LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/ ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA"

Transcrição

1 LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/ ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA ' C O I M B R A

2 SUMÁRIO PARTE III ESTÉTICA E APARELHOS CULTURAIS DO «FIM DE SÉCULO. AO ESTADO NOVO CAP. I - CAMINHOS DA CULTURA PORTUGUESA DO «FIM DE SÉCULO». RUMOS CONTRADITÓRIOS DAS «NOVAS GERAÇÕES» 13 A ficção do 'fim de século» 13 As «novas gerações»: «reconquista» e «renascimento», ou... «o ovo da serpente» 18 Nacionalismo e regionalismo. História e sociologia 28 «Culturas novas», -novos Estados», «Estado Novo» 33 CAP. II - O MODERNISMO NO CONTEXTO DA FORMAÇÃO DO ESTADO NOVO 35 O modernismo ou uma «cultura nova»: relações, contradições, ambiguidades 35 O modernismo/futurismo como forma de uma «cultura nova» num -Estado novo» e numa «Europa nova» 42 António Ferro: de intelectual modernista a «intelectual orgânico» do Estado Novo 54 CAP. III - «INTELECTUAIS», «INTELECTUAIS ORGÂNICOS» E «FUNCIONÁRIOS CULTURAIS» NO ESTADO NOVO 71 «Intelectuais», «intelectuais orgânicos» e «funcionários culturais» 71 Intelectuais orgânicos» no Estado Novo 76 Dois casos de -intelectuais orgânicos»: António Ferro e João Ameal 78 Costa Brochado, um funcionário politicocultural 88 Passado, Presente e Futuro* de Portugal. A ideologia política de Costa Brochado 91 O -historiógrafo' 103 A 'história' ao serviço da 'razão de Deus- e da 'razão de Estado' 108 Os «intelectuais» e o Estado Novo - um estudo complexo 116

3 CAP. IV - LITERATURA E «CULTURA OFICIAL» NO ESTADO NOVO 119 A «Política do Espírito» e o problema de uma -cultura oficial» 119 A «literatura oficial» ou -integrada» e os prémios literários do SPN/SNI 126 Os prémios de poesia «Antero de Quental» e de romance -Eça de Queirós» 128 Literatura nas -bibliotecas oficiais de divulgação» 140 Anexo - A Literatura Portuguesa nas bibliotecas das Casas do Povo 147 CAP. V - «A RADIOFONIA AO SERVIÇO DO ESTADO». OS INÍCIOS DA EMISSORA NACIONAL 149 A chave que abre o mundo» e a propaganda 149 A missão política da rádio: comemorações e palestras nacionalistas 153 Emissora Nacional (EN) ao serviço do Estado Novo (EN) 159 A música, o vinho e a mulher 168 CAP. VI - CINEMA, ESTÉTICA E IDEOLOGIA 175 Cinema, arte e ideologia 175 A ideia do cinema em António Ferro no tempo do Estado Novo 176 Percursos do cinema português no Estado Novo - os «anos heróicos» e... depois 185 As estéticas e as ideologias no regime - prémios, subsídios e censura 192 Literatura, escritores e estéticas no cinema português 201 A visão do cinema português pela SEIT - a ambiguidade de uma apreciação 209 Um -cinema oficial» ou um «cinema integrado»? 214 PARTE IV IMAGENS E REPRESENTAÇÕES CULTURAIS DO «INTEGRALISMO» AO ESTADO NOVO CAP. I - ALMEIDA GARRETT E O NACIONALISMO CULTURAL INTEGRALISTA E SALAZARISTA 219 Neogarrettismo, nacionalismo cultural e nacionalismo político 219 A «reabilitação» de Garrett 221 Garrett e o nacionalismo do Estado Novo 224 A Universidade de Coimbra e o Centenário de Garrett 232 CAP. II - ANTERO DE QUENTAL E OLIVEIRA MARTINS NAS LEITURAS INTEGRALISTA, CATÓLICA E SALAZARISTA 237 As leituras ideológicas da história - Antero de Quental e Oliveira Martins 237 Antero «mestre da Contra-Revolução» - as leituras tradicionalista, integralista e nacional-sindicalista 239

4 Como os integralistas viram Oliveira Martins 247 Os dois Anteros e o perverso -historiador» Oliveira Martins segundo Alfredo Pimenta 249 Antero e Oliveira Martins entre a -graça» e o -pecado» - a visão dos -católicos» 253 O socialismo de Antero e as -interpretações de regime» 259 Antero precursor da -Revolução Nacional» - a leitura do Estado Novo 261 Antero e Oliveira Martins «lidos» aos jovens e aos adultos - o ensino e a divulgação no Estado Novo 266 O Centenário de Antero - encontro de várias leituras 272 CAP. III - CASTELA E ESPANHA VISTAS NA ESCOLA SALAZARISTA 285 Relações entre Portugal e Espanha: estudos e olhares 285 A -escola salazarista» 288 Imagens de Espanha e de Castela: dos manuais escolares às Comemorações Centenárias de 1940 e... ao cinema 292 A história contada às crianças» e os silêncios da história 299 O boletim Escola Portuguesa: do «perigo espanhol» à «amizade peninsular» 301 Em resumo e... em testemunho pessoal 310 PARA CONCLUIR. ALGUMAS OBSERVAÇÕES E MUITAS INTERROGAÇÕES 313 História objectiva e História problema. O tempo e a construção da ciência e da «escola» 313 As -gerações» e os -Estados novos» 316 A força da propaganda e os -intelectuais» 318 O «fascismo» e o -totalitarismo» à portuguesa 319 Saudáveis interrogações 322 EM VEZ DE UMA BIBLIOGRAFIA... UM LEVANTAMENTO HISTORIOGRÁFICO 323 História da historiografia sobre a «Época Contemporânea» em Portugal 323 Da historiografia sobre o Liberalismo e sobre a Primeira República 325 Historiografia e outras representações sobre o Estado Novo - luzes e sombras 332 A precoce e continuada historiografia dos estrangeiros e dos portugueses no estrangeiro 332 As primeiras publicações em Portugal e os primeiros colóquios 335 As questões económicas e sociais 339 Relações internacionais e política externa 343

5 As questões e as estruturas militares, a 'guerra coloniale a visão do «outro» 349 Instituições e práticas judiciais e políticas 356 Cultura, mentalidades, ensino e propaganda 360 Situação e repressão 375 Conivências, rupturas e oposições. A Igreja e o Estado 379 Personalidades e movimentos em ruptura ou em oposição 382 O marcelismo e o fim do «Império* 387 Entrevistas e ensaios, biografias, autobiografias, memórias e correspondências 388 Salazar, «esse desconhecido*, e as origens do salazarismo 396 Histórias de Portugal, histórias especializadas, enciclopédias, dicionários, cronologias, guias, revistas, colectâneas 404 Perspectivas futuras acerca dos estudos sobre o Estado Novo 410 POSFÁCIO À SEGUNDA EDIÇÃO 415 A primeira e a segunda edições. Agradecimentos 415 Dos meus mestres à -essência do ensaio» 416 Para um -Ensaio sobre os erros...» 421 Anexo ao Anexo 425 SUMÁRIO GERAL (VOLUMES I E II) 439

MUNICÍPIO DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS

MUNICÍPIO DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS 1 Missão da Biblioteca Os princípios orientadores da Biblioteca Municipal Simões de Almeida (tio) têm como base o Manifesto da UNESCO sobre as Bibliotecas Públicas, pelo que no cumprimento da sua missão

Leia mais

"Aqui Também é Portugal"

Aqui Também é Portugal A 337669 "Aqui Também é Portugal" A Colónia Portuguesa do Brasil e o Salazarismo Heloísa Paulo Quarteto 2000 índice Prefácio 13 Introdução 17 Parte I A visão da emigração e do emigrante no ideário salazarista

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga SUMÁRIO Introdução... 11 A história da Igreja e sua problemática... 17 A. Alguns pressupostos e indicações básicos antes de começar o caminho... 17 Trata-se de um ramo da ciência histórica ou da ciência

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DIPLOMÁTICA DE PORTUGAL (MEDIEVAL E MODERNA) Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DIPLOMÁTICA DE PORTUGAL (MEDIEVAL E MODERNA) Ano Lectivo 2014/2015 UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DIPLOMÁTICA DE PORTUGAL (MEDIEVAL E MODERNA) Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso

Leia mais

ÍNDICE. B. Marcello Caetano e Imprensa: relações de proximidade

ÍNDICE. B. Marcello Caetano e Imprensa: relações de proximidade ÍNDICE Índice de quadros Índice de figuras Agradecimentos Resumo/Abstract Introdução A. Encruzilhadas do Marcelismo B. Marcello Caetano e Imprensa: relações de proximidade C. Eleições de 1969: esperanças

Leia mais

Decreto n.º 22/95 Acordo de Cooperação Cultural e Científica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Federação da Rússia

Decreto n.º 22/95 Acordo de Cooperação Cultural e Científica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Federação da Rússia Decreto n.º 22/95 Acordo de Cooperação Cultural e Científica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Federação da Rússia Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

Nota à 14 a Edição... 11 Introdução... 13

Nota à 14 a Edição... 11 Introdução... 13 sumário Nota à 14 a Edição................................................ 11 Introdução..................................................... 13 1. As Causas da Expansão Marítima e a Chegada dos Portugueses

Leia mais

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO SUMÁRIO Apresentação Prefácio Introdução 1. Da história da pedagogia à história da educação 2. Três revoluções em historiografia 3. As muitas histórias educativas 4. Descontinuidade na pesquisa e conflito

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 15 outubro de 2013 ) No caso específico da disciplina de História e Geografia de Portugal, do 6ºano de escolaridade, a avaliação

Leia mais

um filme para o público universitário

um filme para o público universitário um filme para o público universitário «Este filme é um documentário valiosíssimo do passado, do presente e do futuro. Assume uma linguagem universal criando espaço para que o espectador reflicta e crie

Leia mais

LICENCIATURA EM LETRAS UFF

LICENCIATURA EM LETRAS UFF ANEXO LICENCIATURA EM LETRAS UFF SELEÇÃO DOCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDAS - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS 5º PERÍODO DO CURSO DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDAS Portuguesa II AMOR,

Leia mais

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO João Carlos da Silva 1 A produção da IPB reúne uma farta publicação de

Leia mais

As Novas Religiões em Portugal. 1. Introdução

As Novas Religiões em Portugal. 1. Introdução 1. Introdução De entre os possíveis temas disponíveis para o trabalho de avaliação contínua da cadeira de Fontes de Informação Sociológica seleccionei As novas religiões em Portugal. Esta decisão prende

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA 1 Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA No equilíbrio entre as várias partes do livro, dei maior peso à fase que se inicia nos fins do século XIX e vai até

Leia mais

Centro de Documentação Cristina Torres

Centro de Documentação Cristina Torres ..Agrupamento de Escolas Figueira Norte Código 161354 ANO LETIVO 2012-2013 Centro de Documentação Nº Nome do Documento Tipo de documento Suporte Forma de 1 2 3 4 5 6 7 8 no 1º no 1º no 1º no 1º no 1º no

Leia mais

Do Jornalismo aos Media

Do Jornalismo aos Media Do Jornalismo aos Media Estudos sobre a realidade portuguesa Rogério Santos Universidade Católica Editora Índice Introdução 7 Parte I Elementos para a história dos media em Portugal Jornalismo português

Leia mais

ESPAÇOS E ACTORES DA CIÊNCIA EM PORTUGAL (XVIII-XX)

ESPAÇOS E ACTORES DA CIÊNCIA EM PORTUGAL (XVIII-XX) ESPAÇOS E ACTORES DA CIÊNCIA EM PORTUGAL (XVIII-XX) C O O R D E N A Ç ÃO Maria Fernanda Rollo Maria de Fátima Nunes Madalena Esperança Pina Maria Inês Queiroz SUMÁRIO INTRODUÇÃO 7 ESPAÇOS E ACTORES: LUGARES

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

Atualidades. Prof Rodrigo Ocampo Barbati

Atualidades. Prof Rodrigo Ocampo Barbati Atualidades Prof Rodrigo Ocampo Barbati SOCIEDADE Módulo XXV Ano Nacional Joaquim Nabuco - 2010 Há cem anos, em janeiro de 1910, morria o abolicionista pernambucano que ajudou a libertar os escravos. Entre

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

AULA 18.1 Conteúdo: A produção realista e naturalista em Portugal; as influências europeias. INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA

AULA 18.1 Conteúdo: A produção realista e naturalista em Portugal; as influências europeias. INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA 18.1 Conteúdo: A produção realista e naturalista em Portugal; as influências europeias. 2 18.1 Habilidade: Caracterizar o Realismo - Naturalismo Português e explicar o que foi a polêmica Bom-senso e bom

Leia mais

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing.

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing. Comunicação social Comunicação social A Comunicação Social é um campo de conhecimento académico que estuda a comunicação humana e as questões que envolvem a interação entre os sujeitos em sociedade. Os

Leia mais

HISTORIA DE PORTUGAL

HISTORIA DE PORTUGAL A. H. DE OLIVEIRA MARQUES HISTORIA DE PORTUGAL Manual para uso de estudantes e outros curiosos de assuntos do passado pátrio EDITORIAL PRESENÇA ÍNDICE GERAL PREFACIO 11 INTRODUÇÃO AS RAÍZES DE UMA NAÇÃO

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES

PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2006 [aprovado em reunião do CC em 11 de Novembro 2005] Introdução O IPRI-UNL definiu como objectivo fundamental para a sua actividade constituir-se como uma estrutura institucional

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

EXAMES - ÉPOCA ESPECIAL

EXAMES - ÉPOCA ESPECIAL ADMINISTRAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES EDUCATIVAS DIA Horas Ano Disciplina Sala 9 SET 18.30 h 1º Sociologia das Organizações 26 10 SET 18.30 h 1º Teoria da Administração 26 11 SET 18.30 h 1º Financiamento e Gestão

Leia mais

Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM

Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM De visita à Biblioteca do Professor José Mattoso: o que não sabemos e devemos saber Judite A. Gonçalves de Freitas FCHS-UFP Mértola- 16. Março.

Leia mais

PSIQUIATRIA MODO DE USAR SAÚDE MENTAL CENTRO HOSPITALAR DE SÃO JOÃO

PSIQUIATRIA MODO DE USAR SAÚDE MENTAL CENTRO HOSPITALAR DE SÃO JOÃO 1963 2013 S E R V I Ç O PSIQUIATRIA CENTRO HOSPITALAR DE SÃO JOÃO SAÚDE MENTAL MODO DE USAR 2 COLABORAÇÕES Álvaro de CARVALHO, Director do Programa Nacional de Saúde Mental D. Manuel CLEMENTE, Bispo do

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

Casas-Museu dos Médicos em Portugal

Casas-Museu dos Médicos em Portugal Casas-Museu dos Médicos em Portugal O MÉDICO QUE SÓ SABE DE MEDICINA NEM DE MEDICINA SABE Prof. Doutor Abel Salazar AUGUSTO MOUTINHO BORGES, CLEPUL, Academia Portuguesa da História Apresentação Após a

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA CULTURA PORTUGUESA Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA CULTURA PORTUGUESA Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA CULTURA PORTUGUESA Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Leia mais

O Rádio Educativo no Brasil

O Rádio Educativo no Brasil Série Memória 1 Cadernos da Comunicação Série Memória O Rádio Educativo no Brasil Secretaria Especial de Comunicação Social 2 Cadernos da Comunicação Agradecemos a colaboração da Sociedade dos Amigos Ouvintes

Leia mais

CENSURE, PROPAGANDE et REPRESSION dans les MONDES LUSOPHONES XXe XXIe s. ------------------------ SELECTION BIBLIOGRAPHIQUE

CENSURE, PROPAGANDE et REPRESSION dans les MONDES LUSOPHONES XXe XXIe s. ------------------------ SELECTION BIBLIOGRAPHIQUE 1 CENSURE, PROPAGANDE et REPRESSION dans les MONDES LUSOPHONES XXe XXIe s. ------------------------ SELECTION BIBLIOGRAPHIQUE AU PORTUGAL «Conspiração/Tomé Vieira» [En ligne : http://purl.pt/13871/2/bn-acpc-

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais

REPÚBLICA NAS ESCOLAS

REPÚBLICA NAS ESCOLAS REPÚBLICA NAS ESCOLAS COM O APOIO DE: http://www.centenariorepublica.pt/escolas escolas@centenariorepublica.pt República nas Escolas Descrição e Objectivos O tema Centenário da República deverá ser um

Leia mais

História B Aula 21. Os Agitados Anos da

História B Aula 21. Os Agitados Anos da História B Aula 21 Os Agitados Anos da Década de 1930 Salazarismo Português Monarquia portuguesa foi derrubada em 1910 por grupos liberais e republicanos. 1ª Guerra - participação modesta ao lado da ING

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Análise de informação do manual. Filmes educativos

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Análise de informação do manual. Filmes educativos ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: História ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS DE

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DEPENDENTES DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO (MINUTA) VOLUNTARIADO NOS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO DE MONUMENTOS,

Leia mais

CURSOS História e Tecnologia em Design de Moda

CURSOS História e Tecnologia em Design de Moda PROCESSO SELETIVO 2006/1 História CURSOS História e Tecnologia em Design de Moda Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. 1. Este caderno de prova contém dez

Leia mais

Escola Secundária com 3º ciclo de Manuel da Fonseca Curso Profissional de Turismo

Escola Secundária com 3º ciclo de Manuel da Fonseca Curso Profissional de Turismo Domínios de Referência Competência Linguística Componentes Competência Funcional e Discursiva Competência Sociocultural Nº Horas Estratégias Recursos Avaliação Módulo 1: Nós e o mundo à nossa volta Pronomes

Leia mais

o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14

o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14 SuMÁRIo UNIDADE I O ADVENTO DO MUNDO MODERNO: POLÍTICA E CULTURA... 12 Capítulo 1 o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14 A fragmentação do poder na sociedade feudal...

Leia mais

SISEB Informa. 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias. Ensino a distância (EAD) SisEB Curso: Ação cultural em bibliotecas

SISEB Informa. 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias. Ensino a distância (EAD) SisEB Curso: Ação cultural em bibliotecas Ano I Número 6 setembro 2014 3 Ensino a distância (EAD) SisEB Curso: Ação cultural em bibliotecas 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias página 4 6 Encontro Prêmio São Paulo

Leia mais

Resenha: Pontes sobre o Atlântico. Resenha

Resenha: Pontes sobre o Atlântico. Resenha Resenha VENANCIO, Giselle Martins. Pontes sobre o Atlântico: ensaios sobre relações intelectuais e editoriais luso-brasileiras (1870-1930). Rio de Janeiro: Vício de Leitura, 2012. Mariana Rodrigues Tavares

Leia mais

Curso de Relações Internacionais

Curso de Relações Internacionais UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências Curso de Relações Internacionais 1 º. ano Disciplina: Introdução à História Profª Lidia M. V. Possas Lidia. M. V. Possas

Leia mais

Samara de Souza Freitas

Samara de Souza Freitas Samara de Souza Freitas Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/7414385383900832 Última atualização do currículo em 17/12/2012 Graduanda pela Universidade do Estado da Bahia (2012) na área

Leia mais

Estatuto Jurídico dos Judeus e Mouros na Idade Média Portuguesa

Estatuto Jurídico dos Judeus e Mouros na Idade Média Portuguesa A/490020 JOAQUIM DE ASSUNÇÃO FERREIRA Estatuto Jurídico dos Judeus e Mouros na Idade Média Portuguesa (Luzes e Sombras, na convivência entre as três religiões) UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2006

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL.

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 309 CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. Artigo 9.º (Tarefas fundamentais do Estado) São tarefas fundamentais do Estado:. a) Garantir a independência

Leia mais

HISTÓRIA DO BRASIL CONTEMPORÂNEO II

HISTÓRIA DO BRASIL CONTEMPORÂNEO II Pág. 1 Caracterização Curso: LICENCIATURA EM HISTÓRIA Ano/Semestre letivo: 01/1 Período/Série: 6 Turno: ( ) Matutino ( X ) Vespertino ( ) Noturno Carga horária semanal: 3h (4 aulas) Carga horária total:

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Relações Internacionais 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

AGENDA DE NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2014

AGENDA DE NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2014 AGENDA DE NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2014 O Agrupamento de Escolas N.º2 de Abrantes tem como um dos seus objetivos a plena integração na comunidade de que faz parte. Surge assim como natural a divulgação das

Leia mais

Disciplinas Optativas Jornalismo

Disciplinas Optativas Jornalismo Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Jornalismo Disciplinas Optativas Jornalismo Carga horária total de optativas: 930

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa Conteúdo: A Revolução Francesa Habilidades: Reconhecer nas origens e consequências da Revolução Francesa de 1789, os elementos fundamentais da formação política e social contemporânea para a história contemporânea.

Leia mais

FERNANDO PESSOA [Professor de filosofia da UFES e organizador dos Seminários Internacionais Museu Vale]

FERNANDO PESSOA [Professor de filosofia da UFES e organizador dos Seminários Internacionais Museu Vale] Os Seminários Internacionais Museu Vale FERNANDO PESSOA [Professor de filosofia da UFES e organizador dos Seminários Internacionais Museu Vale] O propósito desta introdução, além de apresentar a oitava

Leia mais

Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: História. 1. Introdução. 3º Ciclo do Ensino Básico. Ano letivo de 2011/12

Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: História. 1. Introdução. 3º Ciclo do Ensino Básico. Ano letivo de 2011/12 Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: História 3º Ciclo do Ensino Básico Ano letivo de 2011/12 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência

Leia mais

Estrutura da Prova. Classificação Final

Estrutura da Prova. Classificação Final Estrutura da Prova 1. A Prova (P) é constituída por duas componentes: a) Cultura Geral e Expressão Escrita (CG) - esta parte (escrita) da prova é comum a todos os candidatos e vale 30% da classificação

Leia mais

Paula Almozara «Paisagem-ficção»

Paula Almozara «Paisagem-ficção» Rua da Atalaia, 12 a 16 1200-041 Lisboa + (351) 21 346 0881 salgadeiras@sapo.pt www.salgadeiras.com Paula Almozara «Paisagem-ficção» No âmbito da sua estratégia internacional, a Galeria das Salgadeiras

Leia mais

CARTILHA D. JOTINHA A ORIENTAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS SOBRE A CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO E CULTURAL

CARTILHA D. JOTINHA A ORIENTAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS SOBRE A CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO E CULTURAL CARTILHA D. JOTINHA A ORIENTAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS SOBRE A CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO E CULTURAL Universidade Federal de Goiá/Faculdade de Artes Visuais Rodrigo Cesário RANGEL Rodrigoc_rangel@hotmail.com

Leia mais

Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira

Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira Fortunato Lamego, 10 de Junho de 2015 Senhor Presidente

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS Flávio Pereira DINIZ (FCS UFG / diniz.fp@gmail.com) 1 Dijaci David de OLIVEIRA (FCS UFG / dijaci@gmail.com) 2 Palavras-chave: extensão universitária;

Leia mais

MEMBROS DO JÚRI NOTAS BIBLIOGRÁFICAS

MEMBROS DO JÚRI NOTAS BIBLIOGRÁFICAS MEMBROS DO JÚRI NOTAS BIBLIOGRÁFICAS José Luís Mendonça, Angola Nasceu no Gulungo Alto Kwanza Norte, a 24 de novembro de 1955. Estudou direito na universidade Agostinho Neto, em Luanda. É jornalista, membro

Leia mais

A SÁTIRA NA POESIA PORTUGUESA

A SÁTIRA NA POESIA PORTUGUESA SUB Hamburg B/110843 A SÁTIRA NA POESIA PORTUGUESA e a Poesia Satírica de Nicolau Tolentino, Guerra Junqueiro e Alexandre O'Neill CARLOS NOGUEIRA FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E

Leia mais

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Para que o início das aulas do novo ano lectivo se realize com facilidade, a Direcção dos Serviços de Educação

Leia mais

Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail.

Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail. Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail.com Blog: http://historiaemdebate.wordpress.com 1 Principais Conceitos sobre os

Leia mais

. Pós-Graduação em Ciências Jurídico-Processuais, na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra.

. Pós-Graduação em Ciências Jurídico-Processuais, na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. HABILITAÇÕES ACADÉMICAS. Mestre em Direito, desde 02 de Junho de 2003, pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, na área de especialização das Ciências Jurídico-Processuais, tendo obtido, com

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

DATA DA APRESENTAÇÃO: 7 DE ABRIL 14H

DATA DA APRESENTAÇÃO: 7 DE ABRIL 14H LOCAL: AUDITÓRIO PRÉDIO 5 DATA DA APRESENTAÇÃO: 7 DE ABRIL 14H Luís Aguiar Santos (Universidade de Lisboa) Antonio de Ruggiero (PUCRS) - Decadência de Portugal e a solução cesarista: um estudo sobre história

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

Grandes Exploradores

Grandes Exploradores Obras de referência para toda Grandes Exploradores A ousadia, a determinação e o espírito de aventura das figuras que marcam a descoberta e a exploração do Planeta. Do fundo do mar aos polos, do coração

Leia mais

Curso de Relações Internacionais

Curso de Relações Internacionais UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências Curso de Relações Internacionais 2 º. ano Disciplina: Historia da Formação dos Países Latino Americanos Profª Lidia M.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA INSTITUIÇÕES E INTELECTUAIS DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: HISTÓRIA, IDEIAS E TRAJETÓRIAS Responsável: Prof. Dr. Mauro Castilho Gonçalves O projeto investiga a história de instituições educativas

Leia mais

GUERRA E PAZ NA HISTÓRIA DO BRASIL NA VISÃO DE VARNHAGEN MEMÓRIA DO SABER FRANCISCO ADOLFO DE VARNHAGEN (1816-1879)**

GUERRA E PAZ NA HISTÓRIA DO BRASIL NA VISÃO DE VARNHAGEN MEMÓRIA DO SABER FRANCISCO ADOLFO DE VARNHAGEN (1816-1879)** GUERRA E PAZ NA HISTÓRIA DO BRASIL NA VISÃO DE VARNHAGEN RAQUEL GLEZER* - USP A. O PROJETO APRESENTADO PARA A CHAMADA CNPQ/BN COLEÇÃO MEMÓRIA DO SABER FRANCISCO ADOLFO DE VARNHAGEN (1816-1879)** JUSTIFICATIVA

Leia mais

OPÇÕES 1.º Ciclo 2014-2015

OPÇÕES 1.º Ciclo 2014-2015 OPÇÕES 1.º Ciclo 2014-2015 0 DEFINIÇÕES GERAIS Disciplinas de opção curricular 1- São consideradas opções curriculares as disciplinas de opção contempladas nos planos de estudos dos cursos, constituindo,

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A/484566 Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A cobertura de eleições presidenciais na imprensa e na televisão (1976-2001) Edições Colibri Instituto Politécnico de Lisboa ÍNDICE Introdução 23

Leia mais

Amparo Carvas. Publicações. Musicólogos portugueses

Amparo Carvas. Publicações. Musicólogos portugueses Musicólogos portugueses Amparo Carvas Publicações Teses, capítulos de livros, artigos em revistas de circulação internacional com arbitragem científica, revistas nacionais, publicações de encontros científicos,

Leia mais

Prefácio Introdução: As origens do socialismo democrático PRIMEIRA PARTE: 1864-1918

Prefácio Introdução: As origens do socialismo democrático PRIMEIRA PARTE: 1864-1918 ÍNDICE 11 17 19. 199 22 25 25 28 31 33 36 42 47 48 48 51 51 52 56 58 62 63 72 Prefácio Introdução: As origens do socialismo democrático PRIMEIRA PARTE: 1864-1918 I. A Primeira Internacional 1. As origens

Leia mais

RESUMO DE DADOS CURRICULARES

RESUMO DE DADOS CURRICULARES DADOS PESSOAIS Nome: Luis M. Martins Estado Civil: Casado Nacionalidade: Portuguesa Data de Nascimento: 19/03/1973 FORMAÇÃO ACADÉMICA 2004-2005 PÓS-GRADUAÇÃO Sociedades Comerciais Instituto Superior de

Leia mais

desarquivando a ditadura MEMÓRIA E JUSTIÇA NO BRASIL

desarquivando a ditadura MEMÓRIA E JUSTIÇA NO BRASIL CECÍLIA MACDOWELL SANTOS EDSON TELES JANAÍNA DE ALMEIDA TELES ORGANIZADORES Linga-Bibliothek Linga A/906170 desarquivando a ditadura MEMÓRIA E JUSTIÇA NO BRASIL VOLUME II EDITORA HUCITEC São Paulo, 2009

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas Visita de estudo Geografia Conhecer o funcionamento de uma unidade industrial; Reconhecer a importância da atividade industrial na economia. Geografia e Alunos do 9º Ano Unidade Industrial 2ºPeríodo Visita

Leia mais

Desenvolvimento. e Mudança Social Portugal nos últimos dois séculos. Homenagem a Míriam Halpem Pereira

Desenvolvimento. e Mudança Social Portugal nos últimos dois séculos. Homenagem a Míriam Halpem Pereira Desenvolvimento e Mudança Social Portugal nos últimos dois séculos Homenagem a Míriam Halpem Pereira José Vicente Serrão Magda de Avelar Pinheiro Maria de Fátima Sá e Melo Ferreira (organizadores) Imprensa

Leia mais

A EDUCAÇÃO COLONIAL DO SALAZARISMO PARA A ÁFRICA: UM DEBATE DAS CONDIÇÕES HISTORIOGRÁFICAS ATUAIS

A EDUCAÇÃO COLONIAL DO SALAZARISMO PARA A ÁFRICA: UM DEBATE DAS CONDIÇÕES HISTORIOGRÁFICAS ATUAIS A EDUCAÇÃO COLONIAL DO SALAZARISMO PARA A ÁFRICA: UM DEBATE DAS CONDIÇÕES HISTORIOGRÁFICAS ATUAIS GISELDA BRITO SILVA Resumo Este trabalho tem por objetivo apresentar algumas questões historiográficas

Leia mais

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Conteúdos Ano Lectivo Período Lectivo Tema A-A península Ibérica: dos primeiros povos à formação

Leia mais

Aos EDUCADORES, PROFESSORES e ANIMADORES:

Aos EDUCADORES, PROFESSORES e ANIMADORES: Aos EDUCADORES, PROFESSORES e ANIMADORES: Elaboramos esta pequena BIBLIOGRAFIA SOBRE LISBOA DESTINADA A CRIANÇAS E JOVENS de títulos existentes na REDE MUNICIPAL DE BIBLIOTECAS, os quais julgamos poderem

Leia mais

The Art of Guiding by SNATTI

The Art of Guiding by SNATTI The Art of Guiding by SNATTI Dia 10 de Novembro - Lisboa A Fundação de Portugal A formação do espaço português, povos, língua, comunicações e povoamento. Do Condado Portucalense ao Reino de Portugal. O

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras ÁREAS DE ORIENTAÇÕES DOS PROFESSORES DO CURSO DE LETRAS (Licenciatura e Bacharelado) DOCENTE Área(s) de orientação Temas preferenciais de orientação Alexandre - Literatura - Elaboração de propostas Huady

Leia mais

Conclusão da Parte Escolar do Mestrado em Ciências Jurídico-Políticas na Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa, em 1995.

Conclusão da Parte Escolar do Mestrado em Ciências Jurídico-Políticas na Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa, em 1995. LINO TORGAL Data e local de nascimento: 1970, Lisboa Cédula Profissional: 12177L Correio eletrónico: lt@servulo.com HABILITAÇÕES LITERÁRIAS Leadership in Law Firms, Harvard Law School, em 2013. Admitido

Leia mais

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores Coleção educação em análise A literatura é um campo privilegiado para ocultar/desocultar sentidos, e os livros contemporâneos (muitas vezes plenos de mensagens que vão além do texto literário, estabelecendo

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS ESTANTES

CLASSIFICAÇÃO DAS ESTANTES CLASSIFICAÇÃO DAS ESTANTES 2006 1 0 Generalidades. Documentação 00 Ciência e conhecimento em geral Investigação científica Metodologia da pesquisa Métodos de estudo ver 37.04 Metrologia Organização do

Leia mais

CLEPUL ORIENTAÇÕES METODOLÓGICAS DE LEITURA

CLEPUL ORIENTAÇÕES METODOLÓGICAS DE LEITURA CLEPUL IMPACTOS MEDIA E WEB ORIENTAÇÕES METODOLÓGICAS DE LEITURA Este levantamento pretende considerar apenas obras, eventos ou projetos que reúnam referências descritivas em páginas web e/ou blogs. Explicitando,

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação 2014 383 COMUNICAÇÃO SOCIAL - JORNALISMO. COORDENADORA Mariana Lopes Bretas marianabretas@ufv.br

UFV Catálogo de Graduação 2014 383 COMUNICAÇÃO SOCIAL - JORNALISMO. COORDENADORA Mariana Lopes Bretas marianabretas@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2014 383 COMUNICAÇÃO SOCIAL - JORNALISMO COORDENADORA Mariana Lopes Bretas marianabretas@ufv.br 384 Currículos dos Cursos do CCH UFV Bacharelado ATUAÇÃO O jornalista é um profissional

Leia mais

C O M O L O C A L I Z A R D O C U M E N T O S N A S E S T A N T E S D O C D I?

C O M O L O C A L I Z A R D O C U M E N T O S N A S E S T A N T E S D O C D I? C O M O L O C A L I Z A R D O C U M E N T O S N A S E S T A N T E S D O C D I? Sumário Monografias... 2 Plano de classificação... 2 Cotação... 3 Ordenação das monografias nas estantes/prateleiras... 4

Leia mais