Expectativa de recorde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Expectativa de recorde"

Transcrição

1 ISSN Ano XIII 220 Outubro 2013 Recursos para armazenagem Faeg firma parceria com Semarh para garantir recursos do Governo Federal Missões internacionais Produtores visitam sistemas de produção nos Estados Unidos e Austrália Expectativa de recorde Cenário é positivo e soja é atual aposta. Apesar disso, clima e Helicoverpa armigera preocupam produtores

2

3 PALAVRA DO PRESIDENTE CAMPO É hora de plantar A revista Campo é uma publicação da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (FAEG) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR Goiás), produzida pela Gerência de Comunicação Integrada do Sistema FAEG/SENAR, com distribuição gratuita aos seus associados. Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores. CONSELHO EDITORIAL Bartolomeu Braz Pereira; Claudinei Rigonatto; Eurípedes Bassamurfo da Costa; Marcelo Martins Editora: Francila Calica (01996/GO) Reportagem: Catherine Moraes e Leydiane Alves Fotografia: e Mendel Cortizo Revisão: Cleiber Di Ribeiro (2227/GO) Diagramação: Rowan Marketing Impressão: Gráfica Talento Tiragem: Comercial: (62) DIRETORIA FAEG Presidente: José Mário Schreiner Vice-presidentes: Mozart Carvalho de Assis; José Manoel Caixeta Haun. Vice-Presidentes Institucionais: Bartolomeu Braz Pereira, Estrogildo Ferreira dos Anjos. Vice-Presidentes Administrativos: Eurípedes Bassamurfo da Costa, Nelcy Palhares Ribeiro. Suplentes: Wanderley Rodrigues de Siqueira, Flávio Faedo, Daniel Klüppel Carrara, Justino Felício Perius, Antônio Anselmo de Freitas, Arthur Barros Filhos, Osvaldo Moreira Guimarães. Conselho Fiscal: Rômulo Pereira da Costa, Vilmar Rodrigues da Rocha, Antônio Roque da Silva Prates Filho, César Savini Neto, Leonardo Ribeiro. Suplentes: Arno Bruno Weis, Pedro da Conceição Gontijo Santos, Margareth Alves Irineu Luciano, Wagner Marchesi, Jânio Erasmo Vicente. Delegados representantes: Alécio Maróstica, Dirceu Cortez. Suplentes: Lauro Sampaio Xavier de Oliveira, Walter Vieira de Rezende. CONSELHO ADMINISTRATIVO SENAR Presidente: José Mário Schreiner Titulares: Daniel Klüppel Carrara, Elias D Ângelo Borges, Osvaldo Moreira Guimarães, Tiago Freitas de Mendonça. Suplentes: Bartolomeu Braz Pereira, Silvano José da Silva, Alair Luiz dos Santos, Elias Mourão Junior, Joaquim Saêta Filho. Conselho Fiscal: Maria das Graças Borges Silva, Edmar Duarte Vilela, Sandra Pereira Faria do Carmo. Suplentes: Henrique Marques de Almeida, Wanessa Parreira Carvalho Serafim, Antônio Borges Moreira. Conselho Consultivo: Bairon Pereira Araújo, Maria José Del Peloso, Heberson Alcântara, José Manoel Caixeta Haun, Sônia Maria Domingos Fernandes. Suplentes: Theldo Emrich, Carlos Magri Ferreira, Valdivino Vieira da Silva, Antônio Sêneca do Nascimento, Glauce Mônica Vilela Souza. Superintendente: Marcelo Martins O fim do vazio sanitário e a chegada das chuvas são os sinais de que uma nova safra se inicia. As expectativas para a safra 2013/14 são boas, mas os desafios também são grandes. Clima, mercado, pragas, infraestrutura e logística terão influência significativa nos resultados da próxima safra. São fatores sobre os quais o produtor não tem gerência. Por isso, a atenção deve ser redobrada. Teremos em campo o desafio de manejar uma praga que nos assustou no último ciclo, a Helicoverpa armigera. Contra ela, informação aliada às ações rápidas de combate é a nossa melhor defesa. Provavelmente, teremos uma nova safra recorde e o fator mercado entrará em campo. Durante o período de cultivo o produtor deve ficar atento aos movimentos do mercado. Diante da possibilidade de uma safra cheia, é prudente não deixar a comercialização para os meses de colheita, quando há superoferta. E, por mais um ciclo, infelizmente, vamos nos deparar com as deficiências de logística e infraestrutura do Brasil. Os recursos destinados para armazenagem não estão chegando aos produtores, a tempo para atender a próxima safra. Dificuldades com licenças ambientais (resolvidas recentemente) e instabilidade no sistema energético travam as possibilidades de desenvolvimento na área. Portos e rodovias nacionais se encontram no mesmo estado da última safra. E, mais do que nunca, o produtor terá de ser competente na gestão dos fatores que consegue controlar. FAEG - SENAR Rua 87 nº 662, Setor Sul CEP: Goiânia - Goiás Fone: (62) Fax: (62) Site: José Mário Schreiner Presidente do Sistema FAEG/SENAR Fone: (62) Fax: (62) Site: Para receber a Campo envie o endereço de entrega para o Para falar com a redação ligue: (62) (62) (62)

4 PAINEL CENTRAL Armazenagem comprometida Burocracia na emissão de licenças ambientais para construção de armazéns freia programa do Governo Federal Eleições da Faeg Chapa única é encabeçada por José Mário Schreiner Prosa Economista chefe do Rabobank Brasil fala sobre a influência da economia no cenário mundial da agricultura e pecuária 8 Fredox Carvalho Desa os da Safra 2013/14 Clima e Helicoverpa armigera preocupam produtores que decidiram investir pesado na produção de soja 14 4 CAMPO Outubro / 2013

5 Agrinho Com o tema responsabilidade social, crianças de todo o Estado executam projetos Agenda Rural 06 Fique Sabendo 07 Delícias do Campo 33 Sangria de Seringueira 34 Cursos e treinamentos do Senar 36 Alto índice de exportação de borracha natural chama a atenção para atividade Campo Aberto 38 Cleiber Di Ribeiro Lindaura Tavares Produtor Wilton Roberto Guimarães, de Niquelândia, vai investir na soja, porque diz faltar comprador para milho. Foto: Fredox Carvalho Missões Internacionais 30 Técnicos e produtores visitam Austrália e Estados Unidos Outubro / 2013 CAMPO 5

6 AGENDA RURAL Shu er Eleições FAEG 30 de Outubro Eleição da FAEG Hora: 8h 16h Local: Sede da Faeg, Goiânia Informações: (62) /10 07 a 09/10 Seminário Inclusão Produtiva Centro-Oeste Hora: 8h Local: Auditório da Faeg, Goiânia Informações: (62) I Seminário de Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Sustentável Hora: 19 horas Local: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas de Goiatuba Informações: (64) a 10/10 III Conferência Global sobre Trabalho Infantil Hora: 9 horas Local: Centro de Convenções do Hotel Brasília Royal Tulip Alvorada, Informações: (61) ; (61) CAMPO Outubro / 2013

7 FIQUE SABENDO Reprodução ARMAZÉM Código Florestal Goiano O que mudou? REGISTRO Senar Central e Sebrae podem nacionalizar Programa Proarte Fredox Carvalho Código Florestal Descomplicado O Sistema Faeg/Senar confeccionou uma cartilha de orientação sobre a nova legislação ambiental de Goiás. Com o título Novo Código Florestal Goiano O que mudou?, o material será distribuído aos produtores rurais e também pode ser encontrado no site: www. sistemafaeg.com.br. A cartilha possui a Lei n , de 18 de julho de 2013, aprovada pela Assembleia Legislativa do Estado e perguntas e respostas com ilustrações que abordam as dúvidas mais comuns dos produtores quanto à nova lei. Com o intuito de nacionalizar o Programa Proarte do Senar Goiás, representantes do Senar Central vieram à Goiânia, no dia 20 de setembro, para discutir sobre o projeto com o superintendente Marcelo Martins e a coordenadora do Proarte, Fátima Araújo. Na ocasião, além de conhecer os trabalhos de vários artesãos goianos, eles tiveram a oportunidade de bater um papo com mulheres integrantes de uma cooperativa em Bela Vista de Goiás, um dos 33 grupos cadastrados pelo Sistema. Participaram da visita, Daniel Carrara, secretário executivo do Senar Central e Kátia Rocha, assessora da presidência da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), senadora Kátia Abreu. Maria Emília Jaber, Diretora Técnica do Sebrae Tocantins, também esteve presente e mostrou interesse em fechar parcerias no estado vizinho a fim de potencializar o programa e dar a ele mais características rentáveis. PESQUISA Embrapa reúne orientações sobre Helicoverpa na internet A Embrapa está disponibilizando para os agricultores brasileiros, um ambiente na internet br/alerta-helicoverpa que reúne informações para ajudar agricultores e técnicos a lidar com a Helicoverpa armigera, uma nova e importante praga que alcança as culturas da soja, algodão, milho, entre outros cultivos, tem causado preocupação e exigirá atenção permanente às táticas de Manejo Integrado de Pragas (MIP). Com o fim do período de vazio sanitário e início do plantio, as informações sobre soja são as mais demandadas. Elas estão agrupadas em -soja, organizando as informações existentes e orientando sobre o manejo de pragas. No site é possível encontrar informações sobre a praga, seu manejo, a importância da tecnologia de aplicação, dicas sobre o monitoramento da Helicoverpa e de outras lagartas da soja, além de entrevistas, explica Clara Beatriz Hoffmann Campo, pesquisadora da Embrapa Soja. Shu er

8 PROSA RURAL ROBÉRIO COSTA é economista chefe do Rabobank Brasil Não somos caso perdido Catherine Moraes Robério Costa é economista chefe do Rabobank Brasil e esteve em Goiânia no último mês de setembro para participar do Interconf. Na ocasião, ele concedeu entrevista à Revista Campo e falou sobre o mercado financeiro mundial assim como as interferências no Setor Agropecuário. Para ele, a desaceleração da economia chinesa não afeta produtos agropecuários e o Brasil ainda é atrativo aos investidores externos. 8 CAMPO Outubro / 2013

9 Revista Campo: O mercado financeiro mundial já absorveu os impactos do anúncio da saída do FED nas compras de títulos privados nos EUA ou poderá haver mais um reflexo no câmbio? Robério Costa: O Fed está comprando US$ 85 bilhões por mês em títulos públicos e privados, o que aumenta continuamente a liquidez do mercado. O objetivo é deixar os juros de mercado baixos e estimular a recuperação da economia e o aumento do emprego. No máximo em dezembro um cronograma de redução progressiva dessas compras deve ocorrer. Portanto, o movimento é previsto e gradual, o que não deve gerar reações abruptas do mercado. Mas, isso não quer dizer que o câmbio dos países emergentes não será afetado. Revista Campo: Foi constatado, no mercado financeiro mundial, que após o anúncio na alteração da política de compra de títulos pelo FED, 22 países já gastaram US$ 153 bi para garantir o valor de suas moedas. É uma situação que pode se agravar? Robério Costa: A situação hoje é bem melhor, se comparada à das décadas de 80/90, quando os países estavam mais vulneráveis às crises externas. Praticamente todos os países emergentes foram beneficiados seja por preços de commodities mais altos ou por abocanhar uma boa fatia da produção industrial do mundo. Esses países acumularam reservas internacionais abundantes, ao longo dos últimos 20 anos, que permitem hoje uma política de defesa de suas moedas mais efetiva. O mercado não é linear e o ajuste sempre vem acompanhado de alguma turbulência. Mas o câmbio desses países terá de se ajustar à nova realidade. Revista Campo: Você fez uma afirmação, em sua apresentação no Interconf que, diante da atual situação econômica do mundo as Commodities Agrícolas são as mais protegidas. Poderia explicar melhor? Robério Costa: Por que a demanda deverá ser garantida pela melhora do nível de renda média no mundo, que está ocorrendo sobretudo nos países emergentes. Conforme cresce a renda, aumenta a quantidade e, principalmente, a qualidade do alimento demandado. Dos grãos e leguminosas, principais alimentos de quem está na base da pirâmide social, passa-se à proteína animal, quando o consumidor ascende a um patamar mais alto da pirâmide. No nível mais elevado, vêm os alimentos industrializados que caracterizam o consumo no topo da pirâmide. A maior parte da população mundial está distante do topo da pirâmide e há muita demanda reprimida por esse tipo de produtos, principalmente na Ásia. Revista Campo: Desde a crise de 2008 o eixo comercial externo do Brasil vem deslocando para países em vias de desenvolvimento. As políticas protecionistas daqueles países perdem importância? Robério Costa: Não perde importância. Em vários mercados de economias desenvolvidas o Brasil poderia ter uma presença muito maior. Um exemplo disso é o de carnes, cujas barreiras protecionistas, tarifárias ou sanitárias, seguem mais uma lógica política que econômica. O que está em jogo é a defesa de produtores locais ineficientes. Exportar para outros mercados, que não os tradicionais países desenvolvidos, é uma estratégia de diversificação de risco e expansão de receita, uma vez que o consumo nesses países cresce mais rápido. Mas isso não é excludente em relação à disputa de espaço nos mercados protegidos. A OMC está aí para isso, o Itamaraty pode ajudar na negociação de acordos comerciais. Em muitos casos a irracionalidade e a afronta às regras do mercado internacional são gritantes e têm de ser contestadas. Revista Campo: A desaceleração da economia Chinesa deve afetar produtos agropecuários? Robério Costa: Se a economia chinesa seguir crescendo em torno de 7%, a demanda adicional que injeta por commodities ainda é enorme. Estamos falando da segunda maior economia do mundo, com um PIB de mais de US$ 8 trilhões. Além disso, o país se move em direção ao consumo doméstico, versus à orientação para a exportação que vem predominando desde a emergência da China como potência. Dificilmente os produtos agropecuários serão prejudicados nesse cenário. O país ainda tem muito a se urbanizar e pelo menos dois Brasis a serem incorporados ao mercado consumidor a médio prazo. Revista Campo: O Brasil ainda é considerado um país atrativo pelos investidores externos? Robério Costa: Todo país tem suas mazelas. A China é uma ditadura. A Índia tem um sistema social de castas. O Brasil é uma democracia e tem mobilidade social, como mostra os 20 últimos anos. Temos inúmeros problemas, mas não somos um caso perdido, definitivamente. O Brasil tem flexibilidade para mudar e, não é por outro motivo, que os investimentos estrangeiros giram em torno de US$ 60 bilhões há três anos. Mas para manter e aumentar isso, a gente precisa se ajudar. Outubro / 2013 CAMPO 9

10 AÇÃO SINDICAL Antelmo Teixeira Francila Calica Giulianna Conte INHUMAS E CORUMBÁ Novas fachadas Os Sindicatos Rurais de Corumbá de Goiás e Inhumas também adotaram a sugestão de fachada padrão do Sistema Faeg/Senar. Padronização de fachadas é uma meta do Programa do Empreendedor Sindical, como forma de criar uma identificação única para a rede de Sindicatos Rurais ligados ao Sistema. Já completaram 20 Sindicatos que tem a mesma configuração de fachada. RIO VERDE Posse de diretoria eleita Sindicato Rural de Rio Verde Sindicato Rural de Rio Verde RIO VERDE Programa Equoterapia retorna às atividades O Centro de Equoterapia Primeiro Sorriso do Sindicato Rural de Rio Verde iniciou o segundo semestre com capacidade máxima de praticantes. Quinze novos praticantes estão utilizando a equoterapia como forma de reabilitação. São ao todo 120 alunos, de dois a 80 anos de idade. O Centro de Equoterapia está trabalhando com escolinha de equitação e atendendo crianças com potencial de risco para o uso de drogas. Além disso, os profissionais estão tratando pacientes autistas, amputados, dependentes químicos e alunos com déficit de atenção. (Colaborou: Fabiana Sommer) PROJETO AGRINHO Projeto Horta Escolar A nova diretoria do Sindicato Rural de Rio Verde tomou posse no último dia 30 de setembro em cerimônia realizada no Salão Verde do Parque de Exposições. O atual presidente Walter Baylão Júnior, que foi reeleito com 333 votos, assume a instituição por mais três anos. Além da classe produtora, o vice-presidente institucional da Faeg, Bartolomeu Braz também compareceu, representando o presidente José Mário Schreiner, acompanhado do superintendente Claudinei Rigonatto. Há três anos, a Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) José do Prado, de Rio Verde, vem desenvolvendo uma horta escolar. Inicialmente, o projeto foi realizado como atividade referente ao Programa Agrinho do Sistema Faeg/Senar e Sindicato Rural, mas, o resultado foi tão satisfatório, que o gestor da escola resolveu implementar outras ações e começou a incentivar os alunos a produzirem alimentos sem agrotóxicos para o próprio consumo escolar. (Colaborou: Fabiana Sommer) 10 CAMPO Outubro / 2013

11 Sindicato Rural de Cristalina SILVÂNIA Cavalgada comemora sete de setembro Dois mil cavaleiros desfilaram pelas ruas de Silvânia no dia 7 de setembro em comemoração à Independência do Brasil e marcando a 30ª edição da Exposição Agropecuária e 14ª Feira de Agronegócios do município. O presidente do Sistema Faeg/Senar, José Mário Schreiner e o prefeito de Silvânia, José Faleiro encabeçaram a cavalgada. CRISTALINA Capacitação para produção de alimentos Antelmo Teixeira Arquivo Faeg CAPACITAÇÃO Treinamento em ITR O Sistema Faeg/Senar realizou, no mês de agosto, treinamento para capacitar os funcionários dos Sindicatos Rurais para o preenchimento do Imposto Territorial Rural (ITR). O treinamento, que faz parte do Programa do Empreendedor Sindical, foi ministrado pelo instrutor, Seres Baum, do Grupo Work, parceiro nesta ação desde Hoje, cerca de 80 Sindicatos Rurais estão aptos a prestarem este serviço ao produtor, o que corresponde a 70% dos Sindicatos filiados. Treinamento em DAP O Sindicato Rural de Cristalina em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar Goiás) realizou, entre os dias 23 a 25 de julho, o Treinamento Produção Caseira de Alimentos/Leite realizado no Assentamento Manacá que contou com a participação de 14 alunos. O Sindicato Rural de Cristalina destacou o empenho e dedicação da Instrutora Fernanda Paula Parreira ao dividir seus conhecimentos com a turma. (Colaborou: Malva Lúcia Caixeta) Em uma parceria com o Senar Central, o Sistema Faeg/Senar realizou, no mês de agosto, no Augustu s Hotel, em Goiânia, um treinamento para capacitar funcionários dos Sindicatos Rurais no preenchimento da Declaração de Aptidão (DAP) ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). A meta é, com esse treinamento, passar para 70 o número de Sindicatos Rurais aptos a emitirem a DAP, atualmente, o Sistema conta com 56. Outubro / 2013 CAMPO 11

12 MERCADO E PRODUTO Soja: A chegada da nova safra Cristiano Palavro Mendel Cor zo Cristiano Palavro é Consultor Técnico do Senar Goiás Com a chegada de outubro, Goiás se aproxima de mais uma safra de verão. Como vem se repetindo nos últimos anos, a cultura da soja deve bater novo recorde de área plantada no estado. Com os preços altos negociados nos últimos meses e com a confirmada seca na safra norte-americana, os produtores goianos devem expandir a área plantada com a cultura, com expectativa de ultrapassar os três milhões de hectares nesta safra que se aproxima. Nos últimos dois anos, os preços da soja têm ficado acima dos valores históricos comercializados. Isso porque houve diminuição da produção nos principais países produtores, principalmente, influenciada pelas secas nas duas últimas safras norte-americanas e a seca ocorrida na Região Sul do Brasil na safra 2011/12, que levou à redução dos estoques mundiais do grão. O que confirma o fato, é que nos últimos 24 meses os preços da saca de soja têm se mantido próximos ou acima dos R$ 50, cerca de 30% acima da média de preços comercializados até Essa alta incentivou o avanço da área plantada com soja no país. Depois de 2011 o Brasil passou de 25,1 milhões para 27,8 milhões de hectares na última safra, um aumento de 11% em dois anos. A expectativa é de o país chegar a 29,2 milhões de hectares na safra 2013/14. Não havendo nenhum fator climático limitante, deve- -se alcançar um novo recorde de produção, consolidando o país como o maior produtor mundial do grão. Goiás acompanhou a situação nacional. Houve um incremento de 8% na sua área plantada nas últimas duas safras, passando de 2,65 milhões para 2,88 milhões de hectares, segundo os dados da Conab. Na safra 2013/14, a expectativa é que Goiás chegue a 3,01 milhões de hectares, com previsão de produção de mais de nove milhões de toneladas do grão, mantendo a posição de quarto maior estado brasileiro em produção de soja. Apesar de um cenário favorável no que diz respeito aos preços das commodities no mercado mundial, a renda do produtor não aumentou na mesma proporção. Estes preços elevados alavancaram também os preços dos insumos agrícolas, como as sementes, o adubo e os defensivos químicos, gerando um aumento no custo total de produção. Outro fator que contribui para este fato é que com a demanda por insumos aquecida, devido ao incremento na área plantada, houve uma redução na oferta, levando a uma pressão de alta nos preços adotados no mercado. O que também vem impactando o custo de produção nas últimas safras é o agravamento dos problemas fitossanitários que acometem a cultura. Um dos problemas é a ferrugem asiática, que apesar de ser uma doença já conhecida dos produtores, a falta de novos princípios ativos, aliada à perda de eficiência de alguns fungicidas utilizados, atualmente, têm dificultado o controle desta doença. Entre as pragas, as grande vilãs no incremento dos custos de controle são as lagartas. Apesar dos esforços tanto por parte do governo como dos próprios produtores e associações, o receio neste ano é em relação à lagarta Helicoverpa armigera, praga que já causou sérios prejuízos financeiros no último ano e poderá ser um grave problema nesta safra. O vazio sanitário para a cultura da soja no estado de Goiás já terminou e se as chuvas realmente chegarem agora no início de outubro, o plantio da safra goiana terá início. Apesar dos elevados custos de produção e os graves entraves na logística brasileira, os produtores esperam a possibilidade de bons rendimentos neste ano e a safra inicia-se com expectativa de novo recorde de produção, tanto no Brasil como em Goiás. 12 CAMPO Outubro / 2013

13

14 SAFRA 2013/14 Lagarta Helicoverpa pode ser o algoz do produtor na próxima safra O que a safra nos reserva? Fim do vazio sanitário e chegada das chuvas anunciam o plantio do próximo ciclo. Como mercado, clima e pragas influenciarão a produção Karina Ribeiro Especial para a Revista Campo Com um cenário que aponta altos investimentos em tecnologia e bons preços no mercado, a expectativa de produção da safra de grãos este ano, especialmente de soja, é de bater novo recorde. No entanto, dois fatores que fogem da alçada do produtor rural podem desencadear uma perspectiva menos positiva: o clima e a presença da praga Helicoverpa armigera. A praga que vem tirando o sono de muitos produtores rurais possui características bastante peculiares e assustadoras: apetite voraz e indiscriminado, rápida disseminação e dificuldade no combate. A ocorrência de lagartas desse gênero na Região do Cerrado foi observada a partir da safra 2012/2013, o que acarretou em prejuízos econômicos, segundo dados da Embrapa. A praga ataca, principalmente, as culturas de soja, milho e algodão. Na prática, a helicoverpa ataca uma cultura e se desloca para outra. Isso ocorre em função da metodologia empregada por alguns agricultores da região, ao 14 CAMPO Outubro / 2013

15 Shu er adicionar a implantação da ponte verde, ou seja, cultivo adicional de outras culturas associadas como milheto, sorgo e feijão. A agilidade de deslocamento da praga demonstra seu alto grau de destruição. Segundo o coordenador geral de proteção de plantas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Carlos Franz, há registros de deslocamentos de até mil quilômetros. Um relatório do órgão revela a presença dela em lavouras que vão de Roraima ao Rio Grande do Sul. Existe um alto grau de preocupação e, desde que foi identificada, o MAPA adotou uma série de medidas, afirma. Ele explica que foi composto um grupo emergencial para controle e manejo da Embrapa. Segundo relatório, essas pragas têm sido controladas de forma errônea, por defensivos, na maioria das vezes, de forma recorrente e ineficaz, com pulverizações sem rigor técnico e sem o devido monitoramento. Defensivos usados com falta de racionalização provocam redução populacional dos inimigos naturais das pragas e desequilíbrio ecológico nos sistemas agrícolas. Por isso, o coordenador geral de proteção de plantas do MAPA explica que o produtor não deve fazer nenhuma aplicação de produtos de forma preventiva. O ideal é monitorar a área uma vez por semana, para assim, caso haja a presença da lagarta, conseguir combatê-la no primeiro e segundo estágios. O produtor não deve fazer ação preventiva, tampouco tardia. Ela é passível de controle no primeiro e segundo estágio, afirma. Carlos Franz salienta que o produtor deve ficar ainda mais atento no período de floração. Como a praga já é famosa, porém pouco conhecida, os produtores devem buscar assistência técnica apurada para combatê-la. Por sua vez, a Embrapa está divulgando posicionamento favorável para registro emergencial de 12 inseticidas para a Helicoverpa armigera no Brasil. Faltam informações Franz reconhece que, embora haja um trabalho efetivo de pesquisa no intuito de controlar as pragas, ainda faltam informações para o homem do campo. Ele diz que estão sendo realizados fóruns e palestras para repassar os conhecimentos aos produtores rurais. Deveria ser mais intenso, mas está sendo feito dentro de nossas possibilidades, afirma. Clima O produtor rural deve ficar atento às precipitações de chuvas no mês de outubro para a tomada de decisão de plantio. Segundo informações do Sistema de Meteorologia e Hidrologia do Estado de Goiás (Simehgo/Sectec), alguns modelos de pesquisa apontam possível veranico para o período entre os dias 15 de outubro e 23 de outubro. O índice pluviométrico deste mês é de 110,5 milímetros, o segundo menor volume dentro do período chuvoso (outubro a abril). Para os próximos meses, a estação chuvosa será dentro das normalidades, entretanto, com possibilidade de eventuais excessos de precipitação em áreas isoladas do Centro-Oeste. Outubro / 2013 CAMPO 15

16 Prejuízo de 10% da produção O produtor José Roberto Novaes Provinciali conta que já teve contato com a praga nesta safra. Assustado com o poder de destruição da lagarta, diz que teve um prejuízo de cerca de 10% na região de Goiatuba, Acreúna e Porangatu. Ele explica que ainda não adquiriu nenhum produto para combater a praga, exatamente, para não comprar inseticidas que não venham surtir efeito. Precisamos saber o que é eficaz, alerta. No mais, trabalha para uma produtividade média acima de 50 sacas nos três mil hectares plantados pulverizados em diversas regiões do Estado como Goianésia, Acreúna, Porangatu, Vila Propícia e Goiatuba. Tivemos um momento de queda, mas acreditamos na retomada do preço, ressalta. José Roberto calcula que tenha comercializado 20% da produção no mercado futuro. O valor foi de R$ 55 a saca. Ele afirma que vai segurar parte da safra no intuito de conseguir preços por volta de R$ Provinciali a rma que vai segurar parte da safra no intuito de conseguir preços mais altos 60. Deixei de vender quando estava nessa faixa, mas acredito que deve dar uma alavancada, diz. A bronca de José Roberto e de outros produtores rurais fica por conta do aumento dos preços dos insumos. Ele diz que comprou os produtos em maio com oneração de 20% se comparado à safra passada. Quem comprou mais tarde pagou mais caro ainda, diz. Esse momento de tomada de decisão, para ele, é fundamental para o resultado dos negócios. Mais consciente e atento às informações das regiões produtoras mundiais, o produtor consegue melhores preços. Hoje 50% diz respeito à produção, a outra metade é saber comercializar, resume. Fredox Carvalho Preços vão depender de safra americana Para o consultor da Safra & Mercados, Paulo Molinari, os preços comercializados vão depender do resultado final da safra norte americana. Ele explica que, a princípio, a de soja não é muito grande. A expectativa é de que os Estados Unidos colham cerca de 90 milhões de toneladas do grão. Até outubro o foco é nos Estados Unidos, diz. Diante dessa concretização, os produtores que comercializarem parte da safra no mercado futuro com valores que variam entre R$ 55 e R$ 60, podem garantir bons rendimentos. Dependendo da região, é possível conseguir preços de R$ 55 a R$ 60 a saca. Esse preço garante uma boa margem para o produtor, afirma. Com o abastecimento dos estoques de soja advindos do plantio da safra norte-americana, associado às colheitas das safras sul-americanas em 2014, Molinari acredita que possa haver achatamento no preço da commodity no próximo semestre. Tudo vai depender do clima, se não houver nenhuma quebra de safra sul-americana, os preços poderão ser pressionados, ressalta. Molinari acredita que haja uma redução de área plantada de milho no País de até 30%. Para ele, está dentro da normalidade já que o preço da saca do milho está aquém do esperado, em função do alto volume de estoque. Somente no Brasil, a estimativa é que até 15 milhões de toneladas do cereal estejam depositados em armazéns. Os produtores poderão sofrer, ainda, com falta de silos para guardar parte da soja colhida no próximo ano. Além disso, segundo Molinari, a safra de milho norte-americana tende a ser recorde. A retração da safra de verão pode ser favorável para a safrinha. Mas, o importante é que estamos com grandes estoques que precisam ser esvaziados para liberar os armazéns, salienta. 16 CAMPO Outubro / 2013

17 Milho não tem comprador, afirma produtor Wilton está incomodado com volatilidade dos preços e não investirá em milho Milho não tem comprador, afirma o produtor rural Wilton Roberto Guimarães. Mais um motivo, diz, para continuar investindo somente na soja em seus hectares, no município de Niquelândia. Embora com boas perspectivas de produtividade, mostra-se incomodado com a volatilidade dos preços. Os preços estão parecendo uma gangorra, diz. Ele conta que vendeu 50% da produção com valores que variam entre R$ 52 e R$ 59, cujo objetivo é pagar os custos de produção. Ele calcula que, o custo é de 35 sacas/hectare. Agora é um jogo de risco. Aguardo para fechar o restante mais para frente, me informando com o que está acontecendo no mercado externo, diz. A busca por informações ocorre por meio de relatórios de empresas de consultorias. O objetivo é não perder o tempo ideal para fechamento dos contratos. Wilton afirma que não teve contato com a praga Helicoverpa, mas anda preocupado. Está munindo de informações para não jogar dinheiro fora. As informações estão muito desencontradas e vou participar de palestras para fazer a aplicação de forma correta, explica. Fredox Carvalho

18 AGRINHO Pequenos e poderosos Ultrapassando as fronteiras da escola, programa auxilia crianças a mudar as comunidades que as cercam Karina Ribeiro Especial para a Revista Campo O despertar da consciência ambiental por meio da modificação de pensamentos e atitudes. Esse é o maior legado deixado, ao longo dos anos, pelo Agrinho, um programa de responsabilidade social do Sistema Faeg/Senar, em parceria com Sindicatos Rurais e os governos estadual e municipais. Trabalhando temas diferentes desde 2008, quando o programa foi iniciado, o Agrinho vêm cumprindo seu papel transformador. Este ano, 198 municípios participam com o tema Saber e Atuar para Melhorar o Mundo - Responsabilidade Social e Meio Ambiente. A festa de confraternização e premiação deste ano vai ocorrer no dia cinco de dezembro. Essa é uma forma de agradecer a dedicação e comprometimento daqueles que lutam por um mundo melhor. Envolvendo crianças e profissionais do ensino fundamental de escolas municipais e estaduais goianas, os ensinamentos saem das fronteiras das instituições escolares e atingem as comunidades que as cercam. Dessa forma é criada uma espécie de patrimônio permanente que, eventualmente, deve receber uma lufada de reforço didático para revigorar as ideias difundidas nos últimos anos. Acredito que muitos ensinamentos ficam ao longo dos anos. A maioria dos professores trabalha por convicção, resume a coordenadora do Programa Agrinho, Maria Luiza Bretas. O programa trabalha com uma proposta pedagógica com base na interdisciplinaridade e na pedagogia de pesquisa, sendo temas relacionados à ética, cidadania, saúde, alimentação, desenvolvimento sustentável e produção de alimentos. Todos com enfoque na preservação ambiental. Livro escrito por professora e alunos de Britânia é entregue no Hospital Araújo Jorge 18 CAMPO Outubro / 2013

19 Pequenos conselhos, grandes lições Uma série de ações complementares que abraçam o tema Responsabilidade Social e Meio Ambiente está sendo desenvolvida no município de Britânia por meio do Programa Sinal Verde. A coordenadora do projeto, a professora do nono ano do Colégio Estadual Alfredo Nasser, Maria Disterro dos Santos, 39, afirma que acompanha o Programa Agrinho há alguns anos e acredita no projeto. Próxima a colegas de trabalho e parentes de alunos que sofrem com diferentes tipos de câncer, a professora decidiu incutir nos alunos o espírito de solidariedade na tentativa de amparar ou minimizar os sofrimentos causados pela doença. Em uma das ações, apenas em um dia de gincana, os alunos da escola conseguiram recolher 25 mil itens eletrônicos que foram destinados à reciclagem para angariar recursos ao Hospital Araújo Jorge, localizado em Goiânia. O transporte para a capital foi realizado em três caminhões. A aluna Maria Eduarda Adolfo Alves, de 15 anos, lembra que, na ocasião, muitos pais de alunos participaram do projeto após o expediente de trabalho. Muitos saíram de carro junto com os filhos para bater de porta em porta, recorda. Os alunos foram incentivados também a ajudar na revitalização de regiões próximas ao Rio Araguaia. De uma forma lúdica, soltaram mil balões biodegradáveis com gás hélio. Em cada um havia entre 10 e 15 sementes de plantas nativas da região. A ideia é conseguir reflorestar regiões mais distantes, fora do alcance das mãos dos alunos. Focando no tema solidariedade, a professora selecionou alunos do nono ano para serem monitores escolares de alunos do quarto ano da Escola Municipal Eugênio Gomes dos Santos, da Vila Esperança. Para fechar as ações. A professora, em coautoria com os alunos do Maria do Disterro e alunos do 9º ano participam de lançamento do livro na Nobel, livraria do Shopping Bougainville nono ano do Colégio Estadual Alfredo Nasser e do quarto ano da Escola Eugênio Gama dos Santos publicou o livro Pequenos Conselhos Grandes Lições. Com a visão infantil sobre o tema responsabilidade social, diz, o livro também pode ser lido por todas as faixas de idade. Cada exemplar está sendo vendido a R$ 9,90 e a renda também é revertida para o Hospital Araújo Jorge. Exemplares foram distribuídos no hospital e dois lançamentos foram realizados, um deles na livraria Nobel do Shopping Bougainville, em Goiânia. Em apenas uma hora 120 livros foram vendidos. Mendel Cor zo Outubro / 2013 CAMPO 19

20 Limpeza do Parque Plantação de mudas De olho em uma área desmatada, mal aproveitada e vizinha à Escola Municipal Gercina Teixeira, localizada no município de Piranhas, professores e alunos colocaram em prática o projeto debatido em sala de aula e decidiram pôr a mão na massa para mudar a realidade da comunidade. Depois do processo de canalização do Córrego Olaria, que passa no fundo da escola, essa área ficou abandonada, informa a professora do quinto ano e coordenadora do projeto, Lindaura Tavares de Lima. Ela conta que a ideia foi surgindo de forma gradual. Com a ajuda de cerca de 70 alunos, divididos em três turmas, o córrego foi limpo. Depois, foi construído um parque de pneus reciclados com pista de caminhada, mesas para jogos de tabuleiro, cantinho de leitura, além da arborização. Na prática, onde não há as mãos efetivas dos alunos, entrou o diálogo. Fomos à prefeitura e conversamos sobre a possibilidade de mudar o local, diz a professora. Sensibilizada pelo trabalho realizado dentro dos portões da escola, a comunidade foi convidada a um mutirão da limpeza. Estamos focando a importância dessa conscientização na sala de aula, mas abrimos a visão para toda a comunidade, diz a secretária Preocupados com a destinação correta dos lixos produzidos pelos moradores e também com a diminuição do volume de água do Ribeirão Pereira, principal fonte de abastecimento do município de Guapó, alunos do oitavo ano do Colégio Estadual Liodósia Terra Ramos, passaram por um processo de aprendizagem sobre os impactos ambientais. Trabalhamos primeiro a escala global, depois estadual até chegarmos aos problemas ambientais municipais, diz a professora e coordenadora do projeto, Crislaine Macedo de Brito Gomide. Ela explica que o curso d água do ribeirão diminuiu visivelmente ao longo dos últimos anos. Foi confeccionada uma maquete explicativa, ilustrando a forma correta não só de revitalizar a mata ciliar, mas também do controle das mudas. Só plantar não é tudo, precisa cuidar do local e os alunos ficaram super empolgados, diz. Foram plantadas cinco mil mudas de espécies nativas no local, com recursos da prefeitura e iniciativa privada. A coordenadora do Colégio, Maria Antônia de Oliveira conta ainda que a Alunos da Escola Municipal Gercina Teixeira revitalizaram praça e criaram ônibus da leitura municipal de educação, Ledyanne Pereira dos Santos Torres. De acordo com o aluno, Mauro Antônio Araújo da Silva Neto, 11, a lição será levada para toda a vida. Acho que por causa do envolvimento de toda a comunidade e por ser bom para todo mundo. Vamos aproveitar um local que estava esquecido. Está todo mundo gostando e se envolvendo, argumenta. Alunos de Guapó realizaram plantio de mudas em Programa Agrinho escola está trabalhando no gerenciamento correto da coleta de lixo. Os alunos estão repassando os ensinamentos para a comunidade. Ela afirma que o maior legado deixado pelo Programa Agrinho é fazer com que os alunos coloquem em prática aquilo que é ensinado dentro da sala de aula. Mendel Cor zo Lindaura Tavares 20 CAMPO Outubro / 2013

PROJETO GOIÁS ASSOCIAÇÃO DOS JOVENS EMPREENDEDORES E EMPRESÁRIOS DE GOIÁS

PROJETO GOIÁS ASSOCIAÇÃO DOS JOVENS EMPREENDEDORES E EMPRESÁRIOS DE GOIÁS PROJETO GOIÁS PROJETO AGROJOVEM AJE-GOIÁS CONTEXTO Uma das principais preocupações da agricultura na atualidade é a sucessão nas propriedades rurais, não somente aqui no Brasil, mas como em grandes países

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013. ANO II / Nº56 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013. Uma safra inteira se passou desde o início dos trabalhos do Programa Fitossanitário

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO BRASIL Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura Camila Soares Braga Assessora Técnica Bem estar humano F ood F resh water F uel F iber A gente não

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais

Terça-feira, 23.08.11

Terça-feira, 23.08.11 Terça-feira, 23.08.11 Veja os destaques de hoje: 1. Governador em exercício participa da reunião de renovação do Programa Bolsa Universitária 2. Programa Lavoura Comunitária 3. ONU lança campanha O Planeta

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA Adriano Mallet adrianomallet@agrocult.com.br ARMAZENAMENTO NA FAZENDA O Brasil reconhece que a armazenagem na cadeia do Agronegócio é um dos principais itens da logística de escoamento da safra e fator

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

O SULCO COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. PRIMAVERA 2013. JohnDeere.com.br

O SULCO COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. PRIMAVERA 2013. JohnDeere.com.br 10 - Precisão na pecuária 14 - Trigo com tecnologia 18 - Turistas no pomar 10 14 18 PRIMAVERA 2013 O SULCO JohnDeere.com.br COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. capa 1 2 RICARDO

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

Edição 40 (Março/2014)

Edição 40 (Março/2014) Edição 40 (Março/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação oficial acelera por alimentos e transportes (Fonte: Terra) O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) avançou 0,73% em março

Leia mais

Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.625 Parceiros Rurais. Edição nº 20 - Setembro de 2015. Nesta Edição. Página 2.

Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.625 Parceiros Rurais. Edição nº 20 - Setembro de 2015. Nesta Edição. Página 2. I N F O R M A T I V O Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.625 Parceiros Rurais. Edição nº 20 - Setembro de 2015. Nesta Edição Agricultura Página 2 O Dragão está em xeque? Prezados

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2014/2015 levantamento divulgado em Agosto/2015.

Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2014/2015 levantamento divulgado em Agosto/2015. Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2014/2015 levantamento divulgado em Agosto/2015. Núcleo 1: Matrinchã, Jussara e região (Artur Pagnoncelli).

Leia mais

REGIONAL CENTRO-OESTE

REGIONAL CENTRO-OESTE REGIONAL CENTRO-OESTE SOJA DESPONTA NO CENTRO-OESTE, REDUZINDO ÁREAS DE MILHO VERÃO E ALGODÃO A produção de soja despontou no Centro-Oeste brasileiro nesta safra verão 2012/13, ocupando áreas antes destinadas

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 213 Produção Comunitária de Sementes: Segurança

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

Acompanhamento da Safra 2012/13 no MS

Acompanhamento da Safra 2012/13 no MS Acompanhamento da Safra 2012/13 no MS Circular Técnico nº 20 No acompanhamento da cultura do milho 2ª safra de Mato Grosso do Sul foram visitadas 52 propriedades entre os dias 22 e 25 de abril de 2013

Leia mais

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná A FAEP tem solicitado ao governo federal que libere os recursos anunciados de R$ 5,6 bilhões na Política de Garantia de Preços Mínimos

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.650 Parceiros Rurais. Edição nº 25 - Fevereiro de 2016. Nesta Edição. Página 2.

Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.650 Parceiros Rurais. Edição nº 25 - Fevereiro de 2016. Nesta Edição. Página 2. I N F O R M A T I V O Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.650 Parceiros Rurais. Edição nº 25 - Fevereiro de 2016. Nesta Edição Agricultura O exemplo de nossos vizinhos... Página 2

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o

Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o Strider nas fazendas A queda de braço entre custo e produtividade:

Leia mais

Categoria Negócios Sustentáveis. Artesanato - Plano de Negócio DRS. Nome do Projeto: Artesanato da Taboa. Agência Responsável: 2440 Piaçabuçu AL

Categoria Negócios Sustentáveis. Artesanato - Plano de Negócio DRS. Nome do Projeto: Artesanato da Taboa. Agência Responsável: 2440 Piaçabuçu AL Categoria Negócios Sustentáveis Artesanato - Plano de Negócio DRS Nome do Projeto: Artesanato da Taboa Agência Responsável: 2440 Piaçabuçu AL Localização: Feliz Deserto Alagoas Feliz Deserto é um município

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo O que esperar Desenvolver do do mercado de de leite no no e fortalecer Brasil e o e no agronegócio no mundo O que esperar do mercado de leite no Rafael Ribeiro de Lima Filho zootecnista Scot Consultoria

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

SEMIÁRIDOSHOW Edição 2011

SEMIÁRIDOSHOW Edição 2011 SEMIÁRIDOSHOW Edição 2011 Tecnologias Agrícolas: Água e Produção de Alimentos na Agricultura Familiar. De 22 a 25 de agosto de 2011 Local: Embrapa Transferência de Tecnologia BR 122 Km 50 (BR 428 Km 148)

Leia mais

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone Commodity Insight Agosto de 2013 Analistas Thadeu Silva Diretor de Inteligência de Mercado Thadeu.silva@intlfcstone.com Pedro Verges Analista de Mercado Pedro.verges@intlfcstone.com Natália Orlovicin Analista

Leia mais

CDC. De olho. no Futuro. em foco. Edição VII Ano III Agosto de 2013

CDC. De olho. no Futuro. em foco. Edição VII Ano III Agosto de 2013 CDC em foco Edição VII Ano III Agosto de 2013 De olho no Futuro 1 editorial A segunda edição do boletim CDC em Foco deste ano traz novidades e relembra ações que contribuíram para a melhoria da qualidade

Leia mais

Escola Luiz César de Siqueira Melo

Escola Luiz César de Siqueira Melo Escola Luiz César de Siqueira Melo PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S.A Elaboração: Prof. Elias Alves de Souza I - APRESENTAÇÃO O cultivo de açúcar foi introduzido no Brasil em 1532

Leia mais

Cooxupé faz investimento milionário em complexo de armazenamento

Cooxupé faz investimento milionário em complexo de armazenamento Cooxupé faz investimento milionário em complexo de armazenamento 7 8 Carlos Paulino discursando A cidade de Guaxupé, no sul de Minas Gerais, é conhecida por ser um dos grandes centros cafeeiros nacionais

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE

LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Uma análise do Comitê de Logística da ABAG e de seus núcleos: Infraestrutura do Transporte Logística do Transporte Armazenagem Energia Telemática Capital

Leia mais

INSTITUIÇÃO EXECUTORA:

INSTITUIÇÃO EXECUTORA: FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NA AGRICULTURA NO ESTADO DE MATO GROSSO 30 ANOS RELATÓRIO DO PROJETO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA CULTURA DO ALGODÃO PARA AGRICULTORES FAMILIARES DE MATO GROSSO Relatório

Leia mais

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012

ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA. Brasília outubro de 2012 ARMAZENAGEM NO SETOR CEREALISTA Brasília outubro de 2012 Agricultura e Armazenagem Produzir até 2050, de forma sustentável e ordenada, + 1 bilhão de toneladas de grãos e + 200 milhões de toneladas de carne,

Leia mais

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013 PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL novembro de 2013 EVOLUÇÃO DO FINANCIAMENTO RURAL 160,0 1200% 140,0 1100% 1000% 120,0 900% BILHÕES 100,0 80,0 60,0 40,0 424% 349% 800% 700% 600%

Leia mais

MOGNO BRASILEIRO. "Mogno resssurge no cerrado mineiro

MOGNO BRASILEIRO. Mogno resssurge no cerrado mineiro MOGNO BRASILEIRO A valiosa madeira mogno está sendo cultivada no norte de MG. Cresce rápido, e agricultores já a veem como futura fonte de lucro. Vejam: "Mogno resssurge no cerrado mineiro A valiosa madeira

Leia mais

Brasil e Estados Unidos avançam na reabertura de mercado para carne bovina in natura

Brasil e Estados Unidos avançam na reabertura de mercado para carne bovina in natura Edição 14 - Julho de 2015 Brasil e Estados Unidos avançam na reabertura de mercado para carne bovina in natura A presidente Dilma Rousseff esteve nos Estados Unidos, de 27 de junho a 1º de julho, onde

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

Prudência e Percepção Com balanço positivo de 2013, produtores usam palavras de ordem para um próximo ano de ainda mais sucesso

Prudência e Percepção Com balanço positivo de 2013, produtores usam palavras de ordem para um próximo ano de ainda mais sucesso ISSN 2178-5781 Ano XIII 222 Dezembro 2013 Agrinho 2013 Programa premia alunos e professores em evento na capital Pragas Mapa decreta estado de emergência para helicoverpa e ferrugem preocupa Prudência

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2 157 ISSN 1679-0472 Fevereiro, 2010 Dourados, MS Foto: Nilton Pires de Araújo Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2010, em Cultivo Solteiro e Consorciado com Brachiaria ruziziensis, na Região

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 62 Discurso na cerimónia de apresentação

Leia mais

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 212, em relação à produção obtida em 211 A quinta avaliação da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.01 9 de abril de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 6 Figuras Figura 1. Adoção da

Leia mais

Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS

Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS oportunidades de negócio para a Agricultura Familiar Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS CAMPO GRANDE - AGOSTO/2014 SEBRAE/MS Conselho Deliberativo Associação das Microempresas

Leia mais

Sobre a incompetência do sistema de registro de agrotóxicos

Sobre a incompetência do sistema de registro de agrotóxicos Sobre a incompetência do sistema de registro de agrotóxicos Reginaldo Minaré A produção agrícola ocupa posição de destaque na comunidade brasileira, produz, de fato, os alimentos necessários à população

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

Facebook/Cearpa Sorriso

Facebook/Cearpa Sorriso Facebook/Cearpa Sorriso Facebook/Weider Santana @joelmaqueirozz Facebook/Cila Vilela Facebook/Gorette Rocha @inpev ENGAJAMENTO 29 ENGAJAMENTO G4-26 e DMA @eliandersonzte O inpev articula os elos da cadeia

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada Análise setorial Agropecuária A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Vivian Fürstenau** Economista da FEE Introdução Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 1 Senhores Associados: RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 Temos a satisfação de apresentar o Relatório da Gestão e as Demonstrações Contábeis da CREDICOAMO Crédito Rural Cooperativa, relativas às atividades desenvolvidas

Leia mais

Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho

Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho José Carlos Cruz 1, Israel Alexandre Pereira Filho 1, João Carlos Garcia 1, Jason de Oliveira Duarte 1, João Herbert Moreira Viana 1, Ivan Cruz 1, Rodrigo

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas CAFÉ CAFÉ Bolsas BM&F ICE FUTURES Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação SET13 136,80 136,50 135,80-1,80 SET 113,50 115,70 113,25-1,45

Leia mais

Palavras-chave: Agricultura Familiar, Fruticultura, Assistência Técnica, Metodologia Participativa, Agroecologia.

Palavras-chave: Agricultura Familiar, Fruticultura, Assistência Técnica, Metodologia Participativa, Agroecologia. Experiências de Assessoramento a Fruticultores da Região de Itaberaí GO, realizado pelo Grupo de Ensino, pesquisa e Assistência à Agricultores Familiares. RIBEIRO, Gessyane Guimarães¹; HAROLD, Carlos Alexandre

Leia mais

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11 Céleres Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 199/97 a 2010/11 O CASO DO ALGODÃO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DO MILHO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DA SOJA TOLERANTE A HERBICIDA

Leia mais

23ª ABERTURA DA COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS. Diretoria de Agronegócios (DF)

23ª ABERTURA DA COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS. Diretoria de Agronegócios (DF) 23ª ABERTURA DA COLHEITA DO ARROZ Restinga Seca - RS 21-02-2013 Protagonista do Agronegócio Mundial Brasil Protagonista do Agronegócio Mundial População crescerá 2,15 bilhões de habitantes até 2050, elevando

Leia mais

PARA GESTORES PÚBLICOS

PARA GESTORES PÚBLICOS UM BOM NEGÓCIO PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL PARA GESTORES PÚBLICOS 1 2014 - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de Minas Gerais - Sebrae. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Nº 60/2013 novembro Informativo digital sobre temas da cadeia produtiva da soja Produtor rural muda conceito de trabalho na fazenda com o Soja Plus

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Alimentação saudável, contra o uso abusivo de agrotóxicos

Alimentação saudável, contra o uso abusivo de agrotóxicos Alimentação saudável, contra o uso abusivo de agrotóxicos Alimento adequado e seguro é direito da população, e o uso indiscriminado de agrotóxicos envenena o planeta. Alimentação saudável, contra o uso

Leia mais

Para produzir milho, soja, trigo e feijão, ele conta com 26 empregados fixos,

Para produzir milho, soja, trigo e feijão, ele conta com 26 empregados fixos, colônias de café nas regiões de Araraquara e Ribeirão Preto, SP, enquanto outros se deslocaram para a capital paulista, onde viraram operários na construção civil. Anos depois, João e os filhos mudaramse

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café

Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Marcus Vinícius Martins M.Sc. em Agronomia Fiscal Federal Agropecuária

Leia mais

Seminário Sustentabilidade Local 2011. Apresentação dos Projetos de Caçu e Cachoeira Alta - GO

Seminário Sustentabilidade Local 2011. Apresentação dos Projetos de Caçu e Cachoeira Alta - GO Seminário Sustentabilidade Local 2011 Apresentação dos Projetos de Caçu e Cachoeira Alta - GO Projetos de Caçu Caçu COMISSÃO TEMÁTICA DE CULTURA Projeto Ponto de Cultura de Sustentabilidade Projeto Ponto

Leia mais

Mão de obra rural. Procura-se peão capacitado

Mão de obra rural. Procura-se peão capacitado Mão de obra rural Procura-se peão capacitado Escassez de trabalhador rural capacitado já prejudica a produtividade. Maioria foi para a construção Lídia Borges 12 de fevereiro de 2012 (domingo) Falar em

Leia mais

CAMPO. Gestão. futuro. para o. Desafios de governar. Gripe bovina. Diretoria eleita

CAMPO. Gestão. futuro. para o. Desafios de governar. Gripe bovina. Diretoria eleita Ano XII, nº 187, Goiás, janeiro/2011 CAMPO A revista Campo é editada pela Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás e Senar Goiás Gestão para o futuro ISSN 2178-5481 9912263550 - DR/GO www.faeg.com.br

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 29 de setembro de 2015.

Clipping de notícias. Recife, 29 de setembro de 2015. Clipping de notícias Recife, 29 de setembro de 2015. Saindo do papel O deputado Fernando Monteiro, da bancada pernambucana do PP na Câmara federal, regressou ontem de um giro pelos canais da Transposição

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO)

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) Curso de MBA Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) 1 2 SUMÁRIO 4. FORMATO. 5. CONCEPÇÃO. 7. OBJETIVO. 7. PÚBLICO ALVO. 8. DIFERENCIAIS INOVADORES

Leia mais

SEBRAE. Reunião da Câmara Técnica T. da Silvicultura MAPA 20/08/2013

SEBRAE. Reunião da Câmara Técnica T. da Silvicultura MAPA 20/08/2013 SEBRAE Reunião da Câmara Técnica T da Silvicultura MAPA 20/08/2013 SEBRAE Análise do Ambiente Externo Demanda crises econômicas sucessivas; Legislação ambiental necessidade do CV ser proveniente de floresta

Leia mais

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Mesa Redonda III Aquecimento global e impactos sobre o seguro agrícola Palestra: Aquecimento global e possíveis impactos econômicos sobre a agricultura

Leia mais

MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO

MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO PLANO SAFRA 2014/2015 Plano Safra Estadual é um mecanismo de planejamento setorial abrange quinze instrumentos de política em diversos tipos de atividades

Leia mais