Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares"

Transcrição

1 Prjet e Implementaçã de um Sftware para auxili n Ensin de Linguagens Regulares Jsé Rbsn de Assis 1, Marln Oliveira da Silva 1. Faculdade de Ciências Exatas e Cmunicaçã (FACEC) Universidade Presidente Antôni Carls (UNIPAC) Barbacena - MG Resum. Este artig apresenta a mdelagem e a implementaçã d SisLR Sistema de Linguagens Regulares, sftware educativ vltad para auxíli n ensin das linguagens regulares. O SisLR permite a alun a criaçã e validaçã ds autômats através de uma interface gráfica interativa e de fácil usabilidade, tentand assim amenizar a dificuldade encntrada pels aluns quand iniciam estud das linguagens frmais. 1. Intrduçã A teria das linguagens frmais fi riginalmente desenvlvida na década de 1950 cm bjetiv de desenvlver terias relacinadas cm as linguagens naturais. Após esse estud fi verificad que essa teria apresentava fundaments teórics essenciais para estud das linguagens artificiais (linguagens regulares, livres de cntext), em especial, para as linguagens riginárias da cmputaçã (MENEZES, 2005). Linguagens regulares, livres de cntext, sensíveis a cntext e recursivamente enumeráveis sã assunts abrdads pel estud das linguagens frmais. Linguagens frmais é uma disciplina em que a mairia ds aluns apresentam dificuldades n iníci de seus estuds, iss devid a alt grau de abstraçã exigid, principalmente n estud das linguagens regulares n qual é intrduzid cnceit de autômats. Iss pôde ser cmprvad através de uma pesquisa, detalhada na seçã 5 desse trabalh, feita cm aluns d 6º períd d curs de Ciência da Cmputaçã da Universidade Presidente Antni Carls (UNIPAC) que estã estudand a disciplina. Uma pssível sluçã para tentar amenizar essa dificuldade encntrada pels aluns, está n us de sftwares educativs que pssibilitem a simulaçã, a criaçã e a validaçã de autômats, através de uma interface gráfica de grande usabilidade. Este tip de aplicaçã permite uma mair cmpreensã e aplicaçã ds cnceits estudads na teria das linguagens frmais. Este trabalh apresenta a mdelagem e a implementaçã de uma ferramenta educativa e interativa, denminada Sistema de Linguagens Regulares (SisLR), que auxilie n estud de cnteúds relacinads a linguagens regulares.

2 Este artig está rganizad da seguinte frma: a Seçã 2 apresenta a fundamentaçã teórica; a Seçã 3 apresenta s trabalhs relacinads e suas características; a Seçã 4 mstra a mdelagem e a implementaçã da ferramenta SisLR; a Seçã 5 apresenta análise e a discussã ds resultads btids cm us da ferramenta. Finalmente, a Seçã 6 cnclui artig apresentand as sugestões de trabalhs futurs. 2. Fundamentaçã Teórica Nesta seçã sã apresentads cnceits básics relacinads a estud de linguagens regulares Linguagens Regulares Linguagens regulares cnstituem a classe de linguagens cm menr pder de representaçã, segund a hierarquia de Chmsky, send pssível desenvlver algritms de recnheciment de grande eficiência e de fácil implementaçã. Há várias aplicações envlvend us de Linguagens Regulares, cm exempl pdems citar a analise léxica, e mais recentemente sistemas de animaçã, hipertexts e hipermídias (MENEZES, 2005). Linguagens regulares pdem ser representadas pr um Autômat Finit Determinístic (DFA - Deterministic Finite Autmata), Autômat Finit Nã Determinístic (NFA - Nt Deterministic Finite Autmata) e pr uma Expressã Regular (ER) Autômat Finit Um autômat finit é um mdel matemátic (máquina abstrata) de um sistema cm entradas e saídas discretas. Pde ser determinístic (DFA) u nã-determinístic (NFA), n qual nã-determinístic significa que mais de uma transiçã para fra de um estad pde ser pssível para mesm símbl de entrada. Tant s autômats finits determinístics quant s nã determinístics sã capazes de recnhecer precisamente s cnjunts regulares (MENEZES, 2005) Autômat Finit Determinístic (DFA) Um autômat finit determinístic é uma estrutura matemática cnstituída de três tips de entidades: um cnjunt de estads, um alfabet e um cnjunt de transições. Ds estads, destaca-se um cm estad inicial, e destaca-se um subcnjunt de estads cm send cmpst ds estads finais. Um autômat finit Determinístic (DFA) é uma quíntupla (K,Σ,δ,q 0,F), n qual (VIEIRA,2004): K é um cnjunt finit, nã vazi, de estads; Σ: é um alfabet finit de entrada;

3 δ: K x Σ K é a funçã de transiçã, funçã ttal; q 0 : é denminad estad inicial e q 0 Є K ; F é cnjunt de estads finais e F C K Autômat Finit Nã Determinístic (NFA) Um NFA é uma abstraçã de um DFA, que permite a inserçã d nã-determinism. Desta frma, pde haver múltiplas pssibilidades de açã para um dad par estad X símbl. Em um NFA, nã-determinism pde ser implementad de duas frmas: Múltiplas saídas cm mesm símbl e transições em vazi (ξ) (MENEZES, 2005). O prcessament de um NFA é semelhante a prcessament de um DFA, apenas cm uma diferenciaçã - um DFA prcessa em linha, enquant um NFA prcessa através de uma árvre de pssibilidades, em que se um ds rams alcançarem um estad final, este será caminh d prcessament (MENEZES, 2005). 2.3 Expressões Regulares Tda Linguagem regular pde ser descrita pr uma expressã denminada expressã regular (ER). Trata-se de um frmalism dentacinal, também cnsiderad geradr, pis pde inferir cm cnstruir (gerar) as palavras de uma linguagem. Uma ER é definida recursivamente a partir de cnjunts (linguagens) básics e perações de cncatenaçã e uniã (MENEZES, 2005). 3. Trabalhs Relacinads Nesta seçã sã apresentadas ferramentas de auxíli n ensin de linguagens regulares. Cada ferramenta será mstrada através de uma breve descriçã, apntand suas principais características. EduLing (DOGNINI, 2003) - desenvlvida em Object Pascal, vltada para auxíli e aprendizagem de linguagens regulares. O EduLing apresenta funções cm: criaçã e validaçã de uma ER e de um DFA, transfrmaçã de ER para um DFA u NFA e a de um DFA para uma ER. A ferramenta EduLing apresenta as seguintes características: interface gráfica interativa para criaçã e manipulaçã de autômats; tutrial sbre a disciplina que auxilia alun na cmpreensã da mesma; permite salvar e carregar s autômats criads; permite a visualizaçã pass a pass quand da validaçã de um DFA; apresenta limitações na parte de expressões regulares e autômats; nã permite a criaçã e validaçã de um NFA.

4 Auger (SLYMANSKI, 2004) - desenvlvida em Object Pascal, vltada para api a ensin de autômats finits. O Auger apresenta funções cm: criaçã de um DFA u NFA, validaçã de um DFA, transfrmaçã de um NFA para um DFA e a minimizaçã de um DFA. A ferramenta Auger apresenta as seguintes características: sftware apresenta uma interface gráfica interativa para a criaçã e manipulaçã de autômats; pssui uma ajuda de cm utilizar a ferramenta explicand funcinament d sftware; tutrial sbre a disciplina; permite salvar e carregar s autômats criads; visualizar pass a pass u cntinuamente a validaçã de um DFA; nã permite a manipulaçã de ER s e nã permite a validaçã de NFA. Language Emuladr (VIEIRA; VIEIRA; VIEIRA, 2002) - desenvlvida em Java, vltada para auxili n ensin de linguagens frmais. Language Emulatr apresenta cm funções: criaçã e manipulaçã de ER s, gramáticas regulares, DFA s, NFA s, máquinas de Mre e de Mealy e suas equivalências. A ferramenta Language Emuladr apresenta as seguintes características: a ferramenta nã apresenta uma interface gráfica interativa para criaçã e manipulaçã de autômats; nã permite salvar e carregar s autômats criads; apresenta limitações na validaçã de um NFA; Java Frmal Language and Autmata Package JFLAP (OLIVEIRA, 2005) - desenvlvida em Java, vltada para auxíli n estud Linguagens Frmais. JFLAP é uma ferramenta que permite criar e simular diverss tips de autômats e cnverter diferentes representações de linguagens. A ferramenta JFLAP apresenta as seguintes características: sftware apresenta uma interface gráfica interativa para a criaçã e manipulaçã de autômats; uma ajuda de cm utilizar a ferramenta; permite salvar as linguagens criadas; é uma excelente ferramenta para usuáris já familiarizads cm assunt, mas trna-se cnfusa a quem esta iniciand pr abranger várias linguagens frmais.

5 4. Mdelagem e implementaçã da ferramenta SisLR. O Sistema de Linguagens Regulares, dravante denminad SisLR, fi desenvlvid para platafrma Windws usand paradigma de prgramaçã rientada a bjets da linguagem Object Pascal d Delphi. Para a fase de prjet d SisLR fi utilizada a Linguagem de Mdelagem Unificada (UML - Unified Mdeling Language) na qual s diagramas fram cnstruíds utilizand-se a ferramenta case ARGOUML (ARGOUML, 2007). Figura 1. Diagrama de Cass de Us d SisLR. O SisLR fi cncebid para ser uma aplicaçã que pssibilitasse a usuári manipular DFA s, NFA s e ER s e suas equivalências (transfrmações entre estes frmalisms), cm pde ser vist n diagrama de cass de us, (Figura 1). Também dispnibiliza a usuári um tutrial sbre a disciplina que explica cada tópic da disciplina cm exempls e exercícis, além de uma ajuda de cm utilizar a ferramenta.

6 Figura 2. Arquitetura em três camadas. O SisLR fi mdelad cm uma arquitetura em três camadas (Figura 2), que permitiu uma mdularizaçã d sistema. Pr exempl, a interface gráfica de criaçã e manipulaçã de autômats, representads na camada de apresentaçã, é independente, u seja, permite que a interface de desenh ds autômats pssa ser mdificada u redesenhada sem a necessidade de alterar utras partes d sftware. A camada de apresentaçã cntém três classes: 1. DesenhaTrans: respnsável pr guardar as infrmações gráficas das transições (p. ex., crdenadas ds cmpnentes n editr gráfic); 2. DesenhaAutmat: nde sã implementads s algritms para criaçã e manipulaçã ds autômats na tela; 3. Mensagens: cria e exibe as mensagens de ajuda a usuári durante a execuçã d prgrama. A camada de dmíni da aplicaçã abrange tda a parte lógica d SisLR, nde sã implementadas as principais funções d prgrama através das seguintes classes: 1. Estad: armazena infrmações referentes a um estad dentr de um autômat, cm: nme e tip; 2. Transiçã: faz referência a uma transiçã dentr de um autômat; 3. Errs: respnsável pr verificar e ntificar errs cmetids na criaçã e manipulaçã de autômats;

7 4. NFA: implementa tdas as perações referentes a um NFA, cm s algritms para: validar um NFA, transfrmá-l em ER e transfrmá-l em DFA; 5. DFA: classe filha da classe NFA, s métds sbrescrits sã usads para validar e transfrmar um DFA em ER. A camada de acess as dads permite armazenament e a recuperaçã de arquivs XML que descrevem s autômats criads pel usuári. Arquivs XML pssibilitam uma interperabilidade mair entre ferramentas de criaçã e ediçã de autômats. Este módul encntra-se em desenvlviment. Figura 3. Tela inicial d SisLR. O funcinament d SisLR crre d seguinte md, a ferramenta permite a usuári determinar inicialmente se deseja criar um NFA u DFA, (Figura 3) em seguida slicita infrmações d autômat, cm linguagem e alfabet (Figura 4). Figura 4. Prpriedades d Autômat. O SisLR permite criar autômats através de uma interface gráfica de fácil manipulaçã, u seja, a ferramenta pssui um editr gráfic nde usuári adicina estads e faz transições cm mviments simples d muse.

8 Infrmações d autômat. Editr Gráfic Infrmações da Disciplina Figura 5. Tela principal d SisLR. A Figura 5 mstra a tela principal d sftware, nde pdems visualizar editr gráfic e utrs cmpnentes imprtantes d sistema, cm: camp infrmações d autômat que mstra s errs crrids quand da criaçã de um autômat e camp infrmações da disciplina que exibe a usuári infrmações relacinadas a cnteúd de linguagens regulares. Outra característica imprtante d SisLR é a frma cm ele valida tant um DFA quant um NFA, a ferramenta permite a usuári prcessar sua entrada de duas frmas: 1. validaçã pass a pass: ande usuári determina andar d prcessament da entrada (Figura 6); Figura 6. Validaçã Pass a Pass.

9 2. validaçã pr temp: ande usuári cnfigura um temp para que seja feita prcessament da entrada (Figura 7). Figura 7. Validaçã pr Temp. Cm esse tip de interface usuári pderá visualizar melhr cm é feit um prcessament de um DFA u NFA, verificand se sua entrada fi rejeitada u nã pel seu autômat. A ferramenta permite também: visualizar a matriz de transiçã d autômat, cnverter um DFA u NFA em expressã regular e, n cas de se criar um NFA, permite a cnversã graficamente de um NFA para um DFA. O SisLR apresenta cm diferencial em relaçã as sftwares descrits na Seçã 3 a junçã de características cnsideradas relevantes para um sftware de auxíli n ensin de linguagens regulares, cm: 1. interface gráfica para criaçã e manipulaçã de autômats: permite a usuári criar seus autômats de frma fácil e interativa; 2. perar cm NFA, DFA e ER: aplicar as principais funções envlvend esses frmalisms, cm: validar NFA u DFA, transfrmar NFA em DFA e transfrmar um NFA u DFA em ER; 3. tutrial da disciplina: material de ajuda abrdand cnceits, exempls e exercícis relacinads a ensin de linguagens regulares; 4. ajuda d Sistema: manual explicand as funcinalidades d sftware; 5. salvar autômats: permitir a usuári carregar e salvar seus autômats. A Tabela 1 mstra um quadr cmparativ entre s sftwares da Seçã 3 e SisLR ande sã avaliadas as características apntadas anterirmente.

10 Tabela 1. Cmparaçã entre s sistemas de linguagens regulares. Características Interface gráfica para criaçã e manipulaçã de autômats EduLin g Auger Language Emulad r JFLAP SisLR Sim Sim Nã Sim Sim Operar cm NFA, DFA e ER Nã Nã Sim Sim Sim Tutrial da Disciplina Sim Sim Nã Nã Sim Ajuda d Sistema Sim Sim Nã Sim Sim Salvar Autômats Sim Sim Nã Sim Sim 5. Análise e Discussã ds Resultads Obtids Cm a finalidade de avaliar a funcinalidade e necessidade d sftware prpst, realizu-se uma pesquisa envlvend 29 aluns d 6º períd d curs Ciência da Cmputaçã da Universidade Presidente Antni Carls UNIPAC. A pesquisa deu-se através das seguintes etapas. 1. Elabraçã de um questinári cmpst pr seis perguntas, que pssibilitaram bter um percentual d nível de entendiment ds aluns em seis atividades relacinadas à cmpreensã e manipulaçã de autômats finits. Para cada pergunta fram dispstas cinc alternativas: 1. muit difícil; 2. difícil; 3. regular; 4. fácil; 5. muit fácil. Cada questã investigu grau de cada atividade, a saber: a. criar um DFA; b. criar um NFA; c. transfrmar um NFA em DFA; d. visualizar prcessament de um DFA; e. visualizar prcessament de um NFA; f. diferenciar um DFA de um NFA. 2. Aplicaçã d questinári em sala de aula e análise ds resultads btids. 3. Apresentaçã d sftware para s aluns em labratóri mstrand suas funcinalidades através de exempls e exercícis. 4. Aplicaçã d mesm questinári em sala de aula e análise ds resultads btids, após us e cnheciment d SisLR.

11 Diferenciar DFA de NFA Visualizar Prcessament de um NFA Visualizar Prcessament de um DFA Muit Fácil Fácil Regular Dificil Muit dificil Transfrmar NFA em DFA Criar um NFA Criar um DFA 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% Figura 8. Gráfic gerad antes d us SisLR. A Figura 8 mstra gráfic gerad na 2º etapa da pesquisa, pdems ntar que em média 30 % ds aluns apresentaram dificuldade em realizar as cinc primeiras tarefas, e que smente a última fi cnsiderada pela mairia, quase 50 %, uma tarefa fácil de realizar. Diferenciar DFA de um NFA Visualizar Prcessament de um NFA Visualizar Prcessament de um DFA Muit Fácil Fácil Regular Dificil Muit dificil Transfrmar NFA em DFA Criar NFA Criar DFA 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% Figura 9. Gráfic gerad após us d SisLR. A Figura 9 mstra gráfic gerad na última etapa da pesquisa, nta-se uma diminuiçã, em média de 20%, n nível de dificuldade encntrad pels aluns nas

12 cinc primeiras atividades antes d us d SisLR e um aument cnsiderável n nível de facilidade para realizar as mesmas. A pesquisa mstru que us d SisLR aplicad junt a estud das linguagens regulares cnstitui uma ferramenta de grande ajuda a alun, pis cntribui para seu melhr desenvlviment e aprendizad. 6. Cnclusã e Trabalhs Futurs Neste trabalh fi mstrad cm us de ferramentas educativas n ensin de linguagens frmais pde cntribuir para aprendizad d alun, dand a ele a prtunidade de familiarizar-se mais cm assunt, pdend assim aplicar s cnceits envlvids de frma simples e de fácil aprendizad. Cm prpsta para desenvlviment d trabalh fi desenvlvid sftware Sistema de Linguagens Regulares (SisLR), para auxíli n ensin de linguagens regulares. As seguintes sugestões sã feitas para trabalhs futurs n SisLR: 1. desenvlviment da camada de acess a dads usand arquivs XML para pssibilitar a imprtaçã e exprtaçã ds autômats, que favrece a interperabilidade cm utrs sistemas de linguagens regulares; 2. aperfeiçament d mecanism de ajuda d SisLR, através d us de assistentes de sftware (wizards), cm us de técnicas de inteligência artificial que permitem a ferramenta sugerir a usuári caminhs alternativs na cnstruçã d seu autômat; 3. implementaçã d algritm de minimizaçã de um DFA, peraçã feita após a transfrmaçã de um NFA para DFA cm intuit de encntrar um autômat equivalente cm menr numer de estads pssíveis; 4. aperfeiçament da interface gráfica para manipulaçã de autômats, através da implementaçã de técnicas mdernas para visualizaçã de grandes quantidades de dads (autômats cm muits nós). 5. elabraçã de exercícis ande sftware avalie nível de aprendizad d alun, juntamente cm a emissã de um relatóri mstrand a análise percentual ds errs e acerts d alun. 6. desenvlviment de um aplicativ web, pssibilitand um mair alcance e cnheciment da ferramenta.

13 7. Bibligrafia ARGOUML (1996). Sftware Livre. Versã Tigris. Fevereir Dispnível em: < Acess em: junh de DOGNINI, Jsé Marln. (2003). EduLing Sftware Educacinal para Linguagens Regulares. Univali, Itajaí SC. MENEZES, Paul Blauth. (2005). Linguagens Frmais e Autômats, 5º Ediçã, UFRGS, Sagra Luzzat. OLIVEIRA, R. A. Rabel (2005). JFLAP JAVA Frmal and Autmata Package. Dispnível em Acessad em junh de SZYMANSKI, Charbel. (2004). Auger Ferramenta de api a ensin e autômats finits. Unisul, Santa Catarina SC. VIEIRA, J. Newtn. (2004). Linguagens e Máquinas: Uma Intrduçã as Fundaments da Cmputaçã. Departament de Ciências Cmputaçã, UFMG. VIEIRA, L. F. Menezes.; VIEIRA, M. A. Menezes.; VIEIRA, N. Jsé. (2002). Language Emulatr, uma ferramenta de auxíli n ensin de Teria da Cmputaçã. UFMG.

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aprximadamente 84 hras - aulas de 2 hras Primeira Parte Lógica de Prgramaçã 5 aulas 10 hras AULA 1 OBJETIVO 1. Cnceits básics: Algritm, Tips de Variáveis, Tips e Expressões

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas SGCT - Sistema de Gerenciament de Cnferências Tecnlógicas Versã 1.0 09 de Setembr de 2009 Institut de Cmputaçã - UNICAMP Grup 02 Andre Petris Esteve - 070168 Henrique Baggi - 071139 Rafael Ghussn Can -

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Utilização de Hipermídia para Criação de Help: Estudo de Caso Software para Auxílio no Ensino de Linguagens Regulares

Utilização de Hipermídia para Criação de Help: Estudo de Caso Software para Auxílio no Ensino de Linguagens Regulares Utilização de Hipermídia para Criação de Help: Estudo de Caso Software para Auxílio no Ensino de Linguagens Regulares Juliana Leontina da Silva 1, Frederico Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

Proposta de Formação para o uso pedagógico e integrado do Tablet Educacional Estudos Autônomos

Proposta de Formação para o uso pedagógico e integrado do Tablet Educacional Estudos Autônomos Prpsta de Frmaçã para us pedagógic e integrad d Tablet Educacinal Estuds Autônms Objetiv geral: OBJETIVOS Prmver a Frmaçã Cntinuada ds Prfessres, Crdenadres Pedagógics e Gestres Esclares, na mdalidade

Leia mais

Ambiente Computacional para geração de Learning Objetcs no padrão SCORM a partir de conteúdos organizados através de Mapas Conceituais

Ambiente Computacional para geração de Learning Objetcs no padrão SCORM a partir de conteúdos organizados através de Mapas Conceituais Ambiente Cmputacinal para geraçã de Learning Objetcs n padrã SCORM a partir de cnteúds rganizads através de Mapas Cnceituais Luci Gnçalves Sistemas de Infrmaçã Universidade Luterana d Brasil (ULBRA) 92500-000

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Processo TCar Balanço Móbile

Processo TCar Balanço Móbile Prcess TCar Balanç Móbile Tecinc Infrmática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centr Cascavel PR 1 Sumári Intrduçã... 3 Funcinalidade... 3 1 Exprtaçã Arquiv Cletr de Dads (Sistema TCar)... 4 1.1 Funcinalidade...

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

MANUAL DOS GESTORES DAA

MANUAL DOS GESTORES DAA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - NTI MANUAL DOS GESTORES DAA MÓDULOS: M atrícula e P rgramas e C DP [Digite resum d dcument aqui. Em geral, um resum é um apanhad

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

1 Criando uma conta no EndNote

1 Criando uma conta no EndNote O EndNte Basic (anterirmente cnhecid pr EndNte Web), é um sftware gerenciadr de referências desenvlvid pela Editra Thmsn Reuters. Permite rganizar referências bibligráficas para citaçã em artigs, mngrafias,

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO SIGIO Sistema Integrad de Gestã de Imprensa Oficial MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO S I G I O M A N U A L D O U S U Á R I O P á g i n a 2 Cnteúd 1 Intrduçã... 3 2 Acess restrit a sistema... 4 2.1 Tips de

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Cnteúd prgramátic CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Este é cnteúd prgramátic d curs preparatóri n nv prgrama CDO-0001 para a certificaçã CmpTIA CDIA+. CONCEITUAL ECM Apresentaçã ds cnceits envlvids

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 OBJETIVO Infraestrutura e tecnlgia d Prtheus sã a base de uma sluçã de gestã empresarial rbusta, que atende a tdas as necessidades de desenvlviment, persnalizaçã, parametrizaçã

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA O prcess de cntrle de estque de gôndla fi desenvlvid cm uma prcess de auxili a cliente que deseja cntrlar a quantidade de cada item deve estar dispnível para venda

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS Etapa 3 Cadastr d Prcess Seletiv O Presidente da CRM cadastra s dads d prcess n sistema. O prcess seletiv é a espinha drsal d sistema, vist que pr mei dele regem-se tdas as demais

Leia mais

Orientação Módulo: Consulta e Resposta à Notificação

Orientação Módulo: Consulta e Resposta à Notificação Ministéri d Trabalh e Previdência Scial Secretaria de Plíticas de Previdência Scial Departament ds Regimes de Previdência n Serviç Públic Crdenaçã-Geral de Atuária Cntabilidade e Investiments Orientaçã

Leia mais

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo GT-ATER: Aceleraçã d Transprte de Dads cm Empreg de Redes de Circuits Dinâmics RT3 - Avaliaçã ds resultads d prtótip Sand Luz Crrêa Kleber Vieira Cards 03/08/2013 1. Apresentaçã d prtótip desenvlvid Nesta

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 8º an Subdmíni Cmunicaçã e clabraçã CC8 Cnheciment e utilizaçã adequada e segura de diferentes tips de ferramentas de cmunicaçã,

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

Aula prática 6 Modelos Conceptuais e cenários de actividade

Aula prática 6 Modelos Conceptuais e cenários de actividade Aula prática 6 Mdels Cnceptuais e cenáris de actividade 1. Objetiv 1. Pretende-se que s aluns prduzam mdel cnceptual d prject e desenhem cenáris de actividade cm base nesse mdel. 2. Pretende-se ainda que

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

Administração de Redes Servidores de Aplicação

Administração de Redes Servidores de Aplicação 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administraçã de Redes Servidres de Aplicaçã

Leia mais

Um Ambiente Expert para o Apoio ao Desenvolvimento de Software. Sílvia Maria Wanderley Moraes 1 Daltro José Nunes

Um Ambiente Expert para o Apoio ao Desenvolvimento de Software. Sílvia Maria Wanderley Moraes 1 Daltro José Nunes Um Ambiente Expert para Api a Desenvlviment de Sftware Sílvia Maria Wanderley Mraes 1 Daltr Jsé Nunes Universidade Federal d Ri Grande d Sul Institut de Infrmática Pós-Graduaçã em Ciência da Cmputaçã Caixa

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalaçã Prdut: n-hst Versã d prdut: 4.1 Autr: Aline Della Justina Versã d dcument: 1 Versã d template: Data: 30/07/01 Dcument destinad a: Parceirs NDDigital, técnics de suprte, analistas de

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

DISCIPLINA: LINGUA ESTRANGEIRA MODERNA

DISCIPLINA: LINGUA ESTRANGEIRA MODERNA DISCIPLINA: LINGUA ESTRANGEIRA MODERNA EMENTA: O ensin de língua estrangeira cm um códig de diferentes estruturas lingüísticas, cm ênfase na ralidade, leitura e escrita cm veículs de cmpreensã d mund.

Leia mais

CONCEITOS SOFIA2 MAIO 2014. Versão 4

CONCEITOS SOFIA2 MAIO 2014. Versão 4 CONCEITOS SOFIA2 MAIO 2014 Versã 4 1 ÍNDICE 1 ÍNDICE... 2 2 INTRODUÇÃO... 3 2.1 OBJETIVOS E ÂMBITO DO PRESENTE DOCUMENTO... 3 3 O QUE É O SOFIA2... 4 4 CONCEITOS DA PLATAFORMA SOFIA2... 6 4.1 SMART SPACE...

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

Introdução à UML. Mas usaremos apenas um sub-conjunto da UML

Introdução à UML. Mas usaremos apenas um sub-conjunto da UML A Linguagem UML Intrduçã à UML UML = Unified Mdelling Language (Linguagem de Mdelagem Unificada) É uma ntaçã gráfica (visual) para prjetar sistemas Define diagramas padrnizads É extensível É cmplexa Mas

Leia mais

Software Para Controle de Acesso e Ponto

Software Para Controle de Acesso e Ponto Sftware Para Cntrle de Acess e Pnt Características e Funcinalidades Versã 2.0 Inipass é marca registrada da Prjedata Infrmática Ltda. Tds s direits reservads à Prjedata Infrmática Ltda. Características

Leia mais

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário MTUR Sistema FISCON Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 5 4.1. CADASTRAR CONVENENTE... 5 4.2. INSERIR FOTOGRAFIAS/IMAGENS

Leia mais

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Clabradres Tutrial Atualizad cm a versã 3.9 Cpyright 2009 pr JExperts Tecnlgia Ltda. tds direits reservads. É pribida a reprduçã deste manual sem autrizaçã prévia e pr escrit da JExperts Tecnlgia

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1 Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia d Ri de Janeir Edital Simplificad de Seleçã de Mnitria 2015.1 A Direçã Geral d IFRJ/, cmunica, pel presente Edital, que estarã abertas as inscrições para

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

Profa. Dra. Silvia M de Paula

Profa. Dra. Silvia M de Paula Prfa. Dra. Silvia M de Paula Espelhs Esférics Certamente tds nós já estivems diante de um espelh esféric, eles sã superfícies refletras que têm a frma de calta esférica. Em nss ctidian ficams diante de

Leia mais

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos 3 Fundaments d Cmprtament ds Hidrcarbnets Fluids 3.1. Reservatóris de Petróle O petróle é uma mistura de hidrcarbnets, que pde ser encntrada ns estads: sólid, líquid, u ass, dependend das cndições de pressã

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

Documentação de Versão Projeto Saúde e Segurança do Trabalho

Documentação de Versão Projeto Saúde e Segurança do Trabalho Prjet Saúde e Segurança d Trabalh DATA: tt/3/yy Pág 1 de 8 ÍNDICE ALTERAÇÕES IMPLEMENTADAS NA VERSÃO 2.2 DO SST... 2 ITENS DE MENU CRIADOS PARA A VERSÃO 2.2... 2 SEGURANÇA... 2 SAÚDE... 2 SAÚDE/AUDIOMETRIA...

Leia mais

Formação nzeb nos países do Sul da UE Mantendo as tradições de construção

Formação nzeb nos países do Sul da UE Mantendo as tradições de construção Frmaçã nzeb ns países d Sul da UE Mantend as tradições de cnstruçã SuthZEB WP4 Desenvlviment d prtal SuthZEB D4.1: Prtal SuthZEB visã geral d desenvlviment d prtal e suas seções, integraçã e aceitaçã d

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Documentação de Versão Projeto Saúde e Segurança do Trabalho

Documentação de Versão Projeto Saúde e Segurança do Trabalho Dcumentaçã de Versã Prjet Saúde e Segurança d Trabalh DATA: tt/3/yy Pág 1 de 6 ÍNDICE ALTERAÇÕES IMPLEMENTADAS NA VERSÃO 2.1 DO SST... 2 ITENS DE MENU CRIADOS PARA A VERSÃO 2.1... 2 PRESTADOR... 2 CLIENTE...

Leia mais

Todos os direitos reservados Versão 1.2

Todos os direitos reservados Versão 1.2 Guia de Relatóris Tds s direits reservads Versã 1.2 1 Guia de Relatóris Índice 1 Pedids... 3 1.1 Mnitr de Pedids... 3 1.2 Pedids... 4 1.3 Estatísticas de Pedids... 5 1.4 Acess e Cnsum... 7 1.5 Pedids pr

Leia mais

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection)

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection) Prjet de Sexta-feira: Prfessra Lucélia 1º Pass Criar banc de dads u selecinar banc de dads. Ntas: Camps nas tabelas nã pdem cnter caracteres acentuads, especiais e exclusivs de línguas latinas. Nã há necessidade

Leia mais

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK Use as instruções de acrd cm a versã d seu Outlk (2010, 2007 u 2003) Para saber a versã de seu Outlk, clique n menu Ajuda > Sbre Micrsft Office

Leia mais

FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE

FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE SOBRE A FRAMEWORK A Framewrk (www.frwtc.cm) atua diretamente cm prfissinais d segment de tecnlgia em busca de capacitaçã, atualizaçã e certificaçã, curss IN-COMPANY persnalizads

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

PASSO A PASSO DE COMO DESENVOLVER UM ARTIGO CIENTÍFICO

PASSO A PASSO DE COMO DESENVOLVER UM ARTIGO CIENTÍFICO PASSO A PASSO DE COMO DESENVOLVER UM ARTIGO CIENTÍFICO Objetiv d Manual Este manual bjetiva apresentar a frma de cm se desenvlver um artig científic. Tende a demnstrar as partes que cmpõem um artig e uma

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

Controle de Atendimento de Cobrança

Controle de Atendimento de Cobrança Cntrle de Atendiment de Cbrança Intrduçã Visand criar um gerenciament n prcess d cntrle de atendiment de cbrança d sistema TCar, fi aprimrad pela Tecinc Infrmática prcess de atendiment, incluind s títuls

Leia mais

Sistema de Gestão de BPM

Sistema de Gestão de BPM 1/13 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL. FL. 01 X 26 02 X 27 03 X 28 04 X 29 05 X 30 06 X

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

Ontologias: da Teoria à Prática

Ontologias: da Teoria à Prática Ontlgias: da Teria à Prática I Escla de Ontlgias UFAL-USP Endhe Elias e Olav Hlanda Núcle de Excelência em Tecnlgias Sciais - NEES Universidade Federal de Alagas UFAL Rteir Mtivaçã Ontlgias Engenharia

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

Sistemas Baseados na Web (Web-based Systems) são também chamados aplicações Web (Web Applications), ou simplesmente WebApps. Exemplos de WebApps:

Sistemas Baseados na Web (Web-based Systems) são também chamados aplicações Web (Web Applications), ou simplesmente WebApps. Exemplos de WebApps: N e e w L L w w. /1032547698;:1< 4=>29?@A4B1@D4D2D@9E9894GF9@ HI19K! " # "%'#(*" +, - Engenharia de istemas de Infrmaçã Prfs. sé arls Maldnad e Elisa Yumi Nakagawa 2 semestre de 2002 istemas Baseads na

Leia mais

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows SDK (Sftware Develpment Kit) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licença cnstituem um acrd entre a Micrsft Crpratin (u, dependend d lcal n qual vcê esteja dmiciliad, uma de suas afiliadas)

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica Médica - Aplicaçã Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da aplicaçã de Prescriçã Eletrónica Médica

Leia mais

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno.

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno. Pder e escla: Uma analise acerca das relações entre prfessr e alun. Marcs Paul A. Rdrigues 1 Andersn Silva Nunes 2 Intrduçã: O presente trabalh expõe s tips de pder exercid pels prfessres sbre s aluns,

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO

DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO V2.04 S4 Página 1 de 14 INDICE ALTERAÇÕES IMPLEMENTADAS NA VERSÃO 2.04 DO SST...3 ITENS DE MENU CRIADOS PARA A VERSÃO 2.04...3 PRESTADOR...3 Relatóri de Metas...3 CLIENTE...4 Tela

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

FRAMEWORK PARA CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES COM INTERFACES GRÁFICAS ADAPTÁVEIS PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS 1

FRAMEWORK PARA CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES COM INTERFACES GRÁFICAS ADAPTÁVEIS PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS 1 FRAMEWORK PARA CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES COM INTERFACES GRÁFICAS ADAPTÁVEIS PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS 1 RESUMO Ricard Rauber Pereira 2 Mauríci da Silva Escbar 3

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Manual de Us (Para Detentres de Bens) Infrmações adicinais n Prtal da Crdenaçã de Patrimôni: www.cpa.unir.br 2013 Cnteúd O que papel Detentr de Bem pde fazer?... 2 Objetiv...

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilização do conversor RS232/RS485 (PMC712) com controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilização do conversor RS232/RS485 (PMC712) com controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público Ntas de Aplicaçã Utilizaçã d cnversr RS232/RS485 (PMC712) cm cntrladres HI HI Tecnlgia Dcument de acess públic ENA.00034 Versã 1.00 setembr-2010 HI Tecnlgia Utilizaçã d cnversr RS232/RS485 (PMC712) cm

Leia mais