FÓRUM AMAZONENSE DE REFORMA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FÓRUM AMAZONENSE DE REFORMA"

Transcrição

1 REGIMENTO INTERNO DA 6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES DO AMAZONAS CAPITULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES 1 Art. 1º - São objetivos da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas: I - Propor a interlocução entre autoridades e gestores públicos dos entes federados com os diversos segmentos da sociedade sobre assuntos relacionados à Política e o Desenvolvimento Urbano; II - Sensibilizar e mobilizar a sociedade amazonense para o estabelecimento de agendas, metas e planos de ação para enfrentar os problemas existentes nas cidades do Estado do Amazonas. III - Propiciar a participação popular de diversos segmentos da sociedade, considerando as diferenças de sexo, idade, raça e etnia para a formulação de proposições, realização de avaliações sobre a função social da cidade e da propriedade; e IV - Propiciar e estimular a gestão democrática das políticas de desenvolvimento urbano no Estado do Amazonas. Art. 2º - A 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas, convocada pela sociedade civil organizada, será realizada nos dias 29, 30 e 31 de março de 2017 e terá as seguintes finalidades: I - Indicar prioridades de atuação para o Estado do Amazonas; II - Eleger as entidades estaduais que comporão o Conselho Estadual das Cidades do Amazonas, para o período de junho de 2017 a maio de 2020 (correspondente ao triênio 2017/2019), em observação à Lei de 15 de dezembro de III Eleger as Delegadas e os Delegados para a 6ª Conferência Nacional das Cidades. CAPÍTULO II DO TEMÁRIO Art. 3º - A 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas terá como temática: A Função Social da Cidade e da Propriedade, e; como lema: Cidades Inclusivas, Participativas e Socialmente Justas.

2 Art. 4º - Os eixos do debate, assim como a metodologia a ser aplicada na 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas, serão elaborados pela Comissão Executiva Estadual. CAPÍTULO III DA REALIZAÇÃO 2 Art. 5º - A 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas será composta de painéis, grupos de discussão e plenárias. Art. 6º - A Comissão Executiva da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas produzirá um relatório final, a ser encaminhado ao Ministério das Cidades e outros órgãos que a mesma julgar necessário. Parágrafo Único A Comissão Executiva providenciará sua publicação e divulgação junto à sociedade e às esferas de governo. Art. 7º - O processo da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas terá etapas no âmbito municipal, em consonância com este Regimento. Art. 8 - As etapas da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas serão realizadas nos seguintes períodos: I - Etapa Municipal de 1º de janeiro a 5 de julho de 2016; II - Etapa Estadual 29, 30 e 31 de março de A não realização da etapa nos âmbitos municipais não será impedimento para realização da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas. 2 - A 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas será realizada em Manaus, sob a coordenação e responsabilidade da Comissão Executiva eleita pela Comissão Preparatória. 3º - O respeito aos prazos previstos para a realização das Conferências Municipais é condição de participação das respectivas delegadas e dos delegados para a etapa estadual; Art. 9 - A 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas, que serão integradas por representantes eleita e eleito, e indicadas e indicados na forma prevista nesse Regimento, tem abrangência estadual e suas análises, formulações e

3 proposições devem tratar da política de desenvolvimento urbano. 1º - A 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas tratará de temas de âmbito municipal, estadual e nacional, considerando os avanços, as dificuldades, os desafios e as propostas consolidadas nas Conferências Municipais; 2º - Todas as delegadas e os delegados com direito a voz e voto, presentes à 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas, devem ter conhecimento das questões de âmbito Estadual e Municipal e atuar sobre elas, em caráter avaliador, formulador e propositivo; 3 3º - Os debates, proposições, e os documentos de todas as etapas da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas devem se relacionar diretamente com o temário, objetivo e lema definido por este Regimento. CAPÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO SEÇÃO I Art A 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas será dirigida pela Comissão Executiva da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas. Art A organização e realização da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas será coordenada pela Comissão Executiva da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas. Art Para a organização e desenvolvimento de suas atividades, a 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas contará com uma Comissão Executiva Estadual, eleita pela Comissão Preparatória, conforme ofício em anexo. Art Compete a Comissão Executiva Estadual da 6ª Conferencia Estadual do Amazonas: I - Coordenar, supervisionar e promover a realização da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas, atendendo os aspectos técnicos, políticos e administrativos; II - Formular, discutir e propor iniciativas referentes à organização da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas; III - Mobilizar os parceiros e filiados, de suas entidades e órgãos membros, no âmbito de sua atuação, para preparação e participação nas Conferências Municipais e da Estadual;

4 IV - Acompanhar e deliberar sobre as atividades desenvolvidas pelos Grupos de Trabalhos, devendo ser apresentados relatórios em todas as reuniões ordinárias; V Propor os critérios e modalidades de participação e representação dos interessados e das interessadas, bem como o local e data da realização da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas; 4 VI Estimular, apoiar e acompanhar as Conferências Municipais visando garantir apoio e engajamento para realização da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas; VII - Validar as Conferências Municipais, conforme o disposto neste Regimento; e VIII Julgar os casos omissos e eventuais recursos apresentados pelas comissões preparatórias municipais. Art Os resultados da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas e a relação de delegadas e dos delegados para a 6ª Conferência Nacional das Cidades devem ser remetidos à Coordenação Executiva Nacional, até 15 (quinze) dias após a sua realização, em formulário próprio a ser distribuído pelo Ministério das Cidades. Art Os casos omissos e conflitantes deverão ser decididos pela Comissão Estadual Recursal e de Validação - CERV, cabendo recurso à Coordenação Executiva Nacional. SEÇÃO II DA COMISSÃO ESTADUAL RECURSAL E DE VALIDAÇÃO Art Será criada uma Comissão Estadual Recursal e de Validação da 6ª Conferência Estadual das Cidades, denominada CERV, no âmbito da Comissão Executiva Estadual da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas. Parágrafo Único. A CERV terá como função precípua a validação das Conferências Municipais, ad referendum da Comissão Executiva Estadual. Art As comissões municipais recursais deverão comunicar suas decisões aos envolvidos, sobre os recursos impetrados até 7 dias corridos antes do início das respectivas conferências municipais. Art Os recursos referentes às etapas municipais serão analisados inicialmente pela CERV, em caráter recorrível, com prazo máximo de interposição de 15 dias do término da referida conferência.

5 Art Os interessados poderão recorrer à Coordenação Executiva Estadual em um prazo máximo de 5 dias após a tomada de ciência da decisão, recorrível em âmbito nacional, em 48 horas. Art Os recursos poderão ser recebidos via correio eletrônico ou fax, mas a documentação pertinente deverá ser enviada à Comissão Executiva Estadual, por meio de serviço de entrega expressa, sendo que a postagem deverá ocorrer no prazo estabelecido no item anterior. 5 Art As entidades demandantes e as Comissões Executivas Municipais pertinentes serão avisadas da reunião da Comissão Estadual que analisará o referido recurso com um prazo de, no mínimo, 48 horas de antecedência. Art As decisões da CERV serão comunicadas aos interessados e à Comissão Executiva Estadual correspondente em um prazo máximo de 10 dias anterior ao início das respectivas conferências. Art A CERV é a instância máxima de deliberação acerca da validação das Conferências, sendo suas decisões recorríveis a Comissão Executiva Estadual. CAPÍTULO V DOS PARTICIPANTES, DELEGADAS E DELEGADOS Art Os participantes da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas se distribuirão em 4 categorias: I Delegadas e delegados; II Observadoras e observadores; III- Convidadas e convidados; e, IV- Expositoras, expositores e palestrantes. 1º - Somente as delegadas e os delegados terão direito a voz e voto; 2º - Os critérios para escolha das observadoras e dos observadores, convidadas e convidados, expositoras e expositores e palestrantes serão definidos pela Coordenação Executiva da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas.

6 Art Serão delegadas e delegados à 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas: I As eleitas e os eleitos nas Conferências Municipais, de acordo com as tabelas em anexo. Parágrafo Único - Cada delegada e delegado titular eleito terá uma delegada ou um delegado suplente eleito vinculado ao titular eleito do mesmo segmento, que será credenciado somente na ausência do titular. 6 Art A representação dos diversos segmentos na 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas, em todas as suas etapas, deve ter a seguinte composição: I - Gestores, administradores públicos e legislativos - estaduais e municipais, 42,3%; II - Movimentos populares, 26,7%; III - Trabalhadores, por suas entidades sindicais, 9,9%; IV - Empresários relacionados à produção e ao financiamento do desenvolvimento urbano, 9,9%; V - Entidades profissionais, acadêmicas e de pesquisa e conselhos profissionais, 7%, e VI - ONG s com atuação na área do Desenvolvimento Urbano, 4,2%. 1º - Todas as entidades dos segmentos deverão ter atuação na política de desenvolvimento urbano, conforme segue: a) Poder Público Estadual - gestores, administradores públicos e legislativos - estaduais - são os representantes de órgãos da administração direta, empresas públicas, fundações públicas e autarquias em seus respectivos níveis, e membros do Legislativo: deputados estaduais; b) Poder Público Municipal gestores e gestoras, administradores e administradoras, servidoras e servidores, funcionárias e funcionários públicos municipais - são os representantes de órgãos da administração pública direta e indireta, representantes das entidades municipalistas de caráter municipal e membros do Legislativo: vereadores e vereadoras; c) Movimentos Populares são as associações comunitárias ou de moradores, movimentos por moradia e demais organizações populares voltadas à questão do desenvolvimento urbano;

7 d) Trabalhadores representantes de suas entidades sindicais (sindicatos, federações, confederações e centrais sindicais de trabalhadores e trabalhadoras urbanas e rurais) voltadas à questão do desenvolvimento urbano; e) Empresários empresas vinculadas às entidades de caráter nacional representativas do empresariado, inclusive cooperativas, voltadas à produção e ao financiamento do desenvolvimento urbano; 7 f) Entidades Profissionais, Acadêmicas e de Pesquisa entidades de âmbito nacional representativas de associações de profissionais autônomos ou de empresas, assim como associações nacionais de ensino e pesquisa. Enquadram-se, também, neste segmento os conselhos profissionais regionais. Em todos os casos a representação do segmento deve estar vinculada a questão do desenvolvimento urbano, e; g) Organizações Não Governamentais - para fins do ciclo de conferências das cidades o segmento de Organizações Não Governamentais é formado por associações civis ou fundações (art. 44, I e III, do Código Civil de 2002), para fins não econômicos, formalmente constituídas há no mínimo 2 anos, que têm por finalidade estatutária a atuação no campo do desenvolvimento urbano, comprovado mediante apresentação de estatuto no ato da inscrição para a conferência municipal. 2º - Conselhos temáticos, municipais, estaduais e nacionais bem como Orçamentos Participativos não constituem segmentos, visto que são instâncias institucionais representativas de vários segmentos sociais; 3º - Não se enquadram nos segmentos acima descritos partidos políticos, igrejas e seus movimentos de base, instituições filantrópicas, clubes esportivos, desportivos e recreativos, Lions, lojas maçônicas e Rotary, corpo discente de universidades, bem como toda e qualquer agremiação que tenha por atividade ações discriminatórias, segregadoras, xenófobas, entre outras; 4º - O legislativo integrante do inciso I terá a representação de um terço das delegadas e delegados correspondentes. Art A 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas será composta por delegados eleitos e delegadas eleitas nas Conferências Municipais, conforme exposto neste regimento. Parágrafo único. As delegadas e os delegados a serem eleitos na etapa municipal para a etapa estadual e da Estadual para a etapa nacional deverão, necessariamente, estar presentes nas respectivas Conferências. Com no mínimo 75% de presença confirmada por lista de freqüência.

8 CAPÍTULO VI DOS RECURSOS FINANCEIROS Art As despesas com a organização da etapa Estadual para a realização da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas correrão por conta de recursos de patrocínio com poder público, iniciativa privada ou parcerias público privado PPP. 8 CAPÍTULO VII DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS Art O Conselho Municipal das Cidades ou outro correlato à Política de Desenvolvimento Urbano tem a prerrogativa de convocar a Conferência Municipal, divulgando-a pelos veículos de comunicação local, até o dia 22 de fevereiro de º - No caso de ausência de Conselho Municipal das Cidades ou outro correlato à Política de Desenvolvimento Urbano, o Executivo Municipal passa a ter a prerrogativa de convocar a Conferência Municipal até o prazo estabelecido no caput deste artigo, por ato público. 2º - Caso não haja a convocação até o prazo estabelecido pelo Poder Público, entidades representativas em nível municipal, estadual ou nacional de, no mínimo, três segmentos, conforme estabelecidos no art. 26 poderão fazê-la, de 23 de fevereiro a 30 de março de 2016, divulgando-a pelo meio de comunicação local. 3º - A realização da Conferência Municipal é condição indispensável para a participação de delegadas e delegados municipais na Conferência Estadual. 4º - As conferências municipais serão públicas e acessíveis para todos os cidadãos e as cidadãs, mantidos, na eleição das delegadas e dos delegados para a etapa estadual, os critérios de representação de órgãos, entidades e organizações, respeitado o constante no art. 26. Art As Conferências Municipais deverão acontecer no período de 1º de janeiro a 5 de julho de 2016.

9 Art Para a realização de cada Conferência Municipal deverá ser constituída uma Comissão Preparatória pelo Conselho Municipal das Cidades ou na sua inexistência, pelo executivo municipal, com a participação de representantes dos diversos segmentos, conforme proporcionalidade estabelecida no art. 26 deste Regimento. Parágrafo único. Nos Municípios que não possuem Conselho Municipal das Cidades ou outro correlato à Política de Desenvolvimento Urbano, formalmente constituído, a Comissão Preparatória será formada pelos segmentos, conforme estabelecido no art Art Cabe à Comissão Preparatória Municipal: I - Adotar este Regimento, no que se refere ao âmbito Municipal, definindo data, local e pauta. II - Elaborar o Regimento da Conferência Municipal, respeitadas as diretrizes e as definições deste Regimento. III - A Comissão Preparatória Municipal poderá constituir as Comissões de Infraestrutura e Logística, Mobilização e Articulação, Sistematização e Metodologia, que serão responsáveis por toda organização e realização da etapa municipal. IV - Planejar a infraestrutura para a realização da etapa municipal. V - Mobilizar a sociedade civil e o poder público, no âmbito de sua atuação no município, para sensibilização e adesão as Conferência Municipal das Cidades. VI - A Comissão Preparatória Municipal deverá prever na programação da Conferência Municipal o tempo necessário para debater o temário, sem prejuízo do conteúdo, sendo que este tempo não pode ser inferior a carga horária de 8 horas, excluindo a cerimônia de abertura, excetuando a Capital Manaus, que terá carga horária mínima de 12 horas, excluindo a cerimônia de abertura. VII - Ao final da Conferência Municipal das Cidades elaborar o relatório, de acordo com o modelo disponível no site da 6ª Conferência Nacional das Cidades, e enviar à Comissão Organizadora Estadual competente no prazo de dez dias após a realização da conferência. VIII - Preencher o formulário disponibilizado pela Coordenação Executiva da 6ª Conferência Estadual das Cidades por meio do sítio eletrônico a ser disponibilizado pelo Ministério das Cidades, com as informações da Conferência Municipal, até 15 dias após a realização da Conferência; e,

10 IX - Encaminhar à Comissão Estadual Recursal e de Validação, os recursos impetrados contra atos da Comissão Preparatória Municipal ou quaisquer questionamentos referentes a atos ou omissões de agentes envolvidos na realização ou participação na referida conferência, no prazo regimental. Art Os casos omissos e conflitantes deverão ser decididos pelas Comissões Preparatórias Municipais, cabendo recurso à CERV, a Executiva Estadual e, em última instância, à Comissão Nacional Recursal e de Validação. 10 Manaus AM, 20 de dezembro de Anexos Tabela I Cronograma da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas Etapa Período Convocatória da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Até 10 de novembro de Amazonas pelo Conselho Estadual ou na sua ausência pelo Governo do Amazonas. Convocatória da 6ª Conferência Estadual das Cidades do De 11 de novembro até 10 de dezembro de Amazonas pelas entidades da Sociedade Civil Organizada. Constituição da Comissão preparatória Estadual. Até 21 de dezembro de Comunicação da convocação da Conferência Estadual Até 03 dias úteis após a convocação. para a Coordenação Executiva Nacional. Enviar o Regimento Interno da 6ª Conferência Estadual Até 15 de janeiro de das Cidades do Amazonas conforme o Artigo 35, Inciso II, do regimento da 6ª Conferência Nacional das Cidades, para a Coordenação Executiva Nacional. Convocatória da Conferência Municipal das Cidades pelo Conselho Municipal ou na sua ausência pelo Governo A partir do dia 10 de dezembro de 2015 até o dia 22 de fevereiro de Municipal. Convocatória da Conferência Municipal pelas entidades da De 23 de fevereiro a 30 de março de Sociedade Civil Organizada. Preenchimento do formulário disponibilizado pela Até 15 de abril de Coordenação Executiva da 6ª Conferência Nacional das Cidades, conforme art. 35, inciso IX. Realização da Etapa Municipal. De 1º de janeiro de 2016 a 05 de julho de Realização da Etapa Estadual. De 1º de novembro de 2016 a 31 de março de Envio do Relatório da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas e demais documentos para a Até 30 dias após a realização da 6ª Conferência Estadual das Cidades do Amazonas. Coordenação Executiva Nacional, conforme art. 35, inciso X. Realização da 6ª Conferência Nacional das Cidades. De 05 a 09 de junho de 2017.

11 11

12 12

REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO

REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO Art. 1 o O Colegiado do Curso de Engenharia Química, doravante denominado Colegiado, é um

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 025/2003-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 025/2003-CEPE RESOLUÇÃO Nº 025/2003-CEPE Aprova Regulamento de Atividades Acadêmicas Complementares. Considerando o contido na Resolução nº 003/2003-CEPE, de 30 de janeiro de 2003, que Aprova as Diretrizes do Ensino

Leia mais

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 128, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011.

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 128, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011. Dispõe sobre a instituição e definição das atribuições do Comitê de Extensão Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. O Presidente do DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

Decreto Nº 353 DE 04/07/2016

Decreto Nº 353 DE 04/07/2016 Decreto Nº 353 DE 04/07/2016 Publicado no DOE em 5 jul 2016 Institui o Comitê Gestor da Rede para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios do Estado de Minas Gerais - REDESIM-MG.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO RESOLUÇÃO N 4.056, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO RESOLUÇÃO N 4.056, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO RESOLUÇÃO N 4.056, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013 Dispõe sobre as NORMAS DO PROCESSO DE CONSULTA À COMUNIDADE DA UNIRIO PARA INDICAÇÃO DE DIRIGENTES

Leia mais

DELIBERAÇÃO CES Nº 150 DE 04 DE ABRIL DE 2016

DELIBERAÇÃO CES Nº 150 DE 04 DE ABRIL DE 2016 DELIBERAÇÃO CES Nº 150 DE 04 DE ABRIL DE 2016 APROVA O REGIMENTO DA TERCEIRA PLENÁRIA ELEITORAL COMPLEMENTAR DO CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO, PARA O TRIÊNIO 2014/2016. O CONSELHO ESTADUAL

Leia mais

Diário Oficial do. Prefeitura Municipal de Boa Vista do Tupim. terça-feira, 1 de agosto de 2017 Ano VII - Edição nº Caderno 1

Diário Oficial do. Prefeitura Municipal de Boa Vista do Tupim. terça-feira, 1 de agosto de 2017 Ano VII - Edição nº Caderno 1 Diário Oficial do Município terça-feira, 1 de agosto de 2017 Ano VII - Edição nº 00730 Caderno 1 Prefeitura Municipal de Boa Vista do Tupim publica 129FE01ACD79B4B4822F1FDE3DA6D08E terça-feira, 1 de agosto

Leia mais

REGIMENTO DA 1ª CONFERÊNCIA DAS CIDADES DA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ

REGIMENTO DA 1ª CONFERÊNCIA DAS CIDADES DA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ REGIMENTO DA 1ª CONFERÊNCIA DAS CIDADES DA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ Capítulo I Dos Objetivos Art. 1º A 1ª Conferência das Cidades da Região do Alto Vale do Itajaí convocada por edital do dia 30/06/03,

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO E S C O L A D E E N G E N H A R I A K E N N E D Y, F A C U L D A D E S K E N N E D Y E F A C U L D A D E S D E C I Ê N C I A S J U R Í D I C A S P R O F E S S

Leia mais

PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SUPERIOR

PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SUPERIOR 2010 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SUPERIOR SUMÁRIO SEÇÃO I DA COMPOSIÇÃO Página 03 SEÇÃO II DA COMPETÊNCIA Página 04 SEÇÃO III

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17/2016. aprovar o Regimento da Câmara de Pesquisa e Pós-Graduação para os Campi UFV- Florestal e Rio Paranaíba.

RESOLUÇÃO Nº 17/2016. aprovar o Regimento da Câmara de Pesquisa e Pós-Graduação para os Campi UFV- Florestal e Rio Paranaíba. RESOLUÇÃO Nº 17/2016 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, órgão máximo de deliberação no plano didático-científico da Universidade Federal de Viçosa, no uso de suas atribuições legais, considerando

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FPES

REGIMENTO INTERNO DO FPES REGIMENTO INTERNO DO FPES CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Fórum Paulista de Economia Solidária, doravante denominada FPES, é um espaço de articulação, mobilização, debate, desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA - UFSB REGIMENTO CONSULTA PARA ESCOLHA DE DECANATO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA - UFSB REGIMENTO CONSULTA PARA ESCOLHA DE DECANATO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA - UFSB REGIMENTO CONSULTA PARA ESCOLHA DE DECANATO INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS (IHAC) CAMPUS PAULO FREIRE UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA DE VOTORANTIM / SP

PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA DE VOTORANTIM / SP PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA DE VOTORANTIM / SP 1ª Conferência - março de 2016 tema: lançamento do processo de elaboração do Plano O QUE É MOBILIDADE URBANA? Mobilidade é a forma de deslocamento

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS 2 CAPITULO II 2 DO COLEGIADO DOS CURSOS 2 CAPITULO III 3 MANDATOS DO COLEGIADO DO CURSO 3 CAPÍTULO

Leia mais

Circular nº 267/12 Brasília, 13 de novembro de Às seções sindicais, secretarias regionais e aos Diretores do ANDES-SN

Circular nº 267/12 Brasília, 13 de novembro de Às seções sindicais, secretarias regionais e aos Diretores do ANDES-SN Circular nº 267/12 Brasília, 13 de novembro de 2012 Às seções sindicais, secretarias regionais e aos Diretores do ANDES-SN Companheiros, A Diretoria do ANDES-SN, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Regimento Interno do Campus Bento Gonçalves do IFRS

Regimento Interno do Campus Bento Gonçalves do IFRS Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves Regimento Interno do Campus Bento

Leia mais

EDITAL N 06, DE 14 DE MARÇO DE ABERTURA DE PROCESSO ELEITORAL PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CAMPUS RESTINGA

EDITAL N 06, DE 14 DE MARÇO DE ABERTURA DE PROCESSO ELEITORAL PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CAMPUS RESTINGA EDITAL N 06, DE 14 DE MARÇO DE 2016. ABERTURA DE PROCESSO ELEITORAL PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CAMPUS RESTINGA O Diretor-Geral do do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Edital de Convocação das Eleições do CAAR e da Representação Discente da Faculdade de Direito UFRGS

Edital de Convocação das Eleições do CAAR e da Representação Discente da Faculdade de Direito UFRGS Edital de Convocação das Eleições do CAAR e da Representação Discente da Faculdade de Direito UFRGS EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ELEIÇÕES A PRESIDENTE DO CAAR, no uso das atribuições que lhe confere o inciso

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001 DE 15 DE JULHO DE 2016.

RESOLUÇÃO Nº 001 DE 15 DE JULHO DE 2016. RESOLUÇÃO Nº 001 DE 15 DE JULHO DE 2016. Dispõe sobre a aprovação Ad Referendum do Regulamento para eleição dos representantes dos corpos discente, docente e técnico-administrativo do Conselho Acadêmico

Leia mais

RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N o 01/2002

RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N o 01/2002 RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N o 01/2002 De 17 de janeiro de 2002 Autoriza a criação do Centro de Treinamento Olímpico - CTO, como Órgão Complementar vinculado à Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Consultivo

Regimento Interno do Conselho Consultivo Regimento Interno do Conselho Consultivo 2 3 Regimento Interno do Conselho Consultivo REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º - Este Regimento Interno tem por objetivo estabelecer

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Conselho Universitário - CONSU RESOLUÇÃO N.º XXX CONSU, DE XXX DE XXX DE 2014. RESOLVE: Estabelece o Regimento Interno e

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE

LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE 2002-06-07 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE ALAGOAS FAPEAL, INSTITUÍDA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 05, DE 27 DE SETEMBRO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS Art. 1º O Centro de Processamento de Dados, Órgão Suplementar

Leia mais

DIRETORIA DE ENSINO, PEQUISA E EXTENSÃO MARÍLIA Sumário. Capitulo I- Da Organização... 03

DIRETORIA DE ENSINO, PEQUISA E EXTENSÃO MARÍLIA Sumário. Capitulo I- Da Organização... 03 DIRETORIA DE ENSINO, PEQUISA E EXTENSÃO MARÍLIA 2014 Sumário Capitulo I- Da Organização... 03 Capitulo II Das Reuniões da Diretoria de Ensino, Pesquisa e Extensão... 06 Capitulo III Das Disposições Transitórias...

Leia mais

Art. 2º O Conselho Estadual de Cultura tem por competências: II - acompanhar e fiscalizar a execução do Plano Estadual de Cultura;

Art. 2º O Conselho Estadual de Cultura tem por competências: II - acompanhar e fiscalizar a execução do Plano Estadual de Cultura; DECRETO Nº 24.720 DE 3 DE NOVEMBRO DE 2008 Dispõe sobre a composição e o funcionamento do Conselho Estadual de Cultura - CONSEC, de que trata a Lei nº 8.319, de 12 de dezembro de 2005, e dá outras providências.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 142, DE 30 DE JUNHO DE 2016

RESOLUÇÃO Nº 142, DE 30 DE JUNHO DE 2016 RESOLUÇÃO Nº 142, DE 30 DE JUNHO DE 2016 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 73ª Reunião Ordinária, realizada em 30 de junho de 2016, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Diário Oficial do. Prefeitura Municipal de Boa Vista do Tupim. terça-feira, 9 de maio de 2017 Ano VII - Edição nº Caderno 1

Diário Oficial do. Prefeitura Municipal de Boa Vista do Tupim. terça-feira, 9 de maio de 2017 Ano VII - Edição nº Caderno 1 Diário Oficial do Município terça-feira, 9 de maio de 2017 Ano VII - Edição nº 00685 Caderno 1 Prefeitura Municipal de Boa Vista do Tupim publica B8EE41B59C1BFE80C35CA12EEB845689 terça-feira, 9 de maio

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I. Natureza, Finalidade e Composição

COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I. Natureza, Finalidade e Composição COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I Natureza, Finalidade e Composição Art. 1º - O Colégio Estadual de Instituições de Ensino do CREA-MG (CIE-MG)

Leia mais

EDITAL Nº 13, DE 01 DE JULHO DE REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DO CAMPUS VACARIA DO IFRS

EDITAL Nº 13, DE 01 DE JULHO DE REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DO CAMPUS VACARIA DO IFRS EDITAL Nº 13, DE 01 DE JULHO DE 2016. REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA NA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DO CAMPUS VACARIA DO IFRS A Comissão Eleitoral Permanente, nomeada pela portaria 14/2016

Leia mais

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue:

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 265/2009 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 17/7/2009, tendo em vista o constante no processo nº 23078.004276/99-63, de acordo com o Parecer nº 213/2009 da

Leia mais

2- DO CONSELHO SUPERIOR DA FAPEAL E SEUS CONSELHEIROS

2- DO CONSELHO SUPERIOR DA FAPEAL E SEUS CONSELHEIROS EDITAL FAPEAL no. 05/2015 - Eleição de lista tríplice para preenchimento de vaga de membro do Conselho Superior da FAPEAL. A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas FAPEAL, por intermédio do

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 444, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 444, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 444, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014 Aprova o Regimento Interno da Comissão Gestora do Sistema Integrado de Comércio Exterior - SISCOMEX, criada pelo Decreto nº 660, de 25 de setembro

Leia mais

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário RESOLUÇÃO N o 02/2015, DE 31 DE MARÇO DE 2015 Estabelece o Regimento do Centro Esportivo Universitário, reeditando, com alterações, a Resolução n o 13/1993, de 02 de setembro de 1993. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAÇOIABA DA SERRA

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAÇOIABA DA SERRA DECRETO Nº. 1491, DE 10 DE JANEIRO DE 2013. Institui a Mesa Permanente de Negociação com os Servidores Municipais - MESA e dá outras providências.. MARA LÚCIA FERREIRA DE MELO, Prefeita Municipal da Cidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA DE DIAMANTINA (FAMED) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI UFVJM

REGIMENTO INTERNO DA CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA DE DIAMANTINA (FAMED) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI UFVJM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA MINAS GERAIS CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA REGIMENTO INTERNO DA CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA DE

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (CONPPG) TÍTULO I - DO OBJETIVO DO REGIMENTO

REGIMENTO DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (CONPPG) TÍTULO I - DO OBJETIVO DO REGIMENTO REGIMENTO DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (CONPPG) TÍTULO I - DO OBJETIVO DO REGIMENTO Art. 1º. Este Regimento estabelece a constituição, a competência e o funcionamento do Conselho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 14/2013, DE 02 DE JULHO DE 2013 Reedita, com alterações, a Resolução n o 03/2006, de 29 de junho de 2006, que aprovou o Regimento do Centro de Microscopia da UFMG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA - MNPEF, POLO UFABC.

NORMAS DO PROGRAMA DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA - MNPEF, POLO UFABC. NORMAS DO PROGRAMA DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA - MNPEF, POLO UFABC. O Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física MNPEF, é um mestrado profissional em rede, coordenado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento do Conselho de Pesquisa (CoPq), órgão colegiado

Leia mais

REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO

REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Art. 1º - A Organização Administrativa corresponde à estrutura da REDE PETRO-BC que tem como finalidade garantir

Leia mais

Índice do diário. De Emprego e Trabalho Decente. A PREFEITA MUNICIPAL DE ANTONIO CARDOSO, ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições,

Índice do diário. De Emprego e Trabalho Decente. A PREFEITA MUNICIPAL DE ANTONIO CARDOSO, ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições, Diário Oficial Ano: 1 Páginas: 6 Atos Oficiais Decreto - Decreto 421 de 2011 Índice do diário Atos Oficiais Decreto Decreto 421 de 2011 DECRETO Nº 421/2011 DE 27 DE MAIO DE 2011. Convoca a I Conferência

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL REGIMENTO

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL REGIMENTO CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL PASTORAL CARCERÁRIA NACIONAL REGIMENTO SEÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO Art.1º. A Pastoral Carcerária está organizada nos seguintes âmbitos: I Diocesano; II Regional ou

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado. Capítulo I DO ESTATUTO E SEUS OBJETIVOS

Regulamento de Estágio Supervisionado. Capítulo I DO ESTATUTO E SEUS OBJETIVOS Regulamento de Estágio Supervisionado Capítulo I DO ESTATUTO E SEUS OBJETIVOS Art 1 o. O presente Estatuto disciplina os aspectos da organização e funcionamento do Estágio Curricular Supervisionado do

Leia mais

EDITAL ELEIÇÃO PARA ESCOLHA DE DIRETOR E COORDENADOR ADMINISTRATIVO DA UNIDADE DE ATENDIMENTO À CRIANÇA

EDITAL ELEIÇÃO PARA ESCOLHA DE DIRETOR E COORDENADOR ADMINISTRATIVO DA UNIDADE DE ATENDIMENTO À CRIANÇA EDITAL ELEIÇÃO PARA ESCOLHA DE DIRETOR E COORDENADOR ADMINISTRATIVO DA UNIDADE DE ATENDIMENTO À CRIANÇA A Comissão designada pela Pró-Reitoria de Assuntos Comunitários e Estudantis - PROACE, através do

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL DECISÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL DECISÃO DECISÃO Cuida-se de ação ordinária ajuizada pela ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANQUIAS POSTAIS em face da EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS ECT, com pedido de tutela de urgência para que se abstenha

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CENTRO ACADÊMICO DE JORNALISMO COMISSÃO ELEITORAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CENTRO ACADÊMICO DE JORNALISMO COMISSÃO ELEITORAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CENTRO ACADÊMICO DE JORNALISMO COMISSÃO ELEITORAL EDITAL N 001, 05 DE FEVEREIRO DE 2014. A comissão eleitoral, no uso de suas atribuições e cumprindo disposições formuladas

Leia mais

Regulamento Específico do Curso de Especialização em Planejamento Tributário

Regulamento Específico do Curso de Especialização em Planejamento Tributário MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL GOIÂNIA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS Regulamento Específico do Curso de Especialização em Planejamento

Leia mais

PARECER SOBRE A NECESSIDADE DE TORNAR OBRIGATÓRIA A DATA EFETIVA DO TRÂNSITO EM JULGADO DE SENTENÇAS EM CERTIDÕES CARTORÁRIAS DA JUSTIÇA FEDERAL.

PARECER SOBRE A NECESSIDADE DE TORNAR OBRIGATÓRIA A DATA EFETIVA DO TRÂNSITO EM JULGADO DE SENTENÇAS EM CERTIDÕES CARTORÁRIAS DA JUSTIÇA FEDERAL. PARECER SOBRE A NECESSIDADE DE TORNAR OBRIGATÓRIA A DATA EFETIVA DO TRÂNSITO EM JULGADO DE SENTENÇAS EM CERTIDÕES CARTORÁRIAS DA JUSTIÇA FEDERAL. Considerando a necessidade de orientar e padronizar os

Leia mais

11ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA PARANÁ GARANTIA DE DIREITOS NO FORTALECIMENTO DO SUAS

11ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA PARANÁ GARANTIA DE DIREITOS NO FORTALECIMENTO DO SUAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO OBJETIVO, TEMÁRIO Art. 1º A 11ª Conferência Municipal de Assistência Social será presidida pelo Presidente do Conselho Municipal de Assistência Social CMAS e realizada em

Leia mais

RESOLUÇÃO N 14/2016/CONSUNI, DE 22 DE JULHO DE 2016.

RESOLUÇÃO N 14/2016/CONSUNI, DE 22 DE JULHO DE 2016. RESOLUÇÃO N 14/2016/CONSUNI, DE 22 DE JULHO DE 2016. Estabelece as normas gerais para a elaboração dos Trabalhos de Conclusão de Curso para graduação na Universidade da Integração Internacional da Lusofonia

Leia mais

Estado de Alagoas Prefeitura Municipal de São Miguel dos Campos Gabinete do Prefeito

Estado de Alagoas Prefeitura Municipal de São Miguel dos Campos Gabinete do Prefeito Projeto de Lei nº, de de de 2016. Institui o Fórum Municipal de Educação de São Miguel dos Campos e adota outras providências. O Prefeito do Município de São Miguel dos Campos, Estado de Alagoas, no uso

Leia mais

EDITAL Nº 001/2014 COMISSÃO ELEITORAL DO DIRETÓRIO LIVRE DO DIREITO CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÃO 2014

EDITAL Nº 001/2014 COMISSÃO ELEITORAL DO DIRETÓRIO LIVRE DO DIREITO CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÃO 2014 EDITAL Nº 001/2014 COMISSÃO ELEITORAL DO DIRETÓRIO LIVRE DO DIREITO CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÃO 2014 A Comissão Eleitoral Discente do Curso de Direito da UFSM, composta nos termos do art. 45 e do Estatuto

Leia mais

9. ORGANIZAÇÂO ADMINISTRATIVA

9. ORGANIZAÇÂO ADMINISTRATIVA 9. ORGANIZAÇÂO ADMINISTRATIVA 9.1 Estrutura Organizacional, Instâncias de Decisão e Organograma Institucional e Acadêmico (conforme Estatuto e Regimento Geral). O Instituto Federal de Ciência e Tecnologia

Leia mais

CLUBE DE REGATAS DO FLAMENGO Fundado em 15 de novembro de 1895

CLUBE DE REGATAS DO FLAMENGO Fundado em 15 de novembro de 1895 CONSELHO DELIBERATIVO Obs. 2 reuniões 9ª REUNIÃO 27/7/2016 Presentes 263 conselheiros. Ordem do dia: 1) Leitura e aprovação da ata da reunião anterior; 2) Apreciar e votar a proposta de emenda de alterações

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 101, DE 04 DE JULHO DE 2014.

PROJETO DE LEI Nº 101, DE 04 DE JULHO DE 2014. Extingue a unidade Departamento dos Conselhos Municipais compreendida na estrutura do órgão Gabinete do Prefeito; cria a unidade Coordenação dos Conselhos Municipais no órgão Gabinete do Prefeito; altera

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARA ESCOLHA DOS REPRESENTANTES DO CONSELHO SUPERIOR DO IF SUDESTE MG (CONSU).

REGULAMENTO ELEITORAL PARA ESCOLHA DOS REPRESENTANTES DO CONSELHO SUPERIOR DO IF SUDESTE MG (CONSU). GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAMPUS SANTOS DUMONT REGULAMENTO

Leia mais

REGIMENTO DO SEMINÁRIO EPTNM de 2016 do CEFET-MG

REGIMENTO DO SEMINÁRIO EPTNM de 2016 do CEFET-MG SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS REGIMENTO DO SEMINÁRIO EPTNM de 2016 do CEFET-MG Art. 1º - O objetivo do Seminário é propor diretrizes

Leia mais

EDITAL DE ELEIÇÃO Nº 01/ASIBAMA-DF, DE 01 DE ABRIL DE 2016

EDITAL DE ELEIÇÃO Nº 01/ASIBAMA-DF, DE 01 DE ABRIL DE 2016 EDITAL DE ELEIÇÃO Nº 01/ASIBAMA-DF, DE 01 DE ABRIL DE 2016 NORMAS E CONVOCAÇÃO DAS ELEIÇÕES PARA A DIRETORIA EXECUTIVA E O CONSELHO FISCAL DA ASIBAMA-DF A Mesa Eleitoral, composta por Ana Maria Evaristo

Leia mais

EDITAL UnC - 003/2010

EDITAL UnC - 003/2010 UNIVERSIDADE DO CONTESTADO - EDITAL - 003/2010 Dispõe sobre as eleições para escolha do Reitor da Universidade do Contestado. O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições estatutárias

Leia mais

RELAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÕES SOCIAIS (RAIS) - PRAZO FINAL PARA DECLARAÇÃO

RELAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÕES SOCIAIS (RAIS) - PRAZO FINAL PARA DECLARAÇÃO Visualizar em PDF RELAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÕES SOCIAIS (RAIS) - PRAZO FINAL PARA DECLARAÇÃO Encaminhamos para conhecimento a Portaria nº 10, de 06/01/2011, aprovando instruções para a declaração da relação

Leia mais

Edital de Empresa Júnior 2014 da UERJ. Edital de Convocação para Projeto Acadêmico de Empresa Júnior da UERJ

Edital de Empresa Júnior 2014 da UERJ. Edital de Convocação para Projeto Acadêmico de Empresa Júnior da UERJ A Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ torna público o presente Edital, com normas, rotinas e procedimentos relativos ao Exame de Qualificação de Apoio ao Projeto Acadêmico de Empresa Junior.

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 7-CEPE-CAD/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. O 2º, DO ART. 5º, DESTA PORTARIA, ESTÁ ALTERADO PELA RESOLUÇÃO Nº 1/2014-CEPE-CAD/UNICENTRO. Aprova o Regulamento do Centro de Línguas do Campus

Leia mais

Gestão de Eventos. 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 04

Gestão de Eventos. 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 04 Gestão de Eventos 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 04 Sumário GESTÃO DE EVENTOS 1 Apresentação.3 GESTÃO DE EVENTOS.4 Elementos do processo

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE REGIONAL DO RIO GRANDE DO NORTE FURRN MOSSORÓ RN E S T A T U T O

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE REGIONAL DO RIO GRANDE DO NORTE FURRN MOSSORÓ RN E S T A T U T O FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE REGIONAL DO RIO GRANDE DO NORTE FURRN MOSSORÓ RN E S T A T U T O (Adaptação ao Decreto n.º 9.855, de 21.07.1987, do Governo do Estado do Rio Grande do Norte), de 28 de setembro de

Leia mais

Consulta Pública - Regimento Interno do Campus Colorado do Oeste. Resposta do questionário 1

Consulta Pública - Regimento Interno do Campus Colorado do Oeste. Resposta do questionário 1 Consulta Pública - Regimento Interno do Campus Colorado do Oeste Resposta do questionário 1 21 página 1 / 9 Resposta do questionário 2 23 página 2 / 9 Resposta do questionário 3 25 página 3 / 9 Resposta

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE CÂMPUS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CÂMPUS AVARÉ CAPÍTULO I

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE CÂMPUS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CÂMPUS AVARÉ CAPÍTULO I REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE CÂMPUS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CÂMPUS AVARÉ CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE DO CONCAM Art. 1º O Instituto Federal de Educação,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 013, DE 05 DE SETEMBRO DE 2016

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 013, DE 05 DE SETEMBRO DE 2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 013, DE 05 DE SETEMBRO DE 2016 Dispõe sobre o Regulamento do processo de consulta à comunidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CÂMPUS PICUÍ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CÂMPUS PICUÍ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CÂMPUS PICUÍ RESOLUÇÃO Nº 01, DE 02 DE MARÇO DE 2015. Dispõe sobre a aprovação da regulamentação da concessão de ajuda

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA NOVOS MEMBROS DA LIGA DE INVENTORES DA UFG (LI-UFG) EDITAL 01/2017

PROCESSO SELETIVO PARA NOVOS MEMBROS DA LIGA DE INVENTORES DA UFG (LI-UFG) EDITAL 01/2017 Serviço Público Federal Universidade Federal de Goiás Escola de Engenharia Elétrica, Mecânica e de Computação PROCESSO SELETIVO PARA NOVOS MEMBROS DA LIGA DE INVENTORES DA UFG (LI-UFG) EDITAL 01/2017 A

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO STJ/GP N. 2 DE 1º DE FEVEREIRO DE 2017. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno dos autos no âmbito do Superior Tribunal de Justiça. A PRESIDENTE DO SUPERIOR

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES E PRAZOS PARA A PREFEITURA

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES E PRAZOS PARA A PREFEITURA CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES E PRAZOS PARA A PREFEITURA É DE SUMA IMPORTÂNCIA ESTARMOS ATENTOS AOS PRAZOS LIMITE, PARA QUE TENHAMOS MAIOR TRANQÜILIDADE PERANTE NOSSOS CLIENTES E OS GESTORES PERANTE A SOCIEDADE,

Leia mais

NORMA DE GOVERNANÇA DO COMPLEXO HISTÓRICO E CULTURAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

NORMA DE GOVERNANÇA DO COMPLEXO HISTÓRICO E CULTURAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ NORMA DE GOVERNANÇA DO COMPLEXO HISTÓRICO E CULTURAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - A presente norma dispõe sobre as regras de governança do Complexo Histórico

Leia mais

HIDERALDO LUIZ DE ALMEIDA Presidente da Diretoria Executiva da ASCT

HIDERALDO LUIZ DE ALMEIDA Presidente da Diretoria Executiva da ASCT EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ELEIÇÃO GERAL DA DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELHO FISCAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIDORES DO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ASCT O Presidente da Diretoria Executiva

Leia mais

I - DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS II - DA COMPOSIÇÃO, DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS

I - DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS II - DA COMPOSIÇÃO, DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES JUDICIAIS RELEVANTES - COPAJURE DO CONSELHO NACIONAL DOS DIRIGENTES DE REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - CONAPREV I - DA DEFINIÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DOS CORPOS DOCENTE, DISCENTE E TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DO CONSELHO ACADÊMICO DO IFMG CAMPUS CONGONHAS

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DOS CORPOS DOCENTE, DISCENTE E TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DO CONSELHO ACADÊMICO DO IFMG CAMPUS CONGONHAS REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DOS CORPOS DOCENTE, DISCENTE E TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DO CONSELHO ACADÊMICO DO IFMG CAMPUS CONGONHAS I. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Tendo em vista a

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 09/11/2016

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 09/11/2016 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ Atualizado em 09/11/2016 RESOLUÇÃO STJ/GP N. 1 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2016. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno dos autos no âmbito

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOCONSELHO CONSULTIVO DO OBSERVATÓRIO DE ANÁLISE POLÍTICA EM SAÚDE

REGIMENTO INTERNO DOCONSELHO CONSULTIVO DO OBSERVATÓRIO DE ANÁLISE POLÍTICA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO DOCONSELHO CONSULTIVO DO OBSERVATÓRIO DE ANÁLISE POLÍTICA EM SAÚDE TÍTULO I Disposições Gerais Da Composição e da Finalidade Art.1º O Conselho Consultivo é um órgão colegiado de assessoramento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS UFT REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS UFT REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS UFT REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE Palmas TO Junho 2004 ÍNDICE TÍTULO 1 Introdução... 03 Capítulo I Da Composição...

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE VOTUPORANGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOTUPORANGA REGULAMENTO DA EXTENSÃO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE VOTUPORANGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOTUPORANGA REGULAMENTO DA EXTENSÃO Centro Universitário de Votuporanga FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE VOTUPORANGA Rua Pernambuco, 4.196 Votuporanga/SP - CEP 15.500-006 PABX: (17) 3405-9999 e FAX (17) 3422-4510 E-mail: fev@fev.edu.br FUNDAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016

AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016 AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS LDO EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E TECNOLOGIA DIRETORIA DE ORÇAMENTO

Leia mais

I - Representantes do corpo discente: 1 (um) aluno membro efetivo e 1(um) suplente

I - Representantes do corpo discente: 1 (um) aluno membro efetivo e 1(um) suplente GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CÂMPUS SANTOS DUMONT REGULAMENTO

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÕES DO GRÊMIO ESTUDANTIL CAPÍTULO I DO PRESENTE EDITAL

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÕES DO GRÊMIO ESTUDANTIL CAPÍTULO I DO PRESENTE EDITAL EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÕES DO GRÊMIO ESTUDANTIL CAPÍTULO I DO PRESENTE EDITAL Art. 1º. O presente edital tem como finalidade gerir as eleições para a gestão 2016/2017 do Grêmio Estudantil do IFTM

Leia mais

Edital de Convocação

Edital de Convocação Resolução da Presidência nº 004/2013 Rio de Janeiro, 15 de Abril de 2013. Assunto: Convocação da Assembléia Geral Ordinária da ANDE O Presidente da ANDE, no uso de suas atribuições no que confere o Artigo

Leia mais

EDITAL Nº 05/2017 DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS ACADÊMICOS

EDITAL Nº 05/2017 DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS ACADÊMICOS EDITAL Nº 05/2017 DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS ACADÊMICOS APRESENTAÇÃO O Estatuto da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), em seu capítulo segundo, inciso III, estabelece a universalização

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS, ÁREA DE CONCENTRAÇÂO EM COMBUSTÃO E PROPULSÃO

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS, ÁREA DE CONCENTRAÇÂO EM COMBUSTÃO E PROPULSÃO REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS, ÁREA DE CONCENTRAÇÂO EM COMBUSTÃO E PROPULSÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO CURSO Art. 1 o A Área de Concentração em Combustão e Propulsão

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DOS CORPOS DOCENTE, DISCENTE E TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DO CONSELHO ACADÊMICO DO IFMG CAMPUS CONGONHAS

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DOS CORPOS DOCENTE, DISCENTE E TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DO CONSELHO ACADÊMICO DO IFMG CAMPUS CONGONHAS REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DOS CORPOS DOCENTE, DISCENTE E TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DO CONSELHO ACADÊMICO DO IFMG CAMPUS CONGONHAS I. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Tendo em vista o

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO - IFPE

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO - IFPE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS

Leia mais

Regimento Interno da Comissão Permanente de Espaço Físico do Instituto de

Regimento Interno da Comissão Permanente de Espaço Físico do Instituto de Regimento Interno da Comissão Permanente de Espaço Físico do Instituto de Ciências Ambientais, Químicas e Farmacêuticas (ICAQF) da Universidade Federal de São Paulo Regulamenta as competências e a composição

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 14, DE 9 DE AGOSTO DE 2016 Aprova o Regimento

Leia mais

EDITAL. CAPÍTULO I Das Definições e Providências Preliminares

EDITAL. CAPÍTULO I Das Definições e Providências Preliminares EDITAL A COMISSÃO ELEITORAL indicada pelo CONSELHO DA UNIDADE DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (FAMED/UFRGS), no uso de suas atribuições, convoca através do presente

Leia mais

ELEIÇÕES PARA DELEGADOS SINDICAIS 2016/2017 REGIMENTO ELEITORAL

ELEIÇÕES PARA DELEGADOS SINDICAIS 2016/2017 REGIMENTO ELEITORAL ELEIÇÕES PARA DELEGADOS SINDICAIS 2016/2017 REGIMENTO ELEITORAL Dispõe sobre a eleição para representantes sindicais de base, para o período 2016/2017, aos empregados do BANCO DO BRASIL. CAPÍTULO I. DAS

Leia mais

Esta Chamada Pública encontra-se disponível na página eletrônica

Esta Chamada Pública encontra-se disponível na página eletrônica Esta Chamada Pública encontra-se disponível na página eletrônica www.uece.br/politicaspublicas Chamada Pública Nº 009 / 2013 Estabelece condições para a eleição de Coordenador e Vice-Coordenador e dos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO UNIFICADA PAULISTA DE ENSINO RENOVADO OBJETIVO ASSUPERO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE - IESRN

ASSOCIAÇÃO UNIFICADA PAULISTA DE ENSINO RENOVADO OBJETIVO ASSUPERO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE - IESRN ASSOCIAÇÃO UNIFICADA PAULISTA DE ENSINO RENOVADO OBJETIVO ASSUPERO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE - IESRN COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INTERNA CPA REGULAMENTO INTERNO CPA/IESRN A

Leia mais

Regimento da Fazenda Experimental da UDESC - CAV

Regimento da Fazenda Experimental da UDESC - CAV Regimento da Fazenda Experimental da UDESC - CAV CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade Art. 1º A Fazenda Experimental da UDESC - CAV (FECAV) é um Órgão Suplementar Setorial do Centro de Ciências Agroveterinárias

Leia mais

LEI N , de 06 de abril de A Prefeita do Município de Mato Leitão, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI N , de 06 de abril de A Prefeita do Município de Mato Leitão, Estado do Rio Grande do Sul. LEI N. 2.385, de 06 de abril de 2016. INCLUI AÇÕES NO PLANO PLURIANUAL PPA, NA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS LDO, ABRE CRÉDITOS ADICIONAIS ESPECIAIS E SUPLEMENTARES NO ORÇAMENTO DO MUNICÍPIO, E DÁ OUTRAS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 033/2014, DE 30 DE ABRIL DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 033/2014, DE 30 DE ABRIL DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Conselho Superior Rua Ciomara Amaral de Paula, 167 Bairro Medicina 37550-000 - Pouso Alegre/MG Fone: (35)

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES FUNDAÇÃO FUPAC REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES Art. 1º - As Atividades Complementares integram

Leia mais

Planos de Mobilidade: princípios e desafios

Planos de Mobilidade: princípios e desafios Planos de Mobilidade: princípios e desafios Questão Primária: Afinal, o que é Mobilidade? O termo é relativamente recente.; Ainda causa confusão pelo vasto campo técnicocientífico em que vem sendo utilizado.

Leia mais