MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM COLABORATIVA NA PERCEPÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA O CASO DE UMA IES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM COLABORATIVA NA PERCEPÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA O CASO DE UMA IES"

Transcrição

1 MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM COLABORATIVA NA PERCEPÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA O CASO DE UMA IES Resumo SOEIRA, Elaine dos Reis UFS Eixo Temático: Comunicação e tecnologia Agência Financiadora: não contou com financiamento A educação a distância tem sido alvo de muitas investigações nos últimos anos, cujas preocupações vão desde a efetividade da aprendizagem até a formação dos profissionais que atuam nesta modalidade de ensino. A presente pesquisa encontra-se em desenvolvimento, vinculada a um programa de pós-graduação em Educação, e insere-se no rol das investigações sobre os saberes docentes. A pesquisa pretende responder a seguinte questão: Como os tutores a distancia que atuam numa instituição pública de ensino superior (IES) percebem as relações entre a mediação e a aprendizagem colaborativa? A base teórica da pesquisa apresenta uma revisão da literatura sobre os conceitos de aprendizagem colaborativa, mediação e tutoria a distância, desde as perspectivas de teóricos, como por exemplo: Onrubia et al (2010), Oliveira et al (2008), Fonseca (1998), Freire e Shor (2008), Ferreira (2008), Gervai (2007), Chermann e Bonini (2000) e Machado (2003). Será desenvolvido um estudo de caso descritivo calcado no método das Representações Sociais tendo como técnicas para coleta de dados um questionário e a interação de tutores num grupo focal, com vistas à responder ao objetivo geral do estudo: Descrever a relação entre a mediação e a aprendizagem colaborativa através da percepção dos tutores à distância de uma IES pública sobre a sua atuação docente no ambiente virtual de aprendizagem (AVA). Esta pesquisa encontra-se na fase inicial, não estando ainda disponíveis resultados que apontem para os objetivos propostos. O quadro teórico encontra-se em elaboração e consistirá na sistematização da produção intelectual brasileira acerca dos conceitos mediação, aprendizagem colaborativa e mediação. Palavras-chave: Aprendizagem colaborativa. Mediação. Percepção. Representações sociais. Tutores a distância. Introdução A educação a distância (EaD) não é uma modalidade de ensino recente, porém, desde a popularização da Internet, tem se firmado como uma possibilidade de formação nos diferentes níveis de ensino em instituições nacionais e internacionais.

2 10944 Para Moore e Kearsley (2010, p. 47) a EaD evoluiu ao longo de cinco gerações, identificáveis pelas tecnologias de comunicação empregadas. Para estes autores, as gerações podem ser definidas da seguinte forma: 1. A primeira geração de estudo por correspondência/ em casa/ independente proporcionou o fundamento para a educação individualizada a distância. 2. A segunda geração, de transmissão por rádio e televisão, teve pouca ou nenhuma interação entre professores com alunos, exceto quando relacionada a um curso por correspondência; porém, agregou as dimensões oral e visual à apresentação de informações aos alunos a distância. 3. A terceira geração as universidades abertas surgiu de experiências norteamericanas que integrava áudio/vídeo e correspondência com a orientação face a face, usando equipes de cursos e um método prático para a criação e veiculação de instrução em uma abordagem sistêmica. 4. A quarta geração utilizou a teleconferência por áudio, vídeo e computador, proporcionando a primeira interação em tempo real de alunos com alunos e instrutores a distância. O método era apreciado especialmente para treinamento corporativo. 5. A quinta geração, a de classes virtuais on-line [sic] com base na internet, tem resultado em enorme interesse e atividade em escala mundial pela educação a distância, com métodos construtivistas de aprendizado em colaboração, e na convergência entre texto, áudio e vídeo em uma única plataforma de comunicação. (MOORE e KEARSLEY, 2010, p ). Contudo, a expansão da educação a distância online não coincide com a integração das possibilidades comunicacionais que a Internet agrega ao processo ensino-aprendizagem às propostas pedagógicas dos cursos. Muitas instituições ainda planejam seus cursos com base no paradigma da distribuição da informação, tornando mínima ou inexistente, a interatividade e a aprendizagem colaborativa entre os estudantes. Silva (2008b) afirma que: Em grande parte dos cursos via Internet prevalece o modelo comunicacional centrado na transmissão de informações. Os ambientes virtuais de aprendizagem continuam estáticos, ainda centrados na distribuição de dados desprovidos de mecanismos de interatividade, de criação colaborativa e de aprendizagem construída. Muito já se questionou a prática pedagógica baseada na transmissão para memorização e repetição, mas pouco se fez para modificá-la efetivamente (p.9). O rompimento com o paradigma tradicional implica numa transformação radical, englobando da fase de planejamento até a operacionalização, para que seja possível redesenhar novas práticas para a EaD online, balizadas no paradigma interacionista, na qual se

3 10945 torna extremamente importante a organização das situações que levem à aprendizagem, em vez da preocupação exacerbada com o que e com o quanto ensinar. Nesse contexto, sem perder de vista a necessidade de repensar e (re)planejar projetos pedagógicos dos cursos, faz-se mister refletir sobre a atuação docente. No caso da EaD, a função do tutor precisa ser (re)significada, pois este é o profissional que atua de forma mais próxima aos estudantes, já que não serve às práticas interacionistas nem uma concepção de detentor do saber nem de mero orientador e guia para os estudantes. É preciso pensar o tutor, na dimensão docente que ele ocupa mas nem sempre reconhecida e legitimada como um mediador, que se coloca na condição de aprendente, compartilha, colabora, fomenta a autoria e a co-autoria, se dispõe a aprender com o movimento das tecnologias digitais de informação e comunicação (SILVA, 2008a, p. 95). Oliveira, Lima e Mercado (2008) destacam que o tutor assume um papel fundamental no processo ensino-aprendizagem online, pois medeia as ações pedagógicas de interação entre professores, alunos conteúdos e ambientes (p. 185) e, consequentemente, favorece a concretização dos princípios de autonomia e aprendizagem, contribuindo para a criação, nos ambientes online, de espaços colaborativos de aprendizagem 1. Estes autores também defendem que a ideia de que, ao realizar pontes entre os cursistas, o ambiente, o processo de aprendizagem e colaboração, o tutor firma-se no papel de mediador, ouvindo, negociando e ajustando, ou seja, torna-se elemento chave, dinâmico e essencial na harmonização de todo processo ensino-aprendizagem. (p. 186). Ao refletir sobre a ação mediada dos tutores, frente à demanda cada vez maior de que a aprendizagem colaborativa seja a mola mestra do processo de construção de saberes na EaD, pretende-se identificar de que modo os tutores que atuam a distância percebem essa dimensão do seu trabalho. Reconhecem-se como mediadores? Percebem-se sendo mediadores? Identificam os momentos em que intencionalmente medeiam a aprendizagem colaborativa? Desenvolvimento Nesta seção serão apresentados os conceitos estruturantes desta pesquisa, a saber: aprendizagem colaborativa; mediação e tutoria. 1 Ibidem

4 10946 Aprendizagem colaborativa Apesar de não ser um tema novo, a ênfase na aprendizagem colaborativa é tema recorrente quando se trata do ensino online, inclusive Onrubia, Colomina e Engel (2010, p. 208) afirmam que a aprendizagem de grupos colaborativos constitui um tema de enorme interesse para a pesquisa educacional e está gerando, nas últimas quatro décadas, uma grande quantidade de estudos e pesquisas. Considerando que a potencial interatividade possibilitada pela Internet, através de comunicações síncronas e assíncronas, contribui de forma significativa para que a aprendizagem ocorra de forma colaborativa, justifica-se a elevação das pesquisas e estudos focalizando esta área. Na busca da conceituação para aprendizagem colaborativa, optou-se pelo posicionamento teórico de Torres (2004) apud Ferreira (2008, p. 3), que a define como uma estratégia que encoraja a participação do estudante no processo de aprendizagem e que pretende que a aprendizagem se desenvolva por um processo ativo e efetivo. Ou seja, é estabelecido um compromisso para que a aprendizagem não seja um ato involuntário e casual, mas constitua-se num processo de significação para os sujeitos envolvidos. Corroborando Torres, os aportes teóricos de Lévy (1995, 1999), Assmannn (2005) e Aragão (2009) complementam a compreensão acerca da aprendizagem colaborativa, que pode ser entendida como a possibilidade de construir conhecimentos de forma coletiva, compartilhada, num pleno exercício de democracia e autonomia cognitiva, fomentando os princípios da inteligência coletiva. Desse modo, firma-se como um princípio extremamente importante para conferir à EaD uma maior qualidade e também, favorecer a criação de redes de aprendizagens. Valente (2005) destaca a necessidade do envolvimento dos participantes com a aprendizagem individual e coletiva, condição essencial para que a colaboração ocorra, além de corroborar a dialogicidade enquanto princípio pedagógico, afirmando que Trabalhar colaborativa e cooperativamente onde cada pessoa é responsável pela sua aprendizagem e também pela aprendizagem dos companheiros do grupo, construindo o conhecimento através de discussões, reflexões e tomadas de decisões no grupo. Aprender através de comunidades de aprendizagem demanda o desenvolvimento de postura participativa, ativa e interativa por parte de todos os elementos pertencentes ao processo. (p. 29)

5 10947 Alves, Japiassu e Hetkowski (2009) também defendem a colaboração na educação, dada a possibilidade do sujeito participar do processo de construção do conhecimento, tendo em vista que Os sujeitos em CVAs que promovem a co-laboração são potencialmente pares, coautores e co-construtores de inúmeros processos de criação, atuação e significação. Isso favorece a consolidação de uma inteligência coletiva que se caracteriza "por ser globalmente, distribuída, incessantemente valorizada, coordenada em tempo real, que conduz a uma mobilização efetiva das competências." (p. 4) Faz-se necessário destacar que, frequentemente, a aprendizagem colaborativa é entendida como sinônimo da aprendizagem cooperativa. Contudo, neste estudo, optou-se pela diferenciação entre os dois conceitos, com base em de Paas ( ) A cooperação seria realizada pela divisão de trabalho entre os participantes, como uma atividade em que cada pessoa é responsável por uma porção da resolução do problema. A colaboração se caracterizaria pelo engajamento mútuo dos participantes em um esforço coordenado para juntos resolverem o problema. Porém, a diferença não se dá em termos apenas de divisão de tarefa, e sim da forma como a tarefa é dividida, ou seja, como se coordena a divisão de atividades. Na cooperação, a tarefa é dividida hierarquicamente em subtarefas independentes. Na colaboração, o processo cognitivo pode ser dividido em camadas entrelaçadas. Desse modo, a cooperação pressupõe a interação dos estudantes assim como na colaboração, porém o nível de engajamento no processo de construção se diferencia, a partir do momento que cada um passa a preocupar-se com a consecução de um grande objetivo em vez de objetivos menores, pressupondo uma hierarquização de saberes e a subdivisão de tarefas. Considerando as proposições de Valente (2005) e de Alves, Japiassu e Hetkowski (2009) reforçam a compreensão de que os estudantes precisam estar dispostos para aprender de forma colaborativa, o que implica numa disponibilidade para discutir e refletir em conjunto e demanda o desenvolvimento de uma postura participativa. Assim, surgem alguns questionamentos: Os estudantes dos cursos EaD já vêm com uma propensão para atuar de forma colaborativa ou esta postura precisa ser desenvolvida? Como essa postura pode ser 2 Sem identificação da página. Disponível em: < >

6 10948 desenvolvida? A organização do AVA é suficiente para que tal desenvolvimento ocorra? De que modo a tutoria contribui para o desenvolvimento da postura colaborativa? O tutor medeia a aprendizagem colaborativa? Se sim, de que forma? Quais desafios enfrenta? Na busca por responder alguns desses questionamentos, buscou-se referência em Onrubia, Colomina e Engel (2010), Ferreira (2008) e Gervai (2007). Onrubia, Colomina e Engel (2010), com base nos estudos de Dillenbourg e colaboradores (1996), afirmam que a interação entre estudantes pode ser analisada a partir de três paradigmas: o paradigma do efeito, o paradigma das condições e o paradigma das interações. Para efeito deste estudo, a análise será centrada no paradigma das interações. Tal paradigma traz à tona a necessidade de investigar as maneiras pelas quais se pode aumentar a probabilidade de ocorrerem aqueles tipos de interação entre alunos com maior potencial do ponto de vista dos processos de construção conjunta de significados (ONRUBIA, COLOMINA e ENGEL, 2010, p. 209). Os autores complementam sua tese afirmando que, para atingir este nível de interação que leva à colaboração, é necessário aumentar a frequência dos conflitos cognitivos; fomentar as explicações elaboradas; apoiar a criação, manutenção e progresso da compreensão mútua; promover a tomada de decisões conjuntas sobre as alternativas e pontos de vista; promover a coordenação de papéis e o controle mútuo do trabalho, ou garantir a motivação necessária para que os alunos se envolvam em atuações realmente compartilhadas. (ONRUBIA, COLOMINA e ENGEL, 2010, p. 209) Além das ações citadas acima, propõem a estruturação antecipada do processo de colaboração a fim de provocar o surgimento das interações produtivas, estando o professor - no caso desse estudo, o tutor - responsável pela regulação 3 de tais interações. Assim, ele deixa de ser um mero expectador ou um especialista transmissor de conteúdos, para assumir o papel de interventor, de mediador. Complementando Onrubia, Colomina e Engel (2010), no que tange à postura mediadora no contexto da aprendizagem colaborativa, Ferreira (2008, p. 18) enfatiza que o diálogo entre os alunos durante a produção colaborativa é fundamental para o processo de 3 A regulação aqui não se relaciona com uma compreensão comportamentalista do processo ensinoaprendizagem, mas, aplica-se no sentido de que o professor/tutor monitora as interações que estão ocorrendo e decide quando e como deve intervir, respeitando a dinâmica do grupo.

7 10949 aprendizagem, porém é importante ressaltar a função e a importância da mediação do professor, pois o diálogo deve promover a aquisição de conhecimentos por parte do aluno. Corroborando o exposto Gervai (2007) destaca que a construção colaborativa está longe de ser um processo casual, pois está estreitamente relacionada à qualidade da mediação vivenciada pelo grupo. Segundo ela, diversos autores salientam a necessidade da mediação pedagógica nos ambientes de aprendizagem online e a importância da qualidade dessa mediação, principalmente, quando se tem como objetivo desenvolver e possibilitar processos de construção colaborativa de conhecimento. (p. 7) Os autores supracitados enfocam aspectos da ação docente necessários para o estabelecimento da aprendizagem colaborativa, dentre os quais se destacam as interações 4 mediadas e o estabelecimento do diálogo. Mediação da aprendizagem O conceito de mediação trazido para fundamentar este estudo baseia-se nas teorias de Feuerstein e Freire, considerando que ao tratarmos da aprendizagem colaborativa, necessariamente, situamos a complexa dinâmica do ensino-aprendizagem numa perspectiva interacionista e tais autores têm seus estudos em consonância com esta abordagem. Para Feuerstein (1996) apud Zanatta Da Ros (2002, p. 20) a mediação [...] é uma experiência intrapessoal, produzida por relações interpessoais. É uma experiência, não uma confrontação de conhecimentos, por transmissão... O que medeia o indivíduo é o fato de que ele, enquanto sujeito, interage com o outro, que é sujeito também. Há uma reciprocidade entre os dois sujeitos, um encontro. Fonseca (1998, p. 61) complementa afirmando que, para Feuerstein a mediatização (mediação) é algo característico da espécie humana [...]. 4 Para este estudo, cabe diferenciar interação e interação mediada. Por interação entende-se a relação comunicativa entre os partícipes de um grupo. Já a interação mediada, entendida a partir dos pressupostos vygotskyanos (OLIVEIRA, 1993), significa a intervenção intencional de um elemento intermediário numa relação.

8 10950 A mediação entendida como processo de interação essencialmente humano que leva à construção do conhecimento não pode prescindir do diálogo para acontecer, desse modo, Freire e Shor (2008) são convidados a contribuir com tal discussão. Para eles [...] o diálogo deve ser entendido como algo que faz parte da própria natureza histórica dos seres humanos. É parte do nosso progresso histórico do caminho para nos tornarmos humanos. [...] o diálogo é uma espécie de postura necessária, na medida em que os seres humanos se transformam cada vez mais em seres comunicativos. O diálogo é o momento em que os humanos se encontram para refletir sobre sua realidade tal como a fazem e re-fazem. Outra coisa: na medida em que somos seres comunicativos, que nos comunicamos uns com os outros enquanto nos tornamos mais capazes de transformar nossa realidade, somos capazes de saber que sabemos, que é algo mais do que só saber. (FREIRE E SHOR, 2008, p. 122) Tomando por base o exposto acerca da mediação, como uma das categorias 5 para a aprendizagem colaborativa, nota-se que a adoção de uma postura mediadora reforça a obsolescência da sala de aula centrada na pedagogia da transmissão (SILVA, 2008a, p. 80) e convida o professor a redimensionar sua autoria, modificando a base comunicacional potencializada pelas tecnologias digitais. [...] passando a disponibilizar ao aprendiz autoria em meio a conteúdos de aprendizagem. (ibid., p. 81). Masetto (2008) contribui com o debate sobre a mediação pedagógica, já trazendo para o contexto da EaD, afirmando que, conforme Perez e Castillo (1999), a mediação pedagógica busca abrir um caminho a novas relações do estudante: com materiais, com o próprio contexto, com outros textos, com seus companheiros de aprendizagem, incluindo o professor, consigo mesmo e com o futuro. (MASETTO, 2008, p. 145). É pertinente retomar o questionamento sobre a relação entre a tutoria e o desenvolvimento da postura colaborativa dos alunos, o que converge para a construção das aprendizagens colaborativas no grupo. Diante do que se expôs sobre mediação e sobre as demandas para que a aprendizagem colaborativa se estabeleça, cabe uma reflexão sobre o papel do tutor nos cursos EaD a fim de verificar o quanto é permitido a ele envolver-se com as questões mais aprofundadas. 5 Aragão (2009) apresenta algumas categorias que favorecem a aprendizagem colaborativa, a saber: autonomia, hipertextualidade, mediação e interatividade.

9 10951 Tutoria na EaD O termo tutoria, tradicionalmente, é relacionado com as ideias de acompanhamento, apoio e guia. Essa concepção é oriunda da época em que o ensinar era caracterizado apenas como transmissão de conteúdo, cabendo ao tutor certificar-se do cumprimento dos objetivos. Silva (2003, p.71) após sua experiência de professorar online compartilha que: [...] o professor precisa ser mais um interlocutor do que um tutor. Precisei ir muito além da responsabilidade de tutelar, proteger e defender alguém como guardião da instrução do aprendiz. A escolha do verbo professorar para título deste texto tem aqui sua explicação: garantir o papel do professor no ambiente online, reagindo assim à equivocada supressão do seu lugar em nome do tutor ou tutoria. Outra concepção muito difundida na maioria dos espaços que trabalham com EaD é a de tutor como guardião. Isso se justifica pelo fato de que os modelos de cursos oferecidos permanecem centrados no paradigma da distribuição do conhecimento e na pedagogia da transmissão. Para Santos (2002, p. 119): o papel do professor na cibercultura se mantém no mesmo paradigma da transmissão característica do currículo tradicional e da mídia de massa. O que temos aqui é a subutilização do paradigma digital. Cito, por exemplo, a abordagem de Barreto, especialista em EAD da Universidade de Brasília, que separa burocraticamente a ação do professor em compartimentos: professor/autor, professor/instrutor e professor/tutor. A concepção de tutoria apresentada por Chermann e Bonini (2000, p. 63) converge para as proposições de Santos (2002), ao afirmarem que o papel da tutoria é oferecer apoio didático, solucionar dúvidas, identificar características individuais para poder respeitá-las e tomá-las como critérios de seleção de líderes de grupo, de distribuir tarefas e materiais complementares. Além disso, indicam que o professor-tutor relaciona-se com os alunos e com o professor-instrutor [...] coleta informações e as envia ao professor-desenvolvedor no acompanhamento do curso, enfim, é elemento fundamental de mediação entre a equipe docente e a equipe técnica. (ibid., 2000, p.36) Contrapondo o que foi dito anteriormente, uma concepção de aprendizagem interacionista, com cursos baseados numa lógica hipertextual, promovendo a interatividade e autoria, pressupõe outro conceito de tutoria. Nessa abordagem, o tutor é destituído da função

10 10952 de fiscal de alunos e guardião do conhecimento para ser um co-participe na construção de redes de aprendizagem, potencializada pelas tecnologias digitais. Os estudos de Machado (2003) contribuem para a definição de papéis e características mais humanas aos tutores, tais como: ajudar os alunos a planejarem seus trabalhos, comentar os trabalhos realizados pelos alunos, atuar como animador e motivador dos alunos, ter atributos éticos e psicológicos (maturidade, empatia, liderança, cordialidade, etc.). Enfocando a questão da mediação do tutor, podemos citar Costa (s.d., p. 9-10) O sucesso dos projetos de Educação à Distância depende em grande parte da ação do tutor enquanto aquele que provoca nos cursistas uma reflexão sobre o processo de como eles encontraram soluções adequadas para um determinado problema e sobre as estratégias e conceitos implícitos em cada tomada de decisão. Dentre as atribuições do tutor online encontra-se, como das principais a de motivar cada aluno, acompanhando suas atividades no curso, procurando sempre orientá-lo quanto ao desenvolvimento de estratégias de estudo autônomo, visando à melhoria do processo ensino-aprendizagem, sobretudo a partir dos conteúdos estudados e das experiências desenvolvidos em cada módulo ou em cada área de estudo. Diante do exposto, compreende-se que o tutor, numa perspectiva interacionista, deve estar apto a gerir os conhecimentos individuais e coletivos, seus e dos alunos sob sua responsabilidade. Para isso, ele precisa abandonar a postura de fiscalizador de alunos e distribuidor de informações, para atuar como um sistematizador de experiências, arquiteto de percursos, construtor de rotas de aprendizagem e não de roteiros de conteúdos, enfim, como um mediador da aprendizagem colaborativa. Metodologia Do ponto de vista metodológico, esta pesquisa pode ser definida como um estudo de caso descritivo, com análise qualitativa dos dados. O método de investigação escolhido fundamenta-se na teoria das Representações Sociais, pela aproximação com o objeto em estudo a percepção dos tutores sobre a mediação da aprendizagem colaborativa, uma vez que possibilita reunir elementos que permeiem a essência da percepção dos sujeitos investigados, tanto do ponto de vista individual quanto coletivo. Para Moscovici (1978)

11 10953 As representações sociais são entidades quase tangíveis. Elas circulam, cruzam-se e se cristalizam incessantemente através de uma fala, um gesto, um encontro, em nosso universo cotidiano. A maioria das relações sociais estabelecidas, os objetos produzidos ou consumidos, as comunicações trocadas, delas estão impregnados. Sabemos que as representações sociais correspondem, por um lado, à substância simbólica que entra na elaboração e, por outro, à prática que produz a dita substância, tal como a ciência ou aos mitos correspondem a uma prática científica e mítica. (p. 41) Os estudos de Moscovici serviram de inspiração para outros pesquisadores, dentre os quais se destacam Jodelet, Abric e Doise. Cada um deles inaugura uma vertente de aprofundamento acerca das pesquisas em representações sociais, tanto do ponto de vista teórico quanto metodológico. Jodelet segue uma linha de análise do conteúdo das interações a fim de identificar os indícios que lhe permitam compreender as objetivações e as ancoragens nas representações dos indivíduos. Abric e Doise preocupam-se mais com a abordagem estrutural dos enunciados, sendo que Abric desenvolve a Teoria do Núcleo Central (identificação do tema central das representações) e Doise, precursor na Escola de Genebra, confere um peso maior aos processos de ancoragem, os quais, segundo ele, são construídos sob determinantes sociais. A pesquisa apresentada aqui trabalhará na linha de Willem Doise, pois, compartilha-se da ideia de que o social tem uma significativa parcela de interferência na construção de sentidos ancoragem daquilo que é vivenciado e percebido diuturnamente. A presente pesquisa pretende reunir dados para descrever a percepção dos indivíduos, através da identificação das representações sociais implícitas, através de dois métodos de coleta: um interrogativo e outro associativo. O método interrogativo será por meio da interação em um grupo focal, composto com 07 (sete) tutores a distância que atuam nos cursos de graduação, especialização e/ou extensão de uma instituição pública de ensino superior. No grupo focal, a partir de um roteiro previamente estruturado, os participantes serão convidados a interagir com os conceitos de mediação e aprendizagem colaborativa. A relevância do grupo focal para esta pesquisa pode ser melhor compreendido a partir destas afirmações de Gatti (2005). [...] A ênfase recai sobre a interação dentro do grupo e não em perguntas e respostas entre moderador e membros do grupo. [...] Há interesse não somente no que as pessoas pensam e expressam, mas também em como elas pensam e porque pensam o que pensam. [...]

12 10954 O grupo focal permite fazer emergir uma multiplicidade de pontos de vista e processos emocionais, pelo próprio contexto de interação criado, permitindo a captação de significados que, com outros meios, poderiam ser difíceis de se manifestar. (p. 9) O método associativo dar-se-á pela aplicação de um questionário- aos mesmos participantes do grupo focal antes da interação no grupo. O questionário compõe-se de uma seção de identificação para a criação de um perfil do grupo, e outra de associação, na qual os indivíduos devem atribuir valores de 1 a 5 (escala likert) a características do mediador e da aprendizagem colaborativa, considerando a sua aproximação com cada uma das características. A análise dos dados será feita de forma qualitativa e representada através de gráficos, tabelas e mapas conceituais. Considerações finais Por se tratar de uma pesquisa em andamento, ainda não há dados sistematizados para apresentação e discussão. Pode-se destacar o fato de que, a partir das pesquisas acerca da produção intelectual no Brasil, no que tange a aprendizagem colaborativa, a produção está mais concentrada nos programas de pós-graduação das áreas de Engenharias, do que nos cursos da área de Educação. Chama a atenção também o volume de trabalhos de conclusão de cursos de estudantes de graduação e pós-graduação lato sensu, da mesma forma que existem trabalhos que mencionam a aprendizagem colaborativa no título do trabalho ou nas palavras-chave, porém o conceito não aparece sistematizado no corpo do trabalho. Acredita-se que a investigação vai contribuir para o aprimoramento dos processos mediacionais pelos tutores a distância, bem como, para o desenvolvimento de ações formativas para estes profissionais. Referências

13 10955 ALVES, L; JAPIASSU, R; HETKOWSKI, T.. Trabalho colaborativo em/na rede: entrelaçando trilhas Disponível em: < Acesso em: 10 ago ARAGÃO, C. Trabalho colaborativo na web. Salvador: UNEB/ EAD, Módulo da Disciplina Trabalho colaborativo na web - Curso de Especialização em EAD. ASSMANN, H. (org). Redes digitais e metamorfose do aprender. Petrópolis, RJ: Vozes, CHERMANN, M.; BONINI, L. M.. Educação a distância: novas tecnologias em ambientes de aprendizagem pela Internet. São Paulo: Universidade Braz Cubas, COSTA, R. C. de A. R.. O TUTOR ONLINE NA EAD: Perfil, atribuições e Importância. Disponível em: < Acesso em: 20 jun FERREIRA, D. J.. Mediação docente em processos colaborativos de produção de conhecimentos na Web. UNB, Tese de Doutorado. Disponível em: < Acesso em: 25 ago FONSECA, V. da. Aprender a Aprender: a educabilidade cognitiva. Porto Alegre: Artmed, FREIRE, P. e SHOR, I. Medo e ousadia - O cotidiano do professor. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008, 12ª ed. GATTI, B. A. Grupo focal na pesquisa em Ciências Sociais e Humanas. Brasília, DF: Liber Livro, GERVAI, S. M. S.. A Mediação Pedagógica em contextos de aprendizagem online. PUC- SP, Tese de doutorado. Disponível em: < Acesso em: 25 ago LÉVY, P.; ALTHIER, M.. As Árvores de Conhecimentos. São Paulo: Escuta, LÉVY, P.. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, MACHADO, L. D.. O papel do tutor em ambientes online. Fortaleza, Disponível em < Acesso em: 20 ago MASETTO, M. T. Mediação pedagógica e uso da tecnologia. In: MORAN, J. M.; BEHRENS, M. A.; MASETTO, M. T.. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas, SP: Papirus, 2008, 14ª ed. MOORE, M.; KEARSLEY, G.. Educação a distância: uma visão integrada. Tradução de Roberto Galman. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

14 10956 MOSCOVICI, S. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar Editores, OLIVEIRA, C. L. A. P.; LIMA, J. G. O.; MERCADO, L. P. L.; Tutoria online no Programa de Formação Continuada de professores em Mídias na Educação. In: MERCADO, L. P. L. (org.). Práticas de formação de professores na educação a distância. Maceió: EDUFAL, OLIVEIRA, M. K.. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione, ONRUBIA, J.; COLOMINA, R.; ENGEL, A.. Os ambientes virtuais de aprendizagem baseados no trabalho em grupo e na aprendizagem colaborativa. In: COLL, C.; MONEREO, C. e Cols.. Psicologia da Educação Virtual: aprender e ensinar com as tecnologias da informação e comunicação. Tradução Naila Freitas. Porto Alegre: Artmed, PAAS, L. C.. A Integração da Abordagem Colaborativa à Tecnologia Internet para Aprendizagem Individual e Organizacional no PPGEP. UFSC. Florianópolis, Dissertação de Mestrado. Disponível em: < Acesso em: 25 ago SILVA, M. Os professores e o desafio comunicacional da cibercultura. In: FREIRE, W. (org.) Tecnologias e educação: as mídias na prática docente. Rio de Janeiro: Wak, 2008 (a).. Cibercultura e educação: a comunicação na sala de aula presencial e online. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 37, p , dezembro de 2008 (b), quadrimestral. Disponível em: < /article/view/5557/5041>. Acesso em: 17 ago Criar e professorar um curso online: relato de experiência. In: SILVA, M. (org.). Educação online. São Paulo: Loyola, SANTOS, E. O.. Formação de professores e cibercultura: novas práticas curriculares na educação presencial e a distância. In: Revista da FAEEBA Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 11, n. 17, p , jan/jun, VALENTE, V. R. de M.. A formação de professores para o uso das tecnologias da informação e comunicação no processo pedagógico: caminhos percorridos pelo núcleo de educação e tecnologias da rede municipal de ensino de Salvador. UNEB, Dissertação de Mestrado. Disponível em: < >. Acesso em: 25 jul ZANATTA DA ROS, S. Pedagogia e mediação em Reuven Feuerstein: o processo de mudança em adultos com história de deficiência. São Paulo: Plexus, 2002.

Apontamentos sobre mediação e aprendizagem colaborativa no curso de especialização em EaD na UNEB

Apontamentos sobre mediação e aprendizagem colaborativa no curso de especialização em EaD na UNEB 1 Apontamentos sobre mediação e aprendizagem colaborativa no curso de especialização em EaD na UNEB ELAINE DOS REIS SOEIRA Do contexto É notória a expansão da educação a distância online, porém muitos

Leia mais

Mediação e aprendizagem colaborativa na EaD - um estudo a partir da percepção dos estudantes da especialização em EaD na UNEB

Mediação e aprendizagem colaborativa na EaD - um estudo a partir da percepção dos estudantes da especialização em EaD na UNEB Mediação e aprendizagem colaborativa na EaD - um estudo a partir da percepção dos estudantes da especialização em EaD na UNEB Elaine dos Reis Soeira 1 (IFBA) Resumo: No intuito de entender a relação da

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

A Prática Educativa na EAD

A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD Experiências na tutoria em EAD Disciplina de Informática Educativa do curso de Pedagogia da Ufal nos pólos de Xingó, Viçosa e São José da Laje (2002-2004).

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 OS SENTIDOS DO PIBID PARA A FORMAÇÃO DOCENTE PARA LICENCIANDOS DOS CURSOS DE LETRAS/PORTUGUÊS E CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DO IFAL/POLO MACEIÓ APROXIMAÇÕES INICIAIS Leonara Evangelista de Figueiroa Leonara100@gmail.com

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

TUTOR EM EAD. Quem é? - Tutor/Educador. Educação à Distância - Profissional que acompanha o aluno nas aulas virtuais.

TUTOR EM EAD. Quem é? - Tutor/Educador. Educação à Distância - Profissional que acompanha o aluno nas aulas virtuais. TUTOR EM EAD Quem é? - Tutor/Educador - Competência em Educação à Distância - Profissional que acompanha o aluno nas aulas virtuais. SURGIMENTO Com a implantação da EAD surgiu a necessidade de um educador/tutor

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto PROJETO 7 1. Identificação do projeto Título:Cinema, vídeo e tridimensionalidade: o AVA-AV na integração do ensino presencial e a distância. Responsável:Dra. Ana Zeferina Ferreira Maio Vínculo institucional:professora

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006).

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006). 1 FORMAÇÃO E AÇÃO DO DOCENTE ONLINE RODRIGUES, Tatiana Claro dos Santos UNESA taticlaro@globo.com GT-16: Educação e Comunicação Agência Financiadora: CAPES Introdução As tecnologias da informação e comunicação

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Resumo O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Alecia Saldanha Manara- UNISC- gringamanara@yahoo.com.br Indiara Freitas- UNISC- indi.enfa@hotmail.com As novas tecnologias, principalmente

Leia mais

DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA. Curitiba - PR - Outubro de 2014

DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA. Curitiba - PR - Outubro de 2014 1 DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA Curitiba - PR - Outubro de 2014 Fabio Maia - AVM Faculdade Integrada - fabiomaia.di@gmail.com Educação Superior Teorias e Modelos Inovação

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

TRABALHO DOCENTE VIRTUAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

TRABALHO DOCENTE VIRTUAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TRABALHO DOCENTE VIRTUAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA É o trabalho educativo desenvolvido pelo docente numa modalidade de ensino na qual os sujeitos envolvidos estabelecem uma relação pedagógica em que a comunicação

Leia mais

Interatividade na docência e aprendizagem online

Interatividade na docência e aprendizagem online Interatividade na docência e aprendizagem online ou a pedagogia do parangolé Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem

Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem Prof. Me. Wagner Antonio Junior Secretaria Municipal da Educação de Bauru e-mail: wag.antonio@gmail.com Pôster Pesquisa em andamento A

Leia mais

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente.

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente. REPENSANDO O PLANEJAMENTO DIDÁTICO PARA UMA PRÁTICA INOVADORA EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DOCENTE. Cecilia Gaeta Universidade Federal de São Paulo UNIFESP (professora convidada) Martha Prata-Linhares Universidade

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

Introdução a EaD: Um guia de estudos

Introdução a EaD: Um guia de estudos MÓDULO BÁSICO PROFESSORES FERNANDO SPANHOL E MARCIO DE SOUZA Introdução a EaD: Um guia de estudos Realização: guia de estudo SUMÁRIO UNIDADE 1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1.1 Entendendo a EaD 5

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

A EFICÁCIA DE CURSOS A DISTÂNCIA PARA A FORMAÇÃO DE AGENTES DE METROLOGIA LEGAL E FISCAIS DA QUALIDADE

A EFICÁCIA DE CURSOS A DISTÂNCIA PARA A FORMAÇÃO DE AGENTES DE METROLOGIA LEGAL E FISCAIS DA QUALIDADE 1 A EFICÁCIA DE CURSOS A DISTÂNCIA PARA A FORMAÇÃO DE AGENTES DE METROLOGIA LEGAL E FISCAIS DA QUALIDADE Rio de Janeiro, RJ, Maio 2012 Categoria: F - Pesquisa e Avaliação Setor Educacional: 5 Classificação

Leia mais

ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE

ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE Florianópolis - SC Abril 2015 Aline Linhares F. Silveira. IEA e-learning- aline.silveira@iea.com.br

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT Campus Virtual 2 A. JUSTIFICATIVA A vida universitária tem correspondido a um período cada vez mais

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB)

O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB) O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB) 076-A3 05/2005 Sônia Regina de Andrade Universidade Regional de Blumenau,

Leia mais

Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa

Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa Mariana da Rocha C. Silva Mariana C. A. Vieira Simone C. Marconatto Faculdade de Educação-Unicamp Educação e Mídias

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância Parte 1 Código / Área Temática 34/Educação de Jovens e

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 03 DOCÊNCIA E TUTORIA NA EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Introdução A Educação a Distância, por meio dos inúmeros recursos didáticos e tecnológicos,

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades

O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades Rodolfo Fortunato de Oliveira Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP rodolfo_fdeoliveira@hotmail.com

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS

TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS O que é mesmo Educação a Distância (EAD)? Você está fazendo um curso a distância, mas já parou para pensar no conceito

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

CURSOS DE EXTENSÃO NA MODALIDADE EAD NA EMC/UFG*

CURSOS DE EXTENSÃO NA MODALIDADE EAD NA EMC/UFG* CURSOS DE EXTENSÃO NA MODALIDADE EAD NA EMC/UFG* ALVES, Ricardo Henrique Fonseca 1 ; DEUS JÚNIOR, Getúlio Antero de 2 ; CASTRO, Marcelo Stehling de 3 ; LEMOS, Rodrigo Pinto 4 Palavras-chave: Ensino a Distância

Leia mais

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA Autor - Juliana ALVES - IFTM 1 Coautor - Andriza ASSUNÇÃO IFTM 2 Coautor - Aparecida Maria VALLE IFTM 3 Coautor - Carla Alessandra NASCIMENTO

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Pedagogia de Projetos: fundamentos e implicações PRADO, Maria Elisabette Brisola Brito. Pedagogia de projetos: fundamentos e implicações. In: ALMEIDA, Maria Elizabeth

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Brasília - DF- Fevereiro 2013 Priscila Alessandra da Silva Universidade Federal de Brasília priscilaalesilva@gmail.com Fernanda Carla Universidade

Leia mais

TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral. Introdução

TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral. Introdução TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral Introdução Buscando no dicionário a palavra tutor vamos encontrar como primeira definição o jurídico: indivíduo que exerce uma tutela (dita tutoria)

Leia mais

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS São Luís MA maio de 2012 Categoria: C Setor Educacional: 3 Classificação das áreas de pesquisa em EAD Macro: C / Meso: J /

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Maria das Neves e o Protagonismo Juvenil Paulista PE Resumo A série Sua Escola, Nossa Escola aborda experiências com o uso das novas tecnologias nos processos didático-pedagógicos,

Leia mais

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail. Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.com Perspectivas de análise: EAD e mudança Perspectivas de análise:

Leia mais

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA Claudson Santana Almeida Junho 2012 Introdução O que o leitor encontrará neste artigo? Uma apresentação do sistema de Ensino a Distância (EAD), conhecer as vantagens e

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE FORMAÇÃO À DISTÂNCIA

ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE FORMAÇÃO À DISTÂNCIA ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE FORMAÇÃO À DISTÂNCIA Mônica Mota Tassigny Professora doutora da Universidade de Fortaleza, UNIFOR, Brasil 1. INTRODUÇÃO Numa sociedade mundial, na qual

Leia mais

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Maio/2010 AMARAL, Rita de Cássia Borges de Magalhães

Leia mais

EMITec/BA: INTERATIVIDADE EM TEMPO REAL E SUA CONTRIBUIÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

EMITec/BA: INTERATIVIDADE EM TEMPO REAL E SUA CONTRIBUIÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1 EMITec/BA: INTERATIVIDADE EM TEMPO REAL E SUA CONTRIBUIÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Salvador BA Maio 2014 Letícia Machado dos Santos Secretaria de Educação do Estado da Bahia letícia.machado@educacao.ba.gov.br

Leia mais

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg.

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg. CURSO DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS ON-LINE: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

REDU: UM AMBIENTE VIRTUAL COLABORATIVO PARA ENSINO DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO. Porto Nacional TO Maio 2012

REDU: UM AMBIENTE VIRTUAL COLABORATIVO PARA ENSINO DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO. Porto Nacional TO Maio 2012 REDU: UM AMBIENTE VIRTUAL COLABORATIVO PARA ENSINO DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO Porto Nacional TO Maio 2012 Categoria: Métodos e Tecnologia Setor Educacional: 3 Classificação das Áreas de Pesquisa

Leia mais

INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE EDUCACIONAL: PERSPECTIVAS SOB O OLHAR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE EDUCACIONAL: PERSPECTIVAS SOB O OLHAR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE EDUCACIONAL: PERSPECTIVAS SOB O OLHAR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL CAMARGO, Renata Gomes UFSM re_kmargo@hotmail.com Eixo Temático: Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD

FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD PROFª Mª MARIA DA GRAÇA GONÇALVES VINHOLI- GT-EAD E SENACmgvinholi@yahoo.com.br mariadagraca@ms.senac.br QUEM É O TUTOR? Mantendo a essência do termo e, transpondo

Leia mais

A AVALIAÇÃO NA EAD: CONTEXTUALIZANDO UMA EXPERIÊNCIA NA GRADUAÇÃO. Rio de Janeiro- RJ- maio 2012

A AVALIAÇÃO NA EAD: CONTEXTUALIZANDO UMA EXPERIÊNCIA NA GRADUAÇÃO. Rio de Janeiro- RJ- maio 2012 1 A AVALIAÇÃO NA EAD: CONTEXTUALIZANDO UMA EXPERIÊNCIA NA GRADUAÇÃO Rio de Janeiro- RJ- maio 2012 - Categoria: C Setor educacional: 3 Classificação das Áreas de Pesquisa em EAD Macro: 4/ Meso:4/ Micro:1

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

fundamentos teóricos e práticos necessários ao processo de inclusão do aluno com Deficiência Visual.

fundamentos teóricos e práticos necessários ao processo de inclusão do aluno com Deficiência Visual. A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

Pedagogia de projetos Maria Elisabette Brisola Brito Prado 1

Pedagogia de projetos Maria Elisabette Brisola Brito Prado 1 Pedagogia de projetos Maria Elisabette Brisola Brito Prado 1 Pedagogia de projetos: fundamentos e implicações Se fizermos do projeto uma camisa de força para todas as atividades escolares, estaremos engessando

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS São Paulo SP Maio 2012 Setor Educacional Educação Corporativa Classificação das Áreas

Leia mais

DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT

DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT DIRETRIZES DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO SISTEMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO DA MAGISTRATURA DO TRABALHO - SIFMT 1 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2. CENÁRIO PROFISSIONAL 3. CONCEPÇÃO DA APRENDIZAGEM E METODOLOGIA 4. ESTRATÉGIAS

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES)

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) 1 APRESENTAÇÃO Este manual é um documento informativo visando orientar a comunidade acadêmica quanto ao processo de

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS *

A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS * A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS * Joserlene Lima Pinheiro Universidade Estadual do Ceará Marcilia Chagas

Leia mais

A MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SOB A ÓTICA CONSTRUTIVISTA: UMA ANÁLISE DO CURSO DE TURISMO DA CATÓLICA VIRTUAL. Brasília DF, 05/2014

A MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SOB A ÓTICA CONSTRUTIVISTA: UMA ANÁLISE DO CURSO DE TURISMO DA CATÓLICA VIRTUAL. Brasília DF, 05/2014 1 A MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SOB A ÓTICA CONSTRUTIVISTA: UMA ANÁLISE DO CURSO DE TURISMO DA CATÓLICA VIRTUAL Brasília DF, 05/2014 Camila Aparecida de Carvalho Universidade Católica de

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES TUTORES PARA O ENSINO DE TEATRO À DISTÂNCIA

REFLEXÕES SOBRE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES TUTORES PARA O ENSINO DE TEATRO À DISTÂNCIA REFLEXÕES SOBRE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES TUTORES PARA O ENSINO DE TEATRO À DISTÂNCIA Luzirene do Rego Leite, Kalina Lígia de Almeida Borba Universidade de Brasília luzirene@gmail.com; kalinaborba@gmail.com

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHSADCSAMT04 A MONITORIA COMO SUBSÍDIO AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM: O CASO DA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NO CCHSA-UFPB Moisés de Assis Alves Soares (1) ; Kadidja Ferreira Santos (3) ;

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Técnico em Informática na Formação de Instrutores Carga Horária: 1000 horas Estágio Curricular:

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO 2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO Maria do Rozario Gomes da Mota Silva 1 Secretaria de Educação do

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO ESPECIALIZAÇÃO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO VÂNIA RABELO DELGADO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO ESPECIALIZAÇÃO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO VÂNIA RABELO DELGADO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO ESPECIALIZAÇÃO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO VÂNIA RABELO DELGADO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI UTILIZAÇÃO DO LABORATORIO DE INFORMÁTICA Guarapuava 2013

Leia mais