Relatório Anual Central SC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Anual 2011. Central SC"

Transcrição

1 Relatório Anual 2011 Central SC

2 CARTOLA 2 Relatório Anual 2011

3 CARTOLA Central SC Relatório Anual

4 EXPEDIENTE Central SC SICOOB SANTA CATARINA RELATÓRIO ANUAL 2011 Conselho de Administração Presidente Rui Schneider da Silva Vice-Presidente Francisco Greselle Secretário Hermes Barbieri Conselheiros Romanin Dagostin Otávio Henrique Almeida Tessaro Elói Guilherme Presotto Edson Fernandes Santos Carlos José Ramos Wilson Jacob Schmitt Mandato do Conselho de Administração Conselho Fiscal Efetivos Artêmio José Flach José Amarildo Costa Max Konradt Júnior Suplentes Egídio Ceccatto Elizabeth de Fátima Borba Wolni José Walter Mandato do Conselho Fiscal Produção Quorum Comunicação Textos: Gastão Cassel (DRT/RS 6166) Projeto gráfico: Audrey Schmitz Infografia: Taís Massaro Fotografia: Sônia Vill Impressão: Gráfica Coan 4 Relatório Anual 2011

5 APRESENTAÇÃO Mensagem do Presidente O Sicoob Central SC e suas 42 cooperativas filiadas mostram seu valor na economia regional. Nosso objetivo sempre será o de manter unidas e fortes nossas cooperativas filiadas, visando ao crescimento sustentável. Para isso, concentramos nossos esforços na integração e utilização dos serviços econômico-financeiros e assistenciais de interesse geral. Em 2011, nossas cooperativas abriram mais 18 pontos de atendimento, e hoje estamos presentes em 207 municípios, correspondendo a 70,65% dos municípios catarinenses, 6 municípios paranaenses e 5 municípios gaúchos. Fechamos o ano com associados, 17,11% a mais que em Para atender à crescente demanda das filiadas, dispomos de uma estrutura especializada nas áreas financeira, tecnológica, comercial, jurídica, de capacitação, de recursos humanos, de auditoria e controles internos, de desenvolvimento de negócios e de comunicação e marketing. Em 14/10/11, realizamos com sucesso, na cidade de Gramado RS, o nosso 5º Encontro dos Conselhos e o 3º Seminário de Livre Admissão. Tivemos nessa oportunidade palestras importantíssimas de especialistas no mercado nacional e internacional, de representantes do Banco Central do Brasil e de dirigentes de nossas filiadas. Foi uma oportunidade ímpar de aprendizado e congraçamento. Para ajustar o organograma da Central a nossas necessidades, retornamos a área de comunicação e marketing para a Gerência Administrativa, deixando a Gerência Comercial com mais tempo para atuar nos programas de desenvolvimento de nossas filiadas. A reformulação da equipe e dos procedimentos da Centralização Contábil surtiu efeito, melhorando o atendimento e, inclusive, possibilitando o ingresso de mais cooperativas a esse serviço disponibilizado pela Central. No momento são atendidas 11 cooperativas. Em janeiro de 2012 iniciamos o atendimento contábil à Crediauc, uma cooperativa de maior volume de serviços. Assim, aos poucos, vamos atendendo às demais solicitações. Em 2011, tivemos rentabilidade de 21,81% e uma sobra consolidada de R$ 108,3 milhões. Os trabalhos desenvolvidos pela Central seguem o Planejamento Estratégico do Sicoob Santa Catarina, divulgado pelo Conselho de Administração em 2008, o qual deverá ser revisado em meados de Registramos os trabalhos da Sicoob SC Corretora, que obteve um resultado líquido de R$ 3,54 milhões, e o trabalho executado na emissão de novos cartões, que gerou uma receita de R$ 2,14 milhões. No movimento geral e consolidado, tivemos uma rentabilidade de 21,81% sobre o Patrimônio Líquido e uma sobra consolidada de R$ 108,3 milhões. Os depósitos totais aumentaram em 29,53%, e as operações de crédito tiveram um incremento de 33,78%. Os resultados obtidos comprovam o fortalecimento do Sistema. Na área de tecnologia, continuamos a reestruturação do centro tecnológico da Central, ampliando a capacidade de processamento e armazenamento de dados com maior eficiência e segurança, bem como construímos no ex-cps Bancoob, no bairro Barreiros, em São José, o Centro Alternativo de Tecnologia de Informação site back-up, para atender à Política de Segurança de Informação e o Plano de Continuidade de Negócios da Central, com o objetivo de permitir que a Central tenha continuidade operacional em casos de incidentes de segurança graves. A construção da ferramenta Relatórios Gerenciais, que possibilitará um maior controle interno, terá sua finalização quando a Confederação disponibilizar-nos o BI Business Intelligence, previsto para outubro de O nosso software precisa estar sintonizado com o que está sendo produzido na Confederação, a fim de permitir uma padronização nacional. Através de um trabalho específico da Gerência Comercial, colocamos no ar o novo site da Central, que, numa produção mais Relatório Anual

6 APRESENTAÇÃO moderna e atualizada, apresenta uma nova maneira de mostrar ao mundo o Sicoob SC. Nossas cooperativas sempre prezaram pela capitalização, porque sabem por experiência própria que precisam manter um Patrimônio Líquido ideal, que lhes dê maior poder de alavancagem e segurança. Se hoje o Sicoob SC é a segunda maior Central que capitaliza o Sicoob Confederação, também é a segunda maior Central detentora de ações ordinárias no Bancoob. Nunca nos passou despercebida a ideia de continuarmos agindo no sentido de fusões e incorporações. Atuamos quando observamos que algumas cooperativas e/ou regiões precisam de uma ação para obter Nossas cooperativas prezaram pela capitalização, porque sabem que precisam manter um Patrimônio Líquido ideal. um crescimento compatível com as demais e atingirmos nosso objetivo de ocupar 100% do Estado de Santa Catarina. Realizamos dois processos de incorporação no decorrer do exercício de 2011: em maio, a Itacredi foi incorporada pela Blucredi; e, em agosto, a Crediban foi incorporada pela Credisc. Os problemas de gerenciamento porventura apresentados em algumas de nossas filiadas estão sendo enfrentados mediante reuniões frequentes com os conselheiros e gerentes, e participação de administrações compartilhadas e inspeções instrutivas que auxiliem na correção e no desempenho de tarefas e na elaboração de planos de adequação. Com essas medidas estamos formando administrações mais eficientes e competitivas. Cada vez mais precisamos, além de uma administração eficiente e transparente, ter mais consciência de nossas responsabilidades, sermos mais profissionais, mais esforçados e treinados para desempenhar melhor nossas funções de dirigentes de entidades financeiras. A profissionalização é ponto-chave e está diretamente relacionada com o grau de exigência dos serviços da Central por nossas filiadas. Em 2011, através de diversas e intensas reuniões de representantes da Central, com dirigentes de cooperativas, conseguimos a decisão de incorporação da Credtec pela Maxicrédito, que ocorreu em fevereiro de 2012, e a recuperação da Coopercred, que já apresentou resultados positivos ao final deste exercício. O Conselho de Administração da Central decidiu estrategicamente pela abertura do município de Lages para que uma cooperativa de livre admissão pudesse ali operar. Foram efetuadas reuniões com a finalidade de decidir-se pela ocupação das áreas no Estado do Rio Grande do Sul e, também, das áreas litorâneas ainda não ocupadas em Santa Catarina. Em nosso Estado, as cooperativas em reunião definiram as áreas e as datas que efetivamente iriam ocupar. Fizemos reuniões de presidentes e gerentes, reuniões de setores específicos, envolvendo todas as cooperativas filiadas, e participamos de várias assembleias gerais, além de festividades e reuniões locais. Reivindicamos e incisivamente atuamos diante de órgãos públicos e instituições parceiras, defendendo os interesses do sistema e do cooperativismo de crédito. Acreditamos que as coopera- tivas de crédito são pilares para o fortalecimento da economia, para a descentralização do crédito e para a democratização da renda. Temos princípios universais, metas a cumprir, missões a seguir, nas quais se destacam ações voltadas à participação econômica, à educação, pensando na profissionalização dos associados, funcionários, dirigentes e conselheiros, à capitalização para sermos cooperativas fortes, e um trabalho incessante de conscientização do cooperativismo, visando ao desenvolvimento dos associados, dos colaboradores e seus familiares, e da comunidade em geral. Superamos muitas metas e estamos atingindo o crescimento planejado. Compartilhamos com todos os participantes do sistema Sicoob nossas vitórias e aprendizados. Desejamos um 2012 ainda melhor para todas as cooperativas do sistema, e que possamos ser, cada vez mais, instrumentos do desenvolvimento econômico de nosso país. Finalmente, agradecemos a contribuição de todos os colaboradores da Central e de todas as nossas cooperativas filiadas, assessores, colegas conselheiros de administração e fiscal, dirigentes e associados de nossas cooperativas integrantes do Sicoob SC, representantes do Banco Central, dirigentes da OCB, da Confebras, da Ocesc, da Fecoagro, do Bancoob e do Sicoob Confederação, representantes legislativos estaduais e federais, enfim, a todos que contribuíram para que nossos objetivos fossem alcançados. Rui Schneider da Silva Presidente 6 Relatório Anual 2011

7 Missão e Princípios do Sicoob SC Missão Contribuir para o desenvolvimento econômico e social dos associados, por meio da cooperação financeira e de serviços, promovendo a melhoria da qualidade de vida da comunidade catarinense. Visão Sermos reconhecidos pela sociedade como a melhor opção financeira e de serviços em Santa Catarina, possuindo autonomia financeira para o atendimento das necessidades dos associados. Cooperativismo Ações sustentadas nos princípios cooperativistas. Associados Estímulo a sua participação e permanente aperfeiçoamento. Sua máxima satisfação é nosso alvo principal. Transparência Fortalecimento da confiança dos associados (cooperados) por meio da ampla disponibilidade de informações sobre a instituição. Princípios Credibilidade Preservação da solidez econômica e financeira, observados os conceitos da ética. Qualidade Busca permanente do aprimoramento de nossos produtos, serviços e atendimento. Gestão de Pessoas Permanente valorização e desenvolvimento do patrimônio humano. Relatório Anual

8 CARTOLA 8 Relatório Anual 2011

9 Sumário 11 No Ano Internacional das Cooperativas, o Sicoob mostra sua força na economia regional O que é (e como é) o Sicoob Central SC Sicoob SC amplia participação acionária no Bancoob Abrangência do Sicoob SC Incentivo a projetos que educam e incluem Atividades são orientadas por planejamento estratégico Presidência faz representação institucional e coordena projetos Sustentabilidade está na pauta do Sicoob Central SC Em 2011 ocorreram o 5º Encontro dos Conselhos e o 3º Seminário de Livre Admissão Reforço da marca é sempre uma meta 24 Escola qualifica dirigentes e profissionais das cooperativas Ações preventivas combatem o uso do sistema para lavagem de dinheiro % da rede Sicoob SC utiliza compensação de cheques por imagem Captação de recursos é alvo prioritário da gerência financeira Centralização Contábil e de RH são exemplos de economia e segurança para as cooperativas Centro Alternativo de Tecnologia da Informação dá mais segurança aos sistemas da cooperativa Padronização de procedimentos e normas assegura credibilidade do sistema Sicoob Previ é uma das estrelas de comercialização em Patrimônio cresce 42% em 2011 A agricultura de Santa Catarina tem a força do Sicoob Limite dos cartões de crédito cresce 75% em 2011 Captação de poupança cresce 21,7% R$ 78,1 milhões são liberados em crédito com recursos do BNDES Demonstrações Financeiras Relatório Anual

10 O Sicoob é a maior rede de cooperativas de crédito de Santa Catarina e do Brasil. No Estado catarinense, formamos a segunda maior rede de atendimento entre as instituições financeiras.

11 INSTITUCIONAL No Ano Internacional das Cooperativas, o Sicoob mostra sua força na economia regional A Organização das Nações Unidas (ONU) declarou 2012 como o Ano Internacional das Cooperativas. Trata-se de um imenso reconhecimento ao papel das cooperativas e sua contribuição efetiva para o desenvolvimento socioeconômico dos mais diversos lugares do mundo, principalmente dentro da perspectiva da sustentabilidade, da qualidade de vida, da responsabilidade com o espaço em que vivemos, com as pessoas e realidades com as quais interagimos. Trata-se, também, de um desafio, de um impulso para avançarmos ainda mais no trabalho que já vem transformando para melhor muitas realidades, que vem mudando a vida de muita gente em cada cidade e em cada região onde nossas cooperativas filiadas atuam. Agindo em nossos contextos, somos parte de uma história mundial de cooperativismo, que agora ganha um grande destaque com a decisão da ONU. Sim, chegamos a 2012, um ano que, com certeza, será um marco para o setor, com resultados extremamente positivos, colhidos do associados 207 municípios em SC 6 municípios no PR 5 municípios no RS intenso e dedicado trabalho de todos em Resultados de um empenho que vem fortalecendo cada vez mais as cooperativas filiadas e vem-se destacando continuamen- A ONU reconhece a importância do cooperativismo para fazermos um mundo com melhor distribuição de riquezas. te no cenário do cooperativismo de crédito. É importante ressaltar: o Sicoob Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil é a maior rede de cooperativas de crédito do Brasil e de Santa Catarina. No Estado catarinense, formamos a segunda maior rede de atendimento entre as instituições financeiras. O fato tem um profundo significado econômico e social, principalmente se observarmos do ponto de vista de nossa perspectiva de cooperativismo de crédito: um cooperativismo que assume Relatório Anual

12 INSTITUCIONAL Sistema já alcança 70% do estado de Santa Catarina e prepara expansão para o Rio Grande do Sul. os riscos da intermediação dos recursos financeiros, que assume sua responsabilidade de forma concreta e verdadeira, e que gera benefícios para a comunidade local. Um exemplo claro: o Sistema é o segundo maior fornecedor de crédito para a agricultura catarinense, ou seja, nossas cooperativas são agentes imprescindíveis para o desenvolvimento de uma das principais economias do Estado catarinense. E a palavra que vem à cabeça quando pensamos na importância da posição que ocupamos atualmente nesses cenários é, sem dúvidas, credibilidade. R$ 3,7 bilhões em ativos na economia de SC R$ 108 milhões de lucro distribuído entre os associados Sim, chegamos ao ano dedicado às cooperativas com a certeza de que já trilhamos um importante caminho e que temos um papel fundamental neste contexto de transformação, de fortalecimento, de união, de integração de saberes, tecnologias, serviços econômico- -financeiros e assistenciais para o bem de todos os nossos associados um número que demonstra que, em 2011, aumentamos 17,11% as novas associações em relação ao ano anterior. A expansão de 2011 levou-nos a marcar presença em 207 municípios de Santa Catarina (mais de 70% do Estado), em seis municípios paranaenses e em cinco do Rio Grande do Sul. Mais pessoas com acesso ao cooperativismo de crédito, mais pessoas dividindo os resultados financeiros alcançados pelas cooperativas, mais pessoas participando, votando e sentindo-se realmente protagonistas de sua cooperativa. Mais acesso aos serviços financeiros com tarifas e taxas menores do que as dos bancos. E tudo isso sempre mais eficaz com o fortalecimento de nosso Sistema e seus serviços prestados às filiadas. Aqui, nesta publicação que agora chega a suas mãos, tratamos destas conquistas coletivas que espelham uma trajetória. Nos avanços, como já destacamos, apresentamos dados concretos de uma expansão que leva nossa missão de contribuir com o desenvolvimento social e econômico de nossos associados cada vez para mais cidades, para mais pessoas, rompendo fronteiras sempre no sentido de colaborar com a melhoria da qualidade de vida das comunidades onde nossas cooperativas filiadas encontram-se. Em 2011, nossa estrutura especializada nas áreas administrativa, financeira, tecnológica, comercial e jurídica, de capacitação, recursos humanos, contabilidade, auditoria, controles internos, desenvolvimento de negócios, comunicação e marketing, enfim, toda nossa estrutura para atender à demanda das filiadas cresceu, reformulou-se e qualificou-se ainda mais. O impacto da constante qualificação chega, com certeza, aos resultados de cada filiada, que tem suas demandas atendidas com mais agilidade em cada setor. O Sistema fortaleceu-se sobremaneira. O Sicoob SC cresceu 29,5%, movimentando ativos de R$ 3,7 bilhões na economia catarinense. As cooperativas conveniadas obtiveram crescimento de 24,8% na distribuição dos resultados que alcançaram, somando R$ 108,2 milhões. Um lucro que, no cooperativismo de crédito, pertence aos associados das cooperativas, os donos do negócio. Os dados consolidados de 2011 do Sicoob SC mostram que houve uma evolução de 29,1% do patrimônio líquido em relação a 2011, totalizando R$ 582,9 milhões. As operações de crédito fo- 12 Relatório Anual 2011

13 Segunda maior rede de atendimento entre instituições financeiras de SC ram de R$ 1,9 bilhão, anotando um crescimento de 29%. Os depósitos à vista somaram R$ 407,6 milhões (+20,3%), os depósitos a prazo ficaram em R$ 1,9 bilhão (+32,2%), e a poupança em R$ 105,9 milhões (+21,7%). E, como já citado, o número de sócios chegou a : um crescimento de 17,11%. Para nós, do Sicoob SC, trata-se de um crescimento expressivo que atesta o interesse cada vez maior da população em opções e alternativas de prestação de serviços financeiros de qualidade e de baixo custo, indispensáveis para o desenvolvimento econômico e social. Com os importantes resultados obtidos, o destaque que temos alcançado, inclusive na mídia, legitima-nos ainda mais a expandir e a crescer. Reportagem do jornal Diário Catarinense, edição de 24 de março de 2012, com o título Cooperativas vão competir com os bancos, por exemplo, aponta cada uma das conquistas de 2011 e as novidades, como a instalação do Sicoob Maxicrédito, primeira cooperativa de livre admissão na Capital de Santa Catarina. O texto ressalta também nossa intenção de estar em todos os 293 municípios do Estado até E o caminho está sendo trilhado com firmeza. Sim, chegamos a 2012, o Ano Internacional das Cooperativas, com um saldo extremamente positivo do ano que passou. As páginas deste relatório detalham cada parte desse percurso em 2011 e, com certeza, refletem o esforço de todos. Boa leitura! INSTITUCIONAL 2011 foi um ano extremamente positivo para as cooperativas de crédito, particularmente para o Sicoob SC. Relatório Anual

14 ESTRUTURA O que é (e como é) o Sicoob Central SC O Sicoob Central SC tem o papel de auxiliar as 42 cooperativas em suas rotinas diárias e, para isso, possui uma estrutura funcional que viabiliza esse auxílio a suas filiadas. As cooperativas, por sua vez, distribuídas em 70,65% dos municípios catarinenses, contribuem para que o Sicoob seja o maior sistema de cooperativas de crédito do Brasil, sendo em Santa Catarina a segunda maior rede de atendimento entre as instituições financeiras do Estado. Além de Santa Catarina, o Sicoob possui seis pontos de atendimento no Paraná e cinco no Rio Grande do Sul, onde pretende expandir ainda mais pontos de atendimento. Para isso, a Central organizou encontros em 2011 entre as cooperativas com interesse nessas áreas, a fim de organizar essa expansão. Com 18 agências abertas em 2011, o Sicoob passou a atuar em mais 12 municípios catarinenses, três paranaenses e três no Rio Grande do Sul. Foram aprovados 70 correspondentes cooperativos, totali- zando 312, o que aumenta as opções de atendimento aos associados do Sicoob. Com o objetivo de atender à crescente demanda do Sistema, em 2011 o quadro de funcionários da Central aumentou de 57 para 69, dispondo de uma estrutura especializada nas áreas financeira, tecnológica, comercial e jurídica, de capacitação, recursos humanos, auditoria e controles internos, desenvolvimento de negócios e comunicação e marketing. São 42 cooperativas ligadas a um sistema que privilegia o profissionalismo e tem foco nos associados. Número de funcionários por área de atuação Setor Funcionários Estagiários TOTAL Administrativo Comercial 8-8 Financeiro 4-4 Supervisão Tecnologia TOTAL Relatório Anual 2011

15 ESTRUTURA Organograma do Sicoob Central SC Sicoob SC amplia participação acionária no Bancoob O Bancoob é o banco criado pelo sistema Sicoob nacional para apoiar o sistema no que diz respeito à retaguarda de serviços bancários. Sua atividade está voltada às necessidades do sistema com quem realiza uma troca permanente, embora não seja um provedor exclusivo de serviços. Em 2011 o Sicoob SC aumentou sua participação acionária na instituição e passou a ter 14,39% de seu capital social. É uma evolução que demonstra a importância de Santa Catarina e da Região Sul no contexto do sistema de cooperativismo de crédito. Participação Acionária no Bancoob (%) Relatório Anual

16 ESTRUTURA Abrangência do Sicoob SC Em Santa Catarina o Sicoob SC está presente em 207 municípios No Paraná o Sicoob SC está presente em seis municípios: Bom Jesus do Sul Flor da Serra do Sul Rio Negro No Rio Grande do Sul o Sicoob SC está presente em cinco municípios, com perspectiva de grande expansão em breve: Erechim Frederico Westphalen Salgado Filho São Mateus do Sul União da Vitória Igrejinha Morrinhos do Sul Três Coroas 16 Relatório Anual 2011

17 ESTRUTURA Legenda: AGÊNCIA-SEDE MUNICÍPIOS COM SEDE E/OU PAC MUNICÍPIOS EM ÁREA DE ATUAÇÃO MUNICÍPIOS SEM PREVISÃO DE ÁREA DE ATUAÇÃO Cooperativas com Abrangência Estadual: Credisc (Florianópolis) Creditran (Florianópolis) Credpom (Florianópolis) Oabcred (Florianópolis) Credicor (Blumenau) Relatório Anual

18 RESPONSABILIDADE SOCIAL Incentivo a projetos que educam É da essência do cooperativismo integrar-se às comunidades, exercer a responsabilidade social promovendo cuidados com o meio ambiente e educando para a cidadania e o cooperativismo. A seguir veremos alguns projetos desenvolvidos em 2011 por cooperativas do sistema Sicoob Central SC. Viveiro de Mudas Colégio Cedrense O Colégio Cedrense, de São José do Cedro instalou com auxílio do Sicoob São Miguel um viveiro de mudas com capacidade para produzir 30 mil mudas por ano. O viveiro serve para aulas teóricas e práticas no projeto de educação ambiental do colégio. A estrutura substituiu uma anterior produzida com garrafas pet, mas que tinha difícil manuseio e manutenção. Agora o viveiro modernizado tem tubetes, irrigação controlada e sombrite. O Sicoob São Miguel investiu R$ 8.000,00 no viveiro. Captação de água da chuva O Sicoob São Miguel ajudou a Escola Municipal Professora Jaci Maria Lopes, de Salgado Filho, no Paraná, a construir uma cisterna de 30 mil litros para armazenar água da chuva. O projeto tem como objetivo educar para o consumo consciente da água na comunidade escolar, envolvendo alunos, professores e pais. A escola realizou um concurso para decoração da cisterna. Amanda Pastre, 8 anos, aluna do 2º ano, foi a vencedora do concurso e recebeu um prêmio no dia da inauguração. Houve parceria com a prefeitura de Salgado Filho. O investimento do Sicoob São Miguel foi de R$ 3.522,60. Reflorestar para preservar Foi em Urupema que o Sicoob Crediserra realizou pela primeira vez o projeto Reflorestar para Preservar. A cooperativa de crédito presenteou o produtor que obteve o recurso de custeio no SICOOB/CREDI- SERRA para reflorestamento com 50 unidades de mudas de eucalipto da variedade Benthamii. É uma forma de incentivar o uso de plantas não nativas para consumo, preservando as florestas naturais. Educação socioambiental O Sicoob Crediplanalto promoveu nos municípios de Papanduva, Santa Terezinha, Rio da Anta, Major Vieira, Monte Castelo e Mafra palestras com temas socioambientais, visando aà redução do assoreamento dos rios, melhora da vida microbiana do solo, aumento da produtividade e respeito ao meio ambiente. As palestras foram dirigidas aos beneficiários de crédito rural. 18 Relatório Anual 2011

19 RESPONSABILIDADE SOCIAL Encontro da família O Sicoob Crediplanalto investe no relacionamento e promove a Encontro da Família Cooperativista. O objetivo é difundir ainda mais o cooperativismo no Planalto Norte, além de oportunizar aos associados e à comunidade um dia de informação, entretenimento e relacionamento humano. O evento é uma parceria Sescoop, Senar e Sicoob Crediplanalto. Cooperativismo em quadrinhos A história em quadrinhos Sicoobito é um projeto de educação que foi criado pelo Sicoob São Miguel para levar princípios, valores e fundamentos do cooperativismo aos educadores, alunos, pais e comunidade. Para a cooperativa é a oportunidade de oferecer uma ferramenta de comunicação com o público infantil e de preparar as crianças para a cultura da cooperação. O Sicoob atendeu 160 escolas tendo distribuído 21 mil exemplares da revista Sicoobito nos 15 municípios de atuação da cooperativa. Preservação do Arroio Grápia e do Rio das Flores O Arroio Grápia tem uma extensão de 15 km e nasce no terreno da Escola da Comunidade no município de Paraíso. A escola e a Epagri tiveram a iniciativa para preservar o arroio, e o Sicoob São Miguel entrou na parceria. Foram desenvolvidas diversas atividades para sensibilizar para a recuperação do Arroio Grápia, que está recebendo dejetos e lixo. A situação é crítica e a comunidade está se mobilizando para a recomposição da mata ciliar e preservação do arroio. O Sicoob São Miguel patrocina a cerca, sementes, placas indicativas e participa efetivamente do projeto. Educação cooperativista para a juventude A Crediplanalto abraçou fortemente o compromisso com a educação cooperativista. Fez parceria com o Sescoop - Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo e adotou o Cooperjovem que é um Programa direcionado às escolas, visando preparar as crianças para a formação cooperativa. A primeira iniciativa foi na Escola de Educação Básica Alinor Vieira Côrte, com turmas piloto,onde há professores capacitados pelo Cooperjovem. O processo educativo é dirigido pelo professor. O Sescoop fornece o material didático (revista em quadrinho, livro do aluno e livro do professor ). As ações pedagógicas envolvem contação de histórias, projetos de artes e trabalhos artesanais. Outro projeto de relevância é o Rio das Flores O Rio da Vida. Atinge 10 municípios banhados pelo referido. A principal ação está sendo empreendida em Guarujá do Sul, onde escolas, entidades, ribeirinhos e moradores estão engajados na recuperação. O destaque é a comunidade da Linha Pessegueiro, uma vila urbanizada, com 160 moradores. Toda a água lá usada é de captação natural de fontes superficiais, e o Lajeado Pessegueiro abastece o Rio das Flores. Os investimentos na bacia do Arroio Grápia foram de R$ 7.000,00 e na bacia do lajeado Pessegueiro R$ ,00. Relatório Anual

20 CARTOLA TODAS AS ATIVIDADES DO SICOOB TêM UM OBJETIVO COMUM, TRAÇADO PELO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. AS METAS E OBJETIVOS SÃO CONSTANTEMENTE AVALIADOS E O RUMO CORRIGIDO NO SENTIDO DO FORTALECIMENTO DO SISTEMA. 20 Relatório Anual 2011

21 PLANEJAMENTO Atividades são orientadas por planejamento estratégico Estruturado em quatro perspectivas e nove metas principais, todo o trabalho visa a um sistema mais forte e as cooperativas mais eficientes. As atividades de todas as áreas do Sicoob Central SC são orientadas pelo Planejamento Estratégico , que tem nove objetivos organizados em quatro focos (veja a tabela ao lado). Para alcançar os objetivos traçados no Planejamento Estratégico, os presidentes das cooperativas definiram 24 projetos operacionais. Desde 2009 cada setor tem um plano de metas, que é monitorado e aperfeiçoado permanentemente, de forma a atender a novas demandas e situações diferenciadas que exigem adequação dos projetos. Com isso, hoje, além das atividades de rotina indispensáveis para o funcionamento do Sistema, a Central trabalha com outros projetos de implantação ou implementação de serviços já oferecidos. Focos e Objetivos Estratégicos A Perspectiva Econômica e Financeira 1 - Cooperativas eficientes na captação e capitalização 2 - Carteira de crédito diversificada atendendo às necessidades dos cooperados 3 - Diversificação dos serviços prestados para fidelização do associado e redução da dependência da intermediação financeira B Perspectiva do Associado 4 - Marca Sicoob consolidada, conhecida e respeitada no Estado 5 - Sociedade catarinense informada sobre o cooperativismo e seus benefícios C Perspectiva do Aprendizado e Crescimento 6 - Dirigentes e colaboradores capacitados e comprometidos com os resultados 7 - Dirigentes e colaboradores integrados e compartilhando informações D Perspectiva dos Controles Internos 8 - Sistema de administração, controle e assistência às cooperativas singulares eficaz e transparente 9 - Produtos e procedimentos padronizados, ágeis, confiáveis e rentáveis Relatório Anual

22 PLANEJAMENTO Presidência faz representação institucional e coordena projetos As atividades da presidência do Sicoob Central SC combinam o acompanhamento de todas as gerências da cooperativa com sua representação institucional junto a órgãos públicos e instituições financeiras. É do presidente a função de defender os interesses do Sicoob nesses espaços. Cabe ao presidente, por exemplo, coordenar esforços estratégicos como a busca de acessos a recursos para a disponibilização de crédito pelas cooperativas, o que envolve, inclusive, ações junto a parlamentares e órgãos dos governos. A presidência assume, também, a responsabilidade por alguns projetos estabelecidos no Planejamento Estratégico. Cinco deles já foram concluídos e quatro estão em andamento. Além desses projetos, entre as atividades realizadas durante o ano, destacam-se: a realização do 5º Encontro dos Conselhos e 4º Seminário de Livre Admissão do Sicoob, realizado nos dias 13 e 14 de outubro em Gramado, RS; reuniões de presidentes e gerentes que envolvem todas as cooperativas filiadas, distribuídas este ano em diferentes regiões do Estado; e a participação nas Assembleias, festividades e reuniões para orientação das filiadas. Entre as atividades do presidente destacam-se, a de exercício de presidente da Central, de presidente na A representação junto ao governo e órgãos financiadores é tarefa cotidiana. Confederação Brasileira das Cooperativas de Crédito Confebras, de vice-presidente do Sicoob Crediauc SC, do Conselho Fiscal do Sescoop/SC, de membro do Conselho Consultivo de Crédito Ceco, da Organização das Cooperativas Brasileiras OCB, e de conselheiro do Sicoob Confederação. Sustentabilidade está na pauta do Sicoob Central SC Produtividade com equilíbrio social e ambiental é o desafio do século XXI. O Sicoob Central SC esta investindo com força no conceito de Sustentabilidade. Com o objetivo de consolidar o Sistema e agregar o conceito de sustentabilidade no egócio à marca Sicoob, contratou consultoria especializada para capacitar e analisar os processos in- ternos e ações compensatórias de todo o Sistema SC/RS. A proposta é unir esforços individuais de cada Singular em um só alinhamento de Gestão Sustentável, possibilitando a busca do triplo resultado, econômico, social e ambiental. 22 Relatório Anual 2011

Sicoob Central Cecresp. Institucional

Sicoob Central Cecresp. Institucional Sicoob Central Cecresp Institucional Gestão DIRETOR PRESIDENTE Carlos Augusto de Macedo Chiaraba Sicoob Nossacred DIRETOR VICE PRESIDENTE Francisco Rao - Sicoob Crediconsumo CONSELHEIROS Antonio João Batista

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO INDICE O Sistema Financeiro Nacional - SFN Instituições de Crédito Cooperativas de Crédito Diferenças entre Bancos e Cooperativas de Crédito O

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio Cooperativismo Cooperativa de Crédito Apoio O que é uma cooperativa. É uma sociedade de pessoas com forma e natureza jurídica própria, de natureza civil, sem fins lucrativos, não sujeita à falência, constituída

Leia mais

1T13 FACT SHEET PERFIL DA COMPANHIA PRESENÇA NO BRASIL: FOCO NA REGIÃO SUL

1T13 FACT SHEET PERFIL DA COMPANHIA PRESENÇA NO BRASIL: FOCO NA REGIÃO SUL FACT SHEET 1T13 PERFIL DA COMPANHIA Fundado em 1928, o Banrisul é um banco múltiplo: comercial, de desenvolvimento e social, controlado pelo Estado do Rio Grande do Sul. A proximidade com o setor público

Leia mais

OS LUCROS E PREJUÍZOS NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INSERIDAS NO SISTEMA COOPERATIVISTA

OS LUCROS E PREJUÍZOS NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INSERIDAS NO SISTEMA COOPERATIVISTA OS LUCROS E PREJUÍZOS NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INSERIDAS NO SISTEMA COOPERATIVISTA Por: Vera Cristiane Costa Prezoto Introdução Diante do atual cenário de competitividade, as organizações buscam instrumentos

Leia mais

BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br

BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br Parabéns! Agora você faz parte de uma cooperativa Sicoob e conta com todos os produtos e serviços de um banco,

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

em números Relatório de Prestação de Contas Sicoob Sul

em números Relatório de Prestação de Contas Sicoob Sul em números Relatório de Prestação de Contas Sicoob Sul O desempenho e os resultados alcançados pelo Sicoob Sul em comprovam as vantagens do trabalho coletivo em cooperativa. Mesmo num ano de muitas incertezas

Leia mais

SICOOB NORTE. Resultados

SICOOB NORTE. Resultados SICOOB NORTE Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Norte conseguiu ótimos resultados, numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no mercado financeiro

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 1. MENSAGEM DA PRESIDÊNCIA: Hoje estamos prestando contas de nossos trabalhos frente à Creditran durante o ano de 2014. Com a entrega final do empreendimento iniciado em 2009,

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 1 Senhores Associados: RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 Temos a satisfação de apresentar o Relatório da Gestão e as Demonstrações Contábeis da CREDICOAMO Crédito Rural Cooperativa, relativas às atividades desenvolvidas

Leia mais

SICOOB CREDIROCHAS. Resultados

SICOOB CREDIROCHAS. Resultados SICOOB CREDIROCHAS Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Credirochas conseguiu ótimos resultados numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no mercado

Leia mais

em números Relatório de Prestação de Contas Sicoob Norte

em números Relatório de Prestação de Contas Sicoob Norte em números Relatório de Prestação de Contas Sicoob Norte O desempenho e os resultados alcançados pelo Sicoob Norte em comprovam as vantagens do trabalho coletivo em cooperativa. Mesmo num ano de muitas

Leia mais

O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE

O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE O QUE SÃO COOPERATIVAS DE CRÉDITO PERFIL INSTITUCIONAL DESEMPENHO ECONÔMICO SOLUÇÕES FINANCEIRAS SUSTENTABILIDADE AGENTES DA PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DAS COMUNIDADES ONDE ATUAM Principais

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2013

Brasília, 9 de maio de 2013 Brasília, 9 de maio de 2013 Discurso do Diretor de Regulação do Sistema Financeiro, Luiz Awazu Pereira da Silva, na reunião ordinária do Conselho Consultivo de Crédito da Organização das Cooperativas Brasileiras.

Leia mais

SUMÁRIO PALAVRA DO PRESIDENTE MAPA DE ATUAÇÃO PALAVRA DO SICOOB CENTRAL SOLUÇÕES PARA OS ASSOCIADOS GESTÃO DE PESSOAS ATUAL CONSELHO E DIRETORIA

SUMÁRIO PALAVRA DO PRESIDENTE MAPA DE ATUAÇÃO PALAVRA DO SICOOB CENTRAL SOLUÇÕES PARA OS ASSOCIADOS GESTÃO DE PESSOAS ATUAL CONSELHO E DIRETORIA SUMÁRIO 03 PALAVRA DO PRESIDENTE 14 MAPA DE ATUAÇÃO 04 PALAVRA DO SICOOB CENTRAL 15 SOLUÇÕES PARA OS ASSOCIADOS 05 ATUAL CONSELHO E DIRETORIA 16 GESTÃO DE PESSOAS 06 MISSÃO, VISÃO E VALORES 17 DESTAQUES

Leia mais

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

PARECER DE AUDITORIA

PARECER DE AUDITORIA PARECER DE AUDITORIA Aos Diretores da COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS CORRETORES DE SEGUROS DE BELO HORIZONTE E REGIÃO METROPOLITANA LTDA CREDICORSEGS 1. Examinamos o balanço patrimonial da

Leia mais

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08)

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Divulga procedimentos mínimos necessários para o desempenho do estabelecido pela Circular 3.400, de 2008, no cumprimento das atribuições especiais das cooperativas

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

Microfinanças e Cooperativismo de Crédito

Microfinanças e Cooperativismo de Crédito Microfinanças e Cooperativismo de Crédito Gilson Bittencourt gilson.bittencourt@fazenda.gov.br 1 Microfinanças: Objetivos do Governo Federal Facilitar e ampliar o acesso ao crédito entre os empreendedores

Leia mais

Sistema Simulador de Negócios Unicred Central SC

Sistema Simulador de Negócios Unicred Central SC Sistema Simulador de Negócios Unicred Central SC Obtenha mais resultado de sua carteira! 1. Introdução Caros gerentes de agência, consultores e assistentes de negócios do Sistema Unicred de SC, vocês estão

Leia mais

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono Foto: istockphoto.com/propagcomunica Aqui você é dono A UNICRED/ASACRED tem como seus pilares dois importantes institutos: o cooperativismo, que vem promover a gestão participativa, equitativa e igualitária,

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE Projetando o nosso futuro

MENSAGEM DO PRESIDENTE Projetando o nosso futuro 2015 MENSAGEM DO PRESIDENTE Projetando o nosso futuro É com grande satisfação que apresentamos a Previsão Orçamentária para o exercício de 2015 do Sindicato dos Corretores de Seguros no Estado de São Paulo

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais

LOJAS COLOMBO S/A COMÉRCIO DE UTILIDADES DOMÉSTICAS E CONTROLADAS

LOJAS COLOMBO S/A COMÉRCIO DE UTILIDADES DOMÉSTICAS E CONTROLADAS 1 LOJAS COLOMBO S/A COMÉRCIO DE UTILIDADES DOMÉSTICAS E CONTROLADAS RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores acionistas: Atendendo às disposições legais e estatutárias, a administração de Lojas Colombo S/A

Leia mais

O cooperativismo de crédito e você

O cooperativismo de crédito e você O cooperativismo de crédito e você A Cooperativa de Crédito é uma instituição financeira sem fins lucrativos de propriedade dos associados, controlada de forma democrática por seus membros, e tem o propósito

Leia mais

Soluções para o Cooperativismo Parceria de confiança em todos os momentos.

Soluções para o Cooperativismo Parceria de confiança em todos os momentos. Soluções para o Cooperativismo Parceria de confiança em todos os momentos. bb.com.br/agronegocio Banco do Brasil, parceiro em todos os momentos do cooperativismo. O cooperativismo consolida, cada vez mais,

Leia mais

Título : Estrutura organizacional (estrutura, atribuições e competências) 2 Capítulo : Índice Seção : Subitem Descrição

Título : Estrutura organizacional (estrutura, atribuições e competências) 2 Capítulo : Índice Seção : Subitem Descrição Título : Estrutura organizacional (estrutura, atribuições e competências) 2 Capítulo : Índice Seção : Capítulo Seção Item Subitem Descrição Estrutura Organizacional (estrutura, atribuições e competências)

Leia mais

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO DOCUMENTO PROPOSITIVO Página 1 1. IMPORTÂNCIA DO TEMA PARA A II CONFERÊNCIA NACIONAL 1.1. A construção de um novo Brasil pautado na justiça, equidade e

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 78 Assegurar às autarquias, fundações, empresas

Leia mais

SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DE GESTÃO DO RISCO OPERACIONAL - EXERCICIO 2014 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Política Institucional para Gestão de Risco Operacional; 3. Estrutura

Leia mais

Sicoob Credicampo. Benefícios para sua empresa, desen

Sicoob Credicampo. Benefícios para sua empresa, desen Sicoob Credicampo. Benefícios para sua empresa, desen desenvolvimento reg para nossa região. Credicampo Credicampo o Sicoob Credicampo é comprometido com o desenvolvimento dos seus associados. O Sicoob

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL. Central SC/RS

RELATÓRIO ANUAL. Central SC/RS RELATÓRIO ANUAL Central SC/RS Visão Missão Gerar soluções financeiras adequadas e sustentáveis, por meio do cooperativismo, aos associados e às suas comunidades. Ser reconhecido como a principal instituição

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERCADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: JUNHO/2014

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ÍNDICE. CAPÍTULO I Da Sede. CAPÍTULO II Dos objetivos e finalidades. CAPITULO III Da estrutura organizacional básica

REGIMENTO INTERNO ÍNDICE. CAPÍTULO I Da Sede. CAPÍTULO II Dos objetivos e finalidades. CAPITULO III Da estrutura organizacional básica REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião dos Conselhos de Administração e Fiscal da ASSOCIAÇÃO DE TRANSPORTE DO NORTE CATARINENSE ASTRAN, inscrita no CNPJ n 10.437.997/0001-03, realizada em São Bento do Sul,

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA Lei 5764/71 de 16/12/1971 COOPERATIVA DE 3º GRAU CONFEDERAÇÃO COOPERATIVA DE 2º GRAU FEDERAÇÃO OU CENTRAL COOPERATIVA DE 1º GRAU

Leia mais

Exercício 2011. Relatório de prestação de contas

Exercício 2011. Relatório de prestação de contas Exercício Relatório de prestação de contas MENSAGEM DA DIRETORIA A Assembléia Geral da ONU declarou 2012 como o Ano Internacional das Cooperativas, destacando a contribuição das cooperativas para o desenvolvimento

Leia mais

23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS

23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS 23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS Carteira de Crédito Sicredi Fevereiro/2013 Saldo da Carteira de Crédito do Sicredi Carteira de Crédito Sicredi R$ 10.310,12 56,13% R$ 4.563,96

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR PROGRAMA DE MUNICIPALIZAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR É com satisfação que a Fundação Procon/SP apresenta o novo Programa de Municipalização que tem como objetivo fortalecer o Sistema Estadual

Leia mais

EXPERIÊNCIA BRASILEIRA COM SEGURO DE DEPÓSITOS. Celso Antunes da Costa 07/05/2013

EXPERIÊNCIA BRASILEIRA COM SEGURO DE DEPÓSITOS. Celso Antunes da Costa 07/05/2013 EXPERIÊNCIA BRASILEIRA COM SEGURO DE DEPÓSITOS Celso Antunes da Costa 07/05/2013 2013 Constituição e Marco Regulatório Constituição Federal de 1988 Artigo 192: criação de fundo ou seguro, com o objetivo

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Prezado Cooperado, Em 2012 a economia brasileira apresentou forte desaceleração, tendo uma das mais baixas taxas de crescimento da América Latina, inferior até as pessimistas

Leia mais

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES Em atendimento à Decisão Normativa TCU no. 96 de 04/03/2009, especificamente quanto ao conteúdo expresso em seu Anexo II, letra A, item 16, cabe registrar as seguintes atividades:

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Auditoria Externa nas cooperativas: atuação de entidade exclusiva

Auditoria Externa nas cooperativas: atuação de entidade exclusiva Auditoria Externa nas cooperativas: atuação de entidade exclusiva Seminário Banco Central do Brasil sobre Governança Cooperativa - Norte Belém, 18 de maio de 2009 Risco da Informação Conflitos de Interesse

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

0267 - Subvenção Econômica para Promoção das Exportações PROEX (Lei nº 10.184, de 2001)

0267 - Subvenção Econômica para Promoção das Exportações PROEX (Lei nº 10.184, de 2001) Programa 2024 - Comércio Exterior Número de Ações 14 0027 - Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9.818, de 1999) Esfera: 10 - Orçamento Fiscal

Leia mais

+ BENEFÍCIOS PARA SUA ENTIDADE CONHEÇA NOSSAS SOLUÇÕES

+ BENEFÍCIOS PARA SUA ENTIDADE CONHEÇA NOSSAS SOLUÇÕES + BENEFÍCIOS PARA SUA ENTIDADE CONHEÇA NOSSAS SOLUÇÕES CDL CARTÕES +FACILIDADE Com o objetivo de oferecer soluções para facilitar a vida dos associados e seus funcionários, a FCDL-MG se uniu à Valle Express,

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

De toda nossa estrutura de trabalho, destacam-se:

De toda nossa estrutura de trabalho, destacam-se: Perfil Estrutura Oliveira & Antunes Advogados Associados é uma sociedade de advogados fundada em 1996, especializada na prestação de serviços jurídicos e consultoria altamente especializados a instituições

Leia mais

Sociedade PÓLO DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SOFTWARE DO PLANALTO MÉDIO REGIMENTO INTERNO

Sociedade PÓLO DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SOFTWARE DO PLANALTO MÉDIO REGIMENTO INTERNO Sociedade PÓLO DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SOFTWARE DO PLANALTO MÉDIO REGIMENTO INTERNO Aprovado em Reunião Ordinária do Conselho de Administração conforme registro em ata. Este Regimento Interno Regulamenta

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS Joel Queiroz 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO INSTRUMENTO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA Associação voluntária de pessoas para satisfação de necessidades econômicas,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 Autoriza o Poder Executivo a criar a Poupança Emigrante e o Fundo de Financiamento ao Emigrante Empreendedor (FEE), com vistas a incrementar a entrada de divisas no

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2010 Tibagi Tibagiprev. - 1 - Índice pág. 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Diretrizes de Alocação dos Recursos 6 4 Diretrizes para Gestão dos Segmentos 8 Tibagi Tibagiprev. - 2

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Papel da Auditoria Interna na Gestão de Riscos para as Sociedades Cooperativas

Papel da Auditoria Interna na Gestão de Riscos para as Sociedades Cooperativas Papel da Auditoria Interna na Gestão de Riscos para as Sociedades Cooperativas Dario Fonseca Junior TITULAÇÃO MBA Controladoria, Auditoria e Tributos pela Fundação Getúlio Vargas MBA Gestão Empresarial

Leia mais

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Linhas de Financiamento Setor Florestal 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Política Ambiental do BNDES O BNDES entende que investimentos

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua

ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Seção I Dos Objetivos Art. 1º O Programa de

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário

Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário Cooperativas de crédito Opções de associação para micro e pequenas empresas Vantagens e desvantagens com relação ao sistema bancário 1- Opções de associação de empresas a cooperativas de crédito As pessoas

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

Cooperativismo - Forma ideal de organização

Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo - Forma ideal de organização Cooperativismo é modelo socioeconômico capaz de unir desenvolvimento econômico e bem-estar social. Seus referenciais fundamentais são: participação democrática,

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

Cooperativas de crédito e seus impactos sociais

Cooperativas de crédito e seus impactos sociais Cooperativas de crédito e seus impactos sociais A estrutura do cooperativismo de crédito brasileiro Inseridas no meio econômico financeiro do país desde 1902, as cooperativas de crédito se apresentam com

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES PROJETO DE LEI N o, DE DE DE 2010 Dispõe sobre a Política Nacional de Economia Solidária, cria o Sistema Nacional de Economia Solidária e o Fundo Nacional de Economia Solidária, e dá outras providências.

Leia mais

PRÊMIO DE INOVAÇÃO ANTONIO CARLOS DE ALMEIDA BRAGA

PRÊMIO DE INOVAÇÃO ANTONIO CARLOS DE ALMEIDA BRAGA 2012 PRÊMIO DE INOVAÇÃO ANTONIO CARLOS DE ALMEIDA BRAGA CASE: Projeto Campanha de Combate à Dengue CATEGORIA: Comunicação FUNCIONÁRIO: Adriana Boscov e Aline Gislene de Oliveira Sumário INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES Índice 1. INTRODUÇÃO 2. PARTES INTERESSADAS. NORMATIVOS. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA. PRINCÍPIOS 6. DIRETRIZES 6.1 NORMATIZAÇÃO 6.2 GERENCIAMENTO DO RISCO SOCIOAMBIENTAL 6.2.1 RISCO SOCIOAMBIENTAL DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática) Institui o Fundo de Aval para Pequenos Provedores de Internet, com a finalidade de garantir

Leia mais

Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e Confederação Nacional das. Pronunciamento do Presidente do Banco Central do Brasil, Ministro Alexandre

Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e Confederação Nacional das. Pronunciamento do Presidente do Banco Central do Brasil, Ministro Alexandre São Paulo, 24 de novembro de 2011. Jantar Anual dos Dirigentes de Bancos Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e Confederação Nacional das Instituições Financeiras (CNF) Pronunciamento do Presidente

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Instituto Lojas Renner Instituto Lojas Renner Promover a inserção de mulheres no mercado de trabalho por meio de projetos de geração de renda é o objetivo do Instituto Lojas

Leia mais

Inclusão Financeira no Brasil

Inclusão Financeira no Brasil São Paulo 18 de agosto de 2014 2 Inclusão Financeira no Brasil Parceria Nacional para Inclusão Financeira Elvira Cruvinel Ferreira Departamento de Educação Financeira Missão do BCB Assegurar a estabilidade

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 Pilares do PSPA CRÉDITO PROMOÇÃO PROMOÇÃO DO DO CONSUMO PESQUEIRO PSPA INFRAESTRUTURA ASSISTÊNCIA TÉCNICA COMERCIALI

Leia mais

Inclusão Bancária. e Microcrédito

Inclusão Bancária. e Microcrédito Inclusão Bancária e Microcrédito 3. Inclusão Bancária e Microcrédito 116 INTRODUÇÃO Em 2003, no início do novo governo, a discussão sobre microfinanças e inclusão financeira no Brasil era restrita às operações

Leia mais

Oportunidade para cooperados de Blumenau

Oportunidade para cooperados de Blumenau INFORMATIVO nº 65 Setembro 2013 Filiada à www.credcrea.coop.br ENCONTRO DE NEGÓCIOS CREDCREA. COOPERAR PARA PROSPERAR. Oportunidade para cooperados de Blumenau No mês de setembro, a Cooperativa vai promover

Leia mais

Prezado DOADOR. Júlio Cézar Busato Presidente da Aiba

Prezado DOADOR. Júlio Cézar Busato Presidente da Aiba PROJETOS SOCIAIS Prezado DOADOR Júlio Cézar Busato Presidente da Aiba Há sete anos, o Fundo para o Desenvolvimento Sustentável do Oeste da Bahia - Fundesis, vem transformando a região onde vivemos com

Leia mais

Fundos de Investimento - FIP Característica RSA

Fundos de Investimento - FIP Característica RSA Nome BB Referenciado DI Social 50 BB Multimercado Balanceado LP Jovem BB Ações ISE Jovem Nome Fundos de Investimento - RSA 50% da taxa de administração é repassado à Fundação Banco do Brasil 20% da taxa

Leia mais

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição.... Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.. A Identidade da PREVIMINAS... A Filosofia Empresarial

Leia mais

COOPERATIVA DE CRÉDITO

COOPERATIVA DE CRÉDITO 3 COOPERATIVISMO Baseia-se na união de pessoas onde cada membro deve contribuir com uma parcela ou quota parte, colaborando para a melhoria das condições econômicas e sociais de todos que fazem parte dessa

Leia mais

INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA INTRODUÇÃO 1. COMPLEXO AGROINDUSTRIAL CAI 2. AGROINDÚSTRIA

INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA INTRODUÇÃO 1. COMPLEXO AGROINDUSTRIAL CAI 2. AGROINDÚSTRIA INFORME SETORIAL O BNDES E A AGROINDÚSTRIA ÁREA INDUSTRIAL MAIO/2009 Nº 11 INTRODUÇÃO Neste informe são apresentados alguns dados sobre os desembolsos do BNDES para a agroindústria no ano de 2008. 1. COMPLEXO

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

Boas Vindas! Boa Leitura!

Boas Vindas! Boa Leitura! porta aberta Edição 2º Semestre 2015 Informativo Distribuição Gratuita Boas Vindas! O dia 01 de Julho de 2015 torna-se uma data histórica para a Cecres, quando ela passa a fazer parte de um sistema cooperativo

Leia mais

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO L2 0 0 6 R E L AT Ó R I O A N U A EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO Prêmio de Seguros Participação no Mercado (em %) Mercado 74,2% Fonte: Susep e ANS Base: Nov/2006 Bradesco 25,8%

Leia mais