INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL"

Transcrição

1 INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL FORMAÇÃO PARA ACTIIVOS QUALIIFIICADOS ((Qualliiffiicações de Níívell Superriiorr ou IIntterrmédiia)) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Área de Formação: 345-GESTTÃO/ /ADMINISTTRAÇÃO Itinerário: MARKEETTI ING EE GEESSTTÃO COMEERCI IALL,, LOGÍSSTTI ICA EE QUALLI IDADEE Percursos: MAARRKKEETTI IINNGG EE GEESSTTÃÃOO COOMMEERRCCI II AALL GEESSTTÃÃOO LLOOGGÍ ÍÍSSTTI IICCAA GEESSTTÃÃOO EE ORRGG AANNI IIZZ AAÇÇÃÃOO DDAA QUUAALLI IIDDAADDEE Versão de Setembro de 2004 DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1

2 1. INTRODUÇÃO O presente Referencial de Formação, no âmbito do Marketing e Gestão Comercial, Logística e Qualidade, integra-se na modalidade de Formação para Activos Qualificados (Qualificações de Nível Superior ou Intermédia), que careçam de actualização das suas competências e/ou necessitem de um aprofundamento de conhecimentos, numa perspectiva de inovação organizacional ou de adaptação a novos conhecimentos, tecnologias ou ainda a novos métodos de produção. A modernização da economia e a plena inserção de Portugal no espaço europeu pressupõem um modelo de especialização mais centrado na valorização dos recursos humanos e na intensidade tecnológica, no qual as PME têm um papel central na flexibilidade e capacidade de inovação no tecido empresarial. As empresas de hoje revelam não só uma maior flexibilidade de gestão dos efeitos da crise, como também uma maior capacidade de criação de empregos. O empresário individual é de novo o centro das atenções da sociedade portuguesa, como agente mais capaz de criação de riqueza e de emprego, em contraste com a dificuldade das grandes empresas, para debelarem os efeitos de crises anunciadas. Há um novo desafio empresarial porque as condições do exercício do negócio estão também em profunda mutação, exigindo dos empresários novas formas de gestão e uma maior capacidade de inovação. Mais do que nunca a empresa não pode ser vista como um local em que se organizam fluxos de matérias-primas transformadas por um sistema de máquinas, para dar origem a produtos relativamente estáveis ao longo do tempo, mas como um organismo vivo formado por indivíduos capazes de se adaptarem de forma eficiente e eficaz às exigências da concorrência e às mutações do sistema envolvente. A gestão dos produtos e dos equipamentos subordina-se às políticas de gestão estratégica das empresas/organizações. O rejuvenescimento dos empresários portugueses é fundamental para a vitalidade e potencialidade do crescimento das empresas, este rejuvenescimento, respeita essencialmente à criação de novas empresas. No que se refere à gestão e organização da qualidade, tem vindo a revelar-se cada vez mais importante nas organizações modernas e competitivas. Não é mais que um conjunto de ferramentas e metodologias que quando bem aplicadas fornecem à empresa uma organização e estruturação que lhe permite estar mais apta a responder às necessidades do mercado e dos seus clientes. O seu objectivo é conseguir satisfazer as necessidades dos clientes, sendo que para esse fim, é necessário a definição das suas necessidades, traçar objectivos, concretizar metas de melhoria, garantir uma boa interacção entre os colaboradores da empresa, entre outros. DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 2

3 A certificação e a sua exigência por um cada vez maior número de empresas, vem demonstrar, através de uma organização certificadora independente, o cumprimento de uma série de regras de gestão, segundo as quais as empresas estão em melhores condições estruturais e organizativas para fornecer um produto /satisfazer uma necessidade do mercado. 2. FINALIDADE Este Referencial de Formação, através da aquisição ou aprofundamento de competências transversais e técnicas inovadoras na área da Gestão/Administração, visa proporcionar uma formação complementar, sendo constituído por uma parte de ensino em sala com uma duração de referência de 400 horas, podendo ser acrescido de um estágio em contexto de trabalho tecnicamente supervisionado, também com uma duração de referência de 400 horas e incide no desenvolvimento de novas competências necessárias para melhorar a competitividade das empresas ao nível do Marketing e Gestão Comercial, da Gestão Logística e da Gestão e Organização da Qualidade. 3. DESTINATÁRIOS Esta formação destina-se a activos empregados ou desempregados com qualificações de nível superior ou intermédia que tenham interesse e motivação pela actividade empresarial, podendo para este efeito ser considerada no âmbito da Medida 2.1 Formação Profissional Contínua, Tipologia de Projecto Aperfeiçoamento e Especialização de Activos Qualificados, Acção- Tipo Reciclagem, Actualização e Aperfeiçoamento e da Medida 3.3 Promoção da Empregabilidade e do Emprego ao Nível Local, Tipologia de Projecto Qualificação e Inserção Profissional de Desempregados, Acção-Tipo Especialização Profissional de Quadros Superiores (Intervenções Operacionais Regionalmente Desconcentradas). 4. REFERENCIAL DE FORMAÇÃO 4.1 Perfis Visados DESCRIÇÃO GERAL O Referencial de Formação assente no Itinerário de MARKETING E GESTÃO COMERCIAL, LOGÍSTICA E QUALIDADE, contempla três percursos formativos associados a três perfis distintos, respectivamente, MARKETING E GESTÃO COMERCIAL, GESTÃO LOGÍSTICA e GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DA QUALIDADE. DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 3

4 ACTIVIDADES PRINCIPAIS O Percurso Formativo de MARKETING E GESTÃO COMERCIAL centra-se no seguinte conjunto de actividades: Identificar os conceitos, técnicas e ferramentas de planeamento de marketing Aplicar novas técnicas de gestão de equipas comerciais Analisar casos práticos no âmbito do planeamento de marketing e gestão de equipas comerciais. O Percurso Formativo de GESTÃO LOGÍSTICA centra-se nas seguintes actividades: Desenvolver a capacidade de gestão com o enfoque no planeamento e operacionalização de processos logísticos integrados através de uma abordagem inovadora, nomeadamente na integração da cadeia logística Caracterizar o enquadramento da função logística no âmbito empresarial, interno e externo Operacionalizar uma actividade logística no meio empresarial. O Percurso Formativo de GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DA QUALIDADE centra-se nas seguintes actividades: Identificar os conceitos, técnicas e ferramentas de gestão da qualidade Analisar a importância e mais valia que a implementação de um sistema de qualidade tem para a adaptabilidade e consistência dos processos das organizações modernas Analisar casos práticos no âmbito da gestão e organização da qualidade. 4.2 Matriz Curricular O Itinerário de MARKETING E GESTÃO COMERCIAL, LOGÍSTICA E QUALIDADE apresentado no quadro seguinte, estrutura-se numa componente de Formação de Base, com uma duração referencial de 145 horas, numa componente de Formação Específica que varia em função dos perfis visados apresentando uma duração de referência de 255 horas e numa componente de Formação Prática em Contexto de Trabalho constituída por um Estágio em Empresa de 400 horas. DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 4

5 A componente de Formação de Base centrada na aquisição de competências-chave nas áreas organizacional e comportamental, integra sete módulos, com as seguintes durações: MÓDULO A1 Estratégia Organizacional 15 horas MÓDULO A2 Gestão da Qualidade 15 horas MÓDULO A3 Comportamento Organizacional 30 horas MÓDULO A4 Logística Geral 15 horas MODULO A5 Sistemas de Informação para a Gestão 25 horas MÓDULO A6 Estatística Geral 30 horas MÓDULO A7 Segurança, Saúde e Ambiente 15 horas A componente de Formação Específica é estruturada em função de cada Percurso Formativo, contemplando nove módulos com uma duração de referência de 15 a 45 horas. A componente de Formação Prática em Contexto de Trabalho constituída por um Estágio com a duração de 400 Horas visa consolidar as competências profissionais específicas. Registe-se, contudo, que na tipologia de acções destinadas a públicos empregados não se inclui a Formação Prática em Contexto de Trabalho. DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 5

6 ITINERÁRIO: MARKETING E GESTÃO COMERCIAL, LOGÍSTICA E QUALIDADE Perfis Visados: MARKETING E GESTÃO COMERCIAL GESTÃO LOGÍSTICA GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DA QUALIDADE FORMAÇÃO DE BASE UNIDADE MODULAR NA ÁREA DE COMPETÊNCIA ORGANIZACIONAL Módulo A1 ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL - 15 Horas Módulo A2 GESTÃO DA QUALIDADE - 15 Horas Módulo A3 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL - 30 Horas Módulo A4 LOGISTICA GERAL - 15 Horas Módulo A5 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA A GESTÃO - 25 Horas Módulo A6 ESTATISTICA GERAL - 30 Horas Módulo A7 SEGURANÇA, SAÚDE E AMBIENTE - 15 Horas CÓD. SGFOR S 145 Horas Módulo B1 GESTÃO COMERCIAL E MARKETING 15 Horas Módulo C1 GESTÃO DE MATERIAIS 30 Horas Módulo D1 GESTÃO DA QUALIDADE, REGULAMENTAÇÃO E LEGISLAÇÃO 30 Horas Módulo B2 GESTÃO ESTRATÉGICA 30 Horas Módulo C2 CUSTOS LOGÍSTICOS 15 Horas Módulo D2 NORMAS ISSO Horas COMPONENTES DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO ESPECÍFICA Módulo B3 COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR 15 Horas Módulo B4 CONTROLO DE GESTÃO 30 Horas Módulo B5 PLANO DE MARKETING 45 Horas Módulo B6 TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO 15 Horas Módulo C3 PLANEAMENTO E CONTROLO DA PRODUÇÃO 30 Horas Módulo C4 SISTEMAS DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA 15 Horas Módulo C5 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO APLICADOS À LOGÍSTICA 30 Horas Módulo C6 ASPECTOS LOG. DOE - BUSINESS 15 Horas Módulo D3 DISPOSITIVOS DE MONITORIZAÇÃO E MEDIÇÃO 15 Horas Módulo D4 FERRAMENTAS DA QUALIDADE 15 Horas Módulo D5 ARQUITECTURA DE UM SISTEMA GESTÃO QUALIDADE 15 Horas 255 Horas Módulo D6 AUDITORIAS DA QUALIDADE 15 Horas Módulo B7 MARKETING DE PRODUTOS E SERVIÇOS 15 Horas Módulo C7 LOGÍSTICA GLOBAL 15 Horas Módulo D7 MELHORIA CONTÍNUA E AVALIAÇÃO SATISFAÇÃO 15 Horas Módulo B8 MOTIVAÇÃO E LIDERANÇA 30 Horas Módulo C8 ESTRATÉGIA LOGÍSTICA 30 Horas Módulo D8 SISTEMAS INTEGRADOS, QUALIDADE, SEG. E AMB. 15 Horas Módulo B9 CRIATIVIDADE E PUBLICIDADE PROJECTO FINAL 60 Horas Módulo C9 PROJECTO FINAL 60 Horas Módulo D9 PROJECTO FINAL 60 Horas F. PRÁT. EM CONT.TRAB Estágio em Contexto de Trabalho MARKETING E GESTÃO COMERCIAL Estágio em Contexto de Trabalho GESTÃO LOGÍSTICA Estágio em Contexto de Trabalho GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DA QUALIDADE 400 Horas CÓD. SGFOR S CÓD. SGFOR S CÓD. SGFOR S DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 6

7 4.3 Sugestões de Desenvolvimento da Formação Em termos da organização curricular sugere-se que a Componente de Formação Específica se desenvolva após a conclusão da Componente de Formação de Base. Os módulos constituintes da Formação de Base poderão ser desenvolvidos em simultâneo, ou sequencialmente, contudo no que se refere aos módulos que constituem a Formação Específica, sugere-se que se apliquem sequencialmente, focalizando o último módulo numa perspectiva de Projecto Final, vocacionado para o perfil de saída visado, servindo de unidade integradora dos conhecimentos ministrados no âmbito dos outros módulos de formação. Sempre que possível o último módulo deve ser articulado com o Estágio em Contexto de Trabalho. O Estágio em Contexto de Trabalho deve ser desenvolvido na empresa/instituição receptora do estagiário e assente numa missão profissional com objectivos claros e definidos à priori, tendo um determinado grau de responsabilidade e uma relativa autonomia no exercício das funções atribuídas. O Estágio decorre sob a supervisão de um Tutor (profissional experiente da empresa/instituição) que colabora no acompanhamento e no processo de avaliação dos participantes. 4.4 Desenvolvimento das Componentes de Formação de Base, Específica e Prática em Contexto de Trabalho Como suporte ao desenvolvimento do Itinerário de MARKETING E GESTÃO COMERCIAL, LOGÍSTICA E QUALIDADE, nos pontos seguintes, apresenta-se um conjunto de fichas de caracterização dos diferentes módulos, descriminando-se as competências a adquirir após a frequência do respectivo módulo, os objectivos, a síntese dos conteúdos, a metodologia, a bibliografia e duração, passíveis de serem utilizados. DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 7

8 4.4.1 Desenvolvimento da Componente de Formação de Base UNIDADE MODULAR NA ÁREA DE COMPETÊNCIAS ORGANIZACIONAIS DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 8

9 Módulo A1: ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL OBJECTIVOS Pretende-se que cada participante, após a frequência módulo, esteja apto(a) a: Definir a empresa como um sistema aberto Distinguir a estratégia organizacional das outras disciplinas da gestão Efectuar a análise global do sistema empresa Identificar a vantagem competitiva SÍNTESE DOS CONTEÚDOS 1. O sistema empresa 2. Perspectiva do exterior à empresa - Entrada de factores de produção. - Fornecimento de bens e serviços. 3. Oportunidades e ameaças do meio envolvente 4. Perspectiva do interior à empresa 5. Gestão funcional do sistema empresa - Objectivos das organizações e das empresas - Competências distintivas de uma empresa - As actividades dos subsistemas e a cadeia de valores - Factores que afectam a dinâmica de uma organização - Pensamento estratégico 6. Forças e fraquezas da empresa 7. Análise global do sistema empresa (análise swot) METODOLOGIA Favorecer o processo de aprendizagem devendo, sempre que possível: Partir do que é conhecido para o desconhecido e do concreto para o mais abstracto Considerar os conhecimentos, capacidades e atitudes já adquiridas, por cada participante, com vista ao desenvolvimento de novas ideias, conceitos, relações, processos e realizações. Diversificar os estímulos propostos aos participantes Implicar os participantes, desenvolvendo actividades de forma sistemática, actividades individuais e em (sub)grupo(s) Comunicar de forma clara, simples, concisa e atractiva, aliando o significado do que é dito com a representação mais usual Realçar os processos e as conexões do que é dito, mostrado, experimentado ou vivenciado DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 9

10 BIBLIOGRAFIA/RECURSOS DIDÁCTICOS Data-show; computador, quadro didax, canetas, flip chart, cartolinas de cor, canetas/lápis de cor, fita-cola. DURAÇÃO - 15 Horas DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 10

11 Módulo A2: GESTÃO DA QUALIDADE OBJECTIVOS Pretende-se que cada participante, após a frequência do módulo, esteja apto(a) a: Relacionar a função qualidade e a competitividade das empresas Identificar as diversas variáveis que influenciam a qualidade na/da empresa Identificar algumas formas de avaliação e de medição da qualidade Identificar domínios da função qualidade, igualmente importantes para a gestão das empresas SÍNTESE DOS CONTEÚDOS 1. Função Qualidade - Evolução do conceito de qualidade - Gestão das organizações - Gestão da Qualidade - Motivação para a qualidade - Organização da função qualidade 2. Qualidade na empresa - A qualidade na competitividade nas empresas - Normas ISO Certificação - Qualidade Total na empresa - Princípios da Gestão da Qualidade 3. Planeamento - Missão, Visão e Política - Planeamento, Indicadores e objectivos - Controlo Estatístico do Processo (SPC) - Inspecção, Ensaios e Metrologia 4. Avaliação - A importância da gestão - Auditorias da qualidade - Controlo Estatístico do Processo (SPC) - Inspecção, Ensaios e Metrologia METODOLOGIA Favorecer o processo de aprendizagem devendo, sempre que possível: Utilizar casos práticos vivenciados pelos participantes para o desenvolvimento dos conceitos teóricos Enfatizar a importância das matérias e a inexistência na maioria dos casos dessa aplicação na realidade Partir do que é conhecido para o desconhecido e do concreto para o mais abstracto Considerar os conhecimentos, capacidades e atitudes já adquiridas, por cada participante, com vista ao desenvolvimento de novas ideias, conceitos, relações, processos e realizações DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 11

12 BIBLIOGRAFIA/RECURSOS DIDÁCTICOS SARAIVA, Pedro M.; D OREY, João L.; FIGUEIRA, Jorge; ALMEIDA, Paula C. Testemunhos da Qualidade em Portugal, Lisboa, Instituto Português da Qualidade, 2001 CT80 (APQ) NP EN ISO 9004: 2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Linhas de Orientação para a Melhoria de Desempenho, Lisboa, Instituto Português da Qualidade, 2001 Exemplos práticos de políticas da Qualidade, Indicadores, Objectivos DURAÇÃO 15 Horas DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 12

13 Módulo A3: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL OBJECTIVOS Pretende-se que cada participante, após a frequência do módulo, esteja apto(a) a: Identificar os conceitos determinantes no Comportamento Organizacional Identificar e aplicar o conceito de liderança Identificar as técnicas de motivação das pessoas Identificar as técnicas de comunicação organizacional Descrever a lógica da eficácia de uma gestão por objectivos Executar trabalhos sobre casos específicos de descrição e análise de funções e modelo de competências Desenvolver planos de acção e respectivo acompanhamento Identificar o sistema de gestão e as ligações entre avaliação de desempenho, gestão da carreira e remunerações ou incentivos SÍNTESE DOS CONTEÚDOS 1. Avaliação de expectativas: - Níveis de expectativas face ao Comportamento Organizacional - Conceitos - A Liderança no processo de mudança - Gestão das equipas de trabalho e das pessoas num contexto de mudança 2. Motivação e gestão por objectivos: - A motivação e a cultura da empresa - Sistemas de comunicação Organizacional - Formas de trabalhar a motivação - Contexto de mudança versus motivação - Novos circuitos informativos perante a lógica organizacional - A lógica da eficácia de um sistema de gestão por objectivos 3. Sistema de gestão de pessoas: - Descrição e análise de funções - Modelo de competências - Determinar as melhorias de qualidade nos serviços prestados - Determinar processos de trabalho mais optimizados - Definir indicadores de eficiência dos profissionais e das equipas - Controlar desvios aos indicadores de eficiência DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 13

14 4. Avaliação de desempenho e gestão de carreiras: - Avaliação de desempenho - Gestão de carreiras - Mentoring - Sistemas de remunerações e incentivos METODOLOGIA Favorecer o processo de aprendizagem devendo, sempre que possível: Partir do que é conhecido para o desconhecido e do concreto para o mais abstracto. Considerar os conhecimentos, capacidades e atitudes já adquiridas, por cada participante, com vista ao desenvolvimento de novas ideias, conceitos, relações, processos e realizações. Diversificar os estímulos propostos aos participantes. Implicar os participantes, desenvolvendo actividades de forma sistemática, actividades individuais e em (sub)grupo(s). Comunicar de forma clara, simples, concisa e atractiva, aliando o significado do que é dito com a representação mais usual. Realçar os processos e as conexões do que é dito, mostrado, experimentado ou vivenciado. BIBLIOGRAFIA/RECURSOS DIDÁCTICOS Video-Projector Flipcharts Goma adesiva (UHU Tac ou Blue Tac) Vídeo alusivo TV e vídeo Folhas de cartolina a cores Marcadores cores diversas DURAÇÃO 15 Horas DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 14

15 Módulo A4: LOGISTICA GERAL OBJECTIVOS Pretende-se que cada participante, após a frequência do módulo, esteja apto(a) a: Explicar o conceito de logística e a sua evolução ao longo tempo Identificar as actividades logísticas e a forma como se inter-relacionam Caracterizar os diferentes níveis de decisão no sistema logístico Identificar a função logística na empresa Descrever caminhos e meios para se aplicarem os princípios da logística moderna SÍNTESE DOS CONTEÚDOS 1. Logística - Conceito de logística - Evolução da logística ao longo do tempo desde vertente militar até ao conceito actual - Papel da logística na economia e no comércio 2. Fluxo logístico - Gestão de fluxos de materiais - Gestão de fluxos de informação 3. Componentes do sistema logístico - Planeamento - Compras - Transportes - Armazenamento - Sistemas de informação 4. Função logística na empresa - O enquadramento da função logística na empresa com a áreas da produção, marketing e qualidade - Percentagem de actividades da logísticas nas actividades da empresa - Custos versus nível de serviços na logística 5. Tendência de evolução - A logística integrada - Papel dos sistemas de informação na logística METODOLOGIA Favorecer o processo de aprendizagem devendo, sempre que possível: Partir do que é conhecido para o desconhecido e do concreto para o mais abstracto; Considerar os conhecimentos, capacidades e atitudes já adquiridas, por cada participante, com vista ao desenvolvimento de novas ideias, conceitos, relações, processos e realizações; Diversificar os estímulos propostos aos participantes; DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 15

16 Implicar os participantes, desenvolvendo actividades de forma sistemática, actividades individuais e em (sub)grupo(s); Comunicar de forma clara, simples, concisa e atractiva, aliando o significado do que é dito com a representação mais usual; Realçar os processos e as conexões do que é dito, mostrado, experimentado ou vivenciado; Utilizar recursos didácticos que permitam a melhor captação da informação pelos participantes. BIBLIOGRAFIA/RECURSOS DIDÁCTICOS Logística Industrial Guia do Formando, Colecção Modulform Formação Modular, IEFP, 1997 Enciclopédia Electrónica - Logística Colecção Multitec, IEFP, 2001 DURAÇÃO 15 Horas DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 16

17 Módulo A5: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA A GESTÃO OBJECTIVOS Pretende-se que cada participante, após a frequência do módulo, esteja apto(a) a: Usar fácil e rapidamente informação utilizando a rede informática Desenvolver o aumento da produtividade no trabalho administrativo como resultado da grande flexibilidade e integração das ferramentas SÍNTESE DOS CONTEÚDOS 1. Trabalhar em rede - Breves noções sobre a estrutura de uma rede informática - Partilhar documentos em rede - Imprimir em rede 2. Microsoft Word - Criação de documentos tipo da empresa - A importância de criar índices automáticos no aumento da produtividade - A importância de preparar cartas, envelopes e etiquetas em série para o aumento da produtividade - Automatização de tarefas através de macros 3. Microsoft Excel - Importância de utilização do Excel para o aumento de produtividade no trabalho administrativo - Formatação automática de dados - Formatação de gráficos - Funções avançadas de cálculo - Simulação de dados (tabelas, cenários, goal-seek e solver) - Tabelas dinâmicas - Automatização de tarefas através de macros. 4. Interacções entre as duas ferramentas - Exportação de dados do Excel para o Word - Ligação de dados entre os documentos e actualização automática METODOLOGIA Para a prossecução destas finalidades, preconiza-se: Preparar com os formandos um espaço em rede na sala Preparar uma impressora para impressão em rede Explorar casos práticos. Utilizar documentos de gestão (tipo faxs;cartas; time reports; documentos financeiros) já preparados para demonstrar algumas das funcionalidades do Microsoft Word e do Microsoft Excel Construir dados no Microsoft Excel que depois possam ser exportados para uma carta em Microsoft DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 17

18 Word e proceder a várias actualizações. Preparar a carta para impressão em série. Favorecer o processo de aprendizagem devendo, sempre que possível: Partir do que é conhecido para o desconhecido e do concreto para o mais abstracto Considerar os conhecimentos, capacidades e atitudes já adquiridas, por cada participante, com vista ao desenvolvimento de novas ideias, conceitos, relações, processos e realizações Diversificar os estímulos propostos aos participantes Implicar os participantes, desenvolvendo actividades de forma sistemática, actividades individuais e em (sub)grupo(s) Comunicar de forma clara, simples, concisa e atractiva, aliando o significado do que é dito com a representação mais usual Realçar os processos e as conexões do que é dito, mostrado, experimentado ou vivenciado Utilizar recursos didácticos que permitam a melhor captação da informação pelos participantes BIBLIOGRAFIA/RECURSOS DIDÁCTICOS Microsoft Word XP Microsoft Excel XP Sousa Sérgio, Sousa Maria José Microsoft Office XP Para Todos Nós, FCA, DURAÇÃO 25 Horas DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 18

19 Módulo A6: ESTATÍSTICA GERAL OBJECTIVOS Pretende-se que cada participante, após a frequência módulo, esteja apto(a) a: Determinar dados empíricos em frequência e representá-los graficamente Determinar medidas de localização de dados (média aritmética simples e ponderada, média geométrica, média harmónica, mediana e moda) Determinar medidas de dispersão de dados (variância, desvio padrão, coeficiente de variação) Estimar um intervalo de confiança para a média de uma variável de uma amostra e para a média de uma proporção; Determinar se existe e caracterizar a correlação entre duas variáveis Determinar a expressão da função de melhor aderência a um conjunto de dados e interpolar e extrapolar valores SÍNTESE DOS CONTEÚDOS 1. Etapas do método estatístico 2. Apresentação de dados sob as formas de quadros e gráficos 3. Distribuição de frequências de variáveis discretas e contínuas 4. Medidas de localização (média aritmética simples e ponderada, média geométrica, média harmónica, mediana e moda) 5. Medidas de dispersão (variância, desvio padrão, coeficiente de variação) 6. Regressão linear e não linear 7. Correlação simples 8. Interpolação e extrapolação de valores 9. Representatividade estatística de uma amostra 10. Dimensão de uma amostra e erro amostral 11. Nível de confiança e de significância 12. Intervalo de confiança para a média de uma variável de uma amostra e para a média de uma proporção METODOLOGIA Para a prossecução destas finalidades, preconiza-se: Resolver exercícios simulados, retirados de situações reais; Utilizar intensivamente o MS EXCEL e as funções estatísticas nele existentes; Favorecer o processo de aprendizagem devendo, sempre que possível: Partir do que é conhecido para o desconhecido e do concreto para o mais abstracto. Considerar os conhecimentos, capacidades e atitudes já adquiridas, por cada participante, com vista DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 19

20 ao desenvolvimento de novas ideias, conceitos, relações, processos e realizações. Diversificar os estímulos propostos aos participantes. Implicar os participantes, desenvolvendo actividades de forma sistemática, actividades individuais e em (sub)grupo(s). Comunicar de forma clara, simples, concisa e atractiva, aliando o significado do que é dito com a representação mais usual. Realçar os processos e as conexões do que é dito, mostrado, experimentado ou vivenciado. BIBLIOGRAFIA/RECURSOS DIDÁCTICOS Estatística Descritiva Elizabeth Reis, Edições Sílabo, 2000, 5ª Ed. Estatística Murray R. Spiegel, Mc Graw Hill, Schaum s Outlines, 2000 MS EXCEL DURAÇÃO 30 Horas DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 20

21 Módulo A7: SEGURANÇA, SAÚDE E AMBIENTE OBJECTIVOS Pretende-se que cada participante, após a frequência do módulo, esteja apto(a) a: Distinguir os aspectos da segurança, higiene, saúde e de ambiente (SHSA) na empresa com os de bem estar e de produtividade empresarial Identificar critérios de organização e de avaliação das actividades de SHSA para a empresa SÍNTESE DOS CONTEÚDOS 1.Segurança, Saúde e Ambiente como factor de competitividade - Objectivos e conceitos básicos de Segurança, Higiene, Saúde e Ambiente SHSA - A competitividade/produtividade e a prevenção de riscos e de ambiente pelas empresas - Aspectos legais relevantes e diplomas legais subjacentes 2.Organização e avaliação das actividades de SHSA no local de trabalho - Definição de acidentes e de doenças profissionais - Cadeias causais e sua exploração na prevenção de acidentes - Critérios para a elaboração de medidas preventivas - Fases de avaliação e de gestão dos factores potenciais de acidente: Identificação de factores; Critérios de probabilidade e gravidade da ocorrência; Avaliação das consequências e nível de risco aceitável - Custos dos acidentes: Ocultos e Directos - Classificação dos riscos: Dinâmicos e Estáticos - Financiamentos de riscos: Aleatórios (estáticos) e Dinâmicos (da empresa) - Instrumentos de SHSA, de investigação e controlo: Regulamento Interno - Avaliação de Resultados e Investigação de Acidentes/Incidentes 4.Higiene e Segurança - Normas e sinalização - Equipamentos e protecção individual - Prevenção e protecção contra incêndios 5. Ambiente - Qualidade ambiental: conceitos, factores de degradação, acções de protecção - Conforto: iluminação; ventilação e climatização; ruído; organização de espaços - Instalações e equipamentos: técnicas, sociais e pedagógicas - Legislação ambiental e instrumentos normativos DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 21

22 METODOLOGIA Favorecer o processo de aprendizagem devendo, sempre que possível: Utilizar exemplos práticos das vivências dos participantes como pontos negativos ou positivos. Enquadrar sempre a teoria em casos práticos; Utilizar exemplos documentais para exemplificar Realçar os processos e as conexões do que é dito, mostrado, experimentado ou vivenciado. BIBLIOGRAFIA/RECURSOS DIDÁCTICOS CT80 (APQ) NP EN ISO 9004: 2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Linhas de Orientação para a Melhoria de Desempenho, Lisboa, Instituto Português da Qualidade, 2001 NP EN ISO 14001:1996 Sistemas de Gestão Ambiental. Especificações e linhas de orientação para a sua utilização OHSAS 18001:1999 Occupational health and safety management systems - specification Exemplos práticos de políticas, Indicadores e Objectivos integrados. DURAÇÃO 15 Horas DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 22

23 4.4.2 DESENVOLVIMENTO DA COMPONENTE DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA MARKETING E GESTÃO COMERCIAL DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 23

24 FORMAÇÃO ESPECÍFICA MARKETING E GESTÃO COMERCIAL Módulo B1: GESTÃO COMERCIAL E MARKETING OBJECTIVOS Pretende-se que cada participante, após a frequência do módulo, esteja apto(a) a: Identificar em termos gerais os conceitos de: - Marketing e sua evolução - Mercado, Sector, Concorrência - Quotas de mercado - Segmentação, alvos e posicionamento - Marketing Mix - Gestão Estratégica do Produto e do Preço - Gestão da Força de Vendas - Comunicação - Planeamento/Gestão e Controlo da área Comercial e Marketing SÍNTESE DOS CONTEÚDOS 1. As Vendas e o Marketing: relação, conceitos, evolução, perspectivas do Marketing Integrado planeamento e técnicas 2. Mercado, Concorrência, Sector - Pesquisa de mercado - Segmentação de mercado - Posicionamento - Target 3. Composição do Marketing Mix - Preço como factor de sucesso - Importância da Distribuição - Definição de todas as características do Produto - Comunicação de Marketing 4. Porquê da Existência do Plano de Marketing 5. Estratégia de Comunicação (Gestão Comercial e Marketing) - Instrumentos de comunicação (Publicidade, força de vendas, marketing directo, patrocínio, relações públicas, promoções, merchandising) - Importância da imagem - Publicidade objectivos DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 24

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes;

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes; Gerir - Guias práticos de suporte à gestão A análise SWOT A Análise SWOT é uma ferramenta de gestão muito utilizada pelas empresas para o diagnóstico estratégico. O termo SWOT é composto pelas iniciais

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES

FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES QUADRO RESUMO: FORMAÇÃO UFCD (H) Noções de Economia de Empresa 5437 25 Métodos e Práticas de Negociação 5442 50 Empresa Estrutura Organizacional 7825 25 Perfil e Potencial

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Referencial técnico-pedagógico da intervenção

Referencial técnico-pedagógico da intervenção Referencial técnico-pedagógico da intervenção De seguida explicitamos os referenciais técnico-pedagógicos das fases do MOVE-PME que carecem de uma sistematização constituindo factores de diferenciação

Leia mais

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO INTEGRADA: PESSOAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TURMA V E EIXOS TEMÁTICOS PARA A MONOGRAFIA FINAL Professor Ms. Carlos Henrique

Leia mais

IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova

IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova Guião do estudo económico e financeiro IDN - Incubadora de Idanha - Guião de candidatura Pág. 1 I CARACTERIZAÇÃO DO PROMOTOR 1.1 - Identificação sumária da empresa 1.2 -

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

MARKETING. Docente Responsável Prof. AssociadoA. Emílio Távora Vilar. Programa Curricular. Ano Lectivo 2013-20. Licenciatura. 1º Semestre.

MARKETING. Docente Responsável Prof. AssociadoA. Emílio Távora Vilar. Programa Curricular. Ano Lectivo 2013-20. Licenciatura. 1º Semestre. Programa Curricular MARKETING Docente Responsável Prof. AssociadoA Emílio Távora Vilar Ano Lectivo 2013-20 2014 Ciclo de Estudos Licenciatura Período Lectivo 1º Semestre Horas semanais de aulas 3 horas

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores MÓDULOS CARGA HORÁRIA Acolhimento 1 O formador face aos sistemas e contextos de formação 8 Factores e processos de aprendizagem 6 Comunicação e Animação de Grupos

Leia mais

Escola Secundaria de Paços de Ferreira Técnicas de secretariado 2009/2010

Escola Secundaria de Paços de Ferreira Técnicas de secretariado 2009/2010 Marketing mix Trabalho realizado por: Sandra Costa 12ºS Marketing mix É formado por um conjunto de variáveis controláveis que influenciam a maneira com que os consumidores respondem ao mercado e é dividido

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Prof. Jorge Romero Monteiro 1

Prof. Jorge Romero Monteiro 1 Marketing 1 CONCEITOS DE MARKETING 2 Conceitos de Marketing O MARKETING é tão importante que não pode ser considerado como uma função separada. É o próprio negócio do ponto de vista do seu resultado final,

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Federação Nacional de Karate - Portugal. Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos

Federação Nacional de Karate - Portugal. Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos Federação Nacional de Karate - Portugal Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos Índice Fórum de Formadores 2013 Introdução Diferentes influências e realidades Pessoal qualificado e Especializado em Serviços

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Diagnóstico das Necessidades de Formação

Diagnóstico das Necessidades de Formação Diagnóstico das Necessidades de Formação A AciNet Sistemas e Tecnologias de Informação é uma empresa de tecnologias de informação nas actividades de representação e comercialização de equipamentos informáticos,

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho A Segurança não é negociável Na Nestlé, acreditamos que o sucesso sustentável apenas poderá ser alcançado através dos seus Colaboradores. Nenhum

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO Título do projecto: Nome do responsável: Contacto telefónico Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características inovadoras (Descreva

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

Introdução à Actividade Publicitária

Introdução à Actividade Publicitária ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES CURSO PROFISSIONAL de Técnico de Comunicação, Marketing, Relações Públicas e Publicidade DISCIPLINA: CPC ANO: 10º Turma: H ANO 2010/2011 MÓDULO A1 definir

Leia mais

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados ÁREA A DESENVOLVER Formação Comercial Gratuita para Desempregados Índice 8. Sobre nós 7. Como pode apoiar-nos 6. Datas de realização e inscrição 5. Conteúdos Programáticos 4. Objectivos 3. O Workshop de

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

Formulário de Projecto de Investimento

Formulário de Projecto de Investimento Formulário de Projecto de Investimento 1. Identificação do Projecto Título do projecto: Nome do responsável: Contacto Telefónico: Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características

Leia mais

AS AUDITORIAS INTERNAS

AS AUDITORIAS INTERNAS AS AUDITORIAS INTERNAS Objectivos Gerais Reconhecer o papel das auditorias internas Objectivos Específicos Reconhecer os diferentes tipos de Auditorias Identificar os intervenientes Auditor e Auditado

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt Hotel Alvalade LUANDA 16 a 27 de RH Os Ciclos de RH, consistem em planos de desenvolvimento de competências no domínio da gestão de Recursos Humanos, nomeadamente ao nível das áreas de Selecção, Formação

Leia mais

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003 8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIEB N. o 282 6 de Dezembro de 2003 Portaria n. o 13/2003 de 6 de Dezembro Considerando que o DecretoLei n. o 205/96, de 25 de Outubro, vem alterar a disciplina jurídica da

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

Desenvolver uma estratégia de marketing

Desenvolver uma estratégia de marketing Gerir - Guias práticos de suporte à gestão Desenvolver uma estratégia de marketing O principal objectivo de uma Estratégia de Marketing é o desenvolvimento do negócio, tendo em linha de conta, a análise

Leia mais

Gestão da Produção Planeamento

Gestão da Produção Planeamento Planeamento José Cruz Filipe IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril 2006 1 Tópicos O ciclo geral de planeamento O planeamento agregado O Director da Produção (PDP ou MPS) O Materials Requirement Planning (MRP)

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 850. Protecção do Ambiente Itinerário de Formação 85001. Operação de Sistemas Ambientais Saída Profissional Designação:

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PLANO CURRICULAR

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PLANO CURRICULAR PLANO CURRICULAR UNIDADES CURRICULARES CARGA HORÁRIA ECTS Controlo Estatístico do Processo Doutora Florbela Correia 32 4 Gestão da Qualidade Mestre José Carlos Sá 24 4 Informática Aplicada a Qualidade

Leia mais

Valorização & Inovação no Comércio Local: Experiências & Instrumentos de Apoio

Valorização & Inovação no Comércio Local: Experiências & Instrumentos de Apoio Valorização & Inovação no Comércio Local: Experiências & Instrumentos de Apoio Iniciativas Inovadoras de Formação e Qualificação Profissional para o Comércio CIM Alto Minho 30 de junho de 2015 Missão Sucesso

Leia mais

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA Técnicas de leitura, interpretação e produção de textos, expressão oral e apresentação de trabalhos acadêmicos, argumentação científica.

Leia mais

4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL

4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL 4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL 4.1- TIPOS DE ESTRATÉGIA DE MARKETING 4.2- PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O MARKETING 4.3- ESTRUTURA CONCEPTUAL PARA ESTRATÉGIA DE MARKETING 4.4- MODELOS COMO INSTRUMENTOS

Leia mais

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com Moçambique Agenda EVENTOS 2013 NEW!! Também in Company INSCREVA-SE EM inscrip@iirportugal.com VISITE www.iirportugal.com INOVAÇÃO Estimado cliente, Temos o prazer de lhe apresentar em exclusiva o novo

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS PREOCUPAÇÕES EM OBRA

GESTÃO DE RESÍDUOS PREOCUPAÇÕES EM OBRA GESTÃO DE RESÍDUOS PREOCUPAÇÕES EM OBRA Os resíduos de construção e demolição, quer devido à sua perigosidade, quer devido às quantidades produzidas, é considerado um fluxo de resíduos prioritário a nível

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

Fazer um plano de marketing

Fazer um plano de marketing Gerir - Guias práticos de suporte à gestão Fazer um plano de marketing A coerência e articulação das diferentes políticas da empresa ou produto(s) é responsável em grande parte pelo seu sucesso ou insucesso.

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ)

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) INTEGRAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICOS SUPERIORES BACHARÉIS, LICENCIADOS E MESTRES CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) GUIA DE CURSO ÍNDICE 1 - Objectivo do curso 2 - Destinatários 3 - Pré-requisitos

Leia mais

Curso de Técnico Comercial Bancário

Curso de Técnico Comercial Bancário Curso de Técnico Comercial Bancário Este curso é integralmente financiado pelo Estado Português e Fundo Social Europeu não tendo quaisquer custos para os participantes. OBJECTIVOS Os Cursos de Aprendizagem

Leia mais

Business Intensive Program. Para uma Performance Empresarial mais Competitiva

Business Intensive Program. Para uma Performance Empresarial mais Competitiva Business Intensive Program Para uma Performance Empresarial mais Competitiva 02 BIP BUSINESS INTENSIVE PROGRAM Business Intensive Program Para uma Performance Empresarial mais Competitiva Em tempos de

Leia mais

A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública

A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública 4º Congresso Nacional da Administração Pública 2 e 3 Novembro de 2006 José Alberto Brioso Pedro Santos Administração Pública Contexto Perspectiva

Leia mais

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas)

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas) CURSO DE GESTÃO DE VENDAS Inedem- Apotec Outono 2007 25 e 26 de Setembro 9h00 às 18h30 Dirigido a gestores da área financeira com necessidade de ferramentas informáticas de elevada eficácia na avaliação

Leia mais

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Índice Quem Somos O SGI da AMBISIG; A implementação do SGIDI na AMBISIG; Caso de Sucesso. Quem somos? Somos uma empresa com 16 anos de experiência

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo 7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo A COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar no marketing emitir mensagem para alguém emitir mensagem para o mercado

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO QUALIDADE, AMBIENTE, SEGURANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO SGS ACADEMY PORQUÊ A SGS ACADEMY? Criada, em 2003, como área de negócio da

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações.

A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações. GESTÃO DE OPERAÇÕES A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações. Os Directores de Operações são os responsáveis pelo fornecimento de bens ou

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO GUIA DO ALUNO DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS DO CURSO DE TURISMO DISCIPLINA: Organização e Gestão de Empresas

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Correio(s) electrónico(s) Miguel Pedro Mendes d Araújo Morada(s) Rua António Gustavo Moreira, n.º 35 Hab. 2.5 4400-660 Vila

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Empreendedorismo e Organização da Empresa. Público-Alvo

Empreendedorismo e Organização da Empresa. Público-Alvo Empreendedorismo e Organização da Empresa Público-Alvo Formandos que pretendam adquirir um conjunto de conhecimentos e competências na área empresarial, que lhes permita alargar a sua compreensão e posterior

Leia mais

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança)

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) 1 - Apresentação Grau Académico: Mestre Duração do curso: : 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL Perspectiva das Entidades Empregadoras Julho 2011 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

FACILITIES MANAGEMENT

FACILITIES MANAGEMENT MINI MBA Potencialize a sua qualificação profissional Incremente a eficácia e rentabilidade da sua unidade de trabalho Eficiência operacional e redução de custos em FACILITIES MANAGEMENT Mini MBA Mais

Leia mais

Formação Gestão de Armazéns. Formação. Gestão de Armazéns. Página1. Logisformação Andreia Campos. Empresa acreditada por:

Formação Gestão de Armazéns. Formação. Gestão de Armazéns. Página1. Logisformação Andreia Campos. Empresa acreditada por: Página1 Formação Gestão de Armazéns Empresa acreditada por: Página2 A Logisformação A Logisformação é o resultado de 20 anos de experiência da Logistema Consultores de Logística S.A. no apoio ao desenvolvimento

Leia mais

Curso de Especialização em

Curso de Especialização em Curso de Especialização em CÁLCULO FINANCEIRO OBJECTIVOS A liberalização dos mercados financeiros, a crescente concorrência entre instituições financeiras, a inovação e diversificação ao nível dos serviços

Leia mais

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição

Controlo de Gestão. 2ª Edição. Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013. www.pwc.pt/academia. Academia da PwC. 2ª edição www.pwc.pt/academia Controlo de Gestão 2ª Edição Lisboa, 8 e 15 de Maio de 2013 Academia da PwC 2ª edição Este curso permite-lhe compreender melhor os princípios do controlo de gestão, com especial enfoque

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

ATENDIMENTO PESSOAL E TELEFÓNICO

ATENDIMENTO PESSOAL E TELEFÓNICO ÁREA COMERCIAL ATENDIMENTO PESSOAL E TELEFÓNICO Como entusiasmar clientes pela forma de atender? Desenvolver competências técnicas e relacionais que potenciem a angariação e satisfação de clientes. Atendimento

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE Capítulo 7 Balanced Scorecard ÍNDICE 7.1 O que é o Balanced Scorecard 7.2 Indicadores de Ocorrência 7.3 O Método 7.4 Diagramas de Balanced Scorecard Capítulo 7 - BALANCED

Leia mais

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO ÁREA DE ACTIVIDADE - HOTELARIA, RESTAURAÇÃO E TURISMO OBJECTIVO GLOBAL - Planear, dirigir e controlar as actividades de produção e de serviço de alimentos

Leia mais