GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS"

Transcrição

1

2 GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS Prof. Hugo M. Veit Laboratório de Corrosão, Proteção e Reciclagem de Materiais Escola de Engenharia Universidade Federal do Rio Grande do Sul

3 O QUE PODE SER CONSIDERADO REEE? Considera-se REEE todo aquele resíduo gerado a partir de aparelhos eletro eletrônicos e seus componentes, incluindo os acumuladores de energia (pilhas e baterias), de uso doméstico, comercial, industrial e de serviços, que estejam em desuso e sujeitos a disposição final.

4 TIPOS DE REEE PILHAS E BATERIAS EQUIPAMENTOS ELETRO-ELETRÔNICOS

5 TIPOS DE REEE Pilhas e Baterias ± 8 tipos Primárias Secundárias Zinco - Carbono Manganês - Alcalina Lítio Óxido de Mercúrio Níquel - Cádmio Níquel MH Lítio

6 TIPOS DE REEE Computadores Televisores Vídeo-Cassete Eletro-Eletrônicos Aparelhos de Som DVD s Celulares Aparelhos de Fax MP3/MP4/iPod Impressoras

7 O ENTULHO DA NOVA ERA Qual é o tamanho da sujeira eletrônica que se joga fora COMPUTADORES 12 MILHÕES vendas de (7,7 desktops e 4,3 notebooks) 12 MILHÕES vendas de (6,85 desktops e 5,15 notebooks) 13,3 MILHÕES estimativa ANOS é o tempo que o aparelho leva para ser descartado (em média)

8 O ENTULHO DA NOVA ERA Qual é o tamanho da sujeira eletrônica que se joga fora CELULARES 180 MILHÕES de aparelhos celulares em uso no Brasil 1,5 ANOS é o tempo que o aparelho leva para ser jogado fora (em média) 30 MILHÕES vendas de MILHÕES vendas de 2009 (23,6 milhões novas linhas)

9 Faturamento da Indústria Brasileira de Eletro-Eletrônicos R$ bilhões 125,6 2010

10 Relatório da ONU Julho de 2009 PC s TV s

11 Resíduos ou Matéria-Prima??

12 Os equipamentos eletro-eletrônicos possuem em sua composição: Metais Perigosos: Cádmio Mercúrio Chumbo Cromo,... Polímeros: Policarbonato ABS PVC Epóxi,... Metais Interessantes: Cobre Ferro Níquel Alumínio Estanho Metais Preciosos (ouro, prata,...) Compostos de Bromo

13 QUAIS OS PERIGOS SUBSTÂNCIA UTILIZADO EM PREJUÍZOS CHUMBO MERCÚRIO Soldas da PCI, Vidro dos Tubos de Raios Catódicos Soldas e Vidros das Lâmpadas Elétricas e Fluorescentes Baterias Termostatos, Sensores, Relés e Interruptores, Equipamentos Médicos, Transmissão de Dados, Telecomunicações e Telefones Celulares Lâmpadas Pilhas e Baterias Danos nos sistemas nervoso central e periférico, sistema endócrino, sistema circulatório e nos rins O mercúrio inorgânico disperso na água é transformado em metilmercúrio que acumulase facilmente nos organismos. O metilmercúrio causa danos no cérebro.

14 QUAIS OS PERIGOS CÁDMIO PBB E PBDE PCI, Tubos de Raios Catódicos antigos Pilhas e Baterias Incorporados em Produtos Eletrônicos como forma de proteção contra a inflamabilidade O cádmio e seus compostos acumulam-se no corpo humano, especialmente nos rins, podendo vir a deteriorá-los, com o tempo. Pode ser absorvido pela respiração ou pela ingestão de alimentos contaminados. Em exposição prolongada o cloreto de cádmio pode causar câncer. São desreguladores endócrinos. Quando liberado no ambiente, o PBB pode atingir a cadeia alimentar, onde se concentra.

15

16 O QUE FAZER???

17 PILHAS E BATERIAS - O QUE FAZER TIPO Comuns e Alcalinas Níquel-Metal-Hidreto APLICAÇÃO MAIS USUAL Brinquedos, Lanternas, Rádios, Controle Remoto, Equipamentos Fotográficos, Rádio-Relógio Telefone Celular, Telefone sem Fio, Filmadora, Notebook DESTINO Lixo Doméstico Lixo Doméstico Devolver ao Fabricante/ Loja Íons de Lítio Telefone Celular e Notebook Lixo Doméstico Zinco-Ar Aparelhos Auditivos Lixo Doméstico Lítio Especiais tipo Botão e Miniatura Equipamento Fotográfico, Relógio, Agenda Eletrônica, Calculadora, Computador Equipamento Fotográfico, Agenda Eletrônica, Calculadora, Relógio, Alarme Lixo Doméstico Lixo Doméstico

18 PILHAS E BATERIAS - O QUE FAZER TIPO APLICAÇÃO MAIS USUAL DESTINO Bateria de Chumbo Ácido Indústrias, Automóveis Devolver ao Fabricante Pilhas e Baterias de Níquel-Cádmio Pilhas e Baterias de Óxido de Mercúrio Telefone Celular, Telefone sem Fio, Outros Aparelhos que usam baterias recarregáveis Instrumentos de Navegação e Aparelhos de Instrumentação e Controle Devolver ao Fabricante Devolver ao Fabricante

19 ELETRO ELETRÔNICOS - O QUE FAZER Não Existe Legislação Específica Para Este Tipo de Resíduo Não Existe Sistema de Coleta deste Tipo de Resíduo Alternativas: - doar para projetos sociais que utilizam equipamentos considerados obsoletos. - revender ou doar para assistências técnicas que possam reutilizar as peças e assim aumentar um pouco a vida útil destes equipamentos. - doar para centros de recondicionamento (remanufatura) - ou então armazenar em local protegido da chuva e sem contato com o meio ambiente

20 OUTRA ALTERNATIVA Devolver ao próprio fabricante Ainda não funciona no Brasil Nos EUA alguns grandes fabricantes (Dell, HP, Apple, IBM, Motorola, Nokia) recebem equipamentos de volta. Como funciona?? Ex. HP: O consumidor paga de US$ para devolver o equipamento e ganha desconto de US$ 50 na compra de um equipamento novo.

21 PNRS??? Política Nacional de Resíduos Sólidos Projeto desde 1991 Espera-se aprovação até julho/10 Conceitos, responsabilidades, gestão, destinação, incentivos, etc.

22 INDÚSTRIA DA REMANUFATURA AUMENTO DA VIDA ÚTIL DE PRODUTOS DIMINUIÇÃO DO IMPACTO AMBIENTAL DIMINUIÇÃO DA EXPLORAÇÃO DE MATÉRIAS- PRIMAS NATURAIS GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

23 E o consumidor doméstico???

24 Além do equipamento danificado, estragado... Obsolescência tecnológica

25 Espaço Ergonomia Qualidade (imagem/som)

26 COMO TRATAR Antes de escolher qualquer técnica de processamento será necessário: Uma legislação específica (regras, responsabilidades, incentivos,...) Conscientização e fiscalização Um sistema de coleta abrangente e eficiente Um mercado consumidor dos produtos reciclados

27 O QUE É RECICLAR Reciclar é devolver o material usado ao ciclo da produção, com enormes vantagens econômicas, sociais e ambientais. Embora a reciclagem ajude a conservar recursos naturais, existem custos econômicos e ambientais associados à coleta de resíduos e ao processo de reciclagem.

28 47% Fe SUCATA DE EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS 9% Metais Não-Ferrosos 22% Plásticos 9% Vidro 3% Placas de Circuito Impresso 3% Madeira 7% outros Materiais (Condensadores, Baterias, Cabos, Interruptores com Mercúrio...) Reciclagem + simples reciclagem direta Reciclagem + complexa

29 O QUE PODE SER RECICLADO?? CARCAÇAS (AÇO, POLÍMEROS) Reciclagem direta VIDRO* Reciclagem direta ESTRUTURAS INTERNAS (AÇO, ALUMÍNIO, POLÍMEROS) Reciclagem direta FIOS E CABOS (COBRE E POLÍMEROS) Reciclagem parcialmente complexa PLACAS DE CIRCUITO IMPRESSO (PCI) Reciclagem mais complexa BATERIAS Reciclagem mais complexa

30 COMO RECICLAR?? Com relação aos metais Existem basicamente 4 rotas que podem ser utilizadas: PIROMETALURGIA HIDROMETALURGIA PROCESSAMENTO MECÂNICO ELETROMETALURGIA Geralmente opta-se pela combinação de duas ou mais rotas

31 COMO RECICLAR?? Com relação aos polímeros (plásticos) A reciclagem pode ser processada de três maneiras: RECICLAGEM QUÍMICA RECICLAGEM MECÂNICA RECICLAGEM ENERGÉTICA

32 CENÁRIO DA RECICLAGEM NO BRASIL ESTÁGIO INICIAL RECICLAGEM SELETIVA PARTES + VALIOSAS (PCI s) EXPORTAÇÃO

33 BÉLGICA USA REEE NO BRASIL FRANÇA ÁSIA SUÍÇA

34 PLACAS DE CIRCUITO IMPRESSO (PCI) São unidades presentes em equipamentos eletro/eletrônicos, principalmente nas áreas de processamento de dados e de entretenimento. A maior fonte de PCI são os computadores pessoais

35 polímero metal cerâmico

36 COMPOSIÇÃO MÉDIA DAS PCI MATERIAIS CERÂMICOS, VIDROS E ÓXIDOS: 49% PLÁSTICOS: 19% BROMO: 4% METAIS: 28%

37 FRAÇÃO METÁLICA DAS PCI (Em Média) 28% Metais 14 % Cu 6 % Fe 2 % Ni 2 % Zn 2 % Sn 0,3% Ag 0,04% Au 0,02% Pd

38 CONCENTRAÇÕES RELATIVAS DE METAIS (PCI x Minérios) Au Pd Pt Ag Cu Sn Ni Metais Au Pd Pt Ag Cu Sn Ni % PCI 0,04 0,02 0,004 0,3 14,5 1,9 1,3 % Minério 0,0003 0,0002 0,0005 0,025 1,0 0,82 2,2

39 Resíduos ou Matéria-Prima??

40 Muito Obrigado Contato:

TECNOLOGIAS PARA CARACTERIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE METAIS EM REEE. Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório

TECNOLOGIAS PARA CARACTERIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE METAIS EM REEE. Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório TECNOLOGIAS PARA CARACTERIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE METAIS EM REEE Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório Tecnologias para Caracterização e recuperação de metais em REEE Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório

Leia mais

DEFINIÇÕES. Pilha: gerador eletroquímico de energia elétrica, mediante conversão geralmente irreversível de energia química (NBR 7039/87);

DEFINIÇÕES. Pilha: gerador eletroquímico de energia elétrica, mediante conversão geralmente irreversível de energia química (NBR 7039/87); DEFINIÇÕES Pilha: gerador eletroquímico de energia elétrica, mediante conversão geralmente irreversível de energia química (NBR 7039/87); Bateria: conjunto de pilhas ou acumuladores recarregáveis interligados

Leia mais

RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELETRO- ELETRÔNICOS (REEE)

RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELETRO- ELETRÔNICOS (REEE) RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELETRO- ELETRÔNICOS (REEE) Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório Laboratório de Reciclagem, Tratamento de Resíduos e Metalurgia Extrativa Departamento de Engenharia

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

Os aspectos ambientais dos resíduos eletrônicos E-LIXO

Os aspectos ambientais dos resíduos eletrônicos E-LIXO Os aspectos ambientais dos resíduos eletrônicos E-LIXO Junho de 2009 Realidade Atual População Desenvolvimento Tecnológico Demanda de bens de consumo Aumento da demanda de produtos descartáveis aumento

Leia mais

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental I COBESA

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental I COBESA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental I COBESA DESCARTE DE BATERIAS DE CELULARES E REGULAMENTAÇÃO CONAMA 257/99 E 263/99: UM ESTUDO COM CONSUMIDORES NUM COMPLEXO DE INDÚSTRIAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

GRUPO CDR DE RADIOAMADORES

GRUPO CDR DE RADIOAMADORES TUDO SOBRE BATERIAS Introdução Segundo o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) cerca de 1% do lixo urbano é constituído por resíduos sólidos urbanos contendo elementos tóxicos. Esses resíduos são provenientes

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO VERSÃO 7 LIMPA

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO VERSÃO 7 LIMPA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA PROPOSTA DE RESOLUÇÃO VERSÃO 7 LIMPA Procedência: 18ª Reunião da Câmara Técnica de Saúde e Saneamento Ambiental

Leia mais

V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL. Carlos Afonso Instituto de Química. Universidade Federal do Rio de Janeiro

V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL. Carlos Afonso Instituto de Química. Universidade Federal do Rio de Janeiro V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICAP Impactos SócioS cio-ambientais do LIXO ELETROELETRÔNICO Prof. Júlio J Carlos Afonso Instituto de Química Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasília,

Leia mais

Oficina prática sobre desmontagem de computadores e os aspectos tecnológicos e financeiros a considerar na reciclagem

Oficina prática sobre desmontagem de computadores e os aspectos tecnológicos e financeiros a considerar na reciclagem Oficina prática sobre desmontagem de computadores e os aspectos tecnológicos e financeiros a considerar na reciclagem I Seminário Estadual em Gestão de Resíduos Tecnológicos Fortaleza 16 Junho 2009 Projeto

Leia mais

AbineeTec 2015. Seminário Sustentabilidade. Gestão e Tecnologias Disponíveis para. Logística Reversa e Reciclagem UMICORE BRASIL LTDA.

AbineeTec 2015. Seminário Sustentabilidade. Gestão e Tecnologias Disponíveis para. Logística Reversa e Reciclagem UMICORE BRASIL LTDA. AbineeTec 2015 Seminário Sustentabilidade Gestão e Tecnologias Disponíveis para Logística Reversa e Reciclagem UMICORE BRASIL LTDA set/14 Ricardo Rodrigues Umicore Brasil Ltda Março/15 Grupo Umicore Fluxo

Leia mais

A Solução de Reciclagem de Residuos de Eletrônicos da USP Perspectiva CEDIR & LASSU

A Solução de Reciclagem de Residuos de Eletrônicos da USP Perspectiva CEDIR & LASSU A Solução de Reciclagem de Residuos de Eletrônicos da USP Perspectiva CEDIR & LASSU Tereza Cristina M. B. Carvalho Coordenadora Geral CEDIR e LASSU/PCS/EPUSP Assessora de Projetos Especiais CTI -USP terezacarvalho@usp.br

Leia mais

RECICLAGEM DOS MATERIAIS

RECICLAGEM DOS MATERIAIS RECICLAGEM DOS MATERIAIS Bibliografia MANO, E. B., PACHECO, E. B.; BONELLI, C. M. C. Meio ambiente, poluição e reciclagem. São Paulo: Edgard Blucher, cap 10, 2005. C-H Leea, C-T Chang, K-Sh Fan, T-C Chang.

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE ALGUMAS TIPOLOGIAS DE RESÍDUOS: Guideline 1 Transferências de Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos (REEE)

CLASSIFICAÇÃO DE ALGUMAS TIPOLOGIAS DE RESÍDUOS: Guideline 1 Transferências de Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos (REEE) GUIDELINES No Portal da Comissão Europeia estão disponíveis Guidelines do Grupo de Correspondentes sobre o Movimento Transfronteiriço de Resíduos, as quais podem ser consultadas em http://ec.europa.eu/environment/waste/shipments/guidance.htm

Leia mais

LEI Nº 1.709 DE 08 DE MAIO DE 2013

LEI Nº 1.709 DE 08 DE MAIO DE 2013 LEI Nº 1.709 DE 08 DE MAIO DE 2013 INSTITUI O PROJETO "DESTINO CERTO AO LIXO ELETRÔNICO DE FAGUNDES VARELA". JEAN FERNANDO SOTTILI, Prefeito Municipal de Fagundes Varela, no uso das atribuições que me

Leia mais

DIRETORIA TI RIO. Presidente Benito Paret

DIRETORIA TI RIO. Presidente Benito Paret DIRETORIA TI RIO Presidente Benito Paret Diretoria Bruno Salgado Custodio Rodrigues Henrique Faulhaber Barbosa Kauê Silva Ladmir da Penha Carvalho Luiz Bursztyn Pablo Braga Conselheiro Fiscal Titular Giosafatte

Leia mais

Uso de Separação Gravimétrica na Concentração de Metais Provenientes de Sucatas de Placas de Circuito Impresso.

Uso de Separação Gravimétrica na Concentração de Metais Provenientes de Sucatas de Placas de Circuito Impresso. Uso de Separação Gravimétrica na Concentração de Metais Provenientes de Sucatas de Placas de Circuito Impresso. Nichele de Freitas Juchneski Agosto de 2014 RESÍDUO ELETRÔNICO É todo produto que utiliza

Leia mais

Logística reversa e PNRS

Logística reversa e PNRS Videoconferência Logística reversa e PNRS Cristiane de S. Soares Assessora especial da CNC Julho, 2015 Rio de Janeiro RJ Política Nacional de Resíduos Sólidos Instrumento que institui a Responsabilidade

Leia mais

Alex Luiz Pereira. www.coopermiti.com.br

Alex Luiz Pereira. www.coopermiti.com.br Alex Luiz Pereira www.coopermiti.com.br Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrônicos (REEE) Chumbo provavelmente, o elemento químico mais perigoso; acumulam-se nos ossos, cabelos, unhas, cérebro, fígado

Leia mais

Reciclagem de Placas de Circuito Impresso de Resíduos Electrónicos Projecto Financiamento: LNEG - UPCS Carlos Nogueira Paula Oliveira IST Fernanda Margarido Filipa Taborda Marta Cabral Ricardo Abrantes

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Procedência: 18ª Reunião da Câmara Técnica de Saúde e Saneamento Ambiental Data: 05/04/06 Processo n : 02000.005624/1998-07

Leia mais

Pilhas e baterias. Como funcionam as pilhas e baterias por Marshall Brain - traduzido por HowStuffWorks Brasil. Introdução

Pilhas e baterias. Como funcionam as pilhas e baterias por Marshall Brain - traduzido por HowStuffWorks Brasil. Introdução Como funcionam as pilhas e baterias por Marshall Brain - traduzido por HowStuffWorks Brasil Introdução As baterias estão em todos os lugares, carros, computadores, laptops, MP3 players e telefones celulares.

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS E S C O L A P O L I T É C N I C A DA U N I V E R S I D A D E DE S ÃO P A U L O - D E P A R T A M E N T O DE E N G E N H A R I A M E T A L Ú R G I C A E DE M A T E R I A I S - - L A B O R A T Ó R I O DE

Leia mais

Estabelecer as bases para uma estratégia para a gestão de resíduos tecnológicos no estado do Ceará

Estabelecer as bases para uma estratégia para a gestão de resíduos tecnológicos no estado do Ceará Estabelecer as bases para uma estratégia para a gestão de resíduos tecnológicos no estado do Ceará I Seminário Estadual em Gestão de Resíduos Tecnológicos Fortaleza 15 Junho 2009 Projeto Ce-Waste Jeroen

Leia mais

LIXO ELETRÔNICO: um risco para todos nós

LIXO ELETRÔNICO: um risco para todos nós APRESENTAÇÃO Você sabia que, se fosse possível juntar todo o lixo eletrônico que o mundo produz anualmente, daria para encher 40 estádios do Maracanã? É uma quantidade imensa de celulares, tevês, câmeras,

Leia mais

1 Simpósio ECP de Meio Ambiente. Resíduos Sólidos. Novembro - 2009

1 Simpósio ECP de Meio Ambiente. Resíduos Sólidos. Novembro - 2009 1 Simpósio ECP de Meio Ambiente Resíduos Sólidos Novembro - 2009 Antes de mais nada, o que é LIXO? Segundo a NBR-10.004 (Resíduos Sólidos, Classificação de 1987) da ABNT (Associação Brasileira de Normas

Leia mais

plástico papel vidro minerais O Seu Parceiro nos sectores de: Triagem de Tecnologia de triagem com sensor Triagem de Triagem de Triagem de

plástico papel vidro minerais O Seu Parceiro nos sectores de: Triagem de Tecnologia de triagem com sensor Triagem de Triagem de Triagem de www.redwave.at POR O Seu Parceiro nos sectores de: plástico papel Tecnologia de triagem com sensor REDWAVE é uma marca registada da BT-Wolfgang Binder GmbH, aplicada no sector da tecnologia de triagem

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÂO

RESULTADOS E DISCUSSÂO LIXO ELETRÔNICO - WIKI E-LIXO Origens e reaproveitamento Marcos Felipe Friske dos Santos 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO Este projeto surgiu com o intuito de dar uma nova função às máquinas caça-níqueis

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa

Universidade Fernando Pessoa Universidade Fernando Pessoa Faculdade de Ciência e Tecnologia Higiene Publica e Segurança Ambiental Reciclagem de pilhas Engenharia e Saúde Ambiental 2º Semestre - Ano lectivo 2006/2007 Alunos: André

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DE ENERGIA - DP USINA:UHCB GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DE ENERGIA - DP USINA:UHCB GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS REVISÃO:12 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Código (1) Identificação do Resíduo * Cód. ONU ** Nº de Risco (2) Classe ABNT (3) Estado Físico (4) Área de Geração (5) Meio de Acondicionamento (6) Responsabilidade

Leia mais

Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra. A Câmara Municipal das Lajes do Pico convida todos os munícipes a aderir à

Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra. A Câmara Municipal das Lajes do Pico convida todos os munícipes a aderir à Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra A Câmara Municipal das Lajes do Pico convida todos os munícipes a aderir à Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra, e a

Leia mais

III-206 RECURSOS NATURAIS E RESÍDUOS TECNOLÓGICOS: ANÁLISE DO CONSUMO PARA FABRICAÇÃO DE ELETROELETRÔNICOS (ESTUDO DE CASO)

III-206 RECURSOS NATURAIS E RESÍDUOS TECNOLÓGICOS: ANÁLISE DO CONSUMO PARA FABRICAÇÃO DE ELETROELETRÔNICOS (ESTUDO DE CASO) III-206 RECURSOS NATURAIS E RESÍDUOS TECNOLÓGICOS: ANÁLISE DO CONSUMO PARA FABRICAÇÃO DE ELETROELETRÔNICOS (ESTUDO DE CASO) Leandro Viana dos Santos (1) Engenheiro Ambiental pela Universidade Federal do

Leia mais

A Reciclagem Inteligente

A Reciclagem Inteligente A ReciSmart A ReciSmart é uma empresa certificada na Reciclagem de Equipamentos Informáticos e que através de uma reciclagem sustentável e inteligente contribui para a preservação do meio ambiente. Integrados

Leia mais

Lixo Eletrônico e a Sociedade

Lixo Eletrônico e a Sociedade Lixo Eletrônico e a Sociedade Eduardo Ceretta Dalla Favera 1 1 Acadêmico do Curso de Ciência da Computação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) favera@inf.ufsm.br Resumo. A sociedade moderna vive

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

Aula 5_2. Corrente Elétrica Circuitos CC Simples. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 5

Aula 5_2. Corrente Elétrica Circuitos CC Simples. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 5 Aula 5_2 Corrente Elétrica Circuitos CC Simples Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 5 Conteúdo Corrente elétrica e energia dissipada Fem real e receptor Potência elétrica Acoplamento

Leia mais

Escritório Verde. Dicas práticas para tornar seu escritório sustentável

Escritório Verde. Dicas práticas para tornar seu escritório sustentável Escritório Verde Dicas práticas para tornar seu escritório sustentável Use a criatividade e o bom senso para gerar conscientização ecológica e economia Escritório Verde Dicas práticas para tornar seu escritório

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 31-12-2010 SEÇÃO I PÁG 36 RESOLUÇÃO SMA Nº 131 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Altera os artigos 2º, 3,4º e 5º e acrescenta o artigo 5ºA a Resolução SMA nº 24, de 30

Leia mais

Hora de reciclar. No ciclo de sua evolução, Indispensáveis. no dia a dia da. população, pilhas. e baterias para. uso doméstico.

Hora de reciclar. No ciclo de sua evolução, Indispensáveis. no dia a dia da. população, pilhas. e baterias para. uso doméstico. 28 Potência Mercado 29 Potência Mercado Potência 29 Hora de reciclar Indispensáveis no dia a dia da população, pilhas e baterias para uso doméstico entram em nova fase no Brasil a partir de resolução que

Leia mais

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto.

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. REDUZIR REUTILIZAR RECUPERAR RECICLAR A redução deve ser adaptada por

Leia mais

Semana Europeia da Prevenção Introdução As Pilhas e Baterias são um resíduo considerado perigoso para o ambiente, sempre que não sejam devidamente encaminhadas para tratamento. Os Produtores de Pilhas

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Recursos Minerais e Energéticos

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Recursos Minerais e Energéticos COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Recursos Minerais e Energéticos O que são recursos minerais? Recursos minerais são substâncias naturais inorgânicas que foram descobertas

Leia mais

Seminário de Meio Ambiente

Seminário de Meio Ambiente Seminário de Meio Ambiente Reciclagem de Resíduos Sólidos - Carcaça de Computador Itautec Philco S/A - Grupo Itautec Philco João Carlos Redondo 09/10/2003 RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS CARCAÇA DE COMPUTADOR

Leia mais

Código LER Descrição (os mais utilizados estão sublinhados) Resíduos de minas 01 01 01 Resíduos metálicos 01 01 02 Resíduos não metálicos 01 03 06 Rejeitados de minério 01 03 08 Poeiras e pós de extracção

Leia mais

21814. (Ufg) Observando a tira, responda:

21814. (Ufg) Observando a tira, responda: 17054. (Unesp) As baterias dos automóveis são cheias com solução aquosa de ácido sulfúrico. Sabendo-se que essa solução contém 38% de ácido sulfúrico em massa e densidade igual a 1,29g/cm, pergunta-se:

Leia mais

Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA

Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA COLETA SELETIVA Conheça algumas medidas importantes para não poluir o meio ambiente na hora de jogar fora o seu lixo Já é inquestionável hoje a importância da reciclagem

Leia mais

LIXO ELETRÔNICO: EDUCAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL

LIXO ELETRÔNICO: EDUCAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

POTENCIAL ECONÔMICO NA RECUPERAÇÃO DOS METAIS CONTIDOS NAS PLACAS DE CIRCUITOS INTEGRADOS NO BRASIL

POTENCIAL ECONÔMICO NA RECUPERAÇÃO DOS METAIS CONTIDOS NAS PLACAS DE CIRCUITOS INTEGRADOS NO BRASIL Salvador/BA 25 a 28/11/2013 POTENCIAL ECONÔMICO NA RECUPERAÇÃO DOS METAIS CONTIDOS NAS PLACAS DE CIRCUITOS INTEGRADOS NO BRASIL Renato de Castro Vivas (*), Flávio Pietrobon Costa *Universidade Estadual

Leia mais

RÁDIO AULA DE QUÍMICA PROF. CARLOS ALBERTO 16/04/2014 às 18 HORAS

RÁDIO AULA DE QUÍMICA PROF. CARLOS ALBERTO 16/04/2014 às 18 HORAS COLÉGIO PRO CAMPUS MATERIAL COMPLEMENTAR DE QUÍMICA 3ª SÉRIE ENSINO MÉDIO ALUNO(A): Nº DATA: TURMA: PROF(A): PROF. CARLOS ALBERTO RÁDIO AULA DE QUÍMICA PROF. CARLOS ALBERTO 16/04/2014 às 18 HORAS 01. 01.Um

Leia mais

COBRE EXTRA COBRE MISTO

COBRE EXTRA COBRE MISTO #1 cobre COBRE EXTRA Cabos, fios grossos, barras chatas, fio trolley sem liga, limpas e vermelhas. Todo esse material devem ter no mínimo 1,65 mm de espessura e devem ser absolutamente vermelhos. Todos

Leia mais

Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC) Revitalização dos Programas de Coleta Seletiva e de Minimização de Resíduo Sólido na FEC

Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC) Revitalização dos Programas de Coleta Seletiva e de Minimização de Resíduo Sólido na FEC Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC) Revitalização dos Programas de Coleta Seletiva e de Minimização de Resíduo Sólido na FEC mar. 2013 Programa de Coleta seletiva na FEC Iniciado

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

A DESTINAÇÃO FINAL DE PILHAS E BATERIAS NO LIXO DOMÉSTICO EM MUNICÍPIOS DO OESTE DO PARANÁ 1.

A DESTINAÇÃO FINAL DE PILHAS E BATERIAS NO LIXO DOMÉSTICO EM MUNICÍPIOS DO OESTE DO PARANÁ 1. A DESTINAÇÃO FINAL DE PILHAS E BATERIAS NO LIXO DOMÉSTICO EM MUNICÍPIOS DO OESTE DO PARANÁ 1. 1 Kele Sousa Pires 2 ; Márcia Antonia Bartolomeu Agustini 3. RESUMO: Este trabalho teve como temática investigar

Leia mais

PROJETO DESCARTE DE PILHAS E BATERIAS EM JARDIM-MS

PROJETO DESCARTE DE PILHAS E BATERIAS EM JARDIM-MS PROJETO DESCARTE DE PILHAS E BATERIAS EM JARDIM-MS 1 PROJETO DESCARTE DE PILHAS E BATERIAS EM JARDIM-MS 1. Caracterização da situação anterior: As pilhas e baterias de uso doméstico apresentam um grande

Leia mais

Corrosão Eletroquímica. Sumário 21 - Baterias e Corrosão. Definições e características Baterias primárias. Baterias secundárias

Corrosão Eletroquímica. Sumário 21 - Baterias e Corrosão. Definições e características Baterias primárias. Baterias secundárias Sumário 21 - Baterias e Corrosão Definições e características Baterias primárias Baterias de Leclanché (pilhas secas) Baterias Alcalinas Baterias de Lítio Baterias secundárias Baterias de chumbo Baterias

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE QUÍMICA CAMILA REIS DE OLIVEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE QUÍMICA CAMILA REIS DE OLIVEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE QUÍMICA CAMILA REIS DE OLIVEIRA ALTERNATIVAS TECNOLÓGICAS PARA O TRATAMENTO E RECICLAGEM DO LIXO DE INFORMÁTICA Porto Alegre, 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Avaliação do Desenvolvimento do Projeto PET-Geologia Recicla

Avaliação do Desenvolvimento do Projeto PET-Geologia Recicla Avaliação do Desenvolvimento do Projeto PET-Geologia Recicla Maurício Brito de Sousa¹, Diogo Isamu de Almeida Okuno¹, Estefânia Fernandes Lopes¹, Flavio Rafael Cogo Ramos¹, Mariana de Assunção Rodrigues¹,

Leia mais

POR UMA TI MAIS VERDE. e sustentabilidade. especial: energia

POR UMA TI MAIS VERDE. e sustentabilidade. especial: energia especial: energia e sustentabilidade POR UMA TI MAIS VERDE Depois da escalada tecnológica ocorrida nas últimas décadas, as atenções se voltam cada vez mais para os impactos ambientais do uso de TI. Duas

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO SERVIÇO EXTRA URBANO O Serviço extra Urbano corresponde ao serviço a ser prestado aos produtores de resíduos não urbanos de embalagens, de forma a garantir a esses produtores um destino final adequado

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

LEI 11.445/2007 RESSANEAR PROJETO INTEGRADO DE SANEAMENTO BÁSICO E RESÍDUOS SÓLIDOS. Eixo: LOGISTICA REVERSA

LEI 11.445/2007 RESSANEAR PROJETO INTEGRADO DE SANEAMENTO BÁSICO E RESÍDUOS SÓLIDOS. Eixo: LOGISTICA REVERSA LEI 11.445/2007 RESSANEAR PROJETO INTEGRADO DE SANEAMENTO BÁSICO E RESÍDUOS SÓLIDOS Eixo: LOGISTICA REVERSA PLANO MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Instrumentos Legais: Resolução

Leia mais

Seminário Internacional sobre resíduos de equipamentos eletroeletrônicos - SIREEE. UMICORE BRASIL LTDA Ricardo Rodrigues

Seminário Internacional sobre resíduos de equipamentos eletroeletrônicos - SIREEE. UMICORE BRASIL LTDA Ricardo Rodrigues Seminário Internacional sobre resíduos de equipamentos eletroeletrônicos - SIREEE UMICORE BRASIL LTDA Ricardo Rodrigues Fevereivo/2011 Grupo Umicore Umicore Brasil O ciclo da reciclagem O que se fazer

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB

CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB RESUMO SILVA¹, Adelmo Faustino da ; RODRIGUES, Andreza Alves Guimarães; CAMPELO,

Leia mais

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que Lixo 1 A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que estudamos em temáticas que rementem ao nosso cotidiano. Dessa

Leia mais

Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823

Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823 LISTA DE OPERADORES DE GESTÃO DE RESÍDUOS LICENCIADOS EM SÃO JORGE ATUALIZADA A 31.07.2012 Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823 - Armazenagem dos seguintes resíduos: LER Alvará n.º 5/DRA/2012 (validade:

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: CONSUMO CONSCIENTE DE ENERGIA DISPOSIÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: CONSUMO CONSCIENTE DE ENERGIA DISPOSIÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: CONSUMO CONSCIENTE DE ENERGIA DISPOSIÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS Abril/2015 Fazer obras e serviços para transmissão, distribuição e uso de energia. Contribuir para o bem

Leia mais

COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA

COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA O QUE É? Coleta seletiva é o processo de separação dos materiais recicláveis do restante dos resíduos sólidos. Como definição de resíduos sólidos, pelo Wikipédia, entende-se

Leia mais

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio.

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio. Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV Ciências da Natureza/Ensino Médio Bloco dos METAIS As aulas sobre os metais são sete. Trata-se, em detalhes, do ferro,

Leia mais

Capa LIXO ELETROELETRÔNICO

Capa LIXO ELETROELETRÔNICO Capa LIXO ELETROELETRÔNICO Eis um assunto que há vários anos vem ganhando cada vez mais espaço na mídia e na literatura científica. Nos últimos 10 anos mais de 3 mil trabalhos sobre impactos ambientais

Leia mais

Introdução. A Equipa da Ecopilhas

Introdução. A Equipa da Ecopilhas Manual de Apoio Introdução O Manual Pilhão vai à Escola foi construído com o objetivo de servir como guia ao Professor e ao Educador responsável por dinamizar a iniciativa na Escola. Contém sugestões práticas

Leia mais

CEDIR Centro de Descarte e Reuso de Residuos de Informática

CEDIR Centro de Descarte e Reuso de Residuos de Informática CEDIR Centro de Descarte e Reuso de Residuos de Informática V Fórum da Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P) Tereza Cristina M. B. Carvalho Coordenadora Geral CEDIR Assessora de Projetos Especiais

Leia mais

Tensão Capacidade (mm) (mm) (g) (V) (mah) PR10-D6A PR70 1,4 75 5,8 3,6 0,3 PR13-D6A PR48 1,4 265 7,9 5,4 0,83 PR312-D6A PR41 1,4 145 7,9 3,6 0,58

Tensão Capacidade (mm) (mm) (g) (V) (mah) PR10-D6A PR70 1,4 75 5,8 3,6 0,3 PR13-D6A PR48 1,4 265 7,9 5,4 0,83 PR312-D6A PR41 1,4 145 7,9 3,6 0,58 Produto Pilha de zinco-ar Nome do modelo IEC Nominal Nominal Diâmetro Altura Peso Tensão Capacidade (mm) (mm) (g) (V) (mah) PR10-D6A PR70 1,4 75 5,8 3,6 0,3 PR13-D6A PR48 1,4 265 7,9 5,4 0,83 PR312-D6A

Leia mais

Felipe Costa Miranda 1, Pedro Vayssiere Brandão 2, Camila Pinto de Souza 3, Márcia Motta Pimenta Velloso 4 Fabiana Rodrigues Leta 5

Felipe Costa Miranda 1, Pedro Vayssiere Brandão 2, Camila Pinto de Souza 3, Márcia Motta Pimenta Velloso 4 Fabiana Rodrigues Leta 5 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS UMA ANÁLISE ECONÔMICA DO POTENCIAL DE RECICLAGEM DE COMPUTADORES, CONSIDERANDO O CASO DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UFF. Felipe Costa Miranda 1, Pedro Vayssiere Brandão 2,

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Cenário brasileiro de resíduos sólidos Aumento da: População nas cidades 50% mundial 85% Brasil (IBGE, 2010).

Leia mais

Esclarecimentos Importantes

Esclarecimentos Importantes Meio Ambiente Desenvolvimento Sustentável Reciclagem de Pilhas e Baterias André Luis Saraiva Vice-Diretor de Meio Ambiente da ABINEE andresaraiva@abinee.org.br 28.04.2005 Esclarecimentos Importantes Abinee

Leia mais

A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM)

A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM) A implantação dos Requisitos ABNT IECQ QC 080000 (IECQ HSPM) Sistema de Gestão de Requisitos para Substâncias Perigosas em Produtos e Componentes Elétricos e Eletrônicos Abril de 2011 Objetivo Capacitação

Leia mais

REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR. O caminho para um futuro melhor.

REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR. O caminho para um futuro melhor. R R R REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR O caminho para um futuro melhor. A FGR se preocupa com o planeta. v Reduza o quanto puder; Reutilize tudo que puder; Recicle o máximo que puder. 2 A qualidade de vida

Leia mais

Lista de exercícios de Química Correção da Revisão para a 2ª Avaliação de Química: Pilhas

Lista de exercícios de Química Correção da Revisão para a 2ª Avaliação de Química: Pilhas Nome: Bimestre: 3º Ano / série: 2ª série Ensino: Médio Componente Curricular: Química Professor: Ricardo Honda Data: / / 2011 1. Considere o esquema a seguir e responda: Lista de exercícios de Química

Leia mais

Programa de Gestão. Ambiental. Cartilha. Ambiental

Programa de Gestão. Ambiental. Cartilha. Ambiental Programa de Gestão Ambiental Cartilha Ambiental Índice Responsabilidade Ambiental 1. Responsabilidade Ambiental 2. Organograma 4. Política Ambiental 6. Coleta Seletiva Interna 12. Dicas Importantes A preocupação

Leia mais

Materiais / Materiais I

Materiais / Materiais I Materiais / Materiais I Guia para o Trabalho Laboratorial n.º 4 CORROSÃO GALVÂNICA E PROTECÇÃO 1. Introdução A corrosão de um material corresponde à sua destruição ou deterioração por ataque químico em

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO 1. TÍTULO DO PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA Elaboração de estudo de viabilidade técnica e econômica da implantação da logística reversa para resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE) 2. JUSTIFICATIVA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 Regulamentação do descarte de resíduos comuns, recicláveis, pilhas e baterias e lâmpadas no Centro de Ciências da Saúde da UFRJ - CCS-UFRJ. 1 Objetivo e aplicação Com o

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA N 401, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2008. Estabelece os limites máximos de chumbo, cádmio e mercúrio para pilhas e baterias comercializadas

RESOLUÇÃO CONAMA N 401, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2008. Estabelece os limites máximos de chumbo, cádmio e mercúrio para pilhas e baterias comercializadas RESOLUÇÃO CONAMA N 401, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2008. Estabelece os limites máximos de chumbo, cádmio e mercúrio para pilhas e baterias comercializadas no território nacional e os critérios e padrões para

Leia mais

Lixo eletrônico: um problema que não se deleta!! RESÍDUOS ELETROS- ELETRÔNICOS. 01/10 a 02/10/2009

Lixo eletrônico: um problema que não se deleta!! RESÍDUOS ELETROS- ELETRÔNICOS. 01/10 a 02/10/2009 01/10 a 02/10/2009 RESÍDUOS ELETROS- ELETRÔNICOS Gestão Ambiental de Resíduos da Área Urbana (Doméstico, construção/demolição área civil, Eletroeletrônicos, EAS Estabelecimento da Área de Saúde, industriais)

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

Introdução. A Equipa da Ecopilhas

Introdução. A Equipa da Ecopilhas Manual de Apoio Introdução O Manual Pilhão vai à Escola foi construído com o objetivo de servir como guia ao Professor e ao Educador responsável por dinamizar a iniciativa na Escola. Contém sugestões práticas

Leia mais

O Lixo eletrônico no Brasil: Leis e Impactos Ambientais

O Lixo eletrônico no Brasil: Leis e Impactos Ambientais O Lixo eletrônico no Brasil: Leis e Impactos Ambientais Rodrigo Diego Gonçalves Ferreira, rodrigodiegof@gmail.com, Faculdade Osman Lins Cleyton Mário de Oliveira Rodrigues, cleyton.rodrigues@gmail.com,

Leia mais

Textos de apoio. Ciências. Ensino Fundamental I

Textos de apoio. Ciências. Ensino Fundamental I Textos de apoio Ciências Ensino Fundamental I 1 Latas de aço O mercado para reciclagem No Brasil, assim como no resto do mundo, o mercado de sucata de aço é bastante sólido, pois as indústrias siderúrgicas

Leia mais

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 3 Elos Soluções Ambientais Alternativa para otimizar a destinação de resíduos: Crescente necessidade das

Leia mais

PROJETO VAGA-LUME EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS COLETA SELETIVA, DESCONTAMINAÇÃO E RECICLAGEM DE LÂMPADAS

PROJETO VAGA-LUME EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS COLETA SELETIVA, DESCONTAMINAÇÃO E RECICLAGEM DE LÂMPADAS PROJETO VAGA-LUME COLETA SELETIVA, DESCONTAMINAÇÃO E RECICLAGEM DE LÂMPADAS ELABORAÇÃO DO PROJETO: - ASSESSORIA DE QUALIDADE ASQUA/AC Neusa Maria Cúgola - ASSESSORIA TÉCNICA PARA A QUALIDADE ASTEC-Q/DR/BSB

Leia mais

67 - (12) 3833 6404 9142 9680 : 00.387.264/0001-40 - I.E.

67 - (12) 3833 6404 9142 9680 : 00.387.264/0001-40 - I.E. Baterias de níquel-cádmio (NiCd) Esta bateria remonta aos primórdios dos dispositivos de armazenamento de energia recarregáveis, pois ela foi o primeiro tipo de bateria a suportar uma nova carga, o que

Leia mais

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Grupo: Fabiana Augusta César Irene Benevides Vinícius Tôrres Pires Samira Chantre Gestão de Resíduos Sólidos Gestão/gerir:Administrar,dirigir,

Leia mais

BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES

BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES 3 Definições de lixo: No dicionário: sujeira, imundice, coisa(s) inúteis, velhas, sem valor. Na linguagem técnica: sinônimo

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE 12:43 Page 1 INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE Jardins é Page 2 LIXO UM PROBLEMA DE TODOS Reduzir a quantidade de lixo é um compromisso de todos. Uma pessoa é capaz

Leia mais

ÍNDICE ORIENTAÇÕES AO CONSUMIDOR CADEIA PRODUTIVA MAIS SUSTENTÁVEL NOSSO HISTÓRICO AMBIENTAL. TI Verde

ÍNDICE ORIENTAÇÕES AO CONSUMIDOR CADEIA PRODUTIVA MAIS SUSTENTÁVEL NOSSO HISTÓRICO AMBIENTAL. TI Verde ORIENTAÇÕES AO CONSUMIDOR INTRODUÇÃO... 03 RECICLE SEU COMPUTADOR POSITIVO... 03 CICLO PRODUTIVO - LOGÍSTICA REVERSA... 04 RECICLAR É PRECISO... 04 DICAS DE USO CONSCIENTE... 05 CADEIA PRODUTIVA MAIS SUSTENTÁVEL

Leia mais

Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS nas Empresas.

Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS nas Empresas. MANUAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Gerência de Desenvolvimento Sustentável Núcleo de Saúde, Segurança e Meio Ambiente (NSSMA/SGI) Apresentação Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação

Leia mais