Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil"

Transcrição

1 Planejamento Tributário Simples Nacional Fabricio Oenning

2 Composição: Este treinamento está composto pelas seguintes aulas: Aula 1 Simples Nacional Aula 2 Lucro Real Aula 3 Lucro Presumido

3 Nossa Agenda O que é este regime de tributação Quais são os tributos inclusos Quais são os limites de receita Quem está impedido de adotar o regime Quem pode adotá-lo Como fazer para adotar este regime Simulações práticas

4 Cenário Econômico/Tributário Previsão crescimento PIB 2015 (Governo -1,50 / Mercado -1,70) Inflação (Governo +9% / Mercado +9,15%) Desemprego 8,5% (1 milhão nos últimos 12 meses) Orçamento do Governo com restrições Previsão de retorno da CPMF Aumento da alíquota da desoneração da folha de pagamento Aumento dos limites do Simples Nacional ainda não aprovados

5 Planejamento Tributário é... Conforme Professor Fabretti, Planejamento Tributário é o estudo feito preventivamente, ou seja, antes da realização do fato administrativo, pesquisando-se seus efeitos jurídicos e econômicos e as alternativas legais menos onerosas. Não há mágica em planejamento tributário, apenas alternativas, cujas relações custo/benefício variam muito em função dos valores envolvidos, da época, do local, do tamanho da empresa, etc.

6 Questões Importantes que Precisam ser Consideradas Qual é a realidade da minha empresa? Quanto estou faturando? Qual o valor dos tributos que pago atualmente? Em qual regime de tributação estou inserido? Quanto eu quero crescer no próximo ano? Vou desenvolver um novo negócio/produto? Pretendo operar em outras cidades/estados/países?

7 Fluxo Processo Definição Regime Tributação Início Identificar Receita Ano Anterior Maior R$ 78mi? Sim Lucro Real Não Sim Menor R$ 3,6 mi? Não Avaliar Lucro Presumido Atividade obrigatória ao L. Real? Sim Sim Não Atividade Impedida Simples? Não Avaliar Regime e Definir Anexo Avaliar Melhor Estratégia Entre L. Presumido e L. Real Fim

8 Fluxo Processo Definição Regime Tributação Início Identificar Receita Ano Anterior Maior R$ 78mi? Sim Lucro Real Não Sim Menor R$ 3,6 mi? Não Avaliar Lucro Presumido Atividade obrigatória ao L. Real? Sim Sim Não Atividade Impedida Simples? Não Avaliar Regime e Definir Anexo Avaliar Melhor Estratégia Entre L. Presumido e L. Real Fim

9 O que é o Simples Nacional? Regime compartilhado de arrecadação, cobrança e fiscalização de tributos; Aplicável às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte; Amparado pela Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006; Abrange a participação de todos os entes federados (União, Estados, Distrito Federal e Municípios);

10 Quais tributos estão inclusos? IRPJ Imposto de Renda da Pessoa Jurídica CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido PIS Contribuição para o Programa de Integração Social COFINS Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social IPI Imposto sobre Produtos Industrializados ICMS Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços ISS Imposto sobre Serviços CPP Contribuição Patronal Previdenciária (INSS) CPRB Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta* Em substituição a contribuição normal do INSS para os contribuintes do Anexo IV.

11 Limites de Receita Geral: Micro-empresa R$ ,00/ano Empresa Pequeno Porte R$ ,00/ano Proporcional: Micro-empresa R$ ,00 Empresa Pequeno Porte R$ ,00 Os limites proporcionais para ME e EPP serão multiplicados pelo número de meses compreendido entre o início da atividade e o final do respectivo ano-calendário, consideradas as frações de meses como um mês inteiro. A EPP pode adotar um limite adicional de até R$ ,00 para receitas de exportação de mercadorias/serviços.

12 Sublimites de Receita Sublimites para 2015 R$ : Acre, Amapá, Rondônia e Roraima R$ : Alagoas, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Piauí e Tocantins Acima deste limite o ICMS é recolhido diretamente para o Estado Acima deste limite o ISS é recolhido diretamente para o Município (que pertencer a um dos Estados acima)

13 PJ s Impedidas de Adotar o Regime Extensa lista (art. 3º, II, 2º e 4º, e art. 17 da Lei Complementar nº 123, de 2006). Alguns exemplos: Que tenha auferido, no ano-calendário imediatamente anterior ou no ano-calendário em curso, receita bruta no mercado interno superior a R$ ,00 ou ao limite adicional de igual valor para exportação de mercadorias e serviços; De cujo capital participe pessoa física que seja inscrita como empresário ou seja sócia de outra empresa que receba tratamento jurídico diferenciado nos termos da Lei Complementar nº 123, de 2006, desde que a receita bruta global ultrapasse o limite de R$ ,00; De cujo capital participe outra pessoa jurídica; Cujo titular ou sócio participe com mais de 10% do capital de outra empresa não inscrita no SIMPLES NACIONAL desde que a receita bruta global ultrapasse R$ ,00 no ano-calendário;

14 Quem pode adotá-lo? O Empresário, a Empresa Individual de Responsabilidade Limitada, a Sociedade Simples e a Sociedade Empresária, desde que: Respeitado o limite de receita anual; Não estiver impedido pelo art. 3º, II, 2º e 4º, e art. 17 da Lei Complementar nº 123, de Não houver impedimento do CNAE em função dos Anexos VI e VII da Resolução CGSN 94/2011

15 Como fazer para adotá-lo? Empresa em início de atividade: Após inscrição no CNPJ, Estadual e Municipal, terá 30 dias para solicitar via Portal do Simples Nacional; Empresa já existente: Via Portal do Simples Nacional, no mês de Janeiro, podendo agendar o pedido antecipadamente; Caso já seja optante não precisa manifestar nova inscrição no Simples, apenas indicar qual regime usará para apropriação das suas receitas (caixa ou competência);

16 Anexos O Simples Nacional está composto por 6 anexos: Anexo I Comércio Anexo II Indústria Anexo III Serviços Creche / Agência turismo / Escritórios de Contabilidade / Corretagem de Seguros / Locação de bens imóveis e corretagem de imóveis, desde que sejam de terceiros; Anexo IV Serviços (INSS pago sobre a folha de pagamento ou CPRB) Construção de imóveis / Serviço de vigilância, limpeza ou conservação / Serviços advocatícios; Anexo V Serviços Academias / Laboratórios de Análises Clínicas / Desenvolvimento de Software e de Sites Anexo VI Serviços Medicina Veterinária / Arquitetura / Representação Comercial / Agronomia / Auditoria / Consultoria

17 Simulações Empresa sem impedimentos para adotar o Simples, está iniciando atividades em Outubro/2015 e pretende faturar R$ ,00 mensais. Deve ou não adotar o Simples? Previsão receita: ,00 x 3 meses = ,00 Limite proporcional: ,00 x 3 meses = , % = ,00 Conclusão: pode adotar em 2015, pois estourou o limite de receita abaixo dos 20%, mas em 2016 sairá do Simples.

18 Simulações Empresa optante pelo Simples nos anos anteriores, deverá fechar 2015 com R$ ,00 de receita e tem previsão de crescer em Ela poderá adotar o Simples no ano seguinte? Não, pois em 2015 ultrapassou o limite de R$ ,00.

19 Simulações Empresa já optante pelo Simples desde sua criação, está desenvolvendo um novo produto (sem impedimento no Simples) e pretende crescer 50% em Poderá permanecer no regime simplificado? Receita estimada 2015 = R$ ,00 Receita estimada 2016 = R$ , % = R$ ,00 Conclusão: sim, é possível permanecer pois não ultrapassou o limite de R$ 3,6 milhões em 2015.

20 Simulações Empresa optante pelo Simples deve fechar 2015 com as seguintes receitas abaixo detalhadas. A pergunta é: pode continuar adotando o regime simplificado para 2016? Receita mercado interno = R$ ,00 Receita exportação = R$ ,00 Total da receita = R$ ,00 Conclusão: sim, poderá permanecer pois o limite de R$ 3,6 milhões se controla em separado para mercado interno e externo.

21 Simulações Empresa Comercial já é optante do Simples. Nos últimos 12 meses faturou R$ 3,2 milhões, mas deve fechar 2015 com R$ 3,3 milhões. Não tem previsão de crescimento para É possível estimar o valor dos tributos a pagar? Receita últimos 12 meses = R$ ,00 Valor a pagar = R$ ,00 x 11,51% = ,00 / 12 meses = R$ ,50 Receita Bruta em 12 meses (em R$) ALÍQUOTA IRPJ CSLL COFINS PIS/PASEP CPP ICMS De ,01 a ,00 11,51% 0,53% 0,53% 1,60% 0,38% 4,56% 3,91%

22 Fontes e Referências Lei Complementar 123/2006 atualizada Portal do Simples Nacional

23 Planejamento Tributário Lucro Real Fabricio Oenning

24 Nossa Agenda O que é este regime de tributação Quais são os tributos inclusos Quais são os limites de receita Quem está impedido de adotar o regime Quem pode adotá-lo Como fazer para adotar este regime Simulações práticas

25 Fluxo Processo Definição Regime Tributação Início Identificar Receita Ano Anterior Maior R$ 78mi? Sim Lucro Real Não Sim Menor R$ 3,6 mi? Não Avaliar Lucro Presumido Atividade obrigatória ao L. Real? Sim Sim Não Atividade Impedida Simples? Não Avaliar Regime e Definir Anexo Avaliar Melhor Estratégia Entre L. Presumido e L. Real Fim

26 Fluxo Processo Definição Regime Tributação Início Identificar Receita Ano Anterior Maior R$ 78mi? Sim Lucro Real Não Sim Menor R$ 3,6 mi? Não Avaliar Lucro Presumido Atividade obrigatória ao L. Real? Sim Sim Não Atividade Impedida Simples? Não Avaliar Regime e Definir Anexo Avaliar Melhor Estratégia Entre L. Presumido e L. Real Fim

27 O que é o Lucro Real? É um regime de tributação adotado, em regra, por grandes empresas e por aquelas que desenvolvem alguma atividade especificada na lei que obriga a adoção; Diferentemente do SIMPLES Nacional, no Lucro Real a pessoa jurídica recolherá todos os tributos de forma individualizada É aplicável a qualquer tipo e tamanho de empresa, ou seja, pode ser adotado voluntariamente por quem entender que é o melhor para seu negócio; Amparado pelo Decreto 3.000/1999 (Regulamento do Imposto de Renda);

28 Quais tributos estão inclusos? Os mesmos tributos que estão inclusos no Simples Nacional também fazem parte do regime do Lucro Real, com algumas diferenças em relação a apuração, alíquotas e recolhimento: IRPJ Imposto de Renda da Pessoa Jurídica CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido PIS Contribuição para o Programa de Integração Social COFINS Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social IPI Imposto sobre Produtos Industrializados ICMS Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços ISS Imposto sobre Serviços CPP Contribuição Patronal Previdenciária (INSS) CPRB Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta* Em substituição a contribuição normal do INSS.

29 Limites de Receita No Lucro Real não existe um limite máximo de receita como tem no Simples Nacional. Neste regime existe um limite mínimo que obriga as pessoas jurídicas adotarem este regime quando ultrapassarem o limite: O artigo 14 da lei 9.718/98 define as condições que obrigam a pessoa jurídica à adoção pelo regime do lucro real, e a primeira delas é o limite mínimo da receita: Art. 14. Estão obrigadas à apuração do lucro real as pessoas jurídicas: I - cuja receita total no ano-calendário anterior seja superior ao limite de R$ ,00 (setenta e oito milhões de reais) ou proporcional ao número de meses do período, quando inferior a 12 (doze) meses; (Redação dada pela Lei nº , de 2013)

30 Atividades Obrigatórias ao Lucro Real Artigo 14 da lei 9.718/98: II - cujas atividades sejam de bancos comerciais, bancos de investimentos, bancos de desenvolvimento, caixas econômicas, sociedades de crédito, financiamento e investimento, sociedades de crédito imobiliário, sociedades corretoras de títulos, valores mobiliários e câmbio, distribuidoras de títulos e valores mobiliários, empresas de arrendamento mercantil, cooperativas de crédito, empresas de seguros privados e de capitalização e entidades de previdência privada aberta; III - que tiverem lucros, rendimentos ou ganhos de capital oriundos do exterior; IV - que, autorizadas pela legislação tributária, usufruam de benefícios fiscais relativos à isenção ou redução do imposto;

31 Atividades Obrigatórias ao Lucro Real Artigo 14 da lei 9.718/98: V - que, no decorrer do ano-calendário, tenham efetuado pagamento mensal pelo regime de estimativa, na forma do art. 2 da Lei n 9.430, de 1996; VI - que explorem as atividades de prestação cumulativa e contínua de serviços de assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito, seleção e riscos, administração de contas a pagar e a receber, compras de direitos creditórios resultantes de vendas mercantis a prazo ou de prestação de serviços (factoring). VII - que explorem as atividades de securitização de créditos imobiliários, financeiros e do agronegócio.(incluído pela Lei nº , de 2010)

32 Quem pode/deve adotá-lo? Pode: Qualquer pessoa jurídica, desde que não esteja inclusa em outro regime de tributação; Deve: Todas as pessoas jurídicas que se enquadrarem no artigo 14 da 9.718/98; A adoção se dará, em regra, no início de cada ano-calendário, salvo exceções que obrigam a adoção no decorrer do ano (ex: abrir filial no exterior)

33 Como fazer para adotá-lo? Através do primeiro recolhimento do ano relativo ao IRPJ e CSLL a pessoa jurídica indicará (pelo uso do código na DARF) que adotou o regime do lucro real. Abaixo um exemplo: IRPJ - Obrigadas a Apurar o Lucro Real - Estimativa Mensal; Demais códigos, consultar os link s abaixo: Na declaração anual (ECF) também será sinalizado que optou pelo lucro real;

34 Regime de Apuração Anual ou Trimestral? A pessoa jurídica precisa definir qual regime utilizará no lucro real, sendo as opções: Lucro Real Anual nesta opção o contribuinte efetuará a apuração do IRPJ e da CSLL sobre o resultado do ano, entretanto precisará recolher mensalmente uma antecipação do imposto devido; Lucro Real Trimestral nesta opção o contribuinte efetuará a apuração sobre o resultado de cada trimestre individualmente, não havendo a necessidade de recolhimentos mensais a título de antecipação;

35 Regime de Apuração x Fluxo de Caixa x Compensação Prejuízos Lucro Real Anual Antecipação Mensal Saídas de Caixa Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Compensação integral de prejuízos gerados no decorrer do ano Lucro Real Trimestral Saídas de Caixa Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Compensação limitada a 30% do prejuízo do trimestre anterior

36 Tributos no Lucro Real Tributo Base de Cálculo Alíquota Crédito IRPJ Lucro Real 15% + adicional 10% Sem crédito CSLL Lucro Real 9% Sem crédito ICMS Valor operação Cfe Estado, 17%, 18%, etc Sobre as entradas IPI Valor operação Cfe RIPI, 5%, 10%, 15%, etc Sobre as entradas PIS Valor operação 1,65% Sobre as entradas COFINS Valor operação 7,60% Sobre as entradas ISS Valor da prestação Cfe Município, 2%, 3%, 5%, etc Sem crédito CPP (INSS) Folha Pagamento 20% Sem crédito CPRB (substituto ao INSS sobre a folha) Receita Bruta 1,5% - 2,5% - 4,5% Sem crédito

37 Simulações Pessoa jurídica já contabilizou em 2015 receita total no valor de R$ 80 milhões. Ela está obrigada a deixar o regime tributário atual (ex: lucro presumido) e adotar o lucro real para o ano em andamento? Resposta: não, para o ano de 2015 a empresa continuará no regime adotado desde o início do ano, mas para 2016 ela será obrigada a adotar o lucro real por ter ultrapassado o limite mínimo da receita total do ano-calendário anterior.

38 Simulações Empresa com atividade comercial está abrindo uma filial no exterior em Jan/16 e serei obrigado adotar o regime do lucro real. Quanto devo considerar em meu planejamento para gastos com tributos, considerando que: Previsão Receita R$ ,00 Lucro previsto 20% Aquisições R$ ,00 Folha pagamento R$ ,00

39 Simulações Tributo Cálculo IRPJ ,00 x 20% lucro = ,00 x 15% = ,00 + Adicional , ,00 = ,00 x 10% = ,00 CSLL ,00 x 20% lucro = ,00 x 9% = ,00 ICMS Débitos ,00 x 17% = ,00 Crédito ,00 x 17% = ,00 saldo ,00 PIS/COFINS Débitos ,00 x 9,25% = ,00 Crédito ,00 x 9,25% = ,00 saldo ,00 INSS ou CPRB Folha ,00 x 20% = ,00, ou Receita ,00 x 4,5% = ,00

40 Fontes e Referências Decreto 3.000/99 Regulamento do Imposto de Renda

41 Planejamento Tributário Lucro Presumido Fabricio Oenning

42 Nossa Agenda O que é este regime de tributação Quais são os tributos inclusos Quais são os limites de receita Quem está impedido de adotar o regime Quem pode adotá-lo Como fazer para adotar este regime Simulações práticas

43 Fluxo Processo Definição Regime Tributação Início Identificar Receita Ano Anterior Maior R$ 78mi? Sim Lucro Real Não Sim Menor R$ 3,6 mi? Não Avaliar Lucro Presumido Atividade obrigatória ao L. Real? Sim Sim Não Atividade Impedida Simples? Não Avaliar Regime e Definir Anexo Avaliar Melhor Estratégia Entre L. Presumido e L. Real Fim

44 Fluxo Processo Definição Regime Tributação Início Identificar Receita Ano Anterior Maior R$ 78mi? Sim Lucro Real Não Sim Menor R$ 3,6 mi? Não Avaliar Lucro Presumido Atividade obrigatória ao L. Real? Sim Sim Não Atividade Impedida Simples? Não Avaliar Regime e Definir Anexo Avaliar Melhor Estratégia Entre L. Presumido e L. Real Fim

45 O que é o Lucro Presumido? É uma alternativa para as empresas que não estejam obrigadas à tributação pelo Lucro Real. Tem a finalidade de facilitar a apuração do IRPJ e CSL, sem atender as exigências e complexidade da apuração do lucro real; Diferentemente do SIMPLES Nacional, no Lucro Presumido a pessoa jurídica recolherá todos os tributos de forma individualizada Amparado pelo Decreto 3.000/1999 (Regulamento do Imposto de Renda) e pela lei 9.249/95;

46 Quais tributos estão inclusos? Os mesmos tributos que estão inclusos no Simples Nacional e no Lucro Real também fazem parte do regime do Lucro Presumido, com algumas diferenças em relação a apuração, alíquotas e recolhimento: IRPJ Imposto de Renda da Pessoa Jurídica CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido PIS Contribuição para o Programa de Integração Social COFINS Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social IPI Imposto sobre Produtos Industrializados ICMS Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços ISS Imposto sobre Serviços CPP Contribuição Patronal Previdenciária (INSS) CPRB Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta* Em substituição a contribuição normal do INSS.

47 Limites de Receita No Lucro Presumido o único limitador em termos de Receita é o limite máximo de R$ 78 milhões de receita total no ano-calendário que obriga a empresa a adotar o regime do Lucro Real, ou seja, estando abaixo deste limite a empresa tem a liberdade de optar pelo regime que melhor se adequar ao seu negócio. Para relembrar... O artigo 14 da lei 9.718/98 define as condições que obrigam a pessoa jurídica à adoção pelo regime do lucro real, e a primeira delas é o limite mínimo da receita: Art. 14. Estão obrigadas à apuração do lucro real as pessoas jurídicas: I - cuja receita total no ano-calendário anterior seja superior ao limite de R$ ,00 (setenta e oito milhões de reais) ou proporcional ao número de meses do período, quando inferior a 12 (doze) meses; (Redação dada pela Lei nº , de 2013)

48 Atividades Obrigatórias ao Lucro Presumido Não existe definição de atividade obrigatória ao regime do Lucro Presumido. Ou a atividade da pessoa jurídica obrigada a adoção do Lucro Real ou ela pode optar pelo SIMPLES Nacional ou pelo Lucro Presumido desde que respeitados os limites de receita.

49 Quem pode adotá-lo? Qualquer pessoa jurídica, desde que não esteja inclusa em outro regime de tributação; A adoção se dará no início de cada ano-calendário e manterá esta condição durante todo o ano, salvo exceções que obrigam a mudança para o lucro real no decorrer do ano (ex: abrir filial no exterior)

50 Como fazer para adotá-lo? Através do primeiro recolhimento do ano relativo ao IRPJ e CSLL a pessoa jurídica indicará (pelo uso do código na DARF) que adotou o regime do lucro presumido IRPJ CSLL Na declaração anual (ECF) também será sinalizado que optou pelo lucro presumido;

51 Regime de Apuração Trimestral No lucro presumido o IRPJ e a CSLL são apurados trimestralmente, fazendo com que o recolhimento se efetue no mês seguinte ao término de cada trimestre; No lucro presumido a empresa pode adotar o regime de caixa para oferecer suas receitas à tributação. Esta regra deve ser aplicada para todo o anocalendário e para os tributos IRPJ, CSLL, PIS e COFINS; Observação: o PIS e a COFINS devem ser apurados e recolhidos mensalmente, assim como os demais tributos (ICMS, IPI, ISS, CPP ou CPRB).

52 Regime de Apuração x Fluxo de Caixa Lucro Presumido Apuração Trimestral - Recolhimento Mensal IRPJ/CSLL Parcelado Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Lucro Presumido Apuração e Recolhimento Trimestral do IRPJ e CSLL Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez

53 Tributos no Lucro Presumido Tributo Base de Cálculo Alíquota Crédito IRPJ Lucro Presumido 15% + adicional 10% Sem crédito CSLL Lucro Presumido 9% Sem crédito ICMS Valor operação Cfe Estado, 17%, 18%, etc Sobre as entradas IPI Valor operação Cfe RIPI, 5%, 10%, 15%, etc Sobre as entradas PIS Valor operação 0,65% Sem crédito COFINS Valor operação 3,00% Sem crédito ISS Valor da prestação Cfe Município, 2%, 3%, 5%, etc Sem crédito CPP (INSS) Folha Pagamento 20% Sem crédito CPRB (substituto ao INSS sobre a folha) Receita Bruta 1% - 1,5% - 2,5%- 3% - 4,5% Sem crédito

54 Simulações Pessoa jurídica, já optante pelo lucro presumido, pretende fechar o ano de 2015 com os números abaixo. Ela compra e revende mercadorias. Está fazendo seu planejamento para 2016 e quer decidir qual regime deve adotar e quanto considerar para gastos com tributos. Previsão Receita R$ ,00 Lucro previsto 10% Aquisições R$ ,00 Folha pagamento R$ ,00

55 Simulações Diferença de R$ ,00 Tributo Lucro Real R$ ,00 Lucro Presumido R$ ,00 IRPJ ,00 x 10% = ,00 x 15% = ,00 + Adicional , ,00 = ,00 x 10% = , ,00 x 8% = ,00 x 15% = ,00 + Adicional , ,00 = ,00 x 10% = ,00 CSLL ,00 x 10% = ,00 x 9% = , ,00 x 12% = ,00 x 9% = ,00 ICMS Débitos ,00 x 17% = ,00 Crédito ,00 x 17% = ,00 Saldo ,00 PIS/COFINS Débitos ,00 x 9,25% = ,00 Crédito ,00 x 9,25% = ,00 Saldo ,00 INSS ou CPRB Folha ,00 x 20% = ,00, ou Receita ,00 x 4,5% = ,00 Débitos ,00 x 17% = ,00 Crédito ,00 x 17% = ,00 Saldo ,00 Débitos ,00 x 3,65% = ,00 Folha ,00 x 20% = ,00, ou Receita ,00 x 4,5% = ,00

56 Simulações Pessoa jurídica prestadora de serviços de desenvolvimento de software, optante pelo lucro presumido, pretende fechar o ano de 2015 com os números abaixo. Está fazendo seu planejamento para 2016 e quer decidir qual regime deve adotar e quanto considerar para gastos com tributos. Previsão Receita R$ ,00 Lucro previsto 20% Aquisições R$ ,00 Folha pagamento R$ ,00

57 Simulações Diferença de R$ ,00 Tributo Lucro Real R$ ,00 Lucro Presumido R$ ,00 IRPJ ,00 x 20% = ,00 x 15% = ,00 + Adicional , ,00 = ,00 x 10% = , ,00 x 32% = ,00 x 15% = ,00 + Adicional , ,00 = ,00 x 10% = ,00 CSLL ,00 x 20% = ,00 x 9% = , ,00 x 32% = ,00 x 9% = ,00 ISS ,00 x 5% = , ,00 x 5% = ,00 PIS/COFINS Débitos ,00 x 3,65% = ,00 Não tem crédito devido ao tipo de serviço é cumulativo Débitos ,00 x 3,65% = ,00 INSS ou CPRB Folha ,00 x 20% = ,00, ou Receita ,00 x 4,5% = ,00 Folha ,00 x 20% = ,00, ou Receita ,00 x 4,5% = ,00

58 Fontes e Referências Decreto 3.000/99 Regulamento do Imposto de Renda Lei 9.249/95

59 Muito Obrigado.

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1.1. O que é O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, aplicável

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO. Maio/2008

PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO. Maio/2008 PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO Maio/2008 1 CÁLCULO DO VALOR DEVIDO Será disponibilizado sistema eletrônico para realização do cálculo simplificado do valor mensal devido referente ao Simples Nacional. (LC123/2006,

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional

Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional 24 de Janeiro de 2014 LÚCIO DA CUNHA FERNANDES Presidente QUAL A IMPORTÂNCIA DE CONHECER AS FORMAS DE TRIBUTAÇÃO? Reconhecer a opção que mais se adeque a

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido Aline de Melo Silva Discente do 4 ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Karen Cássia de Souza Discente

Leia mais

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013.

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. Lucro Presumido SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. IRPJ CF/88, artigo 153 Compete à União instituir impostos sobre: III - renda e proventos de qualquer natureza

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO Prof. Emanoel Truta CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Conceito Ramo da contabilidade responsável pelo gerenciamento dos tributos incidentes

Leia mais

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino Simples Nacional Seminário de Direito Tributário Assunto: PGDAS Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino 1 CÁLCULO E PGDAS Conceitos Básicos para Cálculo Regime de Tributação: Competência e Caixa Segregação

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte.

SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. SIMPLES NACIONAL Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO

SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO 1 Empresário Contábil, MBA em Contabilidade Empresarial pela PUC-SP, Delegado Regional do CRC-SP em Jundiai, Professor Universitário e de Pós-Graduação.

Leia mais

Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ

Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia OABRJ Simples Nacional: Saiba mais sobre os benefícios para a advocacia A advocacia foi inserida no Simples Nacional por meio da Lei Complementar

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 INFORMAÇÕES GERAIS Pessoa Jurídica Lucro Real Tributação com base no lucro efetivo demonstrado através do livro diário de contabilidade (obrigatório) 1. Empresas obrigadas à apuração

Leia mais

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI?

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI? FAQ -MEI 1. Qual o significado da sigla MEI? R: MEI é a sigla utilizada para Micro Empreendedor Individual 2. Qual é a definição de MEI? R: O MEI é o empresário individual a que se refere o art. 966 do

Leia mais

RADIOGRAFIA DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS E RESSEGUROS E OS REFLEXOS DA INCLUSÃO DA ATIVIDADE NO SIMPLES NACIONAL

RADIOGRAFIA DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS E RESSEGUROS E OS REFLEXOS DA INCLUSÃO DA ATIVIDADE NO SIMPLES NACIONAL RADIOGRAFIA DA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS E RESSEGUROS E OS REFLEXOS DA INCLUSÃO DA ATIVIDADE NO SIMPLES NACIONAL Gilberto Luiz do Amaral INTRODUÇÃO A REFERÊNCIA PRINCIPAL deste trabalho

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528

LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528 LUCRO PRESUMIDO Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528 O QUE É O LUCRO PRESUMIDO É uma forma optativa, que tem a finalidade de facilitar o pagamento do IRPJ, sem ter que

Leia mais

Rogério Gandra Martins

Rogério Gandra Martins LUCRO PRESUMIDO. ATIVIDADES DIVERSIFICADAS. ALÍQUOTAS FIXADAS DE ACORDO COM A ATIVIDADE EXPLORADA E NÃO CONFORME O FATURAMENTO OU CLASSIFICAÇÃO DE CADA UMA. DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO. LEI Nº 13.043/2014

Leia mais

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária Lei Complementar 128 Alterações na Legislação Previdenciária Microempreendedor Individual MEI Conceito: É o empresário individual, referido no art. 966 do Novo Código Civil, que tenha auferido receita

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014.

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014. (do Sr. Guilherme Campos e outros) Altera a Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006 para reorganizar e simplificar a metodologia de apuração do imposto

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE 1 SIMPLES NITERÓI. Lei nº 2115 de 22 de dezembro 2003. A Câmara Municipal de Niterói decreta e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído, na forma

Leia mais

ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) ANEXO II IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE (IRRF) Item Código/ Variação

ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) ANEXO II IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE (IRRF) Item Código/ Variação 1 ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) Item Código/ Variação Periodicidade Período de Apuração do Fato Denominação Gerador 1 0220/01 Tr i m e s t r a l A partir do 1º trimestre de

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

Gestão da Carga Tributária. Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015

Gestão da Carga Tributária. Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015 Gestão da Carga Tributária Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015 Âmbitos: Federal Estadual Municipal Previdenciário e Trabalhista A Carga Tributária Brasileira Produção Normativa Nos últimos 25 anos,

Leia mais

Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira

Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira 1. Introdução O dia 7 de agosto do corrente ano entrou para a história como uma das mais importantes datas para a possível concretização da reforma

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

Empresas optantes pelo SIMPLES NACIONAL não estão obrigadas apresentar DCTF

Empresas optantes pelo SIMPLES NACIONAL não estão obrigadas apresentar DCTF Empresas optantes pelo SIMPLES NACIONAL não estão obrigadas apresentar DCTF A seguir apresentamos um resumo sobre a obrigatoriedade e a não obrigatoriedade de apresentar a DCTF. QUEM ESTÁ OBRIGADO APRESENTAR

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

Exercício 1. Movimento no Mês. Descrição. b) Qual o Valor da Receita Bruta Desonerada, para fins de determinação do fator de compensação na SEFIP?

Exercício 1. Movimento no Mês. Descrição. b) Qual o Valor da Receita Bruta Desonerada, para fins de determinação do fator de compensação na SEFIP? Exercício 1 Objeto Social da Empresa "A": Elaboração de programas de computador (softwares), consultoria em tecnologia da informação, representação comercial de softwares de terceiros prontos para uso,

Leia mais

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa A Constituição Federal e o Estatuto Os artigos 146, 170, 179 da Constituição de 1988 contêm os marcos legais que fundamentam as medidas e ações de apoio às

Leia mais

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Unidade de Política Econômica O Simples Nacional e o ICMS* Adesão ao

Leia mais

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL Lucro Presumido Manifesto pelo Lucro Presumido: Esta opção é formalizada no decorrer do ano- calendário, se manifesta com o recolhimento no mês de abril, correspondente ao primeiro trimestre. A opção do

Leia mais

AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL

AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL A Lei Complementar 123/2006 estabelece normas gerais relativas ao tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado

Leia mais

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA ao SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

Palavras-chaves: Planejamento tributário, Tributos, Regimes de Tributação.

Palavras-chaves: Planejamento tributário, Tributos, Regimes de Tributação. Planejamento Tributário: Estudo em uma Empresa do Ramo de Transporte Intermunicipal e Interestadual do Município de Mondaí SC Andréia Marisa Gemmer Faculdade De Itapiranga (SEI/FAI) andreia.marisa@live.com

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 (Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara') Agência Câmara Tel. (61) 3216.1851/3216.1852 Fax. (61) 3216.1856

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Nasceu em 1799 na Inglaterra, sendo recebido em 1913 nos EUA. No Brasil, em 1867, o visconde de Jequitinhonha propôs a cobrança do imposto, e encontrou

Leia mais

SIMPLES NACIONAL PARA CORRETORES DE IMÓVEIS

SIMPLES NACIONAL PARA CORRETORES DE IMÓVEIS SIMPLES NACIONAL PARA CORRETORES DE IMÓVEIS APRESENTAÇÃO: SESCON BLUMENAU Leila P. Franke SESCON BLUMENAU Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações

Leia mais

LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA LC 123/2006 SIMPLES NACIONAL (SUPER SIMPLES)

LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA LC 123/2006 SIMPLES NACIONAL (SUPER SIMPLES) A s s e s s o r i a C o n t á b i l Av. Maruípe, 2.260, 2º andar - Itararé - Vitória/ES. Cep: 29.047-475 Em frente ao Supermercado Pontes Telefax: (27) 3315-1599 - e-mail: adrianofigueiredo@terra.com.br

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

SIMPLES NACIONAL - CÁLCULO DO VALOR DEVIDO

SIMPLES NACIONAL - CÁLCULO DO VALOR DEVIDO SIMPLES NACIONAL - CÁLCULO DO VALOR DEVIDO O cálculo do valor devido do Simples Nacional deverá ser efetuado por meio de aplicativo específico disponível na internet. O documento único de arrecadação para

Leia mais

O SUPER SIMPLES E AS EMPRESAS DO RAMO DE SAÚDE José Alberto C. Muricy e. Colaboração: Daniel Queiroz Filho Outubro/2014

O SUPER SIMPLES E AS EMPRESAS DO RAMO DE SAÚDE José Alberto C. Muricy e. Colaboração: Daniel Queiroz Filho Outubro/2014 O SUPER SIMPLES E AS EMPRESAS DO RAMO DE SAÚDE José Alberto C. Muricy e Jorge Pereira de Souza Colaboração: Daniel Queiroz Filho Outubro/2014 PROGRAMA A INTRODUÇÃO DO SUPER SIMPLES PARA OS SERVIÇOS DE

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS

IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA CATEGORIA PROFISSIONAL: CONTADOR NR DO CRC: CRC-DF Nº 2.864 ENDEREÇO

Leia mais

SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte

SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte Definição 1. O SIMPLES está em vigor desde 1.º de janeiro de 1997. Consiste no pagamento

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 127, DE 14 DE AGOSTO DE 2007 Mensagem de veto Altera a Lei Complementar n o 123, de 14 de dezembro de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IRPJ/2013

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IRPJ/2013 Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL PALESTRA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IRPJ/2013 PALESTRANTE: EQUIPE LEFISC ATUALIZAÇÃO Paulo César

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 (Do Sr. Vaz de Lima) Altera os Anexos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, para permitir o abatimento de parcela dedutível do valor devido mensalmente

Leia mais

É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização

É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização dos autores conforme legislação vigente. Março/2011

Leia mais

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários Sumário 1. Conceito 2. Procedimentos Fiscais na Extinção 2.1 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base no Lucro Real 2.2 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 208 - Data 11 de julho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA JURÍDICA - IRPJ Administradora de cartões

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 PERGUNTAS E RESPOSTAS Este documento é de caráter meramente

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA ATO DECLARATÓRIO Nº 33, de 28 de agosto de 2000. O COORDENADOR-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO

Leia mais

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015 Vicente Sevilha Junior setembro/2014 Compreender como funciona o SIMPLES Entender quais atividades podem ou não optar pelo SIMPLES Analisar as tabelas e percentuais do SIMPLES

Leia mais

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 Informativo 19 - Página 285 - Ano 2009 ORIENTAÇÃO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Opção pelo SIMEI Conheça as condições para recolhimento

Leia mais

PROJETO IN$TRUIR - 2014

PROJETO IN$TRUIR - 2014 PROJETO IN$TRUIR - 2014 DÚVIDAS ESCLARECIMENTOS Impostos incidentes sobre a emissão da NF para os convênios Pagamentos dos médicos associados à clínica. Alteração no relatório DMED. (Declaração de Serviços

Leia mais

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Baião & Filippin Advogados Associados Adv.: João Paulo de Mello Filippin Lei Complementar n.º 123/2006 Desburocratização;

Leia mais

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO COMO ABRIR SEU NEGÓCIO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Reflexão Qual o principal motivo para buscar a formalização de seu negócio? É importante lembrarmos que: Para desenvolver suas

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO APLICADO A EMPRESA DE COMÉRCIO VAREJISTA DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO APLICADO A EMPRESA DE COMÉRCIO VAREJISTA DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO APLICADO A EMPRESA DE COMÉRCIO VAREJISTA DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS Patrícia Hofstaetter Lajeado, Julho de 2014 Patrícia

Leia mais

Calendário Mensal das Obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Outubro de 2015

Calendário Mensal das Obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Outubro de 2015 Calendário Mensal das Obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Outubro de 2015 Nota: Os dias de vencimentos apresentados são de nível nacional e respeitando os referidos feriados, caso for feriado

Leia mais

I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos

I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos fictícios. 1 Sistema Cumulativo Pessoa Jurídica tributada pelo

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 Tributos incluídos no Simples Nacional Brasília 19 de setembro de 2013 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

CÁLCULO E TRIBUTAÇÃO. Restituição; Compensação; GLEYDSON ROBERTH CRISTO

CÁLCULO E TRIBUTAÇÃO. Restituição; Compensação; GLEYDSON ROBERTH CRISTO CÁLCULO E TRIBUTAÇÃO GLEYDSON ROBERTH CRISTO 2010 SUMÁRIO Conceitos iniciais do cálculo; Exemplos de Cálculos; Regime de Reconhecimento das receitas (Caixa/Competência); Retenção de ISS; Programa Gerador

Leia mais

Retenções na Fonte. Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços

Retenções na Fonte. Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços Retenções na Fonte Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços Retenção na Fonte IRPJ (1,5% ). Fato Gerador - O imposto de renda na fonte

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEIS

O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEIS O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEIS Rodolfo Gener da Silva, Rodrigo Gener da Silva, Renato Luan, Felipe Clayton da Silva Costa, Roger Pereira, Tomaz Augusto Castrisana Ciências Contábeis/Faculdade

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

III - de cujo capital participe entidade da administração pública, direta ou indireta, federal, estadual ou municipal;

III - de cujo capital participe entidade da administração pública, direta ou indireta, federal, estadual ou municipal; Guia do Supersimples ENQUADRAMENTO E RESTRIÇÕES I - Enquadramento e Restrições OSupersimples ou Simples Nacional, instituído pela Lei Complementar 123/06, que entrou em vigor no dia 1º de julho de 2007,

Leia mais

Prestação de serviço de assessoria em importação. Regime tributário Lucro Presumido Lucro Presumido Serviços 32,00% 0,65%

Prestação de serviço de assessoria em importação. Regime tributário Lucro Presumido Lucro Presumido Serviços 32,00% 0,65% Prestação de serviço de assessoria em importação Regime tributário Lucro Presumido Lucro Presumido Serviços 32,00% Faturamento (Receita Bruta) R$ 20.000,00 Alíquota PIS 0,65% Valor da propriedade imobiliária

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP Crédito 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Crédito do ICMS próprio adquirido do Simples Nacional com destino

Leia mais

1. Fluxo de documentação

1. Fluxo de documentação 1. Fluxo de documentação É de fundamental importância o envio de toda documentação financeira para atender as exigências impostas pelo fisco e evitar problemas futuros à empresa. Prazo de envio: É ideal

Leia mais

Tributação. Cartilha

Tributação. Cartilha Tributação Cartilha Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial CARTILHA TRIBUTAÇÃO Brasília DF 2012 2012. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção do PCC nos Pagamentos por Compensação

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção do PCC nos Pagamentos por Compensação 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão... 5 5. Referências... 5 6. Histórico de alterações... 5 2 1.

Leia mais

Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector

Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector Quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe. Clarice Lispector O brasileiro é um povo sem memória, que esquece seus feitos e seus heróis...

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO LUCRO PRESUMIDO 1. PESSOAS JURÍDICAS QUE PODEM OPTAR A partir do ano-calendário de 2003, poderão optar pelo lucro presumido as pessoas jurídicas que não estiverem obrigadas ao lucro real, e tenham auferido,

Leia mais

ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99,

ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99, ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2011(DOU de 02/01/2012) Dispõe sobre o preenchimento da Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF), em relação a fatos geradores

Leia mais

MANUAL Processo Simples Nacional

MANUAL Processo Simples Nacional 1. VISÃO GERAL 1.1 OBJETIVOS: Conforme combinação com a Equipe Teorema Joinville teríamos que criar uma tabela de Receitas, uma tabela com as alíquotas por faturamento com data inicial final de validade,

Leia mais

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/COFINS/CSL/IRPF CONSTITUIÇÃO FEDERAL/88 Art. 149. Compete exclusivamente à União instituir contribuições sociais. Legislação Lei nº 10.833/2003 Art. 30 IN

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Empresas em geral Microempresas

Leia mais

Simples Nacional Perspectivas de Alterações para 2015. Elisangela Marques Perez

Simples Nacional Perspectivas de Alterações para 2015. Elisangela Marques Perez Simples Nacional Perspectivas de Alterações para 2015 Elisangela Marques Perez 1 PALESTRANTE ELISANGELA MARQUES PEREZ Contadora e consultora tributária, com mais de 14 anos de experiência na área fiscal,

Leia mais

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO 1 Simples Nacional e o Planejamento Tributário Marcos A. Nazário De Oliveira marcosadinavi@gmail.com Egresso do curso de Ciências Contábeis Rafael Antônio Andrade rfaandrade@msn.com Egresso do curso de

Leia mais

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice

Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice Este Procedimento Operacional Padrão define as etapas necessárias de como fazer o Cadastro de Tributos no Sistema TOTVS RM. Índice I. Acesso ao Cadastro... 2 II. Seleção de Filtros... 3 III. Cadastro...

Leia mais

Informações gerais sobre a EFD-PIS/COFINS

Informações gerais sobre a EFD-PIS/COFINS Informações gerais sobre a EFD-PIS/COFINS Legislação Conforme instituído pela Instrução Normativa RFB nº 1.052, de 5 de julho de 2010, sujeitam à obrigatoriedade de geração de arquivo da Escrituração Fiscal

Leia mais

PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS

PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS REINTEGRA Medida Incentivo fiscal à exportação. Beneficiados Pessoa jurídica produtora que efetue exportação direta ou indireta. Condições Exclusivo para bens manufaturados

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Calendário mensal das obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2011 05.01 (4ª feira)

Calendário mensal das obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2011 05.01 (4ª feira) Calendário mensal das obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2011 05.01 (4ª feira) IR-FONTE Último dia para recolhimento do Imposto de Renda na Fonte referente a juros sobre o capital

Leia mais