Jorge Luis GOÑI * Maria Cristina PFEIFFER FERNANDES *

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Jorge Luis GOÑI * jgoni@les.inf.puc-rio.br. Maria Cristina PFEIFFER FERNANDES * pfeiffer@les.inf.puc-rio.br"

Transcrição

1 Uma Metdlgia Aplicável a Diferentes Paradigmas de Design Instrucinal para a Implementaçã de Sistemas de Gerenciament de Aprendizagem usand Objets de Aprendizad Jrge Luis GOÑI * Maria Cristina PFEIFFER FERNANDES * Ricard CHOREN ** e Carls Jsé PEREIRA DE LUCENA * * Departament de Infrmática, Pntifícia Universidade Católica d Ri de Janeir PUC-Ri Rua Marquês de Sã Vicente, 225, Gávea, , Ri de Janeir, Brasil ** Departament de Engenharia de Sistemas (SE/9), Institut Militar de Engenharia IME Pça General Tibúrci 80, Praia Vermelha, , Ri de Janeir, Brasil RESUMO O bjetiv d trabalh é prpr uma metdlgia que permita tratament de diferentes paradigmas, terias e métds de aprendizagem, que pssibilitarã a fundamentaçã d prcess de instanciaçã de Sistemas de Gerenciament de Aprendizagem (Learning Management Systems - LMSs). O LMS-Paradigmátic é basead n us de Objets de Aprendizad (Learning Objects - LOs), segund diferentes paradigmas para design instrucinal, e pssibilitará a cnfiguraçã de um curs para atender a um determinad públic alv. Palavras-chaves: Metdlgia, Ensin, Aprendizagem, paradigma, design instrucinal, LO, LMS. 1. INTRODUÇÃO A Sciedade da Infrmaçã u Sciedade d Cnheciment, gerada a partir das grandes transfrmações decrrentes ds avançs das Tecnlgias da Infrmaçã e Cmunicaçã (TIC), geru um nv paradigma da ciência, cnheciment distribuíd em rede [1]. Esta mudança de paradigma está cntribuind principalmente para uma descentralizaçã d cnheciment e da tmada de decisã nas rganizções, e está send cnsiderad recurs human, ecnômic e sóci-cultural mais imprtante neste iníci de sécul [2]. N camp da Tecnlgia da Educaçã, essa mudança de paradigma se deu principalmente a partir de meads da década de 90, a partir da intensificaçã d us da Internet, que abriu uma nva perspectiva e trnu evidente surgiment de um nv paradigma educacinal caracterizad cm cnstrutivista, interacinista, scicultural e transcendente [1]. N camp das práticas pedagógicas, emerge assim, a necessidade da cnstruçã de currículs de caráter glbalizad, interdisciplinar e cntinuad, bem cm mdalidades de ensin que se adaptem às nvas tecnlgias [3], cm trabalh clabrativ. O aprendizad basead na cperaçã entre s aprendizes e destes cm s prfessres, cuj suprte tem sid dad mais recentemente pelas pesquisas em CSCW Cmputer Supprted Cperative Wrk, tem mstrad que existem diferentes técnicas de aprendizagem que pressupõem atividades em grup e que têm se mstrad eficientes, tant n dmíni cgnitiv quant ns dmínis afetiv e scial [4]. Ou seja, as barreiras impstas pelas limitações de temp e espaç típicas da escla tradicinal estã send rmpidas, gerand uma Sciedade Aprendente [2], que se encntra em estad de aprendizagem permanente e está baseada na infrmaçã e n trabalh em grup. A mesm temp, a Wrld Wide Web u simplesmente Web fi cncebida cm características que permitiram uma rápida expansã dessa infra-estrutura de cmunicaçã, alcançand um grande númer de usuáris e uma enrme quantidade de cnteúd dispnível. Uma das estratégias habilitadas para a Web n prcess de ensin-aprendizagem é e-learning, uma frma invadra para aprendizad que estimula cresciment de cmunidades de cnheciment/aprendizad nas instituições [5] e que inclui um cnjunt de sluções basead em ambientes para suprte de aprendizad cperativ u CSCL Cmputer Supprted Cllabrative Learning [6]. Dentre essas sluções se encntram s Sistemas de Gerenciament de Aprendizagem (Learning Management Systems - LMSs) que dispnibilizam em um únic ambiente, cnteúds de aprendizagem que pdem ser acessads via Web, recurss de cmunicaçã ( , chat, fórum, etc.) entre s tutres e aprendizes, além de instruments de avaliaçã. Existem utras aplicações específicas tais cm Sistemas de Gerenciament de Cnteúd (Cntent Management Systems - CMS), Sistemas de Gerenciament de Cnteúd e Aprendizagem (Learning Cntent Management Systems- LCMS) e Objets de Aprendizad (Learning Objects - LOs) que pderã ser de grande auxíli para s educadres na cnstruçã de experiências de aprendizagem invadras e enriquecedres para s aprendizes. SISTEMAS, CIBERNÉTICA E INFORMÁTICA VOLUMEN 2 - NÚMERO 1 83

2 Desenvlver nvs prduts e prgramas de treinament custmizads que sejam capazes de atender a um públic alv específic, está fazend cm que as instituições reexaminem, peridicamente, suas próprias supsições sbre aprendizagem. Os paradigmas de design instrucinal selecinads pels designers devem prvcar um impact imediat e a lng praz, tant n desempenh ds indivídus e em suas capacidades glbais, quant ns resultads btids pela rganizaçã, atendend desta frma às suas necessidades estratégicas. O bjetiv d trabalh é prpr uma metdlgia que permita tratament de diferentes paradigmas, terias e métds de aprendizagem, que pssibilitarã a fundamentaçã d prcess de instanciaçã de Sistemas de Gerenciament de Aprendizagem (Learning Management Systems - LMSs). O LMS-Paradigmátic é basead n us de Objets de Aprendizad (Learning Objects - LOs), segund diferentes paradigmas para design instrucinal, e pssibilitará a cnfiguraçã de um curs para atender a um determinad públic alv. O artig está rganizad da seguinte frma: n item 2 prcura-se fundamentar que sã paradigmas e cm eles se apresentam n camp da Tecnlgia Educacinal; n item 3 é feita uma cmparaçã entre terias de aprendizagem e paradigmas; n item 4 é descrita uma prpsta de um nv paradigma educacinal; n item 5 é apresentada a metdlgia para a criaçã de um paradigma genéric n qual se baseia LMS-Paradigmátic; n item 6 é apresentada mdel cnceitual d LMS-Paradigmátic; n item 7 se encntra a cnclusã e n item 8, s trabalhs futurs. 2. O QUE SÃO PARADIGMAS Segund Barker [7], cnjunt fundamental de crenças e percepções, a visã de mund que um determinad grup de pessas mantêm em cmum, é denminad de paradigma. Para Mrin [8], paradigma efetua a seleçã e a determinaçã da cnceitualizaçã e das perações lógicas. Assim, s indivídus cnhecem, pensam e agem segund paradigmas inscrits culturalmente neles. De acrd cm Kuhn [7], um paradigma n camp científic, tant na ciência scial quant na ciência psiclógica e cgnitiva, é um cnjunt cerente de cnceits, princípis, supsições, e aximas básics que devem ser cumprids pr um grup de pesquisadres que agem de acrd cm paradigma, send um fatr fundamental n desenvlviment daquele dmíni particular de cnheciment científic. Pr exempl, supõe-se que designers instrucinais sejam capazes de prduzir materiais e atividades instrucinais de frma muit mais eficiente e efetiva d que s especialistas e psicólgs educacinais respnsáveis pel desenvlviment de currículs, antes de aparecerem s cmputadres e a Instruçã Baseada na Web. A diferença entre esses dis grups de prfissinais está na visã de mund em que cada um se insere. Esta visã de mund n qual vivem s designers instrucinais é interirizada e cmpartilhada pr cada um deles, fazend-s diferentes daqueles prfissinais que s antecederam. O cnjunt fundamental de crenças e percepções, aqueles que só s designers instrucinais mantêm em cmum é denminad de paradigma. Prtant, um camp de estud pde ser definid pels elements paradigmátics que seus praticantes mantêm em cmum. Ou um camp de estud pde ser definid pelas atividades cmumente executadas pelas pessas que mantêm um paradigma em cmum. Segund Dills e Rmiszwski [7], camp da TE Tecnlgia Educacinal - fi sempre multi-paradigmátic, u seja, nunca existiu um únic paradigma que dminasse cmpletamente este camp. E ist se dá devid às múltiplas fntes de empreg n camp da TE ns diferentes períds de nssa história, a influência relativa de várias esclas de filsfia e psiclgia e a frma cm as máquinas fram cnceitualizadas e utilizadas. Pr exempl, quand a psiclgia skineriana dminu camp da TE, as psiclgias behaviristas nã-skinerianas passaram a cupar um segund lugar em influência gerand uma disputa entre essas duas abrdagens. O camp da TE tem sempre se basead numa cmbinaçã de paradigmas mais u mens cexistentes e segund Saettleer [7], existem quatr paradigmas surgids n sécul XX: A ciência física u visã d mei. As cmunicações e cnceit de sistemas. A visã baseada na ciência d cmprtament, cmpreendend s cnceits behavirista e nebehavirista. A perspectiva da ciência da cgniçã 3. TEORIAS DE APRENDIZAGEM x PARADIGMAS Uma teria de aprendizagem pde ser definida cm uma tentativa sistemática para interpretar, rganizar e fazer previsões sbre cnheciments relativs à aprendizagem. Partind d questinament pr que a aprendizagem funcina? Cm funcina?, fram elabradas várias terias nde cada uma representa pnt de vista de um autr sbre tema aprendizagem. Alguns exempls d que tem sid definid cm aprendizagem incluem: cndicinament, aquisiçã de infrmaçã (aument d cnheciment), mudança cmprtamental estável, us d cnheciment na resluçã de prblemas, cnstruçã de nvs significads, de nvas estruturas cgnitivas u revisã de mdels mentais. Subjacente a uma teria de aprendizagem se encntra um sistema de valres a qual pde-se chamar de visã de mund u paradigma. N cas das terias de aprendizagem, segund Mreira [9], sã três s paradigmas a serem cnsiderads: cmprtamentalista, cgnitivista e humanista, embra nem sempre se pssa enquadrar claramente determinada teria de aprendizagem em apenas um paradigma. N presente trabalh serã abrdads s dis primeirs. A idéia básica d paradigma cmprtamentalista u behavirista é de que cmprtament pderá ser cntrlad manipuland-se s events psterires à exibiçã d mesm, sb a frma de refrçs. Ou seja, cmprtament é cntrlad pelas cnseqüências da seguinte frma: se a cnseqüência (respsta) fr ba para sujeit, haverá um aument na freqüência da respsta (cnduta), mas se ela fr desagradável, a freqüência da respsta tenderá a diminuir. Prtant, as terias cmprtamentalistas cnsideram aprendiz cm um ser que respnde a estímuls frnecids pel ambiente extern, nã levand em cnsideraçã que crre dentr da mente d indivídu durante prcess de aprendizagem. Os 84 SISTEMAS, CIBERNÉTICA E INFORMÁTICA VOLUMEN 2 - NÚMERO 1

3 teórics que mais se destacaram nesta área fram: Pavlv, Watsn, Thrdnike e Skinner, send que este últim se destacu a elabrar a instruçã prgramada, um ds métds mais utilizads na Tecnlgia Educacinal. Já segund paradigma cgnitivista, a aprendizagem se refere à cgniçã, a at de cnhecer, distinguind-se das aprendizagens afetiva e psicmtra. Os cgnitivistas estudam s prcesss mentais que sujeit utiliza, dand ênfase as prcesss mentais superires: percepçã, resluçã de prblemas pr insight, tmada de decisões, prcessament de infrmaçã, cmpreensã. As terias cgnitivistas buscam sistematizar, explicar e prever bservações n que diz respeit a cnstruçã cgnitiva, prcurand mstrar que sujeit deixa de ser smente um receptr de cnheciments, nã imprtand cm ele s armazena e rganiza em sua mente, e passa a ser cnsiderad agente da cnstruçã de sua própria estrutura cgnitiva pr mei de trein e prática. Seguind a linha cgnitivista, vale destacar as terias de Piaget, Vygtsky e Ausubel. N camp da Tecnlgia Educacinal, s métds de aprendizage m cnstrutivista (Piaget) e sóci-interacinista (Vygtsky) vêm send muit utilizads pels educadres. 4. PROPOSTA DE UM NOVO PARADIGMA EDUCACIONAL De acrd cm paradigma educacinal emergente, caracterizad cm cnstrutivista, interacinista, scicultural e transcendente [1], prcess educacinal deve levar indivídu a desenvlver uma atitude cnstrutiva, n que diz respeit à prduçã de cnheciment, desenvlvend valres e atitudes que permitam sua adaptaçã às mudanças e às nvas exigê ncias d mercad de trabalh d mund atual. Prtant, para que a aprendizagem crra, educadr deverá criar perturbações, desequilíbris (situações-prblema), que levem indivídu a fazer um esfrç de aut-rganizaçã, reequilibraçã, incrprand alg em suas estruturas para se rerganizar nvamente. Ou seja, nv paradigma prpõe uma perspectiva experimental em que aprendizes e prfessres sã investigadres em busca de um cnheciment mais prfund e ampliad, desenvlvend relações que cntribuirã para um aperfeiçament nas frmas de ensinar e aprender. [1]. Pr utr lad, nã se aprende nada que seja inteiramente nv. É precis que exista alg cnhecid para que uma nva situaçã, um nv prblema, uma nva realidade u um nv bjet seja assimilad. Ist é, alg capaz de ativar s esquemas de açã dispníveis, de desequilibrar sujeit para que crra a assimilaçã da nvidade. Mais ainda, é precis existir um espírit de nvidade, de criatividade de querer ir mais a fund, basead n interesse e n prazer a prduzir cnheciment. Ist prque existe a mesm temp, sistematizaçã, transmissã, cnstruçã e recnstruçã d saber acumulad [1]. E para que aprendiz cnstrua cmpetências, é necessári a cntextualizaçã / descntextualizaçã e recntextualizaçã ds saberes, cndiçã para bm cnheciment de tda a aprendizagem [10]. Luis Legrand [10] prpôs uma metdlgia, denminada diferenciaçã pedagógica, que cnsiste em multiplicar e diversificar s itineráris de aprendizagem em funçã das diferenças de cnheciments, de perfis, de culturas e de centrs de interesse ds aprendizes. Pr iss deve-se diversificar as práticas pedagógicas recentrand-se na aprendizagem, numa gestã diferenciada das aprendizagens. Nessa mesma linha de pensament, Philippe Meirieu [10] apresenta várias frmas de diferenciaçã na gestã de aprendizagem: grups de necessidades, situações-prblemas, ajuda n trabalh pessal, cnselhs, ficinas metdlógicas, pedaggia de cntrat. Dessa frma aprendiz se trna um sujeit autônm cm capacidade de piltar szinh, prgressivamente, as suas próprias aprendizagens. Já Michel Develay, [10] prpõe situações de ensin que articulem numa situaçã-prblema u enigma a cmpreensã da expressã das representações ds aprendizes e a identificaçã ds bstáculs à aprendizagem. O papel d prfessr cnsiste em instalar situaçã de aprendizagem/ensin e nã a cntrári. 5. METODOLOGIA PARA A CRIAÇÃO DE UM PARADIGMA GENÉRICO O bjetiv da metdlgia é mstrar as etapas de criaçã de um paradigma genéric (Tabela 1) n qual se baseia LMS- Paradigmátic, cuja principal finalidade será assciar Objets de Aprendizad (LOs), u Web-Services dispnibilizads pel ambiente para auxiliar um dcente na cnfiguraçã de um curs. Esses Web-Services pderã representar serviçs e/u cnteúds ( , chat, fórum, texts, bibligrafias, etc.) que estarã assciads a diversas atividades educacinais para mdelar um LMS-Paradigmátic que pssibilitará: tratar diferentes paradigmas, terias e métds de aprendizagem; cnfigurar um curs para atender a um determinad tip de públic alv; uma nva frma de instanciaçã bem cm a custmizaçã de Sistemas de Gerenciament de Aprendizagem (LMSs). Nº Etapa da Descriçã metdlgia 1 Paradigma É mdel de aprendizagem n qual se baseia um LMS. Ex.: cgnitivista 2 Teria de Aprendizagem 3 Métd de Aprendiza-gem 4 Blc Instrucinal Subjacente a Paradigma selecinad em 1. Ex.: cnstrutivista Deve estar assciad à teria de aprendizagem selecinada em 2. Ex.: Clabraçã; Pedaggia de Prjets; Resluçã de Prblemas Representa Planejament de Atividades, Ex.: Tarefa cm um bjetiv-bstácul; e seu Acmpanhament, Ex: Avaliaçã d Papel d Aprendiz Tabela 1- Etapas da metdlgia para a criaçã de um paradigma genéric Veja a seguir as etapas da metdlgia para a criaçã de um paradigma genéric: SISTEMAS, CIBERNÉTICA E INFORMÁTICA VOLUMEN 2 - NÚMERO 1 85

4 Etapa 1 Esclha de um paradigma A primeira etapa da metdlgia cnsiste em se esclher que mdel de aprendizagem u paradigma para design instrucinal n qual se baseia um LMS. Esse paradigma será utilizad na cnfiguraçã de um curs para atender a um determinad públic alv. Exempl: paradigma cgnitivista. Etapa 2 Esclha de uma teria de aprendizagem Nessa etapa, deve-se selecinar uma teria de aprendizagem que seja subjacente a paradigma selecinad na Etapa 1. Exempl: teria de aprendizagem cnstrutivista. De acrd cm a Tabela 2, para cada atividade faz-se necessári estabelecer uma rdenaçã. A rdem representa critéri de execuçã das atividades dentr de um blc instrucinal. Já s serviçs assciads, crrespndem a um u mais Web-Services [11] que uma atividade pde cnter. 6. MODELO CONCEITUAL DO LMS -PARADIGMÁTICO O mdel cnceitual n qual se baseia LMS-Paradigmátic, está representad cnfrme é mstrad na Figura 1. Etapa 3 Esclha de um métd de aprendizagem Nessa etapa, deve-se esclher um métd pedagógic pertencente à teria selecinada na Etapa 2. Exempl: resluçã de prblemas. Etapa 4 Geraçã de um blc instrucinal Nessa etapa será definid blc instrucinal que representa planejament e a rdem de execuçã das atividades assciadas a métd de aprendizagem selecinad na Etapa 3. O LMS-Paradigmátic adta nv cnceit de Objets de Aprendizad (LOs) u Web-Services, que crrespndem a serviçs e/u cnteúds que serã dispnibilizads pel ambiente para auxiliar um dcente na cnfiguraçã de um curs. E iss pderá ser feit, esclhend-se s LOs e assciand-s às diversas atividades que cmpõem métd de aprendizagem utilizad. Esse métd deverá atender a mesm temp, as bjetivs e a perfil d públic alv d curs que está send elabrad. Dessa frma a execuçã destas atividades cnsistirá na execuçã desses Web Services selecinads pel prfessr. O bjetiv principal da classificaçã ds Web-Services, em funçã ds métds de aprendizagem, pr exempl: pedaggia de prjets, resluçã de prblemas, etc. é pssibilitar que LMS- Paradigmátic tenha a capacidade de dispnibilizar algumas funcinalidades na criaçã de um curs, incluind neste prcess a publicaçã de cnteúds instrucinais, a esclha e cnfiguraçã de serviçs a serem ferecids as aprendizes. E ist será pssível a partir da implementaçã de uma interface n LMS- Paradigmátic que dispnibiliza uma listagem cm tds s métds de aprendizagem cadastrads n ambiente e suas respectivas atividades. Cada métd é cmpst pr um u mais blcs instrucinais que pssuem uma u mais atividades, send que s Web-Services encntram-se rganizads nas várias atividades de cada blc. Esta interface será administrada pr um atr denminad: crdenadr d blc instrucinal, cuja funçã será a manutençã ds métds de aprendizagem. A acessar as pcções de um determinad métd cadastrad, usuári pderá cnfigurar as atividades d mesm. Cada atividade pssui duas infrmações fundamentais, cnfrme mstra a Tabela 2: ORDEM ATIVIDADE SERVIÇOS ASSOCIADOS Tabela 2 Cmpnentes de uma atividade de um blc instrucinal Figura 1 Mdel cnceitual d LMS -Paradigmátic A Tabela 3 mstra instâncias de paradigma, teria_ aprendizagem, e métds_aprendizagem d mdel cnceitual d LMS-Paradigmátic da Figura 1. Paradigma Teria Métd Cgnitivista Cmprtamentalista Cnstrutivista Sóci-interacinista Behavirista Pedaggia de Prjets Resluçã de prblemas Instruçã Prgramada Tabela 3 - paradigmas, terias e métds de aprendizagem De acrd cm a Figura 1, sempre há pel mens um blc instrucinal assciad a cada métd de aprendizagem. Pr exempl, métd de aprendizagem basead em pedaggia de prjets apresenta as seguintes atividades: definiçã d prblema; avaliaçã diagnóstica; atividades participativas; levantament de hipóteses e cnjecturas; cntextualizaçã das hipóteses; planejament d caminh; prduçã de material instrucinal u técnic; divulgaçã d resultad alcançad e avaliaçã. A atividade definiçã d prblema crrespnderia a um blc instrucinal. Cada uma das demais atividades deste métd 86 SISTEMAS, CIBERNÉTICA E INFORMÁTICA VOLUMEN 2 - NÚMERO 1

5 crrespnderia a um blc instrucinal, que será executad independentemente ds demais. Cada atividade usa um u mais cnteúds e um curs é cmpst de atividades que cmpõem u seguem métd de aprendizagem. 7. CONCLUSÕES Cnfrme vist neste trabalh, a instanciaçã d LMS- Paradigmátic pssibilitará us d cnceit de Objets de Aprendizad (LOs) u Web-Services para auxiliar um dcente na cnfiguraçã de um curs para atender a um determinad públic alv. Dessa frma as vantagens da execuçã ds Web Services que estarã assciads às atividades d métd educacinal pertencente a paradigma selecinad pel dcente sã: i) cadastrament ds métds de aprendizagem e a assciaçã ds Web Services às atividades n mment de criaçã de um curs; ii) mair flexibilidade btida a partir da inserçã de Web-Services durante a cnfiguraçã de um curs. 8. TRABALHOS FUTUROS [8] Mrin, Edgar. Os Sete Saberes necessáris à Educaçã d Futur. Sã Paul: Editra Crtez, 3ª ediçã [9] Mreira, Marc Antni. Terias de Aprendizagem. Sã Paul: Editra Pedagógica e Universitária Ltda [10] Altet, 1997] Altet, Marguerite, As Pedaggias da Aprendizagem. Cleçã Hrizntes Pedagógics, Institut Piaget, França, pp. 44, 45, 46 e.47. [11] D Almeida R. A.; Lucena, C.J.P.. Framewrk para crdenaçã e mediaçã de Web Services mdelads cm Learning Objects para ambientes de aprendizad na Web. Dissertaçã de Mestrad.pág.63. DI-Puc-ri, Junh de [12] Berners-Lee, T., Hendler, J., and Lassila, O.; 2001, The Semantic Web. Scientific American, May/2001; Dispnível em Pretende-se desenvlver um Framewrk Cmputacinal para dar suprte a múltipls paradigmas, para a mdelagem e a implementaçã de Learning Management Systems (LMSs), usand Learning Objects (LOs). O mdel d Framewrk dará suprte a diferentes fcs de aprendizagem, u paradigmas para design instrucinal, nde cada um será definid segund classes de cnceits em uma ntlgia [12]. Cada classe estará assciada a serviçs (LOs rganizads pr metadads, crrepndend a blcs de cnteúd e serviçs a serem implementads cm Webservices). O prtótip, na realidade, frnecerá a categrizaçã de LOs, baseada em ntlgia, que crrespnde a uma teria nva para a instanciaçã de um LMS-Paradigmátic. O Framewrk pssibilitará a custmizaçã de LMSs, para a cnfiguraçã de um curs que atenderá a um determinad públic alv. A abrdagem d trabalh envlve as áreas de Engenharia de Requisits e Engenharia de Sftware. 9. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] Mraes, Maria Cândida. O Paradigma Educacinal Emergente. 7ª ediçã. Sã Paul. Editra Papirus [2] Assmann, Hug. Reencantar a educaçã: Rum à sciedade aprendente. Petróplis: Editra Vzes. 7ª ediçã [3] Quadrs, Teresinha. Glbalizaçã, Nvas tecnlgias, Educaçã e Trabalh - Dezembr de Bletim Senac, dispnível em acessad em 05/11/2003. [4] Pereira, L.A.M. & Mel, R.N. Um Ambiente de Banc de Dads para Ensin a Distância Basead em Wrkflws e Objets de Aprendizad. PUC-RiINF.MCC/03, Abril, [5] Rsemberg, Marc J. e-learning. Sã Paul: Editra Makrn [6] Maia, Carmem. Ead.br: Educaçã a distância n Brasil na era da Internet. Sã Paul: Editra Anhembi Mrumbi. Editra Universitária UFPE [7] Dill, Charles R., Rmiszwki, Alexander J. Instructinal Develpment Paradigns, Cap. 20 Educatinal Technlgy Publicatis, New Jersey SISTEMAS, CIBERNÉTICA E INFORMÁTICA VOLUMEN 2 - NÚMERO 1 87

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno.

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno. Pder e escla: Uma analise acerca das relações entre prfessr e alun. Marcs Paul A. Rdrigues 1 Andersn Silva Nunes 2 Intrduçã: O presente trabalh expõe s tips de pder exercid pels prfessres sbre s aluns,

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

Proposta de Formação para o uso pedagógico e integrado do Tablet Educacional Estudos Autônomos

Proposta de Formação para o uso pedagógico e integrado do Tablet Educacional Estudos Autônomos Prpsta de Frmaçã para us pedagógic e integrad d Tablet Educacinal Estuds Autônms Objetiv geral: OBJETIVOS Prmver a Frmaçã Cntinuada ds Prfessres, Crdenadres Pedagógics e Gestres Esclares, na mdalidade

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO 1. OBJETIVO O Prêmi de Incentiv à Educaçã é uma iniciativa das empresas d Pl Industrial, através d Cmitê de Fment Industrial de Camaçari - COFIC. Tem pr bjetiv estimular,

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas

Escola Básica e Secundária de Velas Escla Básica e Secundária de Velas Dcument Orientadr para a Implementaçã das TIC na Educaçã Pré-Esclar e Ensin Básic 1 As TIC na Educaçã Pré-Esclar e n Ensin Básic O presente Dcument de Orientações Metdlógicas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 8º an Subdmíni Cmunicaçã e clabraçã CC8 Cnheciment e utilizaçã adequada e segura de diferentes tips de ferramentas de cmunicaçã,

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

Ambiente Computacional para geração de Learning Objetcs no padrão SCORM a partir de conteúdos organizados através de Mapas Conceituais

Ambiente Computacional para geração de Learning Objetcs no padrão SCORM a partir de conteúdos organizados através de Mapas Conceituais Ambiente Cmputacinal para geraçã de Learning Objetcs n padrã SCORM a partir de cnteúds rganizads através de Mapas Cnceituais Luci Gnçalves Sistemas de Infrmaçã Universidade Luterana d Brasil (ULBRA) 92500-000

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

Objeto de Avaliação Caraterísticas e Estrutura Critérios Gerais de Classificação. Tipologia / nº itens. A prova está organizada em cinco grupos:

Objeto de Avaliação Caraterísticas e Estrutura Critérios Gerais de Classificação. Tipologia / nº itens. A prova está organizada em cinco grupos: ESCOLA SECUNDÁRIA PADRE BENJAMIM SALGADO An Letiv 2011/2012 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Disciplina: Bilgia - Códig 302 Nível de Ensin: Secundári Frmaçã: Específica Mdalidade: Prva Escrita

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

Ontologias: da Teoria à Prática

Ontologias: da Teoria à Prática Ontlgias: da Teria à Prática I Escla de Ontlgias UFAL-USP Endhe Elias e Olav Hlanda Núcle de Excelência em Tecnlgias Sciais - NEES Universidade Federal de Alagas UFAL Rteir Mtivaçã Ontlgias Engenharia

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

Pós-graduação. em Negócios e Marketing de Moda

Pós-graduação. em Negócios e Marketing de Moda Pós-graduaçã em Negócis e Marketing de Mda Pós-graduaçã em Negócis e Marketing de Mda Intrduçã A Faculdade Santa Marcelina é recnhecida nacinalmente pel seu pineirism pr lançar a primeira graduaçã de mda

Leia mais

Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares

Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares Prjet e Implementaçã de um Sftware para auxili n Ensin de Linguagens Regulares Jsé Rbsn de Assis 1, Marln Oliveira da Silva 1. Faculdade de Ciências Exatas e Cmunicaçã (FACEC) Universidade Presidente Antôni

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Infrmática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróle e Gás Objetiv: Elabrar e desenvlver um prjet na área prfissinal,

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

1 Criando uma conta no EndNote

1 Criando uma conta no EndNote O EndNte Basic (anterirmente cnhecid pr EndNte Web), é um sftware gerenciadr de referências desenvlvid pela Editra Thmsn Reuters. Permite rganizar referências bibligráficas para citaçã em artigs, mngrafias,

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional Códig / Nme d Curs Status Códig - Área Subárea Especialida Dads Gerais 196 / Escla Gestres- Curs Especializaçã em Gestã Esclar Ativ 49 / Educaçã Gestã Educacinal Gestã Esclar Nivel d Curs Especializaçã

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração Manual de Instalaçã e Cnfiguraçã Prdut:n-ReleaserEmbedded fr Lexmark Versã 1.2.1 Versã d Dc.:1.0 Autr: Lucas Machad Santini Data: 14/04/2011 Dcument destinad a: Clientes e Revendas Alterad pr: Release

Leia mais

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR LISTA CANDIDATA ÀS ELEIÇÕES PARA OS CORPOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓGRAFOS BIÉNIO 2006-2008 POR UMA GEOGRAFIA MELHOR Assembleia Geral Presidente Jsé Albert Ri Fernandes (FL, Universidade

Leia mais

Curso de Extensão: Finanças Corporativas

Curso de Extensão: Finanças Corporativas 1. Apresentaçã Curs de Extensã: Finanças Crprativas Uma crpraçã é, genericamente, caracterizada pela tmada de duas decisões fundamentais, a de financiament e a de investiment. O prcess de seleçã, análise

Leia mais

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. ATUALIZA DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO ALFABETIZAÇÃO PARA ESTUDANTES DAS TURMAS DO 2º, 3º e 4º ANOS E 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL, COM DOIS ANOS

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

Aproveitamento da informação permite ganho de competitividade: conhecimento é poder (e poder = $$!)

Aproveitamento da informação permite ganho de competitividade: conhecimento é poder (e poder = $$!) Data Mining Prfessr Jrge Mreira jmreirajr@htmail.cm Mtivaçã A infrmatizaçã ds meis prdutivs permitiu a geraçã de grandes vlumes de dads: Transações eletrônicas; Nvs equipaments científics e industriais

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

Um LMS-Paradigmático para a customização de Sistemas de Gerenciamento de Aprendizagem usando Objetos de Aprendizado Jorge Luis Goñi

Um LMS-Paradigmático para a customização de Sistemas de Gerenciamento de Aprendizagem usando Objetos de Aprendizado Jorge Luis Goñi Um LMS-Paradigmático para a customização de Sistemas de Gerenciamento de Aprendizagem usando Objetos de Aprendizado Jorge Luis Goñi Docente/Investigador Laboratorio de Informática - Facultad de Humanidades,

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

OntoPRIME: Ontologia de Riscos para Ambientes de Desenvolvimento de Software Multiprojetos

OntoPRIME: Ontologia de Riscos para Ambientes de Desenvolvimento de Software Multiprojetos Universidade Federal de Pernambuc Centr de Infrmática Pós-Graduaçã em Ciência da Cmputaçã OntPRIME: Ontlgia de Riscs para Ambientes de Desenvlviment de Sftware Multiprjets Pr Antni Campell Cristine Gusmã

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Guia d Prcess de Sftware d MAPA Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas Versã 1.0 Dcument cnfidencial e prprietári Versã d mdel: 1.1 Históric das Revisões Data Versã Descriçã Autr 24/03/2008 1.0 Iníci da

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 18/08/2014 a 16/09/2014 Carg: Prfessr Auxiliar de Ensin Fundamental Taxa de Inscriçã: R$ 70,00 Salári/Remuneraçã: Até R$ 2.230,27 Nº Vagas: Cadastr

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010 Meta Priritária 5 Implantar métd de gerenciament de rtinas (gestã de prcesss de trabalh) em pel mens 50% das unidades judiciárias de 1º grau. Esclareciment da Meta Nã estã sujeits a esta meta s tribunais

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC)

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) 1 III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) III.3.1. DEFINIÇÃO A tecnlgia HFC refere-se a qualquer cnfiguraçã de fibra ótica e cab caxial que é usada para distribuiçã lcal de serviçs de cmunicaçã faixa

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA Nme: Nº 8ºAn Data: / / 2015 Prfessres: Fabiana, Mayra e Olga. Nta: (valr: 2.0) A - Intrduçã Neste an, sua nta fi inferir a 60 pnts e vcê nã assimilu s cnteúds

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

Reflexões sobre práticas e estratégias metodológicas em pesquisas sociológicas.

Reflexões sobre práticas e estratégias metodológicas em pesquisas sociológicas. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Reflexões sbre práticas e estratégias metdlógicas em pesquisas scilógicas.

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentação / Apresentação do Projeto.

TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentação / Apresentação do Projeto. TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentaçã / Apresentaçã d Prjet. 9.1 Técnicas de apresentaçã Cm apresentar cm sucess? A qualidade d prdut u d u d serviç quase sempre é cnfundida cm a qualidade da apresentaçã.

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

APRENDENDO VIA COMPUTADOR: REFLEXÕES SOBRE A APRENDIZAGEM DISTRIBUÍDA E A TEORIA DA ATIVIDADE Christiane Heemann (UCPEL)

APRENDENDO VIA COMPUTADOR: REFLEXÕES SOBRE A APRENDIZAGEM DISTRIBUÍDA E A TEORIA DA ATIVIDADE Christiane Heemann (UCPEL) APRENDENDO VIA COMPUTADOR: REFLEXÕES SOBRE A APRENDIZAGEM DISTRIBUÍDA E A TEORIA DA ATIVIDADE Christiane Heemann (UCPEL) ABSTRACT: T Vygtsky, the individual cnsciusness is nt in the head, but distributed

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

WWW.CLICK-MENTAL.COM

WWW.CLICK-MENTAL.COM Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes WWW.CLICK-MENTAL.COM Criad pr: Click Mental - Sistemas de Infrmaçã, Lda. Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes O que é? O Fidelity é um sftware

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

Documentação da Tarefa 8 parte A

Documentação da Tarefa 8 parte A UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Disciplina: Cnstruçã de Interfaces Hmem-Cmputadr MC750/MO825 Prfessra: Cecília Baranauskas Dcumentaçã da Tarefa 8 parte A Design da Interface e Interaçã d Prtótip

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais