Fontesde Financiamentoe CustodaDívidano Brasil. Prof. Cláudio Bernardo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fontesde Financiamentoe CustodaDívidano Brasil. Prof. Cláudio Bernardo"

Transcrição

1 Fontesde Financiamentoe CustodaDívidano Brasil

2 Introdução Intermediação Financeira Captação x Aplicação Risco x Retorno Spread Bancário CDI

3 Análise do Crédito Empréstimos e financiamentos Banco Tomador Promessa de pagamento RISCO Caráter Capacidade Condições Capital Conglomerado Classificação (Rating) Colateral (garantias colaterais)

4 Risco de Crédito Fatores considerados para classificação de risco de crédito: Devedor / Garantidor / Empresa: Situação Econômica-Financeira; Grau de endividamento; Capacidade de geração de resultado; Fluxo de caixa; Pontualidade a atrasos; Administração, controles, contingências e setor de atividade.

5 Risco de Crédito Fatores considerados para classificação de risco de crédito: Operação: Natureza e finalidade; Suficiência e liquidez das garantias; Valor.

6 Risco de Crédito Componentes de uma operação: Produto; Montante; Prazo; Forma de pagamento; Garantias;

7 Rating É uma avaliação de risco; Contribui na precificação do Prêmio de risco; Na definição das garantias; Reduz o risco sistêmico com o provisionamento necessário das carteiras de recebíveis do banco Agências Internacionais.

8 Rating CLASSIFICAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CRÉDITOS TABELA DE CLASSIFICAÇÃO Resolução 2.682/99 - BACEN Classificação Mínima AA A B C D E F G H

9 Garantias ANÁLISE DE CRÉDITO Espécie de segurança adicional para o credor risco representado pela empresa e pela operação; praticidade na constituição; custos incorridos; valor da garantia em relação a dívida; depreciabilidade; controle e liquidez.

10 Garantias ANÁLISE DE CRÉDITO PESSOAIS AVAL E FIANÇA. REAIS Direito preferencial de receber a dívida em relação aos demais credores; Penhor, Hipoteca, Alienação e Cessão Fiduciária.

11 Covenants ANÁLISE DE CRÉDITO Cláusulas restritivas; Principal objetivo é traçar algumas diretrizes; Tomador do empréstimo é requerido ou não a cumprir certos aspectos que dão ao credor maior segurança. Descumprimento destas cláusulas enseja em punições para o tomador, como tornar uma dívida de LP como devida imediatamente;

12 Covenants ANÁLISE DE CRÉDITO Tipos não financeiros: Cross-default = Obrigações cruzadas: outro empréstimo(inclusive de ligadas) não ser pago ou cumprido covenants, credor antecipa todas as dívidas, não somente a vencida ou de não cumprimento do covenants; Negative Pledge: Vedação à constituição de garantia para terceiros, não alienar garantias para outras instituições sem a informação ao credor principal;

13 Covenants ANÁLISE DE CRÉDITO Tipos não financeiros: Pari passu: declaração do tomador segundo a qual inexistem ou inexistirão créditos com privilégios sobre o seu patrimônio. Estão todos os créditos no mesmo patamar sem privilégios. Ownership clause: protege o credor da alteração da estrutura societária do tomador, permitindo-lhe antecipar o vencimento.

14 Covenants ANÁLISE DE CRÉDITO Tipos Financeiros: Dívida Líquida/Ebitda; PL/Passivo Total; Ebitda/Juros; Liquidez corrente; Ebitda/Receita Operacional Líquida (margem); Nível de endividamento;

15 O crédito no Brasil TIPOS DE DÍVIDAS Financiamento de Empresas no Brasil Altos juros e falta de crédito de LP; Maior parte do financiamento de empresas origina-se de crédito bancário; Os bancos constumam direcionar maior parte de seus recursos para capital de giro (os bancos tem dificuldades para captar poupança de LP); Por outro lado, há pequena participação de emissão de ações na estrutura de financiamento das empresas; Forma de captação das empresas brasileiras, por ordem de grandeza: 1) Retenção de Lucros; 2) Capital de Terceiros (Dívidas Dívidas); 3) Emissão de Novas Ações. Teoria de Pecking Order (Myers e Majluf, 1984) Finanças Corporativas e Valor ASSAF NETO

16 TIPOS DE DÍVIDAS Tipos de Dívidas das Empresas Dívidas Corporativas Há essencialmente dois tipos: 1) Dívida Direta ou Privada: empréstimos e financiamentos levantados diretamente junto aos bancos; 2) Dívida Pública: formada por títulos de dívidas das empresas, como debêntures e notas promissórias. Finanças Corporativas e Valor ASSAF NETO

17 TIPOS DE DÍVIDAS Tipos de Dívidas das Empresas Dívidas Corporativas Os títulos de longo prazo mais comuns emitidos pelas empresas no Brasil são as Debêntures e, no exterior, os Bonds. Riscos dos títulos de dívida no Brasil: flutuações das taxas de juros e falta de liquidez. Finanças Corporativas e Valor ASSAF NETO

18 TIPOS DE DÍVIDAS Financiamento por Recursos de Terceiros Subscrição de debêntures As debêntures podem ser de 2 tipos: Simples (não conversíveis): somente podem ser resgatadas em dinheiro; Conversíveis em ações: permitem ao debenturista, por ocasião do resgate, converter o montante em ações da empresa. Algumas vantagens da captação de recursos através da emissão de debêntures: maior visibilidade da empresa no mercado; prazos mais longos sem exercer alterações no controle acionário da empresa; possibilidade de captar maior volume de capital; reforço para investimento fixo e em capital de giro. Finanças Corporativas e Valor ASSAF NETO

19 TIPOS DE DÍVIDAS Financiamento de Empresas no Brasil Financiamentos através do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) É uma empresa pública classificada como banco de fomento: tem por objetivo oferecer apoio a empreendimentos que promovem o desenvolvimento do país; Maior fonte de Recursos de LP do Brasil a custos reduzidos (taxas de juros subsidiadas); Encargos financeiros básicos incluem a Taxas de Juros de Longo Prazo (TJLP TJLP, hoje = 6%a.a.) acrescida de um spread de risco (comissão BNDES + del credere). Sistema BNDES: formado pelo banco e suas duas subsidiárias: FINAME: Agência Especial de Financiamento Industrial (financia o comércio de máquinas e equipamentos); BNDESPAR: BNDES Participações (promove a subscrição de valores mobiliários no mercardo de capitais brasileiro companhias abertas e fechadas!) Finanças Corporativas e Valor ASSAF NETO

20 PRODUTOS PRODUTOS FINANCEIROS Conta Garantida ou Cheque Especial Limite disponível e pode ser utilizado a qualquer momento; Contratos de Abertura de Crédito Rotativos; Deveria ser utilizado pelas empresas de forma eventual, apenas para cobrir emergências; Encargos é cobrado em função do volume e prazo utilizado.

21 PRODUTOS PRODUTOS FINANCEIROS Hot Money Para cada operação deve ser assinado um contrato; Prazo curtíssimo de captação para atender necessidades também de curto prazo; Por exemplo o pagamento da FOLHA em um dia e um grande recebimento uns 5 dias depois;

22 PRODUTOS PRODUTOS FINANCEIROS Desconto de Duplicatas Também é uma linha para necessidades de CP ou Capital de Giro da empresa; Antecipa o recebimento dos seus clientes ficando coobrigado caso esse não liquide a duplicata no banco; Normalmente o Banco além de avaliar o cedente, também avalia o sacado.

23 PRODUTOS PRODUTOS FINANCEIROS CPR com liquidação financeira Produtor Rural 3 Recebe Recursos Banco 1 Emite CPR 2 Registro Cetip / BM&F

24 CDCA PRODUTOS PRODUTOS FINANCEIROS Produtor Cooperativas Rural 2 1 Insumos Emite CPR Recebíveis Agroindustria 6 Recursos Banco Investidores 3 Emite CDCA 5 Registro 4 Custódia Cetip Cetip

25 PRODUTOS PRODUTOS FINANCEIROS Empréstimos de Capital de Giro Suprir a necessidade de Capital de Giro da empresa; Contrato estabelecendo as condições: Valor, prazo, taxa, garantia, fluxo de pagto, etc;

26 PRODUTOS PRODUTOS FINANCEIROS Vendor Também supri a NCG da empresa; Vende a prazo e recebe à vista; Faz a cessão dos créditos ao banco; É um modo de financiamento do comprador; Alavancagem de vendas.

27 PRODUTOS FINANCEIROS Vendor PRODUTOS

28 PRODUTOS FINANCEIROS ACC/ACE PRODUTOS Adiantamento sobre Contratos de Câmbio; Destinado às empresas que praticam a exportação de seus produtos; Antecipação dos valores em Reais equivalentes ao valores em Moeda Estrangeira do total dos valores a serem exportados; Financia a produção do bem a ser exportado; Prazo de 180 dias.

29 PRODUTOS PRODUTOS FINANCEIROS ACC/ACE Após a empresa exportadora produzir os produtos e embarcá-los, o adiantamento passa a ser o ACE (Adiantamento sobre Contrato de Exportação); Podendo ter um prazo adicional de mais 180 dias após o embarque;

30 PRODUTOS PRODUTOS FINANCEIROS Resolução 63 / 2770 Banco capta recursos no mercado externo e repassa para as empresas;

31 PRODUTOS PRODUTOS FINANCEIROS Resolução 4131 Empresa capta recursos no mercado externo;

32 PRODUTOS PRODUTOS FINANCEIROS Carta de Crédito Garantia internacional; Empresas brasileiras com importações e os exportadores exigem uma garantia de recebimento das vendas; Crédito é garantido de acordo com as especificações da Carta de Crédito.

33 PRODUTOS PRODUTOS FINANCEIROS Leasing Arrendamento mercantil; Aquisição de um bem pela Arrendadora que concede ao seu cliente (Arrendatário) o uso desse bem;

34 PRODUTOS PRODUTOS FINANCEIROS Finame Financiamento de máquinas, equipamento e rodantes pelo BNDES;

35 PRODUTOS PRODUTOS FINANCEIROS Crédito Rural Destinada à Agricultura e Pecuária; Funding de depósitos a vista dos bancos; Custeio, Investimento e Comercialização.

36 LCA PRODUTOS PRODUTOS FINANCEIROS Agroindustrias Cooperativas 2 1 Recursos Emite CDCA Banco 6 Recursos Investidores 5 Emite LCA Cetip 3 Registro 4 Custódia

37 CRA PRODUTOS PRODUTOS FINANCEIROS Agroindustrias Cooperativas 2 1 Recursos Recebíveis Companhia Securitizadora 6 Recursos Investidores 5 Emite CRA Cetip 3 Registro 4 Custódia

38 PRODUTOS

39 Obrigado. Contato:

40 Mercado de Capitais no Brasil: Indagações Há incentivos para emitir títulos de dívida? Há incentivos para emitir títulos de propriedade (ações)? Quais os entraves para o desenvolvimento do mercado de capitais no Brasil? O BNDES é um problema ou uma solução?

BRITCHAM - CORPORATE DAY

BRITCHAM - CORPORATE DAY BRITCHAM - CORPORATE DAY PAINEL 4 - FINANCIAMENTO Antonio Giglio Neto 23 de março de 2016 SUMÁRIO DA APRESENTAÇÃO I O Papel do Mercado Financeiro e de Capitais na Atividade Econômica II Legislação Relevante

Leia mais

Unidade IV MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS

Unidade IV MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade IV 7 MERCADOS FINANCEIROS Os mercados financeiros constituem-se em fóruns onde os fornecedores e demandantes de recursos podem transacionar os títulos. Conforme

Leia mais

16. EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

16. EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS 16. EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Linha de Crédito Encargos (% a.a.) Prazo Taxa média médio ponderada ponderado de venc. de juros (a.a.) (anos) 31/12/10 31/12/09 01/01/09 Finame TJLP + Taxa fixa 4,50 4,52

Leia mais

COMO UTILIZAR OS TÍTULOS DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO PARA ORIGINAR OPERAÇÕES NOS DIVERSOS SEGMENTOS - CDCA E CRA RENATO BURANELLO

COMO UTILIZAR OS TÍTULOS DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO PARA ORIGINAR OPERAÇÕES NOS DIVERSOS SEGMENTOS - CDCA E CRA RENATO BURANELLO COMO UTILIZAR OS TÍTULOS DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO PARA ORIGINAR OPERAÇÕES NOS DIVERSOS SEGMENTOS - CDCA E CRA RENATO BURANELLO RENATO BURANELLO Doutor e Mestre em Direito Comercial pela Pontifícia Universidade

Leia mais

Sicredi Cheque Especial. Periodicidade de pagamento. Juros mensalmente e principal a qualquer momento ou no vencimento do limite.

Sicredi Cheque Especial. Periodicidade de pagamento. Juros mensalmente e principal a qualquer momento ou no vencimento do limite. Sicredi Cheque Especial Definição Limite de crédito Forma de Limite de crédito disponibilizado em conta corrente para utilização imediata pelo associado, quando e como desejar. do tomador e respectivo

Leia mais

Material Explicativo sobre CRA

Material Explicativo sobre CRA Material Explicativo sobre CRA 1. Definição Geral Os Certificados de Recebíveis do Agronegócio estão vinculados a direitos creditórios originários de negócios realizados, em sua maioria, por produtores

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 18. EXERCÍCIOS parte 5

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 18. EXERCÍCIOS parte 5 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 18 EXERCÍCIOS parte 5 Índice Exercícios parte 5...3 2 EXERCÍCIOS PARTE 5 1. A taxa de juros é determinada pelo: a. Mercado monetário; b. Mercado de capitais; c.

Leia mais

Material Explicativo sobre FIC-FIDC e FIDC

Material Explicativo sobre FIC-FIDC e FIDC Material Explicativo sobre 1. Definição Geral Os Fundos de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIC-FIDC) são aqueles que investem pelo menos 95% de seu patrimônio líquido

Leia mais

4º trimestre de 2010 BANCO ABC BRASIL

4º trimestre de 2010 BANCO ABC BRASIL 11 de fevereiro de 2011 BANCO ABC BRASIL Teleconferências 14 de fevereiro de 2011 Português 11h00 São Paulo / 8h00 US EST +55 (11) 2188-0155 Inglês 12h00 São Paulo / 9h00 US EST +55 (11) 2188-0155 1 866

Leia mais

FIDC LAVORO III Fundo Aberto

FIDC LAVORO III Fundo Aberto Relatório Mensal REF.: AGOSTO/2016 Rio de Janeiro: Avenida das Américas, 500/Bloco 21, Salas 242 e 243 CEP - 22640-100 - Barra de Tijuca - Rio de Janeiro - RJ Tel.: (21) 3501-0051 São Paulo: Rua Iaiá 150

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 10 BANCO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL BNDES

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 10 BANCO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL BNDES MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 10 BANCO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL BNDES Índice 1. Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social BNDES...3 2. Sistema de Pagamentos Brasileiro...3

Leia mais

Luisa Ferraiuoli Vieira de Souza Ulisses Malveira Goes Filho

Luisa Ferraiuoli Vieira de Souza Ulisses Malveira Goes Filho Luisa Ferraiuoli Vieira de Souza Ulisses Malveira Goes Filho Apresentar as possibilidades de se financiar o capital de giro por meio: i. Das atividades operacionais da empresa; ii. Da obtenção de recursos

Leia mais

relatório de monitoramento

relatório de monitoramento relatório de monitoramento Incentivo Multisetorial I FIDC Cotas de Fundo de Investimento em Direitos Creditórios 1ª série de cotas sênior BB- SR Global brbbb+ equivalência br A obrigação permanecerá sob

Leia mais

Resultados do 1 Trimestre de 2016

Resultados do 1 Trimestre de 2016 Resultados do 1 Trimestre de 2016 Destaques Lucro líquido ajustado registra R$ 4,113 bilhões, redução de 3,8% em relação ao 1T15 e ROAE (cálculo linear) atinge 17,5%; Margem financeira de juros evolui

Leia mais

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos Hospital Unimed de Piracicaba Investimentos + Fontes Financiamentos Base: 06/2007 Fontes de Financiamentos: BIRD Banco Mundial BID Banco do Brasil BNDES FINEP Ex Im Bank Crédito Mobiliário Bancos Privados.

Leia mais

Abordagem de mercado dos títulos de crédito do agronegócio

Abordagem de mercado dos títulos de crédito do agronegócio Abordagem de mercado dos títulos de crédito do agronegócio Ivan Wedekin Seminário FEBRABAN sobre Agronegócios 2016 18.10.2016 Crédito e desenvolvimento do agronegócio Brasil: indicadores do crédito na

Leia mais

CCR S.A. 2ª Emissão de Notas Promissórias. 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª Séries. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016

CCR S.A. 2ª Emissão de Notas Promissórias. 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª Séries. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 CCR S.A. 2ª Emissão de Notas Promissórias 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª Séries Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 PARTICIPANTES EMISSORA CCR S.A. CARACTERÍSTICAS DA EMISSÃO

Leia mais

COMPANHIA DO METRO BAHIA 2ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016

COMPANHIA DO METRO BAHIA 2ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 COMPANHIA DO METRO BAHIA 2ª Emissão de Debêntures Série Única Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE

Leia mais

Apresentação Comercial 3T15

Apresentação Comercial 3T15 Apresentação Comercial 3T15 Histórico 1980 s 1998 2005 2013 2015 BMG Leasing posicionada como líder de mercado do segmento de arrendamento mercantil Início das operações de Consignado BMG passa a focar

Leia mais

Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA. TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 03 de Janeiro 2017

Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA. TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 03 de Janeiro 2017 Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao público do Banco Millennium

Leia mais

Release de Resultados

Release de Resultados São Paulo, 14 de novembro de 2016 O Banco Sofisa S.A. (SFSA4), banco múltiplo, especializado na concessão de crédito para empresas de pequeno e médio porte, anuncia hoje seu resultado do 3º trimestre de

Leia mais

Contribuições ao Desenvolvimento do Mercado de Renda Fixa. Abril/2011

Contribuições ao Desenvolvimento do Mercado de Renda Fixa. Abril/2011 Contribuições ao Desenvolvimento do Mercado de Renda Fixa Abril/2011 Contribuições do BNDES Pacote de Medidas de Estímulo ao Financiamento de LP Iniciativas do BNDES Novo Programa de Aquisição de Debêntures

Leia mais

Apresentação Institucional 2T16

Apresentação Institucional 2T16 Apresentação Institucional 2T16 Histórico 1980 s BMG Leasing posicionada como líder de mercado do segmento de arrendamento mercantil 2002 BMG é o primeiro banco médio a estruturar um programa de securitização

Leia mais

COMPANHIA DO METRÔ DA BAHIA 3ª Emissão de Debêntures. 3ª Série. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016

COMPANHIA DO METRÔ DA BAHIA 3ª Emissão de Debêntures. 3ª Série. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 COMPANHIA DO METRÔ DA BAHIA 3ª Emissão de Debêntures 3ª Série Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE

Leia mais

ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016

ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE Estácio Participações

Leia mais

Apresentação Institucional 3T16

Apresentação Institucional 3T16 Apresentação Institucional 3T16 Histórico 1930 A família Guimarães criou o Banco de Minas Gerais, focado em crédito pessoa física e jurídica 1998 Início das operações de Consignado BMG passa a focar na

Leia mais

Junho de Modelos de Financiamento aos Projetos de Energia Renovável

Junho de Modelos de Financiamento aos Projetos de Energia Renovável Junho de 2016 Modelos de Financiamento aos Projetos de Energia Renovável Líderes em Renováveis Investimentos em 2014 3 Source: Renewables 2015 Global Status Report (year base: 2014) Participação das renováveis

Leia mais

Relações interfinanceiras Pagamentos e recebimentos a liquidar. Créditos vinculados Relações com correspondentes

Relações interfinanceiras Pagamentos e recebimentos a liquidar. Créditos vinculados Relações com correspondentes BALANÇO PATRIMONIAL A T I V O (Em milhares de reais) Exercicios findos em 31.12.05 31.12.04 CIRCULANTE 165.642 131.171 Disponibilidades 1.840 324 Aplicações interfinanceiras de liquidez 57.817 76.474.

Leia mais

FUNDAMENTOS DE CAPITAL DE GIRO. João Victor

FUNDAMENTOS DE CAPITAL DE GIRO. João Victor FUNDAMENTOS DE CAPITAL DE GIRO João Victor Outubro, 2013 Contextualização do Capital de Giro FINANÇAS Fluxos Internacionais de Capital ÂMBITO Sistema Financeiro Nacional MACRO Mercados Financeiros ÂMBITO

Leia mais

Resultados R$ Milhões

Resultados R$ Milhões 1 Resultados R$ Milhões Lucro Líquido 2 Resultados R$ Milhões Lucro Líquido Ajustado CAGR: 13,6%aa CAGR: 30,1%aa 3 Resultados R$ Milhões Lucro Líquido Trimestral Recorrente 4 Resultados R$ Milhões Patrimônio

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS 3º TRIMESTRE DE 2016

RESULTADOS CONSOLIDADOS 3º TRIMESTRE DE 2016 RESULTADOS CONSOLIDADOS 3º TRIMESTRE DE 2016 Diretoria de Relações com Investidores Gerência de Relações com Investidores Novembro/2016 Participação do BRB no Mercado (DF) 13% dos depósitos a prazo 21%

Leia mais

C A R L O S A L C Â N T A R A S E T E M B R O 2016

C A R L O S A L C Â N T A R A S E T E M B R O 2016 C A R L O S A L C Â N T A R A S E T E M B R O 2016 A C e t i p o f e r e c e Infraestrutura ao m e r c a d o f i n a n c e i r o: Unidade de Títulos e Valores Mobiliários Unidade de Financiamentos Renda

Leia mais

5º Seminário Anbima de Renda Fixa e Derivativos de Balcão Investimento e Financiamento de Longo Prazo no Brasil

5º Seminário Anbima de Renda Fixa e Derivativos de Balcão Investimento e Financiamento de Longo Prazo no Brasil 5º Seminário Anbima de Renda Fixa e Derivativos de Balcão Investimento e Financiamento de Longo Prazo no Brasil Dyogo Henrique de Oliveira Secretário Executivo Ministério da Fazenda 1 Expansão do investimento

Leia mais

XIV. EXEMPLOS DE PREENCHIMENTO DA COE

XIV. EXEMPLOS DE PREENCHIMENTO DA COE Anexo à Instrução nº 1/96 XIV. EXEMPLOS DE PREENCHIMEN DA COE O conjunto de exemplos que a seguir se apresenta visa ilustrar o preenchimento da COE - Comunicação de Operação com o Exterior. Embora não

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS 1º SEMESTRE DE 2016

RESULTADOS CONSOLIDADOS 1º SEMESTRE DE 2016 RESULTADOS CONSOLIDADOS 1º SEMESTRE DE 2016 Diretoria de Relações com Investidores Gerência de Relações com Investidores Agosto/2016 Participação do BRB no Mercado (DF) 13% dos depósitos a prazo 21% dos

Leia mais

5 Calcular o valor do capital que produz juros de R$ 1.200,00 no final de 8 meses se aplicado a uma taxa de juros de 5% ao mês?

5 Calcular o valor do capital que produz juros de R$ 1.200,00 no final de 8 meses se aplicado a uma taxa de juros de 5% ao mês? - Pagamento único Resolver todas as questões utilizando: a) critério de juros simples b) critério de juros compostos 1 Uma pessoa empresta R$ 2.640,00 pelo prazo de 5 meses a uma taxa de juros de 4% ao

Leia mais

CAPITALIZAÇÃO SIMPLES

CAPITALIZAÇÃO SIMPLES Matemática Aplicada às Operações Financeiras Prof.Cosmo Rogério de Oliveira CAPITALIZAÇÃO SIMPLES CONCEITUAÇÃO: Capitalização simples é a operação que determina o crescimento do capital quando a taxa de

Leia mais

Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA. TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 04 de Outubro 2016

Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA. TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 04 de Outubro 2016 Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 04 de Outubro 2016 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento

Leia mais

Aula 01 Valor do Dinheiro e Juros Tema 01 Dinheiro no Tempo

Aula 01 Valor do Dinheiro e Juros Tema 01 Dinheiro no Tempo Aula 01 Valor do Dinheiro e Juros Tema 01 Dinheiro no Tempo Mario Henrique Trentim, MSc Objetivos da Aula 01 1. Introduzir elementos essenciais de matemática financeira. 2. Iniciar o debate sobre custo

Leia mais

CRÉDITO INDUSTRIAL, TAXA DE JUROS E SPREAD BANCÁRIO O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2002

CRÉDITO INDUSTRIAL, TAXA DE JUROS E SPREAD BANCÁRIO O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2002 CRÉDITO INDUSTRIAL, TAXA DE JUROS E SPREAD BANCÁRIO O PRIMEIRO SEMESTRE DE 22 Os últimos dados sobre a evolução do crédito no Brasil mostram que o crédito no país continua caro, escasso e de prazo reduzido.

Leia mais

CONTAX PARTICIPAÇÕES S.A. 1ª Emissão de Debêntures. 1ª e 2ª Séries. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016

CONTAX PARTICIPAÇÕES S.A. 1ª Emissão de Debêntures. 1ª e 2ª Séries. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 CONTAX PARTICIPAÇÕES S.A. 1ª Emissão de Debêntures 1ª e 2ª Séries Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE

Leia mais

Índice. 1. Registro de CPR/CRP/NCR Alteração de Registro de CPR/CRP/NCR Registro de LCA/ CDCA/ CRA

Índice. 1. Registro de CPR/CRP/NCR Alteração de Registro de CPR/CRP/NCR Registro de LCA/ CDCA/ CRA Índice 1. Registro de CPR/CRP/NCR... 4 2. Alteração de Registro de CPR/CRP/NCR... 8 3. Registro de LCA/ CDCA/ CRA... 11 Participante 3 Títulos do Agronegócio Nome do Arquivo Tamanho do Registro 1. Registro

Leia mais

ASPECTOS DE SEGURANÇA NOS INSTRUMENTOS JURÍDICOS E AÇÕES PRÁTICAS JUNTO AOS DISTRIBUIDORES E PRODUTORES RENATO BURANELLO

ASPECTOS DE SEGURANÇA NOS INSTRUMENTOS JURÍDICOS E AÇÕES PRÁTICAS JUNTO AOS DISTRIBUIDORES E PRODUTORES RENATO BURANELLO ASPECTOS DE SEGURANÇA NOS INSTRUMENTOS JURÍDICOS E AÇÕES PRÁTICAS JUNTO AOS DISTRIBUIDORES E PRODUTORES RENATO BURANELLO RENATO BURANELLO Doutor e Mestre em Direito Comercial pela Pontifícia Universidade

Leia mais

CONTEÚDO. Visão Geral Histórico Estrutura Societária Administração...

CONTEÚDO. Visão Geral Histórico Estrutura Societária Administração... APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 0 BANCO INDUSTRIAL DO BRASIL S.A. DEZEMBRO DE 2010 CONTEÚDO Visão Geral... 02 Histórico... 03 Estrutura Societária... 04 Administração... 05 Patrimônio Líquido... 06 Ativos e

Leia mais

RODOVIA DAS CATARATAS S.A. - ECOCATARATAS 1ª Emissão de Notas Promissórias. Série Única

RODOVIA DAS CATARATAS S.A. - ECOCATARATAS 1ª Emissão de Notas Promissórias. Série Única RODOVIA DAS CATARATAS S.A. - ECOCATARATAS 1ª Emissão de Notas Promissórias Série Única Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES)

Leia mais

TELEMAR NORTE LESTE S/A Em Recuperação Judicial 2ª Emissão de Debêntures. 1ª e 2ª Séries

TELEMAR NORTE LESTE S/A Em Recuperação Judicial 2ª Emissão de Debêntures. 1ª e 2ª Séries TELEMAR NORTE LESTE S/A Em Recuperação Judicial 2ª Emissão de Debêntures 1ª e 2ª Séries Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 PARTICIPANTES EMISSORA ESCRITURADOR LIQUIDANTE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE TÂNIA CRISTINA MARCONDES PERES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE TÂNIA CRISTINA MARCONDES PERES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE TÂNIA CRISTINA MARCONDES PERES ANÁLISE DAS ALTERNATIVAS DE FINANCIAMENTOS DE CURTO E LONGO PRAZO PARA PEQUENAS

Leia mais

AULA 3 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS

AULA 3 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS AULA 3 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br

Leia mais

TOTVS S/A 1ª Emissão de Debêntures. 1ª e 2ª Séries. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015

TOTVS S/A 1ª Emissão de Debêntures. 1ª e 2ª Séries. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 TOTVS S/A 1ª Emissão de Debêntures 1ª e 2ª Séries Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE TOTVS S/A Banco

Leia mais

Divulgação de Resultados. 2º Trimestre l 2016

Divulgação de Resultados. 2º Trimestre l 2016 Divulgação de Resultados 2º Trimestre l 2016 Destaques A Carteira de Crédito Expandida do Banco encerrou o trimestre em R$2,1 bilhões, praticamente estável no trimestre, uma vez que dada a situação macro

Leia mais

AULA 4 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS

AULA 4 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS AULA 4 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS Professora Mestre Keilla OBJETIVOS DA AULA: O Mercado Financeiro e sua composição Conceito de Mercado de Capitais Composição do Mercado de Capitais Histórico do

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE)

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações) estipula a Demonstração do Resultado do Exercício.

Leia mais

ASPECTOS ECONÔMICOS DO FOMENTO FLORESTAL

ASPECTOS ECONÔMICOS DO FOMENTO FLORESTAL REUNIÃO TÉCNICA SOBRE FOMENTO FLORESTAL ASPECTOS ECONÔMICOS DO FOMENTO FLORESTAL MÁRCIO LOPES DA SILVA Prof. Adjunto do DEF/UFV 05 a 06 de agosto 2005 BELO HORIZONTE - MG Uma das principais metas do PNF

Leia mais

VOTORANTIM CIMENTOS S.A. 6ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016

VOTORANTIM CIMENTOS S.A. 6ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 VOTORANTIM CIMENTOS S.A. 6ª Emissão de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE VOTORANTIM CIMENTOS

Leia mais

O que é securitização?

O que é securitização? Securitização 1 Introdução 2 O que é securitização? A palavra securitização foi adaptada do inglês securitization (transformar em securities), que consiste no processo pelo qual um grupo geralmente homogêneo

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 08/05/2015 da Empresa UNIMED JUIZ DE FORA COOPERATIVA DE TRABALHO

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 08/05/2015 da Empresa UNIMED JUIZ DE FORA COOPERATIVA DE TRABALHO pág. 16/49 pág. 17/49 pág. 18/49 pág. 19/49 pág. 20/49 pág. 21/49 pág. 22/49 pág. 23/49 pág. 24/49 pág. 25/49 pág. 26/49 pág. 27/49 pág. 28/49 pág. 29/49 pág. 30/49 pág. 31/49 pág. 32/49 pág. 33/49 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 21/11/2014 da Empresa ANDRADE GUTIERREZ S/A, Nire e

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 21/11/2014 da Empresa ANDRADE GUTIERREZ S/A, Nire e pág. 1/46 pág. 2/46 pág. 3/46 pág. 4/46 pág. 5/46 pág. 6/46 pág. 7/46 pág. 8/46 pág. 9/46 pág. 10/46 pág. 11/46 pág. 12/46 pág. 13/46 pág. 14/46 pág. 15/46 pág. 16/46 pág. 17/46 pág. 18/46 pág. 19/46 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico que este documento da empresa COOPERNOVA COOPERATIVA NOVALIMENSE DE TRANSPORTE DE CARGAS E

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico que este documento da empresa COOPERNOVA COOPERATIVA NOVALIMENSE DE TRANSPORTE DE CARGAS E pág. 1/23 pág. 2/23 pág. 3/23 pág. 4/23 pág. 5/23 pág. 6/23 pág. 7/23 pág. 8/23 pág. 9/23 pág. 10/23 pág. 11/23 pág. 12/23 pág. 13/23 pág. 14/23 pág. 15/23 pág. 16/23 pág. 17/23 pág. 18/23 pág. 19/23 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 19/10/2015 da Empresa COOPERATIVA DE CONSUMO DOS SERVIDORES DO

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 19/10/2015 da Empresa COOPERATIVA DE CONSUMO DOS SERVIDORES DO pág. 1/26 pág. 2/26 pág. 3/26 pág. 4/26 pág. 5/26 pág. 6/26 pág. 7/26 pág. 8/26 pág. 9/26 pág. 10/26 pág. 11/26 pág. 12/26 pág. 13/26 pág. 14/26 pág. 15/26 pág. 16/26 pág. 17/26 pág. 18/26 pág. 19/26 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 13/04/2016 da Empresa ALGAR TI CONSULTORIA S/A, Nire e

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 13/04/2016 da Empresa ALGAR TI CONSULTORIA S/A, Nire e pág. 1/71 pág. 2/71 pág. 3/71 pág. 4/71 pág. 5/71 pág. 6/71 pág. 7/71 pág. 8/71 pág. 9/71 pág. 10/71 pág. 11/71 pág. 12/71 pág. 13/71 pág. 14/71 pág. 15/71 pág. 16/71 pág. 17/71 pág. 18/71 pág. 19/71 pág.

Leia mais

Certifico que este documento da empresa UNIMED MONTES CLAROS COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO, Nire: , foi deferido e arquivado na Junta

Certifico que este documento da empresa UNIMED MONTES CLAROS COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO, Nire: , foi deferido e arquivado na Junta pág. 1/34 pág. 2/34 pág. 3/34 pág. 4/34 pág. 5/34 pág. 6/34 pág. 7/34 pág. 8/34 pág. 9/34 pág. 10/34 pág. 11/34 pág. 12/34 pág. 13/34 pág. 14/34 pág. 15/34 pág. 16/34 pág. 17/34 pág. 18/34 pág. 19/34 pág.

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em concordância com as diretrizes da Política de Gerenciamento de Riscos dos Fundos e Carteiras

Leia mais

Material Explicativo sobre Debêntures

Material Explicativo sobre Debêntures Material Explicativo sobre 1. Definição Geral As debêntures são valores mobiliários que representam dívidas de médio e longo prazos de Sociedades Anônimas (emissoras), de capital aberto ou fechado. Todavia,

Leia mais

Restrições de Investimento: -.

Restrições de Investimento: -. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO TEAM 03.553.574/0001-85 Informações referentes a 06/2017 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre

Leia mais

Resultados 2010 Reunião APIMEC SP. 28 de Abril de 2011

Resultados 2010 Reunião APIMEC SP. 28 de Abril de 2011 Resultados 2010 Reunião APIMEC SP 28 de Abril de 2011 Agenda Perfil Coelce e Conquistas 1 Mercado de Energia 2 Resultados Operacionais 3 Resultados Econômico-Financeiros 4 Perguntas e Respostas 5 2 Agenda

Leia mais

Sumário. Prefácio: Ministro Ricardo Villas Bôas Cueva, xv Nota do autor, xvii

Sumário. Prefácio: Ministro Ricardo Villas Bôas Cueva, xv Nota do autor, xvii Prefácio: Ministro Ricardo Villas Bôas Cueva, xv Nota do autor, xvii 1 Introdução aos Juros, 1 1.1 Definição, 1 1.2 Evolução histórica do Crédito e dos Juros, 3 1.2.1 Pré-história, 3 1.2.2 Antiguidade,

Leia mais

BNDES. Experiência do BNDES no Financiamento ao Setor de Bens de Capital. Fabio Stefano Erber Diretor. Jose Oswaldo Barros de Souza Superintendente

BNDES. Experiência do BNDES no Financiamento ao Setor de Bens de Capital. Fabio Stefano Erber Diretor. Jose Oswaldo Barros de Souza Superintendente Experiência do no Financiamento ao Setor de Bens de Capital Fabio Stefano Erber Diretor Jose Oswaldo Barros de Souza Superintendente Haroldo Fialho Prates Chefe do DEPIP 14 de junho de 2004 Atuação Estratégica

Leia mais

VOTORANTIM CIMENTOS S.A. 8ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016

VOTORANTIM CIMENTOS S.A. 8ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 VOTORANTIM CIMENTOS S.A. 8ª Emissão de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE VOTORANTIM CIMENTOS

Leia mais

8.000 ATIVO CIRCULANTE

8.000 ATIVO CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO Ativo X0 X1 Receita de Vendas 8.000 ATIVO CIRCULANTE 500 2.150 (-) CPV -5.000 Caixa 100 1.000 Lucro Bruto 3.000 Bancos 200 100 (-) Despesas financeiras -1.500

Leia mais

CAPRICORNIO TÊXTIL S.A. 1ª Emissão de Debêntures. 1ª, 2ª, 3ª e 4ª Séries. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016

CAPRICORNIO TÊXTIL S.A. 1ª Emissão de Debêntures. 1ª, 2ª, 3ª e 4ª Séries. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 CAPRICORNIO TÊXTIL S.A. 1ª Emissão de Debêntures 1ª, 2ª, 3ª e 4ª Séries Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez de Fundos de Investimento da Sparta Administradora de Recursos Ltda.

Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez de Fundos de Investimento da Sparta Administradora de Recursos Ltda. Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez de Fundos de Investimento da Sparta Administradora de Recursos Ltda. Atualizado em 12/02/2015 Capítulo I Finalidade e Abrangência Art. 1º O presente Manual

Leia mais

NOTA PROMISSÓRIA 11.1 NOÇÃO

NOTA PROMISSÓRIA 11.1 NOÇÃO 11 NOTA 11.1 NOÇÃO Enquanto a letra de câmbio é uma ordem de pagamento, porque através dela o signatário (sacador) do título requisita a uma pessoa (sacado) o pagamento de uma soma, a nota promissória

Leia mais

Mercado de Títulos Privados

Mercado de Títulos Privados Mercado de Títulos Privados 1 LAURO AUGUSTO AMARAL CAMPOS Experiência Profissional 2 Superintendente de Análise de Crédito. Formado em Economia pela Universidade Mackenzie, atua desde 1990 em análise de

Leia mais

Resultados 3º Trimestre 2012

Resultados 3º Trimestre 2012 Resultados 3º Trimestre 2012 jan/03 abr/03 jul/03 out/03 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09

Leia mais

Antônio fez os dois investimentos seguintes, em que ambos pagam juros compostos de 3% ao mês. I Três depósitos mensais, consecutivos e iguais a R$

Antônio fez os dois investimentos seguintes, em que ambos pagam juros compostos de 3% ao mês. I Três depósitos mensais, consecutivos e iguais a R$ Antônio fez os dois investimentos seguintes, em que ambos pagam juros compostos de 3% ao mês. I Três depósitos mensais, consecutivos e iguais a R$ 2.000,00; o primeiro foi feito no dia 1.º/3/2009. II Dois

Leia mais

NOTA DE CRÉDITO DE SETEMBRO

NOTA DE CRÉDITO DE SETEMBRO 1 NOTA DE CRÉDITO DE SETEMBRO TABELA RESUMO ANÁLISE DO ESTOQUE TOTAL DO CRÉDITO vs. CONCESSÃO (MÉDIA DIÁRIA DESSAZ) Estoque (em R$ milhões) Estoque (em R$ bilhões) Variação no mês dessaz (%) YDT (%) Var.

Leia mais

FOLHETO TAXAS DE JURO

FOLHETO TAXAS DE JURO FOLHETO TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes (Empresas, OIF, Sector Público e Outros Institucionais) Banco Interatlântico. BO nº 21 de 12/04/2013 - IIª Série Site: www.bi.cv *e-mail: bi@bi.cv

Leia mais

Spread 5,500% a 15,750% Nota (1a) 2. Linha Millennium Garantia Prazo: sem termo definido Eónia ou Euribor/ Libor a 1, 3, 6 e

Spread 5,500% a 15,750% Nota (1a) 2. Linha Millennium Garantia Prazo: sem termo definido Eónia ou Euribor/ Libor a 1, 3, 6 e 20.1. Linhas de crédito e contas correntes Taxa Anual Nominal (TAN) Empréstimos a taxa variável (as contas correntes incluem as Contas Correntes com Gestão de Cheques e as Contas Correntes Iva on Time).

Leia mais

BRADESCO LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL

BRADESCO LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL BRADESCO LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL 1ª Emissão de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2005 BRADESCO LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL 1ª Emissão de Debêntures Relatório

Leia mais

Produtos e Serviços Financeiros

Produtos e Serviços Financeiros 1 APRESENTAÇÃO DE APOIO Produtos e Serviços Financeiros 1º Encontro Pós-Graduação em Finanças, Investimentos e Banking 2 EMENTA DA DISCIPLINA O objetivo da disciplina é abordar todos os principais produtos

Leia mais

Análise do Capital de Giro. Administração Financeira 4º Sem. Unipampa Prof. Silvia Flores

Análise do Capital de Giro. Administração Financeira 4º Sem. Unipampa Prof. Silvia Flores Análise do Capital de Giro Administração Financeira 4º Sem. Unipampa Prof. Silvia Flores Ciclos da Empresa Compra de Matéria Prima Recebimento Venda CICLO OPERACIONAL Venda Período Médio de Estoques Período

Leia mais

Canais de negociação: Home Broker Mesa de Operações Boleta Rápida AE Broadcast Ágora Station

Canais de negociação: Home Broker Mesa de Operações Boleta Rápida AE Broadcast Ágora Station No mercado de opções são negociados direitos de compra e venda de um lote de ativos, com preços e prazos predeterminados. Ao adquirir uma opção, o investidor pode exercer seus direitos sobre o ativo até

Leia mais

Divulgação de Resultados do 1T10 07 de maio de 2010

Divulgação de Resultados do 1T10 07 de maio de 2010 Divulgação de Resultados do 07 de maio de 2010 Divulgação de Resultados Comentários de abertura Rubens Menin 2 Divulgação de Resultados Destaques Crescimento com margens diferenciadas; Maior operação no

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Comissão de Obras Públicas, Privatização e Concessões da CBIC Brasília 17 de março de 2016

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Comissão de Obras Públicas, Privatização e Concessões da CBIC Brasília 17 de março de 2016 Apoio do BNDES à Infraestrutura Comissão de Obras Públicas, Privatização e Concessões da CBIC Brasília 17 de março de 2016 BNDES Desembolsos do BNDES Infraestrutura representa mais de 1/3 R$ bilhões 168

Leia mais

SUMÁRIO. Parte I Fundamentos de Finanças, 1. Prefácio, xv. Links da web, 32 Sugestões de leituras, 32 Respostas dos testes de verificação, 33

SUMÁRIO. Parte I Fundamentos de Finanças, 1. Prefácio, xv. Links da web, 32 Sugestões de leituras, 32 Respostas dos testes de verificação, 33 SUMÁRIO Prefácio, xv Parte I Fundamentos de Finanças, 1 1 Introdução às Finanças Corporativas, 2 1.1 Como evoluíram as finanças das empresas, 4 1.2 As novas responsabilidades da administração financeira,

Leia mais

OUTROS DOCUMENTOS COMERCIAIS

OUTROS DOCUMENTOS COMERCIAIS A livrança É um título de crédito pelo qual o seu signatário (subscritor) se compromete a pagar ao seu credor beneficiário - ou à ordem deste uma determinada importância, numa certa data. A livrança são

Leia mais

Quadro 2.1 Sistema Financeiro Nacional (1/4) Órgãos de Regulação e Fiscalização. Categorias das. Instituições. Financeiras

Quadro 2.1 Sistema Financeiro Nacional (1/4) Órgãos de Regulação e Fiscalização. Categorias das. Instituições. Financeiras Capítulo 2 MERCDO FINNCEIRO RSILEIRO 2.1 2.1 Sistema financeiro nacional 2.2 Mercado financeiro 2.4 Sistema de pagamentos brasileiro Sistema dministração Financeira: uma abordagem prática (HOJI) Sistema

Leia mais

AES TIETÊ ENERGIA S.A. 4ª Emissão de Debêntures. 1ª, 2ª e 3ª Séries. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015

AES TIETÊ ENERGIA S.A. 4ª Emissão de Debêntures. 1ª, 2ª e 3ª Séries. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 AES TIETÊ ENERGIA S.A. 4ª Emissão de Debêntures 1ª, 2ª e 3ª Séries Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE

Leia mais

Apresentação Institucional 4T16

Apresentação Institucional 4T16 Apresentação Institucional 4T16 Histórico 1930 A família Guimarães criou o Banco de Minas Gerais, focado em crédito pessoa física e jurídica 1998 Início das operações de Consignado BMG passa a focar na

Leia mais

Plano de Benefícios Enersul

Plano de Benefícios Enersul Plano de Benefícios Enersul ENERPREV - RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES -204 ENERPREV - RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES -204 ENERPREV - RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES -204 Demonstração do ativo líquido - Plano

Leia mais

PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS

PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS 2ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários Série: 1ª Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 PÁTRIA COMPANHIA SECURITIZADORA

Leia mais

No Brasil. No Mundo. BB DTVM: Líder do Mercado. O Brasil subiu para 6º lugar no ranking mundial. Fonte: ANBIMA- Agosto/10 e ICI - Mar/10 EUA 48,69%

No Brasil. No Mundo. BB DTVM: Líder do Mercado. O Brasil subiu para 6º lugar no ranking mundial. Fonte: ANBIMA- Agosto/10 e ICI - Mar/10 EUA 48,69% Ranking Mundial de Fundos No Mundo O Brasil subiu para 6º lugar no ranking mundial. No Brasil BB DTVM: Líder do Mercado EUA 48,69% BB DTVM 21,43% Luxemburgo 10,09% ITAÚ-UNIBANCO 17,11% França 7,51% BRADESCO

Leia mais

UFCD - 18 FORMADORA: Mª FERNANDA RAPOSO 1

UFCD - 18 FORMADORA: Mª FERNANDA RAPOSO 1 UFCD - 18 FORMADORA: Mª FERNANDA RAPOSO 1 6215- Código das Contas e Normas Contabilísticas Objetivos Gerais Identificar e movimentar as contas das classes 1 a 8 do Sistema de Normalização Contabilística

Leia mais

DUPLICATA MERCANTIL. Partes: Com efeito, se alguém efetua a venda a prazo, pode emitir uma duplicata O vendedor será o adquirente. Natureza Jurídica:

DUPLICATA MERCANTIL. Partes: Com efeito, se alguém efetua a venda a prazo, pode emitir uma duplicata O vendedor será o adquirente. Natureza Jurídica: DUPLICATA MERCANTIL A DUPLICATA MERCANTIL É TITULO DE CRÉDITO CRIADO PELO DIREITO BRASILEIRO. A emissão da duplicata foi disciplina pela Lei 5474/68 O termo duplicata não pode ser interpretado ao Pé da

Leia mais

BANCO DO BRASIL Resultados 2011

BANCO DO BRASIL Resultados 2011 BANCO DO BRASIL Resultados 2011 Aviso Importante Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados e estratégias

Leia mais

$$$ FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0546 -Contabilidade de Instituições Financeiras

$$$ FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0546 -Contabilidade de Instituições Financeiras FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0546 -Contabilidade de Instituições Financeiras TEMA 2.1 ESQUEMA CONTABILIZAÇÃO- OPERAÇÕES DE CRÉDITO E PDD Operações de Crédito: Empréstimos,

Leia mais