AutoTest Um Framework Reutilizável para a Automação de Teste Funcional de Software

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AutoTest Um Framework Reutilizável para a Automação de Teste Funcional de Software"

Transcrição

1 AutoTest Um Framework Reutilizável para a Automação de Teste Funcional de Software Marcelo Fantinato CPqD Telecom & IT Solutions UNICAMP Instituto de Computação Campinas SP

2 Agenda Motivação Objetivo Automação de Teste de Software Técnicas de Automação Framework AutoTest Estudos de Caso Conclusão

3 Motivação Problema: existe um grande número de insucessos nos esforços para a automação de teste Necessidade: aplicar Automação de Teste de Software de forma sistemática Objetivos: Reduzir o tempo de teste no ciclo de vida do software Diminuir o custo Aumentar a produtividade do desenvolvimento de software Aumentar a qualidade do produto final

4 Motivação Várias soluções têm sido propostas para esta finalidade Podem ser consideradas para a automação as atividades de geração e de execução de casos de teste Foco deste trabalho: - Execução de casos de teste Teste funcional (caixa-preta)

5 Objetivo Desenvolvimento do Framework AutoTest Framework para automação da execução de teste funcional Conjunto de ferramentas de software, scripts de teste, templates de planilhas, e regras e procedimentos de utilização Reutilizável (aplicável em diferentes projetos de software) Baseado nas técnicas data-driven e keyword-driven Pouca necessidade de codificação (dependendo do projeto) Fácil atualização dos casos de teste

6 Automação de Teste Formas de Automação de Teste de Software: Requisitos Projeto de Projeto Código-Fonte Projetar Teste Teste Especif. de Executar Teste Relatório de Teste Doc de Usuário Casos de Teste Automação da geração de casos de teste Automação da execução de casos de teste

7 Técnicas de Automação Record & Playback: Utilizar uma ferramenta para gravar as ações executadas pelo usuário sobre a interface gráfica da aplicação (mouse e teclado); Converter estas ações em scripts de teste que podem ser executados quantas vezes for desejado; Simples e prática boa abordagem para testes rápidos; Scripts de Teste: - Muitos scripts e específicos um script por caso de teste; - Várias funções: procedimento de teste (lógica de execução de teste) + dados de entrada + resultados esperados + operações sobre a interface

8 Técnicas de Automação Programação: Extensão da técnica Record & Playback; Usar a linguagem de programação da ferramenta para alterar os scripts gravados Vantagens: - Melhor taxa de reutilização, - Maior tempo de vida, - Maior facilidade de manutenção, - Maior robustez.

9 Técnicas de Automação Data-Driven (Orientado a Dados): Dados de Teste X Scripts de Teste Dados de Teste: - Dados de entrada + resultados esperados; - Armazenados em arquivos separados (planilhas). Scripts de Teste: - Menos scripts e mais genéricos um script por n casos de teste; - Menos funções: procedimento de teste (lógica de execução de teste) + manipulação dos dados de teste + operações sobre a interface. - Vantagem: Facilidade para adicionar, modificar ou remover dados de teste e itens de teste, com necessidade mínima de manutenção dos scripts de teste.

10 Técnicas de Automação Keyword-Driven (Orientado a Palavras-Chave): Dados de Teste X Procedimentos de Teste X Scripts de Teste Dados de Teste: - Dados de entrada + resultados esperados; - Armazenados em arquivos separados (planilhas). Procedimentos de Teste: - Passos da lógica de execução identificados por palavras chave; - Armazenados em arquivos separados (planilhas). Scripts de Teste: - Bem menos scripts e e bem mais genéricos; - Menos funções: manipulação dos procedimentos de teste + manipulação dos dados de teste + operações comuns sobre a interface. Casos de Teste

11 Técnicas de Automação Scripts de Teste Record & Playback / Programação Dados de Teste Scripts de Teste Data-Driven Procedimento de Teste Scripts de Teste Keyword-Driven Dados de Teste Procedimento de Teste Scripts de Teste Keyword-Data-Driven

12 Framework AutoTest Componentes Básicos Planilhas de Teste Log de Execução Interpretador Scripts DataDriven Scripts KeywordDriven Aplicação Sob Teste Mapa de Interface

13 Framework AutoTest SOC KET JV M Arquitetura Completa Acesso Celular Acesso Web HTTP HTTP AutoTest Remote Agent COM ClearCase Log de Execução NFS Jcov / XYZ NFS Log Resumido de Erro NFS Scripts do AutoTest GUI/TTY Aplicação Sob Teste IBM Rational TestManager API JDBC BD Oracle NFS Planilhas de Teste NFS Mapa de Interface Ambiente Windows/UNIX

14 Framework AutoTest Exemplo de Planilha: Data-driven

15 Framework AutoTest Exemplo de Planilha: Keyword-driven

16 Estudos de Caso Metodologia para Coleta de Métricas Manutenção do Projeto de Teste: Dados de Teste Procedimento de Teste Quantidade de Alterações Execução Manual do Teste: Execução Registro de Erro Quantidade de Execuções Quantidade de Erros Execução Automatizada do Teste: Execução Análise do Log de Execução Automatizada Registro de Erro Quantidade de Execuções Quantidade de Erros

17 Estudos de Caso CPqD Billing Módulo de Promoções - Primeira versão do módulo Módulo de Atendimento ao Cliente - Módulo em evolução (teste de regressão)

18 Estudos de Caso - Promoções Tipo de Métrica Teste Manual Teste Automatizado Número de Casos de Teste Executados Cobertura Funcional dos Casos de Teste 65 % 88 % Erros Detectados Tempo de Projeto de Teste 101 h 101 h Tempo de uma Execução Completa dos Casos de Teste Análise dos Resultados e Registro de Erros 123 h 14 h 34 h 28 h

19 Estudos de Caso - Promoções

20 Estudos de Caso Atendimento ao Cliente Tipo de Métrica Teste Manual Teste Automatizado Número de Casos de Teste Executados Cobertura Funcional dos Casos de Teste - 71 % Erros Detectados - 18 Tempo de Projeto de Teste h Tempo de uma Execução Completa dos Casos de Teste Análise dos Resultados e Registro de Erros 525 h (estimado) 100 h (estimado) 4 h 62 h

21 Estudos de Caso Atendimento ao Cliente

22 Conclusão Resultados obtidos: muito satisfatórios, superando as expectativas (teste de regressão) O framework se mostrou robusto, expansível e extensível Possível aplicar todos os testes em todas as reexecuções, enquanto que a do teste manual tende a se restringir a um subconjunto a cada nova re-execução A automação de teste deve ser acompanhada de técnicas que visem a identificação de casos de teste com maior possibilidade de detecção de erros

23 OBRIGADO! CPqD - Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 118,5 - SP Campinas - SP BRASIL (19) CPqD Technologies & Systems Inc. 111, W. St. John Street, Suite 610 San Jose, CA 95113, USA

Automação de Teste de Software: Incremento de Qualidade e Produtividade em Sistemas de Faturamento Telecom

Automação de Teste de Software: Incremento de Qualidade e Produtividade em Sistemas de Faturamento Telecom Automação de Teste de Software: Incremento de Qualidade e Produtividade em Sistemas de Faturamento Telecom Sindo Vasquez Dias Analista de Sistemas sindo@cpqd.com.br Encontro da Qualidade e Produtividade

Leia mais

AutoTest Um framework reutilizável para a automação de teste funcional de software

AutoTest Um framework reutilizável para a automação de teste funcional de software AutoTest Um framework reutilizável para a automação de teste funcional de software Marcelo Fantinato *, Adriano Camargo Rodrigues da Cunha, Sindo Vasquez Dias, Sueli Akiko Mizuno Cardoso e Cleida Aparecida

Leia mais

Integração de Sistemas de Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Utilizando GML

Integração de Sistemas de Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Utilizando GML Integração de Sistemas de Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Utilizando GML Novembro/2003 Agenda Introdução Contexto Problema Objetivo Solução Integração de Sistemas de Telecom Rede Externa de

Leia mais

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson QUALIDADE Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software - SBQS Instituto Nokia de Tecnologia Unit Test Sucess Bug INdT Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua

Leia mais

Projetos PBQP do CPqD

Projetos PBQP do CPqD ome ou Logo da presa ou o cliente Projetos PBQP do CPqD Tradução CMMI André Villas-Boas Grupo Institucional da Qualidade Agenda Histórico do CPqD Histórico dos trabalhos Apresentação dos projetos Perguntas

Leia mais

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro Desenvolvimento em PHP usando Frameworks Elton Luís Minetto Agenda Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro Ambiente Web É o ambiente

Leia mais

Rede de Laboratórios de Produtividade de Software

Rede de Laboratórios de Produtividade de Software Rede de Laboratórios de Produtividade de Software Ferramenta TestLink Programa de Capacitação em Testes de Software Gerenciamento de Testes Onde armazenar os testes? Na sua cabeça Papéis / Documentos Nunca

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado

Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado Renan Azevedo Engenheiro de Produto de Teste e Medição -Américas Aprenda as melhores práticas para construir um completo

Leia mais

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração Desenvolvimento em PHP usando Frameworks Elton Luís Minetto Agenda Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração Ambiente Web É o ambiente formado

Leia mais

Introdução à Automação de Testes

Introdução à Automação de Testes Introdução à Automação de Testes S Cristiano Caetano c_caetano@hotmail.com É certificado CBTS pela ALATS. Consultor de teste de software sênior com mais de 10 anos de experiência, já trabalhou na área

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Sobre entidades externas ao sistema Quais sistemas externos devem ser acessados? Como serão acessados? Há integração com o legado a ser feita?

Leia mais

4 Um Exemplo de Implementação

4 Um Exemplo de Implementação 4 Um Exemplo de Implementação Neste capítulo será discutida uma implementação baseada na arquitetura proposta. Para tanto, será explicado como a arquitetura proposta se casa com as necessidades da aplicação

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Modelos de Arquiteturas Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Arquitetura de Sistemas Distribuídos Clientes e Servidores Peer-to-Peer Variações Vários Servidores Proxy Código Móvel

Leia mais

Integração Contínua com Rational Team Concert, Jenkins e SonarQube

Integração Contínua com Rational Team Concert, Jenkins e SonarQube Integração Contínua com Rational Team Concert, Jenkins e SonarQube Agenda 1. Introdução à Integração Contínua 2. Ferramentas 3. Solução de Integração Contínua em Furnas 4. Demonstração O que é a Integração

Leia mais

IBM Software Demos Rational Software Delivery Platform - Teste automatizado

IBM Software Demos Rational Software Delivery Platform - Teste automatizado Na parte final da demonstração, Jan, nossa testadora, usará o IBM Rational Functional Tester ou RFT para registrar um novo script de teste. O RFT está integrado ao IBM Rational Software Delivery Platform

Leia mais

CA Network Automation

CA Network Automation FOLHA DE PRODUTOS: CA Network Automation agility made possible CA Network Automation Ajude a reduzir o risco e aprimore a eficiência da TI automatizando o gerenciamento de mudança e da configuração de

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Projetos PBQP do CPqD

Projetos PBQP do CPqD ome ou Logo da presa ou o cliente Projetos PBQP do CPqD Certificação CSQE André Villas-Boas Grupo Institucional da Qualidade Agenda Histórico do CPqD Histórico dos trabalhos Apresentação dos projetos Perguntas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

EVOLUÇÃO DE SOFTWARE

EVOLUÇÃO DE SOFTWARE EVOLUÇÃO DE SOFTWARE Dinâmica da evolução de programas Manutenção de software Processo de evolução Evolução de sistemas legados 1 Mudança de Software 2 Manutenção de software Mudança de software é inevitável

Leia mais

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Soluções de análise da SAP Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Índice 3 Um caso para análise preditiva

Leia mais

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10)

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10) Questionário Nível Avaliado Gerador de plano de teste Gerador de dados Função/característica do produto Gestão dos dados do plano de teste (51) Perguntas Pontuação Selenium BadBoy Canoo A ferramenta auilia

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

Rational Requirements Composer Treinamento aos Analistas de Qualidade e Gestor das Áreas de Projeto

Rational Requirements Composer Treinamento aos Analistas de Qualidade e Gestor das Áreas de Projeto Rational Requirements Composer Treinamento aos Analistas de Qualidade e Gestor das Áreas de Projeto Objetivos do Treinamento Apresentar as principais funcionalidades do Rational Requirements Composer relacionadas

Leia mais

Criando Frameworks Inteligentes com PHP. Uma abordagem prática: vantagens, aplicações e procedimentos.

Criando Frameworks Inteligentes com PHP. Uma abordagem prática: vantagens, aplicações e procedimentos. Criando Frameworks Inteligentes com PHP Uma abordagem prática: vantagens, aplicações e procedimentos. Apresentação Equipes ao redor do mundo utilizam diferentes padrões de projeto, de acordo com suas necessidades

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software. Tendências, Perspectivas e Ferramentas de Qualidade em Engenharia de Software (4)

CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software. Tendências, Perspectivas e Ferramentas de Qualidade em Engenharia de Software (4) CURSO de GRADUAÇÃO e de PÓS-GRADUAÇÃO do ITA 2º SEMESTRE 2002 CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software Eng. Osvandre Alves Martins e Prof. Dr. Adilson Marques da Cunha Tendências,

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 27 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 27-26/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Sistemas de Informação 2011-2 SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA Alunos: WERNECK,

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Fábrica de Software 29/04/2015

Fábrica de Software 29/04/2015 Fábrica de Software 29/04/2015 Crise do Software Fábrica de Software Analogias costumam ser usadas para tentar entender melhor algo ou alguma coisa. A idéia é simples: compara-se o conceito que não se

Leia mais

Monitoração de Serviços com Software Livre

Monitoração de Serviços com Software Livre Monitoração de Serviços com Software Livre Palestrantes Adail Horst Fátima Tonon Agenda Serviço Monitoração, desafios, metas e artefatos Zabbix Exemplos de visões da monitoração Extensões ao Zabbix desenvolvidas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 01 de Novembro de 2013. Revisão aula passada Projeto de Arquitetura Decisões de projeto de Arquitetura

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Gerência de Redes NOC

Gerência de Redes NOC Gerência de Redes NOC Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os conceitos fundamentais, assim como os elementos relacionados a um dos principais componentes

Leia mais

Automatização de Aplicativos Windows usando o AutoHotKey

Automatização de Aplicativos Windows usando o AutoHotKey Automatização de Aplicativos Windows usando o AutoHotKey Muitos processos de negócio dependem de aplicativos de terceiros que assumem a presença de um operador humano para executar determinadas rotinas.

Leia mais

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44 Armazenando Dados em Aplicações Java Parte 2 de 3: Apresentando as opções Hua Lin Chang Costa, hualin@cos.ufrj.br, COPPE/UFRJ. Leonardo Gresta Paulino Murta, leomurta@ic.uff.br, IC/UFF. Vanessa Braganholo,

Leia mais

Gerenciamento de software como ativo de automação industrial

Gerenciamento de software como ativo de automação industrial Gerenciamento de software como ativo de automação industrial INTRODUÇÃO Quando falamos em gerenciamento de ativos na área de automação industrial, fica evidente a intenção de cuidar e manter bens materiais

Leia mais

Prevayler. Perola. André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki

Prevayler. Perola. André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki Prevayler Perola André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki Prevayler Prevayler é a implementação em Java do conceito de Prevalência. É um framework que prega uma JVM invulnerável

Leia mais

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Uma poderosa ferramenta de monitoramento Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Abril de 2008 O que é? Características Requisitos Componentes Visual O que é?

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

GESTÃO DOCUMENTAL E FLUXOS DE TRABALHO

GESTÃO DOCUMENTAL E FLUXOS DE TRABALHO GESTÃO DOCUMENTAL E FLUXOS DE TRABALHO 2 GESTÃO DOCUMENTAL VANTAGENS Informação sempre acessível, acesso fácil e rápido Redução do espaço, custos de armazenamento e impressão Redução da duplicação de dados

Leia mais

ANEXO VII PROCESSO E METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO PROCERGS MDP. Processo de Desenvolvimento de Sistemas

ANEXO VII PROCESSO E METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO PROCERGS MDP. Processo de Desenvolvimento de Sistemas ANEXO VII PROCESSO E METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO PROCERGS MDP Processo de Desenvolvimento de Sistemas MDP - Metodologia de Desenvolvimento PROCERGS - é uma estrutura básica de definição de processos

Leia mais

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico Fundamentos de Java Prof. Marcelo Cohen 1. Histórico 1990 linguagem Oak; desenvolvimento de software embutido para eletrodomésticos S.O. para o controle de uma rede de eletrodomésticos o surgimento da

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Capítulo 12 REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar?

Leia mais

HIBERNATE EM APLICAÇÃO JAVA WEB

HIBERNATE EM APLICAÇÃO JAVA WEB HIBERNATE EM APLICAÇÃO JAVA WEB Raul Victtor Barbosa Claudino¹, Ricardo Ribeiro Rufino¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil victtor.claudino@gmail.com, ricardo@unipar.br Resumo: Este

Leia mais

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Revisão para a prova B2 Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor:

Leia mais

Prototipação de Software

Prototipação de Software UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Prototipação de Software Engenharia de Software 2o. Semestre de 2005

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

Curso de Linux Básico

Curso de Linux Básico Curso de Linux Básico Oficina TecnoJovem Outubro/2013 Instalação de Programas Introdução Pacotes Gerenciamento de Pacotes Exemplos Material baseado na Documentação Ubuntu, disponível na Internet (WIKI)

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS. Software livre se refere à liberdade dos usuários com relação ao software, mais precisamente:

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS. Software livre se refere à liberdade dos usuários com relação ao software, mais precisamente: ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS Unidade IV DEFINIR A MELHOR SOLUÇÃO DE BANCO DE DADOS PARA AS NECESSIDADES DA EMPRESA.1 O uso das tecnologias.1.1 O software livre 1 A tecnologia de banco de dados, assim

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Virtualização - motivação Consolidação de servidores. Consolidação de aplicações. Sandboxing. Múltiplos ambientes de execução. Hardware virtual. Executar múltiplos

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE ANÁLISE DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS ÉDINA MARIA DAS NEVES

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE ANÁLISE DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS ÉDINA MARIA DAS NEVES UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE ANÁLISE DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS ÉDINA MARIA DAS NEVES TREINAMENTO, SUPORTE E CONFIGURAÇÃO DE EQUIPAMENTOS RELATÓRIO DE ESTÁGIO PONTA GROSSA ÉDINA

Leia mais

FileMaker 13. Guia de ODBC e JDBC

FileMaker 13. Guia de ODBC e JDBC FileMaker 13 Guia de ODBC e JDBC 2004 2013 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara, Califórnia 95054 FileMaker e Bento são marcas comerciais da

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Imagem via Celular (SIC) baseado no sistema operacional Symbian da Nokia

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Imagem via Celular (SIC) baseado no sistema operacional Symbian da Nokia MANUAL DO USUÁRIO Software de Imagem via Celular (SIC) baseado no sistema operacional Symbian da Nokia Software de Imagem via Celular (SIC) baseado no sistema operacional Symbian da Nokia Esse software

Leia mais

Documento técnico de negócios. Práticas recomendadas para implementar soluções automatizadas de teste funcional

Documento técnico de negócios. Práticas recomendadas para implementar soluções automatizadas de teste funcional Documento técnico de negócios Práticas recomendadas para implementar soluções automatizadas de teste funcional Índice Contents 3 Introdução 3 Testes funcionais e testes de unidades 4 Os prós e os contras

Leia mais

A necessidade de realizar pesquisas em PDF... 3. Desempenho e escalabilidade são essenciais... 6

A necessidade de realizar pesquisas em PDF... 3. Desempenho e escalabilidade são essenciais... 6 1 Sumário A necessidade de realizar pesquisas em PDF... 3 Visão geral sobre pesquisa e índice... 3 Arquitetura IFilter... 4 Desempenho e escalabilidade são essenciais... 6 Procure documentos PDF com o

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

UNIVASF - Universidade Federal do Vale do São Francisco Manutenção de Software

UNIVASF - Universidade Federal do Vale do São Francisco Manutenção de Software UNIVASF - Universidade Federal do Vale do São Francisco Manutenção de Software Prof. Ricardo A. Ramos Ciclo de Vida de Software 2 Manutenção de Software Alterações efetuadas no software depois de sua liberação.

Leia mais

Manutenção desoftware. SCE 186- Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestrede2002

Manutenção desoftware. SCE 186- Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestrede2002 Manutenção desoftware SCE 186- Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestrede2002 CiclodeVidadeSoftware 2 ManutençãodeSoftware n Alterações efetuadas no software

Leia mais

Treinamento. DBA Oracle 11g. Duração: 120 horas

Treinamento. DBA Oracle 11g. Duração: 120 horas Treinamento DBA Oracle 11g Duração: 120 horas Neste curso no primeiro módulo (Introdução ao Oracle 11g SQL e PL_SQL) é oferecido um curso introdutório à tecnologia do banco de dados Oracle 11g. Também

Leia mais

Sumário. 1 Introdução à administração do Windows Vista...27. 2 Gerenciando sistemas Windows Vista...51

Sumário. 1 Introdução à administração do Windows Vista...27. 2 Gerenciando sistemas Windows Vista...51 Sumário 1 Introdução à administração do Windows Vista...27 Começando a usar o Windows Vista... 28 Instalando e executando o Windows Vista... 30 Instalando o Windows Vista...30 Utilizando o Centro de Boas-vindas

Leia mais

Professor: Curso: Disciplina:

Professor: Curso: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Aula 1 Turma: Esp. Marcos Morais de Sousa Sistemas de informação Engenharia de Software I Dinâmica da disciplina, plano de curso e avaliação 03º semestre Prof. Esp. Marcos

Leia mais

GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD. Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins

GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD. Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento do trabalho Conclusão Extensões

Leia mais

Gerenciador de Mudanças automatizadas

Gerenciador de Mudanças automatizadas Benefícios para os Negócios Minimizando a dependência em processos manuais e reduzindo risco de erro humano Reduz o tempo, esforço e risco de erro humano que existem ao mudar a configuração em dispositivos

Leia mais

Excelência em Metodologia de Helpdesk

Excelência em Metodologia de Helpdesk Excelência em Metodologia de Helpdesk O IntraDesk foi desenvolvido com base nas melhores práticas conhecidas de Helpdesk, indicadas por organizações como o Gartner Group e o Helpdesk Institute, que, aliadas

Leia mais

Introdução à Programação. Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR

Introdução à Programação. Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR Introdução à Programação Orientada a Objetos Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR Fev/2014 Histórico das linguagens de programação ENIAC (1944) Programação

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE Pág. 1 0. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. OBJETIVOS....2 3. ESTIMATIVAS DO PROJETO....4 4. RISCOS DO PROJETO....5 4.1. Identificação e Análise dos Riscos....5 4.1.1. Riscos de Projeto...6 4.1.2. Riscos Técnicos....6

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Análise de Artefatos Maliciosos

Análise de Artefatos Maliciosos 12 Dario S. F. Filho 12 Luiz Otávio Duarte 1 Marcelo Carvalho Sachetin 1 Antonio Montes 1 1 CenPRA - Centro de Pesquisas Renato Archer DSSI - Divisão de Segurança de Sistemas de Informação 2 Unicamp -

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Contextualização ENGENHARIA DE SOFTWARE ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Perspectiva Histórica Engenharia de Software 1940:

Leia mais

Revisão de Banco de Dados

Revisão de Banco de Dados Revisão de Banco de Dados Fabiano Baldo 1 Sistema de Processamento de Arquivos Antes da concepção dos BDs o registro das informações eram feitos através de arquivos. Desvantagens: Redundância e Inconsistência

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa Prof. Marcelo de Sá Barbosa Introdução Visão geral das técnicas de segurança Algoritmos de criptografia Assinaturas digitais Criptografia na prática Introdução A necessidade de proteger a integridade e

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar? 2. Como uma empresa pode certificar-se

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

Arquitetura de Banco de Dados

Arquitetura de Banco de Dados Arquitetura de Banco de Dados Daniela Barreiro Claro MAT A60 DCC/IM/UFBA Arquitetura de Banco de dados Final de 1972, ANSI/X3/SPARC estabeleceram o relatório final do STUDY GROUP Objetivos do Study Group

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet

Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet 1. Autores Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet Luciano Eugênio de Castro Barbosa Flavio Barbieri Gonzaga 2. Resumo O custo de licenciamento

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação 1 Ruironaldi dos Santos Cruz ARTIGO ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇO SOA SERVICE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMATICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO LINGUAGENS DE APLICAÇÃO COMERCIAL SILAS QUEIROZ SILVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMATICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO LINGUAGENS DE APLICAÇÃO COMERCIAL SILAS QUEIROZ SILVA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMATICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO LINGUAGENS DE APLICAÇÃO COMERCIAL SILAS QUEIROZ SILVA Mini-Seminário Visual Basic 6.0 Salvador - BA 18/05/2009

Leia mais

ANEXO 04 PROCESSO E METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO PROCERGS MDP. Processo de Desenvolvimento de Sistemas

ANEXO 04 PROCESSO E METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO PROCERGS MDP. Processo de Desenvolvimento de Sistemas ANEXO 04 PROCESSO E METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO PROCERGS MDP Processo de Desenvolvimento de Sistemas MDP - Metodologia de Desenvolvimento PROCERGS - é uma estrutura básica de definição de processos

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 5º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 23/04/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

Gerência de Configuração de Software Funções

Gerência de Configuração de Software Funções Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Ciência da Computação Processo de Engenharia de Software II Gerência de Configuração de Software Funções Rafael Leonardo Vivian {rlvivian.uem

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas WEB

Desenvolvimento de Sistemas WEB Desenvolvimento de Sistemas WEB JavaScript - Aula 14 Introdução Arthur Porto - IFNMG Campus Salinas arthur.porto@ifnmg.edu.br arthurporto.com.br JavaScript - Aula 14 Introdução Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade de Software Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Verificação x validação Verificação prova que o produto vai ao encontro dos requerimentos especificados no desenvolvimento

Leia mais