Poder econômico e direito autoral da música na internet: por um debate mais democrático

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Poder econômico e direito autoral da música na internet: por um debate mais democrático"

Transcrição

1 ISSN Poder econômico e direito autoral da música na internet: por um debate mais democrático Doutoranda em Comunicação e Cultura UFRJ, RJ Resumo A era digital intensifica as disputas de interesse sobre o direito autoral. A cópia eletrônica é parte integrante da tecnologia da web, que é baseada no download de arquivos. Este artigo pretende abordar algumas perplexidades que cercam o debate sobre o direito da propriedade intelectual da música na internet. Os conflitos entre a hegemonia da indústria cultural, a regulação internacional e a transformação da realidade cultural impõem a discussão de um novo pacto social internacional que concilie o direito dos autores com o direito universal de acesso a cultura. Palavras-chave: Direito autoral, Cultura da Internet, Industria da Música. O desenvolvimento das tecnologias, sua penetração no mercado doméstico e a difusão das suas possibilidades de uso desencadeiam um conflito entre a ideologia do mercado e a transformação da realidade cultural. A tecnologia digital conjugada com a internet tornou muito fácil a cópia e a distribuição de material protegido pelo direito autoral quase não há uma ação na internet que não tenha alguma relação com a infração de direitos autorais dos produtos culturais. Este artigo pretende discutir os desafios da propriedade intelectual da música em decorrência do advento da internet e das tecnologias digitais. A relação entre direito de propriedade e cultura sempre foi um tema central nos estudos sobre comunicação e mediação, principalmente a partir dos processos de mercantilização da informação nas sociedades capitalistas e das reflexões relacionadas ao conceito de indústria cultural. Este tema adquire nova relevância no contexto das aplicações das novas tecnologias digitais no campo da produção cultural. Procuramos descrever o cenário em que se insere a discussão sobre o direito autoral destacando os conflitos de interesse no ramo da música. Recorremos a bibliografias recentes no contexto da economia da internet e suas peculiaridades. Consideramos as teorias citadas para tentar delinear trilhas que possam servir para pensar os conflitos existentes entre a lógica dominante - do direito a propriedade - com a cultura, em face da transformação social. O conceito de propriedade intelectual surgiu no século XVIII e a prática desta política por quase três séculos tem demonstrado que existem dificuldades associadas a ela: por um lado, a tecnologia de fazer cópias evoluiu constantemente e substancialmente com o tempo, dificultando a imposição da lei, e podendo torná- 1

2 la não efetiva. Por outro, a cópia tem inúmeros papéis positivos e altamente desejáveis para o progresso das sociedades em geral e para a preservação e incremento das suas culturas. A discussão sobre a proteção intelectual se atualiza na sociedade da informação digital. Porém, é importante ressaltar que os mecanismos e princípios legais não são universais: mudam de país para país e em cada lugar podem mudar com o passar do tempo. As mudanças devem refletir a evolução tecnológica por um lado, e por outro, os interesses, a cultura e a tradição de uma sociedade, dada a sua posição de produtor e/ou consumidor no mercado local e mundial: À medida que o progresso amplia as facilidades de fazer cópias, a legislação é alterada para levar em conta a nova realidade tecnológica. (...) A lei define exceções e restrições à aplicação do copyright procurando manter um equilíbrio entre o interesse do uso justo e limitação temporal dos direitos exclusivos, restritos apenas à primeira venda, no caso da tradição americana. (Simon, 2000, p. 3) Atualmente, grandes perplexidades cercam a questão da propriedade intelectual, que provavelmente passará por novidades ainda difíceis de serem previstas. A maior parte destas perplexidades surge em função do advento das tecnologias digitais, representadas, no caso, por computadores que se comunicam através de redes de alcance mundial. O pesquisador Lesk (1997, p.15), por exemplo, sugere que o conteúdo da teia é a concretização do sonho de Vannevar Bush sobre a criação cooperativa de uma enciclopédia do conhecimento universal. Qual seria então o sentido de impor restrições à cópia dentro da realidade do protocolo http 1 da Internet? Esta questão paradoxal de difícil solução é colocada principalmente para aqueles que estão preocupados em restringir e controlar a disseminação do seu bem de informação: a indústria cultural. A perplexidade que envolve a Internet é a questão dos direitos autorais e a disseminação de bens de informação. Para Shapiro e Varian (1998) os bens de informação são bens de experiência. Experimentá-los é fundamental até mesmo para criar a sua necessidade. Por outro lado, esses bens freqüentemente perdem pelo menos parte do seu valor após a sua experimentação. Esta situação é responsável por uma anomalia que presenciamos na Internet diariamente. Parece que ninguém sabe exatamente que parte da informação liberar, para ser livremente distribuída, e que parte deve reservar para fornecimento exclusivo em troca de alguma compensação monetária. Exemplo desta anomalia é o conceito inovador de compartilhamento instantâneo deflagrado na Internet através de redes de troca gratuita de arquivos baseados nos Sistemas P2P. Inseridos na própria arquitetura de abertura da web 2, estes programas vêm rompendo com o direito de propriedade intelectual dos músicos e autores. Empresas disponibilizam na Internet softwares gratuitos que dão acesso ao banco de dados compartilhado em rede em troca da possibilidade de fazer propaganda própria e para terceiros. Enquanto 1 hyper-text transfer protocol: protocolo de transferência de hiper-texto. 2 Termo utilizado por Manuel Castells (2003) 2

3 isso, muitos usuários participam de movimentos na Rede em prol do copyleft 3 e tentam impor orgulhosamente a bandeira do uso livre na Internet. Os sistemas P2P apresentam duas características importantes: 1) possibilitam o intercâmbio, a distribuição e a reprodução massiva de produtos culturais sob a forma de arquivos digitais que circulam através da Internet como recursos livres e gratuitos. 2) o valor de sua rede aumenta exponencialmente com o número de usuários que se conecta a ela. Estas características fazem com que os Sistemas P2P apresentem taxas de crescimento superiores a qualquer outro sistema de informática que opera na Internet. (Calvi, 2004, p. 10) Diante do desenvolvimento dos Sistemas P2P, do número de seus usuários e dos produtos culturais que distribuem, as associações que representam a Indústria Cultural, como a Record Industry American Association (RIAA) e a Motion Picture American Association (MPAA), dos setores fonográfico e cinematográfico respectivamente, deram início a ações judiciais contra aqueles que desenvolviam estes sistemas, contra alguns provedores de acesso à Internet e contra os próprios usuários. Estas estratégias não foram eficazes para interromper a difusão e a reprodução de bens culturais na Rede por conta da impossibilidade tecnológica, política e legal para impedir o desenvolvimento e o uso desses Sistemas P2P pelos internautas; e também devido à resistência dos próprios usuários em deixar de utilizá-los. Segundo Oberholzer-Gee e Strumpf (2004), os estudos da RIAA não apresentam números reais sobre os impactos das redes P2P na venda de CDs por se basearem em dados coletados em pesquisas de opinião enviadas pela Internet, que não apresentam cálculo de amostragem representativo dos usuários dos programas. Os autores alegam que as perguntas são respondidas por voluntários que concordam em ter seus computadores monitorados: As pessoas que aceitam ter seu uso de Internet acompanhado e discutido (por pesquisas feitas pela RIAA) não são representativas dos usuários da Internet como um todo, afirmam os cientistas no estudo. Lessig (2005) descreve os participantes das redes P2P que compartilham diferentes tipos de conteúdo e os divide em quatro grupos: a) Aqueles que usam redes de compartilhamento como substitutos para a compra de conteúdo. É questionável se todos que baixam faixas de música comprariam o CD de fato, caso ele não estivesse disponível de graça. Esses formam a categoria A: usuários que baixam em vez de comprar. b) Aqueles que usam as redes P2P para ouvir uma amostra da música antes de comprá-la, ou seja, como uma etapa de experimentação da música antes do ato de compra. Essa é uma espécie de publicidade direcionada, com grandes chances de sucesso. O saldo final desse compartilhamento pode aumentar a quantidade de música comprada. c) Aqueles que usam redes P2P para ter acesso a conteúdo protegido por copyright que não é mais vendido (fora de catálogo), e aqueles que não comprariam porque os custos da transação fora da 3 O termo copyleft vem de um trocadilho de duplo sentido em inglês, que substitui o right (direita ou direito, em inglês) de "copyright" por "left" (que em inglês significa esquerda ou pode se referir a conjugação do verbo leave (deixar) no passado) tornando copyleft um termo próximo a cópia autorizada. Outro trocadilho brinca com a famosa frase Todos os direitos reservados, que sempre acompanha o símbolo das obras protegidas. Com o copyleft, All rights reserved torna-se All rights reversed ( Todos os direitos invertidos ). 3

4 Internet seriam muito altos (espécie de sebo virtual). Essa, para muitos, é a utilidade mais compensadora dos P2P. Músicas que há muito desapareceram do mercado, aparecem de novo na rede. Mesmo para conteúdo fora de catálogo, isso tecnicamente ainda constitui violação de copyright. Considerando que o titular do direito não está mais vendendo o material, os prejuízos econômicos são nulos. d) Finalmente, há aqueles que usam as redes P2P para acessar conteúdo sem copyright ou cujo dono quer distribuir de graça. Para avaliar se o compartilhamento é prejudicial, no final das contas, depende essencialmente do tamanho do prejuízo que o tipo A causa. A indústria fonográfica reclama que o compartilhamento do tipo A é uma espécie de roubo que está devastando o mercado. Embora os números sugiram que o compartilhamento seja negativo para os negócios, é difícil quantificar seus danos. Culpar a tecnologia por qualquer queda nas vendas é uma prática antiga da indústria fonográfica. Deve-se investigar também o benefício trazido pelos outros tipos de compartilhamento. Comecemos a responder essa questão nos concentrando nos prejuízos totais, do ponto de vista da indústria, que as redes de compartilhamento causam. Os prejuízos totais da indústria são o montante em que o tipo A excede o tipo B. Se as gravadoras vendem mais discos por causa das pessoas que testam novidades do que perdem devido às substituições, as redes de compartilhamento, no fim das contas, podem beneficiar as companhias. Elas teriam, portanto, poucas argumentações estatísticas para resistir à tecnologia. Pode isso ser verdade? A indústria, em seu conjunto, poderia estar lucrando por causa do compartilhamento de arquivos? Por mais estranho que isso pareça, os dados sobre vendas de CDs disponíveis até o momento sugerem que isso esteja próximo da realidade. Copyright versus Copyleft Os ciber-ativistas acreditam que a rede deve ser um espaço livre, democrático e aberto, e não um tentáculo eletrônico do capitalismo mundial integrado. Segundo esta concepção, restringir o acesso à música é uma forma inaceitável de controle que descaracteriza o espírito da web. Neste viés, está em jogo a própria definição de propriedade intelectual, ou direito autoral da informação: longe de ser uma unanimidade, a questão dos direitos autorais é percebida de modo distinto por gravadoras, artistas, e toda uma nova geração de ouvintes que floresceu na Internet. (Castro, 2003) A proposta das gravadoras, que custaram a perceber o enorme potencial do mercado on-line, é a criação de um sistema de distribuição com base em assinaturas de baixo custo, o que, segundo alegam, garantiria o pagamento dos royalties - contemplando ao mesmo tempo a demanda de música na rede por parte dos internautas. Desta forma, o mercado de divulgação e distribuição de música digital na Rede passaria a ser regulamentado pelos interesses das grandes corporações - exatamente o que toda uma legião de ciberouvintes não quer. Os artistas parecem estar divididos. Enquanto músicos como Madonna, Courtney Love, Bono Vox e o brasileiro Lobão vêm a público dar seu apoio ao download gratuito de música na Internet, outros se dizem 4

5 lesados pelo que consideram um escandaloso caso de ciber-pirataria como por exemplo o grupo de rock norte-americano Metallica. Entretanto, a possibilidade de divulgar suas obras que dificilmente chegariam ao grande público, devido às regras de mercado que fazem com que as grandes gravadoras hesitem em correr riscos (seja investindo em bandas ou músicos desconhecidos, seja abrindo espaço para que os artistas desenvolvam trabalhos experimentais), vem atraindo inúmeros músicos, estreantes ou não, a disponibilizar suas músicas na Internet. Além deste interesse, o que parece motivar a defesa do copyleft é que a principal fonte de renda do artista é a venda de ingressos para shows e apresentações na mídia, e não a venda de discos, reforçando assim o movimento pró-download. Alega-se que apenas os músicos de altíssima vendagem chegam a lucrar. A maior parte desta receita fica com as gravadoras, que debitam no total a ser pago aos artistas os altos custos com a produção e divulgação de seus trabalhos. (Castro, 2003; Calvi, 2004). Por esta razão, diversos músicos como Bob Dylan, George Michael e bandas como o Public Enemy e Weezer, encorajam o público a fazer e distribuir gravações piratas de suas músicas. Por esta mesma razão, Lobão vem há tempos alertando os artistas brasileiros sobre a necessidade de se redefinir os parâmetros de direitos autorais. Em ambos os casos, são atitudes que desafiam o monopólio da distribuição no mercado da música. No caso brasileiro, ainda há uma histórica insatisfação dos músicos com o sistema de arrecadação de direitos autorais pelo ECAD (Escritório Central de Arrecadação de Direitos Autorais), órgão nãogovernamental encarregado de fiscalizar e administrar os direitos autorais em música no Brasil 4. As redes de usuários e comunidades virtuais de música encararam a censura ao download do MP3 como um erro e por isso vêm construindo suas rotas de modo a driblá-la. Toda vez que a indústria processa alguns envolvidos no compartilhamento de música, os próprios usuários desenvolvem redes mais seguras contra a espionagem da indústria para dar continuidade ao download livre e gratuito, fenômeno que para Manuel Castells (2003) é próprio da cultura da Internet : à medida que os usuários tornaram-se produtores da tecnologia e artífices de toda a rede, adaptando-se a seus usos e valores, acabam por transformá-la. A explosão da Internet vem ocasionando o aparecimento de uma nova cultura, conceitos de comercialização inéditos, problemas de controle da difusão da informação e grandes desafios às regras jurídicas que ainda protegem os direitos autorais. Para Gandelman (2001) as principais dificuldades encontradas para a proteção do direito autoral na web estão relacionadas com uma questão básica: definir se a Internet é um meio de comunicação impresso como por exemplo os jornais, revistas ou livros e assim sendo, estaria livre de qualquer censura prévia e de qualquer controle governamental; ou se a Internet deveria ser considerada como um veículo de transmissão (broadcast), como a televisão e o cinema - e nesse caso estaria sujeita ao controle governamental e a critérios de auto-regulamentação. Outro fator complicador 4 O ECAD, órgão não-governamental sem fins lucrativos, é responsável por arrecadar os direitos autorais dos músicos e interpretes (direitos conexos) no Brasil. Os valores arrecadados são repassados para as gravadoras, que retiram uma porcentagem (supostamente destinado a cobrir custos operacionais de produção e distribuição da música) e depois então repassam aos artistas o restante do valor. Os artistas brasileiros reclamam que os direitos não são repassados de forma justa e adequada. As gravadoras alegam que o problema está no ECAD, que não distribui o valor correto do montante por dificuldades operacionais e burocráticas. Do outro lado o ECAD responsabiliza as gravadoras pelos problemas no repasse dos direitos autorais. 5

6 para qualquer análise é que a Internet não tem dono, ou seja, pertence ao patrimônio público que a utiliza, através de seus computadores interligados internacionalmente. A violação do direito autoral germina violentamente no ciberespaço, gerando um pessimismo generalizado sobre o desafio da Internet que ainda não possui legislação própria. A Internet modifica certos conceitos de propriedade intelectual - atingindo conceitos éticos e morais tradicionais e dando origem a uma nova cultura baseada na liberdade de informação que por suas características eminentemente imateriais, vem sofrendo um grande desafio na Rede. Isto faz com que muitos especialistas discutam a sobrevivência do copyright. Lance Rose (1995), ao comentar sobre o problema de vida ou morte que o copyright enfrenta no ambiente digital, ressalta que as violações continuarão a existir no mercado underground até que alguma autoridade policial identifique e leve à Justiça. Mesmo concordando que as violações são difíceis de serem interrompidas, o autor norte-americano é otimista em relação à manutenção da propriedade intelectual tal como conhecemos: ele acredita que a viabilidade da continuação de mercados baseados no copyright encorajará mais pessoas a criarem obras valiosas a serem distribuídas on-line para o público em geral. E esta perspectiva justificaria o fato de ainda termos a lei do copyright em primeiro plano. O governo norte-americano considera suas sanções civis e criminais válidas no ciberespaço. Entretanto estas punições foram escritas e aprovadas originalmente em uma época na qual as obras intelectuais possuíam apenas suportes físicos e eram distribuídas materialmente. Parece que o governo dos EUA está tentando regular a web extensivamente para beneficiar um certo setor na Internet: o do comércio 5. Lawrence Lessig (1999) afirma que a nova arquitetura da Internet já está sendo traçada por empresas norte-americanas com a ajuda silenciosa e protecionista do governo dos Estados Unidos - em prejuízo do usuário comum e de outros países, como o Brasil. "O ciberespaço está se tornando um espaço muito menos livre do que no passado, e o que está causando isso é primordialmente o interesse comum do governo e do comércio em fazer do ciberespaço um lugar onde é mais fácil rastrear as pessoas, monitorar seu comportamento. O futuro da Internet está se tornando cada vez mais sombrio, desde que o comércio passou a ser o fator determinante das mudanças na rede (Lessig, 2000) 6 5 Em janeiro de 2003 a Suprema Corte dos Estados Unidos estendeu o prazo da lei de proteção de direitos autorais por 20 anos, adiando a entrada no domínio público de obras como os desenhos animados da Walt Disney e os romances de Scott Fitzgerald. A decisão representou uma vitória para companhias de mídia e editoras de música, que alegaram precisar de mais tempo para proteger um setor vital da economia norte-americana, estimado em mais de US$ 500 bilhões anuais. No entanto, a extensão da lei foi uma derrota para empresas de Internet, para as quais a lei limita o direito de livre expressão e prejudica o processo criativo ao bloquear acesso a material que deveria ser de domínio público. A juíza norteamericana Ruth Bader Ginsburg afirmou que a maioria dos juizes que participaram da aprovação da lei acredita que a adoção da lei não viola limites constitucionais. Ela disse também que não há problemas relacionados à livre expressão. Os adversários da lei acham que a extensão dos direitos autorais impede que a Internet utilize uma ampla gama de cultura comum a todos em uma época em que a tecnologia permite que mais pessoas tenham acesso a obras de arte e de criação sem muitas restrições. Como resultado da decisão, milhares de obras famosas, como os primeiros desenhos do Mickey Mouse, "Rhapsody in Blue", de Gershwin, ou "O Grande Gatsby", de Fitzgerald, não passarão a ser de domínio público antes do prazo dos 20 anos adicionais, ou seja, no ano (Disponível em: Acesso: 15/01/2003). 6 In: Folha S. Paulo: 05/03/2000, p.5 6

7 Muitos discordam de Lessig, como por exemplo o presidente da empresa norte-americana Icann 7, Esther Dyson. Em uma conferência na Universidade de Harvard intitulada Internet & Society 2000, ele defendeu o comércio eletrônico argumentando que os sites comerciais existem, mas não estão sozinhos: eles convivem com milhões de sites caseiros que não deixarão de existir 8. Ao contrário de Esther Dyson e muitos outros empresários do mundo virtual, Lessig (1999) defende que a arquitetura da Internet era bastante livre no seu começo, ou pelo menos preservava a liberdade muito bem. Porém, essa liberdade original está mudando e o ciberespaço está se tornando um espaço muito menos livre do que no passado: o autor argumenta que liberdade de expressão e a privacidade estão sendo seriamente ameaçadas por interesses comerciais e defende que são falsas e perigosas as idéias de que o ciberespaço é um lugar de liberdade. Para o autor os governos devem interferir na regulação da Internet. Lessig (2005) alerta para o que está ocorrendo no governo norte-americano: pressionado pelo lobby do comércio, tem legislado sobre as leis de software, baseado no Digital Millenium Copyright Act 9 por exemplo, tornando as regras de direitos autorais e patentes muito mais duras do que no mundo real, além de não coibir a invasão de privacidade. Essa regulamentação tem trazido riscos para a sociedade por três grandes motivos: em primeiro lugar, está criminalizando os defensores do código livre - muitas vezes chamados de hackers pelo governo - contrários ao uso de direitos autorais em softwares; em segundo, a falta de regulamentação sobre privacidade no ciberespaço deixou o campo livre para o uso de tecnologias que tornam vulnerável a vida privada do internauta; e por último, no futuro, ficará mais difícil para que outros países, como o Brasil, desenvolvam programas na Internet sem ter de prestar contas aos Estados Unidos 10. Em relação ao paradigma do MP3 na Internet, o autor explica que o problema dessa tecnologia é que ela não dá ao dono dos direitos autorais um controle suficiente. Por isso, as gravadoras estão lutando tanto quanto podem para transformar o MP3 em uma tecnologia na qual possam ter controle sobre o uso que as pessoas fazem de música. O modo mais apropriado de o governo intervir é garantindo os direitos individuais e transferindo esses direitos para o mundo on-line, para que se tenha um sistema de proteção no ciberespaço semelhante ao do mundo real. Apesar de defender alternativas de regulamentação, Lessig inventou uma espécie de passaporte virtual para o usuário em uma rede paralela: com o objetivo de criar uma alternativa para o meio termo legal entre todos os direitos reservados dos contratos de direito autorais tradicionais e o domínio público, ele lançou a 7 Internet Corporation for Assigned Names and Numbers entidade mundial encarregada da concessão de endereços IPs, criação e registro de domínios. 8 Ver Folha S. Paulo, 09/06/2000, p. E19 9 O DMCA é um texto normativo adotado nos EUA em 1998, com o objetivo de modificar o regime de proteção à propriedade intelectual, mais especificamente os direitos autorais, no sentido de combater a facilidade de cópia, circulação e, consequentemente, de violação de direitos autorais, trazida pela conjugação da tecnologia digital com a internet. As disposições do DMCA ampliaram de forma significativa os tradicionais limites do direito autoral, tais como forjados no século XIX - como por exemplo, criminalizou quaisquer iniciativas que tivessem por objetivo violar mecanismos técnicos de proteção a propriedade intelectual, isto é, bens intelectuais. Outro aspecto importante do DMCA é a necessidade de responsabilização de terceiros pela violação de direitos autorais na internet, como provedores de serviço de acesso (PSAs) e provedores de serviços on-line (PSOs). Ver detalhes na obra de Ronaldo Lemos, É importante destacar que, dado o caráter global da internet, o Brasil enfrenta questões semelhantes na internet, mas ainda não adotou nenhuma disposição legal específica regulamentando a responsabilidade de terceiros (conforme prevê o DMCA) pela violação de direitos autorais na Rede. Entretanto, segundo Lemos (2005) o DMCA exerce influência retórica imensa sobre a interpretação do projeto brasileiro proposto pela OAB em 1999, ou mesmo sobre praticantes do direito no Brasil quanto à resposta a essas perguntas. 7

8 licença Creative Commons 11, onde os artistas e autores podem escolher como e quanto desejam autorizar a utilização de sua obra para o público ao disponibilizar sua obra na Rede da entidade. A iniciativa é aberta a qualquer produtor cultural interessado (músicos, cineastas, fotógrafos, escritores etc). O Creative Commons foi criado nos EUA em 2001 e no Brasil vem sendo adaptado por grupos de especialistas da Escola de Direito da FGV-RJ desde Em 2004 o governo brasileiro lançou oficialmente seu apoio ao projeto, que tornou-se um movimento global com a participação de mais de 30 países, dentre eles Alemanha, França, Itália, Croácia, Inglaterra, África do Sul, Brasil, Estados Unidos. Em meados de 2005, mais de 15 milhões de obras encontravam-se licenciadas no Creative Commons, incluindo textos, fotos, trabalhos acadêmicos, filmes, músicas, composições, livros, materiais didáticos, dentre outras. Lessig (2005) defende que os governos devem ter a preocupação de garantir um ambiente competitivo e aquecido na Internet, e não devem permitir que empresas tenham controle do conteúdo ou das aplicações utilizadas na rede. A lei de proteção intelectual tem sido sempre uma tentativa de equilíbrio entre a oferta de proteção aos detentores de direitos autorais e a garantia de alguns direitos de uso para os consumidores comuns. Muitos especialistas são pessimistas em relação aos direitos autorais na Internet: ao mesmo tempo em que não acreditam na rigidez e na ordem que tenta se impor na web como solução para as questões de propriedade intelectual, temem o caos. Por outro lado, alguns vêem na desordem da Rede uma possibilidade para a liberdade. O inglês Richard Barbrook, professor de hipermídia da Universidade de Westminster em Londres, criador do termo cibercomunismo (2004) 12, comemora a estrutura anárquica da web. O autor acredita que a revolução nas tecnologias de comunicação leva o desenvolvimento das forças produtivas a tal ponto que o modo de produção capitalista será superado: Há coisas mais complexas acontecendo na Internet que não é a apoteose do mercado, como afirmam os ideólogos neoliberais. Na prática diária de milhões de pessoas que usam a Internet está a semente de uma nova forma de economia em que a troca - em um primeiro momento, basicamente, a de informação - não consegue mais estar totalmente mediada por regras do mercado. Informação e arte não são mercadorias ou "commoditties" e tentar "cercá-las" na Internet é não apenas infrutífero, mas também contrário à própria lógica da rede. (...). O capitalismo gerou em seu ventre a besta que irá consumi-lo. (Barbrook, 1999) 13 Barbrook (2004) rotula de "ideologia californiana" o corpo de idéias que define a web como apoteose do mercado. Crítico dessa visão, o autor acredita ser necessário a inversão da propaganda (sobre a Internet) que está sendo veiculada por pessoas apenas preocupadas em ganhar dinheiro. Segundo Barbrook, a Richard Barbrook publicou em 1998 um texto entitulado Manifesto Cibercomunista na Internet e é autor um ensaio polêmico publicado na web cujo título é: "Cibercomunismo: Como os Americanos Estão Superando o Capitalismo no Ciberespaço" (Disponível em: < Acesso: 06/06/2004). Para aprofundamento nas idéias do autor, ver: Media Freedom - The Contradictions of Communications in the Age of Modernity, Londres: Ed. Pluto, In: Folha S. Paulo, 03/10/1999, Editoria Mais!, p. 5 8

9 Internet possui um aspecto central baseado na gift economy 14 por meio da qual a informação não tem valor de mercado, mas sim de um "presente". O argumento é que o centro da Internet não é o mercado e a comercialização de informações, mas pelo contrário, a circulação livre de informação. Um dos ideais da Revolução Francesa era o de que todo cidadão tinha o direito de publicar. Esperava-se que cada cidadão contribuísse com seus pensamentos e com suas opiniões. Quando surge a produção em escala, tornou-se necessária a intermediação de um processo industrial para que isso pudesse acontecer e assim toda contribuição intelectual passou a ser cercada pela lógica da propriedade. Com o advento da Internet essa lógica é alterada e torna-se extremamente difícil colocar barreiras à distribuição gratuita de informação. Parece que a maioria das pessoas não está interessada em vender ou comprar informação na web. O surf pela Internet não se trata de uma atividade comercial: é a priori uma atividade de pesquisa e experimentação. John Perry Barlow (1994), co-fundador da EFF (Eletronic Frontier Foundation), levanta questões relacionadas à equação econômica que sustenta a propriedade intelectual e seus aspectos jurídicos (como o copyright e patentes) face às novas tecnologias que permitem sua reprodução e distribuição quase instantânea a custo zero para todo o planeta. O autor argumenta que o modelo jurídico que protege a propriedade intelectual, baseado no copyright e em patentes, é focado não nas idéias mas na expressão destas. As idéias são consideradas propriedade coletiva da humanidade, segundo Barlow. O modelo jurídico vigente está sendo abalado pelo surgimento de novas tecnologias que permitem a reprodução e distribuição quase instantânea e sem custo para todo o planeta de bens de natureza intelectual, e as leis atuais não são suficientes para comportar esta nova realidade: Assim, as idéias contidas em um livro não são protegidas pelo copyright. O que se protege é o invólucro que as contêm: é o livro que não pode ser livremente reproduzido. A patente, por sua vez, até recentemente era uma descrição de como materiais devem ser utilizados para servir a algum propósito. O ponto central da patente é o resultado material. Se não se tinha um objeto utilizável então a patente era rejeitada. Em outras palavras, protege-se a garrafa e não o vinho.(barlow, 1994). Diante destes paradigmas, diversas questões devem ser discutidas pela sociedade: os bits devem ser protegidos pelo direito autoral ou não? Como podemos protegê-los? Se os bits não forem protegidos, é possível proteger os interesses econômicos dos diversos agentes (autores, financiadores, produtores, distribuidores)? Se não for possível proteger estes interesses econômicos, então como vamos assegurar a contínua criação destes bens? Para responder estas questões com clareza, e para poder legislar sobre o assunto, se faz necessário analisar o que é informação, conhecer suas características básicas e que ações e papéis a informação desempenha na sociedade. Entre as propriedades da informação que devem ser analisadas nesse contexto, segundo Barlow (1994), destacamos: 1) a informação é experimentada e não possuída; 2) a informação necessita estar em 14 Alguns autores traduzem a expressão de Barbrook como economia do presente, outros como economia da dádiva. 9

10 movimento (uma informação que não se movimenta passa a não existir, a não ser como potencial, até que venha a ser permitido sua movimentação novamente); 3) uma distinção econômica central entre a informação e os bens físicos está na habilidade da informação em ser transferida sem que o dono original perca a sua posse. No caso de bens físicos, existe uma correlação direta entra a sua raridade e seu valor. Entretanto, em relação à informação muitas vezes acontece o inverso: quanto mais universalmente ressonante for uma idéia, imagem ou som, em mais mentes ela penetrará. Por exemplo, muitos softwares aumentam seu valor à medida que se tornam mais comuns. Todavia, a exclusividade e o ponto de vista também são valorizados pela sociedade. No mundo físico o valor depende de posse ou de proximidade no espaço. No mundo virtual a proximidade no tempo e as possibilidades de uso são valores determinantes: Uma informação produzida geralmente possui valor maior se o comprador puder acessá-la em um momento próximo de sua expressão. A proteção da execução deve ser repensada - não lhe dão muito crédito apenas por ter idéias. Você é julgado pelo que se pode fazer com elas. (Barlow, 1994). Considerações Finais As idéias apresentadas levantam uma série de questões sobre o futuro da propriedade intelectual na era digital. Devido à complexidade, ao número de atores e de tantos interesses envolvidos, ainda não é possível dar uma resposta clara e definitiva. O futuro está na dependência das experiências em curso e das ações legislativas sobre o tema. Em qualquer tentativa de análise das perspectivas da propriedade intelectual é preciso pensar se as práticas usadas durante séculos continuam válidas para a obtenção das finalidades pretendidas. E mesmo que estas práticas continuem válidas, é questionável se são as mais indicadas para o novo contexto da arte, da tecnologia e da comunicação na sociedade da informação. O problema sobre o qual nos debruçamos é que, com o avanço da tecnologia digital e da internet, o custo marginal 15 dos bens intelectuais tende a ser zero. Ou seja, mesmo que uma pessoa pague pela aquisição de uma música pela internet, uma próxima pessoa poderá obter essa mesma música de graça, seja de outras pessoas, seja daquela que pagou inicialmente por ela. A solução para os conflitos entre mercado e cultura não passam nem por defender a gratuidade da cultura e da informação na Internet e nem por sua privatização a favor das empresas. Menos ainda pela criminalização (pirataria) dos usuários. O que se propõe é pensar um novo pacto social que reconcilie o direito dos autores de viver de seus trabalhos com o direito do acesso universal a cultura - isto é, um pacto que gire em torno do interesse dos criadores e do público e não em beneficio dos grandes grupos de mídia. 15 Custo incremental ou marginal é o custo de produzir uma unidade adicional de produto ou serviço, ou seja, o custo que mede a relação entre o custo final e a produção de uma unidade extra de produto. 10

11 Muitas idéias têm sido discutidas para contornar esse problema. Há diversos trabalhos sérios e complexos que pretendem dar conta desta questão e que propõem modelos semelhantes: a criação de um modelo de incentivo para a produção intelectual, inicialmente voltado para música e filmes, gerido pelo Estado, que se encarregaria de coletar os fundos necessários na sociedade e repassá-los para os criadores. Esse modelo propõe a eliminação de todas as proteções monopolistas conferidas ao autor pelo direito autoral (sobretudo exclusividade de reprodução e distribuição) e, em contrapartida, estabelece um mecanismo público de remuneração para os autores, com fundos obtidos por meio de cobrança de impostos 16. Destacamos aqui a proposta de Willian Fisher (Universidade de Harvard) que vem sendo estudada e adaptada à realidade brasileira por Ronaldo Lemos 17 (FGV/RJ). Fisher calculou quanto seria necessário arrecadar para continuar remunerando artistas e demais detentores de propriedade nos mesmos níveis históricos que eles auferem no presente 18. Esse modelo pressupõe a idéia de pagamento aos artistas e detentores da propriedade intelectual não pelo valor social integral de suas obras, o que seria provavelmente impossível de calcular. A proposta é arrecadar apenas o valor necessário para que os atuais beneficiários econômicos de bens intelectuais continuem a receber o que recebem no momento atual, do mesmo modo que novos autores possam também receber valores compatíveis em igualdade de condições. Há diversas discussões sobre como arrecadar esse valor. Aponta-se como forma mais viável de arrecadação a tributação de bens e serviços utilizados para a obtenção da música. Ou seja, os autores ou detentores dos direitos autorais publicariam livremente suas obras e a remuneração poderia vir através de um sistema de compensação via taxação de hardware (por exemplo, DVD players, gravadores de CD, tocadores de MP3, discos virgens e assim por diante) e/ou dos serviços utilizados para obter acesso à internet - como os valores pagos pelos usuários a provedores de acesso. Outro caminho seria verificar a audiência de sites número de ouvintes de playlists ou número de downloads de arquivos. Os sistemas P2P reportariam a freqüência de registros de compartilhamento de arquivos e os criadores da obra receberiam dinheiro de acordo com sua popularidade. Tal método, se aplicado no mundo da música, libertaria os artistas das gravadoras e lhes permitiriam oferecer música ao público sem intermediários. Diversos pesquisadores no Brasil e no mundo estão pensando soluções para o acesso livre à cultura na internet com alternativas para remuneração dos criadores. Porém, estas soluções colocam em cheque o modelo de mediação da indústria cultural. Não há dúvidas que a indústria fonográfica irá agir para defender e manter seu modelo de negócios. Entretanto, parece que o fator de maior importância na determinação dos rumos futuros será a reação da sociedade às novas realidades, que será expressa através das formas que a própria sociedade encontrará (ou não) para absorver e usar as novidades que lhe serão apresentadas. 16 Ver os seguintes autores: Fisher, Lessig, Lemos, Netanel, Love, James. Artists want to be paid: the blur/baff proposal. Disponível em: O Hare (s.d.). Grassmuck et al. (s.d.). 17 Lemos, Os cálculos feitos por Willian Fisher são complexos, e faço remissão à obra do autor para sua verificação: Fisher, Disponível em: http: //cyber.law.harvard.edu/people/tfisher/ptkchapter6.pdf. 11

12 Referências BARBROOK, R Cibercomunismo: como os americanos estão superando o capitalismo no ciberespaço. Londres. Disponível em: Media Freedom: the contradictions of communications in the age of modernity. Londres, Pluto A revolução banal. In: Folha de São Paulo, Editoria Mais, 03/10/1999, p Os ciber-românticos. In: Folha de São Paulo, 13/03/2003, p. E1. BARLOW, J. P The Economy of ideas. In: Wired, ed Disponível em: BUSQUET. G Música on-line: batalhas por los derechos, lucha por el poder. In: E., BUSTAMANTE (org), Hacia un nuevo sistema mundial de comunicación: las industrias culturales en la era digital. Barcelona, Gedisa. CALVI, J. C Los sistemas de intercambio de usuario a usuario (P2P) en Internet: análisis de una logica de destribución, intercambio y reproducción de productos culurales. Tese de doutorado. Madrid. CASTELLS, M A sociedade em rede. 5ª ed. São Paulo, Paz e Terra A Galáxia da Internet. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor. CASTRO, G. G. da S Música, Tecnologia, Escuta & Comunicação: as canções inumanas. Tese de Doutorado, ECO-UFRJ, Rio de Janeiro. COOPER, J; HARRION, D The social organization of audio piracy on the Internet. In: Music, Culture & Society. London, Thousand Oasks and New Delhi. DYSON, E Harvard discute a internet. In: Folha de São Paulo, 09/06/2000, p. E19. FISHER, W Promises to keep: technology, law, and the future of entertainment. Standford, Standford University Press. FONTENAY, E Does the music industry innovate? Music Dish Content Express. GANDELMAN, H De Gutenberg à Internet: direitos autorais na Era Digital. Rio de Janeiro, Record. GIL, G.; LESSIG, L Reforma agrária no direito autoral. In: Folha de São Paulo, 03/06/2004, p. E1-E5. GRASSMUCK, V. et al. [s.d.] Models for altenative compensation entertainment content: a critical review. Havard: Havard Law School. Workshop on Alternative Compensation Systems, Berkman Center for Internet & Society. LEMOS, R Direito, tecnologia e cultura. Rio de Janeiro, FGV Editora. 12

13 LESK M Practical Digital Libraries: Books, Bytes, and Bucks. Morgan Kaufmann. LESSIG, L Code and Other Laws of Cyberspace. Basic Books Cultura Livre: como a grande mídia usa a tecnologia e a lei para bloquear a cultura e controlar a criatividade. São Paulo, Trama. Disponível em: O futuro sombrio da Internet: entrevista com Lawrence Lessig. In: Folha de São Paulo, Editoria Mais, 05/03/2000, p. 5-4 a 5-8. LEVY, P Cibercultura. Rio de Janeiro, Editora 34. MCCOURT, T; BURKART, P When creators, corporations and consumers collide: Napster and the development of on-line music distributions. In: Music, Culture & Society. London, Thousand Oasks and New Delhi. NATANEL, N. W Impose a noncommercial use levy to allow free peer to peer file sharing. Havard Journal of Law & Tecnology, n. 17, Dec OBERHOLZER-GEE, F & STRUMPF, K The Effect of File Sharing on Record Sales: An Empirical Analysis. Harvard Business School. March, Disponível em: acesso: 30/03/2004. O HARE, M. [s.d.]. Who should pay, how, for music (and other information goods)? [s.l.]: Goldman School for Public Policy. ROSE, L Netlaw: your rights in the online world. Berkeley, Osborne McGraw-Hill. SANTINI, R.M Admirável chip novo: a música na era da Internet. Rio de Janeiro, E-papers. SHAPIRO, C. & VARIAN, H. R Information Rules. Harvard Business School Press. SIMON, I A Propriedade Intelectual na Era da Internet. In: DataGramaZero - Revista de Ciência da Informação - 1(3):, jun/00 - Artigo 03. YÚDICE, G A conveniência da cultura: usos da cultura na era global. Belo Horizonte, UFMG. 13

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Auta Rodrigues Moreira Irene Guerra Salles Lilian Braga Carmo Luana Roberta Salazar Resumo: Atualmente, com a presença marcante das tecnologias, torna-se

Leia mais

Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral

Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral RESUMO A cultura livre é um movimento que propõe o livre acesso e uso de obras intelectuais e culturais. É um conceito mais genérico que o software livre, pois

Leia mais

LEGALIZAÇÃO DO COMPARTILHAMENTO DE ARQUIVOS DIGITAIS

LEGALIZAÇÃO DO COMPARTILHAMENTO DE ARQUIVOS DIGITAIS Anteprojeto de lei para LEGALIZAÇÃO DO COMPARTILHAMENTO DE ARQUIVOS DIGITAIS Considerações gerais A expansão da internet trouxe facilidades sem precedentes para o compartilhamento e reprodução de obras,

Leia mais

CULTURA LIVRE E COMPARTILHAMENTO DIGITAL: LIBERDADE PARA DISTRIBUIÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET

CULTURA LIVRE E COMPARTILHAMENTO DIGITAL: LIBERDADE PARA DISTRIBUIÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET CULTURA LIVRE E COMPARTILHAMENTO DIGITAL: LIBERDADE PARA DISTRIBUIÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET Luciana Cristina Ribeiro Pércope e Guilherme Domingos do Carmo Palavras-Chave: liberdade, internet,

Leia mais

SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell

SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO INSTALAR OU DE QUALQUER OUTRA FORMA UTILIZAR O SOFTWARE (INCLUINDO SEUS COMPONENTES),

Leia mais

SOPA: Proteção à Propriedade Intelectual ou Mero Interesse Econômico

SOPA: Proteção à Propriedade Intelectual ou Mero Interesse Econômico SOPA: Proteção à Propriedade Intelectual ou Mero Interesse Econômico Alice Marques Wilmer Danilo Mitre Perdigão Fabiano Emiliano A. Martins dos Santos Lígia Gomes Souto de Souza Thomaz Afonso de Andrade

Leia mais

APDIF DO BRASIL Associação Protetora dos Direitos Intelectuais Fonográficos PIRATARIA MUSICAL. Aspectos Técnicos e Informações Complementares

APDIF DO BRASIL Associação Protetora dos Direitos Intelectuais Fonográficos PIRATARIA MUSICAL. Aspectos Técnicos e Informações Complementares PIRATARIA MUSICAL Aspectos Técnicos e Informações Complementares I Curso Regional de Capacitação para Agentes Públicos no Combate à Pirataria. Salvador/BA. Palestrante: Jorge Eduardo Grahl Diretor Jurídico

Leia mais

Trilha 6: Ambiente legal, regulatório, segurança e inimputabilidade da rede

Trilha 6: Ambiente legal, regulatório, segurança e inimputabilidade da rede Trilha 6: Ambiente legal, regulatório, segurança e inimputabilidade da rede A) Questões chave levantadas: (Relato concatenado das discussões dos dias 13 e 14.) Busca de um ambiente legal e regulatório

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 414/IX

PROJECTO DE LEI N.º 414/IX PROJECTO DE LEI N.º 414/IX PROCEDE À ADAPTAÇÃO DO CÓDIGO DOS DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS ÀS NOVAS REALIDADES CRIADAS PELA SOCIEDADE DE INFORMAÇÃO Exposição de motivos O presente projecto de

Leia mais

Propriedade intelectual e políticas de comunicação

Propriedade intelectual e políticas de comunicação 1 Fórum Para entender os eixos focais Propriedade intelectual e políticas de comunicação Graça Caldas O texto do prof. Rebouças oferece uma importante revisão histórica sobre os conceitos que permeiam

Leia mais

Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria. 1 de setembro de 2012

Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria. 1 de setembro de 2012 Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria 1 de setembro de 2012 Quem somos? Fundada em 1988, a Business Software Alliance (BSA) é a principal organização mundial dedicada

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

Trilha 2 Propriedade intelectual na rede

Trilha 2 Propriedade intelectual na rede TEMA: Mudança de paradigma: do bem físico para o intangível POSICIONAMENTOS Governo - O conceito de propriedade está relacionado ao seu contexto. Passamos da noção de centralidade do bem físico na economia

Leia mais

CREATIVE COMMONS O QUE É?*

CREATIVE COMMONS O QUE É?* CREATIVE COMMONS O QUE É?* Érica Daiane da Costa Silva** Se você está ouvindo falar em Creative Commons já deve ter ouvido falar também em Software Livre. Sem pretensão de apresentar uma explicação aprofundada,

Leia mais

Termo de Uso A AGENDA SUSTENTABILIDADE única e exclusiva proprietária do domínio www.agenda SUSTENTABILIDADE.com.br, doravante denominado AGENDA SUSTENTABILIDADE, estabelece o presente TERMO DE USO para

Leia mais

Com Software Livre você pode! Agradeço a oportunidade!

Com Software Livre você pode! Agradeço a oportunidade! Com Software Livre você pode! Agradeço a oportunidade! Agradeço a presença Fátima Conti ( Fa ) - fconti@gmail.com @faconti ( identi.ca, twitter ), Fa Conti ( diaspora, facebook ) Site: http://www.ufpa.br/dicas

Leia mais

A COMPLETA INSTALAÇÃO DESTE SOFTWARE IMPLICA NA IMEDIATA ACEITAÇÃO DE TODOS OS SEUS TERMOS E CONDIÇÕES.

A COMPLETA INSTALAÇÃO DESTE SOFTWARE IMPLICA NA IMEDIATA ACEITAÇÃO DE TODOS OS SEUS TERMOS E CONDIÇÕES. SIGMA SISTEMA GERENCIAL DE MANUTENÇÃO CONTRATO DE LICENÇA DE USO E GARANTIA A COMPLETA INSTALAÇÃO DESTE SOFTWARE IMPLICA NA IMEDIATA ACEITAÇÃO DE TODOS OS SEUS TERMOS E CONDIÇÕES. 1.0. INDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAFAEL D. RIBEIRO, M.SC,PMP. RAFAELDIASRIBEIRO@GMAIL.COM HTTP://WWW.RAFAELDIASRIBEIRO.COM.BR @ribeirord CRIMES DE PIRATARIA DE SOFTWARE Prática ilícita caracterizada

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES Esta política trata do acesso aos dados, metadados e informações das coleções

Leia mais

Resumo executivo. Metodologia. versus RESUMO EXECUTIVO DO EMC PRIVACY INDEX

Resumo executivo. Metodologia. versus RESUMO EXECUTIVO DO EMC PRIVACY INDEX Privacidade versus Conveniência Resumo executivo As manchetes sobre privacidade na Internet estão fomentando um debate sobre quanto de acesso governos e empresas devem ter a atividades, comunicações e

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede

Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede Índice 1 Introdução... 3 2 Política de cadastro e senhas... 5 3 Política de Utilização da Internet... 7 4 Política de Utilização de

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas PENSAR O LIVRO 6 Fórum Ibero-americano sobre o livro, a leitura e as bibliotecas na sociedade do conhecimento Junho 2009 Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo

Leia mais

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol ológica Florianópolis polis,, 02 de abril de 2008. 1 CRONOLOGIA OS TRABALHOS: 1. Indicativos do quadro brasileiro de inovação;

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Ministério da Educação Brasília 2006 Artigo publicado, em 06 de dezembro de 2006, no Observatório da Sociedade

Leia mais

Transparência no BNDES Mauro Figueiredo 1 e Jennifer Gleason 2

Transparência no BNDES Mauro Figueiredo 1 e Jennifer Gleason 2 Transparência no BNDES Mauro Figueiredo 1 e Jennifer Gleason 2 O Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) é um banco estatal 3, fundado em 1952, que opera sob a supervisão do ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Walter Feldman) Dispõe sobre a proteção dos direitos de propriedade intelectual e dos direitos autorais na Internet. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei dispõe

Leia mais

Ética e Legislação em Comunicação

Ética e Legislação em Comunicação Ética e Legislação em Comunicação Ambientes Digitais Blog Site/Sitio Portal Acervo Virtual Plataformas de aprendizagem virtual / Educação à distância Exercício coletivo: Exemplos e análise de ambientes

Leia mais

Termos & Condições www.grey.com (o website ) é de propriedade do Grupo Grey e operado por ele ( nosso, nós e nos ).

Termos & Condições www.grey.com (o website ) é de propriedade do Grupo Grey e operado por ele ( nosso, nós e nos ). Condições de Uso do Website Termos & Condições www.grey.com (o website ) é de propriedade do Grupo Grey e operado por ele ( nosso, nós e nos ). Ao acessar este site, você concorda em ficar vinculado a

Leia mais

RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1

RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1 RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1 Fabiana Rikils 2 Elói Martins Senhoras 3 A internet tem produzido uma crescente transformação fática na sociedade global que repercute em diferentes

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários

Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários Práticas Recomendadas Para Limitar a Responsabilidade dos Intermediários Pelos Conteúdos de Terceiros e Promover Liberdade de Expressão e

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE AMBIENTAL MERCANTIL

POLÍTICA DE PRIVACIDADE AMBIENTAL MERCANTIL POLÍTICA DE PRIVACIDADE AMBIENTAL MERCANTIL Leia com atenção a nossa Política de Privacidade. Esta Política de Privacidade aplica-se à todos os usuários cadastrados no site, e integram os Termos e Condições

Leia mais

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)- UNICARIOCA

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)- UNICARIOCA Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)- UNICARIOCA Objetivos A política de utilização da rede wireless tem como objetivo estabelecer regras e normas de utilização e ao mesmo tempo desenvolver

Leia mais

O consumidor. e o direito. do autor. O que você pode e o que não pode reproduzir

O consumidor. e o direito. do autor. O que você pode e o que não pode reproduzir O consumidor e o direito do autor O que você pode e o que não pode reproduzir a lei de direitos autorais permite diversos tipos de cópias. Mas as restrições são muito exageradas. Direito autoral não quer

Leia mais

As Ações Mais Legais da FSFLA. Alexandre Oliva

As Ações Mais Legais da FSFLA. Alexandre Oliva As Ações Mais Legais da FSFLA Fundação Software Livre América Latina http://www.fsfla.org/ Alexandre Oliva lxoliva@fsfla.org http://www.lsd.ic.unicamp.br/ oliva/ Outubro de 2006 Resumo FSFLA Direito autoral

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

REGULAMENTOS PARA INTERNET, PEDIDOS POR CORREIO E GERAÇÃO DE CONTATOS (LEADS) NO BRASIL. Em vigor a partir 1 de novembro de 2003

REGULAMENTOS PARA INTERNET, PEDIDOS POR CORREIO E GERAÇÃO DE CONTATOS (LEADS) NO BRASIL. Em vigor a partir 1 de novembro de 2003 REGULAMENTOS PARA INTERNET, PEDIDOS POR CORREIO E GERAÇÃO DE CONTATOS (LEADS) NO BRASIL Em vigor a partir 1 de novembro de 2003 Estes regulamentos aplicam-se aos sites da web, programas de pedido pelo

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DIA DA INTERNET SEGURA 2013. "Direitos e deveres online: conecte-se com respeito!

REGULAMENTO DO CONCURSO DIA DA INTERNET SEGURA 2013. Direitos e deveres online: conecte-se com respeito! REGULAMENTO DO CONCURSO DIA DA INTERNET SEGURA 2013 "Direitos e deveres online: conecte-se com respeito! REALIZAÇÃO: APOIO: 1. DESCRIÇÃO O CONCURSO do Dia Mundial da Internet Segura 2013 organizado pela

Leia mais

TERMOS DE LICENÇA PARA SOFTWARES HSC

TERMOS DE LICENÇA PARA SOFTWARES HSC TERMOS DE LICENÇA PARA SOFTWARES HSC LEIA COM ATENÇÃO ANTES DE USAR ESSE PRODUTO DE SOFTWARE: Este Termo de Aceite é um Contrato de Licença do Usuário Final ("EULA" - End-User License Agreement) é um contrato

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

FLEXPAG - Política de Privacidade

FLEXPAG - Política de Privacidade FLEXPAG - Política de Privacidade A infocusweb/flexpag tem um compromisso com o respeito à sua privacidade. Política de Privacidade Nós reconhecemos que ao optar por nos informar alguns de seus dados pessoais,

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL IDEIAS QUE VÃO LONGE

REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL IDEIAS QUE VÃO LONGE REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL IDEIAS QUE VÃO LONGE A Associação Social Good Brasil, instituição sem fins lucrativos, com sede na Rua Deodoro, 226, Centro, Florianópolis SC, registrada no Registro Civil

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web 2010

Introdução à Tecnologia Web 2010 IntroduçãoàTecnologiaWeb2010 Internet ÓrgãosRegulamentadores ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger Internet Órgãosregulamentadores Índice 1 Breve Histórico da Internet... 2 2 Surgimento

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Este documento tem por objetivo definir a Política de Privacidade da Bricon Security & IT Solutions, para regular a obtenção, o uso e a revelação das informações pessoais dos usuários

Leia mais

LABMIS Edição de Curtas. 1ª Convocatória

LABMIS Edição de Curtas. 1ª Convocatória LABMIS Edição de Curtas 1ª Convocatória O projeto semestral LABMIS Edição de Curtas tem por objetivo abrir espaço permanente para a edição e finalização de curtas-metragens que se distinguem pela qualidade

Leia mais

MARC A PROTEGER PARA NÃO PERDER

MARC A PROTEGER PARA NÃO PERDER MARC A PROTEGER PARA NÃO PERDER Caro leitor! Nós, da Tavares Propriedade Intelectual, resolvemos desenvolver este material educativo com o propósito de alertar empresários e executivos da necessidade de

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EM BIBLIOTECAS DIGITAIS

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EM BIBLIOTECAS DIGITAIS 1 SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EM BIBLIOTECAS DIGITAIS MARQUES, A. M. 1 ; VIDOTTI, S. A. B. G. 1 A Rede Internet como a conhecemos hoje foi concebida inicialmente para fins militares e depois utilizada como

Leia mais

Direito de Autor e Sociedade da Informação

Direito de Autor e Sociedade da Informação Direito de Autor e Sociedade da Informação 1. Vivemos imersos há alguns anos, e de um modo crescentemente acentuado, na assim chamada sociedade da informação. Ao certo o rótulo não tem conteúdo definido,

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

Faculdade INED 26/08/2008. Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III. Banco de Dados e Sistemas para Internet.

Faculdade INED 26/08/2008. Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III. Banco de Dados e Sistemas para Internet. Faculdade INED Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III Legislação Propriedade Intelectual do Software Banco de Dados e Sistemas para Internet Agosto-2008 1 2 Referências Agenda PRESIDÊNCIA

Leia mais

CREATIVE COMMONS E PRODUÇÃO CULTURAL COLABORATIVA NO BRASIL LIMA, C.R.M. (UFSC). SANTINI, R.M. (IBICT/UFF e ECO/UFRJ).

CREATIVE COMMONS E PRODUÇÃO CULTURAL COLABORATIVA NO BRASIL LIMA, C.R.M. (UFSC). SANTINI, R.M. (IBICT/UFF e ECO/UFRJ). CREATIVE COMMONS E PRODUÇÃO CULTURAL COLABORATIVA NO BRASIL LIMA, C.R.M. (UFSC). SANTINI, R.M. (IBICT/UFF e ECO/UFRJ). RESUMO O conceito de propriedade intelectual parece esgotado e se mostra inadequado

Leia mais

III Congresso Internacional de Direito Autoral Obras Musicais e Internet

III Congresso Internacional de Direito Autoral Obras Musicais e Internet III Congresso Internacional de Direito Autoral Obras Musicais e Internet Questões Atuais de Direito Autoral Cópia Privada Compartilhamento de Arquivos - Peer-to-Peer Panorama Atual Digital Music Report

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO TERMOS E CONDIÇÕES DE USO 1 DA ACEITAÇÃO DOS TERMOS E CONDIÇÕES DE USO... 2 2 DA PLATAFORMA DIGITAL DE APRENDIZAGEM... 2 3 DO CADASTRO... 2 4 DO REGISTRO DE DADOS PESSOAIS... 3 5 DA UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini

DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini IME USP Outubro/2007 Direitos Autorais Lei nº 9.610/98 Propriedade imaterial Direitos autorais Propriedade industrial Direitos

Leia mais

Direitos autorais e a EAD

Direitos autorais e a EAD Direitos autorais e a EAD 1 II FÓRUM DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DO PODER JUDICIÁRIO ROGER TRIMER Boas notícias A educação a distância tem liderado uma tendência de volta do conteúdo didático no processo de

Leia mais

Seul Declaração da Sociedade Civil e do Trabalho. A Conferência Ministerial da OCDE Sobre o futuro da economia da Internet Seul, Coréia 16 junho 2008

Seul Declaração da Sociedade Civil e do Trabalho. A Conferência Ministerial da OCDE Sobre o futuro da economia da Internet Seul, Coréia 16 junho 2008 Seul Declaração da Sociedade Civil e do Trabalho A Conferência Ministerial da OCDE Sobre o futuro da economia da Internet Seul, Coréia 16 junho 2008 Esta reunião de organizações da sociedade civil e do

Leia mais

Condições gerais do Paylogic Nederland BV

Condições gerais do Paylogic Nederland BV Artigo 1º Definições Condições gerais do Paylogic Nederland BV 1.1 Nestas Condições gerais, as seguintes definições são utilizadas: Cliente Condições gerais Seguro de cancelamento A parte que faz a compra

Leia mais

PROJETO INTEGRADO DE NEGÓCIOS

PROJETO INTEGRADO DE NEGÓCIOS PROJETO INTEGRADO DE NEGÓCIOS MONITORAMENTO DE MÍDIAS SOCIAIS MBA em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação Prof. André Luiz de Freitas @CYS Fundação Getúlio Vargas Componentes Carlos Narvais Fabiano

Leia mais

Ref.: Política de uso de Internet e correio eletrônico

Ref.: Política de uso de Internet e correio eletrônico Ref.: Política de uso de Internet e correio eletrônico Introdução A PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL-CHILE, através de seu setor de Tecnologia da Informação, tem como objetivo o provimento de um serviço de qualidade,

Leia mais

Trilha IV Internet e Direitos Humanos

Trilha IV Internet e Direitos Humanos Trilha IV Internet e Direitos Humanos Temas e Posicionamentos Exposições das(os) Painelistas Posicionamentos Cláudio Machado (APAI-CRVS Programa Africano p/ Fortalecimento Registro Civil, terceiro setor)

Leia mais

Grupo de Estudos Direito, Tecnologia e Inovação

Grupo de Estudos Direito, Tecnologia e Inovação Grupo de Estudos Direito, Tecnologia e Inovação O Centro de Tecnologia e Sociedade (CTS) tem como missão estudar as implicações jurídicas, econômicas, sociais e culturais advindas do avanço das tecnologias

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO.

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME 1 - Considerações Éticas Fundamentais Como um colaborador da. - ME eu devo: 1.1- Contribuir para a sociedade e bem-estar do ser humano. O maior valor da computação é o seu potencial de melhorar o bem-estar

Leia mais

A TDHost se reserva ao direito de adicionar, excluir ou modificar qualquer cláusula deste termo a qualquer momento.

A TDHost se reserva ao direito de adicionar, excluir ou modificar qualquer cláusula deste termo a qualquer momento. Termos de serviços A TDHost se reserva ao direito de adicionar, excluir ou modificar qualquer cláusula deste termo a qualquer momento. O Cliente concorda que se comprometerá a ajustar-se a estas mudanças,

Leia mais

PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMA: 2015. PIBIC Barros Melo. Professor responsável: Alexandre Henrique Saldanha

PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMA: 2015. PIBIC Barros Melo. Professor responsável: Alexandre Henrique Saldanha PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMA: 2015 PIBIC Barros Melo Professor responsável: Alexandre Henrique Saldanha 2015 Título do Projeto: Direitos Autorais e Liberdades Constitucionais na Cibercultura

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS www.espm.br/centraldecases Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM SP. Disciplinas

Leia mais

REGULAMENTO PRÊMIO FOLHABV DE CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA

REGULAMENTO PRÊMIO FOLHABV DE CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA REGULAMENTO PRÊMIO FOLHABV DE CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA A EDITORA BOA VISTA LTDA, pessoa jurídica de direito privado, com sede na Rua Lobo D almada, 43, na cidade Boa Vista, Estado de Roraima, inscrita no CNPJ

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BASEADO NA NORMA ABNT 21:204.01-010 A Política de segurança da informação, na empresa Agiliza Promotora de Vendas, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta a utilização dos serviços corporativos disponíveis na rede de computadores da ANAC. A DIRETORA-PRESIDENTE

Leia mais

Monitoramento de e-mail corporativo

Monitoramento de e-mail corporativo Monitoramento de e-mail corporativo Mario Luiz Bernardinelli 1 (mariolb@gmail.com) 12 de Junho de 2009 Resumo A evolução tecnológica tem afetado as relações pessoais desde o advento da Internet. Existem

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO 1 OBJETIVO: 1.1 A presente

Leia mais

Síntese. Diretrizes da OCDE para a Proteção da. Privacidade e dos Fluxos Transfronteiriços de. Dados Pessoais

Síntese. Diretrizes da OCDE para a Proteção da. Privacidade e dos Fluxos Transfronteiriços de. Dados Pessoais Síntese Diretrizes da OCDE para a Proteção da Privacidade e dos Fluxos Transfronteiriços de Dados Pessoais Overview OECD Guidelines on the Protection of Privacy and Transborder Flows of Personal Data As

Leia mais

MOBICONDO TERMOS DO SERVIÇO

MOBICONDO TERMOS DO SERVIÇO MOBICONDO TERMOS DO SERVIÇO FBT Tecnologia LTDA - ME., inscrita no CNPJ sob no 20.167.162/0001-26, com sede na Av Ipiranga 7464, 9º Andar Sala 914, Porto Alegre - RS, única e exclusiva proprietária do

Leia mais

Proteger a informação de uma ameaça inclui evitar o seu corrompimento, o seu acesso às pessoas não autorizadas e seu furto ou deleção indevida.

Proteger a informação de uma ameaça inclui evitar o seu corrompimento, o seu acesso às pessoas não autorizadas e seu furto ou deleção indevida. Segurança da Informação é a proteção das informações contra os vários tipos de ameaças as quais estão expostas, para garantir a continuidade do negócio, minimizar o risco ao negócio, maximizar o retorno

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A decisão contra o Pirate Bay e sua repercussão sobre o futuro do direito autoral na internet Demócrito Reinaldo Filho * Quatro diretores do famoso site Pirate Bay [01] foram condenados,

Leia mais

Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit ("SDK") do SUSE Linux Enterprise 11 SP2

Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit (SDK) do SUSE Linux Enterprise 11 SP2 Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit ("SDK") do SUSE Linux Enterprise 11 SP2 LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO INSTALAR OU DE QUALQUER OUTRA FORMA UTILIZAR O SOFTWARE

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES Uma reflexão sobre a rede mundial de computadores 549 UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES por Guilherme Paiva de Carvalho * CASTELLS, Manuel. A galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet,

Leia mais

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão Chegar a acordo sobre definições de qualquer tipo pode ser uma tarefa de pôr os cabelos em pé, e um desperdício de tempo. Normalmente requer compromissos por parte

Leia mais

Consulte a parte de trás para obter informações sobre instalação rápida.

Consulte a parte de trás para obter informações sobre instalação rápida. Guia do Usuário Consulte a parte de trás para obter informações sobre instalação rápida. Protegemos mais usuários contra ameaças on-line do que qualquer outra empresa no mundo. Cuidar de nosso meio ambiente,

Leia mais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Nós, Hilti (Brasil) Comercial Ltda. (coletivamente, referido como Hilti, "nós", "nosso" ou "a gente") nessa Política

Leia mais

IBM Enterprise Marketing Management. Opções de Nome de Domínio para Email

IBM Enterprise Marketing Management. Opções de Nome de Domínio para Email IBM Enterprise Marketing Management Opções de Nome de Domínio para Email Nota Antes de utilizar estas informações e o produto que elas suportam, leia as informações em Avisos na página 5. Este documento

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

Aspectos Jurídicos no Uso de Dispositivos Pessoais no Ambiente Corporativo. Dra. CRISTINA SLEIMAN. Dra. Cristina Sleiman Diretora Executiva

Aspectos Jurídicos no Uso de Dispositivos Pessoais no Ambiente Corporativo. Dra. CRISTINA SLEIMAN. Dra. Cristina Sleiman Diretora Executiva Comissão de Direito eletrônico E Crimes de Alta Tecnologia Aspectos Jurídicos no Uso de Dispositivos Pessoais no Ambiente Corporativo Dra. CRISTINA SLEIMAN Dra. Cristina Sleiman Diretora Executiva SP,

Leia mais

CONTRATO DE API. iporto.com Serviços de Internet LTDA CNPJ: 09.249.136/0001-04

CONTRATO DE API. iporto.com Serviços de Internet LTDA CNPJ: 09.249.136/0001-04 CONTRATO DE API iporto.com Serviços de Internet LTDA CNPJ: 09.249.136/0001-04 Última revisão: 03 de julho de 2015 1. VISÃO GERAL: 1.1. Este é um contrato entre o CONTRATANTE, aqui anuente, e a CONTRATADA

Leia mais

Notícia de privacidade da Johnson Controls

Notícia de privacidade da Johnson Controls Notícia de privacidade da Johnson Controls A Johnson Controls, Inc. e companhias filiadas (coletivamente, Johnson Controls, nós ou nossa) respeitam sua privacidade e estão comprometidas em processar suas

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Termos de Serviço do Code Club World

Termos de Serviço do Code Club World Termos de Serviço do Code Club World POR FAVOR LEIA ESTE DOCUMENTO CUIDADOSAMENTE. CONTÉM INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE SEUS DIREITOS E OBRIGAÇÕES. CONTÉM TAMBÉM A ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE E A CLÁUSULA

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS Guilherme Carboni I. CRIAÇÕES INTELECTUAIS PROTEGIDAS PELA PROPRIEDADE INTELECTUAL Campo da Técnica Campo da Técnica Campo Estético Campo Estético Propriedade Industrial

Leia mais

COIFFEUR BRASIL. Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 03 de Junho de 2015.

COIFFEUR BRASIL. Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 03 de Junho de 2015. COIFFEUR BRASIL Termo e Condições de Uso v.1 Publicação dia 03 de Junho de 2015. Qualquer pessoa que se utilize dos serviços denominados Coiffeur Brasil (registrada sob CNPJ 20.402.266/0001 78 e localizada

Leia mais