IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO"

Transcrição

1 hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes quer por entidades não residentes. Relativamente às entidades não residentes, o IRS apenas tributa os rendimentos obtidos em território Português, enquanto no que respeita ao rendimento obtido por entidades residentes é tributada a totalidade dos seus rendimentos, quer estes sejam de fonte nacional ou estrangeira. O período de tributação corresponde ao ano civil. Quanto às entidades residentes, alguns rendimentos poderão ser tributados pela aplicação de uma taxa de retenção na fonte a título definitivo ou juntamente os seus restantes rendimentos, a uma taxa progressiva que não poderá exceder os 42%, a entrega da Declaração de Rendimento Modelo 3. As entidades não residentes poderão ser tributadas por retenção na fonte a título definitivo ou ser obrigadas à entrega da Declaração Modelo 3 em determinadas situações (nomeadamente no caso de da realização de mais-valias). Residentes Taxa Rendimento global até 42% É aplicável uma taxa progressiva à totalidade do rendimento aquando da entrega da respectiva Declaração de Rendimentos anual (Modelo 3). Neste caso, os montantes retidos poderão ser deduzidos ao IRS a pagar. Dividendos 20% Opcionalmente este rendimento poderá ser tributado juntamente a totalidade do rendimento. Mais-Valias (Valores Mobiliários) 10% Opcionalmente este rendimento poderá ser tributado juntamente a totalidade do rendimento. Mais-Valias (Bens imóveis) - Este tipo de rendimento deverá ser tributado conjuntamente a totalidade do rendimento, mas apenas em 50% do seu montante total. Juros de obrigações e depósitos bancários 20% Opcionalmente este rendimento poderá ser tributado juntamente a totalidade do rendimento.

2 Não-residentes Taxa Mais-Valias (Valores Mobiliários) 10% As mais-valias realizadas a alienação de obrigações estão isentas. Existe também uma isenção aplicável a valores mobiliários negociados em bolsa quando emitidos por entidades Portuguesas. Poderão ser aplicadas normas anti-abuso. Deverá ser entregue a Declaração anual de rendimentos (Modelo 3). Mais-Valias (Bens Imóveis) 25% A Declaração anual de rendimentos (Modelo 3) deverá ser entregue. Dividendos 20% Esta taxa poderá ser reduzida ou eliminada pela aplicação das Convenções de Dupla Tributação ou da Directiva Mães-Filhas. Juros 20% Esta taxa poderá ser reduzida até 10% de acordo as Convenções de Dupla Tributação ou segundo a Directiva n.º 2003/49/CE. Obrigações Isento Esta isenção é aplicável quer aos juros quer às mais-valias de obrigações. Normas antiabuso poderão ser aplicadas. Royalties 15% Esta taxa poderá ser reduzida até 5% de acordo as Convenções de Dupla Tributação ou segundo a Directiva n.º 2003/49/CE. Outros serviços 20% Esta taxa poderá ser reduzida ou eliminada de acordo as Convenções de Dupla Tributação.

3 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes quer por não-residentes no território Português. No que respeita às entidades não-residentes, estas apenas deverão ser tributadas relativamente aos seus rendimentos obtidos em território Português. Quanto às entidades residentes, estas deverão ser tributadas quanto ao seu rendimento global, quer de fonte nacional quer de fonte estrangeira. Em regra, o período de tributação corresponde ao ano civil, mas pode ser adoptado outro período diferente em certos casos específicos. As regras de Preços de Transferência são também aplicáveis em Portugal. As regras de subcapitalização são apenas aplicáveis a entidades residentes fora da UE. O rendimento global das entidades residentes é, por norma, tributado através da entrega da respectiva declaração de rendimentos ("Modelo 22"). Entidades não residentes poderão ser tributadas quer por retenção na fonte a título definitivo quer através da entrega obrigatória da Declaração Modelo 22 em certas situações (nomeadamente em caso de mais-valias). Residentes Taxa Empresas Portuguesas 25% Aplicável ao montante global constante da declaração anual de rendimentos (Modelo 22). Os montantes Filiais de Empresas Estrangeiras 25% retidos poderão ser deduzidos ao IRC a pagar. Derrama 0%-1,5% Taxa aplicável aos rendimentos tributáveis calculados previamente à dedução dos prejuízos fiscais reportados. Nota: As entidades residentes no interior do Território Português poderão beneficiar de uma taxa de IRC reduzida (até 10%). Existem vários benefícios disponiveis, nomeadamente deduções adicionais no caso da criação liquida de emprego para jovens. Não-Residentes Taxa Mais-Valias 25% As mais-valias realizadas obrigações emitidas por entidades Portuguesas estão isentas. Existe também uma isenção para participações de capital e outros valores mobiliários. Normas anti-abuso poderão ser aplicadas. Declaração anual de rendimentos (Modelo 22) deverá ser entregue. Dividendos 20% Juros 20% Esta taxa poderá ser reduzida ou eliminada de acordo as Convenções de Dupla Tributação ou a Directiva Mães-Filhas. Esta taxa poderá ser reduzida até 10% de acordo as Convenções de Dupla Tributação ou a Directiva 2003/49/CE. Obrigações Isento Esta isenção é aplicável quer aos juros quer às maisvalias relativos a obrigações. Normas anti-abuso podem ser aplicadas. Royalties 15% Esta taxa pode ser reduzida até 5% de acordo as Convenções de Dupla Tributação ou a Directiva n.º 2003/49/CE. Outros Serviços 15% Com excepção dos transportes, unicações e serviços financeiros. Esta taxa pode ser reduzida ou eliminada de acordo as Convenções de Dupla Tributação.

4 IMPOSTOS INDIRECTOS Imposto Sobre o Valor Acrescentado (IVA) O Imposto sobre o Valor Acrescentado é um imposto sobre o consumo, aplicável a todas as transacções de bens, prestação de serviços, importações e aquisições intraunitárias de bens. Este imposto apresenta um razoável grau de harmonização face à legislação unitária. A este nível existem várias isenções e reduções de taxa disponíveis, significando que é necessária uma análise casuística de cada operação de forma a aplicar o quadro fiscal mais adequado. Tax Rate Taxa Geral 20% Incide sobre bens e serviços em geral. Taxa Intermédia 12% Taxa Reduzida 5% Incide, nomeadamente, sobre certos bens alimentares e restaurantes. Incide sobretudo sobre bens alimentares, livros e hotéis. Nota: Algumas excepções poderão ser aplicáveis, nomeadamente no que se refere a serviços financeiros, bens imóveis e serviço de saúde. Nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira são aplicadas taxas de IVA mais baixas Imposto do Selo (IS) O imposto do selo é devido, nomeadamente, pela realização de operações financeiras, de seguros e imobiliárias, aquando da realização de aumentos de capital e de transmissões por herança. Operação Tributável Tax Rate Operações de crédito e garantias até 0,6% Algumas excepções poderão ser aplicadas, nomeadamente, em relação a operações os respectivos sócios e entre instituições financeiras. Prémios de seguro até 9% Alguns tipos de seguros estão isentos de tributação. Aquisição de bens imóveis 0.8% Aquisição e doação de direitos de propriedade sobre bens imóveis. Aumento de capital social 0.4% Aumentos de capital em dinheiro não são sujeitos a IS. Transmissões por herança 10% Títulos de Crédito 0.50% Algumas realidades poderão não estar isentas de IS, nomeadamente as seguintes: - Transmissões entre parentes do 1º grau; - Transmissões fundos de investimentos e de pensões. Nomeadamente letras, livranças e extractos de facturas.

5 IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT) O IMT é suportado, pela entidade pradora respectiva, sempre que um activo relativo a bens imóveis sitos em território Português é adquirido. Taxa Residência própria e permanente 0%-6% Taxa de imposto progressiva o escalão da taxa máxima a eçar nos EUR Prédios urbanos destinados a habitação 1%-6% Taxa de imposto progressiva o escalão da taxa máxima a eçar nos EUR Outros prédios urbanos 6.5% - Prédios rústicos 5% - Nota: Normas Anti-Abuso poderão ser aplicadas, nomeadamente uma taxa de IMT de 8% para imóveis detidos por entidades residentes em paraísos fiscais. Algumas isenções poderão ser aplicadas. Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) O IMI é um imposto anual que deverá ser pago pelos proprietários dos bens imóveis à data de 31 de Dezembro do ano anterior. As taxas são determinadas por cada município. Operação Tributável Taxa Prédios urbanos (por avaliar) 0,4%-0,8% Bens imóveis avaliados segundo a Lei antiga (até 01 de Dezembro de 2003). Prédios urbanos (já avaliados) 0,2%-0,5% Taxas aplicadas a bens imóveis avaliados segundo as novas regras de IMI (desde 01 de Dezembro de 2003). Prédios Rústicos 0.8% - Nota: Normas Anti-Abuso poderão ser aplicadas, nomeadamente uma taxa de IMI de 1% para proprietários residentes em paraísos fiscais. Algumas isenções são aplicáveis. Bens imóveis devolutos por mais de um ano poderão ser tributados em dobro relativamente às taxas supra mencionadas.

6 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Imposto sobre o Rendimento das Pessoas (IRC) e Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) As taxa de imposto sobre o rendimento aplicáveis aos residentes nos Açores são, em termos gerais, 30% (para pessoas colectivas) e 20% (para pessoas singulares), mais baixas que as taxas equivalentes aplicáveis no território de Portugal Continental. Principais Tributos Taxa IRC - Pessoas colectivas residentes 17.5% Aplicável à totalidade do rendimento aquando da entrega da respectiva Declaração de rendimentos. Os montantes retidos na fonte poderão ser creditados ao IRC devido. IRS - Pessoas singulares residentes até 33,6% Taxa progressiva aplicável à totalidade dos rendimentos aquando da entrega da respectiva declaração de rendimentos. Os montantes retidos na fonte poderão ser creditados ao IRS devido. Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Taxas reduzidas de IVA são aplicáveis às operações consideradas o localizadas no território dos Açores. Taxa Taxa Geral 14% Incide sobre bens e serviços em geral. Taxa Intermédia 8% Incide, nomeadamente, sobre determinados bens alimentares e restaurantes. Taxa Reduzida 4% Incide sobre bens alimentares essenciais, livros e hotéis. Nota: Algumas excepções poderão ser aplicadas, nomeadamente sobre serviços financeiros, bens imóveis e serviços de saúde. Outros Benefícios Existem alguns benefícios disponíveis para entidades investidoras nos Açores, designadamente isenções sobre lucros reinvestidos ou benefícios fiscais contratuais para projectos de investimento de grande dimensão (nomeadamente isenções em IS, IMI e IMT e deduções adicionais ao IRC).

7 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Imposto sobre o Rendimento das Pessoas (IRC) e Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) As taxas de imposto aplicáveis a residentes na Madeira são, em termos gerais, 20% (para pessoas colectivas) e 30% (para pessoas singulares), mais baixas que as taxas equivalentes aplicáveis no território de Portugal Continental Principais Tributos Taxas IRC - Pessoas Colectivas Residentes 20% Aplicável à totalidade dos rendimentos aquando da entrega da respectiva declaração anual de rendimentos. Os montantes retidos na fonte poderão ser deduzidos ao IRC devido. IRS - Pessoas Singulares Residentes até 41% Taxa progressiva aplicável à totalidade dos rendimentos aquando da entrega da respectiva declaração de rendimentos. Os montantes retidos na fonte poderão ser deduzidos ao IRS devido. Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Taxas reduzidas de IVA são aplicáveis às operações consideradas o localizadas no território da Madeira. Tax Rate Taxa Geral 14% Incide sobre bens e serviços em geral. Taxa Intermédia 8% Taxa Reduzida 4% Incide, nomeadamente, sobre determinados bens alimentares e restaurantes. Incide sobre bens alimentares essenciais, livros e hotéis. Nota: Algumas excepções poderão ser aplicadas, nomeadamente sobre serviços financeiros, bens imóveis e serviços de saúde. Outros Benefícios Existem alguns benefícios disponíveis para entidades investidoras na Madeira, designadamente isenções sobre lucros reinvestidos ou benefícios fiscais contratuais para projectos de investimento de grande dimensão (nomeadamente isenções em IS, IMI e IMT e deduções adicionais ao IRC).

8 ZONA FRANCA DA MADEIRA A Zona Franca da Madeira (ZFM) é uma zona restrita onde as empresas podem desenvolver a sua actividade e beneficiar de um dos mais favoráveis regimes fiscais na Jurisdição Europeia. É também um regime fiscal aceite pelas autoridades da UE. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas (IRC) e Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O regime fiscal específico da ZFM é aplicável a entidades sedeadas naquele território relativamente a rendimentos obtidos fora do território Português. Principais Taxas Taxa IRC - Pessoas colectivas licenciadas até 31/12/2000 Isentas Isenção aplicável até 31/12/2011. IRC - Pessoas colectivas licenciadas de 01/01/2003 a 31/12/2006 3% Taxa reduzida de 3% aplicável até 31/12/2011. Exige-se o preenchimento dos requisitos de investimento. Benefício aplicável até ao montante máximo de EUR de lucro tributável. IRC - Pessoas colectivas licenciadas a partir de 01/01/2007 3% a 5% - 3% taxa reduzida aplicável até 31/12/2009; - 4% taxa reduzida aplicável desde 01/01/2010 até 31/12/2012; - 5% taxa reduzida aplicável desde 01/01/2013 até 31/12/2020. Exige-se o preenchimento dos requisitos de investimento. Benefício aplicável até ao montante máximo de EUR de lucro tributável. IRC e IRS - Sócios em sociedades na ZFM Isentos Isenção relativa a dividendos e juros pagos pelas sociedades da ZFM. Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) A Zona Franca da Madeira é um território situado na Região Autónoma da Madeira, pelo que as taxas reduzidas de IVA aplicadas no território da Madeira são aplicáveis também na Zona Franca da Madeira. Contudo, à ZFM poderão ser aplicáveis isenções e benefícios adicionais. Assim, deve ser feita uma análise casuística. Taxa Taxa Geral 14% Incide sobre bens e serviços em geral. Taxa Intermédia 8% Inside designadamente sobre certos bens alimentares e restaurantes. Taxa Reduzida 4% Incide sobretudo sobre bens alimentares, livros e hotéis. Nota: Algumas excepções poderão ser aplicadas, nomeadamente sobre serviços financeiros, bens imóveis e serviços de saúde.

9 Outros Benefícios Isenção geral de IS relativamente às operações dessas entidades. Isenção geral de IRC aplicável aos rendimentos relacionados, nomeadamente, royalties e prestação de serviços pagos a entidades não-residentes. FUNDOS DE INVESTIMENTO PORTUGUESES Considerando o regime fiscal Português, existem três grandes tipos de Fundos de Investimento: - Fundos de Investimento Mobiliários (FIM); - Fundos de Investimento Imobiliários (FII); - Fundos de Fundos (FF). Os Fundos de Investimento são uma opção eficiente para a realização de alguns tipos de investimentos, tendo em conta o seu enquadramento fiscal, designadamente em alguns casos particulares, o o investimento na reabilitação urbana realizado nos centros históricos das cidades. Existem ainda outros beneficios fiscais para este tipo de veículos de investimento, nomeadamente, no que se refere a impostos sobre imóveis. Considerando o regime fiscal dos Fundos de Investimento em Portugal, deparamo-nos dois níveis de tributação: - Tributação do rendimento dos Fundos de Investimento; - Tributação do rendimento dos titulares das (investidores). TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO Fundos de Investimento Mobiliário (FIM) Tipo de Investimento Taxa valores mobiliários 10% Outros Rendimentos 20% a 25% Isenção aplicável aos títulos de dívida e acções detidas há mais de 12 meses. A taxa poderá variar entre estes valores dependendo do tipo de rendimento. Fundos de Investimento Imobiliário (FII) Tipo de Investimento Taxa Rendimentos Imobiliários (rendas) 20% - Imóveis 12.5% - Outros Rendimentos Taxas do FIM Esta tributação é feita em termos similares aos do FIM para os mesmos tipos de rendimentos.

10 Fundos de Fundos (FF) Tipo de Investimento Taxa Rendimentos provenientes de de outros fundos Outros Rendimentos Taxas do FIM e FII Esta tributação é feita em termos similares aos do FIM e FII para os mesmos tipos de rendimentos. FII DE Reabilitação Urbana e FII de Recursos Florestais (FF) Tipo de Investimento Taxa Rendimento Global TRIBUTAÇÃO DOS TITULARES DE UNIDADES DE PARTICIPAÇÃO Fundos de Investimento Mobiliário e Imobiliário (FIM e FII) Tipos de Investimentos Taxa Pessoas Singulares (IRS) de FIM e FII de FIM e FII Isento 10% É possível tributar este rendimento juntamente a respectivo rendimento global. Neste caso, os montantes retidos ao fundo deverão ser deduzidos ao IRS devido. É possível tributar este rendimento conjuntamente o respectivo rendimento global. Pessoas Colectivas e Singulares (IRC e IRS no âmbito de uma actividade ercial) Não-residentes (IRS e IRC) em FIM e FII em FIM e FII em FIM e FII unidades e em FIM e FII Taxa de IRC ou IRS respectiva Taxa de IRC ou IRS respectiva Aplicável à globalidade do rendimento aquando da entrega da respectiva Declaração anual de rendimentos. Aplicável à globalidade do rendimento aquando da entrega da respectiva Declaração anual de rendimentos.

11 Fundos de Fundos (FIM e FII) Tipo de Investimentos Taxa Pessoas Singulares (IRS) Pessoas Colectivas e Singulares (IRC e IRS no âmbito de uma actividade ercial) Não-residentes (IRS e IRC) em FF Participação em FF em FF Participação em FF em FF Participação em FF 10% Taxa de IRC ou IRS respectiva Taxa de IRC ou IRS respectiva Opcionalmente é possível tributar este rendimento conjuntamente o respectivo rendimento global. Aplicável apenas a 40% do rendimento tributável juntamente a globalidade do rendimento aquando da entrega da respectiva declaração anual de rendimentos. Aplicável à totalidade do rendimento aquando da entrega da respectiva Declaração anual de rendimento. FII de Reabilitação Urbana e FI de Recursos Florestais Tipo de Investimentos Taxa em FII 10% Opcionalmente é possível tributar este rendimento conjuntamente o respectivo rendimento global. Pessoas Singulares (IRS) Participação em FII 10% Opcionalmente é possível tributar este rendimento conjuntamente o respectivo rendimento global. Pessoas Colectivas E Singulares (IRC e IRS no âmbito de uma actividade ercial) Não-residentes (IRS e IRC) em FII Participação em FII em FII Participação em FII Taxa de IRC ou IRS respectiva Taxa de IRC ou IRS respectiva Aplicável à totalidade do rendimento aquando da entrega da respectiva Declaração anual de rendimento. Aplicável à totalidade do rendimento aquando da entrega da respectiva Declaração anual de rendimento.

12 SEGURANÇA SOCIAL Contribuições para a Segurança Social (SS) Trabalho Dependente Quer a entidade empregadora quer o trabalhador estão obrigados à entrega das contribuições para a Segurança Social. Taxa Contribuição p/ SS pelo empregador Contribuição p/ SS pelo trabalhador 23.75% - 11% - Nota: O empregador deve entregar ambas as contribuições até dia 15 do mês seguinte àquele a que se referem. Contribuições para a Segurança Social (SS) Membros de Órgãos Sociais Quer as empresas quer os membros dos órgãos sociais estão obrigados à entrega das contribuições para a Segurança Social. Taxa Contribuição p/ SS pela sociedade 21.25% - Contribuição pelos membros dos Órgãos 10% - Nota: O empregador deve entregar ambas as contribuições até dia 15 do mês seguinte àquele a que se referem.

13 CONVENÇÕES PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO (CDT) CDT estabelecidas por Portugal País Redução de Taxas Dividendos Juros Royalties Art.º Taxa Art.º Taxa Art.º Taxa Itália 10.º 15% 11.º 15% 12.º 12%

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas

Leia mais

Projecto Cidadania - 3º Barómetro

Projecto Cidadania - 3º Barómetro Projecto Cidadania - 3º Barómetro 1. A carga fiscal em 2012 será maior do que em 2011: Sim Não Average Para as famílias? 106 (98.1%) 2 (1.9%) 1.02 108 100.0% Para as empresas? 75 (70.8%) 31 (29.2%) 1.29

Leia mais

LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI. de investimento

LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI. de investimento LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI Portugal como plataforma de investimento LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM

Leia mais

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à Reabilitação Urbana e Nova Lei das Rendas Introdução Como instrumento

Leia mais

Fiscalidade 2013 Última atualização 2013/09/17. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

Fiscalidade 2013 Última atualização 2013/09/17. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2013 INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. Contas à ordem 2. Conta ordenado 3. Conta não residente 4. Depósito a prazo 5. Contas Poupança-Habitação

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais

MEMORANDO. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

MEMORANDO. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2015 MEMORANDO INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. Contas à ordem 2. Conta ordenado 3. Conta não residente 4. Depósito a prazo 5. Contas Poupança-Habitação

Leia mais

Fiscalidade no Sector da Construção

Fiscalidade no Sector da Construção Fiscalidade no Sector da Construção Conferência AICCOPN Os Fundos de Investimento Imobiliário para Arrendamento Habitacional Lisboa, 26 de Março de 2009 Paulo Alexandre de Sousa Director de Financiamento

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O P Ú B L I C A ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos

Leia mais

III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis)

III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis) III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis) 6º Painel: Benefícios Fiscais e Competitividade A Zona Franca da Madeira: Papel e Ponto de Situação O Sistema Fiscal Português:

Leia mais

SISTEMA FISCAL. 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA

SISTEMA FISCAL. 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA SISTEMA FISCAL 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA Auditório SIBS PASSAPORTE PARA MOÇAMBIQUE ÍNDICE Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas ( IRPC ) Imposto sobre o Rendimento das Pessoas

Leia mais

Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação (CPH) Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação (CPH) Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2015 INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. 2. 3. 4. 5. Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS FUNDOS ESPECIAIS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S M I S T O S ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos de Investimento Imobiliário (FII)

Leia mais

22-03-2013. Porto Vivo, SRU (2013)

22-03-2013. Porto Vivo, SRU (2013) Reabilitação Urbana na Cidade do Porto: Incentivos e Oportunidades 21 de março de 2013 Porto Vivo, SRU (2013) Rui Ferreira de Espinheira Quelhas 2 1 1900-13% 1950-40% 2000-46,6% 2010-50,6% 2050-69,6% População

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt Fiscalidade pessoal e empresarial Jorge Figueiredo 18 de Fevereiro de 2011 Agenda 1. IRS 1.1 Alterações das taxas 1.2 Outros rendimentos 1.3 Dedução específica Categoria A 1.4 Reporte de

Leia mais

Construir Angola Cimentar Parcerias

Construir Angola Cimentar Parcerias Construir Cimentar Parcerias Aspectos fiscais do investimento português em Rosa Areias em AICCOPN em Tributação das pessoas colectivas principais impostos: Imposto Industrial Imposto sobre a Aplicação

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ENQUADRAMENTO LEGAL Fontes utilizadas: www.sef.pt; www.portugal.gov.pt ENQUADRAMENTO LEGAL A autorização

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL OUTUBRO DE 2010 Ministério das Finanças e da Administração

Leia mais

Actualização dos limites das deduções à colecta fixados em valor variável entre 2.4% e 3.2%

Actualização dos limites das deduções à colecta fixados em valor variável entre 2.4% e 3.2% IRS Escalões de IRS Actualizados os escalões de IRS em 2.5%. Em regra, contribuintes de todos os escalões sofrerão reduções pouco significativas do IRS a pagar sobre os seus rendimentos. Excepção para

Leia mais

Fiscalidade para empresas Portuguesas que pretendem investir na China

Fiscalidade para empresas Portuguesas que pretendem investir na China Paulo Núncio Sócio da Garrigues Lisboa Fiscalidade para empresas Portuguesas que pretendem investir na China Ordem dos Economistas Lisboa, 23 de Março de 2011 Investir na China internacionalização Internacionalização

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Nº 58 Novembro 2015

NEWSLETTER FISCAL Nº 58 Novembro 2015 Nº 58 Novembro 2015 IRC Informação Vinculativa Despacho de 17 de abril 1 Processo 750/2015 Tributação autónoma dos encargos com viaturas ligeiras de mercadorias referidas na alínea b) do n.º 1 do artigo

Leia mais

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Nota informativa Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015,

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

O INVESTIMENTO LOW-COST EM ESPANHA AIMINHO - 26 DE MAIO DE 2014 INVESTIMENTO EM ESPANHA LOW COST I.- Início de actividade II.- Ajudas e subvenções III.- Investir através de Espanha IV.- Prestação de serviços

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O PA R T I C U L A R ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico

Leia mais

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Âmbito O presente decreto-lei estabelece o regime fiscal das operações de titularização de créditos efectuadas no âmbito

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL 2015

CALENDÁRIO FISCAL 2015 CALENDÁRIO FISCAL 2015 QUADRITÓPICO & BAKER TILLY Obrigações mensais Q U A D R I T Ó P I C O P u b l i c a ç õ e s e D i s t r i b u i ç ã o i n f o @ q u a d r i t o p i c o. p t B A K E R T I L L Y i

Leia mais

ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS

ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS Tribunal de Contas LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS I COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos sobre o

Leia mais

O Orçamento de Estado 2011

O Orçamento de Estado 2011 O Orçamento de Estado 2011 Resumo dos aspectos essenciais da Lei do Orçamento de Estado de 2011, Lei n.º 55-A/2010. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Dupla tributação económica Eliminada

Leia mais

Veículos de investimento imobiliário

Veículos de investimento imobiliário CONFERÊNCIA NOVOS VEÍCULOS DE INVESTIMENTO NO SECTOR IMOBILIÁRIO EM ANGOLA Local: Tenda de Eventos na Baía de Luanda Data: 19 de Junho de 2014 Veículos de investimento imobiliário António Raposo Subtil

Leia mais

Orçamento do Estado para 2007 Alterações Fiscais

Orçamento do Estado para 2007 Alterações Fiscais Orçamento do Estado para 2007 Alterações Fiscais Assunto: Orçamento do Estado para 2007 Alterações Fiscais Com a entrada em vigor, em 2007/01/01, do Orçamento do Estado para 2007 (Lei 53 - A/2006, de 29

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 JANEIRO / 2009 Até ao dia 12 Entrega da Declaração Modelo 11, por transmissão electrónica de dados, pelos Notários, Até ao dia 20 - Entrega, pelas Instituições de Crédito

Leia mais

PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO

PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO 1 OS IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO - IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS (IMI) - O IMI é um imposto que incide sobre o valor patrimonial tributário dos

Leia mais

TAX & BUSINESS O C E N T R O I N T E R N A C I O N A L D E N E G Ó C I O S D A M A D E I R A ( D E S E N V O L V I M E N T O S R E C E N T E S )

TAX & BUSINESS O C E N T R O I N T E R N A C I O N A L D E N E G Ó C I O S D A M A D E I R A ( D E S E N V O L V I M E N T O S R E C E N T E S ) i N º 1 6 / 1 5 O C E N T R O I N T E R N A C I O N A L D E N E G Ó C I O S D A M A D E I R A ( D E S E N V O L V I M E N T O S R E C E N T E S ) (CINM) O CINM, a que corresponde a Zona Franca da Região

Leia mais

Investimento Imobiliário: Principais Aspectos Fiscais

Investimento Imobiliário: Principais Aspectos Fiscais Investimento Imobiliário: Principais Aspectos Fiscais 1 All the lawyers know what s happening on the case and work really well as a team. It sets them apart from others in the market. Client reference

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appearse Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Cabo Verde Leendert Verschoor Agenda Introdução 1 Ficha

Leia mais

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009.

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009. orquê as actualizações aos livros da COLECÇÃO LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas actualizações, a ORTO

Leia mais

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Principais medidas da Reforma 2 I. Redução da taxa do IRC - A redução das taxas de IRC é fundamental para a atração de investimento

Leia mais

Boletim Informativo AMI 10467

Boletim Informativo AMI 10467 , 28 de Janeiro de 2013. Informação Fiscal Residentes Fiscais não habituais Portugal. Em resultado do reconhecimento pelas autoridades fiscais portuguesas do estatuto de residente fiscal não habitual,

Leia mais

DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES

DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES Perspectiva Contabilística e Fiscal Fases DISSOLUÇÃO LIQUIDAÇÃO PARTILHA Formalidades da Dissolução A dissolução deve obedecer a uma das seguintes formas: Por escritura

Leia mais

Conheça quais as alterações em matéria fiscal propostas pelo Orçamento de Estado, tanto para particulares, como para empresas e ENIs.

Conheça quais as alterações em matéria fiscal propostas pelo Orçamento de Estado, tanto para particulares, como para empresas e ENIs. Gerente MEDIDAS FISCAIS DA PROPOSTA DE OE2011 Conheça quais as alterações em matéria fiscal propostas pelo Orçamento de Estado, tanto para particulares, como para empresas e ENIs. A Proposta de Orçamento

Leia mais

CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro

CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro Generalidades Aplicação a investimentos realizados a partir de 1 Janeiro de 2014 (excepto para efeito de apuramento dos limites máximos dos

Leia mais

Lei nº53-a/2006 de 29 Dezembro 2006-1 -

Lei nº53-a/2006 de 29 Dezembro 2006-1 - IRS Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares ------------------------------------------------------------------------ IRS Rendimentos empresariais e profissionais (Categoria B) Estabelece-se para

Leia mais

Economia e Finanças Públicas Aula T13

Economia e Finanças Públicas Aula T13 Economia e Finanças Públicas Aula T13 3.4 O sistema fiscal português (conclusão) 3.4.3 Imposto geral sobre o consumo (IVA) 3.4.5 Impostos especiais sobre o consumo (IEC s) 3.4.6 Benefícios fiscais e despesa

Leia mais

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo:

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo: Considere os seguintes limites fixados para os funcionários públicos (P 30-A/2008): Subsídio de Refeição (4,11 ); Transporte em automóvel próprio ( 0,39 por quilómetro). O SP A está sujeito à seguinte

Leia mais

TAXAS DO IRS PARA 2013 (a) ATÉ 7.000 14,50% - + 7.000 A 20.000 28,50% 980 + 20.000 A 40.000 37,00% 2,680 + 40.000 A 80.

TAXAS DO IRS PARA 2013 (a) ATÉ 7.000 14,50% - + 7.000 A 20.000 28,50% 980 + 20.000 A 40.000 37,00% 2,680 + 40.000 A 80. GUIA FISCAL 2013 1 - IRS O IRS incide sobre os rendimentos auferidos a nível mundial por pessoas singulares residentes fiscais em Portugal. Tratando-se de não residentes, o IRS incide unicamente sobre

Leia mais

Enquadramento Fiscal

Enquadramento Fiscal Organizações Sem Fins Lucrativos Enquadramento Fiscal Ponte da Barca, 14 de Maio de 2013 Organizações Sem Fins Lucrativos Os principais tipos de entidades sem fins lucrativos em Portugal são as associações,

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

Advocacia e Cidadania

Advocacia e Cidadania REGRA GERAL: SUJEIÇÃO TRIBUTÁRIA (Art. 3.º e 48.º CIRC) IPSS não exercem a título principal uma actividade de natureza comercial, industrial ou agrícola Tributadas pelo rendimento global, o qual corresponde

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O I N T R O D U Ç Ã O O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património

Leia mais

apresentam Sistema Tributário Espanhol

apresentam Sistema Tributário Espanhol apresentam Sistema Tributário Espanhol Tipos de Impostos TIPOS DE IMPOSTOS IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO IMPUESTO SOBRE SOCIEDADES (equivalente ao IRC) IMPUESTO SOBRE LA RENTA DE LAS PERSONAS FÍSICAS (equivalente

Leia mais

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Mod. Versão 91-60 Informação actualizada a: 19/04/2011 Designação Comercial: Operação de Capitalização T- 1ª Série (ICAE- Não Normalizado) Período de Comercialização: de17/12/2008 a 17/12/20 Empresa de

Leia mais

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 REGIMES DE BENEFÍCIOS AO INVESTIMENTO E À CAPITALIZAÇÃO No dia 31 de outubro foi publicado o Decreto-Lei n.º 162/2014, que tem como objetivo promover a revisão global

Leia mais

FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PARA ARRENDAMENTO HABITACIONAL

FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PARA ARRENDAMENTO HABITACIONAL compilações doutrinais VERBOJURIDICO FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PARA ARRENDAMENTO HABITACIONAL DR. MIGUEL PRIMAZ DR. JOÃO BERNARDO GUEDES ADVOGADOS verbojuridico DEZEMBRO 2008 2 : FUNDOS DE INVESTIMENTO

Leia mais

Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário

Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário 12.outubro.2012 Tributação em Sede de Imposto Municipal sobre Imóveis Proposta de Lei n.º 96/XII/2.ª cria uma nova taxa em sede de Imposto do Selo incidente

Leia mais

Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS

Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS Portugal num mundo em mudança TROCA DE INFORMAÇÕES BANCÁRIAS, RESIDÊNCIA FISCAL E OUTROS TEMAS Porquê Portugal? Portugal é um país dinâmico, seguro, com uma taxa de criminalidade baixa, trabalhadores altamente

Leia mais

Orçamento do Estado para 2004

Orçamento do Estado para 2004 Orçamento do Estado para 2004 (Lei nº107-b/2003, de 31 de Dezembro de 2003) Principais Medidas Fiscais com Incidência na Actividade Empresarial 1 IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Leia mais

Guia Fiscal 2012. Índice. Informação Fiscal 7. Região Autónoma da Madeira. Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS)

Guia Fiscal 2012. Índice. Informação Fiscal 7. Região Autónoma da Madeira. Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS) Guia Fiscal 2012 Guia Fiscal 2012 Índice Informação Fiscal 7 Região Autónoma da Madeira 59 Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS) 14 Desvalorizações excepcionais de elementos do activo

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DE JUROS, DIVIDENDOS E MAIS-VALIAS NO CHIPRE LEIS E DECRETOS

TRIBUTAÇÃO DE JUROS, DIVIDENDOS E MAIS-VALIAS NO CHIPRE LEIS E DECRETOS TRIBUTAÇÃO DE JUROS, DIVIDENDOS E MAIS-VALIAS NO CHIPRE LEIS E DECRETOS Lei (alterada) do Imposto sobre os Rendimentos de 2005 Lei (alterada) da Contribuição Especial para a Defesa de 2004 Lei (alterada)

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Lei n.º 64/2015, de 1 de julho Estado: vigente Resumo:

Leia mais

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS 1 O E / 2008 IRC 2 Apresentação 1. Acolhimento de recomendações da OCDE 2. Combate à evasão fiscal 3. Aperfeiçoamentos técnico-legislativos 4. Medidas de simplificação

Leia mais

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Globalmente, a Associação Industrial Portuguesa Câmara de Comércio e Indústria (AIP-CCI) considera positivo o Anteprojeto de Reforma do IRS efetuado

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010 ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS São João da Madeira, 30 de Março de 2010 1 1 TRIBUTAÇÃO DOS ACTOS ISOLADOS 2 REGIME SIMPLIFICADO 3 MAIS-VALIAS 4 CATEGORIA H - Pensões 5 DECLARAÇÃO Dispensa

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS. Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho)

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS. Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho) ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho) Artigo 2.º Conceito de benefício fiscal e de despesa fiscal e respectivo controlo

Leia mais

O artigo 51º do CIRC estabelece que os dividendos recebidos por sociedades portuguesas são totalmente excluídos de tributação sempre que:

O artigo 51º do CIRC estabelece que os dividendos recebidos por sociedades portuguesas são totalmente excluídos de tributação sempre que: DESTAQUE Novembro de 2010 FISCAL Proposta de alterações aos mecanismos para evitar a dupla tributação económica de dividendos A Proposta de Lei do Orçamento de Estado para 2011 ( Proposta de OE 2011 )

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 1 IRC 2 Eliminação da Dupla Tributação Económica dos Lucros Distribuídos Na sociedade detentora Eliminação da Dupla Tributação nos Lucros auferidos

Leia mais

Sistemas de Incentivos Portugal 2020

Sistemas de Incentivos Portugal 2020 Sistemas de Incentivos Portugal 2020 Portugal 2020 Acordo de parceria entre Portugal e a Comissão Europeia no qual se consagra a política de desenvolvimento económico, social e territorial a promover entre

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL Outubro de 2015

CALENDÁRIO FISCAL Outubro de 2015 CALENDÁRIO FISCAL DATA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS Até ao dia 12 Envio da Declaração Periódica, por transmissão eletrónica de dados, acompanhada dos anexos que se mostrem devidos, pelos sujeitos

Leia mais

MOD.3. Peça a sua senha em:

MOD.3. Peça a sua senha em: MOD.3 2 008 Envie a declaração de rendimentos pela internet: > É gratuito > É disponibilizada ajuda no preenchimento, evitando erros > Evita filas de espera e deslocações Peça a sua senha em: www.e-financas.gov.pt

Leia mais

Impostos & Contribuições

Impostos & Contribuições Impostos & Contribuições Principais alterações que resultam da aprovação do Orçamento de Estado para 2014: 1. IRS (Imposto sobre Rendimento das Pessoas Singulares) 1.1 Seguros de saúde ou de doença Caso

Leia mais

Alienou acções nacionais ou estrangeiras detidas durante menos de 12 meses?

Alienou acções nacionais ou estrangeiras detidas durante menos de 12 meses? Mais-valias Alienou acções nacionais ou estrangeiras detidas durante menos de 12 meses? Nesse caso, o saldo anual positivo entre as mais e menos-valias apuradas vai ser sujeito a uma taxa especial de imposto

Leia mais

NOVO REGIME FISCAL DOS FII E PERSPECTIVAS PARA O REGIME DAS SIPI

NOVO REGIME FISCAL DOS FII E PERSPECTIVAS PARA O REGIME DAS SIPI NOVO REGIME FISCAL DOS FII E PERSPECTIVAS PARA O REGIME DAS SIPI GONÇALO BASTOS LOPES / PAULO COSTA MARTINS LISBOA, 16 DE ABRIL DE 2015 NOVO REGIME FISCAL DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO 1. NOTA

Leia mais

QUADRO RESUMO DOS PRINCIPAIS IMPOSTOS CABO-VERDIANOS. Imposto Base de incidência Taxa

QUADRO RESUMO DOS PRINCIPAIS IMPOSTOS CABO-VERDIANOS. Imposto Base de incidência Taxa SISTEMA TRIBUTÁRIO QUADRO RESUMO DOS PRINCIPAIS IMPOSTOS CABO-VERDIANOS Imposto Base de incidência Taxa Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS) Contribuições paraa Segurança Social Os

Leia mais

Tributação da reabilitação urbana. Raquel Franco 08.03.2013

Tributação da reabilitação urbana. Raquel Franco 08.03.2013 Raquel Franco 08.03.2013 Benefícios à reabilitação urbana Artigo 45.º EBF prédios urbanos objeto de reabilitação Artigo 46.º EBF - prédios urbanos construídos, ampliados, melhorados ou adquiridos a título

Leia mais

NEWS TCC SROC Julho 2014

NEWS TCC SROC Julho 2014 Novidades Portal das Finanças - Certificação de Software Foi divulgado pelo despacho n.º 247/2014 de 30 Junho de 2014, a prorrogação para 1 de outubro de 2014 a obrigação de certificação de software de

Leia mais

newsletter Nº 72 JANEIRO / 2013

newsletter Nº 72 JANEIRO / 2013 newsletter Nº 72 JANEIRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Dezembro de 2012 2 Lei do Orçamento do Estado para 2013 4 Obrigações Fiscais Novas Regras em 2013 12 Revisores e Auditores 15 LEGISLAÇÃO

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O INTRODUÇÃO O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património imobiliário

Leia mais

Cada vez mais a abolição das

Cada vez mais a abolição das Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes P o r M a r i a M a n u e l a V i e i r a R e i n o l d s d e M e l o As retenções na fonte de rendimentos obtidos por não residentes obedecem

Leia mais

Regime dos Planos de Poupança em Acções

Regime dos Planos de Poupança em Acções Decreto-Lei n.º 204/95 de 5 de Agosto * A constituição de planos individuais de poupança em acções, além de procurar estimular a canalização dos recursos das famílias para a poupança de longo prazo, visa

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Afonso Barroso. Afonso.Barroso@amsa.pt. Abreu & Marques 2014 1

Afonso Barroso. Afonso.Barroso@amsa.pt. Abreu & Marques 2014 1 Afonso Barroso Afonso.Barroso@amsa.pt Abreu & Marques 2014 1 O Regime Fiscal dos Residentes Não Habituais (RNH) Abreu & Marques 2014 2 O RNH foi introduzido no Código do Imposto sobre o Rendimento de Pessoas

Leia mais

Anteprojeto da Reforma do IRS. Conheça as principais propostas do Anteprojeto da Reforma do IRS recentemente publicado.

Anteprojeto da Reforma do IRS. Conheça as principais propostas do Anteprojeto da Reforma do IRS recentemente publicado. Conheça as principais propostas do Anteprojeto da Reforma do IRS recentemente publicado. Audit Tax Advisory Consulting www.crowehorwath.pt Índice A. Principais medidas no âmbito da Simplificação 3 B. Principais

Leia mais

Impossibilidade de reembolso antecipado, quer pelo emitente quer pelo investidor.

Impossibilidade de reembolso antecipado, quer pelo emitente quer pelo investidor. Documento Informativo Montepio Top Europa - Março 2011/2015 Produto Financeiro Complexo ao abrigo do Programa de Emissão de Obrigações de Caixa de 3 000 000 000 Advertências ao investidor: Impossibilidade

Leia mais

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O sistema tributário moçambicano integra impostos directos e impostos indirectos, actuando a diversos níveis, designadamente: a) Tributação directa dos rendimentos e da riqueza;

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Samuel Fernandes de Almeida 17 e 18 de Fevereiro REGRAS GERAIS DE IMPOSTO INDUSTRIAL Incidência subjectiva Empresas com sede ou direcção efectiva em Angola e empresas com sede e

Leia mais

Calendário Fiscal. Fevereiro de 2014 DIA 10. Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro)

Calendário Fiscal. Fevereiro de 2014 DIA 10. Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro) Calendário Fiscal Fevereiro de 2014 DIA 10 Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro) A entrega da declaração de remunerações referente ao mês de Janeiro de 2014 tem que ser feita obrigatoriamente

Leia mais

Reinvestimento. Consignação de rendimentos CONSULTÓRIO

Reinvestimento. Consignação de rendimentos CONSULTÓRIO Reinvestimento A empresa «A», SA, sociedade hoteleira, vendeu em 2007 o edifício (hotel) de que era proprietária. Desta venda resultaram mais-valias fiscais. Para uma perspectiva de continuidade do negócio,

Leia mais

A aquisição de qualquer imóvel pressupõe o pagamento de IMT, IMI e imposto de selo.

A aquisição de qualquer imóvel pressupõe o pagamento de IMT, IMI e imposto de selo. Impostos A aquisição de qualquer imóvel pressupõe o pagamento de IMT, IMI e imposto de selo. IMT (Imposto sobre Transmissões Onerosas de Imóveis) Imposto sobre as transmissões onerosas do direito de propriedade

Leia mais

BENEFÍCIOS FISCAIS PARA A REABILITAÇÃO URBANA ENQUADRAMENTO LEGAL

BENEFÍCIOS FISCAIS PARA A REABILITAÇÃO URBANA ENQUADRAMENTO LEGAL BENEFÍCIOS FISCAIS PARA A REABILITAÇÃO URBANA ENQUADRAMENTO LEGAL Refere o Decreto-Lei nº 307/2009 de 23 de Outubro No artigo 2º Definições i) «Reabilitação de edifícios» a forma de intervenção destinada

Leia mais

Investimento português em Cabo Verde - Aspectos fiscais

Investimento português em Cabo Verde - Aspectos fiscais www.pwc.com/pt Investimento português em Cabo Verde - Aspectos fiscais Liza Helena Vaz AICEP/ AIP/AIDA/ANEMM/APIA Agenda Tributação em Cabo Verde Aspectos fiscais do investimento português em Cabo Verde

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012 Alterações Fiscais Relevantes 1. Introdução O passado mês de Agosto foram publicados vários diplomas legais com impacto na vida das empresas e das organizações em geral.

Leia mais

Tax Alert. Anteprojecto com propostas de alteração ao Código do IRC. Simplificação de processos

Tax Alert. Anteprojecto com propostas de alteração ao Código do IRC. Simplificação de processos 30 de Julho de 2013 Tax Alert Anteprojecto com propostas de alteração ao Código do IRC O Governo Português, representado pelo Exmo. Senhor Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, nomeou uma Comissão

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL Novembro de 2015

CALENDÁRIO FISCAL Novembro de 2015 DATA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS Até ao dia 02 IUC Liquidação, por transmissão eletrónica de dados, e pagamento do Imposto Único de Circulação (IUC), relativo aos veículos cujo aniversário da

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais