UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A Orientação Profissional face à realidade dos alunos do Ensino Médio Por: Michele Bezerra da Silva Calazans Orientadora Prof. Geni Lima Rio de Janeiro 2012

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A Orientação Profissional face à realidade dos alunos do Ensino Médio Apresentação de monografia à AVM Faculdade Integrada como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Orientação Pedagógica e Educacional Por: Michele Bezerra da Silva Calazans

3 3 AGRADECIMENTOS...Agradeço a Deus por me dar fé e coragem, ao meu esposo pelo incentivo e dedicação, aos meus pais pelo carinho, ao meu sobrinho pelos abraços apertados de saudade e à minha família pelo amor.

4 4 DEDICATÓRIA Ao meu esposo, André, aos meus pais, Antonia e Valmir, ao meu sobrinho, Lucas, ao meu irmão, Douglas e à minha família e aos meus querido alunos que participaram do projeto.

5 5 RESUMO O presente trabalho teve por objetivo discutir de que forma a orientação profissional é importante para o jovem no momento da escolha profissional. Buscou-se discutir que fatores são levados em consideração na escolha profissional deste jovem. Foi apresentada a importância do orientador profissional e destacou-se a falta deste profissional no ensino médio da rede pública. A realidade desses alunos é preocupante, pois precisam fazer uma escolha, mas não sabem o caminho que irão tomar, porque falta informação sobre o mercado de trabalho e que profissão seguir. A solução é a inserção deste profissional na rede pública por meio de concurso público, para que se tenha profissional qualificado, uma vez que em muitas escolas alguns professores ou coordenadores assumem uma função, que não estão qualificados para atuar. Faz-se necessário um olhar crítico sobre esta realidade, pois muitos jovens iniciam cursos na graduação e após conhecerem a ementa do curso acabam por entender que não tem afinidade e acabam abandonando ou terminam o curso e atuando em algo que não lhes dá satisfação. Apresentar a este jovem um projeto de vida e sua importância é fundamental, para que ele possa ir construindo sua escolha. Este jovem quer ser ouvido e necessita de auxílio e cabe ao orientador este papel. Palavra-chave: Orientação, projeto de vida e escolha profissional

6 6 METODOLOGIA O presente trabalho tem por objetivo mostrar através de pesquisa bibliográfica e de campo para posterior análise e tabulação, visando entender como se dá a escolha profissional dos alunos do ensino médio e a importância do Orientador neste bojo.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 08 CAPÍTULO I-A História da Orientação profissional no Brasil 10 CAPÍTULO II - O Mercado de Trabalho A escolha profissional e o Mercado de trabalho A família 18 CAPÍTULO III A Orientação Profissional no Ensino Médio Projeto com os alunos do Ensino Médio Um olhar para o futuro: resultados do projeto 28 CONCLUSÃO 32 ANEXOS 33 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 40 ÍNDICE 43

8 8 INTRODUÇÃO A escolha profissional é um dos momentos mais difíceis para muitos jovens, que estão prestes a terminar o ensino médio. A preocupação em escolher uma profissão e entrar no mercado de trabalho é o foco principal para muitos. A escola tem um papel importante, que é formar este aluno e transformá-lo em cidadão. Ainda, segundo a Lei 9394/96 Art. 35 O ensino médio, etapa final da educação básica, com duração mínima de três anos, terá como finalidades: II a preparação básica para o trabalho e a cidadania do educando, para continuar aprendendo, de modo a ser capaz de se adaptar com flexibilidade a novas condições de ocupação ou aperfeiçoamento posteriores A Constituição Federal ainda declara em seu Art. 205 A educação, direito de todos e dever do estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. A escola deve ser um espaço para dirimir tais questões e um lugar onde o jovem possa ter ferramentas capazes de lhe permitir decidir que caminhos buscar. Há muitos desafios para este jovem como a falta de informação sobre as inúmeras áreas de atuação, a falta de um espaço onde este jovem possa compartilhar suas dúvidas e expectativas, falta de informação sobre vestibular e até sobre o ENEM (Exame Nacional de Ensino Médio). Neste bojo, cabe salientar que o orientador é figura central neste processo e que auxilia o jovem neste momento de decisão. As escolas públicas do estado do Rio de Janeiro não possuem orientador educacional e pedagógico e muitas vezes esta função é substituída por um coordenador pedagógico, que é um cargo indicado pela direção, e exercida por um professor que muitas vezes não possui formação e conhecimento técnico. O trabalho de orientar fica diluído dentro da instituição

9 9 escolar e por sua vez o jovem fica desassistido e desinformado sobre o mercado de trabalho. No último ano do ensino médio a família fica ansiosa para ver seu filho formado e preparado para entrar no mundo do trabalho e assim poder contribuir financeiramente para a renda familiar. Isso foi percebido na fala dos muitos jovens que participaram da pesquisa. Pontuaram que a pressão é enorme e que precisam entrar na faculdade pública não importando o curso. Um aluno declarou que deseja fazer teatro, mas o pai disse que isso não dá dinheiro, então iria tentar vestibular para geografia e ser professor e que depois faria faculdade dos sonhos dele. Os alunos também revelaram que são poucos professores que conversam sobre a escolha profissional e que não há um profissional que exerça essa função na escola e que seria ótimo, pois evitaria muito errar a escolha profissional. É uma realidade crescente, jovens, que prestam vestibular e no decorrer do curso abandonam ou trocam, caso tivessem acesso a uma orientação profissional talvez essa realidade poderia ser diferente. No primeiro capítulo será apresentada a história da Orientação profissional no Brasil. No segundo capítulo será discutido sobre mercado de trabalho e as dúvidas dos jovens sobre carreira a ser seguida. No último capítulo, será apontada a importância do orientador educacional e pedagógico e discutida a sua falta na rede pública de ensino. Também serão abordadas questões referentes às entrevistas feitas com os alunos do último ano do ensino médio.

10 10 CAPÍTULO I A História da Orientação Profissional no Brasil A orientação profissional no Brasil surgiu com a criação do Serviço de Seleção e Orientação Profissional para os alunos do Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo em A iniciativa surgiu por parte de Roberto Mangi, engenheiro suiço, naturalizado brasileiro, convidado para lecionar na Escola Politécnica de São Paulo. Também são suas iniciativas o Instituto de Organização Racional do Trabalho (IDORT) e o Serviço de Seleção, Orientação e Formação de Aprendizes da Estrada de Ferro Sorocabana, no início da década de 30. Lourenço Filho em 1931 cria o primeiro serviço público de orientação vocacional no Serviço de Educação do Estado de São Paulo. Em 1947 é criado na Fundação Getúlio Vargas o ISOP Instituto de Seleção e Orientação Profissional do Rio de Janeiro sob a coordenação de Emílio Mira Y Lopez, psiquiatra espanhol, uma data que foi considerada por muitos autores como o estabelecimento de fato da orientação vocacional no Brasil. Tinham como objetivos o desenvolvimento de técnicas e métodos da Psicologia aplicada ao Trabalho e à Educação; atendimento ao público, através dos serviços de seleção e orientação. O ISOP, a partir de 1948 passou a oferecer cursos de formação em seleção e Orientação Profissional e no ano seguinte passou a publicar na Revista Arquivos Brasileiros de Psicotécnica. Esse Instituto foi referência para o desenvolvimento da psicologia no Brasil. Em 1949, Mira Y Lopez foi convidado para ajudar na criação do Serviço de Orientação e Seleção Profissional (SOSP). Sua importância no desenvolvimento da educação em Minas Gerais foi acentuada e serviu de berço aos dois primeiros cursos de psicologia do estado (Barros 1999). A partir dessa história da Orientação profissional, também fez parte o estado da Bahia durante a gestão de Isaías Alves (Rapold, 2003). O modelo psicométrico, predominante

11 11 internacionalmente, até a década de 1960 foi um ponto comum entre as iniciativas de trabalho de orientação profissional no Brasil. Com a promulgação da Lei de 27 de agosto de 1962, que criou os cursos de formação em Psicologia e regulamentou a profissão de psicólogo, acabou por exercer uma importante influência nos rumos da Orientação Profissional no Brasil. O desenvolvimento dos cursos de graduação levou a uma gradativa modificação dos objetivos do Instituto de Seleção e Orientação Profissional (ISOP), que no ano de 1970 tornou-se um órgão normativo da Psicologia e teve o nome alterado para Instituto Superior de Pesquisa Psicológica e acabou por ampliar seu campo de interesse a passou a prestar atendimento ao público, a fazer cursos de formação para especialistas, docentes e pesquisadores em nível de pós-graduação (Freitas, 1973; ISOP, 1990). A Orientação profissional brasileira feita por psicólogos acabou por ser influenciada diretamente pela Psicanálise e pela Estratégia Clínica de Orientação Vocacional do psicólogo argentino Rodolfo Bohoslavsky ( ), introduzida no Brasil na década de 1970 por Maria Margarida de Carvalho, que foi a primeira professora da disciplina de Seleção e Orientação Profissional do Curso de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP) e também foi idealizadora do processo grupal em Orientação Profissional. Em 1970 com a abertura do Serviço de Orientação Profissional (SOP) da USP devido a grande demanda houve a necessidade de adaptação desse processo. A partir disso, Maria Margarida Carvalho propôs os processos grupais como uma forma que fosse suprida essa demanda e como uma alternativa ao modelo psicométrico e como forma de promoção de aprendizagem da escolha. A estratégia clínica de Bohoslavsky conjugado ao processo de intervenção grupal desenvolvido por Carvalho deu origem a um modelo brasileiro de Orientação Profissional. Que segundo Carvalho (2001) seria baseado na Psicologia Clínica, na Psicanálise e em Teorias de Dinâmica de Grupo, assemelha-se à Teoria Breve Focal, cujo foco de trabalho é a escolha profissional. Apesar da prevalência da Abordagem Clínica de Orientação Profissional proposta por Bohoslavsky, outros modelos teóricos também vêm contribuindo

12 12 muito para a Orientação Profissional no Brasil. Destacam-se os modelos Teoria do Desenvolvimento Vocacional de Donald Super, Abordagem Integrada em Orientação Profissional desenvolvida por Maria Célia Lassance, com base nas idéias de Super, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Maria da Glória Hissa e Marita Pinheiro desenvolveram a Metodologia de Ativação de Aprendizagem com base nesses autores, em Bohoslavsky, Pichon- Riviére, Perls, Piaget e Paulo Freire. Ambas abordagens possuem um caráter psico-pedagógico e tem por objetivo e a aprendizagem da escolha. Desde a década de 1970, no Brasil, tiveram diversas tentativas de criação ou adaptação de um tipo de instrumento que fizesse a mensuração da maturidade vocacional do indivíduo. Em 1994, Kátia Neiva fez a primeira versão de um escala brasileira para mensurar a maturidade vocacional, a Escala de Maturidade para Escolha Profissional (EMEP) (Neiva, 2002). A escala foi construída para aplicar especificamente nos alunos do ensino médio utilizando como base os modelos de maturidade vocacional de Super e Crites e foi publicada pela Vetor Editora (Neiva, 1998; Neiva 1999). A exploração vocacional é um comportamento de solução de problemas, experimentação, descoberta, que promove o auto-conhecimento e o conhecimento do mundo do trabalho. Teixeira & Magalhães (2001) desenvolveram a Escala da indecisão vocacional, cujo objetivo é a mensuração da indecisão vocacional, que segundo Sparta 2003, p. 6 Ela se propõe a realizar uma avaliação genérica do nível de indecisão de adolescentes que estejam cursando o ensino médio. O objetivo da Orientação Profissional é o de prover o orientando de habilidades que o permitam enfrentar demandas ambientais no momento de transição entre a escolha e o mundo do trabalho. Desde 1942, com a promulgação da lei Capanema, a Orientação Educacional foi incluída nas escolas e a ela foi incumbida a tarefa de auxiliar a escolha profissional dos alunos. Entretanto, foi a Lei de 11 de agosto de 1971 que determinou as novas diretrizes e bases para os ensinos de primeiro e segundo graus (atualmente ensino fundamental e ensino médio), que a Orientação

13 13 Educacional e o Aconselhamento Vocacional sob responsabilidade dos Serviços de Orientação Educacional (SOE), tornarem-se obrigatórios nas escolas (Brasil, 1971). Tal lei tornou o ensino profissionalizante obrigatório no segundo grau e era necessário fazer sondagem no primeiro grau. De acordo com o Ferretti (1980), no final da década de 1970, era prevista uma disciplina chamada Programa de Orientação Ocupacional, que tinha o objetivo de auxiliar os alunos na escolha da profissão. O Ministério d Educação e Cultura (MEC) elaborou um documento que indicava a concepção operatória do desenvolvimento vocacional de Pelletier e colaboradors (1974/1985), mas, segundo o próprio autor, na prática tais programas só funcionavam com o objetivo de informação profissional. Na década de 1980 alguns autores começaram a teorizar sobre os processos de escolha e Orientação Profissional. Celso Ferreti e Selma Pimenta passaram a tecer críticas às teorias psicológicas de escolha com base no agrupamento de tais teorias feitas por John Crites ( ). Ferretti (1980; 1988) apontou a função ideológica de manutenção da sociedade de classes capitalistas subjacente às teorias psicológicas da escolha profissional e propôs um novo modelo de Orientação Profissional capaz de suplantar tal ideologia. O objetivo do seu modelo seria é a reflexão sobre o próprio processo de escolha profissional e sobre o trabalho e o método é o de Pelletier e seus colaboradores (1974/1985). Apesar de criticar as teorias psicológicas Ferretti acaba aderindo a elas. Com a Lei de 20 de dezembro de 1996, o ensino médio continua a ter como um de seus objetivos a preparação básica para o trabalho. Entretanto, o ensino médio não possui mais o objetivo de profissionalização. O ensino profissionalizante de nível médio aparece apenas na condição de curso continuado, ou seja, não substitui o ensino médio, mas apenas o complementa. Em 1993 é criada a Associação Brasileira de Orientadores Profissionais (ABOP), que tinha o objetivo de unificação e desenvolvimento da Orientação Profissional no Brasil.

14 14 Silvio Bock (2002) com base nas críticas realizadas por Ferretti e Pimenta, propôs uma nova abordagem de Orientação Profissional que definiu como além de crítica acabou por nomear de Abordagem de Sócio- histórica. Sua base teórica são as ideias de Vygotsky, no qual o indivíduo se desenvolve através de uma relação dialética com o ambiente sócio-cultural em que vive. Bock (2006, p 45) dispõe: A função da orientação profissional nesta abordagem, seria ajudar, O indivíduo a conhecer-se (em algumas teorias isto nem é necessário, Bastando que o orientador conheça o sujeito), isto é, conscientizar-se de suas características pessoais além de ajudá-lo a conhecer as profissões Esta ação, para diferencia-se daquilo que o indivíduo pode fazer sozinho, Vem revestido de certa aparência de ciência ao utilizar instrumentos Que só o orientador pode manipular e que carrega a ideia de que o indivíduo Tem uma essência que só um profissional pode descobrir A escolha profissional é muito importante para o jovem e o orientador é muito importante neste processo.

15 15 Capítulo II Mercado de trabalho Nossa sociedade, atualmente, se depara com um cenário social marcado por uma vertiginosa aceleração da esfera industrial/ tecnológica, caracterizada por um ritmo acelerado de produção, cujos impactos ultrapassam os limites dessa estrutura produtiva, trazendo consideráveis repercussões em termos sociais e pessoais. A universalização da comunicação, possibilitada pela internet, a aceleração da capacidade de processamento de informações, a potencialização da produção e automação tecnológica provocam mudanças no âmbito social, no qual essa nova realidade se insere. O momento de escolher uma profissão é a fase que os jovens mais ficam ansiosos e a escola deveria acolher esse aluno e buscar formas de ajudar. O mercado de trabalho se movimenta e costuma ter em determinados momentos muita oferta e pouca demanda, mas isso não pode ser um caráter definidor para a escolha profissional. O mercado de trabalho não é estagnado, ou seja, as demandas vão surgindo e o jovem vai acompanhando como forma de buscar sua colocação no mundo do trabalho e assim buscar sua independência financeira, autoestima e autonomia.

16 A escolha profissional e o Mercado de trabalho O jovem se prepara durante a vida escolar para entrar no mercado de trabalho e assim poder exercer a profissão que desejou. Entretanto, esse é um momento em que o jovem se sente com mais dúvida. Durante sua vida ele é perguntado sobre "o que vai ser quando crescer?" e muitas profissões surgem tais como, ser professor, médico, bombeiro ou astronauta, contudo essa criança cresce e surgem outras vontades e desejos. A escola deveria ser um espaço em que teria de ser trabalhadas tais questões, entretanto na maioria das escolas públicas de ensino médio do Rio de Janeiro não existe a função do orientador educacional e pedagógica. Este profissional trabalha essas questões com os alunos. A escolha profissional é um momento que causa muitas dúvidas aos alunos, que se vêem na necessidade de se escolher uma profissão. O mercado de trabalho está cada vez mais competitivo e os jovens percebem que para determinadas profissões necessitam de uma formação mais global que verse em conhecer um ou mais idiomas, grau de escolaridade superior, tempo de experiência, conhecimento na área de informática dentre outros requisitos específicos a função. Tal como explicita Zimmermann (2007, p.32) Algumas vezes é desconhecido o motivo que leva alguém a escolher esta ou aquela área de atuação. A Orientação Profissional que resulta na escolha de uma profissão, não está desvinculada da vida e a necessidade do autoconhecimento, que é complexo, que nasce do querer, que direciona o movimento da busca e é a chave, o cerne da questão da realização profissional, necessita de especial atenção. Há também outra questão que é a profissão que o mercado de trabalho mais necessita. Muitos jovens na ansiedade de se ver dentro deste mercado acabam migrando para uma atividade com uma escolha baseada em

17 17 perspectiva futura ou salarial e acabam se frustrando por perceberem que a atividade não lhes rendem uma satisfação. Muitos autores como Frigotto (2000), Gentili (1999), Paro (1999) tem realizado críticas à aplicação da lógica do mercado de produções aos assuntos educacionais que limita a Educação ao mero fator de produção e reduz a formação humana a um processo de qualificação humana a um processo de qualificação e treinamento. Há uma competição cruel e desmedida no mercado de trabalho e que o jovem de condição social desfavorável muitas vezes fica incapacitado de conseguir as melhores oportunidades, pois não possui condições de fazer cursos e assim progredir. Esses jovens acabam saindo da escola e para manter a família escolhem um emprego que não exija tanta formação. Os alunos do ensino médio estão se preparando para entrar numa faculdade e precisam escolher uma profissão. Nas entrevistas muitos jovens relataram que na escola não havia um programa que os informasse sobre como funciona o vestibular ou o ENEM (Exame do Ensino Médio), então relataram que se a escola tivesse um funcionário que os atendesse para tirarem dúvidas ou os esclarecesse seria muito bom. Visando isso a Universidade Federal do Rio de janeiro possui um projeto conhecido como "Conhecendo a UFRJ", ou seja, nesse único dia escolas públicas e particulares levam seus alunos para passarem um dia assistindo palestras de professores de vários cursos para terem esclarecimentos sobre área de atuação, remuneração atual, mercado de trabalho, matérias estudadas e locais de trabalho. Também há diversos estandes com alunos dos cursos para tirarem dúvidas, há apresentações de dança e teatro, mostras de arte e visita guiada para conhecer o campus. O objetivo da universidade é evitar a entrada de alunos mal informados sobre as profissões escolhidas, que acabam abandonando o curso no primeiro período ou na metade do curso por não conhecer a grade de matérias ou até por falta de afinidade. Isso gera um custo enorme para a Universidade, pois em muitos casos formam poucos em determinadas áreas como física, por

18 18 exemplo, que inicia o período com turma de 20 alunos e forma no final de um a quatro profissionais. Também há a questão deste aluno se formar numa área, mas não exercer a profissão e até a questão de alunos poderia estar ocupando a vaga de outro que de fato gostaria de exercer a profissão. De fato um único dia é insuficiente para conhecer uma universidade como a UFRJ, mas esse projeto auxilia muito estudantes que, por exemplo, queriam fazer nutrição, mas não sabiam que teriam aulas de anatonomia e que ao saberem acabam se distanciando por falta de afinidade A família A escolha profissional desse jovem também inclui a família, que ora pode incentivar a escolha de uma profissão ora pode opinar contra outra. A família apóia o filho durante a vida escolar e espera pelo momento que esse jovem receberá o diploma do ensino médio e fará a escolha profissional. O jovem de condição social desfavorável, geralmente, tem nele depositados todos os sonhos dos pais. Essa escolha profissional pode unir e ter todo apoio da família, caso ela reconheça essa profissão de valor. Na sala de aula enquanto dava aula de Sociologia um aluno me indagou ser músico era uma profissão de futuro, pois ele sonhava ser musicista, mas os pais não entendiam a escolha dele e que aquela profissão nunca iria dar dinheiro. Essa conversa acabou por envolver todos os alunos e ficou mais emblemático, pois outro aluno disse que se formaria como professor e depois iria estudar cinema. Segundo Kowarski (2003) Alguns preconceitos se relacionam com crenças instituídas acerca da realidade sócio-profissional como: "tal profissão não dá dinheiro", "não há mercado para aquela profissão", etc. Há ainda outras formas de preconceito, como os relacionados ao gênero feminino ou masculino: "essa profissão é para mulheres; sou homem, não posso fazer isso" ou "não existem mulheres nesta

19 19 atividade, não vou conseguir me inserir". Trata-se, portanto, de estereótipos, de "pré-conceitos" sobre atividades e profissões. A questão é que o jovem se vê entre escolher a profissão que dá dinheiro ou a profissão que vai demorar dar dinheiro. Isso seguindo uma concepção baseada em poucas informações disponíveis. Os filhos das classes favorecidas estudam em bons colégios, fazem diversos cursos e esporte. Quando é possível fazem intercâmbio para ter contato com outra língua e cultura, consomem teatro, cinema, museus, música, tecnologia e muitos tem acesso ao profissional de orientação profissional no momento da escolha de qual curso optar no vestibular. Já o jovem da escola pública e geralmente pertencente às classes desfavorecidas vive com a pressão familiar de ter que trabalhar e assim poder contribuir para a renda familiar. Essa família se choca quando a faculdade escolhida é um curso que consideram não dar futuro. Os pais querem que esse filho realize o que muitas vezes não puderam na juventude. Segundo Muller (1988, p.142) A aprendizagem dos pais tem a ver com reconhecer que seus filhos não são para eles, nem propriedade deles, mas integrantes da sociedade, nascidos não somente para sua família, mas para o mundo, e para irem neste seu próprio destino, mais além dos projetos e desejos de seus pais. A família deve ser parceira deste jovem e nem agir com imposição e nem com desdém sobre a carreira que esse jovem quer seguir. O apoio é fundamental neste processo para que este jovem tenha autoestima para trilhar seu caminho.

20 20 CAPÍTULO III A Orientação Profissional no Ensino Médio A escolha profissional é um momento muito importante para o adolescente e por vezes conflitante e angustiante. A escola pública estadual Instituto de Educação Sarah Kubitscheck não possui um orientador que trabalhe tais questões com este jovem que está prestes a entrar no mercado de trabalho. Ocorre que este jovem sente-se sozinho e indeciso na escolha profissional que poderá permear toda sua vida. Segundo Bohoslavsky (1970) a Orientação profissional (...) pode ser entendida como toda atividade que, a partir de um plano de análise psicológica e mediante o emprego de recursos e técnicas psicológicas, procure promover o desenvolvimento das potencialidades do ser humano, seu amadurecimento como indivíduo e, finalmente, sua felicidade A escola deve ser um espaço, onde deve ser discutido a escolha profissional, uma vez que é nela que o aluno adquire conhecimentos para a vida. Há no mercado uma infinidade de profissões, que muitas vezes não chegam ao conhecimento desse jovem. Escolher sem saber por onde começar é uma angústia muito grande. Diante desse panorama o trabalho do Orientador Profissional insere- se numa busca para auxiliar este jovem a escolher aquilo que lhe dará satisfação. O que se nota é uma busca desesperada em responder a pergunta que ouve-se desde criança: o que você vai ser quando crescer? O Orientador vai auxiliar nessa descoberta e não dar uma resposta pronta e direta para seu orientando. Isto não cabe dizer que o orientador dirá a seu orientando que

21 21 caminho ou que profissão seguir. Como já exposto essa escolha se baseia em nossas experiências, opiniões familiares e até contato com pessoas da área. Conforme Bock (2002) frisa, o sujeito escolhe e não escolhe sua profissão, pois afirma que dependendo da classe social terá mais ou menos liberdade de escolher realmente sua profissão. Isto não irá significar um determinismo na escolha profissional por esse jovem e que não poderá ascender socialmente, pois Bock (2002) expõe (...) a possibilidade de mudança, de alteração histórica, ao reconhecer que indivíduos podem, de certo modo, intervir sobre as condições sociais, por meio de ações pessoais, e/ou coletivas. Não basta apenas o desejo de mudança, pois assim como Ferreti (1997), Bock (2002) admite que nem todos os obstáculos colocados pelo meio social podem ser superados, e que é necessária permanente luta por mudanças sociais. Isto fica claro no discurso de alguns alunos que dizem ter vontade de estudar medicina e odontologia por exemplo, mas como os pais não tem como custear o curso preferem tentar para outro curso como licenciatura e depois quando tiverem estabilidade financeira buscar realizar o sonho profissional. É importante apresentar as profissões e suas áreas de atuação para que o aluno possa entender como é a profissão escolhida, ter contato com um profissional também é fundamental para se ter um pouco de contato com a realidade do trabalho desenvolvido. Conhecer a ementa do curso escolhido é muito importante e aqui exponho minha experiência pessoal. Quando era adolescente e terminando o ensino médio resolvi fazer prova para técnica em enfermagem e logo após começar o curso tive uma experiência de ver um acidente de trânsito que me marcou profundamente e afetou minha vida profissional. Após isso teria minha primeira aula de anatomia e naquele dia não cheguei a ir ao curso e acabei abandonando para profundo desgosto de meu pai, que sonhava em ter uma filha enfermeira. Não tinha afinidade para encarar a profissão. Isto evidencia um desgaste emocional muito grande para o jovem, pois cursar algo que não possui afinidade leva um desprestígio de si mesmo, uma vez que não pode realizar seu projeto profissional.

22 22 O Orientador profissional está ali para ajudá-lo a encontrar o melhor caminho como apresentando-lhe os programas de custeio de curso de graduação em instituição privada como FIES (Fundo de Financiamento Estudantil), bolsas em instituições particulares, ProUni, enfim dando acessibilidade as informações, que muitas vezes são mitigadas e até escassas no meio estudantil. Segundo Prebianchi (2004) A escolha da profissão é uma das mais árduas tarefas da juventude. Além das angústias pessoais, a sociedade globalizada determina um mercado constantemente mutável, aumentando a dificuldade da definição profissional. O processo de Orientação Profissional adquire, assim, uma importância crucial para auxiliar os jovens nesse momento de decisão. O que existe é uma falta enorme de informação e muitos alunos buscam com os professores da escola. Ocorre que nem todos têm acesso à informação ou sabem transmiti-la. A escola deve ser um espaço dinamizador e que o aluno possa ter acesso a informação, por isso é tão importante o Orientador Profissional, pois estará eivado de transmitir seus desejos e apegos a essa ou aquela profissão. Cabe apenas orientar e auxiliar. A escola pública trabalha sempre no seu limite e muitas vezes com uma carência imensa de material humano e isso se intensifica quando o aluno vai buscar informação e não sabe quem procurar. O prejuízo é para o jovem, que prestes a terminar o ensino médio já sofre pressões da família para dar uma resposta aos anos de investimento em educação. Este jovem precisa fazer a escolha dele e que só ele irá sofrer as conseqüências. Segundo Coutinho (1993) a escolha profissional é o momento em que o sujeito reflete e articula seu projeto profissional, buscando assim

23 23 determinar a trajetória de sua futura relação produtiva com o mundo. Por isso o Orientador Profissional é tão importante dentro do contexto escolar. 3.1 Projeto com os alunos do último ano do Ensino Médio O projeto aconteceu com uma turma de 44 alunos do último ano do ensino médio de uma escola pública. A faixa-etária da turma era de 18 a 25 anos. Os alunos responderam um questionário Anexo I antes do projeto cujos dados encontram-se no Anexo II O projeto ocorreu durante o ano letivo. Os alunos foram muito atuantes, pois nunca haviam participado de nenhum projeto que visasse à escolha profissional deles Descrição do projeto Identificação O projeto visa atender alunos do último ano do ensino médio de uma escola pública da rede estadual. Visando auxiliar o aluno na sua escolha profissional. O projeto não possui nenhum custo ao aluno e nem gera obrigatoriedade, mas visa acompanhá-lo nesse momento que por vezes é crítico para ele. a) Nome da Escola: Instituto de Educação Sarah Kubitscheck b) Caracterização da Escola: Escola Estadual e possui dois pavimentos com muitas salas de aulas, biblioteca, sala de informática, refeitório, quadra de esportes, piscina, auditório, sala de vídeo, sala de professores, sala da direção, sala da coordenação. c) Abrangência do Projeto: Apenas uma turma do último ano do Ensino Médio d) Responsáveis pelo Projeto: Professora da turma -Orientanda do curso de Pós-graduação em Orientação Educacional

INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL

INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL 2011 Bruno Fernandes Carla Brasilino Juliano Fávero Mariabile Túlio Email: bruno.fergon@hotmail.com RESUMO O objetivo deste artigo é discutir a questão

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP.

A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP. A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA DO SOFRIMENTO PSIQUÍCO DE ADOLESCENTES DAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Joselene Lopes Alvim A ESCOLHA PROFISSIONAL: UMA ESCUTA

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

PORQUE O PRIMEIRO EMPREGO É DIFÍCIL?

PORQUE O PRIMEIRO EMPREGO É DIFÍCIL? PORQUE O PRIMEIRO EMPREGO É DIFÍCIL? Em épocas de vestibular, cerca de 1,8 milhão de jovens vão escolher uma profissão e dar arrepios no mercado, ou ficarem arrepiados, dando assim o primeiro empurrão

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

0 21 anos: Fase do amadurecimento biológico 21 42 anos: Fase do amadurecimento psicológico mais de 42 anos: Fase do amadurecimento espiritual

0 21 anos: Fase do amadurecimento biológico 21 42 anos: Fase do amadurecimento psicológico mais de 42 anos: Fase do amadurecimento espiritual Por: Rosana Rodrigues Quando comecei a escrever esse artigo, inevitavelmente fiz uma viagem ao meu passado. Lembrei-me do meu processo de escolha de carreira e me dei conta de que minha trajetória foi

Leia mais

Orientação educacional e gestão saudável. Profa. Oliria Mendes Gimenes omgudi@yahoo.com.br

Orientação educacional e gestão saudável. Profa. Oliria Mendes Gimenes omgudi@yahoo.com.br Orientação educacional e gestão saudável Profa. Oliria Mendes Gimenes omgudi@yahoo.com.br CONCEITO A Orientação Educacional é entendida como um processo dinâmico, contínuo e sistemático, estando integrada

Leia mais

A PERCEPÇÃO DA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL POR PROFESSORES E ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UM COLÉGIO DA REDE ESTADUAL DE CURITIBA-PR

A PERCEPÇÃO DA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL POR PROFESSORES E ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UM COLÉGIO DA REDE ESTADUAL DE CURITIBA-PR A PERCEPÇÃO DA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL POR PROFESSORES E ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UM COLÉGIO DA REDE ESTADUAL DE CURITIBA-PR Resumo Sandra Larson * PUCPR Romilda Teodora Ens ** - PUCPR A pesquisa objetiva

Leia mais

Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara Frutuoso da Silva (UERN)

Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara Frutuoso da Silva (UERN) AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID-ESPANHOL PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE LÍNGUA ESPANHOLA: UMA EXPERIÊNCIA EM DUAS ESCOLAS DA CIDADE DE PAU DOS FERROS-RN Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIREÇÃO ACADÊMICA CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE SÃO LUIS MA 2009 DIRETORIA ACADÊMICA Diretor

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO DE FORMAÇÃO EM ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL E DE CARREIRA (OPC)

PROGRAMA DO CURSO DE FORMAÇÃO EM ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL E DE CARREIRA (OPC) PROGRAMA DO CURSO DE FORMAÇÃO EM ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL E DE CARREIRA (OPC) Realização: INSTITUTO DO SER Orientação Profissional e de Carreira em parceria com o INSTITUTO BRASILEIRO DE GESTÃO DE NEGÓCIOS

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO DE FORMAÇÃO EM ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL E DE CARREIRA (OPC)

PROGRAMA DO CURSO DE FORMAÇÃO EM ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL E DE CARREIRA (OPC) PROGRAMA DO CURSO DE FORMAÇÃO EM ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL E DE CARREIRA (OPC) Realização: INSTITUTO DO SER Orientação Profissional e de Carreira em parceria com o INSTITUTO BRASILEIRO DE GESTÃO DE NEGÓCIOS

Leia mais

UMA PESQUISA SOBRE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NO IFC-CÂMPUS CAMBORIÚ

UMA PESQUISA SOBRE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NO IFC-CÂMPUS CAMBORIÚ UMA PESQUISA SOBRE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NO IFC-CÂMPUS CAMBORIÚ Autores: Jaqueline Lima PALOMBO (Bolsista PIBIC-EM/CNPq); Nadia Rocha VERIGUINE (Orientadora); Ângelo Augusto FROZZA (Co-orientador). Introdução

Leia mais

Palavras-chave: Ensino Superior. Formação Docente. Estágio de Docência.

Palavras-chave: Ensino Superior. Formação Docente. Estágio de Docência. ESTÁGIO DE DOCÊNCIA: TEMPO E ESPAÇO DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Costa, Daiene de Cássia Souza Resumo Este artigo apresenta parte de discussão teórica de dissertação de mestrado

Leia mais

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA REGIONAL DE ENSINO DE ARAGUAINA SETOR REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E ENSINO INTEGRAL Sugestão de Planejamento da Semana

Leia mais

OFICINA DE ORIENTAÇÃO VOCACIONAL: EM BUSCA DE UMA IDENTIDADE PROFISSIONAL

OFICINA DE ORIENTAÇÃO VOCACIONAL: EM BUSCA DE UMA IDENTIDADE PROFISSIONAL OFICINA DE ORIENTAÇÃO VOCACIONAL: EM BUSCA DE UMA IDENTIDADE PROFISSIONAL Emiliano Jaskulski 1 Milena da Silva Costa 2 Roselaine Londero Mossatti 3 Mara Regina Nieckel da Costa 4 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

GRUPO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL: Relato de experiência de estágio básico em psicologia

GRUPO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL: Relato de experiência de estágio básico em psicologia GRUPO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL: Relato de experiência de estágio básico em psicologia Amanda Assulin Vieira 1 Tânia Marisa Chaves 2 Cristiana Rezende Gonçalves Canedaᵌ Resumo: Este trabalho apresenta

Leia mais

EDUCAÇÃO E TRABALHO: A ORIENTAÇÃO VOCACIONAL/PROFISSIONAL COM JOVENS DE ESCOLA PÚBLICA 1

EDUCAÇÃO E TRABALHO: A ORIENTAÇÃO VOCACIONAL/PROFISSIONAL COM JOVENS DE ESCOLA PÚBLICA 1 EDUCAÇÃO E TRABALHO: A ORIENTAÇÃO VOCACIONAL/PROFISSIONAL COM JOVENS DE ESCOLA PÚBLICA 1 JACINTO-SILVA, Ramon Arthur 2 ; PAULINO-PEREIRA, Fernando César 3 ; ALVES- SANTOS, Lara Gabriella 4 ; Palavras-chave:

Leia mais

A pesquisa na formação do professor

A pesquisa na formação do professor A pesquisa na formação do professor Karen Maria Jung Introdução Este trabalho tem por objetivo mostrar como a pesquisa, na formação de novos professores, é abordada nos diferentes cursos de Licenciatura

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO JANDAIA

Leia mais

Palavras chave: Educação, Estudantes, Valorização do Estudo. Introdução

Palavras chave: Educação, Estudantes, Valorização do Estudo. Introdução Jovens Egressos do Ensino Médio: Continuam Estudando ou Não? Jonas Eduardo Steffen 1 Gracieli Munchen 2 Alberto Hauser 3 Márcio José Sauer Martini 4 Alessandro Hauser 5 Jeronimo Becker Flores 6 Resumo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1 Renata Pereira Moreira 2 Heraldo Simões Ferreira 3

Leia mais

PEDAGOGIA: QUE CURSO É ESTE? A PERSPECTIVA DO ALUNO. Palavras-chave: Pedagogia. Formação. Prática Profissional.

PEDAGOGIA: QUE CURSO É ESTE? A PERSPECTIVA DO ALUNO. Palavras-chave: Pedagogia. Formação. Prática Profissional. PEDAGOGIA: QUE CURSO É ESTE? A PERSPECTIVA DO ALUNO. Ana Beatriz Mugnatto Pacheco * Marilane Santos ** Resumo Este trabalho procura analisar e pontuar os anseios dos alunos ingressantes no curso de pedagogia

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

CURSO EXCLUSIVO IBECO

CURSO EXCLUSIVO IBECO PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR EM ESTÉTICA CURSO EXCLUSIVO IBECO Destinado aos docentes que atuam ou que pretendem atuar no ensino superior e profissionalizante da área estética, o curso

Leia mais

PROPAV COCENAI RELATÓRIO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL: GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA. (Habilitações: Jornalismo e Publicidade e Propaganda )

PROPAV COCENAI RELATÓRIO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL: GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA. (Habilitações: Jornalismo e Publicidade e Propaganda ) PROPAV COCENAI RELATÓRIO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL: GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA. (Habilitações: Jornalismo e Publicidade e Propaganda ) Introdução O PROPAV foi instituído para permitir à Universidade

Leia mais

BENEFÍCIOS DAS EMPRESAS EM IMPLANTAÇÃO DO MENOR APRENDIZ

BENEFÍCIOS DAS EMPRESAS EM IMPLANTAÇÃO DO MENOR APRENDIZ 1 BENEFÍCIOS DAS EMPRESAS EM IMPLANTAÇÃO DO MENOR APRENDIZ Ângela de Souza Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Diego Leite (Discente do 4º ano de administração AEMS) Gean

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA FAMÍLIA NA ESCOLHA DA PROFISSÃO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br

A INFLUÊNCIA DA FAMÍLIA NA ESCOLHA DA PROFISSÃO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br A INFLUÊNCIA DA FAMÍLIA NA ESCOLHA DA PROFISSÃO Professor Romulo Bolivar www.proenem.com.br INSTRUÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo

Leia mais

ENSINO MÉDIO DIFERENCIAIS PEDAGÓGICOS ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO. Processo de Admissão

ENSINO MÉDIO DIFERENCIAIS PEDAGÓGICOS ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO. Processo de Admissão ENSINO MÉDIO PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ESTUDANTES PARA 2015 PROPOSTAS PEDAGÓGICAS A fase da escolha de qual carreira seguir acontece, normalmente, durante o ensino médio. Tendo de vivenciar mudanças

Leia mais

O TRABALHO COM MÚSICA NAS AULAS DE LI ATRAVÉS DO MÉTODO CLL

O TRABALHO COM MÚSICA NAS AULAS DE LI ATRAVÉS DO MÉTODO CLL O TRABALHO COM MÚSICA NAS AULAS DE LI ATRAVÉS DO MÉTODO CLL Leandro Gomes do Nascimento Silvânia Enedino da Silva Orientador: Prof. Dr. Leônidas José da Silva Jr. Universidade Estadual da Paraíba (PIBID/CAPES)

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Prepare-se para Faculdade. Leticia Bechara Pedagoga e Coordenadora Trevisan Escola de Negócios

Prepare-se para Faculdade. Leticia Bechara Pedagoga e Coordenadora Trevisan Escola de Negócios Prepare-se para Faculdade Leticia Bechara Pedagoga e Coordenadora Trevisan Escola de Negócios Sucesso $$$ sonho habilidade Passos para Faculdade 1- Conhecer você mesmo. 2- Características da faculdade.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA

A IMPORTÂNCIA DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 11, n. 11, p. 61 66 A IMPORTÂNCIA DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA Flávia Bastos 1, Fernanda Martins 1, Mara Alves 1, Mauro

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS.

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. N 430 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes de, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da, SANTOS Lázaro ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. O Vestibular se reveste de grande

Leia mais

POLÍTICAS DE ACESSO E PERMANENCIA NO ENSINO SUPERIOR: AS EXPERIÊNCIAS DE UMA BOLSISTA DO PROUNI

POLÍTICAS DE ACESSO E PERMANENCIA NO ENSINO SUPERIOR: AS EXPERIÊNCIAS DE UMA BOLSISTA DO PROUNI POLÍTICAS DE ACESSO E PERMANENCIA NO ENSINO SUPERIOR: AS EXPERIÊNCIAS DE UMA BOLSISTA DO PROUNI Thais Pacievitch thais_831@hotmail.com Agência financiadora: Observatório da Educação Superior da UFPR Resumo:

Leia mais

REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA

REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA REFLETINDO SOBRE A ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL COM OS ESTUDANTES DA ESCOLA MARIA AMÉLIA Yrismara Pereira da Cruz 3, Ana Raquel Holanda Barros¹, Indira Siebra Feitosa¹. Correspondência para: yrismaracruz@hotmail.com

Leia mais

PROPAV COCENAI RELATÒRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO COM HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR. Introdução 3DUWH&217(;78$/,=$d 2'$%$6('($78$dÆ2'$68%&20,66 2

PROPAV COCENAI RELATÒRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO COM HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR. Introdução 3DUWH&217(;78$/,=$d 2'$%$6('($78$dÆ2'$68%&20,66 2 PROPAV COCENAI RELATÒRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO COM HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR Introdução 3DUWH&217(;78$/,=$d 2'$%$6('($78$dÆ2'$68%&20,66 2,%$6('($78$d 2'$68%&20,66 2,&XUVRVGHJUDGXDomRRIHUHFLGRVQDiUHDGD6XEFRPLVVmR

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

A formação do Orientador Profissional: o estado da arte no Brasil

A formação do Orientador Profissional: o estado da arte no Brasil A formação do Orientador Profissional: o estado da arte no Brasil Dulce Helena Penna Soares 1 RESUMO Enquanto presidente da ABOP, gestão 97/99, tive a oportunidade de conhecer inúmeros trabalhos que têm

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

PROJETO FEIRA DE PROFISSÕES: UM OLHAR INTEGRAL AO ADOLESCENTE E SUA INSERÇÃO NO MUNDO DO TRABALHO. 1

PROJETO FEIRA DE PROFISSÕES: UM OLHAR INTEGRAL AO ADOLESCENTE E SUA INSERÇÃO NO MUNDO DO TRABALHO. 1 PROJETO FEIRA DE PROFISSÕES: UM OLHAR INTEGRAL AO ADOLESCENTE E SUA INSERÇÃO NO MUNDO DO TRABALHO. 1 Flávia Michelle Pereira Albuquerque 2, Edenilson Freitas Rodrigues 3, Tatiele Dos Santos Camargo 4,

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

A Difícil Escolha pelo Curso de Graduação

A Difícil Escolha pelo Curso de Graduação A Difícil Escolha pelo Curso de Graduação Sergio Antonio Lobo Moreira, Flávia de Melo Rodrigues e Juliana Guimarães Faria Universidade Estadual de Goiás e Universidade Federal de Goiás, 75074-840, Anápolis/Goiânia,

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

PROPAV COCENAI RELATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

PROPAV COCENAI RELATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROPAV COCENAI RELATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Introdução O PROPAV foi instituído para permitir à Universidade uma revisão geral de seus cursos e métodos de ensino, buscando a opinião dos docentes e discentes

Leia mais

FACULDADE DE ARAPOTI FATI PROJETO E REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO FACULDADE DE ARAPOTI - FATI

FACULDADE DE ARAPOTI FATI PROJETO E REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO FACULDADE DE ARAPOTI - FATI FACULDADE DE ARAPOTI FATI PROJETO E REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO FACULDADE DE ARAPOTI - FATI ARAPOTI-PR 2011 1. APRESENTAÇÃO Vive-se um momento único onde o poder do conhecimento

Leia mais

5 201 O LI Ó RTF PO 1

5 201 O LI Ó RTF PO 1 1 PORTFÓLIO 2015 Um pouco da trajetória do Colégio Ação1 QUANDO TUDO COMEÇOU 1993 Experientes profissionais fundaram, no bairro do Méier, a primeira unidade da rede Ação1. O foco do trabalho era a preparação

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

TRANSFORMANDO UMA BRINCADEIRA COM BALÕES EM APRENDIZADO EFICIENTE NUM CURSO DE ENSINO SUPERIOR

TRANSFORMANDO UMA BRINCADEIRA COM BALÕES EM APRENDIZADO EFICIENTE NUM CURSO DE ENSINO SUPERIOR TRANSFORMANDO UMA BRINCADEIRA COM BALÕES EM APRENDIZADO EFICIENTE NUM CURSO DE ENSINO SUPERIOR Juliana Menna Barreto Marcelo Schultz Moreira Luis Felipe Dias Lopes Resumo Muito se discute entre os profissionais

Leia mais

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES Karem Nacostielle EUFRÁSIO Campus Jataí karemnacostielle@gmail.com Sílvio Ribeiro DA SILVA

Leia mais

GRUPO OPERATIVO: ADOLESCENTES EM FASE DE PRÉ- VESTIBULAR¹ RESUMO

GRUPO OPERATIVO: ADOLESCENTES EM FASE DE PRÉ- VESTIBULAR¹ RESUMO GRUPO OPERATIVO: ADOLESCENTES EM FASE DE PRÉ- VESTIBULAR¹ MOREIRA, Andressa Becker²; VISENTINI, Danielle Machado ²; GONÇALVES, Camila dos Santos³ 1 Trabalho sobre relato de experiência de estágio _UNIFRA

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

FAEL comemora 15 anos de atividades

FAEL comemora 15 anos de atividades ANOS FAEL comemora 15 anos de atividades Hoje, comemoramos 15 anos de um projeto que visa à democratização do ensino e que tornou a FAEL uma referência em educação de qualidade. Com o objetivo de proporcionar

Leia mais

EMPREENDEDORISMO 2013

EMPREENDEDORISMO 2013 COLÉGIO CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Rua Professor Pedreira de Freitas, 401/415 Fone 2942-1499 Tatuapé ORIENTAÇÕES AO PROJETO DE EMPREENDEDORISMO EMPREENDEDORISMO 2013 APRESENTAÇÃO Empreendedorismo é o estudo

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE PSICOLOGIA ENSINO MÉDIO

PLANEJAMENTO ANUAL DE PSICOLOGIA ENSINO MÉDIO PLANEJAMENTO ANUAL DE PSICOLOGIA ENSINO MÉDIO DOCENTE: Luciana Armesto Pedrassi ANO:2013 Para Marcel Proust: O verdadeiro ato da descoberta não consiste em encontrar novas terras, mas, sim, em vê-las com

Leia mais

METODOLOGIA & PERFIL

METODOLOGIA & PERFIL Maio2010 JOB 100283 METODOLOGIA & PERFIL Metodologia e Amostra Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas pessoais. Objetivo Geral Levantar um conjunto de informações

Leia mais

A atratividade da Carreira Docente no Brasil. Fundação Carlos Chagas

A atratividade da Carreira Docente no Brasil. Fundação Carlos Chagas A atratividade da Carreira Docente no Brasil Fundação Carlos Chagas Questões de pesquisa Quais são os fatores relacionados à atratividade das carreiras profissionais? E especificamente da carreira docente?

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010. Pais e Alunos

PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010. Pais e Alunos PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010 Pais e Alunos Proposta de Trabalho Ensino Médio 2010 A partir de 2010 o nosso projeto pedagógico do Ensino Médio estará ainda mais comprometido com a formação integral

Leia mais

APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA

APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA Roberta Ferreira Cavalcanti Solange Regina Silva Almeida Rosangela Alves de Godoy Nilson Fernandes Dinis (Universidade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA REGIÃO SUDESTE, ÁREA 46 DA CAPES, SOBRE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE QUÍMICA. Osmair Benedito da Silva (Departamento de Química, Universidade

Leia mais

O PEDAGOGO E AS RELAÇÕES HUMANAS NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO E AS RELAÇÕES HUMANAS NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO E AS RELAÇÕES HUMANAS NAS ORGANIZAÇÕES Cassiana Kemerich Crema 1 Francielle Alves 1 Lisiane Pereira Teixeira 1 O papel do pedagogo de extrema importância em um espaço não-escolar, sendo capacitado

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

O valor da educação Um aprendizado para a vida. Relatório do Brasil

O valor da educação Um aprendizado para a vida. Relatório do Brasil O valor da educação Um aprendizado para a vida Relatório do Brasil A pesquisa O valor da educação é uma pesquisa do consumidor independente sobre tendências globais de educação realizada para o HSBC. O

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Programa de Extensão Núcleo de Desenvolvimento Lingüístico: primeiras experiências Concepção

Programa de Extensão Núcleo de Desenvolvimento Lingüístico: primeiras experiências Concepção Programa de Extensão Núcleo de Desenvolvimento Lingüístico: primeiras experiências Marcello de Oliveira Pinto (UERJ) Márcia Magarinos (UERJ) Marina Dias O presente trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO SALÁRIO NA ESCOLHA DA PROFISSÃO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br

A INFLUÊNCIA DO SALÁRIO NA ESCOLHA DA PROFISSÃO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br A INFLUÊNCIA DO SALÁRIO NA ESCOLHA DA PROFISSÃO Professor Romulo Bolivar www.proenem.com.br INSTRUÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo

Leia mais

PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO

PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO I. INTRODUÇÃO: Plano de Carreira é o conjunto de normas que disciplinam o ingresso e instituem oportunidades e estímulos ao desenvolvimento

Leia mais

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O Colégio Ceom, fundamenta seu trabalho educacional na área da Educação Infantil, Ensino Fundamental I, Fundamental II e Ensino Médio, a partir das teorias de Jean Piaget e Emília

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg.

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg. CURSO DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS ON-LINE: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás

Leia mais

Marilene Sinder (Universidade Federal Fluminense) Renato Crespo Pereira (Universidade Federal Fluminense)

Marilene Sinder (Universidade Federal Fluminense) Renato Crespo Pereira (Universidade Federal Fluminense) A Pesquisa com Egressos como Fonte de Informação Sobre a Qualidade dos Cursos de Graduação e a Responsabilidade Social da Instituição Universidade Federal Fluminense (UFF) Eixo II Indicadores e instrumentos

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA OLIVEIRA, Paula Cristina Silva de Faculdade de Educação/UFMG EITERER, Carmem Lúcia. (Orientadora) Faculdade de Educação/UFMG RESUMO: Este é um trabalho de

Leia mais

AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS

AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS Fernanda de Cássia Rodrigues Pimenta UNICID 1 fernanda@educationet.com.br Prof. Dra. Celia Maria Haas UNICID 2 celiamhaas@uol.com.br

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL

FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO PATRULHENSE PROJETO DE

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: PAPEIS E ATORES

FORMAÇÃO CONTINUADA: PAPEIS E ATORES FORMAÇÃO CONTINUADA: PAPEIS E ATORES Shuellen Cristina Pereira da Silva (Pedagogia/UFPI/Parnaíba/shuellencristina@gmail.com) Marcos Junio Lira Silva (Pedagogia/UFPI/Parnaíba/marcos-junio100@hotmail.com)

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE O Colégio Estadual Djenal Tavares de Queiroz, foi fundado

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

Perfil dos estudantes do curso de especialização em Proeja do IFBA, Campus Barreiras

Perfil dos estudantes do curso de especialização em Proeja do IFBA, Campus Barreiras www.revistapindorama.ifba.edu.br Perfil dos estudantes do curso de especialização em Proeja do IFBA, Campus Barreiras Franco Porto dos Santos 1 RESUMO Este estudo teve o objetivo de conhecer o perfil social

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS : ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA

MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA José Roberto da silva Almeida, Arno Bayer jrsa12@hotmail.com,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho?

1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho? ANÁLISE DE CONTEÚDO ALUNOS 681 1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho? ANEXO 4 - ANÁLISE DE CONTEÚDO ALUNOS SUJEITO UNIDADE DE CONTEXTO UNIDADE

Leia mais

Futuro Profissional um incentivo à inserção de jovens no mercado de trabalho

Futuro Profissional um incentivo à inserção de jovens no mercado de trabalho Futuro Profissional um incentivo à inserção de jovens no mercado de trabalho SOUSA, Pedro H. 1 Palavras-chave: Mercado de Trabalho, Formação Acadêmica, Empreendedorismo. Introdução: O mercado de trabalho

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS

PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS Prof. Ms.Camila Corrêa Moura Prof. Ms. Larissa Rafaela Galatti

Leia mais

ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA

ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA ANÁLISE DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS ATRAVÉS DE EXPERIÊNCIAS NO PIBID/UFPA Lilliane Miranda Freitas (Faculdade de Biologia/Universidade Federal do Pará) Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais