ESCOLA e FAMÍLIA DUAS REALIDADES, UM MESMO OBJETIVO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA e FAMÍLIA DUAS REALIDADES, UM MESMO OBJETIVO."

Transcrição

1 ESCOLA e FAMÍLIA DUAS REALIDADES, UM MESMO OBJETIVO. Mariluci Daneluz 1 RESUMO: Neste trabalho pretende-se abordar os benefícios da participação da família na busca de alternativas para amenizar as dificuldades apresentadas quanto ao rendimento escolar dos educandos do Ensino Fundamental. Neste sentido defende-se a necessidade de se buscar estratégias de ação envolvendo toda a comunidade escolar: direção, professores, alunos e pais, na busca pela construção de um compromisso coletivo em prol do educando. Os alunos nesta fase da educação escolar tendem a ser agitados, sem limites, apresentam falta de atenção e baixo rendimento. As famílias, por outro lado, encontram-se, em muitos casos, descomprometidas ou ocupadas demais com seus problemas do dia-a-dia, passando funções que lhe competem para a escola resolver, dessa forma sobrecarregando a escola e os professores com funções extras, ocupando um tempo que seria destinado ao ensino e a aprendizagem. Muitas vezes, também, a família não tem informação para conduzir o adolescente nesta faixa etária, o que torna a situação ainda mais problemática. A tentativa da escola de envolver a família no processo de ensino e de aprendizagem é para buscar alternativas de, unidas e participantes, ajudarem o jovem a ingressar na adolescência e passar por essa fase com mais segurança e direcionamento. Considera-se que a escola precisa viabilizar mecanismos que permitam uma efetiva participação entre os membros da comunidade escolar para refletir na coletividade os problemas de aprendizagem que acarretam sérias implicações para a prática pedagógica. Os elementos aqui apresentados buscam servir como motivadores neste processo e incentivadores nos demais processos de revisão da atuação escolar, principalmente quando do Ensino Fundamental, e nas atividades que são (deveriam ser) de competência tanto da escola quanto da família. PALAVRAS-CHAVE: Escola; Família; Ensino e aprendizagem. 1 Professora da rede pública de ensino no estado do Paraná e aluna PDE

2 INTRODUÇÃO A participação da família no ambiente escolar tem se constituído numa constante necessidade frente à resolução de problemas referente ao desempenho do aluno. Nesta perspectiva, um dos aspectos importantes para a escola é compreender as diferentes formações de famílias constituídas na sociedade moderna para descobrir a melhor maneira de, com elas, poder auxiliar no processo de ensino e de aprendizagem. Essa questão é um tanto delicada, pois além das particularidades de cada situação familiar, o referencial de núcleo familiar tem tido uma constituição indefinida e amplamente diversificada. Hoje, para definir família, temos vários conceitos e todos devem ser respeitados. A família nuclear conjugal moderna quer dizer, pai, mãe e filhos da forma como é definida hoje em dia, não foi sempre assim. Foi a conseqüência de mudanças na forma de atuação de outras instituições, como o Estado e a Igreja que, há cerca de três séculos, começaram a valorizar o sentimento de família. Isso significa que os laços familiares começaram a ser reconhecidos socialmente e a educação e criação de crianças, nascidas da união de um casal passa a ser, cada vez mais, da responsabilidade da família (ÁRIES, 1978). Neste contexto, observa-se que as pessoas ficam divididas entre as formas de viver de família, que são dadas como modelo, e aquelas que são escolhidas em virtude das dificuldades por que passam. Com isso, compreender que concepções têm os pais ou responsáveis acerca de sua participação na vida escolar dos filhos passa a ser uma questão urgente. Soma-se a isso que uma possível ausência destes nas discussões sobre o referido problema escolar resulta em indiferença, desconhecimento dos fatores básicos desta problemática e, na medida em que não há um trabalho conjunto e efetivo com as famílias, a fim de buscar parcerias para melhor resolver seus problemas, a situação tende a se agravar. Nos ambientes família/escola, o jovem assume papeis diferenciados. Na família ele participa e segue padrões de conduta estabelecidos por seus familiares. Na escola, é um pouco mais complexo, mais amplo, mas também tende a seguir os padrões e as normas da entidade, por isso, ambas precisam compartilhar a ação educativa e criar critérios para serem seguidos. Para ZAGURY (2005), é tarefa dos pais atender as necessidades dos filhos. Assim, os pais, para ter sucesso no processo de desenvolvimento de seus filhos,

3 precisam ter um eixo direcionador, atitudes que, tomadas sistematicamente, ajudam a criança a crescer, tornar-se independente e equilibrada emocionalmente. Precisam atuar com equilíbrio e segurança para estabelecer as bases para uma adolescência sem maiores problemas. Neste momento é que é preciso entender os conceitos família/escola, realidades, contradições, conflitos, dimensões, limites e qual a probabilidade desta participar do cotidiano escolar. Com o conhecimento dessas dificuldades, é possível repensar o aluno, sua família, as metodologias e contribuir para ampliar a interação da família na escola, buscando a efetivação de um relacionamento participativo e fundamentado no bem estar do jovem. A construção coletiva, a valorização da contribuição de cada um, a vivência da participação da família em todos os espaços da escola, além de garantir processos de aprendizagem, de apropriação de conhecimentos, garantirá a escolarização e poderá efetivar-se na formação de seres humanos mais bem preparados para uma prática social. Segundo PAROLIN, (2007), é em família que uma criança constrói seus primeiros vínculos com a aprendizagem e forma seu estilo de aprender. Nenhuma criança nasce sabendo o que é bom ou ruim e muito menos sabendo do que gosta e do que não gosta. A tarefa dos pais, dos professores/escola e dos demais familiares é a de favorecer uma consciência moral, pautada em uma lógica socialmente aceita, para que, quando essa criança tiver de decidir, saiba como e por que está tomando determinados caminhos ou decisões. Quando a escola se propõe a estabelecer determinadas estratégias com a família, deve ter o cuidado de manter o respeito e a valorização da mesma, pois é a partir do respeito e valorização mútuo que é possível desempenhar a difícil tarefa de tomar decisões sobre a educação dos jovens. Convém lembrar que todas as famílias são diferentes e vivem em diferentes contextos. Deve-se, assim, evitar desprezar idéias e sugestões apresentadas por eles e ou de considerar a visão da escola como a mais adequada e, juntos, construir um modelo de formação capaz de congregar todos os interesses, quer da família, quer da escola ou m esmo da sociedade em geral. FAMÍLIA E ESCOLA: INSTITUIÇÕES PARCEIRAS NO DESENVOLVIMENTO DO EDUCANDO

4 A família e a escola têm, na sociedade moderna, tarefas complementares. No início dos tempos modernos, as famílias eram extensas e as crianças misturavam-se com os adultos. A família cumpria a função de assegurar a transmissão da vida, dos bens e dos nomes, assim como as bases iniciais da educação. Com a ampliação da oferta de escolas, as crianças passam a receber outro tipo de educação, agora mais formal. Hoje, ao se lidar com famílias, é preciso deixar de lado o velho modelo nuclear e ter em mente que cada família constitui um universo, um sistema de relações evitandose os paradigmas de família regular versus irregular. O mais importante é valorizá-las enquanto espaços de produção da identidade social. Nesta nova realidade, as relações entre a família e a escola devem proporcionar um ambiente de respeito mútuo, na confiança e na aceitação de suas peculiaridades. Neste contexto, a participação da família pode ser benéfica para a escola por diversos motivos, dentre estes: aproxima os dois mundos, favorece a aprendizagem do jovem e as funções ficam melhores definidas. A participação dos pais, por mais estranho que possa parecer, não ocorre espontaneamente, é um processo de construção coletiva; coloca-se a necessidade de se prever mecanismos institucionais que viabilizem e incentivem práticas participativas dentro da escola e que apontem para uma boa qualidade de ensino. Esta constatação aponta para a necessidade da família participar efetivamente da gestão da escola, de modo que esta ganhe autonomia e tenha mais força para lutar e alcançar seu objetivo de melhorar a qualidade do ensino. Os professores e a família necessitam aprender a conhecer novas dimensões do jovem, não há dúvida que a escola representa uma ampliação importantíssima no meio de convivência do jovem, uma vez que é um dos locais onde ele interage com colegas da mesma idade, com mais novos, mais velhos, com adultos, com espaço físico e materiais diversos. Trata-se de um conhecimento progressivo e mútuo e pode contribuir para ter uma visão mais ajustada de si mesmo e se adaptar nos dois contextos. Segundo PAROLIN, (2000), quando a família ou a escola poupa uma criança de experimentar frustrações ou insucessos, mesmo que o resultado previsto seja duvidoso, com o objetivo de não expô-la a momentos difíceis, em verdade, não promove a aprendizagem de âmbito pessoal e científico. Ao poupar a criança ou o adolescente de frustrações, impede-se que ele amadureça, que se valorize e compreenda a dinâmica da vida. Na maioria das vezes a criança desenvolve uma dinâmica acomodada, não se arriscando a novas tentativas.

5 Tanto a família como a escola compartilham funções educativas que buscam o conhecimento e o bem estar do educando. Ambos têm a responsabilidade de apoiar o que foi decidido no outro contexto e favorecer o desenvolvimento do educando. Assim, é fundamental a participação destas famílias na escola, tanto no âmbito vinculado a gestão quanto de cunho pedagógico, na busca por oferecer estratégias para o processo de formação realmente acontecer. Em PARO (2005), outro aspecto importantíssimo do problema de participação da comunidade na escola é apontado, ensejando medidas corajosas, pois que refere-se ao provimento de condições para que os membros das camadas menos favorecidas participem da vida escolar. Não basta permitir formalmente que os pais de alunos participem da administração da escola: é preciso que haja condições materiais propiciadoras dessa participação. De outro lado GÓMEZ (1998), ressalta que a igualdade de oportunidades não é um objetivo ao alcance da escola. O desafio educativo da escola contemporânea é atenuar, em parte, os efeitos da desigualdade e preparar cada indivíduo para lutar e se defender, nas melhores condições possíveis, no cenário social. Neste contexto a escola deve criar as possibilidades mínimas para que sua comunidade consiga participar de suas atividades. Fazer um levantamento dos principais problemas que impedem ou dificultam o acesso das famílias e se organizar procurando resolver as particularidades para que se sintam acolhidos na entidade. TIBA (1998), já dizia que a escola precisa alertar os pais sobre a importância de sua participação: o interesse em acompanhar os estudos dos filhos é um dos principais estímulos para que eles estudem. O importante é a presença deles, e quando os pais participam, os filhos se sentem valorizados. Os pais precisam entender que eles devem dar o exemplo. Sua falta sendo entendida na mesma medida de importância que dá ao estudo do filho. Muitas vezes os pais reclamam que seus filhos não assumem os compromissos e nem percebem que eles fazem o mesmo e que seus filhos só estão repetindo o que presenciam. A grande tarefa dos membros da escola é mobilizar os alunos para o conhecimento, estimular as interações e as participações, promovendo valores como o respeito e a cooperação através do empenho coletivo, o que requer a adesão de todos os envolvidos com a prática pedagógica.

