Escola Básica e Secundária de Velas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escola Básica e Secundária de Velas"

Transcrição

1 Escla Básica e Secundária de Velas Dcument Orientadr para a Implementaçã das TIC na Educaçã Pré-Esclar e Ensin Básic 1

2 As TIC na Educaçã Pré-Esclar e n Ensin Básic O presente Dcument de Orientações Metdlógicas destina-se as prfessres que dinamizam a actividade de Tecnlgias da Infrmaçã e Cmunicaçã (TIC) n Pré-Esclar e 1º Cicl d Ensin Básic, bem cm a tds s dcentes que participam na integraçã das TIC na área curricular nã disciplinar de Cidadania na EBS de Velas. N presente dcument definem-se linhas rientadras cm bjectiv de apiar prfessr na prcura de um qutidian cm intencinalidade educacinal, nde as crianças se envlvem, aprendem e desenvlvem uma dispsiçã para aprender tirand prveit das ptencialidades das TIC e estimuland a utilizaçã transversal das mesmas para as restantes áreas curriculares. A utilizaçã deste dcument pretende, também, definir uma nrmalizaçã de prcediments a nível da aprendizagem cm as nvas tecnlgias. Nesse sentid, presente dcument afigura-se cm element mediadr na cnsecuçã destas medidas, tã imprtantes para a literacia digital ds nsss aluns, cm guia prgramátic, prprcinand situações de ensin e aprendizagem cnducentes a aquisiçã de cmpetências e atitudes n dmíni das TIC. Trata-se de um dcument de rientações e sugestões, um guia prgramátic, que visa rientar a actividade de TIC n Pré-Esclar e 1º Cicl d Ensin Básic e estabelecer a ligaçã cm as rientações para a área curricular nã disciplinar de Cidadania definidas pela tutela. Nesta versã, as actividades prpstas, destinadas à Educaçã Pré-esclar e 1º Cicl d Ensin Básic, prcuram intervir a nível da educaçã tecnlógica precce, sensibilizand as crianças para a cmpreensã de fenómens científic-tecnlógics. 2

3 1. Educaçã Pré-Esclar 1.1 Cntribut das TIC para prcess de aprendizagem na infância Actualmente, a necessidade de pssuir cnheciments básics a nível das TIC é cada vez mais preminente, pr iss, e pel fact da Educaçã Pré-Esclar ser a primeira etapa d currícul d prcess educativ, a integraçã das TIC na educaçã das nssas crianças desde tenra idade é uma mais-valia. Há que fmentar tdas as frmas de aprendizagem, aumentand assim as ptencialidades de cada criança, tal cm defendem as Orientações Curriculares para a Educaçã Pré-Esclar, ns seus Objectivs Pedagógics, que ressalvam a necessidade de desenvlver a expressã e a cmunicaçã através de linguagens múltiplas cm meis de relaçã, de infrmaçã, de sensibilidade estética e de cmpreensã d mund. A intrduçã das TIC na Educaçã Pré-Esclar, quand pssível, quer a nível de recurss humans, quer materiais, só valrizará a frmaçã pessal e scial de cada criança. Assim a interacçã cm s meis tecnlógics prprcinará à criança um melhr desenvlviment cgnitiv e scial e a aquisiçã de nvas cmpetências resultantes da explraçã das aplicações infrmáticas dispníveis. 3

4 1.2 Cmpetências Gerais a desenvlver na Educaçã Pré-Esclar n âmbit das TIC capaz de: À saída da Educaçã Pré-Esclar, alun deverá apresentar um cnjunt de cmpetências que trne 1. Cmpreender a natureza e utilidade das Tecnlgias de Infrmaçã e Cmunicaçã na sciedade e n qutidian. 2. Desenvlver interesse relativamente a us das TIC, adptand uma pstura experimental. 3. Explrar actividades lúdic-pedagógicas n seu cmputadr. 4. Ter a capacidade de discernir entre real e virtual, entre autmátic e manual. 5. Desenvlver cmpetências na área da mtricidade fina, através d manuseament ds periférics cm apntadr gráfic e/u teclad. 6. Observar e recnhecer, pela curisidade e prcura, as principais partes e funções de um cmputadr e de alguns ds seus periférics. 7. Nmear algumas funções de determinads prgramas/aplicações. 8. Cperar em grup, desenvlvend uma atitude crítica e cnstrutiva nas actividades prpstas. 4

5 2. Primeir Cicl d Ensin Básic 2.1 Cntribut das TIC para prcess de ensin-aprendizagem n Primeir Cicl d Ensin Básic Cnsciente da necessidade de aquisiçã e validaçã de cmpetências básicas em Tecnlgias da Infrmaçã e Cmunicaçã que fmentem us glbalizante das TIC cm instrument privilegiad para exercíci plen da cidadania, pretende-se generalizar a certificaçã de cmpetências básicas lg a partir d 1º Cicl d Ensin Básic. A garantia da aquisiçã destas aptidões é cndiçã imprescindível para atingir maires níveis de literacia digital e tecnlógica na sciedade. Assim send, sistema educativ deve prpiciar frmas de acess generalizad as Tecnlgias da Infrmaçã e Cmunicaçã (TIC), explrand cntribut que pde frnecer para aumentar a qualidade d ensin para a integraçã das crianças na sciedade, cnstituind frmas prpulsras da aprpriaçã d cnheciment e cmunicaçã. Ist implica que as ptencialidades emergentes e a imprtância tecnlógica que envlvem as TIC cnstituam um cntribut à invaçã pedagógica e à utilizaçã de sistemas de infrmaçã, de md eficiente e autónm pr parte de tds s envlvids neste prcess. Neste sentid, uma das priridades a seguir cnsiste, pis, n us generalizad ds equipaments infrmátics e n acess às redes electrónicas de telecmunicações pels prfessres e pels aluns d 1º Cicl d Ensin Básic cm apsta transversal e interdisciplinar d currícul. O prfessr deve adptar uma nva pstura, n sentid de fmentar actividades invadras e mtivadras, capazes de suscitar a aprpriaçã de saberes e cmpetências, sentind-se cnfrtável na utilizaçã destes meis. Neste sentid, é também um desafi para própri prfessr, para transfrmar as suas estratégias didácticas e recnstruir seu desenvlviment tecnlógic. O 1º Cicl d Ensin Básic é um espaç privilegiad nde se prprcinam as aluns aprendizagens mais activas e significativas, pis este e um ds meis de scializaçã e da aquisiçã das primeiras cmpetências linguísticas, cívicas, científicas e tecnlógicas. Neste cicl esclar, é imprtante garantir às crianças prtunidades de desenvlviment de habilidades e interesses, bem cm a interacçã individual e cm s utrs. Urge desafia-ls para situações diversificadas e utilizar metdlgias, estratégias e actividades de ensin favrecedras de uma aprendizagem glbal. As TIC, enquant recurs educativ, pdem representar um suprte fundamental em benefíci da aprpriaçã de nvs cnheciments, pis, criam cndições favráveis à cnstruçã scial das aprendizagens. Actualmente, a taxa de psse e utilizaçã ds cmputadres e respectivs periférics, nas casas, instituições esclares e demais espaçs de navegaçã na Internet, é bastante acentuad, ptencializand a existência de um verdadeir ambiente tecnlógic. Desta frma, é crescente númer de aluns apts a navegar e cmunicar através da Internet. O acmpanhament que e feit destes recurss nesta faixa etária é 5

6 de extrema imprtância, devend s prfessres assumirem um papel decisiv na manipulaçã adequada destas ferramentas. N 1º Cicl d Ensin Básic, desenvlviment das TIC numa perspectiva transdisciplinar assegurada pel dcente titular da turma em par pedagógic cm um dcente da área de infrmática, fundamenta a criaçã deste Dcument de Orientações Metdlógicas, nde se definem linhas rientadras, prmvend e privilegiand a sua transversalidade cm as restantes áreas. Este dcument tem cm bjectiv apiar prfessr na prcura de um qutidian cm intencinalidade educacinal, nde as crianças se envlvam, aprendam e desenvlvam uma dispsiçã para aprender utilizand as TIC. 2.2 Cmpetências Gerais a desenvlver n Primeir Cicl d Ensin Básic n âmbit das TIC trne capaz de: À saída d Primeir Cicl d Ensin Básic, alun deverá adquirir um cnjunt de cmpetências que 1. Adptar uma pstura experimental e crítica relativamente a us das TIC. 2. Desenvlver interesse e aut-aprendizagem, trabalh cperativ cm as TIC. 3. Entender a imprtância de uma cidadania mderna, para a qual dmíni das TIC é um instrument nrmal de integraçã na Sciedade d Cnheciment. 4. Recnhecer, pela pesquisa e indagaçã, as principais características tecnlógicas ds diverss recurss audivisuais e ferramentas que cmpõem um sistema infrmátic. 5. Adaptar-se a utilizaçã d cmputadr cm ferramenta de aprendizagem e de cnstruçã de cnheciment. 6. Usar as Tecnlgias da Infrmaçã e Cmunicaçã dispníveis, dand particular ênfase à Internet. 7. Seleccinar, reclher e rganizar infrmaçã, recrrend as Sistemas de Infrmaçã e Multimédia. 8. Cperar em grup, intervind crítica e cnstrutivamente n tratament da Infrmaçã e na realizaçã de tarefas. 9. Desenvlver uma atitude reflexiva face as tecnlgias emergentes em tarefas e prjects individuais e cmuns. 10. Aplicar e valrizar as cmpetências TIC adquiridas em cntexts diversificads. 11. Utilizar as nvas Tecnlgias de Infrmaçã e Cmunicaçã cm recurs e metdlgia imprescindíveis na implementaçã e divulgaçã d ensin experimental das Ciências. 6

7 Para a aquisiçã de cmpetências numa lógica prgressiva das aprendizagens a lng da esclaridade básica, apresenta-se um cnjunt de linhas rientadras a seguir pel Prfessr, cm vista à unifrmizaçã da Actividade de TIC nas Esclas d 1º Cicl d Ensin Básic. 3 Segund e Terceir Cicls d Ensin Básic 3.1 Cntribut das TIC para prcess de ensin-aprendizagem A integraçã das Tecnlgias da Infrmaçã e Cmunicaçã nestes cicls de ensin, é cncebida n sentid destas se trnarem ferramentas pedagógicas de suprte às aprendizagens, na medida em que devem ser auxiliares da pesquisa, d tratament e da divulgaçã de infrmaçã. Nesse sentid pderã ser utilizadas de frma significativa na aprpriaçã e cnslidaçã de cnheciments, na estruturaçã de prduts finais e na divulgaçã de actividades u de prjects, nã esquecend seu alt ptencial n que cncerne às pssibilidades de cmunicaçã. Apesar d Decret Legislativ Reginal nº 21/2010/A, de 24 de Junh de 2010, só as referenciar para s 2º e 3º Cicls, cnsidera-se imprtante a sua abrdagem já n 1º Cicl, aprveitand as prtunidades de integraçã destas nas diferentes áreas curriculares, realçand-se a sua mais-valia para prcess ensinaprendizagem. Desta frma garantir-se-á a aquisiçã de cmpetências básicas das TIC em paralel cm as cmpetências específicas de cada área, pssibilitand aligeirar a abrdagem ds seus aspects mais básics a lng d 2º e 3º Cicls, cm pssíveis ganhs em terms de gestã pedagógica. N âmbit d Referencial para a Área Curricular Nã Disciplinar de Cidadania nã fram, de frma sistemática, identificadas cargas hrárias nem cnteúds específics relativs às TIC, send necessári que dcente titular de turma e par pedagógic (nde se inclui um dcente de Tecnlgias da Infrmaçã e Cmunicaçã u cm cnheciments nesta área), definam a melhr frma de garantir a sua abrdagem e de a articular cm s cnteúds das dimensões a desenvlver. N entant, aquand da distribuiçã ds cnteúds pels diferentes ans e na definiçã da respectiva carga hrária de referência, fram cnsideradas pssibilidades de articulaçã, cm se evidencia de frma mais ntória na grelha de distribuiçã de cnteúds relativa a 9º An. Transversalmente, deverá ter-se cm precupaçã diagnsticar s saberes e cmpetências ds aluns (riunds de diferentes cntexts sciecnómics e marcads pr diferentes dinâmicas culturais), cm suprte à definiçã da gestã a implementar e das frmas de acmpanhament mais individualizad que prmvam sucess de tds s aluns nesta área e a cnsequente igualdade de prtunidades n cenári da Sciedade de Infrmaçã. 7

8 3.2 Cmpetências Gerais a desenvlver ns Segund e Terceir Cicls d Ensin Básic As metas de aprendizagem aqui apresentadas explicitam as cmpetências que s aluns devem evidenciar n final de cada um ds cicls de esclaridade na área das Tecnlgias de Infrmaçã e Cmunicaçã (TIC). Em linha cm s bjectivs d prject Metas de Aprendizagem, as metas têm cm prpósit últim servir de rientaçã a tds s intervenientes n prcess educativ, particularmente prfessres e educadres, relativamente à selecçã de estratégias de ensin e de avaliaçã ds resultads da aprendizagem. Ainda que da respnsabilidade de uma equipa de especialistas em TIC, desenvlviment das metas na área das TIC fi equacinad numa perspectiva transversal e em estreita articulaçã cm as restantes áreas científicas, tant d pnt de vista hrizntal cm vertical. Mais d que um currícul autónm, a ideia nuclear é a de que estas metas cnstituam referencial a cnsiderar pr cada prfessr na sua área específica, numa óptica de desenvlviment glbal d alun, permitind-lhe cmpreender em que matérias, para que fins e cm será adequad e pertinente mbilizar as TIC. Metas de Aprendizagem para 2º Cicl d Ensin Básic Dmíni: Infrmaçã Meta Final 1) O alun utiliza recurss digitais n -line e ff-line para, cm api d prfessr, pesquisar, seleccinar e tratar infrmaçã de acrd cm bjectivs cncrets e cm critéris de qualidade e pertinência. O alun recnhece diferentes ferramentas digitais de acess à infrmaçã (enciclpédias digitais, directóris, mtres de busca n-line, etc.) e seleccina, sb rientaçã d prfessr, as mais adequadas à sua pesquisa. O alun prepara e realiza, cm api d prfessr, pesquisas digitais n -line e ff-line, cm base em palavraschave adequadas as bjectivs previamente definids. O alun seleccina, cm api d prfessr, infrmaçã resultante de pesquisas digitais, verificand a qualidade da infrmaçã (autridade, rigr, bjectividade, etc.) e identificand a sua pertinência face as bjectivs definids para a pesquisa. O alun classifica e rganiza a infrma çã seleccinada, recrrend a ferramentas digitais adequadas (prgramas de gráfics, bases de dads, ferramentas de criaçã de mapas cnceptuais, etc.), de acrd cm categrias definidas em cnjunt cm prfessr. Dmíni: Cmunicaçã 8

9 Meta Final 2) O alun cmunica, interage e clabra cm utras pessas, usand ferramentas e ambientes de cmunicaçã em rede, seleccinads cm api d prfessr, cm estratégia de aprendizagem individual e clectiva. O alun recnhece diferentes ferramentas digitais de cmunicaçã (crrei electrónic, serviçs de mensagens instantâneas, etc.) e seleccina, sb rientaçã d prfessr, as mais adequadas a diferentes situações de cmunicaçã. O alun cmunica cm utras pessas, utilizand as várias funcinalidades d crrei electrónic e de prgramas de mensagens instantâneas, cm respeit pelas regras de cnduta subjacentes. O alun interage e clabra cm utras pessas em ambientes n-line prpsts pel prfessr (platafrmas de aprendizagem, blgues, etc.), e utiliza as ferramentas de cmunicaçã dispníveis cm respeit pelas regras de cnduta subjacentes. Dmíni: Prduçã Meta Final 3) O alun cncebe e desenvlve, cm rientaçã e api d prfessr, trabalhs esclares, recrrend a diferentes ferramentas digitais, para exprimir e repres entar cnheciments, ideias e sentiments. O alun recnhece diferentes ferramentas digitais de prdutividade pessal (prcessadr de text, prgramas de apresentaçã electrónica, etc.) e, sb rientaçã d prfessr, seleccina -as de acrd cm tip de dcument a prduzir. O alun cria, cm api d prfessr, dcuments digitais diversificads (esquemas, mapas de ideias, relatóris escrits, apresentações electrónicas, blgues, wikis, etc.), adequads a diferentes finalidades, cm resultad de tarefas de aprendizagem. O alun cria dcuments digitais riginais, delineads em cnjunt cm prfessr, para exprimir cnheciments, ideias, emções e sentiments, utilizand ferramentas que permitam a ediçã de text, imagem, sm e víde (prgramas de desenh e de tratament de imagem, ferramentas de áudi e de víde, etc.). Dmíni: Segurança Meta Final 4) O alun adpta cmprtaments segurs, respeita direits de autr e de prpriedade intelectual, e bserva nrmas de cnduta na utilizaçã de ambientes digitais n -line. O alun recnhece a existência de perigs na utilizaçã de ferramentas digitais (para utilizadr e para s equipaments) e assume cmprtaments respnsáveis de segurança. O alun respeita s direits de autr e a prpriedade intelectual da infrmaçã dispnibilizada em fntes electrónicas. O alun assume cmprtaments que respeitam as regras de cnduta n -line ( Netiqueta ) e as nrmas de funcinament subjacentes a cada ambiente digital. 9

10 Metas de Aprendizagem para 3º Cicl d Ensin Básic Dmíni: Infrmaçã Meta Final 1) O alun utiliza recurss digitais n-line e ff-line para pesquisar, seleccinar e tratar infrmaçã de acrd cm bjectivs cncrets, decrrentes de questões e prblemas previamente identificads, e cm critéris de qualidade e pertinência. O alun recnhece as ptencialidades e s cnstrangiments das várias ferramentas digitais de acess à infrmaçã (enciclpédias digitais, bases de dads, directóris, mtres de busca n -line, etc.,) e seleccina as mais adequadas para diferentes tips de pesquisa. O alun prepara e realiza pesquisas digitais n -line e ff-line em funçã de bjectivs cncrets, decrrentes de questões e prblemas previamente identificads, utilizand critéris de pesquisa avançada. O alun seleccina infrmaçã resultante de pesquisas digitais, analisand as páginas de resultads btidas, verificand a qualidade da infrmaçã (autridade, rigr, bjectividade, etc.) e identificand a sua pertinência face as bjectivs definids para a pesquisa. O alun classifica, categriza e rganiza a infrmaçã seleccinada, recrrend a ferramentas digitais adequadas, tais cm prgramas de gráfics, bases de dads, ferramentas de criaçã de mapas cnceptuais, sistemas de gestã de infrmaçã nline, etc. Dmíni: Cmunicaçã Meta Final 2) O alun cmunica, interage e clabra usand ferramentas e ambientes de cmunicaçã em rede, seleccinads de acrd cm as respectivas ptencia lidades e cnstrangiments, cm estratégia de aprendizagem individual e clectiva. O alun recnhece as ptencialidades e s cnstrangiments das várias ferramentas digitais de cmunicaçã (crrei electrónic, serviçs de mensagens instantâneas, fóruns de discussã, videcnferência, etc.) e seleccina as ferramentas mais adequadas a diferentes situações de cmunicaçã. O alun cmunica cm utras pessas recrrend a ferramentas digitais de cmunicaçã síncrna e assíncrna (através de text, áudi e víde), cm respeit pelas regras de cnduta subjacentes. O alun interage e clabra cm utras pessas em ambientes n -line (platafrmas de aprendizagem, grups de discussã, redes sciais, blgues, etc.), que seleccina em funçã de bjectivs previamente definids, e utiliza as ferramentas de cmunicaçã dispníveis cm respeit pelas regras de cnduta subjacentes. Dmíni: Prduçã Meta Final 3) O alun cncebe e desenvlve trabalhs esclares cm recurs a diferentes ferramentas digitais, e cria dcuments riginais que exprimam e representem cnheciments, ideias e sentiments. 10

11 O alun recnhece as ptencialidades e s cnstrangiments das várias ferramentas digitais de prdutividade pessal (prcessadr de text, prgramas de apresentaçã electrónica, flha de cálcul, etc.) e seleccina -as de acrd cm tip de dcument a prduzir. O alun cria dcuments digitais diversificads (esquemas e mapas de ideias, relatóris escrits, apresentações electrónicas, vídes, blgues, wikis, pdcasts, hiper -dcuments, etc.), adequads a diferentes finalidades, cntexts e públics, cm resultad de tarefas de aprendizagem. O alun cria dcuments digitais riginais para exprimir cnheciments, ideias, emções e sentiments, utilizand ferramentas que permitam a criaçã e/u ediçã de text, imagem, sm e víde (prgramas de desenh e de tratament de imagem, ferramentas de áudi e de víde, sistemas -autr, etc.) Dmíni: Segurança Meta Final 4) O alun adpta cmprtaments segurs, respeita direits de autr e de prpriedade intelectual, e bserva nrmas de cnduta na utilizaçã de ambientes digitais n -line. O alun recnhece a existência de perigs na utilizaçã de ferramentas digitais (para utilizadr e para s equipaments), assume cmprtaments respnsáveis de segurança e certifica -se da existência de medidas técnicas de prtecçã (anti-vírus, anti-spyware, etc.). O alun respeita s direits de autr e a prpriedade intelectual da infrmaçã dispnibilizada em fntes electrónicas. O alun assume cmprtaments que respeitam as regras de cn duta n-line ( Netiqueta ) e as nrmas de funcinament de cada ambiente digital. 11

12 4. Linhas Orientadras N âmbit deste dcument apresentam-se sugestões de abrdagens a desenvlver nas TIC a lng d ensin básic, devend a sua aplicabilidade ser preferencialmente transdisciplinar, n cas d 1ºCEB, n espaç semanal destinad a esse efeit e n espaç de Cidadania ns restantes cicls. As abrdagens sugeridas pderã ser reajustadas em funçã ds prjects das TIC a desenvlver n âmbit da prssecuçã ds prjects curriculares de turma. CICLOS ANOS ABORDAGENS A DESENVOLVER Préesclar 1º Cicl 2º Cicl º An 2º An 3º An 4º An 5º An Regras de preservaçã ds equipaments Partes cnstituintes de um cmputadr Ambiente de trabalh Prgrama de desenh Paint Cnceits Básics de navegaçã na Web Regras de preservaçã ds equipaments Cnceits básics de funcinament de um sistema Ambiente de trabalh Prgrama de desenh Paint Prcessament de text Navegaçã na Web Pesquisas simples na Web Criaçã de um flhet/panflet Criaçã de uma apresentaçã simples Ambiente de trabalh Prcessament de text Criaçã de uma apresentaçã Intrduçã à Flha de Cálcul Criaçã de uma apresentaçã animada ( recurs a Mvie Maker deve ser cnsiderad) Pesquisa na Web Utilizaçã de crrei electrónic Prcessament de text Criaçã de flhets/panflets Criaçã de apresentações Pesquisa na Web Utilizaçã de crrei electrónic 6º An Prcessament de text 12

13 3º Cicl 7º An 8º An 9º An Criaçã de flhets/panflets Criaçã de apresentações Pesquisa na Web Utilizaçã de crrei electrónic e de utras frmas de cmunicaçã n-line (mensagens instantâneas, platafrmas educativas, blgues, etc.) Segurança na Internet (direits de autr, netiqueta, etc.) Ediçã de imagem Internet: partilha de infrmaçã (Blgs, wikis, etc.) Pesquisa na Web Utilizaçã de crrei electrónic e de utras frmas de cmunicaçã n-line (mensagens instantâneas, víde, sm, etc.) Prcessament de text Criaçã de flhets/panflets Criaçã de apresentações animadas Pesquisa na Web Prcessament de text Criaçã de flhets/panflets Criaçã de apresentações animadas Internet: criaçã de páginas Web Utilizar uma flha de cálcul Pesquisa na Web Prcessament de text Criaçã de flhets/panflets Tratament de imagem, áudi víde Criaçã de apresentações animadas Internet: criaçã de páginas Web Utilizar uma flha de cálcul Aprvad em reuniã d Cnselh Pedagógic de O Presidente d Cnselh Pedagógic Jã Manuel Amaral Silva 13

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 8º an Subdmíni Cmunicaçã e clabraçã CC8 Cnheciment e utilizaçã adequada e segura de diferentes tips de ferramentas de cmunicaçã,

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES Critéris de Avaliaçã Direçã Reginal de Educaçã d Nrte Agrupament de Esclas AMADEO DE SOUZA-CARDOSO Telões - Amarante EDUCAÇÃO MUSICAL 2ºCICLO An Letiv 2014/2015 Dmíni Cgnitiv

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

COLÉGIO MILITAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

COLÉGIO MILITAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COLÉGIO MILITAR INGLÊS 1º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2015 2016 Grup Disciplinar de Inglês/Alemã 08.09.2015 Preâmbul 1. Pretende-se que a avaliaçã em Língua Estrangeira valrize td percurs esclar d alun,

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 Índice 1. Missã, Visã e Valres 2. Enquadrament 3. Prjects e Actividades 4. Cnslidaçā Interna 4.1. Aspects Gerais da Organizaçā e Funcinament da AJU 4.2. Recurss Humans 4.3. Frmaçā

Leia mais

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS An 2-B Frmulári de preenchiment brigatóri,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

Plano de Recuperação - Inglês

Plano de Recuperação - Inglês Escla: 9º 2005/2006 Prf. I- APOIO PEDAGÓGICO ACRESCIDO Plan de Recuperaçã - Inglês Existência de dis níveis diferenciads: Nível I aluns cm graves deficiências de base. N.º Nme Nível II aluns cm algumas

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2013

PLANO DE ACTIVIDADES 2013 PLANO DE ACTIVIDADES 2013 Índice 1. Missã, Visã e Valres 2. Desafi Estratégic 3. Prjects e Actividades 4. Cnslidaçā Interna 4.1. Aspects Gerais da Organizaçā e Funcinament da AJU 4.2. Recurss Humans 4.3.

Leia mais

Mestrado em Sistemas de Informação

Mestrado em Sistemas de Informação U n i v e r s i d a d e d M i n h Departament de Sistemas de Infrmaçã Mestrad em Sistemas de Infrmaçã 2003/2005 Tecnlgias de Streaming em Cntexts de Aprendizagem Sb a rientaçã d Prfessr Dutr Henrique Sants

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 Inserir data e Hra 08/10/2012 N.º PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnic De Turism 2010/2013 DISCIPLINA: Operações Técnicas em Empresas Turísticas An: 3º N.º TOTAL

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS 6/16/2005 HSM/SSIT-07062005/CA Carls Ferreira Hspital de Santa Maria Serviç de Sistemas de Infrmaçã e Telecmunicações Av. Prf. Egas Mniz 1649-035 Lisba Tel.: (+351) 217805327

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Infrmática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróle e Gás Objetiv: Elabrar e desenvlver um prjet na área prfissinal,

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

Escola das Artes Universidade Católica Portuguesa Centro Regional do Porto, Porto, Portugal. Rua Diogo Botelho 1327, 4169-005 - Porto, Portugal

Escola das Artes Universidade Católica Portuguesa Centro Regional do Porto, Porto, Portugal. Rua Diogo Botelho 1327, 4169-005 - Porto, Portugal Authrs Sara Henriques, abslutich@htmail.cm Jrge Cards, jccards@prt.ucp.pt Helena Figueired, hfigueired@prt.ucp.pt Organizatin Escla das Artes Universidade Católica Prtuguesa Centr Reginal d Prt, Prt, Prtugal

Leia mais

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS Julh 2007 INTRODUÇÃO As amplas, prfundas e rápidas transfrmações pr que passa a nssa sciedade prvcaram, frçsamente,

Leia mais

Manual de Apoio para Professores e Formadores

Manual de Apoio para Professores e Formadores Frmaçã de Frmadres em e-learning PT/05/B/F/PP-159147 Manual de Api para Prfessres e Frmadres O prject fi financiad cm api da Cmissã Eurpeia. Esta publicaçã reflecte apenas a visã ds autres, nã pdend a

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

CURSO DE INICIAÇÃO. Programa do Curso

CURSO DE INICIAÇÃO. Programa do Curso CURSO DE INICIAÇÃO Duraçã: 16 hras - 2 Dias Frmadr: Belinda Lureir u Sandra Gril u Daniel Seelw Prgrama d Curs - Filsfia e Cultura RE/MAX - Métds e Técnicas de Angariaçã - Métds e Técnicas de Psicinament

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. ATUALIZA DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO ALFABETIZAÇÃO PARA ESTUDANTES DAS TURMAS DO 2º, 3º e 4º ANOS E 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL, COM DOIS ANOS

Leia mais

//FUTURO DA ESTRATÉGIA DE LISBOA-ESTRATÉGIA UE2020 Contributo de Portugal Janeiro de 2010

//FUTURO DA ESTRATÉGIA DE LISBOA-ESTRATÉGIA UE2020 Contributo de Portugal Janeiro de 2010 //FUTURO DA ESTRATÉGIA DE LISBOA-ESTRATÉGIA UE2020 Cntribut de Prtugal Janeir de 2010 A Estratégia UE 2020 deve desempenhar um papel estruturante na cnslidaçã d prject eurpeu, agregand uma estratégia de

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado PROGRAMAS/PROJECTOS Prgrama /Prject Objectiv Resultad Indicadr de 1. Prgrama - Inserçã de Jvens na Vida Activa em particular s Candidats a Primeir Empreg Prmçã da inserçã de jvens n mercad de trabalh e

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional Códig / Nme d Curs Status Códig - Área Subárea Especialida Dads Gerais 196 / Escla Gestres- Curs Especializaçã em Gestã Esclar Ativ 49 / Educaçã Gestã Educacinal Gestã Esclar Nivel d Curs Especializaçã

Leia mais

Ministério da Educação. Gabinete de Avaliação Educacional PLANO DE ACTIVIDADES. Janeiro 2011

Ministério da Educação. Gabinete de Avaliação Educacional PLANO DE ACTIVIDADES. Janeiro 2011 Ministéri da Educaçã Gabinete de Avaliaçã Educacinal PLANO DE ACTIVIDADES 2011 Janeir 2011 ÍNDICE Pág. 1. NOTA INTRODUTÓRIA 3 2. OBJECTIVOS 4 3. PROJECTOS E ACTIVIDADES 6 3.1. Elabraçã de instruments de

Leia mais

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO 1. OBJETIVO O Prêmi de Incentiv à Educaçã é uma iniciativa das empresas d Pl Industrial, através d Cmitê de Fment Industrial de Camaçari - COFIC. Tem pr bjetiv estimular,

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO C e n t r d e I n f r m á t i c a NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA A FMUP dispõe de salas e labratóris de infrmática gerids pel Centr

Leia mais

GUIA DO CURSO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

GUIA DO CURSO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS GUIA DO CURSO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Curs em regime de e-learning Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 2 A dinâmica da gestã ds recurss humans deve acmpanhar a dinâmica das próprias rganizações.

Leia mais

CURSO GESTÃO DE PROJECTOS SOCIAIS DE INTERVENÇÃO

CURSO GESTÃO DE PROJECTOS SOCIAIS DE INTERVENÇÃO CURSO GESTÃO DE PROJECTOS SOCIAIS DE INTERVENÇÃO Intrduçã Os prjects sciais nascem d desej de transfrmar uma determinada realidade. O prject deve sempre cnter um cnjunt de acções planeadas e articuladas,

Leia mais

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno Intrduçã Lista de verificaçã d cnteúd d Plan de Emergência Intern (artig 18.º d Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh) O Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh, estabelece regime de prevençã de acidentes

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes: DOC. CA/N/15/08 PROGRAMA OPERACIONAL ALENTEJO EIXO 2 DESENVOLVIMENTO URBANO E EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL INSTRUMENTO: MOBILIDADE TERRITORIAL O presente dcument suprta a apreciaçã d

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

DISCIPLINA: LINGUA ESTRANGEIRA MODERNA

DISCIPLINA: LINGUA ESTRANGEIRA MODERNA DISCIPLINA: LINGUA ESTRANGEIRA MODERNA EMENTA: O ensin de língua estrangeira cm um códig de diferentes estruturas lingüísticas, cm ênfase na ralidade, leitura e escrita cm veículs de cmpreensã d mund.

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito 0 Aplicações Clinicas Patlgia Clínica Luís Lit 1 Evluçã 1. 1993 - Infrmatizaçã parcial d Lab. de Química Clinica 2. 1996 - Inici da infrmatizaçã d Serviç de Patlgia Clínica Clinidata (sistema UNIX/COBOL

Leia mais

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play Prgrama Agra Nós Vluntariad Jvem Namrar cm Fair Play INTRODUÇÃO A vilência na intimidade nã se circunscreve às relações cnjugais, estand presente quer nas relações de namr, quer nas relações juvenis casinais.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Pró-Reitria de Graduaçã Rua Gabriel Mnteir da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fne: (35) 3299-1329 Fax: (35) 3299-1078 grad@unifal-mg.edu.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE PROJETO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

Leia mais

III Jornadas de Cooperação no Sector de Saúde em Moçambique. Planificação no Sector da Saude em Moçambique

III Jornadas de Cooperação no Sector de Saúde em Moçambique. Planificação no Sector da Saude em Moçambique III Jrnadas de Cperaçã n Sectr de Saúde em Mçambique Planificaçã n Sectr da Saude em Mçambique Maput, Març de 2013 INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO # Jrnadas de Cperaçã d Sectr da Saúde cnstituem um event anual:

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual PROGRAMA FORMAR / 2009 Mdalidade Api Frmativ Plurianual INSCRIÇÕES - GUIA DE PROCEDIMENTOS De acrd cm a Prtaria nº 1229/2006, de 15 de Nvembr, Institut Prtuguês da Juventude (IPJ) cntinua a prmver a frmaçã

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno.

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno. Pder e escla: Uma analise acerca das relações entre prfessr e alun. Marcs Paul A. Rdrigues 1 Andersn Silva Nunes 2 Intrduçã: O presente trabalh expõe s tips de pder exercid pels prfessres sbre s aluns,

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

Proposta de Formação para o uso pedagógico e integrado do Tablet Educacional Estudos Autônomos

Proposta de Formação para o uso pedagógico e integrado do Tablet Educacional Estudos Autônomos Prpsta de Frmaçã para us pedagógic e integrad d Tablet Educacinal Estuds Autônms Objetiv geral: OBJETIVOS Prmver a Frmaçã Cntinuada ds Prfessres, Crdenadres Pedagógics e Gestres Esclares, na mdalidade

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Guide to Comenius Individual Pupil Mobility

Guide to Comenius Individual Pupil Mobility Guide t Cmenius Individual Pupil Mbility 1 2 Guia 2012 da Mbilidade Individual de Aluns COMENIUS 3 4 Guia da Mbilidade Individual de Aluns COMENIUS Índice/Estrutura da apresentaçã em linha ds dcuments

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu em Gestã da Segurança da Infrmaçã em Redes de Cmputadres A Faculdade

Leia mais

ÍNDICE. 1. Introdução... 3. 2. Objectivos... 3. 3. Metodologia... 4. 3.1 Estudo de Painel... 4. 3.2. Definição e selecção da amostra...

ÍNDICE. 1. Introdução... 3. 2. Objectivos... 3. 3. Metodologia... 4. 3.1 Estudo de Painel... 4. 3.2. Definição e selecção da amostra... BARÓMETRO * * * * Observatóri de Luta Cntra a Pbreza na Cidade de Lisba REAPN Rede Eurpeia Anti-Pbreza / Prtugal Núcle Distrital de Lisba Rua Seir Pereira Gmes, n.º 7 Apartament 311 1600-196 Lisba Tel:

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

Orientações para as Candidaturas

Orientações para as Candidaturas Orientações para as Candidaturas Tiplgia de Intervençã 6.2 (Eix 6) Qualificaçã das Pessas cm Deficiências e Incapacidades. O presente dcument cntém rientações técnicas para efeits de candidatura as apis

Leia mais

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR LISTA CANDIDATA ÀS ELEIÇÕES PARA OS CORPOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓGRAFOS BIÉNIO 2006-2008 POR UMA GEOGRAFIA MELHOR Assembleia Geral Presidente Jsé Albert Ri Fernandes (FL, Universidade

Leia mais

Laboratório Ibero Americano de Inovação Cidadã Convocatória de Projetos

Laboratório Ibero Americano de Inovação Cidadã Convocatória de Projetos Labratóri Iber American de Invaçã Cidadã Cnvcatória de Prjets Cnvcatória aberta para prjets de invaçã cidadã A iniciativa da Secretaria Geral Iber Americana (SEGIB) Cidadania 2.0, a Agencia Espanhla de

Leia mais

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul A Estratégia d Tribunal de Justiça d Ri Grande D Sul PODER JUDICIÁRIO Missã: De acrd cm fundament d Estad, Pder Judiciári tem a Missã de, perante a sciedade, prestar a tutela jurisdicinal, a tds e a cada

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro Seminári de Acmpanhament SNPG Área 21 APCNs André F Rdacki Marcia Sares Keske Rinald R J Guirr Áreas de Avaliaçã - CAPES Clégi de Humanidades Ciências Humanas Ciências Sciais Aplicadas Linguística, Letras

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 27/10/2014 a 21/11/2014 Carg: Auxiliar de Sala: Educaçã Infantil Taxa de Inscriçã: R$ 48,00 Salári/Remuneraçã: R$ 1.146,27 Nº Vagas: Cadastr de

Leia mais

Programa de Intervenção para o Agrupamento de Escolas de Lamaçães

Programa de Intervenção para o Agrupamento de Escolas de Lamaçães Prgrama de Intervençã para Agrupament de Esclas de Lamaçães (à apreciaçã d Cnselh Geral Transitóri d Agrupament de Esclas de Lamaçães n âmbit d prcess cncursal a carg de Directr) Jã Luís Dantas Leite A

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais