SERVIÇO DE FINANÇAS DO PORTO 3 IRS / 2012 ABATIMENTOS, DEDUÇÕES E BENEFÍCIOS FISCAIS ABATIMENTOS E DEDUÇÕES ANO DE 2011

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SERVIÇO DE FINANÇAS DO PORTO 3 IRS / 2012 ABATIMENTOS, DEDUÇÕES E BENEFÍCIOS FISCAIS ABATIMENTOS E DEDUÇÕES ANO DE 2011"

Transcrição

1 IRS / 2012 ABATIMENTOS, DEDUÇÕES E BENEFÍCIOS FISCAIS ABATIMENTOS E DEDUÇÕES ANO DE 2011 FR/ AV. FERNÃO MAGALHÃES, PORTO TEL FAX:

2 INDÍCE ALFABÉTICO Abatimentos nas profissões de desgaste rápido, 6 Actividades agrícolas silvícolas e pecuniárias excluídas de tributação, 4 Actos isolados, 5 Contabilidade organizada, 5 Contribuintes residentes não habituais, 8 Dedução à colecta (PPR), 15 Dedução à colecta (regime público de capitalização), 15 Dedução da pensão de alimentos, 10 Dedução de seguros de saúde, 15 Dedução dos encargos com imóveis, 10 Dedução dos encargos com lares, 10 Dedução especifica da categoria A, 4 Dedução específica da categoria H, 8 Deduções à colecta (art. 78º), 9 Deduções ao rendimento da categoria F, 6 Deduções ao rendimento da categoria G, 7 Deduções de donativos, 16 Deduções para deficientes, 13 Deduções pessoais (art.º 79º), 9 Despesas de acompanhamento, 13 Despesas de educação e formação, 9 Despesas de saúde, 9 Dispensa de retenção na fonte, 8 Encargos familiares dedutíveis, 9 Limitações nos encargos com imóveis, 12 Limites nas deduções à colecta (CIRS), 11 Limites nas deduções à colecta (EBF), 17 Limites nas responsabilidades parentais, 12 Pensão de alimentos, 10 Prazos para entrega das declarações, 3 Regras transitórias, 3 Rendimento de capitais (categoria E), 6 Rendimentos da categoria B, 5 Rendimentos de mais valias (categoria G), 7 Rendimentos de pensões (categoria H), 8 Rendimentos obtidos por deficientes, 4 Rendimentos prediais (categoria F), 6 Taxas Tabela prática, 14 Valor de aquisição a título gratuito (bens imóveis), 7 2

3 DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS IRS / 2012 PRAZOS PARA ENTREGA DA DECLARAÇÃO ART. 60º Declarações entregues em suporte de papel 1 Durante o mês de Março, quando os contribuintes apenas hajam recebido ou tenham sido colocados à sua disposição rendimentos das categorias A (trabalho dependente) e/ou H (pensões) 2 Durante o mês de Abril, nos restantes casos Declarações enviadas pela Internet 3 Durante o mês de Abril, quando os contribuintes apenas hajam recebido ou tenham sido colocados à sua disposição rendimentos das categorias A (trabalho dependente) e/ou H (pensões) 4 Durante o mês de Maio, nos restantes casos REGRAS TRANSITÓRIAS NO IRS (ART. 98º DA LEI 55-A/2010 DE 31/12 (OE/2011)) IAS = 419,22 SMN = 475,00 (IAS) Indexante dos apoios sociais, instituído pela Lei 53-B/2006 de 29/12, alterada pela Lei 3-B/2010 de 28/04. Até que este indexante (IAS = 419,22) atinja o valor da retribuição mínima mensal garantida (SMN = 475,00) em vigor para o ano de 2010, mantém-se aplicável este último valor para efeitos de indexação nas seguintes situações: Art. 12º - Delimitação negativa da incidência; Art. 17º-A Regime opcional para os não residentes; Art. 25º - Dedução específica da categoria A; Art. 53º - Dedução específica da categoria H; (art. 111º da Lei 64-B/2011 de 30/12) Art. 79º - Deduções personalizadas; Art. 83º - Despesas de educação e formação; Art. 84º - Encargos com lares; Art. 87º - Deduções dos deficientes. Para que as deduções, incluindo as personalizadas, sejam consideradas para efeitos de IRS, é obrigatório que o número de contribuinte (NIF) dos descendentes, ascendentes, colaterais ou beneficiários a que se reportem, esteja indicado na declaração Mod.3. No que toca às despesas, devem em factura ou documento equivalente estar devidamente identificadas nos termos legais, em nome do sujeito passivo ou do membro do agregado familiar que conste da declaração do Mod.3 IRS 3

4 RENDIMENTOS DE TRABALHO DEPENDENTE (CATEGORIA A) ART. 2º DEDUÇÕES AO RENDIMENTO BRUTO ART. 25º 1 DEDUÇÃO ESPECÍFICA: Deduz até à sua concorrência, por cada titular que tenha auferido rendimentos: (72% x 12 x 475,00 = 4.104,00) 2 As indemnizações pagas pelo trabalhador à sua entidade patronal por rescisão unilateral do contrato de trabalho sem aviso prévio em resultado de sentença judicial ou de acordo judicialmente homologado. Nos restantes casos a indemnização não pode exceder a remuneração do aviso prévio ,00 3 Quotas sindicais, que não constituam contrapartida de benefícios, deduzem: Por cada contribuinte, o valor da quota até ao limite de 1% do R. Bruto, sendo acrescida de 50%. 4 Se as contribuições obrigatórias para a Segurança Social e para Subsistemas legais de saúde forem superiores à dedução indicada em 1 deve, neste caso, optar-se por essas contribuições A dedução específica prevista em 1 pode ser elevada até (75% x 12 x 475,00) sempre que o contribuinte suportar: (art. 25º n.º 4) a) Quotas para ordens profissionais, indispensáveis ao exercício exclusivo da actividade por conta de outrem; 4.275,00 b) Despesas de formação profissional, administradas por entidades de competência reconhecida pelo ministro competente. ACTIVIDADES AGRÍCOLAS, SILVÍCOLAS E PECUÁRIAS São excluídos de tributação os rendimentos destas actividades quando o valor dos proveitos ou das receitas isoladamente ou em cumulação com os rendimentos ilíquidos sujeitos, ainda que isentos, desta ou de outras categorias que devam ser ou tenham sido englobados, não exceda por agregado familiar quatro vezes e meia o valor anual do IAS. (art. 3 n.º 4 do CIRS): 4,5 X 12 x 419,22 = ,88 RENDIMENTOS OBTIDOS POR DEFICIENTES RENDIMENTOS COM LIMITE ART. 69º DA LEI 64-A/2008 DE 31/12 (OE/2009) Os rendimentos brutos de cada uma das categorias A, B e H auferidos por sujeitos passivos com deficiência (incapacidade igual ou superior a 60%) são considerados para efeitos de IRS em, 2012, apenas por 90%. A parte do rendimento excluída de tributação não pode exceder EM 2012, por categoria de rendimentos, 2.500,00 4

5 RENDIMENTOS EMP. E PROFISSIONAIS (CATEGORIA B) ART. 3º E 4º REGIME SIMPLIFICADO ART. 31º 1 Ficam abrangidos pelo regime simplificado os contribuintes que, no exercício da sua actividade, não tenham ultrapassado no período de tributação imediatamente anterior um montante anual ilíquido de rendimentos da categoria B de ,00 (art. 28º n.º 2) 2 O regime simplificado cessa a sua aplicação apenas quando o montante atrás referido seja ultrapassado em 2 períodos de tributação consecutivos ou, quando o seja num único exercício, em montante superior a 25% ( ,00 x 25% = ,00), caso em que a tributação pelo regime de contabilidade organizada se fará a partir do período de tributação seguinte ao da verificação de qualquer desses factos. (art. 28º n.º 6) 3 O rendimento tributável da categoria B, excluindo a variação da produção, é obtido por aplicação dos seguintes indicadores: A. 0,20 Do valor das vendas de mercadorias e de produtos; B. 0,20 Das prestações de serviços no âmbito das actividades hoteleiras e similares; C. 0,20 Do montante dos subsídios destinados à exploração; D. 0,70 Dos restantes rendimentos desta categoria, incluindo mais-valias apuradas nos termos do art. 46º do CIRC, designadamente as resultantes da transferência para o património particular do empresário. E. Quando for o caso, o montante resultante dos indicadores atrás referidos é adicionado aos rendimentos decorrentes de prestações de serviços efectuadas pelo sócio a uma sociedade abrangida pelo regime de transparência fiscal, nos termos da alínea b) do n.º 1 do art. 6º do CIRC ACTOS ISOLADOS ART. 30º 4 A determinação do rendimento tributável dos actos isolados está sujeita ao regime simplificado ou de contabilidade organizada, conforme resulte do disposto no art. 28º: Até ,00 está sujeita ao regime simplificado; Acima ,00 está sujeita ao regime de contabilidade organizada. CONTABILIDADE ORGANIZADA ART. 32º 5 A determinação dos rendimentos empresariais e profissionais não abrangidos pelo regime simplificado é efectuada de acordo com as regras estabelecidas no CIRC com as adaptações que resultem do CIRS. 5

6 RENDIMENTO DE CAPITAIS (CATEGORIA E) ART. 5º 1 Esta categoria de rendimentos não tem dedução específica, porém, integram-na alguns rendimentos que não são tributados pela totalidade: (art. 40º-A). Lucros ou dividendos pagos, quando englobados são considerados por apenas 50% do seu valor. Rendimentos resultantes da partilha em consequência da liquidação de sociedades, quando englobados são considerados por apenas 50% do seu valor (art. 75º e 81º do CIRC) RENDIMENTOS PREDIAIS (CATEGORIA F) ART. 8º DEDUÇÕES AO RENDIMENTO BRUTO ART. 41º 1 O sujeito passivo titular dos rendimentos prediais (rendas) podem, desde que por si tenham sido suportados, deduzir-se os seguintes encargos: Despesas de manutenção; Despesas de conservação; Contribuição autárquica (IMI) dos prédios cujo rendimento é englobado; d) Condomínio, no caso de fracção autónoma (propriedade horizontal). PROFISSÕES DE DESGASTE RÁPIDO: ABATIMENTOS ART. 27º São dedutíveis ao rendimento, e até à sua concorrência, as importâncias despendidas pelos sujeitos passivos que desenvolvam profissões de desgaste rápido, na constituição de seguros de doença, de acidentes pessoais e de seguros de vida que garantam exclusivamente os riscos de morte, invalidez ou reforma por velhice. Neste último caso desde que o benefício seja garantido após os 55 anos de idade, e desde que os mesmos não garantam o pagamento e este não se verifique, nomeadamente, por resgate ou adiantamento de qualquer capital em dívida durante os primeiros 5 anos, com o limite de cinco vezes o valor do IAS. Limite: 5 x 419,22 = 2.096,10 6

7 RENDIMENTOS DE MAIS-VALIAS (CATEGORIA G) ART. 10º 1 O rendimento de mais-valias corresponde ao saldo apurado entre as mais-valias e as menos valias realizadas no mesmo ano, determinadas de acordo com os artigos 44º a 50º do CIRS. O saldo das transmissões a seguir indicadas é considerado apenas em 50% do seu valor: Alienação ou permuta de bens imóveis; Alienação de direitos de autor quando o transmitente não seja o titular originário; Cessão de posições contratuais ou outros relativos a bens imóveis. 2 O saldo positivo entre as mais-valias e as menos valias resultante das operações a seguir indicadas (sem englobamento) é tributado autonomamente à taxa de 25%: (n.º 4 do art. 72º) Partes sociais; (acções, quinhões, quotas) Operações relativas a instrumentos financeiros; Operações relativas a warrants autónomos Operações relativas a alguns certificados. DEDUÇÕES AO RENDIMENTO BRUTO ART. 51º Para se determinar as mais-valias sujeitas a imposto, ao valor de aquisição acrescem: Os encargos com a valorização dos bens, comprovadamente realizados nos últimos 5 anos e as despesas necessárias efectivamente praticadas inerentes à aquisição e alienação dos bens identificados no acima ponto 1. As despesas necessárias e efectivamente praticadas inerentes à alienação das operações identificadas no acima referido ponto 2. BENS IMÓVEIS VALOR DE AQUISIÇÃO A TÍTULO GRATUITO ART. 45º 3 No caso de direitos reais sobre bens imóveis adquiridos por doação isenta, considera-se valor de aquisição o valor patrimonial tributário constante da matriz até aos 2 anos anteriores à doação. [art. 6º al. e) do CIS] 7

8 RENDIMENTOS DE PENSÕES (CATEGORIA H) ART. 11º DEDUÇÕES AO RENDIMENTO BRUTO ART. 53º 1 DEDUÇÃO ESPECÍFICA: Deduz até à sua concorrência, por cada titular que tenha auferido os rendimentos: (72% x 12 x 475,00) 2 Os rendimentos de pensões de valor anual superior a ,00 por cada titular, têm uma dedução de 4.104,00, abatida, até à sua concorrência, de 20% da parte que excede aquele montante anual ,00 3 Quotas sindicais, que não constituam contrapartida de benefícios, deduzem: Por cada contribuinte, o valor da quota até ao limite de 1% do R. Bruto, sendo acrescida de 50%. CONTRIBUINTES RESIDENTES NÃO HABITUAIS Quando se trate de remunerações mensalmente pagas ou postas à disposição de residentes não habituais em território português que sejam rendimentos de categoria A auferidas em actividades de elevado valor acrescentado, com carácter científico, artístico ou técnico, definidas em portaria do membro do Governo responsável pela área das finanças, aplica-se a taxa de 20%. (art. 16º n.º 6 e art. 3º n.º 6 do DL 42/91 de 22/01) DISPENSA DE RETENÇÃO NA FONTE Estão dispensados de retenção na fonte, excepto quando esta deva ser efectuada mediante taxas liberatórias: (art. 9º do DL 42/91 de 22/01) 1. O rendimento das categorias B e F quando o respectivo titular preveja auferir em cada uma das categorias um montante anual inferior ao fixado no n.º 1 do art. 53º do CIVA; 2. Os rendimentos da categoria B, quando respeitem a reembolsos de despesas efectuadas em nome e por conta do cliente; 3. Os rendimentos da categoria B, quando respeitem a reembolsos de despesas de deslocação e estadas devidamente documentadas correspondentes a serviços prestados por terceiros e que sejam inequívoca, directa e totalmente imputadas a um cliente determinado; 4. Os rendimentos da categoria E, sempre que o montante de cada retenção seja inferior a 4,99; 5. Os rendimentos da categoria A, que respeitem a actividades exercidas no estrangeiro por pessoas singulares residentes em território português, sempre que tais rendimentos sejam sujeitos a tributação efectiva no pais da fonte em imposto similar ou idêntico ao IRS NOTA: Não há dispensa de retenção na fonte para as comissões por intermediação na celebração de quaisquer contratos. 8

9 ENCARGOS FAMILIARES DEDUTIVEIS (PARA RESIDENTES EM PORTUGAL) DEDUÇÕES À COLECTA ARTº 78º ART. 79º DEDUÇÕES PESSOAIS: 1. Por cada sujeito passivo: (475,00 x 55%) 3.Por sujeito passivo (nas famílias monoparentais): (475,00 x 80%) 4.Dependentes ou afilhados civis (cada): (475,00 x 40%) 5.Ascendente que viva em economia comum (cada): (475,00 x 55%) 6.Se existir apenas um ascendente: (475,00 x 85%) 7.Dependente até 3 anos (475,00 x 80%) 261,25 380,00 190,00 261,25 403,75 380,00 ART. 82º DESPESAS DE SAÚDE: São dedutíveis à colecta 10% das importâncias a seguir indicadas com o limite de duas vezes o IAS (2x419,22 = 838,44) Aquisição de bens e serviços directamente relacionados com despesas de saúde do sujeito passivo e do seu agregado familiar que sejam isentas de IVA, ainda que haja renúncia à isenção, ou sujeitas à taxa reduzida de 6% Aquisição de bens e serviços directamente relacionados com despesas de saúde dos afilhados civis, ascendentes e colaterais até ao 3º grau do sujeito passivo que sejam isentas de IVA, ainda que haja renúncia à isenção, ou sujeitas à taxa reduzida de 6%, desde que não possuam rendimentos superiores à retribuição mínima mensal e com aquele vivam em economia comum. 838,44 Os juros de dívidas contraídas para o pagamento das despesas de saúde acima referidas Nos agregados com 3 ou mais dependentes a seu cargo o limite de 838,44 é elevado em 30% do IAS por cada dependente, caso existam, relativamente a todos eles, despesas de saúde. Ou seja: (30% x 419,22 = 125,77) -----///----- Outras despesas de saúde (com receita médica) do sujeito passivo, do seu agregado familiar, dos seus ascendentes e colaterais até ao 3º grau com o limite máximo de 65,00 ou de 2,5% das importâncias atrás referidas. ART. 83º DESPESAS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO: Deduzem 30% das despesas de educação e de formação profissional do sujeito passivo e dos seus dependentes ou afilhados civis, independentemente do estado civil do sujeito passivo, até ao limite de 160% do IAS: (475,00 x 1,6) Nos agregados com três ou mais dependentes ou afilhados civis a cargo o limite atrás referido será elevado por cada dependente, caso existam para todos eles despesas de educação ou formação, 30% do IAS. (475,00 x 30%). 760,00 142,50 9

10 ART. 83º-A PENSÕES DE ALIMENTOS: Deduzem 20% das importâncias comprovadamente suportadas e não reembolsadas referentes aos encargos com as pensões a que o sujeito passivo esteja obrigado por sentença judicial ou por acordo judicialmente homologado nos termos da lei civil, excepto quando o beneficiário da pensão faça parte do mesmo agregado familiar ou relativamente ao qual estejam previstas deduções no art.º 78º, com o limite mensal de um IAS, por beneficiário. Ou seja: 1x 419, /////----- ART. 84º ENCARGOS COM LARES: Deduzem 25% dos encargos com apoio domiciliário, lares e outras instituições de apoio à 3ª idade relativos aos sujeitos passivos, bem como dos encargos com lares e residências autónomas para pessoas com deficiência, seus dependentes, ascendentes e colaterais até ao 3º grau que não possuam rendimentos superiores ao salário mínimo nacional com o limite de 85% do IAS (475,00 x 85%) 403,75 ART. 85º ENCARGOS COM IMÓVEIS: Deduzem 15% dos juros de dívidas por contratos celebrados até 31 de Dezembro de 2011, contraídas com a aquisição, construção ou beneficiação de imóveis para habitação própria e permanente ou arrendamento para habitação permanente do arrendatário até ao limite. Deduzem 15% das prestações por contratos celebrados até 31 de Dezembro de 2011, com cooperativas de habitação para aquisição de imóveis destinados à habitação própria e permanente do arrendatário, na parte que respeitem a juros e amortizações das dívidas até ao limite. Deduzem 15% das Importâncias pagas a título de rendas por contrato de locação financeira celebrado até 31 de Dezembro de 2011 relativo a imóveis para a habitação para a habitação própria e permanente efectuadas ao abrigo deste regime, na parte que não constituam amortização de capital até ao limite. 591,00 Deduzem 15% das Importâncias líquidas de subsídios, suportadas a título de renda pelo arrendatário de prédio para fins de habitação permanente até ao limite. (DL 321-B/90 de 15/10 ou Lei 6/2006 de 27/02) NOTA: Estas deduções não são cumulativas Os limites (atrás referidos) relativos a juros e amortizações e prestações por contratos com cooperativas de habitação a seguir indicados serão elevados, atendendo aos escalões previstos na tabela do art. 68º, nas seguintes condições: (art. 85º n.º 7) Em 50% para os sujeitos passivos com rendimento colectável até ao limite do 2º escalão Em 20% para os sujeitos passivos com rendimento colectável até ao limite do 3º escalão Em 10% para os sujeitos passivos com rendimento colectável até ao limite do 4º escalão 886,50 709,20 650,10 10

11 LIMITE NAS DEDUÇÕES À COLECTA CIRS DEDUÇÕES À COLECTA ART. 82º - DESPESAS DE SAÚDE ART. 83º - DESPESAS DE EDUC. E FORMAÇÃO ART. 83º-A PENSÕES DE ALIMENTOS ART. 84º - ENCARGOS COM LARES ART. 85º - ENCARGOS COM IMÓVEIS A soma das deduções à colecta consideradas nos artigos referidos ao lado não podem exceder os limites abaixo fixados. Os limites previstos para os 3º, 4º, 5º e 6º escalões serão majorados em 10% por cada dependente ou afilhado civil que não seja sujeito passivo de IRS. RENDIMENTO COLECTÁVEL ESCALÕES LIMITE Até 4.898,00 1º Sem limite De mais de 4.898,00 até 7.410,00 2º Sem limite De mais de 7.410,00 até ,00 3º 1.250,00 De mais de ,00 até ,00 4º 1.200,00 De mais de ,00 até ,00 5º 1.150,00 De mais de ,00 até ,00 6º 1.100,00 De mais de ,00 até ,00 7º 0,00 Superior a ,00 8º 0,00 11

12 LIMITAÇÕES (RENPONSABILIDADES PARENTAIS) ART. 78º Nos casos em que as responsabilidades parentais relativas aos filhos são exercidas em comum por ambos os progenitores, por força de divórcio, Separação judicial de pessoas e bens, declaração de nulidade ou anulação do casamento, as deduções à colecta são efectuadas nos seguintes termos: (art. 78º n.º 9) Deduções pessoais: - Por cada filho deduz 50% x (475,00 x 40%). (É o dobro no caso em que os filhos não ultrapassem os 3 anos de idade em 31 de Dezembro do ano a que o imposto respeita) Deduções dos encargos: - 50% do limite dos prémios de seguros de vida ou das contribuições pagas a associações mutualistas de deficientes. - 50% dos restantes limites tais como: Encargos com saúde, Encargos com a educação e formação Encargos com seguros de saúde Encargos com lares. Benefícios fiscais LIMITAÇÕES (ENCARGOS COM IMÓVEIS) ART.º 85º Os encargos com imóveis abaixam identificados previstos nas alíneas a), b) e c) do n.º 1 do art. 85º do CIRS serão considerados, para efeitos de IRS nas condições adiante discriminadas. Juros de dívida com aquisição, construção, Contratos celebrados com cooperativas, 75% No ano de % No ano de % No ano de 2015 A partir de 2016, inclusive, deixam de ser dedutíveis no IRS Rendas por contrato com locação financeira 85% No ano de 2013 Os encargos com rendas para habitação própria e permanente celebrados com base nos regimes do arrendamento urbano (DL 321-B/90 de 15/10 e Lei 6/2006 de 27/02) serão considerados, para efeitos de IRS nas condições adiante discriminadas: 70% No ano de % No ano de % No ano de % No ano de 2017 A partir de 2018, inclusive, deixam de ser dedutíveis no IRS 12

13 DEDUÇÃO RELATIVA ÀS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA (A) ART. 87º - DEFICIENTES Dedução relativa a pessoas com deficiência (incapacidade igual ou superior a 60%): Por cada sujeito passivo com deficiência deduz: (4 X 475,00) Por cada dependente com deficiência deduz: (1,5 x 475,00) Por cada ascendente com deficiência deduz: (1,5 x 475,00) 1.900,00 712,50 712,50 30% da totalidade das despesas com a educação e reabilitação dos sujeitos passivos e/ou dependentes com deficiência; 25% da totalidade dos prémios de seguros de vida que garantam riscos de morte, invalidez ou reforma por velhice e neste ultimo caso o benefício seja garantido após os 55 anos de idade e 5 anos de duração do contrato em que sujeitos passivos e dependentes figurem como primeiros beneficiários até ao limite de 15% da colecta do IRS. No caso de contribuições pagas para reforma por velhice, o benefício ser garantido após os 55 anos de idade e 5 anos de duração do contrato, ser pago por aquele ou por terceiros e desde que neste caso tenham sido tributados como rendimentos do sujeito passivo, a dedução será: Sujeito passivo não casado, até ao limite de 65,00 Sujeitos passivos casados, até ao limite de 130,00. (B) No caso de o sujeito passivo ser militar, além das deduções em (A), deduz ainda uma importância igual a 1 x 475,00 475,00 DESPESAS DE ACOMPANHAMENTO ART. 87º N.º 6 (C) É dedutível à colecta, a título de despesa de acompanhamento uma importância igual a 4 x 475,00por cada sujeito passivo ou dependente, cujo grau de invalidez permanente devidamente comprovado pela entidade competente seja igual ou superior a 90% ,00 NOTA: As deduções previstas em A, B e C são cumulativas 13

14 TABELA PRÁTICA TAXAS (ART. 68º) RENDIMENTO COLECTÁVEL ESCALÕES TAXAS PARCELA A ABATER Até 4.898,00 1º 11,50 % 00,00 De mais de 4.898,00 até 7.410,00 2º 14,00 % 122,45 De mais de 7.410,00 até ,00 3º 24,50 % 900,50 De mais de ,00 até ,00 4º 35,50 % 2.921,75 De mais de ,00 até ,00 5º 38,00 % 3.978,23 De mais de ,00 até ,00 6º 41,50 % 6.121,77 De mais de ,00 até ,00 7º 43,50 % 7.442,67 Superior a ,00 8º 46,50 % ,67 TAXA ADICIONAL ART. 68º-A (apenas aos rendimentos auferidos durante os anos de 2012 e 2013 art. 111º da Lei 64-B de 2011 de 30/12) Ao quantitativo do rendimento colectável superior a ,00 é aplicada a taxa adicional de 2,5% Tratando-se de sujeitos passivos casados e não separados judicialmente de pessoas e bens, a taxa de 2,5% aplica-se à diferença positiva entre a divisão por 2 do rendimento colectável e o limite estabelecido no mesmo número, multiplicada por 2. 14

15 ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS (EBF) (DL 215/89 DE 01/07) DEDUÇÕES À COLECTA ART. 88º DO CIRS (RPC) Regime Público de Capitalização: Por cada sujeito passivo deduz 20% dos valores aplicados até ao limite: (Art.º 17 do EBF) 350,00 (PPR) Planos poupança-reforma: Por cada sujeito passivo deduzem 20% do valor aplicado, com os limites máximos a seguir indicados, desde que em 31 de Dezembro do ano do imposto: (Art.º 21º n.º 2 do EBF) O sujeito passivo tenha idade inferior a 35 anos; O sujeito passivo tenha idade compreendida entre 35 e 50 anos O sujeito passivo tenha idade superior a 50 anos 400,00 350,00 300,00 REFORMADOS: Os valores aplicados nos PPRs após a data da passagem à reforma não são dedutíveis. (art. 21º n.º 10 do EBF) Reforma, Complemento de reforma, Invalidez e Sobrevivência (art. 16º n.º 3 do EBF) Contribuições individuais, fundos de pensões e outros regimes complementares de segurança social que garantam exclusivamente reforma, complemento de reforma, invalidez e sobrevivência, deduzem à colecta do IRS mas estão sujeitas às mesmas regras que se aplicam ao PPR com as devidas adaptações /////----- NOTA: Estes benefícios e os PPRs são cumuláveis não podendo no seu conjunto exceder os limites fixados no n.º 2 do art. 21º do EBF SEGUROS DE SAÚDE (ART. 74º do EBF) São dedutíveis 10% das importâncias pagas com prémios de seguros ou contribuições pagas a associações mutualistas ou a instituições sem fins lucrativos que tenham por objecto a prestação dos cuidados de saúde que cubram exclusivamente riscos de saúde relativamente ao sujeito passivo ou aos seus dependentes, pagos por aquele ou por terceiros, desde que neste caso, tenham sido comprovadamente tributados como rendimento do sujeito passivo, com os seguintes limites: Não casados ou separados judicialmente até ao limite de: Casados e não separados de pessoas e bens até ao limite de: 50,00 100,00 Por cada dependente a cargo os limites são elevados em 25,00 15

16 NOÇÃO DE DONATIVO: Para efeitos fiscais, os donativos constituem entregas em dinheiro ou em espécie, concedidos sem contrapartidas que configurem obrigações de carácter pecuniário ou comercial, às entidades públicas ou privadas, cuja actividade consista predominantemente na realização de iniciativas nas áreas social, cultural, ambiental, desportivo ou educacional. (art. 61º do EBF) DEDUÇÕES À COLECTA (DONATIVOS) ART. 63º DO EBF Os donativos em dinheiro atribuídos pelas pessoas singulares, residentes em território nacional, são dedutíveis à colecta do IRS do ano a que digam respeito nas seguintes condições: 25% Das importâncias atribuídas nos casos em que não há limite; 25% Das importâncias atribuídas, até ao limite de 15% da colecta do IRS, nos restantes casos; 25% Das importâncias atribuídas até ao limite de 15% da colecta do IRS, quando se destinem a igrejas, instituições religiosas, pessoas colectivas sem fins lucrativos pertencentes a confissões religiosas. Aos donativos atrás referidos serão acrescidos: 40% Do seu valor se os fins a que se destinem forem exclusivamente de carácter social; 20% Do seu valor se os fins a que se destinem forem exclusivamente de carácter cultural, ambiental, científico ou tecnológico, desportivo ou educacional; 30% Do seu valor quando atribuídos ao abrigo de contratos plurianuais celebrados para fins específicos com objectivos fixados pelas entidades donatárias e os montantes a atribuir pelos doadores; 30% Do seu valor quando atribuídos a igrejas, instituições religiosas, pessoas colectivas sem fins lucrativos pertencentes a confissões religiosas. NOTA: Os donativos em dinheiro de valor superior a 200,00 devem ser efectuados através de meio de pagamento que permita a identificação do mecenas. Designadamente transferência bancária, cheque nominativo ou débito directo. (art. 66º n.º 3 do EBF) Entidades a quem os donativos atribuídos são considerados na totalidade: Estado, Regiões autónomas e autarquias locais e qualquer dos seus serviços estabelecimentos e organismos ainda que personalizados; Associações de municípios e de freguesias; Fundações em que o Estado, as Regiões autónomas ou as autarquias locais participem no património inicial; Fundações de iniciativa exclusivamente privada que prossigam fins de natureza predominantemente social ou cultural, relativamente à dotação inicial. NOTA: Os donativos concedidos a estas entidades estão sujeitos a reconhecimento a efectuar por despacho conjunto do Ministro das Finanças e da tutela. (art. 63º n.º 9 do EBF) 16

17 LIMITE NAS DEDUÇÕES À COLEXTA EBF DEDUÇÕES À COLECTA ART. 17º - REGIME PÚBLICO DE CAPITALIZAÇÃO (RCP) ART. 21º - PLANOS POUPANÇA REFORMA (PPR) ART. 16º - REFORMA, COMPL. DE REFORMA, INVALIDEZ ART. 74º - SEGUROS DE SAÚDE ART. 63º - DONATIVOS A soma das deduções à colecta consideradas nos artigos referidos ao lado não podem exceder os limites abaixo fixados. RENDIMENTO COLECTÁVEL ESCALÕES LIMITE Até 4.898,00 1º Sem limite De mais de 4.898,00 até 7.410,00 2º Sem limite De mais de 7.410,00 até ,00 3º 100,00 De mais de ,00 até ,00 4º 80,00 De mais de ,00 até ,00 5º 60,00 De mais de ,00 até ,00 6º 50,00 De mais de ,00 até ,00 7º 50,00 Superior a ,00 8º 00,00 17

18 18

MOD.3. Peça a sua senha em:

MOD.3. Peça a sua senha em: MOD.3 2 008 Envie a declaração de rendimentos pela internet: > É gratuito > É disponibilizada ajuda no preenchimento, evitando erros > Evita filas de espera e deslocações Peça a sua senha em: www.e-financas.gov.pt

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

IRSIRSIRSIRSIRS. www.e-financas.gov.pt. mod.3 2006. Envie a declaração de rendimentos pela internet. Peça a sua senha em: www.e-financas.gov.

IRSIRSIRSIRSIRS. www.e-financas.gov.pt. mod.3 2006. Envie a declaração de rendimentos pela internet. Peça a sua senha em: www.e-financas.gov. DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS IRSIRSIRSIRSIRS IRSIRSIRSIRSIRS IRSIRSIRSIRSIRS I R S mod.3 2006 Envie a declaração de rendimentos pela internet. Peça a sua senha em: www.e-financas.gov.pt - Declarações entregues

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2015

SEGUROS DE VIDA IRS 2015 SEGUROS DE VIDA IRS 2015 (Lei n.º 82-B/2014 de 31 de Dezembro e Lei n.º 82-E/2014, de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2015 - Seguros de Vida Índice I II III Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2.

Leia mais

Tabela de deduções à coleta e benefícios fiscais

Tabela de deduções à coleta e benefícios fiscais IRS 2014 Tabela de deduções à e benefícios fiscais Rúbrica Pessoais e familiares i) Contribuinte 427,50 213,75 ii) Famílias monoparentais - 332,50 iii) Dependentes 213,75 213,75 Dependentes

Leia mais

JUROS DE HABITAÇÃO PERMANENTE, PRÉMIOS DE SEGUROS, COMPARTICIPAÇÕES EM DESPESAS DE SAÚDE, PPR, FUNDOS DE PENSÕES E REGIMES COMPLEMENTARES

JUROS DE HABITAÇÃO PERMANENTE, PRÉMIOS DE SEGUROS, COMPARTICIPAÇÕES EM DESPESAS DE SAÚDE, PPR, FUNDOS DE PENSÕES E REGIMES COMPLEMENTARES DECLARAÇÃO (art.º 127.º do CIRS) JUROS DE HABITAÇÃO PERMANENTE, PRÉMIOS DE SEGUROS, COMPARTICIPAÇÕES EM DESPESAS DE SAÚDE, PPR, FUNDOS DE PENSÕES E REGIMES COMPLEMENTARES IRS MODELO 37 NÚMERO DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Regime Fiscal 2013 - Seguros Reais e de Poupança -

Regime Fiscal 2013 - Seguros Reais e de Poupança - Regime Fiscal i) Pessoas Singulares 1. PPR Plano Poupança Reforma pág.2 2. Seguros Vida: Capitalização e Reais pág.4 3. Seguros de Acidentes Pessoais pág.4 4. Seguro de Saúde pág.5 5. Regimes Especiais

Leia mais

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares.

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. Estamos à sua disposição para o aconselhar em questões

Leia mais

g ~ autoridade tributária e aduaneira A Portaria n 421/2012, de 21 de dezembro, aprovou os novos modelos de impressos da

g ~ autoridade tributária e aduaneira A Portaria n 421/2012, de 21 de dezembro, aprovou os novos modelos de impressos da Classificação: 000.05.02 Seg.: Pública Proc.: 20 12/9664 Of.Circulado N.' : 20 163 2013-01-30 Entrada Geral: N.' ldentificação Fiscal (NIF): Sua Ref.-: Técnico: MGN Exmos. Senhores Subdiretores-Gerais

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2014

SEGUROS DE VIDA IRS 2014 SEGUROS DE VIDA IRS 2014 (Lei n.º 66-B/2012 de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2014 - Seguros de Vida Índice 3 Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2. Tributação dos benefícios 2.1. Indemnizações por

Leia mais

Fiscalidade de Seguros

Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros (aplicável a partir de 01 de Janeiro de 2015) O presente documento tem natureza meramente informativa, de carácter necessariamente geral, e não constitui nem

Leia mais

1. Rosto. Quadro 5 Residência fiscal

1. Rosto. Quadro 5 Residência fiscal Classificação: 0 0 0. 0 1. 0 9 Seg.: Pública Proc.: 2 0 1 2 / 5 9 DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO Of.Circulado N.º: 20 156/2012 2012-02-02 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF):

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS 2013

OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS 2013 OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS 2013 MODELO 13 Portaria n.º 415/2012, de 17/12 MODELO 37 Portaria n.º 413/2012, de 17/12 MODELO 39 Portaria n.º 414/2012, de 17/12 MODELO 42 Portaria n.º 416/2012, de 17/12 DMR -

Leia mais

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS 1 O E / 2008 IRC 2 Apresentação 1. Acolhimento de recomendações da OCDE 2. Combate à evasão fiscal 3. Aperfeiçoamentos técnico-legislativos 4. Medidas de simplificação

Leia mais

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo?

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo? SEGURO VIDA Que tipo de seguros são explorados no ramo vida? A actividade do ramo Vida consiste na exploração dos seguintes seguros e operações: Seguro de Vida, Seguro de Nupcialidade /Natalidade, Seguro

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2008 3 A MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - IRS IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S) PASSIVO(S) Sujeito passivo A NIF 06 Sujeito

Leia mais

Os certificados de poupança podem ser subscritos tanto por pessoas singulares como por empresas a favor e em nome dos seus trabalhadores.

Os certificados de poupança podem ser subscritos tanto por pessoas singulares como por empresas a favor e em nome dos seus trabalhadores. DEDUÇÕES À COLECTA 1) PPR S Planos Poupança-Reforma Integram o conceito genérico de "planos de poupança" os planos de poupançareforma (PPR), os planos de poupança-educação (PPE) e os planos de poupançareforma/educação

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X Benefícios fiscais relativos ao mecenato Artigo 61.º Noção de donativo Para efeitos fiscais, os donativos constituem entregas em dinheiro ou em espécie, concedidos,

Leia mais

EM QUE CONSISTE? QUAL A LEGISLAÇÃO APLICÁVEL?

EM QUE CONSISTE? QUAL A LEGISLAÇÃO APLICÁVEL? EM QUE CONSISTE? As entidades devedoras de pensões, com exceção das de alimentos, são obrigadas a reter o Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) no momento do seu pagamento ou colocação

Leia mais

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Setúbal, 28 de Introdução No âmbito das relações com o sistema desportivo, a partilha de competências entre o Estado e o movimento associativo deverá sempre

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

Lei nº 3-B/2010, de 28 de Abril. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Lei nº 3-B/2010, de 28 de Abril. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 Lei nº 3-B/2010, de 28 de Abril Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Artigo 3º - Rendimentos da categoria B nº 3 - Para efeitos do disposto nas alíneas h) e i) do

Leia mais

Documento de Apoio Simulador de Rendas

Documento de Apoio Simulador de Rendas Documento de Apoio Simulador de Rendas O Município de Lisboa desenvolveu um simulador de Cálculo de Rendas que está disponível para o munícipe na página da internet da CML, no seguinte endereço http://simuladorderenda.cm-lisboa.pt

Leia mais

MECENATO ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X BENEFÍCIOS RELATIVOS AO MECENATO. Artigo 56.º-C Noção de donativo

MECENATO ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X BENEFÍCIOS RELATIVOS AO MECENATO. Artigo 56.º-C Noção de donativo MECENATO (O artigo 87.º, n.º 3, alínea f), da Lei n.º 53-A/2006, de 29 de Dezembro (Lei do Orçamento do Estado para 2007), revogou o Estatuto do Mecenato aprovado pelo Decreto-Lei n.º 74/99, de 16 de Março.

Leia mais

Enquadramento Fiscal

Enquadramento Fiscal Organizações Sem Fins Lucrativos Enquadramento Fiscal Ponte da Barca, 14 de Maio de 2013 Organizações Sem Fins Lucrativos Os principais tipos de entidades sem fins lucrativos em Portugal são as associações,

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS. Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho)

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS. Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho) ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho) Artigo 2.º Conceito de benefício fiscal e de despesa fiscal e respectivo controlo

Leia mais

CONSULTÓRIO DE IRS I Em parceria com o Jornal de Negócios

CONSULTÓRIO DE IRS I Em parceria com o Jornal de Negócios CONSULTÓRIO DE IRS I Em parceria com o Jornal de Negócios No contexto de uma parceria do Departamento Fiscal da SRS Advogados com o Jornal de Negócios, temos vindo a publicar naquele jornal o Consultório

Leia mais

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem Gastos e operações com o pessoal Os recursos humanos implicam gastos: Remunerações fixas e/ou variáveis recebidas pelos trabalhadores vinculados à empresa por contrato individual de trabalho; Remunerações

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS A declaração modelo 10 destina-se a declarar os rendimentos sujeitos a imposto,

Leia mais

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt Fiscalidade pessoal e empresarial Jorge Figueiredo 18 de Fevereiro de 2011 Agenda 1. IRS 1.1 Alterações das taxas 1.2 Outros rendimentos 1.3 Dedução específica Categoria A 1.4 Reporte de

Leia mais

REAL PPR SEGURO MAIS Informações Pré-Contratuais

REAL PPR SEGURO MAIS Informações Pré-Contratuais TIPO DE CLIENTE Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. SEGMENTO-ALVO Este produto destina-se a Clientes com perfil de risco conservador, que privilegiam a preservação do capital investido e a

Leia mais

DECLARAÇÃO MENSAL DE REMUNERAÇÕES (AT)

DECLARAÇÃO MENSAL DE REMUNERAÇÕES (AT) Os dados recolhidos são processados automaticamente, destinando-se à prossecução das atribuições legalmente cometidas à administração fiscal. Os interessados poderão aceder à informação que lhes diga respeito

Leia mais

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012 Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA de de 2012 ÍNDICE SUJEIÇÃO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ACESSÓRIA EXEMPLOS DE REMUNERAÇÕES SUJEITAS BREVE ANÁLISE DO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO DO CÓDIGO

Leia mais

Regime dos Planos de Poupança em Acções

Regime dos Planos de Poupança em Acções Decreto-Lei n.º 204/95 de 5 de Agosto * A constituição de planos individuais de poupança em acções, além de procurar estimular a canalização dos recursos das famílias para a poupança de longo prazo, visa

Leia mais

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009.

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009. orquê as actualizações aos livros da COLECÇÃO LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas actualizações, a ORTO

Leia mais

Calendário Fiscal. Fevereiro de 2014 DIA 10. Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro)

Calendário Fiscal. Fevereiro de 2014 DIA 10. Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro) Calendário Fiscal Fevereiro de 2014 DIA 10 Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro) A entrega da declaração de remunerações referente ao mês de Janeiro de 2014 tem que ser feita obrigatoriamente

Leia mais

Advocacia e Cidadania

Advocacia e Cidadania REGRA GERAL: SUJEIÇÃO TRIBUTÁRIA (Art. 3.º e 48.º CIRC) IPSS não exercem a título principal uma actividade de natureza comercial, industrial ou agrícola Tributadas pelo rendimento global, o qual corresponde

Leia mais

Fiscalidade do Terceiro Setor. Donativos. Leonardo Marques dos Santos

Fiscalidade do Terceiro Setor. Donativos. Leonardo Marques dos Santos Fiscalidade do Terceiro Setor Donativos Leonardo Marques dos Santos Estado 3.º Setor Mercado Sociedade Civil Entidade Sociedade Enquadramento fiscal da entidade Enquadramento fiscal de quem se relaciona

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas

n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (OE 2015) CIRC Artigo 87.º - Taxas n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas Artigo 6.º - Sociedades de Profissionais n.º 4, alínea

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 1 IRC 2 Eliminação da Dupla Tributação Económica dos Lucros Distribuídos Na sociedade detentora Eliminação da Dupla Tributação nos Lucros auferidos

Leia mais

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS 1. Qual é a natureza das importâncias atribuídas aos árbitros pela Federação Portuguesa de Futebol? As importâncias em causa são consideradas rendimentos

Leia mais

AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES

AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES São sujeitos passivos de: - IRC; - IVA. Têm obrigações previstas no Código do IRS Têm obrigação de documentar as despesas e os pagamentos. Algumas poderão beneficiar

Leia mais

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 JANEIRO / 2009 Até ao dia 12 Entrega da Declaração Modelo 11, por transmissão electrónica de dados, pelos Notários, Até ao dia 20 - Entrega, pelas Instituições de Crédito

Leia mais

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS I COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos a. 1) Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Leia mais

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à Reabilitação Urbana e Nova Lei das Rendas Introdução Como instrumento

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010 ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS São João da Madeira, 30 de Março de 2010 1 1 TRIBUTAÇÃO DOS ACTOS ISOLADOS 2 REGIME SIMPLIFICADO 3 MAIS-VALIAS 4 CATEGORIA H - Pensões 5 DECLARAÇÃO Dispensa

Leia mais

Alienou acções nacionais ou estrangeiras detidas durante menos de 12 meses?

Alienou acções nacionais ou estrangeiras detidas durante menos de 12 meses? Mais-valias Alienou acções nacionais ou estrangeiras detidas durante menos de 12 meses? Nesse caso, o saldo anual positivo entre as mais e menos-valias apuradas vai ser sujeito a uma taxa especial de imposto

Leia mais

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Globalmente, a Associação Industrial Portuguesa Câmara de Comércio e Indústria (AIP-CCI) considera positivo o Anteprojeto de Reforma do IRS efetuado

Leia mais

Guia Fiscal 2013. Como moldar o seu orçamento

Guia Fiscal 2013. Como moldar o seu orçamento Guia Fiscal 2013 Como moldar o seu orçamento Fevereiro 2013 Editorial A Deloitte tem o prazer de apresentar o Guia Fiscal para 2013, respeitando o compromisso de assegurar aos nossos clientes, e ao mercado

Leia mais

O Orçamento de Estado 2011

O Orçamento de Estado 2011 O Orçamento de Estado 2011 Resumo dos aspectos essenciais da Lei do Orçamento de Estado de 2011, Lei n.º 55-A/2010. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Dupla tributação económica Eliminada

Leia mais

As obrigações fiscais das Associações de Pais

As obrigações fiscais das Associações de Pais XIII Encontro Regional de Associações de Pais VISEU As obrigações fiscais das Associações de Pais 1 Introdução Definição de Associação Associação é uma organização resultante da reunião legal entre duas

Leia mais

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 O NOVO BANCO vem prestar alguns esclarecimentos que considera úteis para o preenchimento da declaração Modelo 3 de IRS, tomando por base a informação

Leia mais

SOLARH. Legislação aplicável: Definição e Objectivos:

SOLARH. Legislação aplicável: Definição e Objectivos: Legislação aplicável: Decreto-Lei n.o 39/2001 revoga o Decreto-Lei nº 7/99, de 8 de Janeiro. SOLARH Definição e Objectivos: O Apoio Financeiro Especial para Obras em Habitação Permanente (SOLARH), visa

Leia mais

Aspectos fiscais e parafiscais associados às remunerações dos órgãos societários. Rosa Freitas Soares Janeiro 2011

Aspectos fiscais e parafiscais associados às remunerações dos órgãos societários. Rosa Freitas Soares Janeiro 2011 Aspectos fiscais e parafiscais associados às remunerações dos órgãos societários Rosa Freitas Soares Janeiro 2011 Índice 1. Tratamento fiscal das remunerações dos órgãos societários em sede de IRS/IRC

Leia mais

Novo Código Contributivo da Segurança Social

Novo Código Contributivo da Segurança Social Novo Código Contributivo da Segurança Social O Código Contributivo para a Segurança Social, aprovado através da Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro tem a sua entrada em vigor agendada para 1 de Janeiro

Leia mais

Sobretaxa extraordinária

Sobretaxa extraordinária Sobretaxa extraordinária Por Elsa Marvanejo da Costa Departamento de Consultoria da OTOC Atualizado em 30 11 2011 Nota: Agradece-se que coloque qualquer dúvida ou sugestão através da sua Pasta TOC ou para

Leia mais

RENDIMENTOS E RETENÇÕES RESIDENTES

RENDIMENTOS E RETENÇÕES RESIDENTES MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2008 4 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS A B E DECLARAÇÃO (Art. 119.º, n.º 1, al. c) e d) e n.º 11 do Código do IRS) (Art. 120.º do Código do IRC)

Leia mais

Obrigações declarativas das entidades que não exercem a título principal atividades comerciais, industriais ou agrícolas

Obrigações declarativas das entidades que não exercem a título principal atividades comerciais, industriais ou agrícolas Obrigações declarativas das entidades que não exercem a título principal atividades comerciais, industriais ou agrícolas Elaborado por Paula Franco e Amândio Silva Assessores do Bastonário da Ordem Com

Leia mais

CATEGORIA A TRABALHO DEPENDENTE

CATEGORIA A TRABALHO DEPENDENTE CATEGORIA A TRABALHO DEPENDENTE A tributação nesta Categoria de rendimentos é fundamentalmente baseada na existência de uma remuneração proveniente do trabalho por conta de outrém. A classificação como

Leia mais

PROGRAMA DE SOLIDARIEDADE E APOIO À RECUPERAÇÃO DE HABITAÇÃO

PROGRAMA DE SOLIDARIEDADE E APOIO À RECUPERAÇÃO DE HABITAÇÃO PROGRAMA DE SOLIDARIEDADE E APOIO À RECUPERAÇÃO DE HABITAÇÃO Condições de Acesso Condição Prévia: Limites de Rendimento Podem-se candidatar-se a pessoa ou o agregado familiar cujo rendimento anual bruto

Leia mais

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Considerando o regime de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do Ensino Superior Público, determino os critérios e procedimentos técnicos a adoptar pelos Serviços

Leia mais

Boletim Informativo AMI 10467

Boletim Informativo AMI 10467 , 28 de Janeiro de 2013. Informação Fiscal Residentes Fiscais não habituais Portugal. Em resultado do reconhecimento pelas autoridades fiscais portuguesas do estatuto de residente fiscal não habitual,

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL 2015

CALENDÁRIO FISCAL 2015 CALENDÁRIO FISCAL 2015 QUADRITÓPICO & BAKER TILLY Obrigações mensais Q U A D R I T Ó P I C O P u b l i c a ç õ e s e D i s t r i b u i ç ã o i n f o @ q u a d r i t o p i c o. p t B A K E R T I L L Y i

Leia mais

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 As principais novidades/ alterações recentes, em matéria fiscal e contributiva, resultam da aprovação do Plano de Estabilidade e Crescimento para 2010 2013

Leia mais

Estatutos dos Benefícios Fiscais (EBF)

Estatutos dos Benefícios Fiscais (EBF) Estatutos dos Benefícios Fiscais (EBF) Dec. Lei n.º 215/89, de 1 de Julho com as alterações dadas pela Lei n.º 53-A/2006, de 29 de Dezembro e Lei n.º 67-A/2007, de 31 de Dezembro CAPÍTULO X Benefícios

Leia mais

07-01-2015 CLICK TO EDIT MASTER TITLE STYLE. Óscar Veloso Janeiro 2015 REFORMA DO IRS (LEI Nº 84-E/2014, DE 31 DE DEZEMBRO)

07-01-2015 CLICK TO EDIT MASTER TITLE STYLE. Óscar Veloso Janeiro 2015 REFORMA DO IRS (LEI Nº 84-E/2014, DE 31 DE DEZEMBRO) CLICK TO EDIT MASTER TITLE STYLE 1 Óscar Veloso Janeiro 2015 2 REFORMA DO IRS (LEI Nº 84-E/2014, DE 31 DE DEZEMBRO) 1 PROGRAMA 3 Alterações à tributação da Família ; Unificação das Categorias A e H; Alterações

Leia mais

- DEDUÇÕES Á COLECTA - RETENÇÕES NA FONTE E PAGAMENTOS POR CONTA IMPOSTO PAGAR OU A RECEBER

- DEDUÇÕES Á COLECTA - RETENÇÕES NA FONTE E PAGAMENTOS POR CONTA IMPOSTO PAGAR OU A RECEBER CASADOS x 2 RENDIMENTO BRUTO - DEDUÇÕES ESPECIFICAS RENDIMENTO LIQUIDO - PERDAS DE ANOS ANTERIORES RENDIMENTO LIQUIDO TOTAL - ABATIMENTOS RENDIMENTO COLECTAVEL x TAXA COLECTA - DEDUÇÕES Á COLECTA CASADOS

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio.

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio. CONDIÇÕES GERAIS 1 Definições Para efeitos deste Contrato, entende-se por: 1.1 Partes envolvidas no contrato Empresa de seguros VICTORIA - Seguros de Vida, S.A., entidade que emite a apólice e que, mediante

Leia mais

BENEFÍCIOS FISCAIS E DEDUÇÕES

BENEFÍCIOS FISCAIS E DEDUÇÕES MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2010 Os dados recolhidos são processados automaticamente, destinando-se à prossecução das atribuições legalmente cometidas à administração fiscal. Os interessados

Leia mais

Fundo de Pensões. Ordem dos Economistas 2012

Fundo de Pensões. Ordem dos Economistas 2012 Fundo de Pensões Ordem dos Economistas 2012 1 Agenda Plano de Pensões da Ordem dos Economistas Fundos de Pensões Site BPI Pensões 2 Âmbito A Ordem dos Economistas decidiu constituir um Plano de Pensões

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Samuel Fernandes de Almeida 17 e 18 de Fevereiro REGRAS GERAIS DE IMPOSTO INDUSTRIAL Incidência subjectiva Empresas com sede ou direcção efectiva em Angola e empresas com sede e

Leia mais

BENEFÍCIOS FISCAIS E DEDUÇÕES

BENEFÍCIOS FISCAIS E DEDUÇÕES MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2015 Os dados recolhidos são processados automaticamente, destinando-se à prossecução das atribuições legalmente cometidas à administração fiscal. Os interessados

Leia mais

DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES

DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES Perspectiva Contabilística e Fiscal Fases DISSOLUÇÃO LIQUIDAÇÃO PARTILHA Formalidades da Dissolução A dissolução deve obedecer a uma das seguintes formas: Por escritura

Leia mais

Smile. it`s a tax guide. Guia do IRS 2013. Fevereiro de 2014

Smile. it`s a tax guide. Guia do IRS 2013. Fevereiro de 2014 Smile it`s a tax guide Guia do IRS 2013 Fevereiro de 2014 Índice Guia do IRS 2013 Smile it s a tax guide 3 Principais alterações em 2013 Residentes Não Habituais O ano de 2013 foi marcado pelo maior aumento

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS PARTE I - Princípios gerais Artigo 1 - Âmbito de aplicação As disposições da parte I do presente Estatuto aplicam-se aos benefícios fiscais nele previstos, sendo extensivas

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO ÍNDICE Preâmbulo Artigo 1.º - Âmbito Artigo 2.º - Objetivo Artigo 3.º - Condições de Atribuição Artigo 4.º - Organização Processual Artigo 5.º - Benefícios do Cartão

Leia mais

Nota introdutória. Entrada em vigor GUIA FISCAL

Nota introdutória. Entrada em vigor GUIA FISCAL 1 2 Nota introdutória A Lei n.º 82.º-E/2014, de 31 de dezembro, aprovou a reforma do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS). A versão final do diploma, embora baseada no projeto

Leia mais

BENEFÍCIOS FISCAIS E DEDUÇÕES

BENEFÍCIOS FISCAIS E DEDUÇÕES MODELO EM VIGOR PARA OS ANOS DE 2001 A 2014 A PARTIR DE JANEIRO DE 2016 3 4 CÓDIGO RENDIMENTO 5 MODELO 3 Anexo H Sujeito passivo A BENEFÍCIOS FISCAIS E DEDUÇÕES ANO DOS RENDIMENTOS RENDIMENTOS DA PROPRIEDADE

Leia mais

Orçamento do Estado para 2007 Alterações Fiscais

Orçamento do Estado para 2007 Alterações Fiscais Orçamento do Estado para 2007 Alterações Fiscais Assunto: Orçamento do Estado para 2007 Alterações Fiscais Com a entrada em vigor, em 2007/01/01, do Orçamento do Estado para 2007 (Lei 53 - A/2006, de 29

Leia mais

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O sistema tributário moçambicano integra impostos directos e impostos indirectos, actuando a diversos níveis, designadamente: a) Tributação directa dos rendimentos e da riqueza;

Leia mais

MEMORANDO. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

MEMORANDO. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2015 MEMORANDO INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. Contas à ordem 2. Conta ordenado 3. Conta não residente 4. Depósito a prazo 5. Contas Poupança-Habitação

Leia mais

PROPOSTA DE LEI da REFORMA DO IRS

PROPOSTA DE LEI da REFORMA DO IRS PROPOSTA DE LEI da REFORMA DO IRS TAX FLASH OUTUBRO 2014 INTRODUÇÃO 2014 ficará marcado, no plano fiscal, como o ano das reformas. Se a proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2015 foi parca em alterações

Leia mais

DONATIVOS RECEBIDOS IRS - IRC. DECLARAÇÃO (Art. 66.º, n.º 1, al. c) do EBF e Art. 11.º-A, n.º 1, al. c) do Estatuto do Mecenato Científico) MODELO 25

DONATIVOS RECEBIDOS IRS - IRC. DECLARAÇÃO (Art. 66.º, n.º 1, al. c) do EBF e Art. 11.º-A, n.º 1, al. c) do Estatuto do Mecenato Científico) MODELO 25 MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2009 DECLARAÇÃO (Art. 66.º, n.º 1, al. c) do EBF e Art. 11.º-A, n.º 1, al. c) do Estatuto do Mecenato Científico) NÚMERO DE IDENTIFICAÇÃO 1 2 FISCAL DO DECLARANTE

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL PREÂMBULO No contexto socioeconómico do País e concretamente da UFAFDN, debatemonos com várias carências de nível económico,

Leia mais

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016 OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016 Última atualização: janeiro 2016 IRS ATÉ AO DIA 11 Entrega da Declaração Mensal de Remunerações, por transmissão eletrónica de dados, pelas entidades devedoras de rendimentos

Leia mais

The tax regime for temporary expatriates in Portugal: practical aspects of implementation

The tax regime for temporary expatriates in Portugal: practical aspects of implementation The tax regime for temporary expatriates in Portugal: practical aspects of implementation Bilateral Meeting between the Portuguese and Spanish Branches of IFA Ricardo da Palma Borges 27 April 2012 1 Âmbito.

Leia mais

Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação (CPH) Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação (CPH) Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2015 INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. 2. 3. 4. 5. Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação

Leia mais

POUPANÇA. Simplifica. PPR Capital Garantido. Crie o futuro hoje.

POUPANÇA. Simplifica. PPR Capital Garantido. Crie o futuro hoje. POUPANÇA PPR Capital Garantido Crie o futuro hoje. Simplifica Já pensou como vai ser quando se reformar? E se começar já a poupar? Assegure agora o seu futuro! No ActivoBank com o PPR Capital Garantido,

Leia mais

Fiscalidade 2013 Última atualização 2013/09/17. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

Fiscalidade 2013 Última atualização 2013/09/17. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2013 INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. Contas à ordem 2. Conta ordenado 3. Conta não residente 4. Depósito a prazo 5. Contas Poupança-Habitação

Leia mais

ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS

ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS Tribunal de Contas LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS I COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos sobre o

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DECLARAÇÃO MODELO 3

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DECLARAÇÃO MODELO 3 DECLARAÇÃO MODELO 3 A declaração modelo 3 é apresentada em duplicado, destinando-se o duplicado a ser devolvido ao apresentante no momento da recepção, depois de autenticado, servindo apenas como comprovante

Leia mais

Actualização dos limites das deduções à colecta fixados em valor variável entre 2.4% e 3.2%

Actualização dos limites das deduções à colecta fixados em valor variável entre 2.4% e 3.2% IRS Escalões de IRS Actualizados os escalões de IRS em 2.5%. Em regra, contribuintes de todos os escalões sofrerão reduções pouco significativas do IRS a pagar sobre os seus rendimentos. Excepção para

Leia mais

Cada vez mais a abolição das

Cada vez mais a abolição das Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes P o r M a r i a M a n u e l a V i e i r a R e i n o l d s d e M e l o As retenções na fonte de rendimentos obtidos por não residentes obedecem

Leia mais

autoridade tributária e aduaneira

autoridade tributária e aduaneira Classificação: 000.05.02 Seg.: Pública Proc.: 20 13/2 Of.Circulado N.': 20 164 2013-02-07 Entrada Geral : N.o Identificação Fiscal (NIF): Sua Ref. a ; Técnico: MGN Exmos Senhores Subdiretores-Gerais Diretores

Leia mais

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Esta informação destina-se a que cidadãos SEGURANÇA SOCIAL Criança ou jovem O que é e quais as condições para ter direito O que é Prestação

Leia mais