6 POSSIBILIDADES EDUCATIVAS QUE PODEM SER COLOCADAS EM PRÁTICA Nesta ânsia por ampliar as condições de melhora de condições no processo de ensino e de aprendizagem escolar, leia-se aqui conjugado com a família, algumas atitudes mínimas podem ser implementadas: - Promover a criação e a sustentação de um ambiente propício à participação dos profissionais da educação, os alunos e pais. - Promover um clima de confiança entre todos os envolvidos. - Valorizar as capacidades e aptidões dos participantes. - Estabelecer demanda de trabalho centrado nas idéias e não em pessoas. - Desenvolver a prática de assumir responsabilidades em conjunto. - Enfatizar a importância dos resultados alcançados pelos alunos e manter um clima escolar positivo à solução de problemas. - Promover a capacitação de professores e pais, mantendo-os motivados. - Estabelecer na escola um sentido comum, de cumplicidade, de família, no desenvolvimento dos objetivos educacionais. - Criar oportunidade para freqüentes trocas de idéias, de inovações e criação conjunta no trabalho. - Orientar as ações pedagógicas para que, conjuntamente, promovam a aprendizagem dos alunos e o desenvolvimento profissional do professor somando-se todo este espectro a uma ação para com os pais. O PAPEL DA FAMÍLIA FRENTE ÀS DEFICIÊNCIAS NO RENDIMENTO ESCOLAR Como a família deve desempenhar sua função formativa? O fundamental é que o filho seja beneficiado. De outro lado é necessário que entre a escola e a família haja uma soma, e não atropelamento de uma parte pela outra. É necessária uma educação homogênea e equilibrada buscada pelo pai, pela mãe e pela escola. Por que pai e mãe, não simplesmente pais? Porque hoje as diferenças entre os dois, às vezes, é tão grande que eles não conseguem se compor para uma educação equilibrada dentro de uma única casa (TIBA: 2006).

7 Os pais, que tanto buscam amar e querer agradar e poupar os filhos, tendem a não desenvolver neles limites, disciplina e responsabilidade. São estes erros (por vezes de excesso de amor) dos pais que acabam desvirtuando os filhos. Por isso, muitas vezes exageram na falta ou no excesso tanto da liberdade quanto da responsabilidade. Alguns podem até suportar a má educação dos filhos, mas quando eles vão para a escola, tais problemas se evidenciam, tornando mais fácil sua detecção e difícil deixar de tomar algumas atitudes (Idem). Os pais devem estar conscientes: quanto mais cedo começar a trabalhar com conceitos como responsabilidade, igualdade, direitos e deveres, solidariedade, cooperação, mais chances estarão dando aos filhos de se tornarem pessoas íntegras, produtivas e com objetivos na vida. Os filhos devem saber que os pais se sentem felizes em colaborar para sua formação e desenvolvimento, mas devem estar cientes também de que isso não significa aceitar dependência ou improdutividade por toda a vida. Eles precisam saber que num futuro próximo terão que trabalhar para se sustentar e que os pais esperam que eles tenham uma carreira na qual trabalhem encontrem realização pessoal, possam contribuir com a sociedade em que vivem e se tornem cidadãos produtivos, desempenhando seu papel na sociedade. Se a família estiver alicerçada em alguns princípios educacionais básicos, se os pais estiverem realmente imbuídos da importância da transmissão de valores aos filhos, se tiverem um mínimo de segurança e de clareza de objetivos, excelente! Porque sem dúvida, seus filhos se espelharão em seus exemplos, em suas atitudes e forma de encarar a vida (ZAGURY: 2005). A família é a primeira responsável pela educação dos filhos, e é na escola que se percebe o quanto os adolescentes estão carentes da educação que é obrigação da família. Há pais que simplesmente transferem a educação de seus filhos para a escola, principalmente nas questões nas quais eles perderam o controle. Disciplina e responsabilidade, valores familiares, são os que os pais mais cobram da escola, mesmo sendo deles a responsabilidade por tais valores. A escola entra (ou deveria entrar) com a disciplina e a responsabilidade para enfrentar comportamentos inadequados por ela percebidos. A educação pode não vir de casa, mas a escola não pode ser conivente com a falta dela e em muitos casos a indisciplina também está nos pais. A escola precisa voltar sua atenção para esses pais, com orientações, exigências, palestras, leituras e encaminhamento para profissionais especializados, para ajudá-los a serem também educados.

8 Não apresentar aos filhos um futuro todo pronto e pleno de facilidades seria uma das obrigações dos pais, porém alguns destes não agem assim, pensando estar protegendo e fazendo o melhor por eles. Na verdade quanto mais responsabilidade os pais transferirem aos filhos, dentro de suas capacidades e possibilidades, quanto mais cedo eles entenderem que terão que lutar pelo seu futuro, assumindo suas vidas e as conseqüências de seus atos, tendo assim mais chances de conseguir realizar seus objetivos. A família tem importante papel não somente em relação à educação como no que se refere à parte emocional, afetiva do adolescente. Famílias mal-estruturadas, brigas freqüentes, falta de amor e de respeito entre as pessoas que convivem na casa, maus-tratos, alcoolismo, agressões físicas e morais repercutem de forma negativa no jovem. É inegável a importância de uma família harmônica para o desenvolvimento saudável do adolescente. Neste sentido, os pais que ficam fora de casa em horário integral precisam, pelo no mínimo, conseguir tempo para verificar se os filhos fizeram as tarefas indicadas pela escola, se arrumaram o material necessário para o dia seguinte, se estudaram para rever os conteúdos e fazer as avaliações. Mesmo chegando à noite em casa, esta verificação deverá ser feita. É preciso que haja disponibilidade por parte dos pais e que uma rotina seja estabelecida. É muito importante não confundir supervisionar com fazer os deveres junto ou para eles. Não é necessário verificar se há erro no trabalho, isso é tarefa dos professores na escola. Em casa, o primordial nesta fase de desenvolvimento da criança, é zelar pelo cumprimento e organização das tarefas e atender as dúvidas ou perguntas que os filhos espontaneamente façam. Ajudar sim, fazer por eles, jamais! Com o passar do tempo o jovem vai criando o hábito, vai interiorizando o comportamento e os pais podem amenizar a supervisão. Além de rotineiramente estabelecer contato com a escola, os pais precisam controlar o boletim, acompanhar o desempenho do filho e quando perceber que o resultado obtido não é o desejado, procurar saber o que está acontecendo. Se não conseguir a informação com o filho ou se desconfiar que a mesma não é convincente, deve procurar a escola imediatamente. Deve, também, tomar muito cuidado porque na adolescência o jovem já está perito em argumentos, para usar em sua defesa e justificar suas falhas. Se o pai não for atento, vai incorporar as justificativas do filho e irá para a escola com sua posição, já tomada em defesa do filho. Por isso é muito importante ouvir ambas as partes e corrigir onde ouve a falha.

9 Quando os pais percebem que a escola está preocupada e quer ajudar, juntos devem combinar de tomar algumas atitudes e ambas as partes cumprir seu papel, a chance de dar certo é bem maior. Logo, se perceberá mudanças no adolescente, mas enquanto isso não ocorre e os pais partem em defesa do filho sem antes ouvir a escola, a situação se agrava porque o adolescente percebe que tem apoio da família e passa a desafiar os professores quando a escola propõe possíveis novas atividades ou regras disciplinares. O grande desafio da escola hoje é sem dúvida conseguir conquistar a atenção e a motivação do jovem para o estudo. Principalmente o jovem que, nessa fase, se torna atraído por muitas outras coisas. É uma fase de transformações corporais e de descobertas. O prazer sexual e a atração pelo sexo, as festinhas, o encontro com o grupo de amigos, tudo isso parece mais interessante, mais atraente, mais fascinante que a escola. O professor que atua nesta fase trabalha dobrado. Conviver com adolescentes nos quais, muitas vezes, há falta de limites, de educação, excesso de rebeldia, questionamento constante, necessidade de auto-afirmação, insegurança, enfim com as características próprias de jovens nessa faixa etária, não é uma tarefa fácil par o professor, principalmente daqueles que anseiam por bem cumprir sua função. Formar e informar o jovem, atender aos objetivos dos conteúdos de ensino, ter um bom relacionamento com os alunos, pode ser extremamente difícil para os professores, sobretudo numa época em que a escola vem sofrendo problemas e pressões crescentes por parte da sociedade. Propostas pedagógicas modernas não faltam, mas falta formar bem o professor, realizar mudanças na infra-estrutura escolar, diversificar as atividades rotineiramente pensadas para a escola, repensar a participação ativa dos alunos e a criatividade na elaboração das atividades, dentre outras mudanças possíveis para as quais anda devem ser somadas aquelas atinentes à família. Com o surgimento diário de tecnologias avançadas, a escola está ficando a margem desse crescimento e fica muito difícil ser interessante para atrair a atenção dos jovens nas salas de aula. Por outro lado, apesar dessas dificuldades, recaem cada vez mais responsabilidades para a pessoa do professor. Devido a essa defasagem tecnológica na maioria das escolas, esta fica cada vez mais desinteressante do ponto de vista do apelo visual, metodológico e mesmo de conteúdo. As aulas continuam, em sua grande maioria, explanações orais, uso do livro

10 didático, com reduzido ou nenhum apoio audiovisual. Quando a escola recebe algum recurso tecnológico, existe muita burocracia para sua instalação e cursos de preparação aos professores para o uso das mesmas. O professor dificilmente consegue se atualizar, pois sua carga horária de trabalho em sala de aula não permite. O discurso das (necessárias) inovações educacionais envolve mudanças no currículo, nas avaliações dos alunos, no planejamento. No ensino inovador, criar condições para a troca de informações entre professores, melhorias nas práticas em sala de aula, aumentar a integração com os demais segmentos, partindo do princípio que todos são responsáveis e que cada um deverá fazer o seu trabalho da melhor forma possível, não é, contudo, uma tarefa fácil. Para SZYMANSKI, (2007), escola é escola, família é família, o que ambas têm em comum é o fato de prepararem os membros jovens para sua inserção futura na sociedade e para o desempenho de funções que possibilitem a continuidade da vida social. Ambas desempenham um papel importante na formação do indivíduo e do futuro cidadão. A escola tem uma especificidade, a obrigação de ensinar conteúdos específicos da área do saber, escolhidos como fundamentais para a instrução de novas gerações. A família têm de dar acolhimento a seus filhos: um ambiente estável, provedor e amoroso e as bases dos valores socialmente constituídos. É muito importante que haja coerência no uso da linguagem e ações educativas, entre o que os pais e a escola fazem na educação do adolescente, principalmente nas questões que possam prejudicar a auto-estima, cidadania e competência. Devemos lembrar que os pais e a escola devem ser parceiros, cada um com seus princípios educativos. Pais com coerência, firmeza e a escola dando seqüência educativa e aprimorando a essência na construção da cidadania. Os pais e a escola se não se cuidarem mutuamente acabam trabalhando com ideais diversos e o adolescente se beneficia, erroneamente, da discórdia que se criou entre as pessoas à sua volta. FAMÍLIA E ESCOLA: CONTEXTOS DIFERENTES NA BUSCA ASSOCIADA POR SOLUÇÕES EDUCATIVAS. A educação atualmente baseia-se na pessoa do professor, ele ensinando em sala de aula, transmitindo conhecimentos a seus estudantes, fazendo o melhor que sua formação possa oferecer, o que nem sempre é suficiente. Dos estudantes é esperado um bom desempenho, pela escola e família, não sendo levado em conta suas distinções,

11 características e etapas de desenvolvimento. De outro lado, o sistema escolar não é prioridade nos esquemas políticos e começou a deixar de cumprir suas metas prejudicando professores e alunos. As conseqüências dessa situação é o desinteresse dos alunos em aprender e a diminuição da capacitação do professor em ensinar, resultando em: repetência, abandono da escola, falta de respeito e convivência social. O que é mais preocupante é que a escola, apesar desta situação decadente, necessita e acaba ficando com as crianças sob sua responsabilidade a cada dia por mais tempo e mais precocemente. As crianças estão indo à escola para serem educadas e algumas, para serem criadas: Será que os professores estão capacitados para mais essa incumbência? O professor não é o único responsável pela aprendizagem. Sua nova tarefa é orientar o estudante na busca e no processamento das informações. O professor ajuda o aluno a chegar às informações desejadas e assim atingir o objetivo, deixando de ser a fonte única e exclusiva de informações; hoje os alunos estão globalizados via televisão, canais a cabo, internet, multimídia. Quando se discute de quem é a tarefa de educar, se é da escola ou da família, entra-se num jogo de empurra-empurra da responsabilidade. A família cobra que a educação seja dada pela escola, enquanto a escola diz que esta deveria vir de casa. Muitas famílias não têm clara a noção de certo e errado e não conseguem estabelecer limites e responsabilidades, permitindo que os filhos ajam guiados pelo prazer, evitando qualquer coisa que lhes dê trabalho, pois entendem como sacrifício. O adolescente quer descobrir as coisas a seu modo, o prazer está muito mais na autonomia e na busca da própria identidade. Neste contexto, o professor pode ajudar a conseguir resultados melhores em sala de aula se somar informações sobre o desenvolvimento do adolescente, as mudanças que ocorrem em seu corpo e, sobretudo sua mente. Para TIBA (2006), se você conseguir ultrapassar o que aprendeu e aplicar seus conhecimentos no cotidiano do aluno, fazendo com que ele tenha interesse em aprender, parabéns, você é um mestre! O importante e a escola detectar as dificuldades relacionadas ao aluno e iniciar convocando os pais para uma reunião, ou pacto, no qual, estabelecem-se os padrões que nortearão o trabalho. O compromisso deve ser de todos em torno de alguns princípios básicos como: coerência, responsabilidade, presença e atuação. A escola precisa alertar os pais sobre a importância de sua participação e o interesse em acompanhar os estudos dos filhos, sendo este um dos principais estímulos para que eles estudem.

12 Quando os pais são distantes da escola, é preciso trabalhar antes os alunos para convencê-los da importância da presença destes nas reuniões, de modo que passem a insistir em casa, motivando os pais a comparecer. Na maioria das vezes os pais que mais faltam são aqueles que os filhos mais dão trabalho, eles, por outro lado, se justificam dizendo que não adianta, pois o filho não obedece mais, não sabem mais o que fazer e a escola que resolva. Mesmo assim, deve-se insistir que a presença deles é muito importante e juntos traçar objetivos comuns, tais como: - Estabelecer em conjunto, Direção, Professores, Pedagogos, Pais e alunos, um comprometimento de todos em participar e desempenhar seus papéis. - Estabelecer em conjunto um compromisso pessoal: de que uns cobrarão dos outros caso sentirem-se desmotivados e não cumpridores das regras criadas, assumindo que estarão juntos nas dificuldades, nas barreiras e nas comemorações. - Promover eventos de capacitação para todos: direção, equipe pedagógica, professores funcionários, pais e alunos para que se desenvolvam as habilidades necessárias à atuação de cada um. - Valorizar as iniciativas de todos em todos os segmentos da organização. - Procurar estabelecer uma relação construtiva, com clima de respeito e cumplicidade, combinar estratégias, coisas concretas e alcançáveis, consideradas necessárias para o desenvolvimento da aprendizagem do educando. Atitudes como estas visam mobilizar os alunos (mobilizada a escola e a família) para o conhecimento, estimular as interações e a participação, promovendo valores como o respeito e cooperação através do empenho coletivo, o que requer a adesão de todos os envolvidos com a prática pedagógica. Os educadores devem se preocupar com o destino da educação, se empenhando para que a escola em conjunto com a família, possa cumprir o seu papel de formar o jovem para que possa estar inserido na sociedade como um cidadão, poder usufruir de seus direitos e cumpridor com seus deveres. CONSIDERAÇÕES FINAIS A família e a escola têm, na sociedade atual, tarefas complementares, apesar de distintas em seus objetivos, metodologia de abordagem e campo de abrangência. Cabe a família a tarefa de estruturar o sujeito em sua identificação, individuação e autonomia. Isso vai acontecendo à medida que a criança vive o seu dia-a-dia inserido

13 em um grupo de pessoas que lhe dá carinho, apresenta-lhe o funcionamento do meio onde vive, oferece-lhe suporte material para suas necessidades e lhe dá proteção. Para PAROLIN, (2007), a família é o núcleo constitutivo do sujeito. É um sistema que une as pessoas que a compõem, não apenas sobre o mesmo teto e com o mesmo sobrenome, mas fundamentalmente, pelas representações que se constroem à medida que vão compartilhando o cotidiano, formando, em sua intimidade, uma rede de significações a que estão vinculados aos seus mitos, ritos, crenças, segredos, medos e ideais. É na convivência que a família marca sua presença, portanto, pensar em família é pensar em um grupo de pessoas que têm uma organização típica, normas, valores, formas de conduta e que, enquanto compartilhar uma série de coisas, fatos, afetividades e emoções, dando suporte umas às outras, também formam sua própria individualidade. A escola tem como uma de suas funções desenvolver um pensamento reflexivo na comunidade escolar, ajudando-a a construir uma compreensão coerente da realidade, resgatando os princípios éticos e desenvolvendo ações que visam a promoção e difusão de valores (já recebidos na família) de solidariedade, respeito, honestidade, responsabilidade, fraternidade e de convivência que parecem estar sendo deixados de lados. Segundo PAROLIN (2007), a escola é uma instituição potencialmente socializadora. Ela abre um espaço para que os aprendizes construam novos conhecimentos, dividam seus universos pessoais e ampliem seus ângulos de visão assim aprendam a respeitar outras verdades, outras culturas e outros tipos de autoridade. Nessa instituição, o mundo do conhecimento, da informação, ou seja, o mundo objetivo, mistura-se ao dos sentimentos, das emoções e da intuição, ao dito mundo subjetivo. É emoção e razão que se fundem em busca de sabedoria. É preciso fazer com que os jovens e suas famílias estejam certos de que devem partilhar com a escola seus anseios, perspectivas e juntos traçar estratégias que priorizem as relações internas da escola com a família. Assumir um compromisso de promover projetos enfatizando o diálogo e o respeito aos ideais dos jovens, viabilizando a participação familiar através de propostas de ação local. Para SZYMANSKI (2007), a elaboração de projetos que visem a implementar a participação das famílias na escola e desta na vida da comunidade, necessita ter como ponto de partida o (re)conhecimento mútuo. O conhecimento das escolas a respeito das famílias e o seu inverso é muitas vezes, baseado em preconceitos. O preconceito se

14 limita a uma interpretação fechado do outro e seu mundo e define atitudes, sentimentos e ações que guardam a mesma característica de rigidez. Reconhecer significa sair dos limites estreitos do preconceito e abrir-se para as novas possibilidades de ser do outro e de ser com o outro. Num primeiro momento, é preciso encarar os próprios preconceitos e, depois, desejar sair dessa perspectiva limitada e ensaiar um novo olhar, de preferência interrogativo, curioso. Considera-se, enfim, que as escolas precisam viabilizar mecanismos que permitam uma efetiva participação da família para refletir os problemas de aprendizagem que acarretam sérias implicações para a prática pedagógica, mecanismos para os quais este trabalho espera ter contribuido. REFERÊNCIAS ARIÈS, P. História Social da Criança e da Família. Guanabara, ª ed., Rio de Janeiro: ELLIS, E. M. Educando Filhos Responsáveis. São Paulo: Ática, PARO, V.H. Gestão democrática da escola pública. São Paulo: Ática, PAROLIN, I. Professores formadores: a relação entre a família, a escola e a aprendizagem. Curitiba: Positivo, SACRISTÁN, J. G; GÓMEZ, A. I. P. Compreender e transformar o ensino. 4ª ed,. Porto Alegre: Artemed, SZYMANSKI, H. A relação família/escola Desafios e perspectivas. 2ª ed., Brasília: Líber, TIBA, I. Ensinar aprendendo. 26 ed. São Paulo: Integrare Editora, Ensinar aprendendo: novos paradigmas na educação. São Paulo: Integrare, ZAGURY, T. O Adolescente por Ele mesmo. Rio de Janeiro: Record, Educar sem culpa A gênesi da ética. 21 ed., São Paulo: Record, Limites sem trauma. 69ª ed., Rio de Janeiro: Record, 2005.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PARCERIA ENTRE FAMÍLIA E ESCOLA

A IMPORTÂNCIA DA PARCERIA ENTRE FAMÍLIA E ESCOLA A IMPORTÂNCIA DA PARCERIA ENTRE FAMÍLIA E ESCOLA Aparecida Luzia da Cunha Santos RESUMO Este artigo relata a importância da parceria entre família e escola no processo educacional. Através da pesquisa

Leia mais

ESCOLA: AMBIENTE DE HARMORNIA OU CONFLITO? RESUMO

ESCOLA: AMBIENTE DE HARMORNIA OU CONFLITO? RESUMO ESCOLA: AMBIENTE DE HARMORNIA OU CONFLITO? 1 Sandra Gaspar de Sousa Moura RESUMO Este artigo tem a finalidade de mostrar a importância das relações interpessoais dentro do ambiente escolar e como os sujeitos

Leia mais

FAMÍLIA-ESCOLA: UMA RELAÇÃO DE EXPECTATIVAS E CONFLITOS

FAMÍLIA-ESCOLA: UMA RELAÇÃO DE EXPECTATIVAS E CONFLITOS FAMÍLIA-ESCOLA: UMA RELAÇÃO DE EXPECTATIVAS E CONFLITOS DAMKE, Anderléia Sotoriva FACIAP / UNIPAN sotodamke@yahoo.com.br GONÇALVES, Josiane Peres PUCRS josianeperes@unipan.br Resumo O presente artigo tem

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Gestão escolar: revendo conceitos

Gestão escolar: revendo conceitos Gestão escolar: revendo conceitos Myrtes Alonso É um equívoco pensar que o desempenho da escola se expressa apenas nos resultados da aprendizagem obtidos nas disciplinas e que é fruto exclusivo do trabalho

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola

A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola (Mônica Pereira dos Santos) 1 Introdução A perspectiva da relação entre família e escola pouco tem sido tratada na literatura do ponto de vista educacional,

Leia mais

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física 10 Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física Juliana Marin Orfei Especialista em Atividade Física: Treinamento Esportivo UNICASTELO Viviane Portela Tavares Especialista em Atividade

Leia mais

BIBLIOTECA PARA PAIS.

