A experiência da IVECO na substituição do diesel em veículos pesados

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A experiência da IVECO na substituição do diesel em veículos pesados"

Transcrição

1 A experiência da IVECO na substituição do diesel em veículos pesados Uma parceria IVECO, FPT, BOSCH e RAIZEN Fabio Nicora IVECO - Innovation T&B LATAM (IVECO) 21 de Novembro 2013

2 VISÃO DO FUTURO ABORDAGEM INTEGRADA Á SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DIESEL TRAÇÕES ALTERNATIVAS COMBUSTÍVEIS ALTERNATIVOS Motores Euro VI eficientes Tração Elétrica Hibrido paralelo Hibrido serie Etanol GNV Biometano

3 CAMINHÃO A ETANOL UMA EXIGÊNCIA DA INDÚSTRIA DE CANA DE AÇÚCAR ETANOL: UMA OPÇÃO DE ENERGIA REAL NO BRASIL E NO MUNDO PROJETO TRAKKER BI-FUEL INICIADO EM 2010 EM PARCERIA COM: 3

4 SISTEMA BI-FUEL CICLO DO DIESEL AQUECEDOR DO AR SISTEMA DE INJEÇÃO DO ETANOL SISTEMA DE INJEÇÃO DO DIESEL ECU DO ETANOL ECU DO DIESEL SENSOR LAMBDA BOMBA DO DIESEL TANQUE DO ETANOL TANQUE DO DIESEL

5 CURSOR 9 BI-FUEL Euro 3 Diesel/Etanol

6 Taxa de Substituição [%] Taxa de Substituição [%] Taxa de Substituição [%] Potência [kw] MOTOR EURO III CURSOR 9 BI-FUEL RESULTADOS DOS TESTES DE BANCADA Potência Observada Somente Diesel Diesel-Etanol Somente Diesel Diesel-Etanol Velocidade do Motor [rpm] Taxa de Substituição do Diesel 50% de Carga Taxa de Substituição do Diesel 80% de Carga Taxa de Substituição do 100% de Carga Velocidade do Motor [rpm] Velocidade do Motor [rpm] Velocidade do Motor [rpm]

7 TRAKKER C9 BI-FUEL Etanol Diesel 7 Bomba e filtro de etanol Motor BI-FUEL EURO 3 Cursor 9 Etanol-Diesel 360 cv / Nm

8 IVECO TRAKKER BI-FUEL O CAMINHÃO IVECO TRAKKER 6X4 UTILIZAÇÃO FORA DE ESTRADA MOTOR CURSOR 9 (EURO 3) DESLOCAMENTO cm 3 POTÊNCIA rpm TORQUE rpm GWV LEGAL kg GCW kg

9 IVECO TRAKKER BI-FUEL COLHEITA DE CANA DE AÇÚCAR TRANSPORTE DE VINHAÇA DE CANA DE AÇÚCAR QUILOMETRAGEM LIBERADA: KM KM SAFRA BARRA BONITA (SP)

10 EXEMPLO DE CONSUMO DE COMBUSTÍVEL VEÍCULO: TRAKKER C9 BI-FUEL EURO 3 PISTA DE TESTE: 32,6 km UTILIZAÇÃO: Transporte de vinhaça de cana de açúcar GCW: 63 Toneladas TEMPO: Nublado CONDIÇÕES DA ESTRADA: Fora de estrada normal Modalidade Diesel (litros) Etanol (litros) TAXA DE SUBSTITUIÇÃO 100% DIESEL 30, % BI-FUEL DIESEL/ETANOL 18,208 16,470 40%

11 jan/11 jan/11 jan/11 fev/11 fev/11 mar/11 mar/11 abr/11 abr/11 mai/11 mai/11 jun/11 jun/11 jul/11 jul/11 jul/11 ago/11 ago/11 set/11 set/11 out/11 out/11 nov/11 nov/11 dez/11 dez/11 dez/11 jan/12 jan/12 R$/ litro jan/10 jan/10 jan/10 fev/10 fev/10 mar/10 mar/10 abr/10 abr/10 mai/10 mai/10 jun/10 jun/10 jul/10 jul/10 jul/10 ago/10 ago/10 set/10 set/10 out/10 out/10 nov/10 nov/10 dez/10 dez/10 dez/10 jan/11 jan/11 R$/ litro CENÁRIO - ETANOL HIDRATADO (SÃO PAULO) COLHEITA DE CANNA DE AÇÚCAR 2010 COLHEITA DE CANNA DE AÇÚCAR 2012 Indicadores Semanais de ÁLCOOL CEPEA/ESALQ - SP 1,4 1,3 1,2 1,1 1 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 À vista, sem frete, sem impostos - valores nominais Fonte: Cepea/ Esalq ValorVistaAnidro ValorVistaHComb COLHEITA DE CANNA DE AÇÚCAR 2011 Indicadores Semanais de ÁLCOOL CEPEA/ESALQ - SP COLHEITA DE CANNA DE AÇÚCAR ,9 2,6 2,3 2 1,7 1,4 1,1 0,8 À vista, sem frete, sem impostos - valores nominais Fonte: Cepea/ Esalq ValorVistaAnidro ValorVistaHComb 11

12 CENÁRIO - ETANOL HIDRATADO (SÃO PAULO) PERIODO: 09/06/ /06/2013 ESTADO DE SÃO PAULO DIESEL (S50, S500) PREÇOS MÉDIOS POSTO DE ABASTECIMENTO DISTRIBUIDOR* PREÇOS DE DIESEL ,275 R$/Litro 2,001 R$/Litro DIESEL S10 PREÇOS MÉDIOS POSTO DE ABASTECIMENTO DISTRIBUIDOR * 2,41 R$/Litro 2,135 R$/Litro Sem custos de transporte 12

13 TRAKKER BI-FUEL RESULTADOS DO TESTE DE CAMPO TAXA DE SUBSTITUIÇÃO MÉDIA DE ETANOL/DIESEL (LITROS) REDUÇÃO DOS CUSTOS COM COMBUSTÍVEL R$ POR KM

14 Pressão do Cilindro [bar]] PRESSÃO DE COMBUSTÃO E CONTROLE LAMBDA Somente Diesel Diesel-Etanol Somente Diesel Diesel-Etanol Tempo (ms) PRESSÃO DE COMBUSTÃO Posicionamento do injetor Somente Diesel Diesel-Etanol Somente Diesel Diesel-Etanol Somente Diesel Diesel-Etanol Somente Diesel Diesel-Etanol CONTROLE DE LAMBDA 14 Velocidade do Motor [rpm]

15 LIÇÕES APRENDIDAS Combustão Características Controle de detonação Maior taxa de substituição Melhor controle massa de ar Confiabilidade Degradação Óleo motor Válvulas, Pistão, sede de válvulas Turbo, sistema de Injeção etanol Software e funcionalidade Comunicação entre as ECUs Emissões Sistema de pós tratamento Conversão HC, Nox 15

16 BENEFÍCIOS DA TECNOLOGIA REDUZ O USO DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS ATRAVÉS DA ADOÇÃO DO ETANOL OS ADITIVOS ANTIDETONANTES NÃO SÃO NECESSÁRIOS REDUZ O CUSTO DO COMBUSTÍVEL POR KM NÃO É NECESSÁRIO GRANDES ADAPTAÇÕES TÉCNICAS 100% REVERSÍVEL PARA O DIESEL, AUMENTA O VALOR DE REVENDA REDUZ A EMISSÃO DE POLUENTES

17 EVENTOS Ribeirão Preto (SP), 02 DE MAIO DE 2011 Apresentação oficial do Trakker Etanol-Diesel São Paulo, 6 de junho de 2011 CÚPULA DO ETANOL Primeiro lugar no Prêmio Top Etanol 2011 (2 a edição) São Paulo, 1 ª colocação - Premio AEA do Meio Ambiente 11 de junho de 2012 São Paulo, 4 a 6 de outubro de 2011

18 APLICAÇÕES POTENCIAIS DA TECNOLOGIA

19 OBRIGADO!

URBS. Urbanização de Curitiba S.A

URBS. Urbanização de Curitiba S.A URBS Urbanização de Curitiba S.A Principais Atribuições Planejamento e Gerenciamento dos Serviços de Transporte Transporte Coletivo Urbano Metropolitano Transporte Comercial Transporte Escolar Táxi Principais

Leia mais

XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES

XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES Sílvia Velázquez São Paulo, 17 de setembro de 2009. Resíduos Urbanos e Agrícolas Briquetes

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 São Paulo, 23 de abril de 2014 ROTEIRO I. Safra 2013/2014 na região Centro-Sul: dados finais Condições climáticas e agronômicas Moagem e produção Mercados

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

ESTUDO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

ESTUDO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA ESTUDO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA Luiz Atilio Padovan Prof. Eng. Agrônomo EVOLUÇÃO DA MECANIZAÇÃO 1 TREM DE FORÇA SISTEMA MECÂNICO Diferencial Motor Câmbio Embreagem FUNCIONAMENTO DO MOTOR Motor

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 São Paulo, 29 de abril de 2013 ROTEIRO I. Safra 2012/2013 na região Centro-Sul: dados finais Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

São Paulo, 30 de Julho de 2012 DTE/DEAT/CIR/3.8475/12

São Paulo, 30 de Julho de 2012 DTE/DEAT/CIR/3.8475/12 Prezados senhores, De acordo com o disposto nos artigos 32 e 33 da Portaria SECEX nº 10, de 24 de maio de 2010, alterada pela Portaria SECEX nº 17, de 15 de setembro de 2010 do Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS Luis Eduardo Machado¹ Renata Sampaio Gomes ² Vanessa F. Balieiro ³ RESUMO Todos sabemos que não é possível haver regressão nas tecnologias

Leia mais

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Safra 2015/2016 Mensal Acumulado Cana Campo (1) Cana Esteira (2) R$/Kg ATR R$/Kg ATR R$/Ton. R$/Ton. Abr/15 0,4909

Leia mais

Segundo Seminário Internacional sobre Uso Eficiente do Etanol

Segundo Seminário Internacional sobre Uso Eficiente do Etanol Segundo Seminário Internacional sobre Uso Eficiente do Etanol Rio de Janeiro 17 e 18 de Setembro de 2015 CELSO RIBEIRO BARBOSA DE NOVAIS Chefe da Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável & Coordenador

Leia mais

Allan Kardec Duailibe Diretor

Allan Kardec Duailibe Diretor Allan Kardec Duailibe Diretor Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Minas e Energia 25 de Maio, 2011 A POLÍTICA DOS BIOCOMBUSTÍVEIS NO BRASIL Objetivos definidos na Lei n º 9.478/97: Alargar

Leia mais

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 27 de abril de 2016 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 ROTEIRO I. Considerações sobre a atual situação do setor sucroenergético II. Bioeletricidade III. Condições climáticas e agronômicas

Leia mais

Evolução e perspectivas dos veículos elétricos híbridos

Evolução e perspectivas dos veículos elétricos híbridos Evolução e perspectivas dos veículos elétricos híbridos 2 de julho de 2008 São Paulo - SP Antonio Nunes Jr ABVE- Associação Brasileira do Veículo Elétrico Como, em transporte, responder aos desafios da

Leia mais

PROCONVE. As Fases Passadas e Futuras

PROCONVE. As Fases Passadas e Futuras PROCONVE (PROGRAMA DE CONTROLE DA POLUIÇÃO DO AR POR VEÍCULOS AUTOMOTORES) As Fases Passadas e Futuras Henry Joseph Jr Comissão de Energia e Meio Ambiente ANFAVEA Seminário sobre Emissões de Veículos Diesel

Leia mais

PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA Instituto de Tecnologia - Departamento de Engenharia IT 154 Motores e Tratores PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA Carlos Alberto Alves Varella [1] [1] Professor. Universidade

Leia mais

Congresso Minas Petro

Congresso Minas Petro Belo Horizonte / MG - 25 e 26 de Outubro Congresso Minas Petro IX Congresso de Postos Revendedores de Combustíveis de Minas Gerais Painel de Debates sobre Perspectivas da Revenda diante da nova Matriz

Leia mais

MAN LATIN AMERICA. Uso de Biogás em Frotas de Transporte de Cargas e Passageiros 31 de Outubro de 2012

MAN LATIN AMERICA. Uso de Biogás em Frotas de Transporte de Cargas e Passageiros 31 de Outubro de 2012 MAN LATIN AMERICA Uso de Biogás em Frotas de Transporte de Cargas e Passageiros 31 de Outubro de 2012 MAN Latin America [opcional: departamento] Autor Título 00.00.2012 < 1 > Tecnologi Agenda 1 Tradição

Leia mais

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Suzana Kahn Ribeiro Programa de Engenharia de Transportes COPPE/UFRJ IVIG Instituto Virtual Internacional de Mudanças Climáticas Estrutura

Leia mais

Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012

Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012 Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012 FETRANSPOR Sindicatos filiados: 10 Empresas de ônibus: 208 Frota: 20.300 Passageiros/mês: 240 milhões Viagens/mês: 4,5 milhões Empregos diretos: 100.000 Idade média:

Leia mais

HISTÓRIA DO VEÍCULO ELÉTRICO

HISTÓRIA DO VEÍCULO ELÉTRICO HISTÓRIA DO VEÍCULO ELÉTRICO Veículo elétrico híbrido projetado por Ferdinand Porsche em 1900 Thomas Edson inspecionando um carro elétrico em 1913 1832 a 1839 Robert Anderson Eficiência energética Facilidade

Leia mais

PMC5617. Motores Flexíveis. Semana de Eng. Mackenzie. Eduardo S. Oliveira, José Maria Muniz, Luciana R. Colin José Mauro, Roger Guilherme.

PMC5617. Motores Flexíveis. Semana de Eng. Mackenzie. Eduardo S. Oliveira, José Maria Muniz, Luciana R. Colin José Mauro, Roger Guilherme. Apresentar: 1) Alguns conceitos de motores de combustão interna; 2) Funcionamento simplificado da tecnologia Total-Flex ; Motor Otto: Para cada 13,8g de ar você pode colocar 1g de combustível (gasohol);

Leia mais

Jeep Renegade Sport 1.8 MT5 - FWD Ficha Técnica

Jeep Renegade Sport 1.8 MT5 - FWD Ficha Técnica JEEP Renegade Sport 1.8 MT5 - Flex MY'2016 Atualizado em 27/02/15 Jeep Renegade Sport 1.8 MT5 - FWD 1.8 E.TorQ Evo Flex MT5 - SPORT FWD 1.8 E.TorQ Evo Flex MT5 características Número de cilindros 4 em

Leia mais

Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente. 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015

Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente. 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015 Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015 Índice 1. Grupo Dourogás 2. O Gás Natural 3. UE: mobilidade sustentável 4.

Leia mais

Valtra Vol. Linha Média 10/1/09 11:27 AM Page 1. www.valtra.com.br BM 100. Foto meramente ilustrativa. Valtra é uma marca mundial da AGCO.

Valtra Vol. Linha Média 10/1/09 11:27 AM Page 1. www.valtra.com.br BM 100. Foto meramente ilustrativa. Valtra é uma marca mundial da AGCO. Valtra Vol. Linha Média 10/1/09 11:27 AM Page 1 www.valtra.com.br BM 100 Valtra é uma marca mundial da AGCO. Foto meramente ilustrativa. Valtra Vol. Linha Média 10/1/09 11:27 AM Page 2 Características

Leia mais

Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10

Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10 Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10 ALLAN KARDEC DUAILIBE Diretor Anfavea 30 de Maio, 2011 Sistema Nacional de Abastecimento de Combustíveis Produtor de Biodiesel e Etanol Produtor de GNV,

Leia mais

CARRO ELETRO HIDRÁULICO PARA RETIRADA DE CONJUNTOS DE CHOQUE E TRAÇÃO. Área de atuação: Manutenção Pesada de Vagões Ferroviários

CARRO ELETRO HIDRÁULICO PARA RETIRADA DE CONJUNTOS DE CHOQUE E TRAÇÃO. Área de atuação: Manutenção Pesada de Vagões Ferroviários CARRO ELETRO HIDRÁULICO PARA RETIRADA DE CONJUNTOS DE CHOQUE E TRAÇÃO Área de atuação: Manutenção Pesada de Vagões Ferroviários Vitória, 30 de setembro de 2011 SUMÁRIO RESUMO...3 OBJETIVOS...4 INTRODUÇÃO...5

Leia mais

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis.

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. GNV Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. REUNIÃO DE ESPECIALISTAS SOBRE TRANSPORTE URBANO SUSTENTÁVEL MODERNIZAR E TORNAR ECOLÓGICA A FROTA DE TÁXIS NAS CIDADES LATINO AMERICANAS

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

Volvo Buses Volvo Buses

Volvo Buses Volvo Buses O Grupo Volvo é um dos líderes mundiais na fabricação de caminhões, ônibus, equipamentos de construção, motores marítimos e industriais. Volvo na América dos Sul Volvo Colômbia Bogotá Volvo Peru Lima Mack

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA ELÉTRICA ANDERSON WESLLEY DA SILVA ZAMPOLI BRUNO MIGUEL ABIB FELIPE MOREIRA DAQUILA ANÁLISE DE DEMANDA DE ENERGIA

Leia mais

PROCONVE P7. Seminário sobre Emissões de Veículos a Diesel. As Tecnologias Necessárias. Ações para Atendimento aos Novos Limites do Proconve Fase 7

PROCONVE P7. Seminário sobre Emissões de Veículos a Diesel. As Tecnologias Necessárias. Ações para Atendimento aos Novos Limites do Proconve Fase 7 Seminário sobre Emissões de Veículos a Diesel Ações para Atendimento aos Novos Limites do Proconve Fase 7 As Tecnologias Necessárias Luso Martorano Ventura São Paulo, 27 de outubro de 2009 Conteúdo Evolução

Leia mais

Ciclo de motor de combustão interna, que se completa em duas revoluções(rotação) da árvore de manivelas.

Ciclo de motor de combustão interna, que se completa em duas revoluções(rotação) da árvore de manivelas. 1 3.0 Descrição do Funcionamento dos Motores O conjunto de processo sofrido pelo fluido ativo que se repete periodicamente é chamado de ciclo. Este ciclo pode acontecer em 2 ou 4 tempos. Figura 3: Nomenclatura

Leia mais

Tecnologia aplicada aos veículos comerciais Nelson Kayano

Tecnologia aplicada aos veículos comerciais Nelson Kayano Tecnologia aplicada aos veículos comerciais Nelson Kayano Netz Engenharia Automotiva 06/10/2015 Drivers da mobilidade TCO Custos fixos Pessoal Custos variáveis Combustível Lubrificantes Pneus Manutenção

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade

Relatório de Sustentabilidade Relatório de Sustentabilidade Política de sustentabilidade da Rodorei Transportes Política de sustentabilidade da Rodorei Transportes A Rodorei Transportes adota, há dez anos, uma política agressiva de

Leia mais

New Holland TL exitus

New Holland TL exitus New Holland TL exitus TL6OE TL75E TL85E TL95E 2 3 4 A agricultura está cada vez mais diversificada. A agricultura está cada vez mais New Holland. AS Máquinas new holland estão prontas para trabalhar com

Leia mais

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH A necessidade de se reduzir o consumo de combustível dos automóveis, bem como de se manter a emissão de poluentes pelos gases de escape dentro de limites, colocou

Leia mais

Conheça o Sistema Flex da Peugeot, interessante - por HUGOMELO

Conheça o Sistema Flex da Peugeot, interessante - por HUGOMELO Conheça o Sistema Flex da Peugeot, interessante - por HUGOMELO Conheça as características e os procedimentos para manutenção e diagnóstico do sistema de injeção eletrônica dos motores 1.4 e 1.6 bicombustíveis

Leia mais

ESTUDO EXPERIMENTAL DA COMBUSTÃO DO ETANOL ADITIVADO NA MÁQUINA DE COMPRESSÃO RÁPIDA

ESTUDO EXPERIMENTAL DA COMBUSTÃO DO ETANOL ADITIVADO NA MÁQUINA DE COMPRESSÃO RÁPIDA ESTUDO EXPERIMENTAL DA COMBUSTÃO DO ETANOL ADITIVADO NA MÁQUINA DE COMPRESSÃO RÁPIDA Aluno: Dayana Siqueira de Azevedo Orientador: Carlos Valois Maciel Braga Introdução Hoje em dia, muitas pesquisas estão

Leia mais

Qualidade dos Combustíveis:

Qualidade dos Combustíveis: Qualidade dos Combustíveis: Desafios para a manutenção da qualidade Oswaldo Luiz de Mello Bonfanti Coordenador Nacional do Sistema de Garantia da Qualidade Gestor de Assistência Técnica Ribeirão Preto,

Leia mais

Por: Marco Lassen. Diesel

Por: Marco Lassen. Diesel Por: Marco Lassen Diesel Óleo Diesel e a Evolução do Teor de Enxofre Evolução do Teor de Enxofre 3 Legislação e Teor de Enxofre 2000 ppm 350 ppm 500 ppm 10 ppm 50 ppm 10 ppm EUROPA EURO III EURO IV EURO

Leia mais

Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel

Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel Brasília, 28 de Outubro de 2015 O que é a APROVE DIESEL Associados: Apoio Institucional: Contexto econômico e tecnológico brasileiro atual difere muito

Leia mais

Atlas Copco Energia portátil e sustentável

Atlas Copco Energia portátil e sustentável Atlas Copco Energia portátil e sustentável Geradores QAS 24 a 225 kva Confiabilidade Elevada vida útil Preparado para condições extremas Projetado a operar ao tempo Versatilidade Desenvolvido para operação

Leia mais

Gama Euro 6 da Scania: Tecnologia comprovada e uma solução para cada necessidade

Gama Euro 6 da Scania: Tecnologia comprovada e uma solução para cada necessidade PRESS info P13X02PT / Örjan Åslund 24 de oktober de 2013 Gama Euro 6 da Scania: Tecnologia comprovada e uma solução para cada necessidade Presentemente a Scania oferece nada menos do que onze motores Euro

Leia mais

Motores Scania para camiões e autocarros Setembro 2010

Motores Scania para camiões e autocarros Setembro 2010 Motores Scania para camiões e autocarros Setembro 200 Motores (e ) CV 230 270 270 280 305 320 360 420 500 730 kw 69 99 98 206 228 235 265 309 368 537 Nm 050 00 200 400 250 600 600 200 2500 3500 Litros

Leia mais

MOTOR SISTEMA ELÉTRICO TRANSMISSÃO SISTEMA HIDRÁULICO SISTEMA DE GIRO PARTE RODANTE CABINE E COMANDOS CAPACIDADES DE ABASTECIMENTO

MOTOR SISTEMA ELÉTRICO TRANSMISSÃO SISTEMA HIDRÁULICO SISTEMA DE GIRO PARTE RODANTE CABINE E COMANDOS CAPACIDADES DE ABASTECIMENTO MOTOR Tier II Modelo F4GE0684B*D600 Marca New Holland Fabricante FPT Tipo diesel, de injeção direta, 4 tempos, turboalimentado, intercooler Bomba Injetora Rotativa Potência líquida (SAE J1349) 170 hp (120

Leia mais

Recife terá ônibus HíbridoBR durante a Copa das Confederações

Recife terá ônibus HíbridoBR durante a Copa das Confederações Ônibus Informação à imprensa Recife terá ônibus HíbridoBR durante a Copa das Confederações 10 de junho de 2013 Veículo tem tecnologia nacional e baixa emissão de poluentes A Eletra, empresa brasileira

Leia mais

Kit de 5ª geração. Andrea Tagliavini Landirenzo

Kit de 5ª geração. Andrea Tagliavini Landirenzo Kit de 5ª geração Andrea Tagliavini Landirenzo Conteúdo Sobre o grupo Landirenzo Porque 5ª geração Novas tecnologias no GNV Linha de 5ª geração Landirenzo Sistema dual Diesel-Gás Ações pro 5ª geração Sobre

Leia mais

Painel 4 Perspectivas dos mercados de açúcar e etanol

Painel 4 Perspectivas dos mercados de açúcar e etanol BMFBovespa Seminário Perspectivas do Agribusiness 2012-2013 Painel 4 Perspectivas dos mercados de açúcar e etanol Andy Duff, Food & Agribusiness Research, Rabobank Brasil 22 de maio de 2012 Food & Agribusiness

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

Tecnologia de Tração Elétrica

Tecnologia de Tração Elétrica REV.00 01 Tecnologia de Tração Elétrica Veículos a Bateria Trólebus Híbridos Hidrogênio Fuel Cel ou Pilha a Combustível 02 Veículos a Bateria VANTAGENS 1. TOTALMENTE ELÉTRICO. POLUIÇÃO PRATICAMENTE ZERO.

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 GRUPOS MOTOGERADORES GMG - DEFINIÇÃO O Grupo Motogerador consiste de um ou mais motores alternativos de combustão

Leia mais

Ônibus Híbrido Plug-In a Etanol Antonio Otélo Cardoso

Ônibus Híbrido Plug-In a Etanol Antonio Otélo Cardoso Ônibus Híbrido Plug-In a Etanol Antonio Otélo Cardoso Diretoria Técnica de ITAIPU Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável Visão de Futuro: Ônibus eficientes, emissão ZERO! Os ônibus são um dos principais

Leia mais

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização II 1 setembro 2014 31 outubro

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização II 1 setembro 2014 31 outubro Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização II 1 setembro 2014 31 outubro Indice Enquadramento Principais trabalhos no período Análise de resultados Indicadores de

Leia mais

M a n u a l d o M e c â n i c o

M a n u a l d o M e c â n i c o M a n u a l d o M e c â n i c o folder2.indd 1 20/11/2009 14 12 35 Manual do Mecânico GNV GÁS NATURAL VEICULAR Entenda o GNV e saiba quais os cuidados necessários para a manutenção de veículos que utilizam

Leia mais

Aproveitamento dos Potenciais de Veículos Híbridos e da Mobilidade Elétrica

Aproveitamento dos Potenciais de Veículos Híbridos e da Mobilidade Elétrica Aproveitamento dos Potenciais de Veículos Híbridos e da Mobilidade Elétrica Implicações para Políticas de Transportes Pietro Erber 18/06/2012 Fluxo de Energia em Automóvel EUA/DOE 100 6 3 13 4 87 Emissões

Leia mais

O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas. João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV

O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas. João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV O Mercado Brasileiro de Álcool: Perspectivas João Carlos de Figueiredo Ferraz Presidente da CRYSTALSEV 2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA Agosto de 2002 Produção Mensal na Região Centro-Sul Álcool

Leia mais

CAPITULO 2. Potência e pressões médias de um motor de combustão. Eng. Julio Cesar Lodetti

CAPITULO 2. Potência e pressões médias de um motor de combustão. Eng. Julio Cesar Lodetti CAPITULO 2 Potência e pressões médias de um motor de combustão Eng. Julio Cesar Lodetti Definição de Potência e rendimento A potência, é por definição função do torque fornecido sobre o virabrequim, e

Leia mais

nova geração de motores a gasolina Guia de produtos

nova geração de motores a gasolina Guia de produtos nova geração de motores a gasolina Guia de produtos VOLVO PENTA MOTORES MARÍTIMOS A GASOLINA O futuro está aqui. A Volvo Penta, líder absoluta em inovações náuticas, estabelece o novo padrão em tecnologia

Leia mais

Conversão de Veículos Convencionais em Veículos Eléctricos

Conversão de Veículos Convencionais em Veículos Eléctricos Seminário: Mobilidade Eléctrica: O Veículo Viabilidade da transformação de Veículos Conversão de Veículos Convencionais em Veículos Eléctricos (Experiência adquirida na ESTGV) Vasco Santos (vasco@estv.ipv.pt)

Leia mais

GAMA FIAT GPL BI-FUEL: PROJECTADA, FABRICADA E GARANTIDA PELA FIAT

GAMA FIAT GPL BI-FUEL: PROJECTADA, FABRICADA E GARANTIDA PELA FIAT GAMA FIAT GPL BI-FUEL: PROJECTADA, FABRICADA E GARANTIDA PELA FIAT GPL Euro 5 da Fiat Segurança Economia Tecnologia Ecologia A Gama Fiat GPL Bi-Fuel 1 GPL Euro 5 da Fiat A nova oferta GPL Euro 5 da Fiat

Leia mais

APLICATIVOS RENAULT. Siemens/Fênix 5

APLICATIVOS RENAULT. Siemens/Fênix 5 CAPÍTULO 13 APLICATIVOS RENAULT Siemens/Fênix 5 MEGANE 1.6 K7M 702/703/720 1995 em diante COMO FUNCIONA ESTE SISTEMA Este sistema é multiponto seqüencial, com 4 válvulas injetoras que possui autodiagnose

Leia mais

TRATOR DE ESTEIRA 7D. 9.400 kg a 10.150 kg. Potência líquida no volante. 90 hp (67 kw) Peso operacional. CAPACIDADE DA LÂMINA (SAE J1265) 1,8 m 3

TRATOR DE ESTEIRA 7D. 9.400 kg a 10.150 kg. Potência líquida no volante. 90 hp (67 kw) Peso operacional. CAPACIDADE DA LÂMINA (SAE J1265) 1,8 m 3 TRATOR DE ESTEIRA 7D Potência líquida no volante Peso operacional 90 hp (67 kw) 9.400 kg a 10.150 kg CAPACIDADE DA LÂMINA (SAE J1265) 1,8 m 3 7D A New Holland é reconhecida em todo o mundo pelas inovações

Leia mais

Potência Líquida no volante. 90 hp (68 kw) Peso operacional. 9.400 kg a 10.300 kg Capacidade da Lâmina (SAE J1265) 1,8 m 3

Potência Líquida no volante. 90 hp (68 kw) Peso operacional. 9.400 kg a 10.300 kg Capacidade da Lâmina (SAE J1265) 1,8 m 3 Potência Líquida no volante Peso operacional 90 hp (68 kw) 9.400 kg a 10.300 kg Capacidade da Lâmina (SAE J1265) 1,8 m 3 D A New Holland é reconhecida em todo o mundo pelas inovações tecnológicas, eficiência

Leia mais

Mudanças Tecnológicas para o setor de transporte t Novo perfil das frotas

Mudanças Tecnológicas para o setor de transporte t Novo perfil das frotas Mudanças Tecnológicas para o setor de transporte t Novo perfil das frotas Eduardo Boukai, 10 de novembro de 2011 Petrobras Distribuidora S.A - Marketing de transportes PROCONVE: HISTÓRICO Programa de Controle

Leia mais

VII SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DO MERCADO DE DERIVADOS DE PETRÓLEO E BIOCOMBUSTÍVEIS. Ano-Base. Superintendência de Abastecimento 16 de fevereiro de 2012

VII SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DO MERCADO DE DERIVADOS DE PETRÓLEO E BIOCOMBUSTÍVEIS. Ano-Base. Superintendência de Abastecimento 16 de fevereiro de 2012 VII SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DO MERCADO DE DERIVADOS DE PETRÓLEO E BIOCOMBUSTÍVEIS Ano-Base 2011 Superintendência de Abastecimento 16 de fevereiro de 2012 SUMÁRIO Atuação da SAB em 2011 Quantitativo de Agentes

Leia mais

Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010

Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010 Combustíveis Alternativos e a Redução das Emissões de Poluentes 12ª Transpo-Sul Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010 Tecnologias, Combustíveis mais limpos e Redução das

Leia mais

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético 23 de julho de 2015 Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético Antonio de Padua Rodrigues Diretor técnico ROTEIRO I. Perspectivas para a safra 2015/2016 II. Mercados de açúcar e de etanol

Leia mais

MECÂNICA APLICADA CARACTERÍSTICAS DIMENSIONAIS DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA PROFº RUI CASARIN. Características Dimensionais dos Motores

MECÂNICA APLICADA CARACTERÍSTICAS DIMENSIONAIS DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA PROFº RUI CASARIN. Características Dimensionais dos Motores MECÂNICA APLICADA CARACTERÍSTICAS DIMENSIONAIS DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA PROFº RUI CASARIN DIÂMETRO DO CILINDRO (D) SERÁ REPRESENTADO PELA LETRA D. NORMALMENTE É APRESENTADO NOS MANUAIS DE FABRICANTES

Leia mais

Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd.

Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd. Seminário Internacional de Energia da AUGM Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd. Universidade Federal de Santa Maria Grupo de Pesquisa em Motores, Combustíveis e Emissões Necessidade de energia Iluminação

Leia mais

TS-300BR. ( TRANSPORTADOR: VOLVO VM 6x4R 260) 4 seções, 10,0 m ~ 32,2 m DIMENSÕES GERAIS

TS-300BR. ( TRANSPORTADOR: VOLVO VM 6x4R 260) 4 seções, 10,0 m ~ 32,2 m DIMENSÕES GERAIS TDB GUINDASTE HIDRÁULICO SOBRE RODAS CATÁLOGO DE ESPECIFICAÇÕES N TS-300BR-1(VM6x4) TS-300BR ( TRANSPORTADOR: VOLVO VM 6x4R 260) DADOS GERAIS CAPACIDADE DO GUINDASTE 30.000 kg à 2,5 m LANÇA 4 seções, 10,0

Leia mais

Solução Verde para o trasporte dacidade de São Paulo. Maio 2011, Rio de Janeiro

Solução Verde para o trasporte dacidade de São Paulo. Maio 2011, Rio de Janeiro Solução Verde para o trasporte dacidade de São Paulo Maio 2011, Rio de Janeiro Três principais questões ambientais Crise global de petróleo Emissões de CO2 Poluição do Ar 40%dos combustíveis fósseis líquidos

Leia mais

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação Resultados Outubro 2012 Principais Indicadores Indústrias de Transformação AGO SET OUT

Leia mais

4. Dados técnicos. BMW 116i, BMW 118i.

4. Dados técnicos. BMW 116i, BMW 118i. Página 16 4. Dados técnicos. BMW 116i, BMW 118i. BMW 116i BMW 118i Carroceria Nº de portas / assentos 5/5 5/5 Compr/largura/altura (sem carga) 1) mm 4.324/1.765/1.421 4.324/1.765/1.421 Distância entre

Leia mais

são mesmo o futuro? Pedro Meunier Honda Portugal, S.A.

são mesmo o futuro? Pedro Meunier Honda Portugal, S.A. Automóveis Híbridos: H são mesmo o futuro? Pedro Meunier Honda Portugal, S.A. Veículos em circulação por região Biliões de Veículos 2.5 2 1.5 1 0.5 0 2000 2010 2020 2030 2040 2050 Total África América

Leia mais

MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL

MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL O FUTURO DAS CIDADES A MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL É FUNDAMENTAL PARA EVITAR O CAOS MOBILIDADE - CENÁRIO NO BRASIL Aumento da população urbana Tráfego intenso nas grandes

Leia mais

Volvo HÍBRIDO. Ônibus HÍBRIDO TECNOLOGIA, ECONOMIA E RESPEITO AO MEIO AMBIENTE

Volvo HÍBRIDO. Ônibus HÍBRIDO TECNOLOGIA, ECONOMIA E RESPEITO AO MEIO AMBIENTE Volvo HÍBRIDO Ônibus HÍBRIDO TECNOLOGIA, ECONOMIA E RESPEITO AO MEIO AMBIENTE O DESAFIO VERDE O cuidado com o meio ambiente está no centro das discussões da agenda social em todo o mundo. Cada vez mais,

Leia mais

Benefícios e Desafios das Tecnologias Veiculares Alternativas no Transporte Público de Curitiba

Benefícios e Desafios das Tecnologias Veiculares Alternativas no Transporte Público de Curitiba Benefícios e Desafios das Tecnologias Veiculares Alternativas no Transporte Público de Curitiba Roberto Gregorio da Silva Junior Presidente da Urbanização de Curitiba S.A. Belo Horizonte, 15 março 2016

Leia mais

Arquitetura das Unidades de Controle Eletrônico

Arquitetura das Unidades de Controle Eletrônico Arquitetura das Unidades de Controle Eletrônico Antes que a unidade eletrônica de controle (Electronic Control Unit ECU) atue de forma precisa no motor, a ECU deve estimar com a maior de precisão possível

Leia mais

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor.

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Objetivos Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Descrição Neste módulo são abordados os princípios de funcionamento do motor Ciclo Otto,

Leia mais

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento HYDAC KineSys Sistemas de acionamento Veículos de manuseio de materiais Usinas termelétricas Máquinas injetoras de plástico Seu parceiro profissional para soluções de acionamento Todas as condições para

Leia mais

Inovação Colaborativa Ricardo Abreu 29.10.2015 MAHLE

Inovação Colaborativa Ricardo Abreu 29.10.2015 MAHLE Ricardo Abreu 29.10.2015 Resultados de Inovação 131 Novas Ideias 23 Projetos 4 Novos Produtos 55 Espontâneas 65 Campanhas 11 Externas Ideação Seleção de Ideias Projetos de P&D Desenvolvimento Lançamento

Leia mais

Acionamento elétrico 4X4 Acionamento elétrico do sistema de tração 4x4 e reduzida com luz indicadora do sistema acionado (nas versões 4x4).

Acionamento elétrico 4X4 Acionamento elétrico do sistema de tração 4x4 e reduzida com luz indicadora do sistema acionado (nas versões 4x4). S10 Colina Disponível nas versões cabine simples ou dupla e equipada com o motor 2.8L Turbo Diesel Eletrônico MWM, a camionete Chevrolet S10 Colina tem freios ABS nas quatro rodas, acionamento elétrico

Leia mais

rotulagem de energia eléctrica

rotulagem de energia eléctrica rotulagem de energia eléctrica ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA A produção e a distribuição de energia eléctrica são fundamentais para o desenvolvimento das sociedades. A rotulagem de energia eléctrica pretende

Leia mais

55MR. Escavadeira Compacta PC55MR-3. POTÊNCIA 39,6 HP @ 2.400 rpm. PESO OPERACIONAL 5.160-5.350 kg. CAPACIDADE DA CAÇAMBA 0,07-0,18 m³

55MR. Escavadeira Compacta PC55MR-3. POTÊNCIA 39,6 HP @ 2.400 rpm. PESO OPERACIONAL 5.160-5.350 kg. CAPACIDADE DA CAÇAMBA 0,07-0,18 m³ PC 55MR As fotos neste folheto são meramente ilustrativas, podendo incluir opcionais ou configurações diferentes do equipamento padrão. Escavadeira Compacta PC55MR-3 POTÊNCIA 39,6 HP @ 2.400 rpm PESO OPERACIONAL

Leia mais

Tecnologia nos Ônibus Mercedes-Benz

Tecnologia nos Ônibus Mercedes-Benz Tecnologia nos Ônibus Mercedes-Benz Brandão VEM Marketing de Produto Ônibus, Junho, 2011 Fábrica Principais atividades na planta de S. Bernardo do Campo Componentes de terceiros Montagem completa Banco

Leia mais

Grupos Disponíveis Para Venda - 25/05/2015 10:58:48

Grupos Disponíveis Para Venda - 25/05/2015 10:58:48 25/05/2015 10:59:09 Página 1 Grupo: 000894 Prazo: 084 Prazo Restante: 062 Assembleia Atual: 023 11/06/2015 Vencimento: 08/06/2015 Participantes: 600 Cotas Vagas: 000 Característica: 1 SORTEIO - 1 SORTEIO

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NO PIB 2013 Outros Serviços 33,7% Administração, saúde e educação públicas

Leia mais

Motor Posição Número de cilindros Diâmetro X Curso Cilindrada Total Taxa de compressão Potência máxima (ABNT/regime) Torque máximo (ABNT/regime)

Motor Posição Número de cilindros Diâmetro X Curso Cilindrada Total Taxa de compressão Potência máxima (ABNT/regime) Torque máximo (ABNT/regime) Motor Posição Número de cilindros Diâmetro X Curso Cilindrada Total Taxa de compressão Potência máxima (ABNT/regime) Torque máximo (ABNT/regime) Número de válvulas por cilindro Eixo de Comando de válvulas

Leia mais

Volvo Trucks. Driving Progress. Novo Volvo VM. VOCACIONAL 6x4R / 8x4R

Volvo Trucks. Driving Progress. Novo Volvo VM. VOCACIONAL 6x4R / 8x4R Volvo Trucks. Driving Progress Novo Volvo VM VOCACIONAL 6x4R / 8x4R Força e capacidade acima da sua meta. O novo Volvo VM é um caminhão semipesado, confortável, seguro e o mais econômico da categoria.

Leia mais

PALESTRA SINDIPOSTO 11/12/13

PALESTRA SINDIPOSTO 11/12/13 PALESTRA SINDIPOSTO 11/12/13 Empresa criada em maio de 2012 com o objetivo de prestar serviços no segmento Revendedor com foco principal nas relações Revenda x Distribuidoras, Treinamento de Pessoal, qualificando

Leia mais

Programa de desenvolvimento de tecnologias de 2ª geração no PAISS. Carlos Eduardo Calmanovici Julho, 2012

Programa de desenvolvimento de tecnologias de 2ª geração no PAISS. Carlos Eduardo Calmanovici Julho, 2012 Programa de desenvolvimento de tecnologias de 2ª geração no PAISS Carlos Eduardo Calmanovici Julho, 2012 PAISS Etanol 2G 1. Motivação 2. Programa 2G 3. Perspectivas e discussão PAISS Etanol 2G 1. Motivação

Leia mais

12º 12 SEMINÁRIO DE MECANIZ

12º 12 SEMINÁRIO DE MECANIZ MOTORES A ETANOL 12º SEMINÁRIO DE MECANIZAÇÃO MARÇO, 2010 POR RAZÕES, ATÉ DE CERTO MODO, DIFICEIS DE AVALIAR, O SETOR CANAVIEIRO, SALVO HONROSAS EXCEÇÕES, NÃO SE INTERESSOU PELO TEMA.( (*) INSISTIMOS,

Leia mais

Porquê o Diesel. Hoje, os veículos a diesel consomem em média menos 30% de combustível e produzem 25% menos emissões de CO 2

Porquê o Diesel. Hoje, os veículos a diesel consomem em média menos 30% de combustível e produzem 25% menos emissões de CO 2 Porquê o Diesel Porquê o Diesel O engenheiro alemão Rudolf Diesel (1858-1913) patenteou o seu projecto para um motor de combustão interna mais eficiente, em 1892. De início os motores diesel foram usados

Leia mais

P0001 Controle regulador de volume de combustível Circuito aberto P0002 Controle regulador de volume de combustível Faixa/desempenho P0003 Controle

P0001 Controle regulador de volume de combustível Circuito aberto P0002 Controle regulador de volume de combustível Faixa/desempenho P0003 Controle P0001 Controle regulador de volume de combustível Circuito aberto P0002 Controle regulador de volume de combustível Faixa/desempenho P0003 Controle regulador de volume de combustível circuito baixo P0004

Leia mais

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná

Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa. Eng Rogério C. Perdoná Aproveitamento Energético de Resíduos e Biomassa Eng Rogério C. Perdoná 00 Apresentação Pessoal Rogério Carlos Perdoná Graduação Engenharia Elétrica Escola de Engenharia de Lins 1987 a 1992. Pós-graduação

Leia mais