TELENOVELA E SUBALTERNIDADE: A representação das camadas populares nas telenovelas da Rede Globo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TELENOVELA E SUBALTERNIDADE: A representação das camadas populares nas telenovelas da Rede Globo"

Transcrição

1 TELENOVELA E SUBALTERNIDADE: A representação das camadas populares nas telenovelas da Rede Globo Wesley Pereira GRIJÓ 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS RESUMO O artigo aborda a representação dos grupos periféricos, principalmente, as camadas populares, nas telenovelas contemporâneas das 21 horas da TV Globo de Televisão na década de Assim, faz-se uma discussão sobre o aumento da representação dos grupos subalternos nos últimos anos na televisão. Apontam-se entre as 14 telenovelas analisadas as formas de representação do subalterno, tomando como marco teórico estudos culturais, principalmente, as questões referentes à representação e às identidades; estudos pós-coloniais e estudos da experiência brasileira de telenovela. A crescente presença dos grupos subalternos nas telenovelas brasileiras deve ser pensada sobre o prisma da representação feita por um meio de comunicação, vinculado aos repertórios hegemônicos, com o objetivo de manter apenas uma relação de identificação com o público. PALAVRAS-CHAVE: Telenovela brasileira; Representação; Identidade; Subalterno. O NOVO CONTEXTO DA TELENOVELA NO BRASIL Com mais de cinco décadas de existência, a telenovela brasileira assumiu o posto de representante maior de nossa cultura entre todos os outros gêneros televisivos. Depois desses anos de experiência, observamos que elas conquistaram reconhecimento público como produto artístico-cultural e ganharam visibilidade como agente central do debate sobre cultura e identidade do país em suas mais variadas vertentes. Nesse ponto, Thompson (1999) caracteriza a comunicação como um tipo distinto de atividade social que envolve a produção, a transmissão e a recepção de formas simbólicas e implica a utilização de recursos de vários tipos, tal premissa é válida também para as telenovelas, contudo vamos nos prender mais às questões referentes à produção e à transmissão. Para Lopes (2002), as telenovelas brasileiras também podem ser consideradas um dos fenômenos mais representativos da modernidade do país, por combinar o 1 Doutorando em Comunicação e Informação pelo PPGCOM da UFRGS, mestre em Comunicação, Cultura e Cidadania pela UFG, bacharel em Jornalismo e Rádio/TV pela UFMA. 1

2 arcaico e o moderno, por fundir dispositivos narrativos anacrônicos e imaginários modernos e por ter a sua história fortemente marcada pela dialética nacionalizaçãomassmediação. Entretanto, ao longo da existência da telenovela brasileira foram constantes as críticas de que ela não representava todos os públicos em suas narrativas, principalmente as camadas populares, em que os percentuais de audiência são os maiores. Verificamos, a partir de uma ótica da economia política da televisão, que as classes populares 2 só passaram a ser consideradas como alvo das grades de programação das TVs a partir do momento em que foram consideradas como consumidores potenciais. Na perspectiva de Thompson (1999), significa uma mercantilização das formas simbólicas no sentido de que os objetos produzidos pelas instituições da mídia passam por um processo de valorização econômica. Essa nova percepção da audiência por parte dos gestores das emissoras decorreu com o significativo aumento no número de televisores nas residências das classes C e D 3, a partir do surgimento do Plano Real, na segunda metade da década de A partir da experiência brasileira de pesquisas com telenovelas, sabemos que tal indústria está alicerçada pela lógica do mercado: É impossível entendermos o fenômeno telenovela sem levarmos em consideração o seu significado econômico (ORTIZ; BORELLI; RAMOS, 1989, p. 113). Observamos que nos últimos anos, as camadas populares têm ganhado cada vez mais destaque nas produções televisivas, deixando o papel de constantes coadjuvantes nas narrativas sobre o contexto da classe média para assumirem papel de protagonistas 2 Classes populares devem ser entendidas aqui como grupos subalternos ou marginalizados, conforme a noção de Antônio Gramisc (GRUPPI, 1980). 3 Segundo dados do IBGE, através da Pesquisa Nacional por Amostra em Domicílios de 2008, no Brasil, 95,1% das famílias possuem aparelhos de TV, sendo que por região os dados seguem a seguinte ordem: Sudeste (97,6%), Sul (96,4%), Centro-Oeste (94,6%), Nordeste (91,7) e Norte (90%). Em: FOGAO+E+APARELHO+DE+TV+SAO+OS+BENS+PRESENTES+EM+MAIS+CASAS+BRASILEI RAS.html 4 O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em um dos estudos mais atuais, "Sobre a evolução recente da pobreza e da desigualdade no Brasil", mostra que, até 2008, a renda per capita da população brasileira como um todo subiu 5,1%, enquanto a dos 10% mais pobres subiu 15%; três vezes mais. Entretanto, a desigualdade brasileira continua enorme, pois uma família do 1% mais rico pode gastar em três dias equivalente ao que um brasileiro que está entre os 10% mais pobres pode gastar em um ano. Em: Acessado em: 17/2/2011 às 13:13. 2

3 ou mesmo terem suas comunidades como cenários principais. Entre os exemplos temos seriados como Turma do Gueto 5 ; A Lei e o Crime 6 ; Cidade dos Homens 7 ; Ó, pai, ó 8 ; Antônia 9 ; e telenovelas com empregadas domésticas como protagonistas como: Cama de Gato (2010), de Duca Rachid e Thelma Guedes, e Escrito na Estrelas (2010), de Elizabeth Jhin, e com uma favela como o principal cenário como foi o caso de Duas Caras. Assim, o campo da pesquisa em comunicação estende também seus interesses para pensar sobre essa nova representação feita dos grupos sociais subalternos nos produtos televisivos, visto que presenciamos um contexto em que as camadas populares aumentaram seu poder de consumo e, por isso, tornaram-se público-alvo e consumidores em potencial: Na verdade, os produtos culturais, mesmo quando industrializados, não se transformam inteiramente em simples mercadorias, eles se encerram um valor de uso e de símbolo (ORTIZ; BORELLI; RAMOS, 1989, p.122). Não podemos esquecer que, na contemporaneidade, a própria cidadania perpassa as relações consumistas e com os meios de comunicação de massa tal fenômeno não é diferente (CANCLINI, 1995). Nesse sentido e com o objetivo de discutir a representação dos grupos subalternos num produto televisivo brasileiro, tomamos como objeto de análise as telenovelas das nove 10 contemporâneas da TV Globo durante a década de , justificadas por terem um cunho mais realista e por possuírem os maiores índices de audiência. 5 Seriado brasileiro produzido pela Casablanca e exibido pela Rede Record entre 2002 e Série de televisão brasileira exibida pela Rede Record entre 5 de janeiro e 8 de Junho de Seriado de televisão exibido TV Globo, entre outubro de 2002 e dezembro de Série brasileira exibida pela TV Globo a partir de Série produzida pela O2 Filmes e exibida pela TV Globo em 2006 e A partir do fim de 2010, a TV Globo passou a denominar o terceiro horário de exibição de telenovelas de novela das nove. 11 Laços de Família (2000/2001), Porto dos Milagres (2001), O Clone (2002), Mulheres Apaixonadas (2003), Celebridade (2003/2004), Senhora do Destino (2004/2005), América (2005), Belíssima (2006), Páginas da Vida (2006/2007), Paraíso Tropical (2007), Duas Caras (2007/2008), A Favorita (2008/2009), Caminho das Índias (2009), Viver a Vida (2010). 3

