EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS"

Transcrição

1 EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Um EMPRÉSTIMO é um contrato entre o cliente e a instituição financeira pelo qual ele recebe uma quantia que deverá ser devolvida ao banco em prazo determinado, acrescida dos juros acertados. Os recursos obtidos no empréstimo não têm destinação específica. Um FINANCIAMENTO assim como o empréstimo bancário também é um contrato entre o cliente e a instituição financeira, mas com destinação específica dos recursos tomados, como, por exemplo, a aquisição de veículo ou de bem imóvel. Geralmente o financiamento possui algum tipo de garantia, como, por exemplo, alienação fiduciária ou hipoteca. CRÉDITO DIRETO AO CONSUMIDOR CDC São Financiamentos concedidos por Instituições Financeiras para seus clientes para aquisição de bens (automóveis, eletrodomésticos) e serviços, ou até sem destinação específica quando se torna um simples empréstimo. Normalmente os bancos já liberam um limite para seus clientes que podem ativá-la via autoatendimento ou internet banking. É possível também obter o financiamento CDC com Financeiras sem a necessidade de ser cliente e pagar as prestações via boleto bancário O pagamento do CDC é realizado via prestações mensais, sucessivas e calculadas pelo sistema Price de amortização. O cliente pode amortizar ou liquidar antecipadamente o saldo devedor com redução proporcional dos juros. A taxa de juros contratada, bem como as prestações, não sofrerão alterações até o final do contrato caso seja utilizada a taxa de juros prefixada. Também é possível contratar o CDC com taxas de juros pós-fixadas como exemplo CDI+ taxa de juros, ou TR + taxa de juros. As tarifas, juros de acerto e IOF são incorporados ao saldo devedor e incluídos nas prestações pagas mensalmente. As garantias exigidas pelas Instituições Financeiras dependem da modalidade e do valor, podendo ser Alienação Fiduciária do bem adquirido, Nota Promissória, ou até mesmo sem garantias adicionais. Conforme o tipo de bem dado em garantia deve ser cobertos com seguro oferecido pela própria IF ou outra empresa de seguros. PENHOR No Brasil, as operações de Penhor são monopólio da Caixa Federal. É uma forma de obter dinheiro rápido e sem burocracia com total segurança. O Penhor CAIXA é para quem precisa de dinheiro imediato. Basta entregar o bem, como garantia, e pegar o dinheiro na hora, sem análise cadastral ou avalista. Depois, basta pagar o empréstimo e pegar de volta o objeto penhorado. Jorge Luís Brugnera 1

2 Mesmo que esteja em algum cadastro de inadimplente, pode adquirir um empréstimo por meio do penhor. Limite: O valor do empréstimo pode ser de até 130% do valor do bem oferecido como garantia. Prazos: Os prazos disponíveis para quitação do empréstimo são: 30 a 180 dias e o parcelado até 60 meses. Encargos: Na contratação e na renovação, são exigidos: Juros pré-fixados; TAR - Tarifa de Avaliação e Renovação; IOF Imposto sobre Operações Financeiras. Resgate e indenizações: O resgate pode ser feito pelo mutuário ou por seu procurador. Renovação: O cliente poderá renovar o contrato por um novo período, no vencimento ou até mesmo antes, desde que pague juros e TAR. A renovação poderá ser feita várias vezes em todas as agências da CAIXA. Nesse caso, é preciso: A presença do mutuário, quando o valor do empréstimo aumentar; Pagar a diferença entre o que você deve e o valor do novo empréstimo, deduzindo as tarifas e encargos. Garantia: A garantia do empréstimo é o próprio objeto empenhado. São aceitos como garantias metais nobres, diamantes, pedras preciosas, pérolas cultivadas, canetas e relógios. Importante: Não é permitido fornecer empréstimo por procuração, a não ser que o pedido seja feito por alguém que não saiba ou não possa ler e escrever. Nesse caso, é necessário que haja alguém com poderes específicos para tomar empréstimo, firmar compromisso em título de crédito e constituir garantia. MICROCRÉDITO ORIENTADO São operações de Crédito para comprar equipamentos, matéria-prima ou melhorar o ambiente do negócio de pequenas empresas. O Microcrédito Crescer CAIXA é ideal para empreendedores formais ou informais e oferece uma equipe capacitada para visitar o seu empreendimento e esclarecer todas as suas dúvidas sobre formas de pagamento, prazos e limites do empréstimo. Ser maior de 18 anos ou emancipado e possuir conta na CAIXA; Não ter nome em cadastros de inadimplentes, como CADIN, SERASA, SINAD E SCPC. O valor mínimo é de R$ 300,00 e, de acordo com a necessidade e o porte do negócio, pode chegar até R$ 15 mil, conforme a evolução do empreendimento, sendo que a primeira contratação pode chegar até R$ 1.200,00 para Giro e, a partir do segundo contrato, até R$ 5.000,00 para Investimento. Pessoa Física: pode pagar em até 12 parcelas, dependendo da finalidade do crédito e das análises realizadas pela CAIXA, e escolher o melhor dia do mês para o vencimento da prestação; Pessoas Jorge Luís Brugnera 2

3 Jurídicas: o prazo de pagamento é de até 24 parcelas, dependendo da finalidade do crédito e das análises realizadas pela CAIXA, e você pode escolher o melhor dia para o vencimento da prestação. Exemplo de algumas Instituições de Microfinanças: BANCO PALMAS/CE; ICC SERRA/RS; ICINOM/MG; INSTITUTO PAJU/CE; MORADIA E CIDADANIA/BA LEASING Há três modalidades de leasing conforme veremos abaixo: 1- LEASING FINANCEIRO: É uma operação de financiamento sob a forma de locação particular. O Leasing Financeiro se aproxima de um empréstimo que ao final do prazo dá ao Arrendatário o direito de: 1. Renovar o contrato por um valor pré-estabelecido 2. Comprar o Bem exercendo o direito de Opção de Compra 3. Devolver o bem ao Arrendador Conforme regulamentação do BACEN, os contratos de Leasing Financeiro têm prazos mínimos conforme abaixo, não sendo permitida a liquidação antecipada antes de decorrido estes prazos: meses ou dois anos para bens com vida útil igual ou inferior a 5 anos (veículos, equipamentos de informática e telecomunicações) meses ou 3 anos imóveis e demais equipamentos É permitida a utilização do VRG Valor Residual Garantido no final do contrato ou já optando por ele no pagamento mensal da locação. 2 - LEASING OPERACIONAL: É a forma de Leasing contratada diretamente entre o produtor, também chamado de ARRENDADOR e usuários, chamados de ARRENDATÁRIOS. Os bens arrendados são produtos de alta tecnologia, com alto valor de revenda e mercado secundário ativo. São exemplos de bens objeto de Leasing Operacional: aeronaves, grandes computadores e periféricos, máquinas de alto valor etc. Estes contratos não têm a opção de compra no final. Não tem opção de VRG. Se o arrendatário desejar adquirir o bem deverá pagar o valor de mercado, mas também poderá devolver o bem a partir do prazo mínimo contratado. As prestações normalmente são menores do que o Leasing Financeiro. O prazo mínimo é de apenas 90 dias. Prazo máximo de 75% da vida útil do bem. 3 - SALE AND LEASE BACK ou LEASE BACK: Tipo de Leasing Financeiro, pelo qual o proprietário de um móvel ou imóvel o vende a outra companhia e de imediato faz o contrato de Jorge Luís Brugnera 3

4 leasing, ficando, com o uso do bem a ainda com opção de compra no final. Estas operações somente são permitidas para Pessoa Jurídica. CAPITAL DE GIRO: CHEQUE ESPECIAl: O Cheque Especial tem duas funções. Uma das funções é a distinção do cliente que goza de crédito perante o Banco, impressa no seu próprio cheque, e que facilita as negociações do emitente. A outra função, ainda mais importante, é a disponibilidade de crédito ao correntista no limite e condições do contrato. É comum constar no próprio extrato da conta o saldo do cliente mais o limite do cheque especial. HOT MONEY: É o empréstimo de curtíssimo prazo, normalmente por um dia, ou um pouco mais, no máximo em 29 dias. É comum, de forma a simplificar os procedimentos operacionais, para os clientes tradicionais neste produto, criar-se um contrato fixo de Hot, estabelecendo as regras deste empréstimo e permitindo a transferência de recursos ao cliente a partir de um simples telefonema, Fax ou , garantidos por uma Nota Promissória (NP) já previamente assinada, evitando-se assim o fluxo corrido de papéis para cada operação. CONTAS GARANTIDAS: Conta de Crédito com valor limite que normalmente é movimentada pelo cliente, desde que não haja saldo disponível na conta corrente de movimentação. À medida que, nessa última, existam valores disponíveis, estes podem ser transferidos de volta, para cobrir o saldo devedor da conta garantida. CRÉDITO ROTATIVO: Os contratos de abertura de crédito rotativo são linhas de crédito abertas com um determinado limite e que o cliente utiliza à medida de suas necessidades. EMPRÉSTIMOS DE CAPITAL DE GIRO: São contratos específicos que estabelecem prazos, taxas, valores e garantias necessárias de capital de giro das empresas com prazos mais longos. A forma de amortização, pagamento, é estabelecida de acordo com os interesses e necessidades das partes podendo ser em parcelas mensais iguais (tabela price) ou amortização constante (SAC), diferenciadas ou pagamento único no final do prazo. Os prazos são inferiores a um ano ( 12 meses) As garantias podem ser: Caução de Depósitos CDB RDB - Duplicatas normalmente 120% a 150% do valor da operação. ANTECIPAÇÃO DE RECEBÍVEIS DESCONTO DE DUPLICATAS Jorge Luís Brugnera 4

5 Empréstimo destinado a antecipar os valores a receber das vendas a prazo, financiadas através da emissão de duplicatas mercantis ou de serviços, emitidas pela empresa vendedora para as empresas clientes. Nestas operações normalmente são descontados também: CHEQUES PRÉ- DATADOS, FATURAS DE CARTÕES DE CRÉDITO: VENDAS REALIZADAS OU A REALIZAR Pela média dos últimos meses (Operação Fumaça ). VENDOR FINANCE É FINANCIAMENTO DE VENDAS baseada no princípio de Cessão de Crédito. A empresa compradora deve ser cliente tradicional da vendedora já que esta assumirá o risco como intermediadora. A vendedora transfere seu crédito ao banco e este, em troca de uma taxa, paga a vendedora à vista e financia o comprador. VANTAGENS: Para a empresa vendedora a mercadoria é faturada com preço à vista, não havendo incidência de impostos e demais encargos que ocorreriam se a venda fosse à prazo com valor maior. Para o cliente comprador há a possibilidade de um prazo maior para o pagamento de suas mercadorias, digamos 180 dias, e com juros mais baratos do que utilização de cheque especial ou empréstimos de capital de giro. A formalização do contrato sempre é entre a empresa vendedora e a Instituição Financeira que também fica responsável caso o comprador não pague a fatura. COMPROR FINANCE É uma Operação inversa ao Vendor normalmente utilizada por grandes lojas que compram de pequenas indústrias. Neste caso, em vez de o vendedor (indústria) ser o fiador do contrato, o próprio comprador é que funciona com tal porque é ele que procura o crédito junto ao Banco onde possui conta corrente. FINANCIAMENTOS PARA CAPITAL FIXO É financiamento de longo prazo para aquisição de imóveis, máquinas e equipamentos destinados a produção ou geração de receitas para empresas. Geralmente são repasses do Governo Federal através de diversas linhas de crédito que são operacionalizados por Bancos que se credenciam perante o BNDES. Exemplos: BNDES AUTOMÁTICO (LP) - Programa destinado a financiar investimentos, incluindo aquisição de máquinas e equipamentos nacionais (FINAME), credenciados pelo BNDES e Capital de Giro associados através de instituições financeiras credenciadas pelo BNDES FINAME (LP) - Empréstimo destinado a financiar a aquisição de máquinas e equipamentos novos, de fabricação nacional, através de instituições financeiras credenciadas. Jorge Luís Brugnera 5

6 Sem limite de valor, condicionado à capacidade de pagamento das empresas com prazos normalmente até 60 meses. FINEM - Empréstimos destinados ao financiamento de empreendimento com valores superiores a R$ 10 milhões, incluindo a aquisição de máquinas e equipamentos novos, de fabricação nacional, credenciados pelo BNDES. Também para capital de giro associado realizado diretamente com o BNDES ou através de instituições financeiras credenciadas. SIMULADOS 1) O prazo mínimo nas operações de Leasing Financeiro para Veículos é de: a) 36 meses b) 48 meses c)24 meses d)12 meses 2) Nas operações de Leasing Financeiro para Veículos a responsabilidade pela manutenção do bem é do: a) Arrendador b) Locatário c) Fornecedor d) Arrendatário 3) Nas operações de Leasing Financeiro o bem arrendado é de propriedade do(a): a) Arrendador b) Locatário c) Fornecedor d) Arrendatário 4) Nas operações de Crédito Direto ao Consumidor CDC: a) O tomador do empréstimo deve ser cliente da Instituição Financeira e ter cadastro aprovado b) O tomador do empréstimo não necessita ser cliente da IF, mas ter seu cadastro aprovado pela instituição. c) O tomador do empréstimo deve ser cliente da IF e não necessita atualizar seu cadastro d) Só pode ser realizada para clientes com conta a mais de um ano na I.F. 5) Considera-se operação de Arrendamento Mercantil Financeiro quando: a) As despesas de manutenção, assistência técnica e serviços correlatos à oportunidade do bem arrendado sejam de responsabilidade do arrendador b) O preço para o exercício da opção de compra seja livremente pactuado, não podendo ser o valor de mercado do bem Jorge Luís Brugnera 6

7 c) As despesas de manutenção, assistência técnica e serviços correlatos à oportunidade do bem arrendado sejam de responsabilidade da arrendatária d) O preço para o exercício da opção de compra seja definido como o valor de mercado do bem ao final do contrato. 6) As operações de crédito bancário apresentam diversas modalidades de linhas de créditos, em função do direcionamento dos recursos e do tipo de instituição que está concedendo o recurso. Sobre este assunto, marque a alternativa CORRETA: a) O Hot Money é uma linha de crédito destinada ao financiamento das exportações, sendo operacionalizada exclusivamente por bancos estrangeiros atuando no país. b) Os empréstimos para capital de giro são operações típicas de bancos de investimento, com abertura de linhas específicas sem limites de crédito e garantias. c) O crédito direto ao consumidor é um financiamento destinado para aquisição de bens e serviços, operação típica das financeiras e de bancos comerciais, com carteira de crédito, financiamento e investimento. d) O desconto de duplicatas ou notas promissórias é uma operação de empréstimo exclusivo de bancos comerciais. e) A conta garantida é uma linha especial de financiamento de capital de giro que deve ser quitada integralmente no vencimento estabelecido no prazo concedido no contrato. 7) Os empréstimos de curto prazo são os Hot Money podendo ser contratados por: a) de 1 dia até uma semana b) de 1 dia até 4 dias c) de 1 dia até 15 dias d) de 1 dia até 30 dias 8) Chama-se leasing a operação a) de financiamento do BNDES através da FINAME b) através da qual se obriga um fiador a garantir operação de crédito Jorge Luís Brugnera 7

8 c) que permite ao arrendatário o uso de um bem sem precisar comprálo d) de swap de taxa de juros e) que permite a internalização de recursos externos 9) O investidor que realizar aplicações de seu dinheiro em um condomínio onde há a contratação de um administrador, gestor, custodiante e auditores independentes estará aplicando em um: a) CDB b) Fundo de Investimento c) Crédito Privado d) Título Público Federal e) Título Público Estadual 10) O tipo de aplicação onde o investidor destina seus recursos a um gestor que aplicará em imóveis que se destinarão normalmente para locação comercial e os rendimentos são distribuídos entre os cotistas é denominado: a) CDB b) Crédito Privado c) Tesouro Direto d) Fundo de Investimento Imobiliário e) Fundo de Investimento em Ações 11) A aplicação que permite à Pessoa Física comprar títulos públicos federais diretamente do Tesouro Nacional é: a) Fundo de Investimento b) CDB c) Tesouro Direto d) Letra Financeira e) Fundo de Investimento Jorge Luís Brugnera 8

9 12) O investidor que empresta dinheiro a empresa para que invista ou pague dívidas gerando títulos como Debêntures, e Cédulas de Crédito Bancário- CCB esta operação é de: a) CDB b) Fundo de Investimento c) Fundo de Ações d) Crédito Privado e) Título Público 13) A pessoa física que adquire um Cartão de Crédito junto à um Banco que é associado à uma Administradora de Cartões de Crédito é denominado: a) Adquirer b) Estabelecimento c) Portador d) Emissor e) Credenciador 14) A administradora que afilia estabelecimentos para que possam vender com Cartões de Crédito e fazem a transmissão dos dados entre o estabelecimento e a administradora é denominada: a) Adquirer b) Estabelecimento c) Portador d) Emissor e) Credenciador 15) No Brasil, a operação em que o interessado dá em garantia uma joia ou metal precioso para obtenção de empréstimo sem destinação específica e que é monopólio da Caixa Econômica Federal é denominada: a) CDC b) Penhor c) Hipoteca d) Alienação Fiduciária e) Leasing Jorge Luís Brugnera 9

10 16) A operação de crédito onde a empresa vendedora transfere seu crédito ao banco e este, em troca de uma taxa, paga a vendedora à vista e financia o comprador é: a) CDC b) Leasing c) Vendor d) Compror e) Antecipação de recebíveis 17) Quando a empresa vendedor realiza vendas a prazo e desconta suas duplicatas junto à uma Instituição Financeira para obter recursos de capital de giro esta operação é denominada: a) CDC b) Leasing c) Vendor d) Compror e) Antecipação de recebíveis 18) Qual é o Produto do BNDES que, baseado no conceito de cartão de crédito, visa financiar os investimentos das micro, pequenas e médias empresas (MPMEs)com faturamento anual até 90 milhões de reais e elas pagam em prestações mensais fixas a taxas de juros competitivas? a) Finep b) BNDES automático c) Finame d) Cartão BNDES e) Finem 19) São Financiamentos concedidos por Instituições Financeiras para seus clientes para aquisição de bens (automóveis, eletrodomésticos) e serviços, ou até sem destinação específica. Jorge Luís Brugnera 10

11 a) CDC b) Leasing c) Vendor d) Compror e) Antecipação de recebíveis 20) A Conta de Crédito com valor limite que normalmente é movimentada pelo cliente, desde que não haja saldo disponível na conta corrente de movimentação é: a) CDC b) Conta Garantida c) Vendor d) Leasing e) Antecipação de recebíveis 1) C 2) D 3) A 4) B 5) C 6) C 7) A 8) C 9) B 10) D 11) C 12) D 13) C 14) A 15) B 16) C 17) E 18) D 19) A 20) B Jorge Luís Brugnera 11

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

Produtos Bancários CAIXA

Produtos Bancários CAIXA Produtos Bancários CAIXA Item 2- Penhor CAIXA O Penhor CAIXA é para quem precisa de dinheiro imediato e sem burocracia. Basta entregar o bem, como garantia, e pegar o dinheiro na hora, sem análise cadastral

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas CAPTAÇÃO DE RECURSOS APLICAÇÃO DE RECURSOS INSTITUIÇÃO

Leia mais

AULA 08. Produtos e Serviços Financeiros II

AULA 08. Produtos e Serviços Financeiros II AULA 08 Produtos e Serviços Financeiros II Operações Ativas As operações ativas são aquelas em que o banco, além dos investimentos destinados à formação do seu ativo permanente e disponibilidades, atua

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail. UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.com Caderneta de Poupança A caderneta de poupança foi criada em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Administração e Análise Financeira e Orçamentária 2 Copyright Pereira, F. I. Prof.

Leia mais

Módulo 2 Pr T odít ut U os L e O S erx viços Financeiros

Módulo 2 Pr T odít ut U os L e O S erx viços Financeiros Módulo 2 Produtos TÍTULO e Serviços X Financeiros CRÉDITO PESSOAL Olá! Neste módulo, vamos aprofundar nossos conhecimentos sobre os produtos e serviços financeiros que podemos oferecer aos nossos clientes.

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar:

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar: EDITAL 2012 1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos

Leia mais

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho Professor Luiz Antonio de Carvalho Produtos Bancários PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS A intermediação financeira é o principal produto de um banco, pois capta o dinheiro excedente e empresta a quem precisa.

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Sociedades de Fomento Mercantil (Factoring); NÃO integram o SFN; As empresas de factoring se inserem na livre

Leia mais

Linhas de Crédito. Capital de Giro

Linhas de Crédito. Capital de Giro Linhas de Crédito Capital de Giro Apresentação FIESP Jul/2015 Operações mais utilizadas NOME CONTA GARANTIDA CAIXA CH.EMPRESA CAIXA CREDITO ESPECIAL EMPRESA - PRE/PRICE - GARANTIA FGO GIROCAIXA RECURSOS

Leia mais

BRB Banco de Brasília Escriturário

BRB Banco de Brasília Escriturário A2-AB98 29/12/2009 BRB Banco de Brasília Escriturário Conhecimentos Bancários Brasília 2010 2010 Vestcon Editora Ltda. Todos os direitos autorais desta obra são reservados e protegidos pela Lei nº 9.610,

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS.

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. Facilitador: Wolney Luis do Nascimento Sousa. Responsável pelo Evento: 1 LINHAS DE CRÉDITO Motivos Vantagens Desvantagens Aplicação 2 LINHAS DE CRÉDITO Função dos Bancos Para

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

LEASING UMA OPÇÃO DE FINANCIAMENTO

LEASING UMA OPÇÃO DE FINANCIAMENTO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Módulo 11 Corretora de Seguros

Módulo 11 Corretora de Seguros Módulo 11 Corretora de Seguros São pessoas físicas ou jurídicas, que se dedicam a angariar e promover contratos entre as Sociedades Seguradoras e seus clientes. A habilitação e o registro do corretor se

Leia mais

4/2/2011 DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO ATAS DO COPOM TAXA SELIC

4/2/2011 DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO ATAS DO COPOM TAXA SELIC CMN ORGAO MAXIMO DELIBERATIVO MINISTÉRIO DA FAZENDA, MINISTERIO DO PLANEJAMENTO, BACEN COMOC RESOLUÇÕES COPOM DIRETRIZES DA POLÍTICA MONETÁRIA TAXA BÁSICA DE JUROS 08 MEMBROS 08 REUNIÕES RELATÓRIO DA INFLAÇÃO

Leia mais

AULA 06 PRODUTOS BANCÁRIOS

AULA 06 PRODUTOS BANCÁRIOS 1 2 Identificar os principais produtos e serviços oferecidos pelos bancos no Brasil; 3 I INTRODUÇÃO 4 II - DESENVOLVIMENTO 1. PRODUTOS BANCÁRIOS 2. TIPOS DE CONTAS 3. OPERAÇÕES ATIVAS a. Cheque Especial

Leia mais

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos Atualizada em 29/04/2015 Capital de Giro BB Capital de Giro Mix Pasep Recebíveis Antecipação de Crédito Lojista ACL Financiamento de Investimentos BB Crédito Empresa BB Giro Empresa Flex BB Giro Cartões

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO LINHAS DE CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENA E MÉDIA EMPRESAS Novembro 2008 FUNGETUR Fundo Geral de Turismo Fomentar e prover recursos para o financiamento de atividades

Leia mais

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Direito Empresarial II Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Contratos Aula 18 Contratos: Teoria Geral; Classificação; Requisitos; Objetos; Elementos; Contratos em Espécie: Compra

Leia mais

Viabilizando o Crédito

Viabilizando o Crédito Palestra: Viabilizando o Crédito Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br O que é CRÉDITO? Credare: Confiar, acreditar. Percepção externa baseada

Leia mais

Renda Fixa. Letra de Crédito Imobiliário

Renda Fixa. Letra de Crédito Imobiliário Renda Fixa Letra de Crédito Imobiliário Letra de Crédito Imobiliário Uma alternativa para diversificação de carteira de investimento O produto Letra de Crédito Imobiliário () é um título de crédito, lastreado

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS. Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva.

MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS. Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva. MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva. 1 Segmentação do Mercado Financeiro MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL JUROS:

Leia mais

5º Workshop da Plataforma do Empreendedor

5º Workshop da Plataforma do Empreendedor 5º Workshop da Plataforma do Empreendedor Lisboa, AIP-CE 27 de Maio de 2010 EMPREENDEDORISMO Da ideia à actividade. O Montepio apoia a criação de negócios independentemente da sua dimensão e está disponível

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA. Renda Fixa. Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA

Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA. Renda Fixa. Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio Viabiliza o financiamento da cadeia do agronegócio com recursos privados O produto

Leia mais

3.1 - Estrutura do SFN

3.1 - Estrutura do SFN 1 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Estrutura do SFN 3.2 Subsistema normativo 3.3 Subsistema de intermediação 3.4 Títulos públicos negociados no MF 3.5 Principais papéis privados negociados no MF 3/4/2012

Leia mais

GUIA PRÁTICO DO ARRENDAMENTO MERCANTIL

GUIA PRÁTICO DO ARRENDAMENTO MERCANTIL GUIA PRÁTICO DO ARRENDAMENTO MERCANTIL Sumário O que é Leasing?... 04 As partes deste negócio... 05 Entendendo o Leasing... 06 Modalidades de Leasing... 07 A escolha do bem... 08 Este guia tem por objetivo

Leia mais

Contas a Pagar e Contas a receber

Contas a Pagar e Contas a receber Treinamento Financeiro Contas a Pagar e Contas a receber Jéssica Rodrigues Pedro Amauri 1 Duplicatas O que são duplicatas? A duplicata mercantil ou simplesmente duplicata é uma espécie de título de crédito

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

PRODUTOS BANCÁRIOS. Leasing

PRODUTOS BANCÁRIOS. Leasing Leasing É uma operação realizada mediante contrato, na qual o dono do bem (arrendador) concede a outrem (arrendatário) a utilização do mesmo, por prazo determinado. Formalização: Contratos Encargos: Taxas

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br Juros Simples Juros simples é o acréscimo percentual que normalmente é cobrado quando uma dívida não foi pago na data do vencimento. Financiamento de casa própria A casa própria é o sonho de muitas famílias,

Leia mais

MANUAL DE ESTATÍSTICAS AGREGADAS DE CRÉDITO E DE ARRENDAMENTO MERCANTIL

MANUAL DE ESTATÍSTICAS AGREGADAS DE CRÉDITO E DE ARRENDAMENTO MERCANTIL MANUAL DE ESTATÍSTICAS AGREGADAS DE CRÉDITO E DE ARRENDAMENTO MERCANTIL Regulamenta os procedimentos a serem adotados pelas instituições financeiras para apuração das informações agregadas sobre operações

Leia mais

Nota para a Imprensa de Política Monetária e Operações de Crédito

Nota para a Imprensa de Política Monetária e Operações de Crédito Nota para a Imprensa de Política Monetária e Operações de Crédito Nova estrutura de dados de crédito Nota Metodológica 1. Introdução Esta Nota tem por objetivo descrever os principais aprimoramentos incorporados

Leia mais

8) Qual o papel da administradora?

8) Qual o papel da administradora? 1) Como funciona o consórcio? R= Consórcio é um sistema que reúne em grupo pessoas físicas e/ou jurídicas com interesse comum para compra de bens ou serviços, por meio de autofinanciamento, onde o valor

Leia mais

Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS. Convênio. Banco do Brasil e Liquigás

Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS. Convênio. Banco do Brasil e Liquigás Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS Convênio Banco do Brasil e Liquigás 2 Senhores Revendedores e Transportadores, O convênio firmado com o Banco do Brasil propiciar aos Revendedores

Leia mais

Fontesde Financiamentoe CustodaDívidano Brasil. Prof. Cláudio Bernardo

Fontesde Financiamentoe CustodaDívidano Brasil. Prof. Cláudio Bernardo Fontesde Financiamentoe CustodaDívidano Brasil Introdução Intermediação Financeira Captação x Aplicação Risco x Retorno Spread Bancário CDI Análise do Crédito Empréstimos e financiamentos Banco Tomador

Leia mais

Renda Fixa. Letra de Crédito do Agronegócio

Renda Fixa. Letra de Crédito do Agronegócio Renda Fixa Letra de Crédito do Agronegócio Letra de Crédito do Agronegócio Diversifique sua carteira de investimentos e obtenha mais rentabilidade O produto Letra de Crédito do Agronegócio () é um título

Leia mais

1.8. Cartões emitidos para pagamento de benefícios ou repasse de programas sociais devem ser considerados?

1.8. Cartões emitidos para pagamento de benefícios ou repasse de programas sociais devem ser considerados? PAGAMENTOS DE VAREJO E CANAIS DE ATENDIMENTO Perguntas freqüentes 1. Arquivo ESTATCRT.TXT Informações relativas aos cartões com função saque e e-money 1.1. Devo informar os saques efetuados sobre linhas

Leia mais

1. (FGV/BESC/2004) É uma operação de crédito direto ao consumidor, com interveniência do vendedor, usado por lojas de bens de consumo duráveis ou não:

1. (FGV/BESC/2004) É uma operação de crédito direto ao consumidor, com interveniência do vendedor, usado por lojas de bens de consumo duráveis ou não: 1. (FGV/BESC/2004) É uma operação de crédito direto ao consumidor, com interveniência do vendedor, usado por lojas de bens de consumo duráveis ou não: (A) CDC; (B) CDCi; (C) CDI; (D) crédito pessoal; (E)

Leia mais

ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro. Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG

ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro. Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG www.bndes.gov.br LINHAS DE CRÉDITO BNDES Automático

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Gestão Financeira Aula 2 Contextualização Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Segmentos do Mercado Financeiro Mercado monetário Mercado de crédito Mercado de capitais Mercado de câmbio Mercado Monetário

Leia mais

Soluções. para sua Empresa

Soluções. para sua Empresa Atendimento Outras Soluções Investimentos Soluções para Parceiros e Empregados Soluções para sua Empresa Linhas de Crédito Seguros e Cartões Soluções em Recebimentos Soluções em Pagamentos Soluções sob

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Mercado Financeiro Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 5ª aula Início da aula Instituições Operadoras Livro Como esticar seu dinheiro Ricardo

Leia mais

I SEMINÁRIO ESTADUAL DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS - AM

I SEMINÁRIO ESTADUAL DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS - AM I SEMINÁRIO ESTADUAL DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS - AM Grupo de Trabalho Permanente / GTP-APL Rede de Distribuição 3.407 Agências 6.015 Agências 36 Milhões de Clientes Agências Bradesco Expresso Banco

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

opções de crédito para sua empresa

opções de crédito para sua empresa para sua empresa sumário introdução... 3 cartão bndes... 6 Introdução... 7 Custos operacionais... 8 Recebimentos... 9 Distribuidores... 9 Exemplos de operação...10 Revendedor compra com o Cartão BNDES

Leia mais

Avenida Paulista, 949 22º andar

Avenida Paulista, 949 22º andar Avenida Paulista, 949 22º andar São Paulo, 30 de novembro de 2012 1 I n t r o d u ç ã o 140 CRÉDITO PRODUÇÃO BRASIL Fase de ouro Fase de crise Fase da agricultura de mercado 133 127 162 120 114 117 105

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Conhecimentos Bancários Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Conhecimentos Bancários Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Letra de Crédito Imobiliário (LCI) é um título de renda fixa emitido

Leia mais

Cidadão Perguntas e Respostas

Cidadão Perguntas e Respostas Cidadão Perguntas e Respostas 1. INFORMAÇÕES GERAIS... 2 1.1 O QUE É O SCR?... 2 1.2 QUEM PODE CONSULTAR AS INFORMAÇÕES ARMAZENADAS?... 2 1.3 PARA QUE SERVEM OS DADOS?... 2 1.4 OUTROS PAÍSES TÊM SISTEMAS

Leia mais

Curso: Adm Geral. Decisões de Investimento e Financiamento III. Financiamentos. Financiamentos de Curto Prazo. Prof.: Marcelo dos Santos

Curso: Adm Geral. Decisões de Investimento e Financiamento III. Financiamentos. Financiamentos de Curto Prazo. Prof.: Marcelo dos Santos Curso: Adm Geral Prof.: Marcelo dos Santos Decisões de Investimento e Financiamento III Financiamentos Fontes de financiamento de curto prazo. Fontes de financiamento a médio e a longo prazo. Arrendamento

Leia mais

O PAPEL E A IMPORTÂNCIA DOS BANCOS DE DESENVOLVIMENTO. Rodrigo Teixeira Neves Outubro, 2014

O PAPEL E A IMPORTÂNCIA DOS BANCOS DE DESENVOLVIMENTO. Rodrigo Teixeira Neves Outubro, 2014 O PAPEL E A IMPORTÂNCIA DOS BANCOS DE DESENVOLVIMENTO Rodrigo Teixeira Neves Outubro, 2014 Sistema Financeiro Nacional Instituições Financeiras Captadoras de Depósitos à Vista Bancos Múltiplos Bancos Comerciais

Leia mais

Empréstimo. Pagamento em até 30 meses; Sem taxa de abertura de crédito; Parcelas debitadas em conta; Limites analisados pela renda.

Empréstimo. Pagamento em até 30 meses; Sem taxa de abertura de crédito; Parcelas debitadas em conta; Limites analisados pela renda. Produtos Conta Corrente Com isenção de tarifas de manutenção, dez folhas cheques, quatro extratos mensais, emissão de extratos on-line, tarifas reduzidas, só na Credlíder. Conta Poupança A Poupança Credlider

Leia mais

CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI

CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI Diversos veículos podem ser utilizados para securitizar recebíveis imobiliários, entretanto o uso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários CRI vem caminhando

Leia mais

TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM.

TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM. TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM. Por norma do Conselho Monetário Nacional (CMN), foram padronizados os Serviços Prioritários e os serviços isentos para Pessoa

Leia mais

Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB O que muda com o novo SPB Saiba o que não muda com o novo SPB Saiba mais

Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB O que muda com o novo SPB Saiba o que não muda com o novo SPB Saiba mais * Informações de janeiro/2002 * Sumário Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB Benefícios do Novo SPB O que é Porque mudar O que muda O que muda com o novo SPB Transferências só com

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7

Leia mais

Financiamento de automóveis: Investimento ou gasto dispendioso? *

Financiamento de automóveis: Investimento ou gasto dispendioso? * Financiamento de automóveis: Investimento ou gasto dispendioso? * Com a queda da taxa básica de juros, a economia brasileira observa uma aceleração do crédito como nunca antes vista. Os juros em baixa

Leia mais

Caixa Econômica Federal

Caixa Econômica Federal Turma Exercícios 01) Em relação ao Sistema Financeiro Nacional, analise as afirmativas a seguir: I - Compete ao Conselho Monetário Nacional Regular o valor externo da moeda e o equilíbrio do balanço de

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FONTE DE CAPITAL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FONTE DE CAPITAL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FONTE DE CAPITAL GOIÂNIA 2012 1 ANA CAROLINA MARQUES DE OLIVEIRA ANA CAROLINA TINOCO TEODORO HYAGO GONÇALVES DE CARVALHO LAVIO RIBEIRO

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais

LEASING. Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras).

LEASING. Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras). LEASING Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras). Leasing financeiro mais comum, funciona como um financiamento.

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I O QUE SÃO OPERAÇÕES PRÉ E PÓS FIXADAS? OS PRINCIPAIS INDEXADORES E SUAS CARACTERÍSTICAS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PRINCIPAIS OPERAÇÕES DE CURTO PRAZO Autores:

Leia mais

PROGRAMA APLICAÇÃO DE RECURSOS FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITOS. Página 1 de 9

PROGRAMA APLICAÇÃO DE RECURSOS FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITOS. Página 1 de 9 PROGRAMA APLICAÇÃO DE RECURSOS FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITOS Responsável Versão Última Atualização 15/07/2015 Página 1 de 9 PROGRAMA PARA APLICAÇÃO DE RECURSOS Exclusivo para Instituições Financeiras Associadas

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

ARRENDAMENTO MERCANTIL LEASING

ARRENDAMENTO MERCANTIL LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL LEASING LÚCIA HELENA BRISKI YOUNG De acordo com as Leis 6.099/74, art. 1º, e 7.132/83, considera-se arrendamento mercantil o negócio jurídico realizado entre pessoa jurídica, na

Leia mais

Programa CAIXA Melhor Crédito

Programa CAIXA Melhor Crédito Programa CAIXA Melhor Crédito CAIXA REDUZ A PARTIR DE HOJE TAXAS DE JUROS EM ATÉ 88% O Caixa Melhor Crédito trará beneficio imediato para mais de 25 milhões de clientes A Caixa Econômica Federal anunciou

Leia mais

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Diversos veículos podem ser utilizados para securitizar recebíveis imobiliários, entretanto o uso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários -CRI- vem caminhando

Leia mais

Organização da Aula. Matemática Financeira. Aula 6. Onde e como esses. conhecimentos são aplicados na prática? Contextualização

Organização da Aula. Matemática Financeira. Aula 6. Onde e como esses. conhecimentos são aplicados na prática? Contextualização Matemática Financeira Aula 6 Prof. Esp. Marcelo Longo Organização da Aula Operações de leasing e emissão de debêntures Os sistemas de amortizações: o detalhamento das séries de pagamentos Onde e como esses

Leia mais

FINANCIAMENTO À PRODUÇÃO IMÓVEL NA PLANTA ALOCAÇÃO DE RECURSOS

FINANCIAMENTO À PRODUÇÃO IMÓVEL NA PLANTA ALOCAÇÃO DE RECURSOS CAIXA ECONÔMICA FEDERAL FINANCIAMENTO À PRODUÇÃO IMÓVEL NA PLANTA ALOCAÇÃO DE RECURSOS Modalidades IMÓVEL NA PLANTA Produção de empreendimentos habitacionais Financiamento direto às pessoas físicas Organizadas

Leia mais

Unidade IV. Mercado Financeiro e de Capitais. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade IV. Mercado Financeiro e de Capitais. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade IV Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros - Resumo encontro anterior Sistema Financeiro Nacional Órgãos, entidades e operadoras Estrutura do Sistema

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PROFESSOR RODRIGO O. BARBATI OPERAÇÕES BANCÁRIAS

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PROFESSOR RODRIGO O. BARBATI OPERAÇÕES BANCÁRIAS 2 - PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS CONHECIMENTOS BANCÁRIOS PROFESSOR RODRIGO O. BARBATI OPERAÇÕES BANCÁRIAS Operações Passivas São aquelas em que o Banco, além de contar com recursos próprios (capital

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

ANOREG/BR ASSOCIAÇÃO DOS NOTÁRIOS E REGISTRADORES DO BRASIL

ANOREG/BR ASSOCIAÇÃO DOS NOTÁRIOS E REGISTRADORES DO BRASIL ANOREG/BR ASSOCIAÇÃO DOS NOTÁRIOS E REGISTRADORES DO BRASIL São Paulo, 16 de dezembro de 2010. A Associação dos Notários e Registradores do Brasil ANOREG BR At.: Sr. Rogério Portugal Bacellar Prezado Senhor,

Leia mais

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição

FGO e FGI. Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar. 2ª Edição FGO e FGI Fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar 2ª Edição Brasília 2010 Sumário Apresentação 5 5 1 O que é o fundo garantidor de risco de

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 24-06-2008) Edição de 25 de junho de 2008 Operações de crédito à pessoa física apresentam

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES 1 GENERALIDADES As operações de crédito da Cooperativa serão realizadas dentro das normas fixadas pelo Estatuto Social, pelas normas legais, as do Banco Central do Brasil e por este Regulamento. 2 OBJETIVO

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

AULA 03. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo II

AULA 03. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo II AULA 03 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema Operativo II BNDES No subsistema operativo, existem instituições que não captam depósitos à vista, como o BNDES. O Banco Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais

Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Paulo Berger SIMULADO ATIVOS FINANCEIROS E ATIVOS REAIS. Ativo real, é algo que satisfaz uma necessidade ou desejo, sendo em geral fruto de trabalho

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Campinas - SP 17.mar.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas N o de operações 2014*

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO 03/2009 ENTRE O COMAER/ CFIAe & CAIXA (CEF) INSTRUÇÕES AOS BENEFICIÁRIOS DA CFIAe GENERALIDADES A Caixa de Financiamento Imobiliário da Aeronáutica (CFIAe) vem acompanhando as taxas

Leia mais

PROVA TÉCNICAS BANCÁRIAS BANCO DO BRASIL 2007

PROVA TÉCNICAS BANCÁRIAS BANCO DO BRASIL 2007 PROVA TÉCNICAS BANCÁRIAS BANCO DO BRASIL 2007 RESOLUÇÃO DE QUESTÕES PARTE 05 (ÚLTIMA) FONTE: http://www.cespe.unb.br/concursos/bb12007/ E-BOOK SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Este e-book é recomendado para

Leia mais

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI.

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS 1. Público-alvo dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG VERDE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO.

Leia mais

PLANO FÁCIL. Valor da Mensalidade (R$) 22,20 24,00

PLANO FÁCIL. Valor da Mensalidade (R$) 22,20 24,00 (1) PLANO FÁCIL Serviços Quantidade Mensal de Transações Fácil 1 Fácil 2 (2) (3) (4) Cheques Cópia de Imagem 5 5 Cheque Depositado 300 300 Cheque Emitido (exceto Transferência Bancária TB/TBG) Disponível

Leia mais

STJ00085281 NOTA À 9." EDIÇÃO... OBRAS DO AUTOR... 1.2 Operações bancárias... 18. 1.4 Natureza dos contratos de crédito bancário...

STJ00085281 NOTA À 9. EDIÇÃO... OBRAS DO AUTOR... 1.2 Operações bancárias... 18. 1.4 Natureza dos contratos de crédito bancário... STJ00085281 SUMÁRIO NOTA À 9." EDIÇÃO.................. OBRAS DO AUTOR................... 5 7 1. CRÉDITO BANCÁRIO........ 17 1.1 Atividade creditícia dos bancos.............. 17 1.2 Operações bancárias..........................

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

Cartilha de Poupança

Cartilha de Poupança Cartilha depoupança Poupança O que é?... 2 Segurança... 2 Modalidades de poupança do BB... 3 Reajuste Monetário... 4 Juros... 4 Imposto de renda... 4 Valor mínimo... 5 Abertura... 5 Aniversário da poupança...

Leia mais

Percentual de financiamento. TJLP + Taxa de juros

Percentual de financiamento. TJLP + Taxa de juros FINAME FINANCIAMENTOS Percentual de financiamento O percentual máximo de financiamento é 90%, a depender do porte da empresa Utilizando recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 (dados junho de 2015) A SPE não é a fonte primária das informações disponibilizadas nesta apresentação. A SPE apenas consolida e organiza as informações

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 29-07-2008) Edição de 30 de julho de 2008 Crédito à pessoa jurídica permanece forte Em junho

Leia mais

Imediatas: parcelas pagas em 30, 60 e 90 dias Antecipadas: sendo a primeira parcela paga no ato

Imediatas: parcelas pagas em 30, 60 e 90 dias Antecipadas: sendo a primeira parcela paga no ato Matemática Financeira Leandra Anversa Fioreze Rendas Imediatas: Primeiro pagamento efetuado no final do primeiro período. Ex: Comprei uma calculadora HP-12c Platinum em três parcelas de R$95,00, sendo

Leia mais