o IRS e a economia familiar é possível pagar menos imposto?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "o IRS e a economia familiar é possível pagar menos imposto?"

Transcrição

1 Penche, 2002.Novembro.27 Tertúlas da ESTM o IRS e a economa famlar é possível pagar menos mposto? Luís Lma Santos o IRS e a economa famlar é possível pagar menos mposto? ncdênca real e pessoal resdente e agregado famlar como se calcula o IRS despesas que confundem rendmentos que confundem conclusões 1

2 ncdênca real do IRS categora A trabalho dependente valor anual dos categora E captas categora B empresaras e profssonas rendmentos (mesmo líctos) em dnhero categora F predas categora H pensões ou em espéce categora G ncrementos patrmonas ncdênca pessoal do IRS resdentes em terrtóro português não resdentes em terrtóro português rendmentos rendmentos obtdos em PT stuação pessoal e famlar em 31.Dezembro 2

3 o resdente permanênca 183 das, segudos ou não permanênca e resdênca habtual em trpulantes de navos ou aeronaves, em exercíco funções no estrangero, em servço do Estado a deslocação de resdênca é rrelevante... são resdentes todas as pessoas do agregado... conceto alargado às Regões Autónomas o agregado famlar cônjuges não separados judcalmente (e unões de facto) cônjuges separados judcalmente pa ou mãe solteros adoptante soltero dependentes (flhos, adoptados ou enteados) menores, não emancpados maores (< 25 anos) + RB anual < SMN + 11.º ano, SMO ou SC maores + naptos para o trabalho + RB < SMN dependentes (menores sob tutela sem rendmentos) 3

4 como se calcula o IRS rendmento bruto deduções específcas rendmento líqudo abatmentos rendmento colectável taxa de IRS colecta deduções à colecta benefícos fscas retenções na fonte pagamentos por conta IRS apurado (A) rendmentos do trabalho dependente (A) e (B) 50% (65%) de rendmentos sentos de IRS lmte: ,76 nvaldez comprovada de 60% (80%) (B) * rendmentos empresaras e profssonas (B) rendmentos da propredade ntelectual englobados em 50% * se rendmentos com uma entdade opção (válda por um período de três anos) pela trbutação na categora (A ) (E) rendmentos de captas (F) rendmentos predas (G) ncrementos patrmonas (H) rendmentos de pensões (H) 30% (45%) de rendmentos sentos de IRS lmte: 7.626,22 defcentes em geral ou ,54 defcentes Forças Armadas nvaldez comprovada de 60% (80%) rendmento bruto 4

5 (A) rendmentos do trabalho dependente (pagos ou à dsposção) remunerações do trabalho p/conta de outrem por CIT ou ( ) remunerações do trabalho p/contrato de aqusção de servços (ou ) sob autordade e drecção do sujeto actvo da relação de trabalho remunerações dos membros dos órgãos socas pessoas colectvas (excepto ROC) remunerações do exercíco de função, servço ou cargo públcos remunerações em stuações de pré-reforma, pré-aposentação ou reserva, com ou sem prestação de trabalho... remunerações acessóras devdas à prestação de trabalho ou em conexão com esta ordenados saláros vencmentos gratfcações percentagens comssões partcpações subsídos prémos senhas de presença emolumentos partcpações em comas partcpações em multas outras remunerações acessóras anda que peródcas, fxas ou varáves, de natureza contratual ou não abono de famíla e prestações complementares LL seguros Vda... subsídos de resdênca (ou ) utlzação de casa de habtação... subsído refeção >1,5 LL vales refeção >1,7 LL utlzação de vatura automóvel que gere encargos para a entdade patronal quando exsta acordo escrto... aqusção, por preço nferor ao valor de mercado, de qualquer vatura que tenha orgnado encargos para a entdade patronal... ajudas de custo > LL p/utlzação de automóvel própro em servço da entdade patronal... gratfcações auferdas não atrbuídas p/respectva entdade patronal ausênca de juros ou juros nferores em empréstmos... (excepto na aqusção habtação própra ,43 com taxa 65% taxa equvalente à taxa desconto do BP) vagens e estadas, de tursmo e smlares, não conexas com trabalho ganhos de planos de opções, de subscrção, de atrbução ou... rendmento nerente a valores mobláros ou dretos equparados... ndemnzações relatvas à relação jurídca nclu ncumprmento condções contratuas ou mudança local de trabalho... abonos para falhas > 5% RM Fxa partcpação aos pescadores que lmtem a sua actuação à prestação de trabalho... (A) deduções art.º 25.º (B) deduções com base na contabldade ou regme smplfcado (F) deduções art.º 41.º (G) deduções art.º 51.º (H) deduções art.º 53.º deduções específcas 5

6 * 72% de 12 SMN ,01 0,72 = 3.006,81 ou contrbuções Segurança Socal ndemnzações pagas pelo trabalhador... (quotzações sndcas 1% rendmento bruto cat. A) 1,50 * 72% 75% ,01 0,75 = 3.132,09 * quotzações profssonas * despesas de formação profssonal... (A) deduções art.º 25.º custos e perdas da actvdade empresaral ou profssonal prevstos no Códgo do IRC deslocações, vagens e estadas 10% provetos lmtes despesas com móvel se usado para habtação 25% total despesas líctas qualquer remuneração do sujeto passvo ou de membros do agregado famlar ao seu servço (B) deduções com base na contabldade 6

7 IRS ou outros mpostos sobre os lucros mpostos que ncdam sobre terceros multas, comas, juros compensatóros e encargos por nfracções ndemnzações por eventos de rsco segurável ajudas de custo e subsídos de transporte, com mapa de controlo 20% ajudas de custo e subsídos de transporte, sem mapa de controlo 100% encargos não devdamente documentados e despesas de carácter confdencal despesas com combustíves anormas valor da deprecação vaturas lgeras de passageros ou mstas (ALD) custo de aqusção ,87 juros de suprmentos e empréstmos dos sócos Eurbor a 12 meses crédtos ncobráves que não cumpram o dsposto no artgo 39.º do CIRC certas provsões... (artgos 34.º a 38.º do CIRC) encargos não ndspensáves para a realzação dos provetos sujetos a IRC (B) encargos não dedutíves (artgo 42.º do CIRC) despesas de manutenção despesas de conservação contrbução autárquca encargos de conservação, frução e outros (condomíno) (F) deduções art.º 41.º 7

8 aplcação de coefcente (desvalorzação monetára) se aqusção 24 meses encargos com valorzação dos bens, nos últmos 5 anos despesas nerentes à aqusção despesas nerentes à alenação (G) deduções art.º 51.º rendmentos anuas 7.805,60 (por ttular) dedução acrescda de 30% nvaldez comprovada de 60% (quotzações sndcas 1% rendmento bruto cat. H) 1,50 (H) deduções art.º 53.º 8

9 encargos com pensões por sentença judcal encargos com pensões por acordo homologado resultado líqudo negatvo da cat. B rendmentos cat. B actvdade comercal e ndustral resultado líqudo negatvo da cat. B rendmentos cat. B actvdade agrícola, slvícola ou pecuára resultado líqudo negatvo da cat. F rendmentos cat. F abatmentos rendmento colectável até 4.100,12 taxas normal méda 12 % 12,0000 % de 4.100,12 até 6.201,42 14 % 12,6777 % de 6.201,42 até ,45 24 % 19,4333 % de ,45 até ,52 34 % 27,6667 % de ,52 até ,48 38 % 30,8700 % superor a ,48 40 % - O quanttatvo do rendmento colectável, quando superor a 4.100,12, é dvddo em duas partes: uma, gual ao lmte do maor dos escalões que nele couber, à qual se aplca a taxa méda correspondente a esse escalão; outra, gual ao excedente, a que se aplca a taxa normal respetante ao escalão medatamente superor. 9

10 Mínmo de exstênca Da aplcação das taxas de IRS não pode resultar, para os ttulares de rendmentos predomnantemente orgnados em trabalho dependente, a dsponbldade de um rendmento líqudo de mposto nferor ao valor anual do saláro mínmo naconal mas elevado acrescdo de 20% (14 348,01 1,2 = 5.846,57 ), nem resultar qualquer mposto para os mesmos rendmentos, cuja matéra colectável, após a aplcação do quocente conjugal, seja gual ou nferor a 1.634,93. Ao rendmento colectável dos agregados famlares com 3 ou 4 dependentes ou com 5 ou mas dependentes, cujo montante seja, respectvamente, gual ou nferor ao valor anual do saláro mínmo naconal mas elevado acrescdo de 60% (14 348,01 1,6 = 7.795,42 ) ou gual ou nferor ao valor anual do saláro mínmo naconal mas elevado acrescdo de 120% (14 348,01 2,2 = ,71 ), não são aplcadas as taxas de IRS. taxas lberatóras (artgo 71.º do CIRS) e taxas especas (artgo 72.º do CIRS) taxas de trbutação autónoma (artgo 73.º do CIRS) (B) Despesas confdencas ou não documentadas: 50%; despesas anormas pagas a não resdentes 35%; despesas de representação (encargos suportados com recepções, refeções, vagens, passeos e espectáculos oferecdos no país ou no estrangero a clentes ou a fornecedores ou anda a quasquer outras pessoas ou entdades): 6%; e encargos com vaturas lgeras de passageros ou mstas, motos e motocclos (deprecações, rendas ou alugueres, seguros, despesas com manutenção e conservação, combustíves e mpostos ncdentes sobre a sua posse ou utlzação): 6%. sujetos passvos, descendentes e ascendentes dupla trbutação nternaconal despesas de saúde despesas de educação e formação encargos com lares encargos com móves encargos com equpamentos novos de energas renováves encargos com prémos de seguros encargos com aconselhamento jurídco e patrocíno judcáro deduções à colecta 10

11 60% SMN (sujeto passvo não casado ou separado judcalmente) 348,01 0,6 = 208,81 50% SMN (sujeto passvo casado ou não separado judcalmente) 348,01 0,5 = 174,01 80% SMN (sujeto passvo, nas famílas monoparentas) 348,01 0,8 = 278,41 40% SMN (dependente) 348,01 0,4 = 139,20 dedução acrescda de 50% nvaldez comprovada de 60% 50% SMN (ascendente, se rendmento pensão mínma do regme geral) 348,01 0,5 = 174,01 sujetos passvos, descendentes e ascendentes despesas de saúde (IVA: sento ou 5%) agregado famlar despesas de saúde (IVA: sento ou 5%) ascendentes e colateras até 3.º grau (partlhem a economa famlar rendmentos SMN) juros de dívdas relatvas a despesas de saúde 30% despesas de saúde (com receta médca) agregado famlar, ascendentes e colateras até ao 3.º grau lmte: 53,81 [179,37 ] 2,5% despesas saúde (IVA: sento ou 5%) e juros (se superor) despesas de saúde (parcalmente compartcpadas) lmte: valor efectvamente suportada pelo benefcáro (no ano em que for efectuado o reembolso do valor compartcpado) despesas de saúde 11

12 C 3/99 - DSIRS, de Para além da exgênca da exbção de prescrção médca, a admssbldade da dedução dos respectvos encargos sempre dependerá do juízo que (...) conduza ao reconhecmento da ndspensabldade da despesa (...) consequentemente, não serão dedutíves a título de despesas de saúde, os encargos dervados da aqusção de bens, anda que sob prescrção médca, cuja utldade não se esgote na fnaldade terapêutca tas como: almofadas aparelhos de ar condconado aparelhos de musculação aspradores banheras de hdromassagem bccletas caderas colchões cosmétcos desumdfcadores despesas de saúde despesas de educação encargos com creches, lactáros e jardns de nfânca formação artístca, educação físca e nformátca e formação profssonal do agregado famlar, em entdades ofcalmente reconhecdas 30% pensões de almentos a dependentes que estudem fora do domcílo fscal lmte: agregado famlar com 2 dependentes: 160% SMN * 348,01 1,6 = 556,82 [1.856,07] agregado famlar com 3 dependentes: [160%+(1 30%)] SMN 348,01 0,3 = 104,40 [348,01] agregado famlar com n dependentes: [160%+(n-2 30%)] SMN acréscmo de 30% é váldo se, para esses dependentes, exstrem despesas de educação e formação * atenção! lmte após encargos com lares despesas de educação e formação 12

13 encargos com lares e com nsttuções de apoo à tercera dade dos sujetos passvos 25% com lmte: 303,41 [1.213,64 ] encargos com lares e com nsttuções de apoo à tercera dade dos ascendentes e colateras até 3.º grau (rendmentos SMN) lmte: (agregados famlares com 2 dependentes) 697,03 [2.323,43] encargos com lares despesas de educação e formação juros e amortzações (excepto moblzação CPH) de dívdas com aqusção, construção ou benefcação de móves para habtação própra permanente juros e amortzações (excepto moblzação CPH) de dívdas com arrendamento comprovado para habtação permanente ou 30% com lmte: 517,64 [1.725,47 ] prestação (juros e amortzações de dívdas) a cooperatva habtação (compras em grupo) com aqusção de móves para habtação própra e permanente prestação (juros e amortzações de dívdas) a cooperatva habtação (compras em grupo) com arrendamento comprovado para habtação permanente ou rendas (líqudas de subsídos e compartcpações ofcas) com arrendamento no âmbto do RAU para habtação permanente rendas (excepto a amortzação do captal) com contrato de locação fnancera para habtação própra e permanente encargos com móves 13

14 equpamentos novos para utlzação de energas renováves 30% com lmte: 700,00 [2.333,33 ] equpamentos para produção de energa eléctrca e ou térmca até 100 kw que consumam gás natural equpamentos complementares ndspensáves encargos com equpamentos novos de energas renováves 25% com lmte: 53,81 [215,24 ] ou 107,63 [430,52 ] prémos: seguros de acdentes pessoas / seguros de vda... contrbuções p/fundos de pensões... contrbuções p/regmes complementares de segurança socal... 25% com lmte: 71,75 [287,00 ] ou 143,50 [574,00 ] + 35,88 [143,52 ] (por dependente) prémos: seguros rscos de saúde... encargos com prémos de seguros 14

15 despesas com obtenção de aconselhamento jurídco 20% com lmte: 134,28 [671,40 ] despesas com obtenção de patrocíno judcáro encargos com aconselhamento jurídco e patrocíno judcáro 30% despesas de educação e reabltação do sujeto passvo e dependente defcentes 25% prémos: seguros de vda... do sujeto passvo e dependente defcentes 25% entregas para Conta Poupança Habtação lmte: 564,28 [2.257,12 ] 100% juros da Conta Poupança Reformados, lmte saldo: 9.968,41 aplcações em Planos Poupança Reforma / Educação (PPR, PPE e PPR/E) 25% com lmte: 648,44 [2.593,76 ] p/sujeto passvo 5,00% rendmento bruto 26,25% com lmte: 680,86 [2.593,76 ] p/sujeto passvo (dade [35-50] anos) 5,25% rendmento bruto 27,5% com lmte: 713,28 [2.593,76 ] p/sujeto passvo (dade 35 anos) 5,50% rendmento bruto aplcações em Planos Poupança Acções (PPA) 7,5% com lmte: 196,03 [2.613,73 ] p/sujeto passvo em 2002: 498,80 [6.650,67 ] p/sujeto passvo aplcações em acções no âmbto de processos de prvatzação 5% com lmte: 170,09 [3.401,80 ] p/sujeto passvo 7,5% com lmte: 256,38 [3.418,40 ] p/sujeto passvo trabalhador da empresa aqusção de computadores (novos) de uso pessoal (ncluí programas, modems, placas RDIS, aparelhos de termnal, set-top-boxes e custos de lgação à nternet) 25% com lmte: 179,38 [717,52 ] benefícos fscas 15

16 despesas que confundem quotzações para ordens profssonas Art.º 25.º CIRS dedução específca (A) Art.º 29.º CIRS custos (B) despesas de educação e formação profssonal Art.º 25.º CIRS dedução específca (A) Art.º 83.º n.º 4 CIRS dedução colecta despesas de educação e formação profssonal Art.º 25.º CIRS dedução específca (A) Art.º 29.º CIRS custos (B) equpamentos de energas renováves Art.º 29.º CIRS custos (B) Art.º 85.º n.º 3 CIRS dedução colecta aconselhamento jurídco e patrocíno judcáro Art.º 29.º CIRS custos (B) Art.º 87.º CIRS dedução colecta pensões de almentos a dependentes Art.º 25.º CIRS dedução específca (A) Art.º 56.º CIRS abatmento rendmento líqudo rendmentos que confundem rendmentos empresaras e profssonas cálculo do rendmento rendmentos empresaras e profssonas acto solado rendmentos empresaras e profssonas rendmentos acessóros rendmentos empresaras e profssonas outras formas de trbutação... 16

17 cálculo do rendmento para efetos de IRS, os rendmentos da categora (B) são calculados com base: na contabldade (obrgação legal vendas ,37 outros rendmentos (B) ,58 opção) rendmento colectável regras do CIRC para cálculo do rendmento trbutável no regme smplfcado de trbutação rendmento colectável [mínmo: 50% (SMN 14)] = vendas 20% outros rendmentos (B) 65% nclundo os servços prestados no âmbto de actvdades hoteleras e smlares, restauração e bebdas acto solado para efetos de IRS são provenentes de actos solados os rendmentos que não representando mas de 50% dos restantes rendmentos do sujeto passvo, quando os houver, não resultem de uma prátca prevsível ou reterada... em sede de IVA exste obrgação de lqudação e entrega do respectvo mposto 17

18 rendmentos acessóros e se passar mas do que um recbo, mesmo de valores reduzdos? não confgura um acto solado pos é consderada prátca reterada... no entanto, se exstrem rendmentos da categora (A) e os rendmentos da categora (B) 50% SMN 50% restantes rendmentos então são rendmentos acessóros (e não actos solados) aos quas se aplcam as regras de trbutação para os actos solados outras formas de trbutação e quas são as regras de trbutação? aos rendmentos de actos solados são deduzdas as despesas documentalmente provadas e necessáras à sua obtenção com as lmtações descrtas para os rendmentos empresaras e profssonas para os rendmentos da categora (B) que resultarem de servços prestados a uma únca entdade, é possível optar por um período de três anos pelas regras de trbutação para rendmentos da categora (A) 18

19 IRS conclusões! 19

Regime Fiscal 2013 - Seguros Reais e de Poupança -

Regime Fiscal 2013 - Seguros Reais e de Poupança - Regime Fiscal i) Pessoas Singulares 1. PPR Plano Poupança Reforma pág.2 2. Seguros Vida: Capitalização e Reais pág.4 3. Seguros de Acidentes Pessoais pág.4 4. Seguro de Saúde pág.5 5. Regimes Especiais

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU: Resolução nº 3259, de 28 de janero de 2005. RESOLUÇÃO Nº 3259 Altera o dreconamento de recursos captados em depóstos de poupança pelas entdades ntegrantes do Sstema Braslero de Poupança e Empréstmo (SBPE).

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2015

SEGUROS DE VIDA IRS 2015 SEGUROS DE VIDA IRS 2015 (Lei n.º 82-B/2014 de 31 de Dezembro e Lei n.º 82-E/2014, de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2015 - Seguros de Vida Índice I II III Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2.

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2014

SEGUROS DE VIDA IRS 2014 SEGUROS DE VIDA IRS 2014 (Lei n.º 66-B/2012 de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2014 - Seguros de Vida Índice 3 Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2. Tributação dos benefícios 2.1. Indemnizações por

Leia mais

Fiscalidade de Seguros

Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros (aplicável a partir de 01 de Janeiro de 2015) O presente documento tem natureza meramente informativa, de carácter necessariamente geral, e não constitui nem

Leia mais

MOD.3. Peça a sua senha em:

MOD.3. Peça a sua senha em: MOD.3 2 008 Envie a declaração de rendimentos pela internet: > É gratuito > É disponibilizada ajuda no preenchimento, evitando erros > Evita filas de espera e deslocações Peça a sua senha em: www.e-financas.gov.pt

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentas ao Investdor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um nvestmento responsável exge que conheça as suas mplcações e que esteja dsposto a acetá-las. Note Valorzação Portugal Abrl 2019 [ISIN

Leia mais

Tabela de deduções à coleta e benefícios fiscais

Tabela de deduções à coleta e benefícios fiscais IRS 2014 Tabela de deduções à e benefícios fiscais Rúbrica Pessoais e familiares i) Contribuinte 427,50 213,75 ii) Famílias monoparentais - 332,50 iii) Dependentes 213,75 213,75 Dependentes

Leia mais

SERVIÇO DE FINANÇAS DO PORTO 3 IRS / 2012 ABATIMENTOS, DEDUÇÕES E BENEFÍCIOS FISCAIS ABATIMENTOS E DEDUÇÕES ANO DE 2011

SERVIÇO DE FINANÇAS DO PORTO 3 IRS / 2012 ABATIMENTOS, DEDUÇÕES E BENEFÍCIOS FISCAIS ABATIMENTOS E DEDUÇÕES ANO DE 2011 IRS / 2012 ABATIMENTOS, DEDUÇÕES E BENEFÍCIOS FISCAIS ABATIMENTOS E DEDUÇÕES ANO DE 2011 FR/ AV. FERNÃO MAGALHÃES, 988 4350-154 PORTO TEL. 225.898.650 FAX: 225.898.688 E-MAIL: sf3360@dgci.min-financas.pt

Leia mais

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo?

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo? SEGURO VIDA Que tipo de seguros são explorados no ramo vida? A actividade do ramo Vida consiste na exploração dos seguintes seguros e operações: Seguro de Vida, Seguro de Nupcialidade /Natalidade, Seguro

Leia mais

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz,

Leia mais

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012 Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA de de 2012 ÍNDICE SUJEIÇÃO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ACESSÓRIA EXEMPLOS DE REMUNERAÇÕES SUJEITAS BREVE ANÁLISE DO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO DO CÓDIGO

Leia mais

IRSIRSIRSIRSIRS. www.e-financas.gov.pt. mod.3 2006. Envie a declaração de rendimentos pela internet. Peça a sua senha em: www.e-financas.gov.

IRSIRSIRSIRSIRS. www.e-financas.gov.pt. mod.3 2006. Envie a declaração de rendimentos pela internet. Peça a sua senha em: www.e-financas.gov. DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS IRSIRSIRSIRSIRS IRSIRSIRSIRSIRS IRSIRSIRSIRSIRS I R S mod.3 2006 Envie a declaração de rendimentos pela internet. Peça a sua senha em: www.e-financas.gov.pt - Declarações entregues

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito.

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito. Matemátca Fnancera Rendas Certas Prof. Benjamn Cesar Sére de Pagamentos Unforme e Peródca. Rendas Certas Anudades. É uma sequênca de n pagamentos de mesmo valor P, espaçados de um mesmo ntervalo de tempo

Leia mais

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares.

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. Estamos à sua disposição para o aconselhar em questões

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

Nota introdutória. Entrada em vigor GUIA FISCAL

Nota introdutória. Entrada em vigor GUIA FISCAL 1 2 Nota introdutória A Lei n.º 82.º-E/2014, de 31 de dezembro, aprovou a reforma do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS). A versão final do diploma, embora baseada no projeto

Leia mais

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Globalmente, a Associação Industrial Portuguesa Câmara de Comércio e Indústria (AIP-CCI) considera positivo o Anteprojeto de Reforma do IRS efetuado

Leia mais

JUROS DE HABITAÇÃO PERMANENTE, PRÉMIOS DE SEGUROS, COMPARTICIPAÇÕES EM DESPESAS DE SAÚDE, PPR, FUNDOS DE PENSÕES E REGIMES COMPLEMENTARES

JUROS DE HABITAÇÃO PERMANENTE, PRÉMIOS DE SEGUROS, COMPARTICIPAÇÕES EM DESPESAS DE SAÚDE, PPR, FUNDOS DE PENSÕES E REGIMES COMPLEMENTARES DECLARAÇÃO (art.º 127.º do CIRS) JUROS DE HABITAÇÃO PERMANENTE, PRÉMIOS DE SEGUROS, COMPARTICIPAÇÕES EM DESPESAS DE SAÚDE, PPR, FUNDOS DE PENSÕES E REGIMES COMPLEMENTARES IRS MODELO 37 NÚMERO DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

07-01-2015 CLICK TO EDIT MASTER TITLE STYLE. Óscar Veloso Janeiro 2015 REFORMA DO IRS (LEI Nº 84-E/2014, DE 31 DE DEZEMBRO)

07-01-2015 CLICK TO EDIT MASTER TITLE STYLE. Óscar Veloso Janeiro 2015 REFORMA DO IRS (LEI Nº 84-E/2014, DE 31 DE DEZEMBRO) CLICK TO EDIT MASTER TITLE STYLE 1 Óscar Veloso Janeiro 2015 2 REFORMA DO IRS (LEI Nº 84-E/2014, DE 31 DE DEZEMBRO) 1 PROGRAMA 3 Alterações à tributação da Família ; Unificação das Categorias A e H; Alterações

Leia mais

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 As principais novidades/ alterações recentes, em matéria fiscal e contributiva, resultam da aprovação do Plano de Estabilidade e Crescimento para 2010 2013

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL. Normas Regulamentares PREÂMBULO

REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL. Normas Regulamentares PREÂMBULO REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL Normas Regulamentares PREÂMBULO O regulamento geral dos cclos de estudos conducentes ao grau de Mestre da FCT-UNL organza,

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 4.3 Decsão Intertemporal do Consumdor O Mercado de Captal Isabel Mendes 2007-2008 4/17/2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 3. EQUILÍBRIO

Leia mais

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt Fiscalidade pessoal e empresarial Jorge Figueiredo 18 de Fevereiro de 2011 Agenda 1. IRS 1.1 Alterações das taxas 1.2 Outros rendimentos 1.3 Dedução específica Categoria A 1.4 Reporte de

Leia mais

Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais

Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais Este trabalho pode auxiliá-lo numa tarefa nem sempre clara nem sempre fácil: o apuramento das tributações autónomas. Para tal, são-lhe apresentadas

Leia mais

n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas

n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (OE 2015) CIRC Artigo 87.º - Taxas n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas Artigo 6.º - Sociedades de Profissionais n.º 4, alínea

Leia mais

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário.

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário. 1. Tabela Prce: Tabela utlzada para a amortzação de dívda. As prestações calculadas dela têm um valor constante por todo o período de pagamento da dívda. 2. Tag along: Termo do nglês que sgnfca precfcar

Leia mais

REAL PPR SEGURO MAIS Informações Pré-Contratuais

REAL PPR SEGURO MAIS Informações Pré-Contratuais TIPO DE CLIENTE Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. SEGMENTO-ALVO Este produto destina-se a Clientes com perfil de risco conservador, que privilegiam a preservação do capital investido e a

Leia mais

RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015

RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015 RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015 1 1 ISV tabelas A, B e C Aumento de 3%. 2 2 ISV redução nos veículos importados usados A tabela D mantém-se inalterada, apesar de ter existido uma proposta de alteração

Leia mais

AJUDAS DE CUSTO E SUBSÍDIOS DE REFEIÇÃO E VIAGEM (2013)

AJUDAS DE CUSTO E SUBSÍDIOS DE REFEIÇÃO E VIAGEM (2013) AJUDAS DE CUSTO E SUBSÍDIOS DE REFEIÇÃO E VIAGEM (2013) Com a entrada em vigor da Lei do Orçamento do Estado para 2013 (n.º 66 -B/2012, de 31 de Dezembro de 2012), procedeu -se à actualização da remuneração

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Actualização dos limites das deduções à colecta fixados em valor variável entre 2.4% e 3.2%

Actualização dos limites das deduções à colecta fixados em valor variável entre 2.4% e 3.2% IRS Escalões de IRS Actualizados os escalões de IRS em 2.5%. Em regra, contribuintes de todos os escalões sofrerão reduções pouco significativas do IRS a pagar sobre os seus rendimentos. Excepção para

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO

DOCUMENTO INFORMATIVO DOCUMENTO INFORMATIVO 5YR AUTOCALLABLE GAZPROM, NOKIA, DU PONT a emtr pelo Esprto Santo Investment p.l.c. ao abrgo do seu 2,500,000,000 Euro Medum Term Note Programme ISIN : XS0453041674 PRODUTO FINANCEIRO

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO

DOCUMENTO INFORMATIVO DOCUMENTO INFORMATIVO Brazl 5yr Autocallable Notes a emtr pelo Esprto Santo Investment p.l.c. ao abrgo do seu 2,500,000,000 Euro Medum Term Note Programme ISIN : XS0468453666 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Leia mais

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte Controle de Ponto Eletrônco da Câmara Muncpal de Belo Horzonte Instrutor: André Mafa Latn DIVPES agosto de 2010 Objetvo Informar sobre o preenchmento da folha de frequênca; Facltar o trabalho das chefas;

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Cocetos Báscos de Matemátca Facera Uversdade do Porto Faculdade de Egehara Mestrado Itegrado em Egehara Electrotécca e de Computadores Ecooma e Gestão Na prátca As decsões faceras evolvem frequetemete

Leia mais

BAHIA SANTA CRUZ CABRALlA. CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA CRUZ CABRÁLlA PROCESSO DE PAGAMENTO EXERCÍCIO: 2014 PROCESSO: 0000382 DATA: 03/11/2014

BAHIA SANTA CRUZ CABRALlA. CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA CRUZ CABRÁLlA PROCESSO DE PAGAMENTO EXERCÍCIO: 2014 PROCESSO: 0000382 DATA: 03/11/2014 GLTlR4 MAttR.J CÂMARA MUNCPAL DE SANTA CRUZ CABRÁLlA. ~ r:::g BAHA SANTA CRUZ CABRALlA PROCESSO DE PAGAMENTO EXERCÍCO: 2014 PROCESSO: 0000382 DATA: 03/11/2014. Função: DADOS DO FAVORECDO Favorecido: NSS

Leia mais

POUPANÇA. Simplifica. PPR Capital Garantido. Crie o futuro hoje.

POUPANÇA. Simplifica. PPR Capital Garantido. Crie o futuro hoje. POUPANÇA PPR Capital Garantido Crie o futuro hoje. Simplifica Já pensou como vai ser quando se reformar? E se começar já a poupar? Assegure agora o seu futuro! No ActivoBank com o PPR Capital Garantido,

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 17 e 18 de Fevereiro 2011 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO 17 e 18 de Fevereiro 2011 Principais Dificuldades/ Riscos Criação de EE para a entidade empregadora não

Leia mais

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 ACROECONOIA I LEC 20 3.2. odelo IS-L Outubro 2007, sandras@fep.up.pt nesdrum@fep.up.pt 3.2. odelo IS-L odelo Keynesano smples (KS): equlíbro macroeconómco equlíbro no mercado de bens e servços (BS). odelo

Leia mais

As alterações do OE 2015 e da Lei 82-E/2014 com impacto nas relações laborais

As alterações do OE 2015 e da Lei 82-E/2014 com impacto nas relações laborais COELHO RIBEIRO E ASSOCIADOS SOCIEDADE CIVIL DE ADVOGADOS As alterações do OE 2015 e da Lei 82-E/2014 com impacto nas relações laborais CRA Coelho Ribeiro e Associados, SCARL Portugal Janeiro 2015 No passado

Leia mais

ATUALIZAÇÃO FISCAL EM IRS E IRC

ATUALIZAÇÃO FISCAL EM IRS E IRC 15 de Março 2012 ATUALIZAÇÃO FISCAL EM IRS E IRC NERCAB Delegação da COVILHÃ PAULO SEGURO SANCHES - MARÇO 2012 ATUALIZAÇÃO FISCAL EM IRS E IRC 15 de Março 2012 NERCAB - Delegação Covilhã AGENDA :, EM SEDE

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

CONSULTÓRIO DE IRS I Em parceria com o Jornal de Negócios

CONSULTÓRIO DE IRS I Em parceria com o Jornal de Negócios CONSULTÓRIO DE IRS I Em parceria com o Jornal de Negócios No contexto de uma parceria do Departamento Fiscal da SRS Advogados com o Jornal de Negócios, temos vindo a publicar naquele jornal o Consultório

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015

NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015 NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015 Lei do Orçamento de Estado para 2015, Reforma da Tributação das Pessoas Singulares, Reforma da Fiscalidade Verde e Outras Alterações Legislativas Relevantes 1. Introdução

Leia mais

Os certificados de poupança podem ser subscritos tanto por pessoas singulares como por empresas a favor e em nome dos seus trabalhadores.

Os certificados de poupança podem ser subscritos tanto por pessoas singulares como por empresas a favor e em nome dos seus trabalhadores. DEDUÇÕES À COLECTA 1) PPR S Planos Poupança-Reforma Integram o conceito genérico de "planos de poupança" os planos de poupançareforma (PPR), os planos de poupança-educação (PPE) e os planos de poupançareforma/educação

Leia mais

PROSPETO INFORMATIVO EUR NB DUAL DESEMPENHO EUROPEU PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PROSPETO INFORMATIVO EUR NB DUAL DESEMPENHO EUROPEU PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO PROSPETO INFORMATIVO EUR NB DUAL DESEMPENHO EUROPEU 07-09 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Desgnação EUR NB DUAL DESEMPENHO EUROPEU 07-09 Classcação Caracterzação do produto Produto Fnancero Complexo Depósto

Leia mais

TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM

TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM \1erra do guaraná" TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ACESSO A INTERNET VIA SATÉLITE ATRAVÉS DE LINK DEDICADO, QUE ENTRE SI FAZEM A CÂMRA MUNICIPAL DE MAUÉS E A EMPRESA C H M

Leia mais

OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS 2013

OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS 2013 OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS 2013 MODELO 13 Portaria n.º 415/2012, de 17/12 MODELO 37 Portaria n.º 413/2012, de 17/12 MODELO 39 Portaria n.º 414/2012, de 17/12 MODELO 42 Portaria n.º 416/2012, de 17/12 DMR -

Leia mais

Documento de Apoio Simulador de Rendas

Documento de Apoio Simulador de Rendas Documento de Apoio Simulador de Rendas O Município de Lisboa desenvolveu um simulador de Cálculo de Rendas que está disponível para o munícipe na página da internet da CML, no seguinte endereço http://simuladorderenda.cm-lisboa.pt

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento CAP RATES, YIELDS E AALIAÇÃO DE IMÓEIS pelo étodo do rendento Publcado no Confdencal Iobláro, Março de 2007 AMARO NAES LAIA Drector da Pós-Graduação de Gestão e Avalação Ioblára do ISEG. Docente das caderas

Leia mais

NEWS TCC SROC Julho 2014

NEWS TCC SROC Julho 2014 Novidades Portal das Finanças - Certificação de Software Foi divulgado pelo despacho n.º 247/2014 de 30 Junho de 2014, a prorrogação para 1 de outubro de 2014 a obrigação de certificação de software de

Leia mais

Avaliação de Económica de Projectos e Cálculo de Tarifas

Avaliação de Económica de Projectos e Cálculo de Tarifas Gestão Avançada ada de Sstemas de Abastecmento de Água Avalação de Económca de Projectos e Cálculo de Tarfas Antóno Jorge Montero 26 de Mao de 2008 Aula 5-1 COCEITO DE PROJECTO Processo específco utlzado

Leia mais

Lei nº 3-B/2010, de 28 de Abril. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Lei nº 3-B/2010, de 28 de Abril. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 Lei nº 3-B/2010, de 28 de Abril Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Artigo 3º - Rendimentos da categoria B nº 3 - Para efeitos do disposto nas alíneas h) e i) do

Leia mais

g ~ autoridade tributária e aduaneira A Portaria n 421/2012, de 21 de dezembro, aprovou os novos modelos de impressos da

g ~ autoridade tributária e aduaneira A Portaria n 421/2012, de 21 de dezembro, aprovou os novos modelos de impressos da Classificação: 000.05.02 Seg.: Pública Proc.: 20 12/9664 Of.Circulado N.' : 20 163 2013-01-30 Entrada Geral: N.' ldentificação Fiscal (NIF): Sua Ref.-: Técnico: MGN Exmos. Senhores Subdiretores-Gerais

Leia mais

PROPOSTA DE LEI da REFORMA DO IRS

PROPOSTA DE LEI da REFORMA DO IRS PROPOSTA DE LEI da REFORMA DO IRS TAX FLASH OUTUBRO 2014 INTRODUÇÃO 2014 ficará marcado, no plano fiscal, como o ano das reformas. Se a proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2015 foi parca em alterações

Leia mais

EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO*

EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO* Artgos Prmavera 2007 EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO* Isabel Correa**. INTRODUÇÃO Apesar das reformas fscas serem um fenómeno recorrente nas últmas décadas em

Leia mais

CATEGORIA A TRABALHO DEPENDENTE

CATEGORIA A TRABALHO DEPENDENTE CATEGORIA A TRABALHO DEPENDENTE A tributação nesta Categoria de rendimentos é fundamentalmente baseada na existência de uma remuneração proveniente do trabalho por conta de outrém. A classificação como

Leia mais

Principais alterações fiscais

Principais alterações fiscais Principais alterações fiscais O E / 2 0 1 3 António Santos Cristina Casalinho José Gante Page 1 Agenda Alterações 2013 1. Alterações IRS e Património; 2. Alterações IRC; 3. Alterações IVA; Page 2 Agenda

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO. Art.º 1º. Art.º 2º. Art.º 3º 1/5

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO. Art.º 1º. Art.º 2º. Art.º 3º 1/5 REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Art.º 1º (Disposições Gerais) 1 A Câmara Municipal de Paredes atribuirá em cada ano letivo as seguintes bolsas de estudo: - 12 bolsas a alunos do 10º ano

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 283/VIII ALTERA O CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 283/VIII ALTERA O CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 283/VIII ALTERA O CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) Exposição de motivos O imposto directo sobre os rendimentos de pessoas singulares é um dos pilares

Leia mais

Facturação (Questões a Abordar)

Facturação (Questões a Abordar) 1 ção (Questões a Abordar) 1. Emissão de facturas Normas fiscais aplicáveis Quem está obrigado; Quais os tipos de documentos a emitir; Elementos obrigatórios dos documentos; Quais as formas de emissão

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à Ordem 19.1. Depósitos à Ordem 17.2. Depósitos a Prazo 19.2. Depósitos a Prazo

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

Projecto Cidadania - 3º Barómetro

Projecto Cidadania - 3º Barómetro Projecto Cidadania - 3º Barómetro 1. A carga fiscal em 2012 será maior do que em 2011: Sim Não Average Para as famílias? 106 (98.1%) 2 (1.9%) 1.02 108 100.0% Para as empresas? 75 (70.8%) 31 (29.2%) 1.29

Leia mais

Custo de Capital. O enfoque principal refere-se ao capital de longo prazo, pois este dá suporte aos investimentos nos ativos permanentes da empresa.

Custo de Capital. O enfoque principal refere-se ao capital de longo prazo, pois este dá suporte aos investimentos nos ativos permanentes da empresa. Custo e Captal 1 Custo e Captal Seguno Gtman (2010, p. 432) o custo e Captal é a taxa e retorno que uma empresa precsa obter sobre seus nvestmentos para manter o valor a ação nalterao. Ele também poe ser

Leia mais

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 O NOVO BANCO vem prestar alguns esclarecimentos que considera úteis para o preenchimento da declaração Modelo 3 de IRS, tomando por base a informação

Leia mais

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS Documentos de Prestação de Contas 2010 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 Fluxos de Caixa Documentos de Prestação de Contas 2010 DOC

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

BENEFÍCIOS FISCAIS E DEDUÇÕES

BENEFÍCIOS FISCAIS E DEDUÇÕES MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2010 Os dados recolhidos são processados automaticamente, destinando-se à prossecução das atribuições legalmente cometidas à administração fiscal. Os interessados

Leia mais

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Tipo de Propriedade 1ª Habitação Residência habitual do agregado familiar (habitação própria permanente). 2ª Habitação Residência não habitual do agregado familiar

Leia mais

Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do. IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final

Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do. IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final TENDÊNCIAS NOS NEGÓCIOS PARA 2015 Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final de 2014. Não deixe de estar por dentro

Leia mais

BENEFÍCIOS FISCAIS E DEDUÇÕES

BENEFÍCIOS FISCAIS E DEDUÇÕES MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2010 ORIGINAL PARA A DGCI 2 P R MINISTÉRIO DAS FINANÇAS ANO DOS RENDIMENTOS BENEFÍCIOS FISCAIS E DEDUÇÕES DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS -

Leia mais

Código Contributivo Uma nova visão. Luís Leon 30 de Novembro de 2010 2010 Deloitte & Associados, SROC, SA

Código Contributivo Uma nova visão. Luís Leon 30 de Novembro de 2010 2010 Deloitte & Associados, SROC, SA Código Contributivo Uma nova visão Luís Leon 30 de Novembro de 2010 2 Novo Código Contributivo Tax Global Employer Services Alargamento da base contributiva Código Contributivo Aproximação ao Código do

Leia mais

LUCRO REAL OU LUCRO PRESUMIDO: POR QUAL OPTAR?

LUCRO REAL OU LUCRO PRESUMIDO: POR QUAL OPTAR? UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUCRO REAL OU LUCRO PRESUMIDO: POR

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DECLARAÇÃO MODELO 3

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DECLARAÇÃO MODELO 3 DECLARAÇÃO MODELO 3 A declaração modelo 3 é apresentada em duplicado, destinando-se o duplicado a ser devolvido ao apresentante no momento da recepção, depois de autenticado, servindo apenas como comprovante

Leia mais

REAL INVESTIMENTO SEGURO Ficha de Produto

REAL INVESTIMENTO SEGURO Ficha de Produto Tipo de Cliente Descrição Segmento-alvo Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. O Real Investimento Seguro é um produto de capitalização a 5 anos, assente num Contrato de Investimento, de entrega

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

PPR EMPRESAS Informações Pré-Contratuais

PPR EMPRESAS Informações Pré-Contratuais TIPO DE CLIENTE Empresas SEGMENTO-ALVO Este produto destina-se a empresas que pretendam oferecer aos seus colaboradores uma remuneração anual extra, com vantagens fiscais, reflectido num complemento de

Leia mais

Fundo de Pensões. Ordem dos Economistas 2012

Fundo de Pensões. Ordem dos Economistas 2012 Fundo de Pensões Ordem dos Economistas 2012 1 Agenda Plano de Pensões da Ordem dos Economistas Fundos de Pensões Site BPI Pensões 2 Âmbito A Ordem dos Economistas decidiu constituir um Plano de Pensões

Leia mais

ÍNDICE. 1. Introdução. 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional. Guia Contabilístico e Fiscal do Renting

ÍNDICE. 1. Introdução. 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional. Guia Contabilístico e Fiscal do Renting ÍNDICE 1. Introdução 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional 3. Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro 9 (NCRF 9) 4. Regime Contabilístico Locatário 5. Regime Fiscal - Locatário 6. Quadro

Leia mais

- DEDUÇÕES Á COLECTA - RETENÇÕES NA FONTE E PAGAMENTOS POR CONTA IMPOSTO PAGAR OU A RECEBER

- DEDUÇÕES Á COLECTA - RETENÇÕES NA FONTE E PAGAMENTOS POR CONTA IMPOSTO PAGAR OU A RECEBER CASADOS x 2 RENDIMENTO BRUTO - DEDUÇÕES ESPECIFICAS RENDIMENTO LIQUIDO - PERDAS DE ANOS ANTERIORES RENDIMENTO LIQUIDO TOTAL - ABATIMENTOS RENDIMENTO COLECTAVEL x TAXA COLECTA - DEDUÇÕES Á COLECTA CASADOS

Leia mais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais 2013: Trabalho de Conclusão de Curso do Mestrado Profssonal em Matemátca - PROFMAT Unversdade Federal de São João del-re - UFSJ Socedade Braslera de Matemátca - SBM A Matemátca Fnancera nos Fnancamentos

Leia mais

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo:

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo: Considere os seguintes limites fixados para os funcionários públicos (P 30-A/2008): Subsídio de Refeição (4,11 ); Transporte em automóvel próprio ( 0,39 por quilómetro). O SP A está sujeito à seguinte

Leia mais

IRS 2015 - E-FATURA. Perguntas e Respostas GUIA JNEGÓCIOS

IRS 2015 - E-FATURA. Perguntas e Respostas GUIA JNEGÓCIOS IRS 2015 - E-FATURA Perguntas e Respostas GUIA JNEGÓCIOS IRS 2015 - e-fatura Guia JNegócios 1 INDICE 1. Questões gerais... 2 I. Porque é que as faturas têm de ser confirmadas?... 2 II. Até quando podem

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010 ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS São João da Madeira, 30 de Março de 2010 1 1 TRIBUTAÇÃO DOS ACTOS ISOLADOS 2 REGIME SIMPLIFICADO 3 MAIS-VALIAS 4 CATEGORIA H - Pensões 5 DECLARAÇÃO Dispensa

Leia mais

newsletter Nº 78 JULHO / 2013

newsletter Nº 78 JULHO / 2013 newsletter Nº 78 JULHO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Julho de 2013 2 O conceito de Indispensabilidade do Gasto para a Realização do Rendimento 3 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL

Leia mais

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem Gastos e operações com o pessoal Os recursos humanos implicam gastos: Remunerações fixas e/ou variáveis recebidas pelos trabalhadores vinculados à empresa por contrato individual de trabalho; Remunerações

Leia mais

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS 1. Qual é a natureza das importâncias atribuídas aos árbitros pela Federação Portuguesa de Futebol? As importâncias em causa são consideradas rendimentos

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 1 IRC 2 Eliminação da Dupla Tributação Económica dos Lucros Distribuídos Na sociedade detentora Eliminação da Dupla Tributação nos Lucros auferidos

Leia mais

Março é mês de pagamento especial por conta

Março é mês de pagamento especial por conta Março é mês de pagamento especial por conta Ao contrário do que constava da proposta de lei, não se verificam grandes alterações no regime fiscal dos pagamentos especiais por conta em consequência da reforma

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Vtóra Agosto de 2013 Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Leia mais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2008 3 A MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - IRS IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S) PASSIVO(S) Sujeito passivo A NIF 06 Sujeito

Leia mais

Avaliação de Empresas

Avaliação de Empresas Avalação de Empresas Gestão Fnancera Gestão Fnancera e Fscal IESF 2009 1 Cândda Botelho 2 1. Introdução... 4 2. Avalação de uma empresa... 4 2.1 Prncpas defnções de valor... 5 2.2 Premssas fundamentas

Leia mais