A Solução de Reciclagem de Residuos de Eletrônicos da USP Perspectiva CEDIR & LASSU

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Solução de Reciclagem de Residuos de Eletrônicos da USP Perspectiva CEDIR & LASSU"

Transcrição

1 A Solução de Reciclagem de Residuos de Eletrônicos da USP Perspectiva CEDIR & LASSU Tereza Cristina M. B. Carvalho Coordenadora Geral CEDIR e LASSU/PCS/EPUSP Assessora de Projetos Especiais CTI -USP

2 Agenda A Universidade de São Paulo Lixo Eletrônico Ações USP Selo Verde Centro de Descarte, Reuso e Reciclagem de Lixo Eletrônico. Projeto Segurança + Renda Considerações Finais

3 Universidade de São Paulo

4 Research in IT at the University of São Paulo

5 Universidade de São Paulo em Números

6 Universidade de São Paulo em Números 11 campi (cidade de São Paulo (4) e outras cidades). 82 unidades estudantes: graduação, pós-graduação e especialização professores funcionários administrativos. 239 programas de graduação. 233 Programas de Pós-Graduação 608 Mestrado & Doutorado. 309 Mestrado Fonte: Anuário Estatistico Doutorado Universidade pública, fundada em 1934

7 Equipamentos USP Impressoras: ~ Microcomputadores: Equipamentos de Rede: ~5.000 Índice de Obsolescência: 15%/ano

8 Lixo eletrônico

9 O que é lixo eletrônico? O lixo eletrônico é tudo o que é enviado para o lixo proveniente de peças e equipamentos eletro-eletrônicos.

10 Exemplos de Lixo Eletrônico Hard Disks & Drives PCs, Teclados Impressoras Mouses

11 Riscos do Lixo Eletrônico Elementos perigosos Chumbo, mercúrio, arsenico, cadmio, cobre, berilio, bario, cromo, niquel, zinco, prata e ouro. Muitos destes elementos são placas de circuito impresso e partes elétricas, tais como chips de computadores, monitores e cabeamento. Estes elementos representam riscos para a saúde humana.

12 Principais elementos usados e os impactos sociais e ambientais Chumbo: Causa danos ao sistema nervoso e sanguíneo Onde é usado: Computador, celular, televisão Mercúrio: Causa danos cerebrais e ao fígado. Onde é usado: Computador, monitor e TV de tela plana Cádmio: Causa envenenamento, danos aos ossos, rins e pulmões. Onde é usado: Computador, monitores de tubo antigos, baterias de laptops Arsênico: Causa doenças de pele, prejudica o sistema nervoso e pode causar câncer no pulmão. Onde é usado: Celular PVC: Se queimado e inalado, pode causar problemas respiratórios Onde é usado: Em fios, para isolar corrente Belírio: Causa câncer no pulmão. Onde é usado: Computador, celular Retardantes de chamas (BRT): Causam desordens hormonais, nervosas e reprodutivas. Onde é usado: Diversos componentes eletrônicos, para prevenir incêndios

13 Situação Atual

14 Situação Atual - Brasil Computadores (2009): Venda de 14 milhões. Total de 75 milhões. Tempo de Vida Médio: 3 a 4 anos (FGV-SP). Celulares (Junho 2010): Venda de 1,42 milhões de aparelhos só em Junho. 185 milhões de assinantes (Anatel) -> De 10 pessoas, 8 possuem um aparelho celular. Tempo de Vida Médio: 1 a 1,5 anos.

15 Ações USP

16 Ações USP Processo de Aquisição Selo Verde. Processo de Descarte - CEDIR Projeto Seguranca + Renda - Catadores

17 Selo Verde

18 Motivação Aquisição de Sistemas de TI Como criar mecanismos para aprimorar o processo de compra em direção a aquisições mais sustentáveis: Por exemplo, placas eletrônicas sem chumbo ( lead free ) e outras substâncias tóxicas para saúde. Desafios: Aprimorar os processos de pregões para não permitir a participação de fornecedores de soluções não-verdes: Necessidade de pelo menos 3 fornecedores: Fornecedores locais: Itautec. Fornecedores Multinacionais: Dell, IBM & HP.

19 Ações USP Criação do Selo Verde Concedido para Sistemas Verdes Inexistência de Chumbo. Economia de Energia Elétrica. Todos componentes sustentáveis, inclusive a embalagem. Alinhamento com as normas ISO e ISO Aderência ao ROHS (Restriction of Certain Hazardous Substances). Aderência ao EPEAT (Electronic Product Environmental Assessment Tool)

20

21 Ações USP

22 Tratamento Sustentável de Lixo Eletrônico

23 Premissas Destino sustentável de todos componentes eletroeletrônicos. Não existia legislação estadual e federal adequada para tratamento de resíduos eletro-eletrônicos. A indústria de reciclagem é especializada e envolve processos caros: Não existe empresa que recicle todos componentes de um equipamento eletro-eletrônico: Parte reciclada e parte descartada (lixão). Retorno financeiro maior para componentes classificados e compactados.

24 Indústria Comunidade USP e Sociedade Projetos Sociais A equipe do CEDIR faz a triagem para reuso ou reciclagem Os materiais do lixo eletrônico são triturados e sofrem o tratamento para a recuperação de metais ou transformação em óxidos e sais metálicos CEDIR Reciclagem Os resíduos são separados, descaracterizados e pesados Recicladores Informação de Rodapé Destinação Processadores de metais, plásticos, lixo eletrônico, tubos, etc... Os fragmentos de placas são acondicionados em caixas e depois embalados para transporte

25 Fluxograma - Descarte de equipamentos no CEDIR Comunidade USP e Sociedade Entrada do material eletrônico no CEDR Ainda pode ser utilizado? Não Pesagem total do material Desmontagem Matéria prima para indústria Triagem Envio para Projetos Sociais Sim Separação dos Componentes Descaracterização Reciclagem Recicladores Projetos Sociais Compactação e acondicionamento Envio a parceiros Coleta e Triagem Sim Terminou Ciclo de Vida? Não Pesagem Categorização Informação de Rodapé

26 Atividades e Tempo médio para descaracterização 1 2 Etapa 1: Recepção, conferência e registro (Tempo da atividade: 2 minutos) Etapa 2: Descaracterização Tempo médio para descaracterização de um Microcomputador 12, ,5 0,1 Tempo (minutos) Etapa 3: Classificação Etapa 2: Prensagem e embalagem

27 Pesagem Mensal Total de equipamentos coletados pelo Cedir ,4 8017, , ,215164,217171,3 2264,5 5092,3 6967, ,5 25% - Público em Geral Peso Kg

28 Ano 2011

29 Equipamentos recebidos pelo CEDIR Julho Junho Maio Abril Março Jan/fev Total Dezembro Setembro Agosto Jan/fev Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Dezembro Total

30 CPUS IMPRESSORAS MONITORES No Break NOTEBOOKS Outros (stab.,dvds,etc)* SCANNERS TELEFONES janeiro Maio4 janeiro fevereiro março2 Abril3 Maio4 Junho5 Total Ano 2011

31 Desafios Como classificar os materiais? A indústria plástica aceita contaminação de 2-3%. Como agregar materiais para obter o volume mínimo exigido pelos recicladores? Nível de desmontagem: Teclados, Baterias, telefones? Necessidade de aumento de produtividade: Revisão dos processos e criação de células.

32 Desafios Demanda reprimida: Mudança de procedimentos: Equipamentos Inserviveis Não podem ser doados para instituiçoes filantropicas. Devem ser encaminhados ao CEDIR. Espaço limitado para armazenagem. Dificuldade de vender material para recicladores.

33

34 Abrangência do Projeto

35 Campi da USP Setores de Informática Ribeirão Preto Pirassununga São Carlos Bauru Piracicaba Lorena São Paulo Centros de Informática Informação de Rodapé

36 Ações USP

37 Projeto Segurança + Renda Programa PETROBRAS Desenvolvimento e Cidadania Parceria Instituto GEA Informação de Rodapé 38

38 Projeto Segurança + Renda Objetivos: Treinar cooperativas da grande São Paulo em conceitos básicos de microinformática e tratamento de lixo eletrônico, visando: Segurança: Manuseio adequado de pecas eletroeletronicas (Segurança Saúde). Renda: Aumento de Renda com a triagem adequada do lixo eletronico, que hoje é vendido como sucata. Publico Alvo: Cooperativas da grande São Paulo.

39 Informação de Rodapé 40

40 Projeto Segurança + Renda Oportunidades: Decreto de Lei de Resíduos Sólidos: inclusao dos catadores de materiais recicláveis na cadeia de reciclagem. Desafios: Nível de escolaridade dos cooperados é muito heterogêneo. Empresas de reciclagem vem as cooperativas como ameaça competitiva no mercado. Empresas de eletro-eletrônicos tem receio sobre o destino final de produtos com sua marca. Existe problema de confiabilidade.

41 Considerações Finais

42 Considerações Finais CEDIR & Sustentabilidade Meio Ambiente: Final sustentável para todos componentes dos equipamentos eletro-eletrônicos. Social: Suporte a Projetos Sociais. Reuso de sistemas e componentes eletrônicos. Treinamento de pessoas. Conscientização sobre a importância do destino correto dos equipamentos eletro-eletrônicos. Atividades de Disseminação: workshops, cursos e news letters. Financeiro: Promover a industria local de reciclagem.

43 Considerações Finais LaSSU (Laboratório de Sustentabilidade) da Escola Politécnica da USP. Pesquisa Tecnológica Reciclagem de Placas. EcoDesign. Social e Humanista. Programa Paideia Programa PETROBRAS Desenvolvimento e Cidadania Segurança + Renda = Coleta de Lixo Eletrônico para Catadores Parceria com Instituto GEA Garantia de destino sustentável para todos componentes do equipamento eletro-eletrônico.

44 Muito Obrigada! Perguntas?

CEDIR Centro de Descarte e Reuso de Residuos de Informática

CEDIR Centro de Descarte e Reuso de Residuos de Informática CEDIR Centro de Descarte e Reuso de Residuos de Informática V Fórum da Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P) Tereza Cristina M. B. Carvalho Coordenadora Geral CEDIR Assessora de Projetos Especiais

Leia mais

CEDIR Centro de Descarte e Reuso de Residuos de Informática

CEDIR Centro de Descarte e Reuso de Residuos de Informática CEDIR Centro de Descarte e Reuso de Residuos de Informática Seminario Internacional sobre Residuos de Equipamentos Eletroeletronicos Tereza Cristina M. B. Carvalho Coordenadora Geral CEDIR e LASSU/PCS/EPUSP

Leia mais

Oficina prática sobre desmontagem de computadores e os aspectos tecnológicos e financeiros a considerar na reciclagem

Oficina prática sobre desmontagem de computadores e os aspectos tecnológicos e financeiros a considerar na reciclagem Oficina prática sobre desmontagem de computadores e os aspectos tecnológicos e financeiros a considerar na reciclagem I Seminário Estadual em Gestão de Resíduos Tecnológicos Fortaleza 16 Junho 2009 Projeto

Leia mais

Os aspectos ambientais dos resíduos eletrônicos E-LIXO

Os aspectos ambientais dos resíduos eletrônicos E-LIXO Os aspectos ambientais dos resíduos eletrônicos E-LIXO Junho de 2009 Realidade Atual População Desenvolvimento Tecnológico Demanda de bens de consumo Aumento da demanda de produtos descartáveis aumento

Leia mais

O IMPACTO AMBIENTAL DA COMPUTAÇÃO

O IMPACTO AMBIENTAL DA COMPUTAÇÃO O IMPACTO AMBIENTAL DA COMPUTAÇÃO Tema 11 Grupo 03 Adriano José Ferreira Gasparini 5890114 Diogo Ferrari Meletto 5890201 Luiz Antonio Bezerra de Andrade 5967745 Tópicos: Impacto Ambiental: Lixo Eletrônico;

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

Lixo Eletrônico e a Sociedade

Lixo Eletrônico e a Sociedade Lixo Eletrônico e a Sociedade Eduardo Ceretta Dalla Favera 1 1 Acadêmico do Curso de Ciência da Computação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) favera@inf.ufsm.br Resumo. A sociedade moderna vive

Leia mais

Seminário de Meio Ambiente

Seminário de Meio Ambiente Seminário de Meio Ambiente Reciclagem de Resíduos Sólidos - Carcaça de Computador Itautec Philco S/A - Grupo Itautec Philco João Carlos Redondo 09/10/2003 RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS CARCAÇA DE COMPUTADOR

Leia mais

GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS

GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS Prof. Hugo M. Veit Laboratório de Corrosão, Proteção e Reciclagem de Materiais Escola de Engenharia Universidade Federal do Rio Grande do Sul O QUE PODE

Leia mais

LEI Nº 1.709 DE 08 DE MAIO DE 2013

LEI Nº 1.709 DE 08 DE MAIO DE 2013 LEI Nº 1.709 DE 08 DE MAIO DE 2013 INSTITUI O PROJETO "DESTINO CERTO AO LIXO ELETRÔNICO DE FAGUNDES VARELA". JEAN FERNANDO SOTTILI, Prefeito Municipal de Fagundes Varela, no uso das atribuições que me

Leia mais

Restrições Ambientais em Produtos

Restrições Ambientais em Produtos Restrições Ambientais em Produtos Diretiva RoHS Restricted Hazardous Substances Slide: 1 Objetivos Oportunidades Diretivas RoHS Processo Como Chegamos ao RoHS Slide: 2 POR QUE A NECESSIDADE? Em 2005, os

Leia mais

Alex Luiz Pereira. www.coopermiti.com.br

Alex Luiz Pereira. www.coopermiti.com.br Alex Luiz Pereira www.coopermiti.com.br Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrônicos (REEE) Chumbo provavelmente, o elemento químico mais perigoso; acumulam-se nos ossos, cabelos, unhas, cérebro, fígado

Leia mais

Estabelecer as bases para uma estratégia para a gestão de resíduos tecnológicos no estado do Ceará

Estabelecer as bases para uma estratégia para a gestão de resíduos tecnológicos no estado do Ceará Estabelecer as bases para uma estratégia para a gestão de resíduos tecnológicos no estado do Ceará I Seminário Estadual em Gestão de Resíduos Tecnológicos Fortaleza 15 Junho 2009 Projeto Ce-Waste Jeroen

Leia mais

Capa LIXO ELETROELETRÔNICO

Capa LIXO ELETROELETRÔNICO Capa LIXO ELETROELETRÔNICO Eis um assunto que há vários anos vem ganhando cada vez mais espaço na mídia e na literatura científica. Nos últimos 10 anos mais de 3 mil trabalhos sobre impactos ambientais

Leia mais

III-206 RECURSOS NATURAIS E RESÍDUOS TECNOLÓGICOS: ANÁLISE DO CONSUMO PARA FABRICAÇÃO DE ELETROELETRÔNICOS (ESTUDO DE CASO)

III-206 RECURSOS NATURAIS E RESÍDUOS TECNOLÓGICOS: ANÁLISE DO CONSUMO PARA FABRICAÇÃO DE ELETROELETRÔNICOS (ESTUDO DE CASO) III-206 RECURSOS NATURAIS E RESÍDUOS TECNOLÓGICOS: ANÁLISE DO CONSUMO PARA FABRICAÇÃO DE ELETROELETRÔNICOS (ESTUDO DE CASO) Leandro Viana dos Santos (1) Engenheiro Ambiental pela Universidade Federal do

Leia mais

LIXO ELETRÔNICO: EDUCAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL

LIXO ELETRÔNICO: EDUCAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

O USO DO PODER DE COMPRA DO GOVERNO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

O USO DO PODER DE COMPRA DO GOVERNO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Artes, Ciências e Humanidades O USO DO PODER DE COMPRA DO GOVERNO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Deloise de Fátma B. Jesus Luiza Yorioka Rodrigues Taiara Vitória Nelly

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB

CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB RESUMO SILVA¹, Adelmo Faustino da ; RODRIGUES, Andreza Alves Guimarães; CAMPELO,

Leia mais

A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM)

A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM) A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM) Sistema de Gestão de Requisitos para Substâncias Perigosas em Produtos e Componentes Elétricos e Eletrônicos Abril de 2011 Objetivo Capacitação

Leia mais

4/10/2013. Sorocaba SP Parque Tecnológico. Sorocaba SP - Ciclovias. Sumário. Seminário Brasil-Japão Reciclagem de Resíduos Eletroeletrônicos

4/10/2013. Sorocaba SP Parque Tecnológico. Sorocaba SP - Ciclovias. Sumário. Seminário Brasil-Japão Reciclagem de Resíduos Eletroeletrônicos Sumário -SP Coleta Seletiva de Seminário Brasil-Japão Reciclagem de - Parceria Gislaine Vilas Boas PREFEITURA DE SOROCABA - SP Brasília, março 2013 - SP - SP Localizada a 100 km da capital paulista, com

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento CPSUSTENTÁVEIS Definição O que é? Criação de uma política de Contratações Públicas que leve em consideração critérios de sustentabilidade,

Leia mais

PROJETO CIÊNCIA VERDE: Unindo Tecnologia, Ambiente e Sociedade

PROJETO CIÊNCIA VERDE: Unindo Tecnologia, Ambiente e Sociedade PROJETO CIÊNCIA VERDE: Unindo Tecnologia, Ambiente e Sociedade 1 IDENTIFICAÇÃO: PROJETO DE EXTENSÃO 1.1 Título da Atividade: Coleta do Lixo Eletrônico 1.1.1 Meios de Divulgação: Mídia local, redes sociais,

Leia mais

Gestão ambiental. Comitê. » Cumprir a legislação ambiental aplicável, as normas regulamentares e os demais

Gestão ambiental. Comitê. » Cumprir a legislação ambiental aplicável, as normas regulamentares e os demais Gestão Ambiental Atuação Sustentável COM REFERÊNCIA NOS PADRÕES DE PRODUÇÃO mais LIMPA, A ITAUTEC INSERE A QUESTÃO AMBIENTAL EM SUA ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS, PARA ASSEGURAR A PRESERVAÇÃO E O USO RACIONAL

Leia mais

Seminário Ambientronic

Seminário Ambientronic Seminário Ambientronic 27/04/2011 11.06.2010 Perfil da Empresa PERFIL Empresa de Tecnologia 100% nacional, controlada pelo Grupo Itaúsa Mais de 30 anos de presença no mercado brasileiro Possui 5.891 funcionários

Leia mais

V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL. Carlos Afonso Instituto de Química. Universidade Federal do Rio de Janeiro

V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL. Carlos Afonso Instituto de Química. Universidade Federal do Rio de Janeiro V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICAP Impactos SócioS cio-ambientais do LIXO ELETROELETRÔNICO Prof. Júlio J Carlos Afonso Instituto de Química Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasília,

Leia mais

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI 2010 22 a 26 de novembro. São Paulo - SP - Brasil

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI 2010 22 a 26 de novembro. São Paulo - SP - Brasil XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Título do Trabalho: Reciclagem de Porcelanas danificadas para confecção de placas de concreto

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 1 ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA REAPROVEITAMENTO DE COMPUTADORES DOADOS

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS Mineração Urbana no Brasil Lúcia Helena Xavier São José dos Campos SP Junho de 2015 REGULAMENTAÇÃO AMBIENTAL NO BRASIL LEI Nº 6.938 DE 1981 PNMA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

PROJETO VAGA-LUME EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS COLETA SELETIVA, DESCONTAMINAÇÃO E RECICLAGEM DE LÂMPADAS

PROJETO VAGA-LUME EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS COLETA SELETIVA, DESCONTAMINAÇÃO E RECICLAGEM DE LÂMPADAS PROJETO VAGA-LUME COLETA SELETIVA, DESCONTAMINAÇÃO E RECICLAGEM DE LÂMPADAS ELABORAÇÃO DO PROJETO: - ASSESSORIA DE QUALIDADE ASQUA/AC Neusa Maria Cúgola - ASSESSORIA TÉCNICA PARA A QUALIDADE ASTEC-Q/DR/BSB

Leia mais

CURSO DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS

CURSO DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS 1 CURSO DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS Esta apostila integra o Curso de Reciclagem de Resíduos Eletrônicos, realizado pelo Instituto GEA Ética e Meio Ambiente e o LASSU Laboratório de Sustentabilidade

Leia mais

Modelagem da Logística Reversa dos Resíduos Eletroeletrônicos

Modelagem da Logística Reversa dos Resíduos Eletroeletrônicos DISCLAIMER: O conteúdo apresentado neste documento encontra-se em construção pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) em parceria com o Grupo de Trabalho Temático Resíduos de Equipamentos

Leia mais

AbineeTec 2015. Seminário Sustentabilidade. Gestão e Tecnologias Disponíveis para. Logística Reversa e Reciclagem UMICORE BRASIL LTDA.

AbineeTec 2015. Seminário Sustentabilidade. Gestão e Tecnologias Disponíveis para. Logística Reversa e Reciclagem UMICORE BRASIL LTDA. AbineeTec 2015 Seminário Sustentabilidade Gestão e Tecnologias Disponíveis para Logística Reversa e Reciclagem UMICORE BRASIL LTDA set/14 Ricardo Rodrigues Umicore Brasil Ltda Março/15 Grupo Umicore Fluxo

Leia mais

www.computadoresparainclusao.gov.br

www.computadoresparainclusao.gov.br Fevereiro/2011 Eixos da Política de Inclusão Digital ESCOLAS PÚBLICAS TELECENTROS COMUNITÁRIOS Investimento em Conexão, Equipamentos, Recursos Humanos e Capacitação Processo de Avaliação Sistemática -

Leia mais

ESTUDO ECOEFICIÊNCIA DE SACOLAS DE SUPERMERCADO

ESTUDO ECOEFICIÊNCIA DE SACOLAS DE SUPERMERCADO ESTUDO ECOEFICIÊNCIA DE SACOLAS DE SUPERMERCADO OBJETIVO DO ESTUDO Executar uma análise comparativa sobre a eco eficiência do uso de diferentes tipos de sacolas para transporte de compras de supermercado

Leia mais

A Reciclagem Inteligente

A Reciclagem Inteligente A ReciSmart A ReciSmart é uma empresa certificada na Reciclagem de Equipamentos Informáticos e que através de uma reciclagem sustentável e inteligente contribui para a preservação do meio ambiente. Integrados

Leia mais

REVISÕES C - PARA CONHECIMENTO D - PARA COTAÇÃO. Rev. TE Descrição Por Ver. Apr. Aut. Data. 0 C Emissão inicial. RPT RPT RCA RPT 04/01/11

REVISÕES C - PARA CONHECIMENTO D - PARA COTAÇÃO. Rev. TE Descrição Por Ver. Apr. Aut. Data. 0 C Emissão inicial. RPT RPT RCA RPT 04/01/11 1/8 REVISÕES TE: TIPO EMISSÃO A - PRELIMINAR B - PARA APROVAÇÃO C - PARA CONHECIMENTO D - PARA COTAÇÃO E - PARA CONSTRUÇÃO F - CONFORME COMPRADO G - CONFORME CONSTRUÍDO H - CANCELADO Rev. TE Descrição

Leia mais

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade Página 1 de 8 25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade INSTRUÇÃO NORMATIVA N O 1, DE 19 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os critérios

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

PROJETO 3R é JOIA Rogério Dias Regazzi & Silvia Blumberg. Case Agenda Ambiental Água e Resíduos

PROJETO 3R é JOIA Rogério Dias Regazzi & Silvia Blumberg. Case Agenda Ambiental Água e Resíduos PROJETO 3R é JOIA Rogério Dias Regazzi & Silvia Blumberg Case Agenda Ambiental Água e Resíduos Subprojetos ou Famílias: Amor Concreto / Canteiro de Jóias / A Jóia do Lixo / O resíduo é Jóia / Ser Responsável

Leia mais

TECNOLOGIAS PARA CARACTERIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE METAIS EM REEE. Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório

TECNOLOGIAS PARA CARACTERIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE METAIS EM REEE. Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório TECNOLOGIAS PARA CARACTERIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE METAIS EM REEE Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório Tecnologias para Caracterização e recuperação de metais em REEE Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório

Leia mais

ESTUDOS DE CASOS EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO VERDE

ESTUDOS DE CASOS EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO VERDE ESTUDOS DE CASOS EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO VERDE Hamilton Junior de Souza Norcia 1, Flavio Bortolozzi 2, Nelson Tenório Junior 3 RESUMO: Esse artigo visa apresentar um estudo de casos atuais sobre a

Leia mais

Prêmio Mario Covas 2008

Prêmio Mario Covas 2008 Prêmio Mario Covas 2008 Identificação Título: Projeto de Criação de Cadeia de Transformação de Lixo Eletrônico da Universidade de São Paulo Nome da(s) instituição(ões) envolvida(s): CCE/USP - Centro de

Leia mais

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10

Leia mais

Política de Sustentabilidade Link Server.

Política de Sustentabilidade Link Server. Página 1 de 15 Hortolândia, 24 de Janeiro de 2014. Política de Sustentabilidade Link Server. Resumo Conceitua os objetivos da Política de Sustentabilidade da Link Server. Estabelece as premissas, a governança

Leia mais

DIRETORIA TI RIO. Presidente Benito Paret

DIRETORIA TI RIO. Presidente Benito Paret DIRETORIA TI RIO Presidente Benito Paret Diretoria Bruno Salgado Custodio Rodrigues Henrique Faulhaber Barbosa Kauê Silva Ladmir da Penha Carvalho Luiz Bursztyn Pablo Braga Conselheiro Fiscal Titular Giosafatte

Leia mais

www.computadoresparainclusao.gov.br

www.computadoresparainclusao.gov.br Dezembro/2010 Eixos da Política de Inclusão Digital ESCOLAS PÚBLICAS TELECENTROS COMUNITÁRIOS Investimento em Conexão, Equipamentos, Recursos Humanos e Capacitação Processo de Avaliação Sistemática - Indicadores

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÂO

RESULTADOS E DISCUSSÂO LIXO ELETRÔNICO - WIKI E-LIXO Origens e reaproveitamento Marcos Felipe Friske dos Santos 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO Este projeto surgiu com o intuito de dar uma nova função às máquinas caça-níqueis

Leia mais

Plano Nacional de Resíduos Sólidos Logística Reversa de Embalagens

Plano Nacional de Resíduos Sólidos Logística Reversa de Embalagens Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Plano Nacional de Resíduos Sólidos Logística Reversa de Embalagens Bernardo Pires Coordenador de Sustentabilidade São Paulo - SP 10 de novembro de

Leia mais

Abordagem ao Ciclo de Vida Reintegração de Materiais em Fim de Vida. Ana Paula Duarte, Rui Frazão LNEG-UPCS

Abordagem ao Ciclo de Vida Reintegração de Materiais em Fim de Vida. Ana Paula Duarte, Rui Frazão LNEG-UPCS Abordagem ao Ciclo de Vida Reintegração de Materiais em Fim de Vida Ana Paula Duarte, Rui Frazão LNEG-UPCS Workshop Ciclo de Vida dos Edifícios 31 de janeiro de 2012 ENQUADRAMENTO A nível mundial, há uma

Leia mais

RECICLAGEM DOS MATERIAIS

RECICLAGEM DOS MATERIAIS RECICLAGEM DOS MATERIAIS Bibliografia MANO, E. B., PACHECO, E. B.; BONELLI, C. M. C. Meio ambiente, poluição e reciclagem. São Paulo: Edgard Blucher, cap 10, 2005. C-H Leea, C-T Chang, K-Sh Fan, T-C Chang.

Leia mais

1 Simpósio ECP de Meio Ambiente. Resíduos Sólidos. Novembro - 2009

1 Simpósio ECP de Meio Ambiente. Resíduos Sólidos. Novembro - 2009 1 Simpósio ECP de Meio Ambiente Resíduos Sólidos Novembro - 2009 Antes de mais nada, o que é LIXO? Segundo a NBR-10.004 (Resíduos Sólidos, Classificação de 1987) da ABNT (Associação Brasileira de Normas

Leia mais

PROJETO RECICLAGEM DE LIXO ELETRÔNICO Faculdade São Luis Jaboticabal

PROJETO RECICLAGEM DE LIXO ELETRÔNICO Faculdade São Luis Jaboticabal PROJETO RECICLAGEM DE LIXO ELETRÔNICO Faculdade São Luis Jaboticabal Prof. Ms. Marcelo M. Laffranchi Eduardo Vantini Neto Kassio D. Vendite INTRODUÇÃO O uso da tecnologia vem agilizando a vida do homem

Leia mais

Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas

Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas Introdução O objetivo desse trabalho é ajudar as Escolas e demais instituições na implantação do programa da coleta seletiva do lixo e do lixo eletrônico.

Leia mais

Soluções em Gestão Ambiental

Soluções em Gestão Ambiental Soluções em Gestão Ambiental QUEM SOMOS A Silcon Ambiental Empresa de engenharia ambiental, especializada em serviços e soluções para o gerenciamento, tratamento e destinação final de resíduos e na produção

Leia mais

Programa Recicle Seu Celular. Antonio Carlos Valente Grupo Telefônica Brasil

Programa Recicle Seu Celular. Antonio Carlos Valente Grupo Telefônica Brasil Programa Recicle Seu Celular Grupo Telefônica no Brasil Líder no mercado brasileiro Mais de 100 mil colaboradores 79,3 milhões de acessos R$8,2 Bilhões em receita líquida Margem EBITDA de 37,2% Lucro líquido

Leia mais

Município de Capanema - PR

Município de Capanema - PR LEI Nº. 1.557, DE 20 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre a política municipal de resíduos sólidos do Município de Capanema e dá outras providências. A Câmara Municipal de Capanema, Estado do Paraná, aprovou

Leia mais

Áreas de Atuação SERVIÇOS TECNOLÓGICOS SOLUÇÕES DE AUTOMAÇÃO SOLUÇÕES DE COMPUTAÇÃO

Áreas de Atuação SERVIÇOS TECNOLÓGICOS SOLUÇÕES DE AUTOMAÇÃO SOLUÇÕES DE COMPUTAÇÃO A experiência da Itautec na Reciclagem de Equipamentos Eletroeletrônicos VII Seminário de Resíduos - Recicle CEMPRE XIII FIMAI Feira Internacional de Meio Ambiente Industrial e Sustentabilidade Novembro

Leia mais

Teleconferência ITAÚSA 2010

Teleconferência ITAÚSA 2010 Teleconferência ITAÚSA 2010 04 de abril de 2011 Mário Anseloni - Presidente & CEO 1 Resultados Financeiros lidado R$ Milhões 2009 2010 2010x2009 Receita Líquida 1.324 1.571 18,7% Composição da Receita

Leia mais

Esclarecer sobre a CP nº 34/2011, que trata do recondicionamento de equipamentos usados destinados ao mercado brasileiro.

Esclarecer sobre a CP nº 34/2011, que trata do recondicionamento de equipamentos usados destinados ao mercado brasileiro. Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde GGTPS Gerência de Tecnologia em Equipamentos - GQUIP NOTA TÉCNICA N 05/2012/GQUIP/GGTPS/ANVISA Objeto:

Leia mais

Meio ambiente: a conscientização começa pela educação. Implementação. Coleta Seletiva Solidária

Meio ambiente: a conscientização começa pela educação. Implementação. Coleta Seletiva Solidária Meio ambiente: a conscientização começa pela educação Implementação da Coleta Seletiva Solidária A guardiã da natureza Judith Cortesão "... Quem conhece ama, quem ama protege. Uma das descobertas mais

Leia mais

AUTOR(ES): LEONARDO DE LACERDA SILVA, GUTEMBERG FELIPE DE OLIVEIRA, LENNON SANTANA DO NASCIMENTO, WILLIAM CORTEZ ALVES

AUTOR(ES): LEONARDO DE LACERDA SILVA, GUTEMBERG FELIPE DE OLIVEIRA, LENNON SANTANA DO NASCIMENTO, WILLIAM CORTEZ ALVES Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COM GRENN IT CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Leia mais

INTELIGÊNCIA EM GESTÃO DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS. Ronylson Rodrigues Freitas Reciclo Ambiental

INTELIGÊNCIA EM GESTÃO DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS. Ronylson Rodrigues Freitas Reciclo Ambiental INTELIGÊNCIA EM GESTÃO DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS Ronylson Rodrigues Freitas Cenário Atual: A pesquisa Brazil Quarterly PC Tracker, da IDC Brasil, apurou quer foram vendidos 3,86 milhões de computadores

Leia mais

DESCARTE INTELIGENTE 1. OBJETIVO DO SERVIÇO

DESCARTE INTELIGENTE 1. OBJETIVO DO SERVIÇO 1. OBJETIVO DO SERVIÇO A Assistência oferece um serviço de coleta, manejo de resíduos e reciclagem de produtos velhos ou sem condições de uso, além de assessorá-lo na tranformação de seu lar em um lugar

Leia mais

Inventário dos Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos (REEE) no Instituto Federal da Bahia, Campus Salvador: O caso dos computadores.

Inventário dos Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos (REEE) no Instituto Federal da Bahia, Campus Salvador: O caso dos computadores. Inventário dos Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos (REEE) no Instituto Federal da Bahia, Campus Salvador: O caso dos computadores. Rodrigo Cajazeira Gomes 1, Angela Maria Ferreira Lima 2, Armando

Leia mais

SERVIÇOS TECNOLÓGICOS SOLUÇÕES DE COMPUTAÇÃO DISTRIBUIÇÃO (TALLARD) SOLUÇÕES DE AUTOMAÇÕES. 23% (a) 37% (a) 18% (a) 22% (a)

SERVIÇOS TECNOLÓGICOS SOLUÇÕES DE COMPUTAÇÃO DISTRIBUIÇÃO (TALLARD) SOLUÇÕES DE AUTOMAÇÕES. 23% (a) 37% (a) 18% (a) 22% (a) 2010 2 2010 4 SOLUÇÕES DE AUTOMAÇÕES SOLUÇÕES DE COMPUTAÇÃO SERVIÇOS TECNOLÓGICOS DISTRIBUIÇÃO (TALLARD) Automação Bancária Automação Comercial Computação Pessoal Computação Corporativa Instalação e Integração

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA COM A RECURSOS. PARTICIPAÇÃO DE COOPERATIVAS DE CATADORES: A legislação aplicada na prática

LOGÍSTICA REVERSA COM A RECURSOS. PARTICIPAÇÃO DE COOPERATIVAS DE CATADORES: A legislação aplicada na prática LOGÍSTICA REVERSA COM A RECURSOS PARTICIPAÇÃO DE COOPERATIVAS DE CATADORES: A legislação aplicada na prática REALIZAÇÃO Ana Maria Domingues Luz Ambientalista Mestra em Ciência Ambiental PROCAM/USP Presidente

Leia mais

RECICLAGEM DE LIXO ELETRÔNICO: EXPERIÊNCIA NA UFCG CAMPUS DE CAJAZEIRAS

RECICLAGEM DE LIXO ELETRÔNICO: EXPERIÊNCIA NA UFCG CAMPUS DE CAJAZEIRAS RECICLAGEM DE LIXO ELETRÔNICO: EXPERIÊNCIA NA UFCG CAMPUS DE CAJAZEIRAS Edilson Leite da Silva 1 ; Francisca da Silva 2 ; Otoniel Anacleto Estrela Filho 2 Centro de Formação de Professores (CFP) da Universidade

Leia mais

MEIO AMBIENTE PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS. PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015.

MEIO AMBIENTE PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS. PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015. PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE GESTÃO DE BIFENILAS POLICLORADAS PROJETO BRA/08/G32 PNUD Edital 27435/2015 MEIO AMBIENTE Fevereiro/2015 ESTRUTURA DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE Diretoria de Engenharia e Construção

Leia mais

PNRS Política Nacional de Resíduos Sólidos

PNRS Política Nacional de Resíduos Sólidos PNRS Política Nacional de Resíduos Sólidos Logística Reversa dos Equipamentos Eletroeletrônicos 04/05/2016 Ademir Brescansin Gerente de Sustentabilidade ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica

Leia mais

Apresentação Os desafios da PNRS. Outubro de 2015

Apresentação Os desafios da PNRS. Outubro de 2015 Apresentação Os desafios da PNRS Outubro de 2015 Vidro, material naturalmente sustentável Vantagens Ambientais da Embalagem de Vidro 100% reciclável ciclo infinito 1kg de caco gera 1kg de vidro novo, sem

Leia mais

Programa interministerial para produtos eletroeletrônicos ambientalmente corretos

Programa interministerial para produtos eletroeletrônicos ambientalmente corretos Programa interministerial para produtos eletroeletrônicos ambientalmente corretos Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer CTI Ministério da Ciência e Tecnologia MCT Campinas SP - Brasil Sustentabilidade

Leia mais

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE 118 IABAS Relatório de Gestão Rio de Janeiro 2010/2011/2012 Programa de Sustentabilidade nas Unidades de Saúde O Programa de Sustentabilidade promove

Leia mais

RELAÇÕES ÉTICAS E JURÍDICAS IN nº 01/2010

RELAÇÕES ÉTICAS E JURÍDICAS IN nº 01/2010 RELAÇÕES ÉTICAS E JURÍDICAS IN nº 01/2010 CPSUSTENTÁVEIS Definição O que é? Criação de uma política de Contratações Públicas que leve em consideração critérios de sustentabilidade, ou seja, critérios fundamentados

Leia mais

Computadores, Sustentabilidade e Meio Ambiente. Allan da Silva Pinto, 5967791 Felipe Alves da Louza, 5633774 Jeffersson William Teixeira, 5890312

Computadores, Sustentabilidade e Meio Ambiente. Allan da Silva Pinto, 5967791 Felipe Alves da Louza, 5633774 Jeffersson William Teixeira, 5890312 Computadores, Sustentabilidade e Meio Ambiente Allan da Silva Pinto, 5967791 Felipe Alves da Louza, 5633774 Jeffersson William Teixeira, 5890312 Agenda Sustentabilidade TI Verde Consumismo Tecnológico

Leia mais

Gestão de Resíduos da Escola Politécnica da USP. Welson Gonçalves Barbosa Jr.

Gestão de Resíduos da Escola Politécnica da USP. Welson Gonçalves Barbosa Jr. RECICLAGEM E VALORIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Gestão de Resíduos da Escola Politécnica da USP Welson Gonçalves Barbosa Jr. Dados sobre a Escola Politécnica 8 prédios. Mais de 500 professores Quase 500 funcionários

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Reciclar

Mostra de Projetos 2011. Reciclar Mostra de Projetos 2011 Reciclar Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal de Cultura e Turismo

Leia mais

Considerando a necessidade de minimizar os impactos negativos causados ao meio ambiente pelo descarte inadequado de pilhas e baterias;

Considerando a necessidade de minimizar os impactos negativos causados ao meio ambiente pelo descarte inadequado de pilhas e baterias; NOVA RESOLUÇÃO DE PILHAS E BATERIAS Estabelece os limites máximos de chumbo, cádmio e mercúrio para pilhas e baterias comercializadas em território nacional e os critérios e padrões para o seu gerenciamento

Leia mais

O que é o Programa Reciclando Atitudes?

O que é o Programa Reciclando Atitudes? O que é o Programa Reciclando Atitudes? É um programa que visa despertar a reflexão da sociedade para a gestão adequada dos resíduos sólidos, através de ações socioambientais de sensibilização, formação,

Leia mais

LIXO ELETRÔNICO: um risco para todos nós

LIXO ELETRÔNICO: um risco para todos nós APRESENTAÇÃO Você sabia que, se fosse possível juntar todo o lixo eletrônico que o mundo produz anualmente, daria para encher 40 estádios do Maracanã? É uma quantidade imensa de celulares, tevês, câmeras,

Leia mais

Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013

Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013 Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013 Contexto e Desafios Criação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Em ago.2010 o Presidente Lula sancionou a Lei 12.305 que estabelece

Leia mais

Missão. Quem somos: Promover o conceito de Gerenciamento Integrado do Resíduo Sólido Municipal; Promover a reciclagem pós-consumo;

Missão. Quem somos: Promover o conceito de Gerenciamento Integrado do Resíduo Sólido Municipal; Promover a reciclagem pós-consumo; Quem somos: Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo. Missão Promover o conceito de Gerenciamento

Leia mais

Brasília,Ceilândia - DF QNM 28 Módulo B Fone: 3373-1810/7816-0019 www.recicleavida.com.br

Brasília,Ceilândia - DF QNM 28 Módulo B Fone: 3373-1810/7816-0019 www.recicleavida.com.br Brasília,Ceilândia - DF QNM 28 Módulo B Fone: 3373-1810/7816-0019 www.recicleavida.com.br O QUE É A ASSOCIAÇÃO RECICLE A VIDA A Recicle a Vida, é uma Associação de Catadores sem fins lucrativos, de direito

Leia mais

Sustentabilidade. Ricardo Fógos Departamento Comercial de Encomendas

Sustentabilidade. Ricardo Fógos Departamento Comercial de Encomendas Sustentabilidade Oportunidades e Tendências Ricardo Fógos Departamento Comercial de Encomendas Correios 85% do tráfego postal da América Latina Maior ao empregador do Brasil 109 mil empregados Presente

Leia mais

Gestão para a Sustentabilidade no Setor Eletroeletrônico Brasileiro ECODESIGN

Gestão para a Sustentabilidade no Setor Eletroeletrônico Brasileiro ECODESIGN Gestão para a Sustentabilidade no Setor Eletroeletrônico Brasileiro ECODESIGN Daniela Pigosso Engenheira Ambiental Doutoranda em Eng. de Produção EESC/USP Sumário I. Apresentação II. Contextualização I.

Leia mais

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental I COBESA

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental I COBESA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental I COBESA DESCARTE DE BATERIAS DE CELULARES E REGULAMENTAÇÃO CONAMA 257/99 E 263/99: UM ESTUDO COM CONSUMIDORES NUM COMPLEXO DE INDÚSTRIAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

ASCAMPA ASSOCIAÇÃO DE CATADORES E CATADORAS DE MATERIAIS RECICLÁVEIS DA REGIÃO NORTE DE PALMAS TO

ASCAMPA ASSOCIAÇÃO DE CATADORES E CATADORAS DE MATERIAIS RECICLÁVEIS DA REGIÃO NORTE DE PALMAS TO PLANO DE TRABALHO Reciclando Atitudes: Reciclagem e Beneficiamento de Resíduos Sólidos Rumo à Coleta Seletiva Solidaria em Palmas-to Palmas Tocantins 15 de novembro de 2011 Resumo 2.1. Introdução 03 2.2.

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL DO LIXO ELETRÔNICO

GESTÃO SUSTENTÁVEL DO LIXO ELETRÔNICO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X) TECNOLOGIA GESTÃO SUSTENTÁVEL

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DE RESÍDUOS ELETROELETRÔNICOS: o caso CEDIR 12

LOGÍSTICA REVERSA DE RESÍDUOS ELETROELETRÔNICOS: o caso CEDIR 12 LOGÍSTICA REVERSA DE RESÍDUOS ELETROELETRÔNICOS: o caso CEDIR 12 Tomaz del Corso de Assis 3 Nivaldo Tadeu Marcusso 4 RESUMO A criação e desenvolvimento de novas tecnologias vêm tornando possível o lançamento

Leia mais

Mensagem do Presidente

Mensagem do Presidente Mensagem do Presidente A PISOAG DO BRASIL está no mercado desde 1980, atuando com empresas nacionais e internacionais dos mais diversos segmentos, com qualidade, tecnologia e o elevado padrão de responsabilidade

Leia mais

HISTÓRIA DO APL. Surgimento do APL - Criado em novembro de 2007. Entidades que apoiaram a criação Sebrae/DF; Unb/Lacis; Sebrae/NA; FIBRA/DF; NE/DF

HISTÓRIA DO APL. Surgimento do APL - Criado em novembro de 2007. Entidades que apoiaram a criação Sebrae/DF; Unb/Lacis; Sebrae/NA; FIBRA/DF; NE/DF HISTÓRIA DO APL Surgimento do APL - Criado em novembro de 2007 Entidades que apoiaram a criação Sebrae/DF; Unb/Lacis; Sebrae/NA; FIBRA/DF; NE/DF Instituições do setor produtivo que constituiu o APL ASCOLES;CENTCOOP

Leia mais

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento Marcos Legais Definiu que as obras, serviços, compras e alienações da Administração devem ser, em regra, precedidas de licitação.

Leia mais

DEFINIÇÕES. Pilha: gerador eletroquímico de energia elétrica, mediante conversão geralmente irreversível de energia química (NBR 7039/87);

DEFINIÇÕES. Pilha: gerador eletroquímico de energia elétrica, mediante conversão geralmente irreversível de energia química (NBR 7039/87); DEFINIÇÕES Pilha: gerador eletroquímico de energia elétrica, mediante conversão geralmente irreversível de energia química (NBR 7039/87); Bateria: conjunto de pilhas ou acumuladores recarregáveis interligados

Leia mais

COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA

COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA O órgão público federal que aderiu ao Projeto Esplanada Sustentável PES, será considerado sustentável no tema Coleta Seletiva Solidária (Decreto 5.940/06), se alcançar 90% das

Leia mais

Descrição do serviço: Serviços de recuperação de activos ProManage Dell Reciclagem de activos de TI

Descrição do serviço: Serviços de recuperação de activos ProManage Dell Reciclagem de activos de TI Dell Serviços Descrição do serviço: Serviços de recuperação de activos ProManage Dell Reciclagem de activos de TI Apresentação dos serviços A Dell tem o prazer de fornecer os Serviços de recuperação de

Leia mais

ABINEE TEC 2007. Diretivas RoHS e WEEE

ABINEE TEC 2007. Diretivas RoHS e WEEE ABINEE TEC 2007 Diretivas RoHS e WEEE Restrição ao uso de substâncias perigosas RoHS - Restriction of Harzadous Substances: Diretiva 2002/95/EC da União Européia de 27/01/2003, restringe certas substâncias

Leia mais

Anexo VI. Formulário de avaliação semestral CADASTRO

Anexo VI. Formulário de avaliação semestral CADASTRO Anexo VI Formulário de avaliação semestral CADASTRO 1. Informação do Programa Coleta Seletiva Solidária 1.1 Data de criação da comissão: 1.2 Data da assinatura do Termo de Compromisso: 1.3 Data de implantação

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO: Experiência da Cooperativa Reviver Itatiba/SP. Geraldo José Virginio e Denis Fumagalli Rafael Henrique Siqueira e Roger Koppel

GESTÃO DA PRODUÇÃO: Experiência da Cooperativa Reviver Itatiba/SP. Geraldo José Virginio e Denis Fumagalli Rafael Henrique Siqueira e Roger Koppel GESTÃO DA PRODUÇÃO: Experiência da Cooperativa Reviver Itatiba/SP Geraldo José Virginio e Denis Fumagalli Rafael Henrique Siqueira e Roger Koppel Município de Itatiba SP Região metropolitana de Campinas

Leia mais

RESÍDUOS ELETRÔNICOS: PROJETO PILOTO PARA O DESCARTE CORRETO

RESÍDUOS ELETRÔNICOS: PROJETO PILOTO PARA O DESCARTE CORRETO 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X) TECNOLOGIA RESÍDUOS ELETRÔNICOS: PROJETO

Leia mais

Mercado de Reuso: Tendências, Barreiras e

Mercado de Reuso: Tendências, Barreiras e Final de Vida dos Produtos, Remanufatura e Mercado de Reuso: Tendências, Barreiras e Desafios em um Estudo de Caso (UFSC) - marinabouzon@gmail.com Cristina L. Cardozo - crisl.cardoso@hotmail.com Carlos

Leia mais