ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur. Prefeitura Municipal de Mairiporã

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur. Prefeitura Municipal de Mairiporã"

Transcrição

1 ATUALIZAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TURISMO - PDTur Prefeitura Municipal de Mairiporã Secretaria de Meio Ambiente e Turismo Departamento de Turismo - DeTur

2 Apresentação Um Plano Diretor de Turismo é uma ferramenta basilar para qualquer município que pretende encarar o turismo como uma alternativa de desenvolvimento e crescimento social, cultural, político e econômico. Deverá assim, fomentar o setor turístico da cidade, movimentando todos os segmentos e a comunidade como um todo e ampliando a demanda qualitativa para este segmento, contribuindo com os parceiros que investiram e investem direta e indiretamente na cidade. Devemos pensar o turismo, como uma das melhores, se não, a mais eficaz ferramenta de desenvolvimento econômico para uma cidade e região. Prof. Claudia Parra

3 Proposta A atualização do Plano Diretor de Turismo do Município de Mairiporã, que passamos a chamar de PDTur, está sendo realizado no âmbito da Prefeitura Municipal, dado seu objetivo em apontar diretrizes para o desenvolvimento do turismo. Um PDTur contempla diretrizes para o aproveitamento do potencial turístico nas suas várias modalidades, visando analisar, organizar, planejar, priorizar e valorizar ações e intervenções, bem como, otimizar a aplicação de recursos humanos e financeiros, subsidiar as decisões de investimentos do Poder Público e de agentes privados. O conjunto de trabalhos descritos, proverá os elementos necessários à análise de situações e à elaboração de cenários que permitirão oferecer proposições para um desenvolvimento sustentável de médio e longo prazo para uma localidade privilegiada quanto à cidade de Mairiporã.

4 Classificação para Municípios Turísticos Lei Complementar nº 1261/2015, que estabelece requisitos para a criação de estâncias e municípios de interesse turístico. O que são Municípios Turísticos? Com a provação da PEC 11/13 e do PLC 32/2012, são considerados municípios turísticos as estâncias de qualquer natureza e os municípios de interesse turístico, assim classificados por lei, mediante o cumprimento dos requisitos estabelecidos na Lei Complementar nº 1261, de 29 de abril de Com a nova redação dada ao artigo 146 da Constituição Estadual, pela Emenda Constitucional nº 40 de 9 de abril de 2015, o programa do Governo do Estado de incentivo ao turismo, com a transferência de recursos do tesouro garantido constitucionalmente, foi ampliado para atender até 210 municípios, sendo 70 estâncias e 140 municípios de interesse turístico MIT s.

5 Estância Turística e Município de Interesse Turístico De acordo com a Lei complementar tanto as ET, como os MITs são considerados municípios turísticos, ou seja, municípios que apresentam expressivos atrativos de uso público e caráter permanente, naturais, culturais ou artificiais, e que se se desenvolvem de acordo com sua vocação turística para oferecer condições adequadas de recepção turística e promover melhor qualidade de vida para sua população. O que distingue é, principalmente, o fluxo turístico e a infraestrutura disponibilizada ao morador e ao visitante.

6 Como saber ser o município tem condições para ser Estância ou Município de Interesse Turístico A Lei Complementar nº 1261 em seus artigos 2º e 4º, estabelece os requisitos para a classificação de município como Estância Turística e Município de Interesse Turístico, conforme sintetizado no quadro a seguir. Proposta viável apenas para municípios de até 200 mil habitantes.

7 ESTÂNCIA MIT s Mairiporã Demanda Turística Consolidada fluxo de turistas permanentes Potencial fluxo de turistas eventual ou potencial Fluxo eventual e potencial; Atrativos Turísticos Expressivos, de uso público e caráter permanentes, naturais, culturais ou artificiais. Expressivos, de uso público e caráter permanentes, naturais, culturais ou artificias. Atende o requisito; Infraestrutura de Apoio Turístico - Abastecimento de água potável; - Sistema de coleta e tratamento de esgotos sanitários - Gestão de resíduos sólidos - Atendimento médico emergencial - Atende o requisito; Plano Diretor de Turismo Aprovado e Revisado a cada 3 anos Aprovado e revisado a cada 3 anos - Atenderá o requisito; Conselho Municipal de Turismo De caráter deliberativo constituído, no mínimo por representantes da sociedade civil do setores de hospedagem, alimentação, comércio e receptivo turístico e representante da administração municipal De caráter deliberativo constituído, no mínimo por representantes da sociedade civil do setores de hospedagem, alimentação, comércio e receptivo turístico e representante da administração municipal - Comtur ativo e com 6 atas publicadas na imprensa oficial;

8 Objetivos do PDTur Este Plano tem por objetivo dotar e orientar a administração pública municipal de uma ferramenta de planejamento para o desenvolvimento turístico formulado a partir do conhecimento das condicionantes ambientais e legais, para a implantação de atividades econômicas e de lazer no âmbito turístico. Para implantação sugere-se ocorrer em 3 (três) etapas. Inicialmente determinadas para um horizonte de 02 (dois), 04 (quatro) ou mais anos, de maneira a permitir uma perfeita integração entre as politicas públicas do Município, com os entes Estaduais, de responsabilidade Federal e de agências não-governamentais.

9 Etapas/fases de elaboração do PDTur Levantamento teórico sobre o Plano Diretor de Turismo (2007), realizada por Eco Associação para Estudos do Ambiente; Pesquisa de Gabinete, realizada pela equipe técnica do Detur (concluída) Visitas Técnicas em campo, para levantamento de dados, com a finalidade de atualizar o inventário turístico da cidade. (andamento) Elaboração de planilhas de dados para tabulação gráfica. (andamento) Desenvolvimento e digitação do inventário turístico, bem como do PDTur a ser entregue até Dezembro de 2015, feito pela equipe técnica Detur. (andamento)

10 Métodos e Etapas de Pesquisa A metodologia realizada foi a estratégia utilizada no Mapa Turístico lançado em Fevereiro de São 5 rotas de pesquisa, contemplando os seguintes segmentos do turismo: o Rota Gastronômica o Rota Hospedagem o Atrativos Naturais e Culturais Rota Contemplação o Infra estrutura Turística e Apoio o Haras o Pesqueiros

11 Métodos e Etapas de Pesquisa A construção e atualização do inventariado foi baseada no modelo do Ministério do Turismo - MTur, o Inventário da Oferta Turística - InvTur (BRASIL, 2007); Algumas informações coletadas foram consultadas no Plano Diretor Municipal 2006/2015; O Plano Diretor de Turismo-2007, serviu de base para muitas informações, porém, houve a necessidade de atualização em todos os casos;

12 Representação de dados por núcleo Composição

13 Levantamento de dados Pesquisa de Gabinete: constitui toda pesquisa realizada que não na localidade. Se dá por informações recolhidas em livros, sites, guias e qualquer outra fonte de pesquisa. Visitas Técnicas a campo: setembro/outubro/novembro Recolhimento de dados/informações, através de questionários aplicados em específicos por área de atuação de cada núcleo. Tabulação dos dados/informações colhidas, por núcleo. Representação gráfica dos dados.

14 Rota Hospedagem Pesqueiro 5% Clube 6% Spa 11% Marina 6% Hotel 17% Pousada 39% Motel 11% Lazer e Resort 5% Dos 15 meios de hospedagem pesquisados, tanto os localizados em áreas urbanas, quanto os de áreas rurais, foi possível constatar que: 39% são Pousadas; 17% são Hotéis, 11% são Motéis e SPA, 5% são Hotel de Lazer e Resort, 6% Clube e Marina e 5% representam hospedagem em Pesqueiro. Mairiporã provém de 448 unidades habitacionais, com capacidade média de 880 pessoas/noite

15 Rota Hospedagem - Mairiporã provém de 432 unidades habitacionais, com capacidade média de 848 (leitos) pessoas/noite; - Dos 349 funcionários da hotelaria, 361 são fixos e 49 temporários; - Foram identificados 15 estabelecimentos em hospedagem, classificados em 5 tipos, previstos pelo Ministério do Turismo, são eles: - Pousadas - Hotéis - Resort e Lazer

16 Rota Hospedagem Breve Análise: - Existem CINCO hotéis de grande porte, de categoria 4 e 5 (Luxo) estrelas, o que representa mais de 50% do total de Uh s; - A cidade recebe um fluxo de visitantes relativamente expressivo aos finais de semana para eventos sociais e percebeu-se que para esse período, os leitos de categorias turísticas, 2 e 3 estrelas existentes são insuficientes, obrigando os visitantes a procurarem meios de hospedagens alternativos, como os motéis ou até mesmo hospedagens mais econômicas em cidades vizinhas; - A maioria dos estabelecimentos não possui uma comunicação de marketing eficiente; - A maioria dos estabelecimentos não possuem sistema de reservas informatizado, todos os registros são feitos manualmente; - A procedência do público em sua grande maioria são da Grande São Paulo e Litoral Paulista; - O valor da diária média da cidade é de aprox. R$ 370,60

17 Rota Gastronômica No total de 70 equipamentos levantados neste núcleo, tanto em zona urbana, quanto rural, foi possível constatar que os Restaurantes representam 47%; 4% são Lanchonetes; 9% são Padarias; 6% Sorveterias, Bares e Pizzarias; 8% Docerias; 3% Pastelarias,10% são Salgaderias e Costelaria representam 1% do total e Pizzarias 6% do total.

18 Rota Gastronômica A&B - Mairiporã provém de 70 estabelecimentos gastronômicos entre 10 tipos; - Com capacidade total para lugares; - Dos 481 funcionários da gastronomia, 353 são fixos e 128 temporários; - O Ticket médios dos restaurantes pesquisados são de R$ 44,33; Podemos considerar que no ambiente gastronômico, Mairiporã provém de ótimas e variadas opções. Ausência de uma comunicação integrada.

19 Núcleo de Atrativos Culturais Dos atrativos culturais (9) pesquisados, incluindo Igrejas, Capelas, Comércio, Espaços Públicos destinados à lazer, museus, e espaços contemplativos, foi possível demonstrar que: 50% destinam-se à manifestação de Fé; 25% são Espaços de Diversão e Cultura e 13% refere-se ao contemplativo e 12% a Referência à Memória e para comércio em 11%.

20 Núcleo de Atrativos Naturais Em relação aos dados levantados sobre Atrativos Naturais (9), constatou-se que 28% correspondem às Cachoeiras e 27% são trilhas, 18% para os Mirantes, 9% representa a Pedreira Dib, a Represa e o Parque Núcleo Águas Claras.

21 Núcleo de Infraestrutura Turística Em relação a Infraestrutura Turística, dos 55 Equipamentos levantados contatou-se que 46% correspondem à Espaços para Eventos; 16% são pesqueiros; 11% são Agências de Viagens, 9% representam os Haras, 7% são clubes e espaços de lazer e entretenimento e 4% representam as Marinas.

22 Núcleo de Infraestrutura de Apoio Dos 43 Equipamentos levantados, pode-se constatar que 12% Farmácias, 11% referem-se ás Agências Bancárias; 9% são Locadoras de Imóveis; Posto de Combustível são 16%, as clínicas e Postos de Saúde representa 12% e 14% são Supermercados, Clubes equivalem a 5%, do total cada um.

23 Relevâncias Observadas FREMITUR sua importância para o Turismo; ComTur Conselho Municipal de Turismo e seu respaldo consultivo e deliberativo; Associações e Empresariado Local participação ativa nas ações de turismo da cidade; Importância do Turismo ligado ao Desenvolvimento Econômico o Turismo como vetor de desenvolvimento econômico, social e humano; A importância da participação e sensibilização popular, como garantia de continuidade de trabalho;

24 Muito Obrigado! Sugestões podem ser enviadas para: OU DETUR MAIRIPORÃ

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS 22 de Outubro de 2014 AGENDA Relembrar o conceito de Plano Municipal de Turismo Etapas percorridas no desenvolvimento do PMT de Farroupilha

Leia mais

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%)

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%) 3.9 Oferta Turística Para análise da oferta turística em Sergipe, o PDITS Costa dos Coqueirais apresenta a evolução da oferta turística no estado no período 1980-2000. Indica ainda o número atual de quartos

Leia mais

Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento

Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento www.visitesaopedrodaaldeia.com.br Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento Tel/ax: (21) 2522-2421 ideias@ideias.org.br Quem Somos O Instituto IDEIAS é uma associação civil, sem fins lucrativos,

Leia mais

TURISMO. o futuro, uma viagem...

TURISMO. o futuro, uma viagem... TURISMO o futuro, uma viagem... PLANO NACIONAL DO TURISMO 2007-2010 OBJETIVOS Desenvolver o produto turístico brasileiro com qualidade, contemplando nossas diversidades regionais, culturais e naturais.

Leia mais

2.9. QUALIDADE E OFERTA DE ALOJAMENTO E OUTROS EQUIPAMENTOS TURÍSTICOS

2.9. QUALIDADE E OFERTA DE ALOJAMENTO E OUTROS EQUIPAMENTOS TURÍSTICOS 2.9. QUALIDADE E OFERTA DE ALOJAMENTO E OUTROS EQUIPAMENTOS TURÍSTICOS Este tópico apresenta uma avaliação da capacidade e da qualidade atual dos equipamentos turísticos disponíveis na Área de Planejamento,

Leia mais

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ (A) Teresina; (B) Cajueiro da Praia; (C) Luis Correia; (D) Parnaíba; (E) Ilha Grande Rota das Emoções: Jericoacoara (CE) - Delta (PI) - Lençóis Maranhenses (MA) Figura

Leia mais

Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento

Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento www.turisangra.com.br Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento Tel/ax: (21) 2522-2421 ideias@ideias.org.br Quem Somos O Instituto IDEIAS é uma associação civil, sem fins lucrativos, criada em 8

Leia mais

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS Categorização dos Municípios das Regiões Turísticas do Mapa do Turismo Brasileiro PERGUNTAS E RESPOSTAS

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICIPIO DE REGENERAÇÃO - (PMSB)

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICIPIO DE REGENERAÇÃO - (PMSB) PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DO MUNICIPIO DE REGENERAÇÃO - (PMSB) RELATÓRIO DO COMITÊ DE COORDENAÇÃO Aos 05 dias do mês de Julho de 2013, às 09:00h, reuniram-se na sede da Prefeitura Municipal

Leia mais

Gestão do Turismo. Bento Gonçalves Serra Gaúcha RS

Gestão do Turismo. Bento Gonçalves Serra Gaúcha RS Gestão do Turismo Bento Gonçalves Serra Gaúcha RS Secretaria Municipal de Turismo Grupo Gestor Destino Indutor Estudo de Competitividade Breve Histórico - Primeira Pesquisa MTUR/FGV 12/01 a 18/01/2008

Leia mais

www.idestur.org.br - info@idestur.org.br

www.idestur.org.br - info@idestur.org.br ROTEIROS PAULISTAS DE TURISMO EQUESTRE O Turismo Eqüestre que tem nos eqüídeos o principal atrativo ou, pelo menos, uma das principais motivações, já é reconhecido em diferentes países como um importante

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 2 1. ESTUDO DE COMPETITIVIDADE... 4 2. RESULTADOS... 6. 2.1 Total geral... 6. 2.2 Infraestrutura geral... 7. 2.3 Acesso...

APRESENTAÇÃO... 2 1. ESTUDO DE COMPETITIVIDADE... 4 2. RESULTADOS... 6. 2.1 Total geral... 6. 2.2 Infraestrutura geral... 7. 2.3 Acesso... PORTO SEGURO APRESENTAÇÃO Qualquer forma de desenvolvimento econômico requer um trabalho de planejamento consistente para atingir o objetivo proposto. O turismo é apresentado hoje como um setor capaz de

Leia mais

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: "PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO

Leia mais

APL DE TURISMO E ARTESANATO DE BONITO SERRA DA BODOQUENA

APL DE TURISMO E ARTESANATO DE BONITO SERRA DA BODOQUENA APL DE TURISMO E ARTESANATO DE BONITO SERRA DA BODOQUENA CONTEXTUALIZAÇÃO Contempla os municípios de Bodoquena, Bonito e Jardim; O Turismo e a Pecuária são as principais eixos de desenvolvimento; Possui

Leia mais

Grupo Gestor Mar de Cultura XXV Breve Informativo 18 de março de 2010

Grupo Gestor Mar de Cultura XXV Breve Informativo 18 de março de 2010 Grupo Gestor Mar de Cultura XXV Breve Informativo 18 de março de 2010 Missão: Atuar para o desenvolvimento solidário e participativo de Paraty articulando a sociedade civil organizada e poder público para

Leia mais

Hotelaria e Turismo em Salvador: Top 10 Emissivo Nacional. Panorama Brasil. principais emissores e receptores. Aline Zorthea

Hotelaria e Turismo em Salvador: Top 10 Emissivo Nacional. Panorama Brasil. principais emissores e receptores. Aline Zorthea Hotelaria e Turismo em : panorama e perspectivas Aline Zorthea, 11 de agosto de 2009 Mini Currículo Graduada em turismo (1999) e especialista em gestão e marketing de destinos turísticos pela George Washington

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICO (SIG) DOS SERVIÇOS TURÍSTICOS DO CENTRO DE PELOTAS-RS

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICO (SIG) DOS SERVIÇOS TURÍSTICOS DO CENTRO DE PELOTAS-RS SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICO (SIG) DOS SERVIÇOS TURÍSTICOS DO CENTRO DE PELOTAS-RS Autor(es): Apresentador: Orientador: Revisor 1: Revisor 2: Instituição: SCHMIDT, Kelly Raquel; RAMOS, Maria da Graça

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE 1 O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE GUILHERME ALVES DE SANTANA, MICHELLY ELAINE DE OLIVEIRA CONCEIÇÃO & EVERTON MEDEIROS BEZERRA Introdução Devido

Leia mais

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA

COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA COMO ABRIR UM HOTEL/POUSADA Viviane Santos Salazar 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 O mercado Crescimento da demanda por hospedagem Copa do Mundo Olimpíadas Qual a representatividade

Leia mais

Participação da União em Projetos de Infra-estrutura Turística no Âmbito do PRODETUR SUL

Participação da União em Projetos de Infra-estrutura Turística no Âmbito do PRODETUR SUL Programa 0410 Turismo: a Indústria do Novo Milênio Objetivo Aumentar o fluxo, a taxa de permanência e o gasto de turistas no País. Público Alvo Turistas brasileiros e estrangeiros Ações Orçamentárias Indicador(es)

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo 1 Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo DESTINO: São Paulo/SP INSTITUIÇÃO PROMOTORA: São Paulo Turismo S/A RESPONSÁVEL: Tasso Gadzanis Luiz Sales

Leia mais

P. 38 - Programa de Apoio à Revitalização e Incremento da Atividade de Turismo

P. 38 - Programa de Apoio à Revitalização e Incremento da Atividade de Turismo PLANO DE AÇÃO NR 01 /2013-2014 Ação/proposta: Viabilizar a construção da torre de observação de pássaros (Ecoturismo). Descrição da ação/proposta: Articular juntos as lideranças municipais e junto a UHE

Leia mais

Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil

Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil Siems Forte, Ana Maria A C, vol. 3, núm. 3, 2003, pp. 7-13 Universidade Federal do Rio de Janeiro Río de Janeiro, Brasil

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais na categoria Promoção do turismo de excelência CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Município de Nova Friburgo RJ Vencedores do 4º

Leia mais

turístico: a oferta e a demanda turísticas

turístico: a oferta e a demanda turísticas 2 Mercado turístico: a oferta e a demanda turísticas Meta da aula Apresentar os conceitos e o funcionamento do mercado turístico, especialmente a oferta e a demanda turística. Objetivos Esperamos que,

Leia mais

19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO. 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte

19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO. 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte 19ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO ESTADUAL DE TURISMO 05 de Dezembro de 2013 BDMG Belo Horizonte ESTATÍSTICAS DO TURISMO MINEIRO -Perfil da Demanda -Estudo de Competitividade -Dados Econômicos RAFAEL OLIVEIRA

Leia mais

Ministério do Esporte e Turismo EMBRATUR Instituto Brasileiro de Turismo. Deliberação Normativa nº 419, de 15 de março de 2001

Ministério do Esporte e Turismo EMBRATUR Instituto Brasileiro de Turismo. Deliberação Normativa nº 419, de 15 de março de 2001 Ministério do Esporte e Turismo EMBRATUR Instituto Brasileiro de Turismo Deliberação Normativa nº 419, de 15 de março de 2001 A Diretoria da EMBRATUR Instituto Brasileiro de Turismo, no uso de suas atribuições

Leia mais

CRONOGRAMA GERAL 26 de março às 9h30 04 de maio 06 de maio 22 de maio - 30 de maio

CRONOGRAMA GERAL 26 de março às 9h30 04 de maio 06 de maio 22 de maio - 30 de maio CRONOGRAMA GERAL 26 de março às 9h30 Apresentação pesquisa 04 de maio Fechamento comercial 06 de maio Entrega do material 22 de maio - Evento de premiação 30 de maio Publicação da revista Considerando

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

5 º FESTIVAL FICA FESTIVAL DE INVERNO DEINVERNO CANTAREIRA

5 º FESTIVAL FICA FESTIVAL DE INVERNO DEINVERNO CANTAREIRA FESTIVAL FICA DA DEINVERNO CANTAREIRA FESTIVAL DE INVERNO O MAIOR FESTIVAL ECOLÓGICO DO MUNDO! 2013 5ª Edição FICA FESTIVAL REALIZADO NA SERRA CANTAREIRA, PONTO DE GRANDE INTERESSE POLÍTICO E GEOLÓGICO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO DO TRABALHO E DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE DEPARTAMENTO DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO DO TRABALHO E DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE DEPARTAMENTO DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO DO TRABALHO E DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE DEPARTAMENTO DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE PROJETO MAIS MÉDICOS PARA O BRASIL MANUAL ORIENTADOR AO DISTRITO FEDERAL E AOS MUNICÍPIOS

Leia mais

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Contratantes: O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Tópicos da apresentação: Turismo Sustentável sob a Ótica da PSLN. Tópicos: I Informações gerais sobre a PSLN; II Diagnóstico

Leia mais

Proposta de Curso de Turismo Rural Polo de Ecoturismo de São Paulo Sindicato Rural de SP / SENAR

Proposta de Curso de Turismo Rural Polo de Ecoturismo de São Paulo Sindicato Rural de SP / SENAR Proposta de Curso de Turismo Rural Polo de Ecoturismo de São Paulo Sindicato Rural de SP / SENAR Objetivo Ampliar o olhar sobre a propriedade rural, fornecendo ferramentas para identificar e implantar

Leia mais

Projeto de Pesquisa: principais resultados. Perfil dos guias de turismo atuantes no estado de Alagoas

Projeto de Pesquisa: principais resultados. Perfil dos guias de turismo atuantes no estado de Alagoas Projeto de Pesquisa: principais resultados Perfil dos guias de turismo atuantes no estado de Alagoas A pesquisa Este projeto de pesquisa traçou o perfil dos guias de turismo atuantes em Alagoas, apresentando

Leia mais

São Paulo. O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios. tsando@visitesaopaulo.com

São Paulo. O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios. tsando@visitesaopaulo.com São Paulo O Brasil como Pólo Internacional de Investimentos e Negócios São Paulo Convention & Visitors Bureau Fundação 25 de Janeiro Entidade estadual, mantida pela iniciativa privada. Captação e apoio

Leia mais

Uma perspectiva do turismo em Ponta Grossa: Estudo de Caso do Encontro de Motos Easy Road

Uma perspectiva do turismo em Ponta Grossa: Estudo de Caso do Encontro de Motos Easy Road 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO Uma perspectiva do turismo em Ponta Grossa: Estudo de Caso do Encontro de Motos Easy Road Apresentador 1 Ana Paula Cunha Apresentador

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade 2014

Relatório de Sustentabilidade 2014 1 Relatório de Sustentabilidade 2014 2 Linha do Tempo TAM VIAGENS 3 Política de Sustentabilidade A TAM Viagens uma Operadora de Turismo preocupada com a sustentabilidade, visa fortalecer o mercado e prover

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.918

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.918 1 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.918 A REGIÃO TURÍSTICA DO ALTO CAFEZAL: DISCUSSÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DA PRÁTICA

Leia mais

Belo Horizonte Responsabilidades do Setor Turístico na Prevenção à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

Belo Horizonte Responsabilidades do Setor Turístico na Prevenção à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes Belo Horizonte Responsabilidades do Setor Turístico na Prevenção à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes Responsabilidade Multiplicadores* CMDCA, CEDCA, Minist. do Trabalho, Gestor de Política (SETUR

Leia mais

PROJETO: 8 - AMPLIAÇÃO DA REDE HOTELEIRA PARA COPA DO MUNDO 2014.

PROJETO: 8 - AMPLIAÇÃO DA REDE HOTELEIRA PARA COPA DO MUNDO 2014. PROJETO: 8 - AMPLIAÇÃO DA REDE HOTELEIRA PARA COPA DO MUNDO 2014. Objetivo: Acompanhar trabalhos de ampliação do número de leitos na rede hoteleira na cidade de Curitiba. Justificativa: A cidade de Curitiba

Leia mais

A Construção do Planejamento Estratégico de Turismo de Juiz de Fora

A Construção do Planejamento Estratégico de Turismo de Juiz de Fora A Construção do Planejamento Estratégico de Turismo de Juiz de Fora * Resumo Promover o progresso e o desenvolvimento auto-sustentável por meio da geração de emprego e renda e da melhoria do meio ambiente

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS LEI COMPLEMENTAR Nº 38, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2011. Altera dispositivos e Cria Secretaria de Esporte, Cultura, Lazer e Turismo na Lei Complementar nº 24, de 23 de abril de 2009, que dispõe sobre a Organização

Leia mais

PREFEITURA DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE AVARÉ Conselho Municipal do Plano Diretor Lei Complementar nº 154, de 27 de setembro de 2011

PREFEITURA DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE AVARÉ Conselho Municipal do Plano Diretor Lei Complementar nº 154, de 27 de setembro de 2011 RESOLUÇAO CMPD N.º 51/2012 Dispõe sobre a aprovação do Plano Setorial de Turismo O, usando as atribuições que lhe confere o artigo 143 da Lei Complementar n.º 154/2011, em consonância com o aprovado na

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA.

RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. RESOLUÇÃO CONSEPE 33/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE HOTELARIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Órgão Proponente: Prefeitura Municipal Órgão Executor: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA DE GESTÃO EFICAZ - Projeto Via Turismo 1.1 Histórico da Prática Eficaz Descrever como surgiu o programa/prática e indicar a data de início das ações. O Projeto Via Turismo

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

CADASTUR E AS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. www.cadastur.turismo.gov.br

CADASTUR E AS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. www.cadastur.turismo.gov.br CADASTUR E AS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS www.cadastur.turismo.gov.br O QUE É? É o cadastro dos Prestadores de Serviços Turísticos no Brasil. OBJETIVO Promover o ordenamento, a formalização e a legalização

Leia mais

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45%

São Francisco do Sul. Masculino 66% 56% 50% 51% 55% Feminino 34% 44% 50% 49% 45% 1 2 A FECOMÉRCIO SC, com o intuito de mapear o perfil do turista e do empresário do turismo de carnaval em Santa Catarina, realizou uma pesquisa com esses públicos nas quatro cidades de maior movimento

Leia mais

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR - 2013

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR - 2013 Superintendencia de Investimentos em Pólos Turisticos SUINVEST Diretoria de Planejamento e Estudos Econômicos DPEE DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR - 2013 Pesquisa SETUR Maio, 2014 1 DESEMPENHO DA HOTELARIA

Leia mais

Etapas do PLHIS PROPOSTAS

Etapas do PLHIS PROPOSTAS Plano Local de Habitação de Interesse Social de Boituva Seminário de Homologação do PLHIS de Boituva 25 de Fevereiro de 2010 Etapas do PLHIS etapa 1 etapa 2 etapa 3 METODOLOGIA DIAGNÓSTICO PROPOSTAS Princípios

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia Universidade Estácio de Sá Turismo, Hotelaria e Gastronomia A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Serviços e Equipamentos Turísticos (Capital) Capacitação para profissionais do setor: Manual para Atendimento ao turista

Melhor Prática vencedora: Serviços e Equipamentos Turísticos (Capital) Capacitação para profissionais do setor: Manual para Atendimento ao turista 1 Melhor Prática vencedora: Serviços e Equipamentos Turísticos (Capital) Capacitação para profissionais do setor: Manual para Atendimento ao turista DESTINO: Vitória/ES INSTITUIÇÃO PROMOTORA: Secretaria

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COMUNICAÇÃO, TURISMO E LAZER PESQUISA DA OFERTA DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM NO MUNICÍPIO DE ITAPEMA Janeiro UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ

Leia mais

Plano Diretor de Turismo de Rifaina

Plano Diretor de Turismo de Rifaina Parte IV- OFERTA TÉCNICA 4.1 Meios de Hospedagem 4.1.1 Hoteis e Pousadas RIFAINA PALACE HOTEL Nome da Empresa: Rosa Maria Pereira M.E. CNPJ: 02.493.257/0001-58 Nome Fantasia: Rifaina Palace Hotel Tipo

Leia mais

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 QUALIDADE E EXCELÊNCIA DISNEY, UM EXEMPLO PARA HOTÉIS DE TODO O MUNDO Fábio Ricardo Barros da Silva Acadêmico do Curso de Turismo e Hotelaria

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem 1º Semestre 2013 O Cadastur Registro Hotel, Hotel histórico, hotel de lazer/resort,

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE IBIÚNA

REVISÃO DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE IBIÚNA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE IBIÚNA QUESTIONÁRIO A Prefeitura da Estância Turística de Ibiúna está elaborando o Plano Diretor. Participe e contribua com o desenvolvimento do Município. A identificação

Leia mais

Diagnóstico e proposta de avanços para construção do Diretório de Meios de Hospedagem e Ocupação Hoteleira

Diagnóstico e proposta de avanços para construção do Diretório de Meios de Hospedagem e Ocupação Hoteleira Diagnóstico e proposta de avanços para construção do Diretório de Meios de Hospedagem e Ocupação Hoteleira Palestrante: Pedro Aranzabal (Consultor Consórcio FGV/FIPE) Apresentação Objetivos: Diagnosticar

Leia mais

MUNICÍPIO DE PIRACICABA - SP

MUNICÍPIO DE PIRACICABA - SP ANEXO III - DESCRIÇÃO DOS ES E METAS DOS S GOVERNAMENTAIS SUB 695-TURISMO AÇÃO 399 PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO DE PIRACICABA - PDDT REVISAR, IZAR E ENVIAR O PROJETO DE CRIAÇÃO DO PDDT, PARA

Leia mais

IN STITU TO N A C IO N A L D E ESTA TISTIC A CABO VERDE DOCUMENTO METODOLÓGICO ESTATÍSTICAS DO TURISMO

IN STITU TO N A C IO N A L D E ESTA TISTIC A CABO VERDE DOCUMENTO METODOLÓGICO ESTATÍSTICAS DO TURISMO IN STITU TO N A C IO N A L D E ESTA TISTIC A CABO VERDE DOCUMENTO METODOLÓGICO ESTATÍSTICAS DO TURISMO 1999 I. ÁREA ESTATÍSTICA / LINHAS GERAIS DA ACTIVIDADE ESTATÍSTICA NACIONAL 1998-2001 O Conselho Nacional

Leia mais

COMO SE COMPORTAM OS HÓSPEDES?

COMO SE COMPORTAM OS HÓSPEDES? COMO SE COMPORTAM OS HÓSPEDES? INTRODUÇÃO Como uma consultoria em gestão hoteleira, a Mapie acredita no conhecimento como a principal ferramenta de desenvolvimento para empresas e profissionais do setor.

Leia mais

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DA AGRICULTURA -"A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: "Que rurais de Santa Maria e região tenham qualidade de vida; mantenham uma produção altamente tecnificada,

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

CTNDT - CÂMARA TEMÁTICA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO

CTNDT - CÂMARA TEMÁTICA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO CTNDT - CÂMARA TEMÁTICA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO PAUTA HISTÓRICO CTNDT / METODOLOGIA DE TRABALHO CTNDT / PROPOSTA DE TEMAS PARA DEBATE/EIXO TEMÁTICO HISTÓRICO BRASIL

Leia mais

Trans 2015 VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia e VI Feira Internacional de Transportes da Amazônia. Belém 03 de Setembro de 2015

Trans 2015 VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia e VI Feira Internacional de Transportes da Amazônia. Belém 03 de Setembro de 2015 Trans 2015 VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia e VI Feira Internacional de Transportes da Amazônia Belém 03 de Setembro de 2015 TURISMO NÁUTICO Caracteriza-se pela utilização de embarcações

Leia mais

Análise do Perfil do Turista e Qualidade dos Serviços Turísticos

Análise do Perfil do Turista e Qualidade dos Serviços Turísticos 2.14 DEMANDA TURÍSTICA ATUAL E POTENCIAL Neste capítulo foi analisada e avaliada a demanda turística da Área de Planejamento do Pólo Capixaba do Verde e das Águas, considerando-se a caracterização do perfil

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre. Outono 2010

Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre. Outono 2010 Pesquisa do Perfil do Turista Nacional em Porto Alegre Outono 2010 Pesquisa realizada pela SMTur, em parceria com a FARGS e com apoio da Infraero e da Veppo. 22 a 28 de abril Aeroporto área de embarque

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO Turno: MATUTINO Currículo nº 9 Currículo nº 10 Reconhecido pelo Decreto Estadual n. o 5.497, de 21.03.02, D.O.E. de 22.03.02. Para completar o currículo pleno do curso superior

Leia mais

LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA

LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior Exportação e Importação Gerência

Leia mais

Núcleo Estratégico do Turismo Nacional

Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Núcleo Estratégico do Turismo Nacional Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo Ministério do Turismo MTur Conselho Nacional de Turismo Fóruns Estaduais Câmaras Temáticas Secretaria

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

DIVISÃO DE INFORMAÇÕES E ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO TURISMO

DIVISÃO DE INFORMAÇÕES E ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO TURISMO DIVISÃO DE INFORMAÇÕES E ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO TURISMO RELATÓRIO DIEE: GUIA MEIOS DE HOSPEDAGEM RS Porto Alegre Agosto, 2012 FICHA TÉCNICA Diretora do Departamento de Desenvolvimento do Turismo Maria

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014 INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS Novembro de 2014 1 Competitividade de Destinos Emergência nos estudos sobre estratégia empresarial Indústria, empresas, países, organizações Diferentes

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO O CEET - Centro Estadual de Educação Técnica Vasco Coutinho é uma Instituição de Ensino criada e mantida pelo Governo do Estado do Espírito Santo e transferido através da lei n 9.971/12, para Secretaria

Leia mais

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL UNITAU - Universidade de Taubaté CBH-PS Comitê de Bacias Hidrográficas do Rio Paraíba do Sul Trabalho realizado

Leia mais

Por que temos um Estudo de Competitividade?

Por que temos um Estudo de Competitividade? Por que temos um Estudo de Competitividade? Criação de índices nos ajuda a conhecer as dificuldades do destino turístico. O estudo proporciona informações para a elaboração de planos de ação mais objetivos.

Leia mais

MISSÃO TÉCNICA INTERNACIONAL SENAC TURISMO

MISSÃO TÉCNICA INTERNACIONAL SENAC TURISMO MISSÃO TÉCNICA INTERNACIONAL SENAC TURISMO ORLANDO 2013 MISSÃO TÉCNICA INTERNACIONAL SENAC TURISMO ORLANDO 2013 A busca pelas melhores práticas que conduzem uma empresa ou instituição à maximização da

Leia mais

Por que Investir em Caldas Novas-GO? E Por que o Mirante da Serra?

Por que Investir em Caldas Novas-GO? E Por que o Mirante da Serra? Por que Investir em Caldas Novas-GO? E Por que o Mirante da Serra? Grupo Di Roma investe R$ 147 milhões em Caldas Novas --------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 06.02.15 EDITORIA: CAPA E CIDADES

FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 06.02.15 EDITORIA: CAPA E CIDADES FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 06.02.15 EDITORIA: CAPA E CIDADES Classificação: Positiva VEÍCULO: TRIBUNA DO NORTE DATA: 06.02.15 EDITORIA: ECONOMIA Classificação: Positiva VEÍCULO: TRIBUNA DO

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

Financiamento em Turismo de Desenvolvimento

Financiamento em Turismo de Desenvolvimento Financiamento em Turismo de Desenvolvimento Serviço Social do Comércio Instituição privada, criada em 1946 por empresários do comércio, para atender às necesidades sociais urgentes dos seus trabalhadores.

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável de Pólo Turístico Ribeirão Branco - SP

Desenvolvimento Sustentável de Pólo Turístico Ribeirão Branco - SP Desenvolvimento Sustentável de Pólo Turístico Ribeirão Branco - SP NOVA CAMPINA 1 Objetivo para potencializar o desenvolvimento sustentável de Pólos Turísticos Fortalecimento e integração dos elos da Cadeia

Leia mais

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO SUMÁRIO EXECUTIVO O Parque Tecnológico de Ribeirão Preto é um empreendimento imobiliário e tecnológico com características especificamente projetadas, incluindo serviços

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial

Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial O Turismo é a atividade mais promissora para a promoção do desenvolvimento sustentável Entretanto...o modelo adotado de Turismo no litoral brasileiro tem

Leia mais

ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU

ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU ANÁLISE DAS ADPTAÇÕES NA ACESSIBILIDADE NOS MEIOS DE HOSPEDAGENS DE FOZ DO IGUAÇU Andriélle Pereira de Oliveira 1 RESUMO As normas de acessibilidade nos meios de hospedagens de Foz do Iguaçu são constituídas

Leia mais

Um programa que fala diretamente com quem trabalha no setor.

Um programa que fala diretamente com quem trabalha no setor. Um programa que fala diretamente com quem trabalha no setor. Simpatia e hospitalidade são os aspectos do povo brasileiro mais valorizados pelos turistas estrangeiros. Já imaginou quantas novas oportunidades

Leia mais

Atuação do Ministério do Turismo na Produção Associada ao Turismo

Atuação do Ministério do Turismo na Produção Associada ao Turismo Atuação do na Produção Associada ao Turismo Atuação do na Produção Associada ao Turismo Produção Associada ao Turismo É qualquer produção artesanal, industrial ou agropecuária que detenha atributos naturais

Leia mais

Observatório do Turismo

Observatório do Turismo USUS 2012 Observatório do Turismo Cidade de São Paulo Brasil Turismo no Mundo 9,0% Representatividade no PIB Mundial em 2011 US$ 6,3 TRILHÕES Movimentação Financeira em 2011 980 MILHÕES Viagens no Mundo,

Leia mais

Maiores conjuntos arquitetônicos do mundo; Gastronomia com influência Indígena, Africana e Portuguesa; Harmonia dos atrativos e gente hospitaleira;

Maiores conjuntos arquitetônicos do mundo; Gastronomia com influência Indígena, Africana e Portuguesa; Harmonia dos atrativos e gente hospitaleira; Efervescência Cultural; Maiores conjuntos arquitetônicos do mundo; Gastronomia com influência Indígena, Africana e Portuguesa; Harmonia dos atrativos e gente hospitaleira; Deserto de Areias brancas com

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Notas técnicas. Âmbito da pesquisa

Notas técnicas. Âmbito da pesquisa Notas técnicas Âmbito da pesquisa O âmbito da PEH incluiu os estabelecimentos que atenderam aos seguintes requisitos: ter exercido no ano de 2001 a atividade de alojamento, como atividade principal ou

Leia mais