Palavras-chave: Análise Dialógica do Discurso; Estudos Bakhtinianos do Discurso; Gêneros do Discurso.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chave: Análise Dialógica do Discurso; Estudos Bakhtinianos do Discurso; Gêneros do Discurso."

Transcrição

1 SLOVO - GRUPO DE ESTUDOS DO DISCURSO Renata Coelho MARCHEZAN (Unesp/Araraquara) Marina Célia MENDONÇA (Unesp/Araraquara) O SLOVO - Grupo de estudos do discurso é um grupo de pesquisa formado em 2006, cadastrado no CNPq e certificado pela Unesp, campus de Araraquara. Reúne pesquisadores de várias instituições nacionais, alunos de graduação e de pós-graduação. O interesse pelo discurso e pelo pensamento bakhtiniano congrega as pesquisas do grupo, que se voltam à identificação e desenvolvimento das contribuições bakhtinianas aos estudos discursivos atuais. Os projetos em desenvolvimento, todos inseridos na grande linha Análise Dialógica do Discurso, têm como objetivos: (1) constituir e consolidar uma metodologia de análise discursiva por meio de estudos da obra do Círculo de Bakhtin e de análises efetivas de córpus; além desse objetivo mais amplo, outro mais circunscrito, mas também comum a todos os projetos do grupo, cuida de (2) desenvolver caminhos de reflexão sobre a noção bakhtiniana de gêneros do discurso; um último objetivo visa (3) analisar diferentes gêneros discursivos. Esta apresentação reúne alguns dos pesquisadores do grupo, entre eles docentes da Unesp, docentes de outras IES nacionais e alunos de pós-graduação vinculados ao Programa de Pós-Graduação em Linguística e Língua Portuguesa da Unesp/Araraquara. Os trabalhos organizam-se em torno de algumas problemáticas caras aos estudos bakhtinianos: 1. As relações entre os escritos de Bakhtin e escritos filosóficos (no caso deste evento, apresenta-se relação entre Bakhtin e Simmel); 2. As relações entre eu e outro/outro em práticas de escrita escolar/científica e literária (toma-se por discussão a escrita de gênero argumentativo escolar, a escrita científica do jovem pesquisador, o discurso sobre a escrita/redação científica em videoaulas na internet, o dizer de si de escritores emergentes na internet, o discurso de Bruno de Menezes); 3. As relações entre eu e outro/outro no discurso pedagógico (em especial, na prova do ENEM) e no discurso midiático; 4. A estabilidade e a instabilidade dos gêneros do discurso produzidos na mídia (estudam-se as relações entre gêneros jornalísticos na mídia impressa e on-line; analisam-se anúncios impressos das décadas de 1940 e 1950; analisa-se a instabilidade do comentário na internet). Desta forma, neste encontro, o grupo pretende colocar em pauta a produtividade dos escritos do Círculo de Bakhtin para a análise de discursos que se produzem em diferentes esferas de atividade, colocando na centralidade de suas reflexões as relações entre eu e outro/outro e a problemática dos gêneros do discurso. Palavras-chave: Análise Dialógica do Discurso; Estudos Bakhtinianos do Discurso; Gêneros do Discurso.

2 A PROSA LITERÁRIA DE BRUNO DE MENEZES EM PERSPECTIVA DIALÓGICA. Ana Cleide Guimbal de AQUINO (SEDUC/PA) Bruno de Menezes possui uma obra vasta, que passa por prosa, poesia e folclore. Sua poesia é a parte de sua obra mais estudada; por isso, nesta pesquisa optamos por analisar duas obras em prosa: Maria Dagmar (novela, 1924) e Candunga: cenas das migrações nordestinas na zona bragantina (romance, 1954). Com fundamentação teórica baseada nas obras de Mikhail Bakhtin e seu Círculo, examinamos o corpus com o objetivo de caracterizar essa literatura, os valores sociais que veicula, o estilo, o projeto discursivo do autor e a composição arquitetônica das obras. Nas análises, tomamos como interlocutores, os críticos literários do autor, em especial, no que diz respeito às imagens cunhadas por eles, que se referem ao autor como: o escritor dos marginalizados, a voz que sai dos tambores (Benedito Nunes), o operário do verso (José Arthur Bogéa), a alma do povo (Abguar Bastos), o coração do subúrbio, do terreiro e dos arraiais (Dalcídio Jurandir), o poeta boêmio de Belém (Ramayana Chevalier), o poeta proletário/o poeta da gente simples (Santana Marques), a voz do nosso povo (Machado Coelho), Pai de Santo da poesia da terra (Gentil Puget), autêntico intérprete da gente de cor (Pedro Tupinambá), entre outros. Todas essas denominações podem ser encontradas de forma esparsa, na Revista Asas da Palavra (1996) e nos ensaios presentes no livro Bruno de Menezes ou a sutileza da transição (1994). Como resultado das análises, em Maria Dagmar, confirmamos alguns dos epítetos atribuídos pela crítica e apresentamos relações dialógicas com outros textos, um deles estabelecido pelo próprio autor Bruno de Menezes, como a novela A Ruiva, de Fialho D Almeida. Em Candunga, percebemos que a principal preocupação da obra está entre cultura e identidade, em especial a cabocla amazônica e a nordestina, falando em costumes, tradição, confirmando, dessa forma a imagem atribuída ao autor-criador como o de a voz do nosso povo, divulgador da cultura e escritor dos marginalizados. Para finalizar, podemos dizer que com a pesquisa, pretendemos contribuir também para a área mais ampla do campo literário que tem se esforçado por traçar a(s) identidade(s) literária(s) da literatura amazônica produzida no Pará. Palavras-Chave: Imagem; Gênero do discurso; Autor-criador; Literatura Amazônica; Bruno de Menezes.

3 ANÚNCIOS IMPRESSOS DAS DÉCADAS DE 1940 E 1950: UMA ANÁLISE DISCURSIVA Ana Lúcia Furquim CAMPOS-TOSCANO (UNI-FACEF) A presente pesquisa é uma reflexão sobre o gênero publicitário anúncio impresso veiculado em revistas nos anos 40 e 50, como por exemplo, Seleções, do Reader s Digest, uma publicação norte-americana. Esses anúncios, assim como outros discursos, entre eles, programas de rádio, filmes hollywoodianos e artigos de revistas, promoviam o American Way of life, isto é, incentivavam o estilo de vida capitalista americano ao divulgar produtos diversos, que começaram a invadir o cotidiano do brasileiro, exigindo, desse modo, uma nova maneira de olhar o mundo e de nele atuar. Para tanto, utilizamos como referencial teórico-metodológico, os estudos do Círculo de Mikhail Bakhtin sobre gêneros do discurso, dialogismo e ideologia. Como os enunciados que constituem os gêneros do discurso atendem às diversas finalidades das esferas de atividades humanas, os anúncios publicitários, pertencentes à esfera midiática, não somente buscam vender e contribuir para a divulgação de um produto ou de uma marca, como também têm o intuito discursivo de veicular ideologias e axiologias representativas do contexto sócio-histórico em que estão inseridos. Assim, num jogo dialógico em que vozes sociais apresentam-se, ora em consonância, ora em confronto, há o reflexo da realidade e a refração, compreendida como uma construção pautada na dinâmica da história e marcada pela experiência das práxis humanas, com seus inúmeros interesses sociais. Nessa ambiência, o objetivo de nosso trabalho é analisar propagandas diversas, como produtos de beleza e de higiene pessoal, eletrodomésticos, automóveis, refrigerantes e alimentos, a fim de verificarmos as ideologias e vozes sociais presentes nesses discursos. Objetivamos, ainda, compreender sua construção discursiva, principalmente no tocante aos elementos constitutivos de um gênero discursivo, ou seja, o conteúdo temático, o estilo e a estrutura composicional. Desse modo, é possível entender como foram sendo construídos discursos que valorizavam o sistema capitalista, cujos valores estão pautados no ato de comprar como forma de bem viver e da conquista de conforto. Palavras-chave: Gêneros do discurso; Dialogismo; Ideologia.

4 TENSÕES E ESTABILIDADES: JORNAIS IMPRESSOS E ON-LINE NA CONSTRUÇÃO DE NOVOS GÊNEROS Assunção Aparecida Laia CRISTÓVÃO (Capes/Unesp Araraquara) O advento de novas tecnologias foi responsável, por décadas a fio, pela morte anunciada do jornalismo tal como o conhecemos e como tem sido desenvolvido nos últimos dois séculos. Provavelmente nenhuma das novidades que decretaram precipitadamente o fim do jornal cinema, rádio, televisão teve um efeito tão devastador sobre essa atividade quanto a internet. Assim como o cinema e o rádio, a internet provocou mudanças profundas no jornalismo, tanto no campo empresarial quanto técnico, e o futuro da atividade ainda não se pode vislumbrar, uma vez que, por serem relativamente recentes, os gêneros discursivos do webjornalismo ainda não possuem a mesma estabilidade, no que se refere a conteúdo temático, composição formal e estilo, que os seus similares do jornalismo impresso. Apesar de todas as suas potencialidades, em especial aquelas típicas do meio web (interação, multimedialidade, ubiquidade, hipertextextualidade, instantaneidade, personalização e memória), nem sempre todos os recursos são utilizados para compor o texto noticioso e, aparentemente, a internet não alterou o que se conhece como texto jornalístico padrão, tipificado por possuir um lide (ou lead) e seguir a técnica consagrada da pirâmide invertida. Nesse contexto, propõe-se uma pesquisa que observe as influências que os gêneros jornalísticos estão sofrendo bem como as soluções que estão sendo adotadas por cada suporte, isto é, no formato impresso e nos meios digitais, para responder às novas exigências e pressões, tendo em vista a concorrência cada vez maior no mercado jornalístico e na internet. Para estudar a maneira utilizada para adequação das novas linguagens do jornalismo no suporte papel e virtual, a perspectiva teórica bakhtiniana revela-se de fundamental importância, em especial as noções de arquitetônica, gênero do discurso, autoria, esfera de atividade e enunciado concreto. Para a análise, será delimitado o seguinte córpus: versões on-line e impressa dos jornais O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo e O Globo, além da versão on-line dos portais Último Segundo e Terra, a fim de que se possam comparar veículos com e sem tradição no meio impresso. Palavras-chave: Estudos bakhtinianos; Jornalismo; Internet; Novas tecnologias. Apoio: Capes

5 A QUESTÃO DA MATEMÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÓGICA DAS PROVAS DO ENEM ( ) Carlos Eduardo da Silva FERREIRA (UNESP/CAPES) Tendo como ponto de partida desta pesquisa os estudos de fundamentação teórico-metodológica da Análise Dialógica do Discurso (ADD), este nosso trabalho promove debates sobre relações discursivas veiculadas em enunciados-questões (as perguntas) ligadas à Matemática no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), do período de 1998 (data inicial de aplicação da prova) até a recente avaliação de Propomos investigar quais parâmetros analíticos sobre o fazer matemático estão sendo colocados em pauta bem como engendrar relações discursivas que coloquem em cena articulações entre sujeitos/ candidatos, exame/processo seletivo e saberes matemáticos que podem ser traçadas no decorrer desta temporalidade a ser analisada. A importância desse exame de objetivos pode ser explicada como sendo o Enem: a) uma avaliação do desempenho dos estudantes concluintes da Educação Básica, b) um instrumento de seleção de candidatos para o Ensino Superior e, inclusive, c) uma proposta-base para a reestruturação de currículos do Ensino Médio, conforme o parecer de aprovação da matriz do Novo Enem, emitido pelo Conselho Nacional de Secretários de Educação, em Desta maneira, entendemos como importante e procedente pesquisar o tema avaliação em matemática, focalizando os estudos sobre práticas de ensino-aprendizagem. Por meio da investigação de compreensões sobre o movimento de circulação e emergência de vozes que ressignificam os conceitos sobre avaliação em Matemática no Enem, o cotejamento dos enunciados-questões do conjunto de provas nos dá caminho para analisar em que medida as alterações de esfera políticoeducacional expressam construções de posicionamentos/valores ideológicos sobre as relações de ensino-aprendizagem em matemática. Palavras-chave: análise do discurso; Círculo de Bakhtin; enunciados; ENEM; Matemática.

6 UMA PERSPECTIVA DIALÓGICA DO DISCURSO DA MÍDIA BRASILEIRA SOBRE A MACONHA. Carolina Gonçalves da SILVA (FCLAR-UNESP/CAPES) A partir de uma perspectiva bakhtiniana do discurso, que permite diálogo constante com outras teorias e múltiplos textos além do corpus da pesquisa e inclui vários conceitos postulados pelo Círculo de Bakhtin, que podem ser considerados mutuamente constituintes, como linguagem, enunciado, sujeito, alteridade, ideologia, este trabalho, de natureza qualitativa, pretende realizar uma análise dialógica, interpretativa, responsiva, baseada no cotejamento de textos que caracterizam o complexo discurso sobre a maconha no Brasil. Seu corpus é composto por matérias de capa sobre o assunto nas revistas Época, de 20 de Junho de 2009; Veja, de 31 de Outubro de 2012 e de 13 de novembro de 2013; Carta Capital, de 15 de Maio de 2013; Superinteressante, de 27 de Janeiro de 2014 e edição 338 de Outubro de 2014; Galileu, de Janeiro de 2013 e Rolling Stones, de março de 2014; num diálogo com o Projeto de Lei nº 7270/2014, de Jean Wyllys, e da Política Nacional Sobre Drogas, de 2005, como representantes, respectivamente, de novos posicionamentos políticos e do discurso oficial vigente sobre a questão. O objetivo desta pesquisa é verificar, através do que veicula a mídia impressa, o que dizem os discursos sobre a maconha no Brasil, quais as ideologias que os constituem, se eles têm mudado ao longo das últimas duas décadas se sim, qual o cunho de tal transformação? Se não, quais as forças que impedem tal movimento? Partindo dos enunciados em seus aspectos verbo-visuais, a análise se volta para os movimentos entre super e infraestrutura e essa complexa relação que constitui o discurso e permite apreender suas condições sócio-históricas de produção. Esta pesquisa busca, portanto, compreender a interação entre as forças centrípetas e centrífugas que compõem os múltiplos sentidos, nem sempre explícitos, dos discursos sobre a Maconha no Brasil, numa relação inesgotável com outros discursos do passado e do futuro, na busca de um retrato de seu momento atual e das transformações sociais que esses discursos podem representar. Palavras-Chave: Discurso; Dialogismo; Ideologia; Mídia; Maconha.

7 A CONSTRUÇÃO DA VOZ DO JOVEM PESQUISADOR NA ESCRITA DO TEXTO CIENTÍFICO: UM ESTUDO EM PERSPECTIVA DIALÓGICA José Cezinaldo Rocha BESSA (UNESP/UERN - CNPq) No presente trabalho, pretendemos apresentar resultados parciais de nossa pesquisa de doutorado em andamento, na qual objetivamos examinar diálogos que constituem o dizer do jovem pesquisador na escrita do texto científico, procurando observar como esses diálogos colaboram com a construção de uma voz autoral nessa escrita e, por conseguinte, com a constituição dele como sujeito/pesquisador. Os objetivos específicos da pesquisa procuram focalizar formas de presença da palavra alheia que constituem a voz do jovem pesquisador na escrita do texto científico e como ele relaciona dialogicamente sua voz com as vozes que convoca em seu texto. O trabalho está inserido na perspectiva da teoria/análise dialógica do discurso, conforme se tem entendido, aqui no Brasil, a contribuição do Círculo de Bakhtin. Nesse sentido, fundamentamos nosso trabalho em textos de pensadores do Círculo e de comentadores (AMORIM, 2002, 2004, 2009; BRAIT, 2010, 2012; BUBNOVA, 2011; CASTRO, 2009; FARACO, 2009; GERALDI, 2012; PONZIO, 2009, 2010, 2011, entre outros) que dialogam com esse textos. O trabalho encontra respaldo teórico também em contribuições sobre discurso citado/reportado/representação do discurso outro, mais precisamente no aspecto da caracterização das formas de citar/reportar/representar o discurso do outro, de estudiosos como Maingueneau (1996, 1997, 2008, 2011) e Authier-Revuz (1990, 2004, 2008, 2011a); bem como em contribuições de autores que discutem a temática da escrita científica, sobretudo em perspectiva enunciativa e/ou discursiva ou retórica, dentre os quais destacamos Boch (2013), Boch e Grossmann (2002), Hyland (2001, 2005, 2011), Pollet e Piette (2002), Petrić (2007, 2012) e Rinck e Mansour (2013). O corpus da pesquisa é constituído de 10 artigos científicos produzidos por jovens pesquisadores (estudantes com mestrado concluído ou em andamento) e publicados em anais de um evento acadêmico-científico promovido pela Associação Brasileira de Linguística (ABRALIN). Os dados parciais apontam que, na escrita do artigo científico, o jovem pesquisador constrói um de dizer utilizando-se de diferentes estratégias de estabelecer diálogo com a palavra do outro, algumas das quais relevam um complexo e produtivo trabalho de apropriação e assimilação dos dizeres dos autores citados, enquanto outras denunciam problemas relativos à manipulação inapropriada do dizer do outro e das fontes citadas, atestando, de um lado, a complexidade do citar na escrita científica, e, de outro lado, as dificuldades do sujeito jovem/pesquisador nessa escrita, as quais são concebidas aqui, antes de tudo, como próprias ao estágio de formação em que ele se encontra e ao seu processo de familiarização com convenções da esfera acadêmico-científica. Palavras-chave: Relações dialógicas; Escrita científica; Jovem pesquisador.

8 O CONTÍNUO ENTRE GÊNEROS: UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE COMENTÁRIOS EM RELAÇÃO AO TEXTO COMENTADO NO SITE Felipe Sousa de ANDRADE (UNESP/CAPES) Através das ideias do círculo de Bakhtin, mais especificamente sobre os gêneros discursivos mas não só analisamos no site a relação entre gênero discursivo tutorial e gênero discursivo comentário. Considerando que os gêneros se constituem, grosso modo, de estilo, modo composicional e conteúdo temático, olhamos para a concomitância desses aspectos no processo de leitura e escrita dos dois gêneros. É possível, então, ver similaridades: no tutorial, por exemplo, há o uso corrente de imagens, videos e, principalmente, da palavra escrita, cada um com particularidades próprias; no comentário, por sua vez, encontramos os mesmos processos e recursos. O comentário, mesmo refletindo e refratando a singularidade de cada sujeito enunciativo, mostra-se impregnado de um fazer comum, de um diálogo com os outros enunciados e sujeitos. Um diálogo não apenas no sentido constitutivo de todo enunciado, mas também no sentido de continuidade a ponto de se refletir sobre as fronteiras de cada gênero. Uma das questões levantadas e que se propõe responder é: qual a influência do suporte quanto a essa continuidade? Além disso, o que se poderia dizer sobre o gênero discursivo comentário? Olhando para outras relativas estabilidades desse gênero em outros sites, somos ainda levados a considerar não apenas o computador como suporte: blogs e revistas eletrônicas, por exemplo, também o seriam, e eles influenciam em como o comentário pode ser produzido e em sua instabilidade. Não consideramos que o suporte computador tenha permitido uma difícil percepção entre as limitações de cada gênero; antes, consideramos que a materialização do discurso e os processos de constitutividade dialógica é que permitem uma continuidade entre as palavras. Os sujeitos se mesclam, as palavras se imbricam, a polifonia reverbera. Esta, em sua constituição, apaga e mostra os limites em mais de um sentido de cada discurso, paradoxal e ambiguamente. Comentar não é apenas emitir uma opinião, mas estabelecer diálogos contínuos. Palavras-chave: Gêneros discursivos; Comentários; Contínuo.

9 PRÁTICAS DE ESCRITA CRIATIVA: ASPECTOS SOBRE SUBJETIVIDADE E ALTERIDADE Marina Célia MENDONÇA (UNESP) Este trabalho é parte de pesquisa que toma os escritos do Círculo de Bakhtin como base teóricometodológica e se insere em estudos desenvolvidos no interior da análise dialógica do discurso. O estudo está centrado na problemática da produção textual, particularmente da chamada escrita criativa. Pode-se considerar que essa produção se dá na convergência de, pelo menos, três outras questões: a da produção de textos na escola; a da presença dos gêneros literários na escola; a de escrita criativa em outras esferas de atividade. Nesse contexto em que a sociedade letrada brasileira se expande e busca mais acesso à produção escrita em meios tecnológicos, o interesse desta pesquisa é apresentar material que amplie a discussão sobre o processo de escolarização da escrita de gêneros literários, por um lado, e sobre o processo de escrita criativa presente, em especial, na internet. Considerando esses aspectos, o objetivo geral da pesquisa é refletir sobre a prática de escrita criativa na sociedade brasileira contemporânea, em especial no que diz respeito às suas relações com aspectos ligados à subjetividade/autoria dos sujeitos-escritores. Neste trabalho, especificamente, são analisados blogs e sites de escritores emergentes, em especial seções intituladas Quem sou eu ou Sobre o autor. O interesse é refletir sobre como o gênero Perfil dialoga não somente com a Biografia, mas também com outros gêneros, indiciando uma representação de si marcada por determinados valores do discurso literário. Esse diálogo entre gêneros do discurso na constituição do perfil do escritor emergente também tem como fator importante, na produção de sentido, linguagens não verbais, o que ajuda a produzir para esse sujeito, nesse dizer de si, uma identidade em relação com o discurso produzido na esfera artística e em outras esferas. Dessa forma, a questão da identidade do sujeito é questão central neste trabalho, identidade aqui pensada em relação com a memória, com o outro/outro e com as possibilidades de significar no acontecimento. Palavras-chave: Estudos Bakhtinianos do Discurso; Práticas de Escrita; Gêneros do Discurso.

10 A REDAÇÃO NA PROVA DO ENEM: UMA ANÁLISE DIALÓGICA DO DISCURSO Nathália Maria SOARES (FATEC) O ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) tinha como principal objetivo avaliar a Educação do Ensino Médio, no ano de 2009 além de avaliar o Ensino Médio tem, também, como objetivo a inserção de alunos concluintes do Ensino Médio na Educação Superior. Devido a essa mudança, a proposta de redação do ENEM passa por algumas transformações, o que nos leva ao objetivo desta pesquisa, o qual é analisar, segundo a perspectiva teórico-metodológica dos estudos bakhtinianos, as propostas de redação do ENEM, de forma a entender sua constituição histórica na relação com outros exames vestibulares e documentos oficiais. Para desenvolver este trabalho, a hipótese da qual partimos é que essas propostas, ao considerarem de forma singular o discurso educação para a cidadania, fazem com que apenas um modelo de texto seja escrito, limitando assim o acesso à diversidade de gêneros e enunciados no momento da produção escrita. Limite esse dado tanto pelo gênero a ser escrito dissertação como também pelas instruções contidas nas propostas de redação, que direcionam a escrita do autor do texto. Para comprovar essa hipótese mobilizamos os conceitos definidos pelo círculo de Bakhtin que envolvem as questões de enunciado, discurso, diálogo, gênero e sujeito. Juntamente com esse estudo, realizamos uma pesquisa bibliográfica baseada em documentos oficiais da educação o PCN (Parâmetro Curricular Nacional) e a LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação) os quais são bases para a constituição do ENEM, e seu Documento Base de Fizemos, também, um estudo bibliográfico da linguística textual para verificar o que se propõe sobre texto e textualidade, buscando compreender melhor o universo de produção textual exposto na avaliação do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio). Palavras-chave: ENEM; análise do discurso; gênero do discurso; redação escolar; exames vestibulares.

11 CONFLUÊNCIAS NAS REFLEXÕES DE BAKHTIN E SIMMEL Renata Coelho MARCHEZAN (UNESP) No domínio das reflexões que se dedicam ao estudo das interlocuções e fontes da obra de M. Bakhtin, esta comunicação privilegia o estudo das contribuições de G. Simmel, que mostram uma convergência de domínios semelhante a que encontramos nas obras de Bakhtin: Simmel é considerado um neokantista, mas irá reelaborar seu pensamento sob a perspectiva da chamada filosofia da vida, além de ser considerado um precursor da sociologia. Os domínios da cultura aparecem historicizados nas obras de Simmel, que os toma de Kant. No entanto, diferentemente das categorias universais em Kant, que são atualizadas de modo particular pelos indivíduos, uma vez que afetam apenas a parte racional de seus atos; em Simmel, são as circunstâncias históricas de cada indivíduo, os círculos sociais de que faz parte, que determinam seus atos. Sociedade, para Simmel, consiste em interações sociais vivas, que são, constantemente, feitas e refeitas, entre sujeitos e entre grupos. Dinâmica que explica também por meio do conceito de conflito, ao qual atribui significações sociológicas. Os caminhos da interlocução de Bakhtin com Simmel levam-nos ao exame de termos particulares e à análise mais ampla do próprio paradigma teórico em que se inscrevem os dois pensadores, passando pela consideração de seus conceitos mais fundamentais: a relação mundo da vida / mundo da cultura, a interação simmeliana e o diálogo bakhtiniano. Palavras-chave: Análise Dialógica do Discurso; Filosofia; Simmel.

12 O GÊNERO ARGUMENTATIVO ESCOLAR: UM ESTUDO SOBRE OS ENUNCIADOS DE CONSENSO E DE POLÊMICA Rinaldo GUARIGLIA, (UNIFAFIBE) Este estudo fundamentado no pensamento bakhtiniano objetiva apresentar duas categorias dialógicas de enunciados regidos retoricamente no gênero argumentativo escolar, designado atualmente por texto de opinião. Trata-se dos enunciados de consenso e dos enunciados de polêmica, que respondem, respectivamente, pela propagação de sentidos do senso comum e de sentidos que se contrapõem a ele. A fundamentação teórica compreende o aproveitamento da reflexão do Círculo de Bakhtin sobre dialogismo e gênero; especificamente, sobre a instituição da palavra do outro como forma de contestação: polêmica velada e polêmica aberta. Justifica-se a então proposta em função de o lugar-comum constituir-se um instrumento de legitimidade do dizer; não necessariamente uma carência de arcabouço informativo sociocultural do sujeito-produtor, que levaria à mesmice constatada durante a correção de redações. Na esteira desse posicionamento, polemizar não significa necessariamente refutar um sentido consensual e instituir um dado novo; significa promover um debate em que há contraposição de sentidos; mesmo que, ao final, prevaleça o consenso. Assim, postula-se que a aplicação, ou não, de enunciados consensuais não é uma casualidade, mas uma estratégia retórica, na qual prevalece a polêmica velada, quase integralmente. Nesta perspectiva, o discurso do senso comum gera sentidos que são postos como verdadeiros; são proposições consensuais, pré-validadas, com a adoção de minhas-palavras-alheias ; são acolhidas muitas vezes sem a exigência de um posicionamento crítico, polêmico, que possa, ou não, confirmá-las. Este estudo investiga três matrizes dialógicas em redações escolares argumentativas: os diálogos do sujeito-produtor com outras vozes sociais, com a proposta de redação e, principalmente, com o interlocutor-examinador. Esses diálogos inserem as propriedades dialógicas: um conjunto de propriedades que ora são manifestações da categoria consensual, ora da polêmica. São nove as propriedades dialógicas identificadas em enunciados deste gênero: redução temática, adoção parcial de um posicionamento, rompimento com a proposta de redação, paráfrase de trechos da proposta de redação, aplicação de aspectos generalizantes, polarização do recorte temático, organização de enunciados argumentativo-descritivos, observação de um raciocínio lógico formalizado, e inserção de enunciados interrogativoretóricos. O córpus de pesquisa compreende a análise de vinte redações dissertativas produzidas durante um processo seletivo universitário, em que dez textos obtiveram nota acima de 5,0 (cinco), e os outros dez, abaixo dessa nota. Palavras-chave: Senso comum; Dissertação Escolar; Dialogismo.

13 DIÁLOGOS E DISCURSOS: A CONSTRUÇÃO DE SENTIDO DA ESCRITA/REDAÇÃO CIENTÍFICA ATRAVÉS DE VIDEOAULAS NA INTERNET Simone Cristina MUSSIO (UNESP/FCLAr) Como os processos virtuais e convergentes das linguagens, propiciados pelo moderno meio internético, operacionalizam forças que se atualizam e se sintetizam em mudanças nos sistemas de ensino-aprendizagem no mundo contemporâneo, intercambiando-se, assim, em novos espaços e artefatos educacionais e comunicacionais, podemos claramente observar como os diversos campos da atividade humana estão intrinsecamente unidos devido ao uso da linguagem. Haja vista que o caráter e as formas das linguagens, consoante Bakhtin (1997), são intensamente multiformes, assim como as esferas que os sustentam, esta pesquisa, alicerçada bakhtinianamente, tem como objetivo perceber como se dá a constituição do gênero videoaula a partir de cursos sobre escrita/redação científica inseridos no Youtube, de modo a compreender como ocorrem as negociações de sentido presentes neste tipo de produção audiovisual. Buscamos, assim, destacar como a formatação de tais aulas dialoga, a partir de enunciados concretos (verbais e não verbais), com os traços de um fazer instrutivo-educacional, concernente à esfera didático-pedagógica, bem como com o caráter mercadológico, sobreposto a uma esfera midiático-comercial, dos enunciados materializados nas aulas, os quais têm como alvo a venda de determinado produto (livros) ou serviços (aulas, cursos e palestras). Dessa forma, notamos como as construções, interações e recriações presentes neste gênero virtual contemporâneo comportam, assim, um encontro de inúmeras vozes, que mantêm relações de controle, compreensão, negociação com novas formas de ensino-aprendizagem que visam não apenas à disseminação de conteúdos, mas a finalidades outras (comerciais, promocionais, etc.). Foi pensando no gênero videoaula que observamos como o conceito de aula, em decorrência das inúmeras inovações tecnológicas existentes no mundo contemporâneo, vem sofrendo distintas alterações no decorrer do tempo, de modo a possibilitar novos modos informais de aprendizagem e de divulgação de conteúdos. Com relação à estilística de tais videoaulas, desejamos entender como estas têm um estilo que se associa com a própria temática de tais aulas, sendo esta uma de suas principais especificidades. Como o fazer científico passa a nortear até a forma de composição e organização das videoaulas ao se ensinar a escrever/redigir cientificamente, podemos observar como o próprio gênero se atualiza neste acontecimento. É, pois, a partir de tais apontamentos que apropriamo-nos desta teoria com o intuito de perceber como o ciberespaço, em específico as videoaulas de escrita/redação científica inseridas no YouTube estão povoadas por uma multiplicidade de linguagens e vozes, as quais participam da construção de sentido deste hodierno gênero digital. Palavras-chave: Videoaulas youtubianas; Escrita/Redação científica; Bakhtin.

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA Mestrado e Doutorado em Comunicação Matrícula e Calendário acadêmico 2014.2 DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA: 29, 30 e 31/07/2014 LOCAL: A pré-matrícula deverá ser efetivada na Secretaria do PPGCOM ou através do

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM MARÇO/ABRIL/2012 Considerações sobre as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio Resolução CNE/CEB

Leia mais

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO PALAVRAS-CHAVE: Análise, Educação, Inclusão. Lucas Lameira Martins RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar um trabalho

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Folhinha SSS

Mostra de Projetos 2011. Folhinha SSS Mostra de Projetos 2011 Folhinha SSS Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: Escola Municipal Sebastião Severino da Silva. Cidade: Itambaracá

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda Diretrizes Curriculares ENADE 2012 Curso de: Publicidade e Propaganda MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA MEC Nº207 DE 22 DE JUNHO DE

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA Sumaya Mattar Moraes Mestranda na Área de Linguagem e Educação da FEUSP Esta pesquisa coloca em pauta

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Regina Luzia Corio de Buriasco * UEL reginaburiasco@sercomtel.com.br Magna Natália Marin Pires* UEL magna@onda.com.br Márcia Cristina de Costa Trindade Cyrino*

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI).

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI). A Produção de pesquisas sobre Educação dos Programas de Pós-graduação (Mestrados e Doutorados) cadastrados na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações BDTD. Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI),

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL. Giovani Cammarota

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL. Giovani Cammarota UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PRÁTICA DE ENSINO DE MATEMÁTICA III EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL Giovani Cammarota

Leia mais

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Introdução USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho EEEFM Agenor Clemente dos Santos paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Viçosa, Minas Gerais 2014 1 INTRODUÇÃO As atividades complementares, inseridas no projeto pedagógico, têm por finalidade proporcionar

Leia mais

SÍNTESE DA 5ª REUNIÃO DE REESTRUTURAÇÃO DO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FCT/PRESIDENTE PRUDENTE. 16\10\14 das 8h30 às 11h30

SÍNTESE DA 5ª REUNIÃO DE REESTRUTURAÇÃO DO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FCT/PRESIDENTE PRUDENTE. 16\10\14 das 8h30 às 11h30 Câmpus de Presidente Prudente SÍNTESE DA 5ª REUNIÃO DE REESTRUTURAÇÃO DO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FCT/PRESIDENTE PRUDENTE. Presentes: 16\10\14 das 8h30 às 11h30 DOCENTES: Cinthia

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alciene Ribeiro Feitoza da SILVA 1 Módulo Centro Universitário Ao atuar na formação de professores de

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 410 O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 RESUMO. O presente estudo se propõe a analisar num artigo, publicado em uma revista de grande circulação no

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACIPLAC PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACIPLAC PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACIPLAC PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A FACIPLAC compreende a importância do desenvolvimento da Iniciação Científica em uma faculdade de ensino superior como alicerce na construção

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP Movimentos sociais e internet: uma análise sobre as manifestações de 2013 no Brasil Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista,

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO Resumo HOÇA, Liliamar Universidade Positivo liliamarh@up.com.br MORASTONI, Josemary- Universidade Positivo

Leia mais

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio.

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Dalva Aparecida do Carmo Constantino, UFMT, Faculdades Integradas de Rondonópolis (FAIR/UNIR). Este trabalho

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS Prof. Dra. Simone Sendin Moreira Guimarães Instituto de Ciências Biológicas/ICB Universidade Federal

Leia mais

ANÁLISE DOS TEXTOS PRODUZIDOS POR UMA TURMA DO 3ºANO DO ENSINO MÉDIO À LUZ DOS CRITÉRIOS DO ENEM

ANÁLISE DOS TEXTOS PRODUZIDOS POR UMA TURMA DO 3ºANO DO ENSINO MÉDIO À LUZ DOS CRITÉRIOS DO ENEM ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ANÁLISE DOS TEXTOS PRODUZIDOS POR UMA TURMA DO 3ºANO DO ENSINO

Leia mais

Linha de Pesquisa 1: ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS

Linha de Pesquisa 1: ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS Linha de Pesquisa 1: ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS Tem como objetivo o estudo dos processos de ensino e aprendizagem de línguas materna e estrangeiras e, em especial, do papel da linguagem no desenvolvimento

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

O TRABALHO DE MONOGRAFIA

O TRABALHO DE MONOGRAFIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Módulo VI-a 27 a 29 de janeiro de 2011 O TRABALHO DE MONOGRAFIA PRINCÍPIO PARA O CONHECIMENTO E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL Prof. Ms. Adriana Fernandes

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Luciana Pereira de Sousa 1 Carmem Lucia Artioli Rolim 2 Resumo O presente estudo propõe discutir o contexto da formação dos pedagogos para o ensino da

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS.

AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS. AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS. Prof. Dr. Isauro Beltrán Nuñez Prof. Dr. Betania Leite Ramalho INTRODUÇÃO A pesquisa que

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM Justificativa ABREU,Tamires de Sá 1 BARRETO, Maria de Fátima Teixeira² Palavras chave: crenças, matemática, softwares, vídeos.

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Letras - Língua Portuguesa

Letras - Língua Portuguesa UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Letras - Língua Portuguesa 1. Perfil do Egresso: Em consonância

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS 1 A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS RESUMO: Este trabalho apresenta a pesquisa, que está em andamento, que tem como objetivo

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

EDITAL NÚMERO 01 DE 10 DE ABRIL DE 2009 Programa de Iniciação Científica Seleção 2009

EDITAL NÚMERO 01 DE 10 DE ABRIL DE 2009 Programa de Iniciação Científica Seleção 2009 Associação Diocesana de Ensino e Cultura de Caruaru Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Caruaru Reconhecida pelo Decreto 63990 de 15.01.69 D.O 17-01-69 Núcleo de Pesquisa EDITAL NÚMERO 01 DE 10

Leia mais