XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Madeira e Transporte Florestal. Painel de Logística Ferro Gusa Carajás

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Madeira e Transporte Florestal. Painel de Logística Ferro Gusa Carajás"

Transcrição

1 XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Madeira e Transporte Florestal Painel de Logística Ferro Gusa Carajás Silas Zen Diretor Florestal Carlos H. Garcia Ger. Planejamento Curitiba 20 a 22 de Agosto de

2 UPG Unidade de Produção de Gusa localização: Marabá Pa Capacidade Nominal mil t/gusa/ano Início de Operações: AF 1 - out AF 2 - jul Ferro Gusa Carajás S.A. Joint venturi - Cia Vale do Rio Doce (78%) e Nucor Corporation (22%) UPR Unidades de Produção de Redutor Localização: 8 municípios MA Área total: ha ha eucalipto ha RL averbada IMA Médio: 37,5 m³/ha/ano Capacidade Nominal 1,04 mil m³ Redutor 11 UPR s 71 fornos retangulares -75 mdr fornos circulares - 10 mdr 2

3 Localização das UPR s e UPG Localização das Áreas de Produção 3

4 Estrutura Operacional Atividades terceirizadas: Produção de Mudas, Plantio, Colheita de Madeira, Transporte de Madeira, Carbonização, Transporte do Redutor Contratos: 29 Empresas Parceiras 106 Contratos METAS ANUAIS DE PRODUÇÃO Produção de Mudas Reforma hectares Colheita de Madeira m 3 Transporte de Madeira m 3 Produção de Redutor mil mdr Geração de Empregos: Total Próprio 253 Terceiros Relação de emprego 1 / 13 ha Transporte de Redutor Produção de Gusa mil mdr 400 mil toneladas 4

5 Infra-estrutura de Apoio Colheita Meta Anual de Colheita = mil m³ de madeira Operam 3 empresas terceirizadas Empresa A Meta = 70 mil m³/mês: 2 Máquinas Feller Timbico 425EX - cabeçote Quadco 3 Escavadeiras CAT 320CL - cabeçote traçador Hultdins 1 Slecher CAT Skidder (2 CAT 545 e 1 CAT 525) 1 Prancha 2 Caminhões Comboio Empresa B Meta = 40 mil m³/mês: 1 Máquina Feller Timbico 425EX 2 Escavadeiras CAT 320CL - cabeçote traçador Hultdins ou Slecher 2 Skidder com garra CAT Prancha 2 Caminhões Comboio. 5

6 Infra-estrutura de Apoio Colheita Empresa C Meta = 12 mil m³/mês (colheita Manual): Corte: 35 motoserras Empilhamento: 4 autocarregáveis: 2 Valtra com guincho TMO adaptado 2 Massey Fergusson 7630 com guincho TMO adaptado. 6

7 Infra-estrutura de Apoio Traçamento da Madeira Meta Traçamento 105 mil m³/mês 1 Empresa 10 UPR s Traçamento madeira 1,5 metros 4 máquinas CAT 320C Cabeçote traçador Capacidade - 30 mil m³ madeira/máquina/mês 1 prancha 3 eixos 1 comboio 7

8 GAFOR Logística: Infra-estrutura de Apoio - Transporte Transporte de 122 mil m³ de madeira/mês 14 Bitrens Autocarregáveis Transporte de m³ Redutor 19 Carretas Containeres Fechado 4 pás carregadeiras CAT 924, 2 comboios, 2 oficinas mecânicas 2 Centros de Controle nas regionais 01 Controladores na Balança na UPG 1 Supervisor geral + 3 supervisores regionais Sistema de comunicação Satélite, rádio e telefone FERRO GUSA CARAJÁS: 6 Balanças nas UPR s 24 Controladores 1 centro de controle na Central da FGC 1 supervisor em cada UPR Comunicação via rádio, internet, satélite e telefone 8

9 Sistemas de Controle CADASTRO FLORESTAL: Base de Dados Cadastral: Fazendas Material Genético Solos Terras/Imóveis Silvicultura Colheita Carbonização. Inventário Florestal. Integrado ao SIG Rendimentos Custos 9

10 Sistemas de Controle SIG - SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS: Sistema ArcView/ArcGIS. Produção de mapas temáticos. Ferramenta de apoio ao planejamento. Definições da Malha Viária 10

11 Sistemas de Controle AUTOTRAC: Sistema de Rastreamento de Veículos Via Satélite. Acompanhamento da posição dos veículos de transporte de madeira e redutor. Atualização das posições a cada 15 minutos. Relatórios de deslocamento e paradas. 11

12 Sistemas de Controle BLUETEC: INFORMAÇÕES APRESENTADAS PELO SISTEMA BLUETEC Computadores de bordo com transponder. Registro de informações performance. Análise desempenho e rendimentos operacionais. Quantidade de Viagens por Período Quantidade de Viagens por Veículo Quantidade de Viagens por UPR Quantidade de Viagens por UPR por Talhão Quantidade de Viagens por Motorista Quantidade de Viagens por Dia Quantidade de Viagens por Dia por Veículo Quantidade de Viagens por Dia por UPR Tempo de Carga Tempo de Descarga Volume por Talhão Volume por No. Veículo Volume por UPR Volume por UPR por Talhão 12

13 Sistemas de Controle SISTEMA DE INFORMAÇÕES VIA SATÉLITE: Sistema para cadastro de informações: Plantio Colheita Produção de redutor Transporte Madeira e Redutor Dados inseridos pelos Técnicos de campo com aux. balanceiros nas UPR s. Emite relatórios diários de produção. Acesso remoto às informações via intranet. 13

14 Fluxo de Informações Localização Produção Comunicação Colheita Transporte de Madeira Produção de Redutor (11 UPR s) Produção e Localização Comunicação com UPR s Localização Transporte de Redutor Usina FGC Marabá, PA Internet Central FGC Imperatriz, MA 14

15 Sistemas de Controle RELATÓRIOS GERENCIAIS: Compilação diária de informações de produção recebidas via satélite. Elaboração de Relatórios Gerenciais. Disponibilização na rede interna da FGC. Análise diária pelas Gerências Operacionais e Diretoria. 15

16 Ferro Gusa Carajás S.A 16

17 17

Gestão Integrada em uma Empresa Florestal

Gestão Integrada em uma Empresa Florestal Gestão Integrada em uma Empresa Florestal XVI SEMINÁRIO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE SISTEMAS DE COLHEITA DE MADEIRA E TRANSPORTE FLORESTAL 11 a 12 de abril de 2011 Wanderley Luiz Paranaiba Cunha ArcelorMittal

Leia mais

Palestrante: Edimar de Melo Cardoso Gerente Executivo de Colheita Florestal e Transporte de Madeira da Aperam Bioenergia

Palestrante: Edimar de Melo Cardoso Gerente Executivo de Colheita Florestal e Transporte de Madeira da Aperam Bioenergia PRODUÇÃO DE CARVÃO ATRAVÉS DO USO DE MADEIRA ESTRATIFICADA POR DIÂMETRO Palestrante: Edimar de Melo Cardoso Gerente Executivo de Colheita Florestal e Transporte de Madeira da Aperam Bioenergia Autores:

Leia mais

PAINEL DE TERCEIRIZAÇÃO. ANTONIO DONIZETE ALVES Engenheiro Agrícola Diretor Presidente

PAINEL DE TERCEIRIZAÇÃO. ANTONIO DONIZETE ALVES Engenheiro Agrícola Diretor Presidente PAINEL DE TERCEIRIZAÇÃO ANTONIO DONIZETE ALVES Engenheiro Agrícola Diretor Presidente ATIVIDADES ESCAVAÇÃO DRENAGEM FLORESTAL Principal Atividade PRINCIPAIS CLIENTES Usina Ipiranga EQUIPE DE COLABORADORES

Leia mais

Produtores rurais discutem o custo de produção do eucalipto na região de Eunápolis-BA

Produtores rurais discutem o custo de produção do eucalipto na região de Eunápolis-BA Produtores rurais discutem o custo de produção do eucalipto na região de Eunápolis-BA Produtores de Eunápolis e região se reuniram no dia 08/04, para realizar o levantamento de custos de produção do eucalipto

Leia mais

O Presente e Futuro do Setor Florestal Brasileiro XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal

O Presente e Futuro do Setor Florestal Brasileiro XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal O Presente e Futuro do Setor Florestal Brasileiro XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal Miguel Sampol Pou Diretor Geral, Klabin S.A. Curitiba, PR Agosto

Leia mais

GRUPO ALVAREZ DIVISÃO DE NEGÓCIO SUCATA

GRUPO ALVAREZ DIVISÃO DE NEGÓCIO SUCATA GRUPO ALVAREZ DIVISÃO DE NEGÓCIO SUCATA SOBRE NÓS Com mais de 52 anos, o grupo ALVAREZ teve início em 1964 com a sua primeira atividade: a comercialização de sucata. Hoje, atua em diversas áreas, produtos

Leia mais

GESTÃO FLORESTAL E INOVAÇÃO

GESTÃO FLORESTAL E INOVAÇÃO GESTÃO FLORESTAL E INOVAÇÃO COMO ATINGIR RESULTADOS REAIS 28/03/2017 Luiz Fellipe Arcalá Negócios e Inovação larcala@innovatech.com.br AGENDA Innovatech Inovação - Ideia que emite nota fiscal Gestão Florestal

Leia mais

MARÍLIA. Regime de Contratação. Outros 7 Ajudante de motorista C.L.T. Assis Ensino Fundamental 6

MARÍLIA. Regime de Contratação. Outros 7 Ajudante de motorista C.L.T. Assis Ensino Fundamental 6 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Comércio 20 Instalador de sistemas eletroeletrônicos de segurança Comércio 2 Reparador de rádio, TV e som Construção Civil 1 Comércio 1 Comércio 1 Outros 5 Instalador

Leia mais

O Setor de Celulose e Papel

O Setor de Celulose e Papel O Setor de Celulose e Papel Polpa e Papel 2016.2 Departamento de Engenharia e Tecnologia Florestal Setor de Ciências Agrárias UFPR klockuer@ufpr.br ou klockuer@gmail.com Prof. Dr. Umberto Klock CADEIA

Leia mais

Perfil de geração de empregos no setor comercial de Juara de janeiro a outubro de 2016 de acordo com o CAGED.

Perfil de geração de empregos no setor comercial de Juara de janeiro a outubro de 2016 de acordo com o CAGED. 1 Perfil de geração de empregos no setor comercial de Juara de janeiro a outubro de 2016 de acordo com o CAGED. Perfil do Município CBO 2002 Salário Médio Adm. Admissão Desligamento Saldo 521110: Vendedor

Leia mais

Optimização de processos florestais planeamento operacional integrado: da silvicultura às operações de exploração.

Optimização de processos florestais planeamento operacional integrado: da silvicultura às operações de exploração. Optimização de processos florestais planeamento operacional integrado: da silvicultura às operações de exploração. Leonardo Fardin Floresteca Serviços Florestais Ltda Danitiele França USP, Brasil Silvana

Leia mais

A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE. 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010

A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE. 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010 A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010 CONTEÚDO 1. PERFIL DO SETOR BRASILEIRO DE C&P 2. OVERVIEW DO SETOR BRASILEIRO DE C&P 3.

Leia mais

UNITRI MECÂNICA E MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA PRIMEIRA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA. Professor: Adriano Franzon

UNITRI MECÂNICA E MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA PRIMEIRA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA. Professor: Adriano Franzon UNITRI MECÂNICA E MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA PRIMEIRA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA Professor: Adriano Franzon EMENTÁRIO Elementos básicos de mecânica. Mecanismos de transmissão de potência. Lubrificação e lubrificantes.

Leia mais

MANEJO DE FLORESTAS PARA A PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL. Junho de 2006

MANEJO DE FLORESTAS PARA A PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL. Junho de 2006 MANEJO DE FLORESTAS PARA A PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL Junho de 2006 Produção: 46 mt de aço / ano Vendas: (USD) 27 bi Empregados: 110.000 Produção: 5.0 mt de aço / ano Vendas: (R$) 8,6 bi Empregados: 7.000

Leia mais

INOVAÇÕES/AVANÇOS TECNOLÓGICOS NA PRODUÇÃO FLORESTAL

INOVAÇÕES/AVANÇOS TECNOLÓGICOS NA PRODUÇÃO FLORESTAL III Congresso Brasileiro de Eucalipto - Vitória ES CEDAGRO INOVAÇÕES/AVANÇOS TECNOLÓGICOS NA PRODUÇÃO FLORESTAL Edmilson Bitti Loureiro Desenvolvimento Operacional Florestal Setembro de 2015 Copyright

Leia mais

CARVÃO VEGETAL RENOVÁVEL: O DIFERENCIAL DA SIDERURGIA BRASILEIRA

CARVÃO VEGETAL RENOVÁVEL: O DIFERENCIAL DA SIDERURGIA BRASILEIRA CARVÃO VEGETAL RENOVÁVEL: O DIFERENCIAL DA SIDERURGIA BRASILEIRA (SILVICULTURA & INTEGRAÇÃO FLORESTA-INDÚSTRIA) Eng. Ftal. M.Sc. Roosevelt Almado Rio de Janeiro- RJ 11/04/2011 1 31/10/2014 1. CONTEXTUALIZAÇÃO

Leia mais

Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará

Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará Belém, PA Junho -2016 1 Mercado de Floresta Plantada 2 Mercado de Floresta Plantada Distribuição

Leia mais

SETOR FLORESTAL BRASILEIRO Cenário Atual e Perspectivas

SETOR FLORESTAL BRASILEIRO Cenário Atual e Perspectivas SETOR FLORESTAL BRASILEIRO Cenário Atual e Perspectivas Workshop Técnico de Celulose Campo Grande MS Março 2013 www.consufor.com A EMPRESA A Consufor é uma empresa de consultoria em NEGÓCIOS e ESTRATÉGIAS,

Leia mais

SILVICULTURA DE Eucalyptus EM ÁERAS DE OCORRÊNCIA DE GEADAS NO SUL DO BRASIL

SILVICULTURA DE Eucalyptus EM ÁERAS DE OCORRÊNCIA DE GEADAS NO SUL DO BRASIL SILVICULTURA DE Eucalyptus EM ÁERAS DE OCORRÊNCIA DE GEADAS NO SUL DO BRASIL James Stahl Klabin: Uma empresa líder 110 anos de tradição, inovação, liderança e sustentabilidade 17 unidades fabris em nove

Leia mais

Inventário Florestal. Definição, Tipos e Aplicação no Manejo Florestal

Inventário Florestal. Definição, Tipos e Aplicação no Manejo Florestal Inventário Florestal Definição, Tipos e Aplicação no Manejo Florestal Inventário de um Sistema Natural (Floresta) Floresta Definição: Formação arbórea (inclui florestas naturais e plantadas) com indivíduos

Leia mais

Potencial para a produção florestal do Estado do Rio de Janeiro

Potencial para a produção florestal do Estado do Rio de Janeiro Potencial para a produção florestal do Estado do Rio de Janeiro 25 de Abril de 2013. Marcelo Santos Ambrogi Marcelo.ambrogi@imaflorestal.com.br Ibá - 2014 RJ =? Ibá - 2014 RIO DE JANEIRO O que os investidores

Leia mais

Análise da estatística de acidentes do trabalho de 2007 a 2012 em florestas plantadas no Brasil

Análise da estatística de acidentes do trabalho de 2007 a 2012 em florestas plantadas no Brasil http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.244-608-1 Análise da estatística de acidentes do trabalho de 2007 a 2012 em florestas plantadas no Brasil Wanderson L. Bermudes 1, Nilton C. Fiedler

Leia mais

MANEJO PARA PRODUÇÃO DE CELULOSE

MANEJO PARA PRODUÇÃO DE CELULOSE MANEJO PARA PRODUÇÃO DE CELULOSE Reunião de Integração e Atualização Técnica em Floresta Plantada Veracel Celulose SA Principais Números INVESTIMENTO TOTAL (Fábrica, Florestal, Infraestrutura): US$ 1.2

Leia mais

Balanço do Emprego Formal no Espírito Santo Dados de Julho de 2008

Balanço do Emprego Formal no Espírito Santo Dados de Julho de 2008 Balanço do Emprego Formal no Espírito Santo Dados de Julho de 2008 OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DO ESPÍRITO SANTO Contrato de Prestação de Serviços N. 28/2008 SETADES / DIEESE VITÓRIA,

Leia mais

BIOSFERA REGIÃO. Entidades de pesquisa, ensino e extensão ONG PAISAGEM EMPRESA FLORESTAL BACIA HIDROGRÁFICA. Comunidade local UMF

BIOSFERA REGIÃO. Entidades de pesquisa, ensino e extensão ONG PAISAGEM EMPRESA FLORESTAL BACIA HIDROGRÁFICA. Comunidade local UMF ASPECTOS AMBIENTAIS INTEGRADOS AO PROCESSO PRODUTIVO DA COLHEITA DE MADEIRA ENVIRONMENTAL ASPECTS INTEGRATED IN THE HARVESTING PRODUCTION PROCESS Paulo Henrique Dantas Coordenação de Meio Ambiente Industrial

Leia mais

USADOS atualização

USADOS atualização biomassa PT-01 Marca: Planalto. Largura da boca de 400 mm, altura de passagem de 130 mm. Esteira de entrada de 3500 mm. Polia para motor principal. Com correias e 2 redutores. 2 motores eletr trif. Sem

Leia mais

USADOS atualização

USADOS atualização biomassa PT-01 Marca: Planalto. Largura da boca de 400 mm, altura de passagem de 130 mm. Esteira de entrada de 3500 mm. R$ 28.000,00 PT-02 500 mm. Sem motor principal. Com polia motor principal com 3 canais.

Leia mais

Clusters de etanol de milho em Mato Grosso

Clusters de etanol de milho em Mato Grosso Realização Parceria Técnica Clusters de etanol de milho em Mato Grosso Daniel Latorraca Ferreira daniel@imea.com.br Agenda Análise de mercado Escopo do trabalho Metodologia de composição dos clusters Resultados

Leia mais

Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema

Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema Um elemento pode ser ativo (capaz de gerar energia), passivo (apenas dissipam

Leia mais

L C F Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas

L C F Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas em Propriedades Agrícolas PRODUTOS FLORESTAIS MADEIREIROS E NÃO MADEIREIROS Prof. Geraldo Bortoletto Jr. FLORESTAS NO BRASIL (milhões ha) Florestas Naturais = 477,7 Florestas de proteção = 240,0 Florestas

Leia mais

SECRETARIA DO TRABALHO E ASSISTENCIA SOCIAL DIRETORIA DO TRABALHO SINE PALMAS TOCANTINS

SECRETARIA DO TRABALHO E ASSISTENCIA SOCIAL DIRETORIA DO TRABALHO SINE PALMAS TOCANTINS SECRETARIA DO TRABALHO E ASSISTENCIA SOCIAL DIRETORIA DO TRABALHO SINE PALMAS TOCANTINS Sistema Nacional de Emprego SINE Tocantins Painel de Vagas de Emprego 07 de janeiro de 2016 SINE GURUPI Ajudante

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS E INVESTIMENTOS FLORESTAIS

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS E INVESTIMENTOS FLORESTAIS GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS E INVESTIMENTOS FLORESTAIS Três Lagoas Florestal IMA 29 de Março, 2017 1 IMA Gestão e Desenvolvimento de Negócios Florestais Criada em 2009 como uma empresa de consultoria

Leia mais

Florestas Dedicadas: Maior Termelétrica a partir de Biomassa da LATAM

Florestas Dedicadas: Maior Termelétrica a partir de Biomassa da LATAM Florestas Dedicadas: Maior Termelétrica a partir de Biomassa da LATAM Marco Tuoto mtuoto@treeflorestal.com.br Preparado para: Simpósio Internacional BIO.COMBRASIL Biomassa Sólida, Tecnologias e Negócios

Leia mais

RESOLUÇÃO N 070/2014- CONSU/UEAP

RESOLUÇÃO N 070/2014- CONSU/UEAP UNIVERSIDADE DO ESADO DO AMAÁ CONSELHO SUERIOR UNIVERSIÁRIO RESOLUÇÃO N 070/2014- CONSU/UEA Aprova alterações na matriz curricular do curso de Engenharia Florestal da Universidade do Estado do Amapá. O

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA 2379EE2

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA 2379EE2 ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA 2379EE2 2º semestre de 2016 Prof. Alceu Ferreira Alves www.feb.unesp.br/dee/docentes/alceu Na última aula: Revisão Condições Padrão de Teste (STC, NOTC) Massa de Ar Ângulos do

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA COLHEITA FLORESTAL

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA COLHEITA FLORESTAL A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA COLHEITA FLORESTAL LOCALIZAÇÃO DAS UNIDADES Brasil Floresta Amazônica 3.500 km (2.200 miles) FLORESTAIS Atlantic Ocean 208.850 ha em SP 76.320 ha no RS São Paulo

Leia mais

Rendimentos e custos operacionais de dois modelos de carregadores florestais

Rendimentos e custos operacionais de dois modelos de carregadores florestais ISSN 2236-4420 Comunicação Científica Rendimentos e custos operacionais de dois modelos de carregadores florestais Danilo Simões¹; Flávia Aléssio Marcelino¹; Paulo Torres Fenner¹ 1 Faculdade de Ciências

Leia mais

PLANFLOR Planejamento Florestal de Longo Prazo

PLANFLOR Planejamento Florestal de Longo Prazo PLANFLOR Planejamento Florestal de Longo Prazo O PLANFLOR é um sistema de apoio à decisão desenvolvido para o Departamento de Planejamento Florestal da Votorantim Celulose e Papel (VCP). Desenvolvido em

Leia mais

Planejamento e Gestão de RSU ESTAÇÕES DE TRANSBORDO

Planejamento e Gestão de RSU ESTAÇÕES DE TRANSBORDO Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Engenharia - ESA Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária Planejamento e Gestão de RSU ESTAÇÕES DE TRANSBORDO Artigo: Transbordo de Resíduos (Rodrigo

Leia mais

*Sexo *Idade Escolaridade Cursos Nº da

*Sexo *Idade Escolaridade Cursos Nº da 28/03/2014 Ocupação Descrição Experiência Ajudante de padeiro Para trabalhar com a elaboração de pães diversos 3 meses a Pedido do *Sexo *Idade Escolaridade Cursos Nº da Vaga Qtde. Vagas M 20-55 Não exigido

Leia mais

ARAÇATUBA. Regime de Contratação Prestador de Serviços. Comércio 1 Vendedor em domicílio C.L.T. Andradina Ensino Médio 0

ARAÇATUBA. Regime de Contratação Prestador de Serviços. Comércio 1 Vendedor em domicílio C.L.T. Andradina Ensino Médio 0 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Comércio 1 Recepcionista, em geral Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Experiência (Em Meses) Comércio 1 Vendedor em domicílio C.L.T. Andradina Ensino

Leia mais

RIGESA - Divisão Florestal. A CADEIA PRODUTIVA DA MADEIRA E SEU NOVO CONTEXTO EMPRESARIAL Heuzer Saraiva Guimarães

RIGESA - Divisão Florestal. A CADEIA PRODUTIVA DA MADEIRA E SEU NOVO CONTEXTO EMPRESARIAL Heuzer Saraiva Guimarães XIV SEMINÁRIO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE SISTEMAS DE COLHEITA DE MADEIRA E TRANSPORTE FLORESTAL RIGESA - Divisão Florestal A CADEIA PRODUTIVA DA MADEIRA E SEU NOVO CONTEXTO EMPRESARIAL Heuzer Saraiva Guimarães

Leia mais

DIRETOR PRESIDENTE DIRETOR ADMINISTRATIVO SECRETÁRIA DA DIRETORIA Total: Emprego 4 ASSISTENTE DE CARGOS E SALÁRIOS 2 AUXILIAR DE LIMPEZA

DIRETOR PRESIDENTE DIRETOR ADMINISTRATIVO SECRETÁRIA DA DIRETORIA Total: Emprego 4 ASSISTENTE DE CARGOS E SALÁRIOS 2 AUXILIAR DE LIMPEZA Tabela Vigente em /08/06 RELAÇÃO QUANTITATIVA DE EMPREGOS 0 - DIRETORIA DIRETOR PRESIDENTE DIRETOR ADMINISTRATIVO SECRETÁRIA DA DIRETORIA 0 - DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS GERENTE DE RECURSOS HUMANOS

Leia mais

Coordenador: Prof. Pedro Brancalion

Coordenador: Prof. Pedro Brancalion Coordenador: Prof. Pedro Brancalion Organização da disciplina Objetivo: capacitar os alunos para planejar, recuperar, gerir, explorar e utilizar recursos florestais em propriedades rurais Ambiental planejamento

Leia mais

VIII SIMPÓSIO Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos

VIII SIMPÓSIO Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos VIII SIMPÓSIO Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos 20-22/08/2014 ESALQ/USP Piracicaba/SP Silvicultura para Serrarias e outros Produtos de Valor Agregado de Eucalipto, e seus Mercados

Leia mais

DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PERIMETRO DE MANIÇOBA

DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PERIMETRO DE MANIÇOBA DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PERIMETRO DE MANIÇOBA DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PERÍMETRO DE MANIÇOBA ÁREA IRRIGADA ORIGEM ATUAL LOTES ORIGINAIS LOTES ATUAIS ÁREA EMPRESARIAL 2.567 3.821,47 55 48 ÁREA COLONIZAÇÃO

Leia mais

GESTÃO TERCEIRIZADA DE ATIVOS FLORESTAIS, ~

GESTÃO TERCEIRIZADA DE ATIVOS FLORESTAIS, ~ GESTÃO TERCEIRIZADA DE ATIVOS FLORESTAIS, ~ Origem do negócio Fundos de Pensão Outros investidores } Alternativas de investimentos T.I.M.O Compras de ativos florestais Gestão própria Operador florestal

Leia mais

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Roteiro 1. A EMPRESA EFFICIENTIA 2. CAMPOS DE ATUAÇÃO 3. PROJETOS TÍPICOS E CASOS DE SUCESSO A Efficientia na Holding CEMIG Empresa especializada em eficiência e Soluções

Leia mais

REFLORESTAMENTO AMBIENTAL E GOVERNANÇA CLIMÁTICA NA SUZANO PAPEL E CELULOSE

REFLORESTAMENTO AMBIENTAL E GOVERNANÇA CLIMÁTICA NA SUZANO PAPEL E CELULOSE Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Pagamento de Serviços Ambientais Painel: Experiências do Setor Privado no Reflorestamento Ambiental e na Obtenção de Crédito de Carbono REFLORESTAMENTO

Leia mais

Sucatas Ferrosas NOV/2016

Sucatas Ferrosas NOV/2016 Sucatas Ferrosas NOV/2016 INESFA E SINDINESFA INESFA E SINDINESFA Órgãos de classes de âmbito nacional e estadual constituídos, respectivamente, nos anos de 1975 e 1990. MISSÃO Divulgar e discutir assuntos

Leia mais

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Levantamento dos níveis de impurezas nas últimas safras Luiz Antonio Dias Paes 12 de Maio de 2011 Dados Gerais da Safra 10/11 Impurezas Evolução Indicadores Impurezas

Leia mais

Marca: Planalto. Largura da boca de 400 mm, altura de passagem de 130 mm. Esteira de entrada de 3500 mm.

Marca: Planalto. Largura da boca de 400 mm, altura de passagem de 130 mm. Esteira de entrada de 3500 mm. USADOS biomassa Marca: Vanmaq. Largura da boca de 500 mm, altura de passagem de 150 mm. Esteira de entrada de 3500 mm. Polia para motor principal. 1 chave reversora, com correias torque team. 2 redutores

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES CATARINENSES 1

BALANÇA COMERCIAL EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES CATARINENSES 1 BALANÇA COMERCIAL DE SC BALANÇA COMERCIAL EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES CATARINENSES 1 EXPORTAÇÕES CATARINENSES - As exportações catarinenses declinaram 7,44 no mês de agosto de 2015 em relação a julho, totalizando

Leia mais

índices da produção física da indústria no Brasil 1908/89 MINERAIS NflO-METALICOS 125,91 120,68 121,07 100,38 96,64 93,26

índices da produção física da indústria no Brasil 1908/89 MINERAIS NflO-METALICOS 125,91 120,68 121,07 100,38 96,64 93,26 índices da produção física da indústria no Brasil 18/89 INDÚSTRIA GERAL EXTRATIVA MINERAL TRANSFORMAÇÃO MINERAIS NflO-METALICOS METALÚRGICA 8ÍSICA OUTROS METALURGIA ELÉTRICO E COMUNICAÇÕES Nov. 3an..3un...

Leia mais

Sérgio Luis Martins dos Santos 1 Carlos Cardoso Machado 2

Sérgio Luis Martins dos Santos 1 Carlos Cardoso Machado 2 Madera y Bosques 7(2), 2001:87-94 87 NOTA TÉCNICA Avaliação técnica e econômica da extração de madeira com forwarder em diferentes volumes por árvore e comprimentos de toras Sérgio Luis Martins dos Santos

Leia mais

FAÇO SABER que a Assembleia Legislativa do Estado do Acre decreta e eu sanciono a

FAÇO SABER que a Assembleia Legislativa do Estado do Acre decreta e eu sanciono a LEI N. 2.544, DE 4 DE JANEIRO DE 2012 Autoriza o Poder Executivo a incorporar os bens que compõem a fábrica de pisos de Xapuri à Agência de Negócios do Estado do Acre S.A ANAC. O GOVERNADOR DO ESTADO DO

Leia mais

CICLO DE VIDA. Madeira Natural Pinus

CICLO DE VIDA. Madeira Natural Pinus CICLO DE VIDA Madeira Natural Pinus O MATERIAL A madeira pinus é uma espécie de madeira de reflorestamento. No Brasil, sua produção para uso industrial iniciou-se apenas na década de 50, ganhando importância

Leia mais

Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq

Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq Telemetria em Pulverização Pedro Estevão Bastos Abimaq ABIMAQ Associação Brasileira da Indústria de Máquinas CSMIA Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas 360 empresas 48.000 empregos R$ 11

Leia mais

Debate de Mecanização. Campinas, 30 de Março de 2017

Debate de Mecanização. Campinas, 30 de Março de 2017 Debate de Mecanização Campinas, 30 de Março de 2017 Alternativas para produção de cana de açúcar no Nordeste, propostas CTBE Cultura da cana de açúcar em encosta: Colheita Cultura da cana de açúcar em

Leia mais

ArcelorMittal BioEnergia Ltda PRODUÇÃO DE MADEIRA EM REGIÃO DE DÉFICIT HÍDRICO

ArcelorMittal BioEnergia Ltda PRODUÇÃO DE MADEIRA EM REGIÃO DE DÉFICIT HÍDRICO ArcelorMittal BioEnergia Ltda PRODUÇÃO DE MADEIRA EM REGIÃO DE DÉFICIT HÍDRICO Localização V. Jequitinhonha 430 km Vitória TURMALINA VEREDINHA MINAS NOVAS CAPELINHA ITAMARANDIBA ÁREA TOTAL DRENAGEM TOTAL

Leia mais

RELAÇÃO QUANTITATIVA DE CARGOS

RELAÇÃO QUANTITATIVA DE CARGOS Tabela Vigente em 0/06/0 RELAÇÃO QUANTITATIVA DE CARGOS 0 - DIRETORIA DIRETOR PRESIDENTE SECRETÁRIA DA DIRETORIA 0 - DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS GERENTE DE RECURSOS HUMANOS AUXILIAR DE ESCRITÓRIO

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural 2020

Programa de Desenvolvimento Rural 2020 Programa de Desenvolvimento Rural 2020 SEMINÁRIO TÉCNICO FLORESTA E BIOMASSA contributos para a criação de novos negócios e desenvolvimento do território Medida 8 Apoios para o sector florestal no PDR2020

Leia mais

SICAN - Sistema de Cadastro Nacional de Produtores Rurais, Público do PAA, Cooperativas, Associações e demais Agentes Manual do Sistema

SICAN - Sistema de Cadastro Nacional de Produtores Rurais, Público do PAA, Cooperativas, Associações e demais Agentes Manual do Sistema SICAN - Sistema de Cadastro Nacional de Produtores Rurais, Público do PAA, Cooperativas, Associações e demais Agentes Manual do Sistema Produtor Rural 1. Pré-Cadastro SICAN...3 2. Preenchimento do cadastro...5

Leia mais

Divulgação de Resultados das Eleições 2010

Divulgação de Resultados das Eleições 2010 Divulgação de Resultados das Eleições 2010 Rosemberg Maia Gomes Secretaria de Tecnologia da Informação / TRE-PI COSCI/SEDESC Setembro 2010 1 Agenda Processo da Divulgação Sistemas Envolvidos Responsabilidades

Leia mais

Balfit Conexões Industriais

Balfit Conexões Industriais Conexões Industriais Balfit Balfit Conexões Industriais As conexões industriais Balfit foram concebidas para utilização em mangueiras industriais Balflex. A gama de conexões industriais Balfit é produzida

Leia mais

MANUAL DE PRECIFICAÇÃO CARTEIRAS GERIDAS PELA COPA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA. DOS ATIVOS DAS

MANUAL DE PRECIFICAÇÃO CARTEIRAS GERIDAS PELA COPA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA. DOS ATIVOS DAS MANUAL DE PRECIFICAÇÃO DOS ATIVOS DAS CARTEIRAS GERIDAS PELA COPA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA. DEZEMBRO DE 2015 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO 3 2. AVALIAÇÃO DOS ATIVOS FLORESTAIS DOS FUNDOS GERIDOS PELA

Leia mais

CALENDÁRIO DE AVALIAÇÕES 1º TRIMESTRE ABRIL/2014 TURMA 311. Professora Simone

CALENDÁRIO DE AVALIAÇÕES 1º TRIMESTRE ABRIL/2014 TURMA 311. Professora Simone TURMA 311 Professora Simone 1 2 3 4 5 13 14 15 16 17 18 19 TURMA 411 Professora Simone 1 2 3 4 5 13 14 15 16 17 18 19 TURMA 412 Professora Ana Paula 1 2 3 4 5 13 14 15 16 17 18 19 TURMA 511 Professora

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA Campus de Jaboticabal FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE PAULISTA Campus de Jaboticabal FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS unesp DISCIPLINA: TEMA: PROFESSORES: Edição 03: UNIVERSIDADE PAULISTA Campus de Jaboticabal FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS Departamento de Produção Vegetal Silvicultura Sistemas de Exploração

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Curso de Tecnologia em Cerâmica Trabalho de Conclusão de Curso

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Curso de Tecnologia em Cerâmica Trabalho de Conclusão de Curso UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Curso de Tecnologia em Cerâmica Trabalho de Conclusão de Curso IDENTIFICAÇÃO das fontes e formas de eliminação ou minimização de elementos contaminantes responsáveis

Leia mais

Rui Miguel Raínho Peres

Rui Miguel Raínho Peres Curriculum Vitae INFORMAÇÃO PESSOAL Rua Abel Manta, nº14 R/c dto, 2780-174 Lisboa (Portugal) 916350362 peresright@gmail.com Sexo Masculino Data de nascimento 05/01/1988 Nacionalidade Portuguesa POSTO DE

Leia mais

Desafios do setor de florestas plantadas para o manejo de plantas daninhas. José Eduardo Petrilli Mendes Fibria S.A. Proteção Florestal

Desafios do setor de florestas plantadas para o manejo de plantas daninhas. José Eduardo Petrilli Mendes Fibria S.A. Proteção Florestal Desafios do setor de florestas plantadas para o manejo de plantas daninhas José Eduardo Petrilli Mendes Fibria S.A. Proteção Florestal Roteiro A Fibria O setor de florestas plantadas Área de expansão Prejuízos

Leia mais

SETOR AUTOMOTIVO NO PARANÁ

SETOR AUTOMOTIVO NO PARANÁ SETOR AUTOMOTIVO 3.672 6.386 EMPRESAS COMPANIES 365 661 COMPANIES EMPRESAS 532.364 EMPREGOS 46.097 EMPREGOS R$ 6,08 24,71 BILLION BILHÕES IN EM SALARIES SALÁRIOS R$ 451,67 2,08 BILHÕES BILLION EM IN SALÁRIOS

Leia mais

Introdução. Configurações. Utilizando Serviços de Terceiros. Cadastrando Serviço de Terceiros. Serviço de Terceiros

Introdução. Configurações. Utilizando Serviços de Terceiros. Cadastrando Serviço de Terceiros. Serviço de Terceiros Serviço de Terceiros Tabela de conteúdo 1 Introdução 2 Configurações 3 Utilizando Serviços de Terceiros 3.1 Cadastrando Serviço de Terceiros 3.2 Abertura de O.S. 3.3 Autorizando o Serviço (AF) 3.4 Imprimindo

Leia mais

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2012/2013 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turmas A e B

Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2012/2013 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turmas A e B Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2012/2013 1º Semestre Contabilidade Financeira - Turmas A e B 20 Outubro de 2012 Duração da prova: 90 minutos 1º TESTE INTERMÉDIO Atenção

Leia mais

BAIXADA SANTISTA. Regime de Contratação Outros 2 Recepcionista de hotel C.L.T. Bertioga Ensino Médio 0

BAIXADA SANTISTA. Regime de Contratação Outros 2 Recepcionista de hotel C.L.T. Bertioga Ensino Médio 0 Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade Outros 2 Recepcionista de hotel C.L.T. Bertioga Ensino Médio 0 Outros 2 Camareiro de hotel C.L.T. Bertioga Ensino

Leia mais

Metodologia Para O Planejamento Do Transporte Florestal Utilizando Geotecnologia

Metodologia Para O Planejamento Do Transporte Florestal Utilizando Geotecnologia Metodologia Para O Planejamento Do Transporte Florestal Utilizando Geotecnologia Mariana Peres de Lima (1) ; Guilherme Willi Aggens (2) ; Karla Rodrigues de Melo (3) ; Josiane de Fátima Alfonso Godoy (4)

Leia mais

Nível:Graduação Início: Fim: Legislação: Curso reconhecido através da Portaria n 1.098, de 24 de dezembro de 2015 Currículo

Nível:Graduação Início: Fim: Legislação: Curso reconhecido através da Portaria n 1.098, de 24 de dezembro de 2015 Currículo 1 de 8 Colegiado: Nível:Graduação Início: 20051 01 - - CCA024 - BIOLOGIA GERAL - Ativa desde: CCA029 - ZOOLOGIA GERAL - Ativa desde: CCA235 - FUNDAMENTOS DE FILOSOFIA - Ativa desde: CCA281 - FUNDAMENTOS

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,52 0,52 4,27 0,54 0,54 4,56 Fev. 0,19 0,71 4,12 0,49 1,03 4,61 Mar. 0,31 1,02 4,33

Leia mais

Bombas Recirculadoras Submersíveis modelo ABS XRCP

Bombas Recirculadoras Submersíveis modelo ABS XRCP Bombas Recirculadoras Submersíveis modelo ABS XRCP Principais Aplicações Compacta e fácil de manusear, a bomba recirculadora submersível modelo ABS XRCP tem uma ampla gama de aplicações. Seu design é especialmente

Leia mais

2/5. a. ( ) 6,90 bots b. ( ) 11 bots c. ( ) 10,08 bots d. ( ) 9,45 bots e. ( ) 7 bots

2/5. a. ( ) 6,90 bots b. ( ) 11 bots c. ( ) 10,08 bots d. ( ) 9,45 bots e. ( ) 7 bots 1. O robô Lucas caiu e se quebrou. O engenheiro Henrique informou que seria necessária a substituição de três parafusos e a troca de óleo. Sabendo que o óleo custa 3,45 bots e cada parafuso 2,21 bots quanto

Leia mais

SÃO PAULO TRANSPORTE S.A.

SÃO PAULO TRANSPORTE S.A. SÃO PAULO TRANSPORTE S.A. Transporte Público: Origens, Evolução e Benefícios Sociais do Bilhete Único 05/04/2005 Antecedentes Bilhetagem Automática 1974: Metrô de São Paulo bilhete magnético Edmonson Seguem-se:

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,46 0,46 6,27 0,48 0,48 5,84 Fev. 0,27 0,73 5,52 0,55 1,03 5,90 Mar. 0,40 1,14 6,28

Leia mais

Clusters de etanol de milho em Mato Grosso. Paulo Moraes Ozaki

Clusters de etanol de milho em Mato Grosso. Paulo Moraes Ozaki Clusters de etanol de milho em Mato Grosso Paulo Moraes Ozaki Índice Dados gerais do projeto Métodos Análise de mercado Análise dos arranjos (Clusters) Viabilidade econômica Aspectos sociais Aspectos ambientais

Leia mais

CONTEÚDO FISICANDO AULA 01 CHARLES THIBES

CONTEÚDO FISICANDO AULA 01 CHARLES THIBES CONTEÚDO Áreas das figuras planas: Notação científica Sistema Internacional de Unidades Termologia Escalas de temperatura Relação entre energia elétrica, potência e tempo Calorimetria Calor sensível e

Leia mais

Eficiência, Gestão, Contratos e Sustentabilidade na Indústria Baseada em Florestas Plantadas

Eficiência, Gestão, Contratos e Sustentabilidade na Indústria Baseada em Florestas Plantadas Eficiência, Gestão, Contratos e Sustentabilidade na Indústria Baseada em Florestas Plantadas Rubens Garlipp* XLIII Congresso da SOBER Sociedade Brasileira de Economia e Sociologia Rural Ribeirão Preto

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

BAIXADA SANTISTA Experiência (Em Meses)

BAIXADA SANTISTA Experiência (Em Meses) Setor da Economia Qtde Vagas Ocupação Regime de Contratação Local de Trabalho Escolaridade 1 Supervisor de telemarketing e atendimento C.L.T. Bertioga Graduação 6 1 Supervisor de vendas comercial C.L.T.

Leia mais

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO AULA TÉCNICA 19 2015 INSTRUTOR: SCOPINO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO FIESTA 1.6 FLEX MARELLI IAW 4CFR SCOPINO TREINAMENTOS Já tivemos aula sobre: FIESTA 1.6 FLEX IGNIÇÃO, ELETROVENTILADOR E PARTIDA A FRIO

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Silvicultura

Balanço 2016 Perspectivas Silvicultura Silvicultura 105 106 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 CRESCIMENTO DO SETOR DE FLORESTAS PLANTADAS E REDUÇÃO DA INSEGURANÇA JURÍDICA SÃO PRINCIPAIS APOSTAS A redução dos investimentos em

Leia mais

Fácil montagem. Os pés suporte incluídos facilitam a fixação em qualquer posição. Acoplamento circular na aspiração

Fácil montagem. Os pés suporte incluídos facilitam a fixação em qualquer posição. Acoplamento circular na aspiração CAIXAS DE VENTILAÇÃO Série CENTRIBOX CVB / CVT Caixas de ventilação, fabricadas em chapa de aço galvanizado, isolamento acústico ignífugo (M1) de espuma de melamina, ventilador centrífugo de dupla entrada

Leia mais

Silvicultura de Eucalipto: Implantação e Manejo

Silvicultura de Eucalipto: Implantação e Manejo Silvicultura de Eucalipto: Implantação e Manejo Sidney Medeiros Engenheiro Agrônomo Outubro/2014 R&S FLORESTAL Viveiro especializado na produção de mudas de eucalipto (clone e semente) PlanalGna/DF (220km

Leia mais

UFPR- SCA - CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL GRADE HORÁRIA - 1º SEMESTRE 2016

UFPR- SCA - CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL GRADE HORÁRIA - 1º SEMESTRE 2016 1º PERÍODO AT141 FÍSICA I - 3 55 2F07:30-10:30 CD046 EXPRESSÃO GRÁFICA I - GEOMETRIA DESCRITIVA - 3 35 35 CENTRO 4F 09:30-12:30 4F 09:30-12:30 CM22 MATEMÁTICA I - 4 55 CENTRO 5F 07:30-09:30 6F 09:30-11:30

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS

INDICADORES ECONÔMICOS INDICADORES ECONÔMICOS Índice de Preços IGP-M IGP-DI Mensal No ano Em 12 meses Mensal No ano Em 12 meses Jan. 0,39 0,39 11,87 0,33 0,33 11,61 Fev. 0,30 0,69 11,43 0,40 0,74 10,86 Mar. 0,85 1,55 11,12 0,99

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PIATA

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PIATA Relação de Empenhos Fornecedor CPF/CNPJ Data Empenho Contrato Proc. Adm. Valor 05 - SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA E LAZER 05.05.12.365.005-33903900 - 00.01.0015-143 -Paulo da Silva Marques

Leia mais

Komatsu Forest a qualidade que você pode confiar

Komatsu Forest a qualidade que você pode confiar abril/2008 EDIÇÃO BRASIL Komatsu Forest a qualidade que você pode confiar origem da Komatsu Forest no Brasil remonta ao ano A de 1972, quando Severino Rodrigues dos Santos e Antonio Freitas fundaram a

Leia mais

SUMÁRIO. A RELEVÂNCIA DAS ATIVIDADES DE FLORESTAS PLANTADAS NO BRASIL Fernando Henriqu.e da Fonseca Painel GESTÃO DE PESSOAS

SUMÁRIO. A RELEVÂNCIA DAS ATIVIDADES DE FLORESTAS PLANTADAS NO BRASIL Fernando Henriqu.e da Fonseca Painel GESTÃO DE PESSOAS PALESTRA MAGNA SUMÁRIO A RELEVÂNCIA DAS ATIVIDADES DE FLORESTAS PLANTADAS NO BRASIL Fernando Henriqu.e da Fonseca Painel GESTÃO DE PESSOAS A GESTÃO DE PESSOAS NA COLHEITA FLORESTAL Cardoso, M.N.M. Soares,

Leia mais

Anais / IPEF: 52-60, Junho, 1994 CLONAGEM NA EUCATEX. Horácio de Figueredo Luz * Marcelo A. Pinheiro Brissola ** Adelson J. Rodrigues Rocha ***

Anais / IPEF: 52-60, Junho, 1994 CLONAGEM NA EUCATEX. Horácio de Figueredo Luz * Marcelo A. Pinheiro Brissola ** Adelson J. Rodrigues Rocha *** Anais / IPEF: 52-60, Junho, 1994 CLONAGEM NA EUCATEX Horácio de Figueredo Luz * Marcelo A. Pinheiro Brissola ** Adelson J. Rodrigues Rocha *** INTORDUÇÃO O GRUPO EUCATEX atua em diversos segmentos, conforme

Leia mais

CEULP/ULBRA Curso de Engenharia Civil

CEULP/ULBRA Curso de Engenharia Civil CEULP/ULBRA Curso de Engenharia Civil Computação Gráfica I P R O F E S S O R A : G A B R I E L A C O E L H O P E D R E I R A E N G E N H E I R A C I V I L E A M B I E N T A L Fazer formato de folha Legenda

Leia mais

Congresso Florestal Nova Prata Maio 2015

Congresso Florestal Nova Prata Maio 2015 Congresso Florestal Nova Prata Maio 2015 Apresentando a Ibá... PAPEL PISO LAMINADO PAINÉIS DE MADEIRA CELULOSE PRODUTORES INDEPENDENTES BIOMASSA PARA ENERGIA Uma associação com valores intrínsecos de desenvolvimento

Leia mais