INTEGRAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO AMBIENTE EUREKA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTEGRAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO AMBIENTE EUREKA"

Transcrição

1 INTEGRAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO AMBIENTE EUREKA MARTINS, Silvio Antonio Rodrigues Junior - PUCPR BORTOLOZZI, Flávio - PUCPR ELEUTÉRIO, Marco Antonio Masoller - PUCPR Resumo Este artigo apresenta o resultado de um estudo sobre a forma de integração de Objetos de Aprendizagem distribuídos seguindo um modelo de referência, o modelo SCORM (Sharable Content Object Reference Model). Esse modelo de referência vem, ao longo dos últimos anos, tomando a frente quando a questão é de padronização dos Objetos de Aprendizagem. O modelo SCORM procura prover a interoperabilidade dos Objetos de Aprendizagem, proporcionando que vários ambientes virtuais de aprendizagem (AVA) possam utilizá-los. Por ser um modelo de referência amplo, o SCORM abrange desde a distribuição, a forma de disponibilização, a navegabilidade e a interação dos Objetos de Aprendizagem nos Sistemas de Gerenciamento de Aprendizagem, agregando à outras funcionalidades a ele, tais como: possibilitar ao professor ou autor de um curso a disponibilização de conteúdos on-line, o monitoramento da participação dos alunos e a verificação de suas atividades e desempenho. O presente artigo relata os esforços e ações que se fizeram necessárias para incorporação dos Objetos de Aprendizagem no EUREKA, ambiente virtual de aprendizagem adotado pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Palavras Chave Interoperabilidade Objeto de Aprendizagem - SCORM.

2 2955 Introdução A criação de um padrão único para cursos pela Internet é debatida há vários anos. O crescimento dos modelos de referência exerce um papel importante no ambiente de e-learning. Os esforços de padronizações e colaborações visam mensurar dados sobre recursos de aprendizagem, estruturas de conteúdo, dados de administração de usuários e iniciativas de integração de serviços de aplicação. Paralelamente, algumas iniciativas e pesquisas estão sendo feitas sobre avaliação de ambientes virtuais de aprendizagem. A grande maioria das avaliações consiste em comparar uma ferramenta do ambiente em relação a outras, algumas avaliações restringem-se somente análise de tutoria, outras somente do ponto de vista técnico, outras na visão didático-pedagógico e também administrativo. Todos esses itens são importantes em um processo de decisão, como por exemplo, a escolha do ambiente virtual de aprendizagem que a instituição deverá adotar como ferramenta institucional. Dentre os estudos realizados nesse processo de tomada de decisão, a adoção da conformidade com o modelo de referência SCORM vem sendo muito importante. Por ser um modelo de referência amplo, o SCORM abrange desde a distribuição, a forma de disponibilização, a navegabilidade e a interação dos Objetos de Aprendizagem nos Sistemas de Gerenciamento de Aprendizagem (Learning Management System LMS), agregando as outras funcionalidades a ele, tais como: possibilitar ao professor ou autor de um curso a disponibilização de conteúdos on-line, o monitoramento da participação dos alunos e a verificação de suas atividades e desempenho. Atualmente, os ambientes virtuais de aprendizagem disponíveis informam de maneira clara a sua capacidade de operar com o modelo de referência SCORM, e tem sido considerado um diferencial comercial. Nesse ponto, as empresas que criam desde simples Objetos de Aprendizagem à cursos completos identificam-se expondo essa característica, face a importância dada pelo mercado atual. Uma parceria firmada entre a Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR e a Federação das Indústrias do Estado do Paraná - FIEP, propiciou a essa última à utilização do ambiente virtual de aprendizagem EUREKA (originalmente criado pela PUCPR). A FIEP, por sua vez possui uma área responsável pela criação e oferta de treinamentos baseados em e-learning. Essa área possui uma grande necessidade de criação e utilização de Objetos de Aprendizagem, visto que esses conteúdos reutilizáveis são essenciais para economizar o tempo e o custo do desenvolvimento de conteúdos de treinamento. A necessidade da FIEP é tão expressiva que a empresa terceiriza grande parte da criação e confecção de seu material didático. Visto que, a FIEP faz uma grande

3 2956 utilização desses recursos de aprendizagem, o EUREKA, em um primeiro momento, não estaria apto a atender suas necessidades atuais. Face essa situação, um grande número de Objetos de Aprendizagem estão sendo adquiridos ou construídos seguindo a tendência do mercado, que é a adoção do modelo de referência SCORM para confecção dos mesmos, e um ambiente virtual de aprendizagem que não era compatível com esses objetos. Portanto foi constatada a necessidade de dotar o ambiente EUREKA dos recursos e funções necessários para esses conteúdos (Objetos de Aprendizagem), poderem realmente utilizar todo potencial inerente dos Objetos de Aprendizagem em se adotando o padrão. Podemos citar como exemplo, em um ambiente de e-learning, os conteúdos devem ser criados em componentes que são armazenados, como um todo ou partes constituintes, para serem usados novamente por criadores ou utilizadores de conteúdo. Considerando as problemáticas expostas anteriormente, esse artigo apresenta um relato descritivo sobre os estudos e as etapas de integração de Objetos de Aprendizagem, que se apresentavam em conformidade com o modelo de referência SCORM, no ambiente virtual de aprendizagem EUREKA. Referencial teórico da proposta. A utilização em ambiente presencial das técnicas que apareceram com a educação a distancia (educação não presencial), bem como o uso de presença física dos participantes em cursos desenvolvidos em ambientes não presenciais (atividades socializadoras, fundamentais no processo ensino-aprendizagem), já é uma realidade e vêem se consolidando. Neste ambiente ganha destaque o conceito de Objeto de Aprendizagem - OA (GIBBONS and NELSON 2003). Uma das várias definições de Objeto de Aprendizagem diz segundo (BECK, 2002) que um OA é Qualquer recurso digital que possa ser reutilizado para o suporte ao ensino. A principal idéia dos Objetos de Aprendizagem é quebrar o conteúdo educacional em pequenos pedaços que possam ser reutilizados em diferentes ambientes de aprendizagem, em um espírito de programação orientada a objetos. Outras definições podem ser encontradas em (BETTIO, 2005) (FILHO, 2006), (PERNIN, 2002). Por se tratar de um campo de estudo recente, existem diferentes definições para os Objetos de Aprendizagem, e muitos outros termos são utilizados, resultando numa confusão e dificuldade de comunicação (MUZIO, 2001).

4 2957 Objetos de Aprendizagem são componentes de apoio à construção do conhecimento e da aprendizagem humana e podem ser usados em múltiplos contextos. Esta é a idéia fundamental dos Objetos de Aprendizagem. Professores e projetistas de conteúdo podem construir pequenos componentes que podem ser utilizados inúmeras vezes e em diversos contextos de aprendizagem. Em bom exemplo pode ser o mapa do Brasil com sua distribuição federativa. Esse objeto poderá ser utilizado em inúmeros contextos em aulas de Geografia e em aulas de História, etc. Objetos de aprendizagem são distribuídos através da Internet, a rede mundial de computadores, e Intranets que são as redes internas corporativas podendo ser disponibilizados simultaneamente para um considerável número de pessoas. Além disto, professores e projetistas de conteúdo podem colaborar com novas versões, beneficiando-se de forma cooperativa (LTSC, 2003). É possível citar pontos de vista distintos sobre a utilização de Objetos de Aprendizagem: Do ponto de vista do Desenvolvedor. No sentido de estender a utilização dos objetos de aprendizagem, as partes que o compõe e devem ser organizados de modo que as partes possam ser re-utilizadas com outros propósitos. Reduz o tempo de desenvolvimento, reduz o custo dos objetos, é de fácil distribuição e adaptação de cursos e currículos. Do ponto de vista Tecnológico. Os Browsers e a tecnologia utilizada na Internet são mais eficientes quando lidam com pequenas quantidades de informação, tais como HTML, Java applets ou Activex controls. Do ponto de vista do Usuário Final O aluno: Independente da utilização que será dada ao Objeto de Aprendizagem, o usuário deve ter facilidade na busca desse objeto. Para o usuário final torna-se transparente o objetivo de um objeto isoladamente, o que é importante é seu conteúdo pedagógico como um todo. Os Objetos de Aprendizagem, por apresentarem em sua grande parte um tamanho reduzido, encorajam a aprendizagem e o estudo, facilitando o gerenciamento do conhecimento. Objetos de Aprendizagem não precisam ser exclusivamente baseados em tecnologias. Um cronograma instrucional, uma determinada atividade de ensino, um livro, uma apostila, são outros exemplos de Objetos de Aprendizagem que não estão ligados diretamente com tecnologias, entretanto, o termo passou a ser muito utilizado por profissionais que desenvolvem e aplicam novas tecnologias com fins educacionais. O conceito de Objeto de Aprendizagem vem recebendo diversas denominações, tais como learning object, instructional object, educational object, knowledge object, intelligent object, e data object (Gibbons, 2000). Qualquer que seja a denominação empregada, o objetivo praticamente não

5 2958 varia: facilitar a decomposição de sistemas educacionais em módulos relativamente pequenos e potencialmente reutilizáveis. O e-learning, assim como a própria internet, é recente tanto no Brasil quanto no mundo, assim como a pesquisa e o desenvolvimento de modelos de referência para este setor são mais recentes ainda. Em 1999 o Departamento de Defesa norte-americano recebe a atribuição de liderar o desenvolvimento de especificações e padrões comuns para ensino baseado em tecnologia, dando origem ao ADL (Advanced Distribuited Learning), que é uma espécie de consórcio de pesquisa composto por órgãos do governo e do setor privado. O SCORM é o modelo de referência para objetos de conteúdo compartilháveis, corresponde a uma coleção de especificações técnicas desenvolvidas por múltiplas organizações (Aeronautic Industry Computer based training Committee - AICC, Institute of Electrical and Electronics Engineers - IEEE, Instructional Management System global consortium - IMS, etc.) e adaptadas para o e-learning de forma a assegurar reusabilidade, acessibilidade, durabilidade e interoperabilidade em conteúdos de aprendizagem baseados na web (ADL, 2004). Partindo-se do principio de que os conteúdos de aprendizagem serão desenvolvidos para web, o princípio operacional do SCORM visa garantir as seguintes habilidades (ADL, 2004). Habilidade de um Sistema de Gerenciamento de Aprendizagem (Learning Management System LMS) oferecer conteúdo instrucional desenvolvido em diferentes ferramentas de autoria e permitir a troca de dados entre LMS e conteúdo. Habilidade de Sistemas de Gerenciamento de Aprendizagem (LMS) desenvolvidos por diferentes fabricantes oferecerem um mesmo conteúdo instrucional e trocar dados com o conteúdo durante a sua execução. Habilidade de múltiplos Sistemas de Gerenciamento de Aprendizagem (LMS) terem acesso a um repositório e conteúdo executável comum e conseguirem oferecer este conteúdo. Por outro lado, o SCORM não é um padrão por si só, mas um modelo de referência que serve como teste para a efetividade e a real aplicação de uma coleção de especificações e padrões individuais. A ADL, responsável pelo desenvolvimento do SCORM, trabalha com organizações de padronização como o AICC, IMS e IEEE para integrar suas especificações em um modelo coeso e utilizável, e define as chaves para o inter-relacionamento entre os padrões. O SCORM é, em essência, um padrão de fato, pois não é caracterizado como uma especificação aprovada por uma organização de desenvolvimento de padrões reconhecidos, mas um modelo que governos ao redor

6 2959 do mundo, assim como a indústria do e-learning, tem voluntariamente adotado (DeMARCHI, 2006). O SCORM foi lançado pelo ADL em janeiro de 2000, em sua versão 1.0. Em janeiro de 2001 é lançada a versão 1.1 evoluindo para a versão 1.2 em outubro de 2001, e para a versão 1.3, chamada de SCORM 2004, lançada em janeiro de Importante ressaltar que ainda na versão 1.2 do SCORM, foi acrescentada a capacidade de empacotar materiais instrucionais e metadados para importação e exportação, chamado de interoperabilidade. O modelo de referência busca prover para os Objetos de Aprendizagem algumas características, bem como os próprios OA devem ser construídos levando-se em conta esses aspectos na sua elaboração (DeMARCHI, 2006); a) reusabilidade que é o poder de ser reutilizável diversas vezes em diversos ambientes de aprendizagem; b) acessibilidade que está ligada facilidade de acesso via Internet para ser usado em diversos locais; c) interoperabilidade, que é a habilidade de operar através de uma variedade de hardware, sistemas operacionais e browsers, intercâmbio efetivo entre diferentes sistemas; d) adaptabilidade, que mostra quanto o AO é adaptável a qualquer ambiente de ensino; e) granularidade, que representa o conteúdo em pedaços, para facilitar sua reusabilidade e f) durabilidade, que mostra a possibilidade de continuar a ser usado, independente da mudança de tecnologia. O EUREKA surgiu de um projeto de pesquisa tendo como objetivo de implementar um ambiente baseado na Web para aprendizagem colaborativa com a finalidade de promover educação e treinamento à distância usando a Internet. Sua arquitetura nasceu formatada para proporcionar a criação de comunidades virtuais para dar suporte a cursos e/ou treinamentos que tradicionalmente são presenciais. O ambiente EUREKA foi desenvolvido pelo Laboratório de Mídias Interativas LAMI da PUCPR por meio de um acordo tecnológico com a Siemens - Telecomunicações e da lei de incentivo à informática do Ministério da Ciência e Tecnologia. O convênio com a Siemens iniciouse em Outubro de 1998, e finalizou em Outubro de Durante esse período o sistema foi utilizado pelas duas empresas em treinamento a distância, para cursos de extensão a distância, parcerias e para o apoio aos cursos de graduação presenciais. O EUREKA é um ambiente de Aprendizagem Colaborativa a Distância via Internet destinado a estabelecer comunidades virtuais de aprendizagem e trabalho. Compõe-se de vários módulos para comunicação, administração e suporte de conteúdo. Os módulos foram configurados para possibilitar interatividade entre o grupo

7 2960 inserido na sala virtual, permitindo desta forma a construção colaborativa do conhecimento. Além disso, a ferramenta integra outras funções indispensáveis nesse ambiente, tais como: Fórum de discussões, Chat-room, Conteúdo, Correio Eletrônico, Edital, Estatísticas e Links. Este ambiente oferece interatividade e permite que ela seja ampliada segundo as formas com as quais os processos são conduzidos. A tecnologia em si não sustenta o aprendizado, mas com a participação ativa de coordenação funciona como elemento catalisador de colaboração, motivação e apreço pela atividade em desenvolvimento e define de forma significativa e decisiva o fator de sucesso. (EUREKA, 2006) Portanto, neste trabalho procurou responder a seguinte questão de investigação: Como fazer a integração de conteúdos no padrão SCORM para o EUREKA.? Resultados e considerações finais O processo de desenvolvimento de uma interface de importação de Objetos de Aprendizagem no padrão SCORM, visando a integração desses conteúdos, foi basicamente dividido em algumas três fases, a saber: a) Levantamento dos requisitos. As considerações básicas sobre qual a necessidade real do usuário foram estudadas nessa fase. É a fase onde foram levantadas todas as funcionalidades concretas que o usuário precisa realmente. É uma fase que pode-se chamar de personalização, pois significa que o processo é mais focalizado na necessidade, tende então, a ser mais eficiente. Cujo objetivo principal é entender o problema em questão usuários e as restrições que podem influir no desenvolvimento (tempo, dinheiro, maquinas, etc.). Nessa fase, o que mais demandou esforço foi o estudo do modelo de referência SCORM. Desde a sua origem, o SCORM foi lançado pelo ADL em janeiro de 2001, em sua versão 1.1, até sua evolução final ou sua última versão que é a versão 1.3, chamada de SCORM Essa fase, resumidamente é a descrição do problema na visão do usuário. b) Análise, projeto e implementação. Agora, na parte de analise, foram buscadas questões sobre a ótica do programador ou desenvolvedor da solução. Desde a sua concepção até a própria codificação

8 2961 Dessa fase, pode-se destacar um ponto de relevância que foi a escolha da linguagem de programação que seria utilizada para o desenvolvimento. Nesse caso optou-se pela linguagem Java face sua portabilidade. Essa escolha foi de fundamental importância, pois permitiu que o projeto fosse realizado sem uma maior preocupação com o padrão de interface já existente no EUREKA. A integração visual foi garantida com essa decisão. Todas as questões técnicas e administrativas apareceram nessa fase do desenvolvimento. Destacam-se: Ao realizar a importação, os objetos serão armazenados em algum servidor da instituição? Se sim, onde ficarão (máquina, diretório etc.). Quem ou qual tipo de usuário poderá realizar a importação? A disponibilização dessa nova funcionalidade ficará em que parte do sistema? Terá um menu específico? Uma vez que o padrão exige que seus objetos sejam distribuídos compactados, quem realizará a descompactação? Obviamente, nem todas as questões o usuário poderia responder, algumas somente o gestor do EUREKA poderia definir. Algumas respostas às questões acima, podem ser visualizadas na Figura 1, que retrata a tela inicial de importação de Objetos de Aprendizagem no padrão SCORM, outras mais técnicas não podem ser divulgadas por questões de segurança do ambiente da instituição. c) Teste. Fase de verificação se a solução criada atende às necessidades estabelecidas. O projeto está atualmente em fase de testes pelo usuário. As figuras 1, 2 e 3 retratam o resultado final da interface de importação. Figura 1 Tela inicial de importação de objetos no padrão SCORM no EUREKA

9 2962 Em nossa experiência, a adoção do padrão demonstrou ter inúmeras vantagens, mas também desvantagens dignas de serem ressaltadas, principalmente do ponto de vista da implementação. O SCORM é um grande passo na direção da integração entre conteúdo e modelos de aprendizados baseados na Web, mas há muitas falhas na sua formulação que devem ser estudadas e respondidas caso uma implementação seja feita. Ao longo do desenvolvimento do projeto, tivemos que tomar várias decisões sobre como lidar com aspectos difíceis da especificação que foram mais baseadas em julgamento próprio ou entendimento do padrão do que sobre a própria idéia descrita na especificação, que em muitas vezes não estavam bem colocada ou continham erros inerentes. Figura 2 - Tela do EUREKA de seleção de objetos já importados.

10 2963 Figura 3 Tela do Objeto de Aprendizagem importado para o EUREKA. Ao longo do projeto foi possível identificar algumas questões que estão identificadas como pontos positivos e pontos negativos. O primeiro ponto positivo possibilita a integração de objetos de aprendizado de fontes diversas em um ambiente comum. Consideramos essa é a maior vantagem do SCORM que consiste no aproveitamento de cursos de fontes e formatos diversos dentro de um único LMS. Isso é conseguido através de um formato de distribuição comum que o SCORM fornece aos cursos. Um segundo ponto positivo é que fornece um modelo de dados comum. Esse modelo de dados fornece benefícios tanto para os cursos, que podem ser desenvolvidos de maneira independente do LMS a que destinam, e para o LMS, que pode obter dados dos objetos de aprendizado de maneira simples. O último ponto positivo é que fornece uma maneira de agregar o conteúdo (tecnicamente trata-se de um empacotamento do conteúdo). Isso facilita a distribuição dos cursos, já que os dados podem ser empacotados da maneira mais conveniente e descritos de uma forma especifica de como o mesmo deve ser usado, deixando ampla liberdade para os criadores de conteúdos utilizarem para outras abordagens pedagógicas.

11 2964 Quanto aos pontos negativos, primeiramente podemos destacar que o padrão é relativamente incipiente. Embora já esteja em sua terceira revisão, as mudanças entre essas revisões mostram que o mesmo ainda não atingiu uma forma estável. As mudanças projetadas para as próximas revisões e versões também ressaltam essa instabilidade. Essa situação afetou diretamente o desenvolvimento dessa solução, visto que houve um lançamento de uma versão após o início do desenvolvimento. Esse fato gerou um retrabalho, uma nova necessidade de estudo do padrão para interpretação das alterações adotadas para última versão, pois de nada adiantaria o desenvolvimento para uma versão antiga. O que é para ser considerado, é que essa instabilidade implica na possibilidade de mudanças drásticas que invalidem o investimento no mesmo em um determinado período. Uma área em que revela que o padrão é incipiente é a parte de navegação entre os módulos que eventualmente compõem um curso. A versão 1.2 não implementa nenhuma forma de navegação ou tratamento da seqüência de administração de um curso. Já a versão 1.3 considera todas as questões de navegabilidade e seqüência do curso. Não se deve levar em conta o termo padrão incipiente pelo lado negativo e sim pela vontade e necessidade de evolução que apresenta. O segundo ponto negativo esta na falta de documentação e referências sobre o padrão em língua portuguesa. O último ponto negativo é falta de integração do conteúdo com outras ferramentas como Chat e Fórum, ou seja, impede que as interações entre alunos e professores em ambientes de discussões sejam incorporadas como Objetos de Aprendizagem. Uma reflexão importante reside no fato de que o padrão foi desenvolvido para a Internet, acarretando em uma limitação que força uma dependência de tecnologias que podem impedir a criação de soluções mais sofisticadas. A necessidade de garantir o máximo de compatibilidade entre plataformas, os formatos de arquivos que podem ser usados em um curso ficam restritos a arquivos e programas nos padrões típicos da Internet (HTML e Flash em geral). Além disso, a construção de instrumentos de avaliação da aprendizagem em padrões SCORM apresenta ainda limitações em relação à segurança dos dados. Sendo um padrão, o SCORM oferece aos seus usuários a possibilidade de ter um alvo de implementação comum, o que facilita o desenvolvimento, reduz custos e amplia a oferta. No entanto o padrão ainda está em evolução, e esse é um aspecto altamente positivo,entretanto, quando se pensa em modelos de utilização de Objetos de Aprendizagem para dar suporte às atividades do professor, logo nos vem a cabeça o popular modelo SCORM.

12 2965 O trabalho e a pesquisa aqui realizados identificaram que o SCORM apresenta-se como um padrão de fato, ou seja, não é uma norma obrigatória para o desenvolvimento de cursos online, mas a sua adoção pela indústria do e-learning está aos poucos transformando este padrão em uma exigência de mercado. O principal motivo apontado para a adoção do padrão é a interoperabilidade entre cursos e os Sistemas de Gerenciamento de Aprendizagem - LMS, proporcionada pelo uso comum de um modelo de dados, que permite a comunicação e a troca de informações entre ambos, por meio de um ambiente de execução do conteúdo utilizado pelo Sistema de Gerenciamento de Aprendizagem. Em um futuro próximo, o Sistema de Gerenciamento de Aprendizagem que não for compatível com o modelo de referência SCORM estará restrito apenas ao pequeno ambiente onde é utilizado, e estará desprovido de todos os benefícios da utilização do padrão e dos Objetos de Aprendizagem. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ADL. (2004). Advanced Distributed Learning Network. Retrieved September 29, 2003, from BECK, R.J. Learning Objects: What? Center for International Education. University of Wisconsin. Milwaukee BETTIO, Raphael Winckler de; MARTINS, Alejandro. Objetos de Aprendizagem Um novo modelo direcionado ao Ensino a Distância. Disponível em: <http://www.universia.com.br/ materia/materia.jsp?id=5938>. Acesso em : 15 março, De-MARCHI, Ana Carolina Bertoletti. COSTA, Antônio Carlos da Rocha. Uma proposta de padrão de metadados para Objetos de Aprendizagem de museus de ciências e tecnologia. RENOTE Revista Novas Tecnologias na Educação. Porto Alegre: Centro Interdisciplinar de Novas Tecnologias na Educação (UFRGS), v. 1, n Disponível em /renote/mar2004/artigos/02umapropostadepadrao.pdf. Acessado em 06 de agosto de EUREKA. Um ambiente de aprendizagem cooperativa baseado na Web para Ensino à Distância. Página Web disponível em: FILHO, Clovis Soares e Sá; MACHADO, Elian de Castro. O computador como agente transformador da educação e o papel do objeto de aprendizagem. Disponível em: <http://www.universiabrasil.net/materia/materia.jsp?id=5939>. Acesso em : 25 ago IEEE - INSTITUTE OF ELECTRICAL AND ELECTRONICS ENGINEERS. Learning Technology Standards Committee (LTSC). Disponível em: Acesso em: 18 mai

13 2966 FABRE M. J. M.;TAROUCO, L. M. R.; TAMUSIUNAS, F. R.. Reusabilidade de objetos educacionais. RENOTE - Revista Novas Tecnologias na Educação: II Ciclode Palestras sobre Novas Tecnologias na Educação. Porto Alegre, RS, 2003 GIBBONS, A. S., NELSON, J., & RICHARDS, R. (in press). The nature and origin of instructional objects. In D. A. Wiley (Ed.), The instructional use of learning objects. Bloomington, IN: Association for Educational Communications and Technology. MUZIO, J.; HEINS, T.; MUNDELL, R. Experiences with Reusable e-learning Objects: From Theory to Practice. Victoria, Canadá PERNIN, J. P., Objets pédagogiques: Unités d apprentissages activités ou ressources?, STE (Sciences et Techniques Educatives), Hors série Ressources Numériques, XML et Education, Ed Hermès, 2002.

Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP

Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP Eduardo Barrére Liamara Scortegagna Atualizando o título: Elaboração

Leia mais

PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE *

PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE * PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE * Hudson Henrique de Souza LOPES 1 ; Wellington Garcia PEREIRA 2 ; Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 3. 1 Bolsista do PET EEEC/UFG hudsonhsl@hotmail.com.

Leia mais

Panorama da educação a distância na formação dos magistrados brasileiros

Panorama da educação a distância na formação dos magistrados brasileiros Panorama da educação a distância na formação dos magistrados brasileiros 7 e 8 de maio de 2015 Encontro de integração das Escolas da Magistratura Tema: Potencialidades e Desafios do Moodle um ambiente

Leia mais

Autor(es) BRUNO TEODOSIO GONÇALVES. Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO, FLÁVIA LINHALIS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1.

Autor(es) BRUNO TEODOSIO GONÇALVES. Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO, FLÁVIA LINHALIS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE PADRÕES DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA AMBIENTES COLABORATIVOS DE APRENDIZADO ELETRÔNICO Autor(es) BRUNO TEODOSIO GONÇALVES Orientador(es)

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

NanowareCyber: Nosso negócio é sua formação.

NanowareCyber: Nosso negócio é sua formação. NanowareCyber: Nosso negócio é sua formação. PLATAFORMA AcademiaWeb Sistema de gerenciamento de escola virtual com gestão de conteúdo, transmissão de web-aula ao vivo e interação online com os participantes.

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA TECNOLÓGICA PARA FACILITAR A REUTILIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E COMPARTILHAMENTO. Maio de 2007

OBJETOS DE APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA TECNOLÓGICA PARA FACILITAR A REUTILIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E COMPARTILHAMENTO. Maio de 2007 1 OBJETOS DE APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA TECNOLÓGICA PARA FACILITAR A REUTILIZAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E COMPARTILHAMENTO Maio de 2007 Érico Galdino Almeida Senac São Paulo erico.galmeida@sp.senac.br Leandro Cassa

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

AMBIENTE DE APRENDIZAGEM COLABORATIVO: DESENVOLVIMENTO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA CURSOS DE COMPUTAÇÃO

AMBIENTE DE APRENDIZAGEM COLABORATIVO: DESENVOLVIMENTO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA CURSOS DE COMPUTAÇÃO AMBIENTE DE APRENDIZAGEM COLABORATIVO: DESENVOLVIMENTO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA CURSOS DE COMPUTAÇÃO Danilo Abreu SANTOS, Wannyemberg K. da S. DANTAS, Adriano Araújo DOS SANTOS Departamento de Computação,

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

EDITOR GRÁFICO PARA SEQUENCIAMENTO E NAVEGAÇÃO USANDO REDES DE PETRI. Maicon Mueller prof. Dalton S. dos Reis

EDITOR GRÁFICO PARA SEQUENCIAMENTO E NAVEGAÇÃO USANDO REDES DE PETRI. Maicon Mueller prof. Dalton S. dos Reis EDITOR GRÁFICO PARA SEQUENCIAMENTO E NAVEGAÇÃO USANDO REDES DE PETRI Maicon Mueller prof. Dalton S. dos Reis Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Trabalhos correlatos Desenvolvimento Resultados

Leia mais

Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Tecnologias de Informação

Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Tecnologias de Informação Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Ednilson Luiz Silva Vaz Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, UNESP Brasil ednilson_vaz@hotmail.com

Leia mais

PONTOS CRÍTICOS DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROJETO DE E-LEARNING.

PONTOS CRÍTICOS DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROJETO DE E-LEARNING. PONTOS CRÍTICOS DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROJETO DE E-LEARNING. Boa comunicação e apoio da direção estão entre os pontos críticos na implantação do projeto de educação a distância. Uma estratégia bem fundamentada

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

2 Objetos de Aprendizagem 2.1. Visão Geral do e-learning

2 Objetos de Aprendizagem 2.1. Visão Geral do e-learning 2 Objetos de Aprendizagem 2.1. Visão Geral do e-learning Nas últimas quatro décadas, mudanças econômicas e inovações tecnológicas transformaram nossa economia de um sistema baseado em produto para uma

Leia mais

Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem

Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem Prof. Me. Wagner Antonio Junior Secretaria Municipal da Educação de Bauru e-mail: wag.antonio@gmail.com Pôster Pesquisa em andamento A

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

DEFINIÇÃO DE METADADOS PARA O REPOSITÓRIO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM DA EAD - UFSC

DEFINIÇÃO DE METADADOS PARA O REPOSITÓRIO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM DA EAD - UFSC DEFINIÇÃO DE METADADOS PARA O REPOSITÓRIO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM DA EAD - UFSC Projeto desenvolvido junto ao Departamento de EAD/UFSC 2007-2008. Equipe: Profª. Edna Lucia da Silva e Profª. Ligia Café

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios?

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? O CA ERwin Modeling fornece uma visão centralizada das principais definições de

Leia mais

MBA Executivo. Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça

MBA Executivo. Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça 1 O Instituto COPPEAD: O Instituto COPPEAD oferece o curso de especialização

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Software Tutorial sobre Sistema Solar

Software Tutorial sobre Sistema Solar Software Tutorial sobre Sistema Solar Alan Correa, Antônio Rocir, Sandro Niederauer Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {sandroniederauer, alan.sms}@hotmail.com,

Leia mais

Objetos de Aprendizagem para Educação a Distância Robson Santos da Silva

Objetos de Aprendizagem para Educação a Distância Robson Santos da Silva Objetos de Aprendizagem para Educação a Distância Robson Santos da Silva Novatec Copyright 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge. Projeto Demoiselle Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.net Palestrantes: Antônio Carlos Tiboni Luciana Campos Mota 20/07/2009

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB Isadora dos Santos Rodrigues, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil isadora.santosrodrigues@hotmail.com, bonetti@unipar.br

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

Gerenciador de Log. Documento Visão. Projeto Integrador 2015/2. Engenharia de Software. Versão 2.0. Engenharia de Software

Gerenciador de Log. Documento Visão. Projeto Integrador 2015/2. Engenharia de Software. Versão 2.0. Engenharia de Software Documento Visão e Documento Suplementar Gerenciador de Log Documento Visão Versão 2.0 1 Índice 1. Histórico de Revisões...3 2. Objetivo do Documento...4 3. Sobre o Problema...4 4. Sobre o produto...4 4.1.

Leia mais

Objetos de Aprendizagem: Uma comparação entre SCORM e IMS Learning Design

Objetos de Aprendizagem: Uma comparação entre SCORM e IMS Learning Design CINTED-UFRGS Novas Tecnologias na Educação Objetos de Aprendizagem: Uma comparação entre SCORM e IMS Learning Design Renato Luís de Souza Dutra* Liane Margarida Rockenbach Tarouco** Centro Interdisciplinar

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

CONVITE Nº 01/2012 ANEXO I - DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS

CONVITE Nº 01/2012 ANEXO I - DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS CONVITE Nº 01/2012 ANEXO I - DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS OBJETIVO E ESCOPO 1. Informações Gerais 1.1 Objetivo geral do trabalho: desenvolvimento de novo site institucional para o Senac (www.senac.br), nas versões

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

DESCRIÇÃO DA PLATAFORMA

DESCRIÇÃO DA PLATAFORMA DESCRIÇÃO DA PLATAFORMA Descrição da plataforma A efaculdade é uma plataforma de aprendizagem a distância, desenvolvida por profissionais brasileiros com o intuito de atender às necessidades de nossas

Leia mais

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur Unidade I TECNOLOGIA EDUCACIONAL EM EAD Material Instrucional Profª Christiane Mazur Ensinar Ensinar é, também, a arte de estimular o desejo de saber. EAD - Brasil 1904: Correspondência impressos; 1923:

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013)

Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013) Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013) Questionamentos que devem ser enfrentados 1. Como você descreveria esse ambiente

Leia mais

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira.

Faculdades Santa Cruz - Inove. Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Período letivo: 4 Semestre. Quinzena: 5ª. Faculdades Santa Cruz - Inove Plano de Aula Base: Livro - Distributed Systems Professor: Jean Louis de Oliveira. Unidade Curricular Sistemas Distribuídos Processos

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Informática Educativa no Brasil Professor: Fernando Zaidan 1 Referências: SANTINELLO, J. Informática educativa no Brasil e ambientes

Leia mais

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS Conectt i3 Portais Corporativos Há cinco anos, as empresas vêm apostando em Intranet. Hoje estão na terceira geração, a mais interativa de todas. Souvenir Zalla Revista

Leia mais

Referenciais de Qualidade adotados na Adaptação de um Curso a Distância

Referenciais de Qualidade adotados na Adaptação de um Curso a Distância 1 Referenciais de Qualidade adotados na Adaptação de um Curso a Distância Data de envio do trabalho: 06/11/2006 Ludmyla Rodrigues Gomes Escola Nacional de Administração Pública (ENAP) ludmyla.gomes@enap.gov.br

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet 57 Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet Hoje em dia ter a Internet como aliada é um recurso indispensável para qualquer educador ou responsável por treinamento corporativo que atue em qualquer

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG PROJETO: DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA DE REESTRUTURAÇÃO DO SITE DA ESTAÇÃO CIENTÍFICA FERREIRA PENNA, VISANDO ATENDER AOS PADRÕES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

Construção de Objetos Educacionais Numéricos utilizando padrão SCORM no ambiente Moodle. Setembro/2007

Construção de Objetos Educacionais Numéricos utilizando padrão SCORM no ambiente Moodle. Setembro/2007 1 Construção de Objetos Educacionais Numéricos utilizando padrão SCORM no ambiente Moodle Setembro/2007 Carmem Lúcia Graboski da Gama Pós-Graduação em Métodos Numéricos em Engenharia, Universidade Federal

Leia mais

Potencialidades Tecnológicas e Educacionais - Parte II

Potencialidades Tecnológicas e Educacionais - Parte II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA V SEMINÁRIO DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOCENTE Patric da Silva Ribeiro patricribeiro@unipampa.edu.br Maicon Isoton maiconisoton@gmail.com Potencialidades Tecnológicas

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO INTRODUÇÃO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO INTRODUÇÃO Ser reconhecido como o melhor tribunal para se trabalhar e de melhores resultados. Visão de Futuro do TRT da 8ª Região. INTRODUÇÃO Prática adotada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região que consiste

Leia mais

Módulo II - Aula 3 Comunicação

Módulo II - Aula 3 Comunicação Módulo II - Aula 3 Comunicação O surgimento da comunicação entre as pessoas por meio de computadores só foi possível após o surgimento das Redes de Computadores. Na aula anterior você aprendeu sobre a

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Marco T. A. Rodrigues*, Paulo E. M. de Almeida* *Departamento de Recursos em Informática Centro Federal de Educação Tecnológica de

Leia mais

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário...

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário... Artigo sobre Indicie 1.Introdução....1 2.Como Surgiu....2 3.Para que serve....3 4.Instalação....3 5. Oque ele permite fazer....5 6. Primeiro Cenário....6 7. Segundo Cenário....7 8. Conclusão....8 5. Referencias....9

Leia mais

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online Page 1 of 5 Windows SharePoint Services Introdução a listas Ocultar tudo Uma lista é um conjunto de informações que você compartilha com membros da equipe. Por exemplo, você pode criar uma folha de inscrição

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Sumário INFORMAÇÕES GERAIS... 1 SYMANTEC UNIVERSITY PARA PARCEIROS... 1 TREINAMENTO... 2 SERVIÇO DE INFORMAÇÕES... 4 COLABORAÇÃO... 5 Informações

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

Teorias de e-learning Fábio Fernandes

Teorias de e-learning Fábio Fernandes Teorias de e-learning Fábio Fernandes O que é uma teoria? Uma teoria, nesse contexto, pode ser descrita como uma série de hipóteses que aplicam-se a todas as instâncias de um acontecimento ou assunto e

Leia mais

Documento de Visão. O sistema atual se baseia no método padrão de ensino, onde a presença física dos alunos é essencial para um bom aprendizado.

Documento de Visão. O sistema atual se baseia no método padrão de ensino, onde a presença física dos alunos é essencial para um bom aprendizado. UFF Universidade Federal Fluminense Instituto de Computação Engenharia de Software II Professora: Bianca Zadrozny 1º Trabalho Prático: Documento de Visão Alunos: Diego Soares, Felipe Maia e Leandro Feijó.

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

FORMAÇÃO SÓLIDA E BENEFÍCIOS PARA VOCÊ

FORMAÇÃO SÓLIDA E BENEFÍCIOS PARA VOCÊ A FUNCEX E O ENSINO A DISTÂNCIA Milhões de pessoas aderiram ao Ensino a Distância no Brasil, e a Funcex, acompanhando esta tendência, desenvolveu sua plataforma de ensino para disponibilizar os treinamentos

Leia mais

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração.

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração. Cobit e ITIL GOVERNANÇA, GP - RISCO, GP PROJETOS - PMP, SEGURANÇA DAIANA BUENO OUTUBRO 20, 2010 AT 8:00 3.496 visualizações Atualmente, as empresas estão com seus processos internos cada vez mais dependentes

Leia mais

MANUAL DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA ATUAÇÃO DOS TUTORES DA REDE EAD-MT

MANUAL DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA ATUAÇÃO DOS TUTORES DA REDE EAD-MT SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DE MATO GROSSO SECRETARIA ADJUNTA DE POLÍTICAS, PROGRAMAS E PROJETOS GESTÃO ESTADUAL EAD COORDENAÇÃO DE ENSINO MANUAL DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA ATUAÇÃO DOS

Leia mais

Manual do. Aluno. Brasília Empreendimentos Educacionais

Manual do. Aluno. Brasília Empreendimentos Educacionais Brasília Empreendimentos Educacionais 3 Apresentação 4 A BEE 5 A Educação a Distância EaD 6 O curso 7 O Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA 10 Como estudar na modalidade a distância 2 Apresentação Este

Leia mais

PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA. Ensino Fundamental (séries finais)

PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA. Ensino Fundamental (séries finais) PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA Ensino Fundamental (séries finais) O Clickideia é um portal educacional (www.clickideia.com.br), desenvolvido com o apoio do CNPq e da UNICAMP, que apresenta conteúdos didáticos

Leia mais

PLATAFORMAS EAD SOB MEDIDA

PLATAFORMAS EAD SOB MEDIDA PLATAFORMAS EAD SOB MEDIDA Soluções e-learning para a sua empresa, com foco real nos resultados A GPEC FORMA, sediada em São Paulo, atua há mais de sete anos no segmento EAD, e possui uma equipe de profissionais

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância

CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância CARDS - Jogo Educativo na Internet para Ensino a Distância 1 Introdução Bruno Astuto Arouche Nunes Sergio Barbosa Villas-Boas 1 Henrique Falleiros Tendo em vista que o processo de ensino, nos dias de hoje,

Leia mais

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail. Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.com Perspectivas de análise: EAD e mudança Perspectivas de análise:

Leia mais

CAPÍTULO 4. AG8 Informática

CAPÍTULO 4. AG8 Informática 2ª PARTE CAPÍTULO 4 Este capítulo têm como objetivo: 1. Tratar das etapas do projeto de um Website 2. Quais os profissionais envolvidos 3. Administração do site 4. Dicas para não cometer erros graves na

Leia mais

Cria1vidade e tecnologia a favor da APRENDIZAGEM.

Cria1vidade e tecnologia a favor da APRENDIZAGEM. www.eadskill.com.br 20 anos de experiência em TREINAMENTO CORPORATIVO. A Skill e- Learning Solu7ons oferece soluções completas para desenvolvimento de treinamentos corpora-vos, que vão desde a análise

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA PRODEB-UFBA PRODEB/DSS Diretoria de Sistemas e Serviços UFBA/LCAD

Leia mais

Manual do sistema. My e-learning objects. Laboratório de Engenharia de Software e Tecnologias de Informação e Comunicação

Manual do sistema. My e-learning objects. Laboratório de Engenharia de Software e Tecnologias de Informação e Comunicação Manual do sistema My e-learning objects Laboratório de Engenharia de Software e Tecnologias de Informação e Comunicação Manual do sistema - Meelo Autor: Alexandre Yukio Yamashita Laboratório de Engenharia

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

Guia de Acesso Rápido AVA Ambiente Virtual de Aprendizagem Aluno

Guia de Acesso Rápido AVA Ambiente Virtual de Aprendizagem Aluno Guia de Acesso Rápido AVA Ambiente Virtual de Aprendizagem Aluno Introdução O Ambiente de Aprendizagem, ou AVA, é um aplicativo web onde os educadores e alunos podem disponibilizar materiais didáticos,

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Tecnologia e Gestão O principal papel da Tecnologia da Informação na Gestão do Conhecimento consiste em: Ampliar o alcance

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação 1. Identificação PLANO DE ENSINO Curso: A INTERNET E SUAS FERRAMENTAS Disciplina: A Internet e suas Ferramentas Período Ministrado/Semestre- Bimestre- Mês/Ano: 03 de setembro a 08 de outubro/2º Semestre

Leia mais

SENI: UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM CUSTOMIZADO A PARTIR DO MOODLE PARA ATENDIMENTO DE UM GRANDE PÚBLICO

SENI: UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM CUSTOMIZADO A PARTIR DO MOODLE PARA ATENDIMENTO DE UM GRANDE PÚBLICO SENI: UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM CUSTOMIZADO A PARTIR DO MOODLE PARA ATENDIMENTO DE UM GRANDE PÚBLICO Salvador BA 05/2011 Elson Cardoso Siquara SENAI-BA elsoncs@fieb.org.br Fábio Britto de Carvalho

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Tecnologia e Gestão O principal papel da Tecnologia da Informação na Gestão do Conhecimento consiste em: Ampliar o alcance

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 462, de 10/09/2012. VIGÊNCIA: 10/09/2012 POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 1/6 ÍNDICE

Leia mais

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular Plano de Ensino Plano de Ensino Apresentação da Unidade Curricular o Funcionamento, arquitetura e conceitos fundamentais dos bancos de dados relacionais e objeto relacionais. Utilização de linguagem DDL

Leia mais

O USO DE SOFTWARE PARA CONTROLE DE VERSÕES COMO FERRAMENTA DE APOIO À PRODUÇÃO DE MATERIAIS INSTRUCIONAIS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - EaD

O USO DE SOFTWARE PARA CONTROLE DE VERSÕES COMO FERRAMENTA DE APOIO À PRODUÇÃO DE MATERIAIS INSTRUCIONAIS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - EaD O USO DE SOFTWARE PARA CONTROLE DE VERSÕES COMO FERRAMENTA DE APOIO À PRODUÇÃO DE MATERIAIS INSTRUCIONAIS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - EaD VITÓRIA ES 04 2010 José Mário Costa Junior Ifes - jcjunior@ifes.edu.br

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA 9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA Autor(es) MICHELE CRISTIANI BARION FREITAS Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO 1. Introdução A partir de ferramentas

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 03 DOCÊNCIA E TUTORIA NA EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Introdução A Educação a Distância, por meio dos inúmeros recursos didáticos e tecnológicos,

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 Adriana Nascimento Flamino 1, Juliana de Souza Moraes 2 1 Mestre em Ciência

Leia mais