BIBLIOTECA PARA PAIS. Nossa sociedade mudou, temos uma inversão de papeis e valores, mais informação do que podemos absorver, a mulher trabalha fora, o avanço tecnológico foi grande, a família mudou, a criança mudou, o aluno

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

O Trabalho Coletivo na Escola

O Trabalho Coletivo na Escola O Trabalho Coletivo na Escola Profa. Dra. Myrtes Alonso 1. A gestão da escola: uma relação pedagógico-administrativa Antes de ingressarmos propriamente no tema enunciado, devemos ter bem claro os modernos

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância Instituto Mundo Melhor 2013 por um MUNDO MELHOR A Educação para a Paz como caminho da infância PROJETO O PROGRAMA INFÂNCIA MUNDO MELHOR O Projeto Infância Mundo Melhor investe na capacitação e na formação

Leia mais

PROJETO FAZER ACONTECER

PROJETO FAZER ACONTECER GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAMPUS AVANÇADO SANTOS DUMONT RUA

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Apêndice Regulamento do Projeto Empresarial REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO O Projeto Empresarial constitui um momento de aquisição, construção e aprimoramento

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NA DISCIPLINA DE ARTE

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NA DISCIPLINA DE ARTE 1 UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE ARTES VILZA DIAS DA COSTA A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NA DISCIPLINA DE ARTE Trabalho de conclusão do curso de Graduação, habilitação

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Para suportar as intensas mudanças nos próximos 10 anos, Aprendizes do Futuro compreendem que é necessário criar

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

Avaliação do clima na escola

Avaliação do clima na escola Avaliação do clima na escola INSTRUÇÕES INICIAIS PARA O GESTOR: Avise que a pesquisa para avaliar o clima da escola é anônima. Não será preciso colocar nome, apenas identificar a qual segmento da comunidade

Leia mais

OS DESAFIOS DE CONSTRUIR ESCOLAS INCLUSIVAS

OS DESAFIOS DE CONSTRUIR ESCOLAS INCLUSIVAS 1 OS DESAFIOS DE CONSTRUIR ESCOLAS INCLUSIVAS Patrícia Oliveira Fontes Pedagoga. Especialista em Educação Inclusiva. Especialista em Libras. Professora Tutora da Universidade Tiradentes (UNIT) e Professora

Leia mais

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM Falar em mobilização e participação de jovens na escola de ensino médio implica em discutir algumas questões iniciais, como o papel e a função da escola

Leia mais

O PAPEL DA FAMÍLIA E DA ESCOLA NA APRENDIZAGEM ESCOLAR:

O PAPEL DA FAMÍLIA E DA ESCOLA NA APRENDIZAGEM ESCOLAR: O PAPEL DA FAMÍLIA E DA ESCOLA NA APRENDIZAGEM ESCOLAR: Uma análise na Escola Municipal José Teobaldo de Azevedo no Município de Limoeiro-PE Autores: ELIANE GONÇALVES LEITE HAYDÊ MORGANA GONZAGA GOMES

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho.

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho. 1 A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO Marlene das Graças de Resende 1 RESUMO Este artigo científico de revisão objetiva analisar importância do trabalho na vida das pessoas portadoras

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Enfermagem RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA Brasília - 2004 Série: EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. A Fundamentação Filosófica 2. O Município 3 A Escola 4 A Família FICHA TÉCNICA

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: PAPEIS E ATORES

FORMAÇÃO CONTINUADA: PAPEIS E ATORES FORMAÇÃO CONTINUADA: PAPEIS E ATORES Shuellen Cristina Pereira da Silva (Pedagogia/UFPI/Parnaíba/shuellencristina@gmail.com) Marcos Junio Lira Silva (Pedagogia/UFPI/Parnaíba/marcos-junio100@hotmail.com)

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS.

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. N 430 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes de, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da, SANTOS Lázaro ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. O Vestibular se reveste de grande

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE PSICOLOGIA ENSINO MÉDIO

PLANEJAMENTO ANUAL DE PSICOLOGIA ENSINO MÉDIO PLANEJAMENTO ANUAL DE PSICOLOGIA ENSINO MÉDIO DOCENTE: Luciana Armesto Pedrassi ANO:2013 Para Marcel Proust: O verdadeiro ato da descoberta não consiste em encontrar novas terras, mas, sim, em vê-las com

Leia mais

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição.

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição. A FAMÍLIA E ESCOLA Profa.Dra.Claudia Dechichi Instituto de Psicologia Universidade Federal de Uberlândia Contatos: (34) 9123-3090 (34)9679-9601 cdechichi@umnuarama.ufu.br A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE

PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE PROJETO DE EXTENSÃO FUTEBOL PARA TODOS EDUCANDO ATRAVÉS DO ESPORTE *Luciano Leal Loureiro *Jéssica Finguer RESUMO O presente texto busca explicar o que é o projeto Futebol Para Todos, oferecido pelo curso

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR LÉO KOLHER ENSINO FUNDAMENTAL II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA LÉO KOHLER 50 ANOS CONTRUINDO HISTÓRIA

ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR LÉO KOLHER ENSINO FUNDAMENTAL II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA LÉO KOHLER 50 ANOS CONTRUINDO HISTÓRIA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR LÉO KOLHER ENSINO FUNDAMENTAL II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA LÉO KOHLER 50 ANOS CONTRUINDO HISTÓRIA Projeto: Jogos matemáticos como recurso didático Professora Orientadora: Marilene

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM PROJETO INTERINSTITUCIONAL SAÚDE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: APOIO PSICOSSOCIAL AS FAMÍLIAS POR MEIO DA PARTICIPAÇÃO DE PAIS EM GRUPOS DE REFLEXÃO Daniela Cristina Grégio

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB Edital Pibid n 061 /2013 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

INCLUSÃO E CIDADANIA: UMA QUESTÃO DE DIREITO

INCLUSÃO E CIDADANIA: UMA QUESTÃO DE DIREITO INCLUSÃO E CIDADANIA: UMA QUESTÃO DE DIREITO MARIA DA GLÓRIA DE SOUZA ALMEIDA mariadagloriaalmeida@ibc.gov.br INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT RESUMO A educação inclusiva somente se efetivará, quando de fato,

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO Este documento é resultado do chamado do Ministério da Educação à sociedade para um trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0 CÓDIGO DE ÉTICA Aprovado pelo Conselho Consultivo da Saúde BRB Caixa de Assistência em sua 37ª Reunião Extraordinária, realizada em 10.12.2010. Brasília, 22 de fevereiro de 2011 I - APRESENTAÇÃO CÓDIGO

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

Simone Fraga Freitas Antunes¹ César Augusto Jungblut² Resumo

Simone Fraga Freitas Antunes¹ César Augusto Jungblut² Resumo Simone Fraga Freitas Antunes¹ César Augusto Jungblut² Resumo Este artigo trata do tema dificuldade de ensinagem, colocando em foco o papel do professor enquanto o profissional responsável pela educação

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

X Encontro Gaúcho de Educação Matemática

X Encontro Gaúcho de Educação Matemática INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NO ENSINO REGULAR: INVESTIGAÇÃO DAS PROPOSTAS DIDÁTICO-METODOLÓGICAS DESENVOLVIDAS POR PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO ENSINO MÉDIO DA EENAV GT 07 Educação Matemática, avaliação

Leia mais

MOTIVAÇÃO, UMA EXPERIÊNCIA

MOTIVAÇÃO, UMA EXPERIÊNCIA MOTIVAÇÃO, UMA EXPERIÊNCIA Alunas: Ailema Gaier, Carla Vanessa de Freitas, Danielle David, Elaine Ribeiro Seidel, Fernanda Maciel Malheiros, Rosali Griesbach, Luana Kelly Ferreira, Viviane Maria Braz,

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

RELAÇÃO DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NO E COM O ENSINO REGULAR: UMA PARCERIA MAIS QUE ESPECIAL

RELAÇÃO DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NO E COM O ENSINO REGULAR: UMA PARCERIA MAIS QUE ESPECIAL RELAÇÃO DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NO E COM O ENSINO REGULAR: UMA PARCERIA MAIS QUE ESPECIAL Resumo Fabiana Grassi Mayca UFSC fabiana.mayca@gmail.com Aprendizagem nas Diferentes Dimensões

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Engenharia da Computação RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

Papel dos Gestores Educacionais num Contexto de Descentralização para a Escola

Papel dos Gestores Educacionais num Contexto de Descentralização para a Escola Papel dos Gestores Educacionais num Contexto de Descentralização para a Escola Ana Luiza Machado, UNESCO Outubro de 2 000 Introdução Este trabalho pretende tecer comentários gerais sobre o tema de descentralização,

Leia mais

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental.

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental. NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO: EDUCAÇÃO INFANTIL: Maternal III: 3-4 anos 1º Período: 4-5 anos 2º Período: 5-6 anos ENSINO FUNDAMENTAL: Novatos: 1º ano matrícula com 6 anos completos (até 31 de março)

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 PROJETO MEU TEMPO DE CRIANÇA Missão Visão Valores Colaborar com a importante tarefa de educar as crianças, nesse momento único de suas jovens vidas, onde os

Leia mais

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RESUMO Edena Carla Dorne Cavalli UNIOESTE CAPES ed-cavalli@uol.com.br

Leia mais

TESTE: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

TESTE: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL TESTE: RELACIONAMENTO INTERPESSOAL (JANELA JOHARI) É constituído de 20 situações possíveis de ocorrer dentro de uma empresa, composto por duas afirmativas de resposta em cada. O usuário deve analisar qual

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas.

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas. INTRODUÇÃO Você, provavelmente, já sabe que colaboradores felizes produzem mais. Mas o que sua empresa tem feito com esse conhecimento? Existem estratégias que de fato busquem o bem-estar dos funcionários

Leia mais

Nós, alunos do 2º A, queremos tratar as pessoas com respeito e amor, estudar com muita dedicação e sempre pensar antes de tomar decisões.

Nós, alunos do 2º A, queremos tratar as pessoas com respeito e amor, estudar com muita dedicação e sempre pensar antes de tomar decisões. Como tratar as pessoas: de uma maneira boa, ajudar todas as pessoas. Como não fazer com os outros: não cuspir, empurrar, chutar, brigar, não xingar, não colocar apelidos, não beliscar, não mentir, não

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

Apoio à Preparação de Voluntários de Leitura Um projeto de cidadania Missão Potenciar o desenvolvimento de uma rede nacional de volutariado na área da promoção da leitura. Objectivos centrais Apoiar iniciativas;

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

EDUCAR PARA A AMIZADE ABORDAGEM ANTROPOLÓGICA DA AFETIVIDADE

EDUCAR PARA A AMIZADE ABORDAGEM ANTROPOLÓGICA DA AFETIVIDADE EDUCAR PARA A AMIZADE 1 ABORDAGEM ANTROPOLÓGICA DA AFETIVIDADE ANTROPOLOGIA Estudo dos comportamentos e evoluções sociais. Porque AMIZADE??? Porque ela é a base dos relacionamentos saudáveis. Ela nos traz

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais