UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENFERMAGEM MÓDULO DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE ESTUDO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENFERMAGEM MÓDULO DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENFERMAGEM MÓDULO DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE ESTUDO DE CASO Petrolina-PE 2009

2 JACQUELINE KRIS SANTOS MOURA MARIA DA PENHA SILVA DE BRITO ESTUDO DE CASO: Broncopneumonia Bronquiolite Estudo de caso solicitado pelos professores Luciana Dutra e Venâncio Tavares, como requisito de avaliação do estágio no Hospital Dom Malam- IMIP, no PSI do módulo Saúde da Criança e do Adolescente do 6º período de Enfermagem. Petrolina-PE 2009

3 Sumário I. Identificação do paciente... II. História clínica... III. Estudo de diagnóstico... IV. Evolução do paciente... V. Exames realizados... VI.Estudo das medicações... VII.Sistematização da assistência de enfermagem... VIII. Prognóstico... IX. Orientações para alta... X. Considerações finais... Referências

4 I. Identificação do paciente Nome: F.L.S.S Enf/Leito: PSI Idade: 2 meses e 16 dias Sexo: Feminino Naturalidade: Exu- PE Procedência: Da sua residência em Petrolina-PE II. História clínica História da Doença Atual Lactente, DN: 01/02/2009, Peso: kg. Oriunda de sua residência, no dia 16/04/2009, pela genitora M.P.S apresentando queixa de gripe, febre, tosse, cansaço, diarréia com fezes esverdeadas e abdome distendido. Após consulta realizada com a enfermeira da triagem do PSI Hospital Dom Malam IMIP, foi encaminhada para admissão no setor. Antecedentes Patológicos Pessoais História da gravidez: G6P6A0, realizado 05 consultas pré-natal, sem intercorrências durante a gravidez, parto normal sem complicações e internações anteriores da lactente ausentes. Antecedentes Patológicos Familiares Filha da genitora, que tem contato com a lactente, apresentou sintomas de gripe. Alergias 3

5 11º dia de vida, realizou consulta de puericultura no PSF, relatando que a lactente encontrava-se com sinais de alergia em todo o corpo, não esclarecendo o motivo. Estado Vacinal Ausência de administração de vacinas: Anti-pólio, Rotavírus e DTP+HIB. III. Estudo de diagnóstico Broquiolite A bronquiolite, infecção das vias aéreas inferiores, é uma doença respiratória aguda de crianças pequenas em que o vírus sincicial respiratório (RSV) representa o principal agente, porém outros vírus, como o parainfluenza, adenovirus, influenza, rinovirus, estão associados à doença. As crianças geralmente adquirem a infecção quando expostas a familiares que têm tipicamente sintomas de infecção do trato respiratório superior ou a crianças infectadas, em uma creche. O vírus torna-se epidêmico nas comunidades durante o final do outono e nos meses de inverno, sendo facilmente disseminado pela transmissão nariz-mão e mão-olho. Cerca de 50% das crianças a contraem nos dois primeiros anos de vida, e 95% das crianças apresentam evidencias sorológicas de infecção prévia com três anos de idade. A fisiopatologia acontece da seguinte forma: a mucosa dos bronquíolos mostra-se edemaciada, e o lúmen este cheio de muco e exsudato; as paredes dos brônquios e bronquíolos estão infiltradas por células inflamatórias e a pneumonite intersticial peribronquiolar está usualmente presente. Os graus variáveis de obstrução, produzidos nas pequenas passagens aéreas por estas alterações, levam a hiperinsuflação, enfisema obstrutivo, resultado da obstrução parcial, e áreas de atelectasia em placa. O lactente afetado costuma apresentar rinórreia, espirros, tosse e febre baixa, seguidos, após vários dias, do aparecimento de taquipnéia e sibilância, a criança pode alimentar-se mal. O exame físico revela sinais de dificuldade respiratória aguda, incluindo batimento e asas de nariz, taquipnéia, cianose intermitente, retrações, fase expiratória prolongada e sibilos e estertores crepitantes no tórax. As radiografias do tórax revelam aprisionamento de ar e 4

6 podem mostrar espessamento peribrônquico, atelectasia e infiltrados. A hipoxemia não é universal, mas é secundária à desigualdade de ventilação e perfusão. A hipercapnia não costuma ocorrer, mas pode surgir no lactente gravemente afetado com obstrução significativa das vias aéreas ou em lactentes que se tornam fatigados. Os sintomas agudos duram 5-6 dias e a recuperação é completa em dias. O diagnóstico de broquiolite baseia-se nos achados clínicos e no conhecimento da epidemiologia das doenças virais prevalentes na comunidade. O RSV pode ser identificado em secreções nasofaríngeas através de PCR, cultura ou determinação de antígenos. Muitos outros diagnósticos devem ser considerados na criança pequena que manifesta um doença respiratória aguda associada a sibilância. O tratamento dos casos leves pode ser realizado no domicílio e consiste de hidratação oral, desobstrução nasal com soluções à base de soro fisiológico, administração de antitérmicos e fisioterapia respiratória quando houver secreção pulmonar. As principais etapas da estratégia terapêutica para os casos que necessitam de internação (a criança que estiver taquipnéica, inquieta ou que apresenta história de ingesta hídrica deficiente) incluem: suplementação com oxigênio, hidratação endovenosa, suporte ventilatório e fisioterapia respiratória. As avaliações clinicas, a monitorização não-invasiva do oxigênio e valores gasométricos orientam a terapia. Alguns pacientes podem se beneficiar da nebulização com broncodilatadores e em casos selecionados e mais graves pode ser utilizado corticosteróide por via oral ou parenteral. A administração de ribavirina em aerossol, um agente antiviral especifico, mostrou-se levemente eficaz em ensaios clínicos, devendo ser considerada em lactentes intensamente afetados e naqueles sob alto risco de doença severa (portadores de doença pulmonar crônica e cardiopatia congênita). Antibioticoterapia está indicada caso haja evidencia de infecção bacteriana concomitante. São necessária intubação e ventilação mecânica para tratar insuficiência respiratória ou apnéia grave. As complicações incluem apnéia, insuficiência respiratória, atelectasia, otite média, infecção bacteriana secundaria e pneumotórax. Contudo, o prognóstico imediato d maioria das crianças com bronquiolite é excelente, com os sintomas remetindo em 7-10 dias. O recente desenvolvimento e uso de uma imunoglobulina para VSR em combinação com o ribarivin apresenta o potencial para significativa da morbidade e da nortalidade por bronquiolite. 5

7 Pneumonia/ Broncopneumonia Pneumonia refere-se a inflamação do parênquima pulmonar, sendo comum durante toda a infância, mas ocorre com maior freqüência no período da lactância e no inicio da infância. Clinicamente, a pneumonia pode acontecer como uma doença primaria ou como uma complicação de alguma outra doença. Pneumonite é uma inflamação aguda localizada no pulmão sem a toxemia associada à pneumonia lobar (totalidade ou grande parte de um ou mais dos lobos pulmonares atingidos). Diferentemente da lobar, na penumonia intersticial o processo inflamatório fica mais ou menos confiado dentro das paredes alveolares (interstício) e dos tecidos peribrônquicos e interlobulares. Broncopneumonia é a inflamação do pulmão que começa nos bronquíolos terminais, ocorrendo produção de exsudato mucopurulento que obstrui algumas dessas pequenas vias aéreas e causa consolidação irregular de lóbulos adjacentes. A broncopneumonia geralmente envolve múltiplos lobos pulmonares. Vários agentes infecciosos (bactérias, vírus, fungos, riquétsias e parasitos), processos infamatórios (LES, sarcoidose), substancias tóxicas (hidrocarbonetos, fumaça, mofo, poeira, substancias químicas, gases e conteúdo gástrico) que são inaladas ou aspiradas, causam pneumonia. Os microrganismos ganham acesso ao pulmão por disseminação hematogênica ou por extensão local descendente ao longo da árvore brônquica respiratória. As pneumonias são classificadas, de acordo com a morfologia, forma clínica e o agente etiológico: viral, atípica (por micoplasma), bacteriana ou por aspiração de substâncias estranhas. A infecção viral, podendo ser originada por CMV, herpesvírus, enterovírus, vírus influenza, adenovírus, varicela, representa a causa mais comum em crianças e as bacterianas (Streptococus pneumoniae, Staphylococus aureus, H.influenzae) são responsáveis por 10-30% de todas as pneumonias pediátricas. Os padrões clínicos típicos das pneumonias viral e bacteriana diferem entre si, embora a distinção nem sempre seja clara em determinado paciente. Taquipnéia, tosse, mal-estar, febre, dor torácica pleurítica e retrações são comuns em ambas. As pneumonias virais são mais frequentemente associadas a tosse, sibilância, ou estridor, e a febre é menos proeminente que na bacteriana. A radiografia de tórax mostra infitrados raiados difusos de broncopneumonia, e a contagem de leucócitos muitas não esta elevada. Pneumonias bacterianas são tipicamente acompanhadas de tosse, febre alta, calafrios, 6

8 dispnéia e achados auscultatórios de consolidação pulmonar (murmúrio respiratório diminuído ou tubular, macicez à percussão). A radiografia do tórax mostra consolidação lobar e derrame pleural, com contagem de leucócitos periféricos elevados. Exames de imagem (raios-x de tórax ou, até mesmo, tomografia computadorizada de tórax) e hemograma completo auxiliam para o diagnóstico. O diagnóstico definitivo de pneumonia requer identificação do microorganismo implicado. Certos agentes virais ( influenza, parainfluenza, adenovirus) podem ser identificados por cultura, PCR, ou imunofluorescência de células epiteliais infectadas da nasofaringe. O tratamento da pneumonia depende da idade do paciente e da apresentação clínica (se for mais compatível com pneumonia viral ou bacteriana). Os lactentes com menos de dois meses devem ser hospitalizados e tratados com antibióticos intravenosos. Em crianças maiores, devem-se empregar drogas eficazes contra o S.pneumoniae (amoxicilina, ceftriaxona, claritromicina, ou trimetoprim- sulfametaxzol por dez dias. O pneumococo resistente à penicilina atualmente é comum em muitas comunidades, sendo resistentes a múltiplos antibióticos e exigem tratamento inicial com ceftriaxona. A maioria das crianças após a lactância inicial pode ser assistida em ambulatório. As indicações para hospitalização incluem: dificuldade respiratória moderada a grave; ausência de resposta a antibióticos orais, consolidação em mais de um lobo; imunossupressão, empiema ou doença cardiopulmonar subjacente. O prognóstico geralmente é bom porque a maioria das crianças recupera-se rápida e completamente e os achados radiográficos devem normalizar-se em 6-8 semanas. Em algumas crianças, a pneumonia persiste por mais de um mês ou torna-se recorrente, tendo que ser bem investigada para doenças subjacentes. IV. Evolução do paciente Admissão Resumo da internação: EGR, cansaço, tosse, febre, diarréia. Exame físico realizado 7

9 Lactente, 2 meses e 16 dias, 2º DIH por BCP em companhia da genitora. EGR, agitada. Ao exame físico: couro cabeludo integro, FAN, mucosas oculares e oral normocrômicas, hidratada, acianótica, turgor e elasticidade da pele preservados. AC: BNF, AR: MV+ com presença de sibilos e estertores crepitantes em base HTD e em ápice HTE. Presença de tosse produtiva. Abdome distendido e timpânico à percussão com presença de ruídos hidroaéreos. Genitália sem anormalidades a inspeção. Boa mobilidade MMSS e MMII. Mantido cateter MIE intravenoso para medicação. Eliminação urinária presente e evacuação pastosas esverdeadas, aceita a dieta por AM (SIC). SSVV: FC=124, T =36,6 C. Não foi possível observar FR devido ao abdome distendido. Orientado a genitora quanto aos cuidados: higiene, aleitamento materno, vacinação e decúbito elevado. Conduta: solicitado prescrição médica de Dimeticona e administrado posteriormente. Relação com diagnóstico Presença de sibilos e estertores crepitantes em base HTD e em ápice HTE, juntamente com tosse produtiva relacionam-se ao diagnóstico de BCP. V. Exames realizados Radiografia do tórax É um exame baseado na impressão de um filme com radiações-x emitidas pelo aparelho depois de atravessar o tórax do individuo. A realização da radiografia exige que seja obtida nas posições de frente e de perfil. A radiografia de tórax indica a distribuição estrutura, por exemplo, lobar ou brônquica; pode também revelar múltiplo abscesso/infiltrado, empiema (Staphylococcus); infiltração disseminada ou localizada (bacteriana); ou infiltrados nodulares difusos/extensivos (mais freqüentes virais). Na radiografia da paciente em estudo foi percebido presença de infiltração localizada na base em HTD e bilateralmente em HTE, evidenciando a broncopneumonia. 8

10 VI. Estudo das medicações Dipirona sódica (Analgésico e antitérmico): 1amp+10 ml AD IV 8/8h. Mecanismo de ação: atua no centro termorregulador hipotalâmico nos pacientes com hipertermia, provocando redução da temperatura corporal. A dipirona pode atuar diretamente no tálamo diminuindo a passagem de impulsos dolorosos (potencial de ação), e, através dessas estruturas, reduzir a chegada de impulsos dolorosos a nível do córtex sensitivo. Reação adversa: SNC: Choque e discrasias sanguíneas, tais como agranulocitose, leucopenia e trombocitopenia. Outros: Reações de hipersensibilidade que afetam a pele (urticária), a conjuntiva e a mucosa nasofaríngea, reações cutâneas bolhosas, Síndrome de Stevens Johnson, Síndrome de Lyell. Cuidados de enfermagem: Monitorizar a função respiratória, pois podem ser observados ataques de asma em pacientes predispostos a tal condição e hipotensão em caso de aplicação IV muito rápida; Não administrar a droga com outros medicamentos na mesma seringa; Comunicar ao médico se houver hipotermia, pois a droga deve ser suspensa. Omeprazol (antiemético): 40mg EV 1x ao dia. Mecanismo de ação: produz inibição de enzimas nas células parietais. Essa ação farmacológica inibe a etapa final da formação de acido no estômago. Reação adversa: SNC: Cefaléia, tontura, astenia, insônia, apatia, parestesia. SGI: Diarréia, náusea, vômito, constipação, atrofia da língua. 9

11 S. Respiratório: Sintomas de insificiencia respiratória, tosse, epistaxe. Pele: Rash, inflamação, urticária, prurido, alopecia. Outros: Febre, dor nas costas. Cuidados de enfermagem Administrar a droga antes das refeições; Comunicar ao médico caso ocorra diarréia. Metoclopramida (antiemético): 1amp+10ml AD IV 8/8h. Mecanismo de ação: estimula a motilidade do TGI superior sem estimular a secreção gástrica, biliar e pancreática; relaxa o esfíncter pilórico. Reação adversa: SNC: Inquietação, sonolência, distonia, tontura. SCV: Hipertensão transitória. SGI: Náusea, diarréia. Cuidados de enfermagem Monitorizar e comunicar ao medico reação extrapiramidal; IV: infundir lentamente acima de 2 a 3 minutos. Dormonid (indutor do sono): 15mg+ AD EAV ACM. Mecanismo de ação: agente indutor do sono caracterizado pelo rápido inicio de ação, breve permanência no organismo, eficácia constante e facilidade posológica. Também possui propriedades anticonvulsivantes, ansiolítica e miorrelaxante. Reação adversa: 10

12 SNC: Tontura, cefaléia, ataxia, movimentos involuntarios. SCV: Alterações na pressão sanguinea, FC e FR. Pele: Reações cutâneas.. Cuidados de enfermagem Administrar lentamente por via IV, a eliminação é pela via renal e 30% a 50%; IV: infundir lentamente acima de 2 a 3 minutos. Ampicilina/penicilina (antimicrobiano) Mecanismo de ação: ampicilina (uma aminopeniciliana) inibe a síntese durante a multiplicação bacteriana. Reação adversa: SGI: Náusea, vômito, diarréia, estomatite. S. Hematológico: Anemia, trombocitopenia, eosinofilia, leucopenia. Outros: Eritema maculo papular, urtiária e choque anafilático. Cuidados de enfermagem: Por precaução pergunte se o paciente é alérgico a penicilina; Oriente a genitora sobre os sinais e sintomas de hash, febre diarréia e comunique-os ao médico; Monitorize sinais de flebite; Não misture com outra droga; Caso a infecção não ceda em 72 horas avise o médico. Hidrocortisona (corticosteróide) 11

13 Mecanismo de ação: causa reações complexas que são responsáveis por ação antiinflamatória, imunossupressora (glicocorticóide), retenção de sal. Reação adversa: SNC: Cefaléia, parestesia, insônia, convulão e psicose. SCV: Hipotensão, hipertensão, choque, ICC com retenção de líquido, tromboembolismo, arritmia e distúrbio hidroeletrolítico. SGI: Úlcera peptídica e isofágica, pancreatite, distensão abdominal, vômito aumento de apetite e peso. S. Hematológico: Retençao de sódio e água, hipocalemia, aumento de glicose e colesterol. S. Endócrino: Amenorréia, ciclo menstrual irregular, retardo no crescimento e diabetes mellitus. Pele: Petéquias, equimose, púrpura e estrias. Outros: Fraqueza muscular, perda de massa muscular, hosteoporose, fratura espontânea, imunossupressão, infecção, distúrbio no processo de cicatrização. Cuidados de enfermagem Administre antes das 9 horas para diminuir o nível de corticosteróide durante a noite, diminuindo a toxicidade e obtendo melhores resultados; Não administre pela via I.M. se o paciente tiver púrpura troboembolítica; Para evitar atrofia muscular mude o local da injeção; Para evitar desconforto GI administre às refeições; Monitorize a resposta clínica da droga e comunique-a ao médico, para saber se é necessário reajustar a droga; A droga pode mascarar sinais de infecção; Utilize anti-ácidos V.O. ou outro bloqueador da acidez gástrica ao usar corticosteróide, visando prevenir ulcera peptídica; Oriente a genitora para sinais de insuficiência adrenal, tais como fadiga, fraqueza muscular, febre, anorexia, dispnéia. 12

14 Salbutamol (Broncodilatador) Mecanismo de ação: Potente agonista beta-2-adrenérgico seletivo. É um estimulante beteadrenérgico de ação seletiva sobre a musculatura brônquica e destituído de efeitos significativos sobre o sistema cardiovascular. Reação adversa: SCV: Arritmias cardíacas, incluindo fibrilação arterial e taquicardia supraventricular. S. Hematológico: Hipocalemia grave. Outros: reações de hipersensibilidade, incluindo angiodema, urticária, hipotenção, choque, câimbras musculares transitórias. Cuidados de enfermagem: Monitorize o nível de potássio, porque a droga pode provocar hipocalemia grave; Luftal (Antigases) Mecanismo de ação: Atua no intestino diminuindo a tensão superficial do líquidos digestivos, levando ao rompimento as bolhas que retêm os gases. Uma vez livres os gases são facilmente eliminados por eructações ou flatos. Reação adversa: Fisiologicamente inerte e desprovido de toxicidade. Após administração oral é eliminado de forma inalterada pelas fezes. Cuidados de enfermagem: Avaliar distensão abdominal, através do exame físico, para posterior administração conforme prescrição médica S/N. Medicação relacionada com a patologia, sinal e/ou sintoma 13

15 Dipirona sódica: utilizada no tratamento de febre alta, por apresentar rápido efeito antitérmico. Ampicilina/Penicilina: Utilizada em caso de Infecções do trato respiratório superior e inferior, causadas por bactérias, infecções por pneumococos e estreptococos. Hidrocortisona: Indicada devido o processo inflamatório e na prevenção da insuficiência adrenal. Salbutamol: São medicamentos (broncodilatadores), que promovem o relaxamento da musculatura lisa dos brônquios, melhorando a condição respiratória do paciente. Atuam a nível de Sistema Nervoso Autonômo (SNA). Luftal: atua no estômago e no intestino, diminuindo a tensão superficial dos líquidos digestivos, rompendo as bolhas que retêm os gases e que provocam flatulências e dores. Assim, os gases são eliminados mais facilmente, diminuindo o desconforto causado por eles. Soro fisiológico 0,9%: Utilizado na preparação da nebolização, para umidificação das vias aéreas. VII. Sistematização da assistência de enfermagem Diagnóstico 1. Troca gasosa prejudicada relacionado à alterações na membrana alvéolo-capilar, dispnéia, taquicardia e inquietação; Prescrição Avaliar freqüência, profundidade e facilidade da respiração; Observar cor da pele, membranas mucosas e leitos ungueais, observando a presença de cianose periférica (leitos ungueais) ou cianose central; 14

16 Monitorizar freqüência/o ritmo cardíaco; Monitorizar temperatura corporal ajudar com as medidas de conforto para a redução da febre e calafrios, por exemplo, acrescentar/retirar cobertas; Elevar cabeceira; Observar quanto a deterioração quanto a condição, observando a hipotensão, as quantidades copiosas de escarro róseo/sanguinolento, palidez, cianose, dispnéia grave e inquietação. Diagnóstico 2. Desobstrução ineficaz de vias aéreas relacionado à dor, ao aumento das secreções traqueobrônquicas e a fadiga; Prescrição Avaliar freqüência/profundidade das respirações e do movimento torácico; Auscutar campos pulmonares, observando áreas de fluxo aéreo, diminuído/ausente e sons respiratórios adventícios, por exemplo, estertores e sibilos; Elevar cabeceira do leito, orientar genitora que mude a lactente de posição frequentemente; Aspirar, conforme indicado. Diagnóstico 3. Conforto prejudicado relacionado à hipertermia e ao mal-estar; Prescrição Monitorizar temperatura; Orientar genitora que coloque a lactente em decúbito elevado; Proporcionar ambiente silencioso e limitar os visitantes durante a fase aguda, conforme indicado; 15

17 Ajudar a genitora com as atividades de autocuidado conforme necessário. Diagnóstico 4. Risco de hipertermia relacionado ao processo infeccioso; Prescrição Monitorizar temperatura; Administrar antitérmico conforme prescrito S/N. Diagnóstico 5. Dor relacionada a inflamação do parênquima pulmonar e inquietação. Prescrição Monitorizar os sinais vitais, proporcionar medidas de conforto, por exemplo, massagem nas costas e mudança de decúbito; Realizar higiene oral freqüente; Administrar analgésicos e antitussígenos, conforme indicado. Diagnóstico 6. Risco de volume de líquidos deficiente relacionado ao aumento na perda excessiva de líquidos, secundário a febre, a hiperventilação e respiração pela boca. Prescrição Avaliar as mucosas nos sinais vitais, por exemplo, temperatura aumentada/febre prolongada, taquicardia; Avaliar o turgor cutâneo, a umidade das membranas mucosas (lábios, língua); Observar os relatos de náusea/vômito. 16

18 Diagnóstico 7. Risco de nutrição desequilibrada: menos que as necessidades corporais relacionado, à dispnéia e a distensão abdominal, secundárias a deglutição de ar; Prescrição Indicar os fatores que são contribuintes para náusea/vômito, por exemplo, presença de secreção copiosa ao tossir, tratamento de nebulização, dispnéia grave e dor; Auscultar os sons intestinais. Observar/palpar quanto a distensão abdominal; Orientar a genitora que amamente com freqüência; Avaliar o estado nutricional geral, obter um peso de parâmetro. Diagnóstico 8. Risco de transmissão de infecção relacionado à natureza contagiosa da doença; Prescrição Monitorar os sinais vitais continuadamente, especialmente no início da terapia; Orientar a genitora quanto aos cuidados de higienização da lactente; Limitar os visitantes, conforme indicado; Monitorizar a eficácia da terapia antimicrobiana. VIII. Prognóstico Lactente apresentando uma possível melhora devido a normalidade da temperatura, diminuição da dispnéia e ausência de diarréia. Ficou evidenciado através do prontuário que a lactente recebeu as medições apropriadas para o diagnóstico de broncopneumonia e bronquiolite. No caso da paciente, apesar de ter sido administrado todos os medicamentos (broncodilatadores, antimicrobiano, antiinflamatório e antitérmico), os profissionais de enfermagem não entenderam o que estava escrito no prontuário e nem prestaram nenhum 17

19 cuidado essencial para uma boa evolução como: elevação de decúbito, higienização e orientação quanto ao aleitamento materno frequentemente. Dessa forma, o prognóstico para o diagnóstico citado a cima geralmente é bom, porém, outro ponto que dificultaria o prognóstico seria a falta de continuação do tratamento medicamentoso domiciliar, incluindo os devidos cuidados com a lactente. IX. Orientações para alta Orientar a genitora quanto: Deixar a lactente em decúbito elevado para varorecer a respiração e evitar broncoaspiração após amamentação através do posicionamento de eructação; Aleitamento materno exclusivo e freqüente; A importância da administração da medicação no horário correto, dose, via adequada e duração do tratamento prescrito; A uma boa higienização da lactente, prevenindo infecções; Promover um ambiente tranqüilo; Estar atenta a possíveis sinais de recidiva, tais como: tosse, cansaço e febre; Evitar que a lactente esteja em contato com poeira, fumaça de cigarro e poluição ambiental. X. Considerações finais As patologias apresentadas pela paciente, broncopneumonia e bronquiolite, são mais freqüentes durante o outono e inverno, acometendo um grande número de crianças. A atenção básica desempenha um papel importante na orientação no sentido da prevenir problemas respiratórios, bem como identificar o diagnóstico precoce e posterior tratamento adequado. Esse estudo de caso contribuiu não apenas para percebermos a importância da atenção básica, mas também aumentar nossos conhecimentos relacionados a patologia, medicamentos utilizados, diagnósticos comuns e principalmente o papel do enfermeiro na prestação de cuidados. 18

20 Referências GOLDENZWAIG, N.R.S.C. Administração de Medicamentos na Enfermagem. 6ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, CARPENITO-MOYET, L.J. Manual de Diagnósticos de Enfermagem. 11ª ed. Porto Alegre: Artmed, DOENGES, M.E. et al. Planos de Cuidado de Enfermagem. 5º ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, KLIEGMAN, R.M. et al. Nelson Princípios de Pediatria. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, WONG, D. L. Enfermagem Pediátrica: elementos essenciais à intervenção efetiva. 5 a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS UNISA Universidade de Santo Amaro Faculdade de Fisioterapia Estágio Supervisionado: Fisioterapia em Pediatria Profa. Ms. Dalva M. A. Marchese Acadêmica: Andreza Viviani Suzuki

Leia mais

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos 1 O que é? A bronquiolite é uma doença que se carateriza por uma inflamação nos bronquíolos e que, geralmente,

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio Abordagem da Criança com Taquipnéia Paula Florence Sampaio Taquipnéia até 2 meses de idade: 60 rpm de 2 meses a 1 ano: 50 rpm de 1 a 4 anos: 40 rpm 5 anos ou mais: 30 rpm Algumas Causas de Taquipnéia Pneumonia

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. Pág. 01 A bronquiolite é uma infeção respiratória causada por vírus, ocorrendo em crianças com menos de 2 anos.

Leia mais

Tratamento - Oxigenioterapia; - Fisioterapia respiratória; - Ventilação mecânica; - Antibioticoterapia; - Hidratação; - Nutrição.

Tratamento - Oxigenioterapia; - Fisioterapia respiratória; - Ventilação mecânica; - Antibioticoterapia; - Hidratação; - Nutrição. Insuficiência Respiratória Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO Insuficiência respiratória é toda a situação que não permite

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites na Criança Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites Quadro Clínico Inflamação de estruturas faríngeas com: Eritema Edema Exsudato faríngeo Úlcera

Leia mais

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS - IRAs Estima-se se que morram de IRA 4 milhões de crianças de 0 a 5 anos por ano/mundo Prof. Enf. Hygor Elias 75% das mortes Rinofaringite Amigdalite Otite Sinusite Trato

Leia mais

AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO

AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO CLÍNICA DE CANINOS E FELINOS Prof. Roberto Baracat de Araújo AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO CONSIDERAÇÕES ANÁTOMO-PATOLÓGICAS CLASSIFICAÇÃO: TRATO RESPIRATÓRIO SUPERIOR:

Leia mais

Sistema Respiratório. Afecções das vias aéreas inferiores. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho

Sistema Respiratório. Afecções das vias aéreas inferiores. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Sistema Respiratório Afecções das vias aéreas inferiores Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Pneumonia Bronquite Broncopneumonia Pneumonia Intersticial Pneumonia Lobar EBologia Agentes Infecciosos

Leia mais

-.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS"

-.BORDETELOSE CANINA TOSSE DOS CANIS -.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS" A bactéria Bordetella bronchiséptica é a causa primária da traqueobronquite infecciosa canina (tosse dos canis).embora a tosse dos canis seja a manifestação clínica

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Afecções do Sistema Respiratório 08/06/2015 08/06/2015

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Afecções do Sistema Respiratório 08/06/2015 08/06/2015 SISTEMA RESPIRATÓRIO Afecções do Sistema Respiratório 1 2 Rinite Rinite Inflamação das membranas mucosas do nariz. Sintomas: Congestão nasal; Coriza (purulenta na rinite bacteriana); Prurido e espirros.

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET. Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes

Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET. Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes Fernando Klein Outubro/2010 Caso 1 Fridundino Eulâmpio, 6 anos. Há

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria 2012 Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria UNIPAC-Araguari Santa Casa de Araguari 2012 2 INTRODUÇÃO Pneumonia é uma inflamação ou infecção dos pulmões que afeta as unidades de troca

Leia mais

PNEUMONIAS NA INFÂNCIA

PNEUMONIAS NA INFÂNCIA PNEUMONIAS NA INFÂNCIA Hiargo Siqueira Hugo Santos EPIDEMIOLOGIA 4-6 Infecções respiratórias agudas (IRA s)/ano; 2-3% evoluem para pneumonia; Mundo (< 5 anos): 150,7 milhões/ano. 11-20 milhões de internações

Leia mais

Serviço de Pediatria HU-UFJF

Serviço de Pediatria HU-UFJF Serviço de Pediatria HU-UFJF POP Ped Nº 003 BRONQUIOLITE Elaborado em: Julho 2010 Revisado em: Maio 2011 Objetivo: - Estabelecer o diagnóstico da bronquiolite viral aguda em lactentes com sintomas respiratórios.

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

RETIFICAÇÕES DIVERSAS

RETIFICAÇÕES DIVERSAS Circular 340/2014 São Paulo, 10 de Junho de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) RETIFICAÇÕES DIVERSAS Diário Oficial da União Nº 109, Seção 1, terça-feira, 10 de junho de 2014 Prezados Senhores, Segue para

Leia mais

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes Sarampo Introdução O sarampo é uma doença infecciosa aguda de alta transmissibilidade, causada por um vírus da família Paramixoviridae, gênero Morbillivirus A transmissão ocorre através de secreções e

Leia mais

Protocolo de tratamento de influenza - 2011

Protocolo de tratamento de influenza - 2011 Protocolo de tratamento de influenza - 2011 Depois de definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a fase pós- pandêmica, a partir de agosto de 2010, o vírus da influenza pandêmica A (H1N1) 2009 continuou

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL

ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL Gabriela

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

- Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno.

- Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno. Características clínicas da influenza - Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno. - Incubação: um a quatro dias. - Transmissibilidade:

Leia mais

Síndrome Gripal Diretriz de atendimento nas UPAs

Síndrome Gripal Diretriz de atendimento nas UPAs Síndrome Gripal Diretriz de atendimento nas UPAs Características Influenza A influenza é caracterizada por infecção aguda das vias aéreas que cursa com febre (temperatura 38ºC), com a curva febril declinando

Leia mais

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003 PNEUMONIA Este termo refere-se à inflamação do parênquima pulmonar associada com enchimento alveolar por exudato. São infecções das vias respiratórias inferiores gerando um processo inflamatório que compromete

Leia mais

Protocolo de Tratamento de Síndrome Gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave 2015

Protocolo de Tratamento de Síndrome Gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave 2015 CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Protocolo de Tratamento de Síndrome Gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave 2015 (Material produzido pelo Ministério da Saúde e adaptado

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda.

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda. IDENTIFICAÇÃO DO Loxonin loxoprofeno sódico MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES LOXONIN é comercializado em caixas com 8, 15 ou 30 comprimidos de 60 mg. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido de LOXONIN

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA Meiry Alonso Rodrigues Pereira DEFINIÇÃO Distúrbio caracterizado pelo aumento da reatividade da traquéia e dos brônquios à vários estímulos, resultando na constrição difusa

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso ANEXO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do Metabolismo (anabolismo x catabolismo) Metabolismo de Carboidratos Metabolismo de Lipídeos Motilidade no trato gastrointestinal Introdução ao Metabolismo

Leia mais

FRADEMICINA cloridrato de lincomicina

FRADEMICINA cloridrato de lincomicina FRADEMICINA cloridrato de lincomicina I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Frademicina Nome genérico: cloridrato de lincomicina APRESENTAÇÕES Frademicina solução injetável de 300 mg (300 mg/ml)

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação Bronquiectasia Bronquiectasia É anatomicamente definida como uma dilatação e distorção irreversível dos bronquíolos, em decorrência da destruição dos componentes elástico e muscular de sua parede Prof.

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

LINCOFLAN. Bunker Indústria Farmacêutica Ltda Solução Injetável 300MG/ML

LINCOFLAN. Bunker Indústria Farmacêutica Ltda Solução Injetável 300MG/ML LINCOFLAN Bunker Indústria Farmacêutica Ltda Solução Injetável 300MG/ML Lincoflan cloridrato de lincomicina APRESENTAÇÕES Solução injetável de 300 mg (300 mg/ml): embalagem contendo uma ampola com 1 ml.

Leia mais

BRICANYL Composto Expectorante sulfato de terbutalina / guaifenesina

BRICANYL Composto Expectorante sulfato de terbutalina / guaifenesina BRICANYL Composto Expectorante sulfato de terbutalina / guaifenesina I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BRICANYL Composto Expectorante sulfato de terbutalina / guaifenesina APRESENTAÇÃO Embalagem com frasco

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC.

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. Objetivos Ao final desta aula o aluno deverá: Ser capaz de definir a DPOC, e seus dois tipos: enfisema pulmonar e bronquite crônica. Reconhecer os sintomas e sinais

Leia mais

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis Insuficiência Respiratória Síndrome da Angústia Respiratória Aguda Vias aéreas difíceis Mailton Oliveira 2015.2 INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AGUDA Incapacidade do sistema respiratório de atender as demandas

Leia mais

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES P N E U M O N I A CONCEITO Processo inflamatório do parênquima pulmonar que, comumente, é causada por agentes infecciosos. 1 Uma

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Criado em 22/04/15 10h50 e atualizado em 22/04/15 11h27 Por Sociedade Brasileira de Pediatria Para se ter sucesso no tratamento da criança alérgica ou

Leia mais

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico?

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? Dica de Bolso Agrotóxicos O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? 12 1 O QUE SÃO AGROTÓXICOS? Agrotóxicos, também chamados de pesticidas, praguicidas, biocidas, fitossanitários,

Leia mais

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Goiânia

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER

O QUE VOCÊ PRECISA SABER DIAGNÓSTICO DE INFLUENZA E OUTROS VIRUS RESPIRATÓRIOS NO HIAE. O QUE VOCÊ PRECISA SABER Maio de 2013 Laboratório Clínico Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Apenas para lembrar alguns aspectos das

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

IMOSEC (cloridrato de loperamida) comprimidos. 2 mg

IMOSEC (cloridrato de loperamida) comprimidos. 2 mg IMOSEC (cloridrato de loperamida) Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. comprimidos 2 mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Imosec cloridrato de loperamida comprimidos APRESENTAÇÕES Comprimidos de 2 mg em embalagem

Leia mais

Recebimento de pacientes na SRPA

Recebimento de pacientes na SRPA CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E Recebimento de pacientes na SRPA O circulante do CC conduz o paciente para a SRPA; 1.Após a chegada do paciente

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

Aula 12: Doenças do sistema respiratório

Aula 12: Doenças do sistema respiratório Aula 12: Doenças do sistema respiratório Doenças do sistema respiratório Doenças respiratórias são aquelas que atingem órgãos do sistema respiratório (pulmões, boca, faringe, fossas nasais, laringe, brônquios,

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

ESPASLIT DUO. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 500mg + 10mg

ESPASLIT DUO. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 500mg + 10mg ESPASLIT DUO Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 500mg + 10mg 4. O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO? Não use outro produto que contenha paracetamol, pois há risco de dose

Leia mais

INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBA

INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBA PROTOCOLO - OBS 032 DATA: 24/09/2005 PÁG: 1 / 5 1. CONCEITOS - Infecção do trato urinário inferior: colonização bacteriana na bexiga e/ou uretra acompanhada de resposta inflamatória CISTITES, URETRITES.

Leia mais

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM. Nome: Prontuário: Data da consulta: / / Sexo : ( ) M ( ) F Escolaridade: Estado civil: Endereço:

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM. Nome: Prontuário: Data da consulta: / / Sexo : ( ) M ( ) F Escolaridade: Estado civil: Endereço: DISCIPLINA: CONHECIMENTO E OS MÉTODOS DE CUIDAR EM ENFERMAGEM CAMPO DE ESTÁGIO: HOSPITAL PRECEPTORA DE ESTÁGIO: SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM 1. IDENTIFICAÇÃO: Nome: Prontuário: Data da consulta:

Leia mais

Silvia Castro Caruso Christ. Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Hospital São José Beneficência Portuguesa São Paulo

Silvia Castro Caruso Christ. Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Hospital São José Beneficência Portuguesa São Paulo Silvia Castro Caruso Christ Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Hospital São José Beneficência Portuguesa São Paulo Definições: Processo inflamatório da membrana mucosa que reveste a cavidade

Leia mais

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso Dr. José Luiz Cardoso CARACTERÍSTICAS DA CRIANÇA A CRIANÇA NÃO É UM ADULTO EM MINIATURA O nariz é responsável por 50 % da resistência das vias aéreas Obstrução nasal conduz a insuficiência respiratória

Leia mais

Aparelho respiratório

Aparelho respiratório DOENÇAS OBSTRUTIVAS Aparelho respiratório Pode ser causada pôr alterações: A- No interior da luz brônquica: : secreções, líquido, l corpo estranho. B- Na parede da via aéreaa rea: : contração do músculo

Leia mais

Pneumonia na Pediatria

Pneumonia na Pediatria Pneumonia na Pediatria Universidade Católica de Brasília Nome: Gabriela de Melo Souza da Silva Costa Matrícula: UC11045029 Orientadora: Drª Carmem Lívia Faria da Silva Martins Pneumonias São doenças inflamatórias

Leia mais

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS HEMORRÁGICAS SINAIS SINAIS DE DE ALERTA ALERTA SINAIS SINAIS DE DE CHOQUE CHOQUE

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Permite o transporte de O2 para o sangue (a fim de ser distribuído para as células); Remoção de do CO2 (dejeto do metabolismo celular)

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO II

SISTEMA CIRCULATÓRIO II SISTEMA CIRCULATÓRIO II Conceito: Edema pulmonar é o acúmulo anormal de líquidos nos pulmões. Observação: se a cada batimento, o VD bombear apenas 1 gota a mais de sangue que o VE, dentro de 2 horas o

Leia mais

MECLIN. cloridrato de meclizina APSEN

MECLIN. cloridrato de meclizina APSEN MECLIN cloridrato de meclizina APSEN FORMA FARMACÊUTICA Comprimido APRESENTAÇÕES Comprimidos de 25 mg em embalagem com 15 comprimidos. Comprimidos de 50 mg em embalagem com 15 comprimidos. USO ORAL USO

Leia mais

Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos

Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos Professores: Felipe, Jean-Pierre e Olivia FÁRMACOS ANALGÉSICOS Analgésico é um termo coletivo para designar qualquer membro do diversificado grupo de drogas

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

MARAX. Comprimidos. 10 mg + 25 mg + 130 mg

MARAX. Comprimidos. 10 mg + 25 mg + 130 mg MARAX Comprimidos 10 mg + 25 mg + 130 mg Marax dicloridrato de hidroxizina, sulfato de efedrina, teofilina anidra I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome: Marax Nome genérico: dicloridrato de hidroxizina,

Leia mais

INVERNO GAÚCHO. ções respiratórias rias agudas (IRAs) em pessoas com 60 anos e mais

INVERNO GAÚCHO. ções respiratórias rias agudas (IRAs) em pessoas com 60 anos e mais INVERNO GAÚCHO - 2008 Norma Técnica T e Operacional para infecçõ ções respiratórias rias agudas (IRAs) em pessoas com 60 anos e mais GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE PROGRAMA

Leia mais

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS As vacinas conjugadas são aquelas nas quais os antígenos bacterianos são ligados a carreadores protéicos, facilitando o processamento pelos linfócitos T, gerando então,

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil COVER/CGDT/ DEVEP/SVS/MS São Paulo,, setembro de 2007 Classificações das Pneumonias Local de aquisição Tempo de evolução Tipo do comprometimento Comunitária

Leia mais

PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1

PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1 PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1 ORIENTAÇÕES GERAIS SANTA CASA DE MISERICÓRIDA DE CAPÃO BONITO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR JULHO 2009 PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO DA INFLUENZA Em atendimento

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO]

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] 2 Complexo Respiratório Viral Felino É um conjunto de sintomas causado pelas doenças Rinotraqueíte Felina e Calicivirose Felina. São doenças virais cujos sinais clínicos

Leia mais

RESFENOL paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina

RESFENOL paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina RESFENOL paracetamol maleato de clorfeniramina cloridrato de fenilefrina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Cápsulas: cartuchos com 20 e 120 cápsulas em blísteres e frasco de vidro com 20 cápsulas Gotas

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa Doenças pulmonares intersticiais Ft. Ricardo Kenji Nawa Definição As doenças pulmonares intersticiais (DIP) constituem um grupo heterogêneo de situações que levam a um acometimento difuso dos pulmões,

Leia mais

QUIMIOTERAPIA EFEITOS COLATERAIS. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren - 42883

QUIMIOTERAPIA EFEITOS COLATERAIS. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren - 42883 QUIMIOTERAPIA EFEITOS COLATERAIS Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren - 42883 INTRODUÇÃO ÀS TOXICIDADES Os efeitos colaterais provocados pela quimioterapia estão relacionados à não especificidade das

Leia mais

Pesquisa Etiológica. Exame específico

Pesquisa Etiológica. Exame específico Influenza A (H1N1) O vírus A Influenza A(H1 N1) é uma doença respiratória e a transmissão ocorre de pessoa a pessoa, principalmente por meio de tosse, espirro ou de contato com secreções respiratórias

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO. RHINOSPRAY, 1,18 mg/ml, solução para pulverização nasal Tramazolina HCl. Descongestionante nasal

FOLHETO INFORMATIVO. RHINOSPRAY, 1,18 mg/ml, solução para pulverização nasal Tramazolina HCl. Descongestionante nasal FOLHETO INFORMATIVO RHINOSPRAY, 1,18 mg/ml, solução para pulverização nasal Tramazolina HCl Descongestionante nasal Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este medicamento

Leia mais

Rivastigmina (Port.344/98 -C1)

Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Alzheimer DCB: 09456 CAS: 129101-54-8 Fórmula molecular: C 14 H 22 N 2 O 2.C 4 H 6 O 6 Nome químico: (S)-N-Ethyl-3-[(1-dimethylamino)ethyl]-N-methylphenylcarbamate hydrogen

Leia mais

DOENÇAS VIRAIS EM CÃES

DOENÇAS VIRAIS EM CÃES DOENÇAS VIRAIS EM CÃES Cinomose Etiologia Doença que acomete vários sistemas do animal, sendo altamente contagiosa aos cães domésticos e muitos carnívoros selvagens (raposa, coiote, lobo, furão, etc, mas

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular.

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

Risperidona, Clozapina, Quetiapina, Ziprasidona e Olanzapina

Risperidona, Clozapina, Quetiapina, Ziprasidona e Olanzapina Termo de Esclarecimento e Responsabilidade Risperidona, Clozapina, Quetiapina, Ziprasidona e Olanzapina Eu, ( nome do(a) paciente), abaixo identificado(a) e firmado(a), declaro ter sido informado(a) claramente

Leia mais

Oxigenoterapia Não invasiva

Oxigenoterapia Não invasiva Oxigenoterapia Não invasiva Definição Consiste na administração de oxigênio numa concentração de pressão superior à encontrada na atmosfera ambiental para corrigir e atenuar deficiência de oxigênio ou

Leia mais