TOXICOLOGIA OCUPACIONAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TOXICOLOGIA OCUPACIONAL"

Transcrição

1 TOXICOLOGIA OCUPACIONAL TOXICOLOGIA OCUPACIONAL

2 TOXICOLOGIA OCUPACIONAL Com um setor dedicado exclusivamente a toxicologia e análises instrumentais, o DB Diagnósticos do Brasil oferece resultados precisos, priorizando a excelência em qualidade e a agilidade na entrega dos resultados. Apresenta infraestrutura cuidadosamente planejada e dispõe de equipamentos de última geração, menu completo em toxicologia ocupacional e equipe experiente, capaz de incorporar novas tecnologias rapidamente. Além de todo o suporte do Diagnósticos do Brasil, esse setor oferece uma assessoria científica dedicada à toxicologia ocupacional, formada por mestres e doutores com vasta experiência na área e que realizam um atendimento personalizado, esclarecendo dúvidas do dia a dia ou de grande complexidade em análises toxicológicas. Esses fatores asseguram credibilidade aos resultados e fazem do DB Diagnósticos do Brasil um laboratório que vem se tornar referência em toxicologia ocupacional e análises instrumentais em todo cenário nacional.

3 Com a indústria brasileira e o número de postos de trabalho em crescente expansão, um maior número de trabalhadores passa a estar em contato regular com inúmeros agentes tóxicos, em diferentes ambientes de trabalho. Embora as inovações tecnológicas e as ações para a proteção coletiva e individual dos trabalhadores tenham reduzido a exposição a alguns riscos ocupacionais, em determinados ramos de atividade os riscos químicos podem aumentar a incidência e a prevalência de algumas doenças. A preocupação em evitar o surgimento de doenças decorrentes da exposição dos indivíduos a agentes químicos no ambiente de trabalho conduz à tomada de medidas de prevenção. Essas são as bases da monitoração biológica e consistem em verificar se a concentração desses agentes ou de seus metabólitos no organismo dos trabalhadores está dentro dos níveis estabelecidos por órgãos governamentais ou pela comunidade científica. No Brasil, a Norma Regulamentada n.º 7 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (NR- 7/PCMSO) e a Portaria n.º 24, da Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho, de 29 de dezembro de 1994, estabelecem os parâmetros biológicos para controle da exposição a agentes químicos. De acordo com a portaria, todos os empregados e instituições que admitam trabalhadores como empregados são obrigados a elaborar e implementar o PCMSO. Esse programa tem por objetivo promover e preservar a saúde dos trabalhadores.

4 A tabela a seguir apresenta os parâmetros biológicos e as substâncias químicas descritas na NR-7: Análise p-aminofenol PARMI ANILINA METAHEMOGLOBINA MHB ARSÊNIO ARSÊNICO ARSEN CÁDMIO CÁDMIO CADMI CHUMBO SANGUÍNEO CHUSG ÁCIDO DELTA-AMINOLEVULÍNICO CHUMBO INORGÂNICO ADAL ZINCOPROTOPORFIRINA PRZN CHUMBO URINÁRIO CHUMBO TETRAETILA CHUUR CROMO CROMO HEXAVALENTE CROMU CARBOXIHEMOGLOBINA DICLOROMETANO CHB n-metilformamida DIMETILFORMAMIDA NMFOR ÁCIDO 2-TIO-TIAZOLIDINA-4- CARBOXÍLICO DISSULFETO DE CARBONO 2TIOT ACETILCOLINESTERASE ERITROCITÁRIA COLINESTERASE PLASMÁTICA COLINESTERASE ERITROCITÁRIA E PLASMÁTICA ÁCIDO MANDÉLICO ÀCIDO FENILGLIOXÍLICO Agente Químico ÉSTERES ORGANOFOSFORADOS E CARBAMATOS Código ACERI COLIN COLER ESTIRENO AM FENU ÁCIDO MANDÉLICO ETIL-BENZENO AM FENOL FENOL FENU FLUORETO FLÚOR E FLUORETOS FLUOR MERCÚRIO MERCÚRIO INORGÂNICO MERUR METANOL METANOL METU METIL-ETIL-CETONA METIL-ETIL-CETONA MEC CARBOXIHEMOGLOBINA MONÓXIDO DE CARBONO CHB 2,5-HEXANODIONA N-HEXANO 25HXD METAHEMOGLOBINA NITROBENZENO MHB PENTACLOROFENOL PENTACLOROFENOL PENTA ÁCIDO TRICLOROACÉTICO TETRACLOROETILENO ACTRI ÁCIDO HIPÚRICO TOLUENO AH TRICLOROCOMPOSTOS TOTAIS TRICLOROETANO TRIT TRICLOROCOMPOSTOS TOTAIS TRICLOROETILENO TRIT ÁCIDO METILHIPÚRICO XILENO AMH

5 Para trabalhadores expostos a agentes químicos não constantes na NR-7, outros indicadores biológicos poderão ser monitorados, dependendo de estudo prévio dos aspectos de validade toxicológica, analítica e de interpretação desses indicadores. Para essa finalidade, o DB disponibiliza produtos para avaliar a exposição a agentes químicos nas mais diversas atividades, como indústria química, química fina, petroquímica, moveleira, calçados, têxtil, cosmética, farmacêutica, automobilística, mineração, naval, construção civil, eletrônica, agrícola, entre outras.

6 DIFERENCIAIS DB EM TOXICOLOGIA OCUPACIONAL E ANÁLISES INSTRUMENTAIS FONTE: NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional Disponível em: < em: 21 de maio de 2012 Menu completo de exames de acordo com a NR-7. Exames especiais complementares a NR-7. Moderno parque de equipamentos, com sistemas de cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC), cromatografia gasosa, absorção atômica com forno de grafite, ICP-MS e espectrofotometria. Assessoria técnica e científica com profissionais experientes em toxicologia ocupacional. Técnicas desenvolvidas de acordo com padrões internacionais. Sistemas de controle de qualidade externos. Equipe técnica especializada. Agilidade na liberação dos resultados. Preço competitivo.

7 BR Cruzeiro São José dos Pinhais-PR Fone: Fax:

DIRETORIA DE SAÚDE SUBDIRETORIA TÉCNICA

DIRETORIA DE SAÚDE SUBDIRETORIA TÉCNICA DIRETORIA DE SAÚDE SUBDIRETORIA TÉCNICA Ordem Técnica nº 018/DIRSA/2005, 30 de novembro 2005. Controle de Saúde dos Servidores Civis e Militares com Riscos por Exposição aos Agentes Ambientais 1 - FINALIDADE

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO NORMA REGULAMENTADORA NR-7 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL ALTERAÇÃO

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO NORMA REGULAMENTADORA NR-7 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL ALTERAÇÃO 1 SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO NORMA REGULAMENTADORA NR-7 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL ALTERAÇÃO Portaria GM/SSSTb n. 24, de 29 de dezembro de 1994 (DOU 30.12.94) Aprova o texto

Leia mais

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 4, DE 15 DE SETEMBRO DE 2009

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 4, DE 15 DE SETEMBRO DE 2009 SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 4, DE 15 DE SETEMBRO DE 2009 Estabelece orientações para aplicação do Decreto nº 6.856, de 25 de maio de 2009, que dispõe sobre os exames médicos periódicos

Leia mais

Parâmetros para controle biológico da exposição a alguns agentes químicos (NR-7, 1994, MT-BR e outras) 1, 5. Marcadores de exposição Agente químico

Parâmetros para controle biológico da exposição a alguns agentes químicos (NR-7, 1994, MT-BR e outras) 1, 5. Marcadores de exposição Agente químico Parâmetros para controle biológico da exposição a alguns agentes químicos (NR7, 1994, MTBR e outras) 1, 5. Acetona Acetona Alumínio Alumínio Anilina Paraminofenol Metaemoglobina Arsênico Arsênico 2 Benzeno

Leia mais

Controle Médico de Saúde Ocupacional - PCMSO, com o objetivo de promoção e preservação da saúde do conjunto dos seus trabalhadores.

Controle Médico de Saúde Ocupacional - PCMSO, com o objetivo de promoção e preservação da saúde do conjunto dos seus trabalhadores. NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte de todos

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 24, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (D.O.U. de 30/12/94 Seção 1 págs. 21.278 e 21.280) O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO,

Leia mais

7.3.1.1 Ficam desobrigadas de indicar médico coordenador as empresas de grau de risco 1 e 2, segundo o Quadro 1 da

7.3.1.1 Ficam desobrigadas de indicar médico coordenador as empresas de grau de risco 1 e 2, segundo o Quadro 1 da NR 7 - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT n.º 12, de 06 de junho de 1983

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA NÚMERO 7 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL

NORMA REGULAMENTADORA NÚMERO 7 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL NORMA REGULAMENTADORA NÚMERO 7 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL 7.1 DO OBJETO 7.1.1 Esta Norma Regulamentadora NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte de

Leia mais

TOXICOLOGIA CARBOXIHEMOGLOBINA METAHEMOGLOBINA MANGANÊS SELÊNIO

TOXICOLOGIA CARBOXIHEMOGLOBINA METAHEMOGLOBINA MANGANÊS SELÊNIO TOXICOLOGIA O C U P A C I O N A L CARBOXIHEMOGLOBINA METAHEMOGLOBINA MANGANÊS SELÊNIO Aplicabilidade dos exames de toxicologia ocupacional A saúde ocupacional representa importante estratégia para garantir

Leia mais

NR 7 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL

NR 7 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL NR 7 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Transcrito pela Nutri Safety * O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO o disposto nos artigos

Leia mais

-NORMA REGULAMENTADORA Nº 7 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL

-NORMA REGULAMENTADORA Nº 7 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL -NORMA REGULAMENTADORA Nº 7 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL 7.1. Do Objeto 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora (NR) estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

NR-7 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional 7.1. - DO OBJETO

NR-7 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional 7.1. - DO OBJETO NR-7 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional 7.1. - DO OBJETO 7.1.1. - Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação, por parte de todos os empregadores

Leia mais

NR 7 - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL

NR 7 - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL NR 7 - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT n.º 12, de 06 de junho de 1983

Leia mais

NR 7 - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL

NR 7 - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL NR 7 - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT n.º 12, de 06 de junho de 1983

Leia mais

Onde implantar, localmente ou na internet?;

Onde implantar, localmente ou na internet?; Agenda Evolução Tecnológica do Software; Onde implantar, localmente ou na internet?; Síntese dos novos recursos; Eventos gerados pelo Sigo w3; Como será o acesso ao eventos. Evolução Tecnológica do Software

Leia mais

NR 7 - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL

NR 7 - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL NR 7 - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT n.º 12, de 06 de junho de 1983

Leia mais

http://www.iobonlineregulatorio.com.br/print/module/print.html?s...

http://www.iobonlineregulatorio.com.br/print/module/print.html?s... 1 de 21 09/08/2011 15:23 Admissão de empregados - Exames médicos 9 de Agosto de 2011 Em face da publicação da Portaria SIT nº 236/2011 - DOU 1 de 13.06.2011, este procedimento está atualizado. Tópico atualizado:

Leia mais

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional... Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional... 2 0 0 3 2435 2522002000 PROGRAMA E CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Coordenador do Programa Dr

Leia mais

INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Instituto Adolfo Lutz

INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Instituto Adolfo Lutz INSTITUTO ADOLFO LUTZ 1 Missão do Participar das ações de Vigilância Sanitária e Epidemiológica relacionadas com o Laboratório de Saúde Pública. Executar atividades laboratoriais especializadas e diferenciadas.

Leia mais

A SOLUÇÃO NA MEDIDA CERTA

A SOLUÇÃO NA MEDIDA CERTA A SOLUÇÃO NA MEDIDA CERTA Pensando na facilidade para sua empresa o SM Diagnosticos Especializados leva até voce os serviços que atendam suas necessidades. Realizamos exames de Analises Clinicas, EEG,

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

2,5-hexanodiona urinária. Acetona

2,5-hexanodiona urinária. Acetona 2,5-hexanodiona urinária Dosagem utilizada na monitorização biológica da exposição ao n-hexano. Após o processo de biotransformação do n-hexano, o principal produto excretado na urina é a 2,5-hexanodiona.

Leia mais

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO NR 7

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO NR 7 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO NR 7 1 Objeto. Estabelece e obriga os empregadores Elaborar e implementar o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO estabelece os parâmetros

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL 20 ANOS DEPOIS

PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL 20 ANOS DEPOIS PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL 20 ANOS DEPOIS Profa. Dra. Marcia Bandini Especialista em MT pela ANAMT/AMB, Doutora pela FMUSP, Docente da Área de Saúde do Trabalhador da UNICAMP, Diretora

Leia mais

Boletim. de Segurança e Saúde no Trabalho, Manual de Procedimentos. do Programa de Controle Médico de Saúde. Ocupacional (PCMSO)

Boletim. de Segurança e Saúde no Trabalho, Manual de Procedimentos. do Programa de Controle Médico de Saúde. Ocupacional (PCMSO) Boletim Manual de Procedimentos Segurança e Saúde no Trabalho Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) SUMÁRIO 1. Introdução 2. Obrigatoriedade 3. Diretrizes 4. Responsabilidade do empregador

Leia mais

Centro de Contaminantes

Centro de Contaminantes SALA DE SITUAÇÃO EM VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA AMBIENTAL - SAÚDE INSTITUTO ADOLFO LUTZ DO Centro de Contaminantes Adriana Palma de Almeida DO 1 2 3 MISSÃO DO INSTITUTO ADOLFO LUTZ Participar das ações de

Leia mais

NR 7 - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL (107.000-2)

NR 7 - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL (107.000-2) NR 7 - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL (107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte de todos

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS Elaborado em: 05/01/2011 Autor: Borges 1.Introdução É comum entre empregadores e colaboradores que exerçam cargos de confiança a preocupação em gerir

Leia mais

Monitoramento da Exposição a Substâncias Químicas de Interesse Ambiental e Ocupacional. Armando Meyer IESC/UFRJ

Monitoramento da Exposição a Substâncias Químicas de Interesse Ambiental e Ocupacional. Armando Meyer IESC/UFRJ Monitoramento da Exposição a Substâncias Químicas de Interesse Ambiental e Ocupacional Armando Meyer IESC/UFRJ Roteiro Monitoramento ocupacional e ambiental Porque monitorar? O que é? O que medir? Onde

Leia mais

Novamed Medicina e Engenharia do Trabalho

Novamed Medicina e Engenharia do Trabalho Novamed Medicina e Engenharia do Trabalho A Novamed há mais de 15 anos no mercado, prestando serviços na área de Medicina e Engenharia do Trabalho, tem como missão preservar a saúde e a qualidade de vida

Leia mais

Anexo II. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Laudo Técnico Ambiental Laboratório Multiusuário II

Anexo II. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Laudo Técnico Ambiental Laboratório Multiusuário II Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Anexo II Laudo Técnico Ambiental Laboratório Multiusuário II CAMPUS AVANÇADO DE POÇOS DE CALDAS Instituto de Ciência e Tecnologia Diretor do Instituto Prof. Cláudio

Leia mais

Anexo II. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Laudo Técnico Ambiental Sala de Reagentes

Anexo II. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Laudo Técnico Ambiental Sala de Reagentes Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Anexo II Laudo Técnico Ambiental Sala de Reagentes CAMPUS AVANÇADO DE POÇOS DE CALDAS Instituto de Ciência e Tecnologia Diretor do Instituto Prof. Cláudio Antônio

Leia mais

Controle de Qualidade em Toxicologia Medicina do Trabalho

Controle de Qualidade em Toxicologia Medicina do Trabalho Controle de Qualidade em Toxicologia Medicina do Trabalho Laboratório de Toxicologia- PNCQ Anna Carolina P. Serra www.pncq.org.br Dia22/jun-14h00 e dia24/jun11h15 Sumário Tópicos abordados 1. Estrutura

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

2,5-Hexanodiona urinária

2,5-Hexanodiona urinária 2,5-Hexanodiona urinária Dosagem utilizada como monitorização biológica da exposição ao n-hexano. Após o processo de biotransformação do n-hexano, o principal produto excretado na urina é a 2,5-hexanodiona.

Leia mais

Alimentos Funcionais: Regulamentação e desafios para o uso de alegações no Brasil

Alimentos Funcionais: Regulamentação e desafios para o uso de alegações no Brasil Alimentos Funcionais: Regulamentação e desafios para o uso de alegações no Brasil FOODSTAFF Assessoria de Alimentos Ltda. setembro/ 2012 Agenda Alimentos Funcionais e Novos Alimentos O Mercado de Alimentos

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX

Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX Planejamento Tributário O debate sobre a carga tributária brasileira é incessante desde os tempos em que esta não ultrapassava 25% do PIB nacional.

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS ENSAIOS REALIZADOS POR LABORATÓRIOS PRESTADORES DE SERVIÇOS NA ÁREA DE SAÚDE DO TRABALHADOR

LEVANTAMENTO DOS ENSAIOS REALIZADOS POR LABORATÓRIOS PRESTADORES DE SERVIÇOS NA ÁREA DE SAÚDE DO TRABALHADOR 1 LEVANTAMENTO DOS ENSAIOS REALIZADOS POR LABORATÓRIOS PRESTADORES DE SERVIÇOS NA ÁREA DE SAÚDE DO TRABALHADOR Pesquisa elaborada pela Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública - GGLAS Coordenação:

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ?

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ? PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES AVALIAÇÃO SASSMAQ (P.COM.26.00) O SASSMAQ é um Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade, elaborado pela Comissão de Transportes da ABIQUIM, dirigido

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

PCMSO Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional

PCMSO Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional Documento Base Válido de 0/0/205 a 3/2/205 COOPERATIVA FUNXOES E XETORES SHUI LTDA. Rua 00 Saida, 234, Topuord, TO 66.777.888/000-99 - 233.444.555-0

Leia mais

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ 1 de 1 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº MATT01 202073/13-14-A Versão 03 Alumínio dissolvido 0,02 mg Al/L Espectrofotométrico / 20/08/13 Inorg SMEWW - 3500-Al B Condutividade 95,3 µs/cm Condutimétrico / SMEWW - 20/08/13

Leia mais

A Specanalítica organiza e desenvolve conteúdos programáticos ajustados às necessidades dos laboratórios e empresas, em áreas tão vastas como:

A Specanalítica organiza e desenvolve conteúdos programáticos ajustados às necessidades dos laboratórios e empresas, em áreas tão vastas como: PLANO DE FORMAÇÃO 2014 A Specanalítica, Equipamentos Científicos, Lda ter por objectivo oferecer condições que favoreçam a transmissão, o desenvolvimento e a aplicação de conhecimentos científicos e técnicos

Leia mais

MONITORAMENTO MÉDICO DE EXPOSTOS A AGENTES QUÍMICOS Jorge da Rocha Gomes

MONITORAMENTO MÉDICO DE EXPOSTOS A AGENTES QUÍMICOS Jorge da Rocha Gomes 1 MONITORAMENTO MÉDICO DE EXPOSTOS A AGENTES QUÍMICOS Jorge da Rocha Gomes INTRODUÇÃO Muitas vezes, como médico do trabalho me vi frente a duvidas de como me conduzir nas avaliações de expostos a agentes

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO. Dr. Rafael Linden CRF-RS 4819 Diretor Científico

1. APRESENTAÇÃO. Dr. Rafael Linden CRF-RS 4819 Diretor Científico MANUAL DE COLETA 1. APRESENTAÇÃO O QuantiLAB Análises Especializadas tem como objetivo realizar análises dos indicadores biológicos de substâncias químicas de interesse ocupacional. Para que os ensaios

Leia mais

TOXICOLOGIA ZINCO (SORO) TRICLOROCOMPOSTOS TOTAIS 2,5 HEXANODIONA URINÁRIA

TOXICOLOGIA ZINCO (SORO) TRICLOROCOMPOSTOS TOTAIS 2,5 HEXANODIONA URINÁRIA TOXICOLOGIA O C U P A C I O N A L ZINCO (SORO) TRICLOROCOMPOSTOS TOTAIS 2,5 HEXANODIONA URINÁRIA Aplicabilidade dos exames de toxicologia ocupacional A saúde ocupacional representa importante estratégia

Leia mais

TOXICOLOGIA É O ESTUDO DOS EFEITOS ADVERSOS DAS SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS SOBRE ORGANISMOS VIVOS

TOXICOLOGIA É O ESTUDO DOS EFEITOS ADVERSOS DAS SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS SOBRE ORGANISMOS VIVOS TOXICOLOGIA É O ESTUDO DOS EFEITOS ADVERSOS DAS SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS SOBRE ORGANISMOS VIVOS SAÚDE TOXICOLOGIA FÍSICA FISIOLOGIA QUÍMICA BIOLOGIA MOLECULAR FARMACOLOGIA PATOLOGIA BIOQUÍMICA IMUNOLOGIA ÁREAS

Leia mais

Diretiva RoHS ("Restriction of Certain Hazardous

Diretiva RoHS (Restriction of Certain Hazardous Diretiva RoHS ("Restriction of Certain Hazardous Substances ): Testes de certificação Seminário Internacional sobre Diretivas WEEE e RoHS Brasília. DF 8/2/2011 Certificação RoHS Diretiva RoHS histórico

Leia mais

2/84. Prezado cliente,

2/84. Prezado cliente, 1/84 Prezado cliente, O AMO AUXILIO MEDICINA OCUPACIONAL é um manual de toxicologia ocupacional que oferece informações relevantes para coleta e preparo das amostras toxicológicas. Seguindo rigorosamente

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA RESOLUÇÃO CFFa nº 467, de 24 de abril de 2015. Dispõe sobre as atribuições e competências relativas ao profissional fonoaudiólogo Especialista em Fonoaudiologia do Trabalho, e dá outras providências. O

Leia mais

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ

Dep. de Contr da Qualidade dos Produtos Água e Esg - TOQ 1 de 1 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº MATU 44033/13-14-A Versão 02 Alumínio dissolvido 0,03 mg Al/L Espectrofotométrico / 03/07/13 Inorg SMEWW - 3500-Al B Clorofórmio 7,59 µg/l GC-MS/Headspace / EPA - 09/08/13

Leia mais

TOXICOLOGIA COBRE ÁCIDO MANDÉLICO METILETILCETONA

TOXICOLOGIA COBRE ÁCIDO MANDÉLICO METILETILCETONA TOXICOLOGIA O C U P A C I O N A L COBRE ÁCIDO MANDÉLICO METILETILCETONA Aplicabilidade dos exames de toxicologia ocupacional A saúde ocupacional representa importante estratégia para garantir o bem estar

Leia mais

Alta Tecnologia em Injeção de Termoplásticos

Alta Tecnologia em Injeção de Termoplásticos Alta Tecnologia em Injeção de Termoplásticos História A Jaguar Embalagens é uma unidade de negócios da Jaguar Plásticos, empresa que tem uma história de inovação que se prospera há mais de 36 anos. Iniciou

Leia mais

PLANILHA - CPEA MS. Parâmetros. Resultado da Amostra 60422/2012. Resultado da duplicata 60424/2012 DPR (%)

PLANILHA - CPEA MS. Parâmetros. Resultado da Amostra 60422/2012. Resultado da duplicata 60424/2012 DPR (%) PLANILHA - CPEA MS Parâmetros Amostra 60422/2012 duplicata 60424/2012 DPR (%) 1,1-Dicloroeteno < 0,001 < 0,001 0 Spike adicionado (VOC) 1,2,3-Triclorobenzeno < 1 < 1 0 Spike adicionado (SVOC) 1,2,4-Triclorobenzeno

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

TOXICOLOGIA ACETONA CROMO ACIDO TRANS, TRANS-MUCÔNICO

TOXICOLOGIA ACETONA CROMO ACIDO TRANS, TRANS-MUCÔNICO TOXICOLOGIA O C U P A C I O N A L ACETONA CROMO ACIDO TRANS, TRANS-MUCÔNICO Aplicabilidade dos exames de toxicologia ocupacional A saúde ocupacional representa importante estratégia para garantir o bem

Leia mais

Marcos Damas. www.bethaconsultoria.com.br. Prezados (as) Senhores (as),

Marcos Damas. www.bethaconsultoria.com.br. Prezados (as) Senhores (as), Prezados (as) Senhores (as), A BETHA CONSULTORIA EM SEGURANÇA DO TRABALHO é uma empresa especializada em assessoria e prestação de serviços na área de segurança e medicina do trabalho para os mais diversos

Leia mais

PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional).

PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional). PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional). PCMSO O PCMSOé definido e regulamentado pela Norma Regulamentadora nº 7, contida na Portaria 3214, de 8 de Junho de 1978, do Ministério do Trabalho

Leia mais

Instituto Nacional de Tecnologia (INT) EMBRAPII. Financiamento para pesquisa, desenvolvimento e inovação

Instituto Nacional de Tecnologia (INT) EMBRAPII. Financiamento para pesquisa, desenvolvimento e inovação Instituto Nacional de Tecnologia (INT) EMBRAPII Financiamento para pesquisa, desenvolvimento e inovação INT: parceiro da inovação A participação no programa EMBRAPII colocou o Instituto Nacional de Tecnologia

Leia mais

Perda Auditiva Induzida por Ruído

Perda Auditiva Induzida por Ruído AUDIÇÃO E TRABALHO Audição e Trabalho Ouvir é essencial para a comunicação verbal. É pela audição que percebemos os sons e temos uma boa orientação ambiental. A audição é um canal importante de entrada

Leia mais

Proposta de programa Científico do Congresso da Associação Paulista de Medicina do Trabalho 2012

Proposta de programa Científico do Congresso da Associação Paulista de Medicina do Trabalho 2012 Proposta de programa Científico do Congresso da Associação Paulista de Medicina do Trabalho 2012 Dia 20/01/2012 Sexta Feira Na Associação Paulista de Medicina. ATIVIDADE TEMA DA ATIVIDADE ( Observação

Leia mais

Art. 1º - Aprovar o texto da Norma Regulamentadora n.º 7 EXAMES MÉDICOS, que passa a ter a seguinte redação:

Art. 1º - Aprovar o texto da Norma Regulamentadora n.º 7 EXAMES MÉDICOS, que passa a ter a seguinte redação: MINISTÉRIO DO TRABALHO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 24, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (D.O.U. de 30/12/94 Seção 1 págs. 21.278 e 21.280) O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO,

Leia mais

Exposição ocupacional aos solventes: Indicadores Biológicos de Exposição

Exposição ocupacional aos solventes: Indicadores Biológicos de Exposição xposição ocupacional aos solventes: Indicadores Biológicos de xposição Profa. dna Maria Alvarez Leite Faculdade de Farmácia da UFMG Biomarcadores ou Indicadores Biológicos Lato sensu: qualquer parâmetro

Leia mais

Experiência no controle da qualidade analítica

Experiência no controle da qualidade analítica Experiência no controle da qualidade analítica Mario Maroto abril/ 2006 A ECOLABOR A ECOLABOR Comercial Consultoria e Análises Ltda. é uma empresa privada brasileira, fundada em 1992. Análises MICROBIOLÓGICAS,

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

EDITAL PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO JOVEM DA UFPE

EDITAL PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO JOVEM DA UFPE EDITAL PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO JOVEM DA UFPE A Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) torna pública, através da Diretoria de Inovação e Empreendedorismo (DINE) da Pró-Reitoria para Assuntos de

Leia mais

Texto para Discussão

Texto para Discussão Convênio: Fundação Economia de Campinas - FECAMP e Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE Termo de Referência: Reforma Trabalhista e Políticas Públicas para Micro e Pequenas Empresas Texto

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 59

PROVA ESPECÍFICA Cargo 59 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 59 QUESTÃO 26 O termo Estafa é usado para designar: a) Síndrome da Fadiga Crônica. b) Síndrome da Fadiga Pós-virose. c) Síndrome Residual Pós-traumática. d) Síndrome do Esgotamento

Leia mais

Assim, assumimos o compromisso de investir não só em tecnologia, mas no desenvolvimento das pessoas, pois valorizamos as relações acima de tudo.

Assim, assumimos o compromisso de investir não só em tecnologia, mas no desenvolvimento das pessoas, pois valorizamos as relações acima de tudo. ECONSULTING Olá, Se você ainda não conhece a ECO, muito prazer! Se você já conhece, está na hora de olhar para ela novamente. Estamos a duas décadas trabalhando para entender e ajudar as pessoas. Entendemos

Leia mais

TLONAN LOGÍSTICA. PCMSO - Programa e Controle Médico de Saúde Ocupacional. Março de 2016

TLONAN LOGÍSTICA. PCMSO - Programa e Controle Médico de Saúde Ocupacional. Março de 2016 TLONAN LOGÍSTICA PCMSO - Programa e Controle Médico de Saúde Ocupacional Março de 2016 T. Lonan Logística LTDA Est. do Lameirão Pequeno, 136 Campo Grande, Rio de Janeiro, RJ Tel.: +55 21 2411-1317 Fax

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ACQUA BOOM SANEAMENTO AMBIENTAL LTDA - EPP Determinação

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F. B. Moreira O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva decorrente da

Leia mais

ATO nº 03/2009. Artigo 2º - Para os efeitos deste Ato, são considerados efluentes especiais passíveis de recebimento pelo SAAE:

ATO nº 03/2009. Artigo 2º - Para os efeitos deste Ato, são considerados efluentes especiais passíveis de recebimento pelo SAAE: ATO nº 03/2009 Dispõe sobre a criação e normatização do Programa de Recebimento de Efluentes Especiais (PRESS) pelo Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Sorocaba O DIRETOR GERAL do Serviço Autônomo de

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

Desde 1993 a confiança e credibilidade conquistada é resultado do trabalho constante em comunicação objetiva e atendimento especializado.

Desde 1993 a confiança e credibilidade conquistada é resultado do trabalho constante em comunicação objetiva e atendimento especializado. ESCRITÓRIO DE ADVOCACIA COM SÓLIDA EXPERIÊNCIA E CONHECIMENTO EM NEGÓCIOS, QUE PELO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO, CLARO E ÁGIL, TORNOU-SE UMA MARCA DE EXCELÊNCIA. MSCB Advogados possui uma visão moderna de

Leia mais

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores

Leia mais

Por Diego González Machín

Por Diego González Machín CENTROS DE REFERÊNCIA E APOIO ÀS EMERGÊNCIAS QUÍMICAS NA AMÉRICA LATINA E NO CARIBE: CENTROS DE RESPOSTA QUÍMICA E OS CENTROS DE INFORMAÇÃO E ASSESSORIA TOXICOLÓGICA 1. Introdução Por Diego González Machín

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 055/2013 GRECS/GGTES/ANVISA

NOTA TÉCNICA Nº 055/2013 GRECS/GGTES/ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária NOTA TÉCNICA Nº 055/2013 GRECS/GGTES/ANVISA Esclarecimentos sobre artigos da RDC Anvisa nº 29/2011 e sua aplicabilidade nas instituições conhecidas como Comunidades

Leia mais

ASSESSORIA NA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE, CONFORME ABNT NBR ISO 9001 E ASSESSORIA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO ISO 9001, ISO

ASSESSORIA NA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE, CONFORME ABNT NBR ISO 9001 E ASSESSORIA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO ISO 9001, ISO ASSESSORIA NA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE, CONFORME ABNT NBR ISO 9001 E ASSESSORIA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001 Hall Consult Produtos/ Serviços:

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE. Orientações Gerais

MANUAL DO CLIENTE. Orientações Gerais MANUAL DO CLIENTE Orientações Gerais Prezado Cliente: O compromisso da ESAME é oferecer a você o melhor serviço na área de Saúde e Segurança no Trabalho, assegurando a qualidade nos procedimentos médicos,

Leia mais

Acordos e Protocolos sem Repasse - Vigentes

Acordos e Protocolos sem Repasse - Vigentes Página 1 de 5 19/7/2015 Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN 20/7/2010 Desenvolver trabalhos e de ações de capacitação no âmbito científico, acadêmico e técnico de interesse comum às suas

Leia mais

Missão. Objetivos Específicos

Missão. Objetivos Específicos CURSO: Engenharia Ambiental e Sanitária Missão O Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnico científica nas áreas

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Oficinas Analíticas 2015 Análises Ambientais. Rede Metrológica RS

Oficinas Analíticas 2015 Análises Ambientais. Rede Metrológica RS Oficinas Analíticas 2015 Análises Ambientais Rede Metrológica RS Agenda do dia: 1) Comentários iniciais sobre o PEP da Rede Metrológica RS; 2) Apresentação do estudo de caso 1 (equivalência entre métodos

Leia mais

Implantação do Programa de vigilância à saúde dos trabalhadores do HGRS.

Implantação do Programa de vigilância à saúde dos trabalhadores do HGRS. Curso de Atualização Semipresencial Gestão das Condições De Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde 1. TÍTULO Implantação do Programa de vigilância à saúde dos trabalhadores do HGRS. Daniele da Silva

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

2.5. Cooperação com universidades alemãs consolida área de Ecologia da UFRGS

2.5. Cooperação com universidades alemãs consolida área de Ecologia da UFRGS 2.5. Cooperação com universidades alemãs consolida área de Ecologia da UFRGS Heinrich Hasenack UFRGS IB Centro de Ecologia A preocupação mundial com o meio ambiente teve eco no Brasil, onde as primeiras

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO - SST No Brasil a Segurança e Medicina no Trabalho é regulamentada pela portaria 3214/78, atualmente com 36 Normas Regulamentadoras do Ministério

Leia mais

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Objetivo A Norma Regulamentadora 9 estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação,

Leia mais

TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE

TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE 5º Congresso Pan-Americano de Esterilização 6º Simpósio Internacional de Esterilização e Controle de Infecção Hospitalar NR 32 - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM SERVIÇOS DE SAÚDE Noeli Martins - Médica

Leia mais

SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI

SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI EDITAL DE SELEÇÃO Nº 001/2011 PERFIL: Consultoria Técnica para o Programa de Apoio

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

Contaminantes microbiológicos e químicos confiabilidade do monitoramento laboratorial para efetiva ação

Contaminantes microbiológicos e químicos confiabilidade do monitoramento laboratorial para efetiva ação Segurança da Água para Consumo Humano Como Moldar o Futuro da Água para as partes Interessadas 07 Maio de 2015 Contaminantes microbiológicos e químicos confiabilidade do monitoramento laboratorial para

Leia mais

CBA. Certification in Business Administration

CBA. Certification in Business Administration CBA Pós - Graduação QUEM SOMOS PARA PESSOAS QUE TÊM COMO OBJETIVO DE VIDA ATUAR LOCAL E GLOBALMENTE, SEREM EMPREENDEDORAS, CONECTADAS E BEM POSICIONADAS NO MERCADO, PROPORCIONAMOS UMA FORMAÇÃO DE EXCELÊNCIA

Leia mais