Hotel e Golf Clube dos 500 Guaratinguetá SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hotel e Golf Clube dos 500 Guaratinguetá SP"

Transcrição

1 Hotel e Golf Clube dos 500 Guaratinguetá SP APOIO e INCENTIVO APOIO INSTITUCIONAL APOIO DE MÍDIA ORGANIZAÇÃO GERAL E REALIZAÇÃO

2 APRESENTAÇÃO Ao longo da década de 90, cresceu no País a idéia de que o Estado brasileiro, até então intensamente presente na atividade econômica, deveria deixar de ser um Estado "empresário" para se concentrar em sua função principal: estabelecer, gerenciar e fiscalizar a aplicação de políticas públicas. Foi desencadeado, então, um amplo programa de privatizações, que abrangeu inúmeros setores: mineração, siderurgia, petroquímica, eletricidade, telefonia, comunicações, saneamento, terminais portuários e transportes. Diante desse novo processo, o governo criou as agências reguladoras dos serviços públicos, para gerenciar e fiscalizar a aplicação dos recursos e os serviços prestados, sempre procurando estimular a competição e a inovação. Essas agências seguiram o modelo americano, mas com uma diferença: nos Estados Unidos elas são vinculadas diretamente ao Congresso, enquanto que, no Brasil, estão subordinadas diretamente ao Poder Executivo. Modelos à parte, hoje tais mecanismos se mostram de fundamental importância. Até 2010, de maneira independente ou regionalizada, todos os municípios terão de criar mecanismos de regulação, de forma a garantir o equilíbrio entre o prestador de serviços, o poder concedente e o usuário desses serviços. Neste contexto, a Agenda Regula Brasil tem o objetivo de buscar e debater as melhores práticas e modelos que dêem agilidade, independência e conteúdo técnico às agências, condições fundamentais para consolidação de organismos autônomos e eficientes, que possam atuar efetivamente na defesa dos interesses da sociedade e dos investidores públicos e privados. OBJETIVOS DA AGENDA - Sensibilizar e conscientizar a sociedade civil e os poderes executivos e legislativos municipais, sobre a importância das agências reguladoras para o equilíbrio nas relações entre o usuário, o poder concedente e o prestador de serviços de saneamento; - Estimular todos os municípios que compõem a Mesorregião do Vale do Paraíba Paulista, Mineira e Fluminense a criarem formas de regulação, fortalecendo a ação reguladora dos serviços concedidos e a segurança do setor privado para investir no setor; - Debater as melhores práticas e modelos de gestão, regulação, fiscalização e conteúdo técnico no setor de saneamento e meio ambiente. QUEM É QUEM Comitê Técnico * Carlos Emmiliano - Diretor Geral - Planeja & Informa Comunicação e Marketing - * Marcio Rocha - Diretor Jurídico - ARsaeg - * Nelson Marques de Oliveira Júnior - Diretor Regional Adjunto - FIESP - Organização Geral e Realização * Carolina Martins - Gerente de Eventos - * Cristiana Iop - Assistente de Eventos - * Simone Ferreroni - Assistente de Eventos - * Vera Rocha - Executiva de Contas -

3 INFORMAÇÕES GERAIS Local: Hotel e Golf Clube dos 500 Guaratinguetá SP Rodovia Presidente Dutra, Km 60.7 Duração: (02) dias 8 horas por dia. Dias: 20 e 21 de agosto de 2009 Metodologia: A agenda do evento será apresentada através de palestras e painéis. Modelo: Sala de Conferência Estratégica/Técnica. Expectativa mínima de público: 300 participantes por dia Público-Alvo: Municípios da Mesorregião do Vale do Paraíba Fluminense, Paulista e Capital (executivo, Câmara de Vereadores e secretarias ligadas aos serviços públicos e meio ambiente), órgãos públicos federais (Ministério das Cidades, Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental - SNSA, FUNASA), órgãos de financiamento do setor de saneamento (BNDES e CAIXA), órgãos de defesa do consumidor, concessionárias de serviços públicos (estaduais, municipais e privadas), entidades representativas da sociedade civil (empresariais e de trabalhadores, associações de moradores, ONGs etc.), Comitês e Agências de Bacia, lideranças e empresas da região, universidades e institutos de pesquisa, agências reguladoras e entidades do setor (ABAR), Ministério Público, outros. Convidados especiais: ANA, ABAR/ARSESP, ABES, ASSEMAE, ABCON, SINTERCON, AESBE, Prefeito local, Presidente da Câmara de Vereadores local, Ministério Público, Associação de Prefeitos (verificar), órgão (s) de defesa dos consumidores local, Secretarias de Saneamento (Nacional) do Ministério das Cidades e de São Paulo.

4 AGENDA (sujeita a alteração) 20 DE AGOSTO HORÁRIO ATIVIDADE 08:30 09:00 CREDENCIMENTO 09:00 10:00 PAINEL DE ABERTURA - Regulação como instrumento para a universalização do saneamento Convidados: - Sérgio Gonçalves Secretário-Substituto Ministério das Cidades, Secretaria Nacional de Saneamento (SNSA) (confirmado) - Prefeito Antonio Gilberto Filippo Fernandes Júnior Prefeitura Municipal de Guaratinguetá (confirmado) - André Luís de Paula Marques Diretor Presidente SAEG (confirmado) - Luiz Antonio Rebello Diretor Presidente Agência Reguladora do Serviço de Água, Esgoto e Resíduos de Guaratinguetá ARsaeg, (confirmado) - Joaquim Albertino de Abreu Diretor Regional do Departamento Taubaté e Região FIESP, Presidente do Conselho Deliberativo SESI e SENAI Taubaté e Região e Gerente Brasil RH da International Flavors and Fragrances (IFF) (confirmado) - Wanderlino Teixeira de Carvalho Presidente da Associação Brasileira de Agências de Regulação ABAR (confirmado) - Leonardo Barbirato Jr. Presidente Sintercon (confirmado) - Raul Graça Couto Pinho Presidente Executivo Instituto Trata Brasil (confirmado) 10:00 10:50 PAINEL: O QUE É REGULAÇÃO? Álvaro Machado Presidente Instituto Brasileiro de Estudos da Regulação IBER (confirmado) Deputado Federal Arnaldo Jardim (confirmado) 10:50 12:30 PAINEL: ASPECTOS REGULATÓRIOS DA LEI DO SANEAMENTO - Requisitos para criação de uma agência reguladora. - O papel da agência reguladora na sociedade. - Pontos positivos da criação das agências reguladoras. - A lei das agências e as metas para Aspectos técnicos e legais envolvidos na criação das agências. - Sustentabilidade. Requisitos para uma ação independente Marcio Galvão da Fonseca Departamento de Água e Esgotos/ Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades (confirmado) Sérgio Gonçalves Secretário-Substituto Ministério das Cidades, Secretaria Nacional de Saneamento (SNSA) (confirmado) Coordenador: Marco Antônio Sperb Leite Secretário Executivo ABAR (confirmado) 12:30 14:00 INTERVALO PARA ALMOÇO (HORÁRIO LIVRE) 14:00 14:30 PALESTRA: CENÁRIO DO SANEAMENTO BÁSICO NO BRASIL E IMPACTOS SOCIAIS Raul Graça Couto Pinho Presidente Executivo Instituto Trata Brasil (confirmado) 14:30 15:30 PAINEL: A EXPERIÊNCIA DA REGULAÇÃO DE CONSÓRCIO Sergio B. Raposo Vice Presidente Regional Sudeste ABAR (confirmado) Cláudio Abduche Presidente Águas de Juturnaíba (confirmado) 15:30 16:00 INTERVALO PARA O CAFÉ 16:00 17:00 PALESTRA: GESTÃO CONTRATUAL E DE RISCO COMO INSTRUMENTO DE APOIO E REGULAÇÃO Giuliano Dragone Diretor Técnico CAB Ambiental (confirmado) 17:00 18:00 PALESTRA: ASPECTOS LEGAIS DA NOVA LEI DO SANEAMENTO Alexandre Santos Aragão Procurador do Estado do Rio de Janeiro e Sócio do Escritório Rennó, Aragão e Lopes das Costa Advogados 18:00 ENCERRAMENTO DO PRIMEIRO DIA

5 21 DE AGOSTO HORÁRIO ATIVIDADE 09:00 10:00 PAINEL: A REGULAÇÃO NOS SERVIÇOS DE DRENAGEM E RESÍDUOS SÓLIDOS Palestrantes: André Luís de Paula Marques Diretor Presidente SAEG (confirmado) Leodegar Tiskosky Secretário Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades* 10:00 11:00 PAINEL: MODELOS DE GESTÃO PARA ÀREA DE SANEAMENTO A AÇÃO DAS AGÊNCIAS REGULADORAS PARA GARANTIR A APLICAÇÃO ADEQUADA DOS RECURSOS FINANCEIROS. Palestrantes: Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de Saneamento e Infra-estrutura Caixa Econômica Federal* Élvio Lima Gaspar Diretor da área de inclusão social e crédito BNDES 11:00 11:30 PALESTRA: PROGRAMA SANEAMENTO PARA TODOS Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de Saneamento e Infra-estrutura Caixa Econômica Federal* 11:30 12:00 PALESTRA: A REGULAÇÃO NA GESTÃO DA QUALIDADE DO SANEAMENTO Cassilda Teixeira de Carvalho Presidente ABES Nacional 12:00 14:00 INTERVALO PARA ALMOÇO (HORÁRIO LIVRE) 14:00 15:00 PAINEL: SOLUÇOES DE CONTROLE DE PERDAS Tutorial: Realidades e desafios das perdas hídricas na gestão dos recursos hídricos Alexandre Luis Almeida Vilella Gerente de Projetos Técnicos Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (confirmado) 15:00 16:00 PAINEL: AS MELHORES PRÁTICAS DE SUSTENTABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CSN COCA COLA INDUSTRIA (FEMSA) JOHNSON & JOHNSON SJC PHILIPS UNILEVER 16:00 16:30 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DAS ATIVIDADES

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS, DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS, DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS, DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO 20 de abril de 2010 Auditório da FIRJAN RIO DE JANEIRO RJ APRESENTAÇÃO As fortes inundações ocorridas neste verão de 2010, provocadas

Leia mais

APRESENTAÇÃO. 18 a 20 de maio de 2010 Clube de Engenharia - Rio de Janeiro RJ

APRESENTAÇÃO. 18 a 20 de maio de 2010 Clube de Engenharia - Rio de Janeiro RJ 18 a 20 de maio de 2010 Clube de Engenharia - Rio de Janeiro RJ APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada recentemente pelo Instituto Trata Brasil em parceria com o Centro de Políticas Sociais da Fundação Getulio

Leia mais

Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí

Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí O que é? O Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí é uma associação de direito privado, sem

Leia mais

Saneamento Básico e Infraestrutura

Saneamento Básico e Infraestrutura Saneamento Básico e Infraestrutura Augusto Neves Dal Pozzo Copyright by Augusto Dal Pozzo DADOS HISTÓRICOS Até a década de 70 soluções locais e esparsas para os serviços de saneamento; Década de 70 criação

Leia mais

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ Dalto Favero Brochi Consórcio PCJ Rio de Janeiro Novembro / 2008 LOCALIZAÇÃO DAS BACIAS PCJ CARACTERIZAÇÃO DAS BACIAS

Leia mais

Resíduos Sólidos Urbanos e Saneamento Ambiental

Resíduos Sólidos Urbanos e Saneamento Ambiental Resíduos Sólidos Urbanos e Saneamento Ambiental 21 e 22 de maio, Hotel Mercure Paulista, São Paulo - SP Apresentação: Na sua caminhada para o desenvolvimento, o Brasil tem ainda um déficit muito grande

Leia mais

Quarta Conferência Anual Pagamento por Serviços Ambientais O Marco Regulatório dos Serviços Ambientais

Quarta Conferência Anual Pagamento por Serviços Ambientais O Marco Regulatório dos Serviços Ambientais 4ª Edição Mais de 500 executivos já participaram dos eventos de Pagamento por Serviços Ambientais da VIEX Americas Quarta Conferência Anual Pagamento por Serviços Ambientais O Marco Regulatório dos Serviços

Leia mais

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda Secretaria Nacional de Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda PLANEJAMENTO E CONTROLE SOCIAL COMO ESTRATÉGIAS PARA UNIVERSALIZAR O SANEAMENTO Marcelo

Leia mais

A Opção Nuclear Brasileira Estratégia irreversível para o desenvolvimento nacional Oportunidades e desafios da engenharia e da indústria brasileira

A Opção Nuclear Brasileira Estratégia irreversível para o desenvolvimento nacional Oportunidades e desafios da engenharia e da indústria brasileira APRESENTAÇÃO O potencial hidrelétrico brasileiro, que atualmente é a prioridade do governo federal, começa a se esgotar dentro de aproximadamente 20 anos. Diante dessa perspectiva, a energia nuclear passou

Leia mais

Congresso Brasileiro. Regulação da Mineração

Congresso Brasileiro. Regulação da Mineração Congresso Brasileiro sobre a Regulação da Mineração O caminho para a maturação regulatória Avaliação das propostas governamentais e consequências para a cadeia produtiva Aplicabilidade Jurídica da Legislação

Leia mais

A plataforma de negócios para promover investimentos e o progresso do setor de saneamento no Brasil.

A plataforma de negócios para promover investimentos e o progresso do setor de saneamento no Brasil. 30 e 31 de janeiro & 1 de fevereiro de 2012 WTC Convention Center, São Paulo Sobre o Evento APOIOS INSTUTUCIONAIS: A plataforma de negócios para promover investimentos e o progresso do setor de saneamento

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

24 e 25 de maio Centro de Convenções Bolsa de Valores do Rio de Janeiro Praça XV de novembro, 20 Centro

24 e 25 de maio Centro de Convenções Bolsa de Valores do Rio de Janeiro Praça XV de novembro, 20 Centro APRESENTAÇÃO 24 e 25 de maio Centro de Convenções Bolsa de Valores do Rio de Janeiro Praça XV de novembro, 20 Centro Copa do Mundo de 2014 e Jogos Olímpicos de 2016 impõem a implantação de Sistemas Inteligentes

Leia mais

V-046 - PROJETO PARA FORMAÇÃO DE AGENTES MULTIPLICADORES DE TÉCNICOS DE MOBILIZAÇÃO PARTICIPATIVA EM GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

V-046 - PROJETO PARA FORMAÇÃO DE AGENTES MULTIPLICADORES DE TÉCNICOS DE MOBILIZAÇÃO PARTICIPATIVA EM GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS V-046 - PROJETO PARA FORMAÇÃO DE AGENTES MULTIPLICADORES DE TÉCNICOS DE MOBILIZAÇÃO PARTICIPATIVA EM GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Francisco Carlos Castro Lahóz (1) Engenheiro Civil pela Escola de Engenharia

Leia mais

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV)

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) II Workshop Construindo o diagnóstico dos RCCV e RSS

Leia mais

Saneamento Básico e Saúde

Saneamento Básico e Saúde Conferência Nacional de Segurança Hídrica Uberlândia - MG Saneamento Básico e Saúde Aparecido Hojaij Presidente Nacional da Assemae Sobre a Assemae A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento

Leia mais

DE SANEAMENTO *ESTRUTURA DA LEI *TITULARIDADE GESTÃO. Eng. Luiz Corrêa Noronha

DE SANEAMENTO *ESTRUTURA DA LEI *TITULARIDADE GESTÃO. Eng. Luiz Corrêa Noronha PROBLEMAS NA LEI DE SANEAMENTO *ESTRUTURA DA LEI *TITULARIDADE *SISTEMA FINANCEIRO *INSTRUMENTOS DE GESTÃO Eng. Luiz Corrêa Noronha ESTRUTURA DA LEI DE SANEAMENTO Cap. I Dos Princípios Fundamentais Cap.

Leia mais

Administradores de Planos Municipais de Saneamento Básico

Administradores de Planos Municipais de Saneamento Básico 2014 Administradores de Planos Municipais de Saneamento Básico Coordenador Acadêmico: Alceu de Castro Galvão Junior Organização: Pezco Microanalysis Dias 27 e 28 de novembro de 2014 Justificativa Os primeiros

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

81º ENIC Encontro Nacional da Indústria da Construção. PAINEL Saneamento: Desafios para a Universalização

81º ENIC Encontro Nacional da Indústria da Construção. PAINEL Saneamento: Desafios para a Universalização 81º ENIC Encontro Nacional da Indústria da Construção PAINEL Saneamento: Desafios para a Universalização Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de Saneamento e Infra-estrutura Rio de Janeiro,

Leia mais

Plano Municipal de Educação

Plano Municipal de Educação Plano Municipal de Educação Denise Carreira I Encontro Educação para uma Outra São Paulo 30 de novembro de 2007 O Plano Municipal de Educação e as reivindicações dos movimentos e organizações da cidade

Leia mais

A Gazeta (ES) 27/10/03 Conferência das Cidades chega ao fim com eleição de conselho

A Gazeta (ES) 27/10/03 Conferência das Cidades chega ao fim com eleição de conselho A Gazeta (ES) 27/10/03 Conferência das Cidades chega ao fim com eleição de conselho Brasília - A 1º Conferência Nacional das Cidades terminou ontem, no Minas Tênis Clube, em Brasília, com a escolha dos

Leia mais

LASE 2015 + WORKSHOP 2: + BRAIN DATE: Seminário de Licenciamento e Gestão Socioambiental no Setor Elétrico. 6 a. edição

LASE 2015 + WORKSHOP 2: + BRAIN DATE: Seminário de Licenciamento e Gestão Socioambiental no Setor Elétrico. 6 a. edição tel 2738-0838 / liberomais.com.br LASE 2015 Seminário de Licenciamento e Gestão Socioambiental no Setor Elétrico 6 a edição Panorama do setor elétrico: MP, leilões, inovações e aspectos Reportando aos

Leia mais

Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de Base

Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de Base Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de Base VII ENAENCO ÁGUA E SANEAMENTO O PAPEL DAS EMPRESAS DE CONSULTORIA Newton de Lima Azevedo Recife, 29-09-05 A ABDIB E A INFRA-ESTRUTURA FUNDADA

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

13 de Maio - Quarta-Feira

13 de Maio - Quarta-Feira Cooperação Brasil-Itália em Saneamento SEMINARIO INTERNACIONAL - MINUTA DE PROGRAMA PRELIMINAR - 13/04/2009 SEMINÁRIO INTERNACIONAL: REGIONALIZAÇÃO E GESTÃO ASSOCIADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE MANEJO DE

Leia mais

Apresentação Institucional Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental

Apresentação Institucional Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental Apresentação Institucional Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental Associação não-governamental; Fundada em 1966; 20.000

Leia mais

Planos de Segurança da Água no cenário internacional e nacional

Planos de Segurança da Água no cenário internacional e nacional Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Planos de Segurança da Água no cenário internacional e nacional Guilherme Franco

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC)

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) Professor: Pedro Antônio Bertone Ataíde 23 a 27 de março

Leia mais

PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO DO SEMINÁRIO DIVERSIDADE E QUALIDADE:

PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO DO SEMINÁRIO DIVERSIDADE E QUALIDADE: PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO DO SEMINÁRIO DIVERSIDADE E QUALIDADE: Desconstruindo Preconceitos! Inclusão de Grupos Vulneráveis no Mercado de Trabalho. Dia 10 de Dezembro: Dia Internacional dos Direitos Humanos

Leia mais

2ª Conferência Latinoamericana de Saneamento LATINOSAN 2010. Fernando Pinto Dias Perrone Gerente do Departamento de Projetos de Eficiência Energética

2ª Conferência Latinoamericana de Saneamento LATINOSAN 2010. Fernando Pinto Dias Perrone Gerente do Departamento de Projetos de Eficiência Energética 2ª Conferência Latinoamericana de Saneamento LATINOSAN 2010 Fernando Pinto Dias Perrone Gerente do Departamento de Projetos de Eficiência Energética Março de 2010 O PROCEL SANEAR Objetivos Promover o uso

Leia mais

Elaboração dos Planos de Saneamento Básico 13/12/2010. Nossa Realidade. Nossa Realidade. Nova Organização da Prestação de Serviços

Elaboração dos Planos de Saneamento Básico 13/12/2010. Nossa Realidade. Nossa Realidade. Nova Organização da Prestação de Serviços 13/12/2010 Quem somos Da união das indústrias Amanco, Braskem, Solvay Indulpa e Tigre, foi criado em julho de 2007, o Instituto Trata Brasil, uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, para

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 PREMISSAS LEGAIS: CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTATUTO DA METRÓPOLE (LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015) AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE

Leia mais

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A.

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A. METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A. A Agência Reguladora dos Serviços de Saneamento das Bacias dos

Leia mais

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi PAC Programa de Aceleração do Crescimento Retomada do planejamento no país Marcel Olivi PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO Lançado em 22/01/2007 o programa é constituído por Medidas de estímulo

Leia mais

Fórum Gestão do Saneamento 2015

Fórum Gestão do Saneamento 2015 3ª Edição Fórum Gestão do Saneamento 2015 A formatação de um plano de ações para transformar o setor de saneamento no Brasil 28 e 29 de abril São Paulo 1 Sobre o Fórum O setor de saneamento passa por um

Leia mais

1º Seminário de Saneamento Básico da FIESP

1º Seminário de Saneamento Básico da FIESP 1º Seminário de Saneamento Básico da FIESP Painel III Investimentos em infraestrutura de saneamento básico O papel do setor privado Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de Saneamento e Infraestrutura

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA 11ª EDIÇÃO COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA 22 e 23 de fevereiro de 2011 Paulista Plaza Hotel - São Paulo SP Planejamento de Contratação de Energia e Principais Setores que Alavancarão o Consumo de Energia em

Leia mais

XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos

XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos SECRETARIA DE SANEAMENTO E ENERGIA XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos Mesa redonda: Marco Regulatório do Setor Saneamento Desafios do Saneamento e Regulação dos Serviços no Estado de São Paulo

Leia mais

Maria Fernanda Spina Chiocchetti Coordenadora da Câmara Técnica de EA dos Comitês PCJ

Maria Fernanda Spina Chiocchetti Coordenadora da Câmara Técnica de EA dos Comitês PCJ Maria Fernanda Spina Chiocchetti Coordenadora da Câmara Técnica de EA dos Comitês PCJ Bragança Paulista 01 a 0 de dezembro de 009 Atribuições da Câmara Técnica de Educação Ambiental (CT-EA) Criada pela

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

O efeito das mudanças climáticas para os serviços de saneamento

O efeito das mudanças climáticas para os serviços de saneamento Painel Inaugural O efeito das mudanças climáticas para os serviços de saneamento 19/05/2014 9h30 às 11h Dante Ragazzi Pauli (Presidente Nacional da ABES) Marcos Thadeu Abicalil (Banco Mundial) Eventos

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL O Seminário Sul Brasileiro vem sendo organizado desde 2005, como um evento paralelo a Suinofest, festa gastronômica de derivados da carne suína, por um grupo formado pela UERGS, ACI-E, EMATER e Secretaria

Leia mais

A Opção Nuclear Brasileira Estratégia irreversível para o desenvolvimento nacional Oportunidades e desafios da engenharia e da indústria brasileira

A Opção Nuclear Brasileira Estratégia irreversível para o desenvolvimento nacional Oportunidades e desafios da engenharia e da indústria brasileira APRESENTAÇÃO O potencial hidrelétrico brasileiro, que atualmente é a prioridade do governo federal, começa a se esgotar dentro de aproximadamente 20 anos. Diante dessa perspectiva, a energia nuclear passou

Leia mais

Visa, como objetivo final, a promoção do desenvolvimento sustentável da região.

Visa, como objetivo final, a promoção do desenvolvimento sustentável da região. Agenda 21 Comperj Iniciativa voluntária de relacionamento da Petrobras para contribuir para que o investimento na região retorne para a população, fomentando a formação de capital social e participação

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

MINUTA PARA MODIFICAÇÃO DO DECRETO NO 27.208/2000, QUE TRATA DA INSTITUIÇÃO DO CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS

MINUTA PARA MODIFICAÇÃO DO DECRETO NO 27.208/2000, QUE TRATA DA INSTITUIÇÃO DO CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS Página 1 CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS CÂMARA TÉCNICA INSTITUICONAL E LEGAL MINUTA PARA MODIFICAÇÃO DO DECRETO NO 27.208/2000, QUE TRATA DA INSTITUIÇÃO DO CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS

Leia mais

Cesar Seara Conselheiro ABCON Brasil

Cesar Seara Conselheiro ABCON Brasil Cesar Seara Conselheiro ABCON Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL A SAÚDE COMEÇA PELA BOCA E, PELA ÁGUA QUE SE BEBE! UMA TRISTE REALIDADE! FONTE: ITB ABCON

Leia mais

Workshop Saneamento Básico Fiesp. Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa

Workshop Saneamento Básico Fiesp. Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa Workshop Saneamento Básico Fiesp Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa Presidente da Funasa Henrique Pires São Paulo, 28 de outubro de 2015 Fundação Nacional de

Leia mais

IX CONGRESSO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E V CONGRESSO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO IAPE 2014

IX CONGRESSO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E V CONGRESSO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO IAPE 2014 IX CONGRESSO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E V CONGRESSO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO IAPE 2014 Data 27, 28 e 29 de MARÇO INVESTIMENTO: ATÉ O DIA 20 DE MARÇO DE 2014: ASSOCIADOS IAPE: R$ 150,00 (Parcelado

Leia mais

4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão

4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão 4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão Painel 2 - Gestão, operação e capacitação para enfrentar os desafios do saneamento e enfrentar a crise hídrica 01 de Outubro de 2015 Agenda Desafios no Setor de

Leia mais

EMPREGO DA PRESSÃO NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO ENQUANTO INDICADOR DA QUALIDADE DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO

EMPREGO DA PRESSÃO NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO ENQUANTO INDICADOR DA QUALIDADE DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO EMPREGO DA PRESSÃO NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO ENQUANTO INDICADOR DA QUALIDADE DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO Daniel Manzi (1) Engenheiro Civil, Mestre em Hidráulica e Saneamento (EESC/USP), Doutorando

Leia mais

O Novo Perfil da Siderurgia no Brasil Dinheiro Vivo

O Novo Perfil da Siderurgia no Brasil Dinheiro Vivo O Novo Perfil da Siderurgia no Brasil Dinheiro Vivo O 27º Fórum de Debates Projeto Brasil discutirá a siderurgia nacional. Manter o crescimento do setor no país, agregar valor aos produtos da siderurgia

Leia mais

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA Regionalismo e Cooperação Intermunicipal o caso do Grande ABC Paulista Fausto Cestari Filho Características do Grande ABC Primeiro povoado brasileiro fora do litoral

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Gestão Participativa e os Comitês de Bacias

Gestão Participativa e os Comitês de Bacias Novembro de 2009. Gestão Participativa e os Comitês de Bacias Suraya Modaelli DAEE 1,2 bilhão de pessoas sem acesso a água potável no mundo 2 bilhões sem infra-estrutura de saneamento milhões de crianças

Leia mais

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos BDMG Semana Mineira de Redução de Resíduos Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos Novembro de 2010 BDMG Desenvolvimento, inclusão social e sustentabilidade Perfil do BDMG Fundação: Lei Estadual

Leia mais

Colóquio Solar Apresenta. SolarInvest 2013. Quinto Encontro Nacional de Política Energética e Industrial para Energia Solar no Brasil

Colóquio Solar Apresenta. SolarInvest 2013. Quinto Encontro Nacional de Política Energética e Industrial para Energia Solar no Brasil Colóquio Solar Apresenta SolarInvest 2013 Quinto Encontro Nacional de Política Energética e Industrial para Energia Solar no Brasil 15 e 16 de abril, Grand Hotel Mercure Parque do Ibirapuera - São Paulo

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

- Dezembro, 2010 - Organismos de Bacia Estado da arte, Brasil

- Dezembro, 2010 - Organismos de Bacia Estado da arte, Brasil - Dezembro, 2010 - Organismos de Bacia Estado da arte, Brasil ASPECTOS CONSTITUCIONAIS Organismos de bacia Histórico Constituição de 1988 estabeleceu, entre outros aspectos, que as águas são bens públicos,

Leia mais

PLANO DE SANEAMENTO BÁSICO PARTICIPATIVO

PLANO DE SANEAMENTO BÁSICO PARTICIPATIVO PLANO DE SANEAMENTO BÁSICO PARTICIPATIVO Elabore o Plano de Saneamento de sua cidade e contribua para melhorar a saúde e o meio ambiente do local onde você vive PLANO DE SANEAMENTO BÁSICO PARTICIPATIVO

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 Primeiro Termo Aditivo Contrato nº 003/ANA/2011 INDICADOR 4 OPERACIONALIZAÇÃO DA COBRANÇA Indicador 4B Cadastro de Usuários ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 4B - Cadastro

Leia mais

Novos Modelos Organizacionais dos Municípios. Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae)

Novos Modelos Organizacionais dos Municípios. Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae) Novos Modelos Organizacionais dos Municípios Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae) 2 Características do modelo Autarquia em regime especial; Autonomia e independência decisória e decisão

Leia mais

Programa Município Verde Azul 2011

Programa Município Verde Azul 2011 Programa Município Verde Azul 2011 OBJETIVOS DO PMVA PARA O CICLO 2011 FORTALECER o planejamento ambiental no cotidiano do Município INCENTIVAR a participação da Sociedade Civil na agenda ambiental local

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Reconhecer a água como bem econômico e dar ao usuário uma indicação de seu real valor Incentivar

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

PROGRAMA PRIORITÁRIO DE INVESTIMENTOS EM INFRA-ESTRUTURA 2007-2010. Saneamento

PROGRAMA PRIORITÁRIO DE INVESTIMENTOS EM INFRA-ESTRUTURA 2007-2010. Saneamento PROGRAMA PRIORITÁRIO DE INVESTIMENTOS EM INFRA-ESTRUTURA 2007-2010 Saneamento PREMISSAS BÁSICAS Buscar a universalização do atendimento Implementar a Lei de Saneamento Básico Garantir política estável

Leia mais

5º ENCONTRO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS

5º ENCONTRO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS APRESENTAÇÃO O mercado brasileiro de Resíduos da Construção e Demolição (RCD) tem um enorme potencial para crescer, mas ainda é insipiente no Brasil, principalmente pela falta de incentivos fiscais e tributários.

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA/FIESP. Crise Hídrica-Realidade e Reflexos. Setor Industrial. Priscila Rocha Especialista Ambiental- Fiesp

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA/FIESP. Crise Hídrica-Realidade e Reflexos. Setor Industrial. Priscila Rocha Especialista Ambiental- Fiesp Crise Hídrica-Realidade e Reflexos Setor Industrial Priscila Rocha Especialista Ambiental- Fiesp O PROBLEMA NA RMSP DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA/FIESP População RMSP : 20 milhões (50%) População

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE NITERÓI (COMCITEC)

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE NITERÓI (COMCITEC) CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE NITERÓI (COMCITEC) COMCITEC Gestão Plenárias Conferência Eventos Legislação QUEM SOMOS? O COMCITEC é um órgão autônomo que atua em estreita articulação com

Leia mais

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico EIXO1: Monitoramento de possibilidades de captação de convênios para melhoria nos serviços e infraestruturas de saneamento básico. PRODUTO

Leia mais

Consórcio Intermunicipal do Grande ABC

Consórcio Intermunicipal do Grande ABC Consórcio Intermunicipal do Grande ABC 1 Consórcio Intermunicipal Grande ABC 2 A Região 3 Consórcio ABC Instalado em 19 de dezembro de 1990 como associação civil de direito privado; O então prefeito de

Leia mais

Guarulhos. Dados Estatísticos. Malha Rodoviária

Guarulhos. Dados Estatísticos. Malha Rodoviária Dados Estatísticos Guarulhos Região metropolitana Estado de São Paulo de São Paulo 2ª economia do estado de São Paulo 9ª economia do Brasil Tem extensão territorial de 320 km², sendo composta por 47 Bairros

Leia mais

Abordagens metodológicas na Elaboração de Planos Municipais de Saneamento Básico.

Abordagens metodológicas na Elaboração de Planos Municipais de Saneamento Básico. Seminário Política e Planejamento do Saneamento Básico na Bahia: Desafios e Perspectivas da Implementação Abordagens metodológicas na Elaboração de Planos Municipais de Saneamento Básico. Danilo Gonçalves

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ R E L A T Ó R I O D E G E S T Ã O - 2 0 1 1

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ R E L A T Ó R I O D E G E S T Ã O - 2 0 1 1 AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ R E L A T Ó R I O D E G E S T Ã O - 2 0 1 1 Dezembro - 2011 AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS MERCOSUL MEIO AMBIENTE - SGT6 - Gestão de Recursos Hídricos em Bacias Compartilhadas Gisela Forattini Superintendente de Fiscalização Brasília DF setembro/2002 Bacia Amazônica

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

Secretarias, competências e horários de funcionamento. Secretaria de Administração, Planejamento e Gestão

Secretarias, competências e horários de funcionamento. Secretaria de Administração, Planejamento e Gestão Secretarias, competências e horários de funcionamento Secretaria de Administração, Planejamento e Gestão (Horário de funcionamento: das 07:00 as 13:00 horas) I - recebimento e processamento de reclamações,

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

RESOLVEM celebrar e finnar o presente TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA, mediante as cláusulas e condições que se seguem:

RESOLVEM celebrar e finnar o presente TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA, mediante as cláusulas e condições que se seguem: TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA que entre si celebram o Consórcio Intennunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí - Consórcio PCJ, entidade delegatária para exercer as funções de Agência

Leia mais

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil

Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós Graduação Comparação dos sistemas de gestão e legislações de saneamento na França, Estados Unidos e Brasil 1

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE LEI Nº 354/2014 Dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico e o Fundo Municipal de Saneamento de Básico, e dá outras providências. A Prefeita

Leia mais

CRIANDO OPORTUNIDADES 04 de Setembro de 2013. MINUTA GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS DECRETO Nº DE DE 2013 Sumula: Institui o Fórum Permanente de Desenvolvimento. O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS, em observância

Leia mais

SOBRE O INVESTE NORDESTE 2015

SOBRE O INVESTE NORDESTE 2015 SOBRE O INVESTE NORDESTE 2015 É o Expo-Fórum internacional totalmente dedicado a explorar as grandes oportunidades de investimentos, parcerias comerciais e trocas de tecnologias entre Brasil e Portugal.

Leia mais

Além de ampliar sua rede de relacionamento, com profissionais de várias partes do País, você terá a oportunidade de aprofundar-se em temas como:

Além de ampliar sua rede de relacionamento, com profissionais de várias partes do País, você terá a oportunidade de aprofundar-se em temas como: 1 Depois do sucesso da 2ª edição do evento de Letras Financeiras (LFs), realizado em outubro do ano passado, a INOVA preparou um novo seminário - pautado em algumas das principais dúvidas dos executivos

Leia mais

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL UNITAU - Universidade de Taubaté CBH-PS Comitê de Bacias Hidrográficas do Rio Paraíba do Sul Trabalho realizado

Leia mais

Agenda Federativa - Novembro 2015

Agenda Federativa - Novembro 2015 Agenda Federativa - Novembro 2015 3 a 6 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, com o tema Comida de verdade no campo e na cidade: por direitos e soberania alimentar de 03 a 06 de

Leia mais

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Programa de Inovação Tecnologica FIESP CIESP - SENAI Sede Fiesp 2013 Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

3º CURSO PARA MAGISTRADOS SOBRE O MÉTODO APAC. Comarca de São João Del Rei

3º CURSO PARA MAGISTRADOS SOBRE O MÉTODO APAC. Comarca de São João Del Rei Local Horário Programação Inauguração do Centro de Reintegração Social da APAC masculina de São João Del Rei Rodovia BR 265 / Km 259,5 - Bairro Bonfim - Vila Faria (em frente às casas populares do Bairro

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS NO DESENVOLVIMENTO DO SANEAMENTO E DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE ARARAQUARA

A IMPORTÂNCIA DOS COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS NO DESENVOLVIMENTO DO SANEAMENTO E DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE ARARAQUARA A IMPORTÂNCIA DOS COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS NO DESENVOLVIMENTO DO SANEAMENTO E DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE ARARAQUARA TEMA VII: Organização e Gestão dos Serviços de Saneamento AUTORES Políticas

Leia mais

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf)

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf) www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/cni/iniciativas/eventos/enai/2013/06/1,2374/memoria-enai.html Memória Enai O Encontro Nacional da Indústria ENAI é realizado anualmente pela CNI desde

Leia mais

MARCO REGULATÓRIO DA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA NO BRASIL

MARCO REGULATÓRIO DA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA NO BRASIL MARCO REGULATÓRIO DA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA NO BRASIL 2015 ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS AMBIENTAIS - ANEAM Marco Regulatório da Engenharia Ambiental e Engenharia

Leia mais

Estratégia e inovação. Gestão de Risco. Meio Ambiente, saúde e segurança

Estratégia e inovação. Gestão de Risco. Meio Ambiente, saúde e segurança Favor indicar o departamento no qual opera: 16% 5% Relações externas, Comunicação N=19 79% Estratégia e inovação Gestão de Risco Outros Meio Ambiente, saúde e segurança Outros: Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP Departamento de Meio Ambiente - DMA - Divisão de Mudanças Climáticas - Seminário Gestão de Gases de Efeito Estufa Parceria ABNT - BID FIESP, São Paulo,

Leia mais

I FÓRUM SOCIAL DA UFSB-2015 Universidade e Sociedade em diálogo - Projeto Executivo -

I FÓRUM SOCIAL DA UFSB-2015 Universidade e Sociedade em diálogo - Projeto Executivo - I FÓRUM SOCIAL DA UFSB-2015 Universidade e Sociedade em diálogo - Projeto Executivo - Itabuna - julho de 2015. 1/3 I FÓRUM SOCIAL DA UFSB-2015 Universidade e Sociedade em diálogo Objetivo Geral: Fortalecer

Leia mais

Reunião da Comissão de Infraestrutura - Senado. Telecomunicações, acessibilidade, TICs e Inovação

Reunião da Comissão de Infraestrutura - Senado. Telecomunicações, acessibilidade, TICs e Inovação Associação Brasileira das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Competitivas Reunião da Comissão de Infraestrutura - Senado Telecomunicações, acessibilidade, TICs e Inovação TIC 2020: Plano Nacional

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

Política de Saúde Dinheiro Vivo

Política de Saúde Dinheiro Vivo Política de Saúde Dinheiro Vivo O 28º Fórum de Debates Projeto Brasil vai debater a Política Nacional de Saúde, ou a falta dela, e buscar novas alternativas de financiamento para a saúde no Brasil. A idéia

Leia mais