RELATÓRIO 2.1 ESTUDO DE DEMANDAS POR ROTA COMERCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO 2.1 ESTUDO DE DEMANDAS POR ROTA COMERCIAL"

Transcrição

1 1 RELATÓRIO 2.1 ESTUDO DE DEMANDAS POR ROTA COMERCIAL

2 2 SUMÁRIO OBJETIVOS DO RELATÓRIO DISTRIBUIÇÃO DAS DEMANDAS ATUAIS PREVISÃO DAS DEMANDAS FUTURAS POR ROTA / SEDE PREVISÃO DAS DEMANDAS FUTURAS POR ROTA / PIRAPITINGUI ANEXOS 49

3 3 LISTA DE QUADROS Número de economias e média de consumo por Rota Comparativo de população estimada População por rota / ref. maio População atendida - SEDE, População atendida por Rota / SEDE, Demanda prevista por rota / SEDE Demanda prevista por rota / SEDE Demanda prevista por rota / SEDE População por rota / ref. maio 2008 Pirapitingui População atendida PIRAPITINGUI, População atendida por Rota / PIRAPITINGUI, Demanda prevista por rota / PIRAPITINGUI Demanda prevista por rota / PIRAPITINGUI Demanda prevista por rota / PIRAPITINGUI

4 4 LISTA DE FIGURAS Gráfico consumo médio por rota comercial Gráfico percapita médio por rota comercial 14

5 OBJETIVOS DO RELATÓRIO O objetivo geral deste relatório e elaborar o estudo da distribuição da população na mancha urbana de acordo com as previsões populacionais efetuadas para a sede do município e para o distrito de Pirapitingui. Os objetivos específicos são: Estimar a distribuição das demandas atuais; Estimar as demandas de água nos anos 2015, 2025 e 2035.

6 DISTRIBUIÇÃO DAS DEMANDAS ATUAIS. Em função dos dados disponibilizados pela concessionária, optamos por estimar a distribuição das demandas a partir das informações comerciais, mais precisamente pelas rotas comerciais de leitura. Tendo a concessionária fornecido croquis desenhado a mão da localização das 221 rotas de leitura e o banco de dados comercial de janeiro a maio de 2008, foi possível através de planilha eletrônica calcular a média dos consumos para cada uma dessas rotas, a quantidade de economias e ainda identificar graficamente a localização das mesmas. Atualmente o processamento de dados comerciais da Águas de Itu é executado pela empresa CEBI Informática Ltda que utiliza o software SSB-1 Sistema de Saneamento Básico 1 de sua propriedade. Foi fornecido pela área comercial da empresa o Banco de Dados Comercial (Sede e Pirapitingui) em 29/05/2008, com os seguintes campos: CDC matricula da ligação; INSLIG inscrição da ligação; NOME nome do usuário; RUA endereço da ligação; COMPL endereço da ligação; BAIRRO endereço da ligação; HIDRO número do hidrômetro; HIDDTAINS data de instalação do hidrômetro; CATEGPRI Categoria Principal do imóvel; NROECO número de economias; CNSMEDIO consumo médio dos últimos xx meses; REFERE_XX mês de referencia (de 06/2007 a 05/2008); LEIANT_XX leitura anterior ao mês de referência (de 06/2007 a 05/2008); CNSREA_XX consumo medido no mês de referência (de 06/2007 a 05/2008); LEIATU_XX leitura no mês de referência (de 06/2007 a 05/2008); LEITOC_XX leitura anterior à referência; CNSFAT_XX consumo faturado no mês de referência (de 06/2007 a 05/2008); Esse sistema comercial utiliza como um dos campos de identificação das ligações INSLIG que tem a seguinte máscara: onde: AA setor BB grupo AA.BB.CCC.DDDD.EE

7 7 CCC rota DDDD código EE seqüência O que permite identificar entre outras informações, a que rota de leitura cada ligação pertence. No que se refere a economias esse sistema classifica-as em 5 (cinco) categorias, a saber: Categoria 1 economias residenciais; Categoria 2 economias comerciais; Categoria 3 economias industriais; Categoria 4 economias residenciais com tarifa social; Categoria 5 economias poder público. A partir desse banco de dados, com o uso de planilha eletrônica, foi possível estimar por rota a quantidade de economias e a média do consumo medido, conforme o quadro a seguir. Consumo Medido ROTA Nº Economias Localização (m 3 /mês) (L/s) totais ,00 0, Sede ,60 0, Sede ,40 0, Sede ,87 0, Sede ,40 0, Sede ,20 1, Sede ,45 1, Sede ,80 0, Sede ,40 0, Sede ,40 0, Sede ,17 1, Sede ,20 1, Sede ,60 0, Sede ,20 0, Sede ,00 0, Sede ,40 0, Sede ,40 0, Sede ,60 0, Sede ,80 0, Sede ,27 0, Sede ,00 0, Sede ,60 1, Sede ,20 0, Sede ,00 1, Sede ,40 1, Sede

8 ,40 0, Sede ,80 0, Sede ,80 0, Sede ,20 0, Sede ,20 0, Sede ,73 1, Sede ,00 0, Sede ,20 0, Sede ,80 0, Sede ,20 0, Sede ,40 0, Sede ,20 0, Sede ,00 0, Sede ,60 1, Sede ,00 0, Sede ,73 1, Sede ,13 1, Sede ,20 0, Sede ,60 1, Sede ,40 1, Sede ,80 1, Sede ,80 0, Sede ,83 1, Sede ,40 0, Sede ,20 0, Sede ,80 0, Sede ,80 1, Sede ,20 1, Sede ,00 1, Sede ,40 1, Sede ,60 1, Sede ,00 1, Sede ,60 0, Sede ,20 2, Sede ,60 0, Sede ,40 1, Sede ,00 2, Sede ,80 1, Sede ,60 1, Sede ,20 1, Sede ,60 1, Sede ,20 1, Sede

9 ,17 0, Sede ,20 0, Sede ,20 0, Sede ,50 1, Sede ,40 1, Sede ,40 1, Sede ,80 0, Sede ,60 1, Sede ,40 1, Sede ,60 0, Sede ,60 1, Sede ,80 0, Sede ,90 0, Sede ,47 1, Sede ,60 0, Sede ,80 0, Sede ,80 0, Sede ,20 1, Sede ,80 0, Sede ,00 0, Sede ,60 1, Sede ,60 0, Sede ,60 0, Sede ,40 0, Sede ,60 0, Sede ,30 1, Sede ,40 0, Sede ,60 1, Sede ,60 0, Sede ,10 2, Sede ,20 2, Sede ,30 1, Sede ,30 2, Sede ,80 0, Sede ,00 0, Sede ,40 0, Sede ,40 1, Sede ,97 1, Sede ,40 0, Sede ,00 0, Sede ,65 1, Sede ,60 0, Sede

10 ,80 1, Sede ,60 1, Sede ,80 0, Sede ,33 0, Sede ,20 0, Sede ,85 1, Sede ,20 2, Sede ,00 2, Sede ,00 1, Sede ,60 2, Sede ,90 1, Sede ,02 0, Sede ,30 0, Sede ,60 0, Sede ,60 1, Sede ,40 0, Sede ,40 0, Sede ,57 0, Sede ,07 0, Sede ,68 0, Sede ,00 0, Sede ,20 0, Sede ,00 0, Sede ,80 0, Sede ,60 0, Sede ,40 0, Sede ,00 0, Sede ,60 0, Sede ,80 1, Sede ,20 1, Sede ,00 0, Sede ,80 0, Sede ,00 0, Sede ,60 1, Sede ,47 1, Sede ,20 0, Sede ,60 0, Sede ,30 2, Sede ,93 1, Sede ,20 0, Sede ,60 1, Sede ,50 1, Sede

11 ,47 1, Sede ,80 0, Sede ,50 0, Sede ,40 2, Sede ,10 1, Sede ,80 2, Sede ,40 2, Sede ,40 1, Sede ,70 1, Sede ,00 1, Sede ,60 1, Sede ,60 1, Sede ,40 1, Sede ,85 0, Sede ,00 1, Sede ,00 0, Sede ,60 0, Sede ,80 2, Sede ,00 1, Pirapitingui ,55 1, Pirapitingui ,70 2, Sede ,30 0, Sede ,00 0, Sede ,35 1, Sede ,60 0, Sede ,80 0, Sede ,75 0, Sede ,40 0, Sede ,20 0, Sede ,40 0, Sede ,65 2, Sede ,00 0, Sede ,03 1, Sede ,80 0, Sede ,20 0, Pirapitingui ,40 1, Pirapitingui ,80 1, Pirapitingui ,40 1, Pirapitingui ,53 0, Pirapitingui ,07 0, Pirapitingui ,45 0, Sede ,60 0, Sede

12 ,20 2, Pirapitingui ,85 2, Pirapitingui ,40 1, Pirapitingui ,00 0, Sede ,40 0, Sede ,60 0, Sede ,20 2, Sede ,45 0, Sede ,40 0, Sede ,50 0, Sede ,00 0, Sede ,80 0, Sede ,40 0, Sede ,40 0, Sede ,40 0, Sede ,20 0, Sede ,20 0, Sede ,20 1, Pirapitingui ,50 1, Pirapitingui ,60 1, Pirapitingui ,20 1, Pirapitingui ,73 1, Pirapitingui ,60 1, Pirapitingui ,10 1, Pirapitingui ,80 0, Pirapitingui ,40 0, Pirapitingui ,50 1, Pirapitingui ,40 2, Pirapitingui ,60 0, Sede Altern (Emicol) ,60 0, Pirapitingui ,80 0, Sede ,10 0, Pirapitingui ,40 1, Pirapitingui ,00 1, Pirapitingui ,40 1, Pirapitingui ,05 1, Pirapitingui ,20 0, Pirapitingui ,07 2, Sede ,40 0, Sede ,00 1, Sede ,77 1, Pirapitingui ,27 0, Pirapitingui

13 ,00 1, Pirapitingui ,80 1, Sede ,52 0, Sede ,37 0, Sede ,03 1, Sede ,80 1, Sede ,20 0, Sede ,80 0, Sede ,90 0, Sede ,20 0, Sede ,40 0, Altern Particular ,67 0, Sede ,35 0, Sede ,80 0, Sede ,45 0, Sede ,33 0, Sede ,53 4, Sede ,80 0, Sede ,05 0, Sede ,00 0, Sede ,50 11, PEPSICO DO BRASIL LTDA. Quadro Número de economias e média de consumo por Rota Destaca-se ao se fazer uma análise por ROTAS a grande variação do Consumo Médio por Economia entre as 221 ROTAS existentes na sede do município. Em termos de economia as rotas apresentam um consumo médio da ordem de 14,48 m³/mês x economia com a rota com maior consumo médio 41,56 m³/mês x economia e a com a mínima 6,59 m³/mês x economia (figura 2.1.1). Já em termos de consumo percapita a média das rotas é de 145,36 L/habitante x dia, tendo a rota de maior percapita médio 417,26 L/hab x dia e a rota de menor percapita médio 66,18 L/hab x dia (figura 2.1.2). Consumo Médio por Rota Comercial (m³/mês X economia) ,59 14,48 Rota de Menor CM CM de todas as Rotas (Sede Itu) 41,56 Rota de Maior CM Figura Gráfico consumo médio por rota comercial

14 14 Percapita das Rotas de Itu -Sede (L/hab X dia) ,18 Menor Percapita das Rotas 145,36 Percapita Medio de Todas as Rotas 417,26 Maior Percapita das Rotas Figura Gráfico percapita médio por rota comercial Para a validação da metodologia utilizada foram utilizados os dados recentemente divulgados pelo IBGE, conforme o quadro abaixo: Local IBGE (contagem 2007) IBGE (contagem 2007) + 5% Prev. Populacional Quíron Distrib. Populacional em Rotas Dom. Dom. Dom. Econ. Urbanos (und) População (hab) Urbanos (und) População (hab) Urbanos (und) População (hab) Residenciais (und) População (hab) PIRAPITINGUI x x SEDE x x TOTAL x x Taxa de ocupação = 3,32 hab/dom. Nos estudos de demanda foi considerado um acrescimo de 5% devido a população flutuante Foi considerado economias residenciais ativas Quadro Comparativo de população estimada Em anexo estão os mapas com a disposição geográfica das rotas comerciais.

15 PREVISÃO DAS DEMANDAS FUTURAS POR ROTA / SEDE Conforme citado anteriormente, foi estimada a população e as demandas para cada uma das 221 rotas da sede, com base em informações comerciais de maio 2008, conforme o quadro abaixo. ROTA Econ. Residenciais Pop. Atendida (hab)

16

17

18

19 Total Quadro População por rota / ref. maio 2008

20 20 Considerando a previsão populacional ao longo do horizonte de projeto elaborada no Relatório 1.1 Previsão Populacional e Estimativa de Demanda de Água a estimativa população a ser atendida na sede do município será conforme o quadro Ano Pop. Atendida (hab) Quadro População atendida - SEDE, Considerando as informações acima, juntamente com o Plano Diretor da Cidade e a identificação de áreas saturadas, áreas com tendências de verticalização, áreas do Centro Histórico além do conhecimento in loco, foi possível estimar o crescimento populacional por Rota, conforme o quadro a seguir. População Atendida (hab) ROTA

21

22

23

24

25 AE Total Quadro População atendida por Rota / SEDE, Em anexo os desenhos com as informações sobre as densidades populacionais e população por Rota Comercial no período de 2015 a O Condomínio Vila Real, situado na região oeste da cidade, em virtude das informações de que esta na eminência de incorporar seu sistema de abastecimento ao sistema público foi considerada como uma área de expansão (AE 01), já incorporada em As demais áreas de expansão estão sendo consideradas nas atuais rotas. Ainda de acordo com o Relatório 1.1 Previsão Populacional e Estimativa de Demanda de Água foram considerados os seguintes parâmetros para a estimativa das demandas: Consumo per capita: 170 L/hab. dia; Coeficiente do dia de maior consumo (k1): 1,20; Índice de perdas: 2015 a 2035, previsto 25%; As demandas previstas por Rota comercial em 2015 para a SEDE são: LOCAL SEDE ANO 2015 PERCAPITA 170,00 ROTA SEDE População Consumo Estimado (hab) (m 3 /mês) (L/s) ,90 0, ,30 0, ,90 0, ,70 0, ,20 0, ,50 1, ,50 0, ,00 0, ,90 0, ,10 0, ,70 0,8992

26 ,60 0, ,20 0, ,00 1, ,60 0, ,40 0, ,80 0, ,50 0, ,60 0, ,20 0, ,20 0, ,60 1, ,20 0, ,50 1, ,10 1, ,90 0, ,60 0, ,80 0, ,30 0, ,60 0, ,70 1, ,20 0, ,10 0, ,80 1, ,20 0, ,50 0, ,60 0, ,60 0, ,40 1, ,80 0, ,20 1, ,10 1, ,20 0, ,90 1, ,30 1, ,30 1, ,80 0, ,30 2, ,50 0, ,00 0, ,10 0,6906

27 ,50 1, ,60 1, ,40 2, ,60 1, ,50 2, ,70 1, ,70 0, ,40 2, ,00 0, ,40 1, ,00 2, ,80 2, ,80 1, ,90 1, ,20 1, ,80 1, ,40 1, ,30 0, ,30 0, ,40 1, ,60 1, ,60 2, ,90 1, ,50 1, ,10 1, ,30 1, ,40 1, ,30 0, ,10 1, ,10 1, ,90 0, ,40 0, ,60 0, ,10 1, ,10 0, ,00 1, ,30 0, ,00 0, ,80 0, ,20 0,1023

28 ,00 0, ,80 1, ,50 0, ,80 1, ,50 0, ,80 2, ,70 3, ,30 2, ,10 2, ,00 0, ,40 0, ,30 0, ,60 1, ,70 1, ,30 0, ,30 0, ,10 1, ,90 0, ,00 2, ,00 0, ,00 0, ,10 0, ,00 0, ,00 1, ,90 1, ,70 1, ,50 0, ,30 1, ,10 1, ,00 0, ,80 1, ,10 1, ,60 1, ,80 0, ,80 1, ,90 1, ,70 1, ,00 0, ,30 0, ,80 0,2715

29 ,20 0, ,90 1, ,30 1, ,10 1, ,70 0, ,60 1, ,50 1, ,10 0, ,10 0, ,20 1, ,60 0, ,90 1, ,40 2, ,00 1, ,00 0, ,40 2, ,10 1, ,20 1, ,50 1, ,10 1, ,30 0, ,50 0, ,20 0, ,50 2, ,50 2, ,70 3, ,00 2, ,00 1, ,90 1, ,40 2, ,20 2, ,90 1, ,10 1, ,70 0, ,90 1, ,50 0, ,70 0, ,20 2, ,00 2, ,20 1,1845

30 ,50 1, ,60 1, ,40 0, ,60 0, ,40 0, ,00 0, ,10 0, ,80 0, ,40 1, ,60 0, ,50 1, ,60 0, ,30 0, ,50 0, ,50 0, ,90 1, ,40 0, ,70 3, ,60 0, ,70 0, ,40 0, ,90 0, ,00 0, ,90 0, ,70 0, ,30 0, ,20 0, ,50 0, ,40 0, ,70 0, ,00 3, ,10 0, ,30 1, ,60 1, ,40 1, ,50 1, ,80 2, ,60 1, ,70 0, ,10 0,4545

31 ,30 0, ,40 0, ,60 0, ,90 1, ,80 1, ,40 0, ,00 0, ,20 5, ,70 0, ,80 0, ,40 0,2046 AE ,20 1,7157 Total ,70 247,24 Quadro Demanda prevista por rota / SEDE As demandas previstas por Rota comercial em 2025 para a SEDE são: LOCAL SEDE ANO 2025 PERCAPITA 170,00 ROTA SEDE População Consumo Estimado (hab) (m3/mês) (L/s) ,70 0, ,10 0, ,00 0, ,30 0, ,30 0, ,60 1, ,10 0, ,60 0, ,90 0, ,90 0, ,00 0, ,00 0, ,20 0, ,10 1, ,10 0, ,20 0, ,60 0, ,30 0,3404

32 ,60 0, ,60 0, ,10 0, ,20 1, ,90 0, ,20 1, ,20 1, ,60 0, ,30 0, ,20 0, ,70 0, ,40 0, ,60 1, ,60 0, ,90 0, ,40 1, ,10 0, ,70 0, ,80 0, ,30 0, ,50 1, ,20 0, ,10 1, ,80 1, ,80 0, ,40 1, ,90 1, ,80 1, ,00 0, ,50 2, ,70 0, ,00 0, ,90 0, ,50 1, ,40 1, ,30 2, ,30 1, ,90 2, ,10 1, ,40 0,9917

33 ,90 2, ,20 0, ,10 1, ,80 2, ,50 2, ,50 1, ,60 1, ,60 1, ,50 1, ,40 1, ,50 0, ,80 1, ,40 1, ,00 1, ,50 2, ,50 1, ,70 1, ,90 1, ,10 1, ,50 1, ,10 0, ,50 1, ,90 1, ,20 0, ,80 0, ,80 0, ,60 1, ,50 0, ,60 1, ,40 1, ,30 0, ,80 0, ,40 0, ,80 0, ,60 1, ,80 0, ,40 1, ,70 1, ,30 3, ,00 3,1875

34 ,70 2, ,80 2, ,40 0, ,00 0, ,30 0, ,20 1, ,50 1, ,30 0, ,40 0, ,50 1, ,40 0, ,40 2, ,00 0, ,90 0, ,80 0, ,90 0, ,90 1, ,70 2, ,00 2, ,70 0, ,20 1, ,70 1, ,50 1, ,10 1, ,40 1, ,00 1, ,50 1, ,50 1, ,00 1, ,70 1, ,30 1, ,30 0, ,60 0, ,90 0, ,00 1, ,50 1, ,90 1, ,90 0, ,80 1, ,70 1,2927

35 ,50 0, ,30 0, ,00 1, ,40 0, ,50 1, ,60 2, ,20 1, ,10 0, ,40 2, ,70 1, ,00 1, ,60 1, ,30 1, ,60 0, ,10 0, ,50 1, ,10 2, ,30 2, ,50 3, ,30 2, ,30 1, ,00 1, ,80 2, ,40 2, ,80 1, ,20 2, ,30 0, ,90 1, ,30 0, ,00 0, ,70 2, ,30 2, ,60 1, ,00 1, ,80 1, ,40 0, ,70 0, ,60 0, ,80 1, ,20 0,8500

36 ,80 0, ,30 2, ,70 0, ,10 1, ,20 0, ,40 1, ,10 0, ,60 0, ,20 1, ,40 1, ,50 3, ,70 0, ,10 0, ,20 0, ,00 0, ,20 0, ,40 0, ,50 0, ,00 0, ,50 0, ,20 1, ,40 0, ,90 0, ,60 3, ,10 0, ,60 1, ,50 1, ,80 1, ,80 1, ,70 2, ,90 2, ,10 0, ,60 0, ,30 0, ,60 0, ,40 1, ,40 1, ,10 1, ,50 0, ,10 0,2381

37 ,20 5, ,40 0, ,70 0, ,70 0,3483 AE ,70 1,7846 Total ,00 268,32 Quadro Demanda prevista por rota / SEDE As demandas previstas por Rota comercial em 2035 para a SEDE são: LOCAL SEDE ANO 2035 PERCAPITA 170,00 ROTA SEDE População Consumo Estimado (hab) (m3/mês) (L/s) ,50 0, ,60 0, ,20 0, ,90 0, ,10 0, ,20 1, ,70 0, ,30 0, ,10 0, ,80 0, ,40 0, ,40 0, ,30 0, ,50 1, ,70 0, ,00 0, ,40 0, ,10 0, ,60 0, ,00 0, ,10 0, ,20 1, ,30 0, ,00 1, ,60 1, ,60 0,8185

38 ,30 0, ,60 0, ,20 0, ,20 0, ,60 2, ,20 0, ,70 0, ,60 1, ,50 0, ,10 0, ,00 0, ,10 0, ,90 1, ,60 0, ,40 1, ,00 1, ,00 0, ,20 1, ,90 1, ,60 1, ,40 0, ,70 2, ,90 0, ,00 0, ,40 0, ,90 1, ,60 1, ,10 2, ,20 1, ,40 2, ,30 1, ,30 1, ,40 2, ,40 0, ,30 1, ,40 3, ,10 2, ,50 1, ,70 1, ,20 1,7748

39 ,30 1, ,60 1, ,80 0, ,40 1, ,10 1, ,70 1, ,20 2, ,50 1, ,70 1, ,10 1, ,10 1, ,90 1, ,90 0, ,90 1, ,90 1, ,10 1, ,20 0, ,00 0, ,90 1, ,90 0, ,30 1, ,10 1, ,20 1, ,80 0, ,60 0, ,60 0, ,80 1, ,60 0, ,20 1, ,40 1, ,40 3, ,90 3, ,10 2, ,40 2, ,80 0, ,60 0, ,30 0, ,40 1, ,10 1, ,30 0,0059

40 ,10 0, ,10 1, ,70 0, ,80 2, ,20 0, ,00 0, ,80 0, ,20 0, ,90 2, ,10 2, ,90 2, ,10 0, ,20 1, ,90 1, ,00 1, ,90 1, ,60 1, ,80 1, ,60 1, ,80 1, ,00 1, ,90 1, ,20 1, ,30 0, ,40 0, ,30 0, ,70 1, ,20 1, ,30 1, ,20 0, ,60 1, ,00 1, ,00 1, ,50 0, ,40 1, ,80 0, ,50 1, ,90 2, ,90 1, ,30 0,4584

41 ,30 2, ,00 1, ,00 1, ,80 1, ,00 1, ,00 0, ,90 0, ,90 1, ,50 2, ,00 2, ,70 3, ,50 2, ,00 1, ,40 1, ,00 2, ,70 2, ,10 1, ,40 2, ,90 0, ,10 1, ,30 0, ,40 0, ,80 3, ,90 3, ,50 1, ,20 2, ,70 1, ,70 0, ,00 0, ,80 0, ,50 1, ,40 0, ,80 0, ,20 2, ,80 0, ,90 1, ,40 0, ,60 1, ,60 0, ,40 0,8539

42 ,00 1, ,90 1, ,80 3, ,00 1, ,70 1, ,00 0, ,40 0, ,20 0, ,20 0, ,80 0, ,00 0, ,00 0, ,00 1, ,30 0, ,00 1, ,70 3, ,70 0, ,00 2, ,50 2, ,50 1, ,20 1, ,60 2, ,30 2, ,90 0, ,20 1, ,20 0, ,30 0, ,30 1, ,20 1, ,30 1, ,10 0, ,80 0, ,70 5, ,50 0, ,70 0, ,20 0,5155 AE ,50 1,8397 Total ,50 284,48 Quadro Demanda prevista por rota / SEDE

43 PREVISÃO DAS DEMANDAS FUTURAS POR ROTA / PIRAPITINGUI Conforme citado anteriormente, foi estimada a população e as demandas para cada uma das 32 rotas do Pirapitingui, com base em informações comerciais de maio 2008, conforme o quadro abaixo. ROTA Econ. Residenciais Pop. Atendida (hab) Total Quadro População por rota / ref. maio 2008 Pirapitingui

44 44 Considerando a previsão populacional ao longo do horizonte de projeto elaborada no Relatório 1.1 Previsão Populacional e Estimativa de Demanda de Água a estimativa população a ser atendida no Pirapitingui será conforme o quadro Ano Pop. Atendida (hab) Quadro População atendida PIRAPITINGUI, Considerando as informações acima, juntamente com o Plano Diretor da Cidade e a identificação de áreas saturadas, áreas com tendências de verticalização, áreas do Centro Histórico além do conhecimento in loco, foi possível estimar o crescimento populacional por Rota, conforme o quadro a seguir. População Atendida (hab) ROTA

45 Total Quadro População atendida por Rota / PIRAPITINGUI, Em anexo os desenhos com as informações sobre as densidades populacionais e população por Rota Comercial no período de 2015 a Ainda de acordo com o Relatório 1.1 Previsão Populacional e Estimativa de Demanda de Água foram considerados os seguintes parâmetros para a estimativa das demandas: Consumo per capita: 170 L/hab. dia; Coeficiente do dia de maior consumo (k1): 1,20; Índice de perdas: 2015 a 2035, previsto 25%; As demandas previstas por Rota comercial em 2015 para o PIRAPITINGUI são: LOCAL Pirapitingui ANO 2015 PERCAPITA 170,00 ROTA PIRAPITINGUI População Consumo Estimado (hab) (m 3 /mês) (L/s) ,30 16, ,80 1, ,80 0, ,50 0, ,30 0, ,50 0, ,80 0, ,40 0, ,90 2, ,40 3, ,80 2, ,20 1, ,90 2, ,00 2, ,90 1, ,00 1, ,50 1,8397

46 ,90 2, ,20 0, ,00 0, ,50 2, ,70 2, ,00 5, ,90 2, ,70 2, ,10 2, ,70 2, ,50 3, ,00 1, ,50 2, ,00 1, ,40 1,8574 Total ,10 77,0529 Quadro Demanda prevista por rota / PIRAPITINGUI As demandas previstas por Rota comercial em 2025 para o PIRAPITINGUI são: LOCAL Pirapitingui ANO 2025 PERCAPITA 170,00 ROTA PIRAPITINGUI População Consumo Estimado (hab) (m3/mês) (L/s) ,30 38, ,80 1, ,60 0, ,10 0, ,20 0, ,70 0, ,40 1, ,10 0, ,60 3, ,50 3, ,50 2, ,40 1, ,60 2, ,20 2, ,20 1,7748

47 ,50 1, ,20 1, ,00 2, ,40 0, ,00 0, ,50 2, ,80 2, ,80 5, ,50 4, ,40 2, ,50 2, ,40 3, ,60 3, ,60 1, ,20 3, ,50 1, ,20 1,9519 Total ,30 106,7478 Quadro Demanda prevista por rota / PIRAPITINGUI As demandas previstas por Rota comercial em 2035 para o PIRAPITINGUI são: LOCAL Pirapitingui ANO 2035 PERCAPITA 170,00 ROTA PIRAPITINGUI População Consumo Estimado (hab) (m3/mês) (L/s) ,00 64, ,30 2, ,40 0, ,70 0, ,20 0, ,10 0, ,40 1, ,70 0, ,70 3, ,00 3, ,40 2, ,80 1, ,90 2,5756

48 ,10 2, ,80 1, ,20 1, ,20 2, ,40 2, ,50 0, ,00 0, ,80 2, ,30 3, ,20 6, ,90 7, ,40 2, ,20 2, ,40 3, ,30 3, ,50 1, ,80 4, ,10 2, ,20 2,0502 Total ,90 141,1334 Quadro Demanda prevista por rota / PIRAPITINGUI

49 ANEXOS Desenho 01 Densidade Populacional por Rota Comercial / Ano de Sede; Desenho 02 Distribuição da População por Rota Comercial / Ano de Sede; Desenho 03 Densidade Populacional por Rota Comercial / Ano de Sede; Desenho 04 Distribuição da População por Rota Comercial / Ano de Sede; Desenho 05 Densidade Populacional por Rota Comercial / Ano de Sede; Desenho 06 Distribuição da População por Rota Comercial / Ano de Sede; Desenho 07 Densidade Populacional por Rota Comercial / Ano de Pirapitingui; Desenho 08 Distribuição da População por Rota Comercial / Ano de Pirapitingui; Desenho 09 Densidade Populacional por Rota Comercial / Ano de Pirapitingui; Desenho 10 Distribuição da População por Rota Comercial / Ano de Pirapitingui; Desenho 11 Densidade Populacional por Rota Comercial / Ano de Pirapitingui; Desenho 12 Distribuição da População por Rota Comercial / Ano de Pirapitingui;

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Consumo de Água DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Sistema de Abastecimento de Água

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG Newton Morais e Silva (1) Engenheiro Mecânico pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em Computer Studies pela Essex University

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA SIMISA Sistema Municipal de Informações em Saneamento Básico Serviços Públicos de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário INDICADORES Obs.: R = ano de referência; A = ano anterior ao ano de referência

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Consumo de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia

Leia mais

CONSUMOS DE ÁGUA CONSUMOS DE ÁGUA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA

CONSUMOS DE ÁGUA CONSUMOS DE ÁGUA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA CONSUMOS DE ÁGUA Componentes da demanda de água de uma população Doméstico Comercial Industrial Público Especial Perdas Desperdícios Principais fatores influenciam a demanda VOLUME DE ÁGUA A SER TRATADA

Leia mais

Marcos Valério de Araújo Gestor Comercial Águas de Itu Brasil

Marcos Valério de Araújo Gestor Comercial Águas de Itu Brasil Marcos Valério de Araújo Gestor Comercial Águas de Itu Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Concessão Plena: 30 anos inicio 04/out/2007. Grupo Bertin. 52.000

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais

de Saneamento Básico do Município de

de Saneamento Básico do Município de Plano de Desenvolvimento para o Sistema de Saneamento Básico do Município de Mossoró DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL A apresentação se dará em duas etapas: 1ª etapa - Resultado da Análise Técnico- operacional

Leia mais

ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL A PROPOSTA COMERCIAL será composta de duas partes, a saber: a. Carta de apresentação

Leia mais

Infraestrutura em Comunidades de Baixa Renda

Infraestrutura em Comunidades de Baixa Renda Infraestrutura em Comunidades de Baixa Renda Aspectos de concepção da infraestrutura de Água e Esgoto em Comunidades de Baixa Renda no Rio de Janeiro IAB Instituto dos Arquitetos do Brasil / Morar Carioca

Leia mais

Taxa de ocupação e. no consumo per capita. As cidades representam demandas. Conexão

Taxa de ocupação e. no consumo per capita. As cidades representam demandas. Conexão 46 Hydro Janeiro 2013 Conexão Taxa de ocupação e o consumo per capita O crescimento da população urbana, o aumento do consumo per capita e a perspectiva de redução da oferta de água impõem a necessidade

Leia mais

DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 180, de 08-11-2010

DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 180, de 08-11-2010 LIBERAÇÃO ARSESP Nº 80, de 08--200 Homologa a inclusão de novos serviços na Tabela de preços e prazos de serviços da SABESP, homologada pelas Deliberações ARSESP 53 e 54/200 A Diretoria Colegiada da Agência

Leia mais

CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015

CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015 CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015 OBJETIVO Estabelecer as regras e procedimentos para concessão de viabilidade técnica, aprovação de projetos e acompanhamento

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE NATAL

AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE NATAL AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE NATAL RESOLUÇÃO Nº 002/2011, de 25 de maio de 2011. Dispõe sobre determinações a serem cumpridas pela CAERN, no âmbito do Município do

Leia mais

Caesb conquista uma série de benefícios com projeto de Integração de Soluções

Caesb conquista uma série de benefícios com projeto de Integração de Soluções Caesb conquista uma série de benefícios com projeto de Integração de Soluções Perfil A Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal - Caesb é uma sociedade de economia mista, regida pela Lei das

Leia mais

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL DIMENSÃO SOCIAL . DINÂMICA POPULACIONAL Esta seção tem como objetivo expor a evolução e distribuição da população no território paranaense, apontando, em particular, a concentração que se realiza em determinadas

Leia mais

Projeto da Rede Coletora de Esgoto Sanitário. Profª Gersina Nobre

Projeto da Rede Coletora de Esgoto Sanitário. Profª Gersina Nobre Projeto da Rede Coletora de Esgoto Sanitário Profª Gersina Nobre Na elaboração do projeto da rede coletora de esgoto sanitário devem se observadas as seguintes normas da ABNT: NBR 9648 Estudo de concepção

Leia mais

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Foco na Gestão Comercial e Operacional Estamos vivenciando atualmente, uma profunda transformação no Setor de Saneamento. As Companhias

Leia mais

ANEXO II ESTRUTURA TARIFÁRIA E VALOR DOS SERVIÇOS

ANEXO II ESTRUTURA TARIFÁRIA E VALOR DOS SERVIÇOS ANEXO II ESTRUTURA TARIFÁRIA E VALOR DOS SERVIÇOS Os valores a serem cobrados dos clientes, resultam na aplicação dos valores da Tarifa Referencial de Água (TRA) e da Tarifa Referencial de Esgoto (TRE),

Leia mais

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia.

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTEALEGRE ALEGRE DO MONTE DOSUL SUL Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTE ALEGRE DO SUL Área 110,306 km² População (estimativa para 2014)

Leia mais

Permissões Especiais Projeto GSAN - IPAD

Permissões Especiais Projeto GSAN - IPAD Permissões Especiais Projeto GSAN - IPAD Versão: 0.1 Local: Recife PE Data: 12/11/2012 Índice Histórico de Revisões... 6 1. Introdução... 7 1.1 Objetivo... 7 1.2 Escopo... 7 2. Permissões Especiais...

Leia mais

Programa Consumo Responsável. Julho 2015

Programa Consumo Responsável. Julho 2015 Programa Consumo Responsável Julho 2015 PORTO ALEGRE - BRASIL População (2014): 1.472.482 habitantes PIB Brasil (2014): R$ 5,52 trilhões PIB Brasil (2012) per capita: R$ 22,6 mil PIB Rio Grande do Sul

Leia mais

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA:

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: 05/10/2015 1. Objetivo A expansão do sistema de abastecimento de

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH Documentos pessoais do requerente; Certidão Negativa do IPTU; Documento de responsabilidade técnica emitido pelo CREA ou CAU; Declaração do engenheiro ou arquiteto responsável pela obra; Aprovação do projeto

Leia mais

SAN.C.IN.NC 06. Esta Norma tem a finalidade de estabelecer procedimentos para a retificação de fatura(s) de água afastamento e tratamento de esgoto.

SAN.C.IN.NC 06. Esta Norma tem a finalidade de estabelecer procedimentos para a retificação de fatura(s) de água afastamento e tratamento de esgoto. 1 / 6 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. CONCEITOS BÁSICOS 4. PROCEDIMENTOS 5. CONSIDERAÇÕES GERAIS 6. REFERÊNCIAS 7. ANEXOS 1. FINALIDADE Esta Norma tem a finalidade de estabelecer procedimentos

Leia mais

Dimensão social. Habitação

Dimensão social. Habitação Dimensão social Habitação Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 235 39 Adequação de moradia Este indicador expressa as condições de moradia através da proporção de domicílios com condições

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O CONCUMO DE ÁGUA E A CONDIÇÃO SOCIOECONOMICA DA POPULAÇÃO DE CATALÃO - GO

RELAÇÃO ENTRE O CONCUMO DE ÁGUA E A CONDIÇÃO SOCIOECONOMICA DA POPULAÇÃO DE CATALÃO - GO RELAÇÃO ENTRE O CONCUMO DE ÁGUA E A CONDIÇÃO SOCIOECONOMICA DA POPULAÇÃO DE CATALÃO - GO Tobias Ribeiro Ferreira (*), Ed Carlo Rosa Paiva * Universidade Federal de Goiás, Professor do Departamento de Engenharia

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO JANEIRO DE 2015 5,3 3,8 3,5

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO JANEIRO DE 2015 5,3 3,8 3,5 PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO JANEIRO DE 2015 No primeiro mês de 2015, os aluguéis registraram alta de 0,4%, comparado com o mês anterior. Considerando o comportamento

Leia mais

Avaliação da Vigilância da Qualidade da Água no Estado do Acre Ano base 2011

Avaliação da Vigilância da Qualidade da Água no Estado do Acre Ano base 2011 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental Programa Nacional de Vigilância

Leia mais

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

TRILHA DO CONHECIMENTO SANEAMENTO. ARCGIS - AÇÕES COMERCIAIS NO DMAE Fernando André Neuwald

TRILHA DO CONHECIMENTO SANEAMENTO. ARCGIS - AÇÕES COMERCIAIS NO DMAE Fernando André Neuwald TRILHA DO CONHECIMENTO SANEAMENTO ARCGIS - AÇÕES COMERCIAIS NO DMAE Fernando André Neuwald ARCGIS - AÇÕES COMERCIAIS NO DMAE Esta apresentação é um breve resumo das ações comerciais executadas no DMAE,

Leia mais

Modelo de gestão SISAR. Novo Hamburgo, 03 de Dezembro de 2013

Modelo de gestão SISAR. Novo Hamburgo, 03 de Dezembro de 2013 Modelo de gestão SISAR Novo Hamburgo, 03 de Dezembro de 2013 DADOS POPULACIONAIS Brasil População Total 190.755.799 hab. Ceará População Total 8.452.381 hab. População Urbana 84,35% 160.914.804 hab. População

Leia mais

Região Autónoma da Madeira

Região Autónoma da Madeira Região Autónoma da Madeira Área () km 2 801,0 Densidade populacional () Hab/Km 2 309,0 População residente (31.12.) Nº 247.568 População < 15 anos Nº 42.686 População > 65 anos Nº 32.188 Taxa conclusão

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 1. Introdução Em 31 de dezembro de 2014 a SANEAGO operava os sistemas de abastecimento de água e coleta e/ou tratamento de esgoto de 225 dos 246 municípios do Estado de Goiás,

Leia mais

Censo Demográfico de 2010. Primeiros resultados. População e Domicílios recenseados

Censo Demográfico de 2010. Primeiros resultados. População e Domicílios recenseados Censo Demográfico de 2010 Primeiros resultados População e Domicílios recenseados Data 29/11/2010 Censo Demográfico de 2010 Todos os domicílios residenciais particulares foram recenseados. A coleta dos

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL Priscila da Silva Batista Instituto Tecnológico, Universidade

Leia mais

CORSAN GESTÃO DE CUSTOS

CORSAN GESTÃO DE CUSTOS CORSAN GESTÃO DE CUSTOS 3 Seminário de Boas Práticas de Gestão PGQP Porto Alegre, novembro 2015 A CORSAN EM GRANDES NÚMEROS 7 Milhões de Gaúchos 316 Municípios Atendidos Faturamento 2014 R$ 1,9 Bilhão

Leia mais

Pesquisa de controle de desperdícios e ramais clandestinos em ligações de água residenciais unifamiliares 1

Pesquisa de controle de desperdícios e ramais clandestinos em ligações de água residenciais unifamiliares 1 Pesquisa de controle de desperdícios e ramais clandestinos em ligações de água residenciais unifamiliares 1 1 Escrito em 20 de fevereiro de 1996 e revisto em junho de 1998. 1 Sumário 1) Objetivo 2) Benefícios

Leia mais

O VALOR AGREGADO DA LEITURA SIMULTÂNEA

O VALOR AGREGADO DA LEITURA SIMULTÂNEA O VALOR AGREGADO DA LEITURA SIMULTÂNEA Daisy Menezes, Assessora de Planejamento e Gestão Comercial, CEDAE, Rio de Janeiro, Brasil UM AVANÇO NA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS x DIFICULDADES ENCONTRADAS

Leia mais

Tecnologia de Informação

Tecnologia de Informação Tecnologia de Informação Fernando S. Meirelles Professor Titular de TI e Fundador do GVcia Fernando.Meirelles @ fgv.br 26ª Pesquisa Anual do Uso de TI, 2015 Pesquisa Pesquisa anual realizada pelo CIA -

Leia mais

Brasil. Valores de IDH e mudanças de classificação no Relatório de Desenvolvimento Humano 2011

Brasil. Valores de IDH e mudanças de classificação no Relatório de Desenvolvimento Humano 2011 Relatório de Desenvolvimento Humano 2011 Sustentabilidade e igualdade: Um futuro melhor para todos Nota explicativa sobre os índices compostos do IDH 2011 Brasil Valores de IDH e mudanças de classificação

Leia mais

SETOR de shopping center no Brasil: UMA VISÃO DO MERCADO

SETOR de shopping center no Brasil: UMA VISÃO DO MERCADO Informativo setorial de shopping centers Nº01 maio 2011 NÚMERO DE SHOPPINGS, 2 Descubra a distribuição dos shoppings por área bruta comercial. FLUXO DE CLIENTES, 6 Entenda o fluxo médio diário e a densidade

Leia mais

SETOR de shopping center no Brasil:

SETOR de shopping center no Brasil: Informativo setorial de shopping centers Nº01 maio 2011 número de Shoppings, 2 Descubra a distribuição dos shoppings por área bruta comercial. Fluxo de Clientes, 6 Entenda o fluxo médio diário e a densidade

Leia mais

Soluções em Tecnologia de Automação e Informação

Soluções em Tecnologia de Automação e Informação Soluções em Tecnologia de Automação e Informação INFOBUS GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES DE TRANSPORTE PÚBLICO CADASTRO DE DADOS Pontos de ônibus Linhas de ônibus Itinerários Quadros de horários Tarifas Tipos

Leia mais

Tecnologia de Informação

Tecnologia de Informação Tecnologia de Informação Fernando S. Meirelles Professor Titular de TI e Fundador do GVcia Fernando.Meirelles @ fgv.br 25ª Pesquisa Anual do Uso de TI, 2014 Pesquisa Pesquisa anual realizada pelo CIA -

Leia mais

Latitude (GG:MM:SS) 22. NÚMERO DE VEÍCULOS, EMBARCAÇÕES, AERONAVES 23. OUTROS DADOS QUANTITATIVOS

Latitude (GG:MM:SS) 22. NÚMERO DE VEÍCULOS, EMBARCAÇÕES, AERONAVES 23. OUTROS DADOS QUANTITATIVOS ANEXO 1 INFORMAÇÕES MÍNIMAS A seguir são apresentadas as informações mínimas necessárias ao levantamento de dados em cada plano de informações. As unidades responsáveis pelo levantamento de dados poderão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PROGRAMA DE ESTUDOS E AÇÕES PARA O SEMIÁRIDO MUSEU INTERATIVO DO SEMIÁRIDO MISA_PEASA_UFCG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PROGRAMA DE ESTUDOS E AÇÕES PARA O SEMIÁRIDO MUSEU INTERATIVO DO SEMIÁRIDO MISA_PEASA_UFCG UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PROGRAMA DE ESTUDOS E AÇÕES PARA O SEMIÁRIDO MUSEU INTERATIVO DO SEMIÁRIDO MISA_PEASA_UFCG PROGRAMA DE ESTÁGIO DE EXTENSÃO TECNOLÓGICA PARA ALUNOS DE GRADUAÇÃO Carga

Leia mais

Acesso a Transferências de Renda de Programas Sociais

Acesso a Transferências de Renda de Programas Sociais Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator

3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator 3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator primordial para o desenvolvimento do turismo sustentável.

Leia mais

Qual é a principal variável utilizada no dimensionamento das tubulações, estruturas e equipamentos?

Qual é a principal variável utilizada no dimensionamento das tubulações, estruturas e equipamentos? Sistemas de Água I - Aula 3 - Consumo de água 15/10/2013 2 Aula 3 - Consumo de Água 3.1 - Introdução Fonte: TSUTIYA (2004) Qual é a principal variável utilizada no dimensionamento das tubulações, estruturas

Leia mais

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O V o l u m e V R E L A T Ó R I O D O S P R O G R A M A S, P R O J E T O S E A Ç Õ E S P A R A O A L C A N C E D O C E N Á R I O R E F E R

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

VOLUME 3. Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar.

VOLUME 3. Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar. VOLUME 3 Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar. 69 PARTE I PROJEÇÃO DEMOGRÁFICA 70 1 Introdução A atualização de projeções

Leia mais

Nº 2.0 Nº 2.2 Nº 2.2.1 Atividade Como desenvolve a atividade Cargo Periodicidade

Nº 2.0 Nº 2.2 Nº 2.2.1 Atividade Como desenvolve a atividade Cargo Periodicidade Macroprocesso Processo Sub-processo Gerência Código Atividade Nº 2.0 Nº 2.2 Nº 2.2.1 Atividade Como desenvolve a atividade Cargo Periodicidade GECO/VENDAS 2.2.1.1 Dar apoio as Unidades e Regionais Receber

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes. Disque Denúncia Nacional: DDN 100

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes. Disque Denúncia Nacional: DDN 100 Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças

Leia mais

ANEXO XIII - Termo de referência para contratação do projeto de redes de água. Avenida Professor Oscar Pereira

ANEXO XIII - Termo de referência para contratação do projeto de redes de água. Avenida Professor Oscar Pereira ANEXO XIII - Termo de referência para contratação do projeto de redes de água 1-Objetivo Avenida Professor Oscar Pereira Elaboração de projeto executivo para substituição/ampliação das redes de abastecimento

Leia mais

Notas: Aprovada pela Deliberação Ceca nº 868, de 08 de maio de 1986. Publicada no DOERJ de 19 de maio de 1986

Notas: Aprovada pela Deliberação Ceca nº 868, de 08 de maio de 1986. Publicada no DOERJ de 19 de maio de 1986 IT-1815.R-5 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES (PERMANENTES E TRANSITÓRIAS), GRUPAMENTOS DE EDIFICAÇÕES E CLUBES. Notas: Aprovada pela Deliberação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2011 Instrução Técnica nº 34/2011 - Hidrante urbano 719 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2011 Hidrante

Leia mais

I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES

I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES Abal Simões de Magalhães (1) Engenheiro Civil pela (UFBa/BA - 1982). Superintendente da Embasa na Região Metropolitana de

Leia mais

GERAÇÃO DE VIAGENS. 1.Introdução

GERAÇÃO DE VIAGENS. 1.Introdução GERAÇÃO DE VIAGENS 1.Introdução Etapa de geração de viagens do processo de planejamento dos transportes está relacionada com a previsão dos tipos de viagens de pessoas ou veículos. Geralmente em zonas

Leia mais

Dados da Nossa Região Projetos 2013-2014

Dados da Nossa Região Projetos 2013-2014 Dados da Nossa Região Projetos 2013-2014 { Rotary Club São Paulo Morumbi Comp. Antonio Limongi Presidente Comp. Claudio Moysés Governador D.4610 Ano rotário 2013-2014 Comp. Helen de Montille Ferreira RCSP

Leia mais

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO; 2. OBJETIVO; 3. LOCALIDADES BENEFICIADAS;

Leia mais

Análise da economicidade do Emprego de Tanques Sépticos como solução para a gestão dos esgotos sanitários de comunidades

Análise da economicidade do Emprego de Tanques Sépticos como solução para a gestão dos esgotos sanitários de comunidades Análise da economicidade do Emprego de Tanques Sépticos como solução para a gestão dos esgotos sanitários de comunidades 1. Contexto e Antecedentes: PROSAB 5 (2007/09): Tema 6 - Lodo de Fossa Séptica;

Leia mais

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Eduardo Pereira Nunes Presidente do IBGE Teresina, 12 de Agosto de 2011 Brasil Todos os domicílios residenciais particulares foram recenseados A coleta

Leia mais

: Sistemas de Abastecimento de Água

: Sistemas de Abastecimento de Água PROGRAMA DA DISCIPLINA Fls 01 de 05 UNICAMP CÓDIGO: NOME CV641 : Sistemas de Abastecimento de Água T:02 P:01 L:OO0:01 D:01 E:02 HS:07 SL:03 C:04 EX:S EMENTA: Introdução. Previsão populacional. Consumo

Leia mais

REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL.

REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL. REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL. TEMA DO TRABALHO: ABASTECIMENTO DE ÁGUA Nome dos Autores: Luiz Eduardo Mendes Divisão de Manutenção e Operação Cargo: Engenheiro Civil - Formação:

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2014

DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2014 DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2014 1. Setor de Sucos Exportações em US$ 1.000 Produtos 2010 Part% 2013 2014 Part% 2014 2014/ 13 Var % anual 14/10 Alimentos Industrializados 37.853.764 100,00 43.005.652 41.136.370

Leia mais

CONSUMO DOMICILIAR E USO RACIONAL DA ÁGUA EM ÁREAS DE BAIXA RENDA: PESQUISA DE OPINIÃO

CONSUMO DOMICILIAR E USO RACIONAL DA ÁGUA EM ÁREAS DE BAIXA RENDA: PESQUISA DE OPINIÃO CONSUMO DOMICILIAR E USO RACIONAL DA ÁGUA EM ÁREAS DE BAIXA RENDA: PESQUISA DE OPINIÃO Ana Garcia Mirian Santos Dijara Conceição Adriana Machado Asher Kiperstok REDE DE TECNOLOGIAS LIMPAS DA BAHIA PPG

Leia mais

Questão 25. Questão 27. Questão 26. alternativa B. alternativa C

Questão 25. Questão 27. Questão 26. alternativa B. alternativa C Questão 25 No Brasil, no período 1990-91 a 2003-04, a produção de grãos apresentou crescimento de 125%, enquanto a área plantada aumentou apenas 24%, conforme mostra o gráfico. BRASIL _ ÁREA PLANTADA E

Leia mais

Quando a análise de Pontos de Função se torna um método ágil

Quando a análise de Pontos de Função se torna um método ágil Quando a análise de Pontos de Função se torna um método ágil Carlos Oest carlosoest@petrobras.com.br Time Box: 60 minutos Backlog da apresentação: Apresentação do assunto 1 SCRUM 2 Estimativa com Pontos

Leia mais

População, PIB e Emprego na Amazônia Legal: Evolução no Período 2000 a 2012.

População, PIB e Emprego na Amazônia Legal: Evolução no Período 2000 a 2012. Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia SUDAM Assessoria Técnica da Superintendência População, PIB e Emprego na Amazônia Legal: Evolução no Período 2000 a 2012. Dr. Djalma Melo Superintendente

Leia mais

Amazônia Legal e infância

Amazônia Legal e infância Amazônia Legal e infância Área de Abrangência 750 Municípios distribuídos em 09 Unidades Federativas: Amazonas (62), Amapá (16), Acre (22), Roraima (15), Rondônia (52), Pará (143), Tocantins (139), Maranhão

Leia mais

As estimativas recentes para a população infantil no município do Rio de Janeiro e o atendimento na rede escolar municipal

As estimativas recentes para a população infantil no município do Rio de Janeiro e o atendimento na rede escolar municipal ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S As estimativas recentes para a população infantil no município do Rio de Janeiro e o atendimento na rede escolar municipal Nº 20080701 Julho -

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Rua Ceará, nº 2855 São Joaquim da Barra/SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário Coordenadas Geográfica: W 47.872444 S 20.585111 2 FICHA CADASTRAL DO IMÓVEL 1. VALOR

Leia mais

Livro: Água pague menos água Engenheiro Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 11/12/2010. Capítulo 2. Nitro PDF Trial

Livro: Água pague menos água Engenheiro Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 11/12/2010. Capítulo 2. Nitro PDF Trial Capítulo 2 Medição individualizada e Monitoramento do consumo Estima-se que 80% de todas as moléstias e mais de um terço dos óbitos dos países em desenvolvimento sejam causados pelo consumo de águas contaminadas

Leia mais

EMENDA SUBSTITUTIVA GLOBAL PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 416, DE 2008 (Origem: PLS 98/2002)

EMENDA SUBSTITUTIVA GLOBAL PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 416, DE 2008 (Origem: PLS 98/2002) EMENDA SUBSTITUTIVA GLOBAL PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 416, DE 2008 (Origem: PLS 98/2002) (Apensados: PLP 130/1996; PLP 138/1996; PLP 39/1999; PLP 87/1999; PLP 21/1999; PLP 227/2001; PLP 273/2001;

Leia mais

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 INTRODUÇÃO Reconhecendo a importância da oferta de saneamento para a melhoria da infraestrutura

Leia mais

Notas técnicas. Objetivo

Notas técnicas. Objetivo Notas técnicas A Pesquisa Nacional de Saneamento Básico - PNSB-foi realizada pelo Departamento de População e Indicadores Sociais - DEPIS-, da Diretoria de Pesquisas - DPE-, contando com o envolvimento

Leia mais

tuprefeitura ABASTECIMENTO DE AGUA CONSOLATA (Sede) PERFURAÇÃO DE POÇO ARTESIANO E CONSTRUÇÃO DE REDE DE Três de Maio TRES DE MAIO

tuprefeitura ABASTECIMENTO DE AGUA CONSOLATA (Sede) PERFURAÇÃO DE POÇO ARTESIANO E CONSTRUÇÃO DE REDE DE Três de Maio TRES DE MAIO @ Municipal de tuprefeitura TRES DE MAIO ANEXO I PLANO DE TRABALHO E MEMORIAL DESCRITIVO PERFURAÇÃO DE POÇO ARTESIANO E CONSTRUÇÃO DE REDE DE ABASTECIMENTO DE AGUA CONSOLATA (Sede) Três de Maio Doe orgãos,

Leia mais

Cadastro de clientes

Cadastro de clientes Pág.: 1/6 1 Objetivo 1.1 Esta Norma estabelece os critérios e procedimentos a serem adotados para desenvolvimento das atividades de cadastramento e recadastramento de clientes, interrupção de faturamento,

Leia mais

TÓPICOS QUE ORIENTAM A JUSTIFICATIVA PARA A DEMANDA (PROINFÂNCIA, CONSTRUÇÃO DE QUADRA COBERTA E COBERTURA DE QUADRA EXISTENTE)

TÓPICOS QUE ORIENTAM A JUSTIFICATIVA PARA A DEMANDA (PROINFÂNCIA, CONSTRUÇÃO DE QUADRA COBERTA E COBERTURA DE QUADRA EXISTENTE) TÓPICOS QUE ORIENTAM A JUSTIFICATIVA PARA A DEMANDA (PROINFÂNCIA, CONSTRUÇÃO DE QUADRA COBERTA E COBERTURA DE QUADRA EXISTENTE) 1. Conceito Trata-se de elaboração de documento que busca demonstrar a necessidade

Leia mais

I-056 - TIPO DE DESCARGA DE BACIA SANITÁRIA INSTALADA EM DOMICILIO SEGUNDO CLASSE SOCIAL CONSUMIDORA E RESPECTIVO CONSUMO MÉDIO PER CAPITA

I-056 - TIPO DE DESCARGA DE BACIA SANITÁRIA INSTALADA EM DOMICILIO SEGUNDO CLASSE SOCIAL CONSUMIDORA E RESPECTIVO CONSUMO MÉDIO PER CAPITA I-056 - TIPO DE DESCARGA DE BACIA SANITÁRIA INSTALADA EM DOMICILIO SEGUNDO CLASSE SOCIAL CONSUMIDORA E RESPECTIVO CONSUMO MÉDIO PER CAPITA José Geraldo Querido (1) : Professor Titular do Centro de Ciências

Leia mais

ESTÁ EM VIGOR O NOVO REGULAMENTO DE ÁREAS LOCAIS DA TELEFONIA FIXA

ESTÁ EM VIGOR O NOVO REGULAMENTO DE ÁREAS LOCAIS DA TELEFONIA FIXA Brasília, 8 de junho de 2004 Agência Nacional de Telecomunicações - APC ESTÁ EM VIGOR O NOVO REGULAMENTO DE ÁREAS LOCAIS DA TELEFONIA FIXA O novo Regulamento de Áreas Locais do Serviço Telefônico Fixo

Leia mais

Nº 1.0.0 Nº 1.2.0 Nº 1.2.8

Nº 1.0.0 Nº 1.2.0 Nº 1.2.8 Macroprocesso Processo Subprocesso Gerência GERÊNCIA REGIONAL Nº 1.0.0 Nº 1.2.0 Nº 1.2.8 1.2.8.1 Receber e analisar solicitação Receber solicitação de demanda de expansão do sistema de Supervisor de Unidade

Leia mais

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp III Pré-ENCOB - RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - Sabesp 5ª Maior

Leia mais

METOLOGIA. 1. Histórico

METOLOGIA. 1. Histórico METOLOGIA O Índice de Confiança do Empresário Industrial do Rio Grande do Sul (ICEI/RS) é um indicador antecedente utilizado para identificar mudanças na tendência da produção industrial gaúcha. O ICEI

Leia mais

EDITAL Nº 007/2015/DG/IFMA CAMPUS BARRA DO CORDA

EDITAL Nº 007/2015/DG/IFMA CAMPUS BARRA DO CORDA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO CAMPUS BARRA DO CORDA EDITAL Nº 007/2015/DG/IFMA CAMPUS BARRA DO

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO MAIO DE 2015

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO MAIO DE 2015 PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO MAIO DE 2015 Os aluguéis das casas e apartamentos no mês de maio permaneceram estáveis em relação aos valores de abril. Em relação

Leia mais

VISTORIA DE VAZAMENTO UM OLHAR VOLTADO AO CIDADÃO

VISTORIA DE VAZAMENTO UM OLHAR VOLTADO AO CIDADÃO VISTORIA DE VAZAMENTO UM OLHAR VOLTADO AO CIDADÃO Autores Adriana de Sena Simão Lourival Rodrigues da Silva Vera Lucia Nogueira PENÁPOLIS PENÁPOLIS População: 56.000 habitantes; Numero de ligações de água:

Leia mais

Domicílios e ocupação no Rio

Domicílios e ocupação no Rio ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Domicílios e ocupação no Rio Nº 20010505 Maio - 2001 Alcides Carneiro - IPP/Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro PREFEITURA DA CIDADE DO RIO

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

ESTUDOS DE CASO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO: ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS - SC

ESTUDOS DE CASO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO: ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS - SC ESTUDOS DE CASO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO: ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS - SC ANA KELLY MARINOSKI Orientador: Prof. Enedir Ghisi, PhD INTRODUÇÃO Objetivo

Leia mais

ESTUDO IDC/ACEPI. Economia Digital em Portugal 2009-2017

ESTUDO IDC/ACEPI. Economia Digital em Portugal 2009-2017 ESTUDO IDC/ACEPI Economia Digital em Portugal 2009-2017 ECONOMIA DIGITAL NO MUNDO (2012) 2.5 mil milhões de internautas no mundo 850 mil milhões de euros 300 mil milhões de euros Europa maior mercado de

Leia mais

Apartamentos econômicos de 2 dormitórios são destaque em Rio Preto

Apartamentos econômicos de 2 dormitórios são destaque em Rio Preto Apartamentos econômicos de 2 dormitórios são destaque em Rio Preto Nos últimos 12 meses, entre junho de 2011 e maio de 2012, foram lançados 2.044 imóveis residenciais verticais em condomínios na cidade

Leia mais

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp COSEMA - FIESP Programas e Ações A da Sabesp para os grandes problemas da RMSP Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Evolução Populacional - RMSP Reversão da centrifugação Menor pressão

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE RONDA ALTA

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE RONDA ALTA TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

PERFURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE POÇO TUBULAR PROFUNDO. Maio/2.014 ÍNDICE

PERFURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE POÇO TUBULAR PROFUNDO. Maio/2.014 ÍNDICE PERFURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE POÇO TUBULAR PROFUNDO Serviços de engenharia - perfuração e instalação do poço tubular profundo no Residencial Cidade de Todos os IX na cidade de Porto Velho/RO, com o respectivo

Leia mais

Sondagem conjuntural da indústria de transformação aspectos metodológicos e analíticos

Sondagem conjuntural da indústria de transformação aspectos metodológicos e analíticos Sondagem conjuntural da indústria de transformação aspectos metodológicos e analíticos Salomão L. Quadros da Silva Instituto Brasileiro de Economia Fundação Getulio Vargas SEMINARIO SOBRE INDICADORES LÍDERES

Leia mais