Diretiva RoHS ("Restriction of Certain Hazardous

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diretiva RoHS ("Restriction of Certain Hazardous"

Transcrição

1 Diretiva RoHS ("Restriction of Certain Hazardous Substances ): Testes de certificação Seminário Internacional sobre Diretivas WEEE e RoHS Brasília. DF 8/2/2011

2 Certificação RoHS Diretiva RoHS histórico Substâncias restritas Produtos Limite de detecção Avaliação da conformidade Ensaios químicos Casos mais frequentes de reprovação Impactos da Diretiva Normalização ambiental para produtos e sistemas elétricos e eletrônicos O que vem por ai (RoHS e REACH)

3 Diretiva RoHS (Restrictions of Harzardous Substances) RoHS Criação Transposição Modificações Entrada em Vigor Novos produtos Início: 2002/95/CE (27 de Janeiro de 2003) Modificações: 2005/618/CE, 2005/717/CE, 2005/747/CE Entrada em vigor: 1 de Julho de 2006

4 O motivo da implementação de WEEE e RoHS Em 2004, os países da UE produziram 9,7 milhões de toneladas de lixo eletrônico A quantidade de resíduos dobra a cada 10 anos Produtos da linha branca representam 40% (3,8 milhões de ton) do lixo, seguidos de equipamentos de TI e equipamentos de iluminação O lixo representa uma fonte de degradação do meio ambiente e desperdício de recursos A necessidade de uma legislação para evitar a exportação de lixo eletrônico para países pobres

5 Substâncias restritas Aplicação: Produtos eletro-eletrônicos que contenham substâncias que coloquem em risco a saúde humana ou o meio ambiente. Objetivo: Evitar ou diminuir produtos tóxicos que ingressam na UE. Substâncias restritas: metais pesados - Chumbo, Cádmio, Mercúrio, Cromo (VI) retardantes de chama - PBB Bifenilas polibromadas e - PBDE Éteres de bifenilas polibromadas

6 Produtos onde se aplica a Diretiva Eletrodomésticos Equipamentos de informática Equipamentos de telecomunicações; Equipamentos de consumo; Equipamentos de iluminação; Instrumentos elétricos e eletrônicos (com exceção aos utensílios industriais fixos de grande dimensão); Brinquedos e equipamentos esportivos ou de lazer; Dispositivos médicos e produtos de monitoramento e controle (*) * WEEE

7 Limites de concentração das substâncias restritivas Elemento Cádmio (Cd) Chumbo (Pb) Mercúrio (Hg) Cromo(Cr IV) PBB e PBDE (Br) Limite Máximo 100 mg/kg 1000 mg/kg 1000 mg/kg 1000 mg/kg 1000 mg/kg Limite para cada material homogêneo. Faixa limite: avaliação qualitativa* ensaios complementares

8 O que deve ser avaliado Não conforme Conforme Cada componente do equipamento deve ser avaliado Material homogêneo

9 Avaliação de conformidade Amostra é preparada e analisada com o FRX Avaliação dos teores das substâncias

10 Espectrometria de fluorescência de raios-x Hg Cd Pb Br(total) Cr(total)

11 Metodologia de análises químicas Cromo VI espectrofotometria de UV Visível Cádmio, Mercúrio e Chumbo espectrometria de emissão atômica de plasma espectrofotometria de absorção atômica Bifenilas polibromadas (PBB) Éteres difenílicos polibromados (PBDE) cromatografia gasosa acoplada a espectrômetro de massa INMETRO (CRL 0249)

12 Cromo hexavalente 1 - Espectrometria de fluorescência de raios-x 2 - Espectrofotometria no ultravioleta visível (UV)

13 Chumbo, Mercúrio e Cádmio 1 - Espectrometria de fluorescência de raios-x 2 - Espectrometria de emissão atômica de plasma (ICP / EOS)

14 Retardantes de chama (Br) 1 - Espectrometria de fluorescência de raios-x 2 - Cromatografia Gasosa acoplada a espectrometria de massa (CG/MS)

15 Casos mais frequentes de reprovação Soldas à base de chumbo Tintas e corantes em geral Colas e adesivos em geral Polímeros (PVC, poliamida, etc) Presença de chumbo em placas cerâmicas de circuito impresso

16 Impactos da Diretiva RoHS Dificuldades de assimilação dos custos das análises químicas Dificuldades de realização de mudanças de processos e adaptações tecnológicas em produtos ( investimentos) Ex: uma resina cerâmica livre de chumbo pode ter seu custo aumenta do em 20 ou 30% Dificuldades das MPMEs de permanecerem no mercado, enquanto fornecedoras de grandes exportadoras custos de adaptação à RoHS redirecionamento da produção para o mercado interno Importação de insumos e componentes, em conformidade com a RoHS, por empresas exportadoras de eletroeletrônicos sediadas no Brasil e na América Latina

17 Normalização ambiental para produtos e sistemas elétricos e eletrônicos Norma técnica: Determinação dos níveis de 6 substâncias restiritas

18 O que vem por ai Substâncias sob grande preocupação (SVHC)*. Antraceno (óleos e pastas) Acrilaminda Ftalato (DIB) Aluminossilicato e zirconia em fibras cerâmicas refratarias Di-nitrotolueno Pigmentos amarelo e vermelho (que contem cromato de chumbo Fosfato de tricloreto de etila REACH - Registro, Avaliação, Autorização e Restrição de Produtos Químicos. Regulamento - agiliza e melhora o quadro legislativo relativo às substâncias químicas da União Europeia (UE). * Fonte: European Chemicals Agency

19 REACH (Registration, Evaluation, Authorization and Restriction of Chemicals) Proposta feita ao Parlamento Europeu (29 de Outubro de 2003) Controlar a importação, comercialização e uso de substâncias químicas e seus derivados Restringir o uso de substâncias químicas e seus derivados Entrou em vigor em 1 de junho de produtos químicos

20 Obrigada! Cláudia Maria G. de Souza Centro de Metrologia em Química IPT Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S.A.

Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo. Soluções tecnológicas

Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo. Soluções tecnológicas Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Soluções tecnológicas O que é Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S.A. Uma das primeiras instituições de P&D&I aplicados

Leia mais

A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM)

A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM) A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM) Sistema de Gestão de Requisitos para Substâncias Perigosas em Produtos e Componentes Elétricos e Eletrônicos Abril de 2011 Objetivo Capacitação

Leia mais

Restrições Ambientais em Produtos

Restrições Ambientais em Produtos Restrições Ambientais em Produtos Diretiva RoHS Restricted Hazardous Substances Slide: 1 Objetivos Oportunidades Diretivas RoHS Processo Como Chegamos ao RoHS Slide: 2 POR QUE A NECESSIDADE? Em 2005, os

Leia mais

1. ESCOPO PG3 2. MANUTENÇÃO PG3 3. REFERÊNCIAS PG3 4. SIGLAS E DEFINIÇÕES PG4 5 INTRODUÇÃO AOS REQUISITOS DA DIRETIVA ROHS PG4

1. ESCOPO PG3 2. MANUTENÇÃO PG3 3. REFERÊNCIAS PG3 4. SIGLAS E DEFINIÇÕES PG4 5 INTRODUÇÃO AOS REQUISITOS DA DIRETIVA ROHS PG4 Página 1 de 44 SUMÁRIO 1. ESCOPO PG3 2. MANUTENÇÃO PG3 3. REFERÊNCIAS PG3 4. SIGLAS E DEFINIÇÕES PG4 5 INTRODUÇÃO AOS REQUISITOS DA DIRETIVA ROHS PG4 6 QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES PG5 7 CONDIÇÕES

Leia mais

ABINEE TEC 2007. Diretivas RoHS e WEEE

ABINEE TEC 2007. Diretivas RoHS e WEEE ABINEE TEC 2007 Diretivas RoHS e WEEE Restrição ao uso de substâncias perigosas RoHS - Restriction of Harzadous Substances: Diretiva 2002/95/EC da União Européia de 27/01/2003, restringe certas substâncias

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE ALGUMAS TIPOLOGIAS DE RESÍDUOS: Guideline 1 Transferências de Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos (REEE)

CLASSIFICAÇÃO DE ALGUMAS TIPOLOGIAS DE RESÍDUOS: Guideline 1 Transferências de Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos (REEE) GUIDELINES No Portal da Comissão Europeia estão disponíveis Guidelines do Grupo de Correspondentes sobre o Movimento Transfronteiriço de Resíduos, as quais podem ser consultadas em http://ec.europa.eu/environment/waste/shipments/guidance.htm

Leia mais

A GESTÃO DE RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELETROELETRÔNICOS - REEE - NO BR FRENTE A OUTROS PAÍSES

A GESTÃO DE RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELETROELETRÔNICOS - REEE - NO BR FRENTE A OUTROS PAÍSES A GESTÃO DE RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELETROELETRÔNICOS - REEE - NO BR FRENTE A OUTROS PAÍSES Engª Quím. Carmem L. V. Níquel PANORAMA NO BRASIL Código de Defesa do Consumidor não contempla a obrigação de

Leia mais

RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014

RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014 RESOLUÇÃO N. TC-0090/2014 Dispõe sobre práticas e critérios destinados a defesa do meio ambiente e promoção do desenvolvimento nacional sustentável nas contratações de bens, serviços e obras, no âmbito

Leia mais

Green IT: ROHS - WEEE

Green IT: ROHS - WEEE Green IT: ROHS - WEEE João Carlos dos Santos Bull Marketing Products & Alliances Partners America Latina Summit 2008 Muitas vezes a necessidade por eletricidade excede nossas habilidades de como gerencia-las.

Leia mais

WORKSHOP INTERNACIONAL SOBRE A NOVA LEGISLAÇÃO DA UNIÃO EUROPÉIA PARA PRODUTOS QUÍMICOS- REACH 07/04/2009 BRASÍLIA - DF

WORKSHOP INTERNACIONAL SOBRE A NOVA LEGISLAÇÃO DA UNIÃO EUROPÉIA PARA PRODUTOS QUÍMICOS- REACH 07/04/2009 BRASÍLIA - DF WORKSHOP INTERNACIONAL SOBRE A NOVA LEGISLAÇÃO DA UNIÃO EUROPÉIA PARA PRODUTOS QUÍMICOS- REACH 07/04/2009 BRASÍLIA - DF 1 REACH REGISTER EVALUATION AUTHORIZATION OF CHEMICALS RESTRICTION 2 O que é o REACH?

Leia mais

DIRETIVA DELEGADA../ /UE DA COMISSÃO. de 30.1.2015

DIRETIVA DELEGADA../ /UE DA COMISSÃO. de 30.1.2015 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.1.2015 C(2015) 383 final DIRETIVA DELEGADA../ /UE DA COMISSÃO de 30.1.2015 que altera, para efeitos de adaptação ao progresso técnico, o anexo III da Diretiva 2011/65/UE

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

Reciclagem de Placas de Circuito Impresso de Resíduos Electrónicos Projecto Financiamento: LNEG - UPCS Carlos Nogueira Paula Oliveira IST Fernanda Margarido Filipa Taborda Marta Cabral Ricardo Abrantes

Leia mais

Gestão para a Sustentabilidade no Setor Eletroeletrônico Brasileiro ECODESIGN

Gestão para a Sustentabilidade no Setor Eletroeletrônico Brasileiro ECODESIGN Gestão para a Sustentabilidade no Setor Eletroeletrônico Brasileiro ECODESIGN Daniela Pigosso Engenheira Ambiental Doutoranda em Eng. de Produção EESC/USP Sumário I. Apresentação II. Contextualização I.

Leia mais

A experiência do setor têxtil e do vestuário na aplicação do Regulamento REACH

A experiência do setor têxtil e do vestuário na aplicação do Regulamento REACH A experiência do setor têxtil e do vestuário na aplicação do Regulamento REACH Caso prático Conferência de Lançamento da Campanha Apoio aos Técnicos de Segurança e Ambiente no Trabalho na implementação

Leia mais

V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL. Carlos Afonso Instituto de Química. Universidade Federal do Rio de Janeiro

V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL. Carlos Afonso Instituto de Química. Universidade Federal do Rio de Janeiro V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICAP Impactos SócioS cio-ambientais do LIXO ELETROELETRÔNICO Prof. Júlio J Carlos Afonso Instituto de Química Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasília,

Leia mais

Esclarecer sobre a CP nº 34/2011, que trata do recondicionamento de equipamentos usados destinados ao mercado brasileiro.

Esclarecer sobre a CP nº 34/2011, que trata do recondicionamento de equipamentos usados destinados ao mercado brasileiro. Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde GGTPS Gerência de Tecnologia em Equipamentos - GQUIP NOTA TÉCNICA N 05/2012/GQUIP/GGTPS/ANVISA Objeto:

Leia mais

O USO DO PODER DE COMPRA DO GOVERNO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

O USO DO PODER DE COMPRA DO GOVERNO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Artes, Ciências e Humanidades O USO DO PODER DE COMPRA DO GOVERNO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Deloise de Fátma B. Jesus Luiza Yorioka Rodrigues Taiara Vitória Nelly

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 15.01.2001 COM(2001) 12 final 2001/0018 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera pela vigésima quarta vez a Directiva do 76/769/CEE

Leia mais

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade Página 1 de 8 25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade INSTRUÇÃO NORMATIVA N O 1, DE 19 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os critérios

Leia mais

Especificação Brascabos para o Controle de Substâncias Nocivas BC_1064

Especificação Brascabos para o Controle de Substâncias Nocivas BC_1064 TIPO: Instrução ELABORADOR: 45841 - Rodrigo de Campos DATA ORIGINAL: 18/11/2008 PUBLICADOR: 45519 - Vinicius Siqueira Campos Cheliga DATA REVISÃO: 30/09/2011 ÁREA EMITENTE: SGI DATA EXPIRAÇÃO: 30/09/2013

Leia mais

O novo regime jurídico da gestão de resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos (REEE) 13.º Encontro de Verificadores Ambientais EMAS

O novo regime jurídico da gestão de resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos (REEE) 13.º Encontro de Verificadores Ambientais EMAS O novo regime jurídico da gestão de resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos (REEE) 13.º Encontro de Verificadores Ambientais EMAS Marta Carvalho 3 dezembro 2014 Diretiva 2002/95/CE (RoHS) Diretiva

Leia mais

RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELETRO- ELETRÔNICOS (REEE)

RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELETRO- ELETRÔNICOS (REEE) RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELETRO- ELETRÔNICOS (REEE) Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório Laboratório de Reciclagem, Tratamento de Resíduos e Metalurgia Extrativa Departamento de Engenharia

Leia mais

Os aspectos ambientais dos resíduos eletrônicos E-LIXO

Os aspectos ambientais dos resíduos eletrônicos E-LIXO Os aspectos ambientais dos resíduos eletrônicos E-LIXO Junho de 2009 Realidade Atual População Desenvolvimento Tecnológico Demanda de bens de consumo Aumento da demanda de produtos descartáveis aumento

Leia mais

HP-1V HEADPHONES MANUAL DO USUÁRIO

HP-1V HEADPHONES MANUAL DO USUÁRIO HP-1V HEADPHONES MANUAL DO USUÁRIO VERTU FONE DE OUVIDO HP-1V MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.0 Português do Brasil 1 2 Português do Brasil MANUAL DO USUÁRIO DO FONE DE OUVIDO VERTU HP-1V Obrigado por ter adquirido

Leia mais

PORTUGAL 2009. Sumário Legislação Associação e Intervenientes Mercado EEE 2009 Recolha de REEE

PORTUGAL 2009. Sumário Legislação Associação e Intervenientes Mercado EEE 2009 Recolha de REEE PORTUGAL 2009 DADOS DE MERCADO DE EQUIPAMENTOS ELÉCTRICOS E ELECTRÓNICOS Sumário Legislação Associação e Intervenientes Mercado EEE 2009 Recolha de REEE Pg. 1 Sumário Uma política adequada de gestão de

Leia mais

GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS

GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS Prof. Hugo M. Veit Laboratório de Corrosão, Proteção e Reciclagem de Materiais Escola de Engenharia Universidade Federal do Rio Grande do Sul O QUE PODE

Leia mais

Oficina prática sobre desmontagem de computadores e os aspectos tecnológicos e financeiros a considerar na reciclagem

Oficina prática sobre desmontagem de computadores e os aspectos tecnológicos e financeiros a considerar na reciclagem Oficina prática sobre desmontagem de computadores e os aspectos tecnológicos e financeiros a considerar na reciclagem I Seminário Estadual em Gestão de Resíduos Tecnológicos Fortaleza 16 Junho 2009 Projeto

Leia mais

Possíveis impactos do REACH nas micro e pequenas empresas do Brasil. MDIC/SECEX Brasília, DF - 7 de abril de 2009

Possíveis impactos do REACH nas micro e pequenas empresas do Brasil. MDIC/SECEX Brasília, DF - 7 de abril de 2009 Possíveis impactos do REACH nas micro e pequenas empresas do Brasil MDIC/SECEX Brasília, DF - 7 de abril de 2009 Possíveis Impactos nas MPE: Redução de vendas Redução de mercados Férias coletivas Perda

Leia mais

A Specanalítica organiza e desenvolve conteúdos programáticos ajustados às necessidades dos laboratórios e empresas, em áreas tão vastas como:

A Specanalítica organiza e desenvolve conteúdos programáticos ajustados às necessidades dos laboratórios e empresas, em áreas tão vastas como: PLANO DE FORMAÇÃO 2014 A Specanalítica, Equipamentos Científicos, Lda ter por objectivo oferecer condições que favoreçam a transmissão, o desenvolvimento e a aplicação de conhecimentos científicos e técnicos

Leia mais

1 Introdução. C l y. C l x

1 Introdução. C l y. C l x 26 1 Introdução No século XX muitos produtos químicos sintéticos foram criados com a finalidade de melhorar a qualidade das nossas vidas. Ocorre, porém, que várias dessas substâncias trazem, por natureza,

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 31-12-2010 SEÇÃO I PÁG 36 RESOLUÇÃO SMA Nº 131 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Altera os artigos 2º, 3,4º e 5º e acrescenta o artigo 5ºA a Resolução SMA nº 24, de 30

Leia mais

DOCUMENTO REGULATÓRIO POLIPROPILENO COPOLÍMERO. Prisma 6410

DOCUMENTO REGULATÓRIO POLIPROPILENO COPOLÍMERO. Prisma 6410 DOCUMENTO REGULATÓRIO POLIPROPILENO COPOLÍMERO Prisma 6410 INVENTÁRIOS DE PRODUTOS QUÍMICOS Todos os componentes desse produto estão listados nos seguintes inventários de produtos químicos: ÁSIA PACÍFICO

Leia mais

A Compatibilidade Eletromagnética (EMC) e sua Influência na Sociedade Brasileira

A Compatibilidade Eletromagnética (EMC) e sua Influência na Sociedade Brasileira A Compatibilidade Eletromagnética (EMC) e sua Influência na Sociedade Brasileira João Saad Júnior - PY1DPU - Pesquisador do CEPEL de 1978 a 2013, atualmente aposentado membro do O QUE É COMPATIBILIDADE

Leia mais

DOCUMENTO REGULATÓRIO POLIPROPILENO HOMOPOLIMERO H 105

DOCUMENTO REGULATÓRIO POLIPROPILENO HOMOPOLIMERO H 105 DOCUMENTO REGULATÓRIO POLIPROPILENO HOMOPOLIMERO H 105 INVENTÁRIOS DE PRODUTOS QUÍMICOS Todos os componentes desse produto estão listados nos seguintes inventários de produtos químicos: ÁSIA PACÍFICO AUSTRÁLIA:

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

Indicadores Ambientais

Indicadores Ambientais Indicadores Ambientais / Desempenho Em, publicámos o nosso primeiro Relatório Ambiental, como forma de divulgar os nossos esforços e resultados na área da protecção ambiental. A presente publicação deve

Leia mais

TECNOLOGIAS PARA CARACTERIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE METAIS EM REEE. Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório

TECNOLOGIAS PARA CARACTERIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE METAIS EM REEE. Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório TECNOLOGIAS PARA CARACTERIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE METAIS EM REEE Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório Tecnologias para Caracterização e recuperação de metais em REEE Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório

Leia mais

1º Seminário de Melhores Práticas

1º Seminário de Melhores Práticas 1º Seminário de Melhores Práticas SENAI BA Painel 6 Inovação Modelo de atuação do SENAI-BA para o fomento de Leone Peter Andrade Objetivo Apresentação de cases de sucesso. Atendimento Integrado do SENAI

Leia mais

Redução de substâncias nocivas ao meio ambiente em equipamentos de automação e informática - Projeto ATM CX3

Redução de substâncias nocivas ao meio ambiente em equipamentos de automação e informática - Projeto ATM CX3 Redução de substâncias nocivas ao meio ambiente em equipamentos de automação e informática - Projeto ATM CX3 São Paulo março de 2007 Projeto ATM CX3 Eliminação de substâncias nocivas ao meio ambiente Página:

Leia mais

DOCUMENTO REGULATÓRIO POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE SGF4950

DOCUMENTO REGULATÓRIO POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE SGF4950 DOCUMENTO REGULATÓRIO POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE SGF4950 INVENTÁRIOS DE PRODUTOS QUÍMICOS Todos os componentes desse produto estão listados nos seguintes inventários de produtos químicos: ÁSIA PACÍFICO

Leia mais

Gestão Integrada do Composto de Marketing em Empresas de Equipamentos Eletromédicos e Compras governamentais sustentáveis

Gestão Integrada do Composto de Marketing em Empresas de Equipamentos Eletromédicos e Compras governamentais sustentáveis Gestão Integrada do Composto de Marketing em Empresas de Equipamentos Eletromédicos e Compras governamentais sustentáveis Sumário Introdução ao Projeto Mercado de eletromédicos e mercado verde Legislações

Leia mais

CEDIR Centro de Descarte e Reuso de Residuos de Informática

CEDIR Centro de Descarte e Reuso de Residuos de Informática CEDIR Centro de Descarte e Reuso de Residuos de Informática V Fórum da Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P) Tereza Cristina M. B. Carvalho Coordenadora Geral CEDIR Assessora de Projetos Especiais

Leia mais

A Solução de Reciclagem de Residuos de Eletrônicos da USP Perspectiva CEDIR & LASSU

A Solução de Reciclagem de Residuos de Eletrônicos da USP Perspectiva CEDIR & LASSU A Solução de Reciclagem de Residuos de Eletrônicos da USP Perspectiva CEDIR & LASSU Tereza Cristina M. B. Carvalho Coordenadora Geral CEDIR e LASSU/PCS/EPUSP Assessora de Projetos Especiais CTI -USP terezacarvalho@usp.br

Leia mais

Relatório de Ensaios. No. BR1400242 Rev. 0

Relatório de Ensaios. No. BR1400242 Rev. 0 Pag1 de 5 VIDEOLAR SA Av Abiurana, 1616- Distrito Industrial Manaus- AM SGS Ordem No : 4520-00004952-001 Origem : Brasil Data de Validade da Amostra : 01/06/2016 Data de Fabricação da Amostra : 01/06/2014

Leia mais

Inovação e Responsabilidade. Conferência SinASE 29 de Fevereiro de 2012 Luanda

Inovação e Responsabilidade. Conferência SinASE 29 de Fevereiro de 2012 Luanda Inovação e Responsabilidade Social Conferência SinASE Luanda Introdução Inovação e a Valorização dos Recursos Humanos Inovação e o Mercado Inovação e o AMBIENTE (REEE Resíduos de Equipamentos Eléctricos

Leia mais

REACH e as ações do Inmetro para a superação de Barreiras Técnicas. Programa de Apoio a Inserção Internacional das PME s Brasileiras

REACH e as ações do Inmetro para a superação de Barreiras Técnicas. Programa de Apoio a Inserção Internacional das PME s Brasileiras REACH e as ações do Inmetro para a superação de Barreiras Técnicas Programa de Apoio a Inserção Internacional das PME s Brasileiras Rogerio Corrêa Rio de Janeiro, 11 de Maio de 2009 Instituto Nacional

Leia mais

Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad. 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor)

Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad. 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor) Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor) Principais obstáculos à ampliação da produtividade do trabalho

Leia mais

Guia para as Normas REACH Março de 2011

Guia para as Normas REACH Março de 2011 Guia para as Normas REACH Março de 2011 Use com o nosso Guia REACH de Substâncias em Artigos 1 Guia para conformidade com as Normas REACH da UE As normas REACH da UE (EC 1907/2006) foram adotadas em dezembro

Leia mais

Termo de Referência Processo nº 34/15 Edital nº 27/15 Pregão 17/15. Obs.: O preço desse item deverá ser considerado por quilo na base seca.

Termo de Referência Processo nº 34/15 Edital nº 27/15 Pregão 17/15. Obs.: O preço desse item deverá ser considerado por quilo na base seca. Termo de Referência Processo nº 34/15 Edital nº 27/15 Pregão 17/15 Objeto: LOTE 1: Fornecimento parcelado de 5 (cinco) toneladas de Ortopolifosfato a 55%. Obs.: O preço desse item deverá ser considerado

Leia mais

1.2 O equipamento deverá possuir, no mínimo, 5200 Lumens em luz COLORIDA. 2.1 O equipamento deverá possuir resolução nativa XGA (1024 x 768)

1.2 O equipamento deverá possuir, no mínimo, 5200 Lumens em luz COLORIDA. 2.1 O equipamento deverá possuir resolução nativa XGA (1024 x 768) TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO Fornecimento de 46 projetores 2. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Item A 23 unidades com a seguinte especificação: 1 EQUIPAMENTO 1.1 Descrição do objeto: PROJETOR MULTIMÍDIA de, no mínimo,

Leia mais

Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) - Plano de Modernização Investimentos de R $ 150 milhões com recursos do Governo do Estado.

Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) - Plano de Modernização Investimentos de R $ 150 milhões com recursos do Governo do Estado. Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) - Plano de Modernização Investimentos de R $ 150 milhões com recursos do Governo do Estado. Mais de 500 equipamentos novas Capacitação laboratorial e instalações

Leia mais

Epson e Meio Ambiente. Epson e Meio Ambiente

Epson e Meio Ambiente. Epson e Meio Ambiente Epson e Meio Ambiente 1 Harmonia, colaboração e compromisso ambiental Diretrizes de Responsabilidade Social Corporativa 2 DZ EPBRA-16-00744 CATA LOGO MEIO AMBIENTE.indd 2 A Epson foi fundada em 1942 em

Leia mais

TOXICOLOGIA OCUPACIONAL

TOXICOLOGIA OCUPACIONAL TOXICOLOGIA OCUPACIONAL TOXICOLOGIA OCUPACIONAL TOXICOLOGIA OCUPACIONAL Com um setor dedicado exclusivamente a toxicologia e análises instrumentais, o DB Diagnósticos do Brasil oferece resultados precisos,

Leia mais

Seminário Ambientronic

Seminário Ambientronic Seminário Ambientronic 27/04/2011 11.06.2010 Perfil da Empresa PERFIL Empresa de Tecnologia 100% nacional, controlada pelo Grupo Itaúsa Mais de 30 anos de presença no mercado brasileiro Possui 5.891 funcionários

Leia mais

Inventário dos Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos (REEE) no Instituto Federal da Bahia, Campus Salvador: O caso dos computadores.

Inventário dos Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos (REEE) no Instituto Federal da Bahia, Campus Salvador: O caso dos computadores. Inventário dos Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos (REEE) no Instituto Federal da Bahia, Campus Salvador: O caso dos computadores. Rodrigo Cajazeira Gomes 1, Angela Maria Ferreira Lima 2, Armando

Leia mais

RECICLAGEM DOS MATERIAIS

RECICLAGEM DOS MATERIAIS RECICLAGEM DOS MATERIAIS Bibliografia MANO, E. B., PACHECO, E. B.; BONELLI, C. M. C. Meio ambiente, poluição e reciclagem. São Paulo: Edgard Blucher, cap 10, 2005. C-H Leea, C-T Chang, K-Sh Fan, T-C Chang.

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO UERJ 2010

CONCURSO PÚBLICO UERJ 2010 CONCURSO PÚBLICO UERJ 2010 CADERNO DE PROVA DISCURSIVA Este caderno, com nove páginas numeradas sequencialmente, contém cinco questões discursivas. Não abra o caderno antes de receber autorização. Instruções

Leia mais

O Secretário de Vigilância Sanitária d Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando:

O Secretário de Vigilância Sanitária d Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando: título: Portaria nº 27, de 18 de março de 1996 ementa não oficial: Aprova o regulamento técnico sobre embalagens e equipamentos de vidro e cerâmica em contato com alimentos, conforme Anexo da presente

Leia mais

Itautec S.A. Grupo Itautec. Guilherme Pereira Diretor Administrativo e Financeiro CFO 07.03.2013

Itautec S.A. Grupo Itautec. Guilherme Pereira Diretor Administrativo e Financeiro CFO 07.03.2013 Itautec S.A. Grupo Itautec Guilherme Pereira Diretor Administrativo e Financeiro CFO 07.03.2013 Sumário Executivo a mudança no cenário macroeconômico do Brasil (desvalorização cambial, redução das taxas

Leia mais

27º Fórum de Debates BRASILIANAS.ORG. A Inovação nas Micro e Pequenas Empresas. Painel 3: Normatização e Certificação

27º Fórum de Debates BRASILIANAS.ORG. A Inovação nas Micro e Pequenas Empresas. Painel 3: Normatização e Certificação 27º Fórum de Debates BRASILIANAS.ORG A Inovação nas Micro e Pequenas Empresas Painel 3: Normatização e Certificação Palestrante: Mari Tomita Katayama São Paulo, 09 de Julho de 2012 Apresentação sucinta

Leia mais

Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 1

Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 1 Cabeamento Metálico: Tudo o que você precisa saber Parte 1 Conteúdo CABOS METÁLICOS SÓLIDO COMPONENTES DE UMA REDE CABOS ELETRÔNICOS INTERCONEXÃO E CROSS-CONNECT CABOS METÁLICOS E ACESSÓRIOS PONTO DE CONSOLIDAÇÃO

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 18.12.2015 L 332/145 DECISÃO DE EXECUÇÃO (UE) 2015/2398 DA COMISSÃO de 17 de dezembro de 2015 em matéria de informações e documentação relacionadas com pedidos relativos a estaleiros situados em países

Leia mais

O Superando Barreiras Técnicas às Exportações com a ajuda do Inmetro

O Superando Barreiras Técnicas às Exportações com a ajuda do Inmetro O Superando Barreiras Técnicas às Exportações com a ajuda do Inmetro O Inmetro como Ponto Focal de Barreiras Técnicas da OMC Flávia Alves Bento Gonçalves, 29 de Novembro de 2012 Metrologia Científica e

Leia mais

The Electronics Revolution From e-wonderland to e-wasteland PSI

The Electronics Revolution From e-wonderland to e-wasteland PSI The Electronics Revolution From e-wonderland to e-wasteland Anos 90 e-waste tornou-se a parcela com maior crescimento dentro do setor de lixo sólido Sem políticas adequadas de reciclagem de lixo eletrônico,

Leia mais

Informação técnica das fitas TZe e HGe

Informação técnica das fitas TZe e HGe Informação técnica das fitas TZe e HGe As etiquetas P-touch foram concebidas para durar, independentemente de onde as utilize Se precisa de uma solução de etiquetagem profissional para o escritório, indústria

Leia mais

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento CPSUSTENTÁVEIS Definição O que é? Criação de uma política de Contratações Públicas que leve em consideração critérios de sustentabilidade,

Leia mais

Os setores industriais geradores de materiais secundários e resíduos com potencial de uso em fertilizantes contendo micronutrientes

Os setores industriais geradores de materiais secundários e resíduos com potencial de uso em fertilizantes contendo micronutrientes Os setores industriais geradores de materiais secundários e resíduos com potencial de uso em fertilizantes contendo micronutrientes Sérgio Pompéia Workshop A Cadeia produtiva do setor industrial de fertilizantes

Leia mais

Portaria n.º 510, de 13 de outubro de 2015.

Portaria n.º 510, de 13 de outubro de 2015. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 510, de 13 de outubro de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

AGRICULTURA URBANA. Principais ameaças à prática da Agricultura urbana

AGRICULTURA URBANA. Principais ameaças à prática da Agricultura urbana AGRICULTURA URBANA Principais ameaças à prática da Agricultura urbana 19 de Junho de 2012 AGRICULTURA URBANA A actividade agrícola urbana está sujeita a várias fontes de poluição que podem afectar a qualidade

Leia mais

MANUAL DE SSV04 E L E T R Ô N I C O S SELETOR DE CAIXAS DE SOM 2 FONTES 4 ZONAS COM ATENUADOR DE VOLUME

MANUAL DE SSV04 E L E T R Ô N I C O S SELETOR DE CAIXAS DE SOM 2 FONTES 4 ZONAS COM ATENUADOR DE VOLUME E L E T R Ô N I C O S MANUAL DE INSTRUÇÕES SSV04 SELETOR DE CAIXAS DE SOM 2 FONTES 4 ZONAS COM ATENUADOR DE VOLUME Caro consumidor Obrigado pela compra deste produto. Para um desempenho otimizado e seguro,

Leia mais

Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar

Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar Pontos em que a expedição da UnB participou do processo de coleta de água e sedimento entre os dias

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 7 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

Inventário de PCB. Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria

Inventário de PCB. Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria Inventário de PCB Brasília, 28 de novembro de 2014. Legalmente amparado Convenção

Leia mais

AbineeTec 2015. Seminário Sustentabilidade. Gestão e Tecnologias Disponíveis para. Logística Reversa e Reciclagem UMICORE BRASIL LTDA.

AbineeTec 2015. Seminário Sustentabilidade. Gestão e Tecnologias Disponíveis para. Logística Reversa e Reciclagem UMICORE BRASIL LTDA. AbineeTec 2015 Seminário Sustentabilidade Gestão e Tecnologias Disponíveis para Logística Reversa e Reciclagem UMICORE BRASIL LTDA set/14 Ricardo Rodrigues Umicore Brasil Ltda Março/15 Grupo Umicore Fluxo

Leia mais

DEFINIÇÕES. Pilha: gerador eletroquímico de energia elétrica, mediante conversão geralmente irreversível de energia química (NBR 7039/87);

DEFINIÇÕES. Pilha: gerador eletroquímico de energia elétrica, mediante conversão geralmente irreversível de energia química (NBR 7039/87); DEFINIÇÕES Pilha: gerador eletroquímico de energia elétrica, mediante conversão geralmente irreversível de energia química (NBR 7039/87); Bateria: conjunto de pilhas ou acumuladores recarregáveis interligados

Leia mais

LEI Nº 1.709 DE 08 DE MAIO DE 2013

LEI Nº 1.709 DE 08 DE MAIO DE 2013 LEI Nº 1.709 DE 08 DE MAIO DE 2013 INSTITUI O PROJETO "DESTINO CERTO AO LIXO ELETRÔNICO DE FAGUNDES VARELA". JEAN FERNANDO SOTTILI, Prefeito Municipal de Fagundes Varela, no uso das atribuições que me

Leia mais

A comunicação da declaração do fabricante no âmbito do Regulamento dos Produtos da Construção

A comunicação da declaração do fabricante no âmbito do Regulamento dos Produtos da Construção A comunicação da declaração do fabricante no âmbito do Regulamento dos Produtos da Construção Marta Ferreira USGM Sistemas de Gestão e Melhoria 18-04-2013 1 Regulamento Directiva (UE) nº 89/106/CEE 305/2011

Leia mais

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3 INQUÉRITO EUROPEU DAS PME E O MEIO-AMBIENTE Bem-vindo ao inquérito europeu sobre as PMEs e o meio-ambiente. O questionário deve demorar entre 5-10 minutos para ser concluído. Obrigado! Instituto Tecnológico

Leia mais

Proyecto Iberoamericano de Divulgación Científica Comunidad de Educadores Iberoamericanos para la Cultura Científica

Proyecto Iberoamericano de Divulgación Científica Comunidad de Educadores Iberoamericanos para la Cultura Científica Proyecto Iberoamericano de Divulgación Científica Comunidad de Educadores Iberoamericanos para la Cultura Científica RESÍDUO ELETRÔNICO: REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO, RECICLAGEM E RECUPERAÇÃO REFERENCIA: 6MMG39

Leia mais

ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001

ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001 Seminário ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001 PROJETOS DE CONSERVAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eletrobrás Saulo José Nascimento Cisneiros Diretor de Projetos Especiais da Eletrobrás

Leia mais

Micro Projetor MPro110 3M

Micro Projetor MPro110 3M Micro Projetor MPro110 3M Guia do Usuário Outubro de 2008 78-6971-1437-5 Conteúdo 3M TM Micro ProjetorProfissional MPro1 10 Uso Proposto...3 Marcas e Copyrights...3 Informações sobre Segurança...3 Etiquetas

Leia mais

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS I NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS. A) CRÉDITO PRESUMIDO DE ICMS DO ESTADO DO PARANÁ INTEGRA A BASE DE CÁLCULO DO PIS E DA COFINS.... 2 B) CRÉDITO PRESUMIDO DE ESTOQUE DE ABERTURA SOMENTE

Leia mais

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net COR: -Instalação rápida e fácil, fixação com resina, ondulação de 2 a 4 mm para passagem dos cabos de energia. - Pode ser instalada em piscinas ou hidromassagens onde não tenha sido previsto sistema de

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO ILIDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional DEZEMBRO/2000

Leia mais

Alex Luiz Pereira. www.coopermiti.com.br

Alex Luiz Pereira. www.coopermiti.com.br Alex Luiz Pereira www.coopermiti.com.br Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrônicos (REEE) Chumbo provavelmente, o elemento químico mais perigoso; acumulam-se nos ossos, cabelos, unhas, cérebro, fígado

Leia mais

Anais do II Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia, Manaus: EDUA. 2012 (2).

Anais do II Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia, Manaus: EDUA. 2012 (2). ASPECTOS LEGAIS NA ÁREA DE RESÍDUOS ELETROELETRÔNICOS Jaqueline Gomes de Araújo 1 João Tito Borges 2 Pamella Carvalho Horta Campos 3 Resumo O amplo uso dos produtos eletroeletrônicos na sociedade é claramente

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E CIÊNCIAS AMBIENTAIS AVALIAÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELETROELETRÔNICOS (REEEs)

Leia mais

Desafios do Comércio Exterior Brasileiro. Desafios do Comércio Exterior Brasileiro

Desafios do Comércio Exterior Brasileiro. Desafios do Comércio Exterior Brasileiro Desafios do Comércio INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Desafios do Comércio Balança Comercial Brasileira INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Desafios do Comércio Evolução da Balança Comercial

Leia mais

Carregador de baterias. Manual do usuário. Antes de iniciar a operação do dispositivo, recomenda-se a leitura atenta deste manual do usuário.

Carregador de baterias. Manual do usuário. Antes de iniciar a operação do dispositivo, recomenda-se a leitura atenta deste manual do usuário. BATERIA PORTÁTIL MULTIFUNCIONAL 13.600 ma h Partida EM VEÍCULOS Carregador de baterias LANTERNA LED MULTIFUNÇÕES Manual do usuário Antes de iniciar a operação do dispositivo, recomenda-se a leitura atenta

Leia mais

DIRETIVA 2013/56/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRETIVA 2013/56/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 10.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 329/5 DIRETIVA 2013/56/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de novembro de 2013 que altera a Diretiva 2006/66/CE do Parlamento Europeu e do Conselho

Leia mais

MINISTÉRIO DO RIO PLANEJ

MINISTÉRIO DO RIO PLANEJ A3P- BSB CPSUSTENTÁVEIS Definição Objetivo: Criação de uma política de Contratações Públicas que leve em consideração critérios de sustentabilidade, ou seja, critérios fundamentados no desenvolvimento

Leia mais

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje?

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje? Entrevista A diretora do Departamento de Micro, Pequenas e Médias Empresas do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Cândida Cervieri, foi entrevistada pelo Informativo RENAPI.

Leia mais

Seminário Internacional sobre Diretivas WEEE e RoHS Iniciativas para mobilização do setor. Palestrante: Edson Vieira Coordenador de Eletromédicos

Seminário Internacional sobre Diretivas WEEE e RoHS Iniciativas para mobilização do setor. Palestrante: Edson Vieira Coordenador de Eletromédicos Seminário Internacional sobre Diretivas WEEE e RoHS Iniciativas para mobilização do setor Palestrante: Edson Vieira Coordenador de Eletromédicos Fevereiro de 2011 A ABIMO Associação Brasileira da Indústria

Leia mais

RoHS Março de 2011. www.element14.com. Categorias de produtos Substâncias Isenções Requisitos da CE

RoHS Março de 2011. www.element14.com. Categorias de produtos Substâncias Isenções Requisitos da CE RoHS Março de 2011 Categorias de produtos Substâncias Isenções Requisitos da CE 1 Introdução aos requisitos da Diretiva RoHS 2002/95/EC A Diretiva sobre Restrição ao Uso de determinadas Substâncias Perigosas

Leia mais

TI VERDE: um estudo do grau de maturidade sob a perspectiva sócio econômico empresarial

TI VERDE: um estudo do grau de maturidade sob a perspectiva sócio econômico empresarial TI VERDE: um estudo do grau de maturidade sob a perspectiva sócio econômico empresarial Victor Toledo dos Santos Vimercatti vtoledo05@gmail.com IFES Antonio Carlos Pinheiro de Lima Junior acjunior03@gmail.com

Leia mais

Segurança. Segurança em Laboratórios de Química. Os acidentes Seveso (10/7/1976) Segurança (safety) Maria Manuela Pereira

Segurança. Segurança em Laboratórios de Química. Os acidentes Seveso (10/7/1976) Segurança (safety) Maria Manuela Pereira Maria Manuela Pereira Segurança Segurança em Laboratórios de Química Departamento de Química Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa Segurança (safety) Os acidentes Seveso (10/7/1976)

Leia mais

Guia de estudos para a certificação. Green IT Citizen

Guia de estudos para a certificação. Green IT Citizen ve ex rs pr ão es s Guia de estudos para a certificação Green IT Citizen Sumário Sobre o autor Dedicatória Para quem é esse ebook? Como esse ebook vai ajudar você? Capítulo Bônus Planejando os Estudos

Leia mais

DISCIPLINA ESTUDO DE CASO AUDITORIA AMBIENTAL: RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS

DISCIPLINA ESTUDO DE CASO AUDITORIA AMBIENTAL: RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ - UNIVALI MESTRADO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA AMBIENTAL DISCIPLINA ESTUDO DE CASO AUDITORIA AMBIENTAL: RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS CLAUDETE GORCZEVSKI CHIOCHETTA GUSTAVO HENRIQUE

Leia mais

Cartão BNDES Peças, Partes e Componentes. São Paulo, 23 de setembro de 2010

Cartão BNDES Peças, Partes e Componentes. São Paulo, 23 de setembro de 2010 Cartão BNDES Peças, Partes e Componentes São Paulo, 23 de setembro de 2010 Cartão BNDES Baseado no conceito de cartão de crédito, visa financiar de forma ágil e simplificada os investimentos das MPMEs.

Leia mais