Painel 2 - Um desafio histórico no Nordeste: escassez de água ou de soluções? Água de Chuva: alternativa para conviver com a seca

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Painel 2 - Um desafio histórico no Nordeste: escassez de água ou de soluções? Água de Chuva: alternativa para conviver com a seca"

Transcrição

1 Painel 2 - Um desafio histórico no Nordeste: escassez de água ou de soluções? Água de Chuva: alternativa para conviver com a seca Cícero Onofre de Andrade Neto

2 O acesso a água potável é apenas um dos problemas do Semi-árido Brasileiro, que não pode ser dissociado dos problemas da educação, da saúde, da posse da terra, do crédito e da assistência técnica. Nos aspectos mais diretos, as principais dificuldades para o abastecimento d água doméstico difuso no semi-árido brasileiro são: - a disponibilidade da água (quantidade, distribuição e propriedade ); - a qualidade da água. Em muitos casos não há água suficiente armazenada, ou há, mas é salobra ou contaminada.

3 Cisterna: armazena água e regulariza a disponibilidade e serve para diluir águas salobras (quantidade); proteção sanitária muito fácil (qualidade); solução difusa e independente (justiça social).

4

5 Revista Brasileira de Saneamento e Meio Ambiente, Ano XVII Nº 51, abr/jun 2009

6

7

8 Água de Chuva A água de chuva é excelente para vários usos, inclusive para beber. Em regiões com problemas de escassez ou de qualidade de água é, muitas vezes, a melhor água disponível. CÁRITAS BRASILEIRA CPT FIAN/Brasil. Água de Chuva: o segredo da convivência com o Semi-Árido brasileiro. São Paulo: Paulinas, p. (fotos Dieter Buehne)

9 QUANTIDADE: Só para dar uma idéia... Considerando 20% de perdas na captação e o consumo de uma família de 4 pessoas durante 10 meses... Para: 750 mm e 80m L/pessoa dia 400 mm e 75m L/pessoa dia 270 mm e 50m L/pessoa dia Segunda a ASA Articulação no Semi-Árido Brasileiro (www.asabrasil.org.br), a área média dos telhados das casas de agricultores do semi-árido é de 84m 2, mais da metade das residências têm mais de 75m 2 de telhado e apenas 4% têm telhados muito pequenos.

10 Da qualidade da água de chuva

11 MELO, Luciano R C; ANDRADE NETO, Cícero O de. Um Amostrador Automático Simples para Avaliação da Qualidade da Água de Chuva e para Avaliação Preliminar da Qualidade do Ar. In XXXI Congreso Interamericano de Ingeniería Sanitaria y Ambiental - AIDIS. Santiago, Chile, 12 a 15 de outubro de Anais... Santiago: AIDIS, 2008 UFRN

12 Pontos de Coleta em Natal Melo e Andrade Neto, 2007.

13 MELO, L R C; ANDRADE NETO, C O de. Variação da Qualidade da Água de Chuva em Três Pontos Distintos da Cidade de Natal-RN. In. 24º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL. Belo Horizonte, 02 a 07/09/2007. Anais... Rio de Janeiro: ABES CD Rom. UFRN

14 SEGURANÇA SANITÁRIA Contaminação da água de chuva: na superfície de captação; no armazenamento inadequado; na retirada (manejo). Proteção sanitária: Depende do risco O risco depende, principalmente: das condições de uso (público ou familiar); das condições da superfície de captação (material, situação, facilidade de limpeza, etc); da exposição a contaminantes (localização: rural ou urbana, isolada ou exposta); das condições epidemiológicas da região (doenças endêmicas, higidez ambiental, risco de surto, etc); e da operação e manutenção do sistema. educação sanitária; barreiras sanitárias: desvio das primeiras águas; tomada d água por tubulação; outras medidas de proteção.

15 ANDRADE NETO, Cícero O de. Proteção Sanitária das Cisternas Rurais. In: XI Simpósio Luso-Barsileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. 2004, Natal, Brasil. Anais... Natal: ABES/APESB/APRH º Simpósio Brasileiro de Captação e Manejo de Água de Chuva (2009) Autores: Marina Boldo Lisboa; Marcio Andrade; Henrique de Melo Lisboa Laboratório de Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental da UFRN

16 O uso de cisternas para captação e armazenamento de água de chuva para consumo doméstico é uma prática milenar em várias regiões do mundo e atualmente esta tecnologia tem merecido maior interesse e ampla aplicação, que cresce em nível internacional É necessária uma mudança (evolução) cultural. Cisterna não é uma tecnologia atrasada, de país pobre, pra coisa pequena. Ao contrário, apesar de milenar continua moderna, quando incorpora novos conceitos, materiais, técnicas construtivas, segurança sanitária e melhor aproveitamento. Ademais, é uma tecnologia ecologicamente sustentável e de aplicação difusa socialmente justa. Há um amplo conhecimento tecnológico internacional e nacional que deve ser utilizado de forma mais competente, sobretudo para maximizar a relação benefício/custo e aumentar a segurança sanitária das cisternas.

17 Três aspectos importantes necessitam ser revistos para que o aproveitamento imediato de água de chuva e o uso de cisternas seja mais bem entendido, popularizado e massificado : Nem sempre a melhor opção é o armazenamento para consumo na época de menor pluviosidade; O descarte do primeiro milímetro da chuva tem enorme influência sobre a qualidade da água, e a proteção sanitária da água da cisterna é muito simples Água de chuva tem baixa salinidade e pela sua qualidade geralmente pode ser utilizada para diluir outras águas

18 A proposta de construção de um milhão de cisternas no semi-árido brasileiro é até modesta se comparada com o êxito de experiências mais ousadas em outros países, como a china, por exemplo.

19 Alguns avanços elogiáveis do P1MC e do P1+2: as diretrizes políticas, voltadas para o retorno social dos investimentos, o fortalecimento da economia local, a valorização da cidadania e a participação efetiva da sociedade civil organizada e do povo; os esforços de formação e mobilização social da população rural para o uso racional da água de chuva (embora carecendo de melhor fundamentação técnico-científica); entre outros aspectos sociais e políticos. Elogiável também os avanços na gestão dos programas, e a implantação do SIG Cisternas.

20 Desafios Além de consolidar as ações atuais em arranjo institucional mais bem definido para suportar políticas permanentes de aproveitamento e uso racional da água de chuva, mantendo as diretrizes políticas voltadas para a rentabilidade social, acelerar o andamento de implantação para ampliar a cobertura e fixar metas mais ambiciosas, é necessário adequar e desenvolver a tecnologia, aperfeiçoar a transmissão de conhecimento (educação sanitária e ambiental) com base em informações mais bem fundamentadas, e assegurar a qualidade da água, mantendo o marco cultural pelo qual cisterna no meio rural é para água de boa qualidade.

21 Problemas tecnológicos: 1) usa a mesma tecnologia de construção de cisternas sem questionar suficientemente; 2) adota o mesmo volume para as cisternas em todas as situações, sem considerar o regime pluviométrico local, o numero de pessoas nem a área de captação; 3) não está fazendo, nem divulgando, a correta proteção sanitária (barreiras sanitárias físicas e culturais) da água e não tem dado a devida importância ao uso do tanque de descarte do primeiro milímetro de cada chuva, nem da bomba, na ingênua pretensão de garantir a qualidade da água apenas mediante desinfecção com cloro.

22 Aspectos construtivos

23 Dimensionamento do reservatório Função de: Área de captação Regime pluviométrico Perdas na captação Número de pessoas Consumo por pessoa Podem ser estabelecidas tipologias

24 Proteção sanitária Depende do risco O risco depende, principalmente: das condições de uso (público ou familiar); das condições da superfície de captação (material, situação, facilidade de limpeza, etc); da exposição a contaminantes (localização: rural ou urbana, isolada ou exposta); das condições epidemiológicas da região (doenças endêmicas, higidez ambiental, risco de surto, etc); e da operação e manutenção do sistema. educação sanitária; barreiras sanitárias: descarte das primeiras águas; tomada d água por tubulação; outras medidas de proteção.

25 Aspectos culturais Além do necessário avanço na transmissão de conhecimentos mais bem fundamentados, há que se ter mais atenção com a séria questão do uso das cisternas como reservatório de água de carros-pipa de procedência duvidosa. O Projeto Cisterna (UFCG, UFPE, UEPB e UFRPE como executoras, e mais o consultor da UFRN) e a EMBRAPA (CPATSA semi-árido), constatou o desvirtuamento cultural ao qual as cisternas estão expostas, porque há séculos percebidas na cultura popular como reservatório próprio para captar e armazenar água de chuva, de boa qualidade, ao serem utilizadas indiscriminadamente para armazenar água de carro pipa proveniente de fontes de água não potável, a cisterna passa a ser entendida e percebida como um reservatório de água de qualidade duvidosa. O Projeto também comprovou a efetividade das barreiras sanitárias e a inclusão cultural da importância das mesmas, mostrando que é possível criar essas barreiras tecnológicas e de manejo, acessíveis às populações rurais. Estes resultados precisam ser expostos e divulgados em todos os níveis e instancias das ações voltadas para a construção de cisternas e aproveitamento da água de chuva, e transmitidos de forma competente para o saber popular.

26 O Semi-Árido Brasileiro, por suas características ambientais (clima, regime pluviométrico, extensão territorial, solo, etc), econômicas e sociais, é talvez a região do mundo onde o uso de cisternas para captação e armazenamento de água de chuva para consumo doméstico é mais adequado e conveniente. A captação direta de água de chuva através de cisternas para o abastecimento familiar rural difuso no semi-árido brasileiro é uma alternativa viável, tanto do ponto de vista tecnológico como econômico, e é socialmente desejável.

27 Cícero Onofre de Andrade Neto Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Civil Programa de Pós Graduação em Engenharia Sanitária Laboratório de Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental 55 (84) Ramal 203

TECNOLOGIA SOCIAL E RURAL

TECNOLOGIA SOCIAL E RURAL IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte; 18 a 22 de Março de 2013 Mesa redonda TECNOLOGIA SOCIAL E RURAL Cícero Onofre de Andrade Neto Tecnologia adequada à realidade (social,

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB Jackson Silva Nóbrega 1 ; Francisco de Assis da Silva 1 ; Marcio Santos da Silva 2 ; Maria Tatiane Leonardo Chaves

Leia mais

Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA

Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA 413 Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA Maria Isabel Cacimiro Xavier Estudante de Graduação em Gestão Ambiental, IFPB,

Leia mais

O USO DE CISTERNAS PARA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO, UMA REVISÃO SISTEMÁTICA.

O USO DE CISTERNAS PARA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO, UMA REVISÃO SISTEMÁTICA. O USO DE CISTERNAS PARA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO, UMA REVISÃO SISTEMÁTICA. Rômulo Henrique Teixeira do Egito (1); Arturo Dias da Cruz (2); Karla Vanessa Cunha (3); Arilde Franco

Leia mais

J2CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS RURAIS

J2CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS RURAIS J2CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS RURAIS Nilton de Brito Cavalcanti 1 ; Luiza Teixeira de Lima Brito 2 RESUMO - No semi-árido do Nordeste brasileiro, a cisterna tem sido uma das principais formas

Leia mais

MONITORAMENTO E SIMULAÇÃO DO BALANÇO HÍDRICO EM CISTERNAS RURAIS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO

MONITORAMENTO E SIMULAÇÃO DO BALANÇO HÍDRICO EM CISTERNAS RURAIS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO MONITORAMENTO E SIMULAÇÃO DO BALANÇO HÍDRICO EM CISTERNAS RURAIS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO Dennyele Alves Gama¹; Marília Silva Dantas¹; Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega¹ & Carlos de Oliveira Galvão¹ RESUMO Os

Leia mais

ÁGUA DA CHUVA PARA CONSUMO HUMANO: MELHORIAS E DESAFIOS. Gilberto Ferreira da Silva Neto 1 & Maura Maria Pezzato 2

ÁGUA DA CHUVA PARA CONSUMO HUMANO: MELHORIAS E DESAFIOS. Gilberto Ferreira da Silva Neto 1 & Maura Maria Pezzato 2 ÁGUA DA CHUVA PARA CONSUMO HUMANO: MELHORIAS E DESAFIOS Gilberto Ferreira da Silva Neto 1 & Maura Maria Pezzato 2 Resumo: Ao longo dos anos o semiárido brasileiro vem convivendo com dificuldades no âmbito

Leia mais

SEGURANÇA SANITÁRIA DAS ÁGUAS DE CISTERNAS RURAIS

SEGURANÇA SANITÁRIA DAS ÁGUAS DE CISTERNAS RURAIS SEGURANÇA SANITÁRIA DAS ÁGUAS DE CISTERNAS RURAIS Cícero Onofre de Andrade Neto Rua Miguel Alcides Araújo, 1893. 59078-270 Natal - RN. E-mail: cicero@ct.ufrn.br Tel: (84) 215-3775, ramal 23. RESUMO Cisternas

Leia mais

Programa Cisternas MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional

Programa Cisternas MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Programa Cisternas MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Coordenação Geral de Acesso à Água Carolina Bernardes Água e Segurança

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO FAMILIAR DE CAPTAÇÃO, MANEJO E GERENCIAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA

SISTEMA INTEGRADO FAMILIAR DE CAPTAÇÃO, MANEJO E GERENCIAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA SISTEMA INTEGRADO FAMILIAR DE CAPTAÇÃO, MANEJO E GERENCIAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA Fernando Deodato de Sousa; José Dias Campos e José Rêgo Neto cepfs@uol.com.br Centro de Educação Popular e Formação Sindical

Leia mais

PERCEPÇÃO DA IMPORTANCIA DA SEGURANÇA SANITÁRIA NA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS NO PERIODO DE ESTIAGEM EM UM ASSENTAMENTO RURAL NO SERTÃO PARAIBANO.

PERCEPÇÃO DA IMPORTANCIA DA SEGURANÇA SANITÁRIA NA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS NO PERIODO DE ESTIAGEM EM UM ASSENTAMENTO RURAL NO SERTÃO PARAIBANO. PERCEPÇÃO DA IMPORTANCIA DA SEGURANÇA SANITÁRIA NA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS NO PERIODO DE ESTIAGEM EM UM ASSENTAMENTO RURAL NO SERTÃO PARAIBANO. Erica Bento SARMENTO¹ Luiz Fernando de Oliveira COELHO²

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A VIABILIDADE TÉCNICA E SOCIAL DA CAPTAÇÃO E ARMAZENAMENTO DA ÁGUA DA CHUVA EM CISTERNAS RURAIS NA REGIÃO SEMI-ÁRIDA BRASILEIRA.

CONSIDERAÇÕES SOBRE A VIABILIDADE TÉCNICA E SOCIAL DA CAPTAÇÃO E ARMAZENAMENTO DA ÁGUA DA CHUVA EM CISTERNAS RURAIS NA REGIÃO SEMI-ÁRIDA BRASILEIRA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A VIABILIDADE TÉCNICA E SOCIAL DA CAPTAÇÃO E ARMAZENAMENTO DA ÁGUA DA CHUVA EM CISTERNAS RURAIS NA REGIÃO SEMI-ÁRIDA BRASILEIRA. Felipe Tenório Jalfim. Coordenador do Programa de Apoio

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE PLACAS DE ARDÓSIA ARMADAS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA

RESERVATÓRIOS DE PLACAS DE ARDÓSIA ARMADAS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA RESERVATÓRIOS DE PLACAS DE ARDÓSIA ARMADAS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA Autores Marina Boldo Lisboa Marcio Andrade Henrique de Melo

Leia mais

CISTERNA PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA E SEUS MÚLTIPLOS USOS

CISTERNA PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA E SEUS MÚLTIPLOS USOS CISTERNA PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA E SEUS MÚLTIPLOS USOS Janiele Ferreira da Silva; Maria Rosimere Miguel da Silva; Belísia Lúcia Moreira Toscano Diniz; Edlene de Sousa Jerônimo Silveira; Luis

Leia mais

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Tema 1 Introdução ao aproveitamento de água de chuva Carlos de Oliveira Galvão Universidade Federal de Campina

Leia mais

Participação da Febraban no Projeto Cisternas Programa de Formação e Mobilização para a Convivência com o Semi-Árido

Participação da Febraban no Projeto Cisternas Programa de Formação e Mobilização para a Convivência com o Semi-Árido Participação da Febraban no Projeto Cisternas Programa de Formação e Mobilização para a Convivência com o Semi-Árido Projeto para construção de cisternas, Mobilização e Capacitação de famílias parceria

Leia mais

UMA PROPOSTA DE APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA O CULTIVO DE MORANGOS NO SÍTIO CAPOROROCA, LAMI, PORTO ALEGRE/RS

UMA PROPOSTA DE APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA O CULTIVO DE MORANGOS NO SÍTIO CAPOROROCA, LAMI, PORTO ALEGRE/RS UMA PROPOSTA DE APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA O CULTIVO DE MORANGOS NO SÍTIO CAPOROROCA, LAMI, PORTO ALEGRE/RS Laura Rita Rui laurarui@cpovo.net Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas SEMINÁRIO

PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas SEMINÁRIO PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas Daniel Kuchida SEMINÁRIO Segurança da Água para Consumo Humano. Como moldar o futuro da água para as partes

Leia mais

Questão da água em comunidades rurais da ilha de Santiago-Cabo Verde. Iara Jassira Costa Barros

Questão da água em comunidades rurais da ilha de Santiago-Cabo Verde. Iara Jassira Costa Barros Questão da água em comunidades rurais da ilha de Santiago-Cabo Verde Iara Jassira Costa Barros Introdução Localização geográfica: 500km da costa ocidental da África Clima: Tropical seco, 2 estações seca

Leia mais

CISTERNA DE PLACAS CALÇADÃO : UMA ALTERNATIVA PARA A CAPTAÇÃO E ARMAZENAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA DE ESCOAMENTO NO NÍVEL DO SOLO

CISTERNA DE PLACAS CALÇADÃO : UMA ALTERNATIVA PARA A CAPTAÇÃO E ARMAZENAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA DE ESCOAMENTO NO NÍVEL DO SOLO CISTERNA DE PLACAS CALÇADÃO : UMA ALTERNATIVA PARA A CAPTAÇÃO E ARMAZENAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA DE ESCOAMENTO NO NÍVEL DO SOLO Felipe Tenório Jalfim 1 ; Mário Farias Júnior 1 ; Yazna Retamal Bustamante

Leia mais

EM BUSCA DE ÁGUA NO SERTÃO DO NORDESTE

EM BUSCA DE ÁGUA NO SERTÃO DO NORDESTE EM BUSCA DE ÁGUA NO SERTÃO DO NORDESTE Nilton de Brito Cavalcanti, Luiza Teixeira de Lima Brito, Geraldo Milanez de Resende. Pesquisadores da Embrapa Semi-Árido. C. Postal 23, 56302-970 Petrolina-PE. E-mail:

Leia mais

8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor

8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor 8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor Projeto nº: 1. 293050/2013 Município: UF: Prefeito: Serrinha BA Orçamento total da Prefeitura: R$ 58.680,00 Qtd. Emp. Form.ME, EPP. EI: Estimativa de Emp. Informais:

Leia mais

Abastecimento Hídrico de Residências Rurais: Parceria Estado e Sociedade Civil no Semiárido da Bahia

Abastecimento Hídrico de Residências Rurais: Parceria Estado e Sociedade Civil no Semiárido da Bahia Abastecimento Hídrico de Residências Rurais: Parceria Estado e Sociedade Civil no Semiárido da Bahia Water supply Rural Residence: Partnership State and Civil Society in the Semiarid Bahia CARMO, Élcio

Leia mais

CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA INTEGRADA AO TRABALHO DA PASTORAL DA CRIANÇA

CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA INTEGRADA AO TRABALHO DA PASTORAL DA CRIANÇA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA INTEGRADA AO TRABALHO DA PASTORAL DA CRIANÇA Maria de Fátima Lima, Coordenadora da Pastoral da Criança na Diocese de Patos, Gilberto Nunes de Sousa, Central das Associações do

Leia mais

ANÁLISE DO PROGRAMA 1 MILHÃO DE CISTERNAS IMPLANTADO EM UMA COMUNIDADE RURAL NO MUNICÍPIO DE FRANCISCO SÁ-MG 1

ANÁLISE DO PROGRAMA 1 MILHÃO DE CISTERNAS IMPLANTADO EM UMA COMUNIDADE RURAL NO MUNICÍPIO DE FRANCISCO SÁ-MG 1 ANÁLISE DO PROGRAMA 1 MILHÃO DE CISTERNAS IMPLANTADO EM UMA COMUNIDADE RURAL NO MUNICÍPIO DE FRANCISCO SÁ-MG 1 Maria Ribeiro dos Santos 2 mary.moc2007@hotmail.com Nayana Mesquita Mota 3 nayana-mota@hotmail.com

Leia mais

Experiência Brasileira sobre Captação, Armazenamento, Gestão e Qualidade da Água de Chuva para Consumo Humano em Comunidades Rurais do Haiti

Experiência Brasileira sobre Captação, Armazenamento, Gestão e Qualidade da Água de Chuva para Consumo Humano em Comunidades Rurais do Haiti Experiência Brasileira sobre Captação, Armazenamento, Gestão e Qualidade da Água de Chuva para Consumo Humano em Comunidades Rurais do Haiti Elisabete de Oliveira Costa Santos 1 Dário Nunes dos Santos²

Leia mais

É preciso amor pra poder pulsar, É preciso paz pra poder sorrir, É preciso chuva para florir

É preciso amor pra poder pulsar, É preciso paz pra poder sorrir, É preciso chuva para florir É preciso amor pra poder pulsar, É preciso paz pra poder sorrir, É preciso chuva para florir A Articulação no Semi-Árido Brasileiro (ASA) é uma rede/fórum de organizações da sociedade civil, que reúne

Leia mais

A construção da saúde pelo saneamento dos municípios. Eng Civil Henrique Pires

A construção da saúde pelo saneamento dos municípios. Eng Civil Henrique Pires A construção da saúde pelo saneamento dos municípios Eng Civil Henrique Pires 2011 O Homem e a água uma longa história Os primeiros poços, chafarizes, barragens e aquedutos foram construídos no Egito,

Leia mais

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - COBESA PLANEJAMENTO, IMPLANTAÇÃO E GESTÃO DE UMA INTERVENÇÃO EM SANEAMENTO: Uma avaliação à luz da Promoção da Saúde Aline Nogueira, Tecnóloga em

Leia mais

Viabilidade técnica e econômica da captação de

Viabilidade técnica e econômica da captação de GESTÃO INTEGRADA DA ÁGUA DE CHUVA NO SETOR URBANO Viabilidade técnica e econômica da captação de água de chuva no meio urbano Luciano Zanella aproveitamento de água de chuva simples facilmente aplicável

Leia mais

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Abastecimento de Água

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Abastecimento de Água DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Abastecimento de Água Área temática: Saúde Pública/Vigilância Sanitária e Ambiental Trabalho

Leia mais

CLIPPING De 05 de maio de 2015

CLIPPING De 05 de maio de 2015 CLIPPING De 05 de maio de 2015 VEÍCULO EDITORIA DATA 2 3 VEÍCULO DATA 04/05/2015 Cultivares do IPA contam com proteção de direitos de propriedade intelectual A Tomate Ferraz IPA 8 será a primeira cultivar,

Leia mais

Aproveitamento de água de chuva para fins não potáveis em áreas urbana

Aproveitamento de água de chuva para fins não potáveis em áreas urbana Aproveitamento de água de chuva para fins não potáveis em áreas urbana Fortaleza dos Templários em Tomar- 1160 dc.portugal Conservação da água Ciclo hidrológico ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas

Leia mais

USO DE CISTERNAS COMO PREVENÇÃO ÀS SECAS NO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL. Mato Grosso (marciokoetz@yahoo.com.br) Mato Grosso.

USO DE CISTERNAS COMO PREVENÇÃO ÀS SECAS NO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL. Mato Grosso (marciokoetz@yahoo.com.br) Mato Grosso. USO DE CISTERNAS COMO PREVENÇÃO ÀS SECAS NO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL Marcio Koetz 1, Rodrigo Couto Santos 2, Normandes Matos da Silva 3, Christian Dias Cabacinha 4, Wendy Carniello Ferreira 5 1 Professor

Leia mais

CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE

CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE CRISE HÍDRICA PLANO DE CONTINGÊNCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE 14/03/2014 Jonas Age Saide Schwartzman Eng. Ambiental Instituições Afiliadas SPDM SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina OSS

Leia mais

EQUIPE TÉCNICA. Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Sustentabilidade - IABS. Luis Tadeu Assad Diretor Presidente

EQUIPE TÉCNICA. Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Sustentabilidade - IABS. Luis Tadeu Assad Diretor Presidente EQUIPE TÉCNICA Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Sustentabilidade - IABS Luis Tadeu Assad Diretor Presidente Carla Gualdani Coordenadora Técnica Filipe Robatini Consultor Técnico Imagens e conteúdo:

Leia mais

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Tema 2 Projeto de sistemas de aproveitamento de água de chuva Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega Universidade Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS EM ÁREAS URBANAS

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS EM ÁREAS URBANAS UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS EM ÁREAS URBANAS Profª. Simone Rosa da Silva 2015 Torres empresariais : Isaac newton e Alfred Nobel Const.: Rio Ave Aspectos

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS TIPOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO ASSENTAMENTO JACU NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB

IDENTIFICAÇÃO DOS TIPOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO ASSENTAMENTO JACU NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB IDENTIFICAÇÃO DOS TIPOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO ASSENTAMENTO JACU NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB Paulo Ricardo Dantas (1); Ana Paula Fonseca e Silva (1); Andreza Maiara Silva Bezerra (2); Elisângela

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe.

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe. O Brasil Melhorou 36 milhões de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos 42 milhões de brasileiros ascenderam de classe Fonte: SAE/PR O Brasil Melhorou O salário mínimo teve um aumento real de 70% Em 2003,

Leia mais

Eixo Temático ET-04-001 - Gestão Ambiental em Saneamento QUALIDADE DA ÁGUA ENTRE CISTERNAS DE PLACA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO

Eixo Temático ET-04-001 - Gestão Ambiental em Saneamento QUALIDADE DA ÁGUA ENTRE CISTERNAS DE PLACA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO 250 Eixo Temático ET-04-001 - Gestão Ambiental em Saneamento QUALIDADE DA ÁGUA ENTRE CISTERNAS DE PLACA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO Adriana Karla Tavares Batista Nunes Leal¹; Ronaldo Faustino da Silva²; Eduardo

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA

ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA ISSN 1984-9354 ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA Sérgio Luiz Souza Nazário (UNESC) Natália Sanchez Molina (UNESC) Rafael Germano Pires (UNESC) Débora Pereira

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

ÁGUA, CISTERNAS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: DIÁLOGOS E TENSÕES EM COMUNIDADES RURAIS

ÁGUA, CISTERNAS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: DIÁLOGOS E TENSÕES EM COMUNIDADES RURAIS ÁGUA, CISTERNAS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: DIÁLOGOS E TENSÕES EM COMUNIDADES RURAIS Priscilla Cordeiro de Miranda Mestranda em Ciência e Tecnologia Ambiental-Universidade Estadual da Paraíba maedetheo2@hotmail.com

Leia mais

Os projetos de habitação de interesse social adotados nesta pesquisa encontram-se caracterizados na tabela 1.

Os projetos de habitação de interesse social adotados nesta pesquisa encontram-se caracterizados na tabela 1. DETERMINAÇÃO DOS CUSTOS DIRETOS E DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA UM SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA PLUVIAL E EQUIPAMENTOS SANITÁRIOS ECONOMIZADORES DE ÁGUA: ESTUDO DE CASO PARA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Leia mais

CONVIVÊNCIA COM A SECA: CONTRIBUIÇÕES PARA POLITICAS PÚBLICAS DE COLETA E DISTRIBUIÇAO DE ÁGUA NO SEMIÁRIDO

CONVIVÊNCIA COM A SECA: CONTRIBUIÇÕES PARA POLITICAS PÚBLICAS DE COLETA E DISTRIBUIÇAO DE ÁGUA NO SEMIÁRIDO CONVIVÊNCIA COM A SECA: CONTRIBUIÇÕES PARA POLITICAS PÚBLICAS DE COLETA E DISTRIBUIÇAO DE ÁGUA NO SEMIÁRIDO SILVA, T.J ¹;FERNANDES, F.L., GOMES,I., DINIZ, C.R.; CEBALLOS, B.S.O ²; (Tércio José da Silva

Leia mais

Iniciativa de Água Potável e Saneamento

Iniciativa de Água Potável e Saneamento Banco Interamericano de Desenvolvimento Iniciativa de Água Potável e Saneamento Recife - PE, 11 de junho de 2007 Desde 1990 América Latina realizou avanços na provisão de água e saneamento... Coberturas

Leia mais

MÉTODOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA NO DISTRITO DE MORORÓ, BARRA DE SANTANA, PARAÍBA: UMA ANÁLISE DO REGISTRO ICONOGRÁFICO.

MÉTODOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA NO DISTRITO DE MORORÓ, BARRA DE SANTANA, PARAÍBA: UMA ANÁLISE DO REGISTRO ICONOGRÁFICO. MÉTODOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA NO DISTRITO DE MORORÓ, BARRA DE SANTANA, PARAÍBA: UMA ANÁLISE DO REGISTRO ICONOGRÁFICO. Larissa Barreto Barbosa 1, Antônio José dos Santos Martins ², Edílson Ramos de Oliveira

Leia mais

Projeto Fecundação: construção e desconstrução de saberes na captação de água de água da chuva em Coronel José Dias - PI

Projeto Fecundação: construção e desconstrução de saberes na captação de água de água da chuva em Coronel José Dias - PI Projeto Fecundação: construção e desconstrução de saberes na captação de água de água da chuva em Coronel José Dias - PI Maria Sueli Rodrigues de Sousa Conjunto Morada Nova I, Quadra 03, Bloco 05, apartamento

Leia mais

CISTERNAS DE PLACAS Eng.º Civil Marcos Carnaúba AL CONFEA - Registro Nacional 180160565-3 e-mail:marcarnauba@gmail.com

CISTERNAS DE PLACAS Eng.º Civil Marcos Carnaúba AL CONFEA - Registro Nacional 180160565-3 e-mail:marcarnauba@gmail.com CISTERNAS DE PLACAS Eng.º Civil Marcos Carnaúba AL CONFEA - Registro Nacional 180160565-3 e-mail:marcarnauba@gmail.com VERSÃO ORIGINAL MAIO 2008 ATUALIZADA EM MAIO 2012 1-Descrição sumária do projeto.

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173535

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173535 COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173535 Aproveitamento de água de chuva Luciano Zanella Palestra apresentado no 2.Semana de Engenharia Ambiental, Poços de Caldas, 2015 A série Comunicação Técnica compreende trabalhos

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTROLE E VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS E SEUS TRATAMENTOS

CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTROLE E VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS E SEUS TRATAMENTOS CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTROLE E VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS E SEUS TRATAMENTOS Miriam Cleide Cavalcante de Amorim 1 ; Everaldo Rocha Porto 2 1 Av. do Sol, n o 100, apt o 302, Caminho do

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE DO USO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA FRENTE À EXPLORAÇÃO DE AREIAS EM LEITO DE RIOS DO SEMIÁRIDO

A SUSTENTABILIDADE DO USO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA FRENTE À EXPLORAÇÃO DE AREIAS EM LEITO DE RIOS DO SEMIÁRIDO A SUSTENTABILIDADE DO USO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA FRENTE À EXPLORAÇÃO DE AREIAS EM LEITO DE RIOS DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO Ricardo Braga; Anderson Paiva; Paulo F Araújo Filho; Jaime Cabral; Arnaldo Vitorino

Leia mais

VIABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DE POÇOS ARTESIANOS MOVIDOS À ENERGIA SOLAR EM COMUNIDADE RURAL DO RIO GRANDE DO NORTE

VIABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DE POÇOS ARTESIANOS MOVIDOS À ENERGIA SOLAR EM COMUNIDADE RURAL DO RIO GRANDE DO NORTE VIABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DE POÇOS ARTESIANOS MOVIDOS À ENERGIA SOLAR EM COMUNIDADE RURAL DO RIO GRANDE DO NORTE Alan Martins de Oliveira (*), Amanda Suianny Fernandes Rocha, Jacqueline Cunha de Vasconcelos

Leia mais

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA Silvio Roberto Magalhães Orrico Jennifer Conceição Carvalho Teixeira de Matos Ricardo Silveira Bernardes Patrícia Campos Borja Cristiane

Leia mais

1. Introdução. Igor Arsky 1

1. Introdução. Igor Arsky 1 A sustentabilidade dos programas e políticas públicas de captação e manejo de água de chuva para a garantia da soberania e segurança alimentar no semi-árido brasileiro. Igor Arsky 1 1 Coordenador do Programa

Leia mais

APROVEITAMENTO DA ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS

APROVEITAMENTO DA ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS ISSN 1984-9354 APROVEITAMENTO DA ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS Andrea Sartori Jabur (UTFPR) Heloiza Piassa Benetti (UTFPR) Elizangela Marcelo Siliprandi (UTFPR) Resumo A utilização das águas pluviais,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Agricultura Familiar; Reuso de água; Semiárido.

PALAVRAS-CHAVE: Agricultura Familiar; Reuso de água; Semiárido. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 QUALIDADE DE SOLO IRRIGADO POR EFLUENTE TRATADO PELO BIOÁGUA FAMILIAR Fábio dos Santos Santiago 2 ; Solange Aparecida Goularte

Leia mais

Sumário Executivo. Avaliação da Sustentabilidade do Programa Cisternas do MDS em Parceria com a ASA (Água-Vida)

Sumário Executivo. Avaliação da Sustentabilidade do Programa Cisternas do MDS em Parceria com a ASA (Água-Vida) Sumário Executivo Avaliação da Sustentabilidade do Programa Cisternas do MDS em Parceria com a ASA (Água-Vida) Funder-Embrapa Semiárido Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério do Desenvolvimento

Leia mais

Saneamento Básico: Pobreza, Saúde e Meio Ambiente

Saneamento Básico: Pobreza, Saúde e Meio Ambiente Saneamento Básico: Pobreza, Saúde e Meio Ambiente Antonio Rocha Magalhães CGEE Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Ex-membro da CJP de Brasilia. A Campanha da Fraternidade Ecumênica, de 2016, elegeu

Leia mais

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas Manejo Sustentável da água Conteúdo deste documento: I. Introdução à captação e armazenamento de água da chuva II. Vantagens da utilização de água da chuva III. Considerações sobre a qualidade da água

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Altera a Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007, que estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico, para incentivar a dessalinização da água do mar e das

Leia mais

Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água

Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água Projeto Tecnologias Sociais para a Gestão da Água www.tsga.ufsc.br O QUE É E COMO FUNCIONA? Trata-se de um sistema desenvolvido para captar e armazenar

Leia mais

O PROGRAMA ÁGUA PARA TODOS: FERRAMENTA PODEROSA CONTRA A POBREZA

O PROGRAMA ÁGUA PARA TODOS: FERRAMENTA PODEROSA CONTRA A POBREZA PARTE II O PROGRAMA ÁGUA PARA TODOS: FERRAMENTA PODEROSA CONTRA A POBREZA Arnoldo de Campos e Adriana Melo Alves Desde os primórdios da constituição do território brasileiro existem registros sobre a incidência

Leia mais

A PERDA DE ÁGUA POR CAUSA DA EVAPORAÇÃO

A PERDA DE ÁGUA POR CAUSA DA EVAPORAÇÃO A PERDA DE ÁGUA POR CAUSA DA EVAPORAÇÃO Evaporação potencial x precipitação em Juazeiro-BA, 1984, Mandacaru-EMBRAPA Total evaporação: 3.348,20 mm, total precipitação: 594,20 mm 400,00 350,00 328,90 352,90

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE DESSALINIZADORES DE ÁGUA SUBTERRÂNEA NO SEMIÁRIDO DO ESTADO DE PERNAMBUCO

PROJETO DE RECUPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE DESSALINIZADORES DE ÁGUA SUBTERRÂNEA NO SEMIÁRIDO DO ESTADO DE PERNAMBUCO PROJETO DE RECUPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE DESSALINIZADORES DE ÁGUA SUBTERRÂNEA NO SEMIÁRIDO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Hélida Karla Philippini da Silva; Vicente Natanael L. Silva e Marcílio Monteiro da Silva

Leia mais

DISCIPLINA: SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO PROFESSOR: CÁSSIO FERNANDO SIMIONI

DISCIPLINA: SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO PROFESSOR: CÁSSIO FERNANDO SIMIONI ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA

Leia mais

Utilização Das Tecnologias De Captação De Água De Chuva Na Região Semi-Árida Do Nordeste Brasileiro

Utilização Das Tecnologias De Captação De Água De Chuva Na Região Semi-Árida Do Nordeste Brasileiro Utilização Das De Captação De Água De Chuva Na Região Semi-Árida Do Nordeste Brasileiro Nilton de Brito Cavalcanti, Carlos Alberto Vasconcelos de Oliveira, Luiza Teixeira de Lima Brito, Geraldo Milanez

Leia mais

Excelentíssima Presidenta do Brasil, Dilma Rousseff

Excelentíssima Presidenta do Brasil, Dilma Rousseff Semiárido Brasileiro, 24 de novembro de 2010 Excelentíssima Presidenta do Brasil, Dilma Rousseff O Semiárido Brasileiro atinge cerca de 975 mil quilômetros quadrados, compreendendo 1.133 municípios de

Leia mais

Cisterna de Placa: Uma Tecnologia Social para a Convivência com o Semiárido

Cisterna de Placa: Uma Tecnologia Social para a Convivência com o Semiárido Cisterna de Placa: Uma Tecnologia Social para a Convivência com o Semiárido Adriana Karla Tavares Batista Nunes LEAL¹ Resumo O panorama atual do semiárido, diferente de décadas atrás, onde a indústria

Leia mais

Energia sustentável SEÇÃO 3. 3.1 Energia e desenvolvimento SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

Energia sustentável SEÇÃO 3. 3.1 Energia e desenvolvimento SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL SEÇÃO 3 Energia sustentável O desenvolvimento econômico baseado na queima de combustíveis fósseis está contribuindo enormemente para a mudança climática, pois a utilização destes resulta na emissão de

Leia mais

A CRISE HÍDRICA E AS AÇÕES TOMADAS PELO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

A CRISE HÍDRICA E AS AÇÕES TOMADAS PELO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A CRISE HÍDRICA E AS AÇÕES TOMADAS PELO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Jacqueline Kássia Menezes Inocente Caselli 1 História Pontifícia Universidade Católica de Campinas.Técnico em Meio Ambiente Colégio

Leia mais

VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SITUAÇÕES DE DESASTRES

VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SITUAÇÕES DE DESASTRES Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SITUAÇÕES DE DESASTRES Curso de Líderes 2008 A importância da

Leia mais

Georeferenciamento: S 06 51 57.6 W 036 24 52.4 CATEGORIA DA BOA PRÁTICA DE ATER Eixo I. Ater e Desenvolvimento Sustentável

Georeferenciamento: S 06 51 57.6 W 036 24 52.4 CATEGORIA DA BOA PRÁTICA DE ATER Eixo I. Ater e Desenvolvimento Sustentável ANEXO I a) MODELO DE INSCRIÇÃO DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: COONAP Cooperativa de Trab. Múlt. de Apoio às Organizações Autopromoção Endereço: Rua Duque de Caxias, 83 Prata Campina Grande Executora de Chamada

Leia mais

ANUAL 1200. Mesmo no período chuvoso, há grande dificuldade para ter acesso à água, pois, o. solo pedregoso do semiárido nordestino não consegue

ANUAL 1200. Mesmo no período chuvoso, há grande dificuldade para ter acesso à água, pois, o. solo pedregoso do semiárido nordestino não consegue Este manual é parte do Programa de Tecnologias Sustentáveis do Projeto No Clima da Caatinga patrocinado pela Petrobras através do Programa Petrobras Socioambiental na linha Florestas e Clima e realizado

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA DA CHUVA PARA COMUNIDADES RURAIS DO SEMIÁRIDO Laíse do Nascimento Cabral, 1 Sérgio Murilo Santos de Araújo 2

REFLEXÕES SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA DA CHUVA PARA COMUNIDADES RURAIS DO SEMIÁRIDO Laíse do Nascimento Cabral, 1 Sérgio Murilo Santos de Araújo 2 REFLEXÕES SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA DA CHUVA PARA COMUNIDADES RURAIS DO SEMIÁRIDO Laíse do Nascimento Cabral, 1 Sérgio Murilo Santos de Araújo 2 1 Mestranda - Pós-graduação Recursos Naturais - UFCG,

Leia mais

II-152 AVALIAÇÃO DA POSSIBILIDADE DE USO DA ÁGUA DE CHUVA NO CAMPUS BARIGUI DA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ

II-152 AVALIAÇÃO DA POSSIBILIDADE DE USO DA ÁGUA DE CHUVA NO CAMPUS BARIGUI DA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ II-152 AVALIAÇÃO DA POSSIBILIDADE DE USO DA ÁGUA DE CHUVA NO CAMPUS BARIGUI DA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Ana Paula Matias Schatzmann (1) Graduanda em Engenharia Ambiental pela Universidade Tuiuti do

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO RURAL: A INICIATIVA DO PROJETO ÁGUA LIMPA

SANEAMENTO BÁSICO RURAL: A INICIATIVA DO PROJETO ÁGUA LIMPA SANEAMENTO BÁSICO RURAL: A INICIATIVA DO PROJETO ÁGUA LIMPA ALMEIDA, Rozelaine Rubia Bueno D 1 Resumo: Este trabalho tem como objetivo fazer algumas considerações sobre o projeto de saneamento rural Água

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS Desenvolver ações educativas e de mobilização social é disseminar informações visando o controle de doenças e agravos à saúde e fomentar nas pessoas o senso de responsabilidade

Leia mais

Casas Estufas Sustentáveis através da Captação de Água da Chuva Experiência Chinesa e Indiana

Casas Estufas Sustentáveis através da Captação de Água da Chuva Experiência Chinesa e Indiana CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA SUSTENTABILIDADE DE ÁREAS RURAIS E URBANAS TECNOLOGIAS E CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA TERESINA, PI, DE 11 A 14 DE JULHO DE 2005 Casas Estufas Sustentáveis através da

Leia mais

Palavras-Chave: Barragem subterrânea; Participação.

Palavras-Chave: Barragem subterrânea; Participação. Título do Trabalho: Barragem Subterrânea: uma alternativa de convivência com o semi-árido e a participação das comunidades rurais do sertão pernambucano. Tema: Recursos Hídricos Autora: Luciana Cibelle

Leia mais

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) IMPLANTAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS: PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA INTEGRADA SUSTENTÁVEL- PAIS (HORTA MANDALA), CISTERNA E FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA COMO MEIO DE SUSTENTABILIDADE PARA AGRICULTURA FAMILIAR. Área

Leia mais

USO E FUNCIONAMENTO DE CISTERNAS E DIREITO À ÀGUA: UM ESTUDO EM MUNICÍPIOS DO SEMIÁRIDO BAIANO

USO E FUNCIONAMENTO DE CISTERNAS E DIREITO À ÀGUA: UM ESTUDO EM MUNICÍPIOS DO SEMIÁRIDO BAIANO USO E FUNCIONAMENTO DE CISTERNAS E DIREITO À ÀGUA: UM ESTUDO EM MUNICÍPIOS DO SEMIÁRIDO BAIANO Patrícia Campos Borja Engenheira Sanitarista e Ambiental (EP/UFBA). M.Sc. em Arquitetura e Urbanismo (FA/UFBA).

Leia mais

Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62?

Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62? A QUALIDADE DA ÁGUA E OS IMPACTOS NA QUALIDADE DO LEITE Como o cuidado coma água pode contribuir para atender o padrão de qualidade exigido no leite pela Instrução Normativa 62? Clique para editar o estilo

Leia mais

Eixo Norteador: A função social da ciência, ecologia de saberes e outras experiências de produção compartilhada de conhecimento.

Eixo Norteador: A função social da ciência, ecologia de saberes e outras experiências de produção compartilhada de conhecimento. CAPA: 2º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SAÚDE & AMBIENTE 19-22 de outubro de 2014 Sessão Oral Coordenada Eixo Norteador: A função social da ciência, ecologia de saberes e outras experiências de produção compartilhada

Leia mais

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL MS TAC 4000 REV.02 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE TRATAMENTO PARA REUSO....

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

FOMENTO A IMPLANTAÇÃO DE BANCOS DE PROTEINA PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NO PERÍODO SECO

FOMENTO A IMPLANTAÇÃO DE BANCOS DE PROTEINA PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NO PERÍODO SECO FOMENTO A IMPLANTAÇÃO DE BANCOS DE PROTEINA PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NO PERÍODO SECO APRESENTAÇÃO: A região Semi-árida é caracterizada de um modo geral pela aridez do clima, deficiência hídrica, precipitações

Leia mais

INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO

INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO De 30 de janeiro de 2014 Simpósio Riquezas e Problemas do Semiárido chega ao fim Na próxima sexta-feira, dia 31, chega ao

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco.

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. I A INTEGRAÇÃO REGIONAL NO BRASIL OBJETIVOS Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. Assunto 5: O PROJETO CISTERNAS E A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO

Leia mais

I-115 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA DA CIDADE DE FLORIANÓPOLIS - SC.

I-115 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA DA CIDADE DE FLORIANÓPOLIS - SC. I-115 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA DA CIDADE DE FLORIANÓPOLIS - SC. Reginaldo Campolino Jaques (1) Engenheiro Sanitarista e Ambiental pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Mestre

Leia mais

1. Apresentação. Sumário Executivo

1. Apresentação. Sumário Executivo Sumário Executivo Avaliação Ambiental da Performance do Programa Cisternas do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) em Parceria com a ASA: Índice de Sustentabilidade Ambiental ISA.

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais