A plataforma de negócios para promover investimentos e o progresso do setor de saneamento no Brasil.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A plataforma de negócios para promover investimentos e o progresso do setor de saneamento no Brasil."

Transcrição

1 30 e 31 de janeiro & 1 de fevereiro de 2012 WTC Convention Center, São Paulo Sobre o Evento APOIOS INSTUTUCIONAIS: A plataforma de negócios para promover investimentos e o progresso do setor de saneamento no Brasil. Organização: Parte do: Eventos Co-alocados:

2 Participações Confirmadas: Leodegar da Cunha Tiscoski Secretário Nacional de Saneamento Ambiental MINISTÉRIO DAS CIDADES Paulo Roberto de Oliveira ABCON José Luiz Lins dos Santos ABAR Yves Besse CAB AMBIENTAL Carlos Roberto Vieira da Silva Filho Diretor Executivo ABRELPE Diógenes Del Bel ABETRE Marcelo Salles Holanda Freitas Diretor de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente SABESP Édison Carlos Executivo TRATA BRASIL André Vilhena Diretor Executivo CEMPRE Giuliano Dragone Diretor de Tecnologia e Sustentabilidade CAB AMBIENTAL Marcelo Gaio Superintendente de Gestão de Energia COPASA

3 APOIOS INSTITUCIONAIS APOIOS DE MÍDIA:

4 Programação Preliminar InfraSaneamento, Recursos Hídricos e Resíduos Sólidos 1 Pela primeira vez os setores de Saneamento e Resíduos Sólidos serão abordados em igual importância aos outros segmentos da infraestrutura no InfraBrasil Expo& 2012 em reconhecimento à relevância estratégica deste mercado para o crescimento sustentável do país. Sendo assim, o setor que ao longo de décadas foi colocado em segundo plano em detrimento de outros segmentos da infraestrutura, encontrará espaço em destaque no InfraBrasil Saneamento, Recursos Hídricos e Resíduos Sólidos O Congresso terá dois momentos: o primeiro dia que discutirá uma agenda política e estratégica com autoridades e entes privados que abordarão assuntos voltados para investimentos e financiamentos, aspectos regulatórios e cenários de discussões em torno de planos de ação para cada um dos setores. O segundo dia de evento passará de uma agenda estratégica para uma agenda voltada para inovações e tecnologias de ponta para os setores. Serão apresentados cases de sucesso nacionais e internacionais que demonstrarão o estado da arte em tecnologias de equipamentos, sistemas, técnicas de construção e manutenção, além de soluções inovadoras que vão desde novos sistemas para estruturas convencionais para o setor de saneamento, até soluções para a melhor gestão de resíduos sólidos. Neste formato diferenciado é que reuniremos todos os players dos setores de saneamento, recursos hídricos e resíduos sólidos para traçar agendas e discussões que serão extremamente relevantes para o fortalecimento destes mercados sob o ponto de vista estratégico e técnico. Veja abaixo uma prévia de como funcionará esta agenda: Dia 1 30/01/2012 Manhã & Tarde SESSÃO PLENÁRIA O papel do Estado como promotor do desenvolvimento da infraestrutura no Brasil e as estratégias traçadas pelo Governo para incentivar investimentos privados nacionais e estrangeiros A visão dos grandes usuários para debater sobre as necessidades do setor privado e a disposição para investimento A visão dos investidores: receios, desafios e oportunidades Os desafios da implantação da intermodalidade no Brasil e os caminhos traçados para superá-los CONGRESSOS SETORIAIS Dia 2 31/01/2012 Manhã & Tarde Ferrovias Rodovias PAINÉIS EXECUTIVOS Aeroportos Portos Transportes Públicos Urbanos Saneamento PAINÉIS TÉCNICOS Dia 3 01/02/2012 Manhã & Tarde Ferrovias Rodovias Aeroportos Portos Transportes Públicos Urbanos Saneamento + Congresso de Tecnologias para Jogos Esportivos: Iluminação, Técnicas Construtivas e Acesso e Segurança 1 Agenda Preliminar sujeita a alterações

5 Quem você encontrará no InfraBrasil Saneamento, Recursos Hídricos e Resíduos Sólidos 2012? Setores 5% 10% 5% 2% 30% Prefeituras e Governos Estaduais Operadoras Públicas e Privadas de Saneamento Engenharia e Projetos 18% Equipamentos e Softwares 30% Bancos e Instituições Financeiras Associações Outros Hierarquia 18% 12% 30% Presidência e Vice-presidência Diretoria Executiva 20% 20% Diretoria de Engenharia e Tecnologia Diretoria de Novos Negócios / Comercial Outros

6 31 de Janeiro de 2012 Terça Feira Manhã Sessões Executivas O tema do saneamento no Brasil se tornou um dos principais temas na agenda política e estratégica do governo e da iniciativa privada. Sem saneamento não há como formar uma plataforma sólida para o desenvolvimento do páis. Discutir isoladamente o tema de saneamento sem incluir a gestão dos recursos hídricos e a gestão dos resíduos sólidos não faz sentido para uma análise completa dos desafios e oportunidades que os três segmentos apresentam. O InfraSaneamento, Recursos Hidrícos e Resíduos Sólidos serão abordados em painéis que discutirão especificamente suas políticas públicas, desafios e oportunidades no InfraBrasil Traçar um caminho que vislumbre a definição de políticas estruturais, transparência regulatória e estratégias claras de investimentos para que os projetos sejam viabilizados e conduzidos de maneira eficiente é o grande objetivo deste evento. Tecnologias inovadoras de gestão, controle e manutenção que visam a maximização de eficiência, minimização de perdas e melhor gestão dos recursos serão apresentadas e expostas nas sessões técnicas que sucederão a sessão executiva do evento. POLÍTICAS PÚBLICAS: SANEAMENTO, RECURSOS HÍDRICOS e RESÍDUOS SÓLIDOS 9h30 APRESENTAÇÃO ESPECIAL: O Planejamento Nacional de Saneamento Ambiental e a Destinação de Investimentos para o Setor O Plano Nacional de Saneamento Básico PLANSAB: finalidade, objetivos e metas Financiamentos federais para companhias prestadoras de serviço, estados e municípios Como impulsionar a universalização dos serviços de saneamento: o PAC 2 e o marco regulatório Investimentos do PAC 3 em saneamento: projetos voltados para diminuição de perdas Leodegar da Cunha Tiscoski Secretário Nacional, Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental MINISTÉRIO DAS CIDADES CONFIRMADO 10h00 PAINEL: Os Avanços da Primeira Fase do Plano Nacional de Recursos Hídricos Como funciona o programa de recursos hídricos no Brasil A evolução da gestão dos recursos hídricos com o advento do PNRH Como está sendo realizada a integração dos setores usuários de recursos hídricos com o programa avanços e desafios Aspectos de valoração econômica da água Julio Tadeu Kettelhuti Gerente do Departamento de Recursos Hídricos MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Vicente Andreu Guillo Diretor- ANA (AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS) 10h30 COFFEE BREAK 11h00 PAINEL ESTRATÉGICO: A Política Nacional de Resíduos Sólidos com as Novas Obrigações e Alternativas de Cooperação entre o Poder Público e a Iniciativa Privada

7 As alterações jurídicas do novo modelo de gestão dos resíduos sólidos e os reflexos para os contratos já em vigor A responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida do produto: municípios x fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes e consumidores Modelos de negócios para o setor privado: quais são os incentivos? Municípios: a busca por novos recursos para a concessão tradicional de serviços e Parcerias Público-Privadas (PPP) Diógenes Del Bel ABETRE (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS) CONFIRMADO André Vilhena Diretor Executivo CEMPRE (COMPROMISSO EMPRESARIAL PARA A RECICLAGEM) CONFIRMADO Carlos Roberto Vieira da Silva Filho Diretor Executivo ABRELPE (ASSOCIAÇÃO DE EMPRESAS DE LIMPEZA PÚBLICA E RESÍDUOS ESPECIAIS) CONFIRMADO Nabil Georges Bonduki Secretário de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE 12h30 ALMOÇO 31 de Janeiro de 2012 Terça Feira Tarde Sessões Executivas CENÁRIO REGULATÓRIO: SANEAMENTO 13h30 PAINEL DE DEBATES: A Evolução do Ambiente Regulatório no Setor de Saneamento e os Reflexos para as Companhias Prestadoras de Serviços: Mudanças, Desafios e Planejamento O planejamento das companhias de saneamento frente ao cenário de regulação: adaptação e mudança de posicionamento frente ao planejamento Os desafios da operacionalização do marco regulatório Reflexões e comentários da Lei /07 Critérios adotados pelo órgão regulador para fiscalização e aplicação de penalidades: a importância de se estabelecer um processo de transparência junto às companhias de saneamento A modalidade de concessões após as definições do marco regulatório e a renovação de concessões Édison Carlos Executivo TRATA BRASIL CONFIRMADO José Luiz Lins dos Santos ABAR (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGÊNCIAS REGULADORAS) CONFIRMADO Haroldo Rodrigues Paulo Roberto de Oliveira

8 ARCE (AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS PÚBLICOS DO CEARÁ) ABCON (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS CONCESSIONÁRIAS PRIVADAS DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ÁGUA E ESGOTO) CONFIRMADO INVESTIMENTOS PRIVADOS PARA SANEAMENTO 14h30 TROCA DE EXPERIÊNCIAS: A Experiência das Operadoras Privadas de Saneamento Frente às Oportunidades do Mercado Brasileiro: Mercado de Capitais, Investimentos e Retornos O cenário atual é bastante favorável à participação da iniciativa privada na prestação dos serviços de saneamento básico, uma vez que se estabeleceu um sólido arcabouço jurídico e institucional e a diminuição de riscos políticos. Atualmente, a participação da iniciativa privada encontra-se em expansão, seja atuando como concessionária dos serviços ou mediante parcerias com entidades públicas, no regime da Lei de PPP ou viabilizando empreendimentos específicos, tais como: construção e operação de estações de tratamento de esgoto e de água, implantação e operação de aterro sanitário. Esta sessão tem como objetivo trazer a experiência de dois entes privados que estão investindo estrategicamente no setor de saneamento e conhecer quais são as oportunidades que este mercado apresenta A Experiência da CAB Ambiental: Como a CAB Ambiental tem conduzido seu negócio como um operador privado no setor de saneamento: sucessos, dificuldades, desafios e oportunidades Yves Besse CAB AMBIENTAL CONFIRMADO A Experiência da PROLAGOS: Planos de Negócios, Perspectivas e Desafios Paula Medina PROLAGOS 15h30 COFFEE BREAK INVESTIMENTOS E DESAFIOS DE CAPTAÇÃO PARA PROGRAMAS DE SANEAMENTO 16h00 PAINEL DE FUNDING: O Acesso aos Recursos Públicos voltados para Programas de Saneamento e os Desafios de Captação As operadoras privadas e públicas dispõem de diversas opções de acesso a recursos para iniciativas de saneamento, como a linha do FGTS do Programa Saneamento para Todos - Mutuários Privados, via Caixa Econômica Federal, além de operações financeiras por meio de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC, Emissão de Debêntures, Certificados de Recebíveis Imobiliários CRI e linhas de financiamento de agências de fomento como o BID e IFC. Neste painel, cada um dos representantes discutirá sobre os processos e requisitos de captação e viabilização de recursos para programas de saneamento e quais são as grandes dificuldades que as operadoras enfrentam no processo de captação.

9 Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de Saneamento e Infraestrutura CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Rogério Pilotto Investment Officer Infrastructure INTERNATIONAL FINANCE CORPORATION Rui Affonso CFO SABESP 17h30 Encerramento das Sessões Executivas do Infra Saneamento, Recursos Hídricos e Resíduos Sólidos º de Fevereiro de 2012 Quarta Feira Manhã Sessões Técnicas

10 Em razão das mudanças estruturais que ocorreram nos últimos anos com a abertura do mercado e um novo ambiente regulatório, as empresas e companhias de saneamento, juntamente com prestadoras de serviços para o setor, se inseriram em um ambiente mais competitivo e dinâmico. Para manter ou elevar suas posições no mercado, as empresas prestadoras de serviços voltadas para o saneamento, gestão de recursos hídricos e gestão de resíduos sólidos necessitam, inevitavelmente, buscar por inovações tecnológicas. O objetivo desta sessão é equipar engenheiros e técnicos de operadores privados e públicos, pesquisadores, engenheiros e técnicos de prefeituras e secretarias de saneamento com as últimas tendências de inovações tecnológicas sob uma abordagem prática por meio de apresentação de estudos de caso. Conheça as ações para o gerenciamento estratégico da distribuição de água com a implantação de programas de manutenção do sistema através da automação. Analise equipamentos e softwares de processamento de dados que tornarão mais dinâmico o processo de medição de consumo e identificação de perdas no sistema, um problema que afeta grande parte das operadoras. Ainda nesta sessão, conheça técnicas inovadoras e projetos de sucesso voltados para o aproveitamento de águas pluviais, tratamento de esgotos e gestão de resíduos sólidos. ÁGUAS 9h30 PAINEL: Soluções e Tecnologias para Tratamento de Água O mapeamento das necessidades tecnológicas das operadoras de saneamento e as possíveis soluções As particularidades dos sistemas de cidades de portes variados: como diferenciar as necessidades de maneira estratégica Estado da arte de tecnologias e seus impactos na qualidade dos serviços prestados: como capitalizar mais utilizando tecnologias de ponta Avanços e inovações nos sistemas convencionais de tratamento de água: aplicações práticas com resultados pontuais Paulo Massato Diretor Metropolitano SABESP CASE 1: Tecnologia de Membranas para Aumentar a Eficiência dos Processos de Tratamentos de Águas Uma das tecnologias mais avançadas para tratamento de águas que está sendo atualmente utilizada é a tecnologia de membranas. Através de projetos de sucesso, analise os benefícios e melhores aplicações deste tipo de tecnologia para o tratamento de água. O processo de implementação das membranas em Estações de Tratamento de Água (ETA) Resultados práticos: os resultados na qualidade da água Benefícios Este tipo de tecnologia é possível ser aplicado em todos os tipos de sistemas CASE 2: Inovações e Avanços para os Sistemas Convencionais para Tratamento de Água Em cidades do país onde não existe a possibilidade de se realizar grandes investimentos em tecnologias de ponta para tratamento de água, estão sendo desenvolvidas técnicas mais elaboradas para os sistemas convencionais. Discuta com especialistas quais são os avanços e aplicações das novas tecnologias para a otimização dos sistemas convencionais O funcionamento dos sistemas convencionais As adaptações que estão sendo feitas para a melhoria do sistemas Técnicas de otimização Resultados e benefícios

11 de saneamento? 10h30 COFFEE BREAK 11h00 PAINEL: Controle e Gestão de Perdas no Sistema de Distribuição Análise do atual cenário de perdas no sistema de distribuição de água no Brasil: números e comparativos Os tipos de perdas no sistema: falhas técnicas, fraudes, entre outros Ações de sucesso na fiscalização de fraudes no sistema Técnicas de monitoramento da distribuição de água Inovações de metodologias de controle de perdas Programas de conscientização da população sobre o consumo da água Marcelo Salles Holanda de Freitas Diretor de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente SABESP CONFIRMADO Giuliano Dragone Diretor de Tecnologia e Sustentabilidade CAB AMBIENTAL CONFIRMADO CASE 1: Novas Ferramentas de Gestão Para Controle de Perdas Diagnóstico e story line do problema Identificação e pesquisa de metodologias de controle de perdas Ferramentas para tornar o processo de distribuição mais eficiente Os resultados obtidos pela implementação de sistemas inteligentes para a otimização das operações de saneamento CASE 2: Automação de Processos para Controle de Perdas Case sobre automação em sistemas de tratamento de água em Limeira, Manaus ou Palestina. Detalhamento do projeto de automação Soluções encontradas e tecnologias que foram utilizadas para automação do processo de controle de perdas As adaptações inovadoras em sistemas tradicionais Dúvidas e benefícios dessas práticas Giuliano Dragone Diretor de Tecnologia e Sustentabilidade CAB AMBIENTAL CONFIRMADO CASE 3: Eficiência Operacional: Sistemas de Controle e Gestão de Perdas na Rede Apresentação do impacto da perda de água na rede Soluções encontradas para o problema As práticas inovadoras para o combate ao desperdício no sistema Os benefícios para a operadora e meio ambiente 12h30 ALMOÇO 1º de Fevereiro de 2012 Quarta Feira

12 Tarde Sessões Técnicas 13h30 PAINEL: Reuso das Águas: Soluções e Sistemas para o Aproveitamento de Águas Pluviais A água de chuva pode ser utilizada para usos não nobres. A viabilidade técnica e econômica do sistema pode ser comprovada em projetos de sucesso. Jair Otero Peixoto Diretor de Engenharia CEDAE CASE 1: Tecnologias e Técnicas para o Reuso de Águas Pluviais Dúvidas e questões sobre o uso da água de reuso Estado da arte em tecnologias de tratamento de água para reuso Onde há possibilidade de implementar esses equipamentos? CASE 2: Sistemas de Tratamento de Esgoto para Reutilização da Água Metodologias para tratamento de esgoto A tecnologia para a fabricação de água de reuso para processos industriais e/ou agrícolas. Case: a Petrobras está construindo uma refinaria que utilizará água de reuso A parceria Petrobras X Foz do Brasil ESGOTOS 14h30 PAINEL: Tecnologias e Técnicas Inovadoras para Sistemas de Tratamento de Esgotos A importância do tratamento de esgoto para preservação do meio ambiente e as vantagens para saúde pública Defasagens e necessidades tecnológicas das operadoras de saneamento no Brasil Opções de tecnologias para serem aplicadas no tratamento de esgotos Resultados de melhorias com a utilização de tecnologias de tratamento Lauro Péricles Gonçalves SANASA CASE 1: Tecnologia de Membranas para Aumentar a Eficiência dos Processos de Tratamentos de Esgotos Tecnologia de ponta que já é utilizada pela indústria, mas está sendo implementada por operadoras de saneamento. A SANASA (Operadora Municipal Campinas) está construindo uma nova Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) que utilizará as Membranas fornecidas pela GE Water. Campinas será a primeira cidade do Brasil com mais de 1 milhão de habitantes a ter 100% do esgoto tratado. A qualidade da água tratada por tecnologia de membranas CASE 2: Estações Compactas de Tratamento de Esgoto Quais são os benefícios sustentáveis desses sistemas? Quais obras de infraestrutura podemos implementar esses equipamentos? Como foram desenhados os projetos Os desafios da implementação de estações compactas Benefícios e resultados

13 A comparação de membranas e os sistemas tradicionais Quais municípios e Operadoras de Saneamento estão interessados nessa tecnologia? 15h30 COFFEE BREAK RESÍDUOS SÓLIDOS 16h00 PAINEL: Coleta, Tratamento e Destinação de Resíduos: Tecnologias de Ponta O que está sendo feito para minimizar os efeitos dos resíduos no meio ambiente? Tecnologias disponíveis Projetos de grandes empresas nacionais na coleta e reciclagem utilizando inovações O reuso de resíduos na geração de energia e na agricultura: como gerar eficiência a partir do reuso? As experiências que derem certo, as tecnologias que foram aplicadas. O que mais pode ser feito? Wagner Carvalho Gestor de Engenharia PROLAGOS Marcelo Gaio Superintendente de Gestão de Energia COPASA CONFIRMADO CASE 1: O Projeto da Prolagos para o Reuso da Água de Lavagem dos Filtros e Tratamento e Desidratação do Lodo da Estação de Tratamento de Água (ETA) Juturnaíba Sustentabilidade nas operações de saneamento básico no país: reuso e tratamento de resíduos Os resultados CASE 2: Case ETE Arrudas da COPASA: As Tecnologias para Tratamento e Secagem do Lodo em Processos de Tratamento de Esgoto A implementação de equipamentos para tratamento e secagem do logo na ETE Arrudas, MG A geração de energia através da utilização desse resíduos Marcelo Gaio Superintendente de Gestão de Energia COPASA CONFIRMADO CASE 3: Coleta e destinação dos resíduos industriais As ações de empresas que estão inovando no gerenciamento de resíduos Descrição de sistemas e os resultados obtidos 17h30 Encerramento das Sessões Técnicas do InfraSaneamento, Recursos Hídricos e Resíduos Sólidos 2012

Hotel e Golf Clube dos 500 Guaratinguetá SP

Hotel e Golf Clube dos 500 Guaratinguetá SP Hotel e Golf Clube dos 500 Guaratinguetá SP APOIO e INCENTIVO APOIO INSTITUCIONAL APOIO DE MÍDIA ORGANIZAÇÃO GERAL E REALIZAÇÃO APRESENTAÇÃO Ao longo da década de 90, cresceu no País a idéia de que o Estado

Leia mais

POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RILEY RODRIGUES Conselho Empresarial de Infraestrutura Sistema FIRJAN Principais desafios Os programas precisam ser estruturados, dentro de seus setores, como

Leia mais

81º ENIC Encontro Nacional da Indústria da Construção. PAINEL Saneamento: Desafios para a Universalização

81º ENIC Encontro Nacional da Indústria da Construção. PAINEL Saneamento: Desafios para a Universalização 81º ENIC Encontro Nacional da Indústria da Construção PAINEL Saneamento: Desafios para a Universalização Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de Saneamento e Infra-estrutura Rio de Janeiro,

Leia mais

A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a questão dos Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Rio de Janeiro. Quanto à origem Sujeitos à lei

A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a questão dos Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Rio de Janeiro. Quanto à origem Sujeitos à lei A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a questão dos Resíduos Sólidos Urbanos no Estado do Rio de Janeiro. A política Nacional de resíduos sólidos é muito importante na história do gerenciamento de

Leia mais

APRESENTAÇÃO. 18 a 20 de maio de 2010 Clube de Engenharia - Rio de Janeiro RJ

APRESENTAÇÃO. 18 a 20 de maio de 2010 Clube de Engenharia - Rio de Janeiro RJ 18 a 20 de maio de 2010 Clube de Engenharia - Rio de Janeiro RJ APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada recentemente pelo Instituto Trata Brasil em parceria com o Centro de Políticas Sociais da Fundação Getulio

Leia mais

4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão

4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão 4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão Painel 2 - Gestão, operação e capacitação para enfrentar os desafios do saneamento e enfrentar a crise hídrica 01 de Outubro de 2015 Agenda Desafios no Setor de

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DA P.N.R.S.? Engo. Eleusis Di Creddo Gerente de Meio Ambiente e Destinação Final SOLVI PARTICIPAÇÕES S.A. ecreddo@solvi.com Realização:

Leia mais

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV)

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) II Workshop Construindo o diagnóstico dos RCCV e RSS

Leia mais

1º Seminário de Saneamento Básico da FIESP

1º Seminário de Saneamento Básico da FIESP 1º Seminário de Saneamento Básico da FIESP Painel III Investimentos em infraestrutura de saneamento básico O papel do setor privado Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de Saneamento e Infraestrutura

Leia mais

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e logística reversa Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Relatório da Pesquisa Pagamento por Serviços Ambientais

Leia mais

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS, DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS, DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS, DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO 20 de abril de 2010 Auditório da FIRJAN RIO DE JANEIRO RJ APRESENTAÇÃO As fortes inundações ocorridas neste verão de 2010, provocadas

Leia mais

Novos Modelos Organizacionais dos Municípios. Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae)

Novos Modelos Organizacionais dos Municípios. Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae) Novos Modelos Organizacionais dos Municípios Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae) 2 Características do modelo Autarquia em regime especial; Autonomia e independência decisória e decisão

Leia mais

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro.

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Nós, membros do poder público, usuários e sociedade civil organizada, estudantes e profissionais da educação, reunidos

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente A Lei e Políticas Públicas de de Resíduos Sólidos

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

Capacitação das empresas de tecnologias e fabricantes de água e esgoto por nossas associadas. Palestrante: Valdir Folgosi

Capacitação das empresas de tecnologias e fabricantes de água e esgoto por nossas associadas. Palestrante: Valdir Folgosi Capacitação das empresas de tecnologias e fabricantes de água e esgoto por nossas associadas Palestrante: Valdir Folgosi Maio-2010 Índice Abimaq / Sindesam Relação do nosso setor com o setor industrial

Leia mais

PROPOSTA E ORIENTAÇÃO PARA A REESTRUTURAÇÃO DAS POLÍTICAS DE RESÍDUOS

PROPOSTA E ORIENTAÇÃO PARA A REESTRUTURAÇÃO DAS POLÍTICAS DE RESÍDUOS PROPOSTA E ORIENTAÇÃO PARA A REESTRUTURAÇÃO DAS POLÍTICAS DE RESÍDUOS Texto de apoio à discussão sobre o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos do município de Osasco Secretaria de Planejamento

Leia mais

Política Estadual de Resíduos Sólidos e Programa Metropolitano de RSU

Política Estadual de Resíduos Sólidos e Programa Metropolitano de RSU Política Estadual de Resíduos Sólidos e Programa Metropolitano de RSU Programa Metropolitano de Resíduos Sólidos Política Estadual de Resíduos Sólidos Procedimento de Manifestação de Interesse Programa

Leia mais

Resíduos Sólidos Urbanos e Saneamento Ambiental

Resíduos Sólidos Urbanos e Saneamento Ambiental Resíduos Sólidos Urbanos e Saneamento Ambiental 21 e 22 de maio, Hotel Mercure Paulista, São Paulo - SP Apresentação: Na sua caminhada para o desenvolvimento, o Brasil tem ainda um déficit muito grande

Leia mais

O reuso de água na visão do investidor. Uso da tecnologia e inovação em tempos de falta de recursos. Armando Iazzetta

O reuso de água na visão do investidor. Uso da tecnologia e inovação em tempos de falta de recursos. Armando Iazzetta O reuso de água na visão do investidor Uso da tecnologia e inovação em tempos de falta de recursos Armando Iazzetta 1. O Investidor 2. O Negócio 3. A Importância do Reuso 4. Próximos Passos Odebrecht Properties

Leia mais

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO CÂMARA DOS DEPUTADOS Daniela Arantes Alves Lima Eduardo Carvalho Departamento de Economia Solidária Brasília,

Leia mais

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável nos núcleos rurais com mais de 10 economias nas áreas quilombolas nas áreas indígenas Planilha de Objetivos, Indicadores e Ações Viabilizadoras GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: "Que até

Leia mais

Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE. Edição 26/03/08

Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE. Edição 26/03/08 Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE Edição 26/03/08 1 Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

Índice. Recursos Financeiros destinados a Limpeza Urbana... 07. Formas de Arrecadação... 09. Orçamento Municipal... 10

Índice. Recursos Financeiros destinados a Limpeza Urbana... 07. Formas de Arrecadação... 09. Orçamento Municipal... 10 Carlos Rossin Índice 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. Recursos Financeiros destinados a Limpeza Urbana... 07 Formas de Arrecadação... 09 Orçamento Municipal... 10 Agentes executores dos serviços... 13 Regulamentações...

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

1 Abastecimento de água potável

1 Abastecimento de água potável Objetivo Indicador Métrica Propostas Prazo Entraves Índice de atendimento urbano de água Planilha de Objetivos, Indicadores e GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: Que até 2020 Santa Maria esteja

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

O PAPEL DO MUNICÍPIO NA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS

O PAPEL DO MUNICÍPIO NA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS REALIZAÇÃO: O PAPEL DO MUNICÍPIO NA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS O Município é estratégico na gestão dos resíduos sólidos. As atividades geradoras e de gestão de resíduos se desenvolvem no âmbito local.

Leia mais

PLANO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM DESAFIO COM MAIS OPORTUNIDADES

PLANO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM DESAFIO COM MAIS OPORTUNIDADES PLANO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM DESAFIO COM MAIS OPORTUNIDADES Gustavo Luiz Araújo Souto BATISTA 1, Gustavo Fontes de SOUSA 1, Aristóteles Santos LIRA 1, Felipe Fernandes Duarte de Oliveira LIMA

Leia mais

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Legislação Conceitos Atores Mobilização Social Reavaliação Prazos 1 LEGISLAÇÃO Constituição Federal Art. 23 É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal

Leia mais

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Introdução O Plano Nacional de Resíduos Sólidos é um

Leia mais

USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Pontos Principais... A Sabesp tem compromisso com a política pública e com critérios de eficiência de mercado O novo marco regulatório do saneamento encerra

Leia mais

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas Odair Luiz Segantini ABRELPE Introdução A ABRELPE ABRELPE Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, fundada

Leia mais

Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí

Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí O que é? O Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí é uma associação de direito privado, sem

Leia mais

VIII Encuentro Empresarial Iberoamerican. Sesión 4. Eliminando el déficit de infraestructuras

VIII Encuentro Empresarial Iberoamerican. Sesión 4. Eliminando el déficit de infraestructuras VIII Encuentro Empresarial Iberoamerican Sesión 4. Eliminando el déficit de infraestructuras Dilma Pena Presidente, SABESP, Empresa de Água de São Paulo, Brasil 1. Contexto brasileiro Noventa e um milhões

Leia mais

Ata da 2ª Reunião do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC

Ata da 2ª Reunião do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC Ata da 2ª Reunião do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC Data: 18/04/2013 Horário: 14 às 17h30 Local: Sede do Sistema FIESC Objetivo do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC: Incrementar e Promover

Leia mais

Situação do saneamento básico no País 3 anos após a aprovação da Lei 11.445

Situação do saneamento básico no País 3 anos após a aprovação da Lei 11.445 Situação do saneamento básico no País 3 anos após a aprovação da Lei 11.445 Yves Besse Agosto 2010 ABCON Fundação 1996 Associação brasileira das concessionárias privadas de serviço público de água e esgoto

Leia mais

Companhia de Saneamento de Minas Gerais

Companhia de Saneamento de Minas Gerais Planejam Estratégico 14,5x21 8/9/03 16:39 Page 2 Companhia de Saneamento de Minas Gerais Planejam Estratégico 14,5x21 8/9/03 16:39 Page 4 Planejamento Estratégico Aprovado pelo Conselho de Administração

Leia mais

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Qualidade do Gasto Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA DO PARNAÍBA. PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA E A HIDROVIA DO PARNAÍBA Alternativas de Estruturação

SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA DO PARNAÍBA. PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA E A HIDROVIA DO PARNAÍBA Alternativas de Estruturação SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA DO PARNAÍBA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA E A HIDROVIA DO PARNAÍBA Alternativas de Estruturação 06 de maio de 2009 PARCERIA PUBLICO-PRIVADA AGENDA 1. PROCESSO DE ESTRUTURAÇÃO DAS

Leia mais

1 Abastecimento de água potável

1 Abastecimento de água potável Objetivo Indicador Métrica Propostas Prazo Entraves Índice de atendimento urbano de água Planilha de Objetivos, Indicadores e GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: Que até 2020 Santa Maria esteja

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

Proposta de Patrocínio

Proposta de Patrocínio 2ª Edição Congresso Oficial: 11 a 13 de novembro de 2014 - Expo Center Norte Pavilhão Vermelho Proposta de Patrocínio Patrocínio: Empresa Parceira Realização: Apoio: Sobre o Evento Com o crescimento da

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

APOIO REALIZAÇÃO. www.abes-dn.org.br Tel: +55 (21) 2210-3221 / Fax: +55 (21) 2262-6838 - sibesa@abes-dn.org.br

APOIO REALIZAÇÃO. www.abes-dn.org.br Tel: +55 (21) 2210-3221 / Fax: +55 (21) 2262-6838 - sibesa@abes-dn.org.br Data: 12/02/2010 Boletim Informativo nº 1 28 fev - 03 mar, 2010 Ritz Lagoa da Anta Urban Resort Maceió, AL - Brasil Veja aqui a programação dos paínéis e visitas técnicas Waste Management: Challenges and

Leia mais

Contextualização Constituição Federal de Constituição Federal 1988: de 1988:

Contextualização Constituição Federal de Constituição Federal 1988: de 1988: Plano Intermunicipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PIGIRS Arcabouço legal Constituição Federal de 1988: Artigo 225 Lei Federal Nº 11.445/2007 e Decreto Federal Nº 7.217/2010; Lei Federal Nº 12.305/2010

Leia mais

EIXO X TEC E NOLÓ L GICO C GOIÂNIA - ANÁPOLIS

EIXO X TEC E NOLÓ L GICO C GOIÂNIA - ANÁPOLIS EIXO TECNOLÓGICO GOIÂNIA -ANÁPOLIS CONCEITO Projeto de Desenvolvimento Regional Desenvolvimento Tecnológico Indução de Estruturação do Espaço Regional Conceito CONCEITUAÇÃO DA PROPOSTA CONCEITO 1 -PROJETO

Leia mais

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, AÇÃO URBANA E FUNDAÇÃO BENTO RUBIÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro Ana

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

22 e 23 de março de 2006 - Melia Confort Paulista, São Paulo. Com a participação de:

22 e 23 de março de 2006 - Melia Confort Paulista, São Paulo. Com a participação de: Seminário Obtenha Melhor Performance e Segurança em Seus Projetos com a Utilização do SEGURO GARANTIA 22 e 23 de março de 2006 - Melia Confort Paulista, São Paulo Reduza custos com os financiamentos bancários

Leia mais

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS setembro 2013 As proposições elencadas neste documento originam-se

Leia mais

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL Palavras-chave: Efluentes industriais, tecnologia ambiental, controle de poluição. 1 Introdução O mercado de tecnologias ambientais no Brasil, principalmente

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

1º SEMINÁRIO DA AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO

1º SEMINÁRIO DA AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO 1º SEMINÁRIO DA AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO Gestão de resíduos sólidos impactos ambientais negativos BASE LEGAL 1/2 Lei 11.107/05 - Consórcios Públicos

Leia mais

2ª Conferência Latinoamericana de Saneamento

2ª Conferência Latinoamericana de Saneamento 2ª Conferência Latinoamericana de Saneamento PAINEL 6: Financiamento para Gestão Sustentável dos Serviços Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de Saneamento e Infra-estrutura Foz do Iguaçu,

Leia mais

MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo)

MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo) CÂMARA DOS DEPUTADOS MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo) Aviso nº 603/2009 C. Civil Submete à deliberação do Congresso Nacional o Texto do Acordo Geral de Cooperação entre o Governo da República

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

AVALIAÇÃO SOBRE OS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO BRASIL

AVALIAÇÃO SOBRE OS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO BRASIL AVALIAÇÃO SOBRE OS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO BRASIL Teresina, Junho de 2015 2 Três pontos... 1. O Brasil está atrasado em saneamento... 2. Investimento atual em saneamento

Leia mais

POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ

POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ JBRJ POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ Victor Zveibil Superintendente de Políticas de Saneamento SUPS/SEA outubro de 2013 O PACTO PELO SANEAMENTO - decreto estadual 42.930/11 SUBPROGRAMA

Leia mais

13 de Maio - Quarta-Feira

13 de Maio - Quarta-Feira Cooperação Brasil-Itália em Saneamento SEMINARIO INTERNACIONAL - MINUTA DE PROGRAMA PRELIMINAR - 13/04/2009 SEMINÁRIO INTERNACIONAL: REGIONALIZAÇÃO E GESTÃO ASSOCIADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE MANEJO DE

Leia mais

informa Infraestrutura Extra janeiro de 2014

informa Infraestrutura Extra janeiro de 2014 janeiro de 2014 informa Infraestrutura Extra Em 24 de junho de 2011, foi promulgada a Lei nº 12.431 ( Lei 12.431 ), que criou as chamadas Debêntures de Infraestrutura, estabelecendo os requisitos mínimos

Leia mais

Tecnologias em tratamentos de água, esgoto e lodos como forças motivadoras para acelerar a universalização do Saneamento no Brasil

Tecnologias em tratamentos de água, esgoto e lodos como forças motivadoras para acelerar a universalização do Saneamento no Brasil Tecnologias em tratamentos de água, esgoto e lodos como forças motivadoras para acelerar a universalização do Saneamento no Brasil Palestrante: Valdir Folgosi Dez/2010 Índice Abimaq / Sindesam Tecnologias

Leia mais

PROBLEMAS DE OPERAÇÃO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS. Jorge Medeiros Gerente de Operações do Unidade do Macrossitema de Fortaleza

PROBLEMAS DE OPERAÇÃO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS. Jorge Medeiros Gerente de Operações do Unidade do Macrossitema de Fortaleza PROBLEMAS DE OPERAÇÃO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS 1 Jorge Medeiros Gerente de Operações do Unidade do Macrossitema de Fortaleza CAGECE COMPANHIA DE ÁGUA E ESGOTO DO CEARÁ 2 Criada em 1971 sob

Leia mais

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 1. Patrocínios 1.1 Patrocínio a Eventos e Publicações Data limite: 60 dias de antecedência da data de início do evento

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO PÚBLICO. Centro de Apoio Operacional da Ordem Urbanística e Questões Fundiárias

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO PÚBLICO. Centro de Apoio Operacional da Ordem Urbanística e Questões Fundiárias GRUPO DE TRABALHO: SOLUÇÕES INDIVIDUAIS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Participantes: MP/RS, CORSAN, AGERGS, FUNASA, FAMURS, FEPAM/SEMA, SECRETARIA ESTADUAL DE OBRAS, HABITAÇÃO E SANEAMENTO Objetivo do trabalho:

Leia mais

Política Ambiental janeiro 2010

Política Ambiental janeiro 2010 janeiro 2010 5 Objetivo Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas Eletrobras em consonância com os princípios da sustentabilidade. A Política Ambiental deve: estar em conformidade com

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade, paisagens e ecossistemas visualmente atraentes e que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

Programas e Ações VALOR DO PROGRAMA NO ANO 2016 2017 2018 2019 ORÇAMENTO FISCAL 131.747.455 6.000 6.000 6.000

Programas e Ações VALOR DO PROGRAMA NO ANO 2016 2017 2018 2019 ORÇAMENTO FISCAL 131.747.455 6.000 6.000 6.000 PROGRAMA : 016 - DESENVOLVIMENTO DA INFRAESTRUTURA GOVERNAMENTAL PROGRAMA : UNISSETORIAL EIXO : INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA UNIDADE RESPONSÁVEL : OBJETIVO DO PROGRAMA : 2141 - DEPARTAMENTO DE OBRAS PÚBLICAS

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DE CONGRESSOS, EXPOSIÇÕES,

Leia mais

Estratégia e Vantagens Competitivas

Estratégia e Vantagens Competitivas Estratégia e Vantagens Competitivas Aegea Saneamento - Relatório de Sustentabilidade 2014 Panorama dos setores de atuação Saneamento Levar rede coletora de esgoto aos domicílios de todos os brasileiros

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS NOTA TÉCNICA PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS Esta Nota Técnica tem o objetivo de reforçar junto aos Municípios do Estado de Pernambuco sobre os Planos Municipais de Gestão

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A GESTÃO DE RESÍDUOS NO BRASIL

REFLEXÕES SOBRE A GESTÃO DE RESÍDUOS NO BRASIL REFLEXÕES SOBRE A GESTÃO DE RESÍDUOS NO BRASIL Diógenes Del Bel Diretor Presidente IV Fórum de Sustentabilidade CCFB Câmara de Comércio França-Brasil 12 / 9 / 2014 Reflexões sobre a gestão de resíduos

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015.

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. CONTEÚDO 1. Políticas e Planos de Saneamento Básico e de Resíduos

Leia mais

Soluções urbanas inovadoras e financiamento de Smart Cities. São Paulo, 23 setembro 2014

Soluções urbanas inovadoras e financiamento de Smart Cities. São Paulo, 23 setembro 2014 Soluções urbanas inovadoras e financiamento de Smart Cities São Paulo, 23 setembro 2014 1 Índice 1. Fatores habilitantes da Cidade Inteligente 2. Modelos de financiamento da Cidade Inteligente 2 1. Fatores

Leia mais

A NECESSIDADE DE UM NOVO MODELO

A NECESSIDADE DE UM NOVO MODELO A NECESSIDADE DE UM NOVO MODELO DE FINANCIAMENTO DE INFRAESTRUTURA BM&F BOVESPA 30/01/2015 CEMEC Centro de Estudos do IBMEC Carlos A. Rocca INDICE 1. Investimentos crescimento em infraestrutura e retomada

Leia mais

A lei na prática. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Chegou a hora de assumir o importante papel na gestão do lixo. Cooperativas de catadores

A lei na prática. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Chegou a hora de assumir o importante papel na gestão do lixo. Cooperativas de catadores Política Nacional de Resíduos Sólidos Cooperativas de catadores A lei na prática Chegou a hora de assumir o importante papel na gestão do lixo Em vigor desde agosto de 2010, a nova lei sobre resíduos urbanos

Leia mais

8ª Oficina de Trabalho. Eduardo Celino Coordenador-Geral de Investimentos

8ª Oficina de Trabalho. Eduardo Celino Coordenador-Geral de Investimentos 8ª Oficina de Trabalho Eduardo Celino Coordenador-Geral de Investimentos Brasília, 2 de junho de 2011 O que é a Renai Sistema de informações sobre investimentos produtivos no Brasil Coordenação: MDIC Criação:

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins BASE LEGAL Lei Federal 11.445/2007 e Decreto 7.217/2010 Lei Federal

Leia mais

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs:

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs: Institucional A Unidade de Recuperação Energética (URE) Barueri é um empreendimento da Foxx Haztec, empresa líder em serviços ambientais no Brasil com atuação nas áreas de resíduos sólidos, consultoria

Leia mais

SERVIÇOS DE SAÚDE MOSSORÓ

SERVIÇOS DE SAÚDE MOSSORÓ SERVIÇOS DE SAÚDE MOSSORÓ - 2011 CURSO DE GERENCIAMENTO DE RSS LEI 12.305 DE 02 DE AGOSTO DE 2010 Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e

Leia mais

Cesar Seara Conselheiro ABCON Brasil

Cesar Seara Conselheiro ABCON Brasil Cesar Seara Conselheiro ABCON Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL A SAÚDE COMEÇA PELA BOCA E, PELA ÁGUA QUE SE BEBE! UMA TRISTE REALIDADE! FONTE: ITB ABCON

Leia mais

Fórum Gestão do Saneamento 2015

Fórum Gestão do Saneamento 2015 3ª Edição Fórum Gestão do Saneamento 2015 A formatação de um plano de ações para transformar o setor de saneamento no Brasil 28 e 29 de abril São Paulo 1 Sobre o Fórum O setor de saneamento passa por um

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE EMBALAGENS PLÁSTICAS USADAS DE ÓLEOS LUBRIFICANTES EDITAL Nº01/2011 O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE,

Leia mais

Gerenciamento do Saneamento Municipal em um só órgão água, esgoto, drenagem pluvial e resíduos sólidos (limpeza pública).

Gerenciamento do Saneamento Municipal em um só órgão água, esgoto, drenagem pluvial e resíduos sólidos (limpeza pública). Gerenciamento do Saneamento Municipal em um só órgão água, esgoto, drenagem pluvial e resíduos sólidos (limpeza pública). Janimayri Forastieri de Almeida (1) Assessora de Meio Ambiente do SAAE São Lourenço.

Leia mais

Formação em Parcerias Público Privadas. Desenvolvimento de uma carteira de projetos

Formação em Parcerias Público Privadas. Desenvolvimento de uma carteira de projetos Formação em Parcerias Público Privadas Desenvolvimento de uma carteira de projetos Novembro de 2013 1. Contexto Atual 2. Análise das Demandas do Setor Público 3. Como Estruturar um Procedimento 4. Como

Leia mais

Congresso Brasileiro. Regulação da Mineração

Congresso Brasileiro. Regulação da Mineração Congresso Brasileiro sobre a Regulação da Mineração O caminho para a maturação regulatória Avaliação das propostas governamentais e consequências para a cadeia produtiva Aplicabilidade Jurídica da Legislação

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais