SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG"

Transcrição

1 SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG Newton Morais e Silva (1) Engenheiro Mecânico pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em Computer Studies pela Essex University Inglaterra. Consultor da Organização Panamericana de Saúde (OPS) e da Procenge - Processamento de Dados e Engenharia de Sistemas Ltda. (PE). João Carlos de Britto Maynard Administrador de Empresas pela Universidade de Pernambuco (UPE). Funcionário da COMPESA desde agosto /1977, tendo ocupado as funções de Gerente Comercial do Recife, Chefe de Gabinete da Presidência, Assessor da Diretoria de Operações, Gerente de Cobrança e Arrecadação, tendo prestado consultoria a diversas empresas de saneamento do país. Endereço (1) : Rua Amaro Bezerra, apto Derby - Recife - PE - CEP: Brasil - Tel: (081) Celular: (081) RESUMO O Sistema de Informações Gerenciais para a Área Comercial - SIG tem por objetivo manter atualizada uma base de dados de informações gerenciais da área comercial das Empresas de Saneamento, de forma totalmente automatizada, tornando-se um instrumento de grande importância para o processo decisório do corpo gerencial da companhia. O sistema é composto de uma base de dados totalmente flexível, que permite a sua seleção nos níveis de Estado, Região, Microrregião, Grupo de Faturamento, Superintendência, Gerência, Localidade ou Município. Dentro de cada nível também é permitido selecionar-se dados mediante os seguintes critérios: a) categoria: residencial, comercial, industrial ou pública; b) tipo: com hidrômetro ou sem hidrômetro; c) situação da ligação de água: potencial, factível, ativa, cortada, suprimida; d) situação da ligação de esgoto: potencial, factível, ligada. É permitida a combinação de todos os critérios supracitados. A partir das opções escolhidas, informadas através de uma tela, o sistema imediatamente disponibiliza um conjunto de informações para o universo selecionado. PALAVRAS-CHAVE: Informação Gerencial, Área Comercial, Dados Históricos, Indicadores Históricos, Tomada de Decisão. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 3149

2 INTRODUÇÃO A rapidez na obtenção da informação é de fundamental importância para o processo decisório, em seus diversos níveis. Encontrar uma forma de se manter uma base de dados - obtida sem a interferência humana e contendo dados confiáveis - que permita a análise imediata e no nível desejado das informações comerciais disponíveis tem sido um obstáculo que as Empresas de Saneamento procuram superar, sem sucesso na maioria das vezes. A grande dificuldade encontrada pela área comercial é atender de imediato às diferentes solicitações, tanto de entidades externas quanto internas, em face da grande quantidade de variáveis envolvidas e da necessidade de muitas vezes obter-se uma série histórica dos dados correspondentes a vários meses e anos. O SIG originou-se de uma solicitação da Diretoria da COMPESA, no sentido de que a área comercial elaborasse mensalmente um conjunto de quadros e indicadores de sua área, com informações relativas ao ano presente e ao imediatamente anterior. De vez em quando falava-se na necessidade de estruturação de uma base de dados gerenciais, porém outras prioridades adiavam sempre o início deste trabalho. A partir desta solicitação, porém, houve a determinação de se levar adiante este projeto. Os dados foram segmentados por área (cadastro, micromedição, faturamento e cobrança) e, dentro de cada uma delas, separados os valores de quantidades dos que se referiam a indicadores, através dos quais se pudesse medir o desempenho da Empresa em cada atividade comercial, bem como situá-la em relação a suas congêneres nacionais. A partir da montagem das diversas planilhas com os dados que deveriam constar das mesmas - as quais foram definidas pela área comercial da COMPESA e devidamente aprovadas pela Diretoria, passou-se a atualizá-las mensalmente, mediante um razoável esforço manual, a partir dos relatórios emitidos pelo Sistema Procenge de Gestão Comercial (GCOS). Naquele momento, as informações constantes das planilhas referiamse ao total do Estado. Com o correr do tempo, inúmeras solicitações passaram a ser feitas em outros níveis, tais como município, gerência regional e região geográfica, além de solicitações específicas para determinadas categorias (residencial, comercial, industrial ou pública) ou mesmo para um tipo de serviço prestado (ligações com apenas coleta de esgotos, por exemplo). A obtenção de dados históricos, nesses níveis, resultava num esforço enorme para a coleta dos dados, nem sempre possível. As solicitações eram feitas tanto por outros órgãos governamentais, agentes financiadores de empreendimentos (Caixa Econômica Federal, por exemplo), imprensa quanto por unidades internas da empresa, visando às necessárias análises gerenciais. Desse modo, estimulada pela Superintendência Comercial, a Diretoria da COMPESA decidiu licitar o desenvolvimento de um sistema que permitisse gerar e extrair, quando requerido, boa parte das informações comerciais, no nível e período desejados. A Procenge - empresa sediada em Recife com mais de 20 anos de experiência na área comercial de empresas de saneamento, e que possui como seus clientes a Agespisa, Cagece, Cagepa, Casal, COMPESA, Deso e Embasa - foi a vencedora da licitação, cabendo ao autor principal deste trabalho a concepção e coordenação do desenvolvimento e testes do sistema. O apoio do 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 3150

3 corpo gerencial da Superintendência Comercial foi total, tanto na definição e estruturação dos dados quanto no desenvolvimento dos trabalhos, cabendo um destaque especial ao Gerente de Cobrança e Arrecadação, João Carlos de Britto Maynard, o que justificou considerá-lo co-autor deste trabalho, pois sem sua inestimável ajuda e estímulo, o SIG talvez nunca existisse. GERAÇÃO DA BASE DE DADOS Os dados comerciais são obtidos a partir do processamento das rotinas diárias e mensais do Sistema Procenge de Gestão Comercial (GCOS). Quando todos os dados comerciais referentes ao mês já estão gerados, é processada uma rotina para transferi-los para uma base de dados em microcomputador. Neste instante, os dados passam a ficar disponíveis para toda a Empresa, tanto no mainframe quanto no servidor da rede local de processamento. Embora não haja nenhum empecilho para o desenvolvimento de aplicações que permitam a obtenção de dados selecionados a partir do mainframe, optou-se por priorizar, no primeiro instante, o desenvolvimento de aplicações a partir da base de dados do microcomputador, em face das facilidades oferecidas pelos softwares disponíveis para microcomputador. PARÂMETROS DE SELEÇÃO O sistema permite que o usuário defina em tela o universo a ser selecionado, através dos seguintes parâmetros: Nível: Estado, Região, Microrregião, Superintendência, Gerência, Localidade, Município ou Grupo de Faturamento; Categoria: Residencial, Comercial, Industrial, Pública ou Todas; Tipo: Com Hidrômetro, Sem Hidrômetro ou Todos; Situação da Ligação de Água: Potencial, Factível, Ligado, Cortado, Suprimido Parcial, Suprimido Total ou Todos; Situação da Ligação de Esgoto: Potencial, Factível, Ligado ou Todos; A página seguinte apresenta o modelo da tela de seleção da COMPESA. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 3151

4 DADOS DISPONÍVEIS a) Dados e Indicadores de Cadastro/Comercialização: - Quantidade de ligações ativas. - Quantidade de ligações cortadas. - Quantidade de ligações parcialmente suprimidas. - Quantidade de ligações totalmente suprimidas. - Quantidade de ligações realizadas no mês. - Quantidade de economias residenciais. - Quantidade de economias comerciais. - Quantidade de economias industriais. - Quantidade de economias públicas. - População urbana atendida com abastecimento de água. - População urbana atendida com coleta de esgoto. - População urbana das localidades atendidas pela Empresa de Saneamento. - Índice de abastecimento de água. - Índice de coleta de esgoto. - Índice de crescimento de ligações de água. - Índice de crescimento de ligações de esgoto. - Índice de crescimento de economias de água. - Índice de crescimento de economias de esgoto. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 3152

5 b) Dados e Indicadores de Micromedição: - Economias não medidas, com água, que foram faturadas. - Economias medidas, com água, que foram faturadas. - Ligações não medidas, com água, que foram faturadas. - Ligações medidas, com água, que foram faturadas. - Leituras efetuadas. - Ligações com medição real. - Hidrômetro instalados. - Hidrômetro substituídos. - Volume correspondente ao consumo real. - Volume correspondente a ligações medidas que tiveram consumo estimado. - Volume faturado de água correspondente às ligações medidas. - Volume faturado de água correspondente às ligações não medidas. - Volume faturado de esgoto correspondente às ligações medidas. - Volume faturado de esgoto correspondente às ligações não medidas. - Índice de ligações com hidrômetro. - Índice de medição efetiva. - Eficiência da medição de consumo. - Eficiência da leitura. - Percentual de hidrômetros com anormalidade. - Volume médio das ligações com hidrômetro que tiveram consumo real. - Volume médio das ligações com hidrômetro que tiveram consumo estimado. - Volume faturado por economia. - Percentual do volume medido correspondente a consumo real. - Percentual do volume medido correspondente a consumo estimado. c) Dados e Indicadores do Faturamento: - Quantidade de contas emitidas. - Valor faturado de água. - Valor faturado de esgoto. - Valor faturado correspondente a acréscimos por impontualidade. - Valor faturado correspondente a outros serviços indiretos. - Quantidade de contas do faturamento líquido. - Valor do faturamento líquido. - Valor cobrado nas contas, referente a parcelamentos de débitos. - Valor cobrado nas contas, correspondente a débitos anteriores. - Índice de evolução do faturamento líquido relativo à quantidade de contas. - Índice de evolução do faturamento líquido relativo ao valor. - Faturamento médio por conta. - Faturamento médio por economia. - Tarifa média de água. - Tarifa média de esgoto. - Índice de refaturamento no que diz respeito às contas emitidas. - Índice de refaturamento no que diz respeito ao faturamento líquido. d) Dados e indicadores da cobrança/arrecadação: - Quantidade de contas arrecadadas. - Valor total arrecadado. - Valor arrecadado referente a parcelamentos de débito efetuados. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 3153

6 - Quantidade de ligações reais com débito. - Quantidade de ligações suprimidas com débito. - Quantidade de contas na pendência. - Valor da pendência, correspondente às contas em atraso. - Valor da pendência, correspondente aos parcelamentos por cobrar. - Valor da pendência, correspondente aos serviços por cobrar. - Quantidade de cortes realizados. - Quantidade de supressões parciais realizadas. - Quantidade de supressões totais realizadas. - Quantidade de contas que foram parceladas. - Valor do débito parcelado. - Evolução da pendência relativa ao número de contas. - Evolução da pendência relativa ao valor. - Percentual de arrecadação relativo ao número de contas. - Percentual de arrecadação relativo ao valor do faturamento líquido. - Percentual de contas recebidas até o vencimento. - Percentual de contas recebidas no mês, após o vencimento. - Percentual de contas recebidas no mês seguinte ao do vencimento. - Percentual de contas recebidas no segundo mês posterior ao do vencimento. - Percentual de ligações desligadas. - Percentual de ligações suprimidas. CONCLUSÕES O SIG tem apresentado excelentes resultados nos locais onde foi implantado, tornando-se a principal fonte para dados oficiais da Empresa, tendo reduzido substancialmente o esforço para obtenção de dados e indicadores históricos. A disseminação do uso do sistema também tem servido como um instrumento de estímulo na análise dos resultados obtidos e para a elaboração de relatórios gerenciais, possibilitando uma tomada de decisão mais ágil e eficiente. PERSPECTIVAS FUTURAS Com a utilização do sistema descrito, verificou-se a importância da criação de novos níveis de seleção, tais como: Sistema de Abastecimento de Água, Sistema de Coleta de Esgoto, Distrito Operacional, Bairro, etc. A criação desses níveis é perfeitamente possível, mediante pequenas adaptações a serem implementadas no SIG. A facilidade na obtenção de dados desperta na Empresa a necessidade de expansão da base de dados, de modo a tornar o SIG um Sistema de Informações Gerenciais para a Empresa como um todo, e não apenas para a área comercial. Para tal, será necessária a ampliação da base de dados existente. 20 o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 3154

Sistema Integrado de Gestão de Serviços de Saneamento

Sistema Integrado de Gestão de Serviços de Saneamento Sistema Integrado de Gestão de Serviços de Saneamento Histórico IPAD surgiu em 1997 com o intuito de desenvolver soluções tecnológicas e científicas. A partir de 2004 foram contratados profissionais experientes

Leia mais

Permissões Especiais Projeto GSAN - IPAD

Permissões Especiais Projeto GSAN - IPAD Permissões Especiais Projeto GSAN - IPAD Versão: 0.1 Local: Recife PE Data: 12/11/2012 Índice Histórico de Revisões... 6 1. Introdução... 7 1.1 Objetivo... 7 1.2 Escopo... 7 2. Permissões Especiais...

Leia mais

GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO

GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO José Maria Villac Pinheiro (1) Engenheiro pela Universidade de São Paulo USP Escola de Engenharia de São Carlos EESC. Especialização

Leia mais

GSAN. Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento. Versão Atual do GSAN. Módulos

GSAN. Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento. Versão Atual do GSAN. Módulos GSAN Sistema de Gestão Comercial para empresas de saneamento Versão Atual do GSAN A PROCENGE é líder nacional no fornecimento de softwares de gestão para companhias de Água e Saneamento, com base na sua

Leia mais

Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares.

Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares. Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares. Introdução A simulação do retorno sobre o investimento (do inglês ROI return on investment) tem sido utilizada como importante ferramenta

Leia mais

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental V-028 - SISTEMA SUPORTE DE ACOMPANHAMENTO DA ARRECADAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA MANUTENÇÃO DA RELAÇÃO ARRECADAÇÃO X FATURAMENTO E REDUÇÃO DO SCR - ESTUDO DO CASO NO ER ITAPARICA D artagnan Gomes Nascimento

Leia mais

GSAN. Módulo Gerencial. Documentação de Funcionalidades Incluídas e Alteradas

GSAN. Módulo Gerencial. Documentação de Funcionalidades Incluídas e Alteradas GSAN Módulo Gerencial Documentação de Funcionalidades Incluídas e Alteradas Data de Atualização: 26/02/2014 1 Introdução Este documento contém a documentação de funcionalidades incluídas e alteradas do

Leia mais

Trabalho Definitivo. Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados. Tema: Abastecimento de Água

Trabalho Definitivo. Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados. Tema: Abastecimento de Água Trabalho Definitivo Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados Tema: Abastecimento de Água Autores: Cristina Helena Fukuda, Emy Kikuchi, Cristiane Costrov da Silva, Ivanir Joaquim

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão de Serviços de Saneamento

Sistema Integrado de Gestão de Serviços de Saneamento Sistema Integrado de Gestão de Serviços de Saneamento Mudança de paradigma softwarepublico.gov.br Empresas De Saneamento Empresas De TI Usuários Características Características de Propriedade - Software

Leia mais

1. OBJETIVO Prestar atendimento ao cidadão de maneira rápida, eficiente e eficaz, de acordo com os requisitos especificados pelo cliente.

1. OBJETIVO Prestar atendimento ao cidadão de maneira rápida, eficiente e eficaz, de acordo com os requisitos especificados pelo cliente. Sistema de Gestão da Qualidade SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO INSTRUÇÃO DE TRABALHO DE ATENDIMENTO AO CIDADÃO - DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE CALDAS NOVAS - DEMAE Responsável:

Leia mais

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Foco na Gestão Comercial e Operacional Estamos vivenciando atualmente, uma profunda transformação no Setor de Saneamento. As Companhias

Leia mais

RELATÓRIO 2.1 ESTUDO DE DEMANDAS POR ROTA COMERCIAL

RELATÓRIO 2.1 ESTUDO DE DEMANDAS POR ROTA COMERCIAL 1 RELATÓRIO 2.1 ESTUDO DE DEMANDAS POR ROTA COMERCIAL 2 SUMÁRIO 2.1.1 OBJETIVOS DO RELATÓRIO 5 2.1.2 DISTRIBUIÇÃO DAS DEMANDAS ATUAIS 6 2.1.3 PREVISÃO DAS DEMANDAS FUTURAS POR ROTA / SEDE 15 2.1.4 PREVISÃO

Leia mais

Desenvolvimento de software potencializa gestão de processos e gera economia estimada em R$ 80 milhões para Embasa

Desenvolvimento de software potencializa gestão de processos e gera economia estimada em R$ 80 milhões para Embasa Desenvolvimento de software potencializa gestão de processos e gera economia estimada em R$ 80 milhões para Embasa Perfil A Embasa é uma sociedade de economia mista de capital autorizado, pessoa jurídica

Leia mais

MONTAGEM DE COI CENTRO DE OPERAÇÃO INTEGRADA

MONTAGEM DE COI CENTRO DE OPERAÇÃO INTEGRADA MONTAGEM DE COI CENTRO DE OPERAÇÃO INTEGRADA Wilson Luiz de Castro Diretor Técnico 29/julho/2015 LINEDATA - Empresa brasileira, com atuação há 8 anos, com foco em empresas de Saneamento Públicas e Privadas,

Leia mais

Anexo I QT D ESPECIFICAÇÃO. Vl unit total ITEM UNID.

Anexo I QT D ESPECIFICAÇÃO. Vl unit total ITEM UNID. Anexo I ITEM 01 ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DO SOFTWARE GESTÃO COMERCIAL para faturamentos, cadastros, controle de contas e consumos, dívida ativa, atendimento ao público e auto-atendimento via

Leia mais

GSAN. Módulo Faturamento. Documentação de Funcionalidades Incluídas e Alteradas

GSAN. Módulo Faturamento. Documentação de Funcionalidades Incluídas e Alteradas GSAN Módulo Faturamento Documentação de Funcionalidades Incluídas e Alteradas Data de Atualização: 30/01/2015 0 Introdução Este documento contém a documentação de funcionalidades incluídas e alteradas

Leia mais

I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES

I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES Abal Simões de Magalhães (1) Engenheiro Civil pela (UFBa/BA - 1982). Superintendente da Embasa na Região Metropolitana de

Leia mais

Simular de Financiamento

Simular de Financiamento Simular de Financiamento Versão: PI001 1. Objetivo deste documento Este documento tem como objetivo autorizar formalmente o início de um projeto e contém informações necessárias para o entendimento do

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos

Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos SEMINÁRIO REGIONAL DE SANEAMENTO RURAL Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos Campinas(SP), 23 de Junho 2015 Mobilização

Leia mais

Experiência: Emissão de Certidão Negativa de Débitos de Tributos e Contribuições Federais, via Internet

Experiência: Emissão de Certidão Negativa de Débitos de Tributos e Contribuições Federais, via Internet Experiência: Emissão de Certidão Negativa de Débitos de Tributos e Contribuições Federais, via Internet Instituição Responsável : Secretaria da Receita Federal SRF Os integrantes do projeto foram a equipe

Leia mais

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes 1 PNQS 2012 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Conselho de Clientes Setembro 2012 ORGANOGRAMA 2 PRESIDÊNCIA ASSESSORIAS 1 2 3 4 5 ORGANIZAÇAO

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A ISO 9001:2000

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A ISO 9001:2000 CONTRATO ESPECIAL DE FIDELIDADE PARA FORNECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL, COLETA/ AFASTAMENTO E TRATAMENTO DE ESGOTO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A SOCIEDADE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO - SANASA CAMPINAS

Leia mais

Relacionamento Clientes

Relacionamento Clientes FENÍCIA CRM & SRM O Fenícia CRM (Customer Relationship Management - Sistema de Gerenciamento do Relacionamento com os Clientes) é uma ferramenta de gestão com foco no cliente, essencial para angariar e

Leia mais

I-028 CONTROLE DE PERDAS ATRAVÉS DE MACROMEDIDORES ELETROMAGNÉTICOS

I-028 CONTROLE DE PERDAS ATRAVÉS DE MACROMEDIDORES ELETROMAGNÉTICOS I-28 CONTROLE DE PERDAS ATRAVÉS DE MACROMEDIDORES ELETROMAGNÉTICOS Kleber Castilho Polisel (1) Engenheiro Mecânico pela Universidade de Taubaté 1986. Especialização em Engenharia de Saneamento Básico pela

Leia mais

Financiamento de Serviços e Parcelamentos de Débitos

Financiamento de Serviços e Parcelamentos de Débitos Financiamento de Serviços e Parcelamentos de Débitos Pág.: 1/3 1 Objetivo 1.1 Esta Norma de Procedimentos define as políticas e procedimentos básicos para o Parcelamento de Débitos e Financiamento de Serviços

Leia mais

Modelo de gestão SISAR. Novo Hamburgo, 03 de Dezembro de 2013

Modelo de gestão SISAR. Novo Hamburgo, 03 de Dezembro de 2013 Modelo de gestão SISAR Novo Hamburgo, 03 de Dezembro de 2013 DADOS POPULACIONAIS Brasil População Total 190.755.799 hab. Ceará População Total 8.452.381 hab. População Urbana 84,35% 160.914.804 hab. População

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE Pág. 1 0. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. OBJETIVOS....2 3. ESTIMATIVAS DO PROJETO....4 4. RISCOS DO PROJETO....5 4.1. Identificação e Análise dos Riscos....5 4.1.1. Riscos de Projeto...6 4.1.2. Riscos Técnicos....6

Leia mais

Alterações/Desenvolvimento - Sistema OnixNet / TrucksNet

Alterações/Desenvolvimento - Sistema OnixNet / TrucksNet Alterações/Desenvolvimento - Sistema OnixNet / TrucksNet Comercial Cadastros o (202) Cadastro de Vendedores Flag Enviar Previsão: Flag Enviar Previsão: Foi inserido um novo flag no cadastro de vendedores.

Leia mais

Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de

Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de esgoto no DF Ressarcimento de danos Nova Redação: Art.

Leia mais

O VALOR AGREGADO DA LEITURA SIMULTÂNEA

O VALOR AGREGADO DA LEITURA SIMULTÂNEA O VALOR AGREGADO DA LEITURA SIMULTÂNEA Daisy Menezes, Assessora de Planejamento e Gestão Comercial, CEDAE, Rio de Janeiro, Brasil UM AVANÇO NA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS x DIFICULDADES ENCONTRADAS

Leia mais

SAN.C.IN.NC 06. Esta Norma tem a finalidade de estabelecer procedimentos para a retificação de fatura(s) de água afastamento e tratamento de esgoto.

SAN.C.IN.NC 06. Esta Norma tem a finalidade de estabelecer procedimentos para a retificação de fatura(s) de água afastamento e tratamento de esgoto. 1 / 6 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. CONCEITOS BÁSICOS 4. PROCEDIMENTOS 5. CONSIDERAÇÕES GERAIS 6. REFERÊNCIAS 7. ANEXOS 1. FINALIDADE Esta Norma tem a finalidade de estabelecer procedimentos

Leia mais

Telefonia Celular Coorporativo, fixo e Mini Modem. Sumário. 1. Objetivo 02. 2. A quem se destina 02. 3. Diretrizes 02

Telefonia Celular Coorporativo, fixo e Mini Modem. Sumário. 1. Objetivo 02. 2. A quem se destina 02. 3. Diretrizes 02 Sumário 1. Objetivo 02 2. A quem se destina 02 3. Diretrizes 02 4. Uso do celular corporativo 03 5. Mini Modem 04 6. Ligações Particulares 05 7. Responsabilidades e autoridades 8. Anexos Página 1 de 5

Leia mais

Ligação Nova Baixa Tensão com Agendamento. Roland Artur Salaar Junior

Ligação Nova Baixa Tensão com Agendamento. Roland Artur Salaar Junior XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Ligação Nova Baixa Tensão com Agendamento Roland Artur Salaar Junior Companhia Paulista

Leia mais

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS Sumário 1. Objetivo... 3 2. Premissas básicas... 3 3. Compromissos da CEEE-D... 3 4. Compromissos da Imobiliária... 3 5. Serviços disponíveis através

Leia mais

IPAD / GSAN. Manual Básico. GSAN Mobile Leitura Offline

IPAD / GSAN. Manual Básico. GSAN Mobile Leitura Offline IPAD / GSAN Manual Básico GSAN Mobile Leitura Offline Recife, PE Março / 2011 1 1) Introdução: O Projeto GSAN MOBILE de Leitura OFFLINE tem como objetivo modernizar o serviço de obtenção de dados para

Leia mais

1. OBJETIVO Prestar atendimento ao cidadão, de maneira rápida, eficiente e eficaz, de acordo com os requisitos especificados pelo cliente.

1. OBJETIVO Prestar atendimento ao cidadão, de maneira rápida, eficiente e eficaz, de acordo com os requisitos especificados pelo cliente. Sistema de Gestão da Qualidade SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO INSTRUÇÃO DE TRABALHO DE ATENDIMENTO AO CIDADÃO - SANEAGO Responsável: Stella Márcia O. Modes Lino Cópia Controlada

Leia mais

TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem.

TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem. TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem. Nome do Autor: Engº Renan Moraes Sampaio, engenheiro

Leia mais

RESOLUÇÃO N 92, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO N 92, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO N 92, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. Regulamenta o compartilhamento, entre o CAU/BR e os CAU/UF, da gestão, manutenção, evolução e despesas relativas ao Centro de Serviços Compartilhados do Conselho

Leia mais

Extração de indicadores Garantias Ocorrências. Agenda de vendas Gestão de qualidade Históricos Agenda de tarefas

Extração de indicadores Garantias Ocorrências. Agenda de vendas Gestão de qualidade Históricos Agenda de tarefas Fenícia CRM & SRM Introdução O Fenícia CRM (Customer Relationship Management - Sistema de Gerenciamento do Relacionamento com os Clientes) é uma ferramenta de gestão com foco no cliente, essencial para

Leia mais

ANEXO III TERMO DE REFERENCIA

ANEXO III TERMO DE REFERENCIA ANEXO III TERMO DE REFERENCIA 1. OBJETO Constitui o objeto destas especificações o detalhamento dos serviços para customização com cessão de técnicas, processos, métodos de negócios, além de implantação,

Leia mais

LEI Nº 848/01 DE, 01 DE OUTUBRO 2.001.

LEI Nº 848/01 DE, 01 DE OUTUBRO 2.001. LEI Nº 848/01 DE, 01 DE OUTUBRO 2.001. INSTITUI A COTA DE CONTRIBUIÇÃO FINANCEIRA COMUNITÁRIA PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Jaciara, Estado de Mato Grosso, no

Leia mais

Para aa Fornecedores. Rede de Obras. Serviço de Informações Oportunidades d de obras para comercial, marketing e vendas

Para aa Fornecedores. Rede de Obras. Serviço de Informações Oportunidades d de obras para comercial, marketing e vendas Para aa Fornecedores Rede de Obras Serviço de Informações Oportunidades d de obras para comercial, marketing e vendas Informações de acordo com a sua necessidade Com o objetivo de atender a sua empresa

Leia mais

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO (exceto Administradores de Conta)

OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO (exceto Administradores de Conta) OI CONTA EMPRESA MANUAL DO USUÁRIO (exceto Administradores de Conta) 1 Bem-vindo ao Oi Conta Empresa! A Oi tem o orgulho de lançar mais um produto para nossos clientes corporativos, o Oi Conta Empresa.

Leia mais

SISTEMA DE NORMAS RD Nº 05/2007 de 18/04/07 1 de 7

SISTEMA DE NORMAS RD Nº 05/2007 de 18/04/07 1 de 7 Nº RD e Data de aprovação: PÁGINA : SISTEMA DE NORMAS RD Nº 05/2007 de 18/04/07 1 de 7 CÓDIGO : GECOM/D.C. - 01 TÍTULO DA NORMA : SUBSTITUI : SISTEMA DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA 1. PROPÓSITOS: Estabelecer

Leia mais

Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal

Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal 1. Há planejamento institucional em vigor? Deverá ser respondido SIM caso o Órgão/Entidade possua um planejamento estratégico

Leia mais

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 4.1 Motivação Sistemas de Informação são usados em diversos níveis dentro de uma organização, apoiando a tomada de decisão; Precisam estar

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE UNIDADES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AVANÇO TÉCNOLÓGICO E REDUÇÃO DE GASTOS

AUTOMAÇÃO DE UNIDADES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AVANÇO TÉCNOLÓGICO E REDUÇÃO DE GASTOS AUTOMAÇÃO DE UNIDADES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AVANÇO TÉCNOLÓGICO E REDUÇÃO DE GASTOS ITALIANO, W. L. Secretário Interino de Obras e Serviços Públicos, Engenheiro Civil (DeCiv UFSCar), Mestre em Arquitetura

Leia mais

Sistema de Estacionamento Rotativo Eletrônico de São José dos Campos. Do papel à tecnologia on-line

Sistema de Estacionamento Rotativo Eletrônico de São José dos Campos. Do papel à tecnologia on-line Sistema de Estacionamento Rotativo Eletrônico de São José dos Campos Do papel à tecnologia on-line Prefeitura Municipal de São José dos Campos Secretaria de Transportes Setembro 2009 São José dos Campos

Leia mais

PROJETO BÁSICO CALL CENTER

PROJETO BÁSICO CALL CENTER PROJETO BÁSICO CALL CENTER 1 Projeto Básico da Contratação de Serviços: 1.1 O presente Projeto Básico consiste na descrição dos serviços que serão prestados por empresa especializada em serviços de Call

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. ENVIO DE SMS.

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. ENVIO DE SMS. MANUAL DE UTILIZAÇÃO. ENVIO DE SMS. Empresa: AZSoluções em Informática ltda. Site:www.azsolucoes.com.br. Sistema: AZCabelo&Estética. Para Acessar as configurações de SMS, acesse o menu da aplicação ->

Leia mais

MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE APARTAMENTOS EM EDIFÍCIOS MULTI-FAMILIARES

MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE APARTAMENTOS EM EDIFÍCIOS MULTI-FAMILIARES MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE APARTAMENTOS EM EDIFÍCIOS MULTI-FAMILIARES Adalberto Cavalcanti Coêlho (1) Graduado em Engenharia Civil fez Curso de pós-graduação na Área de Recursos Hídricos, obteve o grau

Leia mais

SophiA Biblioteca - Treinamento Cadastro de Usuários

SophiA Biblioteca - Treinamento Cadastro de Usuários SophiA Biblioteca - Treinamento Cadastro de Usuários Para realizar um cadastro de usuário, clique na aba USUÁRIOS e em seguida no botão. Aba Dados Nome: cadastro do nome do novo usuário. Código: É possível

Leia mais

Manual do Integrador. Programa de Formação

Manual do Integrador. Programa de Formação Manual do Integrador Programa de Formação Introdução As oportunidades de iniciação de frentes de negócios na indústria fotovoltaica brasileira são diversas e estão abertas a todos aqueles que desejam começar

Leia mais

Programa de Redução de Perdas de Água e Eficiência Energética ÍNDICE Visão Geral das Perdas na SABESP Programa de Redução de Perdas de Água e Eficiência Energética Benefícios do Programa Visão Geral das

Leia mais

Cadastro de clientes

Cadastro de clientes Pág.: 1/6 1 Objetivo 1.1 Esta Norma estabelece os critérios e procedimentos a serem adotados para desenvolvimento das atividades de cadastramento e recadastramento de clientes, interrupção de faturamento,

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI SECRETARIA DE HABITAÇÃO - SEHAB

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI SECRETARIA DE HABITAÇÃO - SEHAB PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DO PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL NO RESIDENCIAL MORADA DOS CANÁRIOS CAMAÇARI PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Camaçari, 10 de julho de 2015. 1. ANTECEDENTES

Leia mais

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência O princípio de transmissão de dados de telemetria por rádio freqüência proporciona praticidade, agilidade,

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças 1. DO OBJETO: Governo do Estado do Rio de Janeiro Código de Classificação: 13.02.01.15 TERMO DE REFERÊNCIA Outorga de permissão de uso, com encargos, de área localizada no prédio sede da, situado na Avenida

Leia mais

GSAN. Módulo Atendimento ao Público. Documentação de Funcionalidades Incluídas e Alteradas. Volume II

GSAN. Módulo Atendimento ao Público. Documentação de Funcionalidades Incluídas e Alteradas. Volume II GSAN Módulo Atendimento ao Público Documentação de Funcionalidades Incluídas e Alteradas Volume II Data de Atualização: 30/01/2015 0 Introdução Este documento contém a documentação de funcionalidades incluídas

Leia mais

Software. Gerenciamento de Manutenção

Software. Gerenciamento de Manutenção Software Gerenciamento de Manutenção Importância de um Software de Manutenção Atualmente o departamento de manutenção das empresas, como todos outros departamentos, necessita prestar contas de sua atuação

Leia mais

Especificação dos Requisitos do Software: Sistema de Gerenciamento de Planos Corporativo de Celulares

Especificação dos Requisitos do Software: Sistema de Gerenciamento de Planos Corporativo de Celulares Empresa de Informática Infinity LTDA Especificação dos Requisitos do Software: Sistema de Gerenciamento de Planos Corporativo de Celulares Autores: Bruno Alexandre de Souza Emerson Diogo de Lima Muzambinho/MG

Leia mais

Como Garantir a Eficácia do Trabalho de Auditoria Interna Através do Follow-Up

Como Garantir a Eficácia do Trabalho de Auditoria Interna Através do Follow-Up O valor da Auditoria Interna e imperativos para o sucesso. 29 de julho de 2011 Como Garantir a Eficácia do Trabalho de Auditoria Interna Através do Follow-Up Tiago Lima Coordenador de Auditoria Forjas

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA SERVELOJA

MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA SERVELOJA MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA SERVELOJA A Serveloja soluções empresariais é uma empresa de tecnologia, especialista em consultoria, serviços financeiros e softwares. Disponibilizamos diversas soluções de cobranças

Leia mais

Programa de Educação Tutorial - PET MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE O CUSTEIO PET

Programa de Educação Tutorial - PET MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE O CUSTEIO PET MANUAL DE ORIENTAÇÕES SOBRE O CUSTEIO PET LEGISLAÇÃO Lei nº11.180/2005 O professor tutor, de acordo com o 1º do art. 12 da Lei n o 11.180/2005, receberá semestralmente um montante de recursos equivalente

Leia mais

PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS FÍSICAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS

PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS FÍSICAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS FÍSICAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS TEMA I: ABASTECIMENTO DE ÁGUA AUTORES: Silvano Silvério da Costa: Ex-Diretor de Manutenção e Operação do SAAE de Guarulhos.

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina X-015 - MONITORAMENTO VIA INTERNET DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO TIPO

Leia mais

Relatórios. Financeiro... 3. Detalhes financeiros da classe... 3. Detalhes financeiros do plano... 4. Detalhes financeiros dos alunos...

Relatórios. Financeiro... 3. Detalhes financeiros da classe... 3. Detalhes financeiros do plano... 4. Detalhes financeiros dos alunos... Relatórios Financeiro... 3 Detalhes financeiros da classe... 3 Detalhes financeiros do plano... 4 Detalhes financeiros dos alunos... 5 Vencimento diferenciado... 6 Não emitir boleto... 7 Diferenças entre

Leia mais

Sistema de Solicitação de Pagamento de Fornecedores

Sistema de Solicitação de Pagamento de Fornecedores 2014 Sistema de Solicitação Coordenação de Tecnologia da Informação e Comunicação FUNDEPAG 04/11/2014 Sumário 1- SPF Solicitação.... 3 1.1 Acesso ao sistema:... 3 1.2 Ferramentas do sistema:... 5 2- Abertura

Leia mais

Taxa de ocupação e. no consumo per capita. As cidades representam demandas. Conexão

Taxa de ocupação e. no consumo per capita. As cidades representam demandas. Conexão 46 Hydro Janeiro 2013 Conexão Taxa de ocupação e o consumo per capita O crescimento da população urbana, o aumento do consumo per capita e a perspectiva de redução da oferta de água impõem a necessidade

Leia mais

1.Introdução. 2. Posicionamento

1.Introdução. 2. Posicionamento 1.Introdução 1.1 Finalidade Este documento tem o objetivo de demonstrar as necessidades e problemas que a rede de clínicas de vacinação IMUNIZA encontra em seu dia a dia, propondo após um levantamento

Leia mais

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA A

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA A 1. OBJETIVO Estabelecer as condições para realização de licitação com vistas à contratação do Serviço Telefônico Fixo Comutado STFC, destinado ao uso público em geral, com chamada franqueada. 2. OBJETO

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. ADAIL CARNEIRO) Dispõe sobre a individualização de instalação de hidrômetro nas edificações verticais residenciais e nas de uso misto e nos condomínios

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

Documentação de Controle de Acesso Descrição das opções disponíveis

Documentação de Controle de Acesso Descrição das opções disponíveis Módulo Cadastro SIGLA Digital Relação de Controles de Acesso Página 1 de 22 Documentação de Controle de Acesso Descrição das opções disponíveis Agenda Telefônica Cadastro simplificado de telefones. Tem

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-101 - FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO DE ATERRO SANITÁRIO E ESTIMATIVA

Leia mais

PROJETO BÁSICO TGD/005/2006

PROJETO BÁSICO TGD/005/2006 PROJETO BÁSICO TGD/005/2006 PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PEE CICLO 2005/2006. PROJETO: IMPLANTAÇÃO DE POSTE PADRÃO OBJETO: IMPLANTAÇÃO, COM FORNECIMENTO DE POSTES PADRÃO COM ACESSÓRIOS, EM 2.870 UNIDADES

Leia mais

Conhecendo a Compesa

Conhecendo a Compesa Conhecendo a Compesa Conhecendo a Compesa Informações Gerais Companhia Pernambucana de Saneamento Compesa Economia Mista de Direito Privado 43 anos de existência Faturamento: R$ 1,22 bi (2014) Número de

Leia mais

PRONTO ATENDIMENTO RESUMO

PRONTO ATENDIMENTO RESUMO PRONTO ATENDIMENTO Fernando José Moreira Coelho (1) Técnico Industrial em Saneamento - CREA n o 13484 - TD (1992). Cursando o quarto ano do Curso de Administração de Empresas da Faculdade de Ciências Contábeis

Leia mais

2ª Conferência Internacional do Projeto DESAFIO. Valeria Melo

2ª Conferência Internacional do Projeto DESAFIO. Valeria Melo 2ª Conferência Internacional do Projeto DESAFIO Valeria Melo Rio de Janeiro(RJ), 28 de Julho de 2015 Fatores e processos facilitadores e obstáculos que contribuem para explicar os sucessos, fracassos e

Leia mais

SOFTWARE PARA ADMINISTRAÇÃO DE SALÕES DE BELEZA. O seu salão já está utilizando os recursos que o sistema TEODORA oferece?

SOFTWARE PARA ADMINISTRAÇÃO DE SALÕES DE BELEZA. O seu salão já está utilizando os recursos que o sistema TEODORA oferece? SOFTWARE PARA ADMINISTRAÇÃO DE SALÕES DE BELEZA O seu salão já está utilizando os recursos que o sistema TEODORA oferece? Não? Então conheça o sistema que é a maior inovação tecnológica voltada para o

Leia mais

Guia para Comprovação de Investimentos

Guia para Comprovação de Investimentos Guia para Comprovação de Investimentos 1 2 4 5 Introdução Acompanhamento na Fase de Análise ETAPA 1 Comprovação Financeira ETAPA 2 Comprovação Física ETAPA Comprovação Jurídica ETAPA 4 Liberação Penalidades

Leia mais

Relatório Gerencial. Coordenação de Tecnologia da Informação e Comunicação FUNDEPAG 17/01/2013

Relatório Gerencial. Coordenação de Tecnologia da Informação e Comunicação FUNDEPAG 17/01/2013 2013 Relatório Gerencial Coordenação de Tecnologia da Informação e Comunicação FUNDEPAG 17/01/2013 Sumário 1. Objetivo... 4 2. Seleção dos registros... 4 2.1 Seleção dos executores... 4 2.2 Parâmetros...

Leia mais

São mais de 20 anos no mercado

São mais de 20 anos no mercado São mais de 20 anos no mercado No mercado há mais de 20 anos, o CEM é um software de cálculo de esquadrias equipado com recursos de alta tecnologia que otimiza processos e alcança os melhores resultados.

Leia mais

Controle de Indicadores por Setor de Manobra Ferramenta para o Gerenciamento de Redes

Controle de Indicadores por Setor de Manobra Ferramenta para o Gerenciamento de Redes Controle de Indicadores por Setor de Manobra Ferramenta para o Gerenciamento de Redes JOÃO RICARDO LETURIONDO PUREZA jpureza@comusa.com.br Responsável pelo setor de operação da Companhia, Eng Civil formado

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 054/2015 Termo de Referência 1. OBJETO 1.1. Contratação de empresa do ramo visando o agenciamento de viagem na prestação de serviços para cotação, reserva, emissão, cancelamento,

Leia mais

Elaboração dos documentos

Elaboração dos documentos Estudo de Caso Área de conhecimento Gerência de Escopo Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul DECRETO Nº 16.809, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2013. Estabelece novos valores tarifários, preços dos serviços a serem cobrados pelo Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (SAMAE), valores de contratos de

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Companhia Pernambucana de Saneamento Compesa Economia Mista de Direito Privado 42 anos de existência

Leia mais

2. A AGÊNCIA POSSUI QUANTOS FUNCIONÁRIOS? a) QUANTOS FUNCIONÁRIOS TRABALHAM NO ATENDIMENTO DO DEPARTAMENTO DE EVENTOS?

2. A AGÊNCIA POSSUI QUANTOS FUNCIONÁRIOS? a) QUANTOS FUNCIONÁRIOS TRABALHAM NO ATENDIMENTO DO DEPARTAMENTO DE EVENTOS? I. DADOS GERAIS: NOME DA EMPRESA TELEFONE FAX E-MAIL ENDEREÇO NOME DO TITULAR DA AGÊNCIA TEL. CELULAR GERENTE / COORDENADOR RESPONSÁVEL PELO EVENTO TELEFONE CELULAR II. INFORMAÇÕES TÉCNICAS: 1. A AGÊNCIA

Leia mais

LINX POSTOS AUTOSYSTEM

LINX POSTOS AUTOSYSTEM LINX POSTOS AUTOSYSTEM Manual Sumário 1 CONCEITO... 4 2 REQUISITOS... 4 3 CONFIGURAÇÕES... 4 3.1 Permissões de Acesso... 4 3.2 Plano de Contas... 5 3.2.1 Parcelado... 6 3.2.2 Parcelamento Notas a Prazo...

Leia mais

L E I Nº 6.816, DE 25 DE JANEIRO DE 2006.

L E I Nº 6.816, DE 25 DE JANEIRO DE 2006. L E I Nº 6.816, DE 25 DE JANEIRO DE 2006. Dispõe sobre a reestruturação organizacional da Secretaria Executiva de Estado de Obras Públicas - SEOP e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

Regra do SERVIÇO VIVO GESTÃO

Regra do SERVIÇO VIVO GESTÃO Regras do serviço VIVO GESTÃO Serviço que permite controlar o uso e o gasto do tráfego voz dos celulares da sua Empresa em todo o Brasil. Através do serviço Vivo Gestão, a empresa configura via internet,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº 0541.000060/2014-00. Página 1 de 11

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº 0541.000060/2014-00. Página 1 de 11 TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº 0541.000060/2014-00 Página 1 de 11 1. DO OBJETO Contratação de desenvolvimento de aplicativo mobile de auditoria interna patrimonial. 1.1. Modalidade de Aquisição: Contratação

Leia mais

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO; 2. OBJETIVO; 3. LOCALIDADES BENEFICIADAS;

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE NATAL

AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE NATAL AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICÍPIO DE NATAL RESOLUÇÃO Nº 002/2011, de 25 de maio de 2011. Dispõe sobre determinações a serem cumpridas pela CAERN, no âmbito do Município do

Leia mais

Regulamento da MultiConta Prestige

Regulamento da MultiConta Prestige Regulamento da MultiConta Prestige Mais serviços e mais benefícios feitos para quem recebe seu crédito de salário ou aposentadoria no Itaú Personnalité. A MultiConta Prestige oferece um maior número de

Leia mais

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional Risco de Crédito Estrutura Organizacional A estrutura para gestão de riscos do Banco Fidis deverá ser composta de Comitê de Cobrança e Risco, que é o órgão com responsabilidade de gerir o Risco de Crédito,

Leia mais