4 TELENOVELA, AUDIÊNCIA E IDENTIDADE SUBALTERNA Para uma reflexão sobre a relação das telenovelas das 21h com a representação das camadas populares no Brasil, salientamos a importância dos estudos com enfoque no principal meio de comunicação no país e nas camadas sociais excluídas do processo de políticas públicas brasileiras, identificadas aqui como grupos subalternos ou marginalizados 12, conforme a concepção gramsciana (GRUPPI, 1980). Ainda nessa questão, um estudo sobre a representação que as telenovelas fazem de determinados grupos sociais é fundamental para fortalecermos a produção de conhecimento sobre a pesquisa sobre televisão, uma vez que, a cultura da mídia oferece a base sobre a qual muitas pessoas constroem seu senso de classe, de raça e etnia, de nacionalidade, de sexualidade; enfim, ela nos ajuda na construção de nossa identidade e na determinação do que seja o outro, o diferente do que somos. (KELLNER, 2001) Nesse ponto, é importante fazer o questionamento sobre como uma telenovela posiciona os indivíduos em uma sociedade, pois a tradição dos estudos de recepção aponta que a partir dessas representações, os sujeitos terão subsídios para configurarem as relações entre si. Para que se entenda esse argumento é necessário admitir que, atualmente, grande parte do modo como conhecemos o outro e sua realidade se dá de forma mediada pela TV. Apresentando essa premissa, de que a televisão possui o poder de interferir na constituição das identidades dos sujeitos, oferecendo parâmetros sobre os quais as identificações se processam, torna-se necessário levantar alguns questionamentos que justificam a necessidade de um estudo aprofundado nessa área: O que essas telenovelas põem em cena? Quem são os protagonistas das narrativas? Como eles são mostrados? Quais as visões, perspectivas e conceitos que a telenovela atribui como pertencentes a esses grupos? Quais as marcas representativas transmitidas pelas narrativas sobre esses 12 Segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em junho de 2009 o Brasil possuía 14,5 milhões de pessoas na condição de pobreza. Dado obtido do Relatório: Desigualdade e Pobreza no Brasil Metropolitano Durante a Crise Internacional: Primeiros Resultados. Disponível em: Acessado em , às 20h40. 4

5 grupos? Como são os sujeitos (subalternos) mostrados? Enfim, como o subalterno está representado nas telenovelas brasileiras? São indagações que podem operar como guia na tentativa de compreender o papel que a TV tem ou poderia ter na representação dessa camada da sociedade brasileira. Por esse viés, um estudo nessa área, deve verificar, as formas como as camadas populares estão presentes nas telenovelas brasileiras. Ao buscarmos refletir sobre a representação do subalterno nas telenovelas, de antemão, sabemos que tal produto midiático é feito a partir de um contexto hegemônico, ou seja, não podemos desconsiderar que a telenovela intervém na realidade por meio de uma narrativa vinculada de um projeto ideológico, geralmente vendendo um modo de vida, construindo assim uma realidade. Essas narrativas televisivas dão visibilidade a certos assuntos, comportamentos, produtos e excluem outros; durante o período de 1960 e 1980 a telenovela se estruturou em torno de representações que compunham uma matriz imaginária capaz de sintetizar a sociedade brasileira em seu movimento modernizador (LOPES, 2009). Essa questão é essencial para compreender as representações feitas por esse mass media, visto que ele não é o espaço da narrativa do real, mas da construção do real. Por essa linha de pensamento, podemos definir que as representações feitas por esse meio de comunicação apenas possuem intenção de serem reais, mas muitas vezes expressam o contrário. Ainda sobre essa questão, é importante entendermos que a televisão - assim com o cinema - atua a partir das chamadas políticas de visibilidade, com capacidade de dar reconhecimento e legitimidade aos diferentes atores sociais, não ficando os grupos subalternos fora desse processo. Dessa forma, concordamos com Mendonça (2008), quando afirma que essas políticas de visibilidade podem ser identificadas também como políticas de invisibilidade, pois os modos de produção, distribuição e circulação dos produtos audiovisuais educam os sentidos da audiência, que geralmente exclui outras formas de representações. No Brasil, onde a televisão se difundiu como maior de meio de comunicação de massa, as narrativas televisivas apresentaram um significativo papel na formação da identidade nacional do povo brasileiro. Segundo Ortiz (2001), a consolidação da 5

6 televisão brasileira se associou à idéia de seu desenvolvimento como veículo de integração nacional; vinculou-se, desta forma, a proposta de construção da moderna sociedade ao crescimento e à unificação dos mercados locais. Tal questão perpassou também pelas formas de representação que as telenovelas apresentavam a sua audiência, o que no contexto brasileiro significa milhões de pessoas, na maioria das vezes privadas de ter acesso a outros bens culturais, sendo a TV a principal forma de cultura, entretenimento e lazer das famílias. Nesse sentido, Martín-Barbero (2000) coloca a televisão como um espaço estratégico para a produção das imagens que os povos fazem de si mesmos e com as que querem fazer-se reconhecer pelos demais. Dessa forma, esse media pode ser considerado um celeiro de produções que representariam o seu próprio povo, isso não significa que tal representação possa ser fidedigna, pois podem ser vistas com dois objetivos: quebrar ou reforçar os estereótipos. Focando nosso olhar para as narrativas das telenovelas brasileiras, podemos observar que elas têm propiciado, nas últimas duas décadas, relativo destaque às questões e às representações - das classes populares. Sendo que aqui, para fins conceituais, vamos denominar essas classes de grupos subalternos, visto que vivemos um contexto capitalista, onde grande parte dos sujeitos que assistem às telenovelas estão às margens do chamado desenvolvimento econômico, mas inseridos na lógica de mercado. Na cultura subalterna convivem a influência da classe dominante, detritos de cultura de civilizações precedentes, ao mesmo tempo sugestões provenientes da condição de classe oprimida (GRUPPI, 1980, p.91). A partir da reflexão sobre subalternidade, não podemos deixar de evidenciar como as identidades se fazem pertinentes nessa discussão. Assim, nos alinhamos à tradição de pesquisa dos estudos culturais, que entendem as identidades como construções sociais conformadas no âmbito da representação - possuem um caráter simbólico e social -, por isso, dependem das relações e interações entre os grupos (produtores e audiência) e de traços culturais compartilhados pelos membros desses grupos, visto que estão inseridas em um contexto social. 6

7 Nos processos midiáticos contemporâneos, as identidades são reconfiguradas e são circunscritas por novos elementos de uma cultura dita mundializada, sendo que, no Brasil, essa relação está muito ligada com a produção e circulação das telenovelas. Trata-se de compreender que a constituição das identidades culturais está relacionada também ao acesso aos meios de comunicação e seus produtos/conteúdos. Nessa questão, no Brasil, as identidades dos sujeitos subalternos sempre ficaram às margens das narrativas televisivas, relegados ao que poderíamos denominar de invisibilidade ou então, o que para este trabalho é mais importante, representados de maneira estereotipada. Um exemplo disso foi que ao longo da história das telenovelas no Brasil, seus produtores se habituaram a representar os bairros periféricos como o lugar da barbárie, do tráfico de drogas e da violência, representando o oposto que se mostrava sobre o modo de vida da classe média. Contudo, com o aumento do poder aquisitivo das classes populares na década de 1990, as classes C e D puderam adquirir mais televisores e, consequentemente, se tornaram audiência potencial das telenovelas. A partir desse contexto, as classes populares passaram a ser uma demanda de audiência que as emissoras deveriam contemplar de alguma forma nas narrativas. Diante deste cenário, como aponta Hamburguer (2003, p. 5), o leque de representações disponíveis na TV sobre os grupos subalternos se diversificou, não ficando restrito às telenovelas. Na década de 90 a invisibilidade que caracterizava o universo popular na mídia foi rompida por programas televisivos, como Aqui, Agora e outros que o sucederam. Esses programas penetraram o universo dos bairros populares com reportagens sobre casos escabrosos de violência e/ou pequenos conflitos. (...) A utilidade pragmática desses programas inclui o aceno com a possibilidade de inclusão social no universo do visível. O aceno se radicaliza no final da década e início do novo milênio, no plano da ficção cinematográfica e televisiva. É neste contexto que cresce, na primeira década deste século, nas telenovelas das nove 13 da TV Globo, uma maior freqüência de temas sobre as camadas populares da sociedade brasileira. Em algumas produções, conforme iremos relatar mais adiante, 13 Apesar deste trabalho focar exclusivamente nas telenovelas do horário das 21 horas, sabemos que as narrativas sobre os grupos subalternos tiveram significativo aumento em todos os horários das novelas da Rede Globo. 7

8 diferentemente do que ocorreu nas telenovelas em anos anteriores, a abordagem sobre os subalternos contradisseram o estereótipo que reduzia o universo das camadas populares à violência, à pobreza e às drogas. Assim, o público teve contato com personagens mais humanizados, mostrando que, além da violência, quem faz parte daquele contexto são pessoas comuns que sonham, trabalham e se divertem, como forma de criar alguma forma de identificação com a maioria da audiência daqueles produtos televisivos. Entretanto, com todos esses possíveis avanços em relação às representações feitas em outros tempos pelas telenovelas, é necessário problematizar o âmbito da produção enquanto instituição social que atende às relações de poder e interesses comerciais, mas que pode ser, ao mesmo tempo, fonte do imaginário e cenário de traços da cultura e identidade subalterna. OS SUBALTERNOS NAS TELENOVELAS NA DÉCADA DE 2000 Na tradição de telenovelas brasileiras, o marco das produções com alguma relação com a realidade social do país foi Beto Rockfeller 14. Essa telenovela rompeu com os diálogos formais que caracterizavam as produções anteriores, propondo uma narrativa de cunho mais coloquial, com gírias e expressões do cotidiano dos telespectadores. Segundo Mattelart e Mattelart (1989), em Beto Rockfeller, pela primeira vez estavam representados personagens-tipos que correspondiam às diversas classes sociais, tanto o industrial que conquistou seu lugar ao sol como o auxiliar de mecânico. Todos vivam conflitos e se enfrentavam na sociedade. O mundo das classes médias urbanas brasileiras, com seus dramas e suas aspirações, invadia as telenovelas. Além disso, pela lógica da produção, a telenovela se mostrava economicamente rentável, importante para a indústria televisiva, pois o gênero era perfeitamente adaptado às exigências da publicidade e com pouco custo de produção. Para Mattelart e Mattelart (1989), tal telenovela marcou a entrada da telenovela na modernidade, 14 A novela Beto Rockfeller foi exibida pela TV Tupi, em E mesmo sendo exibida pela emissora dos Diários Associados, sendo marco de uma nova geração de telenovelas, o desenvolvimento deste tipo de produção se deu na TV Globo, que soube melhor capitalizar as potencialidades do gênero televisivo. 8

9 inaugurando também o encontro de um gênero nacional com o público definitivamente maior, recrutado em todas as classes sociais e em todas as idades. Desde Beto Rockfeller, a novela não deixou de referir-se a determinados problemas da sociedade brasileira: os preconceitos raciais, a condição da mulher, as relações entre a religião católica e as religiões afro-brasileiras (umbadismo), a poluição industrial, a corrupção, a miséria e a violência urbanas, a disputa entre bairros, etc. não cessou de aceitar o desafio que um determinado realismo representa para um gênero originalmente voltado para a vida sentimental e os triângulos amorosos (MATTELART; MATTELART, 1989, p. 111) Para Lopes (2009), entre as décadas de 1970 e 1990, a teleficção no Brasil passou, de modo geral, por um período de modernização: em termos mais práticos, houve a construção e elaboração de um modelo de telenovelas que buscou criar uma linguagem própria, sem qualquer referência à fórmula radiofônica dos melodramas de outros países latino-americanos. Na década de 1980, há um grande número de narrativas urbanas; já na década seguinte, houve uma proliferação maior de tramas com temática rural; e na década de 2000, as telenovelas foram marcadas por inovações nas tramas novelísticas e pela inclusão de temas antes situados na periferia das narrativas. Nesse último contexto que entram as representações dos subalternos, o que nos permite até afirmar que eles, de uma forma ou de outra, foram os protagonistas da década. Várias telenovelas na década de 2000 trouxeram algum diferencial ao representarem os sujeitos das camadas populares. Não podemos deixar de evidenciar que tal representação também tem relação com a autoria das obras, pois há autores que tem como característica de suas obras abordar temas relacionados aos grupos mais populares, como Aguinaldo Silva e Glória Perez; enquanto outros têm um estilo de crônica da cotidiano da classes média e alta, como Gilberto Braga, Sílvio de Abreu e, principalmente, Manoel Carlos, contudo, em sua última telenovela, Viver a Vida (2009), o autor tentou inovar o perfil da protagonista de sua telenovela ao colocar sua primeira Helena negra e com uma favela entre os cenários onde se passava a narrativa. Assim, verificamos entre as telenovelas das 21 horas exibidas pela Rede Globo na década de 2000, há casos exemplos singulares da representação dos subalternos num meio de comunicação de massa hegemônico. 9

10 Mesmo assim, há tramas em que os núcleos das classes populares não tiveram praticamente nenhuma expressão: são exemplos disso as telenovelas do autor Manoel Carlos como Laços de Família (2000/2001), Mulheres Apaixonadas (2003), Páginas da Vida (2006/2007) e Viver a Vida. Como marca do próprio autor, observamos mais ênfase ao chamado merchandising social, que geralmente domina suas produções. A principal referência às camadas populares foi a inclusão de uma favela como um dos cenários em sua última trama. Contudo, tal cenário servia de local para mostrar vida sofrida e perigosa de Sandrinha (Aparecida Petrowky), irmã da protagonista Helena (Taís Araújo), que se envolveu com um dos moradores do local, morto em um tiroteio ao fim da trama. Como final feliz, Sandrinha passa a ter novamente sua vida de classe média, como se fosse o ideal de vida de uma personagem moradora de um ambiente mostrado como perigoso, violento e com moradores envolvidos com tráfico de drogas. Em Porto dos Milagres (2001), de Aguinaldo Silva e Ricardo Linhares, há um grande exemplo do protagonismo que assumiu os subalternos nas telenovelas da década de O próprio herói da trama é uma representação de um sujeito oriundo das classes populares: o pescador Guma (Marcos Palmeira), pobre e humilde, escolhido para salvar a população da cidade onde mora das injustiças e opressões dos ricos. A narrativa da telenovela é construída a partir de dois núcleos: a cidade alta e a cidade baixa. Essa divisão demarca dois universos sociais distintos: a cidade baixa é o lugar dos economicamente desfavorecidos, dos excluídos. É chamada periferia, onde vivem os pescadores, marcada pela exploração do trabalho pelo patrão, numa clara alusão à luta de classes na sociedade contemporânea. Já a cidade alta é o ambiente dos ricos e das famílias tradicionais da cidade fictícia, onde vivem muitos dos vilões da trama. Dentro da narrativa de Porto dos Milagres, o preconceito existente em relação aos moradores da cidade baixa era bem expresso através do relacionamentos, como o namoro entre Luiza (Bárbara Borges), filha de pescador, e Alfredo Henrique (Miguel Thiré), filho de advogado de prestigio na cidade. Pelas disparidades sócio-econômicas do casal, os pais do jovem não admitiam o relacionamento. Outro romance alvo de preconceito foi entre o casal protagonista da telenovela: Guma (Marcos Palmeira) e 10

11 Lívia (Flávia Alessandra), cuja família da mocinha não aceitava seu envolvimento com o pescador, devido ela fazer parte de uma família nobre. Apesar de toda a dicotomia feita entre ricos e pobres ao longo da trama, não podemos deixar de criticar o fato de o personagem Guma ainda fica inserido no ideal de felicidade de vida burguês, ascendendo socialmente, ao terminar a história dono de todo um império de negócios que herdara do pai morto sem conhecê-lo. Em O Clone (2001/2002), de Glória Perez, apesar de ser uma telenovela cuja temática principal é o choque entre as culturas muçulmana e brasileira, a representação das camadas populares esteve consubstanciada através do núcleo onde funciona o Bar da dona Jura e sua vizinhança. Com personagens típicos dos bairros populares do Rio de Janeiro e até mesmo inclusão de fenômenos reais como Piscinão de Ramos, era através desse núcleo de caráter mais popular que dava o tom de brasilidade numa narrativa já marcada pela cultura de dos povos muçulmanos. Nessa trama, os personagens desse núcleo possuíam suas próprias histórias, o local foi retratado como um ambiente de quase total harmonia entre os personagens, malandros cariocas como Tião (Antônio Pitanga), Raposão (Guilherme Karan) e Ligeirinho (Eri Johnson). Tudo representado de forma muita festiva, embalado ao som de samba com participação de vários artistas, que culminou com o lançamento de um CD com trilha sonora do núcleo. Através da personagem Odete (Mara Mazan) e de seu bordão Cada mergulho, um flash, os brasileiros foram apresentados ao Piscinão de Ramos, praia artificial associada a uma piscina pública de água salgada, instalada no bairro de Ramos, na zona norte do Rio de Janeiro-RJ, que servia de área de lazer para a população pobre carioca que foi levada para a ficção através da personagem Odete, freqüentadora assídua. Mesmo com a forma carismática da personagem, ela tem o desejo de ascensão social através do golpe que ajuda a filha Karla (Juliana Paes) a engravidar de um rico executivo para conseguir pensão e ficar com boa situação financeira. Em Celebridade (2003/2004) e Paraíso Tropical (2007), ambas de Gilberto Braga, Belíssima (2005/2006), de Sílvio de Abreu, pelos próprios estilos dos autores que fazem crônica elite das classes média e alta cariocas e paulistas, as classes populares não foram objeto de destaque nessas narrativas, geralmente apareceram como 11

12 empregados ou pequenas participações rápidas e sem grande repercussão nas tramas. Em Celebridade, existia núcleo do bairro do Andaraí, que servia de locações propícias a cenas externas de personagens populares, quase sempre pitorescos e engraçados. Deste núcleo participavam Darlene (Débora Secco) e Jaqueline Joy (Juliana Paes), manicures do salão, que viviam armando golpes em busca da fama, utilizando artifícios para conseguir qualquer citação em revistas e colunas sociais. Assim como Porto dos Milagres, em Senhora do Destino (2004/2005), de Aguinaldo Silva, a personagem principal é oriunda das camadas populares, neste caso, uma retirante nordestina que conseguiu êxito na Baixada Fluminense, periferia do Rio de Janeiro, caracterizada no senso comum como um ambiente de baixo nível sóciocultural e violência cotidiana. A personagem de Maria do Carmo (Susana Vieira) é construída com traços fortes da mulher nordestina, forjados na vivência da pobreza. Senhora do Destino mostra também a distinção entre ricos, entre a elite da Capital carioca e periferia suburbana fluminense. Nesta telenovela, já aparece uma favela como um dos principais cenários. O ambiente serve para discutir na narrativa a questão do desemprego e da violência gerados pela desigualdade social, presentes na vida das personagens, Rita (Adriana Lessa) e Daiane (Jéssica Sodré). Elas lutam contra um esposo/ pai covarde, corrompido e bandido e contra a fragilidade da juventude subalterna diante de problemas como a gravidez na adolescência. Em Duas Caras (2007/2008), a telenovela gira em torno da problemática cotidiana da comunidade de uma favela modelo, chamada Portelinha, e a de abastados moradores de condomínios na Barra da Tijuca. A favela, principal cenário da trama, constitui o núcleo formado pelos pobres e desfavorecidos, é representada como um espaço inspirado em favelas reais do Rio de Janeiro, onde impera a organização imposta pelo autoritarismo de seu fundador e líder comunitário, neste caso, de Juvenal Antena (Antônio Fagundes). Assim como no núcleo dos ricos, na favela há vilões e mocinhos, personagens que transitam pelas duas situações, ou seja: não são completamente vilões e nem completamente mocinhos, sem espetacularizacão daquele ambiente. Assim, esse protagonismo do cenário da favela está permeado por assuntos de extrema importância para aquela narrativa como: como política e corrupção, estelionato e falsidade 12

13 ideológica, homossexualidade e bissexualidade, preconceito e discriminação racial e social, permeabilidade entre classes sociais, alcoolismo, drogas, dislexia, ensino privado, relações de poder e hierarquização social. Em A Favorita (2008/2009), de João Emanuel Carneiro, um dos principais roteiristas do cinema brasileira pós-retomada, com filmes de sucesso de temática social como Central do Brasil, se fixou em manter a narrativa polarizada nas duas personagens principais. Ainda no início da telenovela, como introdução da personagem Maria do Ceu (Débora Secco), sua história era membro de um núcleo de Sem-terra, contudo, logo essa temática logo foi extirpada da narrativa. Outro exemplo foi o conflito entre os trabalhadores da indústria da família principal da telenovela, mas evidenciando uma boa interação das relações trabalhistas naquele ambiente houve pouca discussão significativa da dicotomia patrão-empregado. Em Caminho das Índias (2009), de Glória Perez o bairro da Lapa, representava o núcleo pobre da telenovela. Suas ações, opções éticas e estéticas estão, portanto, condicionadas a uma ambientação sociocultural determinada, inserida no contexto de desigualdade social da trama e da sociedade. São personagens supostamente criados como figuras fidedignas dos moradores reais daquele bairro: comumente precisam falar alto, demonstram intimidade comunitária e onde não há muito espaço para os dramas pessoais ou tensões emotivas, posto que, em sua maioria, o contexto cômico perpassa a maior parte das caracterizações. CONSIDERAÇÕES FINAIS Após contextualizar como os grupos subalternos passaram a assumir um papel mais significativo dentro das narrativas televisivas, podemos questionar as representações nas telenovelas da década de Nesse ponto, observamos que tais representações apresentam os sujeitos subalternos e seus contextos de acordo com pensamento contemporâneo sobre essa questão, ou seja, muitas vezes ligado a um discurso politicamente correto. Nessa linha de raciocínio, devemos ter em mente que as telenovelas aqui pesquisadas se inseriram na chamada política de representação na sociedade 13

14 contemporânea, ou seja, agora os sujeitos presentes nas margens reclamam 15 para si alguma forma de representação de seus grupos (HALL, 1996b). Isso vai desembocar em duas questões de grande relevância para pensar as identidades culturais: a disposição de viver com a diferença e a etnicidade. Em termos de televisão no Brasil, podemos presenciar essa questão quando os chamados grupos subalternos questionam suas representações pelos meios audiovisuais apesar dessa ação ser algo isolado e feita geralmente por organizações da sociedade civil - ou quando aumentam a disponibilidade de produtos midiáticos voltados para esses públicos, como forma de abarcar a demanda de consumidores potenciais da qual eles fazem parte. E com esse aumento das representações dos subalternos nas telenovelas das 21 horas da Rede Globo, é importante termos em mente o questionamento de Spivak (1985) sobre a possibilidade de fala do subalterno (Can The Subaltern Speak?). Para a autora indiana, o subalterno não pode falar, porque sua fala opera de acordo com os códigos e repertórios hegemônicos. Então, por esse pensamento, essa crescente presença dos grupos subalternos nas telenovelas brasileiras deve ser pensada sobre o prisma da representação feita por um meio de comunicação, vinculado aos repertórios hegemônicos, com o objetivo de manter apenas uma relação de identificação com o público. Não podemos esquecer, contudo, que a representação do subalterno, como presenciamos nas telenovelas da década de 2000, está vinculada à retomada de valores da tradição popular, ou seja, uma inserção das margens no centro, articulada e levada a cabo pelos grupos hegemônicos. Dessa forma, nossas reflexões com foco na representação dos grupos subalternos nas telenovelas não pode excluir a noção de que eles são fruto de um movimento do mercado cultural, surgidos do crescente interesse pelo exótico. A representação, portanto, pode ser compreendida como um processo cultural. Pois as narrativas das telenovelas e, em geral, a mídia, podem construir novas identidades e oferecer estilos de vida com as quais os espectadores podem se identificar. 15 Aqui, conforme já dissemos essa questão esteve mais ligada a um caráter econômico, com o aumento do poder aquisitivo das classes populares, do que com alguma forma de luta através de conscientização de classe. 14

15 Ou seja, ajudam a construir identidades, quer sejam raciais, de gênero etc., as quais podem ser apropriadas (ou não) pelo público. Assim, essa representação nas telenovelas da década de 2000 não pode ser vista sem ressalvas, pois estão inseridas numa lógica de mercado, num jogo de interesses recíprocos por parte de emissoras de televisão, mercado publicitário etc. Poderíamos conjecturar, pois, que o subalterno tornou-se, nos últimos anos na produção das telenovelas brasileiras, uma moda cultural rentável, o que se reflete também nos seriados, nos programas de auditórios e até em filmes de sucesso de bilheteria e de crítica. REFERÊNCIAS CANCLINI, Nestor Garcia. Consumidores e Cidadãos. Rio de Janeiro, EditoraUFRJ, CAMPEDELLI, Samira Youssef. A Telenovela. São Paulo: Ática, FERNANDES, Ismael. Memória da telenovela brasileira. São Paulo: Brasiliense, LEAL, O. F. A leitura Social da Novela das Oito. Petrópolis: Vozes, MARTÍN-BARBERO, Jesus. O medo da mídia Política, televisão e novos modos de representação. In: DOWBOR, Ladislau et al. (org.) Desafios da comunicação. Petrópolis, RJ: Vozes, MENDONÇA, Maria Luisa. Produção cultural e expressão da cultura subalterna. In: XVII Encontro da Compós. São Paulo-SP. Anais... São Paulo-SP: UNIP, MATTELART, A; MATTELART, M. O carnaval das imagens, A ficção na TV. Brasiliense, ORTIZ, Renato. A moderna tradição brasileira. São Paulo: Brasiliense, ORTIZ, Renato; BORELLI, Silvia Simões; RAMOS, José Mario Ortiz. Telenovela. História e produção. 2ª ed. São Paulo: Brasiliense, THOMPSON, J. B. A mídia e modernidade: uma teoria social da mídia. Petrópolis, RJ: Vozes, THOMPSON, J. B. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis, RJ: Vozes, VANOYE, Francis. Expression-Communication. Paris, Armand Collin,

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO PROREXT/PROJETO DE EXTENSÃO 2008/1 - TERRITÓRIO AFROSUL DESENVOLVENDO O DIÁLOGO ACADEMIA / ONG AFROSUL ATRAVÉS DE TRABALHO COM JOVENS DE COMUNIDADE POPULAR RESUMO Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ²

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ 1 DES E PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ INTRODUÇÃO No Brasil, criou-se a ideologia da democracia racial para explicar que as oportunidades

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 JUNIOR, Carlos de Faria 1 FERNANDES, Priscila Mendonça 2 Palavras-Chave: Indústria Cultural. Regime Militar. Telenovelas. Introdução O projeto consiste

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Matemática - 9º ano. II Unidade

ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Matemática - 9º ano. II Unidade ATIVIDADES COMPLEMENTARES II Unidade Matemática - 9º ano Olá! Você gosta de assistir às telenovelas? Pois bem! Mesmo que muitas pessoas "torçam o nariz" para esse tipo de entretenimento, não há como negar

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

6 Cultura e ideologia

6 Cultura e ideologia Unidade 6 Cultura e ideologia Escrever sobre cultura no Brasil significa trabalhar com muitas expressões como festas, danças, canções, esculturas, pinturas, gravuras, literatura, mitos, superstições e

Leia mais

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 1 EDUCAÇÃO E PRECONCEITO RACIAL: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS NAS PERCEPÇÕES DAS FAMÍLIAS NEGRAS E BRANCAS NO MUNICIPIO DE CUIABÁ MONTEIRO, Edenar Souza UFMT edenar.m@gmail.com GT-21: Afro-Brasileiros

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

PROJETO TE VEJO NA ESCOLA

PROJETO TE VEJO NA ESCOLA PROJETO TE VEJO NA ESCOLA Flávia Oliveira Machado 1 Isabela Mayara Cheida José Leonardo Gallep Maria do Carmo Palhaci (coordenadora) Maria Helena Gamas (coordenadora) RESUMO O projeto em questão visa a

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE ADOLESCENTES DO PROJOVEM ADOLESCENTE DE OLINDA PE

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE ADOLESCENTES DO PROJOVEM ADOLESCENTE DE OLINDA PE PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE ADOLESCENTES DO PROJOVEM ADOLESCENTE DE OLINDA PE Correia, K.V. (1) ; Silva, R.C.R. (1) ; Nascimento, V.R. (1) ; Nascimento, S.M. (1) ; Torres, M.C.G. (1) ; Silva, R.N. (1) keniaandaluz@gmail.com

Leia mais

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Não é fácil situar-nos diante da questão da paz na atual situação do mundo e do nosso país. Corremos o risco ou de negar a realidade ou de não reconhecer o sentido

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 3.771, DE 2004 Dispõe sobre a identificação obrigatória da localização de paisagens de interesse turístico nas condições que

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação - FACOM EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE JORNALISMO. Disciplinas Obrigatórias

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação - FACOM EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE JORNALISMO. Disciplinas Obrigatórias EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE JORNALISMO Disciplinas Obrigatórias Departamento de Comunicação e Artes 1) Teoria da Comunicação I: 1. Comunicação: conceito, objeto e objetivo. 2. Ciências da Informação.

Leia mais

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes,

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, 2009. Editora Práxis, 2010. Autêntica 2003. 11 Selma Tavares Rebello 1 O livro Cineclube, Cinema e Educação se apresenta

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 4 As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil Você já pensou em como as desigualdades raciais muitas vezes

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

Brechas Digitais: direito à comunicação nas regiões do Cone Sul e Brasil por Vera Vieira

Brechas Digitais: direito à comunicação nas regiões do Cone Sul e Brasil por Vera Vieira Brechas Digitais: direito à comunicação nas regiões do Cone Sul e Brasil por Vera Vieira BRASIL 2 BRASIL (Dados IBGE, 2010 e Governo Federal, 2011) População: mais de 190 milhões de habitantes Brancos:

Leia mais

A MultiRio na formação do leitor

A MultiRio na formação do leitor A MultiRio na formação do leitor Há 18 anos, a MultiRio presta relevantes serviços, enfrentando o desafio de participar da formação de educadores e alunos da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro,

Leia mais

ONG Projetos sociais meu sonho não tem fim Pesquisa - Sonhos, desejos e virtudes

ONG Projetos sociais meu sonho não tem fim Pesquisa - Sonhos, desejos e virtudes ONG Projetos sociais meu sonho não tem fim Pesquisa - Sumário Dedicatória Página 3 Introdução Página 4 Perfil do público pesquisado Página 5 Sonhos e desejos Página 8 Virtudes e pecados Página 10 Conclusões

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

DEFORMAÇÃO DA CRIANÇA NEGRA PELA MÍDIA (TELEVISÃO)

DEFORMAÇÃO DA CRIANÇA NEGRA PELA MÍDIA (TELEVISÃO) 1 DEFORMAÇÃO DA CRIANÇA NEGRA PELA MÍDIA (TELEVISÃO) Cláudio Amorim Pereira 1 Resumo Esse artigo tem como objetivo falar sobre a criança negra e a mídia é, sobretudo, discutir hegemonia, ideologia, monopólio

Leia mais

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS Personalidade Personalidade Carreira 521 Personalidade Personalidade Perfil 412 Estética Cabelos Femininos 157 Negritude Discriminação Racial 130 Sociedade Eventos 122 Estética Moda Feminina & Masculina

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante?

Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante? São Paulo, Ano II, n. 04, jan./abr. de 2015 Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante? Sobre a representação multicultural de personagens em obras audiovisuais educativas Autor:

Leia mais

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4

Joaozinho, o repórter 1. Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Joaozinho, o repórter 1 Fábio Willard de OLIVEIRA 2 Tárcio ARAUJO 3 Moises Henrique Cavalcante de ALBUQUERUQUE 4 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN. RESUMO O documentário Joãozinho,

Leia mais

Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação

Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação CULTURA NOS CEUs Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação Resumo São Paulo, março de 2013. Por Ney Piacentini O projeto CULTURA NOS CEUs pretende levar às instalações culturais

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Experimental, Animação, Seriado, Criatividade. INTRODUÇÃO. Adeus, Johnny!¹

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Experimental, Animação, Seriado, Criatividade. INTRODUÇÃO. Adeus, Johnny!¹ Adeus, Johnny!¹ Débora Caroline de Oliveira AZEVEDO² Bruna Camara ALEXANDRINO³ Renata Boutin BECATE 4 Faculdade de Comunicação, Artes e Design do Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio, Salto,

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014 45ª Semana de Serviço Social OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade 14 a 16 de maio de 2014 Na Copa, comemorar o quê?. É com este mote criativo e provocativo que o Conjunto

Leia mais

LANÇAMENTO PLATAFORMA IDS MESA 2 DESAFIOS PARA A DEFESA DA VIDA E DO BEM-ESTAR DO CIDADÃO

LANÇAMENTO PLATAFORMA IDS MESA 2 DESAFIOS PARA A DEFESA DA VIDA E DO BEM-ESTAR DO CIDADÃO LANÇAMENTO PLATAFORMA IDS MESA 2 DESAFIOS PARA A DEFESA DA VIDA E DO BEM-ESTAR DO CIDADÃO Local: Sala Crisantempo Data : 12/12/2014 Horário: 9h30 às 13h30 Expositores: Ricardo Paes de Barros - Subsecretário

Leia mais

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA Carlos Silva 1 Objetivo: Favorecer o desenvolvimento de ações pedagógicas em saúde a partir da inserção das questões de saúde no Projeto Político

Leia mais

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 Débora Aparecida Tombini* Marcos Aurélio Saquet** INTRODUÇÃO Desde o surgimento da vida humana na Terra até o início do século XIX, a população cresceu em ritmo lento

Leia mais

Área: A Universidade na Sociedade do Conhecimento. Oficinas de cinema digital na formação de jovens

Área: A Universidade na Sociedade do Conhecimento. Oficinas de cinema digital na formação de jovens Área: A Universidade na Sociedade do Conhecimento Oficinas de cinema digital na formação de jovens Claudia Carvalhal de Castro Pimentel - claudia-pimentel@uol.com.br Taís Pilleggi Vinha - Adriana Dias

Leia mais

O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1

O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1 O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1 Ana Mercês Bahia Bock 2 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo São Paulo/Brasil O tema proposto para a reflexão

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

Formação e protagonismo no Jequitinhonha pelo audiovisual. Tiago PISSOLATI 1 Juliana LEONEL 2. Associação Imagem Comunitária

Formação e protagonismo no Jequitinhonha pelo audiovisual. Tiago PISSOLATI 1 Juliana LEONEL 2. Associação Imagem Comunitária Formação e protagonismo no Jequitinhonha pelo audiovisual Tiago PISSOLATI 1 Juliana LEONEL 2 Associação Imagem Comunitária ISSN-2175-6554 Referência: PISSOLATI, Tiago; LEONEL, Juliana. Formação e protagonismo

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

CIDADANIA CULTURAL: uma experiência interdisciplinar na Educação de Jovens e Adultos do SESC Santo Amaro

CIDADANIA CULTURAL: uma experiência interdisciplinar na Educação de Jovens e Adultos do SESC Santo Amaro CIDADANIA CULTURAL: uma experiência interdisciplinar na Educação de Jovens e Adultos do SESC Santo Amaro Cláudia Mendes de Abreu Furtado e Rodrigo Cunha Santos, Serviço Social do Comércio SESC PE, Professora

Leia mais

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Lia Alarcon Lima Programa de Pós-Graduação em Teatro UDESC Mestranda Teatro Or. Profª Dra. Márcia Pompeo Nogueira Resumo: A pesquisa aqui

Leia mais

Projeto de Inclusão Social : alunos-monitor uma parceria no exercício da cidadania

Projeto de Inclusão Social : alunos-monitor uma parceria no exercício da cidadania Projeto de Inclusão Social : alunos-monitor uma parceria no exercício da cidadania Grace Cristine Batista da Silva seduc professor Solange Maria da Silva seduc pedagoga gc73mat@yahoo.com.br Introdução

Leia mais

Malhação.com em mescla de Você Decide e Intercine. Porque o público receptor tinha

Malhação.com em mescla de Você Decide e Intercine. Porque o público receptor tinha Programa Malhação: em busca de um formato Jacira Souza MEDRONHA Profª. Publicidade e Propaganda UNOCHAPECÓ/SC RESUMO: Malhação, ao longo de dez anos na programação brasileira, conseguiu se firmar como

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 20 janeiro de 2010

Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 20 janeiro de 2010 Juventude e Políticas Sociais no Brasil Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 20 janeiro de 2010 Juventude e suas questões Juventude e População: Brasil 2008: 50,2 milhões

Leia mais

INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO

INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO Comunicação e Mídia Pesquisa Instituto Patrícia Galvão IBOPE, em parceria com o UNIFEM ATITUDES FRENTE AO CRESCIMENTO DA AIDS NO BRASIL Aumento da AIDS em mulheres está entre

Leia mais

TV VE - uma experiência em webjornalismo participativo na produção de conteúdo audiovisual sob a ótica da comunidade da Vila Embratel 1

TV VE - uma experiência em webjornalismo participativo na produção de conteúdo audiovisual sob a ótica da comunidade da Vila Embratel 1 I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos TV VE - uma experiência em webjornalismo participativo na produção de conteúdo audiovisual sob a ótica da comunidade da Vila Embratel 1 Márcio Carneiro

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

Repórter sensacionalista, de estilo machão e truculento. Não se conforma com a separação de Berê. Guarda um segredo a sete chaves.

Repórter sensacionalista, de estilo machão e truculento. Não se conforma com a separação de Berê. Guarda um segredo a sete chaves. Taxista, divorciada, uma mulher interessante, de mente aguçada e observadora, que deixou a vida cair na rotina. Mantém com o filho uma relação distante e automática. O envolvimento de Tiago no assassinato

Leia mais

Pesquisa sobre Preconceito e Discriminação no Ambiente Escolar

Pesquisa sobre Preconceito e Discriminação no Ambiente Escolar Pesquisa sobre Preconceito e Discriminação no Ambiente Escolar Principais Resultados 17 de junho de 2009 A Pesquisa Estudo pioneiro no campo da diversidade na educação brasileira Disponibilizar informações:

Leia mais

TV a cabo: a dispersão da audiência

TV a cabo: a dispersão da audiência TV a cabo: a dispersão da audiência Valério Cruz Brittos Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) Índice 1 Introdução 1 2 A dissolução do modelo massivo 2 3 Conclusões 4 4 Bibliografia 5 1 Introdução

Leia mais

Ong s, democracia participativa e visibilidade na mídia

Ong s, democracia participativa e visibilidade na mídia Ong s, democracia participativa e visibilidade na mídia Sandra Raquew dos Santos Azevêdo Índice 1 Ong s como sujeitos da democracia participativa 1 2 Relações de gênero na mídia: em pauta os direitos das

Leia mais

TV a cabo: a dispersão da audiência

TV a cabo: a dispersão da audiência TV a cabo: a dispersão da audiência Valério Brittos * A família toda reunida em torno da televisão, discutindo as tramas de alguma das várias telenovelas, dando gargalhadas de programas humorísticos ou

Leia mais

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE Aluna: Sandra Regina de Souza Marcelino Orientador: Luís Corrêa Lima Introdução Este relatório tem por finalidade

Leia mais

InfoReggae - Edição 32 Inclusão Digital 11 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior

InfoReggae - Edição 32 Inclusão Digital 11 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens das camadas populares.

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008;

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014 Dispõe sobre propostas para adequação do Plano de Trabalho 2015 da EBC. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; Considerando que o Plano de

Leia mais

Aspectos culturais e relações de gênero 1

Aspectos culturais e relações de gênero 1 Aspectos culturais e relações de gênero 1 Objetivo da Aula A questão de gênero realiza-se culturalmente por ideologias que tomam formas específicas em cada momento histórico e, tais formas, estão associadas

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA Projeto de Atividades 1º Edição Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais 1. INTRODUÇÃO A educação atualmente não pode se restringir apenas ao ambiente escolar, o estudante

Leia mais

IMAGENS DA ÁFRICA DO SUL NO CINEMA: CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE FÍLMICA NA EDUCAÇÃO ESCOLAR

IMAGENS DA ÁFRICA DO SUL NO CINEMA: CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE FÍLMICA NA EDUCAÇÃO ESCOLAR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 IMAGENS DA ÁFRICA DO SUL NO CINEMA: CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE FÍLMICA NA EDUCAÇÃO ESCOLAR Delton Aparecido Felipe

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Jornalismo 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Jornalismo 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Jornalismo 2011-2 O PAPEL DO YOUTUBE NA CONSTRUÇÃO DE CELEBRIDADES INSTANTÂNEAS Aluno: Antonio,

Leia mais

POR TRÁS DAS GRADES: A REALIDADE NO PRESÍDIO REGIONAL DE PELOTAS 1 Mateus João MARQUES 2 Marcus SPOHR 3 Margareth MICHEL 4

POR TRÁS DAS GRADES: A REALIDADE NO PRESÍDIO REGIONAL DE PELOTAS 1 Mateus João MARQUES 2 Marcus SPOHR 3 Margareth MICHEL 4 POR TRÁS DAS GRADES: A REALIDADE NO PRESÍDIO REGIONAL DE PELOTAS 1 Mateus João MARQUES 2 Marcus SPOHR 3 Margareth MICHEL 4 Resumo: A reportagem mostra a realidade dentro de uma das maiores casas prisionais

Leia mais

GEOTARGET PERNAMBUCO ENTRETENIMENTO

GEOTARGET PERNAMBUCO ENTRETENIMENTO GEOTARGET PERNAMBUCO ENTRETENIMENTO GEOTARGET: o que é? É uma forma de comprar mídia na internet. A compra por Geotarget permite o direcionamento das peças publicitárias para determinadas áreas geográficas.

Leia mais

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, fevereiro de 2010 FUNK CONSCIENTIZA VAI 1 - música Proponente Nome RG: CPF: Endereço Fone: E-mail: DADOS

Leia mais

Introdução. I o desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo;

Introdução. I o desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo; Apresentação A entrada das famílias populares nas escolas públicas brasileiras, sobretudo a partir da década 1970, representa um dos fenômenos mais importantes para a construção de uma sociedade democrática,

Leia mais

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA Geane Apolinário Oliveira UEPB Geane-cg@hotmail.com Introdução O presente artigo tem por objetivo enfatizar

Leia mais

Filme : Quase Deuses Noiriel Ignácio Santos Leal

Filme : Quase Deuses Noiriel Ignácio Santos Leal Filme : Quase Deuses Noiriel Ignácio Santos Leal METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA MODALIDADE EAD CURSOS DE GRADUAÇÃO Pró-Reitoria de Ensino ORGANIZADORAS: Aparecida Cristina Cardoso Cristina Herold Constantino

Leia mais

TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva.

TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva. TELEVISÃO x CRIANÇA: novo alvo da publicidade televisiva. Mariana Carneiro da Cunha CAMPELO 1 Resumo Ao longo dos anos, na publicidade televisiva brasileira, vem ocorrendo algumas mudanças na comunicação

Leia mais

...Anais Eletrônicos da II Semana de História do Pontal 26, 27 e 28 de junho de 2013 Ituiutaba, MG

...Anais Eletrônicos da II Semana de História do Pontal 26, 27 e 28 de junho de 2013 Ituiutaba, MG CINEMA NO ESPAÇO ESCOLAR: rediscutindo cidadania e diversidade RESUMO: Meireslaine Nascimento da Silva Graduanda do curso de Pedagogia, bolsista Pet (Re) conectando Saberes - FACIPUFU/MEC/SESU/SECAD, meireslainepetg@gmail.com.

Leia mais

182567: A Luz Sem Liberdade 1

182567: A Luz Sem Liberdade 1 182567: A Luz Sem Liberdade 1 Danielly Augusto de ABREU 2 Natasha de Paula BONOMI 3 Paula Baldini LUIZ 4 Rafaella do Nascimento NEGRI 5 Renata Loureiro Gollo PATRÍCIO 6 Patrícia Rangel Moreira BEZERRA

Leia mais

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA Mestrado e Doutorado em Comunicação Matrícula e Calendário acadêmico 2014.2 DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA: 29, 30 e 31/07/2014 LOCAL: A pré-matrícula deverá ser efetivada na Secretaria do PPGCOM ou através do

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

cerca de 200 crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social do Centro Histórico e da periferia de Salvador.

cerca de 200 crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social do Centro Histórico e da periferia de Salvador. I ENCONTRO, CAPOEIRA e PATRIMÔNIO IMATERIAL no BRASIL: perspectivas para a implementação de políticas públicas de salvaguarda da Capoeira. Local: UFF Niterói RJ Data: 3 de setembro de 2006 às 16:00 h Tema:

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Televisão, história e sociedade: trajetórias de pesquisa

Televisão, história e sociedade: trajetórias de pesquisa KORNIS, Mônica Almeida. Televisão, história e sociedade: trajetórias de pesquisa. Rio de Janeiro: CPDOC, 2007. [7]f. Trabalho apresentado no I Encontro Nacional Obitel - a pesquisa da ficção televisiva

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

Grupo de pesquisa JOVEDUC. Jovens, violência e educação

Grupo de pesquisa JOVEDUC. Jovens, violência e educação Grupo de pesquisa JOVEDUC Jovens, violência e educação Projetos de Pesquisa Financiamento FAPESP Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Linha de pesquisa : Programas Especiais - Ensino Público

Leia mais

Merchandising Social Proposta de Temas e Subtemas a Serem Monitorados

Merchandising Social Proposta de Temas e Subtemas a Serem Monitorados Merchandising Social Proposta de Temas e Subtemas a Serem Monitorados 1. Novo Conceito de Merchandising Social Merchandising social televisivo é a veiculação de mensagens educativas, reais ou ficcionais,

Leia mais

Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas

Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas Vanessa Curvello Índice 1 O Big Brother........... 1 2 O Big Brother Brasil....... 2 3 A estruturação do programa.... 2 4 As estratégias comunicativas da

Leia mais