A BÚSSOLA COMO INSTRUMENTO DE ORIENTAÇÃO NO ESPAÇO GEOGRÁFICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A BÚSSOLA COMO INSTRUMENTO DE ORIENTAÇÃO NO ESPAÇO GEOGRÁFICO"

Transcrição

1 183 A BÚSSOLA COMO INSTRUMENTO DE ORIENTAÇÃO NO ESPAÇO GEOGRÁFICO 1 INTRODUÇÃO Willian Samuel Santana da Roza 1 Selma Regina Aranha Ribeiro 2 Mario Cezar Lopes 3 A Ciência Geográfica apresenta uma diversidade de disciplinas vinculadas à formação de futuros geógrafos e professores de geografia. Uma delas é a Cartografia, que proporciona a representação do espaço geográfico, no qual estamos inseridos, por meio da elaboração de mapas. Também possibilita o aprendizado da utilização de bússolas, mostrando as opções que esta dispõe como os azimutes e rumos, que são de suma importância para que possamos nos orientar em relação aos pontos cardeais a um determinado local. Em nosso dia-a-dia nos deslocamos a vários lugares e observamos uma elevada quantidade de informações. Uma das dificuldades que muitas pessoas possuem é a de se orientarem no espaço geográfico e, portanto não se situam em seu bairro, cidade, estado, país e ao mundo que estão inseridas. O objetivo proposto por este relato é mostrar os resultados obtidos, após uma atividade teórico/prática denominada de Orientação em Campo, organizada por um professor e acadêmicos do curso de Geografia da Universidade Estadual de Ponta Grossa. 2 - OFICINA DE ORIENTAÇÃO EM CAMPO Podemos nos orientar no espaço geográfico de várias maneiras, usando o relógio e o sol, navegando pela observação das estrelas, utilizando receptor GPS (Global Positioning System) e a bússola. A bússola pode ser classificada em transferidora e de visada, a Figura 1 é uma fotografia de uma bússola de visada.

2 184 FIGURA 1 Bússola de visada. Fonte: Na oficina de orientação os participantes aprenderam a utilizar ambos os tipos de bússolas, porém tiveram maior enfoque em relação à bússola transferidora. A bússola transferidora do tipo Silva, ilustrada na Figura 2, é leve, confiável e precisa o suficiente para orientação e navegação básica. Ela permite que calculemos uma posição num mapa, selecionando uma direção em graus (azimute/rumo) em relação ao norte magnético, para então encontrarmos o caminho certo sem fazer cálculos adicionais. FIGURA 2 Bússola transferidora do tipo Silva. Fonte:

3 185 Os participantes da oficina tiveram primeiramente um embasamento teórico sobre a utilização da bússola e conheceram sobre as modalidades do esporte orientação, que possui várias delas, entre as quais está a terrestre, a de mountain bike, de precisão (para deficientes físicos) e de esqui, sendo alvo de uma série de competições. Após o embasamento teórico os acadêmicos foram a campo, para colocarem em prática os conhecimentos adquiridos. Depararam-se primeiramente com o exercício de aferição de passos, para poderem ter uma base de quantos passos duplos percorriam numa distância de cem metros. Posteriormente, tiveram que se orientar de modo que pudessem identificar o norte magnético (N) em relação a um ponto (com coordenada geográfica), no qual estavam localizados. Após, orientados em relação ao N, identificavam um ponto no espaço, como por exemplo, o ginásio de esportes, e do local onde se situavam, tinham que encontrar o ângulo de orientação, ou seja, o azimute na bússola referente ao objeto escolhido. A Figura 3 é um croqui referente a alguns pontos escolhidos pelos acadêmicos, com seus respectivos azimutes. FIGURA 3 Croqui referente aos pontos escolhidos pelos acadêmicos, com seus respectivos azimutes. Organização do autor.

4 186 Depois de executarem os exercícios e sanarem as dúvidas, o grupo de doze (12) participantes foi dividido em duplas, para uma posterior atividade. Nesta tiverem que percorrer uma pista de orientação terrestre de aproximadamente dois mil e trezentos (2.300) metros, com quinze (15) pontos de controle, que eram identificados por prismas (objetos feitos de tecido de cor branca e alaranjada de aproximadamente 30x30cm). A Figura 4 exibe três (3) etapas de montagem de um prisma (sinalizador). FIGURA 4 Prismas. Fonte: Foram lançados os azimutes referentes à localização de cada ponto de controle e a distância em metros entre estes. Cartões de controle, como mostrado na Figura 5, foram distribuídos para que quando as duplas chegassem aos pontos, pudessem utilizar o picotador, que pode ser visto na Figura 6, para comprovar o encontro dos prismas. Assim as duplas foram sendo lançadas num intervalo de aproximadamente cinco (5) minutos, para que não chegassem juntas a um mesmo ponto.

5 187 FIGURA 5 Modelo de um cartão de controle. Fonte: FIGURA 6 Picotador. Fonte: As duplas percorreram todas as distâncias estipuladas entre os prismas e encontraram os azimutes correspondentes a cada coordenada geográfica. A duração total de todo o deslocamento da pista variou de vinte e oito (28) minutos e (16) segundos referente à dupla que obteve o menor tempo, para quarenta e quatro (44) minutos e seis (6) segundos para a que teve o maior tempo. CONSIDERAÇÕES FINAIS Entre as principais dificuldades enfrentadas pelos acadêmicos foi a aferição incorreta dos azimutes em alguns pontos, que davam uma direção que não era referente ao ponto correspondente. A utilização de celulares e relógios, que dependendo da distância que estavam em relação à bússola, afetaram a orientação desta, devido ao magnetismo, fazendo com que os azimutes não ficassem orientados para os prismas correspondentes.

6 188 A oficina realizada foi produtiva, pois houve aprendizado e desenvolvimento das inteligências múltiplas, onde alcançou o desempenho matemático e emocional dos participantes, atingindo o objetivo proposto. Outro ponto positivo foi o de ensinar aos universitários de geografia a utilização básica da bússola, para que estes durante a vida acadêmica e posteriormente na vida profissional, possam aplicar os conhecimentos adquiridos após a oficina, como aulas práticas de geologia, geomorfologia, topografia, hidrologia, climatologia, entre outras. Os geógrafos poderão atuar de forma a analisar o espaço e verificar em cartas topográficas, a orientação correspondente a uma determinada posição geográfica. Os futuros professores poderão atuar de forma dinâmica, na montagem de pistas de orientação para que seus alunos tenham noção de espaço e localização no terreno, mostrando a importância de estarem orientados em uma determinada localidade. Assim, podem identificar várias formas de relevo como ravina, depressão, pico, platô, mata ciliar, entre outras, que geralmente são identificadas somente em materiais didáticos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FRIEDMANN, Raul M. P. Fundamentos de Orientação, Cartografia e Navegação Terrestre. Curitiba: UTFPR, OLIVEIRA, Cêurio de. Curso de Cartografia Moderna. Rio de Janeiro: IBGE, PASINI, Carlos Giovani Delevati; DANTAS, Mário. Disciplina de Orientação e o Currículo de Educação Física do Ensino Superior. Uma Inclusão Necessária. Resumo de dissertação de Mestrado em Educação pela Universidade Vale do Rio Verde de Três Corações datado de 09/12/ Discente do curso de Geografia - Bacharelado da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). E- mail: 2 Docente do curso de Bacharelado em Geografia da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). 3 Docente do curso de Licenciatura em Geografia da Universidade Estadual de Ponta Grossa. (UEPG). Relato recebido em 24 de março de 2011 Aprovado em 01 de junho de 2011.

FUNDAMENTOS DE ORIENTAÇÃO, CARTOGRAFIA E NAVEGAÇÃO TERRESTRE

FUNDAMENTOS DE ORIENTAÇÃO, CARTOGRAFIA E NAVEGAÇÃO TERRESTRE FUNDAMENTOS DE ORIENTAÇÃO, CARTOGRAFIA E NAVEGAÇÃO TERRESTRE 2ª Edição Revista e Atualizada Um livro sobre GPS, bússolas e mapas para aventureiros radicais e moderados, civis e militares. FUNDAMENTOS DE

Leia mais

LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTIC

LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTIC LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTICO Professora: Selma Regina Aranha Ribeiro Estagiários: Ricardo Kwiatkowski Silva / Carlos André Batista de Mello DEFINIÇÃO DE DECLINAÇÃO MAGNÉTICA Muitas pessoas

Leia mais

O Programa de Desenvolvimento Educacional e suas Interfaces

O Programa de Desenvolvimento Educacional e suas Interfaces 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1

O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1 1 O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1 Deisihany Armelin Santana 2 Carina Sala de Moreis 3 INTRODUÇÃO Este artigo analisa, criticamente,

Leia mais

Noções de cartografia aplicada ao Google Earth

Noções de cartografia aplicada ao Google Earth Noções de cartografia aplicada ao Google Earth Sobre a Cartografia A cartografia está diretamente relacionada à nossa evolução, pois nos acompanha desde os primeiros deslocamentos da espécie humana sobre

Leia mais

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO

GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA COM UM PROJETO DE EXTENSÃO André Luís Mattedi Dias mattedi@uefs.br Jamerson dos Santos Pereira pereirajamerson@hotmail.com Jany Santos Souza Goulart janymsdesenho@yahoo.com.br

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

GPS GLOBAL POSITION SYSTEM

GPS GLOBAL POSITION SYSTEM FUNDAMENTOS DA NAVEGAÇÃO ELETRÔNICA GPS GLOBAL POSITION SYSTEM ECOBATÍMETRO FISHFINDER AUTOR: PROF. DR. FABIO GONÇALVES DOS REIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP EDIÇÃO REVISADA BRASIL 2004 6

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DO PROJETO EXPRESSÕES NUMÉRICAS E RADICIAÇÃO: UMA ABORDAGEM CONTEXTUALIZADA NA ESCOLA MARIA DO CARMO CARNEIRO.

EXPERIÊNCIAS DO PROJETO EXPRESSÕES NUMÉRICAS E RADICIAÇÃO: UMA ABORDAGEM CONTEXTUALIZADA NA ESCOLA MARIA DO CARMO CARNEIRO. EXPERIÊNCIAS DO PROJETO EXPRESSÕES NUMÉRICAS E RADICIAÇÃO: UMA ABORDAGEM CONTEXTUALIZADA NA ESCOLA MARIA DO CARMO CARNEIRO. Francisca Valdielle Gomes Silva Discente do Curso de Matemática da Universidade

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

TREINAMENTO PARA A 1ª FASE DA PROVA DA OBMEP: A E.B.M. PROFESSORA CLOTILDE RAMOS CHAVES

TREINAMENTO PARA A 1ª FASE DA PROVA DA OBMEP: A E.B.M. PROFESSORA CLOTILDE RAMOS CHAVES ISSN 2316-7785 TREINAMENTO PARA A 1ª FASE DA PROVA DA OBMEP: A E.B.M. PROFESSORA CLOTILDE RAMOS CHAVES Aline Sant Anna 1 licaolive@hotmail.com Filomena Teruko Tamashiro Arakaki 1 filoteko@hotmail.com Grasiella

Leia mais

Da Prancheta ao Computador...

Da Prancheta ao Computador... Da Prancheta ao Computador... Introdução Como necessidade básica de se localizar ou mesmo para detalhar projetos de quaisquer obras, ao longo do tempo inúmeras formas de representar paisagens e idéias

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Como ensinar os porquês dos conceitos básicos da Matemática, visando a melhora do processo ensino e aprendizado

Mostra de Projetos 2011. Como ensinar os porquês dos conceitos básicos da Matemática, visando a melhora do processo ensino e aprendizado Mostra de Projetos 2011 Como ensinar os porquês dos conceitos básicos da Matemática, visando a melhora do processo ensino e aprendizado Mostra Local de: Paranavaí Categoria do projeto: II - Projetos finalizados

Leia mais

OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES - DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012

OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES - DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012 OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012 Profa. Ms. Fernanda de Cássia Rodrigues Pimenta UNICID 1 fernanda@educationet.com.br Prof.

Leia mais

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS Andreza Olivieri Lopes Carmignolli1 UNESP Eva Poliana Carlindo2 UNESP Grupo de Trabalho Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não

Leia mais

INTERAÇÃO UNIVERSIDADE ESCOLA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL 1

INTERAÇÃO UNIVERSIDADE ESCOLA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL 1 INTERAÇÃO UNIVERSIDADE ESCOLA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL 1 REMPEL, Claudete 2 ; HERDINA, Renata 3 ; SALVINI, Juciano 3 ; GUERIZZOLI, Marta Maggi 2, BOHRER, Temis Regina Jacques 2 1 Projeto de Pesquisa Avaliação

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

CAPÍTULO I DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR

CAPÍTULO I DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET CAPÍTULO I DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR Artigo 1º Considera-se Atividades Complementares atividades acadêmicas,

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESATRES CEPED/RS CURSO DE EXTENSÃO

Leia mais

Por que os cartógrafos e os geógrafos têm necessidade de conhecer topografia? Os levantamentos de base não existem em todos os lugares;

Por que os cartógrafos e os geógrafos têm necessidade de conhecer topografia? Os levantamentos de base não existem em todos os lugares; 1 - ELEMENTOS DE TOPOGRAFIA Definição: É o conjunto de técnicas aplicadas ao terreno, cujo objeto é o estabelecimento das cartas e das plantas. Conforme a etimologia da palavra, topografia é a arte de

Leia mais

EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA DISCIPLINA CARTOGRAFIA ESCOLAR DURANTE FORMAÇÃO ACADÊMICA

EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA DISCIPLINA CARTOGRAFIA ESCOLAR DURANTE FORMAÇÃO ACADÊMICA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA DISCIPLINA CARTOGRAFIA ESCOLAR DURANTE FORMAÇÃO ACADÊMICA Claudio Francisco da Costa claud.fc@gmail.com 1977 Paulo Eduardo Ribeiro paeribeiro@hotmail.com Vilma Célia Santana vilmacsantanam@hotmail.com

Leia mais

TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE CAPÍTULO II DOS CENTROS

TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE CAPÍTULO II DOS CENTROS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE DOS CENTROS SEÇÃO II DOS DEPARTAMENTOS Art. 10. Os Departamentos que desenvolverão atividades de ensino, NAS MODALIDADES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA, em nível de graduação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ IFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PROPI

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ IFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PROPI INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ IFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PROPI Edital Nº 04, de 29 de setembro de 2015 O Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL: A TERCEIRA IDADE E SUAS DIFICULDADES ASSOCIADAS AS NOVAS TECNOLOGIAS.

INCLUSÃO DIGITAL: A TERCEIRA IDADE E SUAS DIFICULDADES ASSOCIADAS AS NOVAS TECNOLOGIAS. INCLUSÃO DIGITAL: A TERCEIRA IDADE E SUAS DIFICULDADES ASSOCIADAS AS NOVAS TECNOLOGIAS. Cícero Gonçalves dos Santos Faculdade Sete de Setembro (FASETE), cycero_hsc@hotmail.com Denise Xavier Fortes Faculdade

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) NAS SÉRIES INICIAIS DE ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE ITUIUTABA-MG

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) NAS SÉRIES INICIAIS DE ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE ITUIUTABA-MG RELATO DE EXPERIÊNCIA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) NAS SÉRIES INICIAIS DE ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE ITUIUTABA-MG Acacio Mariano Ferreira Neto 1 Edmilson Agápeto de

Leia mais

O Ensino de Geografia Através de Métodos Esportivos de Corrida de Orientação

O Ensino de Geografia Através de Métodos Esportivos de Corrida de Orientação Valquiria Konzen Christian Junior Licheski Díaz UNICENTRO - Universidade Estadual do Centro Oeste (vaukiria_konzen@hotmail.com), (licheski.diaz@gmail.com) O Ensino de Geografia Através de Métodos Esportivos

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Encontrando o seu lugar na Terra

Encontrando o seu lugar na Terra Encontrando o seu lugar na Terra A UU L AL A Nesta aula vamos aprender que a Terra tem a forma de uma esfera, e que é possível indicar e localizar qualquer lugar em sua superfície utilizando suas coordenadas

Leia mais

A Matemática no Atletismo E.E.I.Carlos Maximiliano Pereira dos Santos Sala 14 / 2ª. Sessão

A Matemática no Atletismo E.E.I.Carlos Maximiliano Pereira dos Santos Sala 14 / 2ª. Sessão A Matemática no Atletismo E.E.I.Carlos Maximiliano Pereira dos Santos Sala 14 / 2ª. Sessão Professor(es) Apresentador(es): Vanildo Cunha Santos Walnice Luciene Feltran Realização: Foco Projeto elaborado

Leia mais

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS ESTAÇÃO TOTAL x GPS RTK

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS ESTAÇÃO TOTAL x GPS RTK LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS ESTAÇÃO TOTAL x GPS RTK Douglas Luiz Grando 1 ; Valdemir Land 2, Anderson Clayton Rhoden 3 Palavras-chave: Topografia; Geodésia; GPS de Precisão. INTRODUÇÃO Com a evolução das

Leia mais

Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação

Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação Professora Áurea Santos, com o grupo de estudantes do Instituto Federal do Piauí pioneiro no intercâmbio com Espanha e a Portugal: A experiência

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE SETEMBRO DE 2012 EREM LUIZ DELGADO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE SETEMBRO DE 2012 EREM LUIZ DELGADO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA JOÃO PAULO M. DE SOUZA MÔNICA SANTOS RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE SETEMBRO DE 2012 EREM LUIZ DELGADO RECIFE

Leia mais

Uso de Localizador GPS Aplicado à Manutenção de Linhas de Transmissão de 69kV e 138kV.

Uso de Localizador GPS Aplicado à Manutenção de Linhas de Transmissão de 69kV e 138kV. XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Uso de Localizador GPS Aplicado à Manutenção de Linhas de Transmissão de 69kV e 138kV.

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

Implantação de 1/3 de planejamento na rede Estadual de Mato Grosso do Sul. Em fase de discussão

Implantação de 1/3 de planejamento na rede Estadual de Mato Grosso do Sul. Em fase de discussão Implantação de 1/3 de planejamento na rede Estadual de Mato Grosso do Sul. Em fase de discussão Carga horária - Lei 87/2000 - Estatuto Art. 23. Os Profissionais da Educação Básica no exercício das funções

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT Silmara Alexandra da Silva Vicente Universidade Presbiteriana Mackenzie Gisela Hernandes Gomes Universidade Presbiteriana

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Área de conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Geografia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS-PIBID 2º SEMESTRE 2013. Bolsistas: Jaqueline Kovalechucki Ricardo Rossa

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS-PIBID 2º SEMESTRE 2013. Bolsistas: Jaqueline Kovalechucki Ricardo Rossa UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS-PIBID 2º SEMESTRE 2013. Bolsistas: Jaqueline Kovalechucki Ricardo Rossa CURITIBA 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. LOCALIZAÇÃO DO COLÉGIO...4-5

Leia mais

Eixo Temático: Processos de Ensino-Aprendizagem

Eixo Temático: Processos de Ensino-Aprendizagem 91 Eixo Temático: Processos de Ensino-Aprendizagem ET-06-015 INFLUÊNCIA DA MONTAGEM DE UM JOGO DIDÁTICO DO SISTEMA DIGESTÓRIO PARA A MELHORIA NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM Jéssica Maria Bernardo da Silva,

Leia mais

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Tanise Coppetti Universidade Federal de Santa Maria tani_coppetti@hotmail.com Resumo: Este trabalho apresenta uma atividade a respeito de equações

Leia mais

Pacote de Actividades para Educadores: Guia de Observação www.globeatnight.org

Pacote de Actividades para Educadores: Guia de Observação www.globeatnight.org Pacote de Actividades para Educadores: Guia de Observação Encoraje os seus alunos a participar numa campanha mundial de ciência, que consiste em observar e registar a magnitude das estrelas visíveis e

Leia mais

EDITAL Nº 04/2013 1 DAS VAGAS

EDITAL Nº 04/2013 1 DAS VAGAS EDITAL Nº 04/2013 A UNIVERSIDADE CEUMA, nos termos deste edital, torna público que, no período de 12/07/2013 a 29/07/2013, das 14:00h às 20:00h estarão abertas às inscrições do processo de seleção para

Leia mais

O ENSINO DE CARTOGRAFIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA: UMA DISCUSSÃO PARA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR

O ENSINO DE CARTOGRAFIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA: UMA DISCUSSÃO PARA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR O ENSINO DE CARTOGRAFIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA: UMA DISCUSSÃO PARA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR Antonio Carlos Freire Sampaio 1 Paulo Márcio Leal de Menezes 2 Introdução Tem-se observado, no

Leia mais

Escola Superior de Ciências Sociais ESCS

Escola Superior de Ciências Sociais ESCS Escola Superior de Ciências Sociais ESCS Manual do Estágio Supervisionado Curso de Graduação - Licenciatura em História MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Conforme legislação em

Leia mais

O JOGO DE XADREZ COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA APRENDIZAGEM ESCOLAR DE ALUNOS DO 6º ANO

O JOGO DE XADREZ COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA APRENDIZAGEM ESCOLAR DE ALUNOS DO 6º ANO O JOGO DE XADREZ COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA APRENDIZAGEM ESCOLAR DE ALUNOS DO 6º ANO PLAY CHESS AS EDUCATIONAL RESOURCE FOR SCHOOL LEARNING OF 6 YEAR STUDENTS Letícia Alessandra Cavalcante-Graduanda

Leia mais

O mundo lá fora oficinas de sensibilização para línguas estrangeiras

O mundo lá fora oficinas de sensibilização para línguas estrangeiras O mundo lá fora oficinas de sensibilização para línguas estrangeiras Ligia Paula Couto (Universidade Estadual de Ponta Grossa) Introdução Este artigo relatará a experiência de um grupo de alunos e professores

Leia mais

CAPÍTULO 9 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

CAPÍTULO 9 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CAPÍTULO 9 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE Maria Luisa Furlan Costa Ruth Izumi Setoguti Artigo 87 da Lei 9394/97 - DÉCADA DA EDUCAÇÃO

Leia mais

SOFTWARE EDUCACIONAL PARA CÁLCULO DA PROJEÇÃO DE SOMBRAS DE OBJETOS ILUMINADOS PELO SOL 1

SOFTWARE EDUCACIONAL PARA CÁLCULO DA PROJEÇÃO DE SOMBRAS DE OBJETOS ILUMINADOS PELO SOL 1 SOFTWARE EDUCACIONAL PARA CÁLCULO DA PROJEÇÃO DE SOMBRAS DE OBJETOS ILUMINADOS PELO SOL 1 Guilherme Cândido 2 ; Letícia Gabriela de Campos 3 ; Angelo Augusto Frozza 4 INTRODUÇÃO Atualmente, diversas cidades

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Astronomia, Metodologia, Ensino, Software livre

PALAVRAS-CHAVE: Astronomia, Metodologia, Ensino, Software livre DESENVOLVIMENTO DE UMA METODOLOGIA DE ENSINO DE ASTRONOMIA COM O USO DE SOFTWARE LIVRE FILHO, Valdinei Bueno Lima 1, PRADO, Valdiglei Borges 2, SOARES, Fabrízzio Alphonsus A. M. N. 3, MARTINS, Alessandro

Leia mais

Produção de vídeo-aula em DVD

Produção de vídeo-aula em DVD 1 Produção de vídeo-aula em DVD Marcus José Vieira educadormusical@yahoo.com.br Centro Social Marista, Londrina/PR Resumo. Este relato descreve uma experiência realizada em um Centro Social Marista em

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE INTERVALOS REAIS POR MEIO DE JOGOS

UMA PROPOSTA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE INTERVALOS REAIS POR MEIO DE JOGOS UMA PROPOSTA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE INTERVALOS REAIS POR MEIO DE JOGOS Jéssica Ayumi Uehara Aguilera 1 j.ayumi@hotmail.com Alessandra Querino da Silva 2 alessandrasilva@ufgd.edu.br Cintia da Silva

Leia mais

Palavras-chave: Projeto de ensino; reprovação em Matemática; monitoria.

Palavras-chave: Projeto de ensino; reprovação em Matemática; monitoria. REPROVAÇÃO EM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: UMA TENTATIVA DE REDUZIR OS ALTOS ÍNDICES Profa. Dra. Camila Pinto da Costa Universidade Federal de Pelotas camila.ufpel@gmail.com Profa. Dra. Rejane Pergher

Leia mais

FRANCISCO JORGE DE SOUZA JOBSON DE FARIAS LIMA MARIA JOSIVÂNIA DE LIMA ABDALA MAXSUEL DA SILVA EMILIANO NÉLTTER NEYSON FREIRE DE PONTES

FRANCISCO JORGE DE SOUZA JOBSON DE FARIAS LIMA MARIA JOSIVÂNIA DE LIMA ABDALA MAXSUEL DA SILVA EMILIANO NÉLTTER NEYSON FREIRE DE PONTES FRANCISCO JORGE DE SOUZA JOBSON DE FARIAS LIMA MARIA JOSIVÂNIA DE LIMA ABDALA MAXSUEL DA SILVA EMILIANO NÉLTTER NEYSON FREIRE DE PONTES A APLICAÇÃO DE ELEMENTOS TECNOLÓGICOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA E SUAS

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Gabriela Zilioti, graduanda de Licenciatura e Bacharelado em Geografia na Universidade Estadual de Campinas.

Gabriela Zilioti, graduanda de Licenciatura e Bacharelado em Geografia na Universidade Estadual de Campinas. Relato de Experiência Eixo temático: Direitos Humanos - inclusão Gabriela Zilioti, graduanda de Licenciatura e Bacharelado em Geografia na Universidade Estadual de Campinas. A importância de maquetes para

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE Regulamenta o regime de trabalho de Tempo Integral, em Dedicação Exclusiva

Leia mais

Manual de Orientação de Atividades Complementares

Manual de Orientação de Atividades Complementares Manual de Orientação de Atividades Complementares Lei nº 9.131/95 Pareceres 776/07 de 03/12/97 e 583/2001 São Paulo 2015.2 1 1. ATIVIDADES COMPLEMENTARES De acordo com a Lei 9.131 de 1995 e os Pareceres

Leia mais

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO ISSN 2177-9139 OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO André Martins Alvarenga - andrealvarenga@unipampa.edu.br Andressa Sanches Teixeira - andressaexatas2013@gmail.com

Leia mais

LIXO ELETRÔNICO: Problema, discussão e conscientização trabalhados de forma interdisciplinar

LIXO ELETRÔNICO: Problema, discussão e conscientização trabalhados de forma interdisciplinar LIXO ELETRÔNICO: Problema, discussão e conscientização trabalhados de forma interdisciplinar Silviana Izabel Freire Severo 1 Débora da Silva de Lara 2 Maurício Ramos Lutz 3 Resumo: O presente relato tem

Leia mais

Coordenado pela Profª Lucidéa Santos, o artigo A FIBRA vai à Escola e a Escola vai à FIBRA: uma experiência em nível de extensão para estabelecer

Coordenado pela Profª Lucidéa Santos, o artigo A FIBRA vai à Escola e a Escola vai à FIBRA: uma experiência em nível de extensão para estabelecer APRESENTAÇÃO Esta coletânea de artigos contempla a sociedade acadêmica com mais uma publicação de resultados de atividades desenvolvidas pela Faculdade Integrada Brasil Amazônia FIBRA, no âmbito da Extensão

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MAPA GEOMORFOLÓGICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO

UTILIZAÇÃO DO MAPA GEOMORFOLÓGICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO UTILIZAÇÃO DO MAPA GEOMORFOLÓGICO NO PROCESSO ENSINO- Nascimetno, M.D. 1 ; Moura, N.S.V. 2 ; Souza, B.S.P. 3 ; 1 UFRGS Email:mdnascimento@ymail.com; 2 UFRGS Email:nina.moura@ufrgs.br; 3 UFSM Email:bernardosps@yahoo.com.br;

Leia mais

CRIATIVIDADE, AMBIENTE LÚDICO E ENSINO DE FÍSICA: UMA REFLEXÃO EM BUSCA DO ESTIMULO PARA O APRENDIZADO

CRIATIVIDADE, AMBIENTE LÚDICO E ENSINO DE FÍSICA: UMA REFLEXÃO EM BUSCA DO ESTIMULO PARA O APRENDIZADO CRIATIVIDADE, AMBIENTE LÚDICO E ENSINO DE FÍSICA: UMA REFLEXÃO EM BUSCA DO ESTIMULO PARA O APRENDIZADO L. L. A. Veiga 1 ; A. C. L. Dias 2 ; F. A. O. Cruz 3 1 Mestrado Profissional em Educação em Ciências

Leia mais

Palavras-chave: Matemática; Olimpíadas; PIBID. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Matemática; Olimpíadas; PIBID. INTRODUÇÃO OLIMPÍADAS DE MATEMÁTICA: AÇÕES ENTRE PIBID E EMEB JARDIM PARAÍSO Gessica Lisbôa 1 (gssclisboa@hotmail.com) Michelly Trivilin de Morais 2 (michellytrivilin@hotmail.com) Rafael Camilo Custódio Arias 3 (fael_camilo@hotmail.com)

Leia mais

A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES. GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental

A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES. GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental Adriele Monteiro Ravalha, URI/Santiago-RS, adrieleravalha@yahoo.com.br

Leia mais

AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES

AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES Silmara Cristina Manoel UNESP Ilha Solteira Silmaracris2@hotmail.com Inocêncio Fernandes Balieiro Filho

Leia mais

JOGOS MATEMÁTICOS NO ENSINO MÉDIO UMA EXPERIÊNCIA NO PIBID/CAPES/IFCE

JOGOS MATEMÁTICOS NO ENSINO MÉDIO UMA EXPERIÊNCIA NO PIBID/CAPES/IFCE JOGOS MATEMÁTICOS NO ENSINO MÉDIO UMA EXPERIÊNCIA NO PIBID/CAPES/IFCE Myrlene Oliveira Nascimento myrlene.oliveira@yahoo.com.br Janaína Marques e Melo janaina_gauss@yahoo.com.br Luiza Santos Pontello lpontello@yahoo.com.br

Leia mais

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática Michel da Silva Machado e-mail: michel_nick25@hotmail.com Isaque Rodrigues e-mail: isaque.max@hotmail.com Márcia Marinho do Nascimento Mello e-mail:

Leia mais

Número total de vagas 20

Número total de vagas 20 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ IFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PROPI EDITAL 12/2015 O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA NUTEAD Núcleo de Tecnologia e Educação Aberta e a Distância

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA NUTEAD Núcleo de Tecnologia e Educação Aberta e a Distância EDITAL N 094/13 - UEPG/NUTEAD/UAB PROCESSO SELETIVO DE BOLSISTAS UAB/FNDE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL TUTOR PRESENCIAL A Universidade Estadual de Ponta Grossa, através do Núcleo de Tecnologia

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS.

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. Maria da Conceição da Cruz (PIBIX/PIBID-UFS) marynni@hotmail.com Tayane dos Santos (PIBIX -UFS) tayaneyat@gmail.com Resumo:

Leia mais

Avanços na transparência

Avanços na transparência Avanços na transparência A Capes está avançando não apenas na questão dos indicadores, como vimos nas semanas anteriores, mas também na transparência do sistema. Este assunto será explicado aqui, com ênfase

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Universidade do Estado da Bahia Brasil Modalidade: Comunicação Breve Nível

Leia mais

A PRÁTICA DE PROJETOS ESCOLARES COMO MEIO DE APRENDIZAGEM: UMA EXPERIENCIA EM BARRA DO GARÇAS (MT)

A PRÁTICA DE PROJETOS ESCOLARES COMO MEIO DE APRENDIZAGEM: UMA EXPERIENCIA EM BARRA DO GARÇAS (MT) A PRÁTICA DE PROJETOS ESCOLARES COMO MEIO DE APRENDIZAGEM: UMA EXPERIENCIA EM BARRA DO GARÇAS (MT) Rosinei Borges de Mendonça UFMT-Araguaia rosineibm@gmail.com Adriana Queiroz do Nascimento UFMT-Araguaia

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

O USO DE TRILHAS DE ORIENTAÇÃO NO ENSINO DA CARTOGRAFIA: O RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

O USO DE TRILHAS DE ORIENTAÇÃO NO ENSINO DA CARTOGRAFIA: O RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA 28 O USO DE TRILHAS DE ORIENTAÇÃO NO ENSINO DA CARTOGRAFIA: O RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Valéria Raquel P. de Lima; Jorge Flávio C. B. da Costa Silva Fabiano Silva de Lima; Joseane Nazaro de Brito (Acadêmicos

Leia mais

Sistema de Avaliação Institucional WEB SAI 2012 - Atividades dos Docentes Titulações e Produções Acadêmicas

Sistema de Avaliação Institucional WEB SAI 2012 - Atividades dos Docentes Titulações e Produções Acadêmicas Sistema de Avaliação Institucional WEB SAI 2012 - Atividades dos Docentes Titulações e Produções Acadêmicas Orientação ao Docente Sistema de Avaliação Institucional Informações Academicas de Docentes Página

Leia mais

Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP

Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL 1.1. Histórico da Prática Eficaz descrever como surgiu o programa/prática e indicar a data de início das ações. O

Leia mais

A INCLUSÃO DIGITAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA E A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS EM SALA DE AULA

A INCLUSÃO DIGITAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA E A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS EM SALA DE AULA 106 A INCLUSÃO DIGITAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA E A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS EM SALA DE AULA Introdução MELLO, Amarildo da Silva GRIZIO-ORITA, Edinéia Vilanova O tema inclusão digital

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

A PERSPECTIVA FREIREANA NA ARTICULAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS SINOP

A PERSPECTIVA FREIREANA NA ARTICULAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS SINOP A PERSPECTIVA FREIREANA NA ARTICULAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS SINOP José Luiz Müller 1 RESUMO Marion Machado Cunha 2 Exte texto tem como objetivo central

Leia mais

ENSINAR E APRENDER GEOGRAFIA COM ALUNOS SURDOS: ALGUMAS ATIVIDADES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO

ENSINAR E APRENDER GEOGRAFIA COM ALUNOS SURDOS: ALGUMAS ATIVIDADES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO ENSINAR E APRENDER GEOGRAFIA COM ALUNOS SURDOS: ALGUMAS ATIVIDADES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Dirlene A. Costa Gonçalves Professora Escola para Surdos Dulce de Oliveira, Uberaba-MG. dirlenecosta12@hotmail.com

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CURSO DE BACHARELADO EM HISTÓRIA DA UEPG SINAES ENADE 2011

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CURSO DE BACHARELADO EM HISTÓRIA DA UEPG SINAES ENADE 2011 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CURSO DE BACHARELADO EM HISTÓRIA DA UEPG SINAES ENADE 2011 Ponta Grossa 2013 REITORIA Reitor João Carlos Gomes Vice-Reitor Carlos Luciano Sant Ana Vargas PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO

Leia mais

PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA

PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA José Erildo Lopes Júnior 1 juniormat2003@yahoo.com.br RESUMO Neste trabalho, vamos apresentar o conteúdo de ângulos, através

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Associação Brasileira de Educação Médica ABEM PROJETO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS MUDANÇAS NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA ÁREA DE SAÚDE CAEM/ABEM

Associação Brasileira de Educação Médica ABEM PROJETO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS MUDANÇAS NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA ÁREA DE SAÚDE CAEM/ABEM PROJETO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS MUDANÇAS NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA ÁREA DE SAÚDE CAEM/ABEM Título: Projeto de Avaliação e Acompanhamento das Mudanças nos Cursos de Graduação da Área de Saúde

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA NUTEAD Núcleo de Tecnologia e Educação Aberta e a Distância

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA NUTEAD Núcleo de Tecnologia e Educação Aberta e a Distância EDITAL N 006/14 - UEPG/NUTEAD/UAB PROCESSO SELETIVO DE BOLSISTAS UAB/CAPES TUTOR PRESENCIAL BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA A Universidade Estadual de Ponta Grossa, através do Núcleo de Tecnologia

Leia mais

Uma perspectiva do turismo em Ponta Grossa: Estudo de Caso do Encontro de Motos Easy Road

Uma perspectiva do turismo em Ponta Grossa: Estudo de Caso do Encontro de Motos Easy Road 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO Uma perspectiva do turismo em Ponta Grossa: Estudo de Caso do Encontro de Motos Easy Road Apresentador 1 Ana Paula Cunha Apresentador

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

Coordenadas Geográficas

Coordenadas Geográficas Orientação A rosa-dos-ventos possibilita encontrar a direção de qualquer ponto da linha do horizonte. Por convenção internacional, a língua inglesa é utilizada como padrão, portanto o Leste muitas vezes

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA. EDITAL Nº 009/2014-PROPPG, de 22 de abril de 2014

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA. EDITAL Nº 009/2014-PROPPG, de 22 de abril de 2014 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA EDITAL Nº 009/2014-PROPPG, de 22 de abril de 2014 A, por meio da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPPG/IFG), torna público o processo

Leia mais

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA Claudson Santana Almeida Junho 2012 Introdução O que o leitor encontrará neste artigo? Uma apresentação do sistema de Ensino a Distância (EAD), conhecer as vantagens e

Leia mais

CURSO DE MEDICINA VETRINÁRIA

CURSO DE MEDICINA VETRINÁRIA FACULDADES INTEGRADAS VALE DO IGUAÇU - UNIGUAÇU CURSO DE MEDICINA VETRINÁRIA REGIMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIÃO DA VITÓRIA 2012 REGIMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA

Leia mais