O efeito das mudanças climáticas para os serviços de saneamento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O efeito das mudanças climáticas para os serviços de saneamento"

Transcrição

1 Painel Inaugural O efeito das mudanças climáticas para os serviços de saneamento 19/05/2014 9h30 às 11h Dante Ragazzi Pauli (Presidente Nacional da ABES) Marcos Thadeu Abicalil (Banco Mundial) Eventos extremos e sua importância para os projetos de saneamento Wanderley Paganini (SABESP) Mudanças climáticas: como conviver com elas? Luiz Carlos Molion (UFAL) Previsões climáticas e sua relação com o planejamento urbano José Almir Cirilo (SEINFRA/PE) O efeito das mudanças climáticas para os serviços de saneamento

2 Palestra Palestrante: Ementa: Gestão Integrada de Infraestrutura Urbana 19/05/ h15 às 12h30 Xavier Torret Requena, Engenheiro de Estradas, Canais e Portos (equivalente a Mestre em Engenharia Civil), Mestre em Engenharia e Gestão Ambiental (MEM), com formação em PNL pelo Instituto Gestalt de Barcelona Gestão integrada de infraestrutura urbana com exemplos de integração de sistemas públicos de saneamento (água, esgoto e drenagem) e informações físicas da cidade como rotas de coleta de lixo, controle de anomalias em pavimentos das vias, controle de manutenção de áreas verdes e identificação de focos de doenças. Serão apresentados exemplos reais em municípios da Espanha, enfatizando a importância da gestão municipal através dos softwares livres de GIS e Banco de Dados integrados com os softwares de cálculo no saneamento (EPANET e EPASWMM).

3 Painel 2 Um desafio histórico no Nordeste: escassez de água ou de soluções? 19/05/ h às 15h30 Josemá de Azevedo (Diretor ABES RN) Cícero Onofre de Andrade Neto (UFRN) Água de Chuva: alternativa para conviver com a seca Marco Antônio Calazans Duarte (CAERN) Mananciais Eutrofizados e Água Potável: Algumas Respostas Tecnológicas para os Desafios. Joana D'arc Freire de Medeiros (SEMARH RN) Gestão de RH no Rio Grande do Norte no período de grande escassez

4 Painel 3 Operação de Estações de Tratamento de Esgotos 19/05/ h às 18h André Luiz Calado Araújo (IFRN) Cícero Onofre de Andrade Neto (UFRN) Influência das condições operacionais na eficiência de ETEs. Jorge Medeiros (CAGECE) Problemas de operação de estações de tratamento de esgotos Aníbal Oliveira Freire (COPASA) Operação e eficiência das lagoas de estabilização Renato Gavasci (ANDIS) O tratamento de esgotos na realidade italiana.

5 Painel 4 Modelos de Contratação para Universalização dos Serviços de Saneamento Casos reais de parcerias 20/05/2014 9h às 10:30 Dante Ragazzi Pauli (Presidente Nacional da ABES) Álvaro Menezes (CASAL) Parcerias com a iniciativa privada como forma de modernização dos serviços Abelardo de Oliveira Filho (Presidente da EMBASA) Disposição de Esgoto no Mar ( PPP Bahia) Silvio Leifert (SABESP) Exemplos de parcerias com a iniciativa privada Eduardo Castagnari (ABCON) Modelos de contratação para universalização dos serviços de saneamento

6 Painel 5 Gestão de resíduos sólidos: uma responsabilidade de todos. 20/05/ h às 12h30 Josivan Cardoso (Vice presidente da ABES RN) Sérgio Pinheiro (ABES RN) Regulação para Resíduos Sólidos Geraldo Reichert (CTRS) A PNRS Política Nacional de Resíduos Sólidos e sua aplicação Renato Gavasci (ANDIS) Evolução dos aterros sanitários na Italia e na realidade europeia

7 Painel 6 Tema Tema Licenciamentos, outorgas e as obras de infraestrutura no Brasil 20/05/ h às 16h Claudia Coutinho (Diretora ABES Região Nordeste) Paulo Varella Diretor da ANA Política de Regulação no Setor de Recursos Hídricos Nelson Césio Fernandes Santos IGARN Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas do Estado do Rio Grande do Norte Silvio Leifert (SABESP) Licenciamentos e outorgas: a visão do operador Onésimo Jerônimo Santos IPHAN A importância dos estudos arqueológicos e sua relação com a rapidez na execução de projetos Sérgio Luiz Macêdo Diretor Técnico IDEMA O Licenciamento Ambiental das Obras de Saneamento

8 Painel 7 Poder concedente, regulador, operador, a sociedade e a qualidade dos serviços de saneamento 20/05/ h30 às 18h30 Irene Altafin (BID) Uma proposta para capacitação de regulados e reguladores Fábio Timbó da Silveira (Vice Presidente Nordeste da ABAR) As Agências Reguladoras: seu papel entre o cliente e o prestador de serviços Representante da ASSEMAE Experiências de regulação em Comitês de Bacias Hidrográficas Representante da SINDCON Como atuar em ambientes regulados visão das companhias privadas

9 Painel 8 Tecnologias Avançadas em Saneamento 21/05/2014 9h às 11h Estela Testa (Pieralisi do Brasil Ltda.) Utilização de membranas no tratamento de esgotos e reuso. Nazareno Neri (Diretor Presidente da BR Incorporadora e Consultor em Energias Renováveis) Soluções em energias renováveis e recuperação do meio ambiente Ruy Gomide FUNASA Proposta do Programa de Saneamento Rural Emílio Gabbrielli IDA e TORAY Dessalinização e reúso de águas como recursos hídricos de primeira linha

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

APOIO REALIZAÇÃO. www.abes-dn.org.br Tel: +55 (21) 2210-3221 / Fax: +55 (21) 2262-6838 - sibesa@abes-dn.org.br

APOIO REALIZAÇÃO. www.abes-dn.org.br Tel: +55 (21) 2210-3221 / Fax: +55 (21) 2262-6838 - sibesa@abes-dn.org.br Data: 12/02/2010 Boletim Informativo nº 1 28 fev - 03 mar, 2010 Ritz Lagoa da Anta Urban Resort Maceió, AL - Brasil Veja aqui a programação dos paínéis e visitas técnicas Waste Management: Challenges and

Leia mais

4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão

4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão 4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão Painel 2 - Gestão, operação e capacitação para enfrentar os desafios do saneamento e enfrentar a crise hídrica 01 de Outubro de 2015 Agenda Desafios no Setor de

Leia mais

XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos

XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos SECRETARIA DE SANEAMENTO E ENERGIA XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos Mesa redonda: Marco Regulatório do Setor Saneamento Desafios do Saneamento e Regulação dos Serviços no Estado de São Paulo

Leia mais

PROBLEMAS DE OPERAÇÃO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS. Jorge Medeiros Gerente de Operações do Unidade do Macrossitema de Fortaleza

PROBLEMAS DE OPERAÇÃO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS. Jorge Medeiros Gerente de Operações do Unidade do Macrossitema de Fortaleza PROBLEMAS DE OPERAÇÃO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS 1 Jorge Medeiros Gerente de Operações do Unidade do Macrossitema de Fortaleza CAGECE COMPANHIA DE ÁGUA E ESGOTO DO CEARÁ 2 Criada em 1971 sob

Leia mais

Apresentação Institucional Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental

Apresentação Institucional Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental Apresentação Institucional Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental Associação não-governamental; Fundada em 1966; 20.000

Leia mais

Planos de Segurança da Água no cenário internacional e nacional

Planos de Segurança da Água no cenário internacional e nacional Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Planos de Segurança da Água no cenário internacional e nacional Guilherme Franco

Leia mais

A Sabesp STATUS: Fundada em 1973 como sociedade de (Governo do Estado de São Paulo, acionistas privados e municípios) ATRIBUIÇÕES:

A Sabesp STATUS: Fundada em 1973 como sociedade de (Governo do Estado de São Paulo, acionistas privados e municípios) ATRIBUIÇÕES: Novembro/2007 A Sabesp STATUS: Fundada em 1973 como sociedade de participação acionária (Governo do Estado de São Paulo, acionistas privados e municípios) ATRIBUIÇÕES: PATRIMÔNIO LÍQUIDO: L EMPREGADOS:

Leia mais

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas Adaptação em Gestão das Águas Meta e objetivos da sessão Meta considerar como a adaptação às mudanças climáticas pode ser incorporada na gestão

Leia mais

Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí

Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí O que é? O Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí é uma associação de direito privado, sem

Leia mais

MISSÃO, VISÃO E VALORES

MISSÃO, VISÃO E VALORES 2015 A EMPRESA A HIDRÁULICA E SANEAMENTO é uma empresa de consultoria e projetos de instalações hidráulicas, infraestrutura urbana e meio ambiente. Pioneira em Diadema/SP com objetivo de suprir a demanda

Leia mais

APRESENTAÇÃO. 18 a 20 de maio de 2010 Clube de Engenharia - Rio de Janeiro RJ

APRESENTAÇÃO. 18 a 20 de maio de 2010 Clube de Engenharia - Rio de Janeiro RJ 18 a 20 de maio de 2010 Clube de Engenharia - Rio de Janeiro RJ APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada recentemente pelo Instituto Trata Brasil em parceria com o Centro de Políticas Sociais da Fundação Getulio

Leia mais

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES Emenda Nº: 337 0230 05704 0012 CONSTRUÇÃO DE TRECHOS RODOVIÁRIOS NO CORREDOR LESTE-BR 482/ - CONSTRUÇÃO DO TRECHO PIRANGA- PORTO FIRME- ARAPONGA - FERVEDOURO. TRECHO PAVIMENTADO KM 30 KM A construção desse

Leia mais

Hotel e Golf Clube dos 500 Guaratinguetá SP

Hotel e Golf Clube dos 500 Guaratinguetá SP Hotel e Golf Clube dos 500 Guaratinguetá SP APOIO e INCENTIVO APOIO INSTITUCIONAL APOIO DE MÍDIA ORGANIZAÇÃO GERAL E REALIZAÇÃO APRESENTAÇÃO Ao longo da década de 90, cresceu no País a idéia de que o Estado

Leia mais

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol Vice Presidente de Gestão e Assuntos Institucionais Resumo Planejamento das atividades de Infraestrutura de Saneamento

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

ABESI N F O R M A. X Sibesa levou 800 técnicos a Maceió

ABESI N F O R M A. X Sibesa levou 800 técnicos a Maceió 164 05 de março de 2010 X Sibesa levou 800 técnicos a Maceió Kadu Ferreira/Casanova Produções Cassilda na abertura: o saneamento hoje está em todas as agendas A ABES encerrou na quartafeira (3/03), em

Leia mais

GOVERNANÇA COLABORATIVA: GESTÃO LOCAL E COMPARTILHADA

GOVERNANÇA COLABORATIVA: GESTÃO LOCAL E COMPARTILHADA GOVERNANÇA COLABORATIVA: GESTÃO LOCAL E COMPARTILHADA Estado de São Paulo Estado de São Paulo 248.196.960 km 2 População total: 41.262.199 População urbana: 39.585.251 645 municípios Fonte: IBGE, Censo

Leia mais

Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança

Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança Seminário Cobrança pelo Uso dos Recursos Hídricos Urbanos e Industriais Comitê da Bacia Hidrográfica Sorocaba e Médio Tietê Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança Sorocaba, 10 de setembro

Leia mais

A plataforma de negócios para promover investimentos e o progresso do setor de saneamento no Brasil.

A plataforma de negócios para promover investimentos e o progresso do setor de saneamento no Brasil. 30 e 31 de janeiro & 1 de fevereiro de 2012 WTC Convention Center, São Paulo Sobre o Evento APOIOS INSTUTUCIONAIS: A plataforma de negócios para promover investimentos e o progresso do setor de saneamento

Leia mais

Chapa Universalizando atitudes, consolidando resultados é eleita

Chapa Universalizando atitudes, consolidando resultados é eleita BIÊNIO 2014/2016 Chapa Universalizando atitudes, consolidando resultados é eleita Associados de todo o Brasil elegeram, nos dias 5 e 6 de junho, a chapa Universalizando atitudes, consolidando resultados

Leia mais

Workshop Saneamento Básico Fiesp. Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa

Workshop Saneamento Básico Fiesp. Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa Workshop Saneamento Básico Fiesp Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa Presidente da Funasa Henrique Pires São Paulo, 28 de outubro de 2015 Fundação Nacional de

Leia mais

APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... MISSÃO... VISÃO... POLÍTICA DA QUALIDADE... VALORES...

APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... MISSÃO... VISÃO... POLÍTICA DA QUALIDADE... VALORES... APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... A L3 Engenharia Ambiental é uma empresa de consultoria, serviços, desenvolvimento e execução de projetos ambientais, que possui como foco o desenvolvimento sustentável e desenvolve

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS Agência de Fomento e Desenvolvimento do Estado do Piauí S.A PIAUÍ FOMENTO Águas e Esgotos do Piauí S/A AGESPISA Companhia Administradora da Zona de Processamento

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

DE SANEAMENTO *ESTRUTURA DA LEI *TITULARIDADE GESTÃO. Eng. Luiz Corrêa Noronha

DE SANEAMENTO *ESTRUTURA DA LEI *TITULARIDADE GESTÃO. Eng. Luiz Corrêa Noronha PROBLEMAS NA LEI DE SANEAMENTO *ESTRUTURA DA LEI *TITULARIDADE *SISTEMA FINANCEIRO *INSTRUMENTOS DE GESTÃO Eng. Luiz Corrêa Noronha ESTRUTURA DA LEI DE SANEAMENTO Cap. I Dos Princípios Fundamentais Cap.

Leia mais

SANEAMENTO É SAÚDE João José da Silva

SANEAMENTO É SAÚDE João José da Silva Democratização da Política de Serviços de Saneamento Básico por Meio de Inovações Sociotécnicas. Lições para enfrentar os desafios. Seminário do Projeto DESAFIO SANEAMENTO É SAÚDE João José da Silva Recife,

Leia mais

Região Metropolitana de Belo Horizonte e Norte de Minas receberão novos investimentos em abastecimento de água

Região Metropolitana de Belo Horizonte e Norte de Minas receberão novos investimentos em abastecimento de água Região Metropolitana de Belo Horizonte e Norte de Minas receberão novos investimentos em abastecimento de água Governador Antonio Anastasia preside solenidade na qual foi assinado contrato para a implantação

Leia mais

Crise da água: Desafios e Soluções

Crise da água: Desafios e Soluções Núcleo PCJ-Campinas/Piracicaba Crise da água: Desafios e Soluções São Paulo, 3 de junho de 2014. Regramento Legal do Sistema Hídrico Lei Estadual nº 7.663, de 30 de dezembro de 1991 (Política Estadual

Leia mais

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Mudanças Climáticas Título Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Wanderley da Silva Paganini Superintendente de Gestão Ambiental - Sabesp São Paulo, 13 de junho de 2013.

Leia mais

USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Pontos Principais... A Sabesp tem compromisso com a política pública e com critérios de eficiência de mercado O novo marco regulatório do saneamento encerra

Leia mais

Saneamento Básico e Infraestrutura

Saneamento Básico e Infraestrutura Saneamento Básico e Infraestrutura Augusto Neves Dal Pozzo Copyright by Augusto Dal Pozzo DADOS HISTÓRICOS Até a década de 70 soluções locais e esparsas para os serviços de saneamento; Década de 70 criação

Leia mais

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 O saneamento básico no Brasil não condiz com o país que é a 7ª. economia do mundo da população não possui coleta

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

INCA. coleta seletiva de lixo e gestão de resíduos, coletor solar para pré-aquecimento da água, células fotovoltaicas

INCA. coleta seletiva de lixo e gestão de resíduos, coletor solar para pré-aquecimento da água, células fotovoltaicas Durante a execução dos projetos de hospitais como Sírio-Libanês, Hospital Alemão Oswaldo Cruz e Santa Catarina, a MHA instituiu a sua área de Gerenciamento de Obras, até hoje um importante serviço oferecido

Leia mais

P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia

P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia causada pelo endividamento público Limitação provocada pela

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

Reuso para uso Urbano não Potável

Reuso para uso Urbano não Potável 6 Seminário sobre Tecnologias Limpas Porto Alegre, 10 de Junho de 2015 Painel :Alternativas Práticas de Reuso Reuso para uso Urbano não Potável Eng. Américo de Oliveira Sampaio Coordenador de Saneamento

Leia mais

Saneamento Básico e Saúde

Saneamento Básico e Saúde Conferência Nacional de Segurança Hídrica Uberlândia - MG Saneamento Básico e Saúde Aparecido Hojaij Presidente Nacional da Assemae Sobre a Assemae A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

RENAVAN ANDRADE SOBRINHO Presidente da ABES Bahia

RENAVAN ANDRADE SOBRINHO Presidente da ABES Bahia MESA REDONDA: CONCURSOS PÚBLICOS PARA ENGENHEIROS SANITARISTAS E AMBIENTAIS RENAVAN ANDRADE SOBRINHO Presidente da ABES Bahia A ABES é uma organização não governamental, fundada em 1966, com o objetivo

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA EMPREENDIMENTO RESIDENCIAL SANTA CLARA

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA EMPREENDIMENTO RESIDENCIAL SANTA CLARA ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA EMPREENDIMENTO RESIDENCIAL SANTA CLARA ARAUCÁRIA, 08 DE MARÇO DE 2013 PARCERIAS SOMA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA ME FÓRMULA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA URBENGE

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, BAHIA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, BAHIA PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, BAHIA 19 de Julho de 2012 CONVÊNIO: MINISTÉRIO DAS CIDADES PREFEITURA MUNICIPAL Convênio entre Ministério das Cidades e a Prefeitura Municipal

Leia mais

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL I ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE SANEAMENTO RURAL INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL Ernani Ciríaco de Miranda Diretor SNSA/MCIDADES

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

Turma 15: Espanhol - 17/08 à 30/08/2015 Turma 16: 17/08 à 30/08/2015. À distância Turma 31: 07/09 à 20/09/2015 Turma 32: 07/09 à 20/09/2015

Turma 15: Espanhol - 17/08 à 30/08/2015 Turma 16: 17/08 à 30/08/2015. À distância Turma 31: 07/09 à 20/09/2015 Turma 32: 07/09 à 20/09/2015 Cursos: Água Conhecimento para Gestão Saiba mais em: https://www.aguaegestao.com.br/br/lista-completa-de-cursos Curso Modalidade Inscrições Vagas Realização À distância Turma 15: 03/08 à 16/08/ Turma 15:

Leia mais

Mercia Maria Teixeira Bezerra

Mercia Maria Teixeira Bezerra Mercia Maria Teixeira Bezerra Rua Anísio de Abreu, n 1549, Brasileira Marquês - Teresina PI CEP: 64.002-485 Casada Tel.: (86) 9982-5103/3221-1455/8813-1394 Nascimento: 20/12/1955 Email: merciatb@gmail.com

Leia mais

GESTÃO DE ÁGUAS URBANAS Prefeitura de Belo Horizonte ÁGUA É ASSUNTO DE TODOS

GESTÃO DE ÁGUAS URBANAS Prefeitura de Belo Horizonte ÁGUA É ASSUNTO DE TODOS GESTÃO DE ÁGUAS URBANAS Prefeitura de Belo Horizonte ÁGUA É ASSUNTO DE TODOS BRASIL . Cidade projetada, inaugurada em 1897. População total: 2,5mi (50% da RMBH). População urbana: 100%. Área: 330.90 km².

Leia mais

consultor saneamento ambiental

consultor saneamento ambiental saneamento ambiental A ENGECORPS é uma empresa de engenharia consultiva pronta a responder a todos os desafios da retomada e manutenção de crescimento do país e globalização da economia. Interessada em

Leia mais

OBJETIVO prioridade da agenda política.

OBJETIVO prioridade da agenda política. SANEAR É VIVER OBJETIVO Propor ao governo e à sociedade ações que melhorem o desempenho do saneamento do país e elevem o tema ao status de prioridade da agenda política. A exemplo da ação que resultou

Leia mais

PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE

PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE SUMÁRIO EXECUTIVO ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária

Leia mais

PROGRAMA PRIORITÁRIO DE INVESTIMENTOS EM INFRA-ESTRUTURA 2007-2010. Saneamento

PROGRAMA PRIORITÁRIO DE INVESTIMENTOS EM INFRA-ESTRUTURA 2007-2010. Saneamento PROGRAMA PRIORITÁRIO DE INVESTIMENTOS EM INFRA-ESTRUTURA 2007-2010 Saneamento PREMISSAS BÁSICAS Buscar a universalização do atendimento Implementar a Lei de Saneamento Básico Garantir política estável

Leia mais

Centro de Controle Operacional, Laboratório Águas de Barcelona, Gestão Comercial e Gestão de Perdas

Centro de Controle Operacional, Laboratório Águas de Barcelona, Gestão Comercial e Gestão de Perdas Relatório da Missão do PNQS 2014 à Espanha Centro de Controle Operacional, Laboratório Águas de Barcelona, Gestão Comercial e Gestão de Perdas Barcelona Terça-feira, 19 Maio de 2015 Aline Martins Brito

Leia mais

1 Abastecimento de água potável

1 Abastecimento de água potável Índice de atendimento urbano de água Planilha de Objetivos, Indicadores e GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: Que até 2020 Santa Maria esteja entre os melhores Municípios do Rio Grande do Sul,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia

CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia ALINE LINHARES LOUREIRO PATRÍCIA CAMPOS BORJA LUIZ ROBERTO

Leia mais

PAINEL SETORIAL MEDIÇÃO DE EFLUENTES INMETRO 2012

PAINEL SETORIAL MEDIÇÃO DE EFLUENTES INMETRO 2012 PAINEL SETORIAL MEDIÇÃO DE EFLUENTES INMETRO 2012 A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento ASSEMAE É uma organização não-governamental, sem fins lucrativos, fundada em 1984. Os associados

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA NO BRASIL

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA NO BRASIL Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Flores da Cunha /RS - Junho, 2015.

APRESENTAÇÃO. Flores da Cunha /RS - Junho, 2015. APRESENTAÇÃO A Biossplena - Projetos Ecodinâmicos é uma empresa que atua há cinco anos no Brasil, desenvolvendo e assessorando projetos para EMPREENDIMENTOS URBANÍSTICOS, com foco nas comunidades planejadas,

Leia mais

Administradores de Planos Municipais de Saneamento Básico

Administradores de Planos Municipais de Saneamento Básico 2014 Administradores de Planos Municipais de Saneamento Básico Coordenador Acadêmico: Alceu de Castro Galvão Junior Organização: Pezco Microanalysis Dias 27 e 28 de novembro de 2014 Justificativa Os primeiros

Leia mais

PROGRAMA COOPERAÇÃO TÉCNICA FUNASA. www.funasa.gov.br www.facebook.com/funasa.oficial twitter.com/funasa

PROGRAMA COOPERAÇÃO TÉCNICA FUNASA. www.funasa.gov.br www.facebook.com/funasa.oficial twitter.com/funasa PROGRAMA COOPERAÇÃO TÉCNICA FUNASA Funasa Programa de Cooperação Técnica Visa criar condições de sustentabilidade para o adequado atendimento populacional. Ênfase será conferida à qualificação dos investimentos

Leia mais

O ESTADO DA ARTE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O SEU CONTEXTO DIANTE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

O ESTADO DA ARTE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O SEU CONTEXTO DIANTE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE O ESTADO DA ARTE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O SEU CONTEXTO DIANTE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Caracterização do Rio Grande do Norte - Superfície: 53.306,8 km² 0,62% do território

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO ATENÇÃO Apresentação do Seminário A Lei da Política Nacional do Saneamento Básico (lei 11.445/07) e o Inquérito Civil Público Estadual 04/04/PGJ/MPSC, realizado nos dias 30 e 31 de outubro de 2008. Arquivos

Leia mais

Política e Planejamento do Saneamento Básico na Bahia: Desafios e Perspectivas da Implementação

Política e Planejamento do Saneamento Básico na Bahia: Desafios e Perspectivas da Implementação Política e Planejamento do Saneamento Básico na Bahia: Desafios e Perspectivas da Implementação Mesa redonda 3 O papel institucional na elaboração de Planos Municipais de Saneamento Básico: interesses,

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais

tecnologia, conhecimento e inovação como alavancas do saneamento (e vice-versa)

tecnologia, conhecimento e inovação como alavancas do saneamento (e vice-versa) tecnologia, conhecimento e inovação como alavancas do saneamento (e vice-versa) S E R G I O SALLES-FILHO D P T O P O L Í T I C A C I E N T Í F I C A E T E C N O L Ó G I C A E F A C U L D A D E D E C I

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

Modelo de gestão SISAR. Novo Hamburgo, 03 de Dezembro de 2013

Modelo de gestão SISAR. Novo Hamburgo, 03 de Dezembro de 2013 Modelo de gestão SISAR Novo Hamburgo, 03 de Dezembro de 2013 DADOS POPULACIONAIS Brasil População Total 190.755.799 hab. Ceará População Total 8.452.381 hab. População Urbana 84,35% 160.914.804 hab. População

Leia mais

Regulação para Operadores de Saneamento

Regulação para Operadores de Saneamento 2014 Regulação para Operadores de Saneamento Coordenador Acadêmico: Alceu de Castro Galvão Junior Organização: Pezco Microanalysis Dias 16, 17 e 18 de julho de 2014 Objetivo e Justificativa Passados sete

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

VISÃO 2011 Estar entre as 03 empresas do Brasil que mais avançaram na universalização dos serviços de água e esgotamento sanitário.

VISÃO 2011 Estar entre as 03 empresas do Brasil que mais avançaram na universalização dos serviços de água e esgotamento sanitário. MISSÃO Garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, em cooperação com os municípios, buscando a universalização de modo sustentável, contribuindo para a melhoria da

Leia mais

BANCO DE PROJETOS. A infra-estrutura dos Estados e Municípios necessita ser planejada;

BANCO DE PROJETOS. A infra-estrutura dos Estados e Municípios necessita ser planejada; BANCO DE PROJETOS É O ACERVO DE PROJETOS EXECUTADOS COM ANTERIORIDADE PARA DAR SUPORTE A UM PROGRAMA DE OBRAS, ESPECIALMENTE DE MÉDIO E LONGO PRAZO, COM VISTAS A UM EFICIENTE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE

Leia mais

MESA REDONDA POLÍTICAS PÚBLICAS E ESCASSEZ HÍDRICA NO ESTADO DE SÃO PAULO: GOVERNANÇA, TRANSPARÊNCIA E ALTERNATIVAS PARA A CRISE 27 DE NOVEMBRO DE

MESA REDONDA POLÍTICAS PÚBLICAS E ESCASSEZ HÍDRICA NO ESTADO DE SÃO PAULO: GOVERNANÇA, TRANSPARÊNCIA E ALTERNATIVAS PARA A CRISE 27 DE NOVEMBRO DE MESA REDONDA POLÍTICAS PÚBLICAS E ESCASSEZ HÍDRICA NO ESTADO DE SÃO PAULO: GOVERNANÇA, TRANSPARÊNCIA E ALTERNATIVAS PARA A CRISE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 O Instituto Democracia e Sustentabilidade (IDS) e

Leia mais

ÍNDICE 30. PROGRAMA DE APOIO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA O CONSUMO HUMANO... 2. 30.1. Introdução... 2. 30.2. Justificativa...

ÍNDICE 30. PROGRAMA DE APOIO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA O CONSUMO HUMANO... 2. 30.1. Introdução... 2. 30.2. Justificativa... ÍNDICE 30. PARA O CONSUMO HUMANO... 2 30.1. Introdução... 2 30.2. Justificativa... 3 30.3. Objetivos do Programa... 4 30.4. Metas... 4 30.5. Indicadores Ambientais... 4 30.6. Público-Alvo... 5 30.7. Metodologia

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DESAFIOS E OPORTUNIDADES Pontos Principais... A Sabesp tem compromisso com a política pública e com critérios de eficiência de mercado O novo marco regulatório do saneamento encerra desafios e oportunidades

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

Missão. Objetivos Específicos

Missão. Objetivos Específicos CURSO: Engenharia Ambiental e Sanitária Missão O Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnico científica nas áreas

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

Empresas de Saneamento Básico Operando Sistemas de Aterros Sanitários. Uma proposta da SABESP em conformidade a Lei 11.445/2007.

Empresas de Saneamento Básico Operando Sistemas de Aterros Sanitários. Uma proposta da SABESP em conformidade a Lei 11.445/2007. Empresas de Saneamento Básico Operando Sistemas de Aterros Sanitários. Uma proposta da SABESP em conformidade a Lei 11.445/2007. (1) B e n i g n o J o s é d e S o u z a N e t o Contador pela Sociedade

Leia mais

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL Ernane Vitor Marques (1) Especialista em Engenharia Sanitária e Meio Ambiente

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA : ADMINISTRAÇÃO GERAL OBJETIVO : Manter as atividades administrativas e operacionais dos órgãos para melhoria da prestação de serviços ao público Valores (R$ 1,00) 2006 11.700,000 Manutenção das

Leia mais

S O L U Ç õ e S a m b i e n t a i S

S O L U Ç õ e S a m b i e n t a i S SOLUÇões ambientais 01 Quem somos A Ambiens é uma empresa de assessoria e consultoria ambiental que, desde 1997, oferece soluções eficazes e economicamente competitivas para empresas de diversos segmentos,

Leia mais

PPP em saneamento e outras alternativas para investimentos

PPP em saneamento e outras alternativas para investimentos 2015 PPP em saneamento e outras alternativas para investimentos Coordenador: Frederico Turolla Organização: Pezco Microanalysis Dias 21 e 22 de maio de 2015 Justificativa Os investimentos anuais em abastecimento

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

Recursos Hídricos & Saneamento. Prof. Francisco José de Totedo Piza fmmmpiza@terra.com.br

Recursos Hídricos & Saneamento. Prof. Francisco José de Totedo Piza fmmmpiza@terra.com.br Recursos Hídricos & Saneamento Prof. Francisco José de Totedo Piza fmmmpiza@terra.com.br Gestão de Recursos Hídricos Planejamento e Estruturação Estrutura Federal Ministério do Meio Ambiente (MMA) Secretaria

Leia mais

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Geraldo Antônio Reichert Coordenador da Câmara Temática de Resíduos Sólidos ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária

Leia mais

Maria Auxiliadora de Abreu Macêdo (Dora Abreu)

Maria Auxiliadora de Abreu Macêdo (Dora Abreu) I COBESA 14 de julho de 2010 Sessão Técnica 21 PAP001775 DESENVOLVIMENTO AGRÍCOLA E REUSO DE ESGOTOS NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: PROPOSTA DE UM MODELO DE AÇÕES BASEADO NA EXPERIÊNCIA ISRAELENSE Maria Auxiliadora

Leia mais

VISÃO Ser referência estadual em integração microrregional, visando o desenvolvimento sustentável

VISÃO Ser referência estadual em integração microrregional, visando o desenvolvimento sustentável VISÃO Ser referência estadual em integração microrregional, visando o desenvolvimento sustentável MISSÃO Fomentar o desenvolvimento sustentável dos Municípios da microrregião, através do fortalecimento

Leia mais

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A.

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A. METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A. A Agência Reguladora dos Serviços de Saneamento das Bacias dos

Leia mais

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp COSEMA - FIESP Programas e Ações A da Sabesp para os grandes problemas da RMSP Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Evolução Populacional - RMSP Reversão da centrifugação Menor pressão

Leia mais

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ Dalto Favero Brochi Consórcio PCJ Rio de Janeiro Novembro / 2008 LOCALIZAÇÃO DAS BACIAS PCJ CARACTERIZAÇÃO DAS BACIAS

Leia mais

Principais Serviços. Projeto. Supervisão e Gerenciamento

Principais Serviços. Projeto. Supervisão e Gerenciamento A Empresa Engespro é uma empresa de engenharia consultiva criada há 30 anos, pelo Engenheiro Civil Jeronymo Pacheco Pereira que com grande força empreendedora vislumbrou oportunidades de mercado fundando

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Superintendência de Urbanismo e Produção Habitacional Coordenação de Projetos PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA,

Leia mais

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O V o l u m e V R E L A T Ó R I O D O S P R O G R A M A S, P R O J E T O S E A Ç Õ E S P A R A O A L C A N C E D O C E N Á R I O R E F E R

Leia mais

1º Seminário de Saneamento Básico da FIESP

1º Seminário de Saneamento Básico da FIESP 1º Seminário de Saneamento Básico da FIESP Painel III Investimentos em infraestrutura de saneamento básico O papel do setor privado Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de Saneamento e Infraestrutura

Leia mais

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs:

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs: Institucional A Unidade de Recuperação Energética (URE) Barueri é um empreendimento da Foxx Haztec, empresa líder em serviços ambientais no Brasil com atuação nas áreas de resíduos sólidos, consultoria

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL/RN SECRETARIA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO, REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E PROJETOS ESTRUTURANTES - SEHARPE

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL/RN SECRETARIA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO, REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E PROJETOS ESTRUTURANTES - SEHARPE PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL/RN SECRETARIA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO, REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E PROJETOS ESTRUTURANTES - SEHARPE START - PESQUISA E CONSULTORIA TÉCNICA LTDA. PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO

Leia mais

PROGRAMA POR MACROOBJETIVO

PROGRAMA POR MACROOBJETIVO PERFIL DOS PROGRAMAS PROGRAMA POR MACROOBJETIVO 01 - Melhorar a Qualidade de Vida e Promover a Inclusão Social 1402 Defesa dos Interesses Sociais, Individuais e do Cidadão PGJ 64 1501 Reaparelhamento e

Leia mais

Crise da Água em São Paulo Balanço e Propostas contribuição para o debate

Crise da Água em São Paulo Balanço e Propostas contribuição para o debate Crise da Água em São Paulo Balanço e Propostas contribuição para o debate Câmara dos Deputados 14 de Julho de 2015 Comissão Especial da Crise Hídrica O porque do colapso dos sistemas A Pergunta é: Precisávamos

Leia mais