com/~/media/sharedwpp/vbf/brandz/brandz-latam-2012_sep12.pdf>. Acesso em: 04 abril 2013.

9 brasileiros têm a média de 481 amigos em mídias sociais, uma das maiores do mundo; d) Os brasileiros possuem uma alta taxa de lealdade às marcas: 65% dos entrevistados consideramse leais a seus produtos favoritos. Os dados explicam por si só a acirrada disputa pela atenção dos consumidores nos sites de redes sociais. Porém para atuar nesse ambiente, as marcas necessitam estabelecer interações sociais que em muito diferem das suas atuações nas mídias de massa. E o estudo da presença on-line da Skol no Facebook nos ajuda a compreender a natureza desse fenômeno. 5 SKOL NO FACEBOOK: CONSTRUINDO UM SELF MARCÁRIO O atual posicionamento da marca Skol é fruto de uma parceria de 17 anos entre a AMBEV 8 e a agência F/Nazca, que em 1996 criou o slogan a cerveja que desce redondo. Por trás dessa premissa verbal, arquitetava-se uma estratégia de reposicionamento que aproximaria o produto de um público mais jovem e que alçaria a marca à atual posição de oitava mais valiosa da América Latina 9. No núcleo central de toda a estratégia mercadológica, está uma série de diretrizes que conduzem todas as ações de branding a partir de um perfil humano, que se aproxima de um jovem na casa dos vinte, festeiro e amigo da galera (Langsdorff, 2012). Para gerir o branding da Skol, a AMBEV segue assumidamente a cartilha proposta pelo publicitário inglês Kevin Roberts em Lovemarks, obra supracitada 10. Para alcançar o elo afetivo com os consumidores, a relação com a marca é expandida através de recursos que vão desde eventos temáticos, como o Skol Beats e o Skol Sensations 11, até a interação nas mídias sociais, sendo este último o foco deste estudo. A fanpage da Skol mantém uma produção diária de três postagens, que trazem sempre uma combinação entre texto e imagem em forma de microatualizações ou micro updates. Para Barash et ali (2010, p. 01), os micro updates são um fenômeno mais recente, através do qual os usuários do Facebook publicam atualizações de status frequentes, que oferecem a 8 Companhia de Bebidas das Américas, empresa de capital aberto, detentora da marca Skol. <http://www.ambev.com.br/pt-br/a-ambev/institucional/a-ambev>. 9 Fonte: BrandZ Latin America Report Em sua metodologia, o ranking organizado em conjunto pela empresa brasileira BrandAnalytics e a Millward Brown Optimor, avalia além dos dados financeiros, a percepção das marcas pelos consumidores. Disponível em: <http://www.wpp.com/~/media/sharedwpp/vbf/brandz/brandz-latam-2012_sep12.pdf>. Acesso em: 04 abril Conforme matéria divulgada no Portal de Branding, da empresa BrandAnalytics. Disponível em: <http://portaldebranding.com/v1/?p=9550>. Acesso em: 18 abril Festivais de música eletrônica tematizados em torno da marca.

10 oportunidade de entender como as pessoas gerenciam impressões como uma atividade secundária enquanto se comunicam com outras. Os mesmos autores relacionam essa atividade com o conceito de performance (Goffman). Através dessa ótica, os updates dariam ao público a chance de formar uma impressão do updater, seja essa impressão intencional ou não. (Barash, 2010, loc. cit.). Em se tratando de um perfil comercial, é evidente que o gerenciamento de impressão torna-se um objetivo intencional e estrategicamente elaborado nas atividades de auto-apresentação. As microatualizaçoes da Skol reforçam a identidade da marca, apresentando quase sempre mensagens de estímulo ao estilo de vida de festa, diversão e entretenimento, apresentando o produto visualmente como o elemento catalisador dos anseios do seu público. Uma postagem do dia 11 de abril, por exemplo, traz a imagem de um calendário de mesa com a seguinte mensagem escrita à mão: Não deixo pra sexta a balada que pode rolar na quinta à noite. A composição visual é devidamente arrematada com o símbolo da marca. Na postagem de 9 de abril, vemos um balão amarelo com a mensagem: Queria juntar os papéis para o imposto de renda. Acabei juntando a galera. A indefectível presença do símbolo visual conduz à conclusão de que a galera se reuniu em torno do produto. A figura 1 apresenta uma coletânea dessas atualizações que, via de regra, enaltecem aquilo que é chamado nas campanhas publicitárias de o lado redondo da vida. E que pode ser traduzido pelo trinômio: diversão, amigos e cerveja. E que por dedução se opõe a um lado quadrado, associado ao trabalho, escritório e atividades cotidianas. Voltando o olhar para a recepção, podemos identificar uma taxa de engajamento relativamente baixa quando comparamos o número de reações com o universo de mais de 10 milhões de seguidores da fanpage. Mas ainda assim é uma produção expressiva e muito rica para os pontos que aqui abordamos. O engajamento na fanpage da Skol acontece basicamente de duas formas: comentários nas atualizações da marca ou embutidos em compartilhamentos dessas atualizações com outros usuários. A supracitada postagem do dia 11 obteve curtidas, 162 comentários e compartilhamentos. O usuário E.S. compartilhou a postagem no seu mural, acrescentando a mensagem Claroooo :P 12. V.D. adicionou um sarcástico hehe. Os comentários na própria postagem seguem a linha de confirmação, ênfase ou acordo com a mensagem. T.A.S. expõe sua programação publicamente: 12 Por uma questão de privacidade, todos os nomes foram abreviados pelas iniciais. As mensagens foram copiadas de forma integral, incluindo eventuais erros gramaticais e/ou ortográficos.

11 Cerveginha com F. L. e D.! J.P.B. endossa a mensagem e enaltece a marca: quinta feira so em casa de boa tomando uma skol geladaaaaaaaaaa. Na postagem sobre o imposto de renda, M.L. comenta: bebeu todas e acabou fazendo fogueira com os papéis kkkkkkkkk. E V.F.C. acrescenta: Quando tem skol a galera se reune em peso. C.L. compartilha a postagem, revelando que também deixou os papéis do imposto para depois da cerveja: Eu também,!!!!!!!!. E K.M. aproveita para publicar que está na casa da mamae tomando uma gelada na companhia de L., M., K. e F. FIGURA 1 Amostra das microatualizações da fanpage da Skol no Facebook Fonte: <https://www.facebook.com/skol>. Acesso em: 04 abr Esse é o clima dominante nas interações sociais geradas em torno da presença da marca. Um clima de consenso e afinidade, em torno de assuntos associados à folga, lazer e diversão com amigos. Praticamente não há diálogos mais consistentes ou dissonantes. Muito menos protestos e reclamações contra a marca como é comum em fanpages de prestadoras de serviços, como operadoras telefônicas. A marca consegue ser o epicentro de uma reunião de seguidores que parecem comungar dos mesmos valores por ela apregoados e compartilham suas postagens como uma reverberação das próprias ideias e opiniões. Em muitas dessas

12 reações, o nome Skol é metonímia para a palavra cerveja. E a bebida é apresentada como condição sine qua non para momentos de relaxamento e diversão. 6 ASPECTOS DAS RELAÇÕES ENTRE MARCAS E INDIVÍDUOS No contexto dos ambientes digitais, em particular das tecnologias de participação social, marcas apresentam uma dimensão humana e pessoas se autopublicam como marcas. Indivíduos e marcas compartilham dessa forma uma série de características em comum: constroem uma identidade on-line, lutam por uma audiência e sustentam um fluxo de conteúdo para mantê-la e ampliá-la. Do estudo de caso aqui empreendido pudemos constatar que existe um mutualismo no compartilhamento desses ambientes por ambas as partes. Os conteúdos de marca usam aspectos do comportamento humano para produzir materiais publicitários dotados de forte carga simbólica e estética. Os indivíduos por sua vez, utilizam esse material simbólico como matéria-prima para sua auto-apresentação on-line, completando uma cadeia representada na figura 2. FIGURA 2 - Representação visual da interação simbólica entre marcas e indivíduos Todo o processo se baseia na construção de um self on-line dotado de certa dose de coerência. Além de enfatizar a diluição das fronteiras entre práticas publicitárias e pessoais,

13 Cavanagh (2007) sustenta a ideia de que o self on-line, apesar de construído sobre fragmentos de informação, possui um arcabouço coerente, baseado na construção de uma identidade reconhecível pela audiência, condição essencial para o estabelecimento de relações interacionais. Opinião comungada por Ribeiro e Silva (2013, p. 440), que descrevem o technoself ou self mediado pelo uso de recursos tecnológicos de última geração e pelos ambientes digitais, como uma constituição fluida e contextual, cujas expressões sociais são monitoradas com o objetivo de mostrar um conjunto relativamente estável de percepções sobre si mesmo. Ao estabelecer sua abordagem dramatúrgica para compreender a dinâmica das interações em um estabelecimento social, Goffman apresentou o conceito de gerenciamento de impressão como um esforço calculado de um indivíduo na busca de forjar uma personagem ou uma auto-representação: Em lugar de permitir que surja uma impressão sobre sua atividade como um subproduto incidental da própria atividade, [os indivíduos] podem reorientar seu quadro de referência e devotar seus esforços à criação das impressões desejadas. (Goffman, 2002, p. 229). Em seu estudo empírico sobre a produção de microupdates no Facebook, Barash et ali (2010, p. 01) operacionalizam o conceito de Goffman: Usando um enquadramento inspirado por Goffman (1959) podemos interpretar cada um desses updates como uma performance que dá à audiência (i.e. amigos) a chance de formar uma impressão do updater, seja essa impressão intencional ou não. As microatualizações da Skol revelam, portanto, o mecanismo de construção de um self marcário dotado de coerência, características humanas e identidade bem definida. Ao serem compartilhadas por indivíduos, tornam-se parte da atividade dramatizada, que é a construção dos seus próprios selves. Essa troca pode ser interpretada de forma muito adequada pela perspectiva do interacionismo simbólico, que parte do pressuposto que os símbolos são ferramentas fundamentais para a mediação das interações humanas. Para os interacionistas simbólicos, gestos, atitudes ou ações humanas tornam-se símbolos quando são compreendidas da mesma forma pelos indivíduos envolvidos na interação. (Simon, 2004, p. 21). No caso aqui estudado, o compartilhamento das microatualizações também pode ser interpretado pelo princípio das relações simétricas (Barnes, 2003, p. 144), ou seja, baseadas na similaridade e numa interpretação consensual dos símbolos. Jenkins (2004, p. 132) ressalta o papel da similaridade da formação de uma identidade coletiva:

14 Identificação de grupo, por definição, pressupõe que os membros se veem de forma minimamente similar. Mesmo a categorização parte do pressuposto que aqueles que são categorizados têm um critério de identificação em comum. Coletividade significa ter algo em comum, seja real ou imaginado, trivial ou relevante, forte ou fraco. Sem algum tipo de similaridade não pode haver coletividade. A simetria não é o único padrão existente para as relações interpessoais. Barnes (2003, loc. cit.) aponta ainda as relações complementares, baseadas nas diferenças, e as paralelas, baseadas numa dinâmica dialética entre acordo e desacordo. Mas no ambiente interacional da Skol e seus seguidores, o consenso em torno da diversão quase nunca é rompido, estabelecendo-se aí um ciclo de afirmação e reafirmação das mensagens entre os interatores. A comunidade formada em torno da Skol é, certamente, um ponto particular no universo das interações simbólicas potencializadas pelas TPSs. Os esforços aqui empreendidos cumprem, portanto, não a função de oferecer uma visão panorâmica sobre o assunto, mas um olhar sobre um caso particular, a partir do qual os conceitos podem ser operacionalizados e melhor assimilados e compreendidos. 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS À guisa de ressaltar a linha condutora entre todos os conceitos aqui coordenados, fazemos mais um esforço reflexivo em torno do objeto principal do nosso estudo: a publicidade. Dentro de uma perspectiva mais crítica, ela tem sido vista muitas vezes como a causa da fragmentação e inconsistência do self contemporâneo. Segundo Salecl (2005, p. 15), hoje, o verdadeiro eu é cada vez mais autoconstruído e, mais do que isso, é um projeto individual [...] e a ênfase não está na determinação social, mas no projeto de autofabricação. A questão é que esse projeto vem sendo construído sobre material simbólico com propósitos comerciais, mais notadamente os conteúdos publicitários. Para Bauman (2008, p. 144), o peso da construção e desconstrução da identidade é aliviado pela aquisição de modelos identitários prontos e fornecidos pelo mercado: Por que se acomodar com aquilo que já terminamos de construir, se novos kits automontáveis prometem excitações nunca antes experimentadas e quem sabe? a abertura de portas que levam a delícias nunca antes usufruídas?. Acreditamos, porém, que as razões desse suposto esvaziamento do self situam-se anteriormente às questões de consumo e exposição à publicidade. Afinal, a relação entre

15 identidade, self e posse de bens é tão antiga quanto a própria humanidade. Para McCracken (2012, p. 180), os bens de consumo, carregados de significados culturais, servem como acessórios dramáticos e fontes de significados. Abastecem ideias de gênero, classe, idade e estilo de vida para os indivíduos e os ajudam a tornar essas ideias realidades tangíveis. O problema é que, na falta das referências sólidas de outrora, as pessoas encontram nas imagens arquitetadas para a sedução dos sentidos, incluindo aí a publicidade, uma dose de material simbólico ineditamente farta e disponível. E terminam fazendo disso a principal matériaprima da construção de suas identidades. Destacamos, no entanto, que a observação aqui empreendida revela muito mais um mutualismo nessa relação do que uma suposta imposição pelos conteúdos publicitários dos valores neles embutidos. Ainda mais, em se tratando de um ambiente em que a adesão e engajamento às fanpages são voluntários e não compulsórios como nas mídias de massa. Sempre compostos de fragmentos elementares de discursos e valores, os conteúdos publicitários oferecem encaixes perfeitos para os selves mais fragmentados e sedentos de um mínimo de estabilidade e coerência para sustentar suas auto-apresentações on-line. Mas não devemos nos enganar: o processo ocorre pela vontade própria dos indivíduos. A oferta de conteúdos torna-se praticamente ilimitada, porém o poder de escolha do consumidor cresce na mesma proporção. Se os conteúdos publicitários são cada vez mais usados como matériaprima para o tecido de suas identidades, existe aí uma questão. E acreditamos que atribuí-la de forma direta à publicidade e às relações de consumo é uma forma esquemática de tratar a consequência como a causa do problema. Referências ADORNO, Theodor. Indústria cultural e sociedade. São Paulo: Paz e Terra, AUGUSTO, Regina. Uma vitoriosa relação de 17 anos: parceria entre Skol e F/Nazca é uma das mais bem sucedidas do mercado. Meio & Mensagem, abril Disponível em: <http://www.meioemensagem.com.br/home/meio_e_mensagem/blog_regina_augusto/2013/04/25/um a-vitoriosa-relacao-de-17-anos.html>. Acesso em: 04 abril BARASH, Vladimir et ali. Faceplant: impression (mis)management in Facebook status update. In: Association for the Advancement of Artificial Intelligence. Maio Disponível em: < Acesso: 03 abril BARNES, Susan B. Computer-mediated communication. Human to human communication across the internet. Boston: Allyn & Bacon, 2003.

16 BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadorias. Rio de Janeiro: Zahar, BRANDS as friends: how open are people to brands on social networks? TNS Digital Life. Disponível em: < Acesso em: 12 abril BRANDZ: Top 50 most valuable latin american brands WPP. Disponível em: <http://www.wpp.com/~/media/sharedwpp/vbf/brandz/brandz-latam-2012_sep12.pdf>. Acesso em: 04 abril BURKITT, Ian. Social selves: theories of self and society. London: Sage, CAVANAGH, Allison. Sociology in the age of internet. McGraw Hill, CHAKA, Chaka. From CMC technologies to social participation technologies. In: TAIWO, Rotimi. Handbook of Research on Discourse Behavior and Digital Communication: Language Structures and Social Interaction. IGI Global, P GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes, JENKINS, Richard. Social identity. New York: Routledge, KLEIN, Naomi. Sem logo: a tirania das marcas em um planeta vendido. Rio de Janeiro: Record, LANGSDORFF, Janaina. Skol busca jovens de espírito. Meio & Mensagem, junho Disponível em: <http://www.meioemensagem.com.br/home/marketing/noticias/2012/06/25/skol-busca-jovens-deespirito.html>. Acesso em: 04 abril MANZONI JR., Ralph; VALIM, Carlos Eduardo. A Skol é a nova número 1. Portal de Branding, abril Disponível em <http://portaldebranding.com/v1/?p=9550>. Acesso em: 18 abril McCRACKEN, Grant. Cultura e consumo II: mercados, significados e gerenciamento de marcas. Rio de Janeiro: Mauad, RIBEIRO, José C.; SILVA, Tarcízio. Self, Self-Presentation, and the Use of Social Applications in Digital Environments. In LUPPICINI, Rocci (ed.). Handbook of Research on Technoself: Identity in a Technological Society. Hershey: Information Science Reference, P ROBERTS, Kevin. Lovemarks: o futuro além das marcas. São Paulo: M. Books, SALECL, Renata. Sobre a felicidade: ansiedade e consumo na era do hipercapitalismo. São Paulo: Alameda SCHLENKER, Barry. R. Self-presentation. In M. R. Leary and J. P. Tangney (Eds.), Handbook of self and identity. New York: Guilford, P SIMON, Bernd. Identity in modern society: a social psychological perspective. Oxford: Blackwell, 2004.

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail...

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... FACEBOOK Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... 8 Características do Facebook... 10 Postagens... 11

Leia mais

Branding e Estratégia de Marca. Prof. Msc. Cárbio Almeida Waqued

Branding e Estratégia de Marca. Prof. Msc. Cárbio Almeida Waqued Branding e Estratégia de Marca Prof. Msc. Cárbio Almeida Waqued BRANDING TERAPIA DAS MARCAS Eu até queria falar de Marca com eles, mas eles só falam de comunicação... Comentário real de um CEO, sobre uma

Leia mais

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes 1. Perguntas e Respostas para Todos os Públicos: 1.1. O que é posicionamento de marca e por que está sendo

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

E-books. Guia completo de como criar uma Página no Facebook. Sebrae

E-books. Guia completo de como criar uma Página no Facebook. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Guia completo de como criar uma Página no Facebook Como começar Criando uma Página Conhecendo a Página Configurações iniciais Estabelecendo conversas Autor Felipe Orsoli

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

"O valor emocional das marcas."

O valor emocional das marcas. DOMINGO, FEVEREIRO 24, 2008 "O valor emocional das marcas." Por Thales Brandão Atualmente as empresas estão buscando cada vez mais gerir suas marcas com conjunto de valores completamente diferentes dos

Leia mais

Relatório de Consumo de Conteúdo Profissional 2014

Relatório de Consumo de Conteúdo Profissional 2014 Relatório de Consumo de Conteúdo Profissional 2014 A ascensão dos Revolucionários de Conteúdo: uma análise minuciosa sobre os principais usuários que consomem conteúdo no LinkedIn e como os profissionais

Leia mais

Resenha. Fernanda Gabriela Gadelha ROMERO 1

Resenha. Fernanda Gabriela Gadelha ROMERO 1 Resenha As redes sociais na internet: instrumentos de colaboração e de produção de conhecimento (Redes Sociais na Internet. Raquel Recuero. Porto Alegre: Sulina, 2009) Fernanda Gabriela Gadelha ROMERO

Leia mais

Criando presença com as páginas do Facebook

Criando presença com as páginas do Facebook Páginas do 1 Criando presença com as páginas do Sua Página Todos os dias, milhões de pessoas em todo o mundo acessam o para se conectar com amigos e compartilhar coisas que gostam. Este guia foi desenvolvido

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

gestão, inovação e liderança com atitude

gestão, inovação e liderança com atitude gestão, inovação e liderança com atitude perfil Lígia Fascioni é Engenheira Eletricista, Mestre em Engenharia Elétrica na área de Automação e Controle Industrial, Especialista em Marketing e Doutora em

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

KIT ONLINE PARA SEU SALÃO DE BELEZA Como criar um blog de sucesso para seu salão de beleza e triunfar nas redes sociais

KIT ONLINE PARA SEU SALÃO DE BELEZA Como criar um blog de sucesso para seu salão de beleza e triunfar nas redes sociais KIT ONLINE PARA SEU SALÃO DE BELEZA Como criar um blog de sucesso para seu salão de beleza e triunfar nas redes sociais INTRODUÇÃO Em plena era 2.0 é imprescindível que as empresas estejam presentes na

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

BUILDING BRANDS TRANS FORMING BUSINESS. copyright

BUILDING BRANDS TRANS FORMING BUSINESS. copyright BUILDING BRANDS TRANS FORMING BUSINESS copyright QUEM SOMOS? 30 anos de mercado Metodologia proprietária 02 parceiros internacionais Abordagem integrada 04 unidades de negócio Equipe multidisciplinar 150

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing 26 3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing O surgimento das mídias sociais está intimamente ligado ao fenômeno da geração de conteúdo pelo usuário e ao crescimento das redes sociais virtuais

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

MOBILE MARKETING. Prof. Fabiano Lobo

MOBILE MARKETING. Prof. Fabiano Lobo MOBILE MARKETING Prof. Fabiano Lobo - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com

www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com 7 DICAS IMPERDÍVEIS QUE TODO COACH DEVE SABER PARA CONQUISTAR MAIS CLIENTES www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com As 7 dicas imperdíveis 1 2 3 Identificando seu público Abordagem adequada

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso.

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso. RESUMO Email Marketing: Pós-Graduação em Arquitetura Contemporânea 1 Silvia Fernanda Santos de SENA 2 Thiago Jerohan Albuquerque da Cruz 3 Fernando Israel FONTANELLA 4 Universidade Católica de Pernambuco,

Leia mais

Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3

Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3 ESCRITO POR David Mogensen PUBLICADO EM Dezembr o 2013 Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3 RESUMO Em um período em que os profissionais de marketing acham que seu trabalho mudou mais em dois anos

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

AVISO LEGAL. Copyright 2016 Luis Passos http://luispassos.com.br. http://luispassos.com.br

AVISO LEGAL. Copyright 2016 Luis Passos http://luispassos.com.br. http://luispassos.com.br AVISO LEGAL Todo esforço foi feito para que este e-book fosse disponibilizado da forma mais correta, inteligível, clara e didática possível, no entanto, apesar de todo empenho nesse sentido, ainda podem

Leia mais

g r u p O p o n t o i n i c i a l d a c o m u n i c a ç ã o.

g r u p O p o n t o i n i c i a l d a c o m u n i c a ç ã o. g r u p O p o n t o i n i c i a l d a c o m u n i c a ç ã o. GRUPO ZERO No mercado publicitário desde 2000, o Grupo Zero tem forte atuação no Paraná, São Paulo e Santa Catarina. Durante todos esses anos

Leia mais

Você pode enviar vídeo.

Você pode enviar vídeo. Embora centenas de milhões de pessoas visitem redes sociais diariamente, e a mídia social venha a tornarse uma palavra chave de negócios, o e-mail continua a ser o meio mais utilizado para nos comunicamos

Leia mais

Crescimento significativo da população em idade economicamente ativa.

Crescimento significativo da população em idade economicamente ativa. O Brasil hoje é palco de um dos mais impressionantes fenômenos de empreendedorismo em todo o mundo. Esse movimento é reflexo de uma série de transformações demográficas e socioeconômicas que propiciam

Leia mais

TAM: o espírito de servir no SAC 2.0

TAM: o espírito de servir no SAC 2.0 TAM: o espírito de servir no SAC 2.0 Os primeiros passos do SAC 2.0 da TAM A trajetória da TAM sempre foi guiada pela disponibilidade de servir seus clientes; nas redes sociais, essa filosofia não poderia

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Redes Sociais as quais os acadêmicos do curso de Direito da Universidade Luterana do Brasil campus Guaíba possuem

Redes Sociais as quais os acadêmicos do curso de Direito da Universidade Luterana do Brasil campus Guaíba possuem 196 Redes Sociais as quais os acadêmicos do curso de Direito da Universidade Luterana do Brasil campus Guaíba possuem Blume Pfleger * Elizabete Pereira *Jéssica Lunardelli *Junia Silva * Susane da Silva

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Jornalismo Interativo

Jornalismo Interativo Jornalismo Interativo Antes da invenção da WWW, a rede era utilizada para divulgação de informações direcionados a públicos muito específicos e funcionavam através da distribuição de e-mails e boletins.

Leia mais

Mídias Sociais: Conhecendo, aplicando e monitorando. Entenda como você pode trabalhar e monitorar mídias sociais, com foco no Twitter e Facebook.

Mídias Sociais: Conhecendo, aplicando e monitorando. Entenda como você pode trabalhar e monitorar mídias sociais, com foco no Twitter e Facebook. 1 Mídias Sociais: Conhecendo, aplicando e monitorando. Entenda como você pode trabalhar e monitorar mídias sociais, com foco no Twitter e Facebook. O que você vai encontrar neste ebook: Por que eu preciso

Leia mais

Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais

Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais A campanha do prefeito de Duque de Caxias Alexandre Aguiar Cardoso, natural de Duque de Caxias, cidade da região metropolitana do Rio de Janeiro,

Leia mais

A compra de TI e as redes sociais

A compra de TI e as redes sociais Solicitada por A compra de TI e as redes sociais Como as redes sociais transformaram o processo de compras B2B e as melhores práticas para adaptar as suas estratégias de marketing à nova realidade BRASIL

Leia mais

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas edição 04 Guia do inbound marketing Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Há um tempo atrás o departamento de marketing era conhecido

Leia mais

Consumidor convergente

Consumidor convergente Conectividade Consumidor convergente O cenário está montado: Internet, novas tecnologias, convergência das mídias. A conectividade cada vez maior leva os usuários a um patamar de participação nunca antes

Leia mais

Redes sociais x mídias sociais

Redes sociais x mídias sociais INTRODUÇÃO Esse workshop tem como objetivo de organizar o uso das redes sociais no Santuário Nacional e Rede Aparecida, de forma a facilitar o trabalho de monitoramento e de produção de conteúdo para as

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2B

Mídias sociais como apoio aos negócios B2B Mídias sociais como apoio aos negócios B2B A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Design 2011-1 DESENVOLVENDO A IDENTIDADE VISUAL DE UMA POUSADA EM CONSERVATÓRIA Alunos: OLIVEIRA,

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

Artigo: Um olhar feminino na Internet

Artigo: Um olhar feminino na Internet Artigo: Um olhar feminino na Internet Por Tatiane Pocai Dellapiazza - aluna do primeiro ano do Curso de Comunicação Social - Centro UNISAL - Americana. Introdução: O Brasil chega perto de comemorar seu

Leia mais

www.intermidiabrasil.com.br Apresentação Presença Digital

www.intermidiabrasil.com.br Apresentação Presença Digital Apresentação Presença Digital 2012 ÍNDICE 1. GESTÃO MÍDIAS SOCIAIS... 03 2. ESTRATÉGIAS COMPLEMENTARES... 04 3. PERSONALIZAÇÃO... 05 4. CASES... 06 5. SOBRE A INTERMIDIA BRASIL... 13 6. CLIENTES... 14

Leia mais

E SE VOCÊ PUDESSE EXTRAIR INTELIGÊNCIA DO CONTEÚDO PRODUZIDO SOBRE SUA MARCA OU PRODUTO NAS MÍDIAS SOCIAIS?

E SE VOCÊ PUDESSE EXTRAIR INTELIGÊNCIA DO CONTEÚDO PRODUZIDO SOBRE SUA MARCA OU PRODUTO NAS MÍDIAS SOCIAIS? E SE VOCÊ PUDESSE EXTRAIR INTELIGÊNCIA DO CONTEÚDO PRODUZIDO SOBRE SUA MARCA OU PRODUTO NAS MÍDIAS SOCIAIS? COM SOCIAL MEDIA RESEARCH VOCÊ PODE UMA NOVA METODOLOGIA QUE PARTE DO CRUZAMENTO ENTRE AS MELHORES

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI)

CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº xx, de XX de XXXXXXX de 2011.

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil Samira NOGUEIRA 2 Márcio Carneiro dos SANTOS 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA

Leia mais

Manual de Publicaça o no Blog da Aça o TRIBOS nas Trilhas da Cidadania

Manual de Publicaça o no Blog da Aça o TRIBOS nas Trilhas da Cidadania Manual de Publicaça o no Blog da Aça o TRIBOS nas Trilhas da Cidadania Sumário Objetivos do Blog... 2 Log-in... 3 Esqueci minha senha... 4 Utilizando o Blog... 5 Encontrando seu Blog... 5 Conhecendo o

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Bem-vindo ao Mídia Kit do História-Erótica! Neste arquivo é possível obter informações úteis e precisas sobre um dos

Bem-vindo ao Mídia Kit do História-Erótica! Neste arquivo é possível obter informações úteis e precisas sobre um dos Bem-vindo ao Mídia Kit do História-Erótica! Neste arquivo é possível obter informações úteis e precisas sobre um dos portais mais populares e picantes do Brasil, como: dados estatísticos, pesquisas de

Leia mais

O papel das plataformas digitais na construção do posicionamento das marcas. Eduardo Godoy - diretor de planejamento

O papel das plataformas digitais na construção do posicionamento das marcas. Eduardo Godoy - diretor de planejamento O papel das plataformas digitais na construção do posicionamento das marcas Eduardo Godoy - diretor de planejamento Foco em pequenas e médias empresas Núcleos de atuação com marketing digital O que vamos

Leia mais

VENDA MAIS USANDO AS REDES SOCIAIS

VENDA MAIS USANDO AS REDES SOCIAIS VENDA MAIS USANDO AS REDES SOCIAIS Coloque o Facebook, Linkedin e Instagram para atrair mais clientes e aumentar suas vendas. Dicas fáceis que você mesmo pode implementar e ver os resultados ainda hoje.

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO 1 REDES SOCIAIS CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO Eixo temático: Gestão e Políticas da Informação Modalidade: Apresentação Oral Eduardo Alves Silva Dalton Lopes Martins

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

São Paulo, Ano I, n. 01, jan./abr. de 2014 ISSN 2358-0224. Podemos falar de ética nas práticas de consumo?

São Paulo, Ano I, n. 01, jan./abr. de 2014 ISSN 2358-0224. Podemos falar de ética nas práticas de consumo? São Paulo, Ano I, n. 01, jan./abr. de 2014 ISSN 2358-0224 9 772358 022003 Podemos falar de ética nas práticas de consumo? Educação além do consumo e o exercício da liberdade Flávio Tonnetti 1 Num mundo

Leia mais

Expandir visões e criar novas estratégias para o seu negócio. Podemos fazer isso juntos.

Expandir visões e criar novas estratégias para o seu negócio. Podemos fazer isso juntos. Expandir visões e criar novas estratégias para o seu negócio. Podemos fazer isso juntos. Quem somos A 2DA Branding & Design é uma empresa de construção de marca. O que fazemos Transformamos ideias e negócios

Leia mais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais Os desafios do Bradesco nas redes sociais Atual gerente de redes sociais do Bradesco, Marcelo Salgado, de 31 anos, começou sua carreira no banco como operador de telemarketing em 2000. Ele foi um dos responsáveis

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

OBJETIVOS DE MARKETING

OBJETIVOS DE MARKETING CASE Banco do Brasil Todo Seu O Banco do Brasil é a mais antiga instituição bancária brasileira. Reconhecido como fundamental para o desenvolvimento econômico e social do país, é também o maior banco da

Leia mais

Quem ainda não tem um, provavelmente já pensou ou está pensando em ter, seja para fins pessoais ou profissionais.

Quem ainda não tem um, provavelmente já pensou ou está pensando em ter, seja para fins pessoais ou profissionais. Você sabia que o Whatsapp está presente em quase 50% dos smartphones no Brasil? O aplicativo virou febre rapidamente, seguindo a tendência de crescimento anual das vendas de smartphones no país. Quem ainda

Leia mais

Comunicação Digital Empresarial MANUAL DO CURSO

Comunicação Digital Empresarial MANUAL DO CURSO Comunicação Digital Empresarial MANUAL DO CURSO ESPM Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP Informações Central de Relacionamento: (11) 5081-8200 (opção 1) Segunda a sexta 9h às 20h45 Sábado

Leia mais

Cinco principais qualidades dos melhores professores de Escolas de Negócios

Cinco principais qualidades dos melhores professores de Escolas de Negócios Cinco principais qualidades dos melhores professores de Escolas de Negócios Autor: Dominique Turpin Presidente do IMD - International Institute for Management Development www.imd.org Lausanne, Suíça Tradução:

Leia mais

Portfólio de Criação Espaço Experiência 1. Gabriel Godinho CARRARO 2 Julia Meinhardt TELLES 3 Jarissa Maguatini Pinto COGOY 4 Vinícius MANO 5

Portfólio de Criação Espaço Experiência 1. Gabriel Godinho CARRARO 2 Julia Meinhardt TELLES 3 Jarissa Maguatini Pinto COGOY 4 Vinícius MANO 5 Portfólio de Criação Espaço Experiência 1 Gabriel Godinho CARRARO 2 Julia Meinhardt TELLES 3 Jarissa Maguatini Pinto COGOY 4 Vinícius MANO 5 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto

Leia mais

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação Sobre o Autor: Sempre fui comprometido com um objetivo de vida: TER MINHA PRÓPRIA EMPRESA. Mas assim como você, eu também ralei bastante

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS - SP Área de conhecimento: GESTÃO E NEGÓCIOS Componente Curricular: MARKETING INSTITUCIONAL Série:

Leia mais

DP6: Gerando novos negócios a partir do monitoramento de redes sociais

DP6: Gerando novos negócios a partir do monitoramento de redes sociais DP6: Gerando novos negócios a partir do monitoramento de redes sociais O núcleo de inteligência em redes sociais Há cinco anos, a DP6, consultoria de marketing digital com foco em inteligência e performance

Leia mais

Apresentação do Website Diário Manezinho: Notícias sobre a Ilha e a região 1

Apresentação do Website Diário Manezinho: Notícias sobre a Ilha e a região 1 Apresentação do Website Diário Manezinho: Notícias sobre a Ilha e a região 1 Ana Carolina Fernandes MAXIMIANO 2 Bruno da SILVA 3 Rita de Cássia Romeiro PAULINO 4 Universidade Federal de Santa Catarina,

Leia mais

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico O Dia D e a culturalização de um posicionamento estratégico 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE Centro Universitário Franciscano uma universidade para suas aspirações Santa Maria é um polo educacional

Leia mais

TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS

TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS Anissa CAVALCANTE 2 Jessica WERNZ 3 Márcio CARNEIRO 4, São Luís, MA PALAVRAS-CHAVE: CMS, webjornalismo, TV Vila Embratel, comunicação 1 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2012 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 14% da população,

Leia mais

O guia completo para uma presença. online IMBATÍVEL!

O guia completo para uma presença. online IMBATÍVEL! O guia completo para uma presença online IMBATÍVEL! Sumário Introdução 3 Capítulo 1 - Produção de Conteúdo: Por que e Como produzir 5 Capítulo 2 - Distribuição e Divulgação 8 Capítulo 3 - Monitoramento

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

Arquitetura de Informação

Arquitetura de Informação Arquitetura de Informação Ferramentas para Web Design Prof. Ricardo Ferramentas para Web Design 1 Arquitetura de Informação? Ferramentas para Web Design 2 Arquitetura de Informação (AI): É a arte de expressar

Leia mais

SISTEMÁTICA WEBMARKETING

SISTEMÁTICA WEBMARKETING SISTEMÁTICA WEBMARKETING Breve descrição de algumas ferramentas Sobre o Webmarketing Web Marketing é uma ferramenta de Marketing com foco na internet, que envolve pesquisa, análise, planejamento estratégico,

Leia mais

A Dehlicom tem a solução ideal em comunicação para empresas de todos os portes, sob medida.

A Dehlicom tem a solução ideal em comunicação para empresas de todos os portes, sob medida. A Dehlicom Soluções em Comunicação é a agência de comunicação integrada que busca divulgar a importância da comunicação empresarial perante as empresas e todos os seus públicos, com atendimento personalizado

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

Agregue cultura à SUA MARCA. mídia kit 2015

Agregue cultura à SUA MARCA. mídia kit 2015 Agregue cultura à SUA MARCA mídia kit COMERCIAL Anúncios e Parcerias (11) 2690-6990 comercial@vadecultura.com.br AGENDA Sugestões de Eventos (11) 95239 7034 agenda@vadecultura.com.br REDAÇÃO Sugestões

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Intranets e Capital Intelectual

Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual As mídias sociais ultrapassaram os limites da vida privada. Os profissionais são 2.0 antes, durante e depois do expediente. É possível estabelecer

Leia mais

Como o Scup pode ajudar consultores políticos durante o período eleitoral

Como o Scup pode ajudar consultores políticos durante o período eleitoral Como o Scup pode ajudar consultores políticos durante o período eleitoral Primeiros passos no mundo da política Em 1992, o paulista Gilberto Musto iniciou a sua consultoria política na cidade de Fernandópolis.

Leia mais

Gerenciando Sua Reputação Online Parte 1

Gerenciando Sua Reputação Online Parte 1 Gerenciando Sua Reputação Online Parte 1 Índice Gerenciando Sua Reputação Online Parte 1 Índice O Que é Gerenciamento da Sua Reputação Online? Como Monitorar Sua Reputação Online O Básico Para Construir

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Ana Beatriz Mesquita (CPTEC/INPE) ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Metodologia do trabalho realizado referente a gravação e expansão dos vídeos

Leia mais

A importância do branding

A importância do branding A importância do branding Reflexões para o gerenciamento de marcas em instituições de ensino Profª Ligia Rizzo Branding? Branding não é marca Não é propaganda Mas é sentimento E quantos sentimentos carregamos

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

Comunicação diferenciada e relacionamento efetivo. Um novo enfoque de RI para um novo mercado

Comunicação diferenciada e relacionamento efetivo. Um novo enfoque de RI para um novo mercado + Comunicação diferenciada e relacionamento efetivo Um novo enfoque de RI para um novo mercado + Menu Cenário Menu + + Cenário RI hoje: uma operação indiferenciada Comunicação muito limitada com foco quase

Leia mais

Fashion Marketing & Communication

Fashion Marketing & Communication Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais