LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528"

Transcrição

1 LUCRO PRESUMIDO Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528

2 O QUE É O LUCRO PRESUMIDO É uma forma optativa, que tem a finalidade de facilitar o pagamento do IRPJ, sem ter que recorrerà complexa apuração do lucro real que pressupõe contabilidade eficaz,(...); Fabretti (1998, p.231). Forma de tributação simplificada para determinação da base de cálculo do IR e da CSLL das pessoas jurídicas que não estiverem obrigadas, no ano calendário, à apuração do lucro real.

3 O QUE É O LUCRO PRESUMIDO O IR e CSLL são devidos trimestralmente à medida que os lucros forem auferidos. As pessoas jurídicas não obrigadas ao lucro real poderão apresentar a declaração de rendimentos pelo lucro presumido;

4 Momento da opção pelo regime de tributação Importância da opção correta pelo regime de tributação: redução da carga tributária; A opção pelo lucro real anual, lucro real trimestral ou lucro presumido será manifestado pelo pagamento da 1ª quota de qualquer um dos regimes, mediante DARF, sendo que a legislação não permite mudar a forma de tributação durante o ano-calendário (art.13, Lei 9.718/98); É importnte fazer uma análise detalhada de qual é a melhor forma de tributação, antes do pagamento da 1ª quota do Imposto, pois se a empresa optou pelo lucro real (anual ou trimestral) não poderá modificar no anocalendário para o lucro presumido e vice-versa. Lembrando que a opção feita para o Imposto de Renda deve ser a mesma para a Contribuição Social sobre o Lucro.

5 EMPRESAS IMPEDIDAS DE OPTAR PELO LUCRO PRESUMIDO Empresas Impedidas de optar pelo lucro presumido, estão obrigadas ao lucro real Art. 221 e 246 e do RIR e art. 46 da Lei /02 1) Cuja receita total do ano-calendário anterior seja superior ao limite de R$ ou de R$ ,00 multiplicado pelo número de meses do período quando inferior a doze meses; poderá optar pelo regime de tributação com base no lucro presumido (Lei /2013) 2) cujas atividades sejam de bancos comerciais, bancos de investimentos, bancos de desenvolvimento, caixas econômicas, sociedades de crédito financiamento e investimento, sociedades de crédito imobiliário, sociedades corretoras de títulos valores mobiliários e câmbio, distribuidoras de títulos e valores mobiliários, empresas de arrendamento mercantil, cooperativas de crédito, empresas de seguros privados e de capitalização e entidades de previdência privada aberta; 3) que tiverem lucros, rendimentos ou ganhos de capital obtidos do exterior;

6 EMPRESAS IMPEDIDAS DE OPTAR PELO LUCRO PRESUMIDO Empresas Impedidas de optar pelo lucro presumido, estão obrigadas ao lucro real Art. 221 e 246 e do RIR e art. 46 da Lei /02 4) que autorizados pela legislação tributária usufruam de benefícios fiscais relativos à isenção ou redução do Imposto de Renda; 5) que no decorrer do ano-calendário tenham efetuado o pagamento mensal peloregime de estimativa naformadoart. 2 da Lei9.430/96; 6) que explorem as atividades de prestação cumulativa e contínua de serviços de assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito, seleção e riscos, administração de contas a pagar e a receber, compras de direitos creditórios resultantes de vendas mercantis a prazo ou de prestação de serviços(factoring).

7 MOMENTO DE OPÇÃO LUCRO PRESUMIDO A opção pelo lucro presumido se dá mediante o pagamento da DARF, código lucro presumido, sendo que durante o ano-calendário não pode alterar a opção para o lucro real (art.13, Lei 9.718/98). Assim, mesmo que a empresa tenha prejuízo na sua atividade deve pagar o IRPJ e a CSLL nos quatro trimestres do ano em que optou pelo presumido. NOTA: Para realizar a opção pelo lucro presumido deve ser feito um estudo detalhado sobre a lucratividade, sendo que o lucro da atividade da empresa deve ser seguramente maior que o lucro presumido pela legislação.

8 OBRIGATORIEDADE APURAÇÃO TRIMESTRAL As empresas tributadas pelo lucro presumido devem proceder a apuração das bases de cálculo do IRPJ e da CSLL, considerando as operações realizadas nos seguintes períodos: Trimestre Período de apuração 1 1 dejaneiroa31demarço 2 1ºdeabrila30dejunho 3º 1ºdejulhoa30desetembro 4º 1ºdeoutubroa31dedezembro

9 CONCEITO DE RECEITA BRUTA Para efeitos da sistemática de tributação pelo Lucro Presumido, a receita bruta compreende: O produto da venda de bens nas operações de conta própria; O preçodosserviços prestadose O resultado auferido nas operações de conta alheia*(lei 8.541/92, art. 14, 3 ). * Nota: O resultado auferido nas operações de conta alheia é aquele decorrente de comissões obtidas sobre representação de bens ou serviços de terceiros.

10 Receitas Integram, portanto, a receita bruta a ser computada em cada trimestre, as receitas resultantes do objetivo social da pessoa jurídica, tais como: da prestação de serviços; da revenda de mercadorias; do transporte de cargas; da venda de produtos de fabricação própria; da industrialização de produtos em que a matériaprima, o produto intermediário e o material de embalagem tenham sido fornecidos pelo encomendante; da atividade anual; de outras atividades compreendidas nos objetivos sociais da pessoa jurídica.

11 EXCLUSÕES DA RECEITA BRUTA Na apuração da receita bruta de cada trimestre a empresa deverá: deduzir as vendas canceladas, as devoluções de vendas, os descontos incondicionais concedidos e os impostos não cumulativos (IPI) cobrados destacadamente do comprador ou contratante e do qual o vendedor dos bens ou prestador dos serviços seja mero depositário: não considerar as saídas que não decorram de vendas, como é o caso das transferências de mercadorias para outros estabelecimentos de sua propriedade: excluir o ICMS devido no regime de substituição tributária, caso a empresa esteja enquadrada no referido regime.

12 RECEITA BRUTA NA REVENDA DE VEÍCULOS Será computada como receita a diferença entre o valor pelo qual oveículousado houver sido alienado (constante na nota fiscal de venda), e o seu custo de aquisição (constante da nota fiscal de entrada) - Lei 9.716/1998, art. 5 e IN SRF 152/1998. Assim, somente a diferença entre o preço de venda e o custo da aquisição do veículo automotor usadoéquefarápartedareceitabruta.

13 RECEITA BRUTA NA REVENDA DE VEÍCULOS EXEMPLO Valor de aquisição = R$ 7.000,00 Venda posterior = R$ 8.000,00 Areceitabruta,parafinsdebasedecálculo,será: R$8.000-R$7.000=R$ (enãor$8.000).

14 RECEITA BRUTA: REGIME DE COMPETÊNCIA OU CAIXA As empresas optantes pela sistemática do Lucro Presumido podem pagar o Imposto de Renda, Contribuição Social sobre o Lucro, PIS e COFINS, reconhecendo as receitas pelo regime de caixa.

15 RECEITA BRUTA: REGIME DE COMPETÊNCIA OU CAIXA O queéoregimedecaixa? É a sistemática onde se apura a base de cálculo dos impostos pelas receitas efetivamente recebidas. Então, por exemplo, se uma Nota Fiscal ou Duplicata está em cobrança bancária em , com vencimento para , o respectivo valor não será computado como receita, na apuração do IR, CSL, PIS e COFINS, relativamente ao período encerrado em Qual é a base legal para este procedimento? É a Instrução Normativa da Secretaria da Receita Federal (IN SRF) 104/98eartigo 13daLei9.718/98.

16 RECEITA BRUTA: REGIME DE COMPETÊNCIA OU CAIXA Condições: A emissão da nota fiscal seja feita por ocasião da entrega dobemou daconclusão doserviço; Registrar, no livro caixa, a nota fiscal individualmente a cada recebimento; Na contabilidade, registrar em conta específica os recebimentos, a cada nota fiscal.

17 BASE DE CÁLCULO DO IR A base de cálculo do Imposto de Renda das empresas tributadas pelo lucro presumido, em cada trimestre será determinada: mediante a aplicação dos percentuais fixados no art. 15 da Lei 9.249/95, de acordo com a atividade da pessoa jurídica, sobre a receita bruta auferida no trimestre; o resultado obtido será acrescido de outras receitas, rendimentos e ganho de capital (art. 25, Lei 9.430/96). O Imposto retido na fonte será considerado como antecipação do devido no trimestre.

18 PERCENTUAIS DE PRESUNÇÃO DO IR Espécies de atividades Percentuais sobre a receita Revenda a varejo de combustíveis e gás natural 1,6% 1.Venda de mercadorias ou produtos 2.Transporte de cargas 3.Atividades imobiliárias (compra, venda, loteamento, incorporação e construção de imóveis) 4.Serviços hospitalares 5.Atividade Rural 6.Industrialização com materiais fornecidos pelo encomendante 7.Outras atividades não especificadas (exceto prestação de serviços) 1.Serviços de transporte(exceto o de cargas) 2.Serviços gerais com receita bruta até R$ /ano 1.Serviços profissionais (médicos, dentistas, advogados, contadores, auditores, engenheiros, consultores, economistas, etc.) 2.Intermediação de negócios 3.Administração, locação ou cessão de bens móveis/imóveis ou direitos 4.Serviços de construção civil, quando a prestadora não empregar materiais de sua propriedade nem se responsabilizar pela execução da obra (ADN Cosit 6/97). 5.Serviços em geral, para os quais não haja previsão de percentual específico 8 % 16% 32% Comercialização de veículos usados 16% 32% No caso de exploração de atividades diversificadas, será aplicado sobre a receita bruta de cada atividade o respectivo percentual 1,6 a 32%

19 PERCENTUAIS DE PRESUNÇÃO DO IR As pessoas jurídicas exclusivamente prestadoras de serviços em geral, cuja receita bruta anual seja de até R$ ,00, podem utilizar, para determinação da base de cálculo do imposto de renda trimestral, o percentual de 16% (dezesseis por cento). Esta regra não se aplica às pessoas jurídicas que prestam serviços hospitalares e de transporte, bem como às sociedades prestadoras de serviços de profissões legalmente regulamentada.

20 PERCENTUAIS DE PRESUNÇÃO DO IR Relação de atividades e percentuais aplicáveis, decisões internas Receita Federal. Atividade Percentual aplicável Atividades Gráfica 8% para comercio e indústria; e 32% para prestação de serviços com o fornecimento de material Serviços médico-laboratoriais e similares 32% Software 8% sobre a receita de revenda de programas e 32% sobre as receitas de programação e manutenção de softwares Sondagem de Solo 8% Atividade de Hotelaria Prestação de serviços com guindastre e locação de guindastre Serviços de suprimento de água tratada, coleta e tratamento de esgoto e de exploração de rodovias Escolas e creches Veículos usados ( * ) 32 % sobre as receitas de prestação de serviços de hotelaria e 8% sobre a receita de venda de refeições 8% sobre a receita com guindastre e 32% sobre a receita de locação de guindastre 32% 32% - São consideradas sociedades prestadoras de serviços relativos ao exercício de profissões legalmente regulamentadas 16% ou 32% sobre a diferença do preço do qual o veículo usado tiver sido alienado e o custo de aquisição. ( * ) IRPJ = 16/32% X 15%, CSLL 32% X9%, PIS= 0,65%, COFINS 3%, sobre a diferença do preço de venda e o custo de aquisição.

21 CÁLCULO DO IR ALÍQUOTA A pessoa jurídica, seja comercial ou civil o seu objeto, pagará o imposto à alíquota de 15% (quinze por cento) sobre o lucro real, presumido ou arbitrado, apurado de conformidade com o Regulamento. Exemplo: Basedecálculo no 1ºtrimestrede2010:R$50.000,00 IRPJ=15%x50.000,00=7.500,00

22 CÁLCULO DO IR ADICIONAL A parcela do lucro real, presumido ou arbitrado que exceder ao valor resultante da multiplicação de R$ ,00 (vinte mil reais) pelo número de meses do respectivo período de apuração, sujeita-se à incidência de adicional de imposto à alíquota de 10% (dez por cento). O adicional de que trata este item será pago juntamente com o imposto de renda apurado pela aplicação da alíquota geral de 15%.

23 CÁLCULO DO IR ADICIONAL Descrição Dados Base de cálculo R$ Faturamento ,00 x 8% ,00 Juros aplicação financeira 2.500,00 Ganho de capital ,00 Juros Selic 3.000,00 Total Base de Cálculo ,00

24 CÁLCULO DO IR ADICIONAL Descrição Dados Base de cálculo R$ Cálculo Imposto de Renda Base de cálculo ,00 Alíquota 15% Imposto de Renda ,00 Cálculo do Adicional I.R ,00 Redução ,00 mensal x 3 meses* (60.000,00) Base cálculo Adicional I.R ,00 Alíquota 10% Adicional I.R ,00 Total imposto a pagar: Imposto de Renda ,00 Adicional IR ,00 Total Imposto Renda a Pagar ,00

25 CÁLCULO DO IR ALÍQUOTAS E ADICIONAL Alíquota básica 15% Adicional (sobre a parcela que exceder o limite de R$ ) 10%

26 DEMONSTRATIVO CÁLCULO DO IR Cálculo do IRPJ com base no Lucro Presumido Valores do Trimestre Receita Bruta (faturamento ) Trimestral R$ ( X ) % Por atividade sobre o Faturamento (1,6%;8%;16%;32%) ( = ) Receita Presumida R$ ( + ) Ganhos de Capital R$ ( + ) Demais Receitas R$ Receita de Locação de Imóveis quando não é objeto R$ Juros Sobre o Patrimônio Líquido R$ Variação Monetária Ativa R$ Juros Recebidos R$ Descontos Recebidos R$ Rendimentos de Aplicações Financeiras (Fixa e Variável) R$ Rendimentos decorrentes de Mútuo R$ Outras Receitas R$ ( = ) BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO DE RENDA R$ ( X ) ALIQUOTA DE 15% (sobre o total da base de cálculo) R$ ( X ) ADICIONAL DE IRPJ DE 10% (Sobre o excesso de R$ ,00) R$ ( = ) IMPOSTO DE RENDA DEVIDO NO TRIMESTRE R$ ( - ) Deduções Imposto de Renda retido na fonte (serviços e aplicações) R$ Saldo negativo de imposto apurado em períodos anteriores R$ Demais compensações (I.N. SRF 210/2002) R$ ( = ) IRPJ A PAGAR R$

27 Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido Determinação da Base de Cálculo A base de cálculo da CSLL, devida pelas pessoas jurídicas tributadas pelo lucro presumido, corresponderá, em cada trimestre, à soma dos seguintes valores: a) o valor resultante da aplicação, de 12% e 32% sobre a receita bruta da atividade, dos percentuais fixados pelo art.18dain390dasrfde30/01/2004.

28 Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido ATIVIDADES/BASE DE PRESUNÇÃO Atividade % Revenda para consumo de combustível derivado de petróleo, álcool etílico carburante e gás natural Venda de produtos de fabricação própria Industrialização por encomenda (material fornecido pelo encomendante) Atividade Rural Representação comercial Loteamento de terrenos, incorporação imobiliária e venda de imóveis construídos ou adquiridos para revenda Execução de obras da construção civil com emprego de materiais Prestação de serviços de transporte (Cargas e Passageiros) Prestação de serviços hospitalares (*) Outras atividades não caracterizadas como prestação de serviços 12%

29 Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido ATIVIDADES/BASE DE PRESUNÇÃO Prest.serviços a partir de 01/09/2003 Atividade % Prestação de serviços pelas sociedades civis, relativos ao exercício legalmente regulamentadas de profissões Intermediação de negócios (inclusive representação comercial por conta de terceiros e corretagem de seguros, imóveis e outros) Administração, locação ou cessão de bens móveis e imóveis (exceto a receita de aluguéis, quando a pessoa jurídica não exercer a atividade de locação de imóveis) Administração de consórcios de bens duráveis 32%(*) Cessão de direitos de qualquer natureza Construção por administração ou por empreitada unicamente de mão-de-obra Prestação de serviços em geral Factoring

30 Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido Acréscimos a Base de Cálculo os ganhos de capital, nas alienações de bens e direitos do Ativo Permanente; os ganhos de capital nas alienações de ouro não considerado ativo financeiro; os ganhos de capital auferidos nas alienações de participações societária permanentes em sociedades coligadas e controladas e de participações societárias que permanecerem no ativo da pessoa jurídica até o término do ano-calendário seguinte ao de suas aquisições; os ganhos de capital auferidos na devolução, em bens ou direitos, de participação no capital social de outra pessoa jurídica; os rendimentos auferidos nas operações de mútuo realizadas entre pessoas jurídicas controladoras, controladas, coligadas ou interligadas, exceto se a mutuaria for instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil;

31 Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido Acréscimos a Base de Cálculo os rendimentos de aplicações financeiras de renda fixa; os ganhos líquidos obtidos em aplicações (financeiras de renda variável); a receitade locaçãode imóvel, quando não for este o objetivo social da pessoa jurídica; os juros sobre o capital próprio de que a empresa seja beneficiária; os juros equivalentes à taxa referencial SELIC, acumulada mensalmente, e de 1% no mês da compensação ou restituição, relativos a impostos e contribuições pagos a maior ou indevidamente; os juros ativos, não decorrentes de aplicações financeiras; os descontos financeiros obtidos; as variações monetárias ativas; as multas ou qualquer outra vantagem paga ou creditada por pessoa jurídica, Ainda que a título de indenização.

32 Calculo da CSLL Alíquota O cômputo das receitas, no que se refere à Contribuição Social sobre o Lucro Líquido, obedecerá às mesmas regras fixadas para a determinação da base de cálculo do Imposto de Renda. Cálculo da CSLL. A alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido é a seguinte: Empresas em geral 9%

33 Calculo da CSLL Exemplo de Cálculo Lucro Presumido (CSLL) com as demais receitas: Faturamento do trimestre: R$ ,00 Juros aplicação financeira R$ 2.500,00 Ganho de Capital R$ ,00 Juros Selic R$ 3.000,00 Atividade Comércio Descrição Dados Base de cálculo R$ Faturamento ,00 x 12% ,00 Juros aplicação financeira 2.500,00 Ganho de capital ,00 Juros Selic 3.000,00 Total Base de Cálculo ,00 Alíquota CSLL 9% Valor da CSLL a pagar ,00

34 Demonstrativo de calculo da CSLL RECEITA BRUTA TRIMESTRAL (FATURAMENTO) ( X ) 12 % e ou 32% R$ ( = ) RECEITA ESTIMADA R$ ( + ) Rendimentos de aplicações financeiras (fixa e variável) R$ ( + ) Juros sobre o Patrimônio Líquido R$ ( + ) Demais Receitas e Ganhos de Capital R$ ( = ) Base de Cálculo R$ ( X ) 9% R$ ( = ) CONTRIBUIÇÃO SOCIAL DEVIDA R$ ( - ) Bônus de Adimplência (art. 38 da lei /02) R$ ( - ) Compensações Pagamentos indevidos ou a maior R$ Saldos negativos de períodos anteriores R$ Compensação com outros tributos/contribuições R$ Compensação dos valores retidos (art.30 da lei /2003) R$ ( = ) CONTRIBUIÇÃO SOCIAL TRIMESTRAL A PAGAR R$ Valor do Trimestre

35 PRAZO E FORMA DE PAGAMENTO IR E CSLL O IRPJ e a CSLL devidos com base no Lucro Presumido deverão ser pagos até o último dia útil do mês subsequente ao do encerramento do período de apuração trimestral. Assim, o IR devido no 1o trimestre/2.010 deverá ser pago até (se este dia não houver expediente bancário, então o vencimento deve ser antecipado). Utiliza-se o DARF normal (cor preta), com os seguintes códigos: IRPJ CSLL

36 PRAZO E FORMA DE PAGAMENTO IR E CSLL Na hipótese do IR ou CSLL ser superior a R$ 2.000,00, poderá ser pago em até 3 quotas iguais, mensais e sucessivas, observado o seguinte: as quotas deverão ser pagas até oúltimodia útildosmeses subsequentes ao do encerramento do período de apuração; nenhuma quota poderá ter valor inferior a R$ 1.000,00; o valor de cada quota (excluída a primeira, se não pago no prazo) será acrescido de juros SELIC, acumulada mensalmente, calculados a partir do primeiro dia do segundo mês subsequente ao do enceramento do período de apuração até o último dia do mês anterior ao do pagamento, e de 1% no mês de pagamento.

37 Obrigações Acessórias LUCRO PRESUMIDO A pessoa jurídica habilitada à opção pelo regime de tributação com base no lucro presumido deverá manter (Lei 8.981/95, art. 45): I Livro Caixa, no qual deverá estar escriturado toda a movimentação financeira, inclusive bancária, ou escrituração contábil nos termos da legislação comercial; II Livro Registro de Inventário, no qual deverão constar registrados os estoques existentes no término do anocalendário; III em boa guarda e ordem, enquanto não decorrido o prazo decadencial e não prescritas eventuais ações que lhes sejam pertinentes, todos os livros de escrituração obrigatórios por legislação fiscal específica, bem como os documentos e demais papéis que serviram de base para escrituração comercial e fiscal.

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013.

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. Lucro Presumido SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. IRPJ CF/88, artigo 153 Compete à União instituir impostos sobre: III - renda e proventos de qualquer natureza

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO LUCRO PRESUMIDO 1. PESSOAS JURÍDICAS QUE PODEM OPTAR A partir do ano-calendário de 2003, poderão optar pelo lucro presumido as pessoas jurídicas que não estiverem obrigadas ao lucro real, e tenham auferido,

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 Pagamento do Imposto 001 Como e quando deve ser pago o imposto apurado pela pessoa jurídica? 1) Para as pessoas jurídicas que optarem pela apuração trimestral do imposto

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 INFORMAÇÕES GERAIS Pessoa Jurídica Lucro Real Tributação com base no lucro efetivo demonstrado através do livro diário de contabilidade (obrigatório) 1. Empresas obrigadas à apuração

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Nasceu em 1799 na Inglaterra, sendo recebido em 1913 nos EUA. No Brasil, em 1867, o visconde de Jequitinhonha propôs a cobrança do imposto, e encontrou

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional

Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional 24 de Janeiro de 2014 LÚCIO DA CUNHA FERNANDES Presidente QUAL A IMPORTÂNCIA DE CONHECER AS FORMAS DE TRIBUTAÇÃO? Reconhecer a opção que mais se adeque a

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA FORMAS DE TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS JURÍDICAS - Lucro Real - Lucro Presumido - Lucro Arbitrado - Simples Nacional 1 LUCRO REAL É o resultado (lucro ou prejuízo) do período

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

Jurisprudência. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 47 de 12 de Novembro de 2012

Jurisprudência. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 47 de 12 de Novembro de 2012 SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 143 de 20 de Novembro de 2012 ASSUNTO: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social Cofins/ Contribuição para o PIS/Pasep EMENTA: CRÉDITOS VINCULADOS A RECEITA NÃO TRIBUTADA.

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 IRPJ LUCRO PRESUMIDO 1 É uma forma de tributação simplificada para determinação da base de cálculo do imposto de renda e da contribuição social das pessoas jurídicas

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 001 Quais são as pessoas jurídicas contribuintes da CSLL? Todas as pessoas jurídicas domiciliadas no País e as que lhes são equiparadas pela legislação do imposto sobre

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 IRPJ LUCRO ARBITRADO 1 Oarbitramentodolucroéumaformadeapuração dabasedecálculodoimpostoderendautilizadapela autoridade tributária ou pelo contribuinte. É aplicável pela

Leia mais

Rogério Gandra Martins

Rogério Gandra Martins LUCRO PRESUMIDO. ATIVIDADES DIVERSIFICADAS. ALÍQUOTAS FIXADAS DE ACORDO COM A ATIVIDADE EXPLORADA E NÃO CONFORME O FATURAMENTO OU CLASSIFICAÇÃO DE CADA UMA. DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO. LEI Nº 13.043/2014

Leia mais

CRCPR PROJETO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA = FISCALIZAÇÃO PREVENTIVA

CRCPR PROJETO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA = FISCALIZAÇÃO PREVENTIVA 1 INTRODUÇÃO As dúvidas sobre a apuração e recolhimento de tributos federais geram no contribuinte uma incerteza sobre os procedimentos corretos. Com a complexidade do sistema tributário, a dinâmica da

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO Prof. Emanoel Truta CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Conceito Ramo da contabilidade responsável pelo gerenciamento dos tributos incidentes

Leia mais

26.11.2014 10:08 - IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep - Receita Federal redisciplina o pagamento do imposto e das contribuições

26.11.2014 10:08 - IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep - Receita Federal redisciplina o pagamento do imposto e das contribuições 26.11.2014 10:08 - IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep - Receita Federal redisciplina o pagamento do imposto e das contribuições A norma em referência, entre outras providências, dispôs sobre a determinação e o

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Instituições de Direito Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 31 IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA A origem desse imposto se encontra na Grã-Bretanha, onde seus precursores foram, no

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários Sumário 1. Conceito 2. Procedimentos Fiscais na Extinção 2.1 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base no Lucro Real 2.2 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base

Leia mais

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS LUCRO PRESUMIDO (COM RESTRIÇÕES) LUCRO REAL SIMPLES NACIONAL (COM RESTRIÇÕES) LEI nº 9.716/98 Artigo 5º As pessoas jurídicas que tenham como objeto

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Dia: 13 CIDE - Combustíveis - 9331 Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a comercialização de petróleo e seus derivados, gás

Leia mais

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/COFINS/CSL/IRPF CONSTITUIÇÃO FEDERAL/88 Art. 149. Compete exclusivamente à União instituir contribuições sociais. Legislação Lei nº 10.833/2003 Art. 30 IN

Leia mais

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL Lucro Presumido Manifesto pelo Lucro Presumido: Esta opção é formalizada no decorrer do ano- calendário, se manifesta com o recolhimento no mês de abril, correspondente ao primeiro trimestre. A opção do

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012. Capítulo XIV - Lucro Arbitrado 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012. Capítulo XIV - Lucro Arbitrado 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capítulo XIV - Lucro Arbitrado 2013 001 O que é lucro arbitrado? O arbitramento de lucro é uma forma de apuração da base de cálculo do imposto de renda utilizada pela

Leia mais

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil Planejamento Tributário Simples Nacional Fabricio Oenning Composição: Este treinamento está composto pelas seguintes aulas: Aula 1 Simples Nacional Aula 2 Lucro Real Aula 3 Lucro Presumido Nossa Agenda

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IRPJ/2013

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IRPJ/2013 Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL PALESTRA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IRPJ/2013 PALESTRANTE: EQUIPE LEFISC ATUALIZAÇÃO Paulo César

Leia mais

ANO XXVI - 2015-4ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 04/2015

ANO XXVI - 2015-4ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 04/2015 ANO XXVI - 2015-4ª SEMANA DE JANEIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 04/2015 CSLL PAGAMENTO DA CSLL PELO LUCRO PRESUMIDO - CONSIDERAÇÕES GERAIS A PARTIR DE 01 DE JANEIRO DE 2015... Pág. 105 IMPOSTO DE RENDA

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

001 Qual a legislação atualmente em vigor que rege a

001 Qual a legislação atualmente em vigor que rege a ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/01/2012 001 Qual a legislação atualmente em vigor que rege a tributação pelo lucro presumido? Lei nº 8.383, de 1991, art. 65, 1º e 2º; Lei nº 8.981, de 1995, arts. 27 e 45; Lei

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS pag. 1 LUCRO REAL

IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS pag. 1 LUCRO REAL IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS pag. 1 LUCRO REAL 1 - CONCEITO É a base de cálculo do imposto sobre a renda apurada segundo registros contábeis e fiscais efetuados sistematicamente de acordo com

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

PIS e COFINS. Um Estudo Comparativo entre as Sistemáticas de Apuração das Empresas Optantes pela Tributação do Lucro Real e Lucro Presumido

PIS e COFINS. Um Estudo Comparativo entre as Sistemáticas de Apuração das Empresas Optantes pela Tributação do Lucro Real e Lucro Presumido Um Estudo Comparativo entre as Sistemáticas de Apuração das Empresas Optantes pela Tributação do Lucro Real e Lucro Presumido Objetivo: Realizar um estudo comparativo entre as Sistemáticas de Apuração

Leia mais

ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) ANEXO II IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE (IRRF) Item Código/ Variação

ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) ANEXO II IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE (IRRF) Item Código/ Variação 1 ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) Item Código/ Variação Periodicidade Período de Apuração do Fato Denominação Gerador 1 0220/01 Tr i m e s t r a l A partir do 1º trimestre de

Leia mais

Sigla Descrição do Tributo/Contribuição Código. Devida na Importação Decorrente da Comercialização no Mercado Interno

Sigla Descrição do Tributo/Contribuição Código. Devida na Importação Decorrente da Comercialização no Mercado Interno CÓDIGO DE GUIAS Códigos para Preenchimento do DARF Sigla Descrição do Tributo/Contribuição Código CIDE COMBUSTÍVEIS CIDE ROYALTIES Devida na Importação Decorrente da Comercialização no Mercado Interno

Leia mais

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL Criada pela Lei Complementar nº 70/91, esta contribuição sofreu importantes alterações a partir da competência fevereiro de 1999,

Leia mais

Calendário mensal das obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2011 05.01 (4ª feira)

Calendário mensal das obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2011 05.01 (4ª feira) Calendário mensal das obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2011 05.01 (4ª feira) IR-FONTE Último dia para recolhimento do Imposto de Renda na Fonte referente a juros sobre o capital

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

R$ 450.000,00 contabilizados com receitas d) Resultados positivos em participações societárias R$ 320.000,00

R$ 450.000,00 contabilizados com receitas d) Resultados positivos em participações societárias R$ 320.000,00 5. EXEMPLO DE CÁLCULO DA CSLL Admitindo-se que uma pessoa jurídica, tributada pelo lucro real trimestral, sujeita a contribuição social à alíquota de 9% tenha apresentado a seguinte no 2º trimestre/2000:

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

c) as pessoas físicas equiparadas a empresas individuais em virtude de promoverem a incorporação de prédios em condomínio ou loteamento de terrenos;

c) as pessoas físicas equiparadas a empresas individuais em virtude de promoverem a incorporação de prédios em condomínio ou loteamento de terrenos; 28.2.1 - Livro de Apuração do Lucro Real (Lalur) - Normas Para Escrituração 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 6.404/76 - Lei das Sociedades por Ações - dispõe em seu artigo 177 que a escrituração da companhia deve

Leia mais

PAULO ROBERTO HAZAN JUNIOR PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: LUCRO REAL X LUCRO PRESUMIDO

PAULO ROBERTO HAZAN JUNIOR PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: LUCRO REAL X LUCRO PRESUMIDO PAULO ROBERTO HAZAN JUNIOR PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: LUCRO REAL X LUCRO PRESUMIDO Florianópolis 2004 PAULO ROBERTO HAZAN JUNIOR PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: LUCRO REAL X LUCRO PRESUMIDO Monografia apresentada

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA 1. FORMAS DE TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS JURÍDICAS A tributação das pessoas jurídicas pode apresentar-se em 4 modalidades diferentes: - Lucro Real (inclusive, recolhimentos

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA ao SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

Soluções de Consulta TAX

Soluções de Consulta TAX SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 174 de 04 de Dezembro de 2012 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA (ART. 8º DA LEI Nº 12.546, DE 2011). BASE DE

Leia mais

Palestra. Planejamento Tributário de Pessoa Jurídica. Agosto 2012. (Lucro Real e Lucro Presumido) Elaborado por: Arnóbio Neto Araújo Durães

Palestra. Planejamento Tributário de Pessoa Jurídica. Agosto 2012. (Lucro Real e Lucro Presumido) Elaborado por: Arnóbio Neto Araújo Durães Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 208 - Data 11 de julho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA JURÍDICA - IRPJ Administradora de cartões

Leia mais

DOING BUSINESS IN BRAZIL. 19 DE JUNHO Lisboa. RFF & Associados Preto Advogados

DOING BUSINESS IN BRAZIL. 19 DE JUNHO Lisboa. RFF & Associados Preto Advogados DOING BUSINESS IN BRAZIL 19 DE JUNHO Lisboa RFF & Associados Preto Advogados Raquel Elita Alves Preto - Graduada em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), com especialização

Leia mais

ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99,

ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99, ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2011(DOU de 02/01/2012) Dispõe sobre o preenchimento da Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF), em relação a fatos geradores

Leia mais

Ato Declaratório Executivo Corat nº 27, de 27 de março de 2003

Ato Declaratório Executivo Corat nº 27, de 27 de março de 2003 Ato Declaratório Executivo Corat nº 27, de 27 de março de 2003 Divulga a Agenda Tributária do mês de abril de 2003. O COORDENADOR-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA, no uso de suas atribuições declara:

Leia mais

I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos

I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos fictícios. 1 Sistema Cumulativo Pessoa Jurídica tributada pelo

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL 1) Contratos de Curto Prazo 1.1) Definição Contratos de curto prazo são aqueles cuja construção total ou cada unidade da construção deva ser produzida em prazo

Leia mais

Ponto de equilíbrio tributário (break-even point tax): o caso das pessoas jurídicas tributadas pelo lucro real e lucro presumido

Ponto de equilíbrio tributário (break-even point tax): o caso das pessoas jurídicas tributadas pelo lucro real e lucro presumido Ponto de equilíbrio tributário (break-even point tax): o caso das pessoas jurídicas tributadas pelo lucro real e lucro presumido Lorimar Francisco Munaretto (URI Universidade Regional Integrada do Alto

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES - 30/03 A 05/04/2014

AGENDA DE OBRIGAÇÕES - 30/03 A 05/04/2014 AGENDA DE OBRIGAÇÕES - 30/03 A 05/04/2014 Dia: 01 SP - Transmissão Eletrônica de Dados - Operações Interestaduais com Combustíveis - Transportador Revendedor Retalhista - TRR O Transportador Revendedor

Leia mais

NEWTON PAIVA O seu Centro Universitário

NEWTON PAIVA O seu Centro Universitário 1 NEWTON PAIVA O seu Centro Universitário Curso: Ciências Contábeis Período: 6º Turno: Noite Sala: 106 Departamento: Ciências Contábeis Faculdade: FACISA Disciplina: Contabilidade Fiscal e Tributária AVALIAÇÃO

Leia mais

DO REPES. Dos Benefícios do REPES

DO REPES. Dos Benefícios do REPES DECRETO Nº 5.712, DE 2 DE MARÇO DE 2006 Regulamenta o Regime Especial de Tributação para a Plataforma de Exportação de Serviços de Tecnologia da Informação - REPES, instituído pelos arts. 1º a 11 da Lei

Leia mais

AGENDA - Janeiro de 2016

AGENDA - Janeiro de 2016 OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS PARA O MÊS DE JANEIRO.: (ÂMBITO FEDERAL) :. AGENDA - Janeiro de 2016 PRAZO NATUREZA DISCRIMINAÇÃO 04.01 08.01 GPS SALÁRIOS CAGED GFIP FGTS SIMPLES DOMÉSTICO

Leia mais

Art.187... IV o lucro ou prejuízo operacional, as receitas e despesas não operacionais;... c Publicada no DOU de 27-12-1995. c Súm. nº 584 do STF.

Art.187... IV o lucro ou prejuízo operacional, as receitas e despesas não operacionais;... c Publicada no DOU de 27-12-1995. c Súm. nº 584 do STF. LEI N o 9.249, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1995 Altera a legislação do imposto de renda das pessoas jurídicas, bem como da contribuição social sobre o lucro líquido, e dá outras providências. c Publicada no DOU

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

AULA 6: IMPOSTO DE RENDA

AULA 6: IMPOSTO DE RENDA AULA 6: IMPOSTO DE RENDA Pessoal inicialmente desculpe pelo atraso no envio deste capítulo. Como já coloquei no quadro de avisos estava em Brasília e não consegui trabalhar com o material enquanto na capital.

Leia mais

A seguir segue a configuração no CONSISANET da geração do DARF de uma empresa por lucro presumido:

A seguir segue a configuração no CONSISANET da geração do DARF de uma empresa por lucro presumido: GERAÇÃO DE DARF COM DEDUÇÃO PIS\COFINS\IRPJ\CSLL IRPJ. VENDA DE VEÍCULOS USADOS Nas operações de venda de veículos usados, adquiridos para revenda, inclusive quando recebidos como parte do pagamento do

Leia mais

IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA

IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA TÓPICO: LEGISLAÇÃO FISCAL CONCEITOS GERAIS LUCRO REAL CTN [art. 43]: Aquisição da Disponibilidade Econômica ou Jurídica de Renda* ou Proventos de qualquer natureza**.

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Fevereiro de 2015 CONTA

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Fevereiro de 2015 CONTA Seção 5. Anexos Seção 5.1. Planos de Contas Referenciais Seção 5.1.1. Lucro Real Seção 5.1.1.1. Contas Patrimoniais Seção 5.1.1.1.1. L100A - PJ em Geral Código: Chave da linha. Ordem: Ordem de apresentação

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

PONTO DE EQUILÍBRIO FISCAL EM EMPRESAS OPTANTES PELO LUCRO REAL OU PRESUMIDO, CONSIDERANDO O TRATAMENTO DIFERENCIADO PARA O PIS E A COFINS TEMA LIVRE

PONTO DE EQUILÍBRIO FISCAL EM EMPRESAS OPTANTES PELO LUCRO REAL OU PRESUMIDO, CONSIDERANDO O TRATAMENTO DIFERENCIADO PARA O PIS E A COFINS TEMA LIVRE PONTO DE EQUILÍBRIO FISCAL EM EMPRESAS OPTANTES PELO LUCRO REAL OU PRESUMIDO, CONSIDERANDO O TRATAMENTO DIFERENCIADO PARA O PIS E A COFINS TEMA LIVRE RESUMO A carga tributaria no Brasil aproxima-se de

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Deduções da Receita Bruta: (+) Faturamento Bruto (-) IPI s/ faturamento (-) ICMS Substituição Tributária (=) Receita Bruta (-)Vendas Canceladas (as vendas canceladas de resultados

Leia mais

Retenção de Tributos Chaves

Retenção de Tributos Chaves o I SUMÁRIO 1 Imposto de Renda sobre Rendimentos de Residentes ou Domiciliados no País, 1 1.1 Introdução, 1 1.2 Contribuinte, obrigações tributárias e responsável, 1 1.3 Imposto de Renda, 8 1.3.1 Da competência,

Leia mais

São contribuintes do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ):

São contribuintes do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ): 1. ASPECTOS GERAIS DA TRIBUTAÇÃO DO IRPJ São contribuintes do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ): I as pessoas jurídicas; II as empresas individuais. As disposições tributárias do IR aplicam-se a

Leia mais

CIRCULAR Medida Provisória 252/05

CIRCULAR Medida Provisória 252/05 CIRCULAR Medida Provisória 252/05 A Medida Provisória 252/05, publicada no Diário Oficial em 16 de junho de 2005, instituiu regimes especiais de tributação, alterou parte da legislação de Imposto de Renda,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL ASPECTOS FISCAIS E TRIBUTÁRIOS PARA ENCERRAMENTO DO ANO-CALENDÁRIO DE 2001

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL ASPECTOS FISCAIS E TRIBUTÁRIOS PARA ENCERRAMENTO DO ANO-CALENDÁRIO DE 2001 CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL ASPECTOS FISCAIS E TRIBUTÁRIOS PARA ENCERRAMENTO DO ANO-CALENDÁRIO DE 2001 Porto Alegre Janeiro de 2002 Autor: Contador João Roberto Domingues Pinto

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 011, de 21 de fevereiro de 1996

Instrução Normativa SRF nº 011, de 21 de fevereiro de 1996 Instrução Normativa SRF nº 011, de 21 de fevereiro de 1996 DOU de 22/02/1996 Dispõe sobre a apuração do imposto de renda e da contribuição social sobre o lucro das pessoas jurídicas a partir do ano-calendário

Leia mais

É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização

É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização dos autores conforme legislação vigente. Março/2011

Leia mais

CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO.

CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO. Porto Alegre, 17 de fevereiro de 2012 Sr. Cliente: CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO. No período de 01 de março até 30 de abril de 2012, a RFB estará recepcionando as Declarações do Imposto

Leia mais

Incidência do PIS e da Cofins sobre água, refrigerante e cerveja

Incidência do PIS e da Cofins sobre água, refrigerante e cerveja Confira a incidência do PIS e da Cofins sobre água, refrigerante e cerveja Nesta Orientação examinamos a incidência do PIS/Pasep e da Cofins na comercialização por pessoas jurídicas industriais das bebidas

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

RECEITAS E SUBVENÇÕES

RECEITAS E SUBVENÇÕES III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF RECEITAS E SUBVENÇÕES CONCEITOS ANTES E DEPOIS DA LEI 12973 RICARDO MARIZ DE OLIVEIRA RECEITAS E INGRESSOS NEM TODO INGRESSO É

Leia mais

Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa

Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa Ainda que a pessoa jurídica esteja submetida ao regime de incidência não-cumulativa, as receitas constantes do art. 8º da Lei nº 10.637, de 2002,

Leia mais

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7. Clique e veja o compromisso do dia.

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7. Clique e veja o compromisso do dia. Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA à SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS Outubro 2014

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS Outubro 2014 AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS Outubro 14 Data Tributos Descrição 03 03 IOF COMPROVANTE MENSAL DE RETENÇÃO DA PARA O PIS/PASEP E DA COFINS - AUTOPEÇAS 03 IR/FONTE 06 SALÁRIOS

Leia mais

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO Planejamento Tributário Setembro de 2011 QUESTÃO 1 - RESPONDA AS QUESTÕES APRESENTADAS A SEGUIR: I - Cite algumas situações em que a pessoa jurídica estará obrigada à tributação

Leia mais

Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015

Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015 Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015 Page 1 Da base de tributação Page 2 Alteração do art. 3º da Lei nº 9.718/98 Art. 52 A Lei nº 9.718, de 27 de novembro de 1998, passa a vigorar com as seguintes

Leia mais

Créditos. a. das aquisições de bens para revenda efetuadas no mês;

Créditos. a. das aquisições de bens para revenda efetuadas no mês; Créditos Dos valores de Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins apurados, a pessoa jurídica submetida à incidência não-cumulativa poderá descontar créditos, calculados mediante a aplicação das alíquotas

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA ATO DECLARATÓRIO Nº 33, de 28 de agosto de 2000. O COORDENADOR-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO

Leia mais

1.1.1 - No caso de exclusão de ofício do Simples Atenção: 1.1.2 - No caso de suspensão da imunidade ou isenção

1.1.1 - No caso de exclusão de ofício do Simples Atenção: 1.1.2 - No caso de suspensão da imunidade ou isenção CRC CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO CEARÁ CURSO SOBRE DCTF DECLARAÇÃO DE TRIBUTOS FEDERAIS MONITOR: EDUARDO CAIO SAMPAIO CARVALHO PERÍODO: 18 E 19 DE AGOSTO DE 2008 1. Conceito e Entrega

Leia mais