UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO COPPEAD DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DENIZAR LEAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO COPPEAD DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DENIZAR LEAL"

Transcrição

1 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO COPPEAD DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DENIZAR LEAL O PAPEL DE CUSTOS AFUNDADOS EM DECISÕES DE ALOCAÇÃO DE RECURSOS RIO DE JANEIRO 2014

2 1 DENIZAR LEAL O PAPEL DE CUSTOS AFUNDADOS EM DECISÕES DE ALOCAÇÃO DE RECURSOS Tese apresentada ao Programa de Doutorado do Instituto Coppead de Administração, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como requisito parcial à obtenção do título de Doutor em Administração. Orientador: Professor Marcos Gonçalves Ávila, Ph.D. RIO DE JANEIRO 2014

3 FICHA CATALOGRÁFICA 2

4 3 DENIZAR LEAL O PAPEL DE CUSTOS AFUNDADOS EM DECISÕES DE ALOCAÇÃO DE RECURSOS Tese apresentada ao Programa de Doutorado do Instituto Coppead de Administração, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como requisito parcial à obtenção do título de Doutor em Administração. Aprovada em: de março de 2014 Professor Marcos Gonçalves Ávila, Ph.D. COPPEAD/UFRJ Orientador Professor Otávio Henrique dos Santos Figueiredo, D.Sc. COPPEAD/UFRJ Professor Donaldo de Souza Dias, D.Sc. Consultor Professor Helio Zanquetto Filho, D.Sc. UFES Professor Valcemiro Nossa, D.Sc. FUCAPE Rio de Janeiro 2014

5 Aos meus amores Irene (mãe) e Sônia (esposa), por tudo. 4

6 5 AGRADECIMENTOS Primeiramente, meus agradecimentos a Deus e à Nossa Senhora, que sempre passa na frente. Ouvi dizer que uma tese é um trabalho solitário. Definitivamente, não é. Esta tese existe, porque contou com o apoio de muita gente. Muitas pessoas abriram portas. Centenas, voluntariamente, participaram da pesquisa e, outras tantas, se dispuseram a ajudar, inclusive com orações. Para agradecer a tanta gente, não é possível nominá-las. Dessa forma, agradeço, coletivamente, aos professores e servidores do Instituto Coppead, aos colegas da Ufes e das outras Instituições que abriram suas portas para a realização da pesquisa empírica e à Capes, pelo apoio financeiro durante parte do programa. Particularmente, ao meu professor orientador, Marcos Gonçalves Ávila, pela orientação, dedicação, paciência e cuidado com o trabalho feito a quatro mãos. Agradeço à minha mãe que ora por mim todos os dias e ao meu pai, que já se foi, mas olha por mim de onde está. À minha amada esposa Sônia que, tenho certeza, sofreu mais do que eu nesses cinco anos, mas continua firme, ao meu lado, ajudando-me a superar tudo. Agradeço também à minha família e aos amigos que colaboraram e torceram tanto para que este trabalho se realizasse.

7 Sonho que se sonha só é só um sonho que se sonha só. Sonho que se sonha junto é realidade. (Raul Seixas) 6

8 7 RESUMO LEAL, Denizar. O papel de custos afundados em decisões de alocação de recursos. Tese (Doutorado em Administração) Instituto COPPEAD de Administração, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Este estudo investigou a influência de custos afundados na decisão de alocar recursos em um curso de ação, em cenários de incerteza. Para isso foi realizada uma pesquisa experimental, que contou com a participação de estudantes de graduação e de profissionais do setor financeiro. Os resultados sugerem que há uma tendência de alocar novos recursos em um projeto, no qual já foi realizado um investimento (custos afundados). Essa tendência se manifestou independentemente da proximidade de conclusão de um projeto, contrariando o que prevê a hipótese da proximidade de conclusão do projeto, que tem sido avançada em diversos trabalhos. O efeito custo afundado ocorreu tanto com os estudantes de graduação, quanto com os profissionais pesquisados (gestores de uma Instituição Financeira do Brasil) neste último caso em uma decisão sobre a concessão de um financiamento de risco elevado. A pesquisa também oferece evidências de que a explicitação de um custo de oportunidade tem o potencial de mitigar o efeito custo afundado, mesmo em situações de incerteza. Finalmente, este estudo sugere que a ausência de responsabilidade pela decisão inicial diminui a tendência das pessoas em investir novos recursos em um curso de ação para o qual os sinais indiquem que, talvez, seja necessária uma revisão de caminhos. Palavras-chave: Efeito custo afundado. Hipótese da proximidade de conclusão do projeto. Custo de oportunidade.

9 8 ABSTRACT LEAL, Denizar. The role of sunk costs in resource allocation decisions. Tese (Doutorado em Administração) Instituto COPPEAD de Administração, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, This study investigated the influence of sunk costs in the decision to allocate resources on a course of action in uncertain scenarios. For this experimental research, which included the participation of undergraduate students and financial professionals was conducted. The results suggest that there is a tendency to allocate new resources to a project, which already made an investment (sunk costs). This trend has occurred regardless of proximity to completion of a project, contradicting the project completion hypothesis, which has been advanced in several works. The sunk cost effect occurred with both graduate students, as with the professionals participants of the experiment (managers of a financial institution in Brazil) in the latter case for a decision on the approval of funding of high risk. The study also provides evidence that the explanation of an opportunity cost has the potential to mitigate the sunk cost effect, even in situations of uncertainty. Finally, this study suggests that the absence of responsibility for the initial decision also reduces the tendency for people to invest new resources in a course of action, for which the signs indicate that, perhaps, a review of direction is required. Keywords: The sunk cost effect. Project completion hypothesis. Opportunity cost.

10 9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Modelo do processo de escalada do comprometimento... Figura 2 O modelo de três fases de Staw e Ross... Figura 3 Função de valor da teoria da perspectiva... Figura 4 Gráfico de correlação das variáveis dependentes... Figura 5 Interação entre custo afundado e custo de oportunidade para a probabilidade de investir experimento 3... Figura 6 Interação entre custo afundado e custo de oportunidade para a decisão de investir experimento 3... Figura 7 Interação entre custo afundado e responsabilidade experimento 4 Figura 8 Interação entre custo afundado e responsabilidade pela decisão inicial para a decisão de investir experimento 4... Figura 9 Interação entre custo afundado e responsabilidade pela decisão inicial para a probabilidade de investir experimento 4, com explicitação do custo de oportunidade... Figura 10 Interação entre custo afundado e responsabilidade pela decisão inicial para a decisão de investir experimento 4, com explicitação do custo de oportunidade... Figura 11 Gráfico de correlação para variáveis dependentes experimento

11 10 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Organização cronológica dos principais estudos de escalada de comprometimento... Quadro 2 Questões do pós-teste... Quadro 3 Descrição do cenário do experimento 1... Quadro 4 Descrição do cenário do experimento 2... Quadro 5 Descrição do cenário do experimento 3... Quadro 6 Descrição do cenário do experimento 4... Quadro 7 Descrição do cenário do experimento 4 com explicitação do custo de oportunidade... Quadro 8 Descrição do cenário do experimento

12 11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Médias de probabilidade para alocação do próximo milhão de dólares... Tabela 2 Provável percepção de desempenho para cada nível de custos afundados e de percentual de desenvolvimento... Tabela 3 Classificação de acordo com custos afundados, independente de responsabilidade com informação sobre o orçamento total... Tabela 4 Classificação de acordo com o percentual de conclusão, independente de responsabilidade com informação sobre o orçamento total... Tabela 5 Classificação de acordo com custos afundados, independente de responsabilidade sem informação sobre o orçamento total... Tabela 6 Classificação de acordo com percentual de conclusão, independente de responsabilidade sem informação sobre o orçamento total... Tabela 7 Efeitos de custos afundados e proximidade de conclusão na alocação de recursos na amostra de gerente de bancos... Tabela 8 Classificação de acordo com níveis de custos afundados (valores em milhões)... Tabela 9 Classificação de acordo com níveis de percentual de conclusão do projeto (valores em milhões)... Tabela 10 Classificação de acordo com valor de venda (valores em milhões)... Tabela 11 Caracterização da amostra de acordo com o curso... Tabela 12 Caracterização da amostra de acordo com o sexo... Tabela 13 Médias para probabilidade de investir comparação da ordem das questões experimento 1... Tabela 14 Estatística descritiva para probabilidade de investir experimento

13 12 Tabela 15 Frequência de respostas positivas e negativas experimento 1 Tabela 16 Estatística descritiva para probabilidade de investir experimento 2... Tabela 17 Frequência de respostas positivas e negativas experimento 2 Tabela 18 Estatística descritiva para probabilidade de investir experimento 3... Tabela 19 Análise de variância experimento 3... Tabela 20 Diferenças em função da aplicação de apenas uma questão... Tabela 21 Estatística descritiva para decisão de investir experimento 3 Tabela 22 Estatística descritiva para probabilidade de investir experimento 4... Tabela 23 Análise de variância experimento 4... Tabela 24 Estatística descritiva para decisão de investir experimento 4 Tabela 25 Estatística descritiva para probabilidade de investir experimento 4, com explicitação do custo de oportunidade... Tabela 26 Testes de efeitos entre assuntos para probabilidade de investir experimento 4, com explicitação do custo de oportunidade... Tabela 27 Estatística descritiva para decisão de investir experimento 4, com explicitação do custo de oportunidade... Tabela 28 Estatística descritiva para probabilidade de investir experimento 5... Tabela 29 Frequência de respostas positivas e negativas experimento

14 13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CONTRIBUIÇÕES E DELIMITAÇÕES DA PESQUISA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO... 2 REFERENCIAL TEÓRICO ORIGENS DOS ESTUDOS DE ESCALADA DE COMPROMETIMENTO Os modelos de estudos iniciais de Barry Staw e seus colegas: o foco nas organizações DETERMINANTES SOCIAIS, ORGANIZACIONAIS E POLÍTICOS 2.3 A INVESTIGAÇÃO DE DETERMINANTES PSICOLÓGICOS PARA O PROCESSO DE ESCALADA O EFEITO CUSTO AFUNDADO A TEORIA DA PERSPECTIVA SÍNTESE DO REFERENCAL TEÓRICO DO PROCESSO DE ESCALADA... 3 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS ESTUDOS DE CONLON E GARLAND (1993), GARLAND E CONLON (1998), BOEHNE E PAESE (2000) E HEATH (1995) HIPÓTESE DA PROXIMIDADE DE CONCLUSÃO DO PROJETO Análise dos experimentos que deram suporte à hipótese da proximidade de conclusão do projeto Análise do experimento 1 de Conlon e Garland (1993) Análise do experimento 2 de Conlon e Garland (1993) Análise do experimento 1 de Garland e Conlon (1998) Descrição dos demais experimentos de Garland e Conlon (1998) Análise do experimento de Boehne e Paese (2000) O PROCESSO DE DESESCALADA EM FUNÇÃO DE CUSTOS AFUNDADADOS Análise do estudo de Heath (1995)... 4 PESQUISA EXPERIMENTAL

15 HIPÓTESES E METODOLOGIA Desenvolvimento de hipóteses Metodologia RESULTADOS E ANÁLISES Experimento nº Caracterização da amostra experimento Resultados experimento Experimento nº Caracterização da amostra experimento Resultados experimento Experimento nº Caracterização da amostra experimento Resultados experimento Experimento nº Caracterização da amostra experimento Resultados experimento Experimento nº Caracterização da amostra experimento Resultados experimento DISCUSSÃO DOS RESULTADOS A influência dos custos afundados nas decisões A influência do destaque do custo de oportunidade no efeito custo afundado A influência do grau de responsabilidade pela decisão inicial no efeito custo afundado... 5 CONCLUSÕES LIMITAÇÕES DO ESTUDO E SUGESTÕES PARA PESQUISAS FUTURAS... REFERÊNCIAS

16 15 1 INTRODUÇÃO Muitos contextos decisórios se caracterizam por uma série de decisões em sequência, ao invés de uma escolha única e isolada. Nesses contextos, pesquisas sugerem que as pessoas tendem a incorrer em um viés decisório que se caracteriza por uma tendência a escalar o comprometimento em relação à decisão inicial, quando as evidências apontam a necessidade de uma revisão do curso de ação originalmente escolhido. Esse viés é denominado escalada de comprometimento (BAZERMAN; MOORE, 2013). O processo de escalada de comprometimento (escalation of commitment) foi apresentado por Staw (1976), que, inicialmente, considerava que esse comportamento se manifestava porque as pessoas não queriam admitir que tinham cometido um erro em sua decisão inicial. Dessa forma, o fenômeno foi concebido como sendo determinado por razões psicológicas, como uma possível manifestação da teoria da dissonância cognitiva de Festinger (STAW, 2005). Para Staw (1976), a responsabilidade pela decisão inicial de investir fazia com que as pessoas persistissem no curso de ação escolhido. Em paralelo ao trabalho de Staw (1976), outros estudos identificaram processos semelhantes, mas com denominações diferentes, como entrapment (RUBIN; BROCKNER, 1975), too close to quit (TEGER, 1980) e sunk cost effect (THALER, 1980). A abordagem predominante na investigação e explicação para o fenômeno manteve a Psicologia como referência. Em estudos posteriores, Barry Staw e outros pesquisadores, usualmente associados à área de Psicologia Organizacional, ampliaram a visão do processo de escalada de comprometimento, que passou a ser percebido como sendo determinado não só por razões psicológicas, mas também por motivos políticos, sociais, econômicos e organizacionais. Outros estudiosos, principalmente das áreas de Economia e Psicologia, mantiveram o enfoque psicológico e se dedicaram a investigar um componente específico do processo, a influência dos sunk costs (custos perdidos, passados ou afundados) nas decisões das pessoas. Nesta pesquisa será utilizada a expressão custos afundados quando for feita referência aos sunk costs. Para Thaler (1980), é importante estudar os custos afundados, pois ao analisar problemas relativos às decisões de consumo, ele constatou que, enquanto a teoria econômica prescreve que

17 16 somente custos e benefícios incrementais deveriam afetar as decisões, a realidade é que as pessoas não ignoram os custos afundados em decisões do cotidiano. Ainda de acordo com Thaler, o sunk cost effect (efeito custo afundado expressão utilizada por ele para denominar o fenômeno) pode ser explicado pela teoria da perspectiva, de Kahneman e Tversky (1979), que apresentaram evidências de que os custos afundados foram considerados relevantes em diversas decisões estudadas por eles. A partir de Thaler, outros estudos se juntaram ao esforço de pesquisa relacionado com o efeito custo afundado. Arkes e Blumer (1985), por exemplo, realizaram uma série de experimentos, em um trabalho seminal sobre o fenômeno, que deram suporte à hipótese de que os custos afundados influenciam tanto decisões cotidianas, quanto decisões de negócios (desenvolvimento de projetos). Com as evidências apresentadas por Arkes e Blumer (1985), os estudos sobre o fenômeno avançaram em várias direções, na tentativa de melhor caracterizar o processo. Assim, além de adaptações de experimentos realizados por Arkes e Blumer (1985), novas variáveis foram investigadas e os estudos analisaram, por exemplo: o tamanho do investimento incremental em vários níveis de custos afundados (GARLAND, 1990); a influência dos custos afundados em valores absolutos e em valores relativos a um orçamento (GARLAND; NEWPORT, 1991); a diferença da intensidade do efeito custo afundado entre investimento de tempo e investimento monetário (SOMAN, 2001). Esses e outros estudos contribuíram para consolidar a existência do efeito custo afundado. Os resultados apontaram uma tendência das pessoas em continuar investindo em um curso de ação iniciado, mesmo quando os riscos se tornam maiores e um fato novo implica, talvez, uma necessidade de revisão de rumos. Neste trabalho, o fenômeno da escalada foi estudado por meio da abordagem da Psicologia Cognitiva, mais especificamente, pelo enfoque que investiga a influência dos custos afundados nas decisões. Essa abordagem foi escolhida, em primeiro lugar, porque existe uma forte relação entre escalada e custos afundados. A questão dos custos afundados é, há muito tempo, um tema de interesse da Contabilidade. Exemplo disso é a existência de uma linha de pesquisa (e programas de doutorado em torno dessa linha), que é denominada Behavioral Accounting. Essa linha tem, historicamente, estudado a relação entre as práticas gerenciais com a Psicologia. A observação, já consolidada, de que existe um choque entre a visão normativa e a visão descritiva

18 17 de processos decisórios, sempre foi de interesse de Behavioral Accounting. Nesse sentido, a questão dos custos afundados é um dos temas que ilustra esse choque, e tem sido objeto de significativo esforço de pesquisa na área contábil, econômica e financeira. A opção pela abordagem da Psicologia Cognitiva se deu, em segundo lugar, por ter sido encontrado, na revisão bibliográfica, um forte debate sobre a relação entre custo afundado e o processo de escalada. A literatura sobre o tema custo afundado chama a atenção para um significativo conjunto de evidências que apontam a robustez desse fenômeno, isto é, as pesquisas parecem consolidar a proposta de que existe um impacto irracional de custos afundados em decisões de escalar o comprometimento, em projetos nos quais os sinais apontam uma necessidade de revisão de curso de ação. Existem, entretanto, diversos estudos que, conforme serão discutidos adiante neste trabalho, sugerem que o efeito não é tão robusto como se imagina. Os estudos que questionam a influência dos custos afundados nas decisões podem ser divididos em duas categorias: a) pesquisas que sugerem que existe um confounding effect entre as variáveis custos afundados e proximidade de conclusão grau de proximidade de conclusão do projeto (por exemplo, CONLON; GARLAND, 1993; GARLAND; CONLON, 1998); e b) estudos que propõem que, em certas circunstâncias, os custos afundados podem provocar um efeito reverso, isto é, um processo de desescalada de comprometimento (por exemplo, HEATH, 1995). As linhas de pesquisa lideradas por Conlon, Garland e Heath incluem um número considerável de publicações, todas em periódicos de ponta e têm demonstrado significativa influência em investigações recentes a respeito do fenômeno. Por exemplo, Sleesman et al. (2012) realizaram um estudo adotando a meta-análise como metodologia, com o objetivo de classificar as diversas variáveis apresentadas em investigações anteriores sobre o processo de escalada e as perspectivas teóricas até então analisadas. Dentre outros determinantes de natureza psicológica confirmados, esses autores sugerem que há relação positiva entre custos afundados e escalada. No entanto, os autores acrescentaram que a influência da proximidade de conclusão nas decisões é mais forte do que a dos custos afundados. De acordo com as conclusões apresentadas, o grau de influência dos custos afundados na escalada aumenta, na medida em que há covariação entre custos e percentual de conclusão. Com base na meta-análise conduzida, Sleesman et al. (2012, p. 556) propõem que [...] o efeito

19 18 custo afundado pode não ser tão robusto quanto a literatura sugere. O que o presente trabalho encontrou, entretanto, ao avaliar os trabalhos pioneiros nessas linhas de pesquisa foi, o que acredita-se poder denominar, erros significativos de desenho experimental e de conceitos associados ao efeito do custo afundado. No Capítulo 3 deste trabalho, tais erros serão mapeados. Este estudo defende que esses erros invalidam os resultados alcançados nesses estudos e colocam em questionamento as propostas posteriores, que têm sido feitas com base nesses resultados iniciais. Esses erros podem ser descritos em diversas dimensões, a serem discutidas adiante neste documento. Conforme será indicado, a conclusão deste trabalho, após uma revisão crítica da literatura existente e com base na pesquisa empírica realizada, é de que o efeito custo afundado é um fenômeno que ocorre independentemente da influência da variável grau de proximidade com a conclusão do projeto. Acrescenta-se, entretanto, que a revisão de literatura revelou algumas variáveis que parecem mitigar o efeito custo afundado. Duas delas serão de interesse na etapa de investigação empírica desta tese: a) o grau em que o custo de oportunidade, associado à decisão de honrar o custo afundado, é explicitado; e b) o grau de responsabilidade do gestor quanto à decisão inicial do lançamento do projeto, no qual foram investidos recursos (agora considerados custos afundados). A última etapa deste trabalho é de natureza empírica. Nesse sentido, as questões básicas a serem exploradas são: a) a caracterização empírica do efeito custo afundado no cenário brasileiro, uma vez que é bastante incipiente a publicação de pesquisas relevantes sobre o tema no Brasil; b) a avaliação da capacidade das variáveis custo de oportunidade e grau de responsabilidade pela decisão inicial em, de fato, reduzir o efeito custo afundado; e c) a avaliação da variável custos afundados em um cenário no qual ela não tenha correlação com a proximidade de conclusão do projeto. Esta tese abordará, de forma sumária, as seguintes questões de pesquisa: A tendência a alocar novos recursos financeiros e, portanto, persistir na execução de determinado projeto, para o qual existem sinais de que, talvez, seja melhor rever o caminho a ser seguido, será influenciada pela existência de custos afundados, isto é, pelo fato de já existir um montante de recursos investidos no projeto?

20 19 O efeito custo afundado ocorrerá em cenários em que possa ser evitada a influência da proximidade da conclusão do projeto na decisão? A explicitação de um custo de oportunidade, associado à decisão de continuar a investir em um projeto, tem o poder de mitigar o efeito custo afundado? A ausência de responsabilidade pela decisão de se iniciar um projeto pode reduzir o efeito custo afundado? Assim, o objetivo desta tese, de forma sumária, é avaliar a existência do impacto de custos afundados em decisões de alocação de recursos em um conjunto de contextos: com ou sem explicitação de um custo de oportunidade, associado à decisão de continuar investindo em um projeto; com ou sem responsabilidade pela decisão de se iniciar o projeto. O design experimental buscará neutralizar o efeito da proximidade de conclusão do projeto no processo decisório dos participantes da pesquisa. 1.1 CONTRIBUIÇÕES E DELIMITAÇÕES DA PESQUISA Esta tese se concentra na linha de pesquisa que estuda os determinantes psicológicos do processo de escalada, em especial como as decisões podem ser influenciadas pelos custos afundados em situações de incerteza. Sua principal contribuição consiste em realizar essa investigação em contextos decisórios em que não há influência da proximidade de conclusão de um projeto. Conlon e Garland (1993) sugerem que pesquisas anteriores às deles podiam estar confundindo custos afundados com a proximidade de conclusão. Essa sugestão gerou diversos estudos posteriores, a maioria dando suporte à proposta desses autores. Esta pesquisa sugere, entretanto, que essas propostas, assim como as principais investigações que deram sequência às pesquisas iniciais têm por base um conjunto de experimentos com falhas significativas de design. Conforme será discutido, essas falhas colocam em questão a proposta dessa linha de investigação. Na etapa empírica deste trabalho, os experimentos projetados têm por objetivo avaliar o impacto de custos afundados em tomada de decisão, sem a influência da variável proximidade de conclusão. A pesquisa experimental, aqui realizada, também busca investigar a capacidade de atuação de algumas variáveis, no sentido de mitigar esse impacto.

21 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO O restante do documento está organizado da seguinte forma: O Capítulo 2 é dedicado à apresentação do referencial teórico, no qual foram traçados os caminhos e a evolução dos estudos relativos à escalada de comprometimento. Nesse capítulo, são relatadas as origens do processo e de que forma as investigações se desenvolveram, com descrição abrangente dos principais trabalhos que: a) consolidaram o processo como um viés decisório decorrente de razões políticas, sociais, organizacionais e psicológicas; b) demonstraram que os custos afundados são um importante determinante do processo de escalada, exercendo influência nas decisões das pessoas; c) questionaram o papel dos custos afundados como determinantes do processo. O referencial teórico é composto, ainda, por um quadro com o desenvolvimento cronológico dos trabalhos mais relevantes sobre o tema, destacando o tipo de estudo realizado e as principais conclusões relatadas. No Capítulo 3, é apresentada uma análise crítica de experimentos realizados e os resultados encontrados, em uma linha de investigação que questiona a influência dos custos afundados no processo de escalada. Neste capítulo, também é relatada a análise do experimento que propõe que o custo afundado pode causar um efeito inverso, ou seja, desescalada. A pesquisa experimental é apresentada no Capítulo 4, juntamente com as hipóteses investigadas, a metodologia, os resultados, as análises e a discussão dos resultados. Finalmente, no último capítulo são registradas as conclusões deste estudo e sugestões para pesquisas futuras.

22 21 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 ORIGENS DOS ESTUDOS DE ESCALADA DE COMPROMETIMENTO As investigações iniciais de escalada de comprometimento foram conduzidas por Barry Staw e são datadas de meados da década de 70. Staw, então professor de comportamento organizacional da Universidade de Illinois, entendia o envolvimento dos Estados Unidos na Guerra do Vietnam como [...] uma série de compromissos difíceis de interromper (STAW, 2005, p. 217). Segundo ele, a participação americana na guerra se mostrava, ainda na administração Kennedy, como uma iniciativa com diversos setbacks e mesmo assim não havia sinal de retirada das tropas. Ao contrário, cada indício de que as coisas não iam bem era seguido de uma escalada no grau de comprometimento com os esforços de guerra. Staw (1976) começou a ponderar se a escalada de comprometimento da decisão de ir à guerra seria indicativa de um processo decisório de caráter mais genérico. Staw (2005) afirmou que concebeu inicialmente o problema como uma possível manifestação de dissonância cognitiva de Festinger: as pessoas manteriam seus investimentos em cursos de ação que se mostram altamente questionáveis quanto às chances de sucesso (na área de investimentos, carreiras ou até mesmo casamentos), para evitar a admissão de que um erro foi cometido por ocasião da decisão inicial. Ou seja, a escalada ocorreria devido a [...] um esforço para justificar ou racionalizar um curso de ação (STAW, 2005, p. 218). Para Bazerman e Moore (2013) a simples manutenção (ou mesmo o aumento) do comprometimento com determinado curso de ação após um feedback negativo não pode ser interpretada como evidência conclusiva de ocorrência de um viés decisório. Tal postura pode ser racionalmente justificável. A caracterização do viés requer que a escalada represente um grau de comprometimento que ultrapassa o limite que um modelo racional de tomada de decisão prescreveria. Em muitos cenários, a separação entre a avaliação econômica e a avaliação psicológica da decisão pode ser difícil ou impossível. Staw (1976) construiu hipóteses associadas à escalada de comprometimento, nas quais, além da caracterização do efeito, uma avaliação psicológica da decisão foi isolada e testada. O estudo, um experimento com alunos de um MBA, no formato role-playing, colocou os participantes no papel

23 22 de gerentes de uma grande empresa e eles tinham que decidir sobre a alocação de recursos de P&D entre várias linhas de produtos. Duas variáveis independentes foram manipuladas: nível de responsabilidade com a decisão inicial (alto e baixo) e consequências das decisões iniciais (positivas ou negativas, isto é, ganhos ou perdas). Fundamentadas na teoria da dissonância, as hipóteses básicas de pesquisa foram de que haveria uma tendência a investir mais recursos quando: a) o curso de ação não estivesse tendo sucesso (consequências negativas); b) as decisões estivessem sendo tomadas no tratamento alta responsabilidade. O estudo previu ainda um efeito interação entre as duas variáveis: o grupo com alta responsabilidade e com consequências negativas na decisão inicial estaria especialmente propenso a reinvestir no curso de ação com prováveis consequências negativas (já que os participantes desse grupo estariam particularmente motivados a justificar ou racionalizar o comportamento assumido). Os resultados dessa primeira investigação sobre a escalada de comprometimento foram de suporte a todas as hipóteses formuladas. Em paralelo ao experimento de Staw (1976), estudos conduzidos de forma independente por outros pesquisadores também demonstraram suporte para o mesmo fenômeno, embora com denominações diferentes. Conforme será indicado a seguir, as pesquisas associadas à escalada de comprometimento têm se dividido em diversas partes. O fenômeno é considerado complexo o suficiente para abrigar uma série de explicações, nos mais diversos campos do conhecimento psicologia, sociologia e economia. O Quadro 1, ao final do Capítulo 2 desta tese, apresenta um resumo de referência, organizado em ordem cronológica, que relaciona as pesquisas empíricas mais relevantes que estudaram o fenômeno da escalada nas últimas décadas. Rubin e Brockner (1975) proveram evidências, por meio de um estudo experimental com estudantes de graduação de que a passagem do tempo poderia ser vista como um investimento ou um gasto. Para eles, a passagem do tempo dedicado a uma atividade pode provocar um conflito, no qual forças psicológicas atuam em diferentes sentidos, umas pressionando para a desistência e outras para a persistência na ação iniciada. Rubin e Brockner (1975) sugeriram, no entanto, que, uma vez que uma decisão de esperar tenha sido tomada, com o passar do tempo, a tendência de persistir é maior do que a de desistir, o que eles consideram um tipo de conflito de entrapment. Para investigar como o entrapment ocorre em situações de espera, os autores realizaram um experimento, no qual era dada a oportunidade de os participantes ganharem uma boa quantia em

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO PESQUISA-AÇÃO Forma de pesquisa interativa que visa compreender as causas de uma situação e produzir mudanças. O foco está em resolver algum problema encontrado por indivíduos ou por grupos, sejam eles

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

1 Introdução. 1.1. A motivação e o problema da pesquisa

1 Introdução. 1.1. A motivação e o problema da pesquisa 1 Introdução O objetivo desse capítulo é propiciar uma visão abrangente do estudo aqui desenvolvido. Dessa forma, ele foi estruturado com as seguintes seções: A motivação e o problema da pesquisa: baseada

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 16 a 20 de junho de 2014 Tema 5.5 da Agenda Provisória CE154/24, Rev. 1 30 de maio de 2014 Original: inglês SITUAÇÃO E NÍVEL AUTORIZADO DO FUNDO

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Fontes PMBOK, 2004. Project

Leia mais

EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI

EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI Referência Conhecimento em TI : O que executivos precisam saber para conduzirem com sucesso TI em suas empresas. Peter Weill & Jeanne W. Ross Tradução M.Books, 2010. 2 O

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

Engenharia de Requisitos- como Previnir e Reduzir Riscos

Engenharia de Requisitos- como Previnir e Reduzir Riscos Engenharia de Requisitos- como Previnir e Reduzir Riscos Natasha de Souza Arruda natasha.arruda@ig.com.br FGS Resumo:Engenharia de Requisitos é um dos processos fundamentais para o desenvolvimento de software.

Leia mais

Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições

Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições Banco Mundial 24 maio 2012 O exército da Macedônia era brilhante enquanto liderado por Alexandre......mas o exército romano era

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil Etapas de um Projeto de Pesquisa Robledo Lima Gil Etapas... Escolha do tema Formulação do problema 1) Introdução; 2) Revisão de literatura (Referenciais teóricos); 3) Justificativa; 4) Objetivos (geral

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

FAQ Escrita de Cases

FAQ Escrita de Cases FAQ Escrita de Cases 1. Sobre o que escrever um case e com qual foco? Sua EJ poderá escrever cases de sucesso ou insucesso que tenha trazido muito aprendizado e superação, ou seja, cases distintos da realidade

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Introdução Objetivos da Gestão dos Custos Processos da Gerência de Custos Planejamento dos recursos Estimativa dos

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Ministrantes: Anita Maria da Rocha Fernandes César Albenes Zeferino Maria Cristina Kumm Pontes Rafael Luiz Cancian Itajaí,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br Gerenciamento de projetos cynaracarvalho@yahoo.com.br Projeto 3URMHWR é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma seqüência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina

Leia mais

5 Análise dos resultados

5 Análise dos resultados 5 Análise dos resultados Neste capitulo será feita a análise dos resultados coletados pelos questionários que foram apresentados no Capítulo 4. Isso ocorrerá através de análises global e específica. A

Leia mais

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 7 Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos 1 O que é risco? Evento que representa uma ameaça ou uma oportunidade em potencial Plano de gerenciamento do risco Especifica

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

Artigo Os 6 Mitos Do Seis Sigma

Artigo Os 6 Mitos Do Seis Sigma Artigo Os 6 Mitos Do Seis Sigma Celerant Consulting A metodologia do Seis Sigma a abordagem Definir, Medir, Analisar, Melhorar e Controlar (DMAIC) para resolução de problemas e as ferramentas a serem usadas

Leia mais

Palavras-chave: Demonstrações Contábeis. Setor público. Lei de Responsabilidade Fiscal.

Palavras-chave: Demonstrações Contábeis. Setor público. Lei de Responsabilidade Fiscal. ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO SETOR PÚBLICO Adriana Oliveira Nogueira Universidade de Fortaleza (UNIFOR-CE) adriana@secon.ce.gov.br Manuel Salgueiro Rodrigues Júnior Universidade

Leia mais

5. Análise conjunta dos casos

5. Análise conjunta dos casos 5. Análise conjunta dos casos Após analisar como tem ocorrido o processo de institucionalização da responsabilidade social corporativa nas empresas farmacêuticas estudadas concluiu-se que nas quatro empresas

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj. Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015 CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.br A mudança do clima e a economia Fonte: Adaptado de Margulis

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

Adriano Marum Rômulo. Uma Investigação sobre a Gerência de Projetos de Desenvolvimento de Software em Órgãos do Governo do Ceará com Base no MPS-BR

Adriano Marum Rômulo. Uma Investigação sobre a Gerência de Projetos de Desenvolvimento de Software em Órgãos do Governo do Ceará com Base no MPS-BR Adriano Marum Rômulo 2014 Uma Investigação sobre a Gerência de Projetos de Desenvolvimento de Software em Órgãos do Governo do Ceará com Base no MPS-BR Agenda I. Introdução II. Referencial Teórico III.

Leia mais

UM NOVO DESPERTAR PARA FAIR PLAY?

UM NOVO DESPERTAR PARA FAIR PLAY? UM NOVO DESPERTAR PARA FAIR PLAY? PESQUISA ANUAL COM DIRETORES DE FINANÇAS DE CLUBES DE FUTEBOL DO REINO UNIDO 2013 Introdução Caro leitor Você está recebendo o estudo elaborado pela BDO sobre o Fair

Leia mais

Como o Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais (FDC/POS) pode se integrar com o Guia do PMD-PRO 1?

Como o Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais (FDC/POS) pode se integrar com o Guia do PMD-PRO 1? Como o Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais (FDC/POS) pode se integrar com o Guia do PMD-PRO 1? Esse artigo corresponde ao Anexo 5 do Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

DAVI BARRETO E FERNANDO GRAEFF

DAVI BARRETO E FERNANDO GRAEFF OS TRECHOS EM FONTE NA COR VERMELHA SÃO AS NOVIDADES ACRESCENTADAS PELO AUTOR. CAPÍTULO 2 2.1. QUANDO A AUDITORIA INDEPENDENTE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É NECESSÁRIA? Vimos que a auditoria tornou se

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada

Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada Objetivos da aula: Esta aula proporcionará ao aluno da disciplina de Marketing em Administração de Call Center compreender o sentido e a importância

Leia mais

O ABC da gestão do desempenho

O ABC da gestão do desempenho Por Peter Barth O ABC da gestão do desempenho Uma ferramenta útil e prática para aprimorar o desempenho de pessoas e organizações 32 T&D INTELIGÊNCIA CORPORATIVA ED. 170 / 2011 Peter Barth é psicólogo

Leia mais

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R 8 DICAS ESSENCIAIS PARA ESCOLHER SUA CORRETORA W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R Aviso Importante O autor não tem nenhum vínculo com as pessoas, instituições financeiras e produtos, citados, utilizando-os

Leia mais

Módulo 2: Fase de Diagnóstico: Avaliando o uso e a gestão da TI

Módulo 2: Fase de Diagnóstico: Avaliando o uso e a gestão da TI ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI) Conteúdo para impressão Módulo 2: Fase de Diagnóstico:

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa POLÍTICA DE INTEGRIDADE A política de integridade (conformidade), parte integrante do programa de governança corporativa. Mais do que nunca as empresas necessitam de estruturas consistentes

Leia mais

Apresenta-se a seguir, a conclusão referente aos objetivos específicos e, em seguida, ao objetivo geral:

Apresenta-se a seguir, a conclusão referente aos objetivos específicos e, em seguida, ao objetivo geral: 7. Conclusão A conclusão do trabalho de pesquisa, exposto através desta dissertação, perpassa por duas vertentes. A primeira está relacionada aos objetivos traçados no início do desenvolvimento da pesquisa,

Leia mais

Índice. 1. A educação e a teoria do capital humano...3. Grupo 7.2 - Módulo 7

Índice. 1. A educação e a teoria do capital humano...3. Grupo 7.2 - Módulo 7 GRUPO 7.2 MÓDULO 7 Índice 1. A educação e a teoria do capital humano...3 2 1. A EDUCAÇÃO E A TEORIA DO CAPITAL HUMANO Para Becker (1993), quando se emprega o termo capital, em geral, o associa à ideia

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Grande parte dos planejadores

Grande parte dos planejadores ARTIGO Fotos: Divulgação Decidindo com o apoio integrado de simulação e otimização Oscar Porto e Marcelo Moretti Fioroni O processo de tomada de decisão Grande parte dos planejadores das empresas ainda

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO André Luís Mattedi Dias mattedi@uefs.br Jamerson dos Santos Pereira pereirajamerson@hotmail.com Jany Santos Souza Goulart janymsdesenho@yahoo.com.br

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo...

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3 2.1. Objetivos... 3 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5 3.1. Objetivo... 5 3.1.1. Negociação para comercialização e

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

Passar o bastão - Desenvolver parcerias

Passar o bastão - Desenvolver parcerias CAPÍTULO VI CONSTRUINDO A VISÃO DA QUALIDADE TOTAL... não fui desobediente à visão celestial Apóstolo Paulo Como já vimos anteriormente, as empresas vivem num cenário de grandes desafios. A concorrência,

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Novidades do Guia PMBOK 5ª edição

Novidades do Guia PMBOK 5ª edição Novidades do Guia PMBOK 5ª edição Mauro Sotille, PMP O Guia PMBOK 5 a edição (A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide) Fifth Edition), em Inglês, foi lançado oficialmente pelo

Leia mais