SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte."

Transcrição

1 Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. SIMPLES NACIONAL Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte Ricardo Nogueira Atualizado em 19/10/2015

2 Legislação (destaques) Lei Complementar 123, de 14/12/2006 Atualizada pelas Lei Complementares 127 (ago2007), 128 (dez2008), 133 (dez2009), 139 (nov2011) e 147 (08/2014). Resoluções do Comitê Gestor do Da Resolução CGSN nº 01 (mar2007) que aprova o Regulamento Interno do CGSNaté a de nº 123 (14/out/2015) que altera a Resolução CGSN nº 94, com destaque para a Resolução CGSN nº 94 (nov2011 e alterações).

3 Microempresa (ME) é a sociedade empresária, a sociedade simples e o empresário (individual) que, no ano-calendário anterior, auferiu receita bruta igual ou inferior a R$ ,00. Empresa de Pequeno Porte (EPP) é a sociedade empresária, a sociedade simples e o empresário (individual) que, no ano-calendário anterior, auferiu receita bruta superior a R$ ,00 e igual ou inferior a R$ ,00.

4 Características: 1. regime tributário de alcance nacional (União, Estados, Distrito Federal e Municípios); 2. regulado por um Comitê Gestor -CGSN; 3. enquadramento opcional; 4. opção anual (renovação automática) e irretratável; 5. cálculo e emissão de documento único de arrecadação (DAS) por sistema eletrônico próprio e exclusivo (PGDAS) via web; 6. Abrange os tributos: IRPJ, IPI, CSLL, COFINS, PIS, CPP (INSS), ICMS e ISS.

5 Tributos não Abrangidos I - Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF); II - Imposto sobre a Importação de Produtos Estrangeiros (II); III - Imposto sobre Exportação, para o Exterior, de Produtos Nacionais ou Nacionalizados (IE); IV - Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR); V - Imposto de Renda relativo: a) aos rendimentos ou ganhos líquidos auferidos em aplicações de renda fixa ou variável; b) aos ganhos de capital auferidos na alienação de bens do ativo permanente; c) aos pagamentos ou créditos efetuados pela pessoa jurídica a pessoas físicas; VI -Contribuição para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS); VII - Contribuição para manutenção da Seguridade Social, relativa ao trabalhador; VIII -Contribuição para a Seguridade Social, relativa à pessoa do empresário, na qualidade de contribuinte individual; IX - Contribuição para o PIS/Pasep, Cofins e IPI incidentes na importação de bens e serviços;

6 Tributos não Abrangidos X -ICMSdevido: a) nas operações ou prestações sujeitas ao regime de substituição tributária; b) por terceiro, a que o contribuinte se ache obrigado, por força da legislação estadual ou distrital vigente; c) na entrada, no território do Estado ou do Distrito Federal, de petróleo, inclusive lubrificantes e combustíveis líquidos e gasosos dele derivados, bem como energia elétrica, quando não destinados à comercialização ou à industrialização; d) por ocasião do desembaraço aduaneiro; e) na aquisição ou manutenção em estoque de mercadoria desacobertada de documento fiscal; f) na operação ou prestação desacobertada de documento fiscal; g) nas operações com bens ou mercadorias sujeitas ao regime de antecipação do recolhimento do imposto, nas aquisições em outros Estados e Distrito Federal, com encerramento da tributação ou sem encerramento da tributação, hipótese em que será cobrada a diferença entre a alíquota interna e a interestadual, sendo vedada a agregação de qualquer valor; h) nas aquisições em outros Estados e Distrito Federal de bens ou mercadorias, não sujeitas ao regime de antecipação do recolhimento do imposto, relativo à diferença entre a alíquota interna e a interestadual; XI -ISS devido: a) em relação aos serviços sujeitos à substituição tributária ou retenção na fonte; b) na importação de serviços;

7 Condições necessárias ao ingresso no regime tributário simplificado: 1. enquadrar-se na definição de ME ou EPP; 2. atender requisitos legais; 3. formalizar opção. Demais Pessoas Jurídicas ME e EPP Lei Geral Simples Nacional

8 Vedações à Opção Constituída sob a forma de sociedade por ações ou cooperativa, salvo as de consumo; Que tenha sócio residente ou domiciliado no exterior; De cujo capital participe, outra PJ, inclusive entidades de administração pública; Que seja filial, sucursal, agência ou representação, no país, de pessoa jurídica com sede no exterior; Cujo titular ou sócio participe de outra empresa, com mais de 10% do capital, caso a outra empresa não seja optante pelo, ou com qualquer participação se optante, desde que a receita bruta global (ambos os casos) ultrapasse o limite de ,00. Obs.: Extensão feita ao sócio ou titular que atue como administrador em outra empresa; Que participe do capital de outra pessoa jurídica, ressalvados os investimentos provenientes de incentivos fiscais previstos; Que tenha débito inscrito em dívida ativa da União ou do INSS, cuja exigibilidade não esteja suspensa;

9 Vedações à Opção Cujo titular, ou sócio que participe de seu capital com mais de 10%, esteja inscrito em dívida ativa da União ou do INSS, cuja exigibilidade não esteja suspensa ou que adquira bens ou realize gastos em valor incompatível com os rendimentos por ele declarados; Que seja resultante de cisão ou qualquer outra forma de desmembramento da pessoa jurídica, salvo em relação aos eventos ocorridos antes da vigência de Lei 9317/96; # Que exerça atividade vedada, segundo a legislação vigente, tais como: Banco comercial, de investimentos e de desenvolvimento, caixa econômica, sociedade de crédito, financiamento e investimento ou de crédito imobiliário, corretora ou distribuidora de títulos, valores mobiliários e câmbio, empresa de arrendamento mercantil, de seguros privados e de capitalização ou de previdência complementar; Prestação contínua e cumulativa de serviços de assessoria creditícia, gestão de crédito, seleção e riscos, administração de contas a pagar e a receber, gerenciamento de ativos, compras de direitos creditórios resultantes de vendas mercantis a prazo ou de prestação de serviços (factoring); Transporte intermunicipal e interestadual de passageiros (exceto algumas modalidades); Importação ou fabricação de: automóveis e motocicletas, combustíveis, cigarros, bebidas alcoólicas, entre outras, listadas no Art.15 da Resolução CGSN nº 94/2011.

10 Conceitos Básicos CÁLCULO E RECOLHIMENTO DO VALOR DEVIDO período de apuração: é o mês-calendário; base de cálculo: é a receita bruta mensal; alíquota: é um percentual (%) que, multiplicado pela base de cálculo, resulta no valor devido do ; receita bruta: produto da venda de bens e serviços nas operações de conta própria, o preço dos serviços prestados e o resultado nas operações em conta alheia, excluídas as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos. Regime de Caixa* X Regime de Competência O reconhecimento da base de cálculo mensal é realizado segundo o regime de competência ou o regime de caixa. A pessoa jurídica deverá, obrigatoriamente, optar por um desses dois regimes de reconhecimento, antes de iniciar a primeira apuração do ano-calendário correspondente, sendo essa opção irretratável para todo o ano-calendário. *apenas para apuração da base de cálculo mensal e não quanto a observância dos limites e definição da alíquota a ser aplicada.

11 O valor devido do será calculado mensalmente exclusivamente mediante a utilização do aplicativo PGDAS, disponível no Portal do na internet Observado o fato de que determinadas receitas não estão no escopo de tributação do, deve-se informá-las de forma segregada, de acordo com a natureza de suas operações de origem. Tais receitas serão informadas segundo sua natureza e tributadas de acordo com as alíquotas pertinentes a cada faixa de faturamento anual listadas em um ou mais dos anexos previstos no Art.18 da LC 123/2006.

12 Anexo I = Comércio: receita decorrente da revenda de mercadorias. Anexo II = Indústria: receita decorrente da venda de mercadorias industrializadas pelo contribuinte. Anexo III = Serviços: receita decorrente da prestação de : serviços que não tenham sido objeto de vedação de opção pelo e que não estejam listados entre aqueles cujas receitas são tributadas na forma dos Anexos IV, V ou VI da Lei Complementar 123/2006. Anexo IV = Serviços: receita decorrente da prestação de serviços de: 1 -construção de imóveis e obras de engenharia em geral, inclusive sob a forma de subempreitada, execução de projetos e serviços de paisagismo, bem como decoração de interiores; 2 - serviço de vigilância, limpeza ou conservação; 3 serviços advocatícios.

13 Anexo V = Serviços: receita decorrente da prestação de serviços de: 1 - administração e locação de imóveis de terceiros; 2 -academias de dança, de capoeira, de ioga e de artes marciais; 3 - academias de atividades físicas, desportivas, de natação e escolas de esportes; 4 -elaboração de programas de computadores, inclusive jogos eletrônicos, desde que desenvolvidos em estabelecimento do optante; 5 -licenciamento ou cessão de direito de uso de programas de computação; 6 -planejamento, confecção, manutenção e atualização de páginas eletrônicas, desde que realizados em estabelecimento do optante; 7 - empresas montadoras de estandes para feiras; 8 - laboratórios de análises clínicas ou de patologia clínica; 9 -serviços de tomografia, diagnósticos médicos por imagem, registros gráficos e métodos óticos, bem como ressonância magnética; 10 -serviços de prótese em geral.

14 Anexo VI = Serviços (vigência 2015): receita da prestação de serviços de: 1 medicina, inclusive laboratorial e enfermagem; 2 medicina veterinária; 3 - odontologia; 4 psicologia, psicanálise, terapia ocupacional, acupuntura, podologia, fonoaudiologia e de clínicas de nutrição, de vacinação e bancos de leite; 5 - serviços de comissaria, de despachantes, de tradução e de interpretação; 6 arquitetura, engenharia, medição, cartografia, topografia, geologia, geodésia, testes, suporte e análises técnicas e tecnológicas, pesquisa, design, desenho e agronomia; 7 representação comercial e demais atividades de intermediação de negócios e serviços de terceiros; 8 perícia, leilão e avaliação;

15 Anexo VI = Serviços (vigência 2015): receita da prestação de serviços de: 9 auditoria, economia, consultoria, gestão, organização, controle e administração; 10 jornalismo e publicidade 11 agenciamento, exceto de mão-de-obra; 12 outras atividades do setor de serviços que tenham por finalidade a prestação de serviços decorrentes do exercício de atividade intelectual, de natureza técnica, científica, desportiva, artística ou cultural, que constitua profissão regulamentada ou não, desde que não sujeitas à tributação na forma dos Anexos III, IV ou V da Lei Complementar 123/2006.

16 CÁLCULO E RECOLHIMENTO DO VALOR DEVIDO Segregadas as receitas, classifica-se a parte da receita que esteja sujeita às seguintes especificidades: fora do campo de incidência, inclusive imunidade; exigibilidade suspensa; isenção do ICMS ou do ISS; substituição tributária do IPI, PIS, Cofins, ICMS e ISS; retenções na fonte; devolução de mercadorias; cancelamento de notas fiscais; antecipação com encerramento da tributação do ICMS.

17 Determinação das Alíquotas Para a determinação da alíquota é necessário, primeiramente, apurarse a receita bruta acumulada nos 12 meses anteriores ao período de apuração. A alíquota é determinada localizando-se na tabela correspondente ao tipo de receita (Anexos I a VI), a faixa da receita bruta total acumulada da pessoa jurídica nos 12 meses anteriores ao período de apuração, correspondendo então à soma dos percentuais dos tributos constantes na faixa dessa receita bruta.

18 Anexo I Comércio Receita Bruta 12 m Alíquota IRPJ CSLL COFINS PIS CPP ICMS Até 180 mil 4,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 2,75% 1,25%...a 360 mil 5,47% 0,00% 0,00% 0,86% 0,00% 2,75% 1,86%...a 540 mil 6,84% 0,27% 0,31% 0,95% 0,23% 2,75% 2,33%...a 720 mil 7,54% 0,35% 0,35% 1,04% 0,25% 2,99% 2,56%...a 900 mil 7,60% 0,35% 0,35% 1,05% 0,25% 3,02% 2,58%...a mil 8,28% 0,38% 0,38% 1,15% 0,27% 3,28% 2,82% (...) (...)...a mil 10,32% 0,48% 0,48% 1,43% 0,34% 4,08% 3,51%...a mil 11,23% 0,52% 0,52% 1,56% 0,37% 4,49% 3,85%...a mil 11,32% 0,52% 0,52% 1,57% 0,37% 4,49% 3,85%...a mil 11,42% 0,53% 0,53% 1,58% 0,38% 4,52% 3,88%...a mil 11,51% 0,53% 0,53% 1,60% 0,38% 4,56% 3,91%...a mil 11,61% 0,54% 0,54% 1,60% 0,38% 4,60% 3,95%

19 Anexo II Indústria Receita Bruta 12 m Alíquota IRPJ CSLL COFINS PIS CPP ICMS IPI Até 180 mil 4,50% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 2,75% 1,25% 0,50%...a 360 mil 5,97% 0,00% 0,00% 0,86% 0,00% 2,75% 1,86% 0,50%...a 540 mil 7,34% 0,27% 0,31% 0,95% 0,23% 2,75% 2,33% 0,50%...a 720 mil 8,04% 0,35% 0,35% 1,04% 0,25% 2,99% 2,56% 0,50%...a 900 mil 8,10% 0,35% 0,35% 1,05% 0,25% 3,02% 2,58% 0,50%...a mil 8,78% 0,38% 0,38% 1,15% 0,27% 3,28% 2,82% 0,50% (...) (...)...a mil 10,82% 0,48% 0,48% 1,43% 0,34% 4,08% 3,51% 0,50%...a mil 11,73% 0,52% 0,52% 1,56% 0,37% 4,49% 3,85% 0,50%...a mil 11,82% 0,52% 0,52% 1,57% 0,37% 4,49% 3,85% 0,50%...a mil 11,92% 0,53% 0,53% 1,58% 0,38% 4,52% 3,88% 0,50%...a mil 12,01% 0,53% 0,53% 1,60% 0,38% 4,56% 3,91% 0,50%...a mil 12,11% 0,54% 0,54% 1,60% 0,38% 4,60% 3,95% 0,50%

20 Anexo III Serviços Receita Bruta 12 m Alíquota IRPJ CSLL COFINS PIS CPP ISS Até 180 mil 6,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 4,00% 2,00%...a 360 mil 8,21% 0,00% 0,00% 1,42% 0,00% 4,00% 2,79%...a 540 mil 10,26% 0,48% 0,43% 1,43% 0,35% 4,07% 3,50%...a 720 mil 11,31% 0,53% 0,53% 1,56% 0,38% 4,47% 3,84%...a 900 mil 11,40% 0,53% 0,52% 1,58% 0,38% 4,52% 3,87%...a mil 12,42% 0,57% 0,57% 1,73% 0,40% 4,92% 4,23% (...) (...)...a mil 15,48% 0,72% 0,70% 2,15% 0,51% 6,40% 5,00%...a mil 16,85% 0,78% 0,76% 2,34% 0,56% 7,41% 5,00%...a mil 16,98% 0,78% 0,78% 2,36% 0,56% 7,50% 5,00%...a mil 17,13% 0,80% 0,79% 2,37% 0,57% 7,60% 5,00%...a mil 17,27% 0,80% 0,79% 2,40% 0,57% 7,71% 5,00%...a mil 17,42% 0,81% 0,79% 2,42% 0,57% 7,83% 5,00%

21 Anexo IV Serviços Receita Bruta 12 m Alíquota IRPJ CSLL COFINS PIS ISS Até 180 mil 4,50% 0,00% 1,22% 1,28% 0,00% 2,00%...a 360 mil 6,54% 0,00% 1,84% 1,91% 0,00% 2,79%...a 540 mil 7,70% 0,16% 1,85% 1,95% 0,24% 3,50%...a 720 mil 8,49% 0,52% 1,87% 1,99% 0,27% 3,84%...a 900 mil 8,97% 0,89% 1,89% 2,03% 0,29% 3,87%...a mil 9,78% 1,25% 1,91% 2,07% 0,32% 4,23% (...) (...)...a mil 14,60% 4,60% 2,10% 2,43% 0,47% 5,00%...a mil 15,05% 4,90% 2,19% 2,47% 0,49% 5,00%...a mil 15,50% 5,21% 2,27% 2,51% 0,51% 5,00%...a mil 15,95% 5,51% 2,36% 2,55% 0,53% 5,00%...a mil 16,40% 5,81% 2,45% 2,59% 0,55% 5,00%...a mil 16,85% 6,12% 2,53% 2,63% 0,57% 5,00%

22 Anexo V Serviços (r)<0,10 0,10=< (r) e (r) < 0,15 0,15=< (r) e (r) < 0,20 0,20=< (r) e (r) < 0,25 0,25=< (r) e (r) < 0,30 0,30=< (r) e (r) < 0,35 0,35=< (r) e (r) < 0,40 (r)>= 0,40 Receita Bruta 12 m Até 180 mil 17,50% 15,70% 13,70% 11,82% 10,47% 9,97% 8,80% 8,00%...a 360 mil 17,52% 15,75% 13,90% 12,60% 12,33% 10,72% 9,10% 8,48%...a 540 mil 17,55% 15,95% 14,20% 12,90% 12,64% 11,11% 9,58% 9,03%...a 720 mil 17,95% 16,70% 15,00% 13,70% 13,45% 12,00% 10,56% 9,34%...a 900 mil 18,15% 16,95% 15,30% 14,03% 13,53% 12,40% 11,04% 10,06%...a mil 18,45% 17,20% 15,40% 14,10% 13,60% 12,60% 11,60% 10,60% (...) (...)...a mil 20,70% 19,30% 17,45% 16,24% 16,00% 15,52% 15,03% 14,29%...a mil 21,20% 20,00% 18,20% 16,91% 16,72% 16,32% 15,93% 15,23%...a mil 21,70% 20,50% 18,70% 17,40% 17,13% 16,82% 16,38% 16,17%...a mil 22,20% 20,90% 19,10% 17,80% 17,55% 17,22% 16,82% 16,51%...a mil 22,50% 21,30% 19,50% 18,20% 17,97% 17,44% 17,21% 16,94%...a mil 22,90% 21,80% 20,00% 18,60% 18,40% 17,85% 17,60% 17,18%

23 Para determinar a alíquota relativa ao Anexo V é necessário: 1. calcular o fator correspondente à relação entre a folha de salários/encargos e a receita bruta da empresa, o chamado fator (r): (r) = Folha de Salários incluídos encargos (nos 12 meses anteriores ao período de apuração)/ Receita Bruta (nos 12 meses anteriores ao período de apuração) 2. identificar a alíquota no Anexo V; 3. somar a alíquota identificada no Anexo V com o percentual do ISS do Anexo IV correspondente à mesma faixa de receita bruta. Assim, quanto maior for a folha de pagamento, maior será o fator " r, menor será a alíquota do Anexo V e, por consequência, o valor devido no Simples Nacional.

24 Anexo VI Serviços Receita Bruta 12 m Alíquota IRPJ, PIS, CSLL, Cofins e CPP ISS Até 180 mil 16,83% 14,93% 2,00%...a 360 mil 17,72% 14,93% 2,79%...a 540 mil 18,43% 14,93% 3,50%...a 720 mil 18,77% 14,93% 3,84%...a 900 mil 19,04% 15,17% 3,87%...a mil 19,94% 15,71% 4,23% (...) (...)...a mil 22,21% 17,21% 5,00%...a mil 22,21% 17,21% 5,00%...a mil 22,32% 17,32% 5,00%...a mil 22,37% 17,37% 5,00%...a mil 22,41% 17,41% 5,00%...a mil 22,45% 17,45% 5,00%

25

26 Ano I - mês receitas Ano II - mês receitas.janeiro R$ ,00.janeiro R$ ,00.fevereiro R$ ,00.fevereiro R$ ,00.março R$ ,00.março R$ ,00.abril R$ ,00.abril R$ ,00.maio R$ ,00.maio R$ ,00.junho R$ ,00.junho R$ ,00.julho R$ ,00.julho R$ ,00.agosto R$ ,00.agosto R$ ,00.setembro R$ ,00.setembro R$ ,00.outubro R$ ,00.outubro R$ ,00.novembro R$ ,00.novembro R$ ,00.dezembro R$ ,00.dezembro R$ ,00 Total R$ ,00 Total R$ ,00

27 Supondo-se o período de apuração (PA): setembro do Ano II Qual será a RBT 12? Qual será a RBA? Qual será a alíquota do Simples a ser aplicada para uma empresa com receitas tributadas pelo Anexo III: Qual será o valor do SIMPLES a pagar?

28 Supondo-se o período de apuração (PA): setembro do Ano II Qual será a RBT 12? R$ ,00 Qual será a RBA? R$ ,00 Qual será a alíquota do Simples a ser aplicada para uma empresa com receitas tributadas pelo Anexo III: 12,42% Qual será o valor do SIMPLES a pagar? R$ ,00

29 Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas ME e EPP. SIMPLES NACIONAL Obrigado! Ricardo Nogueira Conheça nossos cursos em:

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 (Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara') Agência Câmara Tel. (61) 3216.1851/3216.1852 Fax. (61) 3216.1856

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES

BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES O Simples Nacional é o regime de apuração instituído pela Lei Complementar nº 123 de 2006, destinado às empresas enquadradas

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO TERMO DE EXCLUSÃO DO SIMPLES NACIONAL

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO TERMO DE EXCLUSÃO DO SIMPLES NACIONAL MANUAL DE PREENCHIMENTO DO TERMO DE EXCLUSÃO DO SIMPLES NACIONAL A pessoa jurídica, optante pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas

Leia mais

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015 Vicente Sevilha Junior setembro/2014 Compreender como funciona o SIMPLES Entender quais atividades podem ou não optar pelo SIMPLES Analisar as tabelas e percentuais do SIMPLES

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: EDVALDO NILO

CURSO ON-LINE PROFESSOR: EDVALDO NILO Aula 10 Tributos de Competência dos Estados. Tributos de Competência dos Municípios. Simples Nacional. Repartição das Receitas Tributárias. Olá, prezados (as), Ressalto que ainda teremos mais duas aulas

Leia mais

TABELAS DE ALÍQUOTAS A PARTIR DE 2015 ANEXO I DA LEI COMPLEMENTAR 123, DE 14 12 2006. Até 180.000,00 4,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 2,75% 1,25%

TABELAS DE ALÍQUOTAS A PARTIR DE 2015 ANEXO I DA LEI COMPLEMENTAR 123, DE 14 12 2006. Até 180.000,00 4,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 2,75% 1,25% ... Informativo 0 Página 0 Ano 2015 TABELAS DE ALÍQUOTAS A PARTIR DE 2015 ANEXO I DA LEI COMPLEMENTAR 123, DE 14 12 2006 Alíquotas e Partilha do Simples Nacional Comércio Receita Bruta em 12 meses (em

Leia mais

SIMPLES NACIONAL: DISPOSIÇÕES DO COMITÊ GESTOR APLICÁVEIS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2012

SIMPLES NACIONAL: DISPOSIÇÕES DO COMITÊ GESTOR APLICÁVEIS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2012 IMPOSTO DE RENDA CADERNO nº 1 SIMPLES NACIONAL: DISPOSIÇÕES DO COMITÊ GESTOR APLICÁVEIS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2012 RESOLUÇÃO CGSN Nº 94, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2011 O COMITÊ GESTOR DO SIMPLES NACIONAL

Leia mais

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa A Constituição Federal e o Estatuto Os artigos 146, 170, 179 da Constituição de 1988 contêm os marcos legais que fundamentam as medidas e ações de apoio às

Leia mais

Palavras Chave: Simples Nacional, Simples Federal, Tributação.

Palavras Chave: Simples Nacional, Simples Federal, Tributação. SIMPLES FEDERAL x SIMPLES NACIONAL: Um estudo sobre as mudanças ocorridas no regime especial de tributação das microempresas e as empresas de pequeno porte. Adriano Sellis Márcio Fernando da Silveira Andrade

Leia mais

Lei Complementar 123, de 14 de Dezembro de 2006. Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. DRF/Cuiabá/MT

Lei Complementar 123, de 14 de Dezembro de 2006. Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. DRF/Cuiabá/MT Lei Complementar 123, de 14 de Dezembro de 2006. Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte DRF/Cuiabá/MT Características principais do Regime do Simples Nacional: 1. Abrange a participação

Leia mais

O SUPER SIMPLES E AS EMPRESAS DO RAMO DE SAÚDE José Alberto C. Muricy e. Colaboração: Daniel Queiroz Filho Outubro/2014

O SUPER SIMPLES E AS EMPRESAS DO RAMO DE SAÚDE José Alberto C. Muricy e. Colaboração: Daniel Queiroz Filho Outubro/2014 O SUPER SIMPLES E AS EMPRESAS DO RAMO DE SAÚDE José Alberto C. Muricy e Jorge Pereira de Souza Colaboração: Daniel Queiroz Filho Outubro/2014 PROGRAMA A INTRODUÇÃO DO SUPER SIMPLES PARA OS SERVIÇOS DE

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 2015

SIMPLES NACIONAL 2015 SIMPLES NACIONAL 2015 Salvo novas Resoluções do Comitê Gestor do Simples Nacional segue: TABELAS DE INCIDÊNCIA E NOVAS ATIVIDADES PERMITIDAS AO SIMPLES NACIONAL Atividades Permitidas Anexo I Empresa Comercial

Leia mais

RESOLUÇÃO CGSN 04, DE 30 DE MAIO DE 2007 (DOU DE 01.06.2007)

RESOLUÇÃO CGSN 04, DE 30 DE MAIO DE 2007 (DOU DE 01.06.2007) RESOLUÇÃO CGSN 04, DE 30 DE MAIO DE 2007 (DOU DE 01.06.2007) Dispõe sobre a opção pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno

Leia mais

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 Informativo 19 - Página 285 - Ano 2009 ORIENTAÇÃO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Opção pelo SIMEI Conheça as condições para recolhimento

Leia mais

MANUAL DO PGDAS. O Simples Nacional implica o recolhimento mensal mediante DAS dos seguintes impostos e contribuições:

MANUAL DO PGDAS. O Simples Nacional implica o recolhimento mensal mediante DAS dos seguintes impostos e contribuições: Versão 7 MANUAL DO PGDAS 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (PGDAS) é um sistema eletrônico para a realização do cálculo do Simples

Leia mais

Direito Previdenciário. rio. Prof. Gláucio Diniz de Souza (Aula 3 e 4)

Direito Previdenciário. rio. Prof. Gláucio Diniz de Souza (Aula 3 e 4) Direito Previdenciário rio Prof. Gláucio Diniz de Souza (Aula 3 e 4) Financiamento da Previdência Social Empregado, Trabalhador Avulso e Empregado Doméstico Contribuição Progressiva Salário rio-de-contribuição

Leia mais

Ano CXLVI N o - 21-B Brasília - DF, sábado, 31 de janeiro de 2009

Ano CXLVI N o - 21-B Brasília - DF, sábado, 31 de janeiro de 2009 EDIÇÃO EXTRA ISSN 1677-7042 Ano CXLVI N o - 21-B Brasília - DF, sábado, 31 de janeiro de 2009. Sumário PÁGINA Atos do Poder Legislativo... 1 Atos do Poder Executivo... 13. Atos do Poder Legislativo LEI

Leia mais

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino Simples Nacional Seminário de Direito Tributário Assunto: PGDAS Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino 1 CÁLCULO E PGDAS Conceitos Básicos para Cálculo Regime de Tributação: Competência e Caixa Segregação

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta nº 95 Data 3 de abril de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL IMUNIDADE. ISENÇÃO. ALÍQUOTA ZERO. SIMPLES NACIONAL. A

Leia mais

Lei Complementar nº 123, de 14.12.2006 DOU 1 de 15.12.2006 - Rep. DOU 1 de 31.01.2009 - Rep. DOU 1 de 31.01.2012

Lei Complementar nº 123, de 14.12.2006 DOU 1 de 15.12.2006 - Rep. DOU 1 de 31.01.2009 - Rep. DOU 1 de 31.01.2012 Lei Complementar nº 123, de 14.12.2006 DOU 1 de 15.12.2006 - Rep. DOU 1 de 31.01.2009 - Rep. DOU 1 de 31.01.2012 *(Republicação em atendimento ao disposto no art. 5º da Lei Complementar nº 139, de 10 de

Leia mais

Simples Nacional versus Lucro Presumido: Uma análise da tributação nas Empresas Prestadoras de Serviços

Simples Nacional versus Lucro Presumido: Uma análise da tributação nas Empresas Prestadoras de Serviços Simples Nacional versus Lucro Presumido: Uma análise da tributação nas Empresas Prestadoras de Serviços Resumo O objetivo deste trabalho é comparar o custo tributário no Simples Nacional com o custo tributário

Leia mais

RMS Software S.A. - Uma empresa TOTVS. 11 2699-0008 www.rms.com.br

RMS Software S.A. - Uma empresa TOTVS. 11 2699-0008 www.rms.com.br SIMPLES NACIONAL RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado de comércio e varejo.

Leia mais

SIMPLES NACIONAL - CÁLCULO DO VALOR DEVIDO

SIMPLES NACIONAL - CÁLCULO DO VALOR DEVIDO SIMPLES NACIONAL - CÁLCULO DO VALOR DEVIDO O cálculo do valor devido do Simples Nacional deverá ser efetuado por meio de aplicativo específico disponível na internet. O documento único de arrecadação para

Leia mais

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples Wagner Mendes Contador, Pós-Graduado em Controladoria, Auditoria e Tributos, Consultor Tributário, Especialista em Tributos Federais, Contabilidade e Legislação

Leia mais

Segregação de Receitas: Substituição Tributária, Tributação Monofásica

Segregação de Receitas: Substituição Tributária, Tributação Monofásica Anexo I Comércio A partir de 01.01.2015 TABELAS DO SIMPLES NACIONAL VIGENTES A PARTIR DE 01.01.2015 RESOLUÇÃO CGSN 94 DE 29.11.2011 (Art. 25 A e Anexo I) Art. 25 A. O valor devido mensalmente pela ME ou

Leia mais

PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO. Maio/2008

PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO. Maio/2008 PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO Maio/2008 1 CÁLCULO DO VALOR DEVIDO Será disponibilizado sistema eletrônico para realização do cálculo simplificado do valor mensal devido referente ao Simples Nacional. (LC123/2006,

Leia mais

LEI Nº 3434, DE 21 DE JULHO DE 1998.

LEI Nº 3434, DE 21 DE JULHO DE 1998. LEI Nº 3434, DE 21 DE JULHO DE 1998. Concede Benefício Fiscal às Micro Empresas e dá outras providências. A Câmara Municipal de Itabira, por seus Vereadores aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Regime tributário das microempresas e empresas de pequeno porte* Renata Guedes Barreiros Sumário Introdução 3 Desenvolvimento Capítulo 1- Tratamento Tributário das ME e EPP 5 1.1-

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

MODIFICAÇÕES DO NACIONAL

MODIFICAÇÕES DO NACIONAL Fecomércio MG Jurídico MODIFICAÇÕES DO NACIONAL Outubro de 2014 www.fecomerciomg.org.br S umário O que é o Simples Nacional... 3 Quem pode optar pelo Simples Nacional... 4 Modificações...5 Principais modificações

Leia mais

Índice. 1. Resolução Comitê Gestor do Simples Nacional nº 94/2011 - DOU 1º.12.2011 - (Excerto)...2 2. PGDAS-D...8. 2.1. Introdução...

Índice. 1. Resolução Comitê Gestor do Simples Nacional nº 94/2011 - DOU 1º.12.2011 - (Excerto)...2 2. PGDAS-D...8. 2.1. Introdução... Índice 1. Resolução Comitê Gestor do Simples Nacional nº 94/2011 - DOU 1º.12.2011 - (Excerto)...2 2. PGDAS-D...8 2.1. Introdução...8 2.2. Acesso ao PGDAS-D...8 2.3. Aviso de Cobrança...9 2.4. Contribuinte

Leia mais

Os Tributos e Contribuições abrangidos pela Lei 10.833 de 2003 e suas respectivas alíquotas, foram os seguintes :

Os Tributos e Contribuições abrangidos pela Lei 10.833 de 2003 e suas respectivas alíquotas, foram os seguintes : Retenção de Tributos e Contribuições Federais nos pagamentos efetuados por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas pelo fornecimento de bens e pela prestação de serviços Dr. Fabiano Gama Ricci* 1.Considerações

Leia mais

OBRIGAÇÕES EMPRESARIAIS (FISCAIS,TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS) MARÇO DE 2010

OBRIGAÇÕES EMPRESARIAIS (FISCAIS,TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS) MARÇO DE 2010 OBRIGAÇÕES EMPRESARIAIS (FISCAIS,TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS) MARÇO DE 2010 03.03 (4ª feira) Último dia para recolhimento do Imposto de Renda na Fonte referente a juros sobre o capital próprio, aplicações

Leia mais

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa):

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Pesquisa Industrial Anual Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Aluguéis e arrendamentos Despesas com

Leia mais

SEÇÃO II DAS VEDAÇOES AO INGRESSO AO SIMPLES NACIONAL DAS ATIVIDADES PERMITIDAS A ADESÃO AO SIMPLES NACIONAL

SEÇÃO II DAS VEDAÇOES AO INGRESSO AO SIMPLES NACIONAL DAS ATIVIDADES PERMITIDAS A ADESÃO AO SIMPLES NACIONAL SEÇÃO II DAS VEDAÇOES AO INGRESSO AO NACIONAL DAS ATIVIDADES PERMITIDAS A ADESÃO AO NACIONAL ART. 17 Parágrafo 1º - As vedações relativas a exercício das atividades previstas no caput não se aplica as

Leia mais

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7 8. Clique e veja o compromisso do dia.

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7 8. Clique e veja o compromisso do dia. Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA à SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

ATIVIDADES IMPEDITIVAS AO SIMPLES NACIONAL

ATIVIDADES IMPEDITIVAS AO SIMPLES NACIONAL CNAE ATIVIDADES IMPEDITIVAS AO Para verificar se a ME ou EPP atende aos requisitos pertinentes quando da opção ao Simples Nacional, serão utilizados os códigos de atividades econômicas previstos na Classificação

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2011

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2011 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2011 Até dia Obrigação Histórico 3 IRRF Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.01.2011,

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS ABRIL/2014. Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de Março/2014:

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS ABRIL/2014. Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de Março/2014: AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS ABRIL/2014 03/Abril. 5ª Feira. IOF - Imposto sobre Operações Financeiras. Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de Março/2014: - Operações

Leia mais

Calendário Mensal das Obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Outubro de 2015

Calendário Mensal das Obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Outubro de 2015 Calendário Mensal das Obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Outubro de 2015 Nota: Os dias de vencimentos apresentados são de nível nacional e respeitando os referidos feriados, caso for feriado

Leia mais

SEBRAE O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO. Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora.

SEBRAE O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO. Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. SEBRAE O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. PALESTRA: Os Novos Benefícios da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa

Leia mais

Orientação Tributária DOLT/SUTRI Nº 001/2009 Novas regras do Simples Nacional - Implicações no âmbito estadual Vigência: 1º/01/2009

Orientação Tributária DOLT/SUTRI Nº 001/2009 Novas regras do Simples Nacional - Implicações no âmbito estadual Vigência: 1º/01/2009 Orientação Tributária DOLT/SUTRI Nº 001/2009 Novas regras do Simples Nacional - Implicações no âmbito estadual Vigência: 1º/01/2009 A Lei Complementar nº 128, de 19 de dezembro de 2008, modificou a Lei

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2011 (ÂMBITO FEDERAL)

OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2011 (ÂMBITO FEDERAL) OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2011 (ÂMBITO FEDERAL) 04.05 (4ª feira) IOF Imposto Sobre Operações Financeiras Último dia para o recolhimento do IOF referente ao

Leia mais

Diária Imposto sobre a Exportação (IE) 0107 Exportação, cujo registro da declaração para despacho aduaneiro tenha se verificado 15 dias antes.

Diária Imposto sobre a Exportação (IE) 0107 Exportação, cujo registro da declaração para despacho aduaneiro tenha se verificado 15 dias antes. AGENDA TRIBUTÁRIA informativo Dezembro Data de Diária Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) Rendimentos do Trabalho Tributação exclusiva sobre remuneração indireta 2063 FG ocorrido no mesmo dia Rendimentos

Leia mais

em nome próprio, responde com a totalidade de seu patrimônio e é apenas equiparado a pessoa jurídica.

em nome próprio, responde com a totalidade de seu patrimônio e é apenas equiparado a pessoa jurídica. EIRELI A EIRELI é uma empresa individual de responsabilidade limitada. Com a publicação da Lei nº 12.441 de 11 de julho de 2011, foi alterado o Código Civil, com a finalidade de autorizar a criação das

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Microempresa (ME) e Empresa de Pequeno Porte (EPP) Microempreendedor Individual (MEI)

SIMPLES NACIONAL. Microempresa (ME) e Empresa de Pequeno Porte (EPP) Microempreendedor Individual (MEI) SIMPLES NACIONAL Microempresa (ME) e Empresa de Pequeno Porte (EPP) Microempreendedor Individual (MEI) CLEÔNIMO DOS SANTOS é bacharel em Ciências Contábeis, com MBA em Controladoria Estratégica. Professor

Leia mais

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Baião & Filippin Advogados Associados Adv.: João Paulo de Mello Filippin Lei Complementar n.º 123/2006 Desburocratização;

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA 6/07

INSTRUÇÃO NORMATIVA 6/07 INSTRUÇÃO NORMATIVA 6/07 Define contribuintes do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza obrigados a efetuar a Declaração Mensal- escrituração eletrônica mensal do livro fiscal, a ser realizada por

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação

RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação ESTATÍSTICAS TRIBUTÁRIAS Consolida DIPJ 2006 Consolidação da Declaração do Imposto de Renda das Pessoas

Leia mais

SIMPLES NACIONAL - PROCEDIMENTOS PÓS-EXCLUSÃO. atualizado em 27/05/2016 alterados os itens 1.1, 2.2.2, 3.1 e 3.2, 3.3

SIMPLES NACIONAL - PROCEDIMENTOS PÓS-EXCLUSÃO. atualizado em 27/05/2016 alterados os itens 1.1, 2.2.2, 3.1 e 3.2, 3.3 SIMPLES NACIONAL - PROCEDIMENTOS PÓS-EXCLUSÃO atualizado em 27/05/2016 alterados os itens 1.1, 2.2.2, 3.1 e 3.2, 3.3 HISTÓRICO DE ATUALIZAÇÕES DATA ATUALIZAÇÃO ITENS ALTERADOS 01/04/2016 alterado: 3.1

Leia mais

SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO

SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO 1 Empresário Contábil, MBA em Contabilidade Empresarial pela PUC-SP, Delegado Regional do CRC-SP em Jundiai, Professor Universitário e de Pós-Graduação.

Leia mais

ATUALIZADO EM 01.07.14 DECRETO Nº 35.123/14, DE 27.06.14 PUBLICADO NO DOE DE 28.06.14

ATUALIZADO EM 01.07.14 DECRETO Nº 35.123/14, DE 27.06.14 PUBLICADO NO DOE DE 28.06.14 ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ ATUALIZADO EM 01.07.14 DECRETO Nº 35.123/14, DE 27.06.14 PUBLICADO NO DOE DE 28.06.14 DECRETO Nº 28.576, DE 14 DE SETEMBRO DE 2007. PUBLICADO NO

Leia mais

Sumário. Apresentação, xi. 1 Introdução, 1. 2 Tributos federais e contribuições sociais, 31. Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), 31

Sumário. Apresentação, xi. 1 Introdução, 1. 2 Tributos federais e contribuições sociais, 31. Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), 31 Apresentação, xi 1 Introdução, 1 1.1 Fundamentos de contabilidade: a obrigatoriedade da escrituração contábil, 1 1.2 Fundamentos de tributos, 9 1.3 Plano de contas de referência, 20 2 Tributos federais

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES FISCAIS. Período de 01.01 a 31.01.2016

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES FISCAIS. Período de 01.01 a 31.01.2016 033 18/12/2015 1 de 14 DIA 04 1.ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Recolhimento do ICMS/ Substituição Tributária correspondente a fatos geradores ocorridos no mês de outubro/2015 pelas empresas cujas autopeças,

Leia mais

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI?

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI? FAQ -MEI 1. Qual o significado da sigla MEI? R: MEI é a sigla utilizada para Micro Empreendedor Individual 2. Qual é a definição de MEI? R: O MEI é o empresário individual a que se refere o art. 966 do

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

IR-FONTE Rendimentos de Aplicações Financeiras, Juros Sobre Capital Próprio, Prêmios, Multas e Vantagens, de que trata o art. 7º da Lei nº 9.

IR-FONTE Rendimentos de Aplicações Financeiras, Juros Sobre Capital Próprio, Prêmios, Multas e Vantagens, de que trata o art. 7º da Lei nº 9. AGENDA TRIBUTÁRIA FEDERAL JANEIRO DE 2016 06.01 (4ª Feira) IR-FONTE Rendimentos de Aplicações Financeiras, Juros Sobre Capital Próprio, Prêmios, Multas e Vantagens, de que trata o art. 7º da Lei nº 9.430/1996

Leia mais

É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização

É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização dos autores conforme legislação vigente. Março/2011

Leia mais

SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte

SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte Definição 1. O SIMPLES está em vigor desde 1.º de janeiro de 1997. Consiste no pagamento

Leia mais

PALESTRANTE: MIRIAM FEUERHARMEL SILVA Secretaria Municipal de Finanças Prefeitura de Curitiba 2013

PALESTRANTE: MIRIAM FEUERHARMEL SILVA Secretaria Municipal de Finanças Prefeitura de Curitiba 2013 PALESTRANTE: MIRIAM FEUERHARMEL SILVA Secretaria Municipal de Finanças Prefeitura de Curitiba 2013 1. Auto de Infração e Notificação Fiscal 2. Descrição dos Fatos e enquadramento Legal 3. Demonstrativo

Leia mais

Agenda de Obrigações Federal - Abril/2015

Agenda de Obrigações Federal - Abril/2015 Agenda de Obrigações Federal - Abril/2015 Até: Segunda-feira, dia 6 IOF Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de março/2015: - Operações de crédito - Pessoa Jurídica - Cód. Darf 1150 - Operações de crédito

Leia mais

QUADRO DE PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO DA LEI GERAL DAS MPE (LC 123/2006)

QUADRO DE PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO DA LEI GERAL DAS MPE (LC 123/2006) Universalização do Simples Nacional Não podem optar pelo Simples as empresas prestadoras de serviços decorrentes do exercício de atividade intelectual, de natureza técnica, científica, desportiva, artística

Leia mais

2.3.11.1 Forma alternativa, 108 2.3.11.2 Contabilização da compra de matéria-prima por empresa contribuinte do IPI, 109 2.3.11.3 Contabilização de

2.3.11.1 Forma alternativa, 108 2.3.11.2 Contabilização da compra de matéria-prima por empresa contribuinte do IPI, 109 2.3.11.3 Contabilização de Sumário 1 Introdução, l 1.1 Fundamentos de contabilidade: a obrigatoriedade da escrituração contábil, l 1.2 Fundamentos de tributos, 10 1.3 Plano de contas de referência, 22 2 A contabilização de tributos

Leia mais

AGENDA DE CONTRIBUIÇÕES, TRIBUTOS E OBRIGAÇÕES

AGENDA DE CONTRIBUIÇÕES, TRIBUTOS E OBRIGAÇÕES Sinduscon Ceará - Agosto / 2014 DIAS OBRIGAÇÕES DESCRIÇÃO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 05 (terça-feira) IRRF RETIDO NA FONTE Recolher até o 3º dia útil após o último decêndio do mês anterior, os fatos gerados a

Leia mais

IR Retido na Fonte - Apurado no Período do Fato Gerador - 21 a 31 de agosto de 2012.

IR Retido na Fonte - Apurado no Período do Fato Gerador - 21 a 31 de agosto de 2012. 05/09(4ª. Feira) IR Retido na Fonte - Apurado no Período do Fato Gerador - 21 a 31 de agosto de 2012. IRRF - Juros sobre Capital Próprio e Aplicações Financeiras, Prêmios e outros rendimentos de Capital

Leia mais

RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE

RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NA FONTE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS POR PESSOA JURÍDICA APLICAÇÃO: SETOR PRIVADO E PÚBLICO 1 - INCIDÊNCIA 2 - SERVIÇOS ABRANGIDOS 2.1 - LISTA DE SERVIÇOS 2.2 FACTORING E ASSEMELHADOS

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2015

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2015 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2015 Até dia Obrigação 4 IRRF Histórico Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.01.2015,

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO LUCRO PRESUMIDO 1. PESSOAS JURÍDICAS QUE PODEM OPTAR A partir do ano-calendário de 2003, poderão optar pelo lucro presumido as pessoas jurídicas que não estiverem obrigadas ao lucro real, e tenham auferido,

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional

Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional 24 de Janeiro de 2014 LÚCIO DA CUNHA FERNANDES Presidente QUAL A IMPORTÂNCIA DE CONHECER AS FORMAS DE TRIBUTAÇÃO? Reconhecer a opção que mais se adeque a

Leia mais

Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira

Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira Super Simples Indícios da Reforma Tributária Brasileira 1. Introdução O dia 7 de agosto do corrente ano entrou para a história como uma das mais importantes datas para a possível concretização da reforma

Leia mais

Alexandre Marques Andrade Lemos. es ao. de Contratos e Convênios. Revista, ampliada e atualizada até maio de 2015

Alexandre Marques Andrade Lemos. es ao. de Contratos e Convênios. Revista, ampliada e atualizada até maio de 2015 Alexandre Marques Andrade Lemos r1 11111 es ao.,. u ar1a de Contratos e Convênios Retenções e encargos incidentes na contratação de pessoas ffsicas e jurídicas (INSS, IRRF, CSLL, PIS, COFINS e ISS) Revista,

Leia mais

Câmara de Desenvolvimento Profissional REGRAS DO ICMS SIMPLES NACIONAL

Câmara de Desenvolvimento Profissional REGRAS DO ICMS SIMPLES NACIONAL CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Câmara de Desenvolvimento Profissional Home Page: www.crc.org.br E-mail: cursos@crcrj.org.br REGRAS DO ICMS SIMPLES NACIONAL Expositor: Leandro

Leia mais

III VIDEOCONFERÊNCIA SIMPLES NACIONAL ALGUNS DOS PRINCIPAIS ASPECTOS RELACIONADOS AOS MUNICÍPIOS E AO ISS

III VIDEOCONFERÊNCIA SIMPLES NACIONAL ALGUNS DOS PRINCIPAIS ASPECTOS RELACIONADOS AOS MUNICÍPIOS E AO ISS III VIDEOCONFERÊNCIA ALGUNS DOS PRINCIPAIS ASPECTOS RELACIONADOS AOS MUNICÍPIOS E AO ISS Salvador, 07.10.2011 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: LC 123/06 e alterações Resoluções do CGSN VIGÊNCIA: A partir de 01.07.2007

Leia mais

DICIONÁRIO DE TRIBUTOS

DICIONÁRIO DE TRIBUTOS DICIONÁRIO DE TRIBUTOS CGC/MF - Cadastro Geral de Contribuintes do Ministério da Fazenda. Substituído pelo CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica), da Receita Federal, identifica cada pessoa jurídica

Leia mais

Simples Nacional Perspectivas de Alterações para 2015. Elisangela Marques Perez

Simples Nacional Perspectivas de Alterações para 2015. Elisangela Marques Perez Simples Nacional Perspectivas de Alterações para 2015 Elisangela Marques Perez 1 PALESTRANTE ELISANGELA MARQUES PEREZ Contadora e consultora tributária, com mais de 14 anos de experiência na área fiscal,

Leia mais

AGENDA - Janeiro de 2016

AGENDA - Janeiro de 2016 OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS PARA O MÊS DE JANEIRO.: (ÂMBITO FEDERAL) :. AGENDA - Janeiro de 2016 PRAZO NATUREZA DISCRIMINAÇÃO 04.01 08.01 GPS SALÁRIOS CAGED GFIP FGTS SIMPLES DOMÉSTICO

Leia mais

http://agenda.cenofisco.com.br/agenda/agenda.dll/infobase/5/11/13/170?f=templates&fn=document-fra...

http://agenda.cenofisco.com.br/agenda/agenda.dll/infobase/5/11/13/170?f=templates&fn=document-fra... 0 http://agenda.cenofisco.com.br/agenda/agenda.dll/infobase/5/11/13/170?f=templates&fn=document-fra... Outubro Notas Cenofisco: 1ª) Além das obrigações relacionadas neste Calendário, o assinante poderá,

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 IRPJ LUCRO ARBITRADO 1 Oarbitramentodolucroéumaformadeapuração dabasedecálculodoimpostoderendautilizadapela autoridade tributária ou pelo contribuinte. É aplicável pela

Leia mais

OBRIGAÇÕES FEDERAIS OUTUBRO/2008

OBRIGAÇÕES FEDERAIS OUTUBRO/2008 OBRIGAÇÕES FEDERAIS OUTUBRO/2008 DIA 2 (Quinta) CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS RECLAMATÓRIA TRABALHISTA PESSOAS OBRIGADAS: Empregadores, inclusive domésticos, que participaram de ação judicial na Justiça

Leia mais

OBRIGAÇÕES FEDERAIS DE AGOSTO DE 2015

OBRIGAÇÕES FEDERAIS DE AGOSTO DE 2015 OBRIGAÇÕES FEDERAIS DE AGOSTO DE 2015 DIÁRIO IRPF Declarações da Pessoa Física Declaração Final de Espólio Até o último dia útil do mês de abril do ano-calendário subseqüente ao: I - da decisão judicial

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMF Nº 06/07 1

INSTRUÇÃO NORMATIVA SMF Nº 06/07 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA SMF Nº 06/07 1 Define contribuintes do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza obrigados a efetuar a Declaração Mensal - escrituração eletrônica mensal do livro fiscal, a ser realizada

Leia mais

1. Registro: 1) O ato ou efeito de escrever certos fatos ou atos para dar-lhes autenticidade, publicidade e eficácia.

1. Registro: 1) O ato ou efeito de escrever certos fatos ou atos para dar-lhes autenticidade, publicidade e eficácia. 1 DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: Registro PONTO 2: Proteção ao nome PONTO 3: Microempresas e Empresas de Pequeno Porte PONTO 4: Títulos de Crédito 1. Registro: Conceito de registro: A palavra registro apresenta

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil Planejamento Tributário Simples Nacional Fabricio Oenning Composição: Este treinamento está composto pelas seguintes aulas: Aula 1 Simples Nacional Aula 2 Lucro Real Aula 3 Lucro Presumido Nossa Agenda

Leia mais

Agenda de Obrigações Federal - Maio/2015

Agenda de Obrigações Federal - Maio/2015 Agenda de Obrigações Federal - Maio/2015 Até: Quarta-feira, dia 6 IOF Pagamento do IOF apurado no 3º decêndio de abril/2015: - Operações de crédito - Pessoa Jurídica - Cód. Darf 1150 - Operações de crédito

Leia mais

Subclasse CNAE 2.0 DENOMINAÇÃO

Subclasse CNAE 2.0 DENOMINAÇÃO Anexo I da Resolução CGSN nº 6, de 18 de junho de 2007 - Códigos previstos na CNAE impeditivos ao Simples Nacional (Vigência a partir de 1º de dezembro de 2010) Subclasse CNAE 2.0 DENOMINAÇÃO 0910-6/00

Leia mais

Pergunte à CPA. Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS

Pergunte à CPA. Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS 1º/08/2014 Pergunte à CPA Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS Apresentação: José A. Fogaça Neto Simples Nacional Criado pela Lei Complementar 123/06, reúne oito tributos em um recolhimento unificado

Leia mais

Noções Gerais sobre o Simples Nacional e as obrigações dos contribuintes de ICMS no Estado do Pará

Noções Gerais sobre o Simples Nacional e as obrigações dos contribuintes de ICMS no Estado do Pará Noções Gerais sobre o Simples Nacional e as obrigações dos contribuintes de ICMS no Estado do Pará Apresentação para Contadores nos Municípios de Redenção, Xinguara, Rio Maria e Santana do Araguaia ESPONSÁVEL:

Leia mais

001 O que é o Simples?

001 O que é o Simples? 001 O que é o Simples? O Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte (Simples) é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido,

Leia mais

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR)

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) Pontos Lei Geral Como é hoje 1 Alcance da Lei A lei do Simples está voltada para os tributos federais. Os sistemas de tributação

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Simples nacional versus lucro presumido Aline de Melo Silva Discente do 4 ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Karen Cássia de Souza Discente

Leia mais

IR e Contribuições Federais

IR e Contribuições Federais IR e Contribuições Ferais Denomin ação IRPF - quotas da claração IRPF - carnê-leão Multa e juros - carnê-leão recolhido com atraso sem a inclusão stes encargos Imposto sobre ganhos líquidos em operações

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS Outubro 2014

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS Outubro 2014 AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS Outubro 14 Data Tributos Descrição 03 03 IOF COMPROVANTE MENSAL DE RETENÇÃO DA PARA O PIS/PASEP E DA COFINS - AUTOPEÇAS 03 IR/FONTE 06 SALÁRIOS

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES NOVEMBRO/2015

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES NOVEMBRO/2015 CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES NOVEMBRO/2015 05.11 (5ª feira) - IRRF Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte, correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.10.2015, incidente sobre

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica 19/10/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1.

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA SETEMBRO DE 2015

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA SETEMBRO DE 2015 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA SETEMBRO DE 2015 Até dia Obrigação 3 IRRF Salário de Agosto de 2015 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.08.2015, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra

Leia mais