Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE"

Transcrição

1 Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1

2 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços de limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos. Sua missão é promover o desenvolvimento técnicooperacional do setor, dentro dos princípios da preservação ambiental e desenvolvimento sustentável. AÇÕES: Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil; Membro Nacional da ISWA International Solid Waste Association; Revista Conexão Academia; Prêmio ABRELPE de Reportagem; Prêmio Eco-Cidade

3 PANORAMA2010 Geração de RSU (t/ano) Coleta de RSU (t/ano) Geração de RSU (per capita) Kg/hab/ano 378,4 Destinação de RSU (t/ano) Iniciativas em Coleta Seletiva

4 Conformidade na Gestão de Resíduos ATENDIMENTO À LEI / PNRS POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ENCAMINHAR PARA ATERRO APENAS OS REJEITOS, IMPLEMENTAR A LOGISTICA REVERSA... ATENDIMENTO À LEI /06 PERS/SP

5 PNRS Resíduo sólido é todo material, substância, objeto ou bem descartado resultante de atividades humanas em sociedade, a cuja destinação final se procede, se propõe proceder ou se está obrigado a proceder, nos estados sólido ou semissólido, bem como gases contidos em recipientes e líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou em corpos d água, ou exijam para isso soluções técnica ou economicamente inviáveis em face da melhor tecnologia disponível.

6 PNRS Rejeito: resíduos sólidos que, depois de esgotadas todas as possibilidades de tratamento e recuperação por processos tecnológicos disponíveis e economicamente viáveis, não apresentem outra possibilidade que não a disposição final ambientalmente adequada. PNRS = duas classes de resíduos: resíduos sólidos x rejeitos

7 PNRS Logística Reversa: instrumento pelo qual deverão ser implementadas ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou para que os mesmos sejam encaminhados para uma destinação final ambientalmente adequada.

8 PNRS Princípio da hierarquia na gestão: ordem de prioridade de ações, que deve ser aplicada na gestão e no gerenciamento de resíduos sólidos, iniciando-se com a não geração e passando ordenadamente pelas ações seguintes, a saber, redução, reutilização, reciclagem, tratamento dos resíduos sólidos e disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos.

9 Lixo Eletrônico O QUE É LIXO ELETROELETRÔNICO? Quando falamos de lixo eletrônico, a maioria das pessoas imaginam se tratar apenas de Produtos de informática. Todo produto que utiliza energia elétrica ou de acumuladores como fonte de alimentação e se torna obsoleto é considerado LIXO ELETRÔNICO REE. Seja de uso industrial,doméstico, comercial e de serviços.

10 Panorama Mundial do Lixo Eletrônico União Européia milhões de eletrodomésticos 48 milhões de PCs e Notebooks 9,7 milhões de toneladas de lixo eletrônico Estados Unidos milhões de TVs e monitores 24 milhões de PCs 139 milhões de aparelhos de comunicação (celular, pager, modem, etc) China milhões de PCs 48 milhões de TVs 20 milhões de refrigeradores

11 Panorama Mundial do Lixo Eletrônico Holanda coletados 57 milhões/kg de REEE, o equivalente a 3,6 kg por pessoa por ano. Suíça: coletados t de REEE, o equivalente a 5,1 kg por pessoa/ano em Noruega: coletados telefones móveis em No mesmo ano foram vendidas 1,5 milhões de unidades.

12 Panorama Mundial do Lixo Eletrônico ONU Lixo eletrônico = 70% dos metais pesados em aterros. 40 milhões de toneladas de lixo eletrônico acumulado no mundo - 80% acabam em países em desenvolvimento

13 Panorama Brasil do Lixo Eletrônico Passivo EEE Brasil 2005 (ONU) PCs Ton. Celulares Ton. TVs 1.1 milhao/ton. Refrigeradores 1,15 milhao/ton. REEE no Brasil*: t/ano; Geração per capita de REEE** ( ) = 3,4 kg/hab/ano; Projeção de acúmulo de REEE** ( ) = 22 milhões/t. **telefones celulares e fixos, televisores, computadores, rádios, máquinas de lavar roupa, geladeiras e freezers. * Fonte: Diagnóstico da Geração de Resíduos Eletroeletrônicos FEAM/MG jun2009

14 Panorama Brasil do Lixo Eletrônico

15 Panorama do Lixo Eletrônico Estimativa de vida útil e peso de alguns EEE Equipamento Vida útil em anos Peso (kg) PC + monitor Laptop Impressora 5 8 Telefone móvel 4 0,1 TV 8 30 Refrigerador 10 45

16 PERICULOSIDADE DOS COMPONENTES DOS REE Um EE moderno combina vários elementos químicos que foram unidos para formar um produto de imensa utilidade para a humanidade. No entanto, muitas peças contêm metais pesados e outras substâncias tóxicas. Em partes de um EEE podemos encontrar: No monitor: Chumbo,Cádmio, Mercúrio e outros metais Nas placas de circuito impresso: Cromo, Níquel, Prata, Ouro, Berílio, Chumbo Nas pilhas e baterias: Lítio, Cádmio, Manganês, Mercúrio, Chumbo Em alguns plásticos: retardante de chama

17 A disposição final inadequada desses resíduos pode causar danos significativos ao solo, ar e água e riscos a saúde da população. Uma vez que nosso organismo entra em contato com a água ou alimento contaminado, ele bioacumula, os metais pesados, os quais podem causar uma série de efeitos biológicos. Esta bioacumulação não só ocorre em humanos, mas em todos os seres vivos, por exemplo: plantas, frutos, animais aquáticos.

18

19 Benefícios do Sistema de Logística Reversa Diminui a quantidade de resíduos encaminhados para aterros; Estimula o uso eficiente dos recursos naturais; Reduz as obrigações físicas e financeiras dos municípios para com a gestão de determinados resíduos; Desenvolve os processos de reutilização, reciclagem e recuperação de produtos e materiais; Promove processos de Produção mais Limpa (P+L);

20 Benefícios do Sistema de Logística Reversa Incrementa a conscientização da sociedade; Viabiliza ações de responsabilidade socioambiental; Promove inclusão social com dignidade, segurança e profissionalismo; Maximiza oportunidades de negócios e os resultados; Permite a internalização do custo diretamente nos produtos no lugar do rateio social ; Melhora as condições ambientais através de uma gestão mais eficiente de resíduos.

21 Objetivos: Evitar a destinação irregular C Consumo D Disposição Evitar que o resíduos ingressem no sistema municipal C Consumo Sistema de Gestão Municipal D Disposição Maximizar o ciclo de retorno Max C Consumo Sistema de Gestão De Resíduos (hierarquia) Min D Disposição

22 CONSUMIDOR ECOPONTO INDUSTRIA Reciclagem Residuo CENTRO DE CONSOLIDAÇÃO E TRIAGEM Tratamento Planta de Manufatura Reversa

23 INFRA-ESTRUTURA E AÇÕES CARTILHA ECOPONTOS GIRO NAS ESCOLAS DIVULGAÇÃO NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO GESTÃO DOS RESÍDUOS COLETA TRANSPORTE MANUFATURA REVERSA CERTIFICADO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL

24 Cartilha

25

26

27

28

29

30

31

32

33

34 Materiais Gerados no Processo Desmontagem e classificação Placas Metais Plásticos - diversos Placas

35 Materiais Gerados no Processo Reciclagem de Plásticos

36 CAMPANHA NATAL RESPONSÁVEL Uma parceria:

37 OBRIGADO! Carlos R V Silva

V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL. Carlos Afonso Instituto de Química. Universidade Federal do Rio de Janeiro

V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL. Carlos Afonso Instituto de Química. Universidade Federal do Rio de Janeiro V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICAP Impactos SócioS cio-ambientais do LIXO ELETROELETRÔNICO Prof. Júlio J Carlos Afonso Instituto de Química Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasília,

Leia mais

1º SEMINÁRIO DA AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO

1º SEMINÁRIO DA AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO 1º SEMINÁRIO DA AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO Gestão de resíduos sólidos impactos ambientais negativos BASE LEGAL 1/2 Lei 11.107/05 - Consórcios Públicos

Leia mais

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas Odair Luiz Segantini ABRELPE Introdução A ABRELPE ABRELPE Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, fundada

Leia mais

Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo. Ariovaldo Caodaglio

Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo. Ariovaldo Caodaglio Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo Ariovaldo Caodaglio Município de São Paulo DADOS DEMOGRÁFICOS População (2010) 11.253.503 Densidade demográfica (hab./km²) 7.387,69 Território (Km²) 1.521,101

Leia mais

LEI Nº 1.709 DE 08 DE MAIO DE 2013

LEI Nº 1.709 DE 08 DE MAIO DE 2013 LEI Nº 1.709 DE 08 DE MAIO DE 2013 INSTITUI O PROJETO "DESTINO CERTO AO LIXO ELETRÔNICO DE FAGUNDES VARELA". JEAN FERNANDO SOTTILI, Prefeito Municipal de Fagundes Varela, no uso das atribuições que me

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 496/2010 Dispõe sobre a destinação final ambientalmente adequada de resíduos sólidos produzidos p o r c e n t r o s c o m e r c i a i s denominados shoppings centers e similares, e dá

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor Resíduos Domiciliares Resíduos da Construção Civil Resíduos de escritórios Pneus queimados Resíduos de madeira Resíduos de fibra de vidro Resíduos

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Geraldo Antônio Reichert Coordenador da Câmara Temática de Resíduos Sólidos ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor Gestão de Resíduos Sólidos ( São Paulo ) Lei 997/76 e regulamento: Dec. 8468/76 Foco: Comando e Controle Resíduos Disposição Final Disposição inadequada

Leia mais

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU copyright A criatividade com visão de longo prazo Planejamento da Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos 27/08/2015 1 SUMÁRIO 1 ENQUADRAMENTO LEGAL 2 PLANO DE GESTÃO INTEGRADA

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

Modelagem da Logística Reversa dos Resíduos Eletroeletrônicos

Modelagem da Logística Reversa dos Resíduos Eletroeletrônicos DISCLAIMER: O conteúdo apresentado neste documento encontra-se em construção pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) em parceria com o Grupo de Trabalho Temático Resíduos de Equipamentos

Leia mais

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO 1. TÍTULO DO PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA Elaboração de estudo de viabilidade técnica e econômica da implantação da logística reversa para resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE) 2. JUSTIFICATIVA

Leia mais

GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS

GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS Prof. Hugo M. Veit Laboratório de Corrosão, Proteção e Reciclagem de Materiais Escola de Engenharia Universidade Federal do Rio Grande do Sul O QUE PODE

Leia mais

A Solução de Reciclagem de Residuos de Eletrônicos da USP Perspectiva CEDIR & LASSU

A Solução de Reciclagem de Residuos de Eletrônicos da USP Perspectiva CEDIR & LASSU A Solução de Reciclagem de Residuos de Eletrônicos da USP Perspectiva CEDIR & LASSU Tereza Cristina M. B. Carvalho Coordenadora Geral CEDIR e LASSU/PCS/EPUSP Assessora de Projetos Especiais CTI -USP terezacarvalho@usp.br

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

Os aspectos ambientais dos resíduos eletrônicos E-LIXO

Os aspectos ambientais dos resíduos eletrônicos E-LIXO Os aspectos ambientais dos resíduos eletrônicos E-LIXO Junho de 2009 Realidade Atual População Desenvolvimento Tecnológico Demanda de bens de consumo Aumento da demanda de produtos descartáveis aumento

Leia mais

PROJETO CIÊNCIA VERDE: Unindo Tecnologia, Ambiente e Sociedade

PROJETO CIÊNCIA VERDE: Unindo Tecnologia, Ambiente e Sociedade PROJETO CIÊNCIA VERDE: Unindo Tecnologia, Ambiente e Sociedade 1 IDENTIFICAÇÃO: PROJETO DE EXTENSÃO 1.1 Título da Atividade: Coleta do Lixo Eletrônico 1.1.1 Meios de Divulgação: Mídia local, redes sociais,

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Porto Alegre RS

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Porto Alegre RS Política Nacional de Resíduos Sólidos Porto Alegre RS Data: 04 Julho 2015 Apresentação PNRS: Atores e obrigações Panorama Geral: Implementação da PNRS no Brasil Pesquisa CNM (2015) Sanções PNRS PNRS PNRS

Leia mais

Política Estadual de Resíduos Sólidos: Ações em Logística Reversa

Política Estadual de Resíduos Sólidos: Ações em Logística Reversa Conselho Regional de Química IV Região~- São Paulo, 23/09/2014 Política Estadual de Resíduos Sólidos: Ações em Logística Reversa Eng Flávio de Miranda Ribeiro Assistente Executivo da Vice-Presidência da

Leia mais

4/10/2013. Sorocaba SP Parque Tecnológico. Sorocaba SP - Ciclovias. Sumário. Seminário Brasil-Japão Reciclagem de Resíduos Eletroeletrônicos

4/10/2013. Sorocaba SP Parque Tecnológico. Sorocaba SP - Ciclovias. Sumário. Seminário Brasil-Japão Reciclagem de Resíduos Eletroeletrônicos Sumário -SP Coleta Seletiva de Seminário Brasil-Japão Reciclagem de - Parceria Gislaine Vilas Boas PREFEITURA DE SOROCABA - SP Brasília, março 2013 - SP - SP Localizada a 100 km da capital paulista, com

Leia mais

A mudança cultural de um país, acontece por meio da educação.

A mudança cultural de um país, acontece por meio da educação. A mudança cultural de um país, acontece por meio da educação. RECICLAGEM & SUSTENTABILIDADE Não existe prosperidade em lugar sujo. O Mundo Ficou Pequeno de Mais Para Tanto Lixo Como atingir a sustentabilidade

Leia mais

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e logística reversa Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Relatório da Pesquisa Pagamento por Serviços Ambientais

Leia mais

POR UMA TI MAIS VERDE. e sustentabilidade. especial: energia

POR UMA TI MAIS VERDE. e sustentabilidade. especial: energia especial: energia e sustentabilidade POR UMA TI MAIS VERDE Depois da escalada tecnológica ocorrida nas últimas décadas, as atenções se voltam cada vez mais para os impactos ambientais do uso de TI. Duas

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Uma Mudança

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Cenário brasileiro de resíduos sólidos Aumento da: População nas cidades 50% mundial 85% Brasil (IBGE, 2010).

Leia mais

DIRETORIA TI RIO. Presidente Benito Paret

DIRETORIA TI RIO. Presidente Benito Paret DIRETORIA TI RIO Presidente Benito Paret Diretoria Bruno Salgado Custodio Rodrigues Henrique Faulhaber Barbosa Kauê Silva Ladmir da Penha Carvalho Luiz Bursztyn Pablo Braga Conselheiro Fiscal Titular Giosafatte

Leia mais

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Fabíola Ortiz - 28/02/13 Potencial de produção de energia vinda dos aterros pode dobrar em 20 anos, se a lei de resíduos sólidos for cumprida.

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

C a m p a n h a I n s t I t u C I o n a l

C a m p a n h a I n s t I t u C I o n a l Viva Melhor! Campanha Institucional CAMPANHA VIVA MELHOR! Camisetas garrafa squeeze saco lixo para carro FOLHETO PROMOCIONAL CAMPANHA Viva Melhor! JUNTOS, PODEMOS CONSTRUIR UM CAMINHO MAIS SOLIDÁRIO E

Leia mais

A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS.

A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Eng.ª Andressa Brandalise Unidade de Assessoria e Inovação Ambiental A legislação

Leia mais

Capa LIXO ELETROELETRÔNICO

Capa LIXO ELETROELETRÔNICO Capa LIXO ELETROELETRÔNICO Eis um assunto que há vários anos vem ganhando cada vez mais espaço na mídia e na literatura científica. Nos últimos 10 anos mais de 3 mil trabalhos sobre impactos ambientais

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo.

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: CONSUMO CONSCIENTE DE ENERGIA DISPOSIÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: CONSUMO CONSCIENTE DE ENERGIA DISPOSIÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: CONSUMO CONSCIENTE DE ENERGIA DISPOSIÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS Abril/2015 Fazer obras e serviços para transmissão, distribuição e uso de energia. Contribuir para o bem

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo

Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo RIBEIRO, F.M. a, *; KRUGLIANSKAS, I. b a- CETESB- Companhia Ambiental do Estado de São Paulo b- FEA-USP Faculdade

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB

CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB RESUMO SILVA¹, Adelmo Faustino da ; RODRIGUES, Andreza Alves Guimarães; CAMPELO,

Leia mais

Alex Luiz Pereira. www.coopermiti.com.br

Alex Luiz Pereira. www.coopermiti.com.br Alex Luiz Pereira www.coopermiti.com.br Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrônicos (REEE) Chumbo provavelmente, o elemento químico mais perigoso; acumulam-se nos ossos, cabelos, unhas, cérebro, fígado

Leia mais

O que é o Programa Reciclando Atitudes?

O que é o Programa Reciclando Atitudes? O que é o Programa Reciclando Atitudes? É um programa que visa despertar a reflexão da sociedade para a gestão adequada dos resíduos sólidos, através de ações socioambientais de sensibilização, formação,

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013.

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013. ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013. Institui a Política de Responsabilidade Socioambiental do Senado Federal. A COMISSÃO DIRETORA DO SENADO FEDERAL, no uso da competência que lhe foi conferida pelo

Leia mais

POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ

POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ JBRJ POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ Victor Zveibil Superintendente de Políticas de Saneamento SUPS/SEA outubro de 2013 O PACTO PELO SANEAMENTO - decreto estadual 42.930/11 SUBPROGRAMA

Leia mais

2 Encontro de Lideranças para Sustentabilidade Territorial de Influência de ITAIPU Binacional e Yacyretá. Política Nacional de Resíduos Sólidos

2 Encontro de Lideranças para Sustentabilidade Territorial de Influência de ITAIPU Binacional e Yacyretá. Política Nacional de Resíduos Sólidos 2 Encontro de Lideranças para Sustentabilidade Territorial de Influência de ITAIPU Binacional e Yacyretá. Política Nacional de Resíduos Sólidos Foz do Iguaçu, 17 de novembro de 2010 Desafios: A produção

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP LEI Nº 11.445/2007 LEI Nº 12.305/2010 1. OBJETIVOS - Realizar diagnósticos; - Elaborar propostas de intervenções; - Definir

Leia mais

III-206 RECURSOS NATURAIS E RESÍDUOS TECNOLÓGICOS: ANÁLISE DO CONSUMO PARA FABRICAÇÃO DE ELETROELETRÔNICOS (ESTUDO DE CASO)

III-206 RECURSOS NATURAIS E RESÍDUOS TECNOLÓGICOS: ANÁLISE DO CONSUMO PARA FABRICAÇÃO DE ELETROELETRÔNICOS (ESTUDO DE CASO) III-206 RECURSOS NATURAIS E RESÍDUOS TECNOLÓGICOS: ANÁLISE DO CONSUMO PARA FABRICAÇÃO DE ELETROELETRÔNICOS (ESTUDO DE CASO) Leandro Viana dos Santos (1) Engenheiro Ambiental pela Universidade Federal do

Leia mais

A Reciclagem Inteligente

A Reciclagem Inteligente A ReciSmart A ReciSmart é uma empresa certificada na Reciclagem de Equipamentos Informáticos e que através de uma reciclagem sustentável e inteligente contribui para a preservação do meio ambiente. Integrados

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 TRAMITAÇÃO DA PNRS 1989 Projeto de Lei Nº N 354/89 do Senado 1991 Projeto de Lei Nº N 203/91

Leia mais

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS setembro 2013 As proposições elencadas neste documento originam-se

Leia mais

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015.

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. CONTEÚDO 1. Políticas e Planos de Saneamento Básico e de Resíduos

Leia mais

Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA. jscolforo@ufla.br

Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA. jscolforo@ufla.br Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA jscolforo@ufla.br Câmpus da UFLA em 2015 Discentes graduação:11.607 Discentes pós-graduação: 2.184 Técnicos: 563 Docentes: 603

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÂO

RESULTADOS E DISCUSSÂO LIXO ELETRÔNICO - WIKI E-LIXO Origens e reaproveitamento Marcos Felipe Friske dos Santos 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO Este projeto surgiu com o intuito de dar uma nova função às máquinas caça-níqueis

Leia mais

Rio de Janeiro (RJ), 31 de Agosto de 2012. Heverthon Jeronimo da Rocha Gerente Técnico de Meio Ambienta - URBANA

Rio de Janeiro (RJ), 31 de Agosto de 2012. Heverthon Jeronimo da Rocha Gerente Técnico de Meio Ambienta - URBANA Rio de Janeiro (RJ), 31 de Agosto de 2012. Heverthon Jeronimo da Rocha Gerente Técnico de Meio Ambienta - URBANA Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos do Município de Natal Área 170,298

Leia mais

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular Ivanise Gomes O que é Sustentabilidade? Prática de atividades economicamente viáveis, socialmente justas e ecologicamente corretas

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental I COBESA

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental I COBESA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental I COBESA DESCARTE DE BATERIAS DE CELULARES E REGULAMENTAÇÃO CONAMA 257/99 E 263/99: UM ESTUDO COM CONSUMIDORES NUM COMPLEXO DE INDÚSTRIAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

Gestão de Resíduos da Escola Politécnica da USP. Welson Gonçalves Barbosa Jr.

Gestão de Resíduos da Escola Politécnica da USP. Welson Gonçalves Barbosa Jr. RECICLAGEM E VALORIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Gestão de Resíduos da Escola Politécnica da USP Welson Gonçalves Barbosa Jr. Dados sobre a Escola Politécnica 8 prédios. Mais de 500 professores Quase 500 funcionários

Leia mais

POTENCIAL ECONÔMICO NA RECUPERAÇÃO DOS METAIS CONTIDOS NAS PLACAS DE CIRCUITOS INTEGRADOS NO BRASIL

POTENCIAL ECONÔMICO NA RECUPERAÇÃO DOS METAIS CONTIDOS NAS PLACAS DE CIRCUITOS INTEGRADOS NO BRASIL Salvador/BA 25 a 28/11/2013 POTENCIAL ECONÔMICO NA RECUPERAÇÃO DOS METAIS CONTIDOS NAS PLACAS DE CIRCUITOS INTEGRADOS NO BRASIL Renato de Castro Vivas (*), Flávio Pietrobon Costa *Universidade Estadual

Leia mais

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar Gizelma de A. Simões Rodrigues SBS Hospital Sírio Libanês Instituição Filantrópica de saúde, ensino e pesquisa. Hospital de alta complexidade Matriz 172.000 m² 5.900

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

Avaliação do Desenvolvimento do Projeto PET-Geologia Recicla

Avaliação do Desenvolvimento do Projeto PET-Geologia Recicla Avaliação do Desenvolvimento do Projeto PET-Geologia Recicla Maurício Brito de Sousa¹, Diogo Isamu de Almeida Okuno¹, Estefânia Fernandes Lopes¹, Flavio Rafael Cogo Ramos¹, Mariana de Assunção Rodrigues¹,

Leia mais

RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELETRO- ELETRÔNICOS (REEE)

RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELETRO- ELETRÔNICOS (REEE) RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELETRO- ELETRÔNICOS (REEE) Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório Laboratório de Reciclagem, Tratamento de Resíduos e Metalurgia Extrativa Departamento de Engenharia

Leia mais

Oficina prática sobre desmontagem de computadores e os aspectos tecnológicos e financeiros a considerar na reciclagem

Oficina prática sobre desmontagem de computadores e os aspectos tecnológicos e financeiros a considerar na reciclagem Oficina prática sobre desmontagem de computadores e os aspectos tecnológicos e financeiros a considerar na reciclagem I Seminário Estadual em Gestão de Resíduos Tecnológicos Fortaleza 16 Junho 2009 Projeto

Leia mais

Crédito Imobiliário do HSBC apresenta: Sustentabilidade em Casa

Crédito Imobiliário do HSBC apresenta: Sustentabilidade em Casa Crédito Imobiliário do HSBC apresenta: Sustentabilidade em Casa Seja bem-vindo ao Guia Sustentabilidade em Casa do HSBC. O Guia Sustentabilidade em Casa é uma iniciativa do Crédito Imobiliário do HSBC

Leia mais

Manejo de Resíduos Sólidos no Polo Gesseiro do Araripe. Prof.ª Dr.ª Sayonara M. M. Pinheiro DEC/UFES

Manejo de Resíduos Sólidos no Polo Gesseiro do Araripe. Prof.ª Dr.ª Sayonara M. M. Pinheiro DEC/UFES Manejo de Resíduos Sólidos no Polo Gesseiro do Araripe Prof.ª Dr.ª Sayonara M. M. Pinheiro DEC/UFES Conteúdo Introdução Polo Gesseiro Implantação do Reciclagem do Gesso Considerações Finais Introdução

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DA P.N.R.S.? Engo. Eleusis Di Creddo Gerente de Meio Ambiente e Destinação Final SOLVI PARTICIPAÇÕES S.A. ecreddo@solvi.com Realização:

Leia mais

Áreas de Atuação SERVIÇOS TECNOLÓGICOS SOLUÇÕES DE AUTOMAÇÃO SOLUÇÕES DE COMPUTAÇÃO

Áreas de Atuação SERVIÇOS TECNOLÓGICOS SOLUÇÕES DE AUTOMAÇÃO SOLUÇÕES DE COMPUTAÇÃO A experiência da Itautec na Reciclagem de Equipamentos Eletroeletrônicos VII Seminário de Resíduos - Recicle CEMPRE XIII FIMAI Feira Internacional de Meio Ambiente Industrial e Sustentabilidade Novembro

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM)

A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM) A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM) Sistema de Gestão de Requisitos para Substâncias Perigosas em Produtos e Componentes Elétricos e Eletrônicos Abril de 2011 Objetivo Capacitação

Leia mais

: 011 - GESTÃO PÚBLICA DA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE E SANEAMENTO BÁSICO JUSTIFICATIVA: A

: 011 - GESTÃO PÚBLICA DA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE E SANEAMENTO BÁSICO JUSTIFICATIVA: A Indicadores do Programa Unidade de Medida Índice recente LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - ANEXO III - METAS E PRIORIDADES PROGRAMA: 011 - GESTÃO PÚBLICA DA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE E SANEAMENTO

Leia mais

Trasix Soluções Ambientais

Trasix Soluções Ambientais A Empresa A Empresa A Trasix Soluções Ambientais surge da união de grandes expertises das empresas Trimap Business Management, especializada em representação de marcas estrangeiras para a comercialização

Leia mais

PNRS Política Nacional de Resíduos Sólidos

PNRS Política Nacional de Resíduos Sólidos PNRS Política Nacional de Resíduos Sólidos Logística Reversa dos Equipamentos Eletroeletrônicos 04/05/2016 Ademir Brescansin Gerente de Sustentabilidade ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica

Leia mais

PESQUISA SOBRE AS PRÁTICAS DAS EMPRESAS DO PORTO DIGITAL

PESQUISA SOBRE AS PRÁTICAS DAS EMPRESAS DO PORTO DIGITAL PESQUISA SOBRE AS PRÁTICAS DAS EMPRESAS DO PORTO DIGITAL Recife, abril 2011. APRESENTAÇÃO O presente relatório é o resultado da pesquisa sobre as práticas das empresas do Porto Digital, previsto no Contrato

Leia mais

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011 Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP Florianópolis, 03 setembro de 2011 Missão Prestar serviços públicos p de saneamento ambiental com eficiência, qualidade e responsabilidade social. COMCAP

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014.

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Rio de Janeiro, 24 de junho de 2014. Of. Circ. Nº 212/14 Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Senhor Presidente, Fazendo referência à Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18

Leia mais

Eixo Temático ET-10-006 - Direito Ambiental GESTÃO DO LIXO ELETRÔNICO NO BRASIL: ASPECTOS LEGISLATIVOS E DESTINAÇÃO ADEQUADA

Eixo Temático ET-10-006 - Direito Ambiental GESTÃO DO LIXO ELETRÔNICO NO BRASIL: ASPECTOS LEGISLATIVOS E DESTINAÇÃO ADEQUADA 448 Eixo Temático ET-10-006 - Direito Ambiental GESTÃO DO LIXO ELETRÔNICO NO BRASIL: ASPECTOS LEGISLATIVOS E DESTINAÇÃO ADEQUADA Luiz Freitas de Oliveira¹; Ramon Leonn Victor Medeiros²; Joselito Eulâmpio

Leia mais

Mostra de Projetos 2011

Mostra de Projetos 2011 Mostra de Projetos 2011 ESTUDO DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE UM PROJETO DE RECICLAGEM NA ÁREA DA INFORMÁTICA UMA DISCUSSÃO SOBRE O LIXO ELETRÔNICO NO MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON, PR. Mostra

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

DO PROGRAMA. Tem como objetivo gerenciar a coleta seletiva e valorizar a atividade do Catador (a) como agente de transformação ambiental.

DO PROGRAMA. Tem como objetivo gerenciar a coleta seletiva e valorizar a atividade do Catador (a) como agente de transformação ambiental. PROGRAMA DO PROGRAMA O Programa ECO RECICLA é uma iniciativa da OSCIP Ecolmeia em parceria com Cooperativas de Reciclagem, seus cooperados e Setores da Sociedade. Tem como objetivo gerenciar a coleta seletiva

Leia mais

A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a questão dos Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Rio de Janeiro. Quanto à origem Sujeitos à lei

A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a questão dos Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Rio de Janeiro. Quanto à origem Sujeitos à lei A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a questão dos Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Rio de Janeiro. A política Nacional de resíduos sólidos é muito importante na história do gerenciamento de

Leia mais

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto.

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. REDUZIR REUTILIZAR RECUPERAR RECICLAR A redução deve ser adaptada por

Leia mais

Resíduos Sólidos. Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos

Resíduos Sólidos. Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos 1 Diagnóstico regional Geração média resíduos na região: 1,0 kg/hab/dia Média nacional: 1,1 kg/hab/dia Alta temporada: acréscimo estimado em 54% do total gerado

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

Carlos R V Silva Filho ABRELPE. agosto/2010

Carlos R V Silva Filho ABRELPE. agosto/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos: As mudanças que influenciarão o dia a dia das empresas Carlos R V Silva Filho ABRELPE agosto/2010 2 Resíduos Sólidos Urbanos: Situação 3 Quantidade de RSU gerados

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

Do lixo ao valor. O caminho da Logística Reversa

Do lixo ao valor. O caminho da Logística Reversa Do lixo ao valor O caminho da Logística Reversa O problema do lixo A sociedade, hoje, vive com um grande desafio: o lixo. Calcula-se que, por dia, no Brasil, são gerados 1 Kg de resíduos por habitante.

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MARCO LEGAL Diálogo do Governo Federal com Sociedade Civil (Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis MNCR). Código Brasileiro de Ocupações - 2002 Reconhecimento a Categoria profissional

Leia mais

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Flávio Luiz de Azevedo BRAYNER Paulo Gustavo Sabino RAMOS Patrícia Verônica de Azevedo BRAYNER Resumo: Atualmente a Tecnologia da Informação

Leia mais

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Introdução O Plano Nacional de Resíduos Sólidos é um

Leia mais

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR CONFERÊNCIA WASTE TO ENERGY 2014 MARILIA TISSOT DIRETORA EXECUTIVA VIABILIDADE

Leia mais

Jardim Escola Aladdin

Jardim Escola Aladdin Jardim Escola Aladdin Os 4 Rs da Sustentabilidade Rio de janeiro 2016 Objetivo geral Esse projeto tem como objetivo promover o envolvimento dos alunos, professores, pais e comunidade em defesa à sustentabilidade

Leia mais

José Cláudio Junqueira Ribeiro. Belo Horizonte, abril de 2010

José Cláudio Junqueira Ribeiro. Belo Horizonte, abril de 2010 LEI Nº18.031 N DE 12/01/2009 POLÍTICA ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS José Cláudio Junqueira Ribeiro Belo Horizonte, abril de 2010 Gestão de resíduos sólidoss Compreende o conjunto de ações sob responsabilidade

Leia mais

MMA. D i r e t o r a d e A m b i e n t e U r b a n o S e c r e t a r i a d e Re c u r s o s H í d r i c o s e M e i o U r b a n o

MMA. D i r e t o r a d e A m b i e n t e U r b a n o S e c r e t a r i a d e Re c u r s o s H í d r i c o s e M e i o U r b a n o M INISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Zilda Maria Fa ria Veloso D i r e t o r a d e A m b i e n t e U r b a n o S e c r e t a r i a d e Re c u r s o s H í d r i c o s e M e i o U r b a n o POLÍTICA NACIONAL

Leia mais

Engenharia e Meio Ambiente

Engenharia e Meio Ambiente Engenharia e Meio Ambiente 1. ECOLOGIA 2. MEIO AMBIENTE 3. HABITAT E NICHO ECOLÓGICO 4. POTENCIAL BIÓTICO 5. RESISTÊNCIA AMBIENTAL 6. PEGADA ECOLÓGICA O QUE É ECOLOGIA? 1. Ciência que estuda as relações

Leia mais

Política Estadual de Resíduos Sólidos: Panorama Geral e Desafios da Logística Reversa -As ações do governo do Estado de São Paulo-

Política Estadual de Resíduos Sólidos: Panorama Geral e Desafios da Logística Reversa -As ações do governo do Estado de São Paulo- Apresentação para a ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 26 de abril de 2013 Política Estadual de Resíduos Sólidos: Panorama Geral e Desafios da Logística Reversa -As ações do

Leia mais