FUNDAMENTOS DA LÍNGUA LATINA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAMENTOS DA LÍNGUA LATINA"

Transcrição

1 FUNDAMENTOS DA LÍNGUA LATINA INTRODUÇÃO Conhecer o objetivo que se quer atingir em um empreendimento é condição básica para que este seja realizado a contento. Considerando que o curso de Letras é primariamente voltado para a licenciatura, é imprescindível ter consciência da importância e da utilidade do estudo de Latim para a formação dos futuros professores. Não é novidade que vivemos uma crise educacional, difundida pela mídia quando se fala dos resultados de pesquisas ligadas ao desempenho dos estudantes. Contudo, vale lembrar que, mesmo antes se tornar facultativo o ensino de Latim, já se fazia sentir uma crise no aprendizado, situação creditada pelos especialistas à desvalorização dos estudos latinos. Napoleão Mendes de Almeida, na introdução ao seu livro Noções fundamentais de língua latina curso completo para as 4 séries ginasiais (1959), enfatiza a importância dos estudos da língua latina para um melhor desenvolvimento do raciocínio e da concentração. Segundo ele, o Latim, considerado por muitos como a Matemática das Letras, era um instrumento de valor imensurável no desenvolvimento do espírito analítico, sendo também útil para o exercício da calma e da ponderação, qualidades desejáveis para um cidadão de bem. Esta forma de se encarar os estudos de latim ainda é defendida na atualidade por alguns saudosistas. Contudo, há também duas outras possibilidades de se encarar o latim como disciplina. Na primeira corrente encontram-se os imediatistas, para quem o ensino de línguas dispensa o conhecimento do passado destas, justificando que hoje os saberes devem ser mais pragmáticos e sucintos. De outro lado, propostas mais realistas oferecem noções básicas da língua latina visando a auxiliar na compreensão de expressões latinas bem como esclarecer fatos e palavras da língua portuguesa. Uma pesquisa feita com estudantes de Letras da UFSM (Universidade Federal de Santa Maria RS) constatou que o mito do desenvolvimento da inteligência por meio do latim não está totalmente descartado. De acordo com as respostas coletadas, parece que os velhos mestres não estavam totalmente enganados a respeito da grande ajuda do latim para a formação dos estudantes. Não obstante, há que se considerar que, de acordo com a autora da pesquisa, os professores daquela universidade procuram desvencilhar-se do ensino puramente gramatical, procurando adequá-lo à realidade por meio de uma metodologia atualizada, que se vale de recortes de vários autores e propostas de ensino que fogem de técnicas memorísticas sem vínculo com os demais elementos da cultura e da civilização. Assim, parafraseando o título de Sírio Possenti Por que (não) ensinar gramática pode-se afirmar que não se deve estudar latim de maneira descontextualizada, apenas decorando-se casos e declinações de modo isolado, sem nenhuma ligação com a realidade atual. Por outro lado, deve-se estudar latim com o objetivo de melhor conhecer a língua

2 portuguesa. Para isso é necessário que haja contextualização do estudo e utilização de metodologia adequada, requisitos que podem ser preenchidos com o auxílio das novas teorias de ensino e aprendizagem de língua, desenvolvidas no campo da Linguística Aplicada. De igual modo, o estudo do latim pode contribuir para fornecer bases sólidas para estudos históricos da língua, estudos de análise sintática, estudos literários e de crítica literária e até mesmo estudos sociolingüísticos. Com base nessas premissas, o estudo de latim deve principiar pela observação de palavras cuja etimologia venha a esclarecer seu sentido atual, de modo a despertar no aluno a motivação pela descoberta de novos termos para os quais a língua latina tenha uma boa explicação. Tendo sido despertado o interesse do educando, este estará pronto para ingressar no estudo sistemático da língua. Tal estudo deverá passar necessariamente pelos casos e declinações, seguido das conjugações verbais, entremeando-se as lições com frases e pequenos textos que exemplifiquem o uso dos termos estudados. 1. ORIGEM E EVOLUÇÃO DO LATIM Os latinos foram assim denominados por habitarem uma região da Itália antiga chamada de Lácio (em latim, Latium), onde fica ainda hoje a cidade de Roma. Eram seus vizinhos territoriais os etruscos e os sabinos. Da união destes três povos originaram-se os romanos, povo que conquistou o mundo antigo pela arte da guerra e, com a expansão de sua língua e de sua cultura, deu origem também às diversas línguas hoje faladas na Europa central e numerosos países da América. São as línguas neolatinas (italiano, francês, romeno, espanhol, português), que resultaram deste caldeirão cultural imposto ao mundo ocidental pelos romanos ao longo de 500 anos. O Latim não era a única língua falada na península itálica. Naquela região também se falava o osco, o umbro, o etrusco e o grego. No entanto, o latim prevaleceu sobre as demais, ajudado pelas grandes conquistas militares dos romanos. Apesar de ser uma língua bastante antiga, foi a partir do século III a.c. que o Latim passou a adquirir uma forma literária, construindo-se aos poucos uma gramática com regras explícitas, cuja consolidação se deu por volta do século I a.c., que é considerado o período clássico do latim (com representantes como Cícero, Virgílio, Horácio) e coincide com a época do apogeu do império romano. No entanto, ao lado desta língua erudita, castiça, falada e escrita pelas pessoas letradas, havia o latim popular, que assumia formas mais livres e sem a precisão das regras gramaticais, falada pelas pessoas do povo e, principalmente, pelos soldados romanos, que participavam das guerras e conquistas. Foi desta língua popular em confronto com outros idiomas, falados nas diversas localidades por onde passaram as legiões romanas, que se originaram as línguas românicas, dentre elas o português, o espanhol, o francês, o italiano. O português foi o resultado da mistura do latim com o galego, principal língua falada na região do Condado Portucalense, que hoje corresponde à região de Portugal. Foi uma das

3 línguas derivadas que mais demorou a se formar, sendo provavelmente este o motivo de ser o português tão semelhante ao latim. Paralelamente a isto, a partir do século III d.c., com a expansão do cristianismo pelo império romano, temos o período cristão da língua latina, representado pelos escritores, sobretudo Santo Agostinho, São Jerônimo, Tertuliano, Santo Ambrósio, dentre outros. Este latim com influências eclesiásticas foi o que mais predominou no ensino do latim em nosso meio, de modo especial com a matiz italiana da pronúncia, ensinada nas escolas brasileiras até o início da década de Em resumo, portanto, podemos distinguir o latim erudito em latim clássico e latim eclesiástico. O latim literário continuou a ser adotado e utilizado durante muitos séculos pelos escritores cristãos, mesmo depois de não ser mais falado como linguagem corrente na sua região de origem. Por influência dos monges, o latim era utilizado também como idioma dos intelectuais, filósofos e cientistas, que escreviam suas obras em latim, pela facilidade de serem lidos em qualquer parte da Europa. Somente a partir do século XVII, a literatura filosófica e científica passou a ser produzida em língua vernácula. Atualmente, a língua latina continua a ser adotada na notação científica dos seres vivos, além de ter uso esporádico no ambiente forense. 2. ALFABETO LATINO: COMPOSIÇÃO E PRONÚNCIA DAS LETRAS O alfabeto latino primitivo era composto de 21 letras, não contando com o J, o V e o Z. A letra K foi incluída por influência grega, mas sua ocorrência é rara. As letras I e U tinham valores ora de consoante, ora de vogal, conforme o contexto fônico do vocábulo. Por exemplo, o I e o U tinham valor de consoante quando vinham precedendo uma vogal, em qualquer posição na palavra. Nos demais casos, tinham valor de vogal. Com o tempo, para facilitar as transcrições literárias, foram incorporados os sinais Y e Z. Mais tarde, no século XVI, foram incorporados à escrita latina também os sinais J e V. A pronúncia do latim é motivo de controvérsias entre os especialistas. A mais difundida, na época do ensino de latim no Brasil (até a década de 60), era a pronúncia eclesiástica, com forte acento italiano, por influência dos padres da Igreja Católica. Os estudiosos da gramática comparativa, na área de linguística, tentaram construir uma pronúncia mais original, chamada de pronúncia restaurada. Há ainda a pronúncia aportuguesada, que também era utilizada no Brasil na época do ensino do latim nas escolas. Entretanto, para efeitos práticos, devese adotar os mesmos valores fonéticos das letras na pronúncia portuguesa, observando-se as seguintes particularidades: a) as vogais mantêm sempre seu som original, em qualquer posição que ocupem no vocábulo, evitando-se pronunciar o o como u e o e como i no final das palavras. b) os ditongos ae e oe pronunciam-se como e ex. laetitia, poena.

4 c) a sílaba ti, quando não for tônica nem precedida por s, será pronunciada como ci ex. iustitia. d) a letra x tem sempre o som de ks, como na palavra fixo. e) o grupo ch tem sempre o som de k ex. brachium. f) os conjuntos qu e gu pronunciam-se sempre como se houvesse um trema no u, como em líquido e linguiça. g) o grupo ph tem o som de f ex. philosophus. Não se usavam acentos gráficos em latim, porém alguns livros didáticos usam os mesmos acentos do português, a fim de facilitar a leitura. Como regra geral, atente-se para o fato de que não existem palavras oxítonas em latim. 3. ESTRUTURA DA LÍNGUA LATINA DECLINAÇÃO - O latim é uma língua declinável. Isto significa que é fundamentada na sintaxe e por isso a terminação das palavras muda de acordo com a sua função dentro da frase. Por isso, substantivos, adjetivos, numerais, bem como os particípios dos verbos em latim também alteram a terminação de acordo com o contexto. A isto se chama declinação. São cinco declinações, dentro das quais se enquadram todas as palavras latinas. No dicionário latino encontra-se o nominativo singular seguido da terminação do genitivo singular. Esta é a forma para se identificar a que declinação pertence a palavra. Ex.: Rosa, ae; avus, i; manus, us. Usa-se o genitivo para identificar as declinações porque uma declinação pode abrigar palavras com nominativo cujas terminações são diversas, enquanto o genitivo conserva sempre a mesma terminação. 3.2 CASOS As palavras latinas são declinadas de acordo com a função sintática que desempenham na frase: Nominativo (sujeito, predicativo do sujeito), Acusativo (objeto direto), e assim por diante. Essas funções são os casos latinos, que correspondem aos termos da oração em português. CASO Nominativo Genitivo Dativo Acusativo Vocativo Ablativo FUNÇÃO DA PALAVRA Sujeito ou predicativo do sujeito. Ex: Rosa pulchra est. Complemento restritivo, regido pela preposição de. Ex: Fragrantia rosae. (adj. adnominal, mas com a preposição DE): Fragrância de rosas Objeto indireto. Ex: Puella donat rosas Rosae. Objeto direto; Ex: Puella amat rosam. Vocativo: Rosa, pulchra es. Complemento que indica modo, meio, origem, condição, lugar, tempo. Ex: Poeta rosis suspirat. (Adj. Adverbial) DESINÊNCIA - Chama-se desinência à parte final da palavra, que se altera de acordo com a sua função sintática; chama-se radical à parte fixa da palavra. Assim, todas as palavras têm um radical e uma

5 desinência. Isto vale para verbos, substantivos, adjetivos. Note-se apenas que os verbos se conjugam, enquanto as outras palavras se declinam RAIZ x RADICAL - Raiz é o núcleo etimológico da palavra; encerra seu significado original. Radical é uma raiz expandida por meio de afixos. Uma mesma raiz pode originar mais de um radical, dos quais derivam palavras com diferentes sentidos. 3.5 GÊNEROS Além do masculino e do feminino, há também o gênero neutro ('neuter', que significa 'nem um nem outro'), referente às palavras que não são masculinas nem femininas. Convém lembrar que nem sempre o gênero da palavra latina corresponde ao do português 3.6 ARTIGOS - Não há artigos na língua latina. ATIVIDADE 1- Leia o texto com bastante atenção, destacando os pontos-chave. 2- Responda às seguintes questões: 2.1 Quais são as três formas de abordar o estudo do latim? 2.2 Qual é a diferença entre latim clássico, latim popular e latim eclesiástico? 3- Quais são as três possibilidades de pronúncia do latim?

Biblioteca Escolar. O Dicionário

Biblioteca Escolar. O Dicionário O Dicionário O que é um dicionário? Livro de referência onde se encontram palavras e expressões de uma língua, por ordem alfabética, com a respetiva significação ou tradução para outra língua e ainda,

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DAS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM NO CARIRI DE 21 a 23 DE NOVEMBRO DE 2012 - ISSN 2318-8391

I SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DAS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM NO CARIRI DE 21 a 23 DE NOVEMBRO DE 2012 - ISSN 2318-8391 ENSINO E APRENDIZAGEM DE LATIM NA URCA: UM ESTUDO DE CASO SOUZA, Yascara Simão 1 ARRUDA, Francisco Edmar Cialdine 2 RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar análises colhidas de materiais como

Leia mais

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA EM SALA DE AULA Michael Gouveia de Sousa Júnior Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mikesousajunior@gmail.com Dione

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística.

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. RESENHAS WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. Tradução: Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2002. Ronaldo de Oliveira BATISTA Centro Universitário Nove de Julho Um número crescente de livros a

Leia mais

Morfologia. Estrutura das Palavras. Formação de Palavras. Prof. Dr. Cristiano Xinelági Pereira

Morfologia. Estrutura das Palavras. Formação de Palavras. Prof. Dr. Cristiano Xinelági Pereira Morfologia Estrutura das Palavras Formação de Palavras Prof. Dr. Cristiano Xinelági Pereira Morfologia Estrutura das Palavras Morfemas Lexicais I. Radical É o elemento irredutível e comum a todas as palavras

Leia mais

Aula AS DECLINAÇÕES LATINAS. ESTUDOS DA PALAVRA DE 1ª DECLINAÇÃO

Aula AS DECLINAÇÕES LATINAS. ESTUDOS DA PALAVRA DE 1ª DECLINAÇÃO AS DECLINAÇÕES LATINAS. ESTUDOS DA PALAVRA DE 1ª DECLINAÇÃO Aula 5 META Explicar o mecanismo das declinações latinas. Exercitar o trato com palavras da 1ª declinação. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno

Leia mais

CONEXÃO ESCOLAR CONEXÃO ESCOLAR

CONEXÃO ESCOLAR CONEXÃO ESCOLAR CONEXÃO ESCOLAR CONEXÃO ESCOLAR ESCOPO PROJETO CONEXÃO ESCOLAR Promover o enriquecimento do vocabulário do aluno nos 3 idiomas mais relevantes para sua formação escolar e profissional: Língua Portuguesa,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

AS NOVAS REGRAS ORTOGRÁFICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA

AS NOVAS REGRAS ORTOGRÁFICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA AS NOVAS REGRAS ORTOGRÁFICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA Rénan Kfuri Lopes Sumário: I- AS MUDANÇAS SÃO SIMPLES E DE FÁCIL COMPREENSÃO II- PERÍODO DE TRANSIÇÃO DAS REGRAS ORTOGRÁFICAS III- ALFABETO IV- SOMEM DA

Leia mais

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP)

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) RESUMO A língua sofre constantemente uma invasão de novos vocábulos que

Leia mais

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER Duas explicações da Origem do mundo palavra (a linguagem verbal) associada ao poder mágico de criar. Atributo reservado a Deus. Através dela ele criou as

Leia mais

NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO 1

NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO 1 NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO 1 Sheyla Carvalho 1 Nota: As fontes de consulta desta apresentação estão citada no OBJETIVOS da palestra Informar Esclarecer Comentar Trocar ideias DEFINIÇÃO - Motivação 1 O Acordo

Leia mais

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano.

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Aula: 1.1 Conteúdo: - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Habilidades: - Conhecer a origem e história da língua

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa ENSINO FUNDAMENTAL O processo de sondagem Colégio Sion busca detectar, no aluno, pré-requisitos que possibilitem inseri-lo adequadamente no ano pretendido. As disciplinas de Língua Portuguesa e são os

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS Processo Seletivo 2016 para Ensino Fundamental e Ensino Médio

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS Processo Seletivo 2016 para Ensino Fundamental e Ensino Médio / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS 1º Ano do Ensino Fundamental (Alunos concluintes do 2º Período da Educação Infantil) Escrita do nome completo; Identificar e reconhecer as letras do alfabeto; Identificar e diferenciar

Leia mais

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA...

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... Sumário PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... 3 1.1. Fonema...3 1.2. Classificação dos fonemas...4 1.3. Encontros vocálicos...5 1.4. Encontros consonantais...5 1.5. Dígrafos...6 1.6. Dífono...7 1.7.

Leia mais

A História da Grécia Antiga se estende do século XX a.c. até o século II a.c. quando a região foi conquistada pelos romanos.

A História da Grécia Antiga se estende do século XX a.c. até o século II a.c. quando a região foi conquistada pelos romanos. HISTÓRIA ANTIGA Grécia I - formação Situada no sul da Europa (Península balcânica), numa região de relevo acidentado e um arquipélago no Mar Egeu, a Grécia foi palco de uma civilização que se desenvolveu

Leia mais

Conteúdos Programáticos Bolsão 2016. Centro Educacional Apogeu ENSINO FUNDAMENTAL I. Conteúdo para ingresso no 2 o ano

Conteúdos Programáticos Bolsão 2016. Centro Educacional Apogeu ENSINO FUNDAMENTAL I. Conteúdo para ingresso no 2 o ano Conteúdos Programáticos Bolsão 2016 Centro Educacional Apogeu ENSINO FUNDAMENTAL I Conteúdo para ingresso no 2 o ano LÍNGUA PORTUGUESA: Alfabeto (maiúsculo e minúsculo); vogal e consoante; separação silábica;

Leia mais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE Comunicação Oral e Escrita Unidade 11 Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 2 Aviso importante! Este material foi produzido

Leia mais

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

As palavras possuem, via de regra, elementos significativos chamados MORFEMAS.

As palavras possuem, via de regra, elementos significativos chamados MORFEMAS. ESTRUTURA DAS PALAVRAS As palavras possuem, via de regra, elementos significativos chamados MORFEMAS. Não se pode confundir MORFEMA e SÍLABA. Morfema é um fragmento significativo da palavra. Sílaba é um

Leia mais

Índice. 1. Metodologia de Alfabetização...3. 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6

Índice. 1. Metodologia de Alfabetização...3. 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6 GRUPO 6.1 MÓDULO 6 Índice 1. Metodologia de Alfabetização...3 1.1. Qual o Conhecimento sobre o Sistema de Escrita dos Jovens e Adultos?... 3 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6

Leia mais

Guia do professor. Introdução

Guia do professor. Introdução Guia do professor Introdução Essa atividade oferece aos professores do Ensino Fundamental II, de Língua Espanhola e de Língua Portuguesa, novos recursos didáticos em forma de módulos, pois eles podem vir

Leia mais

PONTUAÇÃO EXERCÍCIO. Há quatro sinais que são empregados: 1) Vírgula (, ): como na nossa gramática (,);

PONTUAÇÃO EXERCÍCIO. Há quatro sinais que são empregados: 1) Vírgula (, ): como na nossa gramática (,); PONTUAÇÃO 11 Há quatro sinais que são empregados: 1) Vírgula (, ): como na nossa gramática (,); 2) Ponto Final (. ): semelhante ao nosso ponto (.); 3) Ponto Medial ( ): acima da linha e pode tanto ser

Leia mais

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das Um pouco de teoria... Observe: Estudo das classes de palavras Conjunções A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das I- João saiu, Maria chegou. II- João saiu, quando

Leia mais

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo Letras Prof a. Dr a. Leda Szabo Aspectos das Conexões Sintáticas Objetivo Diferenciar o objeto de estudo da análise de base sintática do objeto de estudo da análise do discurso. Compreender a diferença

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS-PORTUGUÊS/INGLÊS BACHARELADO PROFA. DRA. SORAYA SOUBHI SMAILI REITORA

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS-PORTUGUÊS/INGLÊS BACHARELADO PROFA. DRA. SORAYA SOUBHI SMAILI REITORA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS-PORTUGUÊS/INGLÊS BACHARELADO PROFA. DRA. SORAYA SOUBHI SMAILI REITORA PROF. DR. DANIEL ARIAS VAZQUEZ DIRETOR ACADÊMICO DA ESCOLA DE FILOSOFIA, LETRAS

Leia mais

4º SEMESTRE 3º SEMESTRE CH 480 CRED 26 CH 435 CRED 24 SINTAXE I SINTAXE II. DELL 755 60h (4.0.0) DELL 744 DELL 749. 60h (4.0.0) 60h (4.0.

4º SEMESTRE 3º SEMESTRE CH 480 CRED 26 CH 435 CRED 24 SINTAXE I SINTAXE II. DELL 755 60h (4.0.0) DELL 744 DELL 749. 60h (4.0.0) 60h (4.0. UESB 1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 3º SEMESTRE 4º SEMESTRE 5º SEMESTRE 6º SEMESTRE 7º SEMESTRE 8º SEMESTRE CURSO DE LETRAS MODERNAS CH 360 CRED 21 CH 420 CRED 24 CH 435 CRED 24 CH 480 CRED 26 CH 510 CRED 23

Leia mais

Ementas do Curso de Teologia. Código Disciplina Créditos

Ementas do Curso de Teologia. Código Disciplina Créditos Ementas do Curso de Teologia 601 ACONSELHAMENTO 5 75 Desenvolvimento das condições de prestação de ajuda às pessoas com necessidades diversas. Aplicação de conhecimentos psicológicos e espirituais no trabalho

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação Produção textual COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Língua Portuguesa Trimestre: 1º Tipologia textual Narração Estruturação de um texto narrativo: margens e parágrafos; Estruturação de parágrafos: início,

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula IV - Introdução ao Novo Testamento e o caráter Literário dos evangelhos A ORIGEM DO NOME A expressão traduzida

Leia mais

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA Dado nos últimos tempos ter constatado que determinado sector da Comunidade Surda vem falando muito DE LIDERANÇA, DE ÉTICA, DE RESPEITO E DE CONFIANÇA, deixo aqui uma opinião pessoal sobre o que são estes

Leia mais

O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua

O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua O novo acordo ortográfico da língua portuguesa e questões notacionais da língua FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA EM MARKETING E PROCESSOS GERENCIAIS UC: COMUNICAÇÃO

Leia mais

Educação Espírita da Criança 1. 1. Por que o Espiritismo deve ser ensinado para as crianças?

Educação Espírita da Criança 1. 1. Por que o Espiritismo deve ser ensinado para as crianças? Educação Espírita da Criança 1 1. Por que o Espiritismo deve ser ensinado para as crianças? Jáder Sampaio Na concepção espírita, a infância é um estado passageiro no qual um espírito tem a oportunidade

Leia mais

COMPOSIÇÃO CURRICULAR Seriado Semestral -TURNO DIURNO 1º SEMESTRE - EIXO :OUVIR/FALAR COMPONENTES CURRICULARES CH TOTAL CH SEMANAL

COMPOSIÇÃO CURRICULAR Seriado Semestral -TURNO DIURNO 1º SEMESTRE - EIXO :OUVIR/FALAR COMPONENTES CURRICULARES CH TOTAL CH SEMANAL Universidade Estadual da Paraíba - Centro de Educação- Campus I Curso de Graduação em Letras - Licenciatura Plena - Habilitação: Resolução de Aprovação do Projeto Pedagógico UEPB/CONSEPE/ Carga horária

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

PORTUGUÊS PARA CONCURSOS

PORTUGUÊS PARA CONCURSOS PORTUGUÊS PARA CONCURSOS Sumário Capítulo 1 - Noções de fonética Fonema Letra Sílaba Número de sílabas Tonicidade Posição da sílaba tônica Dígrafos Encontros consonantais Encontros vocálicos Capítulo 2

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

5 Sintaxe dos verbos haver e existir

5 Sintaxe dos verbos haver e existir 5 Sintaxe dos verbos haver e existir Há aspectos envolvidos em construções com haver e existir que são muito importantes, para encontrar as raízes das dificuldades que se apresentam no uso desses dois

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD LETRAS CURRÍCULO 4 Matriz Curricular 2014/2 Mariana Instituto de Ciências Humanas e Sociais (ICHS) LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA CÓDIGO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS PRÉ-REQUISITO PER LET701 Estudos Clássicos

Leia mais

Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino

Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino César Reis (UFMG) Leandra Batista Antunes (UFOP) Leandro Augusto dos Santos (UFOP) Vanessa Pinha (UFMG) Apesar de os

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: LETRAS - GRADUAÇÃO - LICENCIATURA GRADE: INGRESSANTES 2015/1

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: LETRAS - GRADUAÇÃO - LICENCIATURA GRADE: INGRESSANTES 2015/1 Página 1/3 Período: 1 ENADE INGRESSANTE 0 ESTILÍSTICA 36 LITERATURA BRASILEIRA: CONTEMPORÂNEA 72 LITERATURA EM LÍNGUA INGLESA 72 LITERATURA EM LÍNGUA INGLESA: AS ÉPOCAS VITORIANA E CONTEMPORÂNEA 36 LÍNGUA

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos.

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. METAS CURRICULARES 2º ANO Português Oralidade Respeitar regras da interação discursiva. Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. Produzir um discurso oral com correção. Produzir

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998.

48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998. 48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998. 1) Comentar a citação inicial de William Labov. R:

Leia mais

Letramento: considerações históricas e conceituais

Letramento: considerações históricas e conceituais Letramento: considerações históricas e conceituais Aluna: Gessélda Somavilla Farencena Disciplina: Seminário de Leituras Orientadas em Linguística Aplicada Professoras: Desirée Motha-Roth Graciela R. Hendges

Leia mais

Português- Prof. Verônica Ferreira

Português- Prof. Verônica Ferreira Português- Prof. Verônica Ferreira 1 Com relação a aspectos linguísticos e aos sentidos do texto acima, julgue os itens a seguir. No trecho que podemos chamar de silenciosa (l.15-16), o termo de silenciosa

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Em busca de um método de investigação para os fenômenos diacrônicos

Em busca de um método de investigação para os fenômenos diacrônicos 11 1 Em busca de um método de investigação para os fenômenos diacrônicos Grupo de Morfologia Histórica do Português (GMHP) Sobre a língua portuguesa não se desenvolveu, para além das listagens existentes

Leia mais

Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante

Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante Hugo Goes A Bíblia é formada por duas partes: o Antigo Testamento e o Novo Testamento. Em relação ao Novo Testamento, não há nenhuma diferença entre a

Leia mais

A trajetória do curso de língua japonesa na Universidade Federal do Rio Grande do Sul

A trajetória do curso de língua japonesa na Universidade Federal do Rio Grande do Sul A trajetória do curso de língua japonesa na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Tomoko Kimura Gaudioso 1 Instituto de Letras - UFRGS Introdução A imigração japonesa ao RS ocorreu tardiamente, de

Leia mais

ORTOGRAFIA: CONTRADIÇÃO ENTRE CONCEITOS E PROCEDIMENTOS

ORTOGRAFIA: CONTRADIÇÃO ENTRE CONCEITOS E PROCEDIMENTOS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ORTOGRAFIA: CONTRADIÇÃO ENTRE CONCEITOS E PROCEDIMENTOS Kelly Priscilla Lóddo CEZAR 1 ; Prof.ª Dr.ª Geiva Carolina

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

Disciplina: Português Período: 1º. Equipe - 3 ano - turmas: 31, 32 e 33.

Disciplina: Português Período: 1º. Equipe - 3 ano - turmas: 31, 32 e 33. Disciplina: Português Período: 1º Unidade 1 Eu me comunico Linguagem : formal e informal Variação regional de vocabulário Usando diferentes linguagens Ortografia: L e U,A/AI; E/I; O/OU; Usando diferentes

Leia mais

Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento

Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento A palavra Bíblia deriva do grego: ta biblía; plural de: ton biblíon. E significa "livros" Logo descobrimos que a Bíblia é uma coleção de livros! Nós, cristãos,

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros Alfabetização e letramento Professora : Jackeline Miranda de Barros O que é alfabetização? O que é letramento? Qual o melhor método? Como alfabetizar? Para início de conversa, vamos exercitar nossa memória...

Leia mais

Professor Jailton www.professorjailton.com.br

Professor Jailton www.professorjailton.com.br Professor Jailton www.professorjailton.com.br Palavras terminadas em: a, e, o (seguidas ou não de s): atrás, xará, freguês, bisavós, está, já, és, só*. em, ens: também, parabéns. ditongos abertos tônicos

Leia mais

Reforma ortográfica. http://veja.abril.com.br/idade/exclusivo/perguntas_respostas/reforma_ortografica/index.shtml

Reforma ortográfica. http://veja.abril.com.br/idade/exclusivo/perguntas_respostas/reforma_ortografica/index.shtml Página 1 de 6 Agosto de 2007 Reforma ortográfica Maira Soabres/Folha Imagem Com data marcada para entrar em vigor em 2009, a reforma ortográfica pretende fazer com que pouco mais de 210 milhões de pessoas

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes R E P U B L I C A Ç Ã O R E S O L U Ç Ã O N.º 143/2011 CI / CCH CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 27/08/2012. João Carlos Zanin, Secretário

Leia mais

HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS?

HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS? HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS? Nível de Ensino/Faixa Etária: Série indicada para o Ensino Fundamental Final Áreas Conexas: Biologia, Linguística, Sociologia, Geografia, História, Artes, Gramática, Filosofia.

Leia mais

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Paulo Coimbra Guedes e Jane Mari de Souza A tarefa de ensinar a ler e a escrever um texto de história é do professor de história

Leia mais

Introdução à História do Português

Introdução à História do Português Ivo Castro Introdução à História do Português Segunda edição revista e muito ampliada Edições Colibri Índice Síntese Introdutória... 7 Capítulo I TERRITÓRIOS E COMUNIDADES LINGUÍSTICAS 1. Introdução. Conceitos

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO DE PORTUGUÊS 6.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No final do 6.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir textos orais com diferentes finalidades e coerência, apresentando

Leia mais

Existem duas teorias sobre a origem da cidade de Roma: Origem histórica Origem mitológica

Existem duas teorias sobre a origem da cidade de Roma: Origem histórica Origem mitológica Roma 1. Localização Roma se localiza na Península Itálica, na qual o rio Tibre é o seu segundo rio mais largo e atravessa toda a cidade de Roma indo desaguar no mar Tirreno. 2. Origem de Roma Existem duas

Leia mais

LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20K Ingresso a partir de 2011/1 Fundamentos dos Estudos Literários Codicred: 12224-04 NÍVEL I Ementa: Funções da literatura. Discurso

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa 01. Alternativa (E) Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa Alternativa que contém palavras grafadas de acordo com o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa - VOLP 02. Alternativa

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade I ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa A teoria construtivista: principais contribuições, possibilidades de trabalho pedagógico. Conceito de alfabetização: história e evolução.

Leia mais

14) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS - PORTUGUÊS E ESPANHOL LICENCIATURA

14) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS - PORTUGUÊS E ESPANHOL LICENCIATURA 14) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS - PORTUGUÊS E ESPANHOL LICENCIATURA 14.1) Matriz curricular do turno matutino Fase 1 a N. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas 1 Leitura

Leia mais

Turistas enchem Lisboa e prometem voltar à capital. Filipe Morais, Diário de Notícias, 11 de Agosto de 2006

Turistas enchem Lisboa e prometem voltar à capital. Filipe Morais, Diário de Notícias, 11 de Agosto de 2006 Turistas enchem Lisboa e prometem voltar à capital Filipe Morais, Diário de Notícias, 11 de Agosto de 2006 Vêm de todo o lado, atraídos pela lendária hospitalidade portuguesa, mas sobretudo pelo clima,

Leia mais

As ciências da natureza: Ciência, Tecnologia e Sociedade

As ciências da natureza: Ciência, Tecnologia e Sociedade Sugestões de atividades As ciências da natureza: Ciência, Tecnologia e Sociedade 9 CIÊNCIAS 1 Ciências Naturais 1. Por que a Física é considerada uma ciência básica? 2. O que a Biologia estuda? 3. O que

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI.

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. BORTOLI, Bruno de (PIC/UEM) MARQUIOTO, Juliana Dias (PIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO

Leia mais

A Morfologia é o estudo da palavra e sua função na nossa língua. Na língua portuguesa, as palavras dividem-se nas seguintes categorias:

A Morfologia é o estudo da palavra e sua função na nossa língua. Na língua portuguesa, as palavras dividem-se nas seguintes categorias: MORFOLOGIA A Morfologia é o estudo da palavra e sua função na nossa língua. Na língua portuguesa, as palavras dividem-se nas seguintes categorias: 1. SUBSTANTIVO Tudo o que existe é ser e cada ser tem

Leia mais

7 INTRODUÇÃO À SINTAXE

7 INTRODUÇÃO À SINTAXE Aula INTRODUÇÃO À SINTAXE META Expor informações básicas sobre sintaxe. OBJETIVOS Ao final desta aula o aluno deverá: levar o aluno a compreender o que seja sintaxe de regência, de colocação e de concordância.

Leia mais

Índice. A Listas úteis 13-23. D Comer fora 41-50. B Formas de. E Na estrada 51-63. C Conversar 31-40. F Transportes. cortesia 24-30.

Índice. A Listas úteis 13-23. D Comer fora 41-50. B Formas de. E Na estrada 51-63. C Conversar 31-40. F Transportes. cortesia 24-30. Índice I ntrodução 9 Q uadro de pronúncia 10 A lfabeto russo 11 A Listas úteis 13-23 1.1 Hoje ou amanhã 14 1.2 Feriados nacionais 15 1.3 Que horas são? 15 1.4 Um, dois, três 17 1.5 O tempo 19 1.6 Aqui,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre Curso: Estudos Sociais Habilitação em História Ementas das disciplinas: 1º Semestre Disciplina: Introdução aos estudos históricos Carga horária semestral: 80 h Ementa: O conceito de História, seus objetivos

Leia mais

PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2. Bolsista do PET EEEC/UFG; renandiasrosa@gmail.com.

PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2. Bolsista do PET EEEC/UFG; renandiasrosa@gmail.com. PROJETO LIGA DE INVENTORES DA UFG Renan Dias ROSA 1, Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2 1 Bolsista do PET EEEC/UFG; renandiasrosa@gmail.com. 2 Professor Tutor do PET EEEC /UFG; gdeusjr@gmail.com. PALAVRAS-CHAVE:

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA MATEMÁTICA

LÍNGUA PORTUGUESA MATEMÁTICA LÍNGUA PORTUGUESA Leitura oral de palavras e frases simples Compreensão de texto (registrar como souber) Formação de palavras (com recursos pedagógicos) Treino ortográfico (auto-ditado). MATEMÁTICA Relação

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul NÚMERO DA VAGA: 22 venho por meio deste pedir a anulação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012) No caso específico da disciplina de PORTUGUÊS, do 3.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO I PORTUGUÊS: Compreensão e interpretação de texto. Ortografia: divisão silábica, pontuação, hífen, sinônimo, acentuação gráfica, crase. Morfologia: classes de

Leia mais

Análise Sintática AMOSTRA DA OBRA. Português é simples. 2ª edição. Eliane Vieira. www.editoraferreira.com.br

Análise Sintática AMOSTRA DA OBRA. Português é simples. 2ª edição. Eliane Vieira. www.editoraferreira.com.br AMOSTRA DA OBRA www.editoraferreira.com.br O sumário aqui apresentado é reprodução fiel do livro 2ª edição. Eliane Vieira Análise Sintática Português é simples 2ª edição Nota sobre a autora Sumário III

Leia mais

O verbo O verbo. www.scipione.com.br/radix. Prof. Erik Anderson. Gramática

O verbo O verbo. www.scipione.com.br/radix. Prof. Erik Anderson. Gramática O verbo O verbo O que é? Palavra variável em pessoa, número, tempo, modo e voz que exprime um processo, isto é, aquilo que se passa no tempo. Pode exprimir: Ação Estado Mudança de estado Fenômeno natural

Leia mais