ROSELI DE AGUIAR KUFNER TRAUMATISMOS DENTÁRIOS MAIS PREVALENTES EM CRIANÇAS DE 0 3 ANOS MATRICULADAS NOS CENTROS DE EDUCAÇÂO INFANTIL DE ITAJAÍ, 2005

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROSELI DE AGUIAR KUFNER TRAUMATISMOS DENTÁRIOS MAIS PREVALENTES EM CRIANÇAS DE 0 3 ANOS MATRICULADAS NOS CENTROS DE EDUCAÇÂO INFANTIL DE ITAJAÍ, 2005"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA ROSELI DE AGUIAR KUFNER TRAUMATISMOS DENTÁRIOS MAIS PREVALENTES EM CRIANÇAS DE 0 3 ANOS MATRICULADAS NOS CENTROS DE EDUCAÇÂO INFANTIL DE ITAJAÍ, 2005 Itajaí, (SC) 2006

2 2 ROSELI DE AGUIAR KUFNER TRAUMATISMOS DENTÁRIOS MAIS PREVALENTES EM CRIANÇAS DE 0 A 3 ANOS MATRICULADAS NOS CENTROS DE EDUCAÇÂO INFANTIL DE ITAJAÍ, 2005 Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito parcial para obtenção do título de cirurgião-dentista do Curso de Odontologia da Universidade do Vale do Itajaí. Orientadora: Profa. Ana Claudina Prudêncio Serratine Itajaí SC, 2006

3 3 TRAUMATISMOS DENTÁRIOS MAIS PREVALENTES EM CRIANÇAS DE 0 A 3 ANOS MATRICULADAS NOS CENTROS DE EDUCAÇÂO INFANTIL DE ITAJAÍ, 2005 Roseli de Aguiar KUFNER Orientadora: Profa. Ana Claudina Prudêncio SERRATINE Data da defesa: abril de 2004 Resumo: Este estudo teve por objetivo verificar a prevalência dos diversos tipos de traumas dentários em crianças de 0 a 3 anos de idade. Um estudo do tipo transversal foi realizado com crianças matriculadas nos Centros de Educação Infantil de Itajaí/SC no ano de O cálculo da amostra foi feito com base nos critérios da Organização Mundial de Saúde para cidades com mais de habitantes. Selecionou-se quatro pontos de coleta que, juntos constituíram uma amostra total de 297 indivíduos. A primeira etapa da pesquisa consistiu de visitas para orientação do trabalho a ser realizado. Em uma segunda etapa foram realizados exames clínicos seguindo os critérios de diagnóstico de Children s Dental Health Survey do Reino Unido (1994), em relação ao tipo de dano. A etiologia dos traumatismos dentários levantados foi obtida em uma terceira etapa, através de questionários enviados aos pais e responsáveis, e em alguns casos optou-se pela entrevista direta. Os resultados mostraram uma prevalência de injúrias traumáticas em 19,5% da população infantil avaliada. O sexo masculino foi o mais acometido, em uma proporção de 1,6 meninos para cada 1 menina. Os tipos de traumatismos mais encontrados foram as fraturas em esmalte apenas e em esmalte e dentina. As causas mais comuns foram as quedas e os elementos mais agredidos foram os incisivos centrais superiores. O índice significativo de traumatismos causados por pequenos acidentes, mostra a importância de se observar com mais cuidado esta fase do desenvolvimento infantil. Palavras chaves: trauma, prevalência, crianças, fraturas, quedas.

4 4 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA Conceito e classificação Principais causas e conseqüências dos traumatismos dentários Resultados de estudos epidemiológicos de traumatismo dentário em crianças Resultados de estudos epidemiológicos sobre o assunto realizados no Estado de Santa Catarina MATERIAIS E MÉTODOS RESULTADOS Análise descritiva Análise estatística DISCUSSÃO CONCLUSÂO... 26

5 5 1 INTRODUÇÃO As ocorrências de traumatismos dentários são situações com as quais os profissionais da Odontologia devem estar familiarizados e preparados para poder diagnosticar e tratar adequadamente. Segundo Pinkham (1996), a maioria das urgências odontológicas envolvendo crianças de 12 a 30 meses é resultado de traumatismos. São momentos de emergência que alteram a rotina clínica, trazendo ao consultório pacientes pediátricos agitados e com sintomas dolorosos e familiares aflitos. As crianças freqüentemente são vítimas de acidentes envolvendo a cavidade bucal, especialmente durante a fase de bebê até por volta dos 3 anos de idade. Neste período ocorre um rápido crescimento e desenvolvimento psicomotor, quando as crianças aprendem a andar e logo, a correr e brincar. Segundo Corrêa (1998), o traumatismo dental em lactentes e pré-escolares é um tema relativamente pouco pesquisado, se comparado à vasta publicação concernente às lesões que ocorrem em escolares e adolescentes. Contudo, estudos têm evidenciado que cerca de um terço das crianças em fase de dentição decídua sofrem lesões traumáticas na região bucal. Os traumatismos dentários são considerados injúrias de natureza térmica, química ou física que afetam um ou mais dentes. São agressões em que os processos de cicatrização e reparo ocorrem de forma diferente das outras partes do corpo, pois não acontecem logo após o incidente. Um dente traumatizado pode levar mais de 5 anos para manifestar conseqüências. Os traumatismos alvéolo-dentários na dentição decídua merecem uma especial atenção da área odontológica, mas o tratamento é multidisciplinar, pois envolve aspectos médicos e sociais. Pode produzir um impacto psicológico negativo

6 6 na criança, pois causará embaraço ao sorrir, além de desconforto físico, dores, dificuldades na mastigação e na pronúncia. Torna-se, então, imprescindível ao profissional o conhecimento científico, a capacidade de dominar a situação, a calma para executar o atendimento e a importância de investigar a etiologia do traumatismo. Na literatura encontram-se muitos estudos epidemiológicos relatando a prevalência de traumatismos dentários na infância. Entretanto, a grande maioria deles envolve escolares a partir de 5 anos de idade. Especificamente em Santa Catarina, foram realizados muitos estudos epidemiológicos de prevalência de traumatismos na infância, porém, relacionados a escolares, a partir de sete anos de idade. Decidiu-se então, realizar um levantamento através de pesquisa de campo de casos de traumatismos dentários em crianças de 0 a 3 anos de idade que freqüentavam os Centros de Educação Infantil do município de Itajaí/SC no ano de Os critérios para avaliação dos traumatismos dentários utilizados nesta pesquisa foram os mesmos utilizados na maioria dos estudos mais recentes que avaliaram a sua prevalência, como a pesquisa nacional do Reino Unido (O BRIEN, 1994), com pequenas adaptações para adequarem-se ao exame apenas de dentes decíduos. Entretanto, traumatismos dentários envolvendo raiz, cemento ou ambos não foram incluídos nesta avaliação pela impossibilidade de utilização de métodos radiográficos imediatos. Após o levantamento, elaborou-se material didático para esclarecer professores, pais e/ou responsáveis a respeito das conseqüências dos traumatismos dentários e principalmente salientar a importância de procurar atendimento imediato, independentemente da ocorrência ou não de sinais ou sintomas.

7 7 2 REVISÃO DE LITERATURA 2.1 Conceito e classificação Traumatismo dentário é uma lesão de extensão, intensidade e gravidade variáveis, decorrente de ações diretas ou indiretas, de origem acidental ou intencional, causada por forças que atuam no órgão dentário (CORRÊA, 1998: SILVA et al,; 1999). Segundo PInkham (1996), as lesões dentárias podem envolver a coroa, a raiz, ou ambas. Podem se limitar a esmalte ou envolver dentina e polpa, sendo este último caso o mais complicado. As lesões mais comuns são luxações ou deslocamentos, que danificam as estruturas de suporte como o ligamento periodontal e osso alveolar. As luxações apresentam-se de várias formas: Concussão: o ligamento absorve a lesão e inflama, causando sensibilidade durante a mastigação e percussão, mas sem apresentar mobilidade. Mobilidade: o dente encontra-se frouxo, mas permanece em seu alvéolo. Intrusão: o dente é introduzido no seu alvéolo comprimindo o ligamento periodontal. Extrusão: o dente apresenta-se projetado para fora de seu alvéolo, o ligamento periodontal geralmente é rompido. Luxação lateral: o dente se desloca para vestibular, lingual ou lateral. Avulsão: o ligamento se rompe totalmente e o dente se desprende do alvéolo. Segundo Corrêa (1998) e Andreasen (2000), existem dois tipos de trauma na dentição decídua:

8 8 Direto: quando o próprio dente é atingido em situações de impacto contra superfícies duras, como móveis, paredes e piso, agredindo principalmente a região anterior. Indireto: quando a arcada dentária inferior é violentamente fechada contra a superior por impacto na região do mento. Neste caso podem ocorrer fraturas de molares, fraturas ósseas na região dos côndilos e sínfise, e ainda, envolvimento encefálico. Segundo Silva et al. (1999), classificar os tipos de lesões traumáticas têm por objetivo facilitar o diagnóstico e elaboração do plano de tratamento, estabelecendose um prognóstico baseado em experiências clínicas. Podem ser utilizados muitos fatores para classificação como: etiologia, anatomia, patologia e formas de tratamento. A classificação a seguir baseia-se em aspectos anatômicos e no sistema preconizado pela OMS, 1999: Infração: fratura incompleta do esmalte sem perda de substância dentária. Fratura não complicada da coroa: fratura limitada ao esmalte ou que atinge tanto o esmalte como a dentina, mas que não expõe a polpa. Fratura complicada da coroa: fratura que atinge o esmalte, a dentina e expõe a polpa. Fratura não complicada da coroa e da raiz: fratura que atinge o esmalte, a dentina e o cemento, mas não expõe a polpa. Fratura complicada da coroa e da raiz: fratura que atinge o esmalte, a dentina e o cemento e expõe a polpa. Fratura da raiz: fratura que atinge a dentina, o cemento e expõe a polpa.

9 9 2.2 Principais causas e conseqüências dos traumatismos dentários Segundo Kock et al. (1995), a incidência de lesões aos dentes decíduos é mais elevada entre 1 e 3 anos de idade. Os autores enfatizam que crianças com protrusão maxilar são cinco vezes mais suscetíveis a lesões dentárias do que crianças com oclusão normal. Segundo Pinkham (1996), assim que as crianças começam a andar, caem com freqüência para frente, aterrizando sobre suas mãos e joelhos. A falta de coordenação durante esta fase de desenvolvimento os impede de se proteger contra golpes recebidos de mobílias e outros objetos que elas possam encontrar durante a queda. Os acidentes automobilísticos pela falta do uso de cadeiras de contenção ou cintos de segurança são outra causa importante de lesões dentárias em crianças de pequena idade. A incidência de traumatismos também é grande em crianças portadoras de problemas convulsivos crônicos. Pode-se incluir ainda, maus tratos infantis. Corrêa (1998) concorda com Pinkham (1996), que as quedas e colisões acidentais são responsáveis pela maioria dos casos de traumatismo na primeira infância. Podem estar relacionados a quedas do colo da mãe, do carrinho de bebê, de lugares altos (móveis, escada, escorregador) ou em movimento (gira-gira). Ainda de acordo com Corrêa (1998), o surgimento de alterações em um dente decíduo traumatizado, no primeiro ano pós-trauma, depende do estágio de desenvolvimento radicular. Crianças com menos de 2 anos tendem a apresentar menos seqüelas nos incisivos decíduos, pois os ápices estão abertos e atravessados por amplo feixe de fibras neurovasculares, o que favorece a recuperação. Devido à contigüidade do ápice do dente decíduo e o germe do permanente, o traumatismo pode causar anomalias ao seu sucessor, seja por contato direto ou inflamação periapical

10 10 proveniente do dente decíduo. A ocorrência e extensão dos distúrbios estão relacionadas à intensidade do traumatismo, ao estágio de formação do germe dentário do permanente e ao tipo e força do impacto. Quanto mais jovem for a criança no momento do impacto, mais severos e numerosos os danos ao desenvolvimento da coroa do elemento permanente. Luxações intrusivas e avulsões contribuem para distúrbios tardios de desenvolvimento, pois fraturas ou compressões do osso alveolar causam danos diretos ao sucessor, inclusive distúrbios na cronologia de erupção relacionados à perda precoce dos decíduos traumatizados. Segundo Guedes-Pinto (1999), várias causas têm sido associadas ao traumatismo infantil, mas quedas e colisões acidentais são responsáveis pela maioria dos casos. Ainda em menor freqüência acidentes automobilísticos e ciclísticos. O mesmo autor em 2000, alertou que os traumatismos em dentes decíduos constituem problema grave, podendo ser considerados, verdadeiramente, uma situação especial, não só devido aos problemas dentários, mas também pelo envolvimento emocional da criança. Além disso, afirmou que as crianças até 3 anos de idade são mais expostas aos traumatismos em conseqüência de quedas, desde que começam suas tentativas para caminhar, por não apresentarem controle motor e equilíbrio bem desenvolvidos. As complicações tardias dependem do tipo e da intensidade do traumatismo, podendo levar, com o decorrer do tempo, a repercussões tanto para a polpa quanto para o ligamento periodontal. Nos casos de intrusão mais severa poderá haver deslocamento da coroa do dente permanente provocando dilaceração, pois a raiz continua crescendo no mesmo sentido; surge, então, angulação entre a coroa e a raiz, a qual na maioria dos casos, impede a erupção do dente permanente. Existem sempre as possibilidades de traumatismos sobre os decíduos afetarem os permanentes, dada a sua estreita relação com as

11 11 coroas dos permanentes. Muitas vezes, quando um traumatismo sobre dente decíduo provoca intrusão acentuada, pode lesar a estrutura dentária do permanente, causando hipoplasia, geralmente visível após a erupção. Andreasen (2000) salientou que as complicações tardias dependem do tipo e da intensidade do traumatismo, podendo levar, com o decorrer do tempo, a repercussões tanto para a polpa quanto para o ligamento periodontal, bem como afetarem os germes dos dentes permanentes substitutos. Segundo ele os dentes mais atingidos são os incisivos centrais, seguidos dos laterais e com menor freqüência ocorrem traumatismos dentários múltiplos, com envolvimento de dois ou mais dentes. Segundo Schames (2002), no momento do acidente poderão acontecer muitas situações, desde o corte de gengiva e lábios ao comprometimento dental perceptível, como sangramento ao redor dos dentes, seu amolecimento, fratura de algum pedacinho ou mesmo deslocamentos de suas posições originais. Poderá, inclusive, ocorrer avulsão do alvéolo. Também podem ocorrer danos não visíveis, sob a gengiva, como a fratura de raiz. Essas conseqüências ocorrem de forma isolada ou em conjunto, acometendo um ou mais dentes, dependendo da intensidade do acidente. Mesmo se no momento do traumatismo tudo parecer normal, só o tempo dará uma resposta segura. Cerca de dois ou três dias após o acidente, pode acontecer uma mudança de cor devido à hemorragia interna. Meses após, pode ocorrer necrose pulpar, degenerações ou reabsorções. Alguns desses fatos ocasionam uma indesejável perda prematura do elemento decíduo ou alterações nos dentes permanentes sucessores.

12 Resultados de estudos epidemiológicos de traumatismo dentário em crianças Walter et al. (1996), citou que no Brasil dois trabalhos importantes pesquisaram os tipos de traumatismos dentários na dentição decídua: Yared (1983) que avaliou crianças de 10 a 72 meses em Bauru, SP, e Ferelle (1991), que estudou crianças entre 1 dia e 30 meses levadas à Bebê Clínica da Universidade Estadual de Londrina. O primeiro avaliou uma amostra de 576 crianças, com idade entre 10 e 72 meses, de ambos os sexos, e encontrou: Subluxação (38,05%), fratura de esmalte (21,07%), fratura coronária (18,23%), concussão (7,55%), Fratura radicular (6,20%), intrusão (4,40%), avulsão (1,57%) e nenhum caso de extrusão. No trabalho realizado por Ferelle, foi utilizada uma amostra de crianças de ambos os sexos, com idade entre 1 dia e 30 meses, levadas a Bebê Clínica da Universidade Estadual de Londrina e encontrados os seguintes resultados: Subluxação (16,48%), fratura de esmalte (16,48%), fratura de esmalte, dentina e polpa (14,98%), fratura de esmalte e dentina (14,98%), intrusão (13,48%), avulsão (8,24%), luxação lateral (5,99%), concussão (3,37%), fratura radicular (2,25%) e fratura de esmalte, dentina, polpa e cemento (1,12%). Al-Majed et al. (2001), realizaram em estudo em Riad, Arábia Saudita, com 354 meninos com idade entre 5 e 6 anos e 862 meninos na idade entre 12 e 14 anos. Observaram uma prevalência de traumatismos dentários de 33% para os meninos entre 5 e 6 anos e 34% para os meninos entre 12 e 14 anos. Os tipos de traumatismos mais freqüentes foram as fraturas de esmalte (74%). Mais recentemente, Silva et al. (2003), avaliaram 70 crianças entre 6 e 33 meses atendidas na Clínica de Bebês da FOB-USP em Bauru no ano de Foi verificada uma ocorrência de 12,86% de traumatismos nesta população.

13 13 Ainda em 2003, o levantamento feito por Bianco et al, estudou prontuários de casos de traumatismos dentários em pacientes de 0 a 3 anos de idade atendidos na Bebê Clínica da Faculdade de Odontologia de Araçatuba no período de janeiro de 1996 a outubro de A freqüência de injúrias traumáticas foi de 16,3%, com maior acometimento do sexo masculino (62,6%). As crianças entre 1 e 2 anos de idade tiveram 39,9% dos casos e os incisivos centrais superiores foram os mais acometidos (86%). A principal causa foi queda (58,3%), fraturas coronárias (49,4%) predominando sobre luxações (40,9%). 2.4 Resultados de estudos epidemiológicos sobre o assunto realizados no Estado de Santa Catarina Especificamente no Estado de Santa Catarina foram realizadas pesquisas como o de Marcenes et al. (2000), que estudaram o traumatismo dentário em 476 escolares de 12 anos de idade do município de Jaraguá do Sul/SC. Observaram uma prevalência de 15,3%, com predominância do sexo masculino (20,7%) em relação ao feminino (9,3%), sendo o principal fator etiológico as quedas, acidentes automobilísticos e práticas desportivas. Os tipos mais comuns de fraturas foram em esmalte apenas e em esmalte e dentina. Marcenes et al. (2001) estudaram o traumatismo dentário em 652 escolares de 12 anos de idade, matriculados em escolas públicas e privadas em Blumenau/SC. Houve prevalência de 58,6% de traumatismo dentário, com meninos em 67,2% dos casos e meninas 50,2%. Tipos mais comuns de injúrias, apenas fraturas de esmalte ou esmalte e dentina com ou sem alteração de cor. Facena (2001), estudou traumatismo dentário em 281 escolares de 12 anos de idade de Joaçaba/SC. Observou uma prevalência de traumatismos dentários de

14 14 11% com tendência maior para os meninos. Na maioria dos casos a agressão foi aos incisivos centrais superiores. Bittencourt (2001), estudou traumatismo dentário em 260 escolares de 12 anos de idade residentes no município de Herval D Oeste. Observou uma prevalência de 17,7% de casos de traumatismos dentários, sendo 60,9% no sexo masculino e 39,1% no feminino. Fraturas de esmalte somente e esmalte e dentina foram os tipos de injúrias mais comuns. Traebert et al. (2003), estudaram a etiologia do traumatismo dentário em escolares com idade entre 11 e 13 anos de escolas públicas e privadas de Biguaçú/SC. As causas mais encontradas foram relacionadas a brincadeiras (28,9%) seguidas por jogos (18,2%), colisões (9,1%) e quedas (8,3%). Traebert realizou em 2004, um novo estudo sobre a prevalência de traumatismos dentários, também utilizando uma amostra de escolares com idade entre 11 e 13 anos de escolas públicas e privadas de Biguaçú/SC. A prevalência encontrada foi de 10,7% e os tipos mais comuns de traumas foram fraturas de esmalte somente e de esmalte e dentina sem envolvimento pulpar. Dentes mais acometidos foram os incisivos. Os meninos tiveram maior prevalência (13,6%) do que as meninas (7,6%).

15 15 3 MATERIAIS E MÉTODOS Esta pesquisa foi realizada na cidade de Itajaí, Estado de Santa Catarina, tendo como população alvo crianças de 0 a 3 anos de idade matriculadas nos Centros de Educação Infantil municipais dentro do perímetro urbano da cidade. Foi um estudo do tipo transversal com o objetivo de conhecer a prevalência e etiologia do traumatismo na dentição decídua destes escolares, bem como relacionar a sua ocorrência com idade e sexo. Para a obtenção dos dados clínicos de traumatismo dentário e suas seqüelas foram realizados exames clínicos dentro dos Centros de Educação Infantil durante o horário normal das aulas. Os critérios para avaliação dos traumatismos dentários que foram utilizados nesta pesquisa foram os mesmos utilizados na maioria dos estudos mais recentes que avaliaram a sua prevalência, como a pesquisa nacional do Reino Unido (O BRIEN, 1994), com pequenas adaptações para adequarem-se ao exame apenas de dentes decíduos (quadro 1). Entretanto, traumatismos dentários envolvendo raiz, cemento ou ambos não foram incluídos nesta avaliação pela impossibilidade de utilização de métodos radiográficos imediatos. A relação dos Centros de Educação Infantil municipais e o número de crianças matriculadas em cada uma foram obtidos junto à Secretaria Municipal de Educação de Itajaí, conforme anexo A. O município contava no ano de 2005 com um total de vinte e cinco (25) Centros de Educação Infantil municipais, que atendiam aproximadamente crianças na faixa etária de 0 a 3 anos de idade.

16 16 CÓDIGO CRITÉRIO DESCRIÇAO 0 Sem traumatismo Não observação de dano traumático nos Incisivos e caninos. 1 Fratura do esmalte Perda de estrutura do esmalte, não atingindo dentina. somente 2 Fratura do esmalte e Perda de estrutura do esmalte e dentina, sem dentina 3 Qualquer fratura e sinais ou sintomas de envolvimento pulpar 4 Sem fratura mas com sinais ou sintomas de envolvimento pulpar exposição pulpar. Perda de estrutura do esmalte e dentina e sinais ou sintomas de envolvimento pulpar como exposição, escurecimento ou presença de fístula na região vestibular ou lingual do dente examinado ou dentes adjacentes saudáveis. Sem perda de estrutura do esmalte e dentina, mas com sinais e sintomas de envolvimento pulpar como escurecimento ou presença de fístula na região vestibular ou lingual do dente examinado ou dentes adjacentes saudáveis. 5 Dente perdido devido Espaços vazios entre os dentes anteriores onde o ao traumatismo examinado perdeu o dente devido ao traumatismo 6 Outro dano Outros tipos de traumatismo que não os acima expostos. Especificar. Quadro 1 - Escala de códigos, critérios e descrição de traumatismos dentários. Fonte: O Brien,1994. Segundo a Organização Mundial de Saúde, os critérios para estabelecimento de uma amostra suficiente, de acordo com o número de habitantes do município de Itajaí/SC, baseiam-se em definir quatro pontos de coleta na cidade com um número mínimo de vinte e cinco (25) indivíduos em cada ponto. Para cumprir esta norma foram selecionadas por sorteio aleatório, quatro (4) Centros de Educação Infantil identificados: CAIC (fotografia 1) com 90 crianças, Mauricélia A. do Nascimento (fotografia 3) com 86 crianças, Vereador Heluiz Gonzaga (fotografia 5) com 83 crianças e Valdemir de Souza (fotografia 7) com 82 crianças. Os quatro (4) pontos de coleta resultaram em um total de trezentas e quarenta e uma (341) crianças, de acordo com a relação de crianças constantes do anexo A. Entretanto, 44 (quarenta e quatro) destas, não puderam ser incluídas na amostra, em virtude de já terem mais de 3 (três) de idade. O estudo foi realizado em três (3) etapas distintas. A etapa I teve por objetivo o reconhecimento dos pontos de coleta através de visitas realizadas nos Centros de

17 17 Educação Infantil selecionados. As visitas tiveram por finalidade esclarecer à direção de cada instituição os objetivos da pesquisa e sua importância, bem como definir as atividades que seriam realizadas nas visitas futuras e obtenção das autorizações dos pais e responsáveis por cada criança, para a participação no trabalho. Após o consentimento de pais, responsáveis e direção de cada Centro de Educação Infantil partiu-se para a etapa II da pesquisa. Nesta fase, uma nova visita a cada entidade foi feita para a realização de exames clínicos individuais. A obtenção dos dados clínicos foi realizada dentro do próprio Centro de Educação Infantil durante o horário normal de funcionamento. Cada criança foi avaliada observando-se elementos dentais anteriores superiores e inferiores, faces lingual/palatal, vestibular e tecidos moles. Para a execução dos exames clínicos os dentes deveriam estar secos e limpos por gaze estéril, e examinados sob luz natural. Os tecidos bucais foram afastados com auxílio de espátulas descartáveis. O examinador utilizou luvas descartáveis, um par para cada criança, jaleco, máscara e óculos de proteção. Durante esta etapa da pesquisa foram identificados e classificados os casos de presença ou ausência de traumatismos dentários, segundo critérios já mencionados. Após a localização dos casos presentes de traumatismos, iniciou-se a etapa III da pesquisa, a qual teve por finalidade a obtenção dos dados não clínicos, através da aplicação de questionários (apêndice A), enviados aos pais e responsáveis, e em forma de entrevistas estruturadas, feitas de forma oral dentro das entidades. Por estes meios obtiveram-se dados familiares, históricos dos acidentes, inclusive questões relacionadas ao tempo decorrido, locais, etiologias e condutas no momento em que ocorreram, assim como tratamentos realizados e conseqüências. Durante esta fase também foram solicitadas autorizações (apêndice B) para documentação fotográfica e tomadas radiográficas.

18 18 4 RESULTADOS 4.1 Análise descritiva A população avaliada foi composta por 297 crianças na faixa etária de 0 a 3 anos de idade, sendo que 143 eram do sexo masculino e 154 eram do sexo feminino. Observou-se a presença de traumatismo dentário em 19,5% (tabela 1), dos quais 62,1% eram meninos e 37,9% eram meninas (tabela 2). O tipo de traumatismo mais comum encontrado foi a fratura apenas em esmalte, em 44,9% dos casos, seguida da fratura de esmalte e dentina, 18,9% (tabela 3). As causas mais freqüentes foram as quedas durante brincadeiras, 15,5% dos casos pesquisados, e as quedas correndo, em 8,6% (tabela 4). Quanto à idade, a maior incidência, 94,8%, foi em crianças na faixa 19 a 36 meses. Entre 13 e 18 meses apenas 5,2% das ocorrências e nada foi encontrado nas faixas de 0 a 6 meses, e 7 a 12 meses (tabela 5). A localização dos traumas limitou-se apenas a região anterior, sendo os incisivos centrais superiores os mais afetados, com presença de traumatismo em 77,6% das crianças. Em 12,1% houve acometimento de incisivos laterais superiores, fraturas múltiplas presentes em mais de um elemento foram encontradas em apenas 8,6% (tabela 6). Verificaram-se ainda duas ocorrências isoladas, uma de trauma generalizado provocado por má-oclusão, devido a alterações causadas por sífilis congênita, e um caso de trauma em tecidos moles (tabela 6).

19 Análise estatística Tabela 1: Freqüência de dentes traumatizados na população de estudo Presença de trauma Freqüência absoluta Freqüência relativa Presente 58 19,5% Ausente ,5% Total % Tabela 2: Freqüência de dentes traumatizados de acordo com o sexo Sexo Freqüência absoluta Freqüência relativa Masculino 36 62,1% Feminino 22 37,90% Total ,00% Tabela 3: Freqüência de dentes traumatizados de acordo o tipo de trauma Tipo de trauma Freqüência Absoluta Freqüência relativa 1-Fratura de esmalte 26 44,9% 2-Fratura de esmalte/dentina 11 18,9% 3-Qualquer fratura c/envolv. pulpar 04 6,9% 4-Sem fratura c/envolv. pulpar 04 6,9% 5-Dente perdido p/trauma 00 00% 6-Outros danos* 13 22,4% Total % * Especificações do código 6: hipoplasia de esmalte, ausências, anquilose, desnível, alterações congênitas

20 20 Tabela 4: Freqüência de dentes traumatizados de acordo com a causa Causa Freqüência absoluta Freqüência relativa 1-Quedas correndo 05 8,6% 2-Quedas brincando 09 15,5% 3-Quedas nas creches 02 3,5% 4-Quedas do andador 01 1,7% 5-Quedas do berço 01 1,7% 6-Apertamento dental 02 3,4% 7-Outros (doenças, medicação) 03 5,2% 8-Desconhecida p/responsáveis 13 22,4% 9-Sem resposta 22 38% Total % Tabela 5: Freqüência de dentes traumatizados de acordo com a idade Faixa etária Freqüência absoluta Freqüência relativa 0 a 6 meses 0 00% 7 a 12 meses 0 00% 13 a 18 meses 3 5,2% 19 a 36 meses 55 94,8% Total %

21 21 Tabela 6: Freqüência de traumatismos de acordo com a localização Dente afetado Freqüência absoluta Freqüência relativa 1-Incisivo central superior 45 77,6% 2-Incisivo lateral superior 07 12,1% 3-Vários elementos 05 8,6% 4-Tecidos moles 01 1,7% Total %

22 22 5 DISCUSSÃO No decorrer da pesquisa constatou-se a escassez de trabalhos abrangendo crianças na faixa etária de 0 a 3 anos. Os poucos realizados no Brasil limitam-se, em sua maioria, a levantamentos dentro de clínicas de atendimento infantil e fundamentam-se em prontuários com diagnósticos feitos. As pesquisas em geral de campo envolvem preferencialmente crianças a partir de 5 anos de idade e adolescentes. O quadro a seguir mostra dados de alguns dos levantamentos de traumatismos dentários realizados no Brasil. Autores Idade Tamanho Localidade Freqüência relativa da amostra de casos Silva et al.,(2003) 6 a 33 meses 70 Bauru/SP 12,86% Bianco et al., (2003) 0 a 3 anos Araçatuba/PR 16,30% Quadro 2: Resultados de levantamentos de traumatismos dentários realizados em populações infantis. Com relação à freqüência de ocorrência de traumatismos dentários em crianças na faixa de 0 a 3 anos, a incidência encontrada de 19,5%, mostrou-se próxima as das outras pesquisas, apesar das diferenças de metodologia aplicadas e do tamanho entre as amostras apresentadas no quadro 2. Silva et al. (2003) avaliaram 70 crianças em idade intermediária, 6 a 33 meses, atendidas na Clínica de Bebês da FOB-USP. Como a faixa de idade foi bastante restrita e a amostra pequena, o índice apresentou-se reduzido, 12,86%. Na pesquisa feita por Bianco et al. (2003), a amostra foi bem maior e envolveu crianças na mesma faixa etária da presente pesquisa, porém, a metodologia foi semelhante à anterior. Foram estudados prontuários de pacientes atendidos na Bebê Clínica da Faculdade

23 23 de Odontologia de Araçatuba. A freqüência de injúrias traumáticas atingiu 16,3%, aproximando-se do resultado deste levantamento. Pode-se ainda citar outros trabalhos, como o de Al-Majed et al. (2001) que analisaram uma população exclusivamente masculina com idade entre 5 e 6 anos da cidade de Riad, Arábia Saudita. Dos 354 meninos avaliados, 33% apresentaram algum tipo de traumatismo dentário. Comparando-se aos índices já citados, é uma prevalência bastante alta. Quanto à prevalência do sexo, a amostra utilizada foi bastante equilibrada, sendo composta por 48,1% de meninos e 51,9% de meninas. O sexo masculino foi o mais acometido com uma freqüência relativa de 62,1% da população infantil avaliada, em uma proporção de 1,6 meninos para cada 1 menina. Este resultado vai ao encontro ao levantamento feito por Bianco et al. (2003), que observou 62,6% de prevalência para o sexo masculino. Estudos epidemiológicos realizados em várias localidades de Santa Catarina, com crianças entre 11 e 13 anos de idades, apresentaram valores de prevalência variados, porém, sempre com predominância para o sexo masculino. Das injúrias traumáticas localizadas, o tipo mais comum foi o de fratura somente em esmalte, 44,9% dos casos, seguido por outros tipos de danos variados com 22,4%, e fratura de esmalte e dentina com 18,9%. Com relação à fratura somente em esmalte, o resultado foi semelhante aos 49,4% encontrados por Bianco et al. (2003). O trabalho realizado por Ferelle (1991), com crianças entre um dia e 30 meses, apresentou as fraturas de esmalte e esmalte e dentina, como os tipos mais comuns de injúria. No caso de Al-Majed et al. (2001), que avaliaram apenas meninos, as fraturas de esmalte atingiram 74% do total. As causas mais freqüentes observadas foram as quedas, principalmente durante as brincadeiras, 15,5% e correndo 8,6% dos casos. Agrupando-se os tipos

24 24 de queda especificados na tabela 4, obtém-se uma freqüência relativa de 31%. Este percentual, apesar de significativo, foi inferior ao encontrado por Bianco et al. em 2003, que observaram queda como a principal causa em 58,3% das crianças na mesma faixa de 0 a 3 anos de idade. Traebert et al. (2003), em sua pesquisa com crianças entre 11 e 13 anos de idade, verificaram as quedas em 8,3% desta população; outros fatores tiveram valores superiores, como as colisões (9,1%), jogos (18,2%), brincadeiras (28,9%). Os resultados mostram que a etiologia das lesões traumáticas se altera de acordo com a faixa etária. Crianças maiores têm o equilíbrio e a coordenação motora bem desenvolvidos, estando assim, sujeitos a sofrerem menos quedas. Segundo Guedes-Pinto (2000), as crianças até os 3 anos de idade estão mais expostas aos traumatismos em conseqüência de quedas pelas tentativas de caminhar. Conforme a tabela 5, as crianças avaliadas foram agrupadas em três faixas distintas de idade, para destacar a importância de cada fase de desenvolvimento durante a primeira infância. De 0 a 12 meses nenhum dano foi encontrado. Entre 13 e 18 meses de idade a freqüência relativa de ocorrência de injúrias traumáticas foi de 5,2%. Foi a fase inicial das ocorrências, porque é o período em que os pequenos aprendem a ficar em pé sem apoio e começam a caminhar. Na fase de 19 a 36 meses, encontraram-se 94,8% dos casos. Nesta etapa as crianças já possuem equilíbrio para andar sem grandes dificuldades e sentem-se seguras para se arriscar correndo, subindo escadas ou em brinquedos de parque. Por fim, estas investidas encontram as limitações fisiológicas próprias da idade, e os resultados são quedas constantes. Quanto à localização dos traumatismos dentários, 77,6% das crianças apresentaram injúrias em um dos incisivos centrais superiores. Em 12,1%, foi um dos incisivos laterais superiores. As fraturas em mais de um elemento, foram mais

25 25 incomuns, tiveram apenas 8,6%. Observou-se um caso de acidente recente, onde ainda havia sinais de lesão grave ao periodonto de proteção. Nesta mesma faixa de idade, o levantamento feito por Bianco et al., em 2003, também confirmou que os elementos dentários mais acometidos foram os incisivos centrais superiores, 86%. Um alto índice que se assemelha ao encontrado acima. Facena (2001) estudou escolares de 12 anos e afirmou igualmente, que a maioria dos casos a agressão foi aos incisivos centrais superiores. A mesma constatação foi feita por Traebert (2004) em sua pesquisa com crianças entre 11 e 13 anos de idade. Ainda em concordância com os resultados do presente trabalho, Andreasen (2000), afirmou que os dentes mais atingidos são os incisivos centrais, seguidos dos laterais e com menor freqüência ocorrem traumatismos dentários múltiplos, com envolvimento de dois ou mais dentes. Os resultados confirmam a grande suscetibilidade de dentes anteriores aos traumatismos, especialmente os incisivos centrais superiores pela sua localização adiante dos demais elementos e implantados em base óssea imóvel, impossibilitando movimentos defensivos.

26 26 6 CONCLUSÂO Na população estudada a prevalência dos traumatismos dentários foi de 19,5%. As crianças do sexo masculino foram mais acometidas que as do sexo feminino, na proporção de 1,6:1. Os elementos dentários mais agredidos foram os incisivos centrais superiores. O tipo de traumatismo mais freqüente foi a fratura de esmalte que correspondeu a 44,9% de todos os traumatismos. Na faixa etária de 19 a 36 meses ocorreu o maior percentual de traumatismos, 94,8% dos casos.

27 27 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS Os resultados desta pesquisa mostraram que os traumatismos dentários são muito freqüentes em crianças de 0 a 3 anos de idade. Os tipos mais comuns foram as pequenas fraturas em esmalte, inclusive trincas superficiais. As causas mais comuns foram as quedas, diretamente relacionadas à fase de desenvolvimento motor em que as crianças se encontram. A maior freqüência ocorre entre a população masculina, que mostrou maior agitação em relação à feminina. A população avaliada encontra-se nas classes socioeconômicas média-baixa e baixa, pertencente a famílias cuja mãe precisa trabalhar fora de casa e, por essa razão, as crianças passam a maior parte do dia nos Centros de Educação Infantil municipais. Este é, provavelmente, o fator que justifica o alto índice de desconhecimento das causas das injúrias dentárias observadas na pesquisa. Outro fato preocupante reside na falta de zelo pelos dentes decíduos. Uma grande parte dos pais ou responsáveis pelas crianças acredita que, por serem temporários, os decíduos não são importantes e não necessitam de maiores cuidados. Isto também foi confirmado pelo desinteresse no preenchimento dos questionários, relutância em participar da pesquisa e na resistência para autorizações de radiografias e fotos. O desconhecimento das possíveis conseqüências tardias dos traumatismos dentários em dentes decíduos, pode resultar em futuras surpresas desagradáveis, como dentes permanentes com alterações de cor, erupções ectópicas e outros. Danos que poderiam ser evitados ou pelo menos amenizados, com tratamentos no momento certo, visto que, impedir os pequenos acidentes infantis de acontecerem é particularmente difícil.

28 28 Um dos papéis da Odontologia atual é o de educar para a saúde. Por isso é tão importante que os profissionais assumam também a posição de orientadores. É preciso motivação para chegar perto das pessoas, levar informações e incentivar a sua aplicação prática. Sem dúvida, este é um dos grandes artifícios para mudar uma realidade social, mesmo que pareça pouco. As grandes mudanças não ocorrem sem que as pequenas venham primeiro.

29 29 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AL-MAJED; MURRAY J.J.; MAGUIRE A. Prevalence of dental trauma in 5-6 and yearold boys in Riyadh, Saudi Arabia. Dent Traumatol, v.17, n.4, p , ANDREASEN, J. O. et al. Manual de Traumatismo Dental. São Paulo: Artes Médicas, p. BIANCO, K. G. et al. Traumatismos dentários em pacientes assistidos na bebê-clínica da Faculdade de Odontologia de Araçatuba - UNESP. In: Jornada Odontológica de Bauru, 16., 2003, São Paulo. Resumos...São Paulo, 2003 BITTENCOURT, D. Prevalência e etiologia do traumatismo dental na dentição permanente de 12 anos de idade do município de Herval D Oeste-SC, Brasil. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização). Escola de Aperfeiçoamento Profissional, Associação Brasileira de Odontologia, Joaçaba, CORRÊA, M. S. N. P. Odontopediatria na Primeira Infância. São Paulo: Santos, p FACENA, F. Prevalência e etiologia do traumatismo dental na dentição permanente em escolares de 12 anos de idade da rede pública de ensino do município de Joaçaba/SC. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização). Escola de Aperfeiçoamento Profissional, Associação Brasileira de Odontologia, Joaçaba, GUEDES-PINTO, A. C. et al. Reabilitação Bucal em Odontopediatria: Integral. São Paulo: Artes Médicas, p Atendimento GUEDES-PINTO, A. C. Odontopediatria. 6. ed. São Paulo: Artes Médicas, p KOCK, G. et al. Odontopediatria. Uma Abordagem Clínica. 2. ed. São Paulo: Santos, p MARCENES, W. ; ALESSI, O. N.; TRAEBERT, J. Causes and prevalence of traumatic injuries to the permanent incisors of school children age 12 years in Jaraguá do Sul, Brazil. Int Dent J, London, v.50, n.2, p.87-92, MARCENES, W.; ZABOT, N. E.; TRAEBERT, J. Socioeconomic correlates of traumatic injuries to the permanent incisors in schollchildren aged 12 years in Blumenau, Brasil. Dent Traumatol, v.17, n.5, p , OMS. ORGANIZAÇAO MUNDIAL DE SAÚDE. Levantamentos Básicos em Saúde Bucal. 4. ed. São Paulo: Santos, O BRIEN, M. Children s Dental Health in the United Kingdom In Report of Dental Survey, Office of Population Censuses and Surveys. London: Her Majesty s Stationery Office, PINKHAM, J. R. Odontopediatria. Da Infância à Adolescência. 2. ed. São Paulo: Artes Médicas, p SCHAMES, C.P.U. Traumatismos nos dentes de leite. Revista Alô Bebê, n.14, nov Disponível: <http://www.alobebe.com.br>. Acesso em: 10 maio SILVA. J.; VALCANAIA,T.; STEVAO, E. Pediatria em Odontologia. Enfoque Multidisciplinar. Recife: Universitária UFPE, p

30 30 SILVA, T. C. da; SILVA, S. M. B.; MACHADO, M. A. A. M. Traumatismos dento-alveolares em bebês. Faculdade de Odontologia de Bauru - USP. In: Jornada Odontológica de Bauru, 16., 2003, São Paulo. Resumos... São Paulo,2003. TRAEBERT, J.; ALMEIDA, I. C.; MARCENES, W. Etiology of traumatic dental injuries in 11 to 13-year-old schoolchildren. Oral Health Prev Dent, v.1, n.4, p , TRAEBERT, J. Prevalência, necessidade de tratamento e fatores predisponentes do traumatismo na dentição permanente de escolares de 11 a 13 anos de idade. Caderno de Saúde Pública, v.20, n.2, p , WALTER, L. R. F.; FERELLE, A.; ISSAO, M. Odontologia para o bebê. São Paulo: Artes Médicas, p

31 31 ANEXO A: Relação dos alunos de 0 a 3 anos matriculados nos Centros de Educação Infantil de Itajaí/SC ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJAÍ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO INFANTIL Centros de Educação Infantil Berçário Maternal Turmas Alunos Turmas Alunos 01 Adélia R Silva Amélia M dos Reis Antonieta M. dos Santos Euclides S. Meirinho Hercílio Bento João C. Pereira João Vieira Ramos Lea Leal de Souza Márcio Roberto Rosa Mariana Graciola Neusa Reis C. Pereira Nilton de Andrade Norma Neves Tabalipa Nossa Srª das Graças Nossa Srª de Lourdes CAIC Alzira Winter Mauricélia A.Nascimento Onadir da Silva Tedeo Rosinha de Souza Sagrada Família Tancredo Neves Valdemir de Souza Ver. Heluiz Gonzaga Ver. Otávio C. Pereira

32 32 APÊNDICE A: Entrevista utilizada para coleta de dados UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA TÍTULO DA PESQUISA: Traumatismos dentários mais prevalentes em crianças de 0 a 3 anos de idade matriculadas no Centros de Educação Infantil de Itajaí, Dados da criança 1.1 Nome da criança: 1.2. Sexo: Idade: 2. Histórico da ocorrência do traumatismo dentário 2.1. A criança sofreu algum tipo de acidente? 2.2.Em caso positivo descreva onde e como ocorreu o acidente Ocorreram ferimentos em outras regiões da boca ou do do rosto? 2.4. O que foi feito no momento do acidente para socorrer a criança? 2.5. Caso não tenha sido acidente, a criança mordeu algo muito duro? 2.6. O que ela mordeu? 2.7. A criança já apresentou alguma doença ou febres muito altas? 2.8. A mãe apresentou alguma doença ou tomou antibióticos durante a gravidez? Quais? 2.9. Caso a criança tenha sido atendida por um dentista ou médico, que providências ele tomou e qual o diagnóstico?

33 33 APÊNDICE B: Solicitação de autorização para realização de fotos e radiografias enviada aos pais e responsáveis pelas crianças. UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA AUTORIZAÇÃO Eu, ( Nome do responsável pela criança) autorizo a realização de fotos e raio-x dental em ( Nome da criança) que ocorrerá na Faculdade de Odontologia da UNIVALI de Itajaí, em data previamente marcada e durante o horário normal de aulas. Afirmo estar ciente da autorização acima. Assinatura do responsável

34 34 APÊNDICE C: Fotografias Fotografia 1: Centro de Educação Infantil CAIC no bairro São Vicente em Itajaí/SC Fotografia 2: Maternal do Centro de Educação Infantil CAIC.

35 35 Fotografia 3: Centro de Educação Infantil Mauricélia A. do Nascimento no bairro Cordeiros em Itajaí/SC Fotografia 4: Berçário do Centro de Educação Infantil Mauricélia A. do Nascimento.

36 36 Fotografia 5: Centro de Educação Infantil Ver. Heluiz Gonzaga no bairro Vila Operária em Itajaí/SC. Fotografia 6: Maternal do Centro de Educação Infantil Ver. Heluiz Gonzaga.

37 37 Fotografia 7: Centro de Educação Infantil Valdemir de Souza no bairro Cordeiros em Itajaí/SC. Fotografia 8: Maternal do Centro de Educação Infantil Valdemir de Souza.

38 38 Fotografia 9: Caso de intrusão de incisivo central superior em menino de 3 anos, causada por queda de bicicleta. Fotografia 10: Caso de alteração de cor em incisivo central superior em criança de 2 anos e 11 meses, ocorrida alguns meses após traumatismo por queda.

39 39 Fotografia 11: Caso de fratura apenas em esmalte nos incisivos superiores em criança de 2 anos de idade.

Palavras chaves: Traumatismos dentários ; Dentes decíduos ; Dentes permanentes

Palavras chaves: Traumatismos dentários ; Dentes decíduos ; Dentes permanentes TRAUMATISMO EM DENTES DECÍDUOS E SUA REPERCUSSÃO EM DENTES PERMANENTES JOVENS: RELATO DE CASO Márcia Cançado FIGUEIREDO 1 ;Sérgio Estelita Cavalcante BARROS 1 ;Deise PONZONI 1 Raissa Nsensele NYARWAYA

Leia mais

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral PALESTRA A Importância da Saúde Bucal na Saúde Geral A saúde começa pela boca Os dentes são importantes na mastigação dos alimentos, fala, e estética, influenciando diretamente na auto-estima do indivíduo

Leia mais

OCORRÊNCIA E ETIOLOGIA DO TRAUMATISMO DENTAL EM ALUNOS DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL/RS

OCORRÊNCIA E ETIOLOGIA DO TRAUMATISMO DENTAL EM ALUNOS DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL/RS Revista de Endodontia Pesquisa e Ensino On Line - Ano 4, Número 7, Janeiro/Junho, 2008. 1 OCORRÊNCIA E ETIOLOGIA DO TRAUMATISMO DENTAL EM ALUNOS DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO

Leia mais

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Vamos descrever a seguir as principais imagens das alterações da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas patológicas. FORMA

Leia mais

ABRA A BOCA CONTRA O CÂNCER BUCAL

ABRA A BOCA CONTRA O CÂNCER BUCAL Protocolo Nº: 002-S. Unidade(s) de aprendizagem ou disciplina de referência: Diagnóstico Bucal ( Unidade de Aprendizagem); Patologia Buco Dental e Estomatologia I e II ( disciplina de referência) Ementa:

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE TRAUMATISMO DENTO-ALVEOLAR EM ESPORTISTAS DE RIBEIRÃO PRETO

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE TRAUMATISMO DENTO-ALVEOLAR EM ESPORTISTAS DE RIBEIRÃO PRETO TÍTULO: AVALIAÇÃO DE TRAUMATISMO DENTO-ALVEOLAR EM ESPORTISTAS DE RIBEIRÃO PRETO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ODONTOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO

Leia mais

TRAUMATISMO EM DENTES DECÍDUOS

TRAUMATISMO EM DENTES DECÍDUOS COMO TRATAR DENTES TRAUMATIZADOS OU PERDIDOS TRAUMATISMO EM DENTES DECÍDUOS E SUAS REPERCUSSÕES PARA AS DENTIÇÕES MARCIA TUROLLA WANDERLEY Professora de Odontopediatria da Faculdade de Odontologia da USP;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ODONTOPEDIATRIA 1. ODONTOPEDIATRIA PROFESSOR RESPONSÁVEL:

Leia mais

Cronologia dental. Professor: Bruno Aleixo Venturi. Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal

Cronologia dental. Professor: Bruno Aleixo Venturi. Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Cronologia dental Professor: Bruno Aleixo Venturi Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Anatomia dental A Anatomia dental é um segmento dedicado ao estudo da estrutura dental

Leia mais

Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA

Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA Autores: Ana Cláudia Morandini Sanchez, CD Serviço de saúde: Unidade de Saúde da Família VILA ANA Palavras-chaves: cárie dentária,

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola A avaliação e promoção de saúde bucal é ação essencial que integra o Componente I do Programa Saúde

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Traumatismo Alvéolo-Dentário em Dentes Permanentes: Elementos para Diagnóstico e Tratamento por Cristina Braga Xavier e Eduardo Luiz Barbin

Traumatismo Alvéolo-Dentário em Dentes Permanentes: Elementos para Diagnóstico e Tratamento por Cristina Braga Xavier e Eduardo Luiz Barbin Traumatismo Alvéolo-Dentário em Dentes Permanentes: Elementos para Diagnóstico e Tratamento por Cristina Braga Xavier e Eduardo Luiz Barbin Espera-se que a leitura deste documento forneça, de maneira rápida

Leia mais

Curso de Especialização em Endodontia

Curso de Especialização em Endodontia Curso de Especialização em Endodontia Coordenador: Prof. Nilton Vivacqua EndodontiaAvancada.com OBJETIVOS DO CURSO Este curso tem como objetivos colocar à disposição de clínicos gerais, a oportunidade

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44 Mitos e Verdades da Odontologia Mitos: Quanto maior e colorida for nossa escova dental, melhor! Mentira. A escova dental deve ser pequena ou média para permitir alcançar qualquer região da nossa boca.

Leia mais

Aula 9: Laudo Radiográfico

Aula 9: Laudo Radiográfico Aula 9: Laudo Radiográfico Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Definição: É a interpretação das imagens radiográficas, reconhecendo as estruturas e reparos anatômicos

Leia mais

PROJETO DE TRAUMATISMO DENTÁRIO, MUDANÇA DA REALIDADE

PROJETO DE TRAUMATISMO DENTÁRIO, MUDANÇA DA REALIDADE PROJETO DE TRAUMATISMO DENTÁRIO, MUDANÇA DA REALIDADE RESUMO ALMEIDA 4, Andressa Cartaxo de DASSUNÇÃO¹, Fábio Luiz Cunha FARIAS³, Ohana Rodrigues LIRA 4, Gabriela de Nazaré Wanderley MELO², Ângelo Brito

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três Perfil do proprietário de cães e gatos da cidade de Jataí GO em relação aos cuidados odontológicos de seus animais RESENDE, Lara Gisele¹; PAIVA, Jacqueline de Brito¹; ARAÚJO, Diego Pereira¹; CARVALHO,

Leia mais

Resumo. Endereço para correspondência: Flares Baratto Filho Rua Professor Pedro V. P. de Sousa, 1100 ap. 701 bloco 7 CEP 81200-100 Curitiba PR

Resumo. Endereço para correspondência: Flares Baratto Filho Rua Professor Pedro V. P. de Sousa, 1100 ap. 701 bloco 7 CEP 81200-100 Curitiba PR ISSN 1806-7727 Fatores etiológicos relacionados ao traumatismo alvéolo-dentário de pacientes atendidos no prontosocorro odontológico do Hospital Universitário Cajuru 1 Related etiologics factors to the

Leia mais

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução ODONTOLOGIA CANINA Juliana Kowalesky Médica Veterinária Mestre pela FMVZ -USP Pós graduada em Odontologia Veterinária - ANCLIVEPA SP Sócia Fundadora da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária

Leia mais

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES:

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES: SAÚDE BUCAL INTRODUÇÃO A evolução da Odontologia enquanto ciência da saúde é uma realidade incontestável. Dentro deste contexto de mudanças de paradigma, no qual a Promoção de Saúde toma o lugar da prática

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

Premissa. Códigos e rios

Premissa. Códigos e rios Índices epidemiológicos em saúde bucal 3/10/2011 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Premissa A epidemiologia pode ser definida como o estudo da distribuição e dos determinantes de eventos ou estados relacionados

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL. radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL. radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Neste tópico vamos descrever as principais alterações das imagens radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas

Leia mais

Sobre trauma dentário em crianças e adolescentes

Sobre trauma dentário em crianças e adolescentes PERGUNTAS E RESPOSTAS Sobre trauma dentário em crianças e adolescentes Vânia Portela Ditzel WESTPHALEN Everdan CARNEIRO Luiz Fernando FARINIUK Ulisses Xavier da SILVA NETO Liliane ROSKAMP Fernando Henrique

Leia mais

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal MÁ-OCLUSÃO Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal Sanitarista: Inconveniente estético ou funcional de grande magnitude que possa interferir no relacionamento do indivíduo

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista. Publicação mensal interna a Papaiz edição 1I maio de 2014. 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Assessoria ao Cirurgião Dentista. Publicação mensal interna a Papaiz edição 1I maio de 2014. 11 3894 3030 papaizassociados.com.br Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição 1I maio de 2014 11 3894 3030 papaizassociados.com.br 11 3894 3030 papaizassociados.com.br IMPORTÂNCIA DOS EXAMES RADIOGRÁFICOS

Leia mais

Linha 1: Resposta biológica nas terapias em Odontologia.

Linha 1: Resposta biológica nas terapias em Odontologia. Linha 1: Resposta biológica nas terapias em Odontologia. Descrição. O entendimento dos processos fisiológicos, celulares e moleculares associados com o uso de diversos materiais, medicamentos e demais

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR PREFEITURA DE BELO HORIZONTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR COORDENAÇÃO TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

Leia mais

CUIDE DOS SEUS DENTES

CUIDE DOS SEUS DENTES SENADO FEDERAL CUIDE DOS SEUS DENTES SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuide dos seus dentes apresentação Pesquisas científicas comprovam que dentes estragados provocam outras doenças que aparentemente não têm

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Departamento. Carga horária ODONTOPEDIATRIA - ODT 7013. Odontologia

PLANO DE ENSINO. Departamento. Carga horária ODONTOPEDIATRIA - ODT 7013. Odontologia PLANO DE ENSINO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Semestre: 2011/2 Nome da disciplina Departamento Fase Carga horária ODONTOPEDIATRIA - ODT 7013 Odontologia 8a 4 horas-aula/semana 72 horas-aula/semestre

Leia mais

ANOMALIAS DO DESENVOLVIMENTO DENTÁRIO

ANOMALIAS DO DESENVOLVIMENTO DENTÁRIO Disciplina: Patologia Oral e Maxilofacial ANOMALIAS DO DESENVOLVIMENTO DENTÁRIO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Anomalias do desenvolvimento da boca e Anomalias dentárias ANOMALIAS DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

5 Discussão dos Resultados

5 Discussão dos Resultados 87 5 Discussão dos Resultados No procedimento de análises das imagens gráficas obtidas nas simulações pelo método de elementos finitos, comparou-se a distribuição das tensões nas restaurações com material

Leia mais

Placa bacteriana espessa

Placa bacteriana espessa A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE BUCAL A saúde bucal é importante porque a maioria das doenças e a própria saúde começam pela boca. Por exemplo, se você não se alimenta bem, não conseguirá ter uma boa saúde bucal,

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo, DDS, MDSc, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com Introdução A associação do trauma oclusal (TO)

Leia mais

Fazendo de seu sorriso nossa obra de arte

Fazendo de seu sorriso nossa obra de arte TRATAMENTO ENDODÔNTICO Fazendo de seu sorriso nossa obra de arte O D O N T O LO G I A E S T É T I C A R E S TAU R A D O R A O que é tratamento endodôntico? É a remoção do tecido mole que se encontra na

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ESTUDAR COM ATENÇÃO AMPLIAR AS IMAGENS PARA OBSERVAR OS DETALHES O periodonto (peri= em redor de; odontos = dente) compreende a gengiva, o ligamento periodontal,

Leia mais

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica;

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica; Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Odontologia Extensão Universitária - ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular Conceitos Restauradores de Oclusão:

Leia mais

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA Cirurgia Oral A Cirurgia Oral é uma especialidade da Medicina Dentária que inclui o diagnóstico e o tratamento cirúrgico de patologias dos tecidos moles e tecidos duros

Leia mais

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO [ALMEIDA, Anna Alice Figueirêdo de; SILVA, Priscila Oliveira Costa; FERNANDES, Luana Ramos; SOUTO, Moama Araújo; LIMA-SILVA, Maria Fabiana Bonfim] Centro

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ.

EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ. EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ. Wilton Wilney Nascimento Padilha 1 Fátima Regina Nunes de Sousa 2 Yana Talita de Souza 3 Dayane Franco Mangueira 3 Renata

Leia mais

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Técnicas Radiográficas Periapical Exame do dente e osso alveolar que o rodeia; Interproximal Diagnóstico de cáries proximais, excessos marginais de restaurações;

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Promoção de saúde, paciente infantil, extensão

PALAVRAS CHAVE: Promoção de saúde, paciente infantil, extensão TÍTULO:PROGRAMA DE ATENÇÃO ODONTOLÓGICA À CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA AUTORES: Mesquita, M. F, Menezes, V. A*., Maciel, A. E.**, Barros, E.S INSTITUIÇÃO:Faculdade de Odontologia de Pernambuco. FOP/UPE

Leia mais

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO BARROS, Ítala Santina Bulhões 1 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 2 SILVA, Ariadne Estffany Máximo da

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC

PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC FERREIRA, Jean Carlos Barbosa.*¹; MARQUES, Aline Silva¹; SILVA, Julio. Almeida² DECURCIO, Daniel Almeida²; ALENCAR, Ana Helena Gonçalves³;

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE O órgão dentário, um dos elementos do aparelho mastigatório, é constituído por tecidos especificamente dentais (esmalte, dentina, polpa) e por tecidos periodontais

Leia mais

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA Dra. Maria Beatriz Silveira Schmitt Silva Coordenadora do SAMU do Vale do Itajaí Coordenadora Médica do SOS Unimed Blumenau Setembro/2010 Revisado em Fevereiro

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA RADIOLOGIA EM ORTODONTIA Sem dúvida alguma, o descobrimento do RX em 1.895, veio revolucionar o diagnóstico de diversas anomalias no campo da Medicina. A Odontologia, sendo área da saúde, como não poderia

Leia mais

... ... ANÁLISE DOS REGISTROS DE ACIDENTES 2013 PROGRAMA. Ação integrante do Projeto Comissão de Saúde / Programa Unimed Vida

... ... ANÁLISE DOS REGISTROS DE ACIDENTES 2013 PROGRAMA. Ação integrante do Projeto Comissão de Saúde / Programa Unimed Vida ~........................................ ANÁLISE DOS REGISTROS DE ACIDENTES 213 PROGRAMA Unimed..........................Vida.............. Ação integrante do Projeto Comissão de Saúde / Programa Unimed

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10

Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10 Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10 K00 - Distúrbios do Desenvolvimento e da Erupção Dos Dentes K00.0 - Anodontia K00.1 - Dentes Supranumerários

Leia mais

Guia de Orientação a concussão para o público geral

Guia de Orientação a concussão para o público geral FATOS DE UMA CONCUSSÃO A concussão é uma lesão cerebral. Todas as concussões são graves. Os abalos podem ocorrer sem perda de consciência. Todo atleta com os sintomas de uma lesão na cabeça deve ser removido

Leia mais

Avaliação das injúrias dentárias observadas no Centro de Trauma Dental da Faculdade de Odontologia de Piracicaba Unicamp

Avaliação das injúrias dentárias observadas no Centro de Trauma Dental da Faculdade de Odontologia de Piracicaba Unicamp Avaliação das injúrias dentárias observadas no Centro de Trauma Dental da Faculdade de Odontologia de Piracicaba Unicamp Evaluation of the traumatic dental injuries attended at the Traumatic Dental Center

Leia mais

Pesquisa Brasileira em Odontopediatria e Clínica Integrada ISSN: 1519-0501 apesb@terra.com.br Universidade Federal da Paraíba Brasil

Pesquisa Brasileira em Odontopediatria e Clínica Integrada ISSN: 1519-0501 apesb@terra.com.br Universidade Federal da Paraíba Brasil Pesquisa Brasileira em Odontopediatria e Clínica Integrada ISSN: 1519-0501 apesb@terra.com.br Universidade Federal da Paraíba Brasil Barbosa Gonçalves PEDRONI, Larisse; Awad BARCELLOS, Ludmilla; Monteiro

Leia mais

MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO DIAS, Larissa Nadine Silva 1 FARIAS, Luciana Lombardi Pedrosa de 2 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 3 RESUMO A adolescência

Leia mais

Traumatismo em dentes permanentes recém-irrompidos: prevalência e fatores associados em escolares do município de Tubarão - SC

Traumatismo em dentes permanentes recém-irrompidos: prevalência e fatores associados em escolares do município de Tubarão - SC Revista de Odontologia da UNESP. 2008; 37(4): 363-369 2008 - ISSN 1807-2577 Traumatismo em dentes permanentes recém-irrompidos: prevalência e fatores associados em escolares do município de Tubarão - SC

Leia mais

ANATOMIA INTERNA DENTAL

ANATOMIA INTERNA DENTAL ANATOMIA INTERNA DENTAL Cavidade Pulpar: Espaço no interior dos dentes onde se aloja a polpa. Esta cavidade reproduz a morfologia externa do dente,podendo se distinguir duas porções: uma coronária e outra

Leia mais

Fraturas do Terço Médio da Face

Fraturas do Terço Médio da Face Fraturas do Terço Médio da Face Epidemiologia: Pico de incidência entre 15 e 30 anos Homens correspondem a 60-80% As principais causas são acidente automobilístico, agressão, esportes radicais e quedas

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Odontologia 2013-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Odontologia 2013-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Odontologia 2013-1 INCIDÊNCIA DE HIPERTROFIA DE CORNETOS NASAIS INFERIORES NUMA POPULAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

ANATOMIA DO PERIODONTO

ANATOMIA DO PERIODONTO INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação DISCIPLINA DE PERIODONTIA ANATOMIA DO PERIODONTO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2012 PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO Ligamento

Leia mais

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES Ana Karolina Paiva Braga 1 ; Juliana Campos Rodovalho 1 ; Lílian Fernanda Pacheco 2 ; Cibelle Kayenne Martins Roberto Formiga

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 8 Wilson. Fundamentação Teórica: Trauma dental

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 8 Wilson. Fundamentação Teórica: Trauma dental CASO COMPLEXO 8 Wilson : Kristianne Porta Nos casos de traumatismo dental, como relatado na descrição do caso, começamos com a investigação da história médica, passamos para a história do traumatismo e

Leia mais

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura?

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura? Volume1 O que é? O que é Hemofilia? Hemofilia é uma alteração hereditária da coagulação do sangue que causa hemorragias e é provocada por uma deficiência na quantidade ou qualidade dos fatores VIII (oito)

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 385 VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

O presente trabalho visa relatar um programa de promoção de saúde. desenvolvido como atividade de Extensão Universitária da Faculdade de

O presente trabalho visa relatar um programa de promoção de saúde. desenvolvido como atividade de Extensão Universitária da Faculdade de TÍTULO:PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE ALUNOS DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO FOP/UPE AUTORES: BARROS, E.S,, MACIEL, A*. E, MENEZES, V. A**., MESQUITA, M. F INSTITUIÇÃO: Faculdade de Odontologia

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS Acionamento do serviço de emergência Antes de iniciar qualquer procedimento, garanta sua segurança e acione o serviço de emergência. 193 192 Fonte:

Leia mais

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente).

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). Consiste na regularização do alvéolo (local onde está inserido o dente), geralmente após a

Leia mais

OBJETIVO. Palavras-chave: Saúde pública, perda auditiva e linguagem

OBJETIVO. Palavras-chave: Saúde pública, perda auditiva e linguagem LEVANTAMENTO DOS ASPECTOS RELACIONADOS AO USO E MANUTENÇÃO DO AASI E À TERAPIA FONOAUDIOLÓGICA EM CRIANÇAS E JOVENS COM PERDA AUDITIVA NA CIDADE DE SÃO PAULO. Palavras-chave: Saúde pública, perda auditiva

Leia mais

NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR!

NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR! NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR! Serviço de OncoHematologia do HIJG DIA NACIONAL DE COMBATE AO CÂNCER NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE O Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantojuvenil (lei

Leia mais

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES 21/06/2014 A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora vinculada ao Ministério da Saúde

Leia mais

Geração Saúde II. Episódio Saúde também começa pela boca

Geração Saúde II. Episódio Saúde também começa pela boca Geração Saúde II Episódio Saúde também começa pela boca Resumo É dia de visita à universidade. Os alunos vão conhecer um pouco mais sobre a Faculdade de Odontologia, o que os ajudará em uma grande decisão

Leia mais

DESENVOLVIMENTO LÚDICO COM BEBÊS: REPENSANDO OS POSSÍVEIS ESPAÇOS

DESENVOLVIMENTO LÚDICO COM BEBÊS: REPENSANDO OS POSSÍVEIS ESPAÇOS DESENVOLVIMENTO LÚDICO COM BEBÊS: REPENSANDO OS POSSÍVEIS ESPAÇOS Marcielen Vieira Santana (Autora) 1 Alessandra B. da Rocha (Co-autora) 2 Introdução Este trabalho surge da necessidade de compreender sobre

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Doenças Periodontais Tratamento e Prevenção 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Gengivite e Periodontite Guia para o paciente Aprenda mais sobre as Doenças Periodontais (de gengiva) As doenças

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA 1. Renata Emanuela de Queiroz Rêgo. Faculdade Santa Maria/FSM. Email: renata-emanuela@hotmail.com 2. Ankilma do Nascimento Andrade. Faculdade Santa Maria/FSM.

Leia mais

Luxação intrusiva na dentição decídua dois anos de acompanhamento 1

Luxação intrusiva na dentição decídua dois anos de acompanhamento 1 Luxação intrusiva na dentição decídua dois anos de acompanhamento 1 Intrusive luxation in primary dentition two years follow-up 1 Dinakel Bortoli* Larissa Corrêa Brusco** Paulo Floriani Kramer*** Eliane

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO TÍTULO: ALUNOS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM ATENDIDOS NO PROJETO EDUCAÇÃO ESPECIAL: ATIVIDADES DE EXTENSÃO, PESQUISA E ENSINO AUTORES: Luis Henrique de Freitas Calabresi, Maria da Piedade Resende da

Leia mais

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS ÍNDICE Apresentação...03 Hospital Universitário Cajuru...04 Estrutura...04 Especialidades Atendidas...05 Diferenças entre atendimento de urgência, emergência e eletivo...06 Protocolo de Atendimento...07

Leia mais

Alguns Indicadores de Saúde da Cidade do Rio de Janeiro segundo a variável Raça/Cor

Alguns Indicadores de Saúde da Cidade do Rio de Janeiro segundo a variável Raça/Cor Subsecretaria de Ações e Serviços de Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Informações Epidemiológicas Alguns Indicadores de Saúde da Cidade do Rio de Janeiro segundo a variável Raça/Cor

Leia mais

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral. Direcção-Geral da Saúde Divisão de Saúde Escolar

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral. Direcção-Geral da Saúde Divisão de Saúde Escolar Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Direcção-Geral da Saúde Divisão de Saúde Escolar Para apoio às acções de promoção e educação para a saúde em Saúde Oral Produzido pela: Divisão de Saúde Escolar

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 QUESTÃO 31 Com relação aos tecidos dentários, analise as afirmativas abaixo: 1) O esmalte é um tecido duro, que constitui a maior parte do dente, determinando a forma da coroa.

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) AUTORES Ingryd Coutinho de Oliveira Priscila Cunha Nascimento Discentes da Graduação em Odontologia e Bolsistas de Ensino

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Parasitoses. Saneamento básico. Antiparasitários.

PALAVRAS-CHAVE Parasitoses. Saneamento básico. Antiparasitários. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Curso de Capacitação em Bullying

Curso de Capacitação em Bullying Curso de Capacitação em Bullying Segundo pesquisa do Instituto Cidadania e da Fundação Perseu Abramo, a violência é o tema que mais preocupa os brasileiros entre 15 e 24 anos (55% do total), à frente de

Leia mais

Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli

Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli LIMA, Richard Presley 1 ; DOS SANTOS, Mateus Veppo 2 ; DE MOURA, Cariacy Silva 3 ; GUILLEN, Gabriel Albuquerque 4 ; MELLO, Thais Samarina Sousa

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria MEC nº 131 de 13.01.11, DOU de 17.01.11

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria MEC nº 131 de 13.01.11, DOU de 17.01.11 Componente Curricular: HISTOLOGIA BUCO-DENTAL Código: ODO-007 Pré-Requisito: HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA HUMANA Período Letivo: 2013.1 CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria MEC nº 131 de 13.01.11,

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeão e-mail: ssimeao@usc.br; Márcia Aparecida Nuevo Gatti e-mail:

Leia mais