Certificado de Ensaio e Análise /2011

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Certificado de Ensaio e Análise 254.802-1/2011"

Transcrição

1 1. SOLICITANTE: Ecofuel Coml. Imp. Exp. e Prestação de Serviços Técnicos em Combustão Ltda. Rua Frederico Von Martius, 76 Vila Monumento - São Paulo SP CEP A/C: Sr. Hugo Monaco 2. OBJETIVO: Determinação das emissões gasosas e consumo de veículos automotores conforme NBR 6601/2005 e NBR 7024/2010. Página 1 de DADOS DA AMOSTRA: 01 veículo Toyota Hilux - M/T Motor: 102 cv - Pneus: 215/80R169 Data do recebimento: 28/11/ DATA DE EMISSÃO: 12/01/ veículo Chevrolet S10 - M/T Motor: 140 cv - Pneus: 225/75R15 Data do recebimento: 05/12/ veículo Volkswagen Amarok - M/T Motor: 122 cv - Pneus: 205R16c Data do recebimento: 12/12/2011 Para informações complementares, vide relatório de ensaio. Os resultados deste Relatório se referem somente aos itens ensaiados/analisados. 5. PROCEDIMENTO NBR 6601/ Veículos rodoviários automotores leves - Determinação de hidrocarbonetos, monóxido de carbono, óxidos de nitrogênio, dióxido de carbono e material particulado no gás de escapamento; NBR 7024/ Veículos rodoviários automotores leves - Medição do consumo de combustível - Método de ensaio, conforme item 6.3 Cálculo do consumo pelo método por balanço de carbono; Resolução Nº 40, DE DOU Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis; 6. DADOS DO COMBUSTÍVEL Diesel Padrão de Referência Massa específica 0,8308 kg/l, a 20 C Ensaios: 8389 ; 8453 e 8537 Diesel Padrão de Referência Massa específica 0,8308 kg/l, a 20 C Com aditivo XP3, na concentração de 1/4000 litros, fornecido pelo cliente. Ensaios: nº 8415; 8468 e 8556

2 Página 2 de DADOS DOS EQUIPAMENTOS Dinamômetro elétrico Horiba LDD monorolo; Analisadores: Horiba 7200 H (CO, HC, NOx, CO2, CH4) E 7500 H (CO, HC, Nox, CO2, O2); Amostrador: CVS - CFV Horiba modelo CVS - DPS 88; Balança de Microgramas CAHN; 8. CONDIÇÕES DE ENSAIO O ajuste das forças aplicadas pelo Dinamômetro Horiba de 48 foi realizado através da inserção dos tempos de desaceleração em pista fornecidos pelo cliente: Toyota Hilux - Motor: 102 cv - M/T PRR80 (hp): 20,6 Chevrolet S10 - Motor: 140 cv - M/T PRR80 (hp): 21,4 Volkswagen Amarok - Motor: 122 cv - M/T PRR80 (hp): 19,6 9. RESULTADOS E DADOS ADICIONAIS DO ENSAIO DE EMISSÕES Vide páginas 03 até OBSERVAÇÔES Os ensaios nº 8389, 8453 e 8537 foram realizados com combustível Diesel Padrão de referência sem aditivo Os ensaios nº 8415, 8468 e 8556 utilizou-se o aditivo XP3 na concentração de 1/4000 litros, fornecido pelo cliente. Responsável pela análise: Aprovação: Katia Cristine da Silva Representante da Qualidade Registro LACTEC 1139 Dennis Rempel Signatário Autorizado Registro LACTEC 547

3 Página 3 de 14 Run Number: 8389 Requester: ECOFUEL Test Cell: LACTEC LEME Vehicle Type: Hilux_TOYOTA Test Date: 30/nov/11 Vehicle ID: 84JER32G Test Start Time: 01:20:51 Transmission: Manual Test Type: Brazil Cert Odometer: (km) Operador: RICARDO Inertia Wt: (kg) 2041 Driver: RICARDO Dyno Coeff A: (nt) Shift Table 1: 25_40_65_72 Dyno Coeff C: (nt/kph^2) Shift Table 2: EPA505_5spd_25_40_65_72 Dyno 50 mph: 20.6 Soak Start Date: 29/11/2011 Driver Errors: 0 Soak Start Time: 00:12 Pretest Remarks: Phase Start Time: 01:27:33 01:35:59 02:00:40 Test Time (sec): Avg. CVS Flow Rate (m^3/min) CVS Volume (m^3 20degC) Dilution factor: Bag Analysis Time (sec): Driver Out of Limits (sec): Distance (km) Crank Time (sec): Hold Time (sec): Avg. Cell Temp (degc) Avg. Barometer (kpa) Avg Dew Point (degc) Avg. Real Humidity (%) Specific Humidity (gm/kg) Hum Corr Factor: Bag Results THC CO NOx CO2 CH4 Phase 1 (ppm) (ppm) (ppm) (%) (ppm) Sample: Ambient: Net Concentration: Phase 2 Sample: Ambient: Net Concentration: Phase 3 Sample: Ambient: Net Concentration: Phase Phase Phase Weighted (Phase1,2,3) Phase , Phase , Phase , Weighted (Phase1,2,3) Fuel Economy (km/liter) Phase Phase Phase Weighted (Phase1,2,3) THC CO Nox CO2 CH4 NMHC

4 Página 4 de 14 Run Number: 8389 Requester: ECOFUEL Test Cell: LACTEC LEME Vehicle Type: Hilux_TOYOTA Test Date: 30/nov/11 Vehicle ID: 84JER32G Test Start Time: 01:20:51 Transmission: Manual Test Type: Brazil Cert Odometer: (km) Operador: RICARDO Inertia Wt: (kg) 2041 Driver: RICARDO Dyno Coeff A: (nt) Shift Table 1: 25_40_65_72 Dyno Coeff C: (nt/kph^2) Shift Table 2: EPA505_5spd_25_40_65_72 Dyno 50 mph: 20.6 Soak Start Date: 29/11/2011 Driver Errors: 0 Soak Start Time: 00:12 Pretest Remarks: Phase Start Time(hh:mm:ss): 01:27:33 01:35:59 02:00:40 Particulate Flow Time(sec): Avg. CVS Flow Rate(m^3/min): CVS Volume (m^3 20degC): CVS Dilution factor: Distance(km): Crank Time(sec): Hold Time(sec): Avg. Cell Temp.(degC): Avg. Barometer(kPa): Avg. Dew Point(degC): Avg. Specific Humidity(gm/kg): Avg. Relative Humidity(%): Particulate Conditions Avg. Particulate Flow Rate(L/min): Particulate Volume(L): Avg. Particulate Temp.(degC): Avg. Tunnel Temp.(degC): Sample Particulate Filters Filter Number Init. Primary Filter Mass(mg) Final Primary Filter Mass(mg) Initial Secondary Filter Mass(mg) Final Secondary Filter Mass(mg) Net Combined Filter Mass(mg) Particulate Results Filter Mass (g) Particulate Mass (g/km) Weighted Particulate Mass Particulate Mass (g/km)

5 Página 5 de 14 Run Number: 8415 Requester: ECOFUEL Test Cell: LACTEC LEME Vehicle Type: Hilux_TOYOTA Test Date: 02-Dec-2011 Vehicle ID: 8AJER32G Test Start Time: 01:05:29 Transmission: Manual Test Type: Brazil Cert Odometer: (km) Operador: CARLOS Inertia Wt: (kg) 2041 Driver: CARLOS Dyno Coeff A: (nt) Shift Table 1: 25_40_65_72 Dyno Coeff C: (nt/kph^2) Shift Table 2: EPA505_5spd_25_40_65_72 Dyno 50 mph: 20.6 Soak Start Date: 01/12/2011 Driver Errors: 0 Soak Start Time: 02:50 Pretest Remarks: Com aditivo Phase Start Time: 01:16:06 01:24:32 01:49:04 Test Time (sec): Avg. CVS Flow Rate (m^3/min) CVS Volume (m^3 20degC) Dilution factor: Bag Analysis Time (sec): Driver Out of Limits (sec): Distance (km) Crank Time (sec): Hold Time (sec): Avg. Cell Temp (degc) Avg. Barometer (kpa) Avg Dew Point (degc) Avg. Real Humidity (%) Specific Humidity (gm/kg) Hum Corr Factor: Bag Results THC CO NOx CO2 CH4 Phase 1 (ppm) (ppm) (ppm) (%) (ppm) Sample: Ambient: Net Concentration: Phase 2 Sample: Ambient: Net Concentration: Phase 3 Sample: Ambient: Net Concentration: Phase Phase Phase Weighted (Phase1,2,3) Phase , Phase , Phase , Weighted (Phase1,2,3) Fuel Economy (km/liter) Phase Phase Phase Weighted (Phase1,2,3) THC CO Nox CO2 CH4 NMHC

6 Página 6 de 14 Run Number: 8415 Requester: ECOFUEL Test Cell: LACTEC LEME Vehicle Type: Hilux_TOYOTA Test Date: 02-Dec-2011 Vehicle ID: 8AJER32G Test Start Time: 01:05:29 Transmission: Manual Test Type: Brazil Cert Odometer: (km) Operador: CARLOS Inertia Wt: (kg) 2041 Driver: CARLOS Dyno Coeff A: (nt) Shift Table 1: 25_40_65_72 Dyno Coeff C: (nt/kph^2) Shift Table 2: EPA505_5spd_25_40_65_72 Dyno 50 mph: 20.6 Soak Start Date: 01/12/2011 Driver Errors: 0 Soak Start Time: 02:50 Pretest Remarks: Com Aditivo Phase Start Time(hh:mm:ss): 01:16:06 01:24:32 01:49:04 Particulate Flow Time(sec): Avg. CVS Flow Rate(m^3/min): CVS Volume (m^3 20degC): CVS Dilution factor: Distance(km): Crank Time(sec): Hold Time(sec): Avg. Cell Temp.(degC): Avg. Barometer(kPa): Avg. Dew Point(degC): Avg. Specific Humidity(gm/kg): Avg. Relative Humidity(%): Particulate Conditions Avg. Particulate Flow Rate(L/min): Particulate Volume(L): Avg. Particulate Temp.(degC): Avg. Tunnel Temp.(degC): Sample Particulate Filters Filter Number Init. Primary Filter Mass(mg) Final Primary Filter Mass(mg) Initial Secondary Filter Mass(mg) Final Secondary Filter Mass(mg) Net Combined Filter Mass(mg) Particulate Results Filter Mass (g) Particulate Mass (g/km) Weighted Particulate Mass Particulate Mass (g/km)

7 Página 7 de 14 Run Number: 8453 Requester: ECOFUEL Test Cell: LACTEC LEME Vehicle Type: S-10 Test Date: 07-Dec-2011 Vehicle ID: 9BG138JJ0B Test Start Time: 00:17:35 Transmission: Manual Test Type: Brazil Cert Odometer: (km) Operador: CARLOS Inertia Wt: (kg) 2041 Driver: CARLOS Dyno Coeff A: (nt) Shift Table 1: 15_30_48_70 Dyno Coeff C: (nt/kph^2) Shift Table 2: 3PH_15_30_48_70 Dyno 50 mph: 21.4 Soak Start Date: 06/12/2011 Driver Errors: 0 Soak Start Time: 06:10 Pretest Remarks: Phase Start Time: 00:24:54 00:33:20 00:57:37 Test Time (sec): Avg. CVS Flow Rate (m^3/min) CVS Volume (m^3 20degC) Dilution factor: Bag Analysis Time (sec): Driver Out of Limits (sec): Distance (km) Crank Time (sec): Hold Time (sec): Avg. Cell Temp (degc) Avg. Barometer (kpa) Avg Dew Point (degc) Avg. Real Humidity (%) Specific Humidity (gm/kg) Hum Corr Factor: Bag Results THC CO NOx CO2 CH4 Phase 1 (ppm) (ppm) (ppm) (%) (ppm) Sample: Ambient: Net Concentration: Phase 2 Sample: Ambient: Net Concentration: Phase 3 Sample: Ambient: Net Concentration: Phase Phase Phase Weighted (Phase1,2,3) Phase , Phase , Phase , Weighted (Phase1,2,3) Fuel Economy (km/liter) Phase Phase Phase Weighted (Phase1,2,3) THC CO Nox CO2 CH4 NMHC

8 Página 8 de 14 Run Number: 8453 Requester: ECOFUEL Test Cell: LACTEC LEME Vehicle Type: S-10 Test Date: 07-Dec-2011 Vehicle ID: 9BG138JJ0B Test Start Time: 00:17:35 Transmission: Manual Test Type: Brazil Cert Odometer: (km) Operador: CARLOS Inertia Wt: (kg) 2041 Driver: CARLOS Dyno Coeff A: (nt) Shift Table 1: 15_30_48_70 Dyno Coeff C: (nt/kph^2) Shift Table 2: 3PH_15_30_48_70 Dyno 50 mph: 21.4 Soak Start Date: 06/12/2011 Driver Errors: 0 Soak Start Time: 06:10 Pretest Remarks: Phase Start Time(hh:mm:ss): 00:24:54 00:33:20 00:57:37 Particulate Flow Time(sec): Avg. CVS Flow Rate(m^3/min): CVS Volume (m^3 20degC): CVS Dilution factor: Distance(km): Crank Time(sec): Hold Time(sec): Avg. Cell Temp.(degC): Avg. Barometer(kPa): Avg. Dew Point(degC): Avg. Specific Humidity(gm/kg): Avg. Relative Humidity(%): Particulate Conditions Avg. Particulate Flow Rate(L/min): Particulate Volume(L): Avg. Particulate Temp.(degC): Avg. Tunnel Temp.(degC): Sample Particulate Filters Filter Number Init. Primary Filter Mass(mg) Final Primary Filter Mass(mg) Initial Secondary Filter Mass(mg) Final Secondary Filter Mass(mg) Net Combined Filter Mass(mg) Particulate Results Filter Mass (g) Particulate Mass (g/km) Weighted Particulate Mass Particulate Mass (g/km)

9 Página 9 de 14 Run Number: 8468 Requester: ECOFUEL Test Cell: LACTEC LEME Vehicle Type: S-10 Test Date: 08-Dec-2011 Vehicle ID: 9BG138JJ0B Test Start Time: 00:41:57 Transmission: Manual Test Type: Brazil Cert Odometer: (km) Operador: CARLOS Inertia Wt: (kg) 2041 Driver: CARLOS Dyno Coeff A: (nt) Shift Table 1: 15_30_48_70 Dyno Coeff C: (nt/kph^2) Shift Table 2: 3PH_15_30_48_70 Dyno 50 mph: 21.4 Soak Start Date: 07/12/2011 Driver Errors: 0 Soak Start Time: 11:56 Pretest Remarks: Com Aditivo Phase Start Time: 00:47:53 00:56:19 01:20:36 Test Time (sec): Avg. CVS Flow Rate (m^3/min) CVS Volume (m^3 20degC) Dilution factor: Bag Analysis Time (sec): Driver Out of Limits (sec): Distance (km) Crank Time (sec): Hold Time (sec): Avg. Cell Temp (degc) Avg. Barometer (kpa) Avg Dew Point (degc) Avg. Real Humidity (%) Specific Humidity (gm/kg) Hum Corr Factor: Bag Results THC CO NOx CO2 CH4 Phase 1 (ppm) (ppm) (ppm) (%) (ppm) Sample: Ambient: Net Concentration: Phase 2 Sample: Ambient: Net Concentration: Phase 3 Sample: Ambient: Net Concentration: Phase Phase Phase Weighted (Phase1,2,3) Phase , Phase , Phase , Weighted (Phase1,2,3) Fuel Economy (km/liter) Phase Phase Phase Weighted (Phase1,2,3) THC CO Nox CO2 CH4 NMHC

10 Página 10 de 14 Run Number: 8468 Requester: ECOFUEL Test Cell: LACTEC LEME Vehicle Type: S-10 Test Date: 08-Dec-2011 Vehicle ID: 9BG138JJ0B Test Start Time: 00:41:57 Transmission: Manual Test Type: Brazil Cert Odometer: (km) Operador: CARLOS Inertia Wt: (kg) 2041 Driver: CARLOS Dyno Coeff A: (nt) Shift Table 1: 15_30_48_70 Dyno Coeff C: (nt/kph^2) Shift Table 2: 3PH_15_30_48_70 Dyno 50 mph: 21.4 Soak Start Date: 07/12/2011 Driver Errors: 0 Soak Start Time: 11:56 Pretest Remarks: Com Aditivo Phase Start Time(hh:mm:ss): 00:47:53 00:56:19 01:20:36 Particulate Flow Time(sec): Avg. CVS Flow Rate(m^3/min): CVS Volume (m^3 20degC): CVS Dilution factor: Distance(km): Crank Time(sec): Hold Time(sec): Avg. Cell Temp.(degC): Avg. Barometer(kPa): Avg. Dew Point(degC): Avg. Specific Humidity(gm/kg): Avg. Relative Humidity(%): Particulate Conditions Avg. Particulate Flow Rate(L/min): Particulate Volume(L): Avg. Particulate Temp.(degC): Avg. Tunnel Temp.(degC): Sample Particulate Filters Filter Number Init. Primary Filter Mass(mg) Final Primary Filter Mass(mg) Initial Secondary Filter Mass(mg) Final Secondary Filter Mass(mg) Net Combined Filter Mass(mg) Particulate Results Filter Mass (g) Particulate Mass (g/km) Weighted Particulate Mass Particulate Mass (g/km)

11 Página 11 de 14 Run Number: 8537 Requester: ECOFUEL Test Cell: LACTEC LEME Vehicle Type: VW AMAROK Test Date: 14-Dec-2011 Vehicle ID: WV1DD42H8CA Test Start Time: 05:18:26 Transmission: MANUAL Test Type: Brazil Cert Odometer: (km) 124 Operador: CARLOS Inertia Wt: (kg) 2155 Driver: CARLOS Dyno Coeff A: (nt) Shift Table 1: 25_40_65_72 Dyno Coeff C: (nt/kph^2) Shift Table 2: EPA505_5spd_25_40_65_72 Dyno 50 mph: 19.6 Soak Start Date: 13/12/2011 Driver Errors: 0 Soak Start Time: 04:00 Pretest Remarks: Phase Start Time: 05:23:47 05:32:13 05:57:00 Test Time (sec): Avg. CVS Flow Rate (m^3/min) CVS Volume (m^3 20degC) Dilution factor: Bag Analysis Time (sec): Driver Out of Limits (sec): Distance (km) Crank Time (sec): Hold Time (sec): Avg. Cell Temp (degc) Avg. Barometer (kpa) Avg Dew Point (degc) Avg. Real Humidity (%) Specific Humidity (gm/kg) Hum Corr Factor: Bag Results THC CO NOx CO2 CH4 Phase 1 (ppm) (ppm) (ppm) (%) (ppm) Sample: Ambient: Net Concentration: Phase 2 Sample: Ambient: Net Concentration: Phase 3 Sample: Ambient: Net Concentration: Phase Phase Phase Weighted (Phase1,2,3) Phase , Phase , Phase , Weighted (Phase1,2,3) Fuel Economy (km/liter) Phase Phase Phase Weighted (Phase1,2,3) THC CO Nox CO2 CH4 NMHC

12 Página 12 de 14 Run Number: 8537 Requester: ECOFUEL Test Cell: LACTEC LEME Vehicle Type: VW AMAROK Test Date: 14-Dec-2011 Vehicle ID: WV1DD42H8CA Test Start Time: 05:18:26 Transmission: MANUAL Test Type: Brazil Cert Odometer: (km) 124 Operador: CARLOS Inertia Wt: (kg) 2155 Driver: CARLOS Dyno Coeff A: (nt) Shift Table 1: 25_40_65_72 Dyno Coeff C: (nt/kph^2) Shift Table 2: EPA505_5spd_25_40_65_72 Dyno 50 mph: 19.6 Soak Start Date: 13/12/2011 Driver Errors: 0 Soak Start Time: 04:00 Pretest Remarks: Phase Start Time(hh:mm:ss): 05:23:47 05:32:13 05:57:00 Particulate Flow Time(sec): Avg. CVS Flow Rate(m^3/min): CVS Volume (m^3 20degC): CVS Dilution factor: Distance(km): Crank Time(sec): Hold Time(sec): Avg. Cell Temp.(degC): Avg. Barometer(kPa): Avg. Dew Point(degC): Avg. Specific Humidity(gm/kg): Avg. Relative Humidity(%): Particulate Conditions Avg. Particulate Flow Rate(L/min): Particulate Volume(L): Avg. Particulate Temp.(degC): Avg. Tunnel Temp.(degC): Sample Particulate Filters Filter Number Init. Primary Filter Mass(mg) Final Primary Filter Mass(mg) Initial Secondary Filter Mass(mg) Final Secondary Filter Mass(mg) Net Combined Filter Mass(mg) Particulate Results Filter Mass (g) Particulate Mass (g/km) Weighted Particulate Mass Particulate Mass (g/km)

13 Página 13 de 14 Run Number: 8556 Requester: ECOFUEL Test Cell: LACTEC LEME Vehicle Type: VW AMAROK Test Date: 15-Dec-2011 Vehicle ID: WV1DD42H8CA Test Start Time: 06:22:33 Transmission: MANUAL Test Type: Brazil Cert Odometer: (km) 154 Operador: CARLOS Inertia Wt: (kg) 2155 Driver: CARLOS Dyno Coeff A: (nt) Shift Table 1: 25_40_65_72 Dyno Coeff C: (nt/kph^2) Shift Table 2: EPA505_5spd_25_40_65_72 Dyno 50 mph: 19.6 Soak Start Date: 14/12/2011 Driver Errors: 0 Soak Start Time: 10:58 Pretest Remarks: Com Aditivo Phase Start Time: 06:27:51 06:36:17 07:00:34 Test Time (sec): Avg. CVS Flow Rate (m^3/min) CVS Volume (m^3 20degC) Dilution factor: Bag Analysis Time (sec): Driver Out of Limits (sec): Distance (km) Crank Time (sec): Hold Time (sec): Avg. Cell Temp (degc) Avg. Barometer (kpa) Avg Dew Point (degc) Avg. Real Humidity (%) Specific Humidity (gm/kg) Hum Corr Factor: Bag Results THC CO NOx CO2 CH4 Phase 1 (ppm) (ppm) (ppm) (%) (ppm) Sample: Ambient: Net Concentration: Phase 2 Sample: Ambient: Net Concentration: Phase 3 Sample: Ambient: Net Concentration: Phase Phase Phase Weighted (Phase1,2,3) Phase , Phase , Phase , Weighted (Phase1,2,3) Fuel Economy (km/liter) Phase Phase Phase Weighted (Phase1,2,3) THC CO Nox CO2 CH4 NMHC

14 Página 14 de 14 Run Number: 8556 Requester: ECOFUEL Test Cell: LACTEC LEME Vehicle Type: VW AMAROK Test Date: 15-Dec-2011 Vehicle ID: WV1DD42H8CA Test Start Time: 06:22:33 Transmission: MANUAL Test Type: Brazil Cert Odometer: (km) 154 Operador: CARLOS Inertia Wt: (kg) 2155 Driver: CARLOS Dyno Coeff A: (nt) Shift Table 1: 25_40_65_72 Dyno Coeff C: (nt/kph^2) Shift Table 2: EPA505_5spd_25_40_65_72 Dyno 50 mph: 19.6 Soak Start Date: 14/12/2011 Driver Errors: 0 Soak Start Time: 10:58 Com Aditivo Phase Start Time(hh:mm:ss): 06:27:51 06:36:17 07:00:34 Particulate Flow Time(sec): Avg. CVS Flow Rate(m^3/min): CVS Volume (m^3 20degC): CVS Dilution factor: Distance(km): Crank Time(sec): Hold Time(sec): Avg. Cell Temp.(degC): Avg. Barometer(kPa): Avg. Dew Point(degC): Avg. Specific Humidity(gm/kg): Avg. Relative Humidity(%): Particulate Conditions Avg. Particulate Flow Rate(L/min): Particulate Volume(L): Avg. Particulate Temp.(degC): Avg. Tunnel Temp.(degC): Sample Particulate Filters Filter Number Init. Primary Filter Mass(mg) Final Primary Filter Mass(mg) Initial Secondary Filter Mass(mg) Final Secondary Filter Mass(mg) Net Combined Filter Mass(mg) Particulate Results Filter Mass (g) Particulate Mass (g/km) Weighted Particulate Mass Particulate Mass (g/km)

CONTROLE DA POLUIÇÃO DO AR - PROCONVE/PROMOT RESOLUÇÃO CONAMA nº 15 de 1995

CONTROLE DA POLUIÇÃO DO AR - PROCONVE/PROMOT RESOLUÇÃO CONAMA nº 15 de 1995 RESOLUÇÃO CONAMA nº 15, de 13 de dezembro de 1995 Publicada no DOU n o 249, de 29 de dezembro de 1995, Seção 1, páginas 22876-22877 Correlações: Altera a Resolução n os 18/86 e 3/89 para os limites de

Leia mais

PROCONVE. As Fases Passadas e Futuras

PROCONVE. As Fases Passadas e Futuras PROCONVE (PROGRAMA DE CONTROLE DA POLUIÇÃO DO AR POR VEÍCULOS AUTOMOTORES) As Fases Passadas e Futuras Henry Joseph Jr Comissão de Energia e Meio Ambiente ANFAVEA Seminário sobre Emissões de Veículos Diesel

Leia mais

Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel

Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel *MELO JUNIOR, A. S a.;gatti, L. b.; FERREIRA, P. G c.; FRUGOLLI, A. d a.universidade de São Paulo (USP)/Universidade Paulista,

Leia mais

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Suzana Kahn Ribeiro Programa de Engenharia de Transportes COPPE/UFRJ IVIG Instituto Virtual Internacional de Mudanças Climáticas Estrutura

Leia mais

Dispõe sobre a nova etapa do Programa de Controle de Emissões Veiculares- PROCONVE.

Dispõe sobre a nova etapa do Programa de Controle de Emissões Veiculares- PROCONVE. Resoluções RESOLUÇÃO Nº 315, DE 29 DE OUTUBRO DE 2002 Dispõe sobre a nova etapa do Programa de Controle de Emissões Veiculares- PROCONVE. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso de suas competências

Leia mais

Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel

Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel Brasília, 28 de Outubro de 2015 O que é a APROVE DIESEL Associados: Apoio Institucional: Contexto econômico e tecnológico brasileiro atual difere muito

Leia mais

Manutenção e Combustível Adequados Garantia da Durabilidade de Emissões? PAP 0070

Manutenção e Combustível Adequados Garantia da Durabilidade de Emissões? PAP 0070 Manutenção e Combustível Adequados Garantia da Durabilidade de Emissões? PAP 0070 Tadeu Cavalcante Cordeiro de Melo Rogério Nascimento de Carvalho Ricardo Almeida Barbosa de Sá Mauri José Baldini Cardoso

Leia mais

URBS. Urbanização de Curitiba S.A

URBS. Urbanização de Curitiba S.A URBS Urbanização de Curitiba S.A Principais Atribuições Planejamento e Gerenciamento dos Serviços de Transporte Transporte Coletivo Urbano Metropolitano Transporte Comercial Transporte Escolar Táxi Principais

Leia mais

Tecnologia de Tração Elétrica

Tecnologia de Tração Elétrica REV.00 01 Tecnologia de Tração Elétrica Veículos a Bateria Trólebus Híbridos Hidrogênio Fuel Cel ou Pilha a Combustível 02 Veículos a Bateria VANTAGENS 1. TOTALMENTE ELÉTRICO. POLUIÇÃO PRATICAMENTE ZERO.

Leia mais

ANÁLISE DE EMISSÕES DE POLUENTES EM MOTOCICLETA BICOMBUSTÍVEL UTILIZANDO ÁLCOOL E GASOLINA

ANÁLISE DE EMISSÕES DE POLUENTES EM MOTOCICLETA BICOMBUSTÍVEL UTILIZANDO ÁLCOOL E GASOLINA VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Campina Grande Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Campina Grande Paraíba Brazil ANÁLISE

Leia mais

PROCONVE: PROGRAMA DE CONTROLE DE POLUIÇÃO DO AR POR VEÍCULOS AUTOMOTORES

PROCONVE: PROGRAMA DE CONTROLE DE POLUIÇÃO DO AR POR VEÍCULOS AUTOMOTORES PROCONVE: PROGRAMA DE CONTROLE DE POLUIÇÃO DO AR POR VEÍCULOS AUTOMOTORES Em um momento em que os cenários de crescimento trazem projeções otimistas para a maior parte dos segmentos da economia brasileira,

Leia mais

Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática.

Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática. Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática. Marcelo Pereira Bales (1) ; Cristiane Dias (1) ; Silmara Regina da Silva (1) (1) CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES

XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES Sílvia Velázquez São Paulo, 17 de setembro de 2009. Resíduos Urbanos e Agrícolas Briquetes

Leia mais

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis.

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. GNV Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. REUNIÃO DE ESPECIALISTAS SOBRE TRANSPORTE URBANO SUSTENTÁVEL MODERNIZAR E TORNAR ECOLÓGICA A FROTA DE TÁXIS NAS CIDADES LATINO AMERICANAS

Leia mais

Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina

Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina *MELO JÚNIOR, A. S a.; GATTI, L b.; SEVEGNANI, F c.; SATIE,I. d ; IZIDRO, J. e ; IANNUZZI, A. f a.universidade

Leia mais

Resultados dos testes de Uso Experimental e Específico. Óleo diesel com teor de biodiesel superior ao disposto em lei

Resultados dos testes de Uso Experimental e Específico. Óleo diesel com teor de biodiesel superior ao disposto em lei Resultados dos testes de Uso Experimental e Específico Óleo diesel com teor de biodiesel superior ao disposto em lei Agenda Regulamentação; Resultados dos testes de uso experimental e específico; Companhia

Leia mais

SUGESTÃO PARA REDUÇÃO GLOBAL DA EMISSÃO DE POLUENTES DOS AUTOMOVEIS José Góes de Araujo Prof. Aposentado Abstract Comments about the reduction possibility of CO² on the atmosphere by the limitation of

Leia mais

Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente. 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015

Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente. 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015 Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015 Índice 1. Grupo Dourogás 2. O Gás Natural 3. UE: mobilidade sustentável 4.

Leia mais

IMPACTO DE DIFERENTES CICLOS DE EMISSÕES EM UM VEÍCULO FLEX-FUEL

IMPACTO DE DIFERENTES CICLOS DE EMISSÕES EM UM VEÍCULO FLEX-FUEL IMPACTO DE DIFERENTES CICLOS DE EMISSÕES EM UM VEÍCULO FLEX-FUEL Eduardo Costa Quadros Continental Indústria Automotiva LTDA Email: eduardo.quadros@continental-corporation.com RESUMO Com a crescente preocupação

Leia mais

ABASTECIMENTO MARKETING & COMERCIALIZAÇÃO. Dezembro 2013

ABASTECIMENTO MARKETING & COMERCIALIZAÇÃO. Dezembro 2013 ABASTECIMENTO MARKETING & COMERCIALIZAÇÃO Dezembro 2013 Sumario Cenário Especificação da Gasolina S-50 Investimentos e Mercado Atributos e Benefícios da Gasolina S-50 Aspectos Relevantes Aditivação Total

Leia mais

5. Resultados e Análises

5. Resultados e Análises 66 5. Resultados e Análises Neste capítulo é importante ressaltar que as medições foram feitas com uma velocidade constante de 1800 RPM, para uma freqüência de 60 Hz e uma voltagem de 220 V, entre as linhas

Leia mais

BRevê: uma metodologia objetiva de cálculo de emissões para a frota de veículos brasileira. Diana Maria Cancelli Nelson Luís Dias Lemma/UFPR

BRevê: uma metodologia objetiva de cálculo de emissões para a frota de veículos brasileira. Diana Maria Cancelli Nelson Luís Dias Lemma/UFPR BRevê: uma metodologia objetiva de cálculo de emissões para a frota de veículos brasileira Diana Maria Cancelli Nelson Luís Dias Lemma/UFPR 25 de abril de 2011 Termos de Uso BReve.py -- Cálculo de emissões

Leia mais

A NOVA GASOLINA S50 E O PROCONVE L6

A NOVA GASOLINA S50 E O PROCONVE L6 A NOVA GASOLINA E O PROCONVE L6 Rogério N. de Carvalho 1, Pedro C. Vicentini 1, Ricardo A. B. de Sá 1, Antônio Carlos S. Villela 1, Sérgio W. Botero 1 1 Petróleo Brasileiro S. A. - PETROBRAS E-mails: rogerio.carvalho@petrobras.com.br,

Leia mais

ANALISE DOS GAZES DE ESCAPAMENTO E SUAS APLICAÇÕES

ANALISE DOS GAZES DE ESCAPAMENTO E SUAS APLICAÇÕES ANALISE DOS GAZES DE ESCAPAMENTO E SUAS APLICAÇÕES Analise dos gazes de escapamento Surgiram junto com o automóvel mas a partir das legislações anti-polui poluição é que realmente se desenvolveram; Influenciam

Leia mais

INCT-F DECOPE/NTC DE OUTUBRO/11 À OUTUBRO/12 1

INCT-F DECOPE/NTC DE OUTUBRO/11 À OUTUBRO/12 1 INCT-F DECOPE/NTC DE OUTUBRO/11 À OUTUBRO/12 1 A NTC&LOGÍSTICA comunica aos associados que por conta da Resolução CONAMA 403/2008, a partir de 1º de janeiro de 2012, entrou em vigor a Fase P-7 do Programa

Leia mais

Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Durante milhões de anos a Terra passou por ciclos naturais de aquecimento

Leia mais

Combustão Industrial

Combustão Industrial Combustão Industrial JOSÉ EDUARDO MAUTONE BARROS Professor Adjunto da Universidade Federal de Minas Gerais Coordenador do Laboratório de Combustíveis e Combustão Doutor em Engenharia Mecânica - Térmica

Leia mais

Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010

Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010 Combustíveis Alternativos e a Redução das Emissões de Poluentes 12ª Transpo-Sul Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010 Tecnologias, Combustíveis mais limpos e Redução das

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

CORRELAÇÃO DE DADOS DE ANÁLISE DE EMISSÃO VEICULAR ENTRE ANALISADOR FT-IR E MÉTODO TRADICIONAL PARA MEDIÇÃO DE ANALISE MODAL

CORRELAÇÃO DE DADOS DE ANÁLISE DE EMISSÃO VEICULAR ENTRE ANALISADOR FT-IR E MÉTODO TRADICIONAL PARA MEDIÇÃO DE ANALISE MODAL CORRELAÇÃO DE DADOS DE ANÁLISE DE EMISSÃO VEICULAR ENTRE ANALISADOR FT-IR E MÉTODO TRADICIONAL PARA MEDIÇÃO DE ANALISE MODAL Danilo Antônio Torres 1, Marcelo Miyada Redígolo 2, Anderson Flores 2 1 General

Leia mais

MF-0584.R-1 - MÉTODO DE MEDIÇÃO DOS GASES EMITIDOS PELO ESCAPAMENTO DOS VEÍCULOS AUTOMOTORES DO CICLO OTTO

MF-0584.R-1 - MÉTODO DE MEDIÇÃO DOS GASES EMITIDOS PELO ESCAPAMENTO DOS VEÍCULOS AUTOMOTORES DO CICLO OTTO MF-0584.R-1 - MÉTODO DE MEDIÇÃO DOS GASES EMITIDOS PELO ESCAPAMENTO DOS VEÍCULOS AUTOMOTORES DO CICLO OTTO Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 4.816, de 17 de abril de 2007. Publicado no DOERJ de

Leia mais

Tecnologia nos Ônibus Mercedes-Benz

Tecnologia nos Ônibus Mercedes-Benz Tecnologia nos Ônibus Mercedes-Benz Brandão VEM Marketing de Produto Ônibus, Junho, 2011 Fábrica Principais atividades na planta de S. Bernardo do Campo Componentes de terceiros Montagem completa Banco

Leia mais

Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd.

Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd. Seminário Internacional de Energia da AUGM Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd. Universidade Federal de Santa Maria Grupo de Pesquisa em Motores, Combustíveis e Emissões Necessidade de energia Iluminação

Leia mais

são mesmo o futuro? Pedro Meunier Honda Portugal, S.A.

são mesmo o futuro? Pedro Meunier Honda Portugal, S.A. Automóveis Híbridos: H são mesmo o futuro? Pedro Meunier Honda Portugal, S.A. Veículos em circulação por região Biliões de Veículos 2.5 2 1.5 1 0.5 0 2000 2010 2020 2030 2040 2050 Total África América

Leia mais

A FASE P-7 DO PROCONVE E OS SEUS IMPACTOS NO SETOR DE TRANSPORTE

A FASE P-7 DO PROCONVE E OS SEUS IMPACTOS NO SETOR DE TRANSPORTE A FASE P-7 DO PROCONVE E OS SEUS IMPACTOS NO SETOR DE TRANSPORTE III Encontro anual da Equipe Técnica do Despoluir Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Rio de Janeiro, novembro de 2010. Proconve Programa

Leia mais

A Indústria Automobilística e o Atendimento às s Regulamentações Brasileiras de Emissões

A Indústria Automobilística e o Atendimento às s Regulamentações Brasileiras de Emissões A Indústria Automobilística e o Atendimento às s Regulamentações Brasileiras de Emissões Henry Joseph Junior Comissão de Energia e Meio Ambiente ANFAVEA Seminário AEA Tendências e o Futuro das Emissões

Leia mais

MOTORES FLEX. Tadeu Cavalcante Cordeiro de Melo, M.Sc. Aluno de doutorado do PEM - COPPE. novembro de 2011 palestra para a UFRJ

MOTORES FLEX. Tadeu Cavalcante Cordeiro de Melo, M.Sc. Aluno de doutorado do PEM - COPPE. novembro de 2011 palestra para a UFRJ MOTORES FLEX Tadeu Cavalcante Cordeiro de Melo, M.Sc. Aluno de doutorado do PEM - COPPE novembro de 2011 palestra para a UFRJ FLEX FUEL BRASILEIRO Etanol hidratado (H100), gasolina (E18-E25) ou qualquer

Leia mais

Porquê o Diesel. Hoje, os veículos a diesel consomem em média menos 30% de combustível e produzem 25% menos emissões de CO 2

Porquê o Diesel. Hoje, os veículos a diesel consomem em média menos 30% de combustível e produzem 25% menos emissões de CO 2 Porquê o Diesel Porquê o Diesel O engenheiro alemão Rudolf Diesel (1858-1913) patenteou o seu projecto para um motor de combustão interna mais eficiente, em 1892. De início os motores diesel foram usados

Leia mais

METODOLOGIA SIMPLIFICADA DE CÁLCULO DAS EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA DE FROTAS DE VEÍCULOS NO BRASIL

METODOLOGIA SIMPLIFICADA DE CÁLCULO DAS EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA DE FROTAS DE VEÍCULOS NO BRASIL METODOLOGIA SIMPLIFICADA DE CÁLCULO DAS EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA DE FROTAS DE VEÍCULOS NO BRASIL Sumário Eng. Olimpio de Melo Álvares Jr. 1 Fís. Renato Ricardo Antonio Linke 2 Como órgão de referência

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N o 415, DE 24 DE SETEMBRO DE 2009 Dispõe sobre nova fase (PROCONVE L6) de exigências do Programa de Controle da Poluição do Ar

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel nº 0077, de 04 de maio de 2015.

Portaria Inmetro/Dimel nº 0077, de 04 de maio de 2015. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria Inmetro/Dimel nº 0077, de 04 de maio de

Leia mais

Inovações das Tecnologias Diesel

Inovações das Tecnologias Diesel Inovações das Tecnologias Diesel Seminário Frotas e Fretes Verdes Dezembro 2013 Marco Rangel Cummins América do Sul 2 Inovações Tecnológicas Diesel e as Mudanças Climáticas Globais Qual o ambiente regulamentador

Leia mais

SIMULAÇÃO DO TRÁFEGO NO CAMPUS SANTA MÔNICA COM O USO DO SOFTWARE TSIS - TRAFFIC SIMULATOR INTEGRATED SYSTEM

SIMULAÇÃO DO TRÁFEGO NO CAMPUS SANTA MÔNICA COM O USO DO SOFTWARE TSIS - TRAFFIC SIMULATOR INTEGRATED SYSTEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos SIMULAÇÃO DO TRÁFEGO NO CAMPUS SANTA MÔNICA COM O USO DO SOFTWARE TSIS - TRAFFIC SIMULATOR INTEGRATED SYSTEM

Leia mais

Umicore Brasil Ltda.

Umicore Brasil Ltda. IMPACTO DO SISTEMA DE FORNECIMENTO AR/COMBUSTÍVEL NO DESENVOLVIMENTO DE CATALISADORES AUTOMOTIVOS Nunes, L. 1, Lima, W. 1, Piccoli, R. 1 e Zoca, M. 1 1 Umicore Brasil Ltda lucas.nunes@am.umicore.com; walter.lima@am.umicore.com,

Leia mais

COMBUSTÍVEIS. Diesel

COMBUSTÍVEIS. Diesel COMBUSTÍVEIS COMBUSTÍVEIS Diesel O Diesel é o combustível mais utilizado no Brasil. A maior parte da frota comercial brasileira é movida a óleo diesel. Assim como a gasolina, ele é um sub-produto do petróleo,

Leia mais

A experiência da IVECO na substituição do diesel em veículos pesados

A experiência da IVECO na substituição do diesel em veículos pesados A experiência da IVECO na substituição do diesel em veículos pesados Uma parceria IVECO, FPT, BOSCH e RAIZEN Fabio Nicora IVECO - Innovation T&B LATAM (IVECO) 21 de Novembro 2013 VISÃO DO FUTURO ABORDAGEM

Leia mais

Combate à poluição: importante como o ar que você respira.

Combate à poluição: importante como o ar que você respira. Combate à poluição: importante como o ar que você respira. Ar A poluição do ar e a sua saúde O que é poluente atmosférico? É toda e qualquer forma de matéria ou energia em quantidade, concentração, tempo

Leia mais

Utilização de óleo diesel e emissões de CO 2 por veículos rodoviários pesados

Utilização de óleo diesel e emissões de CO 2 por veículos rodoviários pesados Utilização de óleo diesel e emissões de CO 2 por veículos rodoviários pesados Brasília, 9 de abril de 2013 Milhões de tep Uso de energia fóssil no transporte rodoviário Título do Gráfico 60 50 GNV 40 2011

Leia mais

Inventário de Emissões

Inventário de Emissões . Betina Alcobia, nº 15822 Carlos Netto, nº 15441 Luís Mendes, nº 14386 Pedro Baptista, nº 15493 Poluição e Gestão do Ar (Prof. Dr. Francisco Ferreira) Inventário de Emissões.......... Contabilização de

Leia mais

USO DE ÓLEO VEGETAL in natura COMO COMBUSTÍVEL PARA MOTORES DIESEL

USO DE ÓLEO VEGETAL in natura COMO COMBUSTÍVEL PARA MOTORES DIESEL USO DE ÓLEO VEGETAL in natura COMO COMBUSTÍVEL PARA MOTORES DIESEL SITUAÇÃO CRÍTICA DA QUALIDADE DO AR ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAUDE TEOR DE ENXOFRE CONTIDO NO DIESEL Emissão de partículas finas (fumaça)

Leia mais

Qualidade do etanol puro e em misturas

Qualidade do etanol puro e em misturas ETHANOL SUMMIT São Paulo 4 a 5 de junho de 2007 Qualidade do etanol puro e em misturas ESPECIFICAÇÕES DO ETANOL Sergio A. M. Fontes Petrobras-Marketing-Soluções Comerciais O que é uma especificação? São

Leia mais

BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO

BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO O que é BIODIESEL BIODIESEL é um combustível produzido a partir de óleos vegetais ou gordura animal, que pode ser utilizado em

Leia mais

Plano Nacional de Mudanças Climáticas

Plano Nacional de Mudanças Climáticas Plano Nacional de Mudanças Climáticas Metas de Redução de Emissões e Avaliação de Impacto no Setor de Transporte e Logística Ricardo Vieira - ABRALOG CENÁRIO ATUAL Política Nacional sobre a Mudança do

Leia mais

ANEXO I LIMITES E PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA EMISSÃO DE ESCAPAMENTO DE MONÓXIDO DE CARBONO E HIDROCARBONETOS DE VEÍCULOS LEVES EM USO

ANEXO I LIMITES E PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA EMISSÃO DE ESCAPAMENTO DE MONÓXIDO DE CARBONO E HIDROCARBONETOS DE VEÍCULOS LEVES EM USO ANEXO I LIMITES E PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA EMISSÃO DE ESCAPAMENTO DE MONÓXIDO DE CARBONO E HIDROCARBONETOS DE VEÍCULOS LEVES EM USO 1. Estabelecer as seguintes definições e critérios para veículos

Leia mais

ESTUDO DA EMISSÃO DE GASES DE VEÍCULOS DO CICLO OTTO NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS

ESTUDO DA EMISSÃO DE GASES DE VEÍCULOS DO CICLO OTTO NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS ESTUDO DA EMISSÃO DE GASES DE VEÍCULOS DO CICLO OTTO NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS Ronei Tiago Stein (*), Roberta Karinne Mocva Kurek, Marcelo Pozzagnolo * Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), mestrando

Leia mais

MÉTODOS ALTERNATIVOS DE COLETA DE AMOSTRAS DE ALDEÍDOS NAS EMISSÕES VEICULARES VISANDO REDUÇÃO DO CONSUMO E DO DESCARTE DE ACETONITRILA

MÉTODOS ALTERNATIVOS DE COLETA DE AMOSTRAS DE ALDEÍDOS NAS EMISSÕES VEICULARES VISANDO REDUÇÃO DO CONSUMO E DO DESCARTE DE ACETONITRILA MÉTODOS ALTERNATIVOS DE COLETA DE AMOSTRAS DE ALDEÍDOS NAS EMISSÕES VEICULARES VISANDO REDUÇÃO DO CONSUMO E DO DESCARTE DE ACETONITRILA Astor V. Silva Filho 1, Fernanda L. Carvalho 2 e Geraldo V. Bacci

Leia mais

O PROCONVE L6 E ESBOÇOS PARA O L7

O PROCONVE L6 E ESBOÇOS PARA O L7 IBAMA MMA O PROCONVE L6 E ESBOÇOS PARA O L7 C E T E S B Renato R. A. Linke SEMINÁRIO TENDÊNCIAS E O FUTURO DAS EMISSÕES VEICULARES: IMPACTO NA SAUDE, LEGISLAÇÃO E TECNOLOGIA AEA São Paulo 02 de Abril de

Leia mais

Inventário de Emissões das Fontes Estacionárias do Estado de São Paulo Dados Preliminares

Inventário de Emissões das Fontes Estacionárias do Estado de São Paulo Dados Preliminares Inventário de Emissões das Fontes Estacionárias do Estado de São Paulo Dados Preliminares Apresentado por Engº Eduardo Luís Serpa eduardols@cetesbnet.sp.gov.br Baseada em apresentação elaborada por Engªs.

Leia mais

MOTORES DIESEL E USO DE BIODIESEL

MOTORES DIESEL E USO DE BIODIESEL MOTORES DIESEL E USO DE BIODIESEL Cummins Brasil LTDA 29 de Outubro de 2008 Luis Chain Faraj Agenda Definição de Biodiesel Análise do Ciclo de Vida - Diesel x Biodiesel Programa de Biodiesel do Brasil

Leia mais

Sistema de Partida a Frio Eletrônico Auto-Controlável para Veículos Flex

Sistema de Partida a Frio Eletrônico Auto-Controlável para Veículos Flex Prêmio AEA 2015 - Projetos de Meio Ambiente Sistema de Partida a Frio Eletrônico Auto-Controlável para Veículos Flex Tadeu Amaral, Fábio Moreira, Fernando Yoshino, Heitor Cavalhieri, Roberta Cruz Centro

Leia mais

SP 06/93 NT 165/93. Emissão de gases poluentes / curvas tipo. Engº José Tadeu Braz (GPC/SPR) 1. Introdução

SP 06/93 NT 165/93. Emissão de gases poluentes / curvas tipo. Engº José Tadeu Braz (GPC/SPR) 1. Introdução SP 06/93 NT 165/93 Emissão de gases poluentes / curvas tipo Engº José Tadeu Braz (GPC/SPR) 1. Introdução As questões ambientais requisitam de maneira crescente mais espaço dentro da engenharia de tráfego,

Leia mais

Ant A ón io Costa Cost

Ant A ón io Costa Cost Futuro do Automóvel Respeitando os Recursos Naturais António Costa Relações Publicas Toyota & Lexus Comunicação e Marketing Out. 2013 A Natureza impõe-nos um novo paradigma Tempestades Secas EUA, 2010

Leia mais

Emissões de poluentes e gases de efeito estufa por veículos automotores e motores de combustão. Paulo Romeu Moreira Machado Panambí, RS - 2010

Emissões de poluentes e gases de efeito estufa por veículos automotores e motores de combustão. Paulo Romeu Moreira Machado Panambí, RS - 2010 3:22:03 1 Emissões de poluentes e gases de efeito estufa por veículos automotores e motores de combustão Paulo Romeu Moreira Machado Panambí, RS - 2010 Roteiro 1 Introdução 2 O motor de combustão interna

Leia mais

Biocombustíveis / Biofuels. Problemas Propostos/ Exercises

Biocombustíveis / Biofuels. Problemas Propostos/ Exercises Biocombustíveis / Biofuels Problemas Propostos/ Exercises Maria Joana Assis Teixeira Neiva Correia 2014/15 1- Uma amostra de ar analisada a 0ºC e 1 atm mostrou conter 9ppm de CO. Determine a concentração

Leia mais

Divisão de Questões Globais PROCLIMA Programa de Prevenção às Mudanças Climáticas CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental

Divisão de Questões Globais PROCLIMA Programa de Prevenção às Mudanças Climáticas CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental João Wagner Alves 1 Divisão de Questões Globais PROCLIMA Programa de Prevenção às Mudanças Climáticas CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental Agradecimentos: Prof. Dr. Ronaldo Balassiano

Leia mais

ANÁLISE DO POTENCIAL DE REDUÇÃO DAS EMISSÕES DE CO 2 NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

ANÁLISE DO POTENCIAL DE REDUÇÃO DAS EMISSÕES DE CO 2 NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO ANÁLISE DO POTENCIAL DE REDUÇÃO DAS EMISSÕES DE CO 2 NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO Jorge Luiz Oliveira Fernandes - UFF e PEC/COPPE/UFRJ Jeferson Borghetti Soares - PPE/COPPE/UFRJ ABSTRACT The

Leia mais

São Paulo, Outubro de 2008. André Luís Ferreira Carmen Araujo David Tsai

São Paulo, Outubro de 2008. André Luís Ferreira Carmen Araujo David Tsai São Paulo, Outubro de 2008 André Luís Ferreira Carmen Araujo David Tsai E poluente, ano = ( Fe Fd Fr C) ano modelo E: emissão de poluente; Fe: fator de emissão para veículos novos, em kg poluentes /kg

Leia mais

SUBPROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS

SUBPROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS SUBPROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS OBJETIVOS DO PROGRAMA O Programa de Controle e Monitoramento de Emissões Atmosféricas da Ferrovia Norte- Sul parte da premissa que as questões

Leia mais

SAE - Simpósio Novas Tecnologias na Indústria Automobilística

SAE - Simpósio Novas Tecnologias na Indústria Automobilística SAE - Simpósio Novas Tecnologias na Indústria Automobilística 13 de abril de 2009 1 O Papel da Tecnologia para o Futuro da GM Jaime Ardila Presidente, GM do Brasil & Operações Mercosul 2 O Papel da Tecnologia

Leia mais

PREGÃO Nº 052/2011 CML/PM ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 001/2012 GERP/SEMAD

PREGÃO Nº 052/2011 CML/PM ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 001/2012 GERP/SEMAD PREGÃO Nº 052/2011 CML/PM ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 001/2012 GERP/SEMAD No dia 14 de fevereiro de 2012, no Órgão Gerenciador, foram registrados os preços das empresas abaixo identificadas, para eventual

Leia mais

1º INVENTÁRIO NACIONAL DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS POR VEÍCULOS AUTOMOTORES RODOVIÁRIOS

1º INVENTÁRIO NACIONAL DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS POR VEÍCULOS AUTOMOTORES RODOVIÁRIOS Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Diretoria de Mudanças Climáticas 1º INVENTÁRIO NACIONAL DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS POR VEÍCULOS AUTOMOTORES RODOVIÁRIOS

Leia mais

IV Seminário Internacional Frotas e Fretes Verdes. DSc. Luciana Ventura Chefe de Serviço Controle da Poluição Veicular - INEA

IV Seminário Internacional Frotas e Fretes Verdes. DSc. Luciana Ventura Chefe de Serviço Controle da Poluição Veicular - INEA IV Seminário Internacional Frotas e Fretes Verdes { DSc. Luciana Ventura Chefe de Serviço Controle da Poluição Veicular - INEA Diretoria de Segurança Hídrica e Qualidade Ambiental Gerência da Qualidade

Leia mais

METODOLOGIAS PARA ESTIMATIVA DA EMISSÃO DE POLUENTES PELO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

METODOLOGIAS PARA ESTIMATIVA DA EMISSÃO DE POLUENTES PELO TRANSPORTE RODOVIÁRIO METODOLOGIAS PARA ESTIMATIVA DA EMISSÃO DE POLUENTES PELO TRANSPORTE RODOVIÁRIO Gleiphyson Santana de Lima, Nilber Teixeira da Cruz, Marcelo de Miranda Reis*, José Carlos Cesar Amorim, Carlos Alexandre

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA N 07, DE 31 DE AGOSTO DE 1993.. Alterada pela Resolução CONAMA 227/97 Dispõe sobre a definição das diretrizes básicas e padrões de

RESOLUÇÃO CONAMA N 07, DE 31 DE AGOSTO DE 1993.. Alterada pela Resolução CONAMA 227/97 Dispõe sobre a definição das diretrizes básicas e padrões de RESOLUÇÃO CONAMA N 07, DE 31 DE AGOSTO DE 1993.. Alterada pela Resolução CONAMA 227/97 Dispõe sobre a definição das diretrizes básicas e padrões de emissão para estabelecimento de Programas de Inspeção

Leia mais

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira.

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Artigo - Ficam aqui definidos os limites máximos para a emissão de

Leia mais

VOLVO BUS latin america. ônibus volvo. qualidade de vida no transporte. www.volvo.com/onibus

VOLVO BUS latin america. ônibus volvo. qualidade de vida no transporte. www.volvo.com/onibus VOLVO BUS latin america ônibus volvo. qualidade de vida no transporte www.volvo.com/onibus EURO 5 ou PROCONVE FASE 7 é uma legislação ambiental, aplicada a caminhões e ônibus, com o objetivo de reduzir

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFALMG ANDREA NATAN CARLA COSTA JOÃO CARLOS VIEIRA JULIANNE CARAVITA GRISOLIA KARINA NUNES SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Química - Grupo J - Gabarito

Química - Grupo J - Gabarito - Gabarito 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Informe a que volume deve ser diluído com água um litro de solução de um ácido fraco HA 0.10 M, de constante de ionização extremamente pequena (K

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

MAN LATIN AMERICA. Uso de Biogás em Frotas de Transporte de Cargas e Passageiros 31 de Outubro de 2012

MAN LATIN AMERICA. Uso de Biogás em Frotas de Transporte de Cargas e Passageiros 31 de Outubro de 2012 MAN LATIN AMERICA Uso de Biogás em Frotas de Transporte de Cargas e Passageiros 31 de Outubro de 2012 MAN Latin America [opcional: departamento] Autor Título 00.00.2012 < 1 > Tecnologi Agenda 1 Tradição

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009 ÍNDICE 1. A Empresa 03 2. Objetivo 03 3. Inventário segundo a ISO 14.064-01 03 4. Identificação dos

Leia mais

INVENTÁRIO NACIONAL DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS POR VEÍCULOS AUTOMOTORES RODOVIÁRIOS 2013. ANO-BASE 2012 Relatório Final

INVENTÁRIO NACIONAL DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS POR VEÍCULOS AUTOMOTORES RODOVIÁRIOS 2013. ANO-BASE 2012 Relatório Final INVENTÁRIO NACIONAL DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS POR VEÍCULOS AUTOMOTORES RODOVIÁRIOS 2013 ANO-BASE 2012 Relatório Final República Federativa Presidente da República Dilma Rousseff Vice-Presidente da República

Leia mais

Divirta-se com o Clube da Química

Divirta-se com o Clube da Química Divirta-se com o Clube da Química Produzido por Genilson Pereira Santana www.clubedaquimica.com A idéia é associar a Química ao cotidiano do aluno usando as palavras cruzadas, o jogo do erro, o domino,

Leia mais

GERAÇÃO ELÉCTRICA SEGURA E COMPETITIVA Gás Natural e Carvão Limpo

GERAÇÃO ELÉCTRICA SEGURA E COMPETITIVA Gás Natural e Carvão Limpo GERAÇÃO ELÉCTRICA SEGURA E COMPETITIVA Gás Natural e Carvão Limpo 21.Abril.2009 Victor Baptista O Futuro Energético em Portugal Museu da Electricidade - Lisboa «Current global trends in energy supply and

Leia mais

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização II 1 setembro 2014 31 outubro

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização II 1 setembro 2014 31 outubro Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização II 1 setembro 2014 31 outubro Indice Enquadramento Principais trabalhos no período Análise de resultados Indicadores de

Leia mais

Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à gasolina Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior O que são os Gases de Efeito Estufa (GEE)? Os gases de efeito de estufa

Leia mais

Uso de Fluidos Ref rigerantes A lternativos em S istemas de Ar Condicionado Automotivo

Uso de Fluidos Ref rigerantes A lternativos em S istemas de Ar Condicionado Automotivo Universidade Federal de Uberlandia - UFU Faculdade de Engenharia Mecânica - FEMEC Laboratório de Energia e Sistemas Térmicos LEST Uso de Fluidos Ref rigerantes A lternativos em S istemas de Ar Condicionado

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO N 46, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 (*)

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO N 46, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 (*) ANO CXLIX Nº 249 Brasília DF, quinta-feira, 27 de dezembro de 2012 pág 232 e 233 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO N 46, DE 20 DE DEZEMBRO

Leia mais

Por: Marco Lassen. Diesel

Por: Marco Lassen. Diesel Por: Marco Lassen Diesel Óleo Diesel e a Evolução do Teor de Enxofre Evolução do Teor de Enxofre 3 Legislação e Teor de Enxofre 2000 ppm 350 ppm 500 ppm 10 ppm 50 ppm 10 ppm EUROPA EURO III EURO IV EURO

Leia mais

Pesquisa e desenvolvimento em Células a Combustível

Pesquisa e desenvolvimento em Células a Combustível Pesquisa e desenvolvimento em Células a Combustível Fábio Bellot Noronha Instituto Nacional de Tecnologia Laboratório de Catálise Sumário ❶ Revisão da Tecnologia de célula a combustível Descrição da tecnologia

Leia mais

Filtros de Partículas Diesel

Filtros de Partículas Diesel Introdução A presente nota informativa pretende esclarecer as questões mais frequentes sobre Filtros de Partículas Diesel e as respectivas normas europeias de emissões. Durante as últimas duas décadas

Leia mais

Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. 6 - Poluição do Ar. Professor Sandro Donnini Mancini. Setembro, 2015.

Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. 6 - Poluição do Ar. Professor Sandro Donnini Mancini. Setembro, 2015. Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental Graduação em Engenharia Ambiental 6 - Poluição do Ar Professor Sandro Donnini Mancini Setembro, 2015. POLUIÇÃO

Leia mais

A briga pelo menor consumo

A briga pelo menor consumo + Entrevista: Mais informação para o consumidor + Mercado: Carroceria 100% em alumínio será realidade nos veículos de produção em massa, nos EUA, diz especialista + Transportes: O alumínio no semirreboque

Leia mais

Perguntas mais Frequentes

Perguntas mais Frequentes Perguntas mais Frequentes 1. O que significa PROCONVE fases P7 e L6? PROCONVE é o Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores, criado pelo conselho Nacional de Meio Ambiente - CONAMA.

Leia mais

Energia e Processos Industriais. Estimativas Emissões GEE 1970-2013

Energia e Processos Industriais. Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Energia e Processos Industriais Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Energia Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Equipe Técnica André Luís Ferreira David Shiling Tsai Marcelo dos Santos Cremer Karoline Costal

Leia mais

Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012

Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012 Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012 FETRANSPOR Sindicatos filiados: 10 Empresas de ônibus: 208 Frota: 20.300 Passageiros/mês: 240 milhões Viagens/mês: 4,5 milhões Empregos diretos: 100.000 Idade média:

Leia mais

Objetivos. Benefícios

Objetivos. Benefícios Objetivos Mais competitividade, tecnologia e segurança para os carros produzidos e vendidos no Brasil. Grande mercado nacional permite, via incentivo tributário, colocar os carros vendidos e produzidos

Leia mais

O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO

O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica CREEM 2005 O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO MSc. Paulo F. P. Ferreira Lab. de Hidrogênio - Unicamp O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO Premissa

Leia mais

Avaliando o potencial de inserção do diesel de cana na frota de ônibus urbano do município do Rio de Janeiro

Avaliando o potencial de inserção do diesel de cana na frota de ônibus urbano do município do Rio de Janeiro DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO AN P Avaliando o potencial de inserção do diesel de cana na frota de ônibus urbano do município do Rio de Janeiro Luíza Santana Franca Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Leia mais

Controle da Poluição Sonora e do Ar

Controle da Poluição Sonora e do Ar RESOLUÇÃO CONAMA n o 403, de 11 de novembro de 2008 Publicada no DOU nº 220, de 12 de novembro de 2008, Seção 1, página 92 Dispõe sobre a nova fase de exigência do Programa de Controle da Poluição do Ar

Leia mais