UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO COPPEAD DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DENIZAR LEAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO COPPEAD DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DENIZAR LEAL"

Transcrição

1 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO COPPEAD DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO DENIZAR LEAL O PAPEL DE CUSTOS AFUNDADOS EM DECISÕES DE ALOCAÇÃO DE RECURSOS RIO DE JANEIRO 2014

2 1 DENIZAR LEAL O PAPEL DE CUSTOS AFUNDADOS EM DECISÕES DE ALOCAÇÃO DE RECURSOS Tese apresentada ao Programa de Doutorado do Instituto Coppead de Administração, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como requisito parcial à obtenção do título de Doutor em Administração. Orientador: Professor Marcos Gonçalves Ávila, Ph.D. RIO DE JANEIRO 2014

3 FICHA CATALOGRÁFICA 2

4 3 DENIZAR LEAL O PAPEL DE CUSTOS AFUNDADOS EM DECISÕES DE ALOCAÇÃO DE RECURSOS Tese apresentada ao Programa de Doutorado do Instituto Coppead de Administração, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como requisito parcial à obtenção do título de Doutor em Administração. Aprovada em: de março de 2014 Professor Marcos Gonçalves Ávila, Ph.D. COPPEAD/UFRJ Orientador Professor Otávio Henrique dos Santos Figueiredo, D.Sc. COPPEAD/UFRJ Professor Donaldo de Souza Dias, D.Sc. Consultor Professor Helio Zanquetto Filho, D.Sc. UFES Professor Valcemiro Nossa, D.Sc. FUCAPE Rio de Janeiro 2014

5 Aos meus amores Irene (mãe) e Sônia (esposa), por tudo. 4

6 5 AGRADECIMENTOS Primeiramente, meus agradecimentos a Deus e à Nossa Senhora, que sempre passa na frente. Ouvi dizer que uma tese é um trabalho solitário. Definitivamente, não é. Esta tese existe, porque contou com o apoio de muita gente. Muitas pessoas abriram portas. Centenas, voluntariamente, participaram da pesquisa e, outras tantas, se dispuseram a ajudar, inclusive com orações. Para agradecer a tanta gente, não é possível nominá-las. Dessa forma, agradeço, coletivamente, aos professores e servidores do Instituto Coppead, aos colegas da Ufes e das outras Instituições que abriram suas portas para a realização da pesquisa empírica e à Capes, pelo apoio financeiro durante parte do programa. Particularmente, ao meu professor orientador, Marcos Gonçalves Ávila, pela orientação, dedicação, paciência e cuidado com o trabalho feito a quatro mãos. Agradeço à minha mãe que ora por mim todos os dias e ao meu pai, que já se foi, mas olha por mim de onde está. À minha amada esposa Sônia que, tenho certeza, sofreu mais do que eu nesses cinco anos, mas continua firme, ao meu lado, ajudando-me a superar tudo. Agradeço também à minha família e aos amigos que colaboraram e torceram tanto para que este trabalho se realizasse.

7 Sonho que se sonha só é só um sonho que se sonha só. Sonho que se sonha junto é realidade. (Raul Seixas) 6

8 7 RESUMO LEAL, Denizar. O papel de custos afundados em decisões de alocação de recursos. Tese (Doutorado em Administração) Instituto COPPEAD de Administração, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Este estudo investigou a influência de custos afundados na decisão de alocar recursos em um curso de ação, em cenários de incerteza. Para isso foi realizada uma pesquisa experimental, que contou com a participação de estudantes de graduação e de profissionais do setor financeiro. Os resultados sugerem que há uma tendência de alocar novos recursos em um projeto, no qual já foi realizado um investimento (custos afundados). Essa tendência se manifestou independentemente da proximidade de conclusão de um projeto, contrariando o que prevê a hipótese da proximidade de conclusão do projeto, que tem sido avançada em diversos trabalhos. O efeito custo afundado ocorreu tanto com os estudantes de graduação, quanto com os profissionais pesquisados (gestores de uma Instituição Financeira do Brasil) neste último caso em uma decisão sobre a concessão de um financiamento de risco elevado. A pesquisa também oferece evidências de que a explicitação de um custo de oportunidade tem o potencial de mitigar o efeito custo afundado, mesmo em situações de incerteza. Finalmente, este estudo sugere que a ausência de responsabilidade pela decisão inicial diminui a tendência das pessoas em investir novos recursos em um curso de ação para o qual os sinais indiquem que, talvez, seja necessária uma revisão de caminhos. Palavras-chave: Efeito custo afundado. Hipótese da proximidade de conclusão do projeto. Custo de oportunidade.

9 8 ABSTRACT LEAL, Denizar. The role of sunk costs in resource allocation decisions. Tese (Doutorado em Administração) Instituto COPPEAD de Administração, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, This study investigated the influence of sunk costs in the decision to allocate resources on a course of action in uncertain scenarios. For this experimental research, which included the participation of undergraduate students and financial professionals was conducted. The results suggest that there is a tendency to allocate new resources to a project, which already made an investment (sunk costs). This trend has occurred regardless of proximity to completion of a project, contradicting the project completion hypothesis, which has been advanced in several works. The sunk cost effect occurred with both graduate students, as with the professionals participants of the experiment (managers of a financial institution in Brazil) in the latter case for a decision on the approval of funding of high risk. The study also provides evidence that the explanation of an opportunity cost has the potential to mitigate the sunk cost effect, even in situations of uncertainty. Finally, this study suggests that the absence of responsibility for the initial decision also reduces the tendency for people to invest new resources in a course of action, for which the signs indicate that, perhaps, a review of direction is required. Keywords: The sunk cost effect. Project completion hypothesis. Opportunity cost.

10 9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Modelo do processo de escalada do comprometimento... Figura 2 O modelo de três fases de Staw e Ross... Figura 3 Função de valor da teoria da perspectiva... Figura 4 Gráfico de correlação das variáveis dependentes... Figura 5 Interação entre custo afundado e custo de oportunidade para a probabilidade de investir experimento 3... Figura 6 Interação entre custo afundado e custo de oportunidade para a decisão de investir experimento 3... Figura 7 Interação entre custo afundado e responsabilidade experimento 4 Figura 8 Interação entre custo afundado e responsabilidade pela decisão inicial para a decisão de investir experimento 4... Figura 9 Interação entre custo afundado e responsabilidade pela decisão inicial para a probabilidade de investir experimento 4, com explicitação do custo de oportunidade... Figura 10 Interação entre custo afundado e responsabilidade pela decisão inicial para a decisão de investir experimento 4, com explicitação do custo de oportunidade... Figura 11 Gráfico de correlação para variáveis dependentes experimento

11 10 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Organização cronológica dos principais estudos de escalada de comprometimento... Quadro 2 Questões do pós-teste... Quadro 3 Descrição do cenário do experimento 1... Quadro 4 Descrição do cenário do experimento 2... Quadro 5 Descrição do cenário do experimento 3... Quadro 6 Descrição do cenário do experimento 4... Quadro 7 Descrição do cenário do experimento 4 com explicitação do custo de oportunidade... Quadro 8 Descrição do cenário do experimento

12 11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Médias de probabilidade para alocação do próximo milhão de dólares... Tabela 2 Provável percepção de desempenho para cada nível de custos afundados e de percentual de desenvolvimento... Tabela 3 Classificação de acordo com custos afundados, independente de responsabilidade com informação sobre o orçamento total... Tabela 4 Classificação de acordo com o percentual de conclusão, independente de responsabilidade com informação sobre o orçamento total... Tabela 5 Classificação de acordo com custos afundados, independente de responsabilidade sem informação sobre o orçamento total... Tabela 6 Classificação de acordo com percentual de conclusão, independente de responsabilidade sem informação sobre o orçamento total... Tabela 7 Efeitos de custos afundados e proximidade de conclusão na alocação de recursos na amostra de gerente de bancos... Tabela 8 Classificação de acordo com níveis de custos afundados (valores em milhões)... Tabela 9 Classificação de acordo com níveis de percentual de conclusão do projeto (valores em milhões)... Tabela 10 Classificação de acordo com valor de venda (valores em milhões)... Tabela 11 Caracterização da amostra de acordo com o curso... Tabela 12 Caracterização da amostra de acordo com o sexo... Tabela 13 Médias para probabilidade de investir comparação da ordem das questões experimento 1... Tabela 14 Estatística descritiva para probabilidade de investir experimento

13 12 Tabela 15 Frequência de respostas positivas e negativas experimento 1 Tabela 16 Estatística descritiva para probabilidade de investir experimento 2... Tabela 17 Frequência de respostas positivas e negativas experimento 2 Tabela 18 Estatística descritiva para probabilidade de investir experimento 3... Tabela 19 Análise de variância experimento 3... Tabela 20 Diferenças em função da aplicação de apenas uma questão... Tabela 21 Estatística descritiva para decisão de investir experimento 3 Tabela 22 Estatística descritiva para probabilidade de investir experimento 4... Tabela 23 Análise de variância experimento 4... Tabela 24 Estatística descritiva para decisão de investir experimento 4 Tabela 25 Estatística descritiva para probabilidade de investir experimento 4, com explicitação do custo de oportunidade... Tabela 26 Testes de efeitos entre assuntos para probabilidade de investir experimento 4, com explicitação do custo de oportunidade... Tabela 27 Estatística descritiva para decisão de investir experimento 4, com explicitação do custo de oportunidade... Tabela 28 Estatística descritiva para probabilidade de investir experimento 5... Tabela 29 Frequência de respostas positivas e negativas experimento

14 13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CONTRIBUIÇÕES E DELIMITAÇÕES DA PESQUISA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO... 2 REFERENCIAL TEÓRICO ORIGENS DOS ESTUDOS DE ESCALADA DE COMPROMETIMENTO Os modelos de estudos iniciais de Barry Staw e seus colegas: o foco nas organizações DETERMINANTES SOCIAIS, ORGANIZACIONAIS E POLÍTICOS 2.3 A INVESTIGAÇÃO DE DETERMINANTES PSICOLÓGICOS PARA O PROCESSO DE ESCALADA O EFEITO CUSTO AFUNDADO A TEORIA DA PERSPECTIVA SÍNTESE DO REFERENCAL TEÓRICO DO PROCESSO DE ESCALADA... 3 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS ESTUDOS DE CONLON E GARLAND (1993), GARLAND E CONLON (1998), BOEHNE E PAESE (2000) E HEATH (1995) HIPÓTESE DA PROXIMIDADE DE CONCLUSÃO DO PROJETO Análise dos experimentos que deram suporte à hipótese da proximidade de conclusão do projeto Análise do experimento 1 de Conlon e Garland (1993) Análise do experimento 2 de Conlon e Garland (1993) Análise do experimento 1 de Garland e Conlon (1998) Descrição dos demais experimentos de Garland e Conlon (1998) Análise do experimento de Boehne e Paese (2000) O PROCESSO DE DESESCALADA EM FUNÇÃO DE CUSTOS AFUNDADADOS Análise do estudo de Heath (1995)... 4 PESQUISA EXPERIMENTAL

15 HIPÓTESES E METODOLOGIA Desenvolvimento de hipóteses Metodologia RESULTADOS E ANÁLISES Experimento nº Caracterização da amostra experimento Resultados experimento Experimento nº Caracterização da amostra experimento Resultados experimento Experimento nº Caracterização da amostra experimento Resultados experimento Experimento nº Caracterização da amostra experimento Resultados experimento Experimento nº Caracterização da amostra experimento Resultados experimento DISCUSSÃO DOS RESULTADOS A influência dos custos afundados nas decisões A influência do destaque do custo de oportunidade no efeito custo afundado A influência do grau de responsabilidade pela decisão inicial no efeito custo afundado... 5 CONCLUSÕES LIMITAÇÕES DO ESTUDO E SUGESTÕES PARA PESQUISAS FUTURAS... REFERÊNCIAS

16 15 1 INTRODUÇÃO Muitos contextos decisórios se caracterizam por uma série de decisões em sequência, ao invés de uma escolha única e isolada. Nesses contextos, pesquisas sugerem que as pessoas tendem a incorrer em um viés decisório que se caracteriza por uma tendência a escalar o comprometimento em relação à decisão inicial, quando as evidências apontam a necessidade de uma revisão do curso de ação originalmente escolhido. Esse viés é denominado escalada de comprometimento (BAZERMAN; MOORE, 2013). O processo de escalada de comprometimento (escalation of commitment) foi apresentado por Staw (1976), que, inicialmente, considerava que esse comportamento se manifestava porque as pessoas não queriam admitir que tinham cometido um erro em sua decisão inicial. Dessa forma, o fenômeno foi concebido como sendo determinado por razões psicológicas, como uma possível manifestação da teoria da dissonância cognitiva de Festinger (STAW, 2005). Para Staw (1976), a responsabilidade pela decisão inicial de investir fazia com que as pessoas persistissem no curso de ação escolhido. Em paralelo ao trabalho de Staw (1976), outros estudos identificaram processos semelhantes, mas com denominações diferentes, como entrapment (RUBIN; BROCKNER, 1975), too close to quit (TEGER, 1980) e sunk cost effect (THALER, 1980). A abordagem predominante na investigação e explicação para o fenômeno manteve a Psicologia como referência. Em estudos posteriores, Barry Staw e outros pesquisadores, usualmente associados à área de Psicologia Organizacional, ampliaram a visão do processo de escalada de comprometimento, que passou a ser percebido como sendo determinado não só por razões psicológicas, mas também por motivos políticos, sociais, econômicos e organizacionais. Outros estudiosos, principalmente das áreas de Economia e Psicologia, mantiveram o enfoque psicológico e se dedicaram a investigar um componente específico do processo, a influência dos sunk costs (custos perdidos, passados ou afundados) nas decisões das pessoas. Nesta pesquisa será utilizada a expressão custos afundados quando for feita referência aos sunk costs. Para Thaler (1980), é importante estudar os custos afundados, pois ao analisar problemas relativos às decisões de consumo, ele constatou que, enquanto a teoria econômica prescreve que

17 16 somente custos e benefícios incrementais deveriam afetar as decisões, a realidade é que as pessoas não ignoram os custos afundados em decisões do cotidiano. Ainda de acordo com Thaler, o sunk cost effect (efeito custo afundado expressão utilizada por ele para denominar o fenômeno) pode ser explicado pela teoria da perspectiva, de Kahneman e Tversky (1979), que apresentaram evidências de que os custos afundados foram considerados relevantes em diversas decisões estudadas por eles. A partir de Thaler, outros estudos se juntaram ao esforço de pesquisa relacionado com o efeito custo afundado. Arkes e Blumer (1985), por exemplo, realizaram uma série de experimentos, em um trabalho seminal sobre o fenômeno, que deram suporte à hipótese de que os custos afundados influenciam tanto decisões cotidianas, quanto decisões de negócios (desenvolvimento de projetos). Com as evidências apresentadas por Arkes e Blumer (1985), os estudos sobre o fenômeno avançaram em várias direções, na tentativa de melhor caracterizar o processo. Assim, além de adaptações de experimentos realizados por Arkes e Blumer (1985), novas variáveis foram investigadas e os estudos analisaram, por exemplo: o tamanho do investimento incremental em vários níveis de custos afundados (GARLAND, 1990); a influência dos custos afundados em valores absolutos e em valores relativos a um orçamento (GARLAND; NEWPORT, 1991); a diferença da intensidade do efeito custo afundado entre investimento de tempo e investimento monetário (SOMAN, 2001). Esses e outros estudos contribuíram para consolidar a existência do efeito custo afundado. Os resultados apontaram uma tendência das pessoas em continuar investindo em um curso de ação iniciado, mesmo quando os riscos se tornam maiores e um fato novo implica, talvez, uma necessidade de revisão de rumos. Neste trabalho, o fenômeno da escalada foi estudado por meio da abordagem da Psicologia Cognitiva, mais especificamente, pelo enfoque que investiga a influência dos custos afundados nas decisões. Essa abordagem foi escolhida, em primeiro lugar, porque existe uma forte relação entre escalada e custos afundados. A questão dos custos afundados é, há muito tempo, um tema de interesse da Contabilidade. Exemplo disso é a existência de uma linha de pesquisa (e programas de doutorado em torno dessa linha), que é denominada Behavioral Accounting. Essa linha tem, historicamente, estudado a relação entre as práticas gerenciais com a Psicologia. A observação, já consolidada, de que existe um choque entre a visão normativa e a visão descritiva

18 17 de processos decisórios, sempre foi de interesse de Behavioral Accounting. Nesse sentido, a questão dos custos afundados é um dos temas que ilustra esse choque, e tem sido objeto de significativo esforço de pesquisa na área contábil, econômica e financeira. A opção pela abordagem da Psicologia Cognitiva se deu, em segundo lugar, por ter sido encontrado, na revisão bibliográfica, um forte debate sobre a relação entre custo afundado e o processo de escalada. A literatura sobre o tema custo afundado chama a atenção para um significativo conjunto de evidências que apontam a robustez desse fenômeno, isto é, as pesquisas parecem consolidar a proposta de que existe um impacto irracional de custos afundados em decisões de escalar o comprometimento, em projetos nos quais os sinais apontam uma necessidade de revisão de curso de ação. Existem, entretanto, diversos estudos que, conforme serão discutidos adiante neste trabalho, sugerem que o efeito não é tão robusto como se imagina. Os estudos que questionam a influência dos custos afundados nas decisões podem ser divididos em duas categorias: a) pesquisas que sugerem que existe um confounding effect entre as variáveis custos afundados e proximidade de conclusão grau de proximidade de conclusão do projeto (por exemplo, CONLON; GARLAND, 1993; GARLAND; CONLON, 1998); e b) estudos que propõem que, em certas circunstâncias, os custos afundados podem provocar um efeito reverso, isto é, um processo de desescalada de comprometimento (por exemplo, HEATH, 1995). As linhas de pesquisa lideradas por Conlon, Garland e Heath incluem um número considerável de publicações, todas em periódicos de ponta e têm demonstrado significativa influência em investigações recentes a respeito do fenômeno. Por exemplo, Sleesman et al. (2012) realizaram um estudo adotando a meta-análise como metodologia, com o objetivo de classificar as diversas variáveis apresentadas em investigações anteriores sobre o processo de escalada e as perspectivas teóricas até então analisadas. Dentre outros determinantes de natureza psicológica confirmados, esses autores sugerem que há relação positiva entre custos afundados e escalada. No entanto, os autores acrescentaram que a influência da proximidade de conclusão nas decisões é mais forte do que a dos custos afundados. De acordo com as conclusões apresentadas, o grau de influência dos custos afundados na escalada aumenta, na medida em que há covariação entre custos e percentual de conclusão. Com base na meta-análise conduzida, Sleesman et al. (2012, p. 556) propõem que [...] o efeito

19 18 custo afundado pode não ser tão robusto quanto a literatura sugere. O que o presente trabalho encontrou, entretanto, ao avaliar os trabalhos pioneiros nessas linhas de pesquisa foi, o que acredita-se poder denominar, erros significativos de desenho experimental e de conceitos associados ao efeito do custo afundado. No Capítulo 3 deste trabalho, tais erros serão mapeados. Este estudo defende que esses erros invalidam os resultados alcançados nesses estudos e colocam em questionamento as propostas posteriores, que têm sido feitas com base nesses resultados iniciais. Esses erros podem ser descritos em diversas dimensões, a serem discutidas adiante neste documento. Conforme será indicado, a conclusão deste trabalho, após uma revisão crítica da literatura existente e com base na pesquisa empírica realizada, é de que o efeito custo afundado é um fenômeno que ocorre independentemente da influência da variável grau de proximidade com a conclusão do projeto. Acrescenta-se, entretanto, que a revisão de literatura revelou algumas variáveis que parecem mitigar o efeito custo afundado. Duas delas serão de interesse na etapa de investigação empírica desta tese: a) o grau em que o custo de oportunidade, associado à decisão de honrar o custo afundado, é explicitado; e b) o grau de responsabilidade do gestor quanto à decisão inicial do lançamento do projeto, no qual foram investidos recursos (agora considerados custos afundados). A última etapa deste trabalho é de natureza empírica. Nesse sentido, as questões básicas a serem exploradas são: a) a caracterização empírica do efeito custo afundado no cenário brasileiro, uma vez que é bastante incipiente a publicação de pesquisas relevantes sobre o tema no Brasil; b) a avaliação da capacidade das variáveis custo de oportunidade e grau de responsabilidade pela decisão inicial em, de fato, reduzir o efeito custo afundado; e c) a avaliação da variável custos afundados em um cenário no qual ela não tenha correlação com a proximidade de conclusão do projeto. Esta tese abordará, de forma sumária, as seguintes questões de pesquisa: A tendência a alocar novos recursos financeiros e, portanto, persistir na execução de determinado projeto, para o qual existem sinais de que, talvez, seja melhor rever o caminho a ser seguido, será influenciada pela existência de custos afundados, isto é, pelo fato de já existir um montante de recursos investidos no projeto?

20 19 O efeito custo afundado ocorrerá em cenários em que possa ser evitada a influência da proximidade da conclusão do projeto na decisão? A explicitação de um custo de oportunidade, associado à decisão de continuar a investir em um projeto, tem o poder de mitigar o efeito custo afundado? A ausência de responsabilidade pela decisão de se iniciar um projeto pode reduzir o efeito custo afundado? Assim, o objetivo desta tese, de forma sumária, é avaliar a existência do impacto de custos afundados em decisões de alocação de recursos em um conjunto de contextos: com ou sem explicitação de um custo de oportunidade, associado à decisão de continuar investindo em um projeto; com ou sem responsabilidade pela decisão de se iniciar o projeto. O design experimental buscará neutralizar o efeito da proximidade de conclusão do projeto no processo decisório dos participantes da pesquisa. 1.1 CONTRIBUIÇÕES E DELIMITAÇÕES DA PESQUISA Esta tese se concentra na linha de pesquisa que estuda os determinantes psicológicos do processo de escalada, em especial como as decisões podem ser influenciadas pelos custos afundados em situações de incerteza. Sua principal contribuição consiste em realizar essa investigação em contextos decisórios em que não há influência da proximidade de conclusão de um projeto. Conlon e Garland (1993) sugerem que pesquisas anteriores às deles podiam estar confundindo custos afundados com a proximidade de conclusão. Essa sugestão gerou diversos estudos posteriores, a maioria dando suporte à proposta desses autores. Esta pesquisa sugere, entretanto, que essas propostas, assim como as principais investigações que deram sequência às pesquisas iniciais têm por base um conjunto de experimentos com falhas significativas de design. Conforme será discutido, essas falhas colocam em questão a proposta dessa linha de investigação. Na etapa empírica deste trabalho, os experimentos projetados têm por objetivo avaliar o impacto de custos afundados em tomada de decisão, sem a influência da variável proximidade de conclusão. A pesquisa experimental, aqui realizada, também busca investigar a capacidade de atuação de algumas variáveis, no sentido de mitigar esse impacto.

21 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO O restante do documento está organizado da seguinte forma: O Capítulo 2 é dedicado à apresentação do referencial teórico, no qual foram traçados os caminhos e a evolução dos estudos relativos à escalada de comprometimento. Nesse capítulo, são relatadas as origens do processo e de que forma as investigações se desenvolveram, com descrição abrangente dos principais trabalhos que: a) consolidaram o processo como um viés decisório decorrente de razões políticas, sociais, organizacionais e psicológicas; b) demonstraram que os custos afundados são um importante determinante do processo de escalada, exercendo influência nas decisões das pessoas; c) questionaram o papel dos custos afundados como determinantes do processo. O referencial teórico é composto, ainda, por um quadro com o desenvolvimento cronológico dos trabalhos mais relevantes sobre o tema, destacando o tipo de estudo realizado e as principais conclusões relatadas. No Capítulo 3, é apresentada uma análise crítica de experimentos realizados e os resultados encontrados, em uma linha de investigação que questiona a influência dos custos afundados no processo de escalada. Neste capítulo, também é relatada a análise do experimento que propõe que o custo afundado pode causar um efeito inverso, ou seja, desescalada. A pesquisa experimental é apresentada no Capítulo 4, juntamente com as hipóteses investigadas, a metodologia, os resultados, as análises e a discussão dos resultados. Finalmente, no último capítulo são registradas as conclusões deste estudo e sugestões para pesquisas futuras.

22 21 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 ORIGENS DOS ESTUDOS DE ESCALADA DE COMPROMETIMENTO As investigações iniciais de escalada de comprometimento foram conduzidas por Barry Staw e são datadas de meados da década de 70. Staw, então professor de comportamento organizacional da Universidade de Illinois, entendia o envolvimento dos Estados Unidos na Guerra do Vietnam como [...] uma série de compromissos difíceis de interromper (STAW, 2005, p. 217). Segundo ele, a participação americana na guerra se mostrava, ainda na administração Kennedy, como uma iniciativa com diversos setbacks e mesmo assim não havia sinal de retirada das tropas. Ao contrário, cada indício de que as coisas não iam bem era seguido de uma escalada no grau de comprometimento com os esforços de guerra. Staw (1976) começou a ponderar se a escalada de comprometimento da decisão de ir à guerra seria indicativa de um processo decisório de caráter mais genérico. Staw (2005) afirmou que concebeu inicialmente o problema como uma possível manifestação de dissonância cognitiva de Festinger: as pessoas manteriam seus investimentos em cursos de ação que se mostram altamente questionáveis quanto às chances de sucesso (na área de investimentos, carreiras ou até mesmo casamentos), para evitar a admissão de que um erro foi cometido por ocasião da decisão inicial. Ou seja, a escalada ocorreria devido a [...] um esforço para justificar ou racionalizar um curso de ação (STAW, 2005, p. 218). Para Bazerman e Moore (2013) a simples manutenção (ou mesmo o aumento) do comprometimento com determinado curso de ação após um feedback negativo não pode ser interpretada como evidência conclusiva de ocorrência de um viés decisório. Tal postura pode ser racionalmente justificável. A caracterização do viés requer que a escalada represente um grau de comprometimento que ultrapassa o limite que um modelo racional de tomada de decisão prescreveria. Em muitos cenários, a separação entre a avaliação econômica e a avaliação psicológica da decisão pode ser difícil ou impossível. Staw (1976) construiu hipóteses associadas à escalada de comprometimento, nas quais, além da caracterização do efeito, uma avaliação psicológica da decisão foi isolada e testada. O estudo, um experimento com alunos de um MBA, no formato role-playing, colocou os participantes no papel

23 22 de gerentes de uma grande empresa e eles tinham que decidir sobre a alocação de recursos de P&D entre várias linhas de produtos. Duas variáveis independentes foram manipuladas: nível de responsabilidade com a decisão inicial (alto e baixo) e consequências das decisões iniciais (positivas ou negativas, isto é, ganhos ou perdas). Fundamentadas na teoria da dissonância, as hipóteses básicas de pesquisa foram de que haveria uma tendência a investir mais recursos quando: a) o curso de ação não estivesse tendo sucesso (consequências negativas); b) as decisões estivessem sendo tomadas no tratamento alta responsabilidade. O estudo previu ainda um efeito interação entre as duas variáveis: o grupo com alta responsabilidade e com consequências negativas na decisão inicial estaria especialmente propenso a reinvestir no curso de ação com prováveis consequências negativas (já que os participantes desse grupo estariam particularmente motivados a justificar ou racionalizar o comportamento assumido). Os resultados dessa primeira investigação sobre a escalada de comprometimento foram de suporte a todas as hipóteses formuladas. Em paralelo ao experimento de Staw (1976), estudos conduzidos de forma independente por outros pesquisadores também demonstraram suporte para o mesmo fenômeno, embora com denominações diferentes. Conforme será indicado a seguir, as pesquisas associadas à escalada de comprometimento têm se dividido em diversas partes. O fenômeno é considerado complexo o suficiente para abrigar uma série de explicações, nos mais diversos campos do conhecimento psicologia, sociologia e economia. O Quadro 1, ao final do Capítulo 2 desta tese, apresenta um resumo de referência, organizado em ordem cronológica, que relaciona as pesquisas empíricas mais relevantes que estudaram o fenômeno da escalada nas últimas décadas. Rubin e Brockner (1975) proveram evidências, por meio de um estudo experimental com estudantes de graduação de que a passagem do tempo poderia ser vista como um investimento ou um gasto. Para eles, a passagem do tempo dedicado a uma atividade pode provocar um conflito, no qual forças psicológicas atuam em diferentes sentidos, umas pressionando para a desistência e outras para a persistência na ação iniciada. Rubin e Brockner (1975) sugeriram, no entanto, que, uma vez que uma decisão de esperar tenha sido tomada, com o passar do tempo, a tendência de persistir é maior do que a de desistir, o que eles consideram um tipo de conflito de entrapment. Para investigar como o entrapment ocorre em situações de espera, os autores realizaram um experimento, no qual era dada a oportunidade de os participantes ganharem uma boa quantia em

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

31 descobertas sobre liderança

31 descobertas sobre liderança ALTA GERÊNCIA 31 descobertas sobre liderança Estudo Leadership Forecast 2005-2006, realizado pela firma de consultoria Development Dimensions International (DDI), buscou analisar como são percebidas em

Leia mais

O que é e como encontrar uma oportunidade?

O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS É mais fácil perceber uma carência ou uma necessidade do que uma oportunidade.

Leia mais

Entrevista feita pela Consultoria Junior de Economia da FGV-SP com o Professor Roberto Barbosa Cintra sobre o livro Armadilhas de Investimentos, de

Entrevista feita pela Consultoria Junior de Economia da FGV-SP com o Professor Roberto Barbosa Cintra sobre o livro Armadilhas de Investimentos, de Entrevista feita pela Consultoria Junior de Economia da FGV-SP com o Professor Roberto Barbosa Cintra sobre o livro Armadilhas de Investimentos, de autoria de Paulo Tenani, Roberto Cintra, Ernesto Leme

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A.

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A. Introdução AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A. A Tractebel Energia, isoladamente ou por meio da APINE, vem estudando e discutindo o tema

Leia mais

COMO CONSTRUIR CENÁRIOS MACROECONÔMICOS. Autor: Gustavo P. Cerbasi(gcerbasi@mandic.com.br) ! O que é cenário macroeconômico?

COMO CONSTRUIR CENÁRIOS MACROECONÔMICOS. Autor: Gustavo P. Cerbasi(gcerbasi@mandic.com.br) ! O que é cenário macroeconômico? COMO CONSTRUIR CENÁRIOS! O que é cenário macroeconômico?! Quais os elementos necessários para construção de cenários?! Etapas para elaboração de cenários macroeconômicos! Análise do comportamento das variáveis

Leia mais

DIRETRIZES PARA ANÁLISES ECONÔMICAS E FINANCEIRAS DE PROJETOS

DIRETRIZES PARA ANÁLISES ECONÔMICAS E FINANCEIRAS DE PROJETOS DIRETRIZES PARA ANÁLISES ECONÔMICAS E FINANCEIRAS DE PROJETOS PO-10/2013 Unidade Responsável: PMO Ponto Focal OBJETIVO: Essas diretrizes visam ajudar a equipe e consultores do Funbio a responder às questões

Leia mais

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu.

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE PREVISÃO DE ESTOQUES NO CONTROLE E PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA- PRIMA EM UMA INDÚSTRIA PRODUTORA DE FRANGOS DE CORTE: UM ESTUDO DE CASO BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

Pesquisa. Intenção de

Pesquisa. Intenção de Pesquisa SPC BRASIL: Intenção de Compras para o Natal Novembro/2013 Pesquisa do SPC Brasil revela que brasileiros pretendem gastar mais e comprar mais presentes neste Natal Se depender dos consumidores

Leia mais

O ABC da gestão do desempenho

O ABC da gestão do desempenho Por Peter Barth O ABC da gestão do desempenho Uma ferramenta útil e prática para aprimorar o desempenho de pessoas e organizações 32 T&D INTELIGÊNCIA CORPORATIVA ED. 170 / 2011 Peter Barth é psicólogo

Leia mais

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15%

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15% Através da CARTA TRIMESTRAL ATMOS esperamos ter uma comunicação simples e transparente com o objetivo de explicar, ao longo do tempo, como tomamos decisões de investimento. Nesta primeira carta vamos abordar

Leia mais

Conceitos Relevantes Tomando Decisões (Cap. 7) 2º SEMESTRE 2011

Conceitos Relevantes Tomando Decisões (Cap. 7) 2º SEMESTRE 2011 Conceitos Relevantes Tomando Decisões (Cap. 7) 2º SEMESTRE 2011 Custo de oportunidade e decisões Custo explícito é aquele que requer gasto em dinheiro. O custo implícito, por outro lado, não implica despesas

Leia mais

4 Tentativas de se Modelar Alterações no Prêmio de Risco

4 Tentativas de se Modelar Alterações no Prêmio de Risco 4 Tentativas de se Modelar Alterações no Prêmio de Risco Antes de partirmos para considerações sobre as diversas tentativas já realizadas de se modelar alterações no prêmio de risco, existe um ponto conceitual

Leia mais

AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO

AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO 1 AUÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 O QUE É UM PROJETO?... 2 2.1 PROJETO DE PESQUISA... 2 3 CLASSIFICAÇÃO DAS PESQUISAS... 4 4 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

Crise na fase de execução de Projetos de engenharia

Crise na fase de execução de Projetos de engenharia 1 Dário Denis Braga Vital vitaldario@ig.com.br MBA em Gerenciamento de Projetos em Engenharia e Arquitetura Instituto de Pós-Graduação - IPOG Manaus, AM, 10, junho de 2014 Resumo Este artigo é sobre gerenciamento

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI

EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI Referência Conhecimento em TI : O que executivos precisam saber para conduzirem com sucesso TI em suas empresas. Peter Weill & Jeanne W. Ross Tradução M.Books, 2010. 2 O

Leia mais

Os fatores de fracasso no desenvolvimento de produtos: um estudo de caso em uma pequena empresa de alta tecnologia

Os fatores de fracasso no desenvolvimento de produtos: um estudo de caso em uma pequena empresa de alta tecnologia Os fatores de fracasso no desenvolvimento de produtos: um estudo de caso em uma pequena empresa de alta tecnologia Antonio Gil da Costa Júnior (UNIFEI) agc@itajuba.com.br Carlos Eduardo Sanches da Silva

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

Gestão estratégica por KPIs 1

Gestão estratégica por KPIs 1 Gestão estratégica por KPIs 1 Sumário Introdução 03 Por que usar indicadores na gestão 05 Dado, informação ou indicadores? 07 KPI: Os indicadores chave de desempenho 09 KPIs do PMO Conclusão Sobre a Project

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE PROBLEMA

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE PROBLEMA 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE PROBLEMA 2 INTRODUÇÃO O processo de gerenciamento de problema busca eliminar, de forma permanente, os problemas e os incidentes repetitivos que afetam a

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

IMPACTO DA LIBERALIZAÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO NO TURISMO E NA ECONOMIA EM GERAL EM MOÇAMBIQUE

IMPACTO DA LIBERALIZAÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO NO TURISMO E NA ECONOMIA EM GERAL EM MOÇAMBIQUE IMPACTO DA LIBERALIZAÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO NO TURISMO E NA ECONOMIA EM GERAL EM MOÇAMBIQUE ESBOÇO MARÇO DE 2014 Esta publicação foi produzida para revisão pela Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

Nathalia Tavares Barbosa. Gestão da Mudança Organizacional: O Caso da Empresa GAMA. Dissertação de Mestrado

Nathalia Tavares Barbosa. Gestão da Mudança Organizacional: O Caso da Empresa GAMA. Dissertação de Mestrado Nathalia Tavares Barbosa Gestão da Mudança Organizacional: O Caso da Empresa GAMA Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Administração PUC-Rio como requesito parcial

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Aula 1

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Aula 1 Gerenciamento de Riscos em Projetos Aula 1 Set/2013 A Gerência de Riscos Gerenciar riscos riscos é uma uma abordagem explícita e sistemática usada usada para para identificar, analisar e controlar riscos.

Leia mais

Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo)

Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo) Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo) Prof. Esp. João Carlos Hipólito e-mail: jchbn@hotmail.com Sobre o professor: Contador; Professor da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais

Leia mais

Stage-Gate Uma ferramenta flexível para a otimização do portfólio de projetos

Stage-Gate Uma ferramenta flexível para a otimização do portfólio de projetos Uma ferramenta flexível para a otimização do portfólio de projetos Sumário Executivo... 2 Problema: Quando um projeto não deve ser executado... 32 Base conceitual: Processo estruturado de alocação de recursos...

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Fontes PMBOK, 2004. Project

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Pesquisa Operacional Tópico 4 Simulação Rosana Cavalcante de Oliveira, Msc rosanacavalcante@gmail.com

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 1) Introdução Nos últimos dias úteis de 2006, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

FUNDAMENTOS DO COMPORTAMENTO EM GRUPO

FUNDAMENTOS DO COMPORTAMENTO EM GRUPO PARTE III O GRUPO CAPÍTULO 8 FUNDAMENTOS DO COMPORTAMENTO EM GRUPO Prof. Germano G. Reis germanoglufkereis@yahoo.com.br Prof. Luciel H. de Oliveira luciel@uol.com.br 2006 by Pearson Education OBJETIVOS

Leia mais

FACULDADE DECISÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO SATISFAÇ DOS CLIENTES DA VIDRAÇARIA CLÁUDIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO DE EXECUÇÃO PARCIAL TÍTULO DO SEU RELATÓRIO

FACULDADE DECISÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO SATISFAÇ DOS CLIENTES DA VIDRAÇARIA CLÁUDIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO DE EXECUÇÃO PARCIAL TÍTULO DO SEU RELATÓRIO FACULDADE DECISÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO SATISFAÇ DOS CLIENTES DA VIDRAÇARIA CLÁUDIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO DE EXECUÇÃO PARCIAL TÍTULO DO SEU RELATÓRIO DIGITE SEU NOME FLORIANÓPOLIS ANO Digite seu nome RELATÓRIO

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados

Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados Documento técnico Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados Embora a transição para o software CAD 3D aumente significativamente o desempenho dos negócios, o investimento levanta questões

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Risco. Conceitos Básicos

Risco. Conceitos Básicos Risco Conceitos Básicos Risco: definições 1 Mercado Financeiro Risco A análise deste conceito é um desafio no processo de tomada de decisão, realizado segundo três conjuntos de condições: certeza, análise

Leia mais

Stage-Gate, aumente as chances de sucesso de seus produtos

Stage-Gate, aumente as chances de sucesso de seus produtos Stage-Gate, aumente as chances de sucesso de seus produtos A importância da aplicação de um processo de desenvolvimento de produtos André L. C. Silveira, PMP Não importa o segmento em que sua empresa atue,

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Traduzindo Estratégia em Resultado

Traduzindo Estratégia em Resultado Traduzindo Estratégia em Resultado O Gerenciamento de Portfólio e a Nova Fronteira de Maturidade nas Organizações Thiago Regal, MSc., PfMP, PMP Situação dos projetos Assunto do momento Algumas estimativas

Leia mais

Project Value Due Diligence: Minimizando os riscos de grandes projetos. Fábio Zaffalon

Project Value Due Diligence: Minimizando os riscos de grandes projetos. Fábio Zaffalon Project Value Due Diligence: Minimizando os riscos de grandes projetos Fábio Zaffalon 2 Promon Intelligens Promon Intelligens 2013 Sumário Executivo Para muitos dos nossos clientes, grandes projetos de

Leia mais

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento Riscos Prof. Dr. Tharcisio Bierrenbach de Souza Santos Risco: definições, tipificação e relevância Definições Componentes Tipos Mensuração Perfis de indivíduos Gerenciamento 2 Risco: definições 1 Mercado

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

FLUXOGRAMA DA PESQUISA

FLUXOGRAMA DA PESQUISA FLUXOGRAMA DA PESQUISA Desde a preparação até a apresentação de um relatório de pesquisa estão envolvidas diferentes etapas. Algumas delas são concomitantes; outras são interpostas. O fluxo que ora se

Leia mais

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro DAVE ULRICH, JON YOUNGER, WAYNE BROCKBANK E MIKE ULRICH Qualquer bom profissional de RH quer ser melhor. Isto começa com um desejo

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

5 Análise dos resultados

5 Análise dos resultados 5 Análise dos resultados Neste capitulo será feita a análise dos resultados coletados pelos questionários que foram apresentados no Capítulo 4. Isso ocorrerá através de análises global e específica. A

Leia mais

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Fevereiro/2014 AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE SEGUNDO WATTS & ZIMMERMAM (CAP. 8, 9, 10 E 11)

TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE SEGUNDO WATTS & ZIMMERMAM (CAP. 8, 9, 10 E 11) UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANCAS - FAF PROGRAMA DE MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE I TEORIA POSITIVA DE CONTABILIDADE

Leia mais

Universidade Fumec Faculdade de Ciências Empresariais Mestrado em Administração de Empresas

Universidade Fumec Faculdade de Ciências Empresariais Mestrado em Administração de Empresas Universidade Fumec Faculdade de Ciências Empresariais Mestrado em Administração de Empresas IMPACTO DA COMUNICAÇÃO TELEVISIVA NAS INTENÇÕES COMPORTAMENTAIS DE CONSUMIDORES: UM ESTUDO EMPÍRICO DO MERCADO

Leia mais

Abordagem. Porque tomada de decisão é um processo social; Porque a intuição e a análise influenciam a tomada de decisão;

Abordagem. Porque tomada de decisão é um processo social; Porque a intuição e a análise influenciam a tomada de decisão; Tomada de Decisão Abordagem Porque tomada de decisão é um processo social; Porque a intuição e a análise influenciam a tomada de decisão; Estilo pessoal para tomada de decisão organizacional. Decisões

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

PERCEPÇÃO AOS CUSTOS PERDIDOS: UMA ANÁLISE A PARTIR DO GÊNERO, EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL E GRANDE ÁREA DO CURSO

PERCEPÇÃO AOS CUSTOS PERDIDOS: UMA ANÁLISE A PARTIR DO GÊNERO, EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL E GRANDE ÁREA DO CURSO PERCEPÇÃO AOS CUSTOS PERDIDOS: UMA ANÁLISE A PARTIR DO GÊNERO, EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL E GRANDE ÁREA DO CURSO Quintiliano da Silva Neiva Júnior Universidade de Brasília (UnB) kintiliano@gmail.com Luiz

Leia mais

Como Elaborar Um Projeto de Pesquisa

Como Elaborar Um Projeto de Pesquisa Como Elaborar Um Projeto de Pesquisa Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Prof. Edwar Saliba Júnior Fevereiro de 2015 1 O que é pesquisa? Pode-se definir pesquisa como:

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA

METODOLOGIA CIENTÍFICA EQE040 METODOLOGIA CIENTÍFICA www.liviajatoba.com/eqe040 Professora Livia Jatobá liviajatoba@eq.ufrj.br Aula 04: Desenvolvendo o problema científico. Metodologia e fases da pesquisa. 6 de abril de 2015

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA PARA O ALINHAMENTO DO TRABALHO CIENTÍFICO NA ÁREA DA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA PARA O ALINHAMENTO DO TRABALHO CIENTÍFICO NA ÁREA DA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA PARA O ALINHAMENTO DO TRABALHO CIENTÍFICO NA ÁREA DA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Professor Paulo Roberto Vidigal Orientador da FASEJ Faculdade Sumaré

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Graziela Xavier Fortunato. Otimização dos Dispêndios de Publicidade sob Incerteza dos Ciclos Econômicos. Tese de Doutorado

Graziela Xavier Fortunato. Otimização dos Dispêndios de Publicidade sob Incerteza dos Ciclos Econômicos. Tese de Doutorado Graziela Xavier Fortunato Otimização dos Dispêndios de Publicidade sob Incerteza dos Ciclos Econômicos Tese de Doutorado Tese apresentada ao Programa de Pós-graduação em Administração de Empresas do Departamento

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Fornecimento de produtos e serviços Planejamento e controle do processo Demanda de produtos e serviços Recursos de produção O gerenciamento

Leia mais

Heloisa Iara Colchete Provenzano. Personalidade e Risco: Um estudo em Finanças Comportamentais. Dissertação de Mestrado

Heloisa Iara Colchete Provenzano. Personalidade e Risco: Um estudo em Finanças Comportamentais. Dissertação de Mestrado Heloisa Iara Colchete Provenzano Personalidade e Risco: Um estudo em Finanças Comportamentais Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração de Empresas da

Leia mais

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça Metodologia Científica Metodologia Científica Conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas de aquisição

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA. 09/abril de 2014

PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA. 09/abril de 2014 PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA 09/abril de 2014 Considerações Estatísticas para Planejamento e Publicação 1 Circularidade do Método

Leia mais

O MESTRADO PROFISSIONAL, OS MBAS E A REMUNERAÇÃO DO PROFESSOR

O MESTRADO PROFISSIONAL, OS MBAS E A REMUNERAÇÃO DO PROFESSOR O MESTRADO PROFISSIONAL, OS MBAS E A REMUNERAÇÃO DO PROFESSOR Ricardo Pereira Câmara Leal 1 Caixa Postal 68514 - Cidade Universitária CEP: 21949-900 Rio de Janeiro/RJ Brasil Tel: (21) 25989871 E-mail:

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Novidades do Guia PMBOK 5a edição

Novidades do Guia PMBOK 5a edição Novidades do Guia PMBOK 5a edição Mauro Sotille, PMP O Guia PMBOK 5 a edição (A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide) Fifth Edition), em Inglês, vai ser lançado oficialmente pelo

Leia mais

Por que Clientes de Coaching Desistem E como a Definição Efetiva de Metas pode fazer uma Diferença Positiva Marshall Goldsmith e Kelly Goldsmith

Por que Clientes de Coaching Desistem E como a Definição Efetiva de Metas pode fazer uma Diferença Positiva Marshall Goldsmith e Kelly Goldsmith Por que Clientes de Coaching Desistem E como a Definição Efetiva de Metas pode fazer uma Diferença Positiva Marshall Goldsmith e Kelly Goldsmith Uma revisão de pesquisas sobre o estabelecimento de metas

Leia mais

Para além da fábula a cigarra e a formiga : elementos explicativos das decisões intertemporais em relação à aposentadoria.

Para além da fábula a cigarra e a formiga : elementos explicativos das decisões intertemporais em relação à aposentadoria. Para além da fábula a cigarra e a formiga : elementos explicativos das decisões intertemporais em relação à aposentadoria. Doutorando: Antonio Gualberto Pereira Orientador: Luís Eduardo Afonso São Paulo,

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Com um processo funcional de planejamento

Leia mais

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Ministério da Fazenda Banco Central do Brasil Responsável: José Clovis Batista Dattoli, Chefe do Departamento de Planejamento

Leia mais

Famílias endividadas e com contas em atraso (%)

Famílias endividadas e com contas em atraso (%) Núcleo de Pesquisas Pesquisa de Endividamento e Inadimplência dos Consumidores de Chapecó A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor é um importante indicador da saúde financeira das famílias,

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado pessoas do grupo. Não basta simplesmente analisar cada interpretação possível, é preciso analisar quais as conseqüências de nossas possíveis respostas, e é isso que proponho que façamos de forma racional.

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

As Perdas P na Logística Enxuta [3 de 11]

As Perdas P na Logística Enxuta [3 de 11] As Perdas P na Logística Enxuta [3 de 11] Dentre as 7 perdas da Logística Enxuta, as perdas P talvez sejam as mais difíceis de serem identificadas. Por conseguinte, são menos suscetíveis de serem eliminadas.

Leia mais

Após essa disciplina você vai ficar convencido que a estatística tem enorme aplicação em diversas áreas.

Após essa disciplina você vai ficar convencido que a estatística tem enorme aplicação em diversas áreas. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA INTRODUÇÃO Departamento de Estatística Luiz Medeiros http://www.de.ufpb.br/~luiz/ CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE ESTATÍSTICA O que a Estatística significa para você? Pesquisas

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

ANEXO 1 MODELO DE PROJETO DE PESQUISA

ANEXO 1 MODELO DE PROJETO DE PESQUISA ANEXO 1 MODELO DE PROJETO DE PESQUISA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE CIENCIAS JURÍDICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO ACADÊMICO NOME DO(A) CANDIDATO(A) TÍTULO Projeto de pesquisa

Leia mais

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você.

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. A HR Academy e a NextView realizaram uma pesquisa focada em geração y, com executivos de RH das principais

Leia mais

Finanças em. Profa. Liliam Sakamoto Aula 7

Finanças em. Profa. Liliam Sakamoto Aula 7 Finanças em Projetos de TI Profa. Liliam Sakamoto Aula 7 Estudo de Viabilidade Técnico-econômica (EVTE) Determina a melhor solução técnica para determinado problema, avaliando a questão econômica; Considerando

Leia mais