ANÁLISE DO PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE NA IMPLANTAÇÃO DE ERP SAP COM E SEM O USO DA FERRAMENTA DE AUTOMAÇÃO DE TESTES ECATT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DO PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE NA IMPLANTAÇÃO DE ERP SAP COM E SEM O USO DA FERRAMENTA DE AUTOMAÇÃO DE TESTES ECATT"

Transcrição

1 ANÁLISE DO PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE NA IMPLANTAÇÃO DE ERP SAP COM E SEM O USO DA FERRAMENTA DE AUTOMAÇÃO DE TESTES ECATT Aline Vieira Malanovicz (UFRGS ) Chana Michelli Brum Guillen (UFRGS ) O objetivo desta pesquisa é analisar o processo de testes de software, no caso da implantação do sistema ERP R/3 da SAP, utilizando a ferramenta de automação de testes ecatt (Extended Computer Aided Test Tool), descrevendo seu uso com um exemplo e analisando suas vantagens e desvantagens, em comparação com o método de teste manual. Foi possível verificar detalhes da tentativa de adequação da prática à teoria e as dificuldades encontradas pelos testadores no diaa-dia dos testes na empresa pesquisada. Percebeu-se que a decisão quanto a automatizar ou não um projeto de testes deve analisar fatores além da simples redução de tempo e custo da execução dos testes, pois, embora significativa, a redução de tempo da Execução Automatizada versus Execução Manual não se refletiu no tempo total do processo de testes (exigiu muito mais tempo na fase de preparação dos ambientes, pacotes e demais objetos). Sua importância maior foi a de permitir executar todos os testes e evitar o problema de descartar alguns por falta de tempo ou prazo, e permitir reutilizar dados em caso de necessidade de novos testes. Foi possível concluir que todo o tempo e esforço investido na etapa de planejamento, organização, replanejamento e alterações, para maior cobertura dos casos de testes, refletiram-se em vantagens na abrangência dos casos de teste, na modularidade dos casos para posterior possibilidade de reuso dos casos em combinações; no número de erros detectados (e corrigidos e retestados), enfim, na melhor qualidade do sistema implantado. Conclui-se que a ferramenta ecatt analisada parece adequada para a execução das atividades de testes dos processos da empresa pesquisada, e a análise da aplicação da ferramenta para outros processos da mesma empresa, especialmente aqueles que necessitam de testes com repetições de valores variáveis, como, por exemplo, o processamento do cálculo de valores para pagamentos, configura uma possibilidade de pesquisa futura suscitada por este trabalho. Palavras-chaves: teste de software, automação de teste, ferramentas de automação de teste, ecatt

2 1. Introdução A qualidade de produtos é definida de maneira mundialmente padronizada pela Norma ISO/IEC 9126 como tendo as características de Funcionalidade, Confiabilidade, Usabilidade, Eficiência, Manutenibilidade, e Portabilidade. No caso de produtos de software, uma decisão estratégica é a adoção do processo de garantia de qualidade e confiabilidade (Software Quality Assurance), que inclui um conjunto de atividades técnicas aplicadas durante todo o processo de desenvolvimento, para garantir que tanto o processo de desenvolvimento quanto o produto de software atinjam os níveis de qualidade especificados (AMMANN; OFFUTT, 2008). Algumas falhas de software (bugs) levaram à ocorrência de desastres que viraram notícia, incluindo mortes na queda de aviões, lesões corporais por overdose de radiação, explosão de foguetes, danos em sondas espaciais, cancelamentos e atrasos em voos de companhias aéreas, cobranças incorretas realizadas por bancos. Considerando que as falhas são inerentes ao software, pode-se dizer que o Teste de Software ajuda a garantir que a detecção de erros seja efetiva, de modo que o software terá menos defeitos latentes, maior confiabilidade (resultando em maior satisfação do cliente), custo do ciclo de vida global reduzido, e custos de manutenção possivelmente reduzidos (PEZZE; YOUNG, 2008). Para a melhor eficiência da atividade de testes de software, a automação tem sido vista como a principal medida, comparativamente com a execução manual (VELOSO et al., 2009). Um exemplo de ferramenta de Automação de Testes é a ecatt (Extended Computer Aided Test Tool) (SAP, 2011). Existe consenso entre os especialistas quanto aos ganhos que podem ser alcançados com a adoção de uma estratégia de automação de teste de software. Entretanto, as empresas que usufruem desta tecnologia frequentemente enfrentam dificuldades em avaliar o real benefício que está sendo alcançado com o investimento realizado (FANTINATO et al., 2005; FEWSTER, 2001). Embora possam ser importantes para entregar soluções de tecnologia com alta qualidade, são poucos os trabalhos de pesquisa que relatam avaliações comparativas entre diferentes métodos de teste (VELOSO et al., 2009; DÓREA et al., 2008; CAETANO, 2007; NÓBREGA, 2006; FANTINATO et al., 2005; ROBINSON, 2001). Assim, pode-se dizer que a análise dos benefícios e dificuldades do uso de uma ferramenta de automação constitui um interesse acadêmico para pesquisa e um interesse prático para empresas. 2

3 O objetivo desta pesquisa é analisar o processo de testes de software, no caso da implantação do sistema ERP R/3 da SAP, utilizando a ferramenta de automação de testes ecatt, descrevendo seu uso com um exemplo e analisando suas vantagens e desvantagens, em comparação com o método de teste manual. A Seção 2 deste trabalho apresenta os principais conceitos sobre Teste de Software utilizados nesta pesquisa, incluindo uma breve descrição da ferramenta ecatt. O método da pesquisa é descrito na Seção 3. A Seção 4 apresenta o Estudo de Caso realizado, descrevendo como é o processo de teste com a execução manual e com a execução automatizada. A Seção 5 demonstra a análise dos resultados do trabalho fazendo uma comparação entre os métodos e apontando prós e contras, benefícios e limitações. A Seção 6 resume as conclusões desta pesquisa e indica possíveis investigações adicionais suscitadas por este trabalho. 2. Teste de software Teste de Software consiste em definir um conjunto de entradas, executar um pedaço do software, e monitorar o estado, as saídas e propriedades do software e compará-los com o resultado esperado (AMMANN; OFFUTT, 2008; FEWSTER, 2001). Espera-se ter o conjunto de casos de teste possíveis com maior probabilidade de encontrar a maioria dos erros (MYERS, 2004). Um Caso de Teste é o conjunto de dados de entrada, condições de execução de uma ou mais operações, e resultados esperados ou dados de saída, para um objetivo particular. O projeto dos casos de teste e a preparação dos dados de teste são fundamentais no projeto de teste, pois todas as atividades de teste baseiam-se na escolha de bons casos de teste (AMMANN; OFFUTT, 2008). Quanto à forma de Execução, os testes podem ser Manuais ou Automáticos. Testes Manuais são aqueles que podem ser executados manualmente pelos testadores, sendo cada resultado armazenado manualmente, sem utilizar ferramentas de automação. Testes Automáticos são aqueles executados por ferramentas automatizadas, sendo cada resultado armazenado automaticamente pela ferramenta de teste, e podendo reutilizar os Casos de Teste em outros planos de testes (SAP, 2011). Assim, a Automação de Testes pode ser definida como o uso de software para controlar a execução do teste de software, a comparação dos resultados esperados com os resultados reais, a configuração das pré-condições de teste e outras funções de controle e relatório de teste. É adotada para reduzir custos e acelerar a execução dos testes. 3

4 Uma Ferramenta de Automação de Testes é um software que executa Scripts de teste (Executable Test Script), que são casos de teste implementados de forma a serem executados automaticamente no sistema em teste e a gerar relatórios dos testes. Um exemplo de ferramenta de automação de testes é a ecatt (Extended Computer Aided Test Tool), da empresa SAP, utilizada para Execução de Testes de implantação dos módulos do sistema ERP-SAP-R/3 (SAP, 2011) Processo de Testes no SAP A Ferramenta de Testes da SAP (SAP Test Workbench) suporta o processo de Organização dos Testes; criação dos Planos de Teste e Pacotes de Teste; amarração dos pacotes de teste aos usuários testadores; monitoração e a análise de status; administração de mensagens de problemas; administração e acompanhamento de erros. A Organização dos Testes Automáticos é gerenciada no ambiente da transação SECATT, que inclui editores de configuração, de script de teste, de dados de teste e de dados de sistema. A Execução dos Testes é feita pela transação STWB_WORK (SAP, 2011). Desse modo, o Processo de Testes é organizado nas seguintes fases (SAP, 2004) (Figura 1): Figura 1 Processo de Teste no SAP: Definição de Casos, Planos, Pacotes, Execução e Análise Fonte: SAP (2011) Definição do conjunto de Casos de Teste (Test-Cases) (estrutura de processos de projeto com as descrições dos dados de testes associados (manuais ou ecatt) e os scripts para 4

5 os testadores seguirem, ou seja, definição de o que se quer testar (STWB_2), e Preparação do sistema de testes e dos sistemas a serem testados (STWB_2); Seleção dos Planos de Teste (Test-Plans) (conjuntos de todos os Casos de Teste (manuais ou ecatt) e transações exigidos para uma fase de teste específica) (STWB_2); Criação dos Pacotes de Teste (Test-Packages) (conjuntos baseados em um Plano de Teste, com todos os Casos de Teste atribuídos para um ou mais testadores) (SPRO IMG), Sequenciamento e Amarração dos Pacotes de Teste aos Testadores (STWB_2 e SPRO IMG); Execução dos Testes (Manuais ou ecatt) (STWB_WORK e SECATT); Análise dos Testes (relatórios gráficos e/ou logs ecatt) (STWB_2 ou SOLAR_EVAL) ecatt A ferramenta ecatt é utilizada para criar e executar testes funcionais automatizados de software de processos de negócio dos sistemas da empresa SAP (SAP, 2014). A ferramenta permite testar transações, relatórios e cenários, chamar módulos de funções, testar sistemas remotos, verificar autorizações dos perfis de usuários, atualizações de bancos de dados, aplicações e interfaces de usuário, verificar mensagens de sistema e testar o efeito de mudanças de configurações customizáveis (SAP, 2011). A ferramenta permite criar testes modulares ou unitários que podem ser combinados com outros módulos para representar processos inteiros de negócios, e permite criar testes de processos de negócio end-to-end para processos que abrangem múltiplos sistemas ou módulos internos do ERP SAP (SAP, 2004). Os testes podem ser iniciados manualmente ou programados para execução regular, e cada teste gera um log detalhado que documenta o processo de teste e resultados (SAP, 2014). As atividades de teste de cada configuração de teste executada são documentadas na forma de logs que registram permanentemente e detalhadamente todo o teste, de modo que o Histórico de cada teste é mantido. Relatórios de Teste para monitoração e acompanhamento oferecem uma visão detalhada do progresso dos testes e de seus resultados, com gráficos e relatórios para todos os Planos de Teste de um projeto, descrevendo cada Caso de Teste utilizado, quem o testou, o resultado, as evidências de teste, e eventuais chamados abertos, e podem ser exportados para outros formatos, para análise e auditoria (SAP, 2014). 5

6 A ecatt estrutura o teste (Figura 2) e exige que sejam criados em objetos separados: Dados de Sistema, Dados de Teste, Script de Teste, e Configuração de Teste (SAP, 2004). Figura 2 Estrutura de Teste com ecatt Fonte: SAP (2014) A Configuração de Teste (/AIF/TEST_ECATT_CONFIG_TMPL) combina o componente de aplicação (MM, ECC, etc.), o Script de teste (Test Script Editor), o Container dos Dados do teste (/AIF/TEST_ECATT_DATA_TMPL) e o Container dos Dados do sistema (SECATT) para cada execução e seleciona os Casos de Teste utilizados na execução. O Catálogo de Testes (STWB_1) une várias Configurações, que permitem agrupar Casos de Teste com diferentes sistemas de destino, e cada Plano de Teste (STWB_2) inclui pelo menos um Catálogo de testes e é incluído em um Pacote de testes, necessário para criar execuções de teste programadas. A criação de um Caso de Teste válido exige parâmetros como (SAP, 2014): Estrutura de Dados de Origem: deve ser preenchida com os dados de origem; Estrutura de Dados de Destino: preenchida com os dados de origem e depois alterada; Log de Exibição: exibe o log de resultados de aplicação da interface atual; Tabela de Valores Previstos: mostra o valor na estrutura de origem e o valor previsto; Tabela de Mensagens Previstas: permite uma mensagem para cada situação de teste. O módulo exibe no log os resultados do status do processamento e as tabelas de mensagens exibidas e de valores previstos: confirmados (verde) ou divergentes (vermelho) (SAP, 2014). 6

7 3. Método Esta pesquisa tem caráter exploratório e de natureza qualitativa, pois objetiva a descrição aprofundada de um exemplo real prático de aplicação de uma ferramenta de testes, com uma avaliação de prós e contras. Faz-se uma análise intensiva de uma situação particular, em que se coloca questão tipo como e o foco está em um processo inserido em um contexto da vida real, por isso a opção é pelo método de pesquisa denominado Estudo de Caso (YIN, 2005). O caso selecionado é o processo de teste de software realizado ao longo da implantação do sistema integrado de gestão SAP R/3 em uma empresa do ramo financeiro. Nos últimos cinco anos, a empresa conduz um projeto que objetiva migrar os sistemas para uma plataforma mais moderna, mudando o foco para os processos de trabalho, para obter ganhos de eficiência e de produtividade. Organizações com uso intensivo de tecnologia de informação, como é o caso das instituições financeiras, dependem intensamente (pode-se dizer estrategicamente) da exatidão e da eficiência de seus sistemas de informação. Por isso a elevada importância de reduzir o risco de erros de sistema, utilizando-se, entre outros métodos, os testes de software. A coleta de dados foi realizada por meio de técnicas como consulta documental ao material de treinamento da SAP, entrevistas com a equipe de testes, e análise de artefatos como resultados de testes, sistemas, telas, tutoriais, além da observação participante do dia-a-dia do processo (BAUER; GASKELL, 2002; YIN, 2005). A análise de dados foi realizada pela comparação entre a execução manual do teste de software com a execução automatizada via ferramenta ecatt do mesmo conjunto de casos de teste. 4. Estudo de Caso A implantação de novos módulos do sistema ERP SAP na empresa pesquisada foi uma situação que exigiu testes funcionais, tanto unitários (de uma única funcionalidade/transação), quanto integrados (envolvendo sequências de transações relacionadas a vários cenários de negócios). Uma empresa de consultoria especializada responsável por essa implantação, foi, no momento dos testes, responsável pela organização dos sistemas e ambientes. Funcionários da empresa pesquisada fizeram a elaboração de cenários de teste relevantes, e também atuaram como testadores de transações individuais (testes unitários) e dos testes integrados. 7

8 O Escopo dos Casos de Teste enfocou os processos de Aquisições&Contratos, Adiantamentos; Contas a Pagar; Gestão Contábil e Gestão Tributária. Com base nos testes unitários desses processos, os funcionários da empresa (testadores) realizaram a elaboração de cenários para execução dos testes integrados, buscando contemplar uma ampla cobertura de possibilidades, de acordo com os critérios e necessidades da empresa. Assim, por exemplo, o cenário TI-C2-046 (Figura 3) contempla transações dos processo de Aquisições& Contratos, Contas a Pagar e Gestão Contábil. Além disso, foram efetuados cadastros de fornecedores Pessoa Física e Pessoa Jurídica, cadastros de Materiais e Serviços, lançamento de Notas Fiscais de Serviços e de Materiais, buscando-se diversificar Notas Fiscais com e sem retenções de tributos e com diferentes alíquotas de impostos para verificar a integração entre todos os processos testados com os demais, por exemplo tributos com contas a pagar, e contas a pagar com contabilidade. Figura 3 Execução Manual de Testes no SAP-SolMan Fonte: coleta de dados Os consultores prepararam o sistema SAP no ambiente QAS (Quality Assurance System) para todas as funções de sistemas relevantes para os testes (SOLAR_PROJECT_ADMIN). A estrutura de processos do projeto (cenários de negócios, processos e etapas), definida no SAP SolMan, serviu como base para a criação dos Planos de Teste (SOLAR01 Business Blueprint). Foram criados scripts de teste (manuais, descritos no MSWord, e automatizados, em linguagem 8

9 ABAP para ecatt), para diferentes processos, com cenários variantes descritos em planilhas do MSExcel. Esses Casos e scripts de teste preparados foram configurados e associados aos cenários correspondentes no SolMan (SOLAR02 Configuração). Assim, os Casos de teste, transações, cenários, processos e etapas foram associados a cada item da estrutura de processos contemplada pelo Plano de testes (SolMan STWB_2). Os consultores também criaram Pacotes de testes, ligando as transações a cada Testador (funcionário da empresa) e definindo sequências adequadas para os testes, conforme os processos (SolMan STWB_2 e SPRO IMG). Os registros da Execução Manual dos Testes foram efetuados no SAP-SolMan pelos funcionários da empresa, incluindo Registros de Issue ou Mensagem de Erro e as Evidências dos Testes. Cada testador acessou sua lista de trabalho (STWB_WORK) com seus Pacotes, leu os Casos de Teste, executou o script manual das transações necessárias do sistema, conferiu os resultados dos testes, gravou uma Evidência de Teste para cada caso testado; e atualizou o status de cada caso de teste (Não testado, OK, OK com restrição, Incorreto: teste posterior necessário) conforme sua avaliação dos resultados dos testes. Os consultores puderam monitorar o andamento dos testes via relatórios de progresso e resultados também no SolMan. Um consultor ficou responsável pela Análise dos Relatórios de teste: acessar os cenários de teste, verificar o status atribuído pelo usuário e, no caso de haver status Incorreto ou OK com restrição, demandar o consultor responsável pelo desenvolvimento e correção do problema. Uma vez corrigido o problema apontado, modificava-se o status para Liberado para re-teste. Entretanto, houve problemas na determinação do status, pois o que foi considerado como Incorreto pelos testadores muitas vezes foi considerado OK com restrição pelos consultores, resultando em tratamento diferenciado pela consultoria, sendo considerado uma situação de melhoria e não de erro, e por isso não sendo resolvido de imediato. Outro problema encontrado foi a necessidade de repetir o cenário de testes inteiro para re-testar determinada transação. Por exemplo, se o registro foi gerado incorretamente no processo de Contabilidade, foi necessário a repetição das transações dos processos de Aquisições e Contratos, e de Contas a Pagar. A Execução Automatizada dos testes na ferramenta ecatt (Figura 4) seguiu o mesmo processo de teste na fase de organização. As mudanças ocorreram na fase de elaboração de scripts, que para o caso automatizado foram escritos em linguagem de script pelos consultores especializados. 9

10 A execução propriamente dita foi realizada por funcionários da área de informática da empresa, e a análise dos resultados foi feita em conjunto com funcionários-chave dos processos correspondentes. Para o teste automatizado, os consultores criaram Test Configurations (Configurações de Teste), juntando dados de teste, dados de sistema, e scripts de teste. Figura 4 Execução Automatizada de Testes no ecatt: (a)configuration (b)script (c)log (a) (b) (c) Fonte: coleta de dados Na transação SECATT, foram criados System Data Containers (objetos de dados de sistema) que configuraram como target systems os módulos MM e ECC (Administração de Materiais e módulo principal do sistema ERP SAP). Os Test Scripts (comandos de teste executáveis) foram elaborados com base no processo de gravação (recording) da sequência de transações do teste (criação de cenários TCD e Test Script Editor). As transações foram executadas do mesmo modo 10

11 como em um teste manual, porém uma única vez, e gravadas para serem reutilizadas na automação. Os Test Data Containers (objetos de dados de teste) foram criados com base na importação dos Casos de teste (cenários) elaborados pelos funcionários, de planilhas do MSExcel convertidas para arquivos.txt para tabelas internas. Estes cenários descreveram em múltiplos conjuntos de valores e atributos de tabelas da ecatt as diversas variações possíveis dos parâmetros de entrada das transações gravadas. Com todos esses elementos criados, as Test Configurations puderam ser testadas massivamente por meio de loops de leitura de tabelas no script. Os resultados da execução foram relatados automaticamente em logs bastante detalhados, contendo todos os dados da Configuração do teste e Mensagens de Resultado (/AIF/ECATT_TESTS_PROCESS) para análises. A tarefa de debug dos testes automatizados na ferramenta ecatt exigiu conhecimentos mais avançados da linguagem de script de testes, assim como a própria elaboração dos loops de leitura de tabelas de variantes de parâmetros, e teve que ser realizada com apoio da consultoria. A criação dos cenários teve que seguir rigorosamente a ordem dos campos definida na Configuração de teste, sob pena de gerar erro de leitura dos arquivos de cenários. 5. Resultados A contraposição entre o processo de Execução Manual de Testes e a Execução Automatizada de Testes com utilização da ferramenta ecatt evidenciou algumas vantagens e desvantagens, acertos e erros, prós e contras de ambas as abordagens de realização de testes. Foi possível perceber que ambas as abordagens exigem muita preparação da equipe de testes, o que foi constatado na necessidade de elaboração cuidadosa de casos de teste criteriosamente selecionados, no correto sequenciamento das atividades de teste, na correta atribuição de perfis de acesso aos testadores, na inclusão ou alteração de casos de teste para alcançar maior cobertura em cenários mais abrangentes, e na análise dos relatórios de resultados dos testes. Também em ambas as abordagens, todo o tempo e esforço investido na etapa de planejamento e organização, e replanejamento e alterações para maior cobertura dos casos e procedimentos de testes, refletiram-se em vantagens na abrangência dos casos de teste, na configuração dos casos para posterior possibilidade de reuso em combinações; nos erros detectados, corrigidos e retestados; e, enfim, na melhor qualidade do sistema implantado. 11

12 Os principais benefícios do uso da ferramenta ecatt identificados nesta pesquisa foram a maior produtividade e a maior qualidade do software implantado. A possibilidade de execução de vários casos de teste em um intervalo de tempo menor do que se fossem executados manualmente permitiu a execução (e eventual correção, e posterior reexecução) de um número maior de casos de teste. Foi possível perceber que a execução manual dos testes levou a uma situação de não execução de todos os casos, por questões de imposição de prazos, o que limitou os casos ao teste do funcionamento do fluxo básico de alguns processos, ou seja, apenas do comportamento esperado, o que limitou a detecção (e correção) de erros. Por outro lado, as principais limitações do uso da ferramenta ecatt identificadas nesta pesquisa foram a necessidade de aprendizado da linguagem de script da ferramenta; a necessidade de adequação dos casos e procedimentos de teste às exigências da ferramenta quanto às configurações de objetos previamente aos testes; e a necessidade de cuidados especiais no gerenciamento da replicação dos dados dos testes nos vários arquivos utilizados pelos scripts, pois a ferramenta não administra isso automaticamente. Comparativamente, a configuração do ambiente de testes para execução manual é mais simples, não muito exigente. 6. Conclusões Pode-se concluir que esta pesquisa atingiu o seu objetivo, pois foi analisado o processo de testes de software, no caso da implantação do sistema ERP R/3 da SAP, utilizando a ferramenta de automação de testes ecatt (Extended Computer Aided Test Tool), descrevendo seu uso com um exemplo e analisando suas vantagens e desvantagens, em comparação com o método de teste manual. Foi possível verificar detalhes da tentativa de adequação da prática à teoria e as dificuldades encontradas pelos testadores no dia-a-dia dos testes na empresa pesquisada. Os resultados confirmam apontamentos de outras pesquisas, principalmente que a decisão quanto a automatizar ou não um projeto de testes deve analisar fatores além da simples redução de tempo e custo da execução dos testes (NÓBREGA, 2006). Embora significativa, a redução de tempo da Execução Automatizada versus Execução Manual não se refletiu no tempo total do processo de testes, pois exigiu muito mais tempo na fase de preparação dos ambientes, pacotes e demais objetos. Sua importância maior foi a de permitir executar todos 12

13 os testes e evitar o problema de descartar alguns por falta de tempo ou prazo, e permitir reutilizar dados em caso de necessidade de novos testes (VELOSO et al., 2009). De maneira geral, conclui-se que a ferramenta ecatt analisada parece adequada para a execução das atividades de testes dos processos da empresa pesquisada. Assim, a análise da aplicação da ferramenta para outros processos da mesma empresa, especialmente aqueles que necessitam de testes com repetições de valores variáveis, como, por exemplo, o processamento do cálculo de valores para pagamentos, configura uma possibilidade de pesquisa futura suscitada por este trabalho. REFERÊNCIAS AMMANN, P.; OFFUTT, J. Introduction to Software Testing. Cambridge/UK: Cambridge University Press, BAUER, M.W.; GASKELL, G. (org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis: Vozes, CAETANO, C. Automação e Gerenciamento de Testes: Aumentando a Produtividade com as Principais Soluções Open Source e Gratuitas. 2.ed. São Paulo: HP Invent, DÓREA, A.D.O.; CARVALHO, F. S.; SANTOS, M.T.; NETO, M.C.M.; MOISES, D. Avaliação de Ferramentas de Automação para Engenheiros de Testes. In: Anais. Simpósio Brasileiro de Sistemas de Informação, 4. Rio de Janeiro, p FANTINATO, M.; CUNHA, A.; DIAS, S.; MIZUNO, S. AutoTest: um framework reutilizável para automação de teste funcional de software. In: Anais. Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software, 3., Brasília, FEWSTER, M. Common mistakes in test automation. In: Proceedings. Fall Test Automation Conference, KHAN, Rohit; BABU, Prasad. Working with ecatt: Tutorial and Step-by-Step Guide Disponível em:.scn.sap.com/docs/doc Acesso em: 24 abr MYERS, G.J. The Art of Software Testing. 2.ed. New Jersey: John Wiley & Sons, NÓBREGA, R.O. Framework para Automação de Testes Funcionais Utilizando o Rational Functional Tester (Trabalho de Graduação Ciência da Computação). Recife: UFPE, PEZZE, M.; YOUNG, M. Software Testing and Analysis. New Jersey: John Wiley & Sons, ROBINSON, R. Automation Test Tools Comparison Disponível em: SAP. ecatt: extended Computer Aided Test Tool (BC-TWB-TST-ECA) Disponível em: SAP, Help Portal Page. Automação do teste com CATT ampliado Disponível em: SAP Brasil. Workshop sobre SAP Solution Manager (SolMan): Planejamento de Testes (STWB_2) e Execução de Testes (STWB_WORK). São Paulo: SAP, (Instrutor Paulo Barata). 13

14 VELOSO, J.S.; SANTOS NETO, P.A.; SANTOS, I.S.; BRITO, R.S. Avaliação de Ferramentas de Apoio ao Teste de Sistemas de Informação. In: Anais. Encontro Regional de Computação (ERCEMAPI), 3. Parnaíba-PI, out YIN, Robert K. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. 3.ed. Porto Alegre: Bookman,

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 01 INTRODUÇÃO A TESTES DE SOFTWARE Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático do Curso Introdução a Testes de Software Técnicas de Testes de Software

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

Testes de Software AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 02 PLANEJANDO E ELABORANDO OS TESTES Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático Aula 02 Planejamento dos Testes Plano de Teste Análise de Risco

Leia mais

IBM Software Demos Rational Software Delivery Platform - Teste automatizado

IBM Software Demos Rational Software Delivery Platform - Teste automatizado Na parte final da demonstração, Jan, nossa testadora, usará o IBM Rational Functional Tester ou RFT para registrar um novo script de teste. O RFT está integrado ao IBM Rational Software Delivery Platform

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Especificação de Requisitos

Especificação de Requisitos Projeto/Versão: Versão 11.80 Melhoria Requisito/Módulo: 000552 / Conector Sub-Requisito/Função: Multas Tarefa/Chamado: 01.08.01 País: Brasil Data Especificação: 13/05/13 Rotinas Envolvidas Rotina Tipo

Leia mais

Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos

Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Junho de 2013 Como a nuvem mudará as operações de liberação de aplicativos Jacob Ukelson Entrega de aplicativos Sumário Resumo executivo 3 Seção 1: 4 Mudando o cenário de automação

Leia mais

Documento técnico de negócios. Práticas recomendadas para implementar soluções automatizadas de teste funcional

Documento técnico de negócios. Práticas recomendadas para implementar soluções automatizadas de teste funcional Documento técnico de negócios Práticas recomendadas para implementar soluções automatizadas de teste funcional Índice Contents 3 Introdução 3 Testes funcionais e testes de unidades 4 Os prós e os contras

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

AutoTest Um Framework Reutilizável para a Automação de Teste Funcional de Software

AutoTest Um Framework Reutilizável para a Automação de Teste Funcional de Software AutoTest Um Framework Reutilizável para a Automação de Teste Funcional de Software Marcelo Fantinato CPqD Telecom & IT Solutions UNICAMP Instituto de Computação Campinas SP Agenda Motivação Objetivo Automação

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

HCT Compatibilidade Manual do Usuário

HCT Compatibilidade Manual do Usuário HCT Compatibilidade Manual do Usuário Índice Introdução...3 HCT Compatibilidade...3 Librix...3 Execução do Programa...4 Seleção de Testes...4 Testes Manuais...6 Teste de Teclado...6 Teste de Vídeo...7

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01)

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Submissão de Relatórios Científicos Sumário Introdução... 2 Elaboração do Relatório Científico... 3 Submissão do Relatório Científico... 14 Operação

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Gerenciador de Mudanças automatizadas

Gerenciador de Mudanças automatizadas Benefícios para os Negócios Minimizando a dependência em processos manuais e reduzindo risco de erro humano Reduz o tempo, esforço e risco de erro humano que existem ao mudar a configuração em dispositivos

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 03 Profissões de TI Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos respectivos

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Fundamentos em Teste de Software Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Objetivos do treinamento 1. Expor os fundamentos de Teste de Software; 2. Conceituar os Níveis de Teste; 3. Detalhar sobre

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Orientações Básicas Repom.

Orientações Básicas Repom. Orientações Básicas Repom. Considerações importantes: 1 A viagem deverá estar autorizada para depois solicitar o pagamento. 2 É obrigatório informar o campo NCM da mercadoria, que está em tabela>auxiliares>mercadoria.

Leia mais

Manual de Navegação Básica. Siga Relacionamento Sou Abrasel - Site

Manual de Navegação Básica. Siga Relacionamento Sou Abrasel - Site Manual de Navegação Básica Siga Relacionamento Sou Abrasel - Site 1 Conteúdo Iniciando a implantação:... 3 para o treinamento no encontro de executivos... 3 Siga Relacionamento... 4 O que é Unidade de

Leia mais

Sistema Gerenciador de Hotel. Adriano Douglas Girardello. Ana Paula Fredrich. Tiago Alexandre Schulz Sippert

Sistema Gerenciador de Hotel. Adriano Douglas Girardello. Ana Paula Fredrich. Tiago Alexandre Schulz Sippert UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Sistema Gerenciador de Hotel Adriano Douglas Girardello

Leia mais

Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS

Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS Módulos de controle ou gestão da qualidade de sistemas ERP ou MES X sistemas para automação e gestão de laboratórios LIMS e suas diferenças conceituais

Leia mais

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Audrey B. Vasconcelos, Iuri Santos Souza, Ivonei F. da Silva, Keldjan Alves Centro de Informática Universidade

Leia mais

Manual do usuário. v1.0

Manual do usuário. v1.0 Manual do usuário v1.0 1 Iniciando com o Vivo Gestão 1. como fazer login a. 1º acesso b. como recuperar a senha c. escolher uma conta ou grupo (hierarquia de contas) 2. como consultar... de uma linha a.

Leia mais

20/03/2014. A Auditoria de Sistemas em Sistemas Integrados de Informações (ERP s)

20/03/2014. A Auditoria de Sistemas em Sistemas Integrados de Informações (ERP s) Conforme introdução sobre o assunto em parágrafos anteriores, as grandes e médias corporações e os escritórios de contabilidade, fazem uso de sistemas de processamento de dados próprios para execução de

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI PERFIL TÉCNICO Versão 2.0 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E TELECOMUNICAÇÕES PREFEITURA DE GUARULHOS SP 1 Objetivo: Esse manual tem como objetivo principal instruir os

Leia mais

Fase de Análise de Requisitos. Engenharia de Software ANÁLISE DE REQUISITOS. Tipos de Requisitos. Tipos de requisitos. Tipos de requisitos

Fase de Análise de Requisitos. Engenharia de Software ANÁLISE DE REQUISITOS. Tipos de Requisitos. Tipos de requisitos. Tipos de requisitos Engenharia de Software Fase de Análise de Requisitos Engenharia de Sistemas de Computador ANÁLISE DE REQUISITOS ANÁLISE DE REQUISITOS Projeto de Software 1 2 Tipos de Requisitos 3 4 Tipos de requisitos

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Monitoramento Contínuo e Auditoria Contínua: Uma Perspectiva Prática

Monitoramento Contínuo e Auditoria Contínua: Uma Perspectiva Prática Monitoramento Contínuo e Auditoria Contínua: Uma Perspectiva Prática Perfil Caseware Fornecedor líder no setor de softwares para análise de dados, auditoria contínua e monitoramento contínuo. A Caseware

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 02 Áreas e Profissionais de TI Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão. Ciências Contábeis Informática Aplicada

Sistemas de Apoio à Decisão. Ciências Contábeis Informática Aplicada Sistemas de Apoio à Decisão Ciências Contábeis Informática Aplicada Sistemas de Apoio à Decisão Segundo LAUDON (2004) apud SANTOS () afirma que um SAD tem por objetivo auxiliar o processo de decisão gerencial,

Leia mais

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA (Orientamos aos clientes que utilizam banco de dados SQL, para efetuarem a atualização preferencialmente após o encerramento das atividades do dia, acessando o sistema

Leia mais

SCPI 8.0. Novas funcionalidades. Conciliação Bancária Automática:

SCPI 8.0. Novas funcionalidades. Conciliação Bancária Automática: SCPI 8.0 Novas funcionalidades A partir de agora o SCPI conta com algumas novas funcionalidades que valem a pena serem comentadas, e dar uma breve introdução de seu funcionamento. Entre elas podemos destacar:

Leia mais

Retorno do Investimento em Testes Software

Retorno do Investimento em Testes Software Retorno do Investimento em Testes Software Rui Ribeiro Santos Av. Conde de Valbom, 30 8º 1050-068 Lisboa PORTUGAL Telef: +351 213 510 540 Fax: +351 213 510 549 Email: rui.santos@wintrust-intl.com URL:

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro ABNT NBR ISO/IEC 27002 Segurança nas operações Responsabilidades e procedimentos operacionais Assegurar a operação segura e correta

Leia mais

5 Análise dos resultados

5 Análise dos resultados 5 Análise dos resultados Neste capitulo será feita a análise dos resultados coletados pelos questionários que foram apresentados no Capítulo 4. Isso ocorrerá através de análises global e específica. A

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Planos de Curso: Uma ferramenta de aperfeiçoamento para o processo de controle de planos de curso nas universidades

Sistema de Gerenciamento de Planos de Curso: Uma ferramenta de aperfeiçoamento para o processo de controle de planos de curso nas universidades Sistema de Gerenciamento de Planos de Curso: Uma ferramenta de aperfeiçoamento para o processo de controle de planos de curso nas universidades André Torres, Ednaldo Onofre, Francisco Celestino, Jafet

Leia mais

Sumário do Plano de Testes

Sumário do Plano de Testes ICOL Versão 12.1 Plano de Testes Sumário do Plano de Testes 1. Escopo...2 2. Implementações...2 CR3085 Restrição de Ambientes...3 CR3091 Restrição de Intervalos...9 CR3096 Períodos...10 CR3111 Curvas Histórico...11

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

ROTEIRO PARA TREINAMENTO DO SAGRES DIÁRIO Guia do Docente

ROTEIRO PARA TREINAMENTO DO SAGRES DIÁRIO Guia do Docente Conceito ROTEIRO PARA TREINAMENTO DO SAGRES DIÁRIO Guia do Docente O Sagres Diário é uma ferramenta que disponibiliza rotinas que facilitam a comunicação entre a comunidade Docente e Discente de uma instituição,

Leia mais

DOCUMENTO OPERACIONAL PROCESSO: DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS E EVENTOS SETOR RESPONSÁVEL: EVENTOS

DOCUMENTO OPERACIONAL PROCESSO: DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS E EVENTOS SETOR RESPONSÁVEL: EVENTOS SETOR RESPONSÁVEL: PÁGINA: 1 de 8 1.0 OBJETIVO: Identificar e analisar as solicitações de clientes na modalidade eventos, selecionar fornecedores que possam atender aos requisitos solicitados, efetuar

Leia mais

Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados

Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados Meg Lima Andrade Agenda Objetivos; Conceito de Sistemas Computadorizados; Conceito de Risco; Identificação de Riscos; Avaliação de Riscos; Classificação;

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado A, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

CoIPe Telefonia com Tecnologia

CoIPe Telefonia com Tecnologia CoIPe Telefonia com Tecnologia A proposta Oferecer sistema de telefonia digital com tecnologia que possibilita inúmeras maneiras de comunicação por voz e dados, integrações, recursos e abertura para customizações.

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

Análise de Requisitos

Análise de Requisitos Faculdade de Ciências Sociais de Aplicadas de Petrolina FACAPE Disciplina: Projeto de Sistemas Análise de Requisitos Profª. Cynara Carvalho cynaracarvalho@yahoo.com.br Análise de Requisitos O tratamento

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino 1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino O SIE é um sistema aplicativo integrado, projetado segundo uma arquitetura multicamadas, cuja concepção funcional privilegiou as exigências da Legislação

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

4 O Workflow e a Máquina de Regras

4 O Workflow e a Máquina de Regras 4 O Workflow e a Máquina de Regras O objetivo do workflow e da máquina de regras é definir um conjunto de passos e regras configuráveis. Ao longo de sua execução, um usuário consegue simplificar o seu

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S.

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 4: Trilhas de Auditoria Existe a necessidade

Leia mais

Manual de Utilização. Sistema. Recibo Provisório de Serviço

Manual de Utilização. Sistema. Recibo Provisório de Serviço Manual de Utilização Sistema Recibo Provisório de Serviço Versão 1.0 17/08/2011 Sumário Introdução... 5 1. Primeiro Acesso... 7 2. Funções do e-rps... 8 2.1 Menu Superior... 8 2.1.1 Arquivo......8 2.1.2

Leia mais

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1.

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESPECIFICAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FERRAMENTA AUTOMATIZADA DE APOIO AO GERSE: GUIA DE ELICITAÇÃO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS EMBARCADOS Autor(es) BARBARA STEFANI

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Karla Pires de Souza (FPM ) karlapsouza@hotmail.com Angelita Moutin Segoria Gasparotto (FPM ) angelita@usp.br A atividade de teste de

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS)

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Definição Geral: Disciplina de Compiladores Prof. Jorge Bidarra (UNIOESTE) A especificação de requisitos tem como objetivo

Leia mais

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Requisito Descrição 6.1 - Produtos de Hardware 6.1.1. GRUPO 1 - IMPRESSORA TIPO I (MONOCROMÁTICA 20PPM - A4) 6.1.1.1. TECNOLOGIA DE IMPRESSÃO 6.1.1.1.1.

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA. Índice. Ícone

ADMINISTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA. Índice. Ícone ADMINISTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA Índice Análise de status da administração de caixa e concentração de caixa... 2 1 Introdução... 2 1.1 Objetivo... 2 1.2 Tabela Síntese do processos... 2 2 Procecidimentos...

Leia mais

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria de Sistemas UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria É uma atividade que engloba o exame das operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO

UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO Robson L. Nascimento 1, Késsia R. C. Marchi¹ 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil robsonluisn@yahoo.com.br,

Leia mais

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE Agosto 2007 Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: Manual Título do Documento: